ALFANEWS. Reprodução Assistida: como ampliar o acesso?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALFANEWS. Reprodução Assistida: como ampliar o acesso?"

Transcrição

1 ALFANEWS Informativo do Projeto ALFA Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida Volume 2 Número 1 Ano 2013 Reprodução Assistida: como ampliar o acesso? Assista o vídeo de abertura do Fórum de Debates que está postado no Youtube:

2 Histeroscopia Tel (11) Fax (11) TRATAMENTO OFERECIDOS Inseminação intrauterina FIV FIV com ICSI FIV com coleta alternativa de espermatozoides (PESA,TESA,TESE, MESA) FIV com assisted hatching FIV com recepção de oócitos ou embriões doados FIV com cessão temporária do útero FIV com diagnóstico genético pré-implantacional FIV com screening genético pré-implantacional Criopreservação da fertilidade feminina e masculina Colocação ou remoção de DIU sob anestesia Punção de cistos ovarianos ou endometriomas Vasectomia Reversão de vasectomia (microscópio cirúrgico) CEP São Paulo-SP os melhores profissionais em reprodução humana, equipamentos de última geração e o mais alto padrão de segurança biológica na manipulação de gametas e embriões humanos. Se você ainda não é nosso associado, venha nos conhecer! Rua Cincinato Braga, 37 12o andar O Grupo ALFA tem

3 Informativo do Projeto ALFA Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida Volume 2 Número 1 Ano 2013 O filme de abertura do fórum de debates está postado no Youtube: EDITORIAL Fertilização in vitro: o que comemorar? A fertilização in-vitro (FIV) está comemorando trinta e cinco anos do nascimento do primeiro bebê na Inglaterra, revolução científica que permitiu a muitas pessoas alcançar a gestação desejada. Os resultados na década de 80 estavam por volta de 10%, hoje, em 2013, trabalhamos com até 50 % de sucesso, tanto para causas femininas quanto para masculinas. Se os resultados melhoraram, outras questões nem tanto. No Brasil, já temos 30 anos de FIV e ainda continuamos sem legislação adequada. Persistem as discussões éticas, religiosas, sociais, culturais e, principalmente, as dificuldades de acesso econômico, ocasionada pela escassez de serviços públicos e pela interpretação incorreta da lei pela Agência Nacional Saúde Suplementar (ANS), que insiste em não incluir os tratamentos de infertilidade no rol de procedimentos a serem cobertos pelos planos de saúde. A partir das décadas de 60 e 70, a pílula anticoncepcional foi fator determinante na mudança do comportamento da sociedade, assim como o alto número de separações, resultando na formação de novos casais. As mulheres adquiriram controle da natalidade e consequentemente a sua liberdade sexual. Entraram no mercado de trabalho em busca da independência financeira e postergaram a primeira gravidez para fases mais tardias na vida. A mesma medicina que proporcionou métodos seguros e eficazes de anticoncepção não foi capaz de oferecer chances iguais de gestação nos tratamentos de infertilidade, principalmente para as mulheres com mais idade apesar das crenças difundidas pela mídia de que a reprodução assistida pode suplantar esse problema. Apesar de não solucionar os problemas relacionados à idade, a reprodução assistida tem indicação em praticamente todas as causas de infertilidade conjugal. Nossas clínicas têm o mesmo aporte tecnológico que tem as dos países desenvolvidos. Apenas há que se discutir o acesso do método às várias faixas econômicas da população, já que o custo é alto, tanto das medicações utilizadas quanto dos custos médicos-laboratoriais. O Brasil, tem aproximadamente 190 milhões de habitantes, deveria realizar, idealmente, cerca de ciclos/ ano, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Entretanto, realizamos em torno de ciclos/ano, muito abaixo da demanda. Seguramente, isso deve-se a nossa política de saúde, em que o Estado não atende às necessidades da população e delega parte do atendimento aos planos de saúde. Apesar de a Constituição determinar, desde 2009, que eles devam dar cobertura a essa modalidade terapêutica, os planos de saúde, com cerca de 60 milhões de pessoas associadas, não disponibiliza os tratamentos de reprodução assistida para seus beneficiários, porque a ANS normatiza de modo equivocado a lei. Sendo assim, cabe às sociedades médicas, aos legisladores, aos advogados e à indústria farmacêutica unirem esforços, para uma compreensão mais profunda desse momento e ajudar, responsavelmente, a população que necessita desse tipo de atendimento de saúde, cuja falta, sem dúvida, adoece lares, pessoas, por vezes, tornando-as infelizes por toda vida, já que este tipo de perda de um ALFANEWS filho não tido é irrecuperável. Reprodução Assistida: como ampliar o acesso? É expressamente proibido reproduzir quaisquer matérias ou imagens desta revista, total ou parcialmente, sem a autorização por escrito de seu editor. A responsabilidade sobre os conceitos e opiniões emitidos nos artigos e nas propagandas é exclusiva de seus autores e anunciantes. Ilustração da capa Latte Design Montagem da capa Josi Tanaka PROJETO ALFA FERTILIZAÇÃO ASSISTIDA S/A. Av. Cincinato Braga, 37, 12 o andar CEP São Paulo-SP Tel. (11) COMITÊ EXECUTIVO Elvio Tognotti Jonathas Borges Soares Nelson Antunes Júnior Newton Eduardo Busso Sidney Glina CALABORADORES Cristiano Eduardo Busso Leopoldo Oliveira Tso Luciana Leis Márcia Wirth Oscar Barbosa Duarte Filho Rodrigo Romano ALFANEWS É ÓRGÃO INFORMATIVO DO PROJETO ALFA FERTILIZAÇÃO ASSISTIDA S/A. Editor Newton Eduardo Busso PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO Josimar Silvestre Tanaka com JORNALISTA RESPONSÁVEL Josimar Silvestre Tanaka GRÁFICA Prol Gráfica TIRAGEM exemplares alfanews volume 2 número 1 ano

4 Índice 3 EDITORIAL Artigos ALFA Estudos Clínicos Projeto Alfa e Projeto Beta Artigos Comentados Avaliação da reserva ovariana: opinião do comitê da ASRM Artigos Comentados Baixo peso ao nascer: está relacionado às técnicas de Reprodução Assistida ou à "subfertilidade? Resumo de Trabalho Científico Transferência de embrião descongelado é associada com uma incidência significativamente reduzida de gravidez ectópica Aconteceu XVII Simpósio Paulista de Infertilidade Conjugal SPIC Agenda de eventos mar 2013 ESRHE ASRM Bahamas EUA 13 mar abr th World Congress on Human Reproduction Veneza Itália 5 o Congresso Internacional do Instituto Valenciano de Infertilidade Sevilha Espanha 13 jun 2013 XXVII Jornada de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa São Paulo Brasil 07 jul ago o Encontro Anual da ESHRE 17 o Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida Bonito 21 a 24 de agosto de 2013 Londres Inglaterra Bonito MS 05 set 2013 XVIII Congresso Paulista de Ginecologia e Obstetrícia - SOGESP São Paulo Brasil 12 out 2013 IFFS/ASRM 2013 Boston EUA 6 a 9 de dezembro de 2013 Navio MSC Preziosa VIII Congresso Paulista de Medicina Reprodutiva e Climatério Santos Búzios Brasil Informações RG Eventos Corporativos Tel.: alfanews volume 2 número 1 ano 2013

5 ARTIGOS ALFA Estudos Clínicos Projeto Alfa e Projeto Beta IMPACTO DA INTENÇÃO DE CRIOPRESERVAÇÃO EMBRIONÁRIA NO PRIMEIRO CICLO À FRESCO DE PACIENTES JOVENS Pesquisadores responsáveis Ivan Henrique Yoshida e Leopoldo de Oliveira Tso Desenho do Estudo Estudo coorte retrospectivo Status Em andamento (análise dos dados) Objetivo Avaliar se a intenção do casal infértil de criopreservar embriões influencia nas taxas de sucesso dos tratamentos de FIV. População Levantamento dos ciclos dos casais inférteis que realizaram tratamento no Projeto Beta de jan 2010 a out AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO SÉRICA DE PROGESTERONA NO DIA DO HCG NOS CICLOS DE FIV Pesquisadores responsáveis Leopoldo de Oliveira Tso Desenho do Estudo Estudo transversal Status Em andamento (coleta de material) Objetivo Avaliar se há correlação entre a concentração de progesterona no dia do hcg e as taxas de sucesso dos ciclos de FIV/ICSI. População Dosagem da concentração sérica da progesterona de mulheres no dia do hcg que se submeterão aos tratamentos de FIV/ICSI no Projeto Beta a partir de janeiro de AVALIAÇÃO DA CURVA DO B-HCG SÉRICO APÓS A TRANSFERÊNCIA EMBRIONÁRIA E SUA CORRELAÇÃO COM OS RESULTADOS DE FIV Pesquisadores responsáveis Newton Eduardo Busso Desenho do Estudo Estudo transversal Status Em andamento (discussão do protocolo) Objetivo Avaliar se há correlação entre a concentração de ß-hCG sérico coletado precocemente após a transferência embrionária e as taxas de sucesso dos ciclos de FIV/ICSI. População Dosagem da concentração sérica de ß-hCG no 5 o e 7 o dias após a transferência embrionária em mulheres que se submeteram aos tratamentos de FIV/ICSI no Projeto Beta a partir de fev ESTUDO CLÍNICO RANDOMIZADO COMPARANDO PROTOCOLO COM ALTAS DOSES DE GONADOTROFINA COM A REPETIÇÃO DO ESTÍMULO COM A MESMA DOSE EM PACIENTES MÁS RESPONDEDORAS Pesquisadores responsáveis Cláudia Glina Desenho do Estudo Estudo clínico prospectivo randomizado Status Em andamento (discussão do protocolo) Objetivo Comparar os resultados dos ciclos de FIV/ICSI de dois tipos de protocolo em pacientes com baixa resposta no primeiro ciclo: repetir o tratamento com HMG 150 UI ou aumentar dose para HMG 225 UI. População Mulheres com baixa resposta no primeiro ciclo de FIV/ICSI que repetirão o tratamento no Projeto Beta a partir de fev AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DE DESVITRIFICAÇÃO DE OÓCITOS DO PROJETO ALFA Pesquisadores responsáveis Vanessa Comar Abuçafy Desenho do Estudo Estudo retrospectivol Status Em andamento (coleta de dados) Objetivo Avaliar os resultados de desvitrificação do Projeto ALFA de 2008 a População Mulheres que se submeteram a ciclos de vitrificação e desvitrificação de oócitos no Projeto ALFA de 2008 a AVALIAÇÃO DO ESTRESSE NOS CICLOS DE FIV E SUA CORRELAÇÃO COM OS RESULTADOS DE FIV Pesquisadores responsáveis Luciana Leis Desenho do Estudo Estudo transversal Status Em andamento (coleta de material) Objetivo Avaliar o impacto do estresse e a ansiedade no momento da transferência embrionária nos resultados dos ciclos de FIV/ICSI. População Mulheres que se submeteram aos tratamentos de FIV/ICSI no Projeto Beta a partir de jan alfanews volume 2 número 1 ano

6 ARTIGO COMENTADO Newton Eduardo Busso Avaliação da reserva ovariana: opinião do comitê da ASRM Fertility and Sterility, dez 2012 O número de oócitos e sua qualidade declinam com a idade da mulher e a fertilidade varia entre as mulheres de mesma idade. O conceito de reserva ovariana visa analisar a função ovariana e a qualidade dos oócitos remanescentes em mulheres inférteis. Não há uma definição exata sobre o conceito de diminuição da reserva ovariana (DOR). O termo pode relacionar- -se a qualidade oócitária, a quantidade oocitária ou ao potencial reprodutivo. Essa revisão tem como objetivo analisar a utilidade clínica dos diversos testes utilizados atualmente (bioquímicos e de imagem), predizer o valor deles na pesquisa de reserva ovariana e identificar quais pessoas apresentam baixa reserva ovariana. Idealmente, o teste deveria exibir alta especificidade e mínima variação entre os ciclos e intra ciclo. A dosagem do FSH basal nos primeiros dias do ciclo menstrual é um dos principais exames utilizados para avaliar a função ovariana. Altos valores (geralmente maiores que 10 UI/L) são associados à baixa resposta ovariana nos tratamentos de FIV e diminuição das taxas de gestação. Quando um único valor é utilizado para diagnóstico de DRO, a dosagem do FSH apresenta alta especificidade, mas baixa sensibilidade. Isso mostra que uma única medida não pode ser considerada como diagnóstico de DOR, porque o FSH varia entre os ciclos da mulher. Além disso, um alto FSH também pode nos levar a resultado falso positivo, especialmente quando utilizado em uma população de baixo risco. Sabe-se também que algumas mulheres com DOR possuem FSH normais. Contudo, refuta-se a idéia de que a resposta ovariana e as taxas de gestação sejam maiores em ciclos com FSH normal entre mulheres com FSH variante. Outro teste comumente utilizado é a dosagem do estradio basal também nos primeiros dias do ciclo menstrual. A maior parte dos estudos revelam que o estradiol não difere entre mulheres com e mulheres sem DOR, assim não deve ser utilizado com único teste para diagnóstico. Esse último é válido somente quando associado à dosagem de FSH normal, pois ajuda na acurácia e interpretação do exame. O Hormônio Anti Mulleriano (HAM) é produzido pelas células da granulosa dos folículos e são gonadotrofina dependentes. A dosagem do HAM tem importância evidente na reserva ovariana. Há evidências de que baixos níveis de HAM têm alta especificidade para DRO, mas há insuficientes dados que suportem seu uso para predizer falha de concepção. Ainda não há estudos consistentes que definam as medidas e pontos de corte do HAM. Baixas dosagens de HAM (como por exemplo HAM indetectável) são associados com, mas não necessariamente, baixa resposta à estimulação ovariana, baixa qualidade embrionária e resultados ruins na taxa de gestação. Seu uso não é justificável como rotina em pacientes de baixo risco. A contagem de folículos antrais (CFA) se faz pela soma dos folículos de ambos ovários realizada pelo ultrassom transvaginal. Folículos antrais são definidos como aqueles com maior diâmetro (entre 2 10mm). Baixa CFA (entre 3 10mm) tem sido associada, mas não necessariamente prediz baixa resposta ovariana às gonadotrofinas e baixa taxa de gestação. A CFA que apresenta folículos entre 3 4mm tem alta especificidade para baixa resposta ovariana, mas baixa sensibilidade. A avaliação da medida do volume ovariano por meio de pelo ultrassom transvaginal (USG TV), também pode ser utilizada para predizer DRO. Correlaciona-se o volume ovariano com o número de folículos antrais (FA) e oócitos. Não é indicado seu uso como teste de screening para DRO. A dosagem de inibina B não é teste confiável para avaliação da reserva ovariana. Os valores da inibina B aumentam com a estimulação do GnRh ou do FSH, exibindo grandes variações intra-ciclo, além de também possuir variação entre os ciclos menstruais. O Teste com citrato de clomifeno envolve medidas do FSH basal antes e pós o uso do clomifeno 100mg/dia (do quinto ao nono dia do ciclo menstrual) e dosagem elevada de FSH após estímulo com clomifeno sugere DRO. Há variedade do FSH entre os ciclos de estímulo. Estudos mostram moderada especificidade e sensibilidade. A avaliação do FSH basal sem estímulo é preferencial na pesquisa de DRO. Os estudos pesquisados orientam a não utilizar um só teste para avaliar a função ovariana, mas uma combinação de exames bioquímico e de imagem, visto que nenhum exame isolado possue sensibilidade e especificidade de 100%, mas ainda não há evidências de qual combinação de exames seja a ideal. 6 alfanews volume 2 número 1 ano 2013

7 ARTIGO COMENTADO Leopoldo de Oliveira Tso Baixo peso ao nascer: está relacionado às técnicas de Reprodução Assistida ou à "subfertilidade"? Laxmi A. Kondapalli and Alfredo Perales-Puchalt. Universidade do Colorado, Denver. EEUU. La Fe Hospital Universitário, Valência, Espanha. Fertil and Steril Vol.99,nº 2, Fevereiro 2013 Desde o advento da fertilização in-vitro, há 35 anos, há preocupação com a segurança da tecnologia no que diz respeito ao impacto sobre a saúde dos recém nascidos. Inúmeros estudos tem sugerido aumento no risco de nascimentos pré-termo, baixo peso ao nascer, anomalias congênitas, mortalidade perinatal e outras complicações associadas à gestação comparadas às gestações espontâneas. A etiologia destas possíveis complicações ainda não é conhecida. Acresce-se hoje a preocupação com estas crianças a longo prazo, com a repercussão da prematuridade e do baixo peso na fase adulta, fatos que também permanecem não esclarecidos. Há indícios que o o baixo peso possa predispor à doenças como diabetes tipo 2, hipertensão e doença cardiovascular. Enquanto a etiologia dos resultados perinatais adversos permanece obscura, o risco aumento de baixo peso é atribuído ás gestações múltiplas sabidamente mais freqüentes nas técnicas de reprodução assistida, embora alguns estudos sugiram que mesmo os recém nascidos únicos tem também este risco aumentado. Entre as prováveis etiologias responsáveis por resultados adversos associados às técnicas de reprodução assistida podemos incluir a qualidade oocitária, a receptividade endometrial, a cultura dos embriões durante o estágio inicial do seu desenvolvimento, a infertilidade do casal, que repre- "vanishing twin" hipóteses Número de embriões transferidos Implantação "suboptimal" Estágio de desenvolvimento senta uma população provavelmente diferente e de maior risco para as eventualidades citadas. Com a crescente utilização das técnicas de reprodução é grande a preocupação com a segurança e o impacto das mesma tanto de repercussão imediata nos recém nascidos quanto a longo termo nos indívuos adultos. A verdade é que para estabelecermos relação causa-efeito em um evento com múltiplas variáveis e de evolução a curto, médio e longo prazo, dificilmente teremos possibilidade de desenhar um trabalho prospectivo, praticamente impossível de ser randomizado em com poder que nos dê a resposta esperada. Acredito que o adequado é transmitir esta nossa inquietude e incertezas de modo honesto e claro às pacientes. Potencial de implantação Meio de cultura Baixo peso ao nascer Placenta Qualidade do embrião Potencial desenvolvimento Características do embrião Indução da ovulação congelado vs. fresco Qualidade endometrial Características maternas/subfertilidade alfanews volume 2 número 1 ano

8 RESUMO DE TRABALHO CIENTÍFICO Elvio Tognotti Transferência de embrião descongelado é associada com uma incidência significativamente reduzida de gravidez ectópica Frozen-thawed embryo transfer is associated with a significantly reduced incidence of ectopic pregnancy Bruce S. Shapiro, Said T. Daneshmand, Laura De Leon, Forest C. Garner, Martha Aguirre, and Cynthia Hudson Fertil Steril 2012;98: INTRODUÇÃO A prenhez ectópica (PE) é aproximadamente duas vezes mais frequente em gestações de tecnologias de reprodução assistida, quando comparada à gravidez espontânea. Trabalhos relatam taxas de PE tubária em FIV na faixa de 2% a 5%. Existem várias hipóteses para explicar o aumento do risco de PE em FIV. Estas incluem as características específicas das pacientes, como a doença tubária e outros diagnósticos de infertilidade. Outras causas incluem o uso de estimulação ovariana, resultando em aumento de contrações uterinas secundárias a elevados níveis de E2, ou disfunção ciliar secundária a níveis elevados de progesterona. O uso de tabaco também tem sido correlacionado com PE após fertilização in vitro. Este estudo compara a taxa de PE em ciclos de transferência de blastocistos autólogos descongelados com a transferência de blastocisto autólogos a frescos para determinar se há diferenças. Isso pode ajudar a resolver a falta de consenso sobre se a incidência de PE e se ela pode ser reduzida em ciclos descongelados. MATERIAIS E MÉTODOS Este estudo incluiu período de 8 anos, terminando em 31 de dezembro de As pacientes foram submetidos a estimulação ovariana com gonadotrofinas, FSH ou hmg. A supressão hipofisária conseguiu-se rotineiramente com antagonista do GnRH. Quando pelo menos metade dos folículos chegou a 16 mm de diâmetro médio foi administrado o hcg (2.500 a IU) ou agonista de GnRH (acetato de leuprolide 4mg), ou ambas para a maturação final do oócito, e realizada a aspiração folicular 35 horas depois. Oócitos foram inseminadas por ICSI, e os embriões resultantes foram cultivados até blastocisto. Os blastocistos foram transferidos, orientados por ultrassom no dia 5, 6, ou, raramente, no 7º dia do desenvolvimento embrionário, dependendo do dia de expansão do blastocisto. Oócitos em estágio de 2 pró-nucleos (2PN) foram criopreservados e descongelaram usando método convencional de congelamento lento. A opção de criopreservação foi oferecido nos casos de luteinização precoce, história de falha de implantação após transferência a fresco, ou como participantes randomizados do ensaios. Antes da transferência, os pacientes receberam suplemento de estradiol (comprimidos orais 6,0 mg diariamente e correções conforme necessário). A partir de 10 a 14 dias de estrogênio iniciaram-se injeções diárias de progesterona (geralmente 100 mg por dia). Após o descongelamento, a cultura de embriões até a transferência dos blastocistos seguiram o mesmo protocolo que para as transferências a fresco. Gravidez foi estabelecida através de subsequentes aumentos na concentração sérica de hcg medido até dia 10 depois da transferência do blastocisto até o primeiro exame de ultrassom, e aproximadamente semanal depois disso. As 8 alfanews volume 2 número 1 ano 2013

9 RESUMO DE TRABALHO CIENTÍFICO Elvio Tognotti pacientes grávidas realizaram normalmente três ou quatro exames de ultrassom serial, começando na semana 5 ou 6 de gestação, e confirmação da gestação intrauterina. Aquelas com aumento anormal nos títulos séricos de hcg foram considerados sugestivos de potencial PE. Estas receberam mais frequentes exames de ultrassom, muitas vezes em intervalos de 48 horas, até que a localização da gravidez fosse visualizada ou começou a concentração de hcg para resolver. O suporte da fase lútea foi realizada em todos os ciclos com estradiol e progesterona suficientes para manter níveis séricos de 200 pg/ml e 15 ng/ml, respectivamente. Visualizada PE como saco gestacional extrauterino (incluindo gestações heterotópicas). A gravidez persistente de local desconhecido foi definida por persistente aumentando anormal na concentração de hcg sem visualização ultrassonográfica, e foram tratados com metotrexato. Gravidez clínica foi definida com base na observação de batimento cardíaco fetal durante o exame sonográfico. Gravidez em curso foi definida como feto viável movimento do coração em aproximadamente gestação de 10 semanas. Teste exato de Fisher foi utilizado para comparar variáveis nominais. Depois de aplicar o Shapiro-Wilk, teste de normalidade, o teste de Wilcoxon foi utilizado para comparar variáveis numéricas e desvio da distribuição normal foi observado. Valores de p inferiores a 0,05 foram considerados significantes. RESULTADOS Havia transferências de blastocisto autólogos a frescos e 690 transferências de blastocistos descongelados de 2PN durante o período de estudo. Quando comparados com os do grupo de transferência a fresco, mulheres do grupo descongelados foram significativamente mais velhas que do grupo a fresco. A incidência de diagnóstico do fator tubário não diferiu significativamente entre os dois grupos, e pouca evidência foi encontrada uma relação entre o diagnóstico do fator tubário e PE nestes resultados. Entre as pacientes grávidas sem diagnóstico do fator tubário, a incidência de PE foi 1,9% (14/725) a fresco e 0 (0/433) em ciclos descongelados. A figura 1 ilustra os resultados obtidos. DISCUSSÃO Estes achados corroboram a conclusão de outros autores que o alto potencial de implantação é protetor contra PE. Em estudos prospectivos obtiveram taxas de implantação entre 67% e 71%. No presente estudo a taxa de implantação em ciclos de descongelados foi de 51,2%, que significativamente excedeu a taxa de implantação de 31,8 % dos ciclos a frescos. O alto potencial de implantação é protetor contra PE pois requer receptividade endometrial favorável que pode ser comprometida por estimulação ovariana. As taxas de PE com blastocistos descongelados no presente estudo foram inferiores (0%) do que nos estudos prévios (0,3%). Parece que a combinação de embriões com elevado potencial de implantação e um ambiente uterino mais receptivo, não prejudicado pela estimulação ovariana, diminui o risco de PE. Limitações deste estudo incluem sua natureza retrospectiva, seu tamanho modesto em relação aos estudos de registro e uso de protocolos específicos. Figura 1: Resultados nos 2 grupos de estudo: Fresh Transfer PTEC Pvalue Pregnancies Pregnancy rate (%) <.0001 TPPULs 23 2 TPPUL/pregnancy (%) Visualized ectopic pregnancies (VEP) 14 0 VEP/pregnancy (%) Clinical pregnancies Fetal hearts Implantation rate 31.8% 51.2%.0001 Multiples pregnancies Multiples pregnancys rate 38.1% 40.4%.4521 Spontaneous abortions Spontaneous abortions rate 7.2% 8.6% 4244 Ongoing pregnancies Ongoing pregnancy rate 39.9% 61.6%.0001 PTEC = post-thaw extended culture, TPPUL = treated persistente pregnancy of unknow location. Safiro. Ectopic pregnancy after thawed ET. Fertil Steril 2012 alfanews volume 2 número 1 ano

10 ACONTECEU XVII SPIC XVII Simpósio Paulista de Infertilidade Conjugal O evento apresentou conferências com amplas e informais discussões, cujo ponto máximo foi o fórum de debates, aberto ao público, sob o tema "Reprodução Assistida: como ampliar o acesso?". Profissionais de diversas áreas estiveram presentes. N os dias 7 e 8 de dezembro de 2012, no Hotel Maksoud Plaza, aconteceu o XVII Simpósio Paulista de Infertilidade Conjugal SPIC, evento que reuniu especialista de todo o Brasil. Tradicional na área de Medicina Reprodutiva, o evento foi organizado pelos médicos Élvio Tognotti, Jonathas Borges Soares, Nelson Antunes Jr., Newton Eduardo Busso e Sidney Glina, todos diretores do Grupo ALFA. As conferências foram proferidas apenas pelos convidados estrangeiros (Basil Tarlatzis Grécia, Catherine Welch EUA, Joel Lopez EUA, Paul Devroey Bélgica e Sergio Papier Argentina), seguidas de amplas e informais discussões buscando explorar e partilhar a experiência de todos os participantes presentes. O ponto máximo do evento foi o fórum de debates, aberto ao público, sob o tema "Reprodução Assistida: como ampliar o acesso?". A abertura do fórum se deu com a apresentação de um pequeno filme (https://www.youtube. com/watch?v=7dxiw6-530c), cujos atores estão estampados na capa desta edição do ALFANEWS. A intensão do filme era a de mostrar a peregrinação dos casais inférteis nos serviços de fertilização públicos e privados. Teatro lotado. Na platéia, a grande maioria dos participantes eram casais em busca de tratamento de infertilidade. No palco, profissionais de outras entidades que vieram apresentar suas experiências em situações semelhantes, na esperança de poder contribuir para a mudança do panorama brasileiro atual: tratamento para poucos. O presidente da SAMER (Sociedade Argentina de Medina Reprodutiva), Sergio Papier, comentou como funciona o tratamento de infertilidade por meio das Medicina de Grupo na Argentina. O diretor jurídico da Oncoguia, Tiago Farina Matos, relatou sobre a luta da Oncoguia com a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e os planos de saúde, para a cobertura da quimioterapia ambulatorial. A advogada Profa. Dra. Ana Cláudia Scalquette falou sobre a lei constitucional que considera direito de todos o tratamento da infertilidade. A jornalista Cláudia Colucci, autora Dra. Denise Christofolier, Dr. Élvio Tognotti, Dra. Juliana Cuzzi Da esquerda para direita: Dr. Newton Eduardo Busso, Dr. Arthur Dzik, Dr. Sergio Papier, Dra. Ana Cláudia Scalquette, Dr. Tiago Farina Matos, Deputado Eleuzes Paiva, Dr. Nelson Antunes Jr. 10 alfanews volume 2 número 1 ano 2013 Sala de conferência do livro "Quero ser mãe", falou sobre o sofrimento relatado pelos casais infertéis que a procuraram nos últimos 15 anos. O médico e deputado federal Eleuzes Paiva (PSD-SP) falou sobre o projeto de lei que vai propor a supressão do veto sumário da ANS aos tratamentos de reprodução. Ter sido ponto de partida para a ampliação do acesso aos tratamentos de Reprodução Assistida foi a importância deste encontro. Prof. Basil Tarlatzis, Dr. Arthur Dzik, Prof. Paul Devroey Teatro Fórum de Debates

11 MSD Fertilidade Ajudando você a ajudar que as famílias cresçam MC 423/ GEN-12-BR-423-J WOMN IMPRESSO EM MARÇO/2012

12

Valdir Martins Lampa. Declaração de conflito de interesse

Valdir Martins Lampa. Declaração de conflito de interesse Valdir Martins Lampa Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Avaliação da Reserva Ovariana e Manejo da Má Respondedora. Dr. Alvaro Petracco

Avaliação da Reserva Ovariana e Manejo da Má Respondedora. Dr. Alvaro Petracco Avaliação da Reserva Ovariana e Manejo da Má Respondedora Dr. Alvaro Petracco Quem é uma má respondedora? Literatura controversa Cautela na interpretação de dados Definição Relacionada a idade Níveis de

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce Instituto Valenciano de Infertilidade O Instituto Valenciano de Infertilidade nasceu em 1990 como a primeira instituição médica na Espanha especializada

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

Conceitos Básicos de Reprodução Assistida

Conceitos Básicos de Reprodução Assistida Conceitos Básicos de Reprodução Assistida Mariana Antunes Ribeiro ribeiro.mantunes@gmail.com Tratamentos IIU - Inseminação intra-uterina FIV - Fertilização in vitro convencional ICSI - Intracytoplasmic

Leia mais

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso?

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) Setor de Reprodução 46 o Congresso Humancopia de Ginecológica Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Natalia I. Zavattiero

Leia mais

Tratamentos convencionais

Tratamentos convencionais CAPÍTULO 17 Tratamentos convencionais A indicação terapêutica baseia-se na história clínica do casal, juntamente com a avaliação da pesquisa básica laboratorial. Levase também em consideração a ansiedade

Leia mais

Programação Preliminar

Programação Preliminar Dia 05 de Novembro Quarta-Feira - CREDENCIAMENTO DAS 14h00 às 19H00 - Área de Exposição - 26º CBRH - CEPUCS - Prédio 41 Dia 06 de Novembro Quinta-Feira 07h20 CREDENCIAMENTO Horário ATIVIDADES SALA 1 ATIVIDADES

Leia mais

Newton Busso. Declaração de conflito de interesse

Newton Busso. Declaração de conflito de interesse Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou terapêutico ou

Leia mais

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO Gestação Ectópica (GE) é definida como implantação do ovo fecundado fora da cavidade uterina

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer de mama Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Câncer de mama e fertilidade Por que? Como o tratamento

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

INTRODUÇÃO FORMULÁRIOS ESCRITOS DO PROCESSO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA: Introdução. Introdução. Estimulação ovariana controlada (ECO)

INTRODUÇÃO FORMULÁRIOS ESCRITOS DO PROCESSO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA: Introdução. Introdução. Estimulação ovariana controlada (ECO) 1 FORMULÁRIOS ESCRITOS DO PROCESSO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA: 03 05 08 12 16 20 25 30 35 38 43 47 51 55 59 61 65 70 74 78 83 86 90 93 Introdução Estimulação ovariana controlada (ECO) Inseminação

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

Congelar sêmen é alternativa para homens com câncer preservarem a fertilidade

Congelar sêmen é alternativa para homens com câncer preservarem a fertilidade FERTILIDADE Congelar sêmen é alternativa para homens com câncer preservarem a fertilidade Antes de iniciar o tratamento contra a doença, pacientes devem ser informados sobre a possibilidade de preservar

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

Estimulação Ovariana. Dr. João Pedro Junqueira

Estimulação Ovariana. Dr. João Pedro Junqueira Estimulação Ovariana Dr. João Pedro Junqueira Abordagem da Paciente com Baixa Resposta Prof Dimitris Loutradis,, (GRC) Abordagem da Paciente com Baixa Resposta Definição 1) < 3 53 5 folículos dominantes

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 Pais doam embrião congelado para engravidar mulher infértil...2 Adormecidos no nitrogênio líquido há até dez anos...3 À espera da chance de ser mãe...3

Leia mais

ALFANEWS. Hirsutismo. passo a passo sobre. passo a passo. passo a passo Falência Ovariana Prematura

ALFANEWS. Hirsutismo. passo a passo sobre. passo a passo. passo a passo Falência Ovariana Prematura ALFANEWS Informativo do Projeto ALFA Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida Volume 3 Número 2 Ano 2014 passo a passo sobre Hirsutismo passo a passo passo a passo Falência Ovariana Prematura

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

ALFANEWS. MEDICINA REPRODUTIVA 10 anos de crescimento em pesquisa clínica

ALFANEWS. MEDICINA REPRODUTIVA 10 anos de crescimento em pesquisa clínica ALFANEWS Informativo do Projeto ALFA Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida Volume 4 Número 5-6 Ano 2015 MEDICINA REPRODUTIVA 10 anos de crescimento em pesquisa clínica MSD Fertilidade Ajudando

Leia mais

Pós ART. Dr. Edson Borges

Pós ART. Dr. Edson Borges Pós ART Dr. Edson Borges Ana Cobo, PhD., membro do Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI), Valencia, Espanha Vitrificação de Óvulos Experiência Clínica Doação de óvulos / Banco de óvulos Preservação

Leia mais

Avaliação da Infertilidade

Avaliação da Infertilidade Avaliação da Infertilidade Dr. Eduardo Camelo de Castro Ginecologista e Obstetra Professor do Curso de Pós Graduação em Reprodução Humana da PUC-GO Experiência devastadora, comparanda ao divórcio e ao

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides?

O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides? O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides? A injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI) é uma técnica de reprodução assistida que faz parte do tratamento de Fecundação in Vitro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que 01 - (Unicastelo SP) O gráfico representa os níveis de concentração dos diferentes hormônios femininos, no organismo, durante o ciclo menstrual. (www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais

Leia mais

Como prever a falência ovariana? Taxas de sucesso com congelamento/fiv

Como prever a falência ovariana? Taxas de sucesso com congelamento/fiv Como prever a falência ovariana? Taxas de sucesso com congelamento/fiv Serviço de Ginecologia HUCFF Tamara Paz (R2) Orientadora: Dra. Juraci Ghiaroni Envelhecimento feminino e infertilidade Ao nascimento:

Leia mais

número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida

Leia mais

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO 1 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 7-20/12/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o SEXTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório", com o tema "Quando encaminhar o casal para

Leia mais

Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade

Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade Simpósio Gestão da Qualidade em BCTG, ANVISA, São Paulo, Nov-2012 Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade Sidney Verza Jr Biólogo, Responsável pelo Laboratório de FIV ANDROFERT-

Leia mais

AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade. Policísticos. Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina

AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade. Policísticos. Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade nasíndrome Síndromedos Ovários Policísticos Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina Síndromede OváriosPolicísticos(SOP): Anovulação Hiperandrogênica

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

Menopur 75 U.I. menotropina (LH 75 U.I. + FSH 75 U.I.)

Menopur 75 U.I. menotropina (LH 75 U.I. + FSH 75 U.I.) Menopur 75 U.I. menotropina (LH 75 U.I. + FSH 75 U.I.) Pó liofilizado e diluente para solução injetável de administração intramuscular ou subcutânea. APRESENTAÇÕES Embalagens com 1 frascosampola de pó

Leia mais

Gestação de Substituição ASPECTOS PSICOLÓGICOS II Simpósio de Direito Biomédico OAB Cássia Cançado Avelar Psicóloga Centro Pró-Criar Gestação de Substituição Esse tratamento é indicado para pacientes que

Leia mais

ALFANEWS. Inseminação Intrauterina. Fatores determinantes de sucesso em PASSO A PASSO

ALFANEWS. Inseminação Intrauterina. Fatores determinantes de sucesso em PASSO A PASSO ALFANEWS Informativo do Projeto ALFA Fertilização Assistida Volume 1 Número 2 Ano 2012 PASSO A PASSO Fatores determinantes de sucesso em Inseminação Intrauterina PÓS-GRADUAÇÃO 2013 Em Infertilidade Conjugal

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Biologia 12ºA Outubro 2013

Biologia 12ºA Outubro 2013 Biologia 12ºA Outubro 2013 1 VERSÂO 2 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a maturação

Leia mais

Bravelle. Laboratórios Ferring Ltda. Pó Liofilizado para Solução Injetável 75 U.I.

Bravelle. Laboratórios Ferring Ltda. Pó Liofilizado para Solução Injetável 75 U.I. Bravelle Laboratórios Ferring Ltda. Pó Liofilizado para Solução Injetável 75 U.I. Bravelle urofolitropina Laboratórios Ferring IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Bravelle urofolitropina APRESENTAÇÕES Solução

Leia mais

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco 23/07/12 Produção e Manipulação de Pré-embriões Inseminação artificial Fertilização in vitro Biotecnologia da Reprodução Produção de animais transgênicos Biopsia de embrião Determinação genética pré-implante

Leia mais

CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE. Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça. Definição:

CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE. Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça. Definição: CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça Definição: Implatação do ovo fora da cavidade endometrial, como, por exemplo, nas tubas, ovário,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE HORMÔNIO ANTIMÜLLERIANO, CONTAGEM DE FOLÍCULOS ANTRAIS, VOLUME OVARIANO E RESULTADOS DE FERTILIZAÇÃO IN VITRO ANDREY CECHIN BOENO

RELAÇÃO ENTRE HORMÔNIO ANTIMÜLLERIANO, CONTAGEM DE FOLÍCULOS ANTRAIS, VOLUME OVARIANO E RESULTADOS DE FERTILIZAÇÃO IN VITRO ANDREY CECHIN BOENO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA E CIÊNCIAS DA SAÚDE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: CLÍNICA MÉDICA RELAÇÃO ENTRE HORMÔNIO ANTIMÜLLERIANO,

Leia mais

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal QUANDO USAR E QUANDO NÃO USAR METOTREXATE? Silândia Amaral da Silva Freitas

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal QUANDO USAR E QUANDO NÃO USAR METOTREXATE? Silândia Amaral da Silva Freitas 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal GRAVIDEZ ECTÓPICA: QUANDO USAR E QUANDO NÃO USAR METOTREXATE? Silândia Amaral da Silva Freitas GESTAÇÃO ECTÓPICA Ocorre fora da cavidade uterina.

Leia mais

Ambulatório de Infertilidade

Ambulatório de Infertilidade Ambulatório de Infertilidade Característica: Atendimento multidisciplinar. Consulta básica pelo ginecologista e colaboração do andrologista, psicólogo e nutricionista. 1. Critérios para admissão 1.1 Pacientes

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7% PROTOCOLO - OBS - 016 DATA: 23/11/2004 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITO É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

Leia mais

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE Data: 04/12/2013 NOTA TÉCNICA 242 /2013 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Número do processo: 1.0433.13.017726-7/001 Medicamento Material Procedimento Cobertura X EXAMES PARA DIAGNÓSTICO

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Reprodução Medicamente Assistida RMA

Reprodução Medicamente Assistida RMA Reprodução Medicamente Assistida RMA Reprodução Medicamente Assistida Trabalho realizado por: Daniel Lopes, nº10 Simão Serrano, nº21 Sofia Mendes, nº27 Marta Mendes, nº 29 RMA Escola Secundária Maria Amália

Leia mais

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte!

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte! Agrupameo de Escolas de Casquilh Escola Secundária de Casquilh 2º Teste Sumativo (90 minut) DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Reprodução Humana e Engenharia Genética Dezembro 2013 Professora

Leia mais

Alfanews. Informativo do Projeto ALFA Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida Volume 3 Número 3 e 4 Ano 2014. Você está

Alfanews. Informativo do Projeto ALFA Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida Volume 3 Número 3 e 4 Ano 2014. Você está Alfanews Informativo do Projeto ALFA Aliança de Laboratórios de Fertilização Assistida Volume 3 Número 3 e 4 Ano 2014 Você está Atualizado? MSD Fertilidade Ajudando você a ajudar que as famílias cresçam

Leia mais

INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA

INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA Myrian Megumy Tsunokawa Hidalgo (PIBIC/Fundação Araucária), Tamires Korchovei Sanches

Leia mais

CAPA. Arquivo Pessoal

CAPA. Arquivo Pessoal CAPA Arquivo Pessoal Aline e Rogério: mesmo com a Endometriose, casal não perde as esperanças de realizar o sonho de ter um filho, nem que seja por meio da fertilização in vitro 48 A endometriose rouba

Leia mais

A doação compartilhada de óvulos no Brasil sob enfoque do Direito e da Bioética

A doação compartilhada de óvulos no Brasil sob enfoque do Direito e da Bioética SEÇÃO BIOÉTICA A doação compartilhada de óvulos no Brasil sob enfoque do Direito e da Bioética Egg sharing in Brazil from the legal and bioethical point of view Instituto Bioetica 1, Marianna Gazal Passos

Leia mais

Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos

Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos Hormônios sexuais Controlados pelo FSH e LH: FSH: estimula o desenvolvimento dos folículos ovarianos; LH: responsável pelo rompimento do folículo maduro (ovulação)

Leia mais

Bases da estimulação ovariana em Reprodução Assistida. Edson Borges Jr.

Bases da estimulação ovariana em Reprodução Assistida. Edson Borges Jr. Bases da estimulação ovariana em Reprodução Assistida Edson Borges Jr. Corte de crescimento folicular Ovulação 25 mm LH Dominância 10 mm FSH E2 Seleção 2 mm Recrutamento FSH Ovulação normal Fisiologia

Leia mais

A Lei garante a cobertura dos tratamentos de fertilização cientificamente aceitos. Mas uma norma da Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS é

A Lei garante a cobertura dos tratamentos de fertilização cientificamente aceitos. Mas uma norma da Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS é A Lei garante a cobertura dos tratamentos de fertilização cientificamente aceitos. Mas uma norma da Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS é utilizada pelos planos de saúde para que excluam a cobertura

Leia mais

Histórico e Epidemiologia

Histórico e Epidemiologia Capítulo 1 Histórico e Epidemiologia A queixa de atraso em conceber uma gravidez ocorre em 9% a 15% dos casais em todo o mundo. Estudos sugerem que esses números correspondem a apenas metade do número

Leia mais

Gravidez Semana a Semana com Bruna Galdeano

Gravidez Semana a Semana com Bruna Galdeano Desde o momento em que o óvulo é fecundado pelo espermatozoide, seu futuro bebê começa uma aventura extraordinária dentro de sua barriga, assim passando de um aglomerado de células a um perfeito ser humano.

Leia mais

Frequência sexual pode melhorar qualidade dos espermatozoides

Frequência sexual pode melhorar qualidade dos espermatozoides ANO 7 Abril a Junho de 2015 Edição n 23 Frequência sexual pode melhorar qualidade dos espermatozoides D urante encontro da Sociedade Europeia indicação pode fazer toda diferença para se alcande Reprodução

Leia mais

Faculdade de Medicina de Lisboa

Faculdade de Medicina de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Ética e Deontologia Médica Professor Doutor Miguel Oliveira da Silva Discentes: Filipa Eiró; Miguel Reis e Silva; Rafaela Campanha 29 de Abril de 2010 Índice Questões éticas

Leia mais

Indux (citrato de clomifeno) EMS Sigma Pharma Ltda. comprimido 50 mg

Indux (citrato de clomifeno) EMS Sigma Pharma Ltda. comprimido 50 mg Indux (citrato de clomifeno) EMS Sigma Pharma Ltda. comprimido 50 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Indux Nome genérico: citrato de clomifeno APRESENTAÇÕES: Comprimidos de 50 mg: embalagem

Leia mais

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Reprodução Medicamente Assistida Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Introdução A reprodução medicamente assistida é um tipo de reprodução

Leia mais

Editorial. Dr. José Roberto Filassi Chefe do Setor de Mastologia da Disciplina de Ginecologia FMUSP

Editorial. Dr. José Roberto Filassi Chefe do Setor de Mastologia da Disciplina de Ginecologia FMUSP B o l e t i m d a 9912293886-DR/SPM Soc. Bras. de Mastologia FECHAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT ANO XVI - Nº 101-2012 Boletim 101 Editorial Preservação da Fertilidade das pacientes com Câncer

Leia mais

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária PUNÇÃO FOLICULAR Inicialmente, os oócitos eram obtidos, individualmente, por via laparoscópica, porém este tipo de procedimento exige anestesia geral

Leia mais

ULTRASSOM NO PRÉ NATAL

ULTRASSOM NO PRÉ NATAL ULTRASSOM NO PRÉ NATAL ECOCLINICA Dra. Rejane Maria Ferlin rejaneferlin@uol.com.br Vantagens da Ultrassonografia Obstétrica trica SEGURANÇA NÃO-INVASIVO PREÇO ACEITAÇÃO BENEFÍCIOS Noronha Neto et al.,

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007)

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Leusink GL, Oltheten JMT, Brugemann LEM, Belgraver A, Geertman JMA, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013

PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013 PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 3884/2013 ASSUNTO: VITALIDADE EMBRIONÁRIA À ULTRASSONOGRAFIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO HELVÉCIO NEVES FEITOSA. EMENTA: Em embriões

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011 O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO 1.957/2010 Consa. Claudia Navarro C D Lemos Junho/ 2011 Código de Ética Médica (1965) Art. 53: A inseminação artificial heteróloga não é permitida. A homóloga

Leia mais

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Secretaria Estadual da Saúde RS 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas Definição Gestação com presença de dois ou

Leia mais

FOSTIMON Urofolitrofina Humana (FSH) Altamente Purificada Liófilo Injetável

FOSTIMON Urofolitrofina Humana (FSH) Altamente Purificada Liófilo Injetável FOSTIMON Urofolitrofina Humana (FSH) Altamente Purificada Liófilo Injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES - FOSTIMON Fostimon apresenta-se sob a forma de pó branco liofilizado, a ser reconstituído

Leia mais

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br Biotecnologias Reprodutivas em Felinos Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br INTRODUÇÃO Cães e gatos além de considerados animais de estimação são também modelos comparativos importantes

Leia mais

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse Mario Julio Franco Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE Tríade dos sangramentos do Primeiro Trimestre Abortamento Prenhez Ectópica Doença Trofoblástica Gestacional ABORTAMENTO Conceito: Interrupção da gestação antes da viabilidade.

Leia mais

1. NOME DO MEDICAMENTO. Orgalutran 0,25 mg/0,5 ml solução injetável 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

1. NOME DO MEDICAMENTO. Orgalutran 0,25 mg/0,5 ml solução injetável 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1. NOME DO MEDICAMENTO Orgalutran 0,25 mg/0,5 ml solução injetável 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada seringa pré-cheia contém 0,25 mg de ganirelix em 0,5 ml de solução aquosa. A substância

Leia mais

Abortamento. 2 Confirmação de vida fetal. 1 Introdução CAPÍTULO 14

Abortamento. 2 Confirmação de vida fetal. 1 Introdução CAPÍTULO 14 CAPÍTULO 14 Abortamento 1 Introdução 2 Confirmação de vida fetal 3 Prevenção de abortamento 3.1 Repouso no leito e hospitalização 3.2 Hormônios 3.2.1 Dietilestilbestrol 3.2.2 Progestogênios 3.2.3 Gonadotrofina

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA Diretor: Dr. Francisco Nogueira Martins DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE em Cuidados Hospitalares de Primeira Linha 6-7-2013 ANTÓNIO PIPA JOANA SANTOS

Leia mais

INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009

INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o QUARTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório". O tema abordado aqui é: "Estimulação ovariana

Leia mais

PONTOS MAIS RELEVANTES DA LEI DO PLANEJAMENTO FAMILIAR

PONTOS MAIS RELEVANTES DA LEI DO PLANEJAMENTO FAMILIAR ESTUDO PONTOS MAIS RELEVANTES DA LEI DO PLANEJAMENTO FAMILIAR Mariza Lacerda Shaw Consultora Legislativa da Área XVI Saúde Pública, Sanitarismo ESTUDO NOVEMBRO/2005 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes

Leia mais

AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.

AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license. Serophene Citrato de Clomifeno Para uso oral USO ADULTO Forma farmacêutica Comprimidos Cada comprimido contém: Citrato de Clomifeno 50 mg Apresentações Caixa contendo 1 blister com 10 comprimidos Caixa

Leia mais

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher.

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher. Cistos de Ovário Os ovários são dois pequenos órgãos, um em cada lado do útero. É normal o desenvolvimento de pequenos cistos (bolsas contendo líquidos) nos ovários. Estes cistos são inofensivos e na maioria

Leia mais

Os avanços da fertilização assistida

Os avanços da fertilização assistida Página 1 de 5 Os avanços da fertilização assistida Roger Abdelmassih Foto: Divulgação As conquistas de Roger Abdelmassih, especialista em andrologia e reprodução humana NILZA BELLINI Filho de libaneses,

Leia mais