COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO"

Transcrição

1 ABEU - CENTRO UNIVERSITÁRIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CÓDIGO INEP - IES CÓDIGO INEP MANT RELATÓRIO PARCIAL 2011

2 2 SUMÁRIO I INTRODUÇÂO 1.1 Dados da Instituição 1.2 Considerações Iniciais 1.3 Histórico da Instituição 1.4 Princípios Norteadores da Avaliação 1.5 Abordagem Teórico-Metodológica II DESENVOLVIMENTO III CONSIDERAÇÕES FINAIS IV REFERÊNCIAS BIBLIOGRÀFICAS ANEXOS

3 3 INTRODUÇÃO 1.1 Dados da Instituição ABEU Centro Universitário - UNIABEU Caracterização da IES: Instituição Privada sem fins lucrativos Estado: Rio de Janeiro Município: Belford Roxo Composição da Comissão Própria de Avaliação Segmento Membro Coordenador Marcelo Mariano Mazzi Secretária Perla Cristina da Costa Santo Michele Melo Gilvam Oliveira Técnico-administrativo Eduardo Marazo Juliana Rosa Pimentel Perla Cristina da Costa Santo Docente Marcelo Mariano Mazzi Discente Dáurio Douglas dos Santos Silveira Sociedade Civil Jonas Mendonça Período de mandato da CPA: 2 anos Ato de designação da CPA: Portaria da Reitoria n.56, de 04 de maio de 2004.

4 4 1.2 Considerações Iniciais Este relatório parcial apresenta os resultados da avaliação com a comunidade acadêmica no período Este seguirá as orientações gerais do roteiro de autoavaliação proposto pelo SINAES. Nos relatórios anteriores, a comissão buscou observar as propostas indicadas e realizadas pela IES, constantes no PDI Findo este período, a comissão, neste relatório, buscará resgatar os temas e dimensões propostos e indicados, para o período subsequente. Apresentará os resultados da pesquisa realizada no ano de 2011 e as mudanças ocorridas na IES. Ao desenvolver o trabalho, a comissão buscou consolidar as necessárias convergências, em relação a uma concepção da avaliação como processo, que efetivamente vincule a dimensão formativa a um projeto de sociedade comprometido com a igualdade e a justiça social. A comissão para o ano de 2011 não renovou seus membros. A metodologia implementada nesta pesquisa, busca privilegiar os aspectos qualitativos, mais do que os quantitativos. A comissão compreende que um processo de avaliação é sempre controvertido e complexo. Entretanto, acredita-se que este relatório parcial de avaliação do Centro Universitário UNIABEU possa servir como referência, para a IES resolver, em parte, suas dificuldades. 1.3 Histórico da Instituição Documento enviado pela IES à CPA e transcrito na íntegra. Os primeiros passos do atual Centro Universitário UNIABEU teve sua origem na década de 50 com a criação do Ginásio Belford Roxo, no então 4º distrito de Belford Roxo, Município de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense RJ. Com a criação, em 1964, do curso Técnico de Contabilidade, passou a denominar se Colégio Belford Roxo. A Instituição foi sempre incentivada pela população na busca pela melhor formação para seus filhos e, consequentemente, de mais amplas oportunidades de emprego no mercado de trabalho, local e regional.

5 5 Com a implantação de outros cursos técnicos, o estabelecimento educacional passou a ser denominado Escola Técnica Belford Roxo oferecendo, além do curso Técnico de Contabilidade, os seguintes cursos: Patologia Clínica, Química, Administração, Eletrônica e Eletrotécnica. O sucesso de cada um desses cursos está na ênfase dos aspectos práticos da aprendizagem, sem obviamente negligenciar os conhecimentos teóricos inerentes a cada uma dessas áreas de conhecimento. Com a expansão, o pionerismo da interiorizarão e o oferecimento do ensino profissionalizante na Baixada Fluminense, a Instituição criou um Centro Tecnológico, no Município de Nova Iguaçu, com o propósito de abrigar o ensino técnico e laboratórios, passando a comunidade local e regional a ter, nos cursos da Instituição, diferentes caminhos abertos ao futuro. Atualmente, mantém, além das ofertas iniciais, os seguintes cursos: Propaganda e Marketing, Informática, Propaganda WEB, Automação, Meio Ambiente, Enfermagem e Telecomunicações. Respaldada pela comunidade, a ABEU ingressou no Ensino Superior em 1972, com os cursos de Administração de Empresas e Ciências Contábeis, ambos em funcionamento em sua sede, hoje Município de Belford Roxo, estado do Rio de Janeiro. No ano de 1984, a ABEU passou a manter na Ilha do Governador, município do Rio de Janeiro, a Faculdade de Educação (Campus 3) com os cursos de Pedagogia e de Formação de Professores. Em 1986, para prestar uma homenagem à localidade que tão bem recebeu a instituição, a então unidade de ensino, passou a denominar-se Faculdade da Ilha. No entanto, a partir de 2001, em função das metas propostas pela IES, ocorreu sua descontinuidade. Dando prosseguimento ao processo de expansão a que se propôs a Instituição, a ABEU implantou no município de Nilópolis, o curso de Tecnologia em Informática. Posteriormente, a instituição foi estruturada para Faculdades Integradas. Com uma trajetória de conquistas e realizações ao longo de décadas, a ABEU, em mais um projeto de pioneirismo, implantou em 1998, no município de Angra dos Reis RJ, a primeira Faculdade da região, com o curso de Administração. Posteriormente implantou o curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Ao longo de seu quase meio século de existência, educando e formando profissionais de liderança, reconhecidos pelas empresas, que buscam não apenas profissionais com boa formação, mas verdadeiros empreendedores com experiência e vida acadêmica ativa, a instituição incorpora a experiência e a visão, no campo educacional, de seu fundador, que continua à frente de sua administração. Conquistou,

6 6 em maio de 2002, um marco no sistema educacional superior, quando foi elevada a Centro Universitário UNIABEU, com sede no município de Belford Roxo, e unidades acadêmicas nos municípios de Nilópolis, Nova Iguaçu, Angra dos Reis e Rio de Janeiro. A UNIABEU não tem parado de crescer, pois a instituição apostou na visão moderna de capacitação profissional, investindo, cada vez mais, na diversificação de cursos, qualificação do seu quadro docente e na ampliação de suas estruturas física, administrativa e pedagógica. Desta forma, tem participado da história econômica e social das regiões onde está inserida. Assim, a Instituição tem procurado cumprir a sua missão de Melhorar a vida das pessoas através da Educação. Campus Sede Belford Roxo Administração Ciências Contábeis Educação Física Fisioterapia Enfermagem Serviço Social Farmácia Psicologia Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Tecnologia em Logística Campus Nilópolis Letras História Matemática Direito Pedagogia Campus Nova Iguaçu Administração Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Redes de Computadores

7 7 Campus Angra dos Reis Administração Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.4 Princípios Norteadores da Avaliação Institucional - Oferecer à instituição informações capazes de contribuir para o cumprimento de sua missão; - Promover a cultura de Avaliação de forma a desenvolver as competências dos sujeitos que integram a comunidade acadêmica; - Fornecer à sociedade uma análise crítica e contínua da eficiência e eficácia dos serviços prestados pela instituição; - Utilizar métodos qualitativos e quantitativos no processo de avaliação; - Ser contínua e organizada em ciclos anuais/semestrais; - Ter como referência do processo de autoavaliação o PDI. 1.5 Abordagem Teórico-Metodológica Em um processo da avaliação, busca-se identificar os elementos presentes em uma dada realidade. No nosso caso, o desafio é descrever, analisar e identificar a qualidade do funcionamento dos diversos serviços e produtos que a IES desenvolve e oferece à comunidade de Belford Roxo e adjacências. Para conhecer o que existe nesta realidade, torna-se primordial um processo de avaliação que, entre outros fatores, delimite claramente a metodologia que será utilizada. Portanto, a avaliação deverá contemplar os diversos aspectos qualitativos e quantitativos. Entretanto, a fundamentação teórica da metodologia e a escolha dos instrumentos são elementos estruturais para dar ao trabalho da CPA credibilidade e fidedignidade. Neste sentido, cabe conceituar a avaliação como uma ação capaz de decodificar os conflitos visando ao entendimento da cultura institucional e da prática dos agentes que o serviço ou programa envolve. A partir desta perspectiva, pretende-se desenvolver um processo que privilegie a questão qualitativa da avaliação dos serviços e projetos da IES. Desta forma, um dos conceitos fundamentais da proposta de uma metodologia qualitativa para a avaliação dos serviços e ações que a IES implementa é o de totalidade. Portanto, a unidade para análise é a totalidade que o serviço representa. Quando lançamos mão do conceito de totalidade, vamos além das descrições e dos mecanismos que interferem na produção do fenômeno e procuramos analisar as

8 8 conexões existentes entre os elementos que o determinam. Portanto, enquanto unidade de análise, não o serviço em si, mas a atuação do serviço corresponde à rede de relações internas e externas, vivências, estruturas e processos que constituem aquela prática institucional. A categoria atuação do serviço retém não somente a base empírica das ações, mas também contempla as relações que fundam a estrutura do serviço, seus processos e ainda inclui o conjunto de representações articuladas pelos atores sociais sobre esta ação. (Deslandes:2006:4). Não se pretende utilizar uma proposta metodológica da análise dialética das organizações. Contudo, pretende-se uma apropriação de algumas etapas presentes na análise dialética das organizações. Portanto, pretende-se uma caracterização do que emerge do conjunto de dados empíricos, como o primeiro nível da atuação do serviço. Atuação entendida como atendimento. Também buscaremos compreender as relações que alicerçam e constituem a atuação do serviço e programa. Estas se relacionam à estrutura do serviço: organização formal, definição de objetivos organizacionais, estrutura hierárquica, mecanismos de autopreservação (alocação de recursos, recrutamento e treinamento de novos membros). Por fim, analisar as principais contradições existentes na atuação. Aquelas que correspondem aos hiatos entre o discurso e a prática.

9 9 II DESENVOLVIMENTO 2.1 DIMENSÃO I A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL a) Missão, finalidade, objetivos e compromissos da instituição, explicitados em documentos oficiais. A missão da UNIABEU: MELHORAR A VIIDA DASS PPESSSSOASS ATRAVÉSS DA EDUCAÇÃO FFi innaal liddaaddeess ee oobbj jeet tivvooss Promover o desenvolvimento social, cultural e científico da comunidade do estado do Rio de Janeiro. Formar profissionalmente o homem em diferentes carreiras exigidas pela sociedade. Propiciar ao educando condições para a sua participação no processo de aprendizagem, com toda sua potencialidade. Promover de forma harmônica os valores humanos, com a efetiva participação de todos os cidadãos na busca do bem comum e na construção de uma sociedade livre, justa e solidária. Promover e manter a atitude científica, o desenvolvimento da criatividade, a análise e crítica da realidade, num ambiente de liberdade, responsabilidade e respeito aos princípios da justiça e da verdade. Criar, promover, desenvolver e disseminar a cultura, preservando seus valores e facilitando o acesso aos bens comuns. Interagir com a sociedade, num sistema aberto, voltado aos anseios e necessidades da região e do tempo, assumindo, como missão essencial, os serviços de extensão universitária, especialmente aos mais carentes, visando à promoção humana e à realimentação do processo de formação superior. Garantir a indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão nas diversas áreas do conhecimento, comprometidos com a cidadania e a socialização do saber. Estabelecer parcerias solidárias com a comunidade na busca de soluções coletivas e na construção de uma sociedade democrática, plural e ética. Promover a inclusão social e étnica, respeitando a diversidade cultural.

10 10 Contribuir para o desenvolvimento local, regional e nacional, visando à melhoria da qualidade de vida da sociedade, com a busca da erradicação das desigualdades sociais e a utilização de tecnologias ecologicamente orientadas. Estimular, promover e manter a atitude científica de seu corpo docente e discente; Fomentar e prover de recursos as atividades de ensino, de pesquisa e de extensão, no âmbito da instituição. O compromisso da IES, descrito no PDI, anuncia o seu comprometimento com a comunidade à qual pertence. A UNIABEU participa de um processo inclusivo, se predispondo, sobretudo, a considerar e respeitar as diferenças individuais, criando possibilidades de crescimento profissional para a população local. As oportunidades de capacitação, acessibilidade e participação contínua, no âmago da relação instituição e comunidade, estão evidenciadas no conceito de responsabilidade social. Embutida nesta questão considera-se a construção de um plano de desenvolvimento envolvendo, necessariamente, as ideias provenientes da comunidade socioescolar buscando um equilíbrio entre expectativas, necessidades e possibilidades para o desenvolvimento de ações e medidas que contribuam para a melhoria da qualidade de vida da comunidade. Dentre os princípios da inclusão descritos no PDI, apontamos: valorização da diversidade humana, igual importância das minorias, direito de pertencer, celebração das diferenças, solidariedade humanitária, cidadania com qualidade de vida e acessibilidade global. b) Concretização das práticas pedagógicas e administrativas e suas relações com os objetivos centrais da instituição. Sobre a concretização das práticas pedagógicas e suas relações com os objetivos da IES, a comissão observou que estão explicitados no PDI e coerentes com o formato administrativo. Neste sentido, podemos destacar, por exemplo, o seguinte objetivo citado no PDI: implementar projetos pedagógicos voltados para transmissão e construção de conhecimentos significativos e relevantes para o mercado de trabalho e para a sociedade, de modo a formar profissionais tecnicamente competentes, éticos, conscientes e críticos, capazes de intervir no processo de desenvolvimento social. Para realizar este processo, encontramos, por exemplo, no PDI, a forma como os conteúdos são estruturados. Assim, diante da visão de formação de habilidades e competências como quebra do paradigma do ensino centrado no professor, os conteúdos ministrados

11 11 pelas diferentes áreas do saber, mais especificamente por disciplina, nos cursos superiores da UNIABEU, são estruturados de forma coerente, atendendo às demandas atuais, sejam de ordem social, sejam de ordem profissional, proporcionando uma sólida formação básica e uma formação profissional fundamentada na competência teóricoprática, eixos fundamentais na formação do profissional. A realização deste processo se concretiza através das coordenações de curso, em especial, dos colegiados de curso com a efetiva participação dos docentes na avaliação dos currículos e programas de cada disciplina, considerando: adequação, atualização, pertinência quanto ao perfil do egresso, vínculo com as Diretrizes Curriculares Nacionais e demandas sociais. c) Características do PDI e suas relações com o contexto social e econômico. O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI foi resultado de profundas discussões realizadas entre os diversos setores que compõem a UNIABEU. Foi construído a partir da identificação de nossa realidade, tomando como base os últimos 5 anos de experiências e vivências acumuladas nos espaços intra e extramuros da instituição. O documento foi elaborado com o objetivo de retratar um planejamento e ações capazes de enfrentar as diversas situações da comunidade acadêmica. Foram formadas comissões que tiveram como orientação realizar discussões com os agentes internos e externos visando coletar dados, críticas e sugestões, ampliando, ao máximo, o número de sujeitos direta ou indiretamente envolvidos no processo de desenvolvimento do Centro Universitário. Sobre o contexto social e econômico, a comissão observou que a IES tem íntima relação com comunidade do entorno, tendo colaborado com o processo de desenvolvimento social da região. Em seu processo histórico podemos enunciar sua contribuição regional. A IES atualmente gera 700 empregos diretos e com certeza um número significativo de empregos indiretos. Em sua maioria, professores e funcionários técnicos administrativos. Como instituição de ensino, contribui com a formação de lideranças locais e nacionais. Já formou mais de profissionais nas diversas áreas de conhecimento. Mantém diversos programas de responsabilidade social em parceria com empresas da cidade de Belford Roxo e adjacências. d) Articulação entre o PDI e o PPI. O PDI apresenta o planejamento da IES e as formas de atingimento de metas, para a plena execução do Projeto Pedagógico Institucional. Quando analisamos o PDI e buscamos sua articulação com o Projeto Político Pedagógico, encontramos coerência e

12 12 equilíbrio. O PDI é um documento com características temporais e o PPI estrutura princípios de bases filosóficas da IES. A comissão observou que a instituição tem uma arquitetura e planejamento que busca equilibrar as possibilidades financeiras com políticas de ensino, pesquisa, extensão e pós-graduação. Neste sentido, podemos citar, como exemplo, que no PPI encontramos a importância da formação continuada, que se harmoniza com o PDI, quando este apresenta as formas de expansão da Pós-graduação. Assim, analisando os cronogramas presentes no PDI, vimos, não somente em relação ao exemplo citado, mas também, sobre a gestão acadêmica, que a IES procura para cada necessidade apresentar um planejamento visando à sua realização. e) Perfil dos egressos. O PDI apresenta o perfil do Egresso. Este é formado para priorizar a valorização do ser humano como integrante de uma sociedade constituída e organizada, a partir da implementação de novos conhecimentos técnicos, culturais e científicos, bem como princípios éticos, morais e profissionais e para ser agente disseminador desses conhecimentos perante a comunidade. O egresso da UNIABEU tem um perfil caracterizado por: formação humanística, de modo a torná-lo mais participativo na vida comunitária com vistas a atender necessidades da sociedade, analisando seus problemas e propondo soluções; formação multidisciplinar e complementar básica, permitindo-lhe uma visão dinâmica e empreendedora, possibilitando o desenvolvimento de suas habilidades pessoais e profissionais para uma melhor compreensão do mundo e da sociedade; formação tecnológica, permitindo-lhe o conhecimento das diversas tecnologias de sua área, dando-lhe subsídios para atuar de forma ágil na solução de problemas inerentes ao seu campo de atuação; aptidão para o aprofundamento de seus estudos, de forma pessoal ou em nível de pós-graduação, possibilitando seu desenvolvimento e crescimento profissional. O nível de empregabilidade dos egressos, em especial, na Baixada Fluminense é significativo, o que demonstra a participação da IES na melhoria dos serviços prestados pelas entidades públicas e privadas da região.

13 DIMENSÃO II A POLÍTICA PARA O ENSINO, A PESQUISA, A PÓS- GRADUAÇÃO, A EXTENSÃO E AS RESPECTIVAS NORMAS DE OPERACIONALIZAÇÃO, INCLUÍDOS OS PROCEDIMENTOS PARA ESTÍMULO A PRODUÇÃO ACADÊMICA, AS BOLSAS DE PESQUISA, DE MONITORIA E DEMAIS MODALIDADES ENSINO Quanto à concepção dos currículos, estes são elaborados a partir das Diretrizes Curriculares Nacionais, das necessidades regionais e do perfil do egresso. De acordo com o PDI, os currículos apresentam uma abordagem interdisciplinar, que é relevante para o entendimento das questões globais. Portanto, a metodologia deve buscar, não somente a valorização dos conhecimentos existentes, mas também a pesquisa dos conhecimentos adquiridos pelos futuros egressos, visando produzir saberes que privilegiem conteúdos novos e adequados às necessidades das comunidades, reunindo elementos que possibilitem o desenvolvimento de habilidades e de valores relevantes para a prática cotidiana, prevendo, desse modo, procedimentos que criem condições de atingir os objetivos traçados a partir de eixos norteadores: a. as expectativas da comunidade e o planejamento participativo; b. a valorização dos conhecimentos locais e o diálogo intercultural; c. o ensino pela pesquisa. Sobre a organização didático-pedagógica da IES, encontramos no GUIA DA AÇÃO DOCENTE a fundamentação teórica, as estratégias, as questões conceituais sobre o processo de avaliação e as orientações para a prática docente. O papel do professor na UNIABEU é fator a ser destacado na instituição. Este documento descreve as estratégias para a aprendizagem e as habilidades técnicas de ensino. No que marca o processo de avaliação, o guia destaca pontos fundamentais. Neste sentido, o processo de avaliação é pensado, planejado e realizado de forma coerente com os objetivos propostos para a aprendizagem. Sobre as políticas de ensino, no PDI encontramos questões metodológicas importantes. Os conteúdos ministrados nos diferentes cursos superiores ofertados pela UNIABEU são selecionados a partir da identificação das necessidades apresentadas pelos agentes envolvidos no processo ensino-aprendizagem, tomando por parâmetros as

14 14 inovações técnicas e tecnológicas no conhecimento humano como um todo, e em cada área em particular, as interações vivenciadas dentro da instituição e a relação desta com as comunidades do entorno e o mundo do trabalho. Dessa forma, as diretrizes metodológicas devem estar voltadas, necessariamente, para facilitar todo o processo de interação entre todos os segmentos. São princípios metodológicos da UNIABEU: estruturar estratégias de ensino que privilegiem a aprendizagem pela descoberta e investigação dos fenômenos sociais; estimular o aluno a desenvolver estudos complementares aos conhecimentos ministrados em sala de aula; propor atividades de interação entre os alunos, a sociedade e o mundo do trabalho; utilizar diferentes metodologias de ensino, buscando atender, na medida do possível, as individualidades dos alunos; ministrar os conteúdos selecionados de forma a deixar clara a relevância dos mesmos no processo de formação do aluno; utilizar recursos didático-pedagógicos que estimulem a aprendizagem, tornando o processo de assimilação e construção de conhecimentos mais prazeroso; priorizar as estratégias de interação entre o professor e os alunos, estimulando o livre debate e a discussão acadêmica, em substituição às aulas totalmente expositivas. Os planos de ensino estão coerentes com o currículo e são elaborados e atualizados no início de cada semestre letivo. A IES mantém permanente PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DOCENTE, que tem como objetivo promover o aperfeiçoamento contínuo das habilidades pedagógicas dos docentes. Outro fator importante a ser destacado é o papel do Centro de Apoio Psicopedagógico (CAPSI), que atua junto aos alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem. Como também possui um programa de nivelamento discente (PRONID), em especial, para ingressantes. No PDI e PPI encontramos as diretrizes do processo de avaliação. A avaliação da aprendizagem tem se apresentado como a principal ferramenta do processo ensinoaprendizagem na UNIABEU. A IES utiliza a avaliação para orientar suas decisões no processo pedagógico no que se refere a aprendizagem significativa. De acordo com o

15 15 PPI, pensar na avaliação da aprendizagem na educação superior significa perceber que esta se encontra implícita na formação do estudante e que deve ser coerente com os objetivos desta formação, tendo como pano de fundo, os aspectos social e profissional. Neste sentido, cabe apontar alguns princípios do real papel da avaliação indicados nos documentos: -- O processo de avaliação está relacionado com o processo de aprendizagem; -- O processo de avaliação deve ser pensado, planejado e realizado de forma coerente e consequente com os objetivos propostos para a aprendizagem; -- O processo de avaliação, para acompanhar o processo de aprendizagem, é contínuo; -- A avaliação, como um processo contínuo, permite um contínuo reiniciar do processo de aprendizagem, até atingir os objetivos finais. -- O processo de avaliação deverá incidir também sobre o desempenho do professor e a adequação do plano. -- Em todo processo de avaliação requer-se uma capacidade de observação e de registro por parte do professor e, se possível, por parte do aluno. Sobre o processo de avaliação institucional, a IES criou a CPAI (Comissão Própria de Avaliação Institucional) que busca conhecer os diversos aspectos da IES. No entanto, volta-se para questões específicas da Instituição e compartilha com a CPA informações sobre algumas das dimensões indicadas pelo SINEAS. Evidentemente a avaliação realizada pela CPA, atende a um conjunto de maior abrangência e dimensão. Podemos afirmar, que os pontos coincidentes referem-se às dimensões II, III, IV, VI e VIII. Portanto, por exemplo, a dimensão X que trata a sustentabilidade da IES é campo específico da CPA Pesquisa Nesta dimensão é importante destacar a fase de superação da IES. A política de pesquisa na UNIABEU, até meados de 2008, pretendia gerar a qualificação do ambiente acadêmico e profissional. A partir do segundo semestre de 2008, a pesquisa assumiu novos rumos com a criação do PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA E EXTENSÃO (PROAPE) (anexo 1). Este programa consistia em oferecer bolsas para docentes (mestres e doutores) que apresentassem projetos de pesquisa e extensão (anexo 2) e fossem aprovados pela Comitê de Pesquisa da UNIABEU. Posteriormente, a IES criou

16 16 o PROGRAMA DE BOLSAS INSTITUCIONAIS (PROBIN) que também oferece bolsas, para projetos de pesquisa e extensão. Com a criação deste, o PROAPE passou a oferecer bolsas somente para projetos de pesquisa (PROAP) e para doutores. O processo de avaliação e aprovação passou a ser realizado externamente pela FUNADESP (Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular). A comissão conclui que a pesquisa na UNIABEU, atualmente, é uma realidade, pois, até a criação dos programas de pesquisa, possuía a condição de ato educativo, em que as ações dos professores levavam os alunos a produzir novos conhecimentos, a partir de ações sistematizadas com apoio e orientação. Esta questão continua presente no processo formativo. No entanto, o sentido da pesquisa na IES modifica-se com os programas. Neste sentido, parece-nos que uma nova visão se desenvolveu. Sabe-se que a região não possui vocação para pesquisa. Inobstante, com os programas, uma nova percepção tem se desenvolvido e em especial no meio discente, pois os projetos aprovados contemplam alunos bolsistas. A primeira questão e mais relevante dos programas refere-se à qualificação docente e discente. É notório o crescente aumento quantitativo e qualitativo do número de publicações do corpo docente da IES. Outro fator é a divulgação junto à comunidade científica dos trabalhos de pesquisa e extensão, através das revistas científicas da IES. Os temas das pesquisas são muito atuais e alguns tratam diretamente os principais problemas regionais. A promoção de seminários de pesquisa, que antes eram esporádicos, atualmente pertencem ao calendário da IES. É fato que, com a pesquisa, a IES passou a fazer parte de um novo universo acadêmico. Para o ano de 2012, a IES pretende implantar seu PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFCA. Neste sentido, até então, as ações eram bastante tímidas, necessitando rapidamente da sua implantação. Existem cinco revistas científicas regulares na IES. Sendo que a revista de Pósgraduação está em fase de construção. No entanto, sua estrutura encontra-se no site da UNIABEU. Destaque para as Revista da UNIABEU e E-SCRITA, que encontram-se indexadas no QUALIS/CAPES.

17 17 Recôncavo: Revista de História da UNIABEU A Revista do curso de História da UNIABEU, ISSN , é um periódico eletrônico semestral que visa à publicação de artigos inéditos sobre estudos baseados em diversas matrizes historiográficas, tais como: História Social, Cultural, Política, Demográfica, Econômica e Regional, articulados em um amplo diálogo com as demais ciências sociais (Filosofia, Antropologia e Sociologia), bem como sobre metodologia de ensino em História.

18 18 Revista do Curso de Direito da UNIABEU A Revista do Curso de Direito da UNIABEU, ISSN , é um periódico eletrônico semestral destinado a divulgar as pesquisas acadêmico-científicas dos docentes e discentes do Curso de Direito da UNIABEU, bem como da comunidade científica em geral. Publica textos inéditos, em português ou inglês, que são submetidos à avaliação por pares, segundo as normas para contribuições.

19 19 Revista UNIABEU A Revista UNIABEU, ISSN , é um periódico quadrimestral, um instrumento de divulgação oficial da UNIABEU Centro Universitário, destinado a publicar a produção acadêmico-científica das áreas de ensino de Graduação e Pósgraduação, de Pesquisa e Extensão. Publica textos inéditos, em português ou inglês, que são submetidos à avaliação por pares, segundo as normas para contribuições. A revista publica artigos de pesquisadores das áreas de: Ciências Humanas e Letras, Ciências da Saúde e Ciências Biológicas, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Exatas e da Terra. A cada número é proposto um dossiê temático, aberto a pesquisadores de outras instituições. Seguindo a política oficial brasileira de editoração de revistas acadêmicas, a revista disponibiliza seus resumos e textos de forma integral para os leitores, sendo, portanto, de livre acesso. A Revista UNIABEU on-line dá continuidade às Revistas UNIABEU impressas: Educação e Saúde (ISSN ) e Humanas e Tecnológicas (ISSN ).

20 20 Esta revista está indexada em QUALIS/CAPES, LATINDEX, SUMÁRIOS.ORG- PERIÓDICOS, WZB (Wissenschatft Zentrum Berlin für Sozialforschung), NEWJOUR, EZB (Elektronische Zeitschriftenbibliothek), Portal de Periódicos CAPES e DOAJ. Revista e-scrita: Revista do Curso de Letras da UNIABEU A Revista e-scrita, ISSN , é uma publicação científica periódica quadrimestral, que visa à publicação de artigos inéditos sobre estudos linguísticos, literários e culturais, bem como ensaios sobre metodologia de ensino. Publica textos em português, inglês, espanhol e italiano, que são submetidos à avaliação do Conselho Editorial, segundo as normas para contribuições. Seguindo a política oficial brasileira de editoração de revistas acadêmicas, a revista disponibiliza seus resumos e textos de forma integral para os leitores, sendo, portanto, de livre acesso. Esta revista está indexada em LATINDEX, ULRICH'S, JOURNALSEEK, MLA, ACADEMIC JOURNALS DATABASE, SCIENCEGATE, SUMÁRIOS.ORG- PERIÓDICOS, NEWJOUR, WZB (Wissenschatft Zentrum Berlin für Sozialforschung), EZB (Elektronische Zeitschriftenbibliothek), Portal de Periódicos CAPES e DOAJ.

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

ABEU - Centro Universitário

ABEU - Centro Universitário ABEU - Centro Universitário Comissão Própria de Avaliação Relatório Código INEP - IES -2565 Mantenedora - 0323 2013 1 Sumário I INTRODUÇÃO...2 1.1 Dados da Instituição 1.2 Considerações Iniciais 1.3 Histórico

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

ABEU - CENTRO UNIVERSITÁRIO CÓDIGO INEP - IES -2565 CÓDIGO INEP MANT. - 0323 RELATÓRIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

ABEU - CENTRO UNIVERSITÁRIO CÓDIGO INEP - IES -2565 CÓDIGO INEP MANT. - 0323 RELATÓRIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO ABEU - CENTRO UNIVERSITÁRIO CÓDIGO INEP - IES -2565 CÓDIGO INEP MANT. - 0323 RELATÓRIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2010 2 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO... 3 1.1 Dados da Instituição... 3 1.2 Considerações Iniciais...

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

ABEU - Centro Universitário. Comissão Própria de Avaliação. Relatório

ABEU - Centro Universitário. Comissão Própria de Avaliação. Relatório ABEU - Centro Universitário Comissão Própria de Avaliação Relatório Código INEP - IES -2565 Mantenedora - 0323 2012 1 Sumário I INTRODUÇÃO...2 1.1 Dados da Instituição 1.2 Considerações Iniciais 1.3 Histórico

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA

POLÍTICA DE PESQUISA POLÍTICA DE PESQUISA Apresentação Este documento trata da política de pesquisa e de iniciação científica do UNISAL, que deve guiar toda e qualquer iniciativa de investigação e geração de conhecimento institucionais.

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais