REGULAMENTO DE ESTÁGIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE ESTÁGIO"

Transcrição

1 UNIÃO BRASILIENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - UBEC Centro Universitário do Leste de Minas Gerais - UnilesteMG REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO DE FARMÁCIA Ipatinga Maio / 2010

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos CONCEITOS Estágio Estagiário Estágio Obrigatório Estágio Não Obrigatório ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Carga Horária Matrícula Documentos Campos de Estágios Distribuição dos Estagiários nos Campos de Estágio Da Organização Administrativa Atribuições Estrutura Curricular Orientações Metodológicas Propostas de Atividades de Estágio Critérios de Avaliação ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO Procedimentos para Realização do Estágio Não Obrigatório Critérios para Realização do Estágio Não Obrigatório ANEXOS

3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FARMÁCIA DO UNILESTEMG 1. INTRODUÇÃO O curso de Farmácia do UnilesteMG foi estruturado de acordo com as novas diretrizes curriculares nacionais da resolução n 2 CNE/CES de 19 de fevereiro de 2002 e apresenta uma estrutura curricular de horas (sendo 800 horas de estágio curricular). A carga horária é distribuída em 8 períodos promovendo a integração de três áreas do conhecimento: medicamentos, alimentos, cosméticos e análises clínicas e toxicológicas. O ensino de Farmácia está fortemente subsidiado por atividades de pesquisa, extensão e estágio, que estimulem a iniciativa e a aprendizagem, fatores indispensáveis no processo de formação contínua. A abordagem de temas deverá observar o equilíbrio teoriaprática, desvinculado da visão tecnicista dos atuais modelos pedagógicos, permitindo, na prática e no exercício das atividades, a aprendizagem da arte de aprender, que acontecerá a partir do primeiro período de graduação. O Núcleo de Estágio será o suporte para obtenção dos objetivos propostos para o curso, que oferecerá quatro disciplinas para estágio abordando as seguintes áreas: I Estágio Supervisionado I (Práticas em Saúde Pública) II Estágio Supervisionado II (Práticas em Dispensação Farmacêutica e Manipulação) III Estágio Supervisionado II (Análises Clínicas) IV Estágio Supervisionado III (Indústria) O Estágio Curricular propicia ao aluno a oportunidade de aplicar os conhecimentos teóricos obtidos na instituição de ensino, colocando-o em contato direto com o mercado de trabalho, proporcionando-lhe experiência prática na sua linha de formação. Este regulamento tem como finalidade primordial oferecer ao aluno do Curso de Farmácia do UnilesteMG normas e procedimentos quando da realização do Estágio Curricular. A leitura desse regulamento orientará o aluno quanto às normas, regulamentos e solicitações e, caso necessário, o mesmo poderá procurar o professor da disciplina de estágio correspondente. O estágio supervisionado do Curso de Farmácia obedece às normas Institucionais do UnilesteMG e está fundamentado na Lei de 25 de setembro de 2008 e Portaria/RT/014/

4 2. OBJETIVOS 2.1. Objetivo Geral Habilitar profissionais para os cenários da assistência farmacêutica, da gerência, do ensino e da pesquisa, preparando o aluno para o desenvolvimento de ações transformadoras junto à comunidade Objetivos Específicos Graduar farmacêuticos capacitados a desenvolver ações de prevenção, promoção e reabilitação da saúde; Formar um profissional generalista, humanista, crítico, reflexivo e ético para atuar em todos os níveis de atenção à saúde; Propiciar ao egresso o desenvolvimento pleno e com qualidade das práticas profissionais. 4

5 3. CONCEITOS 3.1. Estágio É o período de atividade do estudante, regularmente matriculado, em uma organização sob responsabilidade e coordenação da Instituição de Ensino, com o objetivo de aprimorar e/ou complementar, no ambiente real de trabalho, a formação proporcionada pela escola Estagiário É o aluno devidamente matriculado em uma instituição de ensino, exercendo atividade de estágio e que deve ser orientado por um professor habilitado, em suas atividades de estágio curricular Estágio Obrigatório É o Estágio Supervisionado a ser realizado obrigatoriamente pelos alunos estagiários para que possam dar por concluído o curso do ensino médio ou do ensino superior. É um momento de formação profissional do formando, seja pelo exercício direto in loco, seja pela presença participativa em ambientes próprios de atividades daquela área profissional, sob a responsabilidade de um profissional já habilitado. O estágio não é uma atividade facultativa, sendo uma das condições para a obtenção da conclusão do curso. Assim, o estágio supervisionado é um componente obrigatório da organização curricular do curso de graduação, sendo uma atividade intrinsecamente articulada com a prática de ensino e com as atividades de trabalho acadêmico Estágio Não Obrigatório Corresponde ao estágio realizado pelo aluno estagiário regularmente matriculado na instituição de ensino, independente do curso e período, como atividade complementar, sem caráter obrigatório e vinculação à conclusão de curso ou ao direito de aquisição do diploma de graduação. Não constitui um substituto para o estágio curricular obrigatório. 5

6 4. ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO 4.1. Carga Horária A prática dos estágios curriculares supervisionados está estruturada segundo o Art. 7 da Resolução n 2 CNE/CES, de 19 de fevereiro de A fundamentação legal que respalda a construção da proposta em pauta estabelece que um mínimo de 20% da carga horária total do curso seja utilizada para os estágios. A essas práticas foram destinadas 800 horas, distribuídas em quatro modalidades de estágio: Estágio I (Práticas em Saúde Pública) (80 horas); Práticas em Dispensação Farmacêutica e Manipulação (200 horas); Análises Clínicas (280 horas); Indústria (240 horas). A carga horária de cada modalidade de estágio contempla 20horas para atividades em sala de aula e o restante da carga horária em campo de estágio, sendo a frequência controlada por formulário próprio ( anexo IV) Para cada modalidade de estágio o aluno deverá cumprir a carga-horária mínima de 75% de freqüência para aprovação, sendo permitido apenas 25% de faltas, não existindo abono de faltas. O aluno deverá cumprir o estágio conforme o cronograma apresentado pelo professor Redução da Carga Horária O aluno que trabalha em possíveis campos de estágio, há pelo menos um ano, poderá solicitar a redução da carga-horária do estágio em 50%. O aluno que já trabalhou em possíveis campos de estágio nos últimos dois anos a partir da data de solicitação, durante o período mínimo de 12 meses poderá solicitar a redução da carga-horária do estágio em 25%. A solicitação de redução da carga horária de estágio é feita através de formulário próprio, existente na secretaria do curso, ao Conselho de Curso de Farmácia e apresentando ainda os documentos necessários (item deste regulamento). Para solicitar a redução de carga horária de estágio a atividade exercida pelo aluno no campo de trabalho deve corresponder às atividades propostas pela modalidade de estágio a qual está sendo solicitada a redução A carga horária a ser cumprida no estágio (mínima de cada disciplina conforme item 4.7) poderá sofrer alterações de acordo com as normas estabelecidas pela empresa cedente. 6

7 As horas excedentes são consideradas horas de estágio não obrigatório sendo computadas como atividades complementares de acordo com a Tabela de Conversão de Horas vigente Matrícula Para a realização das disciplinas de Estágio o aluno deverá se matricular em período estipulado pela Instituição de ensino, portando todos os documentos necessários Será obrigatório o cumprimento do estágio durante o período estipulado pela disciplina não podendo haver prorrogação para o semestre seguinte, salvo os motivos abaixo relacionados: Alunos que trabalham nos horários extra-classe (comprovado por carteira profissional); Condições em que houver falta de oferta de estabelecimentos de estágio; Condições nas quais o aluno estiver cumprindo Tratamento Especial, solicitado à Instituição e aprovado pelo Conselho de Curso O aluno matriculado que não puder realizar o estágio no semestre vigente deverá cancelar a matrícula no referido estágio durante o período de adequação de matrícula, estabelecido pela Instituição. O não cancelamento da matrícula e a não realização do estágio resultará em reprovação na disciplina Documentos Para a realização das disciplinas de estágio o aluno deverá: Preencher a Ficha de Cadastro no Núcleo de Estágio (anexo I, item 6); Preencher o Termo de Compromisso de Estágio (firmados entre o aluno e a disciplina), documento único onde todos os alunos assinam estando cientes das normas de estágio (anexo II, item 6); Apresentar comprovante de matrícula e estar constando na lista de chamada do professor da disciplina de estágio; Apresentar xerox da carteira de identidade A disciplina de estágio deverá providenciar os seguintes documentos para a viabilização do estágio: 7

8 Convênio de estágio entre UnilesteMG e Empresa cedente do estágio; Carta de apresentação do discente (anexo III, item 6); Ficha de freqüência e atividades desenvolvidas (anexo IV, item 6); Proposta de atividades de estágio; Orientações gerais sobre o estágio (anexo V, item 6); Roteiro para relatório de estágio (anexo VI, item 6); Visitas orientadas a campo de estágio (anexo VII, item 6); Ficha de avaliação do estagiário pelo supervisor da empresa (anexo VIII, item 6) Para solicitar a redução da carga horária o aluno deverá apresentar os seguintes documentos: Carteira de trabalho ou contrato de trabalho assinado (xerox autenticado); Relação de tarefas que desempenha no ambiente profissional, digitada, assinada e carimbada por seu supervisor ou representante legal da empresa (apenas para o aluno que ainda trabalha no campo de estágio). Os documentos serão analisados em reunião de conselho de curso quanto a compatibilidade de atividades declaradas e as propostas pelo estágio Campos de Estágios Os campos de estágios são divididos em Internos e Externos São considerados Campos de Estágio Internos aqueles realizados dentro das dependências do UnilesteMG São considerados Campos de Estágio Externos empresas e entidades com atividades afins aos objetivos do Curso de Farmácia com as quais serão estabelecidos convênios Pode haver modificações em relação a oferta de Campos de Estágio. O professor da disciplina é responsável por informar a relação dos campos de estágio com convênio vigente A abertura de novos Campos de Estágio só será criada mediante necessidade de novas vagas detectada pelo professor. 8

9 O aluno pode apresentar proposta de abertura de novos campos de estágio que será avaliada pelo professor e se necessário pelo conselho de curso Distribuição dos Estagiários nos Campos de Estágio Todos os alunos, devidamente matriculados na disciplina Estágio Supervisionado e que estejam com a situação legalizada junto à Secretaria Geral da Instituição serão distribuídos para os campos de estágio de acordo com o número de vagas e de acordo com os critérios listados abaixo, na seguinte ordem: Na necessidade de abertura de novos convênios, após avaliação do Núcleo de Estágio, o aluno que conseguir a vaga em empresas ainda não conveniadas com o UnilesteMG terá preferência pela vaga na mesma; Terão prioridade aos campos de estágio na região do Vale do Aço alunos que têm filhos menores de 12 anos de idade, que trabalham e alunos casados, respectivamente; Os demais alunos serão distribuídos nas vagas restantes por meio de sorteio ou por classificação de notas nas disciplinas correspondentes às modalidades de estágio ou por meio de entrevistas, conforme determinação do professor responsável pela disciplina de estágio. O aluno que não se matricular na data estabelecida pelo calendário escolar, deverá se enquadrar nos campos que ainda houver vagas, apresentando imediatamente a documentação exigida para o cumprimento do estágio. Por último terão direito à vaga os alunos que não se encontram em período regular e que por isso apresentam horários diferenciados ou restritos, gerando problemas na definição de vagas. O aluno que não aceitar a vaga e o período de estágio indicados pelo professor orientador deverá assinar um Termo de Desistência da Vaga de Estágio (anexo IX, item 6), o que implicará em reprovação na disciplina Da Organização Administrativa A organização administrativa dos estágios curriculares supervisionados encontra-se estruturada da seguinte forma: 9

10 Professor orientador de cada módulo de estágio (que ministra o conteúdo teórico em sala). Professores supervisores de estágio (que realizam visitas aos campos de estágio); Um supervisor de estágio, designado pelas empresas cedentes de estágio Atribuições A organização, supervisão, inspeção, desenvolvimento, acompanhamento e avaliação da prática do estágio curricular supervisionado são atividades inerentes ao processo sendo estabelecido conforme as seguintes atribuições: Atribuições do Professor Orientador de Estágio Ao ministrar as aulas da disciplina de estágio curricular supervisionado, cabe ao professor: Atender aos princípios interdisciplinares, buscando interagir os conteúdos curriculares por períodos; Selecionar campos de estágios e tramitar toda a documentação necessária para a realização de convênio; Encaminhar às empresas conveniadas os documentos para realização do convênio bem como as atividades mínimas a serem desenvolvidas pelo estagiário e ainda todos os documentos pertinentes ao estágio. Acompanhar o estagiário sob sua orientação, durante as fases do estágio; Oferecer ao discente todas as orientações necessários ao cumprimento do estágio; Manter constante integração quanto à elaboração do programa de estágio, tendo em vista os objetivos a serem alcançados; Participar de reuniões, juntamente com o coordenador do curso e demais professores de estágio; Organizar e orientar atividades como seminários e palestras; Realizar atividades de visitação in loco aos campos de estágio. Criar instrumentos de avaliação do estagiário Atribuições do Professor Supervisor de Estágio Visitar o aluno durante o Estágio Curricular auxiliando e orientando o estagiário; 10

11 Planejar junto com o professor orientador as atividades mínimas que os alunos deverão desenvolver durante o período de estágio; Supervisionar o cumprimento integral da carga horária determinada pela grade curricular do curso; Comunicar ao professor orientador eventuais acontecimentos extraordinários; Observar a ética profissional nos campos de estágio e zelar pela Instituição de Ensino; Zelar pela utilização do uniforme e crachá pelos alunos nos campos de estágio; Apresentar-se com crachá durante as visitas a campos de estágio; Participar de reuniões com o professor orientador quando solicitado. Auxiliar o professor orientador na avaliação do estagiário Atribuições do Estagiário Cumprir as normas estabelecidas neste regulamento de estágio; Realizar sua matrícula na data estipulada pelo UnilesteMG a fim de que suas atividades junto ao Estágio Supervisionado não fiquem prejudicadas; Apresentar corretamente os documentos no Núcleo de Estágio para iniciar o estágio; Adquirir o Equipamento de Proteção Individual necessário para iniciar o estágio; Iniciar e finalizar seu estágio na data apresentada pelo professor orientador; Freqüentar, com assiduidade e pontualidade as aulas teóricas da disciplina de estágio e as atividades no campo de estágio; Cumprir as datas preestabelecidas para a entrega dos relatórios e demais trabalhos solicitados pelo professor orientador; Responsabilizar-se pelo material de uso durante o estágio, zelando pela sua conservação, informando aos responsáveis do núcleo de estágio a necessidade de manutenção e reposição do mesmo (no caso de estágio em campos internos); Obedecer e respeitar as normas do Núcleo de Estágio; Devolver os documentos de conclusão do estágio na data determinada pelo Núcleo de Estágio. Os documentos devolvidos não poderão, em hipótese alguma, conter rasuras. O não cumprimento das determinações acima representará reprovação na disciplina do estágio correspondente. 11

12 4.8. Estrutura Curricular Os estágios curriculares são disciplinas obrigatórias para a conclusão do curso de Farmácia, devendo o aluno estar regularmente matriculado em cada área de estágio. Os estágios estão listados abaixo: Modalidade de estágio I Estágio Supervisionado I (Práticas em Saúde Pública) II Estágio Supervisionado II (Práticas em Dispensação Farmacêutica e Manipulação) III Estágio Supervisionado III (Análises Clínicas) IV Estágio Supervisionado IV (Indústria) Carga horária (horas) Período 80 7º 200 8º 280 9º º 12

13 4.9. Orientações Metodológicas As 800 horas destinadas ao estágio curricular supervisionado serão cumpridas pelo estagiário, atendendo os seguintes procedimentos: Práticas em Saúde Pública 7º Período CH Teórica CH Prática CH Total Desenvolvimento 20h 60h 80h O suporte teórico será oferecido durante o semestre (antes do aluno ir para o município), durante o estágio através de contato telefônico, e visitas nos municípios e no fim do estágio quando o aluno retornar. As atividades práticas serão desenvolvidas durante o semestre letivo. Práticas em Dispensação Farmacêutica e Manipulação 8º Período CH Teórica CH Prática CH Total Desenvolvimento 20h 180h 200h O suporte teórico será oferecido pelo professor da disciplina. As atividades práticas serão desenvolvidas durante o semestre letivo. Análises Clínicas 9º Período CH Teórica CH Prática CH Total Desenvolvimento 20h 260h 280h O suporte teórico será oferecido durante o semestre letivo pelo professor da disciplina. As atividades práticas serão desenvolvidas durante o semestre letivo. Indústria 10º Período CH Teórica CH Prática CH Total Desenvolvimento 20h 220h 240h O suporte teórico será oferecido pelo professor da disciplina. As atividades práticas serão desenvolvidas durante o semestre letivo Propostas de Atividades de Estágio Estágio Supervisionado I (Práticas em Saúde Pública) Participar das atividades básicas do ciclo de Assistência farmacêutica; Organização do armazenamento e da dispensação dos medicamentos existentes no SUS municipal; 13

14 Participação e colaboração em todas as atividades de rotina desenvolvidas no local de estágio (farmácia SUS); Promover atividades educacionais realizadas nas escolas municipais da região. Podem ser desenvolvidos trabalhos para crianças que estudam no 1 grau, oferecendo noções básicas de higiene, prevenção de doenças, prevenção ao uso de drogas e comportamento; Palestras para professores e alunos nas escolas locais, para as comunidades, para agentes comunitários de saúde; Durante o estágio de Práticas em Saúde Pública, os alunos realizam visitas domiciliares, permitindo uma melhor compreensão do meio em que ele está inserido, que condições de saúde, higiene e saneamento vivem determinadas famílias. Isto permite traçar metas para melhorar e individualizar a assistência às famílias; Promoverem ações de educação em saúde; Farmácia na Praça Acredita-se na possibilidade real de atingir resultados satisfatórios e a principal estratégia que foi identificada como fundamental para isso, é a reafirmação da integração ensino-serviço-comunidade, onde esta última seja sempre tomada como pilar central de todo o processo. Somente criando espaço de reconhecimento da cidadania e de participação da comunidade torna-se possível a construção de ações socialmente responsáveis não só pelos alunos, mas pelas equipes de saúde em geral e pela própria comunidade. As palestras incluem temas como medicamentos genéricos, hipertensão, diabetes, plantas medicinais, chás e técnicas de uso das plantas, quem deve receitar (eliminar a automedicação), descarte correto de medicamentos ( medicamentos vencidos não devem ser jogados no lixo doméstico, nem no esgoto ), conservação da natureza (água, preservação das nascentes) parasitoses e alimentos, peças de teatro para crianças, sobre os mesmos temas Estágio Supervisionado II (Práticas em Dispensação Farmacêutica e Manipulação) Atividades pertinentes ao estágio em drogarias: Conhecimento da Resolução 357/01, 499/09, 505/09, 522/09 CFF e RDC 306/04, RDC 44/09 ANVISA; Familiarização com a documentação necessária para o funcionamento legal de uma drogaria bem como o conhecimento da legislação relativa ao exercício profissional; 14

15 Participação dos processos de seleção de fornecedores compra, controle de qualidade na recepção de produtos, processos de estocagem segundo critérios específicos de armazenamento; Acompanhamento de aspectos comercias como, por exemplo, a verificação de produtos mais vendidos, por nome de marca, nome genérico, classe terapêutica e fabricante; Conhecimento das normas de comercialização dos produtos controlados pela Portaria 344 MS/SVS; Exercício de práticas da assistência farmacêutica como: avaliação de prescrições; pesquisa de prescrições médicas mais freqüentes por patologia; identificação de situações mais freqüentes de procura direta do consumidor às farmácias e drogarias e também de consulta ao farmacêutico; orientação no ato da dispensação; acompanhamento de pacientes; análise da automedicação; coleta e registro de ocorrência de reações adversas e efeitos colaterais relativos ao uso de medicamentos, informando a autoridade sanitária local; Promover ações de informação e educação sanitária; Prestar serviço de aplicação de injetáveis. Atividades pertinentes ao estágio em farmácias de manipulação: Conhecimento da RDC 67/07 ANVISA e demais resoluções pertinentes; Reconhecimento das principais matérias primas destinadas à manipulação; Conhecer os cuidados especiais com as substâncias termolábeis e fotossensíveis; Normas para armazenamento das matérias primas; Controle de qualidade de matéria prima, tipos de análises realizadas e pessoal responsável; Participação dos processos de controle de estoques; Manuseio de equipamentos e utensílios de uso específico em laboratório de manipulação, destiladores, balanças etc; Técnicas de manipulação e cálculo de fator de correção para fórmulas farmacêuticas; Manipular e dispensar medicamentos alopáticos, uso interno, externo, dermatológicos e cosméticos; Executar o fracionamento de formulações; Valorização das boas práticas de fabricação no ambiente magistral: embalagem, rotulagem e acondicionamento dos produtos acabados; controle de qualidade; rotina de saída dos produtos; processo da dispensação e orientação de pacientes. 15

16 Estágio Supervisionado III (Análises Clínicas) Realização de coleta de amostras biológicas (como sangue, urina e fezes) necessárias para a realização dos exames laboratoriais; Acompanhamento das etapas pré-analíticas do laboratório, tais como orientações aos pacientes e cadastros dos mesmos, organização, identificação e preparo das amostras; Execução de exames compreendidos nos diversos setores existentes no laboratório, como Hematologia, Bioquímica, Microbiologia, Urinálise, Parasitologia, Imunologia; Aprendizado sobre funcionamento e manipulação dos equipamentos existentes no laboratório; Aprimoramento das técnicas de manuseio dos materiais biológicos, bem como os cuidados de biossegurança necessários; Aprimoramento das técnicas de pipetagem e de microscopia; Preparo dos reagentes utilizados na execução dos exames laboratoriais; Noções sobre limpeza e esterilização dos materiais utilizados para execução dos exames; Participação nos processos de controle de qualidade do laboratório; Liberação dos laudos dos exames realizados. Observação da aplicação da RDC 302/2005 ANVISA nos campos de estágio 16

17 Estágio Supervisionado IV (Indústria) Durante o período de estágio os acadêmicos deverão participar das atividades pertinentes dos setores das indústrias, conforme listado a seguir: Garantia da Qualidade: Familiarização com a documentação necessária para o funcionamento legal da indústria, bem como o conhecimento da legislação relativa ao exercício profissional; Participação dos processos de seleção e qualificação de fornecedores e auditorias externas, e de compras de matérias-primas e materiais de embalagem; Participação em processos de auditoria interna para avaliação do Sistema de Garantia da Qualidade e cumprimento das Boas Práticas de Fabricação; Participação dos processos de recebimento e estocagem dos materiais adquiridos; Participação da elaboração e execução de protocolos de validação; Participação na elaboração de documentos comprobatórios de funcionamento de equipamentos e instrumentos; Participação na elaboração de documentos comprobatórios de manutenções corretiva e preventiva de equipamentos e instrumentos, e de calibrações periódicas. Controle de Qualidade: Participação na inspeção visual dos produtos para assegurar a integridade física da embalagem e produto; Participação na verificação da exatidão das informações do rótulo; Participação em estudos operacionais e metodológicos relativos aos diversos testes físicos, físico-químicos e biológicos aplicados à avaliação da qualidade de formas farmacêuticas, cosméticas e alimentos; Participação ativa nas diversas técnicas analíticas (volumétricas, ponteciométricas, gravimétricas, fotométricas, espectrofotométricas e cromatográficas) aplicadas à identificação e ao doseamento de substâncias que apresentam interesse farmacêutico, cosmético ou nutritivo; Participação em estudos de parâmetros farmacopéicos utilizados na avaliação da qualidade dos medicamentos. Produção: Participação nos processos produtivos de medicamentos sólidos, líquidos ou semisólidos, ou de produtos cosméticos; 17

18 Participação em estudos operacionais e metodológicos relativos aos testes físicos aplicados à avaliação da qualidade de produtos intermediários gerados nos processos produtivos; Participação nos processos industriais de alimentos Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC): Participação na assistência personalizada aos clientes, possibilitando a resolução de quaisquer dúvidas referentes aos produtos fornecidos pela indústria. Registro: Participação na elaboração de dossiês para fins de publicação e renovação de registros de medicamentos, cosméticos e alimentos junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA); Participação na elaboração de recursos administrativos para reconsideração de indeferimento de registro de medicamentos ou cosméticos junto à ANVISA; Participação na elaboração de documentos para solicitação de alterações de rotulagem, de prazo de validade, de produção de alimentos e medicamentos ou de texto de bula de medicamentos ou cosméticos junto à ANVISA; Participação na elaboração de documentos para cancelamento do registro do medicamento a pedido Critérios de Avaliação A avaliação do estágio curricular supervisionado será efetuada pelo professor orientador, utilizando os instrumentos anexados a este documento e tendo como critérios a participação do aluno nas atividades desenvolvidas na disciplina e na prática de estágio. Na avaliação final do estagiário serão distribuídos 100 pontos de acordo com os critérios determinados pelo Regulamento de Estágio. Os critérios incluem: Participação nas atividades propostas pelo professor orientador da prática de estágio; Assiduidade e desempenho nas orientações individuais; Avaliação do supervisor de estágio da empresa cedente; Relatórios de visitas dos professores supervisores ao aluno no campo de estágio (que serão pontuadas, exceto estágio supervisionado IV); Relatório final de estágio; Avaliações específicas de cada modalidade de estágio. 18

19 Seminário O relatório final deverá ser elaborado segundo as normas de elaboração de textos científicos apresentadas na disciplina Metodologia Científica, e segundo a exigência de cada módulo de estágio. O modelo de relatório consta no item 6, anexo VI Freqüência O aluno deve cumprir os horários de estágio de acordo com o cronograma da disciplina e conforme a disponibilidade das empresas. A freqüência é computada através de atividade em sala de aula, através de lista de assinatura e em campos de estágio registrada diariamente em formulário próprio fornecido pelo professor orientador antes de iniciar o estágio. Nos casos de ausência o aluno deverá apresentar justificativa escrita com documentação comprobatória ao supervisor do campo de estágio e ao professor orientador com um prazo de três dias úteis, contados a partir da data do início da ausência. Serão critérios para justificativa: Problemas de saúde que empeçam a realização das atividades regulares de estágio com comprovação através de laudo médico; Cursos, congressos e/ou demais eventos de reconhecimento acadêmico e que tenha relação direta com o profissional farmacêutico. O professor supervisor de estágio tem autonomia para solicitar do aluno a apresentação de documento comprobatório (certificado ou declaração). O Estágio Obrigatório é uma disciplina que exige, para aprovação, um mínimo de 75% de freqüência. Não existe abono de faltas. A reposição das horas de estágio perdidas deverá ser realizada dentro do período definido pelo professor supervisor de estágio. Em casos de ausência, sem justificativa prévia, o aluno não poderá repor a carga horária nem remarcar horário de estágio, sendo penalizado no que diz respeito à carga horária, podendo ser reprovado por freqüência. 19

20 5. ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO 5.1. Procedimentos para Realização do Estágio Não Obrigatório O aluno deverá fazer a solicitação ao professor de estágio do curso através de formulário apropriado (anexos X e IX, item 6). O professor de estágio do curso analisa a solicitação e, se estiver de acordo com suas definições para estágio não obrigatório, encaminha para a Coordenadoria de Estágio por meio de memorando padronizado para este fim. A Coordenadoria de Estágio verifica se existe convênio da unidade concedente de estágio com o UnilesteMG A Coordenadoria de Estágio encaminhará o Termo de Compromisso devidamente assinado para o curso, que deverá elaborar o programa de atividades e controles do estágio Critérios para Realização do Estágio Não Obrigatório O estágio não obrigatório do Curso de Farmácia do UnilesteMG ocorrerá em conformidade com as diretrizes curriculares, buscando atender ao perfil do farmacêutico generalista, e com os critérios definidos pelos professores que compõem o Núcleo de Estágio e posterior aprovação do Conselho de Curso. Tais critérios são apresentados a seguir Das Atividades do Estágio Os procedimentos realizados no Estágio Não Obrigatório deverão estar relacionados às atividades de formação profissional como: Observação dos fluxos de atendimento, compra e armazenamento de matéria prima, produtos acabados e medicamentos alopáticos dentro do estabelecimento farmacêutico; Observação das rotinas de atendimento, coleta e processamento de exames laboratoriais e toxicológicos; 20

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO Coordenadora do Curso: Profa. Ms. Ana Laura Grossi de Oliveira Professoras orientadoras de estágio: Profa. Ms. Adriana Pereira Medina Stracieri

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA COE COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA COE COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIOS À Comunidade Acadêmica do Curso de Farmácia da UFPR. A Comissão Orientadora de Estágios (COE) do curso de Farmácia elaborou este documento com o objetivo de esclarecer as dúvidas referentes aos estágios

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias. RESOLUÇÃO CONSEACC/CP 05/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE FARMÁCIA DO CAMPUS CAMPINAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus CONSEACC

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Odontologia da Faculdade ASCES constitui um momento de aprendizagem

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA ESTÁGIO CURRICULAR MANUAL DO ALUNO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE FARMÁCIA ESTÁGIO CURRICULAR MANUAL DO ALUNO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE FARMÁCIA ESTÁGIO CURRICULAR MANUAL DO ALUNO FARMACÊUTICO GENERALISTA DETALHAMENTO PARA ESTÁGIO EM INDUSTRIA 2º. SEMESTRE DE 2009 1 COMISSÃO DE ESTÁGIO. A comissão de estágio está formada pelos

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Fisioterapia da Faculdade ASCES constitui uma etapa curricular com

Leia mais

UNIÃO BRASILIENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - UBEC Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIÃO BRASILIENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - UBEC Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIÃO BRASILIENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA - UBEC Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DE ESTÁGIO LICENCIATURA MAIO 2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras Rio de Janeiro Julho/2013 1. Apresentação O presente Manual foi reorganizado pelos membros do Colegiado dos Cursos de Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA)

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) 1 REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) Resolução nº 015/2005 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) Capítulo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS, BACHARELADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE BIOMEDICINA - BACHARELADO. Ji-Paraná Rondônia Junho, 2014.

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE BIOMEDICINA - BACHARELADO. Ji-Paraná Rondônia Junho, 2014. REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE BIOMEDICINA - BACHARELADO Ji-Paraná Rondônia Junho, 2014. REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM BIOMEDICINA - BACHARELADO TÍTULO I APRESENTAÇÃO A programação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA ADENDOS DO CURSO DE ZOOTECNIA AS

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015 Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015 São Paulo - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 4 3. OBJETIVOS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA

MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPT O CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DCF CURSO DE FARMÁCIA MANUAL DE ESTÁGIO EM FARMÁCIA Prof. Ms. Edmarlon Girotto Professor Responsável 6EST506

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt

COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt Professora Mariléia Chaves Andrade Coordenadora das Atividades Complementares na FMIt Prezados alunos, Favor lerem atenciosamente esse comunicado. Venho através deste fornecer

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM MAMOGRAFIA OBJETIVO DO MANUAL Este Manual

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM MAMOGRAFIA 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O QUE É O ESTÁGIO? Estágio é um ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Das

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - As Atividades Complementares constituem ações que devem ser desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE LIMPEZA ESF - SORRI BAURU MARÇO 2015

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE LIMPEZA ESF - SORRI BAURU MARÇO 2015 EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE LIMPEZA ESF - SORRI BAURU MARÇO 2015 A SORRI BAURU, por meio de sua Diretoria Executiva, convoca os interessados a participar do processo seletivo para a contratação

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário.

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. FACULDADE DE PSICOLOGIA Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. Estagiário é todo aluno, regularmente matriculado,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EDUCAÇÃO INFANTIL - PEDAGOGIA Diretrizes e Orientações Coordenador de Estágio

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar o Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GESTÃO ESCOLAR - PEDAGOGIA Diretrizes e Orientações Coordenador de Estágio

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL EDITAL DE ABERTURA DE VAGAS PARA PROFESSOR-MONITOR DO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL, N 2 DE 03 DE SETEMBRO DE 2012. A Coordenação do Projeto Cursinho

Leia mais

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º:

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: ESTÁGIO SUPERVISIONADO I E II 1 - Resolução: Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: O Estágio Curricular

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - PILATES NORMAS DISCIPLINARES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - PILATES NORMAS DISCIPLINARES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - PILATES O Estágio Supervisionado visa complementar a formação do aluno através do aprendizado teórico-prático e do desempenho das atividades, proporcionando uma experiência

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015. O CONSELHO DE FACULDADE DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais e considerando a Resolução

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

ALUNO IMPORTANTE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO ESTÁGIO Leia com Atenção!

ALUNO IMPORTANTE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO ESTÁGIO Leia com Atenção! ALUNO IMPORTANTE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO ESTÁGIO Leia com Atenção! Você deverá preencher os campos dos impressos destinados ao registro de Estágio sem rasuras e com letra legível ou por intermédio

Leia mais

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência:

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência: SUMÁRIO Apresentação... 5 O Locus da Prática Profissional...6 Fundamentação Legal... 7 Objetivos... 8 Planejamento... 9 Competência: Da Coordenação Geral de Estágios do Curso... 10 Do Supervisor/Preceptor

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011 PÁGINA -1/17 Apresentação O início de um estágio é o momento exato para você conhecer os princípios que o regulamentam e seguir as orientações que

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001.

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. Aprova o Manual para Credenciamento de Cursos com finalidade de Concessão do Título de Especialista e respectivo registro. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM RADIOFARMÁCIA Unidade Dias e Horários

Leia mais

MANUAL DE MONITORIA. Agosto de 2010

MANUAL DE MONITORIA. Agosto de 2010 MANUAL DE MONITORIA Agosto de 2010 1 A Faculdade São Francisco de Assis - UNIFIN oferece ao aluno a oportunidade de iniciar-se na função docente através do exercício de monitorias. Apenas será considerado

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

IV - Contribuir para a implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação da área da saúde;

IV - Contribuir para a implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação da área da saúde; Edital G.D.G. 041/2013 Edital para Seleção de Bolsistas Monitores e Alunos Não Bolsistas Colaboradores do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde PET- VIGILÂNCIA EM SAÚDE - PET/VS - 2013/2015 da

Leia mais

Manual de Estágio Cursos Técnicos EAD_Colégio Lapa

Manual de Estágio Cursos Técnicos EAD_Colégio Lapa MANUAL DO PROGRAMA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO SÃO PAULO / SP 2011 1 SUMÁRIO Apresentação 03 Objetivo do estágio 04 Orientações gerais sobre estágio 05 Passos para realização do estágio 06 O que é o estágio

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES APRESENTAÇÃO Atividades Complementares são atividades desenvolvidas pelos alunos, ao longo da vida acadêmica,

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Cursos de Licenciatura FACCAMP QUÍMICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Cursos de Licenciatura FACCAMP QUÍMICA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Cursos de Licenciatura FACCAMP QUÍMICA Campo Limpo Paulista ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO O Estágio Curricular Supervisionado, a ser desenvolvido em escola particular

Leia mais

Nome do curso: Pedagogia

Nome do curso: Pedagogia Nome do curso: Pedagogia MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo 1º - O ESTÁGIO SUPERVISIONADO, previsto na Lei nº 9394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 20 de dezembro de 1996, visa a complementar

Leia mais

EDITAL 04/2015 - SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS BOLSITAS PARA O NUPLAM

EDITAL 04/2015 - SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS BOLSITAS PARA O NUPLAM Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos NUPLAM EDITAL 04/2015 - SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS BOLSITAS PARA O NUPLAM Tendo em vista a procura por vagas

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FAAPE

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FAAPE REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIOMEDICINA DA FAAPE NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Biomedicina da Faculdade do Agreste de Pernambuco ASCES constitui um

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 58/2009

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 58/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual nº 9.996, de 02 de maio de 2006 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 58/2009

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA PARACATU MG 2013 SUMÁRIO REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS 2 CAPÍTULO I - DA NATUREZA

Leia mais

COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE ENSINO Portaria do Presidente, de 27-03-2015

COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE ENSINO Portaria do Presidente, de 27-03-2015 COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE ENSINO Portaria do Presidente, de 27-03-2015 Regulamenta a abertura de inscrições para o Estágio Supervisionado em Docência do Programa de Aperfeiçoamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE

EDITAL Nº 01/2015, DE 15 DE ABRIL DE Edital nº 01, de 15 de abril de 2015, da Universidade Federal de Pelotas UFPEL, referente ao processo seletivo simplificado, para a função temporária de TUTOR PRESENCIAL para atuar no Curso de Especialização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio Curricular do Curso de Comunicação Social/Publicidade e Propaganda da UNICENTRO e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 1 PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO

CHAMADA PÚBLICA Nº 1 PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO CHAMADA PÚBLICA Nº 1 PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO A Coordenação Geral do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio, no

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES Processo Seletivo para o Programa Especial de Formação Pedagógica para Professores de Educação Profissional de Nível Médio (Convênio FNDE/MEC nº 400012/2011 Programa Brasil

Leia mais