CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA"

Transcrição

1 CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA CULTIVADAS EM CASCA DE ARROZ IN NATURA EM DUAS ÉPOCAS DE CULTIVO DA FONSECA, Leandro Andrade; PEIL, Roberta Marins Nogueira; Autor(es): STRASSBURGER, André Samuel; AUMONDE, Tiago Zanatta Apresentador: Leandro Andrade da Fonseca Orientador: Roberta Marins Nogueira Peil Revisor 1: Carlos Rogério Mauch Revisor 2: Paulo Roberto Grolli Instituição: UFPel CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA CULTIVADAS EM CASCA DE ARROZ IN NATURA EM DUAS ÉPOCAS DE CULTIVO DA FONSECA, Leandro Andrade 1 ; PEIL, Roberta Marins Nogueira 2 ; STRASSBURGER, André Samuel 3 ; AUMONDE, Tiago Zanatta 1. 1 Acadêmico do Curso de Agronomia FAEM/UFPel - Campus Universitário, Caixa Postal 354, , Pelotas - RS. 2 Professora do Departamento de Fitotecnia FAEM/UFPel. Campus Universitário,Caixa Postal 354, , Pelotas - RS. 3 Acadêmico de Doutorado do Curso de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar - Campus Universitário, Caixa Postal 354, , Pelotas - RS INTRODUÇÃO A concentração salina do meio radicular condiciona a absorção de água e nutrientes essenciais para o crescimento das plantas e está diretamente relacionada às condições climáticas locais (Stanghellini, 1987). Dessa forma, o efeito da salinidade depende da sua interação com as variáveis ambientais, como o déficit de pressão de vapor, a temperatura e a radiação solar, sendo que se esse conjunto de fatores não forem ajustados, haverá diminuição do crescimento das raízes, o que afetará o crescimento e o desenvolvimento da cultura. Assim sendo, não existe uma recomendação única de concentração salina da solução nutritiva que seja ótima a ponto de atender as características próprias dos diferentes substratos e as variações climáticas locais e sazonais que determinam um descompasso entre a absorção de água e nutrientes pelas plantas. A maior eficiência da solução nutritiva se dá pela sua adequação simultânea ao substrato e às diferentes épocas do ano. Em épocas de maior demanda evapotranspirativa da

2 atmosfera (elevada radiação solar, temperatura e déficit de pressão de vapor) a planta absorve mais água, devido à maior transpiração, deste modo, a condutividade elétrica da solução nutritiva deveria ser mais baixa, para facilitar o fluxo de água para a planta. Atualmente, as soluções nutritivas utilizadas no Brasil estão baseadas em estudos realizados em países como Espanha, França e Holanda, nos quais as realidades climáticas e as condições de cultivo se distanciam às do sul do Rio Grande do Sul. Vários trabalhos têm demonstrado que as concentrações utilizadas nesses países podem ser reduzidas sem causar danos à produção e distribuição de matéria seca (Montezano, 2003), representando uma economia de fertilizantes e uma diminuição dos resíduos gerados e depositados no meio ambiente. Desta forma, este trabalho teve como objetivo avaliar a evolução da produção de matéria seca da abobrinha italiana cultivada em casca de arroz in natura submetida a diferentes concentrações salinas da solução nutritiva em duas estações de cultivo. 2. MATERIAL E MÉTODOS Os experimentos foram realizados em uma estufa modelo Arco Pampeana, disposta no sentido Norte-Sul, localizada no Campus Universitário da Universidade Federal de Pelotas. O primeiro experimento foi realizado no período primavera-verão do ano de 2005, sendo a semeadura da abobrinha italiana (Cucurbita pepo var. melopepo) realizada no dia três de outubro de 2005 e, 18 dias após, seu transplante. O segundo experimento foi realizado no período do verão-outono de 2006, sendo a semeadura realizada no dia 24 de fevereiro de 2006 e o transplante 19 dias após a semeadura. As mudas foram produzidas em bandejas de poliestireno expandido com 72 células, contendo como substrato vermiculita, em sistema de bandejas flutuantes. Ao apresentarem aproximadamente quatro folhas definitivas, as mudas foram transplantadas individualmente para sacos plásticos contendo 13 litros de casca de arroz in natura, perfurados na base para permitir a drenagem da solução nutritiva excedente à capacidade máxima de retenção de água do substrato. O sistema de cultivo era constituído por canais de madeira, com declividade de 2%, dispostos em 12 duplas fileiras. Os sacos de cultivo foram arranjados nos canais e revestidos com filme de polietileno dupla face branco-preto, de maneira a formar canais impermeáveis. Um tanque de armazenamento da solução nutritiva se encontrava enterrado próximo à extremidade de cota menor ao final de cada linha dupla de canais. Um conjunto moto-bomba em cada tanque impulsionava a solução para a cota de maior valor do canal através de um cano de PVC de 25mm. A partir deste ponto, a solução era fornecida às plantas por meio de uma mangueira de polietileno de ½ polegada perfurada para a colocação de espaguetes gotejadores. As plantas foram tutoradas individualmente, com um fio de ráfia amarrado a uma linha de arame presa à estrutura da estufa. A solução nutritiva empregada foi baseada na recomendação de Castro (1999) para a cultura da abobrinha italiana em substrato de lã de rocha. Os macronutrientes apresentavam a seguinte composição (em mmol L -1 ): 16,0 de NO 3 - ; 1,5 de H 2 PO 4 - ; 2,7 de SO 4-2 ; 1,0 de NH 4 + ; 7,5 de K + ; 5,0 de Ca 2+ e 2,2 de Mg 2+. Para os micronutrientes foi utilizada a recomendação para a cultura do meloeiro segundo Castro (1999) com a seguinte composição (em mg L -1 ): 4,0 de Fe; 0,56 de Mn; 0,26 de Zn; 0,22 de B; 0,05 de Mo e 0,03 de Cu. O fator experimental estudado foi a concentração salina da solução nutritiva, sendo avaliado em quatro diferentes níveis

3 pré-estabelecidos: solução nutritiva padrão, contendo 100% da concentração de nutrientes recomendada por Castro (1999), correspondendo a uma condutividade elétrica inicial (CEi) de 2,1 ds m -1 ; solução nutritiva com redução de 40 e 20% e solução nutritiva com acréscimo de 100% em relação à solução padrão, correspondendo a CEi de 1,3; 1,7 e 4,2 ds m -1, respectivamente. Os micronutrientes foram mantidos na concentração original. A produção de matéria seca da cultura foi quantificada através de análise destrutiva das plantas aos 0, 18, 32, 46 e 68 dias após o transplante, no experimento primavera-verão e no experimento verão-outono aos 0, 15, 29, 43 e 55 dias após o transplante (DAT). As plantas foram separadas em três frações: folha (incluindo pecíolos), caule e frutos. Essas frações foram secas, em estufa de ventilação forçada a 65ºC, até peso constante. O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualisado com 3 repetições, sendo que nas três primeiras análises (18, 32, 46 DAT no ciclo primavera verão e 15, 29, 43 DAT no ciclo de verão outono) foram utilizadas uma planta por repetição e, na última, duas plantas por repetição. Cada unidade experimental correspondeu a uma dupla fileira com 22 plantas. Os resultados foram submetidos à comparação de médias, pelo teste DMS de Fisher com um nível de significância de 5%. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO A partir da análise dos dados, verificou-se no experimento primavera-verão (Figura 1a) diferenças significativas do efeito da condutividade elétrica sobre a produção de matéria seca da fração vegetativa a partir dos 46 DAT das mudas (análise estatística não mostrada), sendo que, somente o tratamento 1,3 dsm -1 diferiu dos tratamentos utilizados, mantendo uma produção de matéria seca abaixo dos demais tratamentos até o final do experimento. Já, no experimento verão-outono (Figura 1b), percebe-se que a condutividade elétrica da solução nutritiva influenciou a produção de matéria seca da fração vegetativa, já a partir dos 29 DAT. Nesta época de cultivo, verificou-se que no tratamento 4,2 ds m -1 a produção de matéria seca da fração vegetativa foi superior aos demais tratamentos e que o tratamento 1,3 ds m -1 apresentou menor produção de matéria seca da fração vegetativa. Por outro lado, os tratamentos 1,7 e 2,1 ds m -1 não diferiram entre si. Aos 43 dias após o transplante, a matéria seca acumulada nos tratamentos com condutividade elétrica inicial de 4,2 e 2,1 ds m -1 foram semelhantes entre si e superiores aos tratamentos 1,7 e 1,3 ds m -1. Passados 55 DAT apresentaram maior produção de matéria seca, respectivamente, os tratamentos com CEi de 4,2; 2,1; 1,7 e 1,3 ds m -1. Em relação à produção de matéria seca dos frutos, no experimento primaveraverão (Figura 1c), observou-se que essa variável foi afetada a partir dos 46 DAT sendo que o tratamento com CEi de 2,1 ds m -1 apresentou a maior produção, enquanto que os demais tratamentos não diferiram entre si. Já aos 68 DAT, o tratamento 2,1 ds m -1 manteve a maior produção de matéria seca dos frutos em relação aos demais tratamentos, seguido dos tratamentos 4,2 ds m -1, o qual foi superior aos tratamentos 1,7 e 1,3 ds m -1, sendo que estes não diferiram entre si. No experimento verão-outono (Figura 1d), até os 43 DAT, verificou-se que não houve influência da concentração da solução nutritiva sobre o acúmulo de matéria seca dos frutos. Já, aos 55 DAT, os tratamentos 2,1 e 4,2 ds m -1 (que não diferiram entre si), apresentaram diferenças significativas em relação aos tratamentos 1,3 e 1,7 ds m -1, os quais não diferiram entre si.

4 A matéria seca dos frutos e da fração vegetativa foi inferior no experimento de verão-outono em relação ao observado na primavera-verão. Essa diferença pode ser atribuída a menor radiação solar incidente durante esse período. No experimento de primavera-verão a radiação solar global incidente no exterior da estufa foi de 1445 MJ m -2. Já no experimento de verão-outono a radiação incidente no exterior da estufa foi de 684 MJ m -2. Segundo Monteith (1978), a produção de biomassa tem relação direta com a quantidade de radiação solar incidente e absorvida pelo dossel, o que determinou os diferentes resultados nos dois ciclos de cultivo. 4. CONCLUSÕES Os resultados obtidos nos experimentos indicam que a produção de matéria seca dos órgãos aéreos das plantas apresentam dinâmicas diferentes de acordo com a concentração de nutrientes da solução nutritiva e com o ciclo de cultivo. A produção de matéria seca é maior quando a radiação solar é mais elevada. O efeito da baixa disponibilidade de nutrientes da solução nutritiva com CEi de 1,3 dsm -1 sobre a redução da produção da matéria seca vegetativa, se manifesta mais precocemente quando a disponibilidade de radiação solar é reduzida (ciclo de verãooutono). Já o efeito da variação da concentração de nutrientes sobre a produção de matéria seca dos frutos é mais contundente e precoce quando não há restrições de disponibilidade de radiação solar (ciclo primavera-verão). 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CASTRO, A.C. Formulación de la solución nutritiva. Parámetros de ajuste. In: MILAGROS, M.F.; GÓMEZ, I.M.C. (Edits.). Cultivos sin suelo II. Curso Superior de Especialización. Almería: DGIFA-FIAPA-Caja Rural de Almería. 1999, 2ed. p MONTEITH, J.L. Solar radiation and productivity in tropical ecosystems. Journal of Applied Ecology. Vol. 9, No. 3, p , MONTEZANO, E.M. Eficiência no uso da água e dos nutrientes e relações de contaminação de cultivos de alface em sistema hidropônico. Pelotas: UFPel, f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Universidade Federal de Pelotas, STANGHELLINI, C. Transpiration of greenhouse crops. An aid to climate management, Wageningen, 1987, 150f. (Tese de Doutorado). Wageningen Agricultural University.

5 Figura 1. Evolução da produção de matéria seca da fração vegetativa (a, b) e dos frutos (c, d) de plantas de abobrinha italiana cultivadas em casca de arroz sob diferentes concentrações salinas (expressas pela condutividade elétrica inicial) da solução nutritiva nos ciclos de primavera-verão (a, c) e de verão-outono (b, d). Pelotas, UFPel, 2007.

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila:

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila: Universidade Estadual Paulista Campus de e Dracena Curso Zootecnia Disciplina: Solos Composição do Solo Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Introdução O Solo é composto por três fases: Sólido (matéria orgânica

Leia mais

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA CLEBER LÁZARO RODAS 1 ; JANICE GUEDES DE CARVALHO 2 ; LAURO LUIS PETRAZZINI 3 ; JONY EISHI YURI 4 ; ROVILSON JOSÉ DE SOUZA 5. RESUMO O presente

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Luiz Augusto Lopes Serrano 1 ; André Guarçoni M. 2 ; Cesar

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE J. P. B. M. COSTA, 1, R. L. SILVA 1, R. A. A. GUEDES 1, F. M. S. BEZERRA 1, R. C. CUNHA, M. W. L. SOUZA 1, F. A. OLIVEIRA

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS

AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS 1 AVALIAÇÃO DE SUBPRODUTOS AGRÍCOLAS COMO CONDICIONADORES DE SUBSTRATOS E/OU FERTILIZANTES ORGÂNICOS PARA MUDAS R. C. ARGÔLO (1), Q. R. ARAUJO (2), G. A. SODRÉ (2), I. JUCKSCH (3), A. M. S. S. MOREAU (4),

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL

ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL ÍNDICE COMERCIAL DE ALFACE FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO, SILÍCIO E POTÁSSIO EM AMBIENTE PROTEGIDO E NO PERÍODO OUTONAL Renan Soares de Souza 1 ; Roberto Rezende 2 ; Paulo Sérgio Lourenço de Freitas 3 ;

Leia mais

DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA

DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA LUCIANO PICOLOTTO 1 ; MICHEL ALDRIGHI GONÇALVES 2 ; GERSON KLEINICK VIGNOLO 2 ; LETICIA VANNI FERREIRA 2 ;

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VIII Jornada Científica. Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VIII Jornada Científica. Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus ambuí Propagação de calabura (Muntingia calabura L.) em duas épocas do ano Filipe Soares Nogueira¹; Jorge Estevão Machado Corrêa²; Ricardo Monteiro Corrêa³.

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica Casca de café carbonizada para produção de mudas de alface Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira (1), Fábio Pereira

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 Leonardo Pereira da Silva Brito 2, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Márkilla Zunete Beckmann-Cavalcante

Leia mais

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS 3. LOCAL DOS EXPERIMENTOS O trabalho foi realizado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - Campinas, SP), em casa de vegetação do Departamento de Fisiologia Vegetal

Leia mais

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.).

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1 ; Ana Cardoso Clemente Filha Ferreira de PAULA

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade média de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Ecossistemas

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Ecossistemas BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental Ecossistemas Programa Introdução Módulo I: Organismos Módulo II: Populações Módulo III: Comunidades Módulo IV: Ecossistemas - Ecossistemas

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066 Página 1066 CONSUMO HÍDRICO DE PLANTAS DE MAMONA EM DIFERENTES NÍVEIS DE UMIDADE NO SOLO E SUA RELAÇÃO COM A RADIAÇÃO SOLAR Marília Alves Brito Pinto 1 ; Gabriel Franke Brixner 2, Carlos Reisser Júnior

Leia mais

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Douglas Vaciliev Vacilikio 1 ; Luciano Fleischfresser 2 1 Aluno de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Tecnológica

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO: FITOTECNIA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME ( T - P ) FTT 1016 CULTIVOS PROTEGIDOS (2-2) OBJETIVOS - ao término da disciplina

Leia mais

A biodiversidade nos processos de fitorremediação

A biodiversidade nos processos de fitorremediação INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA Biodiversidade e Conservação A biodiversidade nos processos de fitorremediação Lopo Carvalho 29 Maio 2007 FITORREMEDIAÇÃO é a utilização de plantas e dos micróbios a elas

Leia mais

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Motobomba ou reservatório elevado Central de controle: Dispositivos para medir vazão e pressão; registros; válvulas

Leia mais

Manuseamento e disposição das placas

Manuseamento e disposição das placas Manuseamento e disposição das placas Preparar para a nova cultura 3-3 Entrega 1 Não é aconselhável o seu armazenamento no exterior. Armazene num local limpo e seco, separado da área de produção. 3 Não

Leia mais

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 5 - MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA 5.1 - SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO A irrigação por gotejamento compreende os sistemas de irrigação nos quais a água é aplicada

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática Nutrição mineral (, Ano lectivo de 2012) Por: Prof. Doutor Domingos

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

POTENCIALIDADES DO LODO DE ESGOTO COMO SUBSTRATO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS

POTENCIALIDADES DO LODO DE ESGOTO COMO SUBSTRATO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas POTENCIALIDADES DO LODO DE ESGOTO COMO SUBSTRATO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Vanderley José Pereira (1), Lidiane de Souza Rodrigues (2) & Adriane de Andrade Silva (3)

Leia mais

Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2

Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2 1USO DE TELHADOS VERDES NO CONTROLE QUALI-QUANTITATIVO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL URBANO Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2 RESUMO Os telhados verdes são estruturas que se caracterizam pela

Leia mais

IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE)

IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE) IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE) 1 Aluno do Curso de Pós-Graduação em Agronomia (Fitotecnia), Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza,

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DA SOLUÇÃO NUTRIT IVA NO CRESCIMENTO DA ALFACE EM CULTURA HIDROPÔNICA SISTEMA NFT.

EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DA SOLUÇÃO NUTRIT IVA NO CRESCIMENTO DA ALFACE EM CULTURA HIDROPÔNICA SISTEMA NFT. EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DA SOLUÇÃO NUTRIT IVA NO CRESCIMENTO DA ALFACE EM CULTURA HIDROPÔNICA SISTEMA NFT. NILTON NÉLIO COMETTI 1, GEAN CARLOS SILVA MATIAS 2, MANLIO SILVESTRE FERNANDES 2. 1 ESCOLA AGROTÉCNICA

Leia mais

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Página 1077 CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Ricardo Pereira Veras 1 ; Pedro Dantas Fernandes 2 ; Eduardo Maciel Oliveira Laime 3 ; Janivan Fernandes Suassuna 4

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Radiação solar em ambiente protegido cultivado com tomateiro nas estações verão-outono do Rio Grande do Sul

Radiação solar em ambiente protegido cultivado com tomateiro nas estações verão-outono do Rio Grande do Sul Ciência 86 Rural, Santa Maria, v.36, n.1, p.86-92, jan-fev, 2006Beckmann et al. ISSN 0103-8478 Radiação solar em ambiente protegido cultivado com tomateiro nas estações verão-outono do Rio Grande do Sul

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

RELAÇÕES HÍDRICAS E AJUSTAMENTO OSMÓTICO DE GENÓTIPOS DE AMENDOIM SUBMETIDOS AO DÉFICIT HÍDRICO

RELAÇÕES HÍDRICAS E AJUSTAMENTO OSMÓTICO DE GENÓTIPOS DE AMENDOIM SUBMETIDOS AO DÉFICIT HÍDRICO Página 929 RELAÇÕES HÍDRICAS E AJUSTAMENTO OSMÓTICO DE GENÓTIPOS DE AMENDOIM SUBMETIDOS AO DÉFICIT HÍDRICO Jacqueline W. de Lima Pereira 1 ; Manoel Bandeira de Albuquerque 2 ; Rejane J. Mansur C. Nogueira

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DE CULTIVARES DE ALFACE EM SISTEMA HIDROPÔNICO TIPO NFT.

CRESCIMENTO INICIAL DE CULTIVARES DE ALFACE EM SISTEMA HIDROPÔNICO TIPO NFT. CRESCIMENTO INICIAL DE CULTIVARES DE ALFACE EM SISTEMA HIDROPÔNICO TIPO NFT. BARBOSA, Rogério Zanarde 1 ARAÚJO, Henrique Manoel 1 BONFANTE, Jonas William 1 YASSUDA, Mirian 1 1 Acadêmicos do curso de Agronomia

Leia mais

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br TELHADO VERDE E A INFLUÊNCIA NO CONFORTO TÉRMICO EM UMA EDIFICAÇÃO DE MADEIRA NO IFC CAMPUS RIO DO SUL Karla Fünfgelt 1 ; Alexandra Goede de Souza 2 ; Eduardo Augusto Tonet 3 ; Samuel Fachini 4. 1 Professora

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA DEMANDA NUTRICIONAL DE MACRO E MICRONUTRIENTES DA VIOLETA AFRICANA

DETERMINAÇÃO DA DEMANDA NUTRICIONAL DE MACRO E MICRONUTRIENTES DA VIOLETA AFRICANA Latinoamérica unida protegiendo sus suelos XIX CONGRESO LATINOAMERICANO DE LA CIENCIA DEL SUELO XXIII CONGRESO ARGENTINO DE LA CIENCIA DEL SUELO Mar del Plata, Argentina 16 al 20 de abril de 2012 contribuciones@congresodesuelos.org.ar

Leia mais

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO EDILAINE REGINA PEREIRA 1 SONIA MARIA STEPHANO PIEDADE 2 RESUMO O presente trabalho teve como

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA Um substrato para "hidroponia" é o suporte para o desenvolvimento das raízes, limitado fisicamente no seu volume, isolado do solo, capaz de proporcionar à planta

Leia mais

CRESCIMENTO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO ACLIMATIZADO EM DIFERENTES SUBSTRATOS

CRESCIMENTO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO ACLIMATIZADO EM DIFERENTES SUBSTRATOS CRESCIMENTO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO ACLIMATIZADO EM DIFERENTES SUBSTRATOS JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 1 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 2 ; EDVAN ALVES CHAGAS 3, JOÃO LUIZ LOPES MONTEIRO NETO 4, PATRICIA

Leia mais

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG

Helem Fernandes Naves Peixoto 1,3 Severino de Paiva Sobrinho 2,3 Mariane de Carvalho Vidal 2,4. Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ALELOPÁTICO DO ADUBO VERDE (CROTALARIA SPECTABILIS) SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TOMATE (LYCOPERSICON ESCULENTUM MILL) E POSTERIOR DESENVOLVIMENTO EM CAMPO Helem Fernandes Naves

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA Dalyse Toledo Castanheira Danielle Pereira Baliza Tiago Teruel Rezende Samuel Pereira Carvalho Rubens José Guimarães Helbert Rezende Oliveira

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL Introdução, Sistemas e Características FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Irrigação Subsuperficial Também chamada irrigação subterrânea ou subirrigação A água é aplicada

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O. 3 ; CHIAPINOTTO, I.C. 3 ; HÜBNER, A.P. 3 ; QUAINI, D. 3 ; CUBILLA, M.M. 3 ; FRIES, M.R.

AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O. 3 ; CHIAPINOTTO, I.C. 3 ; HÜBNER, A.P. 3 ; QUAINI, D. 3 ; CUBILLA, M.M. 3 ; FRIES, M.R. leguminosas de verão como culturas intercalares ao milho e sua influência sobre a associação de aveia (Avena strigosa Schieb) + ervilhaca (Vicia sativa L.) AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O.

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Objetivos: ANÁLISES QUÍMICAS DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS

ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Objetivos: ANÁLISES QUÍMICAS DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS ANÁLISE QUÍMICA DE TECIDO VEGETAL E DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS Prof. Clovis Orlando Da Ros Objetivos: Identificar os principais métodos utilizados para análises de tecido vegetal e de resíduos agroindustriais;

Leia mais

Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis

Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis Avaliação da Germinação e Crescimento de Toona ciliata var. australis Josimar Rodrigues OLIVEIRA¹; eimar de Freitas DUARTE². ¹Graduando em Engenharia Agronômica e bolsista do CNPq Instituto Federal de

Leia mais

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens PARANÁ 71 municípios 27 extensionistas 306 propriedades assistidas SANTA CATARINA 16 municípios 04

Leia mais

CRESCIMENTO DE PLANTAS ORNAMENTAIS EM SOLOS CONTAMINADOS DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA/PA.

CRESCIMENTO DE PLANTAS ORNAMENTAIS EM SOLOS CONTAMINADOS DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA/PA. CRESCIMENTO DE PLANTAS ORNAMENTAIS EM SOLOS CONTAMINADOS DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA/PA. Maria da Glória Gonçalves Luz Instituto Federal do Pará-IFPA, Acadêmica do curso de Tecnologia

Leia mais

Avaliação do crescimento de mudas de tomate em diferentes tipos de bandejas comerciais

Avaliação do crescimento de mudas de tomate em diferentes tipos de bandejas comerciais CERRADO AGROCIÊNCIAS Revista do Centro Universitário de Patos de Minas. ISSN 2178-7662 Patos de Minas, UNIPAM, (2):84-90, set. 2011 Avaliação do crescimento de mudas de tomate em diferentes tipos de bandejas

Leia mais

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Cândido Alves da Costa; Sílvio Júnio Ramos; Simone Nassau Zuba; Wagner Fabian. UFMG-Núcleo de Ciências Agrárias, C. Postal

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO 1. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 2. DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 3. ABSORÇÃO FOLIAR E PRINCÍPIOS

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Sistema de condução da Videira

Sistema de condução da Videira Sistema de condução da Videira Reginaldo T. Souza EMBRAPA UVA E VINHO - EEVT Videiras em árvores Evolução no cultivo da videira Evolução no cultivo da videira Espaldeira Gobelet Latada Lira Mito ou realidade

Leia mais

René Porfirio Camponez do Brasil

René Porfirio Camponez do Brasil René Porfirio Camponez do Brasil 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL SOLUÇÃO DO SOLO = H 2 + ÍONS (NUTRIENTES) 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL Édio Damásio da Silva Junior (1) Graduando em Engenharia Ambiental pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Isac

Leia mais

Perspectivas de uso de métodos m diagnósticos alternativos: testes bioquímicos

Perspectivas de uso de métodos m diagnósticos alternativos: testes bioquímicos Perspectivas de uso de métodos m diagnósticos alternativos: testes bioquímicos APRESENTAÇÃO Prof. Dr. JAIRO O. CAZETTA Departamento de Tecnologia Unesp Campus de Jaboticabal Capítulo 6 Perspectivas de

Leia mais