SUMÁRIO. 4) REGIME DISCIPLINAR DO ALUNO...30 Comissão de Assuntos Disciplinares CADI...31 Direitos e Deveres do Corpo Discente...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. 4) REGIME DISCIPLINAR DO ALUNO...30 Comissão de Assuntos Disciplinares CADI...31 Direitos e Deveres do Corpo Discente..."

Transcrição

1

2 SUMÁRIO 1) APRESENTAÇÃO...4 Missão...5 Valores Institucionais...5 Equipe Gestora...6 Organograma...10 Histórico...10 Cursos Oferecidos...11 Horário das Aulas...13 Atendimento e Protocolo Anchieta APA...14 Ouvidoria...14 Portaria...15 Central de Atendimento...15 Cyber Anchieta ) MATRÍCULA...16 Renovação de Matrícula...17 Trancamento...17 Cancelamento...17 Transferência...18 Aproveitamento de Estudos...18 Pagamento da Mensalidade...18 Bolsa de Estudos...19 Trote ) PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM...20 Avaliação...21 Exame...21 Dependência...21 Revisão das Provas...22 Prova de proficiência / dependência e aproveitamento de estudos...22 Educação a Distância EaD...22 Projeto Integrador...23 Atividades Complementares...23 Estágio...25 Casos especiais de dispensa da obrigatoriedade de frequência às aulas...25 Regime Domiciliar ) REGIME DISCIPLINAR DO ALUNO...30 Comissão de Assuntos Disciplinares CADI...31 Direitos e Deveres do Corpo Discente ) EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS...34 Cursos de Extensão...35 Centro de Línguas Anchieta CLA...35 Anchieta Carreiras...35 Ad lumina Núcleo de Estudos Clássicos...35 Núcleo de Estudos Árabe-Islâmico...36 Cultura e Artes Anchieta...36 Serviço de Orientação Multidisciplinar Anchieta Realização SOMAR...36 Anchieta Ação Social...37 Clube do Desconto...37 Laboratório de Ciências Contábeis...37 Escritório de Assistência Jurídica EAJ ) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA ) COLAÇÃO DE GRAU ) PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU E MBA ) BIBLIOTECA...44 Missão...45 Acesso e Funcionamento...45 Associados e das Inscrições...45 Consulta...46 Empréstimo...46 Renovação...47 Reserva...47 Penalidades...48 Guarda-volumes ) ESPAÇOS ) INFORMAÇÕES GERAIS ) REQUERIMENTOS, VALORES E PRAZOS

3 Missão Proporcionar na região do ABC o melhor ensino levando-se em conta a melhor relação entre custo e benefício. Valores Institucionais A Instituição de Ensino Anchieta, localizada em São Bernardo do Campo, região do Grande ABC, declara os Valores Institucionais que deverão fundamentar todas as decisões a serem tomadas pelos seus integrantes. Os valores declarados devem mover todos no cumprimento da missão institucional de proporcionar na região do ABC o melhor ensino, considerando a melhor relação entre custo e benefício. 1) APRESENTAÇÃO O presente manual informa normas da Instituição e tem como objetivo proporcionar ao aluno familiaridade com o processo de funcionamento da Faculdade a fim de que possa ter uma convivência harmoniosa e profissional no Ensino Superior. A assunção destes valores significa uma dinâmica institucional pautada pela valorização da vida e pelos princípios de comportamento ético em busca da realização do trabalho acadêmico e administrativo em um ambiente transparente e íntegro, com base no compromisso coletivo de fazer sempre o melhor, perseguindo o novo, o ousado e o criativo. Os cinco valores institucionais são: COOPERAÇÃO: é o fazer conjunto, movido pela lógica interna das relações, pela interação e pelo espírito democrático, respeitado o direito de divergir, na busca dos objetivos institucionais estabelecidos. TRANSPARÊNCIA: é o fazer íntegro, assumida a responsabilidade pela clareza das informações e pela garantia da probidade nas ações. RESPEITO: é o ser consciente dos direitos e deveres, reconhecidas simultaneamente a autonomia e hierarquia, o pluralismo das idéias, a liberdade de expressão e as diferenças individuais. COMPROMETIMENTO: é o ser leal, honrado o assumido, privilegiados os interesses coletivos em prol da melhoria institucional. INOVAÇÃO: é o saber criar, identificadas e analisadas as necessidades e realidades do contexto, realizando-se ações novas para a obtenção de resultados a despeito de limitação de recursos. É acreditar na possibilidade de realizar sonhos. 4 5

4 Equipe Gestora Presidência Prof.ª Márcia Corrêa Silveira ramal 1008 Diretoria Geral Prof. Dr. Carlos Rivera Ferreira ramal 1008 Diretoria Acadêmica Prof. Dr. Marco Antonio de Jesus Machado ramal 1008 Secretária Geral Prof.ª Neusa Aparecida Parra Hirose ramal 1008 Coordenação do Curso de Administração Prof. Dr. Sidney Tozzini ramal 1005 Coordenação do Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Esp. Milton Aidar Martinez ramal 1016 Coordenação de Arquitetura e Urbanismo Prof. Ms. Rubens Guilhemat ramal 1102 Coordenação do Curso de Automação Industrial Prof.ª Ms. Michele Bazana de Souza ramal 1021 Coordenação do Curso de Ciências Contábeis Prof. Ms.Hamilton César Moura ramal 1013 Coordenação do Curso de Direito Prof. Dr. Ilton Garcia da Costa ramal 1015 Coordenação do Curso de Enfermagem Prof. Dr. José Fiusa Lima Neto ramal 1013 Coordenação do Curso de Engenharia de Produção Prof.ª Ms. Michele Bazana de Souza ramal 1021 Coordenação do Curso de Engenharia Eletrônica Profª. Ms. Michele Bazana de Souza ramal 1021 Coordenação do Curso de Gestão Ambiental Prof. Ms. Moacir Guets ramal 1102 Coordenação do Curso de Eventos Prof. Esp. José Carlos Coelho Niero ramal 1014 Coordenação do Curso de Gestão da Qualidade Prof. Ms. Moacir Guets ramal 1102 Coordenação do Curso de Gestão Financeira Prof. Ms.Hamilton César Moura Coordenador Técnico ramal 1013 Coordenação do Curso de Letras Prof.ª Dr.ª Márcia de Azevedo Arouca ramal 1004 Coordenação do Curso de Comércio Exterior Prof. Dr. Sidney Tozzini ramal

5 Coordenação do Curso de Logística Prof. Ms. Moacir Guets ramal 1102 Coordenação do Curso de Marketing Prof. Ms. Moacir Guets ramal 1102 Coordenação do Curso de Pedagogia Prof.ª Dr.ª Márcia de Azevedo Arouca ramal 1004 Coordenação do Curso de Processos Gerenciais Prof. Ms. Moacir Guets ramal 1102 Coordenação do Curso de Psicologia Prof.ª Dr.ª Luana Carramillo Going ramal 1070 Coordenação do Curso de Tecnologia da Informação Prof. Esp. Milton Aidar Martinez ramal 1016 Coordenação do Curso de Turismo Prof. Esp. José Carlos Coelho Niero ramal 1014 Coordenação de EaD Prof.ª Dr.ª Adriana Aparecida de Lima Terçariol ramal 1026 Coordenação de Extensão e Assuntos Comunitários Prof.ª Dr.ª Roseli Pioli Zanetin ramal 1140 Coordenação dos Cursos de Pós-Graduação Prof. Ms. Dirceu Matheus Junior ramal 1030 Coordenação da Clínica de Psicologia Prof. Dr. Hélio Alves ramal 1070 Coordenação do Curso de Radiologia Prof. Ms. Ricardo Rada Ahmad Hayek ramal 1014 Coordenação do Curso de Gestão de Recursos Humanos Prof. Ms. Moacir Guets ramal 1102 Coordenação do Curso de Segurança da Informação Prof. Esp. Milton Aidar Martinez ramal

6 Organograma CORPO DOCENTE Até 2010, mais de profissionais que se formaram nesta casa de ensino, construíram a sua história e ajudaram a consolidar o compromisso de formar o caráter dos nossos jovens, através de um ensino de qualidade preparando-os para um futuro de sucesso. GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EXTENSÃO CORPO DOCENTE E.A.D ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO ENSINO TÉCNICO Os desafios que se tornaram realidade mostraram que o próximo passo como caminho natural, seria o Projeto de Educação Superior, por meio da estruturação da Faculdade Anchieta. RELACIONAMENTO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO INFRAESTRUTURA INFORMÁTICA A Anchieta foi credenciada pelo MEC no ano 2000, através da Portaria 504/2000. Em 2001 iniciaram-se as atividades com o Curso de Administração nas habilitações Administração Geral e Comércio Exterior. No total, a Faculdade Anchieta possui 26 cursos de graduação devidamente regularizados pelo MEC e vários cursos de Pós-Graduação. JURÍDICO BIBLIOTECA CURSOS OFERECIDOS DIREÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DIREÇÃO ACADÊMICA DIREÇÃO PEDAGÓGICA Atos expedidos pelo MEC, com a data de publicação no Diário Oficial da União. CPA DIREÇÃO GERAL SECRETARIA GERAL CURSOS E ATOS LEGAIS ASSESSORIA OUVIDORIA MARKETING Administração Reconhecido pela Portaria nº de 29/10/2004 (D.O.U. de 01/11/2004) Histórico PRESIDÊNCIA Análise e Desenvolvimento de Sistemas Autorizado pela Portaria nº 123 de 17/08/2010 (D.O.U. de 18/08/2010) A Instituição foi fundada por uma família de educadores com o objetivo de desenvolver habilidades intelectuais, saberes e atitudes gerando um compromisso social pleno e necessário para o exercício de uma profissão com um tipo de educação voltada à cultura. Em fevereiro de 1965, iniciaram-se as obras de construção do campus atual, em São Bernardo do Campo. O primeiro ano de sua vida começou com o curso para ingresso no 1º ano primário; em fevereiro de 1966, abriu-se a 1ª série ginasial da manhã, e a noite, o Curso Técnico em Química e a Escola Normal. O nome da Instituição, na voz e no espírito de seus fundadores, é uma homenagem a todos os professores do Brasil, que podem encontrar na figura do Padre José de Anchieta um modelo de inspiração para o exercício do seu labor docente. Arquitetura e Urbanismo Autorizado pela Portaria nº 1482 de 21/09/2010 (D.O.U. de 22/09/2010) Automação Industrial Autorizado pela Portaria nº 575 de 29/11/2007 (D.O.U. de 30/11/2007) Ciências Contábeis Reconhecido pela Portaria nº 987 de 24/07/2009 (D.O.U. de 27/07/2009) Comércio Exterior Autorizado pela Portaria nº 89 de 17/03/2008 (D.O.U. de 18/03/2008) 10 11

7 Direito Reconhecido pela Portaria nº 259 de 19/06/2006 (D.O.U. de 21/06/2006) Enfermagem Autorizado pela Portaria nº 1811 de 27/10/2010 (D.O.U. de 28/10/2010) Engenharia da Produção Autorizado pela Portaria nº 834 de 01/07/2010 (D.O.U. de 02/07/2010) Engenharia Eletrônica Autorizado pela Portaria nº 170 de 06/02/2009 (D.O.U. de 09/02/2009) Eventos Autorizado pela Portaria nº 89 de 17/03/2008 (D.O.U. de 18/03/2008) Gestão Ambiental Reconhecido pela Portaria nº 88 de 13/03/2008 (D.O.U. de 17/03/2008) Gestão da Qualidade Autorizado pela Portaria nº 32 de 04/03/2010 (D.O.U. de 09/03/2010) Gestão de Recursos Humanos Reconhecido pela Portaria nº 58 de 02/07/2007 (D.O.U. de 05/01/2007) Gestão Financeira Autorizado pela Portaria nº 89 de 17/03/2008 (D.O.U. de 18/03/2008) Letras Reconhecido pela Portaria nº 1586 de 29/10/2009 (D.O.U. de 30/10/2009) Logística modalidade Presencial Reconhecido pela Portaria nº 59 de 02/01/2007 (D.O.U. de 05/01/2007) Pedagogia Reconhecido pela Portaria nº de 03/05/2005 (D.O.U. de 04/05/2005) Processos Gerenciais Autorizado pela Portaria nº 186 de 15/02/2007 (D.O.U. de 22/02/2007) Psicologia Autorizado pela Portaria nº de 19/12/2008 (D.O.U. de 22/12/2008) Radiologia Autorizado pela Portaria nº 149 de 13/10/2010 (D.O.U. de 14/10/2010) Segurança da Informação Autorizado pela Portaria nº 123 de 17/08/2010 (D.O.U. de 18/08/2010) Tecnologia da Informação Reconhecido pela Portaria nº de (D.O.U. de) Turismo Reconhecido pela Portaria nº de 17/10/2007 (D.O.U. de 18/10/2005) HORÁRIO DAS AULAS Matutino Das 8h às 11h35 Aos sábados, somente para os alunos do Curso de Tecnologia da Informação que iniciaram até o 2º semestre de 2010: das 8h às 12h25 Noturno Das 19h às 22h35 Aos sábados somente para os alunos do Curso de Tecnologia da Informação que iniciaram até 2º semestre de 2010: das 8h às 12h25 Logística modalidade EaD Autorizado pela Portaria nº 32 de 09/07/2009 (D.O.U. de 10/07/2009) Marketing Reconhecido pela Portaria nº 218 de 15/05/2007 (D.O.U. de 19/25/2008) 12 13

8 Atendimento e Protocolo Anchieta APA O APA realiza o atendimento presencial aos alunos e candidatos. Nesse setor podem ser solicitados, por meio de requerimento: declarações, certificados, assinatura de contratos, diplomas, análise curricular, boletos, documentos em geral. O aluno pode recorrer ao APA para verificação de situação acadêmica, para inscrição no processo seletivo, para a documentação do ProUni e Fies, para informações em geral. Horário de atendimento do APA: de 2ª à 6ª feira, das 7h30 às 22h, e aos sábados, das 7h30 às 15h. Ouvidoria Central de Atendimento A Central de Atendimento realiza o atendimento telefônico aos alunos, candidatos e comunidade. O expediente funciona de 2ª a 6ª feira, das 7h30 às 22h, e aos sábados, das 7h30 às 15h. Cyber Anchieta A Instituição dispõe de espaço e computadores com acesso a internet no Prédio 1 e no Prédio 2 para o Cyber Anchieta, para que os alunos possam realizar pesquisas e trabalhos, no horário das 7h30 às 22h30, de 2ª a 6ª feira, e das 8h às 16h, aos sábados. É um canal de comunicação entre a comunidade e a Instituição para acolher sugestões, reclamações e denúncias. Os objetivos da Ouvidoria são: estreitar relacionamentos e ser um instrumento de comunicação permanente entre as diversas comunidades e a Instituição; levar ao aprimoramento dos processos; fortalecer a participação de alunos, professores e colaboradores; auxiliar a Instituição no exercício da autocrítica e reflexão. Ouvidor: Sr. Rubens Kutner Telefone: Fax: ramal Via Correio: Av. Senador Vergueiro, 505, Jd. do Mar, CEP: SBC-SP Pessoalmente: Agende no telefone Portaria A Portaria realiza o atendimento presencial à comunidade externa ou visitantes

9 Renovação de Matrícula No início de cada período letivo, o aluno deverá efetuar a renovação de sua matrícula. 2) MATRÍCULA A matrícula é o ato formal realizado pelo aluno, ou pelo seu responsável legal, no ingresso do curso, que estabelece o vínculo contratual entre o aluno e a Instituição, credenciando-o a fazer parte do corpo discente. É realizada nos locais divulgados pela Instituição, dentro de prazos estabelecidos e está condicionada à apresentação de toda a documentação exigida pela legislação vigente, inclusive pesquisa nos órgãos de proteção ao crédito. Para a renovação, é imprescindível o pagamento de débitos anteriores. A não renovação da matrícula implica abandono do curso e a desvinculação do aluno da Instituição. Por solicitação do aluno, poderá ser concedida readmissão no curso, se houver vaga, respeitando-se o tempo de integralização, os prazos para renovação de matrícula estabelecidos pela Secretaria Geral, e satisfeitas as taxas e débitos escolares, se houver. A matrícula inicial e sua renovação são coordenadas pela Secretaria Geral. Os prazos de matrícula, ou sua renovação e confirmação, serão fixados com antecedência. Trancamento O trancamento de matrícula é concedido ao aluno que estiver regularmente matriculado. O período do trancamento de matrícula não poderá ultrapassar 2 (dois) semestres letivos; somente poderão ser concedidos dois trancamentos sucessivos, ou três alternados. Cancelamento O cancelamento de matrícula é o ato pelo qual o aluno se desliga da Instituição de Ensino, perdendo assim todos os vínculos. O cancelamento só pode ser requerido se o aluno estiver regularmente matriculado. O cancelamento de matrícula poderá ser efetuado pela Instituição, a qualquer tempo, no caso de descumprimento do Regimento Interno

10 Transferência São permitidas transferências de alunos regulares para cursos afins, na hipótese de existência de vagas e de acordo com prazo estipulado pela Secretaria. O aluno deverá apresentar os seguintes documentos: Histórico Escolar Conteúdo programático das disciplinas cursadas Comprovante de realização do ENADE, conforme definição de cursos do INEP. Aproveitamento de Estudos O aluno que tenha concluído um Curso Superior, ou que tenha obtido créditos em disciplinas cursadas nesta ou noutra Instituição de Ensino Superior, poderá requerer a dispensa da obrigatoriedade de cursá-las novamente, desde que exista compatibilidade de carga horária e de conteúdo programático. Os interessados deverão encaminhar requerimento solicitando a análise da viabilidade da dispensa, dentro do prazo estabelecido pela Secretaria Geral, acompanhado do original do Histórico Escolar e cópia dos programas das disciplinas a serem analisadas. Pagamento da Mensalidade De posse do boleto de pagamento, o aluno poderá fazê-lo em qualquer agência bancária ou lotérica até o vencimento. Bolsa de Estudos FIES - A Anchieta está credenciada junto ao programa de Financiamento Estudantil FIES. Informações: PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Para cursos cadastrados, a Anchieta mantém convênio com o Programa Escola da Família, em parceria com a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Informações: PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS - PROUNI O Programa oferece condições para facilitar o acesso de estudantes carentes ao ensino superior. Informações: Trote A Anchieta proíbe terminantemente aos seus alunos a aplicação do chamado trote, seja em suas dependências, imediações, ou ainda, em circunstâncias que envolvam o nome da Instituição. A Instituição adota o trote solidário, objetivando a integração do calouro, despertando o espírito acadêmico e a responsabilidade social. Na falta ou atraso do pagamento da mensalidade, esta ficará sujeita à multa de 2% (dois por cento), e juros de 1% (um por cento) ao mês. Quando o atraso for superior a 30 (trinta dias), o aluno passa a ser considerado inadimplente, ficando sujeito à negativação junto ao Serviço de Crédito e Proteção ao Consumidor SCPC e à cobrança judicial. Os descontos concedidos deixarão de ter validade caso a mensalidade seja paga após o vencimento. Caso o aluno não receba o boleto para pagamento até cinco dias antes da data do vencimento, deve acessar a secretaria virtual no site da Instituição

11 Avaliação A avaliação é semestral e realizada por disciplina, incidindo sobre a freqüência e o aproveitamento escolar. Caberá ao professor, para verificação do rendimento escolar dos alunos durante o semestre letivo e em cada disciplina, atribuir notas parciais. Cabe ao aluno manter-se informado em relação a notas lançadas pelos professores. Considerar-se-á promovido na disciplina o aluno que, além de alcançar a frequência mínima exigida (75% das aulas dadas), obtiver média semestral igual ou superior a 7,0 (sete). Exame 3) PROCESSO DE ENSINO/ APRENDIZAGEM O aluno com freqüência igual ou superior a 75% e com média final das avaliações superior a três (3,0) e inferior a sete (7,0), poderá realizar exame final. A média mínima para aprovação no exame final será cinco (5,0) pontos. Será considerado reprovado o aluno que obtiver na média final das avaliações, aproveitamento inferior a três (3,0), ou nota inferior a cinco (5,0) após a realização do exame final. As avaliações de exame não serão devolvidas aos alunos. Os prazos limites para solicitação de revisão de nota estão previstos em Calendário Acadêmico. Dependência O aluno poderá cursar o período subsequente com, no máximo, 3 (três) dependências, sob pena de ser reprovado. Reprovado, o aluno cursará somente as disciplinas pendentes. O aluno em dependência, em qualquer disciplina, terá duas alternativas: a) cursar a(s) disciplina(s) do módulo conforme disponibilidade de horários; atendendo às exigências de frequência e de aproveitamento, sem prejuízo de frequência das disciplinas do módulo vigente; b) realizar prova de proficiência/dp, conforme edital de inscrição publicado pela Instituição

12 Revisão das Provas Após a realização das avaliações, os professores responsáveis pelas respectivas disciplinas, dentro do prazo de quinze dias, farão a correção das provas e apresentarão os resultados na sala de aula, ocasião em que os alunos poderão rever suas próprias provas já corrigidas e tirar dúvidas quanto a eventuais enganos cometidos na sua resolução. Uma vez cumprida essa etapa, os professores lançarão as notas e faltas no sistema acadêmico. Os resultados estarão disponíveis para consulta no site da Instituição. Logo que as notas forem divulgadas, caberá ao aluno verificar se ocorreu lançamento indevido em alguma disciplina. Caso isso tenha acontecido, o aluno deverá providenciar pedido de revisão junto ao Atendimento e Protocolo Anchieta APA, conforme prazo previsto em calendário. Decorrido esse prazo, não mais caberá recurso por parte do aluno e as notas e faltas serão consideradas definitivas e irretocáveis. Prova de proficiência / dependência e aproveitamento de estudos O possível aproveitamento de estudos ou eliminação de dependência é concedido mediante requerimento do interessado. É realizado por meio de avaliação de proficiência (competência e habilidades) dos conhecimentos adquiridos, seja em intuições de ensino ou no mundo trabalho. Essa avaliação pode ser solicitada tanto por alunos transferidos de outras instituições como por alunos da própria Anchieta que não obtiveram rendimento satisfatório nas provas de exame. Considerar-se-á promovido na disciplina o aluno cujo resultado da avaliação for igual ou superior a 7,0 (sete). Educação a Distância EaD O Projeto Pedagógico Institucional PPI e o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI contemplam a EaD, porque esta modalidade trabalha com as tecnologias e formas de interação diferenciadas entre os atores envolvidos no processo educacional. Essas interações passam a coexistir no virtual, o que implica novas formas de desenvolver a relação aluno professor, aluno aluno, aluno Instituição. As ferramentas tecnológicas provocam uma alteração do tempo e espaço no ensino e apontam para uma mudança de paradigmas educacionais. A proposta pedagógica para a EaD tem como objetivo a participação do aluno, a presença de uma equipe multidisciplinar, a presença de uma equipe de professores mediadores e ambientes virtuais. Os Projetos Pedagógicos de Curso reconhecidos incorporaram a EaD em até 20% de sua carga horária, atendendo as demandas sociais, à mobilidade do educando e à orientação do Ministério da Educação MEC. Além disso, a Instituição está credenciada a oferecer curso de graduação, de pós graduação e de extensão a distância. Projeto Integrador O Projeto Integrador procura desenvolver uma identidade própria para o módulo ao aproximar os conteúdos teóricos com o mundo do trabalho e com a própria vida. Por meio da relação interdisciplinar entre os vários conteúdos, ele permite a superação da fragmentação dos conhecimentos e possibilita uma aprendizagem significativa. Atende assim, às necessidades organizacionais da contemporaneidade, à construção do perfil profissional cooperativo e à busca pelo desenvolvimento de habilidades e competências, desenvolvendo a capacidade de reflexão a partir da ação e o aprender a aprender. Por intermédio da problematização como subsídio para as ações, cria-se um eixo integrador entre as disciplinas que, perpassado pela contextualização e pelo trabalho em equipe, permite o entendimento e a compreensão reflexiva do que se ensina, resultando numa aprendizagem significativa. É importante que, por meio de atividades e conteúdos desenvolvidos com flexibilidade e criatividade, o Projeto Integrador permita a autonomia do módulo, de forma a contemplar aspectos de todas as disciplinas ao longo do curso, para que o aluno construa seus conhecimentos e estabeleça relações com o mundo do trabalho, como autor das identidades e interesses específicos para sua formação. Atividades Complementares As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios, instituídas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos e constituem-se de todas as atividades de ensino, pesquisa e extensão, realizadas fora do horário de aulas, que garantam ao discente complementação de conhecimento em sua formação

13 Consideram-se como Atividades Complementares as atividades cujos registros comprovem o investimento em participação efetiva e de pesquisa fora do horário de aulas e a compatibilidade à proposta pedagógica dos Cursos da Anchieta. São consideradas atividades acadêmico-científicas: I. participação em atividades interdisciplinares oferecidas pelos referidos Cursos, desde que comprovada por relatório da atividade extra, relativa ao evento, e exercida fora do horário de aulas; II. participação em atividades propostas por professor de disciplina e realizadas fora do horário de aula, comprovada por relatórios; III. elaboração, organização e execução de projetos interdisciplinares; IV. freqüência certificada em cursos de extensão, mini-cursos e oficinas, oferecidos pela Anchieta ou por outras instituições; V. freqüência e aprovação em cursos de língua estrangeira, oferecidos pela Anchieta ou por outras instituições; VI. aprovação em exames internacionais de proficiência em língua estrangeira; VII. participação em atividades de apoio a eventos acadêmicos, promovidos pela Anchieta ou por outras instituições; VIII. apresentação de trabalhos em seminários extracurriculares, aulas inaugurais, semanas, simpósios, congressos, colóquios, encontros e outros eventos em âmbito local, regional, nacional ou internacional; IX. atividades profissionais extracurriculares não remuneradas; X. participação como ouvinte em seminários, aulas inaugurais, semanas, simpósios, congressos, colóquios, apresentação de Trabalho de conclusão de Curso (TCC), dissertação de mestrado e defesa de tese de doutoramento, encontros e outros eventos em âmbito local, regional, nacional ou internacional; XI. participação em programas institucionalizados de iniciação científica; XII. participação em grupos de estudos e de pesquisa credenciados pela Instituição; XIII. produção científica. São consideradas atividades sócio-culturais: I. visitas a museus, feiras, exposições e outros espaços culturais; II. participação em projetos ou ações de intervenção e responsabilidade social, inclusive voluntariado; III. participação em concursos literários ou temáticos; IV. audiência a filmes, peças de teatro, shows, concertos, espetáculos, intervenções e outras manifestações culturais; V. viagens de estudo. A participação em atividades deverá ser comprovada mediante apresentação de certificado, quando houver; atestado; ingresso; folder ou outros documentos pertinentes, carimbados e assinados pela instituição promotora, acompanhada de relatório feito pelo aluno. O gerenciamento do cumprimento, no prazo, da carga horária é de responsabilidade do aluno. Somente terão validade as atividades desenvolvidas durante o período de matrícula do aluno no Curso. O acompanhamento, a análise, o deferimento ou o indeferimento a validação, a atribuição e o cômputo das atividades competem à Coordenação de Atividades Complementares. Estágio Estágio são atividades de aprendizagem profissional proporcionadas ao aluno pela participação em situações reais de trabalho, sendo realizado em ambientes profissionais específicos, sob orientação de um professor responsável pelo processo. A importância dos estágios supervisionados para a formação profissional dos estudantes dos cursos superiores estabelece forte relação entre teoria e prática. O estágio supervisionado é um componente curricular obrigatório de acordo com as diretrizes curriculares específicas dos cursos. Casos especiais de dispensa da obrigatoriedade de frequência às aulas Existem três circunstâncias especiais, descritas a seguir, assegurando ao aluno, por força de Lei Federal, a dispensa da obrigatoriedade da frequência às aulas: 1º Todo aluno que esteja prestando Serviço Militar quando em exercício junto a órgão de formação de Oficiais da Reserva e que seja obrigado a ausentarse das suas atividades civis, em virtude de exercícios ou manobras de reservista terá suas faltas abonadas, mediante solicitação por meio de requerimento devidamente anexado ao documento comprobatório (Lei nº 4375 de 17/8/64)

14 2º Conforme previsto no Decreto-Lei nº 1.044/69, alunos portadores de moléstias podem substituir sua presença às aulas por meio da realização de exercícios domiciliares, desde que a ausência seja devidamente comprovada por laudo médico com identificação do problema de saúde de acordo com o CID - Classificação Internacional de Doenças (Decreto-Lei nº 1044/69). 3º A estudante que se encontra em estado de gestação também tem direito a esse tipo de assistência, ficando desobrigada da frequência às aulas por um período de 3 meses, a partir do 8º mês de gestação. O procedimento para a utilização desse benefício é idêntico ao descrito no item anterior (Lei nº 6202/75). Cabe esclarecer, entretanto, que o aluno que estiver enquadrado nos dois últimos itens acima descritos está liberado da frequência às aulas, mas deverá cumprir as determinações do professor, tais como a resolução de exercícios, resenha de leituras e outros tipos de trabalhos escolares condizentes com o Regime Domiciliar. Regime Domiciliar O Tratamento Excepcional que estabelece o Regime de Exercícios Domiciliares é regulamentado pelo Decreto Lei 1044 de e pela Lei 6202/75 de Este Regulamento está de acordo e atende ao Decreto Lei acima, especialmente em seu Artigo 2º: Atribuir a esses estudantes, como compensação da ausência às aulas, exercícios domiciliares com acompanhamento da escola, sempre que compatíveis com o seu estado e as possibilidades do estabelecimento, e seu Artigo 4º: Será da competência do Diretor do estabelecimento a autorização à autoridade superior imediata, do regime de exceção. O aluno regularmente matriculado e que estiver enquadrado na Legislação em vigor deverá requerer, por escrito, a aplicação do regime domiciliar, com o laudo médico anexo, diretamente ou por meio de representante devidamente autorizado, no APA, no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis, a partir da data de afastamento. Parágrafo Único - Deverá ser anotado no requerimento o nome completo, RGM, curso, telefone fixo, celular e endereço eletrônico do aluno. O APA encaminhará o processo à Secretária Geral para análise e Parecer. São condições necessárias para deferimento, além das já especificadas na legislação pertinente: (1) estar regularmente matriculado nas disciplinas em questão; (2) período de afastamento que não seja menor do que 15 (quinze) dias. Neste caso, o aluno deve fazer uso dos 25% (vinte e cinco por cento) de ausências que a Instituição lhe faculta. Esta condição visa a atender o Decreto Lei em seu Artigo 2º:... sempre que compatíveis com o seu estado e as possibilidades do estabelecimento ; (3) período de afastamento que não ultrapasse 30 (trinta) dias, visando a atender o Decreto Lei em seu Artigo 1º, alínea c: duração que não ultrapasse o máximo ainda admissível, em cada caso, para a continuidade do processo pedagógico de aprendizagem,... ; ainda porque o aluno não perde seu direito de utilizar os 25% (vinte e cinco por cento) de ausências que a Instituição lhe faculta; (4) caso o período de afastamento necessário seja maior do que o estabelecido neste item, sendo, portanto, indeferido, e ultrapasse os 25% (vinte e cinco por cento) de ausências que a Instituição lhe faculta, aconselha-se o trancamento da matrícula no semestre letivo em questão e retorno aos estudos assim que possível. Exceto no caso de alunas gestantes. O(a) aluno(a) será comunicado(a) sobre o despacho dado ao seu pedido num prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis no APA. O Coordenador do Curso informará a cada professor das disciplinas envolvidas para que elaborem os exercícios domiciliares a serem feitos pelo aluno. Para que ocorra a substituição das faltas cometidas pelo aluno durante o período de afastamento, por presenças, e para que o regime domiciliar tenha efeito prático, serão necessárias: (1) a retirada dos exercícios domiciliares pelo representante do aluno no APA, deverá ocorrer no prazo de 5 (cinco) a 10 (dez) dias, contados a partir da data de ciência do deferimento; (2) a devolução pelo representante do aluno, dos exercícios domiciliares devidamente realizados, deverá ocorrer até a data estipulada pelo Professor. Caso contrário, os exercícios domiciliares não serão considerados e, portanto, não serão avaliados, o que impossibilitará o abono das faltas cometidas durante o período de afastamento; (3) a avaliação do(s) exercício(s) domiciliar(es), será realizada pelo professor, e deve ser expressa por meio de um ACEITO ou NÃO ACEITO, devidamente anotado, assinado e datado. Em hipótese alguma deve ser atribuída nota aos exercícios domiciliares; (4) a obtenção de um ACEITO no exercício domiciliar para a(s) disciplina(s) em questão

15 O não cumprimento de qualquer dos itens acima implicará o não abono das faltas cometidas durante o período de afastamento por presenças, na(s) disciplina(s) em questão, não cabendo recurso nem justificativa(s) por parte do aluno. O estudante sob regime de exercício domiciliar não fica dispensado da realização de provas e exames, que devem ser efetuados durante o período de afastamento ou no retorno às atividades escolares, conforme definido pela Coordenação de cada curso. O atendimento ao aluno sob forma de regime domiciliar cessará ao término do período letivo regular, devendo integralizar as atividades de cada disciplina; caso contrário, sua renovação de matrícula será feita na condição de reprovado nas disciplinas até que sua situação seja regularizada pela Coordenação do Curso, ouvido o professor da disciplina. Será assinalada ausência na frequência às aulas, durante todo o período de afastamento, para o aluno em regime domiciliar, sendo que sua situação será regularizada após o preenchimento pelo professor, com anuência da Coordenação de Curso, do formulário para retificação de freqüência. Na impossibilidade de aplicar ao aluno o regime domiciliar, na forma prevista por esta norma, ser-lhe-á assegurado o direito ao trancamento de matrícula em caráter excepcional, em qualquer época do ano letivo. Os casos excepcionais serão analisados pela Direção

16 Direitos e Deveres do Corpo Discente Constituem o Corpo Discente da Instituição os alunos regulares e os alunos não regulares. Aluno regular é o aluno ativo regularmente matriculado, ou inativo regularmente trancado, em Curso regular oferecido pela Anchieta. 4) REGIME DISCIPLINAR DO ALUNO Aluno não regular é o inscrito em Curso de treinamento profissional, ou outros cursos oferecidos pela Anchieta. A Anchieta pode aceitar a matrícula como aluno especial para cursar disciplina(s), módulo(s) ou atividade(s) fora do seu Curso, nas seguintes condições: I. quando desejar complementar seu currículo com disciplina(s), não integrante(s) do currículo do Curso em que está regularmente matriculado. A esse aluno será fornecido certificados de aprovações na(s) disciplina(s) curricular (es) ou módulo(s); II. quando participar de atividades acadêmicas para completar sua formação como cidadão e tenha sido selecionado em processo específico, organizado pela Coordenadoria de Extensão e Assuntos Comunitários. A esse aluno pode ser fornecido certificado de frequência e/ou aproveitamento. São direitos e deveres do Corpo Discente: I. frequentar as aulas e demais atividades curriculares aplicando-se com o máximo interesse no seu aproveitamento; II. utilizar os serviços administrativos e técnicos oferecidos pela Instituição; III. votar e ser votado, na forma da lei, nas eleições para os órgãos de representação estudantil; IV. recorrer de decisões dos órgãos deliberativos ou executivos; V. observar o regime escolar e disciplinar e comportar-se, dentro e fora da Instituição, de acordo com os princípios éticos condizentes; VI. zelar pelo patrimônio da Instituição; VII. efetuar pontualmente o pagamento de taxas e contribuições devidas, nos prazos fixados. Comissão de Assuntos Disciplinares CADI A CADI é convocada sempre que houver necessidade de um estudo mais profundo sobre conflitos internos. Tem caráter consultivo, resguarda o princípio do contraditório, ouve o depoimento dos envolvidos, efetua acareações se necessário, e emite parecer sobre os casos a ela enviados para posterior análise e decisão final junto à Direção Geral

17 Regime Disciplinar Os membros do Corpo Discente estão sujeitos às seguintes penas disciplinares: I. Advertência oral; II. Advertência escrita; III. Suspensão; IV. Desligamento. A pena de advertência oral é aplicável: I. Por desrespeito a Direção, a Coordenação, a qualquer autoridade ou membro dos Corpos Docente, Discente ou Técnico-administrativo; II. Por perturbação da ordem na sede ou nos Pólos da Faculdade de Tecnologia Anchieta; III. Por danos materiais causados à Faculdade de Tecnologia Anchieta, sem prejuízo da obrigação de ressarcimento. A pena de advertência escrita é aplicável nos casos de reincidência das faltas previstas no artigo anterior. A pena de suspensão é aplicável no caso de: I. Exposição de estudantes ingressantes a atos vexatórios, que importem em danos físicos ou morais, humilhação ou vexames pessoais, não sendo permitidos tais manifestações pela Instituição; II. III. Inutilização propositada de editais e avisos afixados pela administração; desobediência a este Regimento ou atos normativos baixados por órgãos competentes; IV. Ofensa grave ao Diretor Geral, demais diretorias e membros do Corpo Docente, Técnico-administrativo e Discente. A pena de desligamento é aplicável ao estudante reincidente, suspenso ou que praticar atos incompatíveis com a dignidade da vida acadêmica. São competentes para a aplicação das penalidades: I. As penas de advertência oral e as penas de repreensão, o Diretor Geral, o Diretor Acadêmico, ou o Coordenador de Curso; II. As penas de suspensão e desligamento, o Diretor Geral

18 Cursos de Extensão Os cursos de Extensão são oferecidos semestralmente, ou durante o período de férias escolares - Cursos de Verão e Cursos de Inverno - com duração mínima de 16 horas. No período letivo, os cursos são oferecidos aos sábados, manhã ou tarde. Durante o período de férias, os cursos são oferecidos de segunda à sexta, no período noturno e aos sábados, nos períodos manhã ou tarde. Os cursos de extensão estão divididos por assunto: Qualificação Profissional, Complementação Curricular, Livres ou de Aprimoramento Cultural e são abertos à comunidade em geral. Centro de Línguas Anchieta CLA 5) EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS Como prática acadêmica, a Extensão é instrumento de articulação entre a Instituição e os diversos segmentos sociais, de maneira planejada. É instrumento natural de integração e de intercâmbio cultural entre a Instituição e a sociedade; é, ainda, o caminho que oportuniza ações de responsabilidade social. O CLA é uma escola de idiomas. Atualmente oferece ao público interno e externo cursos de Inglês, Espanhol, Francês, Alemão, LIBRAS e Árabe. Como parte das práticas de Responsabilidade Social, o material utilizado nas aulas é adquirido pelos alunos diretamente da Distribuidora, o que reduz o preço final. A Instituição Anchieta não tem nenhum tipo de benefício com a ação de venda de livros. Anchieta Carreiras O Anchieta Carreiras é um serviço de apoio à comunidade Anchieta para inserção no mercado de trabalho por meio de estágios e/ou empregos. O serviço é gratuito tanto para alunos quanto para empresários. O setor divulga ainda, as vagas oferecidas e seleciona os alunos, conforme o perfil, quando assim for solicitado pelo requerente. O setor é ação de Extensão do curso de Gestão de Recursos Humanos e mantém três estagiários do referido curso, como exercício de prática profissional. Os estagiários são substituídos a cada seis meses, como forma de propiciar a participação de mais alunos do curso. Cadastre-se em: Ad lumina Núcleo de Estudos Clássicos O Núcleo de Estudos Clássicos Ad lumina tem como objetivo oferecer à comunidade interna e externa, por meio da Literatura, História, Mitologia e Filosofia, o elo entre o mundo greco-romano e o presente. O Núcleo Ad lumina oferece também cursos de Grego e Latim, semestrais. Ainda, oferece gratuitamente a toda a comunidade, palestras voltadas à cultura clássica; plantão de esclarecimentos de dúvidas sobre os estudos clássicos; Grupo de estudos clássicos, plantão de esclarecimento e reforço de latim

19 Núcleo de Estudos Árabe-Islâmico O Núcleo de Estudos Árabe-Islâmico surgiu através da parceria entre a WAMY (Assembléia Mundial da Juventude Islâmica) e a Anchieta, para atender a necessidade dos brasileiros de origem árabe, adeptos da religião islâmica e interessados em geral. Sua principal proposta é a interação entre a cultura árabe-islâmica e a sociedade brasileira através de cursos, palestras, eventos e outros, formando assim, alunos mais conscientes sobre esta cultura que tanto influenciou e ainda influencia a história do Brasil. Cultura e Artes Anchieta Esse departamento tem por objetivo apoiar e estimular iniciativas internas, do ensino básico à pós-graduação, dirigidas à cultura e às artes, ao conhecimento da cultura clássica e popular, incentivando o debate intelectual, a análise crítica, o desenvolvimento humano. Além dos eventos pontuais, Cultura e Artes oferece cursos e oficinas abertas à comunidade. Cultura e Artes Anchieta tem duas ações gratuitas: Mostra Anchieta de Cinema e Cultura, realizada uma vez por mês, aos sábados, período da tarde, em que há projetação de filmes que não pertencem ao circuito comercial, seguida de análise e debate por um professor da Instituição ou autoridade no tema-foco; Cultura Anchieta 18, apresentações musicais ou de dança, sempre na última quinta-feira do mês, às 18 horas e abertas ao público, com o objetivo de dar oportunidade aos talentos artísticos da região. Anchieta Ação Social O Anchieta Ação Social promove, sempre em parceria com o Centro Acadêmico Anchieta, ações de voluntariado em campanhas e eventos sociais voltados para a comunidade carente da região do Grande ABC, além de campanhas para saúde como doação de sangue e de órgãos. Clube do Desconto Visa a oferecer benefícios exclusivamente a discentes, docentes e colaboradores da Instituição Anchieta - em parceria com lojistas e prestadores de serviços da região com descontos a partir de 5% em produtos e serviços prestados, mediante a apresentação da carteirinha escolar ou funcional. A Instituição Anchieta publica a relação dos parceiros em seu site e distribui ao público-alvo, caderno de referência com endereços e contatos. Laboratório de Ciências Contábeis Trata-se de orientação e atendimento contábil gratuito à comunidade, pessoa física e pessoa jurídica, como prática do Curso de Ciências Contábeis. Uma das ações de maior destaque, é o Amansa Leão- Imposto de Renda. Escritório de Assistência Jurídica EAJ Ação extensionista do curso de Direito, refere-se ao atendimento jurídico cível gratuito e aberto à comunidade regional. Serviço de Orientação Multidisciplinar Anchieta Realização SOMAR É um serviço gratuito oferecido exclusivamente a discentes, docentes e colaboradores da Instituição Anchieta, com objetivo de auxiliar na adaptação acadêmica, na organização pessoal e estudantil, no combate à insegurança, para melhorar a concentração e estimular a percepção da influência dos fatores emocionais na aprendizagem e no relacionamento social. O atendimento é realizado mediante agendamento pelo endereço: 36 37

20 A autoavaliação do curso e da instituição deve produzir conhecimento acerca da sua comunidade acadêmica, entendida como corpo docente, discente e técnico-administrativo, permanentemente, promovendo indicadores capazes de oferecer subsídios para ações e atuações junto ao curso e ao oferecimento dos propósitos institucionais. 6) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Serve como instrumento de organização de idéias sobre os problemas do Ensino Superior. Por outro lado, sedimenta a cultura de avaliação diagnóstica, em que são detectados os erros e acertos com o objetivo de correção e melhoria. Para essa construção, a avaliação surge como uma proposta norteadora de um processo cíclico que permite o levantamento da real situação em que se encontra a Instituição e a partir daí, estabelece planos orientadores quanto às ações a serem tomadas. A autoavaliação do curso e da Instituição é promovida pela CPA, presidida por um professor designado pelo Diretor Geral da Instituição, que sistematicamente mapeia o perfil docente, discente e técnico-administrativo

SUMÁRIO. Regimento da Matrícula...03. Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04. Trancamento e Cancelamento de Matrícula...

SUMÁRIO. Regimento da Matrícula...03. Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04. Trancamento e Cancelamento de Matrícula... SUMÁRIO Regimento da Matrícula...03 Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04 Trancamento e Cancelamento de Matrícula...05 Transferências e Aproveitamento de Estudos...05 Critérios de Avaliação

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

INSTITUTO CIMAS DE ENSINO

INSTITUTO CIMAS DE ENSINO INSTITUTO CIMAS DE ENSINO MANUAL DO ALUNO NORMAS E PROCEDIMENTOS ACADÊMICOS ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO EM MAMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO EM TOMOGRAFIA Autorização de Funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito Faculdade Escola Paulista de Direito MANUAL DO ALUNO Este manual tem por finalidade informar à comunidade universitária as normas e os procedimentos acadêmicos institucionais da Faculdade Escola Paulista

Leia mais

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FTDR Fortaleza Ceará SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 5 2. CURSOS... 5 3. PROCEDIMENTOS... 5 4. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 12 5. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 13 6. REGIME

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Estabelece procedimentos para o uso do espaço físico das Bibliotecas das Faculdades Ponta Grossa e dos serviços prestados pelas mesmas. CAPÍTULO I COMPOSIÇÃO E FINALIDADE Art.

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 2014

MANUAL DO ALUNO 2014 MANUAL DO ALUNO 2014 APRESENTAÇÃO Caro Acadêmico, Agradecemos por você ter escolhido o IESG para sua formação profissional. No Manual do Aluno você encontrará informações importantes e necessárias para

Leia mais

MANUAL DISCENTE 2012

MANUAL DISCENTE 2012 MANUAL DISCENTE 2012 SUMARIO 1. Apresentação da Instituição 02 2. Organização Institucional 03 3. Missão, Visão, Princípios e Valores 04 4. Procedimentos Acadêmicos 05 5. Estágio Supervisionado e Trabalho

Leia mais

Faculdade de Educação de Alta Floresta FEAFLOR

Faculdade de Educação de Alta Floresta FEAFLOR REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA - FACULDADE DE EDUCAÇÃO - ALTA FLORESTA - Alta Floresta/2009 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 DA DEFINIÇÃO... 3 3 DA FINALIDADE... 5 4 DAS DISPOSIÇOES

Leia mais

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FADR

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FADR FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FADR Fortaleza Ceará SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. CURSOS... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 10 4. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 11 5. REGIME

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios, na modalidade a distância. A Reitora da Universidade Anhanguera-Uniderp, credenciada pelo MEC por

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Gestão de Projetos Sociais, na modalidade a distância. A Reitora da Universidade Anhanguera-Uniderp, credenciada pelo MEC por meio da

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 1. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 1.1 - A matrícula deve ser renovada semestralmente. O período para a renovação de matrícula para o 1º semestre será até o dia 31 de janeiro de 2014,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012

REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012 REGULAMENTO PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES 2012 1) Constitui pré requisito para o ingresso no Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes 2012 UNINOVE a apresentação de Diploma

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA SERRA SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA... 2 DOS OBJETIVOS:... Erro! Indicador não definido. DO HORÁRIO

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SUZANO SÃO PAULO. Página 1

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SUZANO SÃO PAULO. Página 1 REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SUZANO SÃO PAULO 2014 Página 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO II... 3 DO LOCAL E DA REALIZAÇÃO... 3 CAPÍTULO III... 3 DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL. REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL. REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação lato sensu estão distribuídos

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Biblioteca tem por objetivos gerais: 1º. Coletar, organizar e difundir a documentação bibliográfica necessária aos programas

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB EDITAL CURSOS TÉCNICOS Instituto Bondespachense Presidente Antônio Carlos - IBPAC FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB BOM DESPACHO 2013 SUMÁRIO 1 EDITAL... 03 2. HISTÓRICO... 04 3. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. A DIRETORA EM EXERCÍCIO DO CÂMPUS DE PARANAÍBA da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA NOVA VENÉCIA 2013 SUMÁRIO 1 REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA... 2 CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Gestão, Auditoria e Licenciamento Ambiental, na modalidade a distância. A Reitora da Universidade Anhanguera-Uniderp, credenciada pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

REGULAMENTO I. FINALIDADE

REGULAMENTO I. FINALIDADE REGULAMENTO I. FINALIDADE Art. 1º As Bibliotecas do Centro Universitário Assunção UNIFAI, dispõe de 2 unidades distribuídas no Ipiranga e na Vila Mariana. Para melhor atender a todos que delas usufruem,

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO DIRETORIA DE GESTÃO E APOIO AO ENSINO REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS

Leia mais

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5 1. Dos Requisitos e Documentos para o Ingresso Para ingressar nos cursos de ensino superior o candidato deve ter concluído o Ensino Médio, prestar processo seletivo da IES ou ingressar por uma das formas

Leia mais

Resolução Congregação 01/2007

Resolução Congregação 01/2007 Resolução Congregação 01/2007 Dispõe sobre os procedimentos da Biblioteca da FEAD. O Presidente da Congregação, no uso de suas atribuições regimentais, e considerando: a) a necessidade de adequar normas

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO

BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA REGULAMENTO Agosto, 2010 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS... 3 DAS FINALIDADES... 4 DA CONSULTA AO ACERVO... 4 DO EMPRÉSTIMO... 5 DOS TIPOS DE EMPRÉSTIMO... 5 DA RENOVAÇÃO... 6 DA RESERVA DE LIVROS...

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS SUMÁRIO CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO II DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III DOS USUÁRIOS CAPÍTULO IV DO EMPRÉSTIMO CAPÍTULO V DAS PENALIDADES CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MGCTI REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

Regulamento Biblioteca

Regulamento Biblioteca Regulamento Biblioteca 2012 A Diretora Geral do Colégio e, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o presente regulamento da Biblioteca da Instituição. A Biblioteca do Colégio e, denominada

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA A Universidade Cidade de São Paulo UNICID, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12/12/2007, republicada em

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA FACENS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO / 1º SEMESTRE DE 2016

FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA FACENS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO / 1º SEMESTRE DE 2016 1. DA ABERTURA FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA FACENS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO / 1º SEMESTRE DE 2016 O Diretor da Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS, mantida pela Associação Cultural de

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA RESOLUÇÃO N.º 04 O Diretor Geral das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o regulamento da Biblioteca das FARESC. A

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO 1 Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios, na modalidade a distância. O Reitor da Universidade Anhanguera-Uniderp, credenciada pelo MEC

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico;

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico; 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL 1. Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I formar pessoal nível de Mestrado Acadêmico, Doutorado e Pós-Doutorado,

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ UBIRATÃ - PR 2013 REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA: DIRETRIZES GERAIS Art.1º- A Biblioteca apóia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

Legislação Universitária de Interesse do Estudante. Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação.

Legislação Universitária de Interesse do Estudante. Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação. Legislação Universitária de Interesse do Estudante Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação. Calendário Escolar O Calendário Escolar que é fixado através de Portaria

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada por professores, alunos e funcionários da UNIESP.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada por professores, alunos e funcionários da UNIESP. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA A Direção da UNIESP estabelece normas disciplinando o funcionamento da Biblioteca, no ano de 2013/1. CAPÍTULO I DO USO DA BIBLIOTECA Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada

Leia mais

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Faculdade PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DO ACESSO E DO FUNCIONAMENTO

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

FACULDADE MISSIONEIRA DO PARANÁ Biblioteca CINTEC REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPITULO I DA NATUREZA

FACULDADE MISSIONEIRA DO PARANÁ Biblioteca CINTEC REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPITULO I DA NATUREZA FACULDADE MISSIONEIRA DO PARANÁ Biblioteca CINTEC REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPITULO I DA NATUREZA Art. 1º - A Biblioteca CINTEC da Faculdade Missioneira do Paraná é um órgão suplementar subordinado à

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO São Paulo 2015 REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DA FESPSP I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO 3 II USUÁRIOS 3 III DO ACERVO 4 IV DO PRAZO DE EMPRÉSTIMO E QUANTIDADES DE VOLUMES 5

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2015 Graduação Presencial

PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2015 Graduação Presencial PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2015 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA O Universitário Módulo, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover Processo Seletivo

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA MATER CHRISTI NORMAS PARA REGISTRO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA MATER CHRISTI NORMAS PARA REGISTRO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA MATER CHRISTI NORMAS PARA REGISTRO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES MOSSORÓ RN 2005 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM A Universidade Cidade de São Paulo UNICID, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover

Leia mais

RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG. Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV

RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG. Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV Considerando o disposto na Resolução n o 002/07-DG e Considerando o parecer

Leia mais

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS Goiânia 2010 REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2016 / 1 Semestre

PROCESSO SELETIVO 2016 / 1 Semestre PROCESSO SELETIVO 2016 / 1 Semestre A Diretora Acadêmica do Centro Universitário Hermínio da Silveira - IBMR, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, na conformidade do que dispõe a Legislação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014 A Coordenação de Graduação da Faculdade Nacional de Direito (FND) torna público que a Pró-Reitoria

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 2016

MANUAL DO ALUNO 2016 MANUAL DO ALUNO 2016 Este Manual tem como objetivo orientar os alunos em seus direitos e deveres para que possam usufruir de seus direitos e reconhecer suas obrigações como estudantes universitários. As

Leia mais

NORMATIZAÇÃO INTERNA

NORMATIZAÇÃO INTERNA COORDENADORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA CEG Nº 01 DE 30 DE JANEIRO DE 2006 NORMATIZAÇÃO INTERNA Todos os requerimentos para a Coordenadoria de Ensino e Graduação deverão ser feitos em impresso

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO 2014.1 A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica ProAcad, torna público o presente Edital e convida o seu corpo discente

Leia mais

Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015

Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015 Federação de Escolas Faculdades Integradas Simonsen Edital 2º semestre 2015 De conformidade com o disposto no Art. 7º do Regimento das Faculdades Integradas Simonsen, aprovado pela portaria MEC 634 de

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Publicidade e Propaganda

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Publicidade e Propaganda REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta as Atividades Complementares do Curso de Publicidade e Propaganda do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie CAPÍTULO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA

PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA A Universidade Cidade de São Paulo UNICID, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12/12/2007, resolve promover

Leia mais

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PARCERIA TECNOLÓGICA COM O COMPLEXO DE ENSINO RENATO SARAIVA (CERS) Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO FEATI. Missão FEATI Completar a educação integral do estudante, preparando-o para exercer profissões de nível superior.

MANUAL DO ACADÊMICO FEATI. Missão FEATI Completar a educação integral do estudante, preparando-o para exercer profissões de nível superior. MANUAL DO ACADÊMICO FEATI FEATI Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Fundação: - 1999: formação da AESI: Associação de Ensino Superior de Ibaiti - 2000: início das atividades ->

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS

1. DOS PRÉ-REQUISITOS Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Processual Civil, na modalidade a distância. A Reitoria da Universidade Anhanguera-Uniderp, credenciada pelo MEC por meio da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, DE CURTA DURAÇÃO E DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, DE CURTA DURAÇÃO E DE EDUCAÇÃO CONTINUADA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, DE CURTA DURAÇÃO E DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Dispõe sobre o regulamento dos cursos de pósgraduação lato sensu, de curta duração e de educação continuada

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Instrução Normativa n o 03/2013 PROGRAD

Leia mais

CAA WEB Lista de protocolos que devem ser solicitados pela web através do sol aluno. (http://www.unimonte.br/sol)

CAA WEB Lista de protocolos que devem ser solicitados pela web através do sol aluno. (http://www.unimonte.br/sol) CAA WEB Lista de protocolos que devem ser solicitados pela web através do sol aluno. (http://www.unimonte.br/sol) TIPO DE SOLICITAÇÃO - ONLINE ANTECIPAÇÃO DE MENSALIDADES EDU. CONTINUADA - DECLARAÇÃO DE

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Direito da Faculdade

Leia mais

MANUAL DE INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS DO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) CURSO DE DIREITO

MANUAL DE INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS DO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) CURSO DE DIREITO MANUAL DE INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS DO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) CURSO DE DIREITO 1 MANUAL DE INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS DO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) DA FAJS CURSO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO Ingressantes 2010 Página 1 de 14 SUMÁRIO 1. OBJETIVO DO CURSO 2. ESTRUTURA DO CURSO 2.1) Visão geral 2.2) Pré-requisitos 2.3) Critérios de contagem

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UEPG

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UEPG REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UEPG RESOLUÇÃO UNIV N o 19 DE 9 DE JULHO DE 2003. Com alterações Resolução Univ. nº15 de 28 de Março de 2007, Resolução Univ. nº138 de 16 de Maio de 2007 e Resolução

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO

REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO REGULAMENTO MBA EM GESTÃO DE CRÉDITO DESTE REGULAMENTO O Regulamento de Pós-Graduação da Fundação Getulio Vargas é um instrumento normativo, destinado ao corpo discente, que descreve os padrões de qualidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades complementares que compõem o currículo pleno dos

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

JOÃO MARTINS DIAS Presidente do Conselho Superior do IFAM

JOÃO MARTINS DIAS Presidente do Conselho Superior do IFAM RESOLUÇÃO Nº. 23 - CONSUP/IFAM, de 09 de agosto de 2013. Aprova o Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. O

Leia mais