FORMAÇÃO ACADÊMICA E EDUCAÇÃO CONTINUADA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO ACADÊMICA E EDUCAÇÃO CONTINUADA"

Transcrição

1 FORMAÇÃO ACADÊMICA E EDUCAÇÃO CONTINUADA ANA TÉRCIA L. RODRIGUES Câmara de Desenvolvimento Profissional e Institucional

2 AGENDA: Programa de Educação Profissional Continuada Base Legal Padrão Internacional de Educação Profissional Continuada Estatísticas da EPC Formação Acadêmica (o que os dados revelam) Desafios (mudanças a serem implementadas)

3 PEPC - O QUE É? Educação Profissional Continuada é a atividade programada, formal e reconhecida pelo CFC que visa manter, atualizar e expandir os conhecimentos técnicos, indispensáveis à qualidade e ao pleno atendimento das normas que regem o exercício da atividade de auditoria de demonstrações contábeis.

4 BASE LEGAL: Resolução CFC nº 1.146/08 EPC; Deliberação CVM n 570/09 (pont. específia); Resolução CMN n 3.771/09 (pont. específica); Instrução Normativa CVM n 308/99. Lei /2010

5 DA OBRIGATORIEDADE: Estão obrigados a cumprir o PEPC os contadores: com registro em CRC, inscritos no CNAI; com cadastro na CVM ; que exercem atividades de auditoria nas instituição financeiras, nas sociedades seguradoras e de capitalização e em entidades abertas de previdência complementar, denominados auditores independentes; que compõem o quadro funcional técnico das empresas de auditoria (excluídos os especialistas).

6 DA PONTUAÇÃO OBRIGADA PELA RESOLUÇÃO CFC N /08: 96 pontos de EPC, por triênio-calendário, para o triênio 2009 a 2011, sendo, no mínimo 20, pontos em cada ano do triênio. DA PONTUAÇÃO ESPECÍFICA OBRIGATÓRIA: Deliberação CVM n 570/09 define o mínio de: 10 (dez) pontos no ano de 2009; 15 (quinze) pontos no ano de 2010; 12 (doze) pontos no ano de Resolução CMN n 3.771/09 define o mínio de : 120 horas a cada período de três anos, contadas a partir de 30 de junho de 2009.

7 TOTAL DE RELATÓRIOS ENTREGUES ANO TOTAL

8 DADOS DE CREDENCIAMENTO Capacitadoras credenciadas

9 DADOS DE CREDENCIAMENTO Cursos credenciados Eventos credenciados

10 PADRÃO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO CONTÁBIL International Accounting Education Standards Board (IAESB) NOVO PARADIGMA DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL GLOBAL

11 EPC Educação Profissional Continuada é a atividade programada, formal e reconhecida pelo CFC que visa manter, atualizar e expandir os conhecimentos técnicos, indispensáveis à qualidade e ao pleno atendimento das normas que regem o exercício da atividade de auditoria de demonstrações contábeis. CPE - Continuing Professional Education Programs Parte integrante da aprendizagem duradoura necessária para prestar competentes serviços para o público. Conjunto de atividades que capacita os CPAs a manter e incrementar suas competências profissionais.

12 Educação Profissional Continuada CPA CERTIFIED PUBLIC ACCOUNTANT Certificação utilizada por prestadores de serviços contábeis que assumem um compromisso público em manter-se atualizado em seus conhecimentos, habilidades e competências para o exercício da Profissão. CPAs devem aceitar e praticar sua Responsabilidade Ética para com seus diversos públicos de interesse. A Profissão contábil está caracterizada por uma explosão de conhecimentos relevantes, significativas mudanças, expansão e incremento do nível de complexidade.

13 Educação Profissional Continuada AVANÇOS TECNOLÓGICOS ECONOMIA GLOBALIZADA COMPLEXIDADE DOS NEGÓCIOS REGULAÇÕES CENÁRIO IMEDIATISMO EAD SEGMENTOS ESPECIALIZADOS MUDANÇAS CONSTANTES

14 AMBIENTE DINÂMICO DOS NEGÓCIOS REQUER DOS CPAs MANUTENÇÃO E POTENCIALIZAÇÃO CONTÍNUA DOS SEUS CONHECIMENTOS, TALENTOS E HABILIDADES ATINGIR E MANTER A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS

15 PARA DEMONSTRAR COMPETÊNCIA NA FUNÇÃO, UM PROFISSIONAL CONTÁBIL DEVE POSSUIR: CONHECIMENTO PROFISSIONAL TALENTO E COMPETÊNCIA VALORES PROFISSIONAIS, ÉTICA E ATITUDE

16 Framework for International Education Standards for Professional Accountants This Framework establishes the concepts that the International Accounting Education Standards Board (IAESB) uses in its publications. It also provides an introduction to the IAESB publications and related IFAC member body obligations.

17 FORMAÇÃO ACADÊMICA: O QUE OS DADOS REVELAM? QUALIDADE DO ENSINO......DE QUEM É A RESPONSABILIDADE?...O QUE FAZER?

18 REFLEXÃO Nós professores, estamos preparados para cumprir programas de Educação Continuada Obrigatória? Qual a possível influência dessa prática na qualidade do ensino contábil? Como as IES/Coordenadores/Professores estão preparando os alunos para se manterem atualizados após a conclusão do curso?

Guia de Orientação. Conselho Federal de Contabilidade Cadastro Nacional de Auditores Independentes

Guia de Orientação. Conselho Federal de Contabilidade Cadastro Nacional de Auditores Independentes Conselho Federal de Contabilidade Cadastro Nacional de Auditores Independentes Guia de Orientação 1 ÍNDICE 1. DO CADASTRO NACIONAL DE AUDITORES INDEPENDENTES 1.1. Como teve origem o CNAI? 5 1.2. Quem vai

Leia mais

II SEMINÁRIO DE GESTÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO CEARÁ. TANIA MOURA DA SILVA tanias@smail.ufsm.br

II SEMINÁRIO DE GESTÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO CEARÁ. TANIA MOURA DA SILVA tanias@smail.ufsm.br II SEMINÁRIO DE GESTÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO CEARÁ TANIA MOURA DA SILVA tanias@smail.ufsm.br EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA Investir em Conhecimento é o Caminho para o Sucesso EDUCAÇÃO CONTINUADA

Leia mais

A formação do novo profissional contábil

A formação do novo profissional contábil A formação do novo profissional contábil Prof. Dr. Fábio Moraes da Costa Professor Associado (Fucape Business School) / Consultative Advisory Group (IAESB) / ISAR/UNCTAD (ONU) fabio@fucape.br 13ª Semana

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE CTA 20 DE 11/04/2014 ALCANCE DA NORMA

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE CTA 20 DE 11/04/2014 ALCANCE DA NORMA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE CTA 20 DE 11/04/2014 João Alfredo de Souza Ramos Contador CRCES 2289 joaoalfredo@srauditores.com.br Telefone: 27-4009-4666 ALCANCE DA NORMA Trata dos padrões técnicos

Leia mais

. NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC PG 12, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014 NBC PG 12 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA

. NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC PG 12, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014 NBC PG 12 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA . NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC PG 12, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova a NBC PG 12 que dispõe sobre educação profissional continuada. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC PA 12 (R1), DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC PA 12 (R1), DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC PA 12 (R1), DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013 Dá nova redação à NBC PA 12 que dispõe sobre educação profissional continuada. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA. Prof. Dr.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA. Prof. Dr. FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA Prof. Dr. Valmor Slomski A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Praia Grande Código: 153 Município: Praia Grande Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnico em Contabilidade Qualificação:

Leia mais

OMEGA ENERGIA RENOVÁVEL S.A. FORMULÁRIO CONSOLIDADO. Negociação de Administradores e Pessoas Ligadas - Art. 11 - Instrução CVM nº 358/2002

OMEGA ENERGIA RENOVÁVEL S.A. FORMULÁRIO CONSOLIDADO. Negociação de Administradores e Pessoas Ligadas - Art. 11 - Instrução CVM nº 358/2002 Negociação de Administradores e Pessoas - Art. 11 - Instrução CVM nº 358/2002 (x) Conselho de () Diretoria () Conselho Fiscal ( ) Órgãos Técnicos ou Consultivos Ações Ordinárias 9 0,00 0,00 Ações Ordinárias

Leia mais

Palestra. Auditoria do Terceiro Setor. Julho 2012. Apoio: Elaborado por: José Aparecido Maion

Palestra. Auditoria do Terceiro Setor. Julho 2012. Apoio: Elaborado por: José Aparecido Maion Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS APLICAÇÃO N 3 As novas práticas contábeis instituídas a partir da Lei 11.638/2007 complementadas pela Lei 11.941/2009 e normatização formulada através da edição dos pronunciamentos

Leia mais

Jéssica Aparecida Mendes 1 Vidigal Fernandes Martins 2

Jéssica Aparecida Mendes 1 Vidigal Fernandes Martins 2 NORMAS INTERNACIONAIS DE AUDITORIA NO BRASIL: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE ENTENDIMENTO DAS NORMAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES PELOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA ÁREA Jéssica Aparecida Mendes 1 Vidigal Fernandes

Leia mais

Workshop. Apimec 6 meses da implementação das regras de autorregulação

Workshop. Apimec 6 meses da implementação das regras de autorregulação Workshop Apimec 6 meses da implementação das regras de autorregulação 27 de abril de 2011 Apimec e CVM Instrução CVM nº 483, em vigor desde 01/10/2010 Estabelece as novas regras aplicáveis aos analistas

Leia mais

Material de apoio. Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente

Material de apoio. Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente Material de apoio Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente Normas de auditoria que entraram em vigor no Brasil, em 2010 O CFC emitiu novas normas de auditoria

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE COMUNICADOS DE AUDITORIA INDEPENDENTE CTAs 01 a 16

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE COMUNICADOS DE AUDITORIA INDEPENDENTE CTAs 01 a 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE CTAs 01 a 16 PUBLICAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE SAS Quadra 5 Bloco J - Ed. CFC Fone: (61) 3314 9600 / Fax: (61) 3322 2033 CEP: 70070-920 Brasília DF Site:

Leia mais

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador;

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador; 1) INTRODUÇÃO Ref.: Instrução CVM Nº 308, de 14 de maio de 1999, que dispõe sobre o registro e o exercício da atividade de auditoria independente no âmbito do mercado de valores mobiliários, define os

Leia mais

As IFRSs nos Currículos de Ciências Contábeis

As IFRSs nos Currículos de Ciências Contábeis As IFRSs nos Currículos de Ciências Contábeis Prof. Dr. Fábio Moraes da Costa Professor Associado da FUCAPE Business School Grupo Consultivo do International Accounting Education Standards Board (IAESB)

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.328/11. Dispõe sobre a Estrutura das Normas Brasileiras de Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.328/11. Dispõe sobre a Estrutura das Normas Brasileiras de Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.328/11 Dispõe sobre a Estrutura das Normas Brasileiras de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e com fundamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa

Leia mais

Formação e Certificação

Formação e Certificação Formação e Certificação Requisitos de CPE para CIAs Editado por Giovani Ehrhardt*. Traduzido por Ana Clara Sebastião Macedo Ventura. Resumo: Este artigo visa esclarecer os requisitos obrigatórios da Formação

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL NOS SERVIÇOS NOTARIAIS E DE REGISTROS. Modernidade, Atualização e Conquista de Novas Atribuições

CERTIFICAÇÃO DIGITAL NOS SERVIÇOS NOTARIAIS E DE REGISTROS. Modernidade, Atualização e Conquista de Novas Atribuições CERTIFICAÇÃO DIGITAL NOS SERVIÇOS NOTARIAIS E DE REGISTROS Modernidade, Atualização e Conquista de Novas Atribuições PAPEL DOS CARTÓRIOS NA ERA DIGITAL Cada vez mais, a sociedade adota o meio digital para

Leia mais

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) está com as inscrições abertas para a primeira turma do MBA em IFRS (Normas

Leia mais

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE)

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Diretriz Administrativa de Requisitos de Educação Profissional Continuada nº 4: 2011 Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Objetivo Este documento contém os requisitos

Leia mais

PROCESSO N. 352/03 PROTOCOLO N.º 5.252.763-5 PARECER N.º 31/04 APROVADO EM 13/02/04

PROCESSO N. 352/03 PROTOCOLO N.º 5.252.763-5 PARECER N.º 31/04 APROVADO EM 13/02/04 PROTOCOLO N.º 5.252.763-5 PARECER N.º 31/04 APROVADO EM 13/02/04 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: COLÉGIO ESTADUAL OLAVO BILAC MUNICÍPIO: IBIPORÃ ASSUNTO: Credenciamento da Instituição e Autorização

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Auditoria. Normas norte-americanas de contabilidade. Normas internacionais de contabilidade. Normas brasileiras de contabilidade.

PALAVRAS-CHAVE: Auditoria. Normas norte-americanas de contabilidade. Normas internacionais de contabilidade. Normas brasileiras de contabilidade. Revista UnB Contábil, v. 11, n. 1-2, p.312-328, jan./dez. 2008 Universidade de Brasília Departamento de Ciêncas Contábeis e Atuariais ISSN 1984-3925 Controle de Qualidade dos Serviços de Auditoria Independente:

Leia mais

Demonstrações Financeiras IFRS

Demonstrações Financeiras IFRS Demonstrações Financeiras IFRS Prof. Dr. Fábio Moraes da Costa Professor Associado da FUCAPE Business School Grupo Consultivo do International Accounting Education Standards Board (IAESB) Membro da delegação

Leia mais

ÓRGÃOS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE

ÓRGÃOS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ÓRGÃOS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE 1. Introdução Nos dias atuais, várias entidades trabalham internacionalmente no desenvolvimento e uniformização de normas e procedimentos para a área contábil internacional,

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PA 12 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PA 12 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PA 12 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA Índice Item OBJETIVO 1 5 AUDITOR INDEPENDENTE 6 14 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 15 18 CONSELHOS REGIONAIS DE CONTABILIDADE

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA

CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA 1. INTRODUÇÃO Em virtude da intelectualidade manifesta dos serviços a serem licitados será adotado o tipo de licitação

Leia mais

O PERFIL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E A SUA JORNADA LABORAL

O PERFIL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E A SUA JORNADA LABORAL O PERFIL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E A SUA JORNADA LABORAL Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ana Paula dos Santos Dias², Ana Paula Ferreira Barbosa³, Cristina Coelho 4, Flávia Araújo Conceição

Leia mais

Resolução CFC 1418/12 Celso luft Contador CRC/RS 50477 Vice Presidente de Fiscalização do CRC/RS

Resolução CFC 1418/12 Celso luft Contador CRC/RS 50477 Vice Presidente de Fiscalização do CRC/RS ITG 1000 Novo Modelo Contábil para ME e EPP Resolução CFC 1418/12 Celso luft Contador CRC/RS 50477 Vice Presidente de Fiscalização do CRC/RS ITG 1000 Novo Modelo Contábil para ME e EPP AGENDA A ITG 1000

Leia mais

Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Ferramentas da Contabilidade. Termos Equivalentes. Auditoria de Demonstrações Contábeis

Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Ferramentas da Contabilidade. Termos Equivalentes. Auditoria de Demonstrações Contábeis Ferramentas da Contabilidade Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria Tipos de Auditoria Contábil ou Financeira ou Independente ou Externa ou Auditoria das Demonstrações

Leia mais

A Gestão do Ensino da Contabilidade Trajetória

A Gestão do Ensino da Contabilidade Trajetória A Gestão do Ensino da Contabilidade Trajetória Profª Drª Elizabeth Castro Maurenza de Oliveira 1 elizabeth.oliveira@metodista.br Resumo Pretende-se nesse artigo apresentar diversos enfoques sobre o ensino

Leia mais

3º. ENECONT Encontro de Empresários Contábeis do RJ 2013. Gestão de Pessoas Por: Dulce Soares

3º. ENECONT Encontro de Empresários Contábeis do RJ 2013. Gestão de Pessoas Por: Dulce Soares 3º. ENECONT Encontro de Empresários Contábeis do RJ 2013. Gestão de Pessoas Por: Dulce Soares Recrutamento & Seleção de Pessoas: Como realizar um processo eficaz? Os Cinco Subsistemas do RH: Planejamento

Leia mais

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR. CVM nº RJ2013/13481

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR. CVM nº RJ2013/13481 EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM nº RJ2013/13481 Ementa: Decisão: EASE Escritório de Auditoria Independente S/C Não submissão ao Programa de Revisão Externa de

Leia mais

FACULDADE JOSÉ LACERDA FILHO DE CIÊNCIAS APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANDREZA DE AGUIAR PINTO

FACULDADE JOSÉ LACERDA FILHO DE CIÊNCIAS APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANDREZA DE AGUIAR PINTO FACULDADE JOSÉ LACERDA FILHO DE CIÊNCIAS APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANDREZA DE AGUIAR PINTO UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS GESTORES QUANTO Á CONTRIBUIÇÃO DA AUDITORIA EXTERNA PARA A MELHORIA

Leia mais

B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade

B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade 1 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade A A CVM E A ATIVIDADE DE AUDITORIA INDEPENDENTE: a regulaçã ção como instrumento de melhoria da qualidade da informaçã ção. 2 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Profissões Regulamentadas no Brasil

Profissões Regulamentadas no Brasil Profissões Regulamentadas no Brasil 68 2,8% 2.422 1) Panorama do Ensino das Ciências Contábeis no Brasil 2) Ingresso na Profissão - Exame de Suficiência 3) Mercado de Trabalho - Oportunidades e Exigências

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO DISTRITO FEDERAL INSTRUÇÃO Nº 961, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015.

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO DISTRITO FEDERAL INSTRUÇÃO Nº 961, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO DISTRITO FEDERAL INSTRUÇÃO Nº 961, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o Artigo

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Rua Sete de Setembro, 111/2-5º e 23-34º Andares Centro Rio de Janeiro - RJ CEP: 20050-901 Brasil Tel.: (21) 3554-8686 - www.cvm.gov.br OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/GNA/n.º 01/2016

Leia mais

Recadastramento de ECF Perguntas e Respostas

Recadastramento de ECF Perguntas e Respostas Recadastramento de ECF Perguntas e Respostas Setembro/2007 1) Qual o instituto normativo que dispõe sobre o recadastramento de ECF? A Instrução Normativa nº 11/07, de 24 de agosto de 2007, publicada no

Leia mais

Seleção de tutores. Especialização em Ensino de Filosofia no Ensino Médio. Pós-graduação lato sensu na modalidade de ensino à distância.

Seleção de tutores. Especialização em Ensino de Filosofia no Ensino Médio. Pós-graduação lato sensu na modalidade de ensino à distância. EDITAL n 070 / 2014 CIPEAD/PROGRAD/UFPR Seleção de tutores Especialização em Ensino de Filosofia no Ensino Médio Pós-graduação lato sensu na modalidade de ensino à distância. A Universidade Federal do

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1060/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1060/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1060/05 Dá nova redação à NBC P 4 Norma para a Educação Profissional Continuada. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que ao Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

Perguntas Freqüentes

Perguntas Freqüentes 1. ENADE Perguntas Freqüentes 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas. Palestrante Edimir Oliveira Santos

Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas. Palestrante Edimir Oliveira Santos Normas Internacionales de Contabilidad Financiera y su impacto en la naturaleza democrática de las cooperativas Palestrante Edimir Oliveira Santos Agenda da Apresentação 1. Importância dos Padrões Internacionais

Leia mais

Formação de nível médio ou superior. Experiência mínima de 1 (um) ano no magistério básico, técnico ou superior.

Formação de nível médio ou superior. Experiência mínima de 1 (um) ano no magistério básico, técnico ou superior. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL Campus Rio Grande REDE ESCOLA TÉCNICA ABERTA DO BRASIL (e-tec BRASIL) EDITAL Nº 01, DE 29 DE JANEIRO DE 2014

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: REP REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO 2. Quando a portaria entra em vigor? Na data de sua publicação, 25/08/2009, exceto para o uso do REP, que se tornará obrigatório no dia

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012 Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Nos últimos anos tem havido evolução dos conceitos econômicos, sociais e

Leia mais

1.2. O acompanhamento de Editais e comunicados referentes a este Processo Seletivo é de responsabilidade exclusiva do candidato.

1.2. O acompanhamento de Editais e comunicados referentes a este Processo Seletivo é de responsabilidade exclusiva do candidato. EDITAL Nº 11/2015, de 28 de abril de 2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS DE ENSINO PARA INGRESSO NO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO, DO PROFUNCIONÁRIO CURSOS A DISTÂNCIA

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade. Cadastro Nacional de Auditores Independentes. Guia de Orientação

Conselho Federal de Contabilidade. Cadastro Nacional de Auditores Independentes. Guia de Orientação Conselho Federal de Contabilidade Cadastro Nacional de Auditores Independentes Guia de Orientação ÍNDICE 1. DO CADASTRO NACIONAL DE AUDITORES INDEPENDENTES 1.1. Como teve origem o CNAI?... 7 1.2. Quem

Leia mais

ENADE: Perguntas e respostas

ENADE: Perguntas e respostas ENADE: Perguntas e respostas O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE), Instituído pela Lei 10.861/2004 Lei do SINAES, sua realização é efetuada pelo INEP anualmente a estudantes das áreas selecionadas,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 70/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Matemática Computacional, Bacharelado

Leia mais

LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE

LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE LEI 11.638/2007 E A CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE Daniela Berta Locatelli 1 Isair Cardoso 2 Resumo A Contabilidade evolui constantemente, acompanhando o mundo dos negócios e dos

Leia mais

A QUALIDADE DO ENSINO NOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E A FORMAÇÃO DO CONTADOR PARA ATENDER O MERCADO DE TRABALHO

A QUALIDADE DO ENSINO NOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E A FORMAÇÃO DO CONTADOR PARA ATENDER O MERCADO DE TRABALHO A QUALIDADE DO ENSINO NOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E A FORMAÇÃO DO CONTADOR PARA ATENDER O MERCADO DE TRABALHO KOUNROUZAN, Márcia Covaciuc 1 RESUMO Com o advento da Lei 12.249/2010, passou a vigorar

Leia mais

Certificação em Gerenciamento de Projetos

Certificação em Gerenciamento de Projetos Certificação em Gerenciamento de Projetos Existe um ponto muito importante para as organizações, que é a certificação, que vem trazer ao profissional as melhores práticas para o Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

RESULTADO DA ANÁLISE DOS TÍTULOS - NÍVEL SUPERIOR TÍTULOS ENTREGUES

RESULTADO DA ANÁLISE DOS TÍTULOS - NÍVEL SUPERIOR TÍTULOS ENTREGUES RESULTADO DA ANÁLISE DOS TÍTULOS - NÍVEL SUPERIOR TÍTULOS ENTREGUES PONTUAÇÃO Nº INSCRIÇÃO CARGO A* B** C*** D**** OBTIDA 2887 ADVOGADO 0 0 0 360 ADVOGADO 0 0 PELO ITEM 3.2.2 LETRA "B" 3885 CONTADOR 3092

Leia mais

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União LOGO Sumário da Apresentação Origens... Um pouco sobre Governança O papel da Unidade

Leia mais

SINAES E A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. Márcia Regina F. de Brito DEAES/INEP/MEC

SINAES E A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. Márcia Regina F. de Brito DEAES/INEP/MEC SINAES E A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Márcia Regina F. de Brito DEAES/INEP/MEC Apresentação baseada em apresentações anteriores de: José Dias Sobrinho Dilvo Ilvo Ristoff Amir Limana Vicente de Almeida Júnior

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGIMENTO Art. 1º - O presente regimento tem por objetivo normatizar a Educação

Leia mais

PARA UMA REGULAMENTAÇÃO DOS CONCEITOS DE CONTABILISTA, CONTADOR E TÉCNICO EM CONTABILIDADE

PARA UMA REGULAMENTAÇÃO DOS CONCEITOS DE CONTABILISTA, CONTADOR E TÉCNICO EM CONTABILIDADE Página 1 de 9 Registro Fiscalização Administração Resoluções/CFC Serviços Onde Estamos PARA UMA REGULAMENTAÇÃO DOS CONCEITOS DE CONTABILISTA, CONTADOR E TÉCNICO EM CONTABILIDADE Página Inicial Exame de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS?

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? DOCUMENTO DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO SOLICTADO Requerimento assinado pelo O modelo do requerimento pode ser obtido no anexo I desta relação representante

Leia mais

ANALISANDO OS PRÓS E CONTRAS DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA JOVENS CONTADORES

ANALISANDO OS PRÓS E CONTRAS DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA JOVENS CONTADORES ANALISANDO OS PRÓS E CONTRAS DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA JOVENS CONTADORES Paola Guariso Crepaldi¹, Renato Nogueira Perez Avila² Ernando Amorim Souza³, RESUMO O objetivo deste artigo esta vinculado exame

Leia mais

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012.

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. Espaço DIPJ 2013 Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. SUMÁRIO 1. Introdução 2. Quem Está Obrigado à Apresentação da DIPJ 2.1.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 08 para CTA 03; e de outras normas citadas: de NBC T 19.10 para NBC TG 01; de NBC T 3.8 para NBC TG 03; de NBC T

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014

PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014 PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014 Solicitante: DR. R. C. M. R. CRM/GO XXXX Conselheiro Parecerista: DR. JOÃO ANASTÁCIO DIAS Assunto: Competência Técnica e Legal de Servidor não médico

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria CLIPPING COMENTÁRIOS, REGULAMENTAÇÕES E NORMATIVOS SOCIEDADES CORRETORAS, COOPERATIVAS DE CRÉDITO, ADMINISTRADORAS DE CONSÓRCIO, E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM GERAL Nº 16 ref: Setembro/2009 São Paulo,

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS

O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS O IMPACTO DA LEI 11.638 NA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES FINACEIRAS Fernanda de Fátima Teixeira Arantes, 1 José César de Faria 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE

POLÍTICA DE COMPLIANCE Informação Pública 13/05/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 5 7 DISPOSIÇÕES FINAIS... 7 8 INFORMAÇÕES DE CONTROLE...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis

Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis Adcon - Administradora de Convênios Odontológicos Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros contábeis KPMG Auditores Independentes Fevereiro de 2014 KPDS 79356

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE FORMADORES

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE FORMADORES O Programa de Certificação de Formadores busca capacitar profissionais da área da educação como formadores de professores e gestores educacionais. Com esta certificação, os formadores poderão ministrar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.322/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.322/11 A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 09 para CTA 04 e de outras normas citadas: de NBC T 19.16 para NBC TG 11; de NBC T 19.27 para NBC TG 26; e de CT 07 para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS LETÍCIA DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS LETÍCIA DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS LETÍCIA DE OLIVEIRA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS)

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ OBJETIVO Apresentar

Leia mais

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Auditoria Efeitos da Convergência FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Final do Século XX Início do processo de globalização Diminuição das fronteiras

Leia mais

ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís

ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís O PROFISSIONAL-PESQUISADOR. O PERFIL ATUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO LUÍS Mônica Cairrão Rodrigues* ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís acredita que o diferencial na postura do

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC n.º 1.377/11 Aprova a nova redação da NBC PA 12 Educação Profissional Continuada. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento

Leia mais

SEMINÁRIO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: Licitar, Dispensar ou Inexigir a licitação?

SEMINÁRIO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: Licitar, Dispensar ou Inexigir a licitação? SEMINÁRIO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: Licitar, Dispensar ou Inexigir a licitação? SEMINÁRIO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: Licitar, Dispensar

Leia mais

PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ²

PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ² PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ² 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Contábeis, Avenida Dr.Januário Miráglia,

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO MPT/PG 75/2014 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO ELETRÔNICO MPT/PG 75/2014 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO MPT/PG 75/2014 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO, JUSTIFICATIVA E CONCEITOS 1.1 OBJETO Registro de preços para contratação de empresa especializada no fornecimento de subscrições

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Ida Pereira Bernardo Rondon Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Centro de Educação EFIVEST Ltda. EMENTA: Credencia o Centro de Educação Efivest LTDA, nesta capital, e reconhece o Curso Técnico em Segurança do Trabalho Eixo Tecnológico: Segurança, até 31

Leia mais

Encaminhe obrigatoriamente para e-mail: expofitnessamazonia@gmail.com

Encaminhe obrigatoriamente para e-mail: expofitnessamazonia@gmail.com Termo de Responsabilidade do Expositor Formulário nº 01 Declaramos através deste termo total responsabilidade por qualquer dano que venha a ser causados por nosso material, pessoal, prestadores de serviços

Leia mais

Caderno de Perguntas e Respostas referentes à Concorrência nº 001/2013 (atualizado em 06/08/2013)

Caderno de Perguntas e Respostas referentes à Concorrência nº 001/2013 (atualizado em 06/08/2013) Caderno de Perguntas e Respostas referentes à Concorrência nº 001/2013 (atualizado em 06/08/2013) Objeto: Contratação de Escritório de Advocacia especializado em Direito Empresarial - com ênfase em Direito

Leia mais

Parceria entre governo e sociedade civil no atendimento do PNE: CEBAS Educação

Parceria entre governo e sociedade civil no atendimento do PNE: CEBAS Educação II Seminário de Formação Social Parceria entre governo e sociedade civil no atendimento do PNE: CEBAS Educação Maio 2016 Curitiba/PR Constituição Federal de 1988 Define a assistência social como direito

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ São Paulo SP 05/2015 Tatiana Barbosa da Silva Hospital Alemão Oswaldo

Leia mais

COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015

COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015 COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015 Objetivo Geral Contratação, por registro de preços, de serviços técnicos especializados de auditoria independente a serem prestados à EMBRAPII, compreendendo

Leia mais

UNIVESIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVESIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVESIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALESSANDRA FERREIRA DA SILVA ANÁLISE DO PERFIL DO PROFISSIONAL CONTÁBIL: EXIGÊNCIAS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AJUDA

ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AJUDA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 02: LEGISLAÇÃO E SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO. FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS TÓPICO 04: AS MODALIDADES DE ENSINO AJUDA MODALIDADES

Leia mais

PROJETO SETORIAL CONVÊNIO SOFTEX / APEX 2014 2016

PROJETO SETORIAL CONVÊNIO SOFTEX / APEX 2014 2016 Campinas, 15 de outubro de 2014. EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE AUDITORIA EXTERNA INDEPENDENTE PROJETO SETORIAL CONVÊNIO SOFTEX / APEX 2014 2016 Prezados Senhores, A Associação para Promoção da Excelência

Leia mais