LOGÍSTICA EMPRESARIAL E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGÍSTICA EMPRESARIAL E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS"

Transcrição

1 1

2 LOGÍSTICA EMPRESARIAL E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Organização: Martius Vicente Rodriguez Y Rodriguez, DSc. UFF Primeira Edição ISBN: Rio de Janeiro 2013 Fetranspor/UCT PerSe 2

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 16 PREFÁCIO 17 CAPÍTULO 1 A contribuição do BRT para a Mobilidade Urbana 1 - INTRODUÇÃO Características do BRT O processo do planejamento do BRT Componentes do planejamento do BRT Benefícios do BRT Custo x benefício do BRT CONCLUSÃO Projetos FUTUROS Resumo executivo Questões para reflexão REFERências BIBLIOGRÁFICAS 32 3

4 CAPÍTULO 2 A importância da atividade logística de transporte na REDE de frio Da indústria farmacêutica no Brasil 1 - Introdução A atividade logística de transporte da rede de frio na indústria FARMACêutica: o que deveria ser praticado As boas práticas da Rio Lopes Transportes: um exemplo do que está sendo praticado Tendências do monitoramento e da rastreabilidade Conclusão Resumo executivo Questões para reflexão REFERências bibliográficas 53 4

5 CAPÍTULO 3 O desenvolvimento dos processos de gestão de SUPRIMENTOS nas empresas de transporte urbano de PASSAGEIROS: estudo de caso 1 - INTRODUÇÃO REVISÃO bibliográfica Estudo de CASO ConclusõES Trabalhos FUTUROS Resumo executivo Questões para reflexão REFERências BIBLIOGRÁFICAS 78 5

6 CAPÍTULO 4 Responsabilidade civil do transportador URBANO de pessoas 1 - IntroDUÇÃO O contrato de transporte de PESSOAS Presunção de responsabilidade e não simples culpa PRESUMIDA A responsabilidade do transportador face ao Código do CONSUMIDOR A exclusão da responsabilidade do TRANSPORTADOR Começo e fim da responsabilidade do TRANSPORTADOR O transporte aparentemente gratuito e o GRATUITO CONCLUSÃO REFERências BIBLIOGRÁFICAS 93 6

7 CAPÍTULO 5 Contribuições dos Times de Melhorias para o alcance DAS metas de desempenho organizacional: o caso da Viação X 1 - IntrODUÇÃO O Caso da empresa Viação x RESULTADOS OBTIDOS Conclusões e trabalhos futuros Resumo executivo Questões para reflexão REFERências BIBLIOGRÁFICAS 113 7

8 CAPÍTULO 6 FATORES que levam à terceirização de serviços de manutenção de frota nas empresas de transportes de passageiros de ônibus no Estado do Rio de Janeiro 1 - INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Metodologia da PESQUISA Análise das informações CONCLUSÃO Proposta para trabalhos futuros Questões para reflexão REFERências BIBLIOGRÁFICAS 136 8

9 CAPÍTULO 7 Prevenção de acidentes na movimentação e operação de produtos químicos 1 - INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Sugestão para solução do PROBLEMA Análise dos procedimentos ADOTADOS Conclusões REFERências BIBLIOGRÁFICAS 149 9

10 CAPÍTULO 8 Biodiesel uma alternativa energética 1 - IntrODUÇÃO OBJETIVO AbrangêNCIA RELEVância Metodologia da PESQUISA REFERENCIAL teórico Conclusão REFERências BIBLIOGRÁFICAS

11 CAPÍTULO 9 Além do painel de controle da manutenção 1 - Introdução Questão-problema AbrangêNCIA RELEVância Metodologia da PESQUISA REVISÃO bibliográfica Considerações FINAIS REFERências BIBLIOGRÁFICAS

12 CAPÍTULO 10 ATRAÇÃO e retenção de talentos: um desafio para AS empresas de transporte coletivo por ônibus na Cidade do Rio de Janeiro 1 - INTRODUÇÃO ATRAÇÃO de TALENTOS Rotatividade: um problema que merece ATENÇÃO Como reter os talentos na EMPRESA Considerações finais REFERências BIBLIOGRÁFICAS

13 CAPÍTULO 11 Os benefícios da gestão integrada da área de manutenção com a área de suprimentos: o caso da Viação XPTO 1 - INTRODUÇÃO Manutenção e SUPRIMENTOS O modelo de gestão integrada aplicado em um grupo de quatro EMPRESAS do segmento de transporte rodoviário de passageiros do Município de São Gonçalo estudo de CASO RESULTADOS obtidos com a nova gestão Conclusões e trabalhos FUTUROS REFERências BIBLIOGRÁFICAS

14 CAPÍTULO 12 O sistema da qualidade no transporte rodoviário de PASSAGEIROS urbano e metropolitano na visão das EMPRESAS 1 - Introdução REVISÃO bibliográfica Estudo de caso Análise de informações AVALIAÇÃO dos resultados Conclusão REFERências bibliográficas

15 15

16 APRESENTAÇÃO A área de transporte urbano passa por profundas mudanças no Estado do Rio de Janeiro, com a implantação, dentre outras facilidades, do metrô sobre rodas. Estas mudanças têm impactado de forma extremamente positiva os serviços de transporte de almas, conforme mencionado por um motorista de ônibus no Rio de Janeiro. Esta mudança de pensamento quanto ao serviço prestado tem, como causa principal, o investimento que tem sido realizado em educação. Idealizada pelo presidente da Fetranspor, Lélis Marcos Teixeira, e tendo à sua frente a experiência da diretora Ana Rosa Bonilauri, pedagoga e entusiasta da educação corporativa, a Universidade Corporativa do Transporte UCT foi oficialmente inaugurada em 15 de dezembro de 2010 e funciona, desde a sua criação, como alavanca para a melhoria dos resultados das empresas. É demonstrado por esta experiência que a educação gera muito mais retorno financeiro do que se possa imaginar. O investimento em capacitação daquelas pessoas que lidam com os clientes, assim como daquelas que atuam na gestão e dão o rumo das empresas, tem sido a receita de sucesso de Fetranspor/Fetranscarga que, acreditando no potencial humano, não têm medido esforços para aprimorar as pessoas, fazendo o que é esperado em todas as áreas de negócio: gerar valor diferenciado por meio das pessoas. Como resultado de um destes esforços, foi desenvolvido, por meio de uma parceria entre a Universidade Federal Fluminense e a Fetranspor, o MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos, que obteve como resultado 25 profissionais capacitados e, com certeza, apresentando um diferencial de valor para as empresas em que atuam. A presente obra resume o resultado deste MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos e relata os estudos de casos dessas empresas, possibilitando, assim, o registro deste conhecimento, para que outros possam assimilá-lo, pela leitura ou pela socialização com os autores desta obra. Parabenizo a todos os 25 profissionais que participaram do MBA e obtiveram pleno sucesso na sua realização e à Fetranspor, pelo investimento naquele que é e sempre será o diferencial das empresas AS PESSOAS. Prof. Martius Vicente Rodriguez y Rodriguez, pdsc. Coordenador MBA de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos UFF Universidade Federal Fluminense 16

17 PREFÁCIO Nos últimos anos a logística, como disciplina e prática, teve avanços extremamente importantes, com impactos muito significativos na cadeia de valor e nos resultados econômicos das empresas. A abertura da economia e o acirramento da concorrência, em um mercado a cada dia mais consciente, levaram as organizações a aperfeiçoar e racionalizar, cada vez mais, seus processos produtivos, a fim de garantir margens sustentáveis para os negócios, entre custo e preço final. Levando tais fatos em conta, apostamos no curso de pós - graduação em Logística Empresarial, cujo início se deu em março de 2010, com o objetivo de trazer maior compreensão sobre a disciplina e possibilitar sua aplicação prática, que esperamos ver traduzida em melhorias no ambiente das empresas. O curso trouxe outra situação especial. Foi realizado em parceria com a Fetranscarga Federação do Transporte de Cargas do Estado do Rio de Janeiro, cuja atividade econômica já se caracteriza pelo tratamento logístico. E dessa sinergia entre saberes, práticas e pontos de vista, houve a construção de curso sui generis, onde a filosofia do compartilhamento influiu marcadamente na construção enriquecida de conhecimentos. Assim, mais uma vez, a Universidade Corporativa do Transporte, em trabalho liderado pelo coordenador do curso da Universidade Federal Fluminense e organizador desta obra, Martius Vicente Rodriguez & Rodriguez, traz a público o legado da turma do MBA. São aqui apresentados trabalhos de fim de curso que, trazendo visões, conceitos e práticas enriquecedores, celebram um aprendizado de qualidade e ainda contribuem com o avanço das discussões sobre o tema, na medida em que são compartilhados com os leitores. É esta a tarefa que julgamos mais importante da nossa UCT: alavancar novos pensamentos, novas ideias e tornar o saber disponível para o maior número de pessoas possível! Boa leitura! Lélis Marcos Teixeira Presidente Executivo da Fetranspor 17

18

19 CAPÍTULO 1 A CONTRIBUIÇÃO DO BRT PARA A MOBILIDADE URBANA

20 MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos RESUMO Nas grandes cidades existem, a cada momento, mais congestionamentos, falta de vagas, poluição e atropelamentos. Estes são alguns dos problemas causados pela perda da MO- BILIDADE. O trânsito se apresenta caótico e confuso, o que causa prejuízos imensos, tanto à saúde (estresse) como à economia, devido à perda de tempo nos deslocamentos, assim como aos conflitos sociais causados pela agressividade no trânsito e pelos problemas de segurança (violência e assaltos). O crescimento desordenado nas cidades e o incentivo à compra de novos veículos proporcionam a diminuição da MOBILIDADE, pois as vias ficam cada vez mais superlotadas de veículos, o que aumenta seu desgaste diminui a fluidez do trânsito e aumenta sempre a poluição do meio ambiente. Portanto, a MOBILIDADE UR- BANA está ligada ao direito de ir e vir e, sem ela, não há acesso às necessidades básicas de cada indivíduo. PALAVRAS-CHAVE: Mobilidade urbana, BRT, trânsito. AUTORA: Giselle Rodrigues de Bragança Transportes Santa Maria. Graduada em Administração de Empresas, pela UniverCidade em 2004; Especialização em Marketing de Transportes, pela ESPM em 2009; atuando na área administrativa da empresa Transportes Santa Maria desde

21 01 A CONTRIBUIÇÃO DO BRT PARA A MOBILIDADE URBANA 1 INTRODUÇÃO É necessário um transporte público eficiente para que haja um desenvolvimento equilibrado e seja garantido o direito de ir e vir do cidadão. Hoje temos um transporte público que não suporta o crescimento e desenvolvimento, pois não houve um planejamento para o crescimento das cidades. E o incentivo para aquisição de veículos particulares (carros e motos) faz com que o trânsito fique totalmente congestionado. Como resposta para este cenário da mobilidade, as autoridades buscam um planejamento para melhorias do transporte público, com o desenvolvimento de novas alternativas. Cidades são uma invenção para maximizar as oportunidades de troca e para minimizar viagens O papel do transporte é ajudar a maximizar as trocas. David Engwicht, escritor e ativista (1999, p. 19) Surge como resposta o BUS RAPID TRANSIT (BRT), sistema de ônibus de qualidade, que realiza uma operação rápida, frequente e de excelência em marketing e serviço aos usuários. De acordo com Vasconcelos (2001), a mobilidade requer uma maior representação social, ou seja, o cidadão ter direito ao acesso à educação, à saúde, ao lazer e ao trabalho. O BRT é também conhecido como: Sistema de ônibus de alta capacidade; Sistema de ônibus de alta qualidade; Metrô-ônibus; Metrô de superfície; Sistema de ônibus expressos; Sistema de corredores de ônibus. Apesar de ter inúmeros nomes, o BRT é um serviço que vem competir com carros particulares e com custos acessíveis. Ou seja, o BRT se parece com o serviço convencional de ônibus. As citações que veremos sugerem que o BRT seja muito parecido com o sistema de ferrovia. 21

22 MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos BRT é um modo de transporte público sobre pneus, veloz e flexível, que combina estações, veículos, serviços, vias e elementos de sistema inteligente de transporte (ITS) em um sistema integrado com uma forte identidade positiva que evoca uma única imagem. (Levinson et al., 2003, p. 12) BRT é um transporte público de alta qualidade, orientado ao usuário, que realiza mobilidade urbana rápida, confortável e de custo eficiente. (Wright, 2003, p. 1) BRT é um modo de transporte rápido que consegue combinar a qualidade dos transportes férreos e a flexibilidade dos ônibus. (Thomas, 2001). O BRT é composto por um corredor exclusivo para ônibus e, embora algumas cidades adotem este modelo, nem sempre alcançam o objetivo de eficiência e eficácia do BRT, pois existe diferença entre faixas e vias de ônibus. Faixas de ônibus são reservadas principalmente para veículos de transportes públicos, separados por faixas pintadas, demarcadas e sinalizadas, de modo permanente ou apenas em determinado horário. Normalmente são permitidos veículos particulares próximos aos pontos de conversão. Vias de ônibus são faixas separadas fisicamente, permanentes e exclusivas a veículos de transportes públicos. Esta separação é feita por muros, guias, cones ou outro tipo de estrutura bem definida. E qualquer outro tipo de veículo é terminantemente proibido de acessar essas vias. Elas podem estar no nível superficial, elevadas ou enterradas, porém, ao encontrar o tráfego misto, costumam ficar localizadas no canteiro central. E é neste sistema que consiste a infraestrutura do BRT, ou seja, via de ônibus. Além das vias exclusivas, temos as novas ideias que são citadas por Jaime Lerner Arquitetos Associados (2009, NTU): O uso de terminais de integração fechados, para permitir a operação ordenada de poucas linhas de alta frequência na via exclusiva (operação tronco-alimentadora). A oferta, nesses terminais, de novas opções de viagem, tais como linhas diretas e linhas interbairros, evitam o centro do congestionamento, criando o conceito de rede integrada. O uso de veículos maiores aumentando a capacidade chegando ao ônibus biarticulado de 25m (270 passageiros). 22

23 01 A CONTRIBUIÇÃO DO BRT PARA A MOBILIDADE URBANA Figura 1 Modelo BRT Transoeste. Figura 2 Interior do Modelo BRT. O uso das estações de linhas tubo, para realizar o embarque dos passageiros em nível, feito por portas múltiplas e com pagamento antecipado, aumentando o conforto e a segurança e reduzindo o tempo médio das paradas. Figura 3 Estação de Passageiros BRT. A adoção de linha direta ( ligeirinhos ) entre terminais de integração e pontos de grande concentração de destinos, aumentando a velocidade comercial do sistema. O uso de portas na lateral esquerda, para facilitar a integração e operações nas estações centrais. A prioridade nos cruzamentos, controlando os semáforos. Para conseguir um sistema de capacidade e de velocidade, é necessário um conjunto de características para o projeto operacional, que incluem ações variadas, assim como serviços e verificação de bons espaços nas estações, para que as plataformas sejam construídas de forma a ajudar o deslocamento de passageiros. 23

24 MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos OBJETIVO Diante desse contexto, o objetivo deste artigo é a contribuição do BRT para a mobilidade urbana. ABRANGÊNCIA A cidade do Rio de Janeiro. RELEVÂNCIA Nos dias de hoje, algo que incomoda a todos é a mobilidade urbana, por isso analisar o BRT e suas contribuições para o dia a dia. METODOLOGIA DA PESQUISA Utilizaremos as metodologias bibliográficas e documentais. Não só sobre BUS RAPID TRANSIT (BRT), como sobre MOBILIDADE e crescimento desordenado das cidades. 2 CARACTERÍSTICAS DO BRT BRT é precisamente definido por determinadas características, vistas neste tipo de sistema. Existem elementos básicos para que um sistema seja reconhecido como de BRT, e é isto que veremos a seguir: a) Infraestrutura física Vias de ônibus separadas ou faixas exclusivas, predominantemente no canteiro central da via; Existência de uma rede integrada de corredores e linhas; Estações modernas que apresentam instalações de conforto, segurança e abrigo contra intempéries; Estações que propiciam acesso em nível ao veículo (sem degraus); Estações especiais e terminais que facilitam a integração física entre linhas troncais e serviços alimentadores e outros sistemas de transporte de massa; Melhoramentos no espaço público próximo ao sistema BRT. 24

25 01 A CONTRIBUIÇÃO DO BRT PARA A MOBILIDADE URBANA b) Operações Serviços rápidos e frequentes entre as principais origens e destinos; Ampla capacidade para demanda de passageiros ao longo do corredor; Embarques e desembarques rápidos; Cobrança e controle de pagamento antes do embarque; Integração tarifária entre linhas, corredores e serviços alimentadores. c) Estrutura institucional e de negócios Entrada no sistema restrita a operadores específicos, sob uma estrutura administrativa e de negócios reformada; Licitação competitiva e processos completamente transparentes na premiação de contratos e concessões; Gerenciamento eficiente, resultando na eliminação ou minimização de subsídios do setor público para a operação do sistema; Sistema de cobrança de tarifas operado e gerenciado por entidade independente; Fiscalização do controle de qualidade por uma entidade/agência independente. d) Tecnologia Tecnologias veiculares de baixas emissões; Tecnologias veiculares de baixos ruídos; Cobrança e verificação de tarifas automatizadas; Sistema de gerenciamento por controle centralizado, utilizando aplicações de Sistemas de Tráfego Inteligentes (ITS), como localização automática de veículos; Prioridade nos sinais de trânsito ou separação física nas interseções. e) Marketing e serviço ao usuário Sistema com identidade de mercado distinta; Excelência em serviços ao usuário e oferecimento de utilidades que lhes são essenciais; Facilidade de acesso entre o sistema e demais opções de mobilidade urbana (caminhadas, bicicletas, táxis, transportes alternativos, motorizado particular, etc.); Providências específicas para facilitar o acesso de portadores de necessidades especiais como crianças, idosos e pessoas com deficiência física. 25

26 MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 3 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO DO BRT Devemos ter uma visão geral da estrutura e conteúdos para um plano de BRT, por mais que busquemos informações nos sistemas já existentes (Curitiba, Bogotá, México...). Devemos nos preocupar com a particularidade de cada cidade, em função de locais, cultura... Por isso, o BRT deve ser adequado a cada localidade, verificando as necessidades reais. Normalmente, ao fazer um estudo de viabilidade, vêm à tona as análises racionais e um conjunto de soluções e intervenções para melhorar a MOBILIDADE URBANA. Só assim poder-se-á argumentar e convencer o poder público (tomador de decisões). Quanto mais o poder público estiver envolvido, mais rapidamente deverão os planejadores do BRT fornecer informações, dados, para que este tome suas decisões. Algumas vezes, é necessário fazer uma detalhada análise de benefícios-custo, para que o poder público viabilize os gastos, ou seja, verifique se o projeto de BRT está dentro do orçamento. I. Preparação Início Opções tecnológicas Organização de projeto Geração de ideia Comprometimento político Formalização da visão Introdução a alternativas Critério de seleção Tomada de decisões Equipe/gerentes de projeto Escopo e prazos de projeto Orçamento de planejamento Análise de demanda Seleção de corredores Comunicações Levantamento de dados Esboço do sistema Método de modelagem completa Identificação de corredores Análise de corredores Opções por vias estreitas Quadro de comparações Análise de participantes Operadores atuais Agentes públicos Participação pública Projeto Operacional Projeto de rede e linhas Sistemas aberto-fechados Opções de serviços Desenho de linhas Análise de demanda Avaliação de interseções Restrição de conversões Conversões do corredor Prioridade semafórica Capacidade e velocidade Capacidade requerida Tamanho dos veículos Interface veículo-estação Seleção de corredores Informação ao cliente Profissionalismo do sistema Segurança Instalações para conforto 26

27 01 A CONTRIBUIÇÃO DO BRT PARA A MOBILIDADE URBANA II. Projeto Construtivo Infraestrutura Vias Estações Terminais e garagens Custos de infraestrutura Tecnologia Tecnologia veicular Cobrança ITS III. Integração Integração modal TDM e uso de solo Pedestres Bicicletas Táxis etc. Restrição de automóveis Plano de uso de solo IV. Plano de negócios Estrutura de negócios Modelo de negócios Mudança estrutural Organização institucional Custeio e financiamento Opções de financiamento Público Privado Operacional Itens do custo operacional Distribuição de faturamento Preço da tarifa Publicidade Nome do sistema Logo e slogan Estratégias para campanhas V. Implementação Impacto no tráfego Avaliação Econômica, ambiental, social, urbana Plano de implementação Plano de construção Plano de contratação 27

28 MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 4 COMPONENTES DO PLANEJAMENTO DO BRT As principais atividades do processo de realização do BRT: Estudo de viabilidade - primeiro estudo para documentar as opções de melhoria das condições de transporte público da cidade. O estudo de viabilidade objetiva a demonstração de exequibilidade financeira, institucional e física de uma alternativa específica de transporte público; esta fase frequentemente envolve uma análise de custo-benefício. Modelo de demanda - A atual demanda de transporte nos principais corredores de interesse da cidade é documentada. Análise dos agentes participantes (stakeholders) e plano de comunicação - No início do projeto, um plano de comunicação para os agentes participantes principais, como os operadores existentes, deve ser elaborado. Estudo conceitual - Operações, infraestrutura, integração modal, tecnologia, estrutura institucional e de negócios, custeio e financiamento. O projeto conceitual é uma breve visão geral de cada um dos principais componentes de planejamento. A ideia é cobrir rapidamente cada aspecto do projeto, de forma a prover uma visão geral antes do comprometimento de mais recursos de planejamento. Análise de impacto do Plano de BRT detalhado - operações, infraestrutura, integração modal, tecnologia, custo o núcleo do planejamento do BRT consiste no processo de especificações técnicas e de projeto. Igualmente, o detalhamento das estruturas institucionais e de negócios, junto com análises de custos, é essencial para assegurar a viabilidade financeira do sistema. Plano institucional e de negócios - Este plano estabelece as relações estruturais entre os setores público e privado. O plano de negócios ajuda a assegurar que o sistema seja financeiramente viável do ponto de vista operacional. Projeto de engenharia detalhado - Uma vez que o corpo do projeto de BRT é aprovado, uma análise altamente detalhada de cada componente físico é conduzida, cada metro de infraestrutura viária é projetado em detalhe. Plano financeiro - Uma análise completa de custos é feita, as necessidades financeiras exatas se tornam conhecidas e podem ser completamente viabilizadas. Plano de marketing - É elaborado plano de marketing para o desenvolvimento do nome e da logo do sistema e campanha de divulgação ao público. Análises de impacto - Uma vez que o plano técnico final é aprovado, análises mais precisas dos impactos de tráfego, econômicos, ambientais, sociais e urbanos podem ser feitas. 28

29 01 A CONTRIBUIÇÃO DO BRT PARA A MOBILIDADE URBANA Plano de implementação - À medida que o projeto se move em direção à implementação, contratos de construção e prazos de execução devem ser desenvolvidos. 5 BENEFÍCIOS DO BRT Destacam-se o custo relativamente baixo, assim como a rapidez quanto à implementação. Temos ainda outros benefícios: Economia de tempo de viagem faixas exclusivas e estações com embarque em nível e pré-pago, gerando um considerável ganho de tempo. Economia de custo operacional maior produtividade por unidade, menos capital na frota a remunerar, menor quantidade de pessoas e ainda um menor custo de combustível. Atração de novos passageiros redução de uso de automóveis e motocicletas, pois o BRT atrai uma demanda reprimida. Meio ambiente uma frota renovada, com tecnologia moderna e redução da emissão de poluentes, pois um transporte eficiente e com uma menor quantidade de ônibus nas ruas emite menos poluentes. Fontes alternativas de energia a concentração de demanda em eixos preferencias permite o uso de fontes alternativas de energia. Para o usuário, passam a existir várias opções, com números de transferências reduzidas. Tendo assim o serviço EXPRESSO e o serviço de PARADAS REDUZIDAS, que geram ganhos relevantes de tempo. 29

30 MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 6 CUSTO x BENEFÍCIO DO BRT O custo do BRT é 20 vezes menor do que o de um sistema de bondes ou de veículos leves sobre trilhos (VLTs), e de 10 a 100 vezes menor do que o do metrô. Veremos agora uma simulação do custo e dos benefícios resultantes da implementação do BRT: Investimentos 20 km de via (concreto) R$ 60 milhões 6 terminais de integração R$ 60 milhões 30 estações intermediárias R$ 16 milhões Controle de sinalização Total de investimento público Total de investimento privado R$ 4 milhões R$ 140 milhões R$ 80 milhões Benefícios Passageiros beneficiados Capacidade inicial por eixo Intervalo Velocidade operacional Velocidade sistema convencional Benefícios Ganho custo operacional ( pessoas) passageiros/h 2 minutos (parador e direto) 20 km/h (parador) e 35 km/h (direto) média 27,5 km/h 17 km/h, tendendo a diminuir pelo crescente congestionamento das vias Ganho de 26 minutos por dia por pessoa = 65 mil h/dia R$ ,00/dia, em relação a um sistema convencional. Fonte: Jaime Lerner Arquitetos Associados (2009, NTU) A partir da análise de custo e beneficio é possível estimar o custo do BRT, o seu alcance em termos de pessoas beneficiadas e como financiar a sua construção e operação. 30

31 01 A CONTRIBUIÇÃO DO BRT PARA A MOBILIDADE URBANA 7 CONCLUSÕES É necessário que se tenha uma visão mais clara sobre os impactos do BRT, no atual sistema de transportes, para assim preparar o usuário (motoristas, taxistas, passageiros etc.) sobre as alterações que acontecerão no tráfego, e estes perceberão a melhora na qualidade de vida, com a diminuição de congestionamento, poluição, entre outras vantagens. Afinal, o objetivo do BRT é melhorar a velocidade e a capacidade do transporte público, e, simultaneamente, melhorar a condição de automóveis, ciclistas e pedestres. Por fim, a separação dos veículos de transportes públicos do tráfego misto e as melhorias nas travessias de pedestres e na sinalização são medidas empregadas para fazer um novo sistema de transportes públicos funcionar de forma eficiente, o que também proporcionará maior segurança de trânsito, gerando redução no número de acidentes, tanto de veículos como de pedestres. 8 PROJETOS FUTUROS Após conhecermos o BRT, verificamos que ainda temos muito o que aprender, para termos uma melhora constante e contínua para a MOBILIDADE URBANA. Principalmente por causa do crescimento da economia (facilidade de compra de automóveis), do crescimento urbano os trabalhadores ficam cada vez mais longe do centro, e de eventos futuros, como, no caso do Rio de Janeiro, a Olimpíada de 2016 e a Copa de RESUMO EXECUTIVO Com o crescimento desordenado das cidades e o incentivo à aquisição de veículos (transportes individuais), faz-se necessário um estudo para que haja uma melhora na mobilidade urbana, isto é feito principalmente através de análises e planejamento. Por causa da falta de mobilidade urbana, surgem alguns problemas como: os congestionamentos aumentam a poluição no ambiente, com a liberação de CO2; aumenta o estresse das pessoas que se veem paradas em congestionamento ou não encontram vagas para estacionar seus carros. O BRT é um sistema de ônibus de qualidade, que realiza uma operação rápida, frequente e de excelência em marketing e serviços aos usuários. 31

32 MBA em Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Verifica-se que ainda temos muito a aprender em termos de melhora constante e contínua da mobilidade urbana, principalmente por causa do crescimento urbano. Antes de implantar o BRT, é necessário fazer um estudo de viabilidade, tendo em vista que mudanças são necessárias, não só em vias, como também nos ônibus que irão circular no BRT, pois só após contar com essas informações o poder público deve tomar a decisão de implantar o sistema. O Brasil passa por um momento de grande importância, voltando a investir no setor de transportes urbanos, após um período de ausência. Destacamos ainda o projeto de Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Urbana e investimentos por conta dos eventos a serem realizados, como a Olimpíada 2016 e a Copa QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1. O que influi na Mobilidade Urbana? 2. Como saber se o Bus Rapid Transit (BRT) é adequado para a cidade? 3. Quais os benefícios do BRT? 5. O que mais pode ser feito para melhorar a Mobilidade Urbana? 11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ENGWICHT, David, Street Reclaiming Creating Livable Streets and Vibrant Communities, New Society Publishers, EUA, FETRANSPOR, CADERNOS TÉCNICOS DA Caminhos para Mobilidade, LERNER, JAIME ARQUITETOS ASSOCIADOS Avaliação Comparativa das Modalidades Transporte Público Urbano NTU, LEVINSON, H., ZIMMERMAN, S., CLINGER, J., RUTHERFORD, S., SMITH, R., CRACKNELL, J., AND SOBERMAN, R., Bus Rapid Transit, Volume 1: Case studies in bus rapid transit, TCRP report 90. Washington: US TCRP, MANUAL DO BRT Lloyd Wright 3ª edição Ministério das Cidades, MOBILIDADE & CIDADANIA ANTP São Paulo, PLANMOB, Construindo a Cidade Sustentável Secretaria Nacional de Transportes e Mobilidade Urbana - Ministério das Cidades,

33 01 A CONTRIBUIÇÃO DO BRT PARA A MOBILIDADE URBANA RABAÇA, SILVIO 100 Anos de Ônibus no Rio de Janeiro Caligrama Rio de Janeiro, REVISTA DOS TRANSPORTES PÚBLICOS 87 ANTP Ano 22. 2º Trimestre, THOMAS, E., Presentation at Institute of Transportation Engineers Meeting, Chicago (August), VASCONCELLOS E., Urban transport, environment and equity: The case for developing countries. London: Earthscan, WRIGHT, Kathy Baker, Quality of Life, Self-Transcendence, Illness Distress, and Fatigue in Liver Transplant Recipients, Dissertation, The University of Texas at Austin, EUA,

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de BH

Plano de Mobilidade Urbana de BH 4 a 7 de junho de 2013 Hotel Ouro Minas Plano de Mobilidade Urbana de BH Ramon Victor Cesar Presidente de BHTRANS Contexto do PlanMob-BH: Cenários, diagnóstico e prognósticos Desafio 1: como articular

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus. Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU

Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus. Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Qualidade e Desempenho do Transporte Público por Ônibus Marcos Bicalho dos

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental

Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental Daniel Rech (DEPROT/UFRGS) João Fortini Albano (DEPROT/UFRGS) Resumo O presente artigo deriva de um projeto direcionado a alunos do ensino

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Engenharia de Segurança Viária

Engenharia de Segurança Viária Engenharia de Segurança Viária Transporte sustentável salva vidas Através da promoção do transporte sustentável, a EMBARQ Brasil está trabalhando para reduzir a poluição, melhorar a saúde pública e criar

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO

Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO SISTEMA FETRANSPOR Federação das Empresas de Transporte de Passageiros Transporte por ônibus urbanos, intermunicipais, turismo e fretamento

Leia mais

Prefeitura Municipal do Natal

Prefeitura Municipal do Natal Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Plano Plurianual 2010/2013 Programa Horizonte Público Objetivo: 8 Mobilidade e Cidadania Contínuo População do município

Leia mais

Mobilidade com produtividade

Mobilidade com produtividade Curitiba Maio, 2015 > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Mobilidade com produtividade Wagner Colombini Martins Logit Engenharia Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > >

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência A Marcopolo lança o seu mais novo e moderno ônibus urbano,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na Importação e Exportação de material de qualquer natureza,

Leia mais

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO QUEM SOMOS Somos uma empresa brasileira dedicada a construir e prover soluções que empregam tecnologias inovadoras, combinadas com a identificação por rádio frequência (RFID), análise de imagens (imagens

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro Paulo S.

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative

Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative 24 de Junho de 2013 Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Auditório do Museu do Meio Ambiente Rio de Janeiro,

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA COMPARATIVO ENTRE OS REQUISITOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E AS NORMAS ISO :2008 E ISO :2004, APLICADO À INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Paulista Logística & Supply Chain Pontualidade e excelência.

Paulista Logística & Supply Chain Pontualidade e excelência. Metas propostas Compreender a necessidade do cliente, e atende-lo com sublimidade, sempre utilizando os melhores modelos de gestão, com o objetivo principal solidificar a nossa parceria onde ambos os lados

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL Senhoras e senhores É com grande satisfação que participo dessa primeira Conferência de Gerenciamento de

Leia mais

TRANSPORTE PÚBLICO. Novos conceitos para o transporte de passageiros

TRANSPORTE PÚBLICO. Novos conceitos para o transporte de passageiros TRANSPORTE PÚBLICO Novos conceitos para o transporte de passageiros A história do transporte O Começo... o... Caminhos a pé e por animais Os caminhos eram percorridos a pé ou em lombos de cavalos, carroças

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO ACE Associação Comercial Empresarial de Guarulhos 25/Outubro/2013 MISSÃO: Promover e gerir o transporte intermunicipal de baixa e média capacidades para passageiros

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Frotistas tecnologia 72

Frotistas tecnologia 72 tecno Frotistas 72 Por Luiz Carlos Beraldo Há opiniões controversas no mundo dos empresários brasileiros de transportes quando o assunto trata do futuro dos veículos comerciais. Alguns apostam que não

Leia mais

Paulo Sergio Custodio Outubro 2013

Paulo Sergio Custodio Outubro 2013 Paulo Sergio Custodio Outubro 2013 Mobilidade significa liberdade de participação do mercado, de ser consumidor em uma sociedade capitalista pura. A quantidade de viagens realizadas (consumidas) pelas

Leia mais

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV)

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV) ANEXO I TABELA DE DESCONTOS DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA IDENTIFICADOR DO PRODUTO TIPO DE EMPRESA ITENS DESCRIÇÃO DO FATO GERADOR Fato Gerador (DV) GRUPO I GRANDE GRUPO II GRANDE GRUPO

Leia mais

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim SUSTENTÁVEL Unidade Senac: Santa Cecília Data: 24/08/2015 Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim Imagem retirada de Debate de Bolso, em http://debatedebolso.com. Creative Commons BY-NC-ND 3.0 Plataforma

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Vias Inteligentes. Mobilidade Urbana por meio de

Vias Inteligentes. Mobilidade Urbana por meio de Jaguaraci Batista Silva 16 anos de atuação (Borland, Toyota, Fujitsu, FIAT, Iberdrola, Petrobrás, CNPQ, Unifesp, ITA, UFBA) Mestre em ciência da computação, especialista em sistemas distribuídos, engenharia

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Curitiba SÃO PAULO População: 1.828.092 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009:

Leia mais

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO ESTRATÉGICO- SP2040 Tema: Política de Estacionamento dos automóveis 09 DE FEVEREIRO DE 2011- AUDITÓRIO DO SEESP-SP PROGRAMAÇÃO Realização: SEESP-SP Quadro geral da

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Audiências Públicas Investimento e Gestão: Desatando o Nó Logístico do Pais 2º Ciclo Financiamento e Gestão da Infraestrutura de Transportes no

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA INTRODUÇÃO A mobilidade das cidades tem se tornado um desafio cada vez maior com o passar do tempo. Em 10 anos, a frota de automóveis e motocicletas cresceu 400% no

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO

POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de Pedestres ABRASPE apresenta aqui sua sugestão para revisão do texto original de Política Nacional de Trânsito apresentado pelo Departamento

Leia mais

Ministério das Cidades. SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades. SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana A Presidência da República sancionou a Lei nº 12.587, em 3 de janeiro de

Leia mais

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades.

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. 1. As cidades A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. Na União Europeia, mais de 2/3 da população vive em áreas urbanas e 67% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu é

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2012

PROJETO DE LEI Nº /2012 PROJETO DE LEI Nº /2012 (Dos Senhores Deputados Heuler Cruvinel e Onofre Santo Agostini) Institui a obrigatoriedade de instalação de pontos de recarga para veículos elétricos em vias públicas e em ambientes

Leia mais

DECRETO Nº. 8.780, DE 02 DE JULHO DE 2009.

DECRETO Nº. 8.780, DE 02 DE JULHO DE 2009. DECRETO Nº. 8.780, DE 02 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre as competências, a estrutura básica e o Quadro de Lotação de Cargos Comissionados da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana - SEMOB, e dá outras

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios.

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios. Internet of Things 10 formas de utilizá-la em diversos tipos de negócios. INTRODUÇÃO As interfaces Machine to Machine (M2M) estão facilitando cada vez mais a comunicação entre objetos conectados. E essa

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Mercedes-Benz é a marca líder no segmento de onibus urbanos e em Sistemas BRT no Brasil

Mercedes-Benz é a marca líder no segmento de onibus urbanos e em Sistemas BRT no Brasil Ônibus Mercedes-Benz é a marca líder no segmento de onibus urbanos e em Sistemas BRT no Brasil Informação à Imprensa 02 de junho de 2014 Ônibus Mercedes-Benz foram os primeiros a operar no BRT Transoeste

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais