RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ABRIL 09 A MARÇO 10

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ABRIL 09 A MARÇO 10"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ABRIL 09 A MARÇO 10

2 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ABRIL 09 A MARÇO 10

3 Quero criar uma amazon... mas de lixo (pausa para o seu riso). Uma cadeia de armazéns gigantes onde o lixo do mundo será stockado. E não pense em chamar-lhe lixeira. Incubadora é mais apropriado. Uma sala de espera onde todos os dias chegam milhões de peças de lixo, em trânsito para novas vidas e novas funções. O lixo é precioso demais para se deitar fora. É como o lego. No futuro, tudo será feito a partir de coisas que já existam e não de recursos naturais. O lixo será a matéria- -prima Mas o futuro é daqui a muito tempo e eu tenho pressa. Imaginei a coisa assim. Todos os produtos têm códigos de barras. Se linkados a um mega-servidor, conseguimos monitorizar todos os produtos do mundo. Depois de cumprir o seu ciclo de (primeira) vida, cada produto não será destruído, mas vendido. Deitar fora, será deitar dinheiro fora. É posto num contentor e distribuído nos meus armazéns-incubadoras high-tech. O registo fica online em incubator.org, com ficha técnica (estado físico, funções passadas e potencial). É aqui que as empresas irão aceder para lançarem produtos novos. Sejam socas fluorescentes ou skates teleguiados. Pesquisam o lixo utilizável para construir e fazem a encomenda. Os produtos são entregues nas suas fábricas que os transformam em novos produtos... com novos códigos de barras. E pronto. Ganhamos uma economia de consumo sustentável. Mas falar é fácil. E foi por aqui que comecei. Liguei a um amigo de infância que tem um cunhado doutorado em gestão de resíduos. Este leu o meu projecto, passou-se e largou a universidade. Ganhei um sócio e credibilidade. Uma incubadora de start ups deu-nos o ok. Agora já tínhamos escritório e backoffice à pala. Na sala ao lado, 3 miúdos sobredotados tentavam lançar um projecto de bases de dados inteligentes, que reconheciam key words & conteúdos & relevância. Queriam compilar info sobre óvnis. Uma almoçarada depois, já só falavam de lixo e de salvar o mundo, em vez de fugir dele numa nave. Seis meses (e muitas conference calls) passaram. Fomos tendo acesso a milhões de códigos de barras. Ninguém nos cobrou nada, mas não houve almoços grátis. Ganhámos sócios de indústria. E de sócio em sócio, código-barrámos o mundo. Ou 70% de tudo o que se produzia nele. Já era alguma coisa. Inscrevemo-nos num ciclo de conferências online de IT. Impressionámos e arranjámos financiamento. A câmara cedeu-nos uns hangares abandonados. Faltava a maquinaria. O meu sócio puxou dos galões de ex-professor. Em breve, 150 alunos montavam um projecto de robótica, numa plataforma online. E um vídeo 3D como tutorial das incubadoras. Semeámos o vídeo em redes sociais e green vlogs. Gerou buzz. De repente, japoneses e sul-coreanos competiam pela oportunidade. E os hangares ganharam uma rede de braços mecânicos state-of-the-art. Tudo isto era muito bonito, mas faltava algo a que não podíamos fugir: não a morte, mas a política. Enquanto fosse mais barato sujar o planeta, o lixo seria empilhado e nós seríamos mais uma lixeira. Falei com um amigo da Comissão Europeia. A Europa queria dar o exemplo e precisava de exemplos. Voámos para Bruxelas e adivinhem quem recebeu luz verde? Ah pois é! Com novas leis e a bênção de Bruxelas, as portas abriram-se. As primeiras encomendas chegaram, bem como as primeiras descargas. Com direito a discursos, corta-fitas e directo na tv. A 1ª peça a entrar na incubadora foi uma vassoura. Símbolo de um tempo em que as coisas eram postas de lado. Mas a partir de agora tudo vai ter uma 2ª oportunidade. A vassoura, o planeta, nós.

4 índice Introdução 5 Mensagem do Chairman 7 Mensagem do CEO 8 PERFIL ORGANIZACIONAL 01.1 Grupo Vodafone Vodafone Portugal Fundação Vodafone Portugal 14 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE 02.1 Princípios de Negócio Modelo de Gestão da Vodafone Portugal Modelo de Governação Societária da Vodafone Portugal 18 ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO 03.1 Objectivos Estratégicos da Vodafone Portugal A Sustentabilidade na Gestão da Vodafone Portugal Gestão da Responsabilidade Social Aspectos Materiais Impactos, Riscos e Oportunidades 27 ENVOLVIMENTO COM OS STAKEHOLDERS 04.1 Auscultação de Stakeholders Colaboradores Clientes Fornecedores Entidades Governamentais Regulador 39 GESTÃO DOS ASPECTOS MATERIAIS 05.1 Desenvolvimento Responsável da Rede Estações-Base e a Exposição a Campos Electromagnéticos Telefones Móveis e a Exposição a Campos Electromagnéticos Pesquisa Científica Responsabilidade Social na Cadeia de Valor Impactos Ambientais Decorrentes do Negócio Acesso a Conteúdos Combate à Info-exclusão 55 LAÇOS COM A COMUNIDADE 06.1 Acções Internas e Externas Programa Interno de Voluntariado Associações de que a Vodafone Portugal é Membro Índice

5 ÍNDICE 07. Desempenho Económico 67 DESEMPENHO ECONÓMICO 08. Fundação Vodafone Portugal 71 FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL 09.1 Grau de Cumprimento dos Compromissos de Novos Compromissos Verificação Externa 79 COMPROMISSOS E VERIFICAÇÃO EXTERNA 10.1 Agradecimentos Glossário Contactos Pedido de Opinião 85 AGRADECIMENTOS, GLOSSÁRIO, CONTACTOS E PEDIDO DE OPINIÃO ANEXO I: Indicadores de Desempenho GRI e Indicadores Específicos Verificados e Pressupostos 89 ANEXO II: Índice de Correspondência GRI 99 ANEXO III: Etapas de Elaboração do Relatório e Metodologia de Classificação dos Aspectos Materiais 104 ANEXOS Relatório de Responsabilidade Social 09 04

6 introdução Os princípios da Responsabilidade Social fazem parte do código genético da Vodafone Portugal que, desde sempre, promove projectos e iniciativas através dos quais coloca em prática uma filosofia de apoio ao desenvolvimento da Sociedade, com reflexos dentro e fora da Empresa. Prova deste envolvimento, os relatórios produzidos ao longo dos últimos anos dão conta dos progressos em áreas tão relevantes como a ética e corporate governance, estratégia de negócio da Empresa e laços com a comunidade, com destaque para os programas de voluntariado e participação em associações da sociedade civil. A Responsabilidade Social é parte integrante dos processos de decisão da Vodafone Portugal e tem por objectivo garantir o equilíbrio económico, social e ambiental da Empresa a médio e longo prazo, criando mais valor para os Clientes, Colaboradores, Accionistas e a sociedade em geral. Este é já o sétimo Relatório de Responsabilidade Social da Vodafone Portugal, abrangendo o período de 1 de Abril de 2009 a 31 de Março de O documento foi elaborado de modo a observar as directrizes do nível A+ do Global Reporting Initiative (GRI G3), mantendo-se em linha com os princípios definidos pela norma AccountAbility 1000 Principles Standard (AA1000 APS- 2008). NÍVEL DE APLICAÇÃO GRI 2002 In Accordance C C+ B B+ A A+ Obrigatório Auto declaração Opcional Verificação por entidade externa Verificado pelo GRI O Relatório de Responsabilidade Social da Vodafone Portugal, publicado anualmente, é verificado por uma entidade independente de reconhecida credibilidade. Esta entidade avalia os processos de recolha, tratamento, validação e reporte dos principais dados ambientais e sociais constantes no relatório, assim como o grau de realização dos compromissos assumidos no exercício anterior. No presente relatório foi, igualmente, avaliada a fiabilidade da informação relacionada com os indicadores de desempenho essenciais e com os conteúdos definidos nas Directrizes GRI G3. Face ao último relatório publicado, referente ao período de 1 de Abril de 2008 a 31 de Março de 2009, verificaram-se alterações ao nível do modelo de gestão e da estrutura organizacional, não tendo ocorrido modificações significativas no modelo de negócio, com excepção da entrada da Vodafone Portugal no mercado da Televisão Digital com o lançamento, em Julho de 2009, do serviço Vodafone Casa TV. Ao completar a sua oferta de triple play Vodafone Casa (Televisão, Internet e Telefone) a Vodafone Portugal concretiza, assim, uma etapa determinante na afirmação da Empresa enquanto operador global de telecomunicações. A elaboração deste relatório teve em consideração os princípios de materialidade, de inclusão dos Stakeholders e do contexto de sustentabilidade e abrangência. A identificação dos temas e indicadores divulgados decorreu da aplicabilidade destes princípios. Nos capítulos Perfil Organizacional, Ética e Corporate Governance, Estratégia e Sustentabilidade do Negócio, são apresentadas informações gerais sobre a Vodafone Portugal, assim como uma 05 Introdução

7 breve descrição do negócio, da estrutura organizacional e do modelo societário. Também é exposta a abordagem da Empresa à temática da Responsabilidade Social. Nos capítulos Gestão dos Aspectos Materiais, Desempenho Económico, Laços com a Comunidade e Fundação Vodafone Portugal, é descrito o modo como a Empresa trata os aspectos materialmente relevantes assim como os não relevantes, ainda que geridos no âmbito da sua estratégia de sustentabilidade. Ao longo destes capítulos, são também apresentados indicadores de desempenho, que servem como suporte aos vários projectos relatados. No capítulo Anexos é possível consultar os documentos que sustentam o presente Relatório de Responsabilidade Social em termos de conformidade com as directrizes do nível A+ do GRI G3, nomeadamente através do Anexo I - Indicadores de Desempenho GRI e Indicadores Específicos Verificados e Pressupostos, Anexo II - Índice de Correspondência GRI e Anexo III - Etapas de Elaboração do Relatório e Metodologia de Classificação dos Aspectos Materiais. Todos os dados reportados no presente Relatório decorrem dos processos e das actividades desenvolvidas em locais que se encontram sob a responsabilidade da Vodafone Portugal, designadamente escritórios, instalações técnicas e lojas. Relatório de Responsabilidade Social 09 06

8 mensagem do Chairman A posição de liderança que a Vodafone Portugal assumiu nas últimas duas décadas no mercado de telecomunicações em Portugal tem sido suportada não só na inovação e qualidade dos serviços que presta aos seus Clientes, mas também no forte compromisso que a Empresa adoptou, desde a sua criação, com os princípios de Sustentabilidade. Esta é a fórmula em que acreditamos para continuar a construir um futuro sustentável e que se encontra radicada na cultura corporativa da Vodafone Portugal. O país atravessa uma conjuntura económica e financeira difícil, com efeitos adversos na sociedade. Ora, nós pensamos que mais do que nunca este é o momento de todos os agentes económicos e sociais se aliarem para a construção de um futuro melhor e mais sustentável. Acreditamos, pois, que a Vodafone Portugal deve manter o seu empenho na responsabilidade social, promovendo e desenvolvendo os programas marcantes para a Comunidade. ANTÓNIO CARRAPATOSO Chairman Os compromissos assumidos pela Vodafone Portugal na área da Responsabilidade Social remontam ao lançamento da Telecel e têm sido reforçados ano após ano, acompanhando o crescimento da Empresa e o seu peso na economia portuguesa. No último ano, mesmo perante tão grandes desafios económicos, a Vodafone Portugal manteve a dinâmica no desenvolvimento da Sociedade da Informação e no combate à info-exclusão, contribuindo para uma sociedade mais sustentável e para um futuro melhor para Portugal. Para isso envolveu os seus Colaboradores, também eles fortemente empenhados nos mesmos objectivos. Este é um factor de diferenciação positiva da Vodafone Portugal que sublinho com legítimo orgulho. Trabalhamos para adicionar valor à Empresa e alcançar a liderança do mercado, mas sem nunca abandonar os princípios da sustentabilidade. Uma postura reconhecida pelo mercado, onde Clientes e Fornecedores sabem que encontram na Vodafone Portugal um parceiro para quem a ética, a transparência e a solidariedade são intrínsecas às exigências da actividade e do negócio. A Fundação Vodafone, à qual tenho a honra de continuar a presidir, é um instrumento fundamental nesta estratégia de Responsabilidade Social, promovendo ou apoiando projectos de reconhecida utilidade pública, designadamente nas áreas da investigação científica e tecnológica e de integração social. Também no domínio do mecenato apoiamos a promoção de conteúdos e defesa da Língua e Cultura portuguesas. Mais do que o contributo financeiro, o apoio é dado, muitas vezes, a nível do planeamento dos projectos, sua concretização e divulgação, para garantir a sua eficácia e o seu sucesso. Procurei empenhar-me pessoalmente no desenvolvimento destes projectos, que são acompanhados na proximidade, com profissionalismo, pela equipa de Responsabilidade Social da Vodafone Portugal. E no último ano muitas conquistas foram somadas nesta área; os objectivos a que nos propusemos foram maioritariamente cumpridos. Quero deixar aqui uma palavra acerca do processo de mudança pelo qual a Vodafone Portugal passou este ano. Depois de quase vinte anos à frente da Administração executiva da Empresa, cumpriu-se a transição que já vinha a ser preparada com cuidado. A 1 de Setembro de 2009, deixei de exercer funções executivas para assumir o cargo de Presidente do Conselho de Administração, não executivo. Passei o testemunho ao meu colega António Coimbra, que me substituiu como Administrador Delegado / Presidente Executivo. Agradeço a todos os que nos têm ajudado a construir uma história de sucesso. Estamos prontos para enfrentar com a mesma firmeza os desafios que se apresentarem no futuro, convictos de que o amanhã se constrói com o trabalho de todos os dias, com a seriedade e a competência com que o fazemos na nossa Empresa. 07 Mensagem do Chairman

9 mensagem do CEO A Vodafone Portugal continuou, em 2009, a assumir a sua Responsabilidade Social com o maior empenho, consciente da sua missão de cidadania e fiel ao seu espírito de solidariedade. Entendemos que é na adversidade que empresas e cidadãos devem unir-se para suprir carências, atenuar desequilíbrios e fortalecer a coesão do tecido social. Importa sublinhar que a política de Responsabilidade Social promovida pela Vodafone Portugal, tem já uma história de sucesso que radica na Missão, Valores e Cultura da Empresa. No período em apreço, continuámos a desenvolver e implementar diversas iniciativas, disponibilizando as nossas competências tecnológicas e organizacionais, não nos limitando, portanto, a simples acções tradicionais de mecenato ou de filantropia. Vamos mais além envolvendo-nos intensamente em todas as fases dos projectos e convidando os Colaboradores a participar e dar o seu contributo. Salientamos, pelo seu significado, projectos de combate à infoexclusão ou de apoio à integração social de pessoas com necessidades especiais, adaptando serviços e equipamentos e desenvolvendo tarifários específicos. Outros projectos emblemáticos, como o Sistema de Monitorização Remota de Oxigenoterapia de Longa Duração (TELEMOLD), continuaram igualmente a ser apoiados com entusiasmo revelando o papel económico e social que a nossa Empresa tem perante os seus Clientes e a Sociedade. Na área Ambiental apostámos no desenvolvimento de serviços inovadores assentes na tecnologia móvel com o objectivo de facilitar o dia-a-dia dos Clientes. Promovemos, assim, o comércio electrónico e contribuímos para uma economia com menor impacto de emissões de carbono. ANTÓNIO COIMBRA CEO O reconhecimento pelo público da presença da Vodafone Portugal na área da Sustentabilidade Social e Ambiental exige que, ano após ano, a Empresa e a Fundação respondam solidamente ao desafio lançado para a identificação e definição de novos projectos e novas metas, para o que contamos com um envolvimento cada vez mais amplo dos Colaboradores, Fornecedores e Parceiros. Acreditamos que é este o caminho para garantir completa harmonia entre as vertentes Económica, Social e Ambiental da nossa actividade. Como este Relatório demonstra, empenhámo-nos com toda a nossa determinação, a nossa capacidade e o nosso espírito de solidariedade para contribuirmos para tornar a sociedade portuguesa mais desenvolvida, mais justa e socialmente mais coesa. Temos consciência da nossa responsabilidade e do muito que há a fazer. Estamos certos de que saberemos, como até aqui, dar resposta aos novos desafios e a corresponder às exigências da Sociedade. Uma nota final para assinalar que em 1 de Setembro de 2009 substituí nas funções de Presidente Executivo da Vodafone Portugal o meu colega da Administração António Carrapatoso, que decidiu deixar o cargo que desempenhava com reconhecido brilhantismo, desde 1990, quando fundou a Telecel. António Carrapatoso continua, no entanto, ligado à Empresa como Presidente do Conselho de Administração e da Fundação Vodafone Portugal. Eu que tive o privilégio de colaborar com António Carrapatoso ao longo de quase vinte anos e a minha equipa de Administração, não pouparemos esforços para continuar a sua obra a tornar a Vodafone uma das melhores e mais admiradas empresas portuguesas, não só no domínio dos negócios mas também da Responsabilidade Social e da cidadania. Relatório de Responsabilidade Social 09 08

10 PERFIL ORGANIZACIONAL

11 perfil organizacional 01.1 GRUPO VODAFONE A Vodafone Portugal é parte integrante do Grupo Vodafone, a maior empresa de telecomunicações móveis do Mundo em termos de receitas e com uma abrangência geográfica alargada aos cinco continentes, marcando presença na Europa, Estados Unidos da América, Extremo Oriente, África e Oceânia. Fruto das sinergias criadas pelas empresas do Grupo, a integração de serviços de comunicações móveis com os computadores pessoais - através da tecnologia 3G e HSPA e da banda larga na rede fixa - é uma realidade que assume impacto relevante na estratégia de negócio da Vodafone, reflectindo-se na melhoria da qualidade dos serviços prestados aos seus Clientes em todo o mundo. Em 31 de Março de 2010 o Grupo Vodafone contava com a confiança de 341 milhões de Clientes proporcionais (número de Clientes em cada operação local, ponderado pela participação do Grupo Vodafone no capital de cada empresa), empregando um total de Colaboradores. Operações Locais da Vodafone Joint Ventures Investimentos em Empresas Associadas Outros investimentos Perfil Organizacional

12 PARTICIPAÇÕES FINANCEIRAS DO GRUPO VODAFONE Operações Locais da Vodafone O Grupo Vodafone tem o controlo operacional e detém mais de 50% do Capital Social Europa África e Europa Central Ásia Pacifico e Médio Oriente Albânia República Checa Egipto Alemanha República Democrática do Congo Índia Espanha Gana Nova Zelândia Grécia Hungria Qatar Irlanda Lesoto Itália 1 Moçambique Malta Roménia Holanda África do Sul Portugal Tanzânia Reino Unido Turquia Investimentos em Empresas Associadas O Grupo Vodafone tem uma influência significativa nestas empresas, mas não controla nem tem controlo conjunto. A influência significativa é efectivamente o poder de ser ouvido (faz parte do Conselho de Administração, tem direito de veto, etc.) Verizon Wireless (Estado Unidos América) Joint Ventures Safaricom (Quénia) SFR (França) Outros Investimentos O Grupo Vodafone detém um controlo conjunto com outra entidade Vodafone Fiji Polkomel (Polónia) Indus Towers (India) Vodafone Hutchison Australia (VHA) O Grupo Vodafone não tem influência significativa (geralmente inferior a 20% da propriedade) China Mobile (China) Bharti Airtel (India) 1 A Vodafone Itália é considerada uma joint venture, apesar do Grupo Vodafone deter 76.9% do seu Capital. A dimensão e âmbito de actuação global do Grupo Vodafone tornam mais premente a exigência de uma aplicação rigorosa de políticas específicas de Responsabilidade Social, que a Empresa integrou desde início na matriz dos seus pilares estratégicos. Nesse sentido, a Vodafone tem-se empenhado na sistematização de práticas e procedimentos socialmente responsáveis, definindo anualmente os seus objectivos e compromissos públicos nessa matéria, quer ao nível do Grupo, quer ao nível dos vários países onde opera. Para mais informação sobre o Grupo Vodafone poderá consultar o website start/about_vodafone.html. Ligada de forma inequívoca ao desenvolvimento das comunicações móveis em Portugal, a Vodafone Portugal é líder em inovação, imagem de marca e satisfação dos Clientes, assumindo-se como um operador global de telecomunicações mas colocando no terreno uma visão privilegiada do mercado nacional, acumulando os activos e elevadas competências adquiridas ao longo de quase duas décadas de serviço ao público. A orientação para a satisfação das necessidades de comunicações dos Clientes, sejam elas de natureza móvel, fixa ou convergente, é o princípio orientador da estratégia de desenvolvimento de redes e serviços, um caminho que tem vindo a ser recompensado pela confiança e satisfação reconhecida pelos Clientes VODAFONE PORTUGAL Ao longo de quase duas décadas a Vodafone Portugal foi pioneira na introdução das principais tecnologias ao serviço das comunicações móveis (EFR, Dual Band, WAP, 2,5G/GPRS, HSCSD, MMS, 3G/UMTS e 3,5G/HSDPA/HSUPA), colocando-se na linha da frente também no desenvolvimento e disponibilização de inúmeras soluções altamente inovadoras, em resposta directa às necessidades dos Clientes da área de Consumo e Empresas e do público em geral. Entre as soluções inovadoras desenvolvidas pela Vodafone Portugal destaca-se o lançamento de serviços que criaram novas tendências de utilização do telemóvel e das redes móveis, que a Relatório de Responsabilidade Social 09 12

13 Empresa ajudou a transformar em Caixas Multibanco móveis com o serviço TeleMultibanco, ou em terminais de correio electrónico com o Vodafone My Mail. A introdução do Vodafone 360, um conjunto de serviços inovadores de Internet para telemóvel e PC que garantem uma nova experiência de Internet móvel, associada a terminais modernos e de preços competitivos, é mais uma das provas de que a Empresa não poupa esforços para assegurar os melhores serviços aos seus Clientes, apostando definitivamente na convergência. O interface inovador e a possibilidade de acesso e configuração na plataforma móvel ou no computador pessoal, asseguram a ponte para as redes sociais, o webmail e a ligação permanente com os contactos, mantendo os Cliente mais próximos de amigos e familiares. A inovação estendeu-se também à oferta na área fixa, onde os serviços da Vodafone Portugal reflectem a liderança da Empresa na inovação e orientação para o Cliente. É o caso de serviços como o Vodafone Casa, caracterizado pela facilidade de instalação, simplicidade de utilização e tarifários competitivos. Desenvolvido no âmbito da abertura a novas áreas de actuação no mercado das telecomunicações - neste caso às comunicações de voz e dados no mercado residencial - este serviço criou novas alternativas num mercado dominado por operadores não convergentes. Nesta área destaca-se também a oferta do serviço de Banda Larga Fixa ADSL, onde, apesar da elevada concorrência de mercado, a Vodafone Portugal conseguiu mais uma vez oferecer aos seus Clientes uma oferta diferenciadora. O potencial de desenvolvimento em Portugal de serviços inovadores, com pioneirismo a nível mundial, está também demonstrado pela Vodafone Portugal que, em parceria com a Microsoft, colocou à disposição dos seus Clientes a integração do serviço Vodafone Casa TV na consola de jogos Xbox 360. Este é o primeiro serviço a nível mundial a transformar uma consola de jogos em plataforma de acesso à televisão, sem prescindir da ligação aos amigos para conversas no chat, de voz ou texto, ou o acesso às principais redes sociais. O Vodafone Casa, que estava inicialmente disponível apenas para os Clientes Vodafone Casa ADSL, com um competitivo tarifário TV + Net + Voz, foi alargado para todo o mercado português, em Setembro de 2009, juntamente com um novo tarifário TV + Voz, vocacionado para quem não precisa de um acesso fixo à Internet, mas pretende todas as funcionalidades do serviço de televisão, ao melhor preço. O potencial do serviço está a ser continuamente reforçado e, já no primeiro trimestre de 2010, foi iniciada a fase piloto da rede de fibra óptica da Vodafone Portugal, que permitirá a utilização de velocidades substancialmente superiores e o acesso a um universo mais alargado de serviços, melhorando a experiência dos Clientes do Vodafone Casa. Informação chave: Nome: Vodafone Portugal - Comunicações Pessoais, S.A. Sede: Av. D. João II, lote , Ala Sul, 8º piso, Lisboa Accionista: Grupo Vodafone Actividade: O estabelecimento, gestão e exploração de infra-estruturas, a prestação de serviços de comunicações electrónicas e o exercício da actividade de televisão, bem como de qualquer actividade complementar ou acessória Nº de Colaboradores: Nº de Clientes de serviços móveis registados: 5,95 milhões de Clientes Nota: Dados relativos a 31 de Março de 2010 Indicadores financeiros* Milhões de Euros Ano Fiscal 2009 Proveitos Custos operacionais 732 Custos com o pessoal Processamento de salários 58 Outros benefícios 35 Donativos e outros investimentos na Comunidade 1 Resultados retidos 0 Pagamentos ao Estado 241 Dividendos pagos 1 * Para informação adicional poderá consultar Anexo I - Indicadores de Desempenho GRI e Indicadores Específicos Verificados e Pressupostos Perfil Organizacional

14 A estrutura organizativa da Vodafone Portugal encontra-se definida de acordo com o seguinte diagrama funcional: CEO Dir. Regulação e Relação com Operadores Dir. Legal Dir. Comunicação Institucional, Apoio à Gestão e Responsabilidade Social Dir. Recursos Humanos Dir. Estratégia e Gestão de Programas Unidade de Negócios Particulares Unidade de Negócios Empresarial Financeira e Administrativa Tecnologia (Rede e IT) A Fundação Vodafone Portugal foi constituída em 2001 como instituição sem fins lucrativos com personalidade jurídica e fundos próprios. A sua missão é incentivar o desenvolvimento da Sociedade da Informação e o combate à info-exclusão, uma estratégia aplicada através das seguintes linhas de actuação: 01.3 FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL Promoção da investigação científica e tecnológica, bem como da formação e da qualificação profissional no sector das telecomunicações e das tecnologias de informação. Apoio a projectos especiais de integração social e de manifesta utilidade geral. Mecenato direccionado para a promoção de conteúdos e para o desenvolvimento de iniciativas de defesa e promoção da Língua e da Cultura portuguesa, sobretudo nas novas tecnologias da comunicação. Nesse quadro, as acções da Fundação Vodafone Portugal têm incidido prioritariamente nas áreas do Ambiente, Educação e Cultura, Investigação Científica, Novas Tecnologias da Informação, Saúde e Segurança, onde se centram os projectos de apoio e Mecenato desenvolvidos pela Fundação. Os recursos indispensáveis ao exercício das actividades da Fundação Vodafone Portugal, desde as competências profissionais ao espaço físico e outras valências, são cedidos pela Vodafone Portugal. Relatório de Responsabilidade Social 09 14

15 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE

16 ética e corporate governance 02.1 PRINCÍPIOS DE NEGÓCIO No desenvolvimento da sua actividade, a Vodafone Portugal respeita rigorosamente a legislação e as normas aplicáveis ao sector, como requisito mínimo, mas assume também a defesa de uma gestão com preocupações éticas, sociais e ambientais. Esses compromissos, sustentados pelos Princípios de Negócio da Empresa, são observados nas práticas do dia-a-dia de todos os Colaboradores e aplicam-se através da Política Ambiental, do Código de Conduta das Compras, da Política da Qualidade assim como da Política de Desenvolvimento Responsável da Rede. Nos Princípios de Negócio é também definida a linha de actuação da Empresa no que diz respeito à condução do negócio e à forma de relacionamento com os Stakeholders. Os Princípios de Negócio incidem em diversas áreas, entre as quais se contam o Ambiente, a Saúde ou a Segurança, mas também se estendem a matérias do domínio da Ética, como é o caso dos Direitos Humanos, da corrupção, dos conflitos de interesse ou da protecção de dados. Os Princípios de Negócio são partilhados com todos os Colaboradores, estando disponíveis para consulta através da rede informática interna da Empresa e sendo ainda incluídos na formação realizada aos novos Colaboradores MODELO DE GESTÃO DA VODAFONE PORTUGAL O modelo de Governo do Grupo Vodafone, que se aplica de forma directa à Vodafone Portugal, está espelhado no Group Governance and Policy Manual, onde se define e garante que a Empresa implementa as melhores práticas na organização e na governação interna. Este documento abrange a definição do modelo de delegação de autoridade e aprovações, a gestão de risco e a implementação e operação de políticas internas, procurando alinhar a Empresa com as melhores práticas para alcançar a excelência em áreas como o relacionamento com Clientes, a gestão de recursos humanos, a organização interna, a conformidade legal e regulamentar, assim como a sua relação com a comunidade e o meio ambiente. A forma como a Vodafone Portugal operacionaliza as diversas políticas passa pelo cumprimento rigoroso de normas nacionais e internacionais. O cumprimento dos requisitos e consequente certificação de acordo com estas normas é um método eficaz para alcançar a excelência operacional e o objectivo estratégico de ser uma empresa responsável e altamente fiável em todos os mercados onde opera. Em particular, a certificação Sarbanes-Oxley atesta a adopção de melhores práticas de controlo interno, visando a integridade e fiabilidade das informações financeiras divulgadas ao mercado e aos parceiros de negócios. Esta certificação assenta, também, na responsabilização de todos os elementos da Gestão pelo seu contributo para os objectivos da empresa, considerando a satisfação dos clientes como a via mais correcta para atingir o sucesso financeiro. Na Vodafone Portugal, a certificação Sarbanes-Oxley (SOX) permitiu ampliar a estrutura de controlo interno implementando a aplicação das melhores práticas. Estas estão presentes não só no contexto da informação financeira mas também no relacionamento com o Cliente, nos processos operacionais, sistemas de informação e gestão de plataformas de rede, prevenção da fraude, segurança física e lógica, e ainda na gestão de parcerias, entre outros. A validação do ambiente de controlo interno, através da realização de auditorias, garante o nível adequado de conformidade nos processos implementados nas áreas de negócio da Empresa. Este modelo contribui para a performance e eficácia da Vodafone Portugal, evitando erros, ou Ética e Corporate Governance

17 garantindo a sua detecção e correcção oportuna quando a prevenção não é possível, e permitindo a disponibilidade e rastreabilidade de informação, bem como a responsabilização dos Colaboradores. A Vodafone Portugal obteve também a certificação de acordo com as normas ISO 14001:2004 e ISO 9001:2008 que atestam a qualidade do desenvolvimento e melhoria contínua da Empresa, demonstrando o compromisso com a busca permanente de inovação, aplicando os mais elevados padrões de qualidade na oferta e na relação com todos os Stakeholders. O sistema de Gestão da Qualidade é o próprio sistema de Gestão da Empresa, fazendo parte da dinâmica permanente da Vodafone Portugal e reflectindo-se em actividades cruciais para o cumprimento da norma, entre as quais se contam a revisão periódica do sistema, o desenvolvimento do produto e do ciclo de entrega, a gestão de compras, a gestão de produto e da sua conformidade. Estrutura Orgânica da Vodafone Portugal Vodafone Portugal 02.3 MODELO DE GOVERNAÇÃO SOCIETÁRIA DA VODAFONE PORTUGAL Assembleia Geral Conselho de Administração Fiscal Único A Assembleia Geral é, por definição, o órgão de decisão dos Accionistas da Vodafone Portugal. Reúne, obrigatoriamente, uma vez por ano, com o objectivo de proceder à apreciação geral da administração e da fiscalização da Sociedade e de deliberar sobre o relatório de gestão, bem como sobre as contas do exercício. A Assembleia Geral pode ainda ser convocada sempre que o Conselho de Administração ou o Fiscal Único entendam ser conveniente. Dentro das suas competências, cabe igualmente à Assembleia Geral aprovar as contas da Sociedade, eleger os membros dos órgãos sociais e definir a remuneração dos Administradores. A gestão corrente da Sociedade encontra-se a cargo do Conselho de Administração, actualmente composto por sete membros, sendo que os Accionistas apenas podem deliberar sobre matérias de gestão da Sociedade a pedido deste órgão de gestão. Para além do Presidente do Conselho de Administração e do Administrador Delegado (CEO) - este último responsável, de modo global, pela condução de toda a actividade da Sociedade - a estrutura do Conselho de Administração da Vodafone Portugal contempla a atribuição de determinadas áreas de responsabilidade a alguns dos restantes membros deste órgão. Os membros do Conselho de Administração são eleitos pela Assembleia Geral por um período correspondente a três anos civis, renovável por iguais períodos. Compete, ainda, à Assembleia Geral designar um dos Administradores eleitos para Presidente do Conselho de Administração. A fiscalização da Sociedade é exercida por um Fiscal único efectivo e por um suplente, os quais são eleitos por um período correspondente a três anos civis, renovável por iguais períodos, sem qualquer limitação. O Fiscal único efectivo e o Fiscal único suplente deverão ser revisores oficiais de contas ou sociedades de revisores oficiais de contas, não podendo ser accionistas. Relatório de Responsabilidade Social 09 18

18 A estrutura interna da Vodafone Portugal conta com o Conselho Executivo e com duas comissões de fiscalização e revisão: Conselho Executivo, órgão interno de apoio ao CEO na gestão corrente da actividade da Sociedade, o qual é composto pelo CEO, que a ele preside, e pelos administradores executivos responsáveis pelas áreas de negócios Empresarial e Consumo, Tecnologia e Financeira. Comissão de Auditoria, órgão ad hoc, que tem como principais funções fiscalizar o cumprimento das regras de Governação da Empresa e a eficácia do sistema de gestão de riscos e do sistema de auditoria interna. Comissão de Alinhamento Operacional, órgão que tem como principais funções a revisão da performance da Empresa, bem como dos principais projectos, o qual tem por líder executivo o Director de Estratégia e como participantes todos os Directores e chefias intermédias da Vodafone Portugal. Composição dos Órgãos Sociais Em 31 de Março de 2010, o Grupo Vodafone detinha, directa e indirectamente, a totalidade do capital social e dos direitos de voto da Vodafone Portugal. Na mesma data, os Órgãos Sociais da Vodafone Portugal tinham a seguinte composição: Conselho de Administração António Rui de Lacerda Carrapatoso (Presidente) António Manuel da Costa Coimbra (CEO) João Mário Monteiro de Araújo Couto (Vice-presidência Financeira & Administrativa) Jorge Manuel Capelas Fernandes (Vice-presidência Tecnologia) João Pedro de Amaral e Silva Mendes Dias (Unidade Negócio Empresas) Mário Jorge Soares Vaz (Unidade Negócio Particulares) José Miguel Alarcão Júdice (não executivo) Fiscal Único Deloitte & Associados, SROC S.A. Fiscal Único Suplente Duarte Nuno Passos Galhardas (ROC) Secretário da Sociedade Cristina Minoya Perez Carla Matos (Suplente) Ética e Corporate Governance

19 ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO

20 estratégia e sustentabilidade do negócio A liderança da Vodafone no mercado de telecomunicações mundial e a posição de co-liderança obtida no mercado português são suportadas numa estratégia de diferenciação e qualidade na qual a Sustentabilidade do Negócio tem um papel fundamental. A Empresa trabalha continuamente na procura dos resultados que mais interessam ao seu negócio, tornando os serviços e soluções mais simples e procedendo de forma leal e transparente com os Clientes, Fornecedores e Parceiros. Uma postura que é reconhecida por todo o mercado e contribui de forma determinante para a visão que os Stakeholders têm da Vodafone como Empresa socialmente responsável. De forma a assegurar a execução eficiente da estratégia da Empresa, foram definidos princípios de actuação que traçam a sua cultura e forma de trabalhar, caracterizadas por um estilo único e consistente o estilo Vodafone designado The Vodafone Way. Reflectindo-se no dia-a-dia e integrando de forma indelével a cultura e essência da organização e dos Colaboradores, estes princípios são espelhados na forma como o mercado, e especialmente os Clientes, vêem a Empresa, reconhecendo-a como: Customer Obsessed Entusiasmados com a vontade de exceder as expectativas dos Clientes. Innovation Hungry Criando novos produtos, serviços e formas de trabalhar para surpreender os Clientes. Ambitious & Competitive Trabalhando com energia e paixão e procurando sempre superar a concorrência. One Company, Local Roots Explorando sinergias globais e uma visão local para alcançar os melhores resultados para os Clientes, Colaboradores e Accionistas. A identificação da Vodafone como a melhor marca nos serviços de Telecomunicações e o fortalecimento da oferta de soluções integradas, que respondem de forma plena às necessidades dos Clientes, são valores aos quais a Empresa se dedica de forma permanente. A preocupação com a Qualidade ocupa também um lugar determinante no quotidiano da Empresa e dos Colaboradores, que procuram aplicar os mais elevados padrões na oferta e na satisfação de todos os Parceiros. O reconhecimento deste empenho está presente nas certificações obtidas pela Vodafone Portugal, designadamente na certificação pela Associação Portuguesa de Certificação (APCER) de acordo com o referencial NP EN ISO 14001:2004 e o referencial NP EN ISO 9001: OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS DA VODAFONE PORTUGAL A Vodafone Portugal pratica uma gestão por objectivos participada pelos Colaboradores, no sentido de garantir que o trabalho desenvolvido diariamente pelas equipas das diferentes áreas está alinhado com a cultura e a orientação estratégica geral da Empresa. Mantendo os pilares de orientação, a Empresa revê, porém, regularmente, os seus objectivos estratégicos, adaptando-se à necessidade de redefinição permanente do negócio, cada vez mais abrangente, à evolução das necessidades dos Clientes, à concorrência crescente e à constante inovação tecnológica que este sector tem vindo a registar Estratégia e Sustentabilidade do Negócio

RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ABRIL 09 A MARÇO 10

RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ABRIL 09 A MARÇO 10 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ABRIL 09 A MARÇO 10 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ABRIL 09 A MARÇO 10 Quero criar uma amazon... mas de lixo (pausa para o seu riso). Uma cadeia de armazéns gigantes

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

ÍNDICE PERFIL ORGANIZACIONAL ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO ENVOLVIMENTO COM OS STAKEHOLDERS

ÍNDICE PERFIL ORGANIZACIONAL ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO ENVOLVIMENTO COM OS STAKEHOLDERS ÍNDICE Introdução 05 Mensagem do Presidente 07 PERFIL ORGANIZACIONAL 01.1 Grupo Vodafone 11 01.2 Vodafone Portugal 11 01.3 Fundação Vodafone Portugal 13 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE 02.1 Princípios de

Leia mais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais Face à crescente importância e complexide dos assuntos relativos à divulgação de informação sobre o Societário, o Grupo PT apresenta em anexo a este relatório, mas como sua parte integrante, o Relatório

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO 005 MENSAGEM DO PRESIDENTE 006 01.1 GRUPO VODAFONE 011 01.2 VODAFONE PORTUGAL 011 01.3 FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL 013

ÍNDICE INTRODUÇÃO 005 MENSAGEM DO PRESIDENTE 006 01.1 GRUPO VODAFONE 011 01.2 VODAFONE PORTUGAL 011 01.3 FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL 013 ÍNDICE 001 01 PERFIL ORGANIZACIONAL 02 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE 03 ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO 04 ENVOLVIMENTO COM OS STAKEHOLDERS 05 GESTÃO DOS ASPECTOS MATERIAIS INTRODUÇÃO 005 MENSAGEM

Leia mais

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders João José Fernandes director geral executivo jjfernandes@oikos.pt Lisboa, 24 Junho 2008 oikos desafio

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

Governo das Sociedades A Visão do Chairman

Governo das Sociedades A Visão do Chairman Lisboa, 4 de Novembro de 2008 XV Conferência do IPAI Governo das Sociedades d A Visão do Chairman Francisco Luís Murteira Nabo Corporate Governance O que é? Corporate Governance is the system by which

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas.

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas. -AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS A sua protecção, com os melhores especialistas. Porquê a auditoria ao tratamento de dados pessoais? A regulamentação do tratamento de dados pessoais é uma área complexa

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

CTT Correios de Portugal, S.A. Âmbito e limite do Relatório Tem sido objectivo da empresa fazer uma cobertura de reporte progressivamente alargada das empresas do Grupo. Estas são bastante diversas entre

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Os serviços de apoio prestados pela APAV às vítimas são gratuitos e confidenciais.

APRESENTAÇÃO. Os serviços de apoio prestados pela APAV às vítimas são gratuitos e confidenciais. APRESENTAÇÃO A APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima é uma instituição particular de solidariedade social, sem fins lucrativos, e pessoa colectiva de utilidade pública reconhecida que tem como

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado VII Encontro da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil 2 de Março de 2011 Sala do Senado da Reitoria da UNL Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica Jaime Quesado Patrocinadores Globais Inteligência

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010 PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom 17 de Junho de 2010 Agenda Missão e História da PT Compras Centralização da Função Compras Modelo de Compras da Portugal Telecom Um Modelo

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Estratégia de Marketing na Comunicação Interna O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Conferência Mercator XXI Lisboa, 7 de Outubro 2004 O papel da comunicação no desenvolvimento dos negócios

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

PT Wi-Fi: Internet em Movimento

PT Wi-Fi: Internet em Movimento PT Wi-Fi: Internet em Movimento Clipping de Media (05 a 09 de Dezembro de 2003) Meio: Diário Económico Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 6 Meio: Jornal de Negócios Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 8

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC ABBC A actuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores,

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Associação Contraditório. Estatutos

Associação Contraditório. Estatutos Associação Contraditório Estatutos CAPÍTULO I Denominação, Princípios e Objectivos Artigo 1º (Denominação, sede e duração) 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO CONTRADITÓRIO,

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Big enough to do the job small enough to do it better!

Big enough to do the job small enough to do it better! Big enough to do the job small enough to do it better! Conteúdos 1 Competências 2 Case studies 3 Quero mais Competências > Assistência Informática > Outsourcing > Web ' ' Webdesign Hosting Email ' Webmarketing

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A.

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1.º Denominação A sociedade adopta a denominação de AICEP Global

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE 2011 ACTIVIDADES Federação Portuguesa das Associações, Centros e Clubes UNESCO Julho de 2011 FICHA TÉCNICA TÍTULO: PLANO DE ACTIVIDADES 2011 AUTOR: Federação Portuguesa das Associações, Centros

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PONTO SEGUN DA ORDEM S TRABALHOS O Conselho de Administração da COFINA, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral que os resultados

Leia mais

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Lisboa, 20 de Junho Comércio electrónico, segurança dos dados pessoais, regulação e mecanismos de protecção foram alguns dos temas discutidos

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Dossier de Apresentação

Dossier de Apresentação www.impactus.org Dossier de Apresentação II Conferência Anual Revista Im))pactus Comunicar a Gestão através dos Relatórios de Contas e de Sustentabilidade Apresentação do estudo O que valorizam os media

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Relações Públicas e Comunicação Empresarial Disciplina: Comunicação Corporativa 6ºSemestre Responsabilidade Social Empresarial Docente: Tiago Ramos Discente: Vanessa Gomes Rolim nº5682 Lisboa, 26 de Abril

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de Sistema de Gestão e de Garantia da Qualidade Agenda Enquadramento Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Garantia da Qualidade 2 Enquadramento Estatutos da ESHTE Prossecução de objectivos de qualificação

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Agenda Quem Somos? O que produzimos Informações Úteis Ideias - chave sobre Responsabilidade Social Empresarial (RSE) Nosso Conceito de RSE, baseado na Missão e Valores

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais