E-Business v horas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-Business v. 8.0 24 horas"

Transcrição

1 FGV - MBA em Gestão Empresarial com Ênfase em TI E-Business v horas Prof. André Valle

2 Objetivo Estudar e modelar a área da Tecnologia da Informação, entendendo e analisando os seus cenários e tendências. Isso inclui os seguintes tópicos: - estratégia em e-business e TI - infraestrutura e propriedade intelectual - comércio eletrônico B2C (para o consumidor final) - segurança - tecnologias wireless - comércio eletrônico B2B (entre empresas)

3 Bibliografia E-business - Kalakota, Robinson, 2002 Projetando Websites - Jacob Nielsen, 2000 B2B Exchanges - Arthur B. Sculley, W. William A.Woods Managing E-Business Projects - Balakian, Young, Veerapaneni Capacity Planning for Web Performance : Metrics, Models, and Methods -- Daniel A. Menasce, Virgilio A. F. Almeida; The Cathedral and the Bazaar: Musings on Linux and Open Source by an Accidental Revolutionary Eric S. Raymond, Bob Young Guia de EDI e Comércio Eletrônico - André Valle quem quiser receber gratuitamente envie um para

4 Para refletir

5 Tudo o que podia ser inventado já o foi. Charles H. Duell, diretor do Departamento de Patentes dos EUA, 1899

6 Em seis meses a televisão some do mercado. As pessoas vão se cansar de ficar sentadas diante de uma caixa de madeira Darryl F. Zanuck, presidente da 20th Century Fox, 1946

7 Não existe nenhuma razão que justifique uma pessoa ter um computador em casa Ken Olson, fundador da Digital Equipment Corporation, 1977

8 Penso que há, no mundo, mercado para 5 computadores Thomas Watson, Presidente da IBM, 1943

9 É uma invenção maravilhosa, mas não passa de um brinquedo Gardiner Hubbard, sogro de Graham Bell, 1876

10 Módulo 1: Estratégia em e-business

11 O cenário há quatro anos... Não havia dúvida que estávamos no meio da revolução do E-Business. Crescimento exponencial, com o comércio eletrônico alcançando bilhões de dólares de resultado. Empresários da Internet sendo entrevistados em talk-shows, aparecendo em capa de revistas...

12 O cenário há quatro anos... Alguns diziam que era um milagre econômico, e vários acreditaram nisso - daí a hiper valorização das chamadas empresas virtuais. Compare: Ariba x DaimlerChrysler Yahoo! x Disney Ebay x General Motors Fundos de investimento canalizando bilhões para empresas start-up, e todos os empreendimentos visando o famoso IPO (Initial Public Offer).

13 Só que em a bolha explodiu!

14 O que aconteceu? De uma segunda revolução industrial, a visão do mercado se tornou extremamente pessimista, até mais do que era razoável. Há razão para isso tudo ou a reação se tornou exagerada?

15 Razões para se opor ao pessimismo O uso da Internet não para de crescer em todo o mundo. Empresas tradicionais migram em massa para a nova tecnologia. Em 2002, o número de transações bancárias realizadas pela Web já ultrapassou as realizadas nas agências.

16 O bolso é sensível! Custo da Transação Bancária Agência Caixa eletrônico automático Internet Valor em Reais R$3,50 R$0,70 R$0,13

17 A nova fase do E-Business Nesta nova fase pós-bolha, o foco migrará da estratégias de startup das empresas virtuais (Amazon, E-bay, Submarino, etc) para estratégias que permitam obter vantagens competitivas sustentáveis para as empresas tradicionais. Fase Romântica Fase Realista

18 Os efeitos De fato, a grande contribuição de toda essa (r)evolução está diretamente relacionada à democratização da informação digital e à grande redução de custos proporcionada pela tecnologia Web para as empresas. A informação agora é ONIPRESENTE e ACESSÍVEL GLOBALMENTE. O próximo passo é se ter a rede ONIPRESENTE

19 A mudança de paradigma em relação à área de TI: meio ou fim?

20 Marco Em 1 o de maio de 2003, Nicholas G. Carr publicou um artigo na Harvard Business Review chamado IT Doesn t Matter, defendendo que o uso estratégico de Tecnologia da Informação já não mais era uma vantagem competitiva para as empresas...

21 A mudança de paradigma em relação à área de TI: meio ou fim? A tecnologia e adoção da Internet e da Tecnologia da Informação será estabilizada a partir de 2005 O resultado é a transformação da Internet de uma coisa nova para um recurso onipresente, ou seja, uma concessionária pública da informação. Ou seja, um mecanismo utilizado pelas pessoas para acessar informação e contactar outras pessoas, de qualquer lugar, utilizando qualquer dispositivo.

22 Características de uma concessionária de serviços públicos Serviço Medida Rede Accesso Aplicações Água Litros Canos Torneira Chuveiro Eletricidade kwh Cabos Lampada Luzes Transmissão Frequência Torres TV/radio Notícias Informação Bits Rede IP PC/fone/TV Pesquisa compras, comunicação

23 Esta concessionária será: Onipresente: o acesso à informação estará disponível em qualquer lugar. Como uma tomada na sala, ficaremos surpresos quando não enxergarmos uma conexão de rede na parede, ou mesmo uma conexão sem fio indisponível. Confiável: o acesso à informação estará sempre disponível, assim como o uso de um telefone ou de uma torneira d água é parte do nosso dia a dia. Acessível: o custo do acesso à informação básica será equivalente ao preço da TV aberta: gratuita para quem assistir a propaganda. Serviços premium estarão sempre disponíveis, analogamente à TV por assinatura.

24 Outsourcing agora é a regra! Ao invés de se investir pesadamente em infraestrutura de TI, porque não simplesmente contratar mais capacidade? Não é assim que fazemos em nossos escritórios quando precisamos de mais eletricidade ou mais água? E os Recursos Humanos? Também são escalonáveis?

25 O perfil desejado para o profissional nos próximos anos Atualização e treinamento contínuo: já vivemos a era na qual o diploma universitário já está obsoleto antes mesmo da formatura do profissional. A tendência é que a validade do conhecimento do profissional será temporária, analogamente aos certificados de qualidade da ISO. De tempos em tempos será requerido do profissional uma revalidação do seu certificado.

26 O perfil desejado para o profissional nos próximos anos Educação continuada: novas técnicas de aprendizado, como por exemplo, o e-learning e a gestão do conhecimento, serão importantes para que o profissional se mantenha permanentemente atualizado. As pequenas e médias empresas, seguindo o caminho já trilhado pelas grandes corporações, estarão desenvolvendo suas universidades corporativas.

27 O que nos espera: tendências para o futuro...

28 O conceito de escritório está Até então, o conceito de escritório estava ligado aos meios de produção necessários (computadores, telefones, fax, etc) normalmente ligados a fios mudando

29 O conceito de escritório está mudando Sem estes recursos, não poderíamos trabalhar

30 Por que não?

31 Wireless World! O Wi-Fi é a ponta do iceberg; novas tecnologias vindouras como o WiMax, Mobile-Fi, ZigBee e Ultrawideband interconectarão praticamente todos os novos dispositivos, como automóveis, casas, escritórios e fábricas... Ou até as pessoas...

32 Isso sem falar da famosa convergência

33 A Internet das coisas Depois de acrônimos famosos, tais como: B2C B2B B2G P2P A onda agora é falar de M2M (Machine to Machine)

34 A Nova Era Assíncrona No passado, as comunicações eram todas síncronas. Logo, você só poderia se telecomunicar com outra pessoa se ela estivesse presente no mesmo momento. Como o advento das novas formas de comunicação, estamos cada vez mais utilizando formas assíncronas de comunicação: , correio de voz, etc. O próximo passo é a TV Assíncrona

35 Mudanças na Indústria Antes: comprar um CD Depois: acessar um serviço online de música Antes: ver TV Depois: acessar TV, vendo o que quer, a hora que quiser

36 Módulo 2: Infraestrutura

37 Registro de Domínio - No Brasil Para registrar o seu domínio, você deverá se adequar a um conjunto de regras específicas, que variam de país para país. Por exemplo, no Brasil, o domínio.com.br (o mais utilizado de todos) somente pode ser registrado por empresas. Um número de CNPJ válido e comprovado é requerido para a efetivação.

38 Registro de Domínio - No Brasil A entidade responsável pelo registro de domínios no Brasil é a FAPESP, por delegação do Comitê Gestor. O endereço do serviço é Questão importante: relação entre o registro de domínio e a propriedade intelectual da marca.

39 Quem é dono do domínio?!!!

40 Quem é dono do domínio? X

41 Registro de Domínio - Nos EUA Nos EUA, a tarefa de registro de domínio é realizada por empresas privadas, como por exemplo a Network Solutions (www.nsi.com)

42 Infraestrutura de TI para a Web A transformação da Web em uma parte integral da infraestrutura corporativa de tecnologia da informação resultou na transformação de suas características básicas: todas as aplicações agora são 24 x 7 todas as aplicações agora são de missão crítica todas as premissas sobre capacity planning se tornaram obsoletas os riscos de segurança são amplificados

43 Características importantes O seu site fora do ar pode significar milhões em prejuízos. Para implementar Alta Disponibilidade em websites, é necessário investir em equipamento, conexão e competência.

44 Custo Médio de Downtime (tempo fora do ar) Segmento Custo Médio /hora (US$) Venda de bilhetes de entretenimento Reservas de passagens de avião Home Shopping Pay-Per-View Vendas via Cartões de Credito Mercados Financeiros

45 É preciso ressaltar que Alta Disponibilidade acarreta em Altos Custos! Disponibilidade 99,0% 99,5% 99,9% 99,95% 99,99% 99,995% 99,999% Horas de Downtime 87,6 43,8 8,76 4,380 0,876 0,438 0,0876 Custo Relativo 1,0 2,5 6,0 12,0 16,0 21,0 25,0

46 Internet Data Center: um hotel 5 estrelas para servidores e sites Tanque de Termo-acumulação Torres de Refrigeração Chillers Geradores Tanque de Água Condensada Sala de Baterias Área de Hosting e Colocation M-POP A-POP Fonte: Optiglobe

47 O que oferece de infra-estrutura Sensores de movimentação eletrônica Supervisão permanente de vídeo Acesso biométrico com sensores de saída Alarmes Corpo de seguranças Racks de servidores Backup de geradores Controle de redundância Sistema de prevenção e combate a incêndios Monitoramento de Operações dos servidores e tráfego Sistemas de ar condicionado Alimentação elétrica redundante Controle de interferência e emissão eletromagnética Redundância no backbone de dados e telefônico Balanceamento de carga Sistemas de firewall

48 Serviços Oferecidos Hospedagem de websites Shared Hosting (Hospedagem Compartilhada) Espaço lógico nos servidores Dedicated hosting (Hospedagem Dedicada) Servidores dedicados para hospedar e rodar aplicações O equipamento é do provedor Colocation Aluguel da infra-estrutura tecnológica e de telecomunicações O equipamento é do cliente Soluções de Conectividade IP Soluções de Segurança Serviços de Gerenciamento

49 O mercado hoje Tentando reaver os vultosos investimentos (10 a 100 M US$) Empresas no Brasil Optiglobe Embratel Telefônica Brasil Telecom Tnext (Telemar).comDominio Impsat MetroRED Dedalus.com Diveo etc...

50 Plataformas O que é uma plataforma? É uma combinação de Hardware, Sistema Operacional e Servidores Web. O mercado tende a uma polarização entre a Microsoft (com o Windows) e o Linux.

51 Windows + IIS A versão 2003 Server é atual geraçãodesistemas operacionais para servidores da Microsoft, sucedendo o Windows Tem como grandes vantagens a grande popularidade, facilidade de uso e a força da marca Microsoft. O IIS (Internet Information Services) é um dos servidores Web de maior desempenho.

52 Windows + IIS Apresenta ferramentas muito poderosas de gerenciamento e administração. Escalabilidade: a versão Advanced Server suporta hardware com até 32 processadores (SMP). A segurança do Windows ainda é um dos seus pontos fracos, mas é uma área que tem hoje muita prioridade nos planos da empresa.

53 Linux O Retorno dos Jedis É gratuito - e a maioria dos seus aplicativos também o são. Código aberto - não é necessário contar com o fabricante para a correção de bugs É desenvolvido pela comunidade acadêmica, por voluntários, grupos de usuários e pelas empresas distribuidoras Requer recursos modestos de hardware Estabilidade a toda prova - é capaz de operar durante meses (até anos!) sem travar

54 Linux - A última trincheira Código aberto - não é necessário contar com o fabricante para a correção de bugs Metade de todos os provedores de acesso do mundo o utilizam. Suporte - através de empresas especializadas (ex. IBM, Dell, Compaq, as próprias distribuidoras) Problemas: requer mão de obra mais especializada, preconceito e instalação ainda não totalmente amigável

55 Linux - Distribuições São conjuntos de aplicativos que, reunidos ao kernel do Linux, formam o sistema operacional em si. Contém ferramentas de instalação, gerência, particionamento, produtividade, etc. Existem hoje mais de 200 distribuições do Linux. As principais: RedHat Conectiva Caldera SuSE Debian Mandrake Slackware etc...

56 O Linux já começa a incomodar a Microsoft... um sistema operacional aberto não tem só vantagens

57 Tecnologias de Código Aberto Um número considerável de tecnologias de código aberto pode ser seriamente considerada como parte operacional de uma infraestrutura sólida de Tecnologia da Informação. Volvo, TiVo, Alcatel, Samsung e Linksys são empresas que já utilizam o Linux como base para seus PRODUTOS.

58 Apoio nos governos Um número muito grande de agências governamentais tem implementado softwares de código aberto como base para suas operações. Normalmente as alternativas de código aberto têm sido selecionadas pelos governos pelo receio de ficarem presos a tecnologias proprietárias, pelo apoio a sistemas e protocolos abertos, pelo fortalecimento da indústria local de software e pela diminuição do custo global em Tecnologia da Informação. Casos relatados incluem França, Espanha, China, Nova Zelândia, Finlandia, Bolívia, Italia, Austrália, México, Estados Unidos, Japão e Brasil.

59 Pontos a observar no futuro O interesse em softwares de código aberto continuará crescente, tanto no setor privado quanto no público. A maturidade das soluções vai diminuir o eventual gap existente em relação a produtos comerciais. Os governos investirão fortemente neste tipo de solução. O uso de software livre com suporte comercial não é mutuamente exclusivo e tende a crescer muito.

60 O Projeto Fundado em 1998 por dois estudantes de doutorado da Universidade de Stanford, o Google oferece uma metodologia avançada para a busca de informações na Internet. Como muitas empresas startups, o Google se viu na situação de conflito sobre como combinar baixos custos, atualização em relação ao mercado e qualidade na implementação da sua infraestrutura de e-business.

61 O Projeto Google Inicialmente o sistema operacional analisado foi o FreeBSD, mas a despeito de sua excelente qualidade e estabilidade, seu desempenho era 10% menor do que o Linux. FreeBSD, BSD, OpenBSD, NetBSD, AIX, HP- UX, Solaris, Digital Unix, A/UX, NeXTep, OS X, etc, são todos variações do UNIX Consulte

62 O Projeto Google Também foram analisados as opções Sun Solaris (Sparc) e Windows NT, que embora proporcionassem um ambiente altamente escalável, tinham fatores limitantes como o custo das licenças e o fato de serem sistemas operacionais proprietários.

63 O Projeto Google Percebendo a sinergia e os baixos custos do desenvolvimento em sistemas de código aberto e o seu sistema proprietário de busca, o Google decidiu-se pela utilização da versão 5.x do Red Hat Linux, como base da sua infraestrutura. A razão mais importante para a seleção do Red Hat foi que ele satisfez os requerimentos técnicos do Google a um custo menor que uma solução proprietária.

64 Comparando os custos... Linux Windows Solaris Servidor Rackable Server $1,100 Dell PowerApp.web 100 appliance server $2,798 Sun Netra T1 $4,495 S.O. Red Hat Linux $179 Windows NT (incluído no custo do servidor) Solaris (incluído no custo do servidor) Servidor Web Apache $0 IIS $0 iplanet Web server $1,495/CPU Custo Total $6,395,000 $13,990,000 $29,950,000

65 O Projeto Google Aliado a isso, o fato do Linux ter o código aberto, permitiu o desenvolvimento de uma versão customizada e otimizada do Linux. Com os servidores representando 90% do custo em infraestrutura de TI, o custo do Linux aliado a servidores genéricos Intel 1U e 2U foi um fator decisivo na escolha. Segundo a Google, a adoção do Windows ou do Solaris teria puxado seus custos para cima.

66 O Projeto Google Em relação aos servidores, a Google resolveu utilizar servidores Intel genéricos, como os da Rackable Systems ou da Kingstar, com 2GB de RAM. Hoje a empresa mantém mais de servidores hospedados em Internet Data Centers como a Exodus e a Frontier/GlobalCenter.

67 Material Complementar

68 O Case Amazon.com Em 2001, a Amazon.com migrou toda a sua infraestrutura de Unix para Linux. A economia proporcionada por esta migração foi calculada em cerca de US$17 milhões (- 24%), baseado no uso de software livre e hardware comoditizado.

69 O Case Amazon.com - Desafios A Amazon.com encarou diversos desafios na sua migração, pelo fato de possuir um número muito grande de servidores, e experimentar picos sazonais de demanda (ex. Natal). Além disso, a Amazon.com decidiu que a migração teria que ser concluída em janeiro de 2001, precisando terminar esta tarefa antes do início do período crítico das festas de final de ano.

70 O Case Amazon.com - Desafios A Amazon.com portou todo o seu código Unix para Linux em cerca de 90 dias, fazendo a migração de 100 servidores por semana. A migração foi muito facilitada pelo fato dos engenheiros da Amazon já dominarem o Unix há vários anos.

71 O Case Amazon.com - Hardware Utilizando o Linux, a Amazon.com passou a ter a flexibilidade de poder adquirir seus servidores de diversos fornecedores. Anteriormente, necessariamente tinha de adquirí-los de um único fornecedor de soluções Unix/RISC.

72 O Case Amazon.com - Hardware Nos encontramos substituindo máquinas de US$ por equivalentes de US$10.000, economizando cerca de US$ por servidor. A maioria das pessoas raciocina que vai economizar US$500 por licença em cada servidor, mas isso é apenas um dos elementos a considerar Joe Baker engenheiro chefe do Projeto Linux na Amazon.com

73 O Case Amazon.com - Operações Do ponto de vista operacional, um dos maiores benefícios do Linux foi que nada mudou. A Amazon.com manteve os mesmos procedimentos e processos que tinha desde a sua fundação. O suporte 24 x 7, proporcionado pela Red Hat, também foi considerado pela empresa um dos fatores críticos de sucesso para a operação.

74 Módulo 3: Negócios Eletrônicos para o Consumidor Final B2C

75 Módulo 3.1: Panorama Atual e Questões Chave

76 O panorama atual Com a economia mundial em recessão, e principalmente depois dos ataques terroristas de 11 de setembro, hoje o foco, não somente mas principalmente para empresas B2C, é cortar custos. O retorno financeiro, e não o posicionamento estratégico, é a prioridade total para empresas engajadas no comércio eletrônico.

77 O panorama atual Hoje, empresas tradicionais somente estão investindo em projetos de comércio eletrônico quando claramente o seu retorno financeiro é claro, ao contrário do passado recente quando até o medo de se tornarem obsoletas as fez investir cegamente em projetos de comércio eletrônico.

78 O copo está meio cheio ou meio vazio? A má notícia: dos 100 maiores sites B2C, 59 perderam dinheiro no ano passado. A boa notícia: mais de 40% dos 100 maiores sites B2C já são lucrativos.

79 Marco: Amazon lucra pela primeira vez "Nova York e Seattle, 23 de janeiro de 2002 (Gazeta Mercantil) - A Amazon.com, maior varejista de internet do mundo, registrou lucro pela primeira vez desde a sua fundação, há sete anos. No quarto trimestre de 2001, a empresa registrou lucro líquido de US$ 5,09 milhões. No mesmo período do ano anterior, o resultado havia sido um prejuízo de US$ 545,1 milhões. Executivos da companhia disseram que melhoras na eficiência e preços dos livros mais baixos contribuíram para que a companhia obtivesse o primeiro lucro líquido da sua história e apresentasse um faturamento recorde."

80 O espetáculo do crescimento virtual No Brasil, as vendas por Internet crescem a passos largos, ao contrário do varejo tradicional, que ultimamente tem registrado índices de retração. Em 2001, o e-commerce rendeu para as lojas brasileiras 600 milhões de reais. Em 2002, foram 900 milhões e a expectativa para este ano é de 1,2 bi, ou seja, 30% de crescimento. No primeiro semestre, o incremento já foi de 45%: foram vendidos 500 milhões de reais via computador. Fonte: e-bit

81 O espetáculo do crescimento virtual O volume negociado hoje corresponde a 3% do varejo total no país. Mas estima-se que, em cinco anos, possa chegar a 10%.

82 O espetáculo do crescimento virtual Em alguns setores, a migração foi maciça. No setor de passagens aéreas nos EUA, hoje a proporção de vendas online chega a 58%. No Brasil, a Gol já vende 65% de todo o seu faturamento pela Web, enquanto que 40% de todo o movimento B2B da TAM é feito pela Internet.

83 O panorama atual Os sucessos normalmente acontecem em empresas de vendas diretas, como a Dell, Gateway, Micron, Office Depot, etc, que já efetuavam vendas diretas por telefone/correio anteriormente ao advento da Internet. Das 30 maiores, 21 já são lucrativas.

84 O panorama atual No caso das empresas tradicionais, pelo menos metade (50%) já é lucrativa, já que muitas optaram pelo compartilhamento de sua estrutura com a "subsidiária" virtual. +

85 Elementos necessários para uma operação virtual bem sucedida Um site funcional e amigável Um sistema de pedidos integrado à logística da venda (Fulfillment) Um Serviço de Atendimento ao Consumidor por telefone Uma marca reconhecida e bem divulgada

86 Elementos necessários para uma operação virtual bem sucedida Empresas de Venda Direta Um site funcional e amigável Fulfillment Serviço Telefônico Marca reconhecida Precisam Já têm Já têm Já têm Empresas tradicionais Precisam Algumas precisam, outras já têm Algumas precisam, outras já têm Já têm Empresas virtuais (.COMs) Precisam Precisam Precisam Precisam

87 Elementos necessários para uma operação virtual bem sucedida Normalmente a escala contribui diretamente para a lucratividade. 14 dos 20 maiores sites B2C são lucrativos. Os sites menores normalmente não têm escala suficiente para pagar os custos fixos decorrentes da operação de uma operação B2C online.

88 Questões chave para o mercado B2C Os canais tradicionais ainda têm enormes vantagens em relação à Internet: proporcionam o contato físico com o produto antes da venda, permitem que o cliente leve o produto para casa na hora da compra e possibilitam a interação com pessoas em um ambiente social.

89 Questões chave para o mercado B2C No entanto, a Internet está se tornando um canal principal para a pesquisa de produtos pelo consumidor, iniciando-se como itens de alto valor, como automóveis, imóveis, computadores e eletrônicos, e indo até outros itens de menor valor.

90 Questões chave para o mercado B2C A pesquisa online, já em 1999, influenciou a venda de pelo menos metade de todos os automóveis novos vendidos nos EUA. No total, estima-se que a pesquisa online impactará até 20% dos produtos vendidos neste ano.

91 Questões chave para o mercado B2C Vendas por Telemarketing 3,4% Vendas por catálogo 0,9% Vendas pela Internet 1,8% Vendas nas lojas Influenciadas pela Internet Não influenciadas pela Internet 93,9% 20,7% 73,2%

92 Questões chave para o mercado B2C Isso em momento algum significa que a Internet vai substituir as lojas ou pedidos por telefone. No entanto, este valor indica que, no meio desta década, as vendas via Internet já serão o segundo maior canal de vendas ao consumidor final. Além disso, serão um elemento fundamental no processo para vendas realizadas na loja, por telefone ou por um vendedor.

93 Recomendações Para as empresas tradicionais, é imperativo investir no canal Internet, já que os consumidores o estão utilizando, e provavelmente continuarão a utilizar, para pesquisa e compras. Isso se aplica principalmente para setores que vendem para adolescentes, jovens e executivos, que já incorporaram a Internet como parte de sua rotina.

94 Módulo 3.2: Segurança

95 E a segurança? Boa parte dos usuários brasileiros ainda tem receio de utilizar cartões de crédito na Internet A principal causa é o medo relacionado com a segurança

96 O Problema da Segurança Quando uma conexão é estabelecida entre dois computadores na Internet, os dados trafegados podem passar por diversos computadores até chegar ao seu destino. Neste trajeto, pessoas que têm acesso aos computadores utilizados como rota poderiam teoricamente ler, modificar ou mesmo interromper os dados.

97 Chegando até a Amazon 19 nós o seu site

98 O Problema da Segurança Na maioria das vezes, isto é bastante improvável ou mesmo inviável, já que diariamente circulam milhões de mensagens pela Internet. Caso possível: programas farejadores de senhas, instalados em nós roteadores, podem interceptar as mensagens. Casos ECHELON e CARNIVORE

99 Como resolver este problema? Para lidar com este problema, os esquemas de segurança aplicados às transações eletrônicas na rede se baseiam em três importantes fatores: Criptografia dos dados Autenticação do servidor Integridade das mensagens

100 Esquemas Básicos de Criptografia Chave Secreta Chave Pública/Privada

101 Chave Secreta O remetente e o destinatário possuem a mesma chave secreta (a "senha"). O remetente utiliza a chave secreta para criptografar, e o destinatário a utiliza para descriptografar a mensagem. Texto Claro Texto Cripto

102 Chave Secreta Como o remetente e o destinatário têm que possuir a mesma chave, torna-se necessário que estes a determinem, ou que um determine a senha e envie para o outro. Se os dois lados estiverem fisicamente separados, pode-se ter problemas de segurança relacionados com esta remessa. O esquema de chave secreta mais utilizado é o DES (Data Encryption Standard).

103 Chave Pública/Privada A criptografia é implementada pelo uso de dois números, chamados de chaves pública e privada. A chave privada fica no seu computador, e você não a mostra para ninguém. Já a sua chave pública é distribuída para quem você quiser. Você necessita de ambas as chaves porque elas são fundamentalmente ligadas.

104 Chaves Pública/Privada Chave Privada (Manter em local seguro) Relação Matemática Chave Pública (Divulgar)

105 Privacidade As chaves pública e privada têm a habilidade de criptografar e descriptografar informação, funcionando da seguinte forma: Outros usuários podem criptografar informações com a sua chave pública e enviar estas informações seguramente para você. Somente você, com a sua chave privada, pode descriptografar a mensagem recebida. O remetente tem a certeza que a mensagem será lida somente por você e não será alterada.

106 Criptografia A B (somente B pode ler) Texto Claro Chave Publ B Internet Texto Cripto Texto Cripto Chave Prv B Texto Claro

107 Autenticação Você pode criptografar informações com a sua chave privada e enviar a informação através da rede. Qualquer um que tenha a sua chave pública (que você distribuiu livremente) pode descriptografar a sua mensagem, e ter certeza que foi você que enviou (autenticada com a sua assinatura digital) e não foi alterada.

108 Autenticação A B (B tem certeza que foi A que enviou) Texto Claro Chave Prv A Internet Texto Assinado Texto Assinado Chave Publ A Texto Ass OK

109 Cripto + Autent A B (somente B pode ler e tem certeza que foi A que enviou) Texto Claro Publ B Prv A Internet Texto Cripto Ass Texto Cripto Ass Prv B Publ A Texto Claro Ass OK

110 Como? As chaves pública e privada são ligadas por um poderoso algoritmo que requer enormes recursos computacionais para ser quebrado, de forma que ninguém pode decifrar mensagens enviadas para você criptografadas com a sua chave pública e a nenhuma chave pode ser utilizada para simular o envio de mensagens criptografadas com a sua chave privada.

111 Certificados de Site Os certificados de site são documentos eletrônicos, emitidos pela chamada Autoridade Certificadora, que identificam univocamente o site em questão. Sem um certificado eletrônico, não é possível estabelecer um site seguro.

112 Autoridade Certificadora Os certificados são obtidos através do envio da documentação apropriada à Autoridade Certificadora. Após a sua aprovação, o certificado (um arquivo) é enviado à empresa e poderá ser utilizado para a configuração do servidor seguro.

113 Exemplos de Autoridades Certificadoras Verisign (www.verisign.com) Certisign (www.certisign.com.br) Serasa (www.serasa.com.br) Unicert (www.unicert.com.br)

114 Como o browser implementa conexões seguras: O servidor possui um par de chaves pública e privada, autenticados pela AC. Quando o browser se conecta ao servidor Web, é gerado um par de chaves. Cada uma das pontas envia para a outra sua chave pública, que é utilizada para criptografar a sessão.

115 O esquema básico do SSL Navegador Site PUB PRIV PUB PRIV

116 Troca de chaves públicas Navegador Site PUB PUB PRIV PUB PRIV PUB

117 O site enviando uma página criptografada para o navegador Navegador Site SEGURO PUB PUB PRIV PUB PRIV PUB

118 O navegador enviando uma página criptografada para o site Navegador Site PUB PUB PRIV PUB PRIV PUB SEGURO

119 O esquema completo Navegador Site PUB PUB PRIV PUB PRIV PUB

120 Material Complementar

121 Pontos a observar Todos estes cuidados resolvem os nossos problemas de segurança na Internet? Quais são os principais desafios hoje?

122

123

124

125

126

127

128

129

130

131

132

133

134

135

136

137

138

139

140

141

142

143

144 Material Complementar

145 Módulo 3.3: Smartcards

146 Smart Cards A ENORME VARIEDADE DE DOCUMENTOS QUE PORTAMOS: Cartões de crédito e débito Identidades, carteira de motorista, título de eleitor, CPF, carteiras profissionais, cartões de frequent-flyer, cartão telefônico Tickets de transporte, cartões de bibliotecas, estacionamento, segurosaúde, cartões de clubes, videoclubes...

147 Não seria interessante se... Todos os documentos fossem provavelmente substituídos por dois ou três cartões inteligentes, englobando as atuais finalidades e incluindo outras: História clínica Passaporte Dinheiro!

148 Dados e Fatos Básicos Sobre Smart-cards Fisicamente, assemelham-se a cartões de crédito convencionais, mas portam um ou mais dispositivos a semicondutor, num módulo situado no canto superior esquerdo Podem armazenar 10 a 100 vezes mais informação que os cartões convencionais (tipicamente até 64K para os smart cards atuais), de forma mais segura e robusta

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS Capítulo 4 A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 4.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? O que é comércio eletrônico?

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL 1 ÍNDICE 1. WIX SISTEMAS E O /LOJA VIRTUAL 03 1.1.1 GRANDE VARIEDADE DE LAYOUTS E PERSONALIZAÇÃO 03 1.1.2 SERVIDOR E SSL (CADEADO DE SEGURANÇA) COMPARTILHADOS 04 2. RECURSOS 05 3. NOSSOS PLANOS DE /LOJA

Leia mais

Infoestrutura: Pagamento Eletrônico

Infoestrutura: Pagamento Eletrônico Infoestrutura: Pagamento Eletrônico 1. Introdução O advento do comércio eletrônico significou que os sistemas de pagamento precisavam lidar com estas novas exigências. Com a ampla utilização da Internet,

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro 78 Milhões de usuários de internet no Brasil Tíquete médio de compras pela web em 2011 foi de R$ 350,00 São mais de 3.000 de

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Cobre Bem Tecnologia

Cobre Bem Tecnologia Cobre Bem Tecnologia A Empresa Fundada em 1995, a Cobre Bem Tecnologia, sempre visou produzir softwares que automatizassem cada vez mais as cobranças utilizando para isso uma tecnologia de ponta. Com a

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 06 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 APRESENTAÇÃO ESTUDOS DE ESTUDOS DE CASOS B2B B2C B2G G2C G2G C2C 2 Os emarketplaces podem ser classificados em verticais

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária Publicação: 7 de dezembro de 2009 A Amazon Web Services (AWS) oferece a empresas de todos os tamanhos serviços de rede

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

arquitetura do join.me

arquitetura do join.me Uma visão geral técnica da arquitetura confiável e segura do join.me. 1 Introdução 2 Visão geral da arquitetura 3 Segurança de dados 4 Segurança de sessão e site 5 Visão geral de hospedagem 6 Conclusão

Leia mais

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA 1 Conteúdo Evolução da Comunicação Entre Computadores... 2 Evolução do Processamento e Transferência Eletrônica de Informações... 2 INTERNET E COMÉRCIO ELETRÔNICO ASPECTOS... 3 PESQUISAS SOBRE O MERCADO

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Infraestrutura de TI Infraestrutura de TI: hardware Infraestrutura de TI: software Administração dos recursos

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Acesse: www.eyenet.com.br ou ligue : (11) 5049-0441

Acesse: www.eyenet.com.br ou ligue : (11) 5049-0441 1 2 1) Proposta Comercial 2) Cases 3) Apresentação Eyenet 3 Objetivos do Projeto Construir uma intranet, oferecendo aos gestores, uma ferramenta web de fácil atualização de conteúdos, tornando-o um meio

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Cards Brasil 2006 Segurança, Autenticação e Certificação nos Meios Digitais. Abril de 2006 Gustavo E. Prellwitz Diretor de Banking América do Sul

Cards Brasil 2006 Segurança, Autenticação e Certificação nos Meios Digitais. Abril de 2006 Gustavo E. Prellwitz Diretor de Banking América do Sul Cards Brasil 2006 Segurança, Autenticação e Certificação nos Meios Digitais Abril de 2006 Gustavo E. Prellwitz Diretor de Banking América do Sul Agenda 2 Segurança Digital: O Ambiente Mundial e do Brasil

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

Web 2.0: os novos caminhos da Internet. Prof. André Valle abvalle@fgv.br Fundação Getulio Vargas

Web 2.0: os novos caminhos da Internet. Prof. André Valle abvalle@fgv.br Fundação Getulio Vargas Web 2.0: os novos caminhos da Internet Prof. André Valle abvalle@fgv.br Fundação Getulio Vargas 1 Web 2.0 padrões e modelos de negócio para a próxima geração de software Web 2.0 é um termo cunhado pelo

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 13 E-commerce Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons 15 de Outubro

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce 3.1 Fundamentos do Comércio Eletrônico Introdução O comércio eletrônico é mais do que a mera compra e venda de produtos online. Em lugar disso, ele engloba o processo

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

M-Payment. Prof. Adriano Maranhão

M-Payment. Prof. Adriano Maranhão M-Payment Prof. Adriano Maranhão 1 Sumário M-Payment Pontos Positivos e Negativos do M-Payment M-Wallet (Conceito) O perfil dos usuários do M-Wallet M-Wallet (Serviços) Principais formas de comunicação

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Qual servidor é o mais adequado para você?

Qual servidor é o mais adequado para você? Qual servidor é o mais adequado para você? Proteção de dados Tenho medo de perder dados se e o meu computador travar Preciso proteger dados confidenciais Preciso de acesso restrito a dados Acesso a dados

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

PORTFÓLIO www.imatec.com.br

PORTFÓLIO www.imatec.com.br História A IMATEC foi estabelecida em 1993 com o objetivo de atuar nos segmentos de microfilmagem, digitalização e guarda de documentos e informações, hoje conta com 300 colaboradores, têm em seu quadro,

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF

O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF Apresentação para Clientes Barueri, Julho de 2012 Esta apresentação é para uso exclusivo do cliente. Nenhuma de suas partes pode ser veiculada, transcrita ou

Leia mais

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno:

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Giovanni Pietro Vallone Cocco Portais Corporativos

Leia mais

MAC5743 - Computação Móvel

MAC5743 - Computação Móvel Departamento de Ciência da Computação IME/USP MAC5743 - Computação Móvel Cássio Alexandre Paixão Silva Alkmin {cassiop@ime.usp.br} Tema da Monografia: Mobile Commerce 1 Introdução O constante aumento nas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu Desembaraço Informações da indústria como você nunca viu Introdução É uma ferramenta dominada pela geração Y, mas que foi criada pela geração X. Ela aproxima quem está longe e tem distanciado quem está

Leia mais

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002 Introdução E-business é a nova onda nas empresas. A Internet não permite apenas que as empresas façam negócios de maneiras novas, ela praticamente as obriga a fazer isso, por questões de sobrevivência.

Leia mais

Como Ingressar nos Negócios Digitais

Como Ingressar nos Negócios Digitais Como Ingressar nos Negócios Digitais Resenha do livro por seu autor Eduardo Mayer Fagundes Os dirigentes de empresas mais atendo às mudanças da economia digital estão preocupados e trabalhando para transformar

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade Introdução PSINF Internet / Intranet nas Empresas Prof. Alexandre Beletti Ferreira Internet: sites sobre lazer, shopping, cultura, etc... Intranet: sistemas corporativos de informações, e que também podem

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM?

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? Porque a Voz na Nuvem? 2 Índice Introdução... 3 Baixo Custo... 4 REQUISITOS MÍNIMOS DE CAPITAL... 4 EQUIPAMENTOS GENÉRICOS... 4 UTILIZAÇÃO DE MAIORES RECURSOS... 4 DESPESAS

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Quem Somos. www.stone.com.br

Quem Somos. www.stone.com.br Manual E-commerce ÍNDICE 03 04 05 05 06 07 08 09 10 11 12 Quem Somos Como funciona O que é um Gateway? Gateways parceiros Cancelamento de uma transação Chargebacks Portal de Serviços Conciliação Dicas

Leia mais