ODEBRECHT HOLDING. 190 mil integrantes. Atuação em 27 países

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ODEBRECHT HOLDING. 190 mil integrantes. Atuação em 27 países"

Transcrição

1

2 ODEBRECHT HOLDING 190 mil integrantes Atuação em 27 países

3 TERRENO ÁREA DO TERRENO m² ÁREA MÁX. UTILIZADA (4x) m² ÁREA CONSTRUÍDA TOTAL m² S W

4 CONCEITO CIDADE COMPACTA R. Antonio de Oliveira R. João Peixoto dos Santos R. José Vicente Cavalheiro Tudo no mesmo lugar Emprego mais perto de casa Espaços Multiuso Corredores verdes Incentivo ao transporte alternativo Torres Corporativas m² R. Eng. Mesquita Sampaio m 2 de Áreas abertas ao público m 2 de Áreas verdes 4 Shopping m² Torre Hoteleira Categoria Luxo Restaurantes m² Torre Residencial m² Unid. Torre Office m² Unid.

5 VISTA

6 SISTEMAS CONSTRUTIVOS R. João Peixoto dos Santos R. Antonio de Oliveira GLEBA C R. José Vicente Cavalheiro Torres Corporativas m² Shopping m² Torre Hoteleira Categoria Luxo Restaurantes m² R. Eng. Mesquita Sampaio Torre Residencial m² Unid. 6 Torre Office m² Unid.

7 PARQUE DA CIDADE SISTEMAS ESTRUTURAIS

8 SOLUÇÕES ESTUDADAS Estrutura Convencional Moldada In Loco Laje Alveolar + Core Trepante Laje Alveolar + Core junto com a Laje Laje Alveolar + Core Autotrepante Laje plana com mesa voadora e core trepante Estrutura Metálica Mista BubbleDeck com Core Autotrepante Pré-lajes + Core Autotrepante Laje plana com mills deck Laje plana com mesa voadora e core junto da laje

9 SISTEMAS ESTRUTURAIS ESTUDADOS Estrutura Convencional Moldada In Loco

10 SISTEMAS ESTRUTURAIS ESTUDADOS Pré-viga + Laje Alveolar + Core Trepante Pré-viga + Laje Alveolar + Core junto com a Laje Pré-viga + Laje Alveolar + Core Autotrepante

11 SISTEMAS ESTRUTURAIS ESTUDADOS Pré-vigas + Pré-laje + core autotrepante

12 SISTEMAS ESTRUTURAIS ESTUDADOS Laje Plana com deck de alumínio + core trepante Laje Plana com mesa voadora + core trepante

13 Estrutura Metálica Mista SISTEMAS ESTRUTURAIS ESTUDADOS

14 BubbleDeck SISTEMAS ESTRUTURAIS ESTUDADOS

15 SISTEMA BUBBLE DECK

16 QUADRO COMPARATIVO ITENS CONCRETO AÇO CA 50/60 AÇO FORMA CIMBRAMEN PROTED / (MADEIRA / TO TELA METÁLICA) CORE LAJE ALVEOLAR / PRÉ-LAJE / MÓDULO BUBBLEDECK GRUA EST. METÁLICA MÃO DE DIFERENÇA MO OBRA PÉ DIREITO PROTENSÃO ESTRUTURA CUSTO M.O PRÓPRIA PÓRTICOS ACRÉSCIMO DE DI REDUÇÃO DE DI CUSTO REDUÇÃO TOTAL M.O FUNDAÇÃO PRÓPRIA CUSTO TOTAL Convencional moldado "in-loco" 3,694,698 3,789,916-1,790, , ,756, ,947,200 16,241,022 0,000 0,000 0,000-27,759,536 17,465,715 PRÉ-VIGAS E LAJE ALVEOLAR E CORE TREPANTE 3,039,254 2,656, , , ,971 1,095,398 6,560,483 1,483, ,394,478 8,728,587 78,100 51,254 3,185,509-78,147 21,709,962 18,375,853 Pré-vigas e laje alveolar e 3 gruas 3,039,254 2,656, , , , ,141 6,560,483 2,279, ,394,478 7,565,435 78,100 44,327 4,224,545-78,147 19,389,165 17,218,208 Pré-vigas e laje alveolar e core auto trepante 3,039,254 2,656, , , ,971 1,389,721 6,560,483 1,324, ,394,478 7,647,736 78,100 44,811 4,152,055-78,147 19,759,141 17,505,883 PRÉ-LAJE COM CORE AUTO- TREPANTE 3,039,254 2,656, , , ,781 7,273,864 1,361, ,394,478 7,915,935 78,100 46,327 3,924,545 18,637 20,561,737 18,040,281 LAJE PLANA C/ MILSS DECK E CORE TREPANTE 4,316,743 3,397, ,200 1,287, ,338 1,282,361-1,710, ,856 1,324,400 6,948,480 12,841, ,812, ,738 25,111,237 19,217,978 LAJE PLANA COM MESA VOADORA E CORE JUNTO DA LAJE 4,316,743 3,397, ,200 1,890, , ,141-1,511, ,856 1,324,400 6,948,480 11,132, ,020, ,738 21,536,552 17,352,645 LAJE PLANA COM MESA VOADORA E CORE TREPANTE 4,316,743 3,397, ,200 1,890, ,338 1,035,624-1,411, ,856 1,324,400 6,948,480 10,277, ,624, ,738 20,791,592 17,462,362 BUBBLEDECK + CORE AUTOTREPANTE 3,591,675 1,264,356-1,193, , ,528 7,550,446 1,411, ,781,368 8,256, ,624,545 18,637 20,816,013 18,340,846 ESTRUTURA METÁLICA 2,423,163 3,199, , , ,870 24,226, ,320, ,602,082 89,642 25,810,668 30,131,628

17 QUADRO COMPARATIVO Opção Materiais (concreto, aço, escoramento, forma) Equip, MO, DI Materiais + MO + Equip + DI Ciclo da laje (dias) Prazo Total Estrutura Prazo SS + Tº + Prazo Tipo (Meses) Mez. (Meses) Prazo ÁFco (Meses) ESTRUTURA CONVENCIONAL MOLDADA IN LOCO R$ 9,762, R$ 7,703, R$ 17,465, SISTEMA DE PRÉ- VIGAS E LAJE ALVEOLAR COM CORE TREPANTE R$ 14,553, R$ 3,822, R$ 18,375, SISTEMA DE PRÉ- VIGAS E LAJE ALVEOLAR COM 3 GRUAS R$ 13,646, R$ 3,572, R$ 17,218, SISTEMA DE PRÉ- VIGAS E PRÉ- LAJE COM CORE AUTO- TREPANTE R$ 14,816, R$ 2,689, R$ 17,505, SISTEMA DE PRÉ- VIGAS E PRÉ- LAJE COM CORE AUTO- TREPANTE R$ 15,083, R$ 2,956, R$ 18,040, LAJE PLANA COM MILLS DECK E CORE TREPANTE R$ 11,616, R$ 7,601, R$ 19,217, LAJE PLANA COM MESA VOADORA E CORE JUNTO DA LAJE R$ 11,158, R$ 6,193, R$ 17,352, LAJE PLANA COM MESA VOADORA E CORE TREPANTE R$ 11,972, R$ 5,489, R$ 17,462, BUBBLEDECK COM CORE AUTO- TREPANTE R$ 14,772, R$ 3,568, R$ 18,340, ESTRUTURA METÁLICA R$ 6,302, R$ 23,829, R$ 30,131, ,

18 NÚMEROS PRATICADOS NO EMPREENDIMENTO VALOR DA MÃO DE OBRA Praticado no mercado R$ 500,00 a R$ 600,00/m³ Contratado no PARQUE DA CIDADE R$ 389,15/m³ 18

19 NÚMEROS PRATICADOS NO EMPREENDIMENTO CUSTO DO CIMBRAMENTO Obra Odebrecht em estrutura convencional R$ 7,42/m³ (excluso painéis de pilares) Contratado no PARQUE DA CIDADE R$ 1,92/m³ (incluso formas metálicas para os pilares) 19

20 CICLOS DA ESTRUTURA C1 Ciclo adotado: Core e extra core : laje alveolar + pilar moldado in loco + vigas pré-moldadas 3 Gruas CICLO TOTAL DE 6 DIAS MANHÃ TARDE D1 D2 D3 D4 D5 D6 MONTAGEM MONT LAJE MONT LAJE ARMAÇÃO PILAR FORMA PILAR CAPEAMENTO VIGA ALVEOLAR ALVEOLAR MONTAGEM MONT LAJE FORMA PILAR CONCRETO PILAR ARMAÇÃO TELA CAPEAMENTO VIGA ALVEOLAR 20

21 SISTEMAS ESTUDADOS EX. DE APLICAÇÃO

22 ESTUDO DE INEFICIÊNCIA DAS GRUAS C1 Grua 1 Grua 2 Grua 3 Ineficiências das sobreposições das gruas 25% por grua sobreposta 1 grua = 1 grua 2 gruas = 1,75 gruas 3 gruas = 2,25 gruas Pilares Posição Grua 1 Grua 2 Grua ineficiência 16% Vigas Posição Grua 1 Grua 2 Grua ineficiência 5% Lajes Posição Grua 1 Grua 2 Grua 3 1 LP20 LP20 LP20 2 LP20 LP20 LP20 3 LP20 LP20 LP20 4 LP20 LP20 LP20 5 LP20 LP20 LP20 6 LP20 LP20 LP20 7 LP20 LP20 LP20 8 LP20 LP20 LP20 9 LP20 LP20 LP20 10 LP20 LP20 LP20 11 LP20 LP20 LP20 12 LP20 LP20 LP20 13 LP20 LP20 LP20 14 LP20 LP20 LP20 15 LP20 LP20 LP20 16 LP20 LP20 LP20 17 LP20 LP20 LP20 18 LP20 LP20 LP20 19 LP20 LP20 LP20 20 LP20 LP20 LP20 21 LP20 LP20 LP20 22 LP20 LP20 LP20 23 LP20 LP20 LP20 24 LP20 LP20 LP20 25 LP20 LP20 LP20 26 LP20 LP20 LP20 27 LP20 LP20 LP20 28 LP20 LP20 LP20 29 LP20 LP20 LP20 30 LP20 LP20 LP20 31 LP20 LP20 LP20 32 LP20 LP20 LP20 33 LP20 LP20 LP20 34 LP20 LP20 LP20 35 LP20 LP20 LP20 36 LP20 LP20 LP20 37 LP20 LP20 LP20 38 LP20 LP20 LP20 39 Pré 40 Pré 41 Pré 42 Pré ineficiência 7%

23 CICLO DE EXECUÇÃO LAJES PRODUTIVIDADE DA LAJE DO PAVIMENTO TIPO DATA DA CONCRETAGEM 15º PAVIMENTO 15/10/ º PAVIMENTO 07/10/2013 DURAÇÃO DO CICLO 6 DIAS 6 DIAS SISTEMA PRÉ VIGA + LAJE ALVEOLAR (TIPOS) 25 CARPINTEIROS x 6 DIAS x 8 HORAS = Hh 1.200Hh/1.840m² FORMA DESENVOLVIDA = 0,65Hh/m² SISTEMA CONVENCIONAL (TIPO) 34 CARPINTEIROS x 9 DIAS x 8 HORAS = Hh 2.400Hh / 2.080m² FORMA DESENVOLVIDA = 1,17 Hh/m²

24 SISTEMAS ESTUDADOS

25 SEG. TRAB. SIST. IÇAMENTO VIGAS

26 DETALHES CONSTRUTIVOS

27 PROTEÇÃO PERIMETRAL

28 SISTEMAS CONSTRUTIVOS LIÇÕES APRENDIDAS INTERFERÊNCIA DAS FERRAGENS DOS PILARES COM AS FERRAGENS DAS VIGAS; PROJETADO INICIALMENTE 1. Montagem dos pilares (armação e viga) 2. Concretagem dos pilares solteiros 3. Instalação das pré vigas 4. Colocação das lajes alveolares SOLUÇÃO ADOTADA: Inversão das atividades 2 e 3 Com esta inversão tem-se maior facilidade em ajustar a posição da armadura dos pilares de modo a permitir a entrada dos ferros da viga, sem grandes transtornos.

29 SISTEMAS CONSTRUTIVOS PISTA DE PRÉ-MOLDADOS

30 BANHEIRO PRONTO

31 VANTAGENS X DESVANTAGENS Racionalização da obra e redução de mão de obra especializada Cronograma de serviço reduzido e maior precisão Gestão de compras e almoxarifado reduzindo 180 itens a um único fornecedor Redução das perdas e consequentemente os resíduos gerados Instalação de até 25 banheiros por dia/ 500 banheiros por mês Controle do processo Teste de 100% dos banheiros em fábrica VANTAGENS Antecipação de compras em relação aos acabamentos do banheiro Necessidade de repetição mínima de banheiros Custo elevado Poucos fornecedores no mercado brasileiro Não viável para obras que não necessitem de velocidade DESVANTAGENS

32 PORQUE UTILIZAR? SERVIÇOS QUE DEIXAMOS DE FAZER Marcação e elevação de vedações Instalação de caixinhas elétricas Passagem de tubulação de hidráulica Impermeabilização Instalação de revestimento Enfiação Instalação de tampos e louças Instalação de metais Instalação de acabamentos SERVIÇOS QUE FAZEMOS Içamento Posicionamento do BP Conexões hidráulicas Instalação de porta OUTROS BENEFÍCIOS Redução de custos indiretos Diminuição do espaço de estoque de materiais no canteiro Redução de efetivo contratado Redução do prazo de obra Obra limpa Redução de volume de resíduos gerados Redução de acidentes de trabalho

33 CUIDADOS Projeto depois BP Projeto antes BP Viga chata Altura suficiente para passagem Viga de do borda módulo Pouca altura para passagem do módulo Projeto concebido para uso BP. Obras industrializadas garantem um nivelamento melhor para o encaixe do sistema. Mock up antes da entrega. Os banheiros são 100% testados. 33

34 FABRICAÇÃO ESTRUTURA EXTERNA Banheiro em drywall Banheiros em concreto armado

35 FABRICAÇÃO INSTALAÇÕES

36 INSTALAÇÃO Colocação do banheiro por plataforma fixa Instalação via elevador cremalheira

37 INSTALAÇÃO

38 VIABILIDADE BANHEIRO PRONTO CONSIDERAÇÕES REDUÇÃO DE CUSTO C1 + C2 Reduções de vol. de resíduo / perdas R$ ,40; TOTAL GERAL (BP) R$ ,32 Redução de energia - R$ ,01 (subida e descida); TOTAL GERAL (CONV) R$ ,16 DIFERENÇA DE 7,1 % Redução de 1,5 meses no prazo de execução R$ ,00 (DI R$ ,00); Redução de C2 C1 - mão - Convencional de obra direta 113 oficiais R$ ,00 C2 C1 (custo -- Banheiro funcionário Pronto obra Odebrecht Alphaville - R$ 666,50). Tempo para subir material (minutos) 4230, ,66 CRITÉRIO CUSTO Tempo ORÇADO Tempo para para subir subir ECONOMIA Banheiro (minutos) GERADA OBSERVAÇÕES Tempo para subir material (hora) Tempo para subir material (hora) 70, ,19 Tempo Tempo para para subir subir Banheiro (hora) (hora) 5117,33 Custo Energia para subir redução em drywall, revestimentos material REDUÇÃO DE PERDAS Redução de 5% para 3% R$ ,00 R$ ,80 cerâmicos, argamassas de assentamento, Custo Energia para subir material R$ 1.309,21 R$ 1.173,37 Custo Custo Energia Energia para para subir subir Banheiro R$ 2.130,63 R$ 724,14 rejuntes Dia Dia Mês Mês Ano Ano Dia Dia Mês Mês Ano C1 + C2 Tempo para subir pessoas 60% dos resíduos gerados foram provenientes (minutos) 164,58 164, , , , ,00 Tempo Tempo para para subir subir pessoas pessoas (minutos) (minutos) 41,67 41,67 REDUÇÃO DO VOLUME DE dos serviços 1.250, ,00 relacionados com ,00 as áreas frias RESÍDUOS redução TOTAL do GERAL número de (BP) caçambas R$ ,00 R$ , ,91 (banheiros e copas) obra Odebrecht Tempo para subir pessoas (hora) 2,74 2,74 82,29 82,29 987,50 987,50 Tempo Tempo para para subir subir pessoas pessoas (hora) (hora) 0,69 0,69 20,83 20,83 Alphaville 250,00 250,00 Custo Energia para subir TOTAL GERAL (CONV) R$ ,16 pessoas Custo Energia para subir pessoas R$ 50,93 R$ 50,93 R$ 1.527,96 R$ 1.527,96 R$ ,51 R$ ,51 Custo Custo Energia Energia para para subir subir pessoas pessoas R$ 12,89 R$ 12,89 R$ 386,83 R$ 386,83 R$ 4.641,90 Total Total Gasto Gasto Energia Energia Convencional Convencional 38 Total Gasto Energia R$ ,71 REDUÇÃO PARCIAL DE 5,30 % Convencional Total Gasto Energia R$ ,87 Convencional R$ R$ 6.772, ,04

39 ANTECIPAÇÃO DE INVESTIMENTOS PREMISSAS ADOTADAS TAXA DE 125% DO CDI; VALOR TOTAL DOS MATERIAIS DE ACABAMENTO ~ R$ ,00; PRAZO TOTAL DE EXECUÇÃO DOS BANHEIROS CONVENCIONAIS 12 MESES; VALOR TOTAL DA ANTECIPAÇÃO - R$ ,00. C1 + C2 TOTAL GERAL COM ANTECIPAÇÃO DE RECURSOS (BP) R$ ,91 TOTAL GERAL (CONV) R$ ,16 ECONOMIA FINAL DE 1,06%

40 Obrigado! Ricardo Francisco Coelho

SUSTENTABILIDADE E INDUSTRIALIZAÇÃO: PORTO ATLÂNTICO LESTE. Edson Kater Diretor de Construção. 25 de Agosto de 2015

SUSTENTABILIDADE E INDUSTRIALIZAÇÃO: PORTO ATLÂNTICO LESTE. Edson Kater Diretor de Construção. 25 de Agosto de 2015 SUSTENTABILIDADE E INDUSTRIALIZAÇÃO: PORTO ATLÂNTICO LESTE Edson Kater Diretor de Construção 25 de Agosto de 2015 Localização Porto Maravilha: uma região em transformação! Masterplan Porto Atlântico Leste

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014

UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014 UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014 DADOS DO EMPREENDIMENTO CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO:

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS

ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS ANÁLISE DE CUSTO-BENEFÍCIO: USO DE ESTRUTURAS DE LAJES ALVEOLARES E ESTRUTURAS DE LAJES NERVURADAS Ernani Alencar Rodrigues 1 Anderson Alves de Oliveira 2 Larissa Maria Argollo de Arruda Falcão 3 RESUMO:

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

Características gerais e viabilidade executiva

Características gerais e viabilidade executiva 1 Laje Bubbledeck Características gerais e viabilidade executiva Ossimar Fernandes Duarte Júnior juniorfd@gmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção Instituto de Pós-Graduação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS DE ENGENHARIA SIMULTÂNEA EM EDIFÍCIOS ESTRUTURADOS EM AÇO. Silvia Scalzo Maria Alice Gonzales

IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS DE ENGENHARIA SIMULTÂNEA EM EDIFÍCIOS ESTRUTURADOS EM AÇO. Silvia Scalzo Maria Alice Gonzales IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS DE ENGENHARIA SIMULTÂNEA EM EDIFÍCIOS ESTRUTURADOS EM AÇO Silvia Scalzo Maria Alice Gonzales 1 INTRODUÇÃO: COMPETITIVIDADE NO SETOR DA CONSTRUÇÃO crescimento da concorrência entre

Leia mais

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto XI Fórum Técnico Gestão do Processo Construtivo Sinduscon-DF, 21 de novembro de 2013 Oportunidades oferecidas

Leia mais

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Aplicação do Concreto Pré-Moldado em Sistemas Construtivos Mistos / Híbridos Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Concreto Pré-Moldado em Sistemas Mistos O benefício da Construção Mista Industrializada

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 ESTRUTURAS METÁLICAS José Alberto Bittencourt Goulart e-mail: betogoulart@yahoo.com.br Maio/2014 Sorocaba/SP Desde o século XVIII, quando se iniciou a utilização de estruturas metálicas na construção

Leia mais

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU RENTAL Fundada em 1952, a Mills tornou-se líder na prestação de serviços e soluções de engenharia nas áreas

Leia mais

Estruturas em concreto armado

Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Lajes e Pilares SOMENTE VIGA DE BORDA Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Pilares

Leia mais

RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do Parcelamento do Solo

RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do Parcelamento do Solo Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo Teoria do Urbanismo II Professora Nirce Saffer Medvedovski RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do

Leia mais

Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos

Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos Soluções Industrializadas em Estruturas de Concreto para Edificações de Múltiplos Pavimentos Seminário Abcic Augusto Guimarães Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Abece "POR QUE NÃO?" Por que não desenvolvermos

Leia mais

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA COM O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO Jahu Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU A Área de Negócio

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de obra

Relatório de Acompanhamento de obra Prezado(a) Sr. Daniel e Maria Carolina, Relatório de Acompanhamento de obra Na etapa que segue, a conclusão da alvenaria do térreo foi o foco dos trabalhos. Toda a parte de estrutura da alvenaria mais

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS INOVADORES E TECNOLÓGICOS

SISTEMAS CONSTRUTIVOS INOVADORES E TECNOLÓGICOS BP BANHEIRO PRONTO TECNOBAGNO SISTEMAS CONSTRUTIVOS INOVADORES E TECNOLÓGICOS Sistemas Construtivos Inovadores e Tecnológicos Qualidade e Versatilidade - Sob medida para cada projeto; - Executado em qualquer

Leia mais

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Aula 8 ESTRUTURAS: FÔRMAS Profs. Fernando Henrique Sabbatini, Francisco Ferreira Cardoso Luiz Sergio Franco

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO 15/4/2014 CURVA DE PROGRESSO FÍSICO PREVISTO X EXECUTADO QUADRO DE EFETIVO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO 15/4/2014 CURVA DE PROGRESSO FÍSICO PREVISTO X EXECUTADO QUADRO DE EFETIVO DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO PREVISTO X EXECUTADO 100% CURVA DE PROGRESSO FÍSICO SERVIÇOS PRELIMINARES MOVIMENTOS DE TERRA / TERRAPLENAGEM INFRAESTRUTURA SUPERESTRUTURA PAREDES E PAINÉIS REVESTIMENTOS

Leia mais

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE

LOGÍSTICA DE OBRAS. Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE LOGÍSTICA DE OBRAS Eng. GUILHERME COELHO DE ANDRADE Integração Sistêmica GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO CONSTRUTIVO NA EMPRESA Parede Controles, Indicadores de desempenho Laje Organização lay-out, fluxo

Leia mais

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço ArtigoTécnico Ygor Dias da Costa Lima 1 Alex Sander Clemente de Souza 2 Silvana De Nardin 2 1 Mestre em Construção Civil pela Pós-Graduação em Construção Civil PPGCiv/UFSCar 2 Prof. Dr. Pós-Graduação em

Leia mais

Na mentalidade da empresa, modernizar é elevar a qualidade dos processos e produtos, consequentemente, aumentar sua competitividade no mercado.

Na mentalidade da empresa, modernizar é elevar a qualidade dos processos e produtos, consequentemente, aumentar sua competitividade no mercado. O Grupo Pedra Norte iniciou suas atividades no ano de 2009, e hoje é uma organização formada pelas unidades de negócio Pedreira Pedra Norte, Usina de Asfalto Pedra Norte, Pedra Norte Concreto e Argamassa

Leia mais

Construção do 2º andar sobre a recepção da AEAARP

Construção do 2º andar sobre a recepção da AEAARP Construção do 2º andar sobre a recepção da AEAARP 2ª Semana de Tecnologia da Construção Abril 2011 1 1-) Premissas Construtivas: 1-1) Manutenção do andar existente 1-2) Executar estruturas de apoio independentes

Leia mais

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto.

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. 1 Escolha do Sistema Construtivo Sistema construtivo com foco nas seguintes características: Alta produtividade Baixo custo de construção Redução

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Terrazas do Atlântico Av. Atlântica, 1726 Cavaleiros

Terrazas do Atlântico Av. Atlântica, 1726 Cavaleiros [IDEA] 1 Este é um breve relatório do andamento das nossas obras, que pretendemos enviar com menor periodicidade, para manter uma posição mais atualizada das nossas operações. Terrazas do Atlântico Av.

Leia mais

Alvenarias de Vedação em Blocos de Concreto e Revestimento Racionalizado

Alvenarias de Vedação em Blocos de Concreto e Revestimento Racionalizado Alvenarias de Vedação em Blocos de Concreto e Revestimento Racionalizado Péricles Augusto Dias Leal Setembro 2011 Mundo Plaza Mundo Plaza Área total do terreno: 17.282 m² Área total construída: 121.208m²

Leia mais

Estruturas mistas de aço e concreto

Estruturas mistas de aço e concreto Estruturas mistas de aço e concreto Eng. Djaniro Álvaro de Souza Gerdau Aços Brasil 56º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO Natal, 08 de Outubro de 2014 Sistema misto de aço e concreto Sistema no qual um

Leia mais

18º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MOSCA DE CONCRETO (INFORMAÇÕES SOBRE O INVENTO)

18º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MOSCA DE CONCRETO (INFORMAÇÕES SOBRE O INVENTO) 18º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (INFORMAÇÕES SOBRE O INVENTO) RECIFE 2011 APRESENTAÇÃO Uma idéia simples, construída em concreto, que tem como objetivo fixar as escoras (mãos francesas)

Leia mais

Características do Sistema

Características do Sistema Características do Sistema O emprego de lajes nervuradas nas estruturas de concreto armado ganhou grande impulso nos últimos anos graças às modernas técnicas construtivas e ao desenvolvimento dos programas

Leia mais

ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO

ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASPECTOS EXECUTIVOS, SURGIMENTO DE ANOMALIAS E QUALIDADE DAS ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO Adrianderson Pereira

Leia mais

Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes.

Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes. Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes. Interessado ARCTEC Arquitetura, Construções e Tecnologia. Rua Boulevard 28 de Setembro, 389, sala 312 Vila Isabel. Rio de Janeiro Junho, 2005. 1 ESCOPO.

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO REZENDE DOS SANTOS 1 - OBJETO:

Leia mais

Cartilha de Equipamentos. Informações para auxiliar na escolha da melhor opção de equipamentos de acesso.

Cartilha de Equipamentos. Informações para auxiliar na escolha da melhor opção de equipamentos de acesso. Cartilha de Informações para auxiliar na escolha da melhor opção de equipamentos de acesso. Sumario 02 Escolhendo o equipamento certo 04 Andaime Fachadeiro 06 Balancim Leve 08 Balancim Elétrico 10 Plataforma

Leia mais

built build to LAJES LITEFORM

built build to LAJES LITEFORM uilt build to LAJES LAJES LITEFORM Lajes_LITEFORM 338 LITEFORM é o novo sistema de escoramento para lajes tradicionais de concreto moldado in loco. Apresenta as vantagens de incrementar a produtividade,

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto Trabalho Final: Marcações e Execuções Racionalizadas em Estruturas de Concreto. COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR

Leia mais

CICLO 2 PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS

CICLO 2 PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS CICLO 2 TUTORIAL: PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS PAREDE DE CONCRETO ALVENARIA ESTRUTURAL ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Marcos Hesketh GMO Engenharia Versão 1

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE MAIO 2012

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE MAIO 2012 RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE MAIO 2012 1 Torre 5: Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO: 100% executado 85% executado - Revestimento fachada; - 95% concluído. - Aplicação de textura. - 55% concluído.

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

As necessidades e desejos dos clientes são interpretadas e definidas Pelo método construtivo Pela busca da padronização Pelo Arquiteto

As necessidades e desejos dos clientes são interpretadas e definidas Pelo método construtivo Pela busca da padronização Pelo Arquiteto O Mercado Atual As necessidades e desejos dos clientes são interpretadas e definidas Pelo método construtivo Pela busca da padronização Pelo Arquiteto Pelo Incorporador e necessidade de alto VGV A valorização

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 Relatório Gerencial Trimestral elaborado por: Leandro Toré de Castro Diretor de Contrato 61 3878 4718 ltcastro@odebrecht.com Thiago Galvão Diretor de Contrato

Leia mais

ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento

ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento ENCUNHAMENTO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO ANÁLISE DE SOLUÇÕES PRÁTICAS Carmo & Calçada COMPONENTES: Amaury Costa Maurício Brayner Paulo Roberto Marques Carmo & Calçada TITULO Soluções Para Encunhamento Entre

Leia mais

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE Esta inovação faz nascer a técnica industrial aplicada a construção no Brasil SISTEMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL A Construção Sustentável Premiere representa uma

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO. O mais elevado estágio de racionalização dos processos construtivos. João Carlos Leonardi. Nível 3

INDUSTRIALIZAÇÃO. O mais elevado estágio de racionalização dos processos construtivos. João Carlos Leonardi. Nível 3 INDUSTRIALIZAÇÃO O mais elevado estágio de racionalização dos processos construtivos João Carlos Leonardi Nível 3 Nível 3 LEONARDI Construção Industrializada LEONARDI Construção Industrializada Ltda. Inicio

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, Brasil, 20 de Agosto de 2014 Alberto Huet Morais de Arruda

Leia mais

DISCIPLINA TECNOLOGIA DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS

DISCIPLINA TECNOLOGIA DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS DISCIPLINA TECNOLOGIA DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS 1 Ementa Processos, tecnologias e elementos construtivos. Modulação. Exigências funcionais e exigências e especificações de desempenho. Pré-fabricação. Sistemas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra.

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. O sistema industrializado de Lajes Mistas Nervuradas da Tuper é composto por vigotas metálicas fabricadas com aço estrutural galvanizado

Leia mais

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Seminário: Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Carlos Chaves LOG Gestão de Obras O Sistema Paredes de concreto moldadas no local Um sistema racionalizado. Racionalização: Simplificação

Leia mais

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço Contribuição técnica nº 2: Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados Autores: Eng. M.Sc. Ygor Dias da Costa Lima Prof. Dr. Alex Sander C. de Souza Contato: alex@ufscar.br 1 Análise

Leia mais

ENGENHEIRO CIVIL COORDENADOR DE OBRAS - ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ENGENHEIRO CIVIL COORDENADOR DE OBRAS - ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ALEX SANDRO BORGES RODRIGUES ZAPAROLLI Brasileiro 35 anos Casado - Natural: Rio Grande Rio Grande do Sul Rua Capitão Tenente Maris de Barros, nº 313, torre: B, apto 202 Portão - Curitiba - PR Fones: (41)

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CONSTRUÇÃO DE ESCRITÓRIO EM ARIQUEMES/RO.

PROJETO BÁSICO DE CONSTRUÇÃO DE ESCRITÓRIO EM ARIQUEMES/RO. UNID. QUANT. UNITÁRIO TOTAL CÓD. DEOSP 1. SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 1.2 Aquisição e assentamento de placas de obras pronta de 3,00 x 2,00 m, conforme modelo. Barracão de obra em chapa de madeira compensada

Leia mais

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S Próprio (kn/m 2 ) M. Inércia Laje Mista ( 6 mm 4 /m) Vãos Máimos sem Carga sobreposta 2.000 Vãos Máimos 2.0 2.0 2.400 Triplos Balanço

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002 XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002 Estruturas Metálicas Compactas de 69 kv em Perímetro Urbano Vantagens Técnico- Econômicas C. A. R. Homrich AES Sul E-mail: claiton.homrich@aes.com

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Direitos e Deveres. Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010. Eng. Flávio Renato P. Capuruço

Direitos e Deveres. Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010. Eng. Flávio Renato P. Capuruço : Direitos e Deveres Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010 Eng. Flávio Renato P. Capuruço Sistemas Construtivos: Comparativo 1 Alguns fatos motivadores da discussão: Na Aquisição: Compras efetuadas apenas

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL: PROJETO E RACIONALIZAÇÃO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? PREDIO COM

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 STEEL FRAMING: COMPARATIVO DE CUSTOS E AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE UBERABA Jéssica Cristina Barboza 1 ; Amanda Bernardes Ribeiro 2 ; Cássia Fernanda Borges da Silva 3 ; Pedro

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

c o m o c o n s t r u i r

c o m o c o n s t r u i r c o m o c o n s t r u i r Leandro Amadio engenheiro civil, diretor técnico Tecnobagno Construção de Banheiros e-mail: banheiropronto@uol.com.br Instalação de banheiros prontos conceito atual de construção

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

MARACANÃ 2014. Acompanhamento das obras do Maracanã. 23.08.2012 Ícaro Moreno Júnior

MARACANÃ 2014. Acompanhamento das obras do Maracanã. 23.08.2012 Ícaro Moreno Júnior MARACANÃ 2014 Acompanhamento das obras do Maracanã 23.08.2012 Ícaro Moreno Júnior MARACANÃ 2014 O PROJETO CORTE OESTE C A CORTE NORTE A C CORTE LESTE 5º PAVIMENTO CAMPO A EXISTENTE C NOVO 2010 Janeiro

Leia mais

1. DADOS DO EMPREENDIMENTO 2. PROJETISTAS/PARCEIROS 3.1 DETALHES DE EXECUÇÃO 4. ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE 7. ANÁLISE FINANCEIRA

1. DADOS DO EMPREENDIMENTO 2. PROJETISTAS/PARCEIROS 3.1 DETALHES DE EXECUÇÃO 4. ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE 7. ANÁLISE FINANCEIRA RS OBJETIVO Demonstrar as características do Sistema Construtivo de paredes de concreto com forma de Alumínio, pontuando as vantagens e desvantagens desse método de construção. ÍNDICE 1. DADOS DO EMPREENDIMENTO

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Dentre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 2 Histórico Tecnologia anterior

Leia mais

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D 3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D Com finalidade de avaliar alguns aspectos da metodologia BIM e algumas das ferramentas computacionais envolvidas, buscou-se um projeto de engenharia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2)

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2) 02/07/22 12/12/22 Versão MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL NERIÁ Rua A.J. Renner, 1.390 Estância Velha Canoas / RS Arquivo: P:\SGQ\Registros\ e Desenvolvimento\0-RE.PRO.023 - Memorial Descritivo V.\Residencial

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

Rio Formas. Formas metálicas para concreto. w w w. r i o f o r m a s. c o m. b r

Rio Formas. Formas metálicas para concreto. w w w. r i o f o r m a s. c o m. b r Rio Formas Formas metálicas para concreto w w w. r i o f o r m a s. c o m. b r Quem Somos A Rio Formas, empresa especializada na fabricação de formas metálicas e pontaletes, possui a finalidade de introduzir

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

ÍNDICE. ... 26 5.3.2.2.Qualidade do Ar... 27 5.3.2.3.Nível de Ruído... 28

ÍNDICE. ... 26 5.3.2.2.Qualidade do Ar... 27 5.3.2.3.Nível de Ruído... 28 ÍNDICE I 1.APRESENTAÇÃO... 1 2.IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR, CONSTRUTOR E CONSULTORES...... 3 2.1.Empreendedor... 3 2.2.Construtor... 3 2.3.Consultorias Ambientais... 3 3.EQUIPE TÉCNICA... 4 3.1.Coordenadores...

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

Implantação e Resultados do BIM CCDI Carlos Cabral Salles Leandro Duarte Marveis

Implantação e Resultados do BIM CCDI Carlos Cabral Salles Leandro Duarte Marveis Implantação e Resultados do BIM CCDI Carlos Cabral Salles Leandro Duarte Marveis Agenda 1 2 3 4 A Empresa Desafio Fases do Processo Sistema Integrado de Gestão de Projetos 5 Hoje na CCDI 6 Conclusão A

Leia mais

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker Projeto para Pavimentação de Calçamento de Pedra Irregular da Rua Cândida Correa Becker dos Trechos Esquina Modesto Vargas até Manoel Schumacker MONTE CARLO SC Janeiro de 2014 Proprietário: PREFEITURA

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social INTRODUÇÃO Reportagem de julho/2011 do Estado de São Paulo afirma que das 1 milhão de residências do Programa Minha Casa, Minha

Leia mais

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO A) FUNDAÇÕES 1.0 ESTACA BROCA Executada por perfuração com trado e posterior concretagem, sobre as estacas

Leia mais

! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA !!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA' DRYWALL' PORTAS' !!!!!!!!!!!! !!! ! 1!

! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA !!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA' DRYWALL' PORTAS' !!!!!!!!!!!! !!! ! 1! ! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA'!!! DRYWALL' E'' PORTAS'! 1! !!! SUMÁRIO!!! PAREDES!DRYWALL! 1. 'FABRICANTE:'KNAUF 1. 1 PAREDE

Leia mais

maxplaza O novo destino de Canoas.

maxplaza O novo destino de Canoas. visite o plantão de vendas e o apto. decorado Av. Getúlio Vargas, 4.831 - Canoas. Incorporação e construção: maxplaza O novo destino de Canoas. As unidades serão comercializadas apenas após o registro

Leia mais

LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA

LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA 1. DEFINIÇÃO A Laje Alveolar é constituída de painéis de concreto protendido que possuem seção transversal com altura constante e alvéolos longitudinais, responsáveis pela redução

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil Suenne Andressa Correia Pinho (UPE) - suenne_correia@hotmail.com Alberto Casado Lordsleem Jr.

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Construção Institucional Sede Administrativa Proprietário: FENACLUBES Federação Nacional dos Clubes Esportivos Endereço da Obra: Rua Açaí 540 Jardim

Leia mais

grandes responsáveis pelas reclamações dos trabalhadores, são substituídas por estes materiais ou mesmo eliminadas.

grandes responsáveis pelas reclamações dos trabalhadores, são substituídas por estes materiais ou mesmo eliminadas. 291 8. CONCLUSÃO A hipótese desta pesquisa - A deficiência de tecnologia empregada no escoramento e formagem de lajes durante a montagem e desmontagem, acarreta acidentes, lesões e lombalgias dos trabalhadores

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

Manual Descritivo para Construção do ASBC

Manual Descritivo para Construção do ASBC Manual descritivo para construção do ASBC 1 Felipe Marques Santos Manual Descritivo para Construção do ASBC (Aquecedor Solar de Baixo Custo) Coordenador: Prof. Dr. Rogério Gomes de Oliveira 2 Manual descritivo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais