CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA"

Transcrição

1 CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL SÃO BERNARDO DO CAMPO 2010

2 Sumário APRESENTAÇÃO PERFIL INSTITUCIONAL HISTÓRICO DA MANTENEDORA: FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA MISSÃO DA MANTENEDORA - FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA HISTÓRICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA MISSÃO DA IES OBJETIVOS E METAS DA IES Objetivos Metas da IES ÁREAS DE ATUAÇÃO ACADÊMICA DA FTT Área de Indústria Curso Superior de Tecnologia em Mecatrônica Industrial...12 Curso de Especialização lato-sensu em Processos de Conformação Mecânica de Materiais Metálicos Área de Química Curso Superior de Tecnologia em Alimentos...12 Curso de Especialização lato-sensu em Gestão da Qualidade e Segurança de Alimentos Área de Gestão Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Curso de Especialização lato-sensu - MBA em Gestão Empresarial Área de Informática Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas...13 Curso de Especialização lato-sensu - MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Cursos de extensão PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI INSERÇÃO REGIONAL PRINCÍPIOS FILOSÓFICO-PEDAGÓGICOS GERAIS QUE NORTEIAM AS PRÁTICAS ACADÊMICAS DA INSTITUIÇÃO A instituição Os fundamentos do projeto Os currículos A formação dos profissionais de nível superior em currículos tecnológicos Competências gerais para formação do tecnólogo ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DA INSTITUIÇÃO A seleção das unidades curriculares e a especificação dos conteúdos Plano para atendimento às diretrizes pedagógicas Inovações consideradas significativas, especialmente quanto à flexibilidade dos componentes curriculares; Oportunidades diferenciadas de integralização curricular Atividades práticas e estágio Desenvolvimento de materiais pedagógicos...29 Incorporação de avanços pedagógicos POLÍTICAS DE ENSINO O Sistema Nacional de Ensino Superior: Um Breve Panorama O cenário atual do ensino superior POLÍTICAS DE EXTENSÃO POLÍTICAS DE PESQUISA POLÍTICAS DE GESTÃO Sustentabilidade financeira da instituição e políticas de captação e alocação de recursos Políticas direcionadas à aplicação de recursos para programas de ensino, pesquisa e extensão universitária RESPONSABILIDADE SOCIAL DA IES CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DOS CURSOS (PRESENCIAL E A DISTÂNCIA)

3 3.1 OFERTA DE CURSOS Tecnologia em Mecatrônica Industrial Tecnologia em Alimentos Tecnologia em Processos Gerenciais Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Outros cursos Sequênciais...48 Programas Especiais de Formação Pedagógica Pós-Graduação lato sensu Pós-Graduação (stricto sensu)...50 Polos de EAD Campi e cursos fora da sede PERFIL DO CORPO DOCENTE COMPOSIÇÃO (TITULAÇÃO, REGIME DE TRABALHO, EXPERIÊNCIA ACADÊMICA NO MAGISTÉRIO SUPERIOR E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL NÃO ACADÊMICA); CRITÉRIOS DE SELEÇÃO, CONTRATAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA SUBSTITUIÇÃO (DEFINITIVA E EVENTUAL) DOS PROFESSORES DO QUADRO CRONOGRAMA E PLANO DE EXPANSÃO DO CORPO DOCENTE, COM TITULAÇÃO E REGIME DE TRABALHO, DETALHANDO PERFIL DO QUADRO EXISTENTE E PRETENDIDO PARA O PERÍODO DE VIGÊNCIA DO PDI ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DA IES ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, INSTÂNCIAS DE DECISÕES E ORGANOGRAMA INSTITUCIONAL E ACADÊMICO ÓRGÃOS COLEGIADOS: COMPETÊNCIAS E COMPOSIÇÃO ÓRGÃOS EXECUTIVOS: COMPETÊNCIAS E COMPOSIÇÃO ÓRGÃOS DE APOIO ÀS ATIVIDADES ACADÊMICAS POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES FORMAS DE ACESSO, PROGRAMAS DE APOIO PEDAGÓGICO E FINANCEIRO (BOLSAS) Formas de acesso Programas de apoio pedagógico e financeiro (bolsas) Programas de apoio pedagógico...65 Programas de apoio financeiro (bolsas) ESTIMULO À PERMANÊNCIA (PROGRAMA DE NIVELAMENTO, ATENDIMENTO PSICO-PEDAGÓGICO) Programas de nivelamento Atendimento psicopedagógico ORGANIZAÇÃO ESTUDANTIL ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS INFRAESTRUTURA INFRAESTRUTURA FÍSICA BIBLIOTECA Acervo Espaço Físico Horário de Funcionamento Pessoal Técnico-administrativo Serviços Oferecidos Forma de atualização e cronograma de expansão do acervo LABORATÓRIOS Instalações e equipamentos existentes Área de Indústria (Mecatrônica Industrial) Área de Indústria (Tecnologia de Alimentos) Área de Informática (Análise e Desenvolvimento de Sistemas)...85 Área de Administração (Processos Gerenciais) Recursos de informática disponíveis Relação equipamento/aluno

4 7.3.4 Descrição de inovações tecnológicas significativas RECURSOS TECNOLÓGICOS E DE ÁUDIO VISUAL OUTROS RECURSOS DO CEFSA Centro Aquático Estádio Olímpico Quadras Gerador Teatro PLANO DE PROMOÇÃO DE ACESSIBILIDADE E DE ATENDIMENTO DIFERENCIADO A PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (DECRETO Nº 5.296/04 E DECRETO Nº 5.773/06) CRONOGRAMA DE EXPANSÃO DA INFRAESTRUTURA PARA O PERÍODO DE VIGÊNCIA DO PDI DIMENSÃO 8 AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUICIONAL PROCEDIMENTOS DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EM CONFORMIDADE COM A LEI N /2004 (SINAES) ASPECTOS FINANCEIROS E ORÇAMENTÁRIOS DEMONSTRAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, INCLUINDO OS PROGRAMAS DE EXPANSÃO PREVISTOS NO PDI Estratégia de gestão econômico-financeira; Planos de investimentos e Previsão Orçamentária e Cronograma de Execução ANEXO I - DESCRIÇÃO DA PROPOSTA DE PLANO DE CARREIRA DO CORPO DOCENTE DA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA FTT

5 Apresentação Se os teus projetos forem para um ano, semeia o grão. Se forem para dez anos, planta uma árvore. Se forem para cem anos, instrui o povo. (Provérbio chinês) Atendendo a exigências legais, em especial o Art. 16 do Decreto nº de 09 de maio de 2006, a Faculdade de Tecnologia Termomecanica apresenta à comunidade acadêmica seu Projeto de Desenvolvimento Institucional (PDI) para o período de outubro de 2010 a outubro de Para a elaboração deste documento optou-se pela nomeação de uma comissão, responsável pela coordenação dos trabalhos e subcomissões incumbidas de pesquisar, discutir e apresentar propostas relacionadas aos eixos temáticos essenciais do Plano de Desenvolvimento Institucional 1. As etapas que culminaram com a redação deste documento estão descritas a seguir, de acordo com o cronograma apresentado à Direção Geral da FTT: Nomeação dos membros da comissão coordenadora; Comunicado aos membros da comissão; Sensibilização e instrumentalização da comunidade acadêmica - reunião (Geral); Reuniões com os responsáveis pelos eixos temáticos; Reunião para analisar os objetivos e metas da IES na vigência do atual PDI; Construção da Proposta de PDI (comissão e subcomissões); Sistematização de todas as dimensões; Reunião para validação do documento pela Comissão; Encaminhamento do documento para a ciência e aprovação da Direção Geral da FTT. Além dos documentos oficiais da FTT, os relatórios emitidos pela Comissão Própria de Avaliação subsidiaram a redação deste documento, em especial para determinar as metas e objetivos da IES para os próximos anos. 1 De acordo com o roteiro de apoio às instituições para subsidiar a construção do Plano de Desenvolvimento Institucional (MEC, 2004) 4

6 1 PERFIL INSTITUCIONAL 1.1 HISTÓRICO DA MANTENEDORA: FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA Em 12 de janeiro de 1915, em Trípoli, na Líbia, então colônia italiana, nasceu Salvador Arena, fundador da Termomecanica São Paulo S.A. e da Fundação Salvador Arena (FSA), mantenedora da Faculdade de Tecnologia Termomecanica. Tendo chegado ao Brasil em 1920, Salvador Arena formou-se engenheiro civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo em 1936, e em 1942 fundou a Termomecanica São Paulo S.A., com o capital inicial de 200 dólares. Com o desenvolvimento da empresa, seu fundador passou a preocupar-se também com a melhoria da realidade social da região. Para isso, constituiu em 1964 a Fundação Salvador Arena, com a finalidade de cooperar e envidar os esforços possíveis para a solução dos problemas de educação, assistência e proteção aos necessitados, sem distinção de qualquer natureza. Hoje, a Fundação Salvador Arena, é administrada por um Conselho Curador composto por dezessete membros, dezesseis deles nomeados em vida pelo fundador, que são responsáveis pela concretização e perpetuação dos ideais humanitários defendidos por Salvador Arena que se manifestam por meio de quatro pilares: Educação, Saúde, Assistência Social e Habitação. A sede da FSA está situada em São Bernardo do Campo, município da Grande São Paulo, e sua atuação estende-se a região metropolitana de São Paulo, aos municípios que compõem o Grande ABC paulista. 2, semi-árido brasileiro, Alagoas e Amazonas apoiando parceiros 1.2 MISSÃO DA MANTENEDORA - FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA Em documentos oficiais, a missão declarada da FSA é a de atender aos ideais do fundador, contribuindo com a sociedade, em especial, com os mais necessitados, atuando 2 Além de São Bernardo do Campo, fazem parte do Grande ABC: Santo André, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires 5

7 nas áreas de educação, saúde, habitação e assistência social, com recursos provenientes da aplicação de seu patrimônio. 1.3 HISTÓRICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA O Centro Educacional da Fundação Salvador Arena CEFSA - instalado em uma área de 131 mil m 2, teve início com a criação do Colégio Termomecanica, em 1989, com a proposta de oferecer ensino gratuito e de qualidade a crianças de todas as faixas sociais. Posteriormente, o CEFSA passou a contar, também, com a FTT - Faculdade de Tecnologia Termomecanica que, a exemplo do Colégio, mantém cursos gratuitos e com o mesmo padrão de qualidade. O objetivo primordial da Fundação Salvador Arena, ao manter essas unidades de ensino, é formar indivíduos competentes, plenamente capacitados para analisar, avaliar e priorizar as informações que recebem, de forma a atuarem decisivamente na sociedade em que vivem com autonomia, ética e critério. O Colégio Termomecanica iniciou suas atividades em março de 1990, com a finalidade de oferecer, à comunidade, ensino de educação básica e, posteriormente o ensino técnico de nível médio. Nos últimos anos da década de 1990, os cursos do Colégio Termomecanica passaram por significativas modificações, acompanhando o desenvolvimento tecnológico ocorrido na indústria da região do Grande ABC e as alterações da legislação educacional ocorridas no país. As modificações ocorridas incluíram a maciça aquisição de novos equipamentos para os laboratórios e oficinas do Colégio. A melhoria da capacitação tecnológica das oficinas e laboratórios do Colégio levou à transformação do antigo curso técnico de Mecânica em um curso de Mecatrônica. O desejo de ampliação das atividades profissionais levou à criação do curso técnico em Alimentos e instalação de plantas piloto de industrialização. O êxito alcançado com o os cursos técnicos estimulou a Fundação Salvador Arena a elevar ainda mais a qualificação dos profissionais por ela formados. Observando as tendências e demandas do mercado, além de experiências bem sucedidas, optou-se por oferecer à comunidade Cursos Superiores de Graduação Tecnológica. Assim em 19/12/2002 a Faculdade de Tecnologia Termomecanica foi credenciada, por meio da Portaria do MEC n.º 3.605, que simultaneamente autorizou o funcionamento 6

8 dos seus primeiros cursos superiores de tecnologia, Mecatrônica Industrial e Processos de Industrialização de Alimentos, iniciando suas atividades em 17/2/2003. Nota-se que as origens da Faculdade de Tecnologia Termomecanica FTT - estão intimamente ligadas às do Colégio Termomecanica. Em 2004 essa oferta foi ampliada, com a criação de mais dois cursos em período noturno, Gestão de Processos Produtivos e Sistemas de Informações, renomeados de acordo com o Catálogo Nacional dos Cursos Tecnológicos como Processos Gerenciais e Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Atualmente a Faculdade de Tecnologia Termomecanica oferece, além dos cursos superiores de tecnologia, cursos de especialização lato sensu, todos gratuitos. O primeiro curso, nessa modalidade, Processos de Conformação Mecânica de Materiais Metálicos, teve início no segundo semestre de 2007 na área profissional da Indústria Conhecimento de Engenharias, com o apoio e parceria com Fundação de Apoio á Escola Politécnica da USP. Em 2008 a área contemplada foi a de Alimentos em parceria com a UNICAMP, com a criação do curso de Gestão da Qualidade e Segurança dos Alimentos. Em 2010 ampliou-se a oferta dessa modalidade nas demais áreas de atuação da FTT, com dois cursos de especialização, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas 3, in compay: MBA em Gestão de TI e MBA em Gestão Empresarial. O CEFSA, além de oferecer a todos os alunos do Colégio Termomecanica e da Faculdade de Tecnologia Termomecanica, alimentação saudável, material didático e uniforme, investe na modernização da infraestrutura, buscando atender às diferentes necessidades de crianças, jovens e adultos nas áreas da cultura, do conhecimento, do esporte e do lazer. Exemplos dessa excelência são o Teatro Engenheiro Salvador Arena, com capacidade para 600 espectadores; o Estádio Olímpico Bronze TM 23, com dimensões oficiais, arquibancada e pista de atletismo; o Conjunto Aquático, com duas piscinas, sendo uma delas semi olímpica, todos instalados no CEFSA. Isso sem mencionar os diversos laboratórios, equipados para suas especialidades, e quatro bibliotecas interativas, montadas especialmente para atender alunos de diferentes faixas etárias. 3 Os programas e certificados do curso são de responsabilidade da Fundação Getúlio Vargas. 7

9 Conjunto Aquático Estádio Olímpico Bronze TM 23 Conjunto Aquático Estádio Olímpico Bronze TM 23 Teatro Eng Salvador Arena Biblioteca Interativa A FTT, considerada atualmente a terceira melhor da região na classificação do MEC, oferece, em período integral, os cursos superiores de tecnologia em Alimentos (o melhor do país, segundo o ENADE 2008 realizado pelo INEP órgão do Ministério da Educação), e Mecatrônica Industrial e, no período noturno, os cursos superiores de tecnologia em Processos Gerenciais e, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, avaliado como o melhor do ABCD. 8

10 Centro Educacional da Fundação Salvador Arena Faculdade de Tecnologia Termomecanica 1.4 MISSÃO DA IES Foto aérea Buscar soluções para a eficácia do ensino superior promovendo a excelência nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, de modo a tornar a Faculdade de Tecnologia Termomecanica uma referência em qualidade de ensino tecnológico em todo o país. 1.5 OBJETIVOS E METAS DA IES Objetivos Os objetivos da FTT no período de 2011 a 2015 são os seguintes: Manter a formação gratuita para alunos dos cursos superiores de tecnologia em Mecatrônica Industrial, em Alimentos, em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, e em Processos Gerenciais, promovendo a qualidade acadêmica dos cursos instituídos. 9

11 I. Ampliar a oferta de cursos de graduação tecnológica e de pós-graduação, além de cursos de extensão. II. Ampliar a oferta do número de vagas por turmas ingressantes dos cursos de graduação tecnológica. III. Desenvolver a aplicação de conhecimentos tecnológicos em empresas nos seus campos de atuação. IV. Participar do desenvolvimento social da região em que está inserida. V. Oferecer cursos e/ou disciplina(s) em EAD de acordo com as determinações legais. VI. Estabelecer vínculo de comunicação/acompanhamento com os egressos. VII. Aumentar o número de ações em pesquisa e extensão universitária. VIII. Aumentar a visibilidade da FTT Metas da IES São assumidas como metas institucionais capazes de garantir a materialização da missão e objetivos institucionais: I. Estar entre as melhores instituições de ensino (faculdades) do país, orientado conforme os mecanismos de avaliação estabelecidos pelo Ministério da Educação. Meta para II. Ampliar a oferta de cursos de graduação tecnológica. Meta para todo o período 4. III. Ampliar em pelo menos 100% a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu. Meta para todo o período. IV. Oferecer oportunidades diferenciadas de integralização curricular. Meta para V. Oferecer cursos e eventos de educação continuada a seus ex-alunos e à comunidade em geral. Meta para todo o período. VI. Ampliar e atualizar o acervo bibliográfico de acordo com as necessidades apresentadas pelos atuais e novos cursos. Meta para todo o período, VII. Ampliar e atualizar os equipamentos de laboratório de acordo com as necessidades apresentadas pelos atuais e novos cursos. Meta para todo o período. 4 Considerar a vigência do documento 10

12 VIII. Ampliar e atualizar os softwares empregados nos cursos. Meta para todo do período. IX. Ampliar os programas de pesquisa e extensão acadêmica. Meta para todo o período. X. Fortalecer as linhas prioritárias de pesquisa, nas áreas do conhecimento da FTT, associando a responsabilidade social com a liberdade de criação e construção do conhecimento. Meta para todo o período XI. Utilizar 20% de carga horária dos cursos tecnológicos para ensino em EAD. Meta para XII. Estabelecer políticas de convênios e parcerias com empresas ou IES. Meta para XIII. Fortalecer e ampliar os convênios e parcerias com empresas ou IES. Meta para todo o período até XIV. Manter e ampliar a participação de estudantes em atividades de monitoria, de pesquisas, de extensão e atividades extracurriculares. Meta para todo período. XV. Participar de atividades relacionadas à responsabilidade social promovidos pela Fundação Salvador Arena. Meta para todo o período XVI. Manter e ampliar os programas de capacitação para colaboradores (as) e docentes da FTT. Meta para todo o período. XVII. Criar o Núcleo Docente Estruturante (NDE), atendendo às orientações legais. Meta para XVIII. Garantir condições de atuação para Comissão Própria de Avaliação (CPA). Meta para todo o período XIX. Compor o quadro docente com 100% de professores com titulação de Mestres ou de Doutores. Meta até XX. Implementar a Revista da FTT para a publicação de produção acadêmica e científica da Instituição e de outras IES. Meta para 2011 XXI. Criar canais de comunicação da IES com os egressos Meta para XXII. Divulgar a FTT em eventos e mídias. Meta para todo o período até

13 1.6 ÁREAS DE ATUAÇÃO ACADÊMICA DA FTT Na educação tecnológica e na pós-graduação lato sensu as áreas de atuação acadêmica da instituição pertencem às seguintes grandes áreas: Indústria Química Gestão Informática Área de Indústria Curso Superior de Tecnologia em Mecatrônica Industrial Curso autorizado pelo MEC pela Portaria nº de 19/12/2002 Avaliado com o Conceito B Curso reconhecido pelo MEC pela Portaria nº 259 de 26/01/2005 Avaliado com o Conceito A Processo de renovação de reconhecimento em trâmite no MEC Curso de Especialização lato-sensu em Processos de Conformação Mecânica de Materiais Metálicos Oferecido em parceria com a FUSP Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo. Ano: Área de Química Curso Superior de Tecnologia em Alimentos Curso autorizado pelo MEC pela Portaria nº de 19/12/2002 Avaliado com o Conceito B Reconhecido pelo MEC pela Portaria nº 260 de 26/01/

14 Avaliado com o Conceito A Processo de renovação de reconhecimento em trâmite no MEC CPC 2008 = Curso de Especialização lato-sensu em Gestão da Qualidade e Segurança de Alimentos Oferecido em parceria com a Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas. Ano: Área de Gestão Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Curso autorizado pelo MEC pela Portaria nº 77 de 12/01/2004 Avaliado com o Conceito B Reconhecido pelo MEC pela Portaria nº 274 de 05/04/2007 Avaliado com nota Curso de Especialização lato-sensu - MBA em Gestão Empresarial In company - pela Fundação Getúlio Vargas. Ano: Área de Informática Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Curso autorizado pelo MEC pela Portaria nº 78 de 12/01/2004 Avaliado com o Conceito B Reconhecido pelo MEC pela Portaria nº 473 de 07/09/2007 Avaliado com nota 4 CPC 2008 = 3 13

15 Curso de Especialização lato-sensu - MBA em Gestão de Tecnologia da Informação In company - pela Fundação Getúlio Vargas. Ano: Cursos de extensão A área de Extensão da Faculdade de Tecnologia Termomecanica buscando complementar a formação acadêmica dos alunos de seus cursos de graduação e de membros da comunidade vem ao longo dos anos organizando e oferecendo cursos de extensão. Segue a relação de alguns cursos já desenvolvidos: Gestão de Projetos baseados no PMI Trabalho em Equipe Introdução ao Mainframe Programação Básica em C# com SQLServer Projeto de Componentes Mecânicos usando o Método dos Elementos Finitos Aplicações com o software ABAQUS Avanços em Análise Sensorial de Alimentos e Bebidas Bioquímica dos Alimentos Funcionais Higiene e Manipulação de Alimentos Metrologia e Pneumática e Hidráulica 14

16 2 PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI 2.1 INSERÇÃO REGIONAL A proposta dos cursos superiores de tecnologia da FTT visa à rápida formação e inserção de profissionais no mercado laboral, atendendo, em particular às necessidades do Grande ABC, porém a atuação dos egressos dos cursos da FTT não se limita apenas ao entorno, expandindo-se por toda Grande São Paulo e regiões nos diversos de tipos de empresas e setores. De acordo com o Boletim Econômico da Prefeitura do Município de São Bernardo do Campo (2010) 5, foram abertos 4000 novos empregos formais na cidade no primeiro trimestre de Esse número de vagas ficou concentrado no setor de serviços, responsável por 68% das contratações. Um nicho que sempre foi forte em São Bernardo e continua em crescimento, alcançando o melhor resultado dos últimos meses, são as exportações. Cabe ressaltar, também, que as importações subiram 40% de fevereiro para março. O governo já sinalizou que nos próximos seis meses deve eliminar o redutor de 40% no II (Imposto de Importação) para autopeças o que deverá reativar a produção no mercado interno, afetando positivamente o Grande ABC. A composição das receitas da prefeitura do Município de São Bernardo do Campo mostra que apenas 36.6% são fontes tributárias, sendo que as principais arrecadações tributárias representam 33% de ICMS e 18% de IPTU. No mesmo documento são apresentadas as principais realizações previstas para 2011, destacando-se a construção de sete Centros Educacionais Unificados (CEUs) e do Hospital das Clínicas, bem como a manutenção do Hospital de Ensino Anchieta, Hospital Municipal Universitário e do Pronto- Socorro. Segundo a 4ª edição do Boletim Econômico de São Bernardo do Campo (2010) foram iniciados investimentos nas áreas de habitação e infraestrutura, com verbas oriundas do Programa de Aceleração do Crescimento - PAC, somando mais de R$ 64 milhões. Nesse contexto vale ressaltar que no mês de maio de 2010, segundo a 4ª edição 5 Material disponível em: <(http://www.saobernardo.sp.gov.br/dados1/arquivos/boletim/boletim_02.htm. 15

17 desse mesmo boletim, foram criados 1799 postos de trabalho na indústria, comércio e serviços. A balança comercial do município foi superavitária em mais de US$ 80,5 milhões ante US$ 60,4 no mês de abril demonstrando um avanço de 30% em relação ao mês anterior. Nas finanças públicas, as receitas arrecadadas pelo município de São Bernardo do Campo já somam quase R$ 900 milhões, o que corresponde à aproximadamente 36% do total das receitas previstas para o ano de Não obstante à guerra fiscal que nos últimos anos provocou a dispersão das indústrias do estado de São Paulo, o estado concentra 40% da produção industrial brasileira e dispõe de uma das melhores infraestruturas física e tecnológica do país. Cabe destacar que com a implementação do trecho sul do Rodoanel paulista, existe a perspectiva que em 35 anos de concessão, a receita tarifária alcance R$ 26 bilhões, o que corresponde a um tráfego de mais de 3 bilhões de veículos, com o retorno de um investimento total nas obras de R$ 5 bilhões, facilitando a criação de novos postos de trabalho. Tendo em vista o panorama econômico exposto, a missão e os valores que norteiam as práticas da FTT mostram-se alinhados às demandas do mercado de trabalho, justificando a manutenção dos cursos oferecidos pela instituição. Dessa forma, é válido e pertinente afirmar que a FTT tem contribuído para o desenvolvimento econômico, e por extensão, social da região em que está inserida. 2.2 PRINCÍPIOS FILOSÓFICO-PEDAGÓGICOS GERAIS QUE NORTEIAM AS PRÁTICAS ACADÊMICAS DA INSTITUIÇÃO A instituição A Fundação Salvador Arena é uma entidade filantrópica que tem por missão dar apoio à comunidade para a construção da cidadania de seus membros, por meio de diferentes atividades de inclusão social, dentre as quais a educação é tratada como sua principal vocação. 16

18 A melhoria do ensino brasileiro, respeitada a tese que seu fundador defendeu por mais de três décadas, constitui a pedra fundamental sobre a qual repousam as unidades escolares do Centro Educacional da Fundação Salvador Arena, O Colégio Termomecanica, fundado em 1989, tem por finalidade oferecer gratuitamente educação básica de qualidade para a comunidade da região em que está inserido, servindo também de exemplo para ações de inclusão social necessárias à elevação da qualidade de vida das populações. O êxito alcançado com o os cursos de educação básica e com os cursos técnicos de nível médio estimulou a Fundação Salvador Arena a elevar ainda mais a qualificação dos profissionais por ela formados. Decidiu-se, então, pela criação de cursos profissionais, de nível superior, que conduzem ao diploma de tecnólogo. Ao longo do ano de 2002 elaborou-se o projeto de criação do então Centro de Educação Tecnológica Termomecanica, com os cursos superiores de tecnologia em Mecatrônica Industrial e em Alimentos. O Centro Tecnológico, juntamente com o Curso Superior de Tecnologia em Mecatrônica Industrial, foram autorizados a funcionar pela Portaria de 19/12/02 do Ministério da Educação, e o Curso Superior de Tecnologia em Alimentos foi autorizado a funcionar pela Portaria de 19/12/02 do Ministério da Educação. Esses dois cursos começaram a funcionar no início de 2003, no período diurno, em regime de tempo integral, com 40 horas semanais de aulas, 4 semestres de duração mais um estágio profissional obrigatório com no mínimo 400 horas de duração, a ser realizado após a fase acadêmica do curso. Ao longo de 2003 foram elaborados os projetos de criação de dois novos cursos superiores de tecnologia, atualmente denominados: Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais, pela Portaria 77 de 12/01/04 do Ministério da Educação, e Curso Superior de Tecnologia Análise e Desenvolvimento de Sistemas, pela Portaria 78 de 12/01/04 do Ministério da Educação. Esses dois cursos começaram a funcionar no início de 2004, no período noturno, com 20 a 22 horas semanais de aulas, 6 semestres de duração, mais um estágio profissional obrigatório de no mínimo 400 horas de duração. 17

19 Posteriormente, em 04/10/04, pelo Decreto nº do Presidente da República, os Centros de Educação Tecnológica privados foram transformados em Faculdades de Tecnologia. Estava assim institucionalizada a FTT - Faculdade de Tecnologia Termomecanica Os fundamentos do projeto O Projeto Pedagógico Institucional da FTT foi concebido a partir da compreensão e análise dos princípios que norteiam o funcionamento dos cursos tecnológicos no Brasil e na crença de que essa modalidade de ensino é uma das principais respostas do setor educacional às necessidades e demandas da sociedade brasileira, uma vez que o progresso tecnológico vem causando profundas alterações nos modos de produção, na distribuição da força de trabalho e na sua qualificação (MEC, 2002) 6. Essa modalidade de Ensino, dada a sua especificidade, parte do pressuposto de que é necessário garantir ao futuro profissional o desenvolvimento de competências e habilidades que o instrumentalizem para desempenhar atribuições que lhe são conferidas pelo mundo do trabalho. Nesse contexto, a competência profissional, de acordo com as diretrizes do Ministério da Educação (2002), deve ser entendida como a capacidade de articular, mobilizar e colocar em ação valores, conhecimentos e habilidades necessários ao desempenho eficiente e eficaz de atividades requeridas pela natureza do trabalho. Para a aquisição de conhecimentos e habilidades que permitam o desenvolvimento de competências, a formação de profissionais de nível superior é feita por meio do aprendizado de temas de Ciências Profissionais, de Técnicas Profissionais e Ciências Básicas, As Ciências Profissionais dos currículos tecnológicos consideram essencialmente aqueles temas que dão suporte às práticas da profissão considerada, incluindo-se, em princípio, apenas aqueles tópicos que não demandem profundos conhecimentos de Ciências Básicas e, consequentemente, também não requeiram grandes períodos de tempo para o seu aprendizado. 6 MEC. PARECER CNE/CP Nº29/2002. Trata das Diretrizes Curriculares Nacionais no Nível de Tecnólogo. Brasília,

20 As Técnicas Profissionais estudadas nos currículos tecnológicos abrangem campos específicos da área de conhecimentos envolvida, necessariamente compatíveis com as finalidades dos cursos considerados, não abordando problemas que escapem do foco estabelecido para os mesmos, permitindo que o tecnólogo possa se atualizar, a fim de atuar em outros campos da mesma área profissional ou de áreas afins. Quanto aos temas de Ciências Básicas aparecem na medida em que sejam indispensáveis ao entendimento das formulações das leis da natureza em nível superior, sem aumento significativo da carga horária Os currículos No Brasil, a tentativa inicial de criação de cursos superiores de tecnologia remonta à década de 60 do século XX, com a criação dos então chamados Cursos de Engenharia Operacional, porém, somente agora 7 atingiu pleno êxito com o aparecimento de cursos superiores nos moldes definidos pelo Ministério da Educação, como os que passaram a existir na Faculdade de Tecnologia Termomecanica, mantida pela Fundação Salvador Arena. Esses novos cursos puderam ter sua organização adequadamente conceituada a partir da promulgação da lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9394/96, que definiu separadamente os objetivos da Educação Superior dos objetivos da Educação Profissional. Os currículos tecnológicos são organizados tendo em vista uma hierarquia bem estabelecida de habilidades e competências a serem adquiridas pelos alunos. Os objetivos terminais dos cursos são definidos de forma precisa e operacional, constituindo a base da organização curricular. No currículo tecnológico, os objetivos terminais de natureza prática têm uma ênfase significativa na organização curricular, levando à especificação da aprendizagem de conhecimentos procedimentais e atitudinais em formas que permitam sua observação ou mensuração durante a aprendizagem. 7 De acordo com o Censo da Educação Superior, o número de alunos que ingressaram em cursos de tecnologia cresceu 390% de 2002 a 2007, passando de pra (MEC, 2010) 19

21 A avaliação na FTT apóia-se no desempenho do aluno, definido pela contagem de pontos em testes padronizados, ou em testes específicos destinados à aferição de competências definidas pelos objetivos terminais do curso A formação dos profissionais de nível superior em currículos tecnológicos A formação do tecnólogo, desde seu início, é focada nas competências que o futuro profissional deve adquirir e no mercado de trabalho no qual vai atuar. Nessas condições, o que se espera da formação de um tecnólogo é que, terminada a fase escolar, e após um estágio profissional supervisionado, o profissional esteja apto para o início do pleno exercício de suas atividades nos modernos sistemas de produção. De início, é preciso salientar que as DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE NÍVEL TECNOLÓGICO (2002) recomendam, para as áreas de Indústria e de Química, uma carga horária mínima de 2400 horas, para a área de Informática, 2000 horas, e para a área de Gestão, 1600 horas. Desse modo, para que este tipo de profissional possa desempenhar eficientemente as funções que a empresa moderna dele exige, é preciso que a formação do tecnólogo seja feita em termos adequados às suas funções. É necessário ter em mente que a era da produção em que a qualidade dependia da habilidade do operário acabou, em virtude da automação. Essa mudança, que ganhou espaço na Grande São Paulo, a partir de meados da década de 90, exigiu inicialmente uma renovação dos cursos técnicos de nível médio. É importante salientar que cada vez mais o trabalho nas empresas toma o aspecto de equipes multiprofissionais. Nesse sentido, cada vez mais as atividades de mecatrônica industrial, de industrialização de alimentos, de informática e de gestão se interpenetram e se apóiam mutuamente. Coerente com estas diretrizes, os cursos tecnológicos da Faculdade de Tecnologia Termomecanica têm seus currículos organizados com ênfase nas competências finais a serem adquiridas por meio das disciplinas de Ciências e de Técnicas Profissionais, além das Ciências básicas. 20

22 2.2.5 Competências gerais para formação do tecnólogo Os profissionais formados em cursos superiores de tecnologia exercem atividades em diferentes áreas profissionais. Dentro de cada uma dessas áreas, o tecnólogo pode ocupar diferentes postos de trabalho, incluídos em campos específicos de atividades regulamentadas legalmente pelo Ministério da Educação. Os perfis dos egressos dos cursos superiores de tecnologia são definidos por competências profissionais específicas que definem os objetivos a serem alcançados em cada curso. De modo geral, essas competências profissionais específicas podem ser sintetizadas no elenco seguinte de competências gerais, que devem se constituir nas competências que caracterizam o desempenho profissional eficiente e eficaz de todos os tecnólogos: Ter uma visão adequada da área de suas atividades profissionais em termos políticos, econômicos, sociais e ambientais; Identificar, selecionar e gerenciar os recursos materiais e humanos empregados em suas atividades profissionais; Planejar e organizar o trabalho, otimizando o arranjo geral de suas instalações; Exprimir-se e comunicar-se com seu grupo, superiores hierárquicos e subordinados; Executar e dirigir as atividades próprias de suas funções profissionais e controlar a qualidade dos resultados do trabalho realizado; Manter a atualização de conhecimentos e a consciência da qualidade e das implicações éticas de seu trabalho. 2.3 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DA INSTITUIÇÃO Tendo em vista que os cursos oferecidos pela IES são de graduação tecnológica, a organização Didático-pedagógica da Instituição está alicerçada nas orientações legais para essa modalidade de ensino que apontam para um modelo que possibilite a formação de um profissional apto a desenvolver, de forma plena e inovadora, atividades em determinada área profissional, além disso, o futuro profissional deve ter formação específica para: a aplicação e desenvolvimento da capacidade empreendedora; 21

23 manutenção de suas competências em sintonia com o mundo do trabalho; e desenvolvimento no contexto das respectivas áreas profissionais (MEC, 2002) Observa-se que as expectativas em relação à organização didático-pedagógica dos cursos de Tecnologia estão focadas no desenvolvimento de competências, conforme recomendado por estudos, relacionados às demandas educacionais para o milênio, da UNESCO (1999). De acordo com esses estudos, para dar conta da complexidade do mundo moderno, a educação deve organizar-se em torno de quatro aprendizagens fundamentais: aprender a conhecer; aprender a fazer; aprender a viver junto e aprender a ser. Em outras palavras, é necessário que o aluno seja instrumentalizado para buscar, por seus próprios meios, o conhecimento (autonomia), que seja capaz de mobilizar suas experiências, acadêmicas ou não, para concretizar um saber, que entenda que os saberes devem ser compartilhados, pois só assim o conhecimento tem sentido e, sobretudo, que saiba agir com ética e respeito ao ser humano e às diversidades. Atenta a essas diretrizes, a FTT organizou as grades curriculares de seus cursos de forma a favorecer o desenvolvimento dessas competências, além disso, há componentes curriculares que têm como foco o desenvolvimento de projetos interdisciplinares A seleção das unidades curriculares e a especificação dos conteúdos De modo geral, a organização de um curso começa pela eleição de um conjunto de componentes curriculares que, por consenso, admitiram-se como capazes de conter tudo que se considera como necessário ensinar, respeitando-se as exigências da legislação educacional pertinente e às recomendações das diretrizes curriculares estabelecidas por autoridades escolares. Considerando os objetivos dos cursos tecnológicos, as suas unidades curriculares devem ser selecionadas a partir das competências profissionais específicas referentes a cada uma delas, tendo em vista os conhecimentos de ciências básicas, de ciências profissionais e de técnicas profissionais que dão suporte aos saberes e às habilidades componentes das diferentes competências. Para a organização do curso, esses componentes curriculares, usualmente formados por disciplinas escolares, devem ser dispostos ao longo de um fluxo lógico de 22

24 conhecimentos, respeitando-se as anterioridades que certas disciplinas devem ter em relação aos demais componentes do conjunto. A especificação dos conteúdos das unidades curriculares, entendida como a identificação do elenco de objetos de estudo a serem lecionados em cada uma, é feita em duas etapas, com diferentes níveis de detalhamento. Em uma primeira etapa, são elaboradas as ementas de cada uma das disciplinas selecionadas para o curso. Nesta etapa, como orientação, e mesmo como justificativa dos conteúdos incluídos, são escolhidas as referências bibliográficas de cada disciplina. Somente com a especificação das referências bibliográficas é que se poderá ter uma razoável compreensão do que se pretende ensinar em cada uma das disciplinas do curso. Todavia, a efetiva especificação dos conteúdos somente ocorre em uma segunda etapa, com a apresentação do elenco dos objetos de estudos a serem tratados em cada disciplina do curso. Esse elenco somente será conhecido com a elaboração dos respectivos planos de aula, a serem organizados pelo professor responsável pela condução das aulas da disciplina considerada. Deste modo, a avaliação do nível de qualidade de um determinado curso precisa incluir a análise dos planos de seus componentes curriculares, compostos pelos correspondentes planos de aula, que devem relacionar os objetos de estudo a serem abordados em cada uma delas. A verificação da documentação dos diários de classe de cada um desses componentes curriculares precisa fazer parte da verificação dessa qualidade Plano para atendimento às diretrizes pedagógicas Inovações consideradas significativas, especialmente quanto à flexibilidade dos componentes curriculares; I. Trabalho de conclusão de curso Um dos pontos centrais da moderna pedagogia é o exercício efetivo da interdisciplinaridade. Na organização dos currículos dos cursos da FTT, a necessidade da interdisciplinaridade é elemento regulador essencial. Todavia, em um curso feito em poucos semestres, sempre haverá significativa forma de fragmentação curricular dos 23

25 conteúdos programáticos. Por essa razão, o trabalho de conclusão de curso é indispensável. No trabalho de conclusão de curso, o aluno é exposto à necessidade de dar resposta a um problema real de natureza profissional, que não pode ser resolvido no âmbito de apenas uma ou duas disciplinas. O aluno é obrigado a adotar uma postura transdisciplinar para resolvê-lo, com o acompanhamento de um docente orientador. Os trabalhos de conclusão de curso são definidos por cada aluno juntamente com seu orientador no penúltimo semestre do curso. Os trabalhos devem ser relatados em uma monografia, com as características dos textos destinados à publicação, e os que já foram realizados mostraram a grande capacidade de amadurecimento profissional que os trabalhos de conclusão de curso permitem atingir. II. Atividades Acadêmicas extracurriculares Recepção dos calouros: O campus recebe os alunos novatos e seus familiares, antes do início do período letivo, para que recebam informações referentes aos cursos ofertados e às normas e regras da instituição, alem de reforçar o papel da família no processo educacional. Encontro de egressos: atividade anual que recebe os ex-alunos da instituição com o objetivo de mantê-lo integrado à instituição e realização de pesquisa para obtenção de indicadores externos do desempenho dos cursos no mercado de trabalho em que atuam. Semana de Tecnologia: Evento anual que tem por objetivo ser um espaço para troca de idéias e experiências entre universitários, professores, profissionais e empresas. O evento é composto por palestras, minicursos, mostra de iniciação científica, atividades e exposições acadêmicas e culturais. III. Convivência entre os alunos A FTT estimula a convivência de seus alunos e as práticas de lazer que permitem a integração dos alunos dos diferentes cursos como meio de ampliação do universo cultural de todos eles. 24

26 Atividades esportivas e culturais também são ofertadas permitindo que o aluno interaja com as diferentes formas de cultura. Em muitos casos os familiares são integrados à comunidade escolar participando das atividades culturais. Hoje quase a metade dos alunos da FTT desempenham alguma atividade esportiva oferecida: natação, esportes de quadra (voleibol, basquetebol, futsal) atletismo, futebol, aulas de música, aulas de canto, aulas de dança e teatro. IV. Orientação Educacional A instituição conta com um setor de Orientação Educacional que tem como principal objetivo acompanhar o desenvolvimento dos alunos, orientando-os em diversos aspectos tais como: profissional, comportamental, cognitivo, social e familiar. Esse acompanhamento deve auxiliar o educando na construção de um caminho reflexivo e promover seu aprendizado na interação com o meio. V. Parcerias Estratégicas A FTT mantém parcerias estratégicas com empresas com o objetivo de aproximar a realidade acadêmica dos diferentes cenários corporativos que apontam as tendências nas diferentes áreas do conhecimento. Alguns exemplos de parceria: SAP, Microsoft, Termomecanica, Marba e IBM. VI. Monitoria A Monitoria possibilita a experiência da vida acadêmica promovendo a integração de alunos de períodos mais avançados com os demais, a participação em diversas funções da organização e desenvolvimento das disciplinas do curso, além de treinamento em atividades didáticas, conforme as normas estabelecidas pela instituição. Os monitores são escolhidos pela Diretoria da FTT em conjunto com a coordenação e os professores responsáveis pelas disciplinas, levando-se em conta a maturidade intelectual e o rendimento acadêmico do candidato, disponibilidade horária e conduta perante os colegas, corpo docente e a Instituição. 25

27 VII. Apoio Social ao Aluno Embora todas as atividades da FTT sejam integralmente gratuitas, a instituição também mantém um setor de apoio social ao aluno que possui 5 subprogramas de apoio. Dentre eles estão o auxilio transporte, auxilio alimentação, auxilio material escolar, auxilio emergencial a famílias, atendimento odontológico e a capacitação profissional de pais de alunos e geração de renda. VIII. Nivelamento de Conteúdos O pleno desenvolvimento do educando inclui a formação de seu caráter, buscandose a formação de indivíduos autônomos e solidários, isto é, capazes de tomar a iniciativa de realização de seus projetos de vida, respeitando, todavia, os projetos de vida de seus semelhantes. Para isso, ao final da educação básica, o educando deve ter entendido o mundo em que vai viver, isto é, deve ter se situado no espaço cultural em que vão se desenrolar seus projetos de vida. A despeito das diretrizes legais para a Educação Básica com que os ingressantes na FTT deveriam ter sido formados, a experiência já adquirida pela FTT com os ingressantes em seus cursos tecnológicos, por meio do atual processo seletivo, mostra que eles, de modo geral, apresentam falhas educacionais de diversas naturezas, tanto em conhecimentos conceituais, como em conhecimentos procedimentais e atitudinais. As deficiências em conhecimentos conceituais e procedimentais, particularmente de ciências básicas e de línguas, são enfrentadas pela FTT por meio de cursos de nivelamento com participação obrigatória dos alunos e tem como objetivo suprir as carências detectadas. As aulas de nivelamento são ministradas preferencialmente pelos professores das disciplinas e são realizadas fora dos períodos normais dos cursos. Além disso, a FTT está constantemente analisando a metodologia de seu processo de exames vestibulares a fim de regular o instrumento para minimizar os impactos para cada curso. Outro objetivo é ampliar o número de candidatos, uma vez que, com a gratuidade de seus cursos, ela poderá atingir um universo mais amplo de candidatos. 26

28 IX. Escritório de Projetos Um Escritório de Projetos pode ser definido com uma entidade organizacional estabelecida para auxiliar os gerentes de projeto e os times da organização na implementação dos princípios, práticas, metodologias, ferramentas e técnicas do gerenciamento de projetos. Neste contexto, o Escritório de Projetos da FTT tem por objetivo aplicar as práticas estudadas nos diferentes cursos, em projetos de empresas parceiras. Tais projetos são realizados por alunos nas dependências da FTT podendo ocorrer intercâmbio entre colaboradores da empresa parceira e os alunos da FTT. X. Núcleo de Pesquisa (NUPE): O Núcleo de Pesquisas Tecnológicas Termomecanica, órgão complementar da Faculdade de Tecnologia Termomecanica FTT, subordinado à Direção Geral, com pessoal técnico especializado e técnico administrativo da própria FTT, tem como objetivos: a. Desenvolver pesquisas nas áreas de atuação dos Cursos Superiores de Tecnologia mantidos pela FTT, de forma integrada com a Extensão; b. Produzir e divulgar conhecimentos sobre questões relevantes nessas áreas de atividade; c. Desenvolver tecnologias nos setores de interesse para a FTT; d. Colaborar com outros órgãos de pesquisa e com empresas industriais na solução de problemas técnicos e tecnológicos relevantes Oportunidades diferenciadas de integralização curricular A integralização dos Cursos da FTT obedece aos princípios legais do Ministério da Educação e Cultura e estão expressos nos Projetos Pedagógicos de cada curso, respeitando-se a carga horária estabelecida para os componentes curriculares bem como para os Estágios, Atividades Práticas e Complementares. Como oportunidade diferenciada de integralização de cursos, atualmente a FTT está em processo de análise e identificação de ações efetivas e condizentes à proposta pedagógica dos cursos. Nesse documento há um cronograma de implantação de um plano de oportunidades diferenciadas de integralização curricular. 27

29 Para os alunos que cursaram disciplinas em outras IES procede-se o aproveitamento de estudos dos componentes curriculares com aprovação e com carga horária equivalente ou superior aos componentes dos cursos da FTT. Em consonância com a LDB (Art. 47, 2º) a FTT oferece aos seus alunos que demonstram extraordinário aproveitamento em componentes curriculares específicos, a possibilidade de abreviarem a integralização de seus cursos mediante a realização de avaliação em banca examinadora, de acordo com normas próprias Atividades práticas e estágio O Estágio Profissional Supervisionado na Faculdade de Tecnologia Termomecanica é uma atividade extracurricular obrigatória e representa o esforço para que o aluno se integre ao mercado de trabalho e tenha chance de colocar em prática todo o conhecimento adquirido ao longo do curso. Representa, ainda, uma oportunidade para que o aluno mostre seu talento para empregadores em potencial, aumentando suas chances reais de garantir sua empregabilidade. O estágio supervisionado é um programa institucional, dirigido pelo Setor de Estágios da FTT, apoiado em regras estabelecidas no Regulamento Interno de Estágios. O documento contém todas as instruções gerais, no qual o aluno irá encontrar todas as regras e instruções para validação e aproveitamento de estágio profissional. O estágio pode ser realizado junto a pessoas jurídicas de direito público ou privado, sob responsabilidade e coordenação da instituição de ensino. O estágio, como parte integrante do processo formativo, contribui para a formação do futuro profissional porque permite ao estudante: I. A aplicação prática de seus conhecimentos teóricos, motivando seus estudos e possibilitando maior assimilação das matérias curriculares; II. Amenizar o impacto da passagem da vida estudantil para o mundo do trabalho, proporcionando contato com o mundo corporativo; III. Adquirir uma atitude de trabalho sistematizado, desenvolvendo a consciência da produtividade, a observação, a comunicação concisa de idéias e experiências adquiridas, incentivando e estimulando o senso crítico e a criatividade; 28

30 IV. Definir-se em face de sua futura profissão, perceber eventuais deficiências e buscar seu aprimoramento; V. Conhecer a filosofia, diretrizes, organização e funcionamento de empresas e instituições em geral, além de propiciar melhor relacionamento humano. Os estágios profissionais supervisionados obrigatórios, com interveniência da FTT, deverão ter uma duração mínima de 400 horas e máxima de 24 meses, podendo ser prorrogado por meio de termo de aditamento, desde que a soma dos períodos não exceda a 24 meses. Os estágios deverão realizar-se em até 18 meses 8 após a integralização da fase acadêmica com documentação que comprove a sua realização nesse período. O Setor de Estágios da FTT possui um profissional atuando em tempo integral no apoio aos alunos, e um docente do curso responsável pela supervisão acadêmica das atividades do estagiário. A coordenação de estágio conta, ainda com o acompanhamento da Coordenação do Curso e da Direção Acadêmica. Essa ênfase é dada pelo reconhecimento que o estágio supervisionado é, além de um importante mecanismo de formação do aluno, um instrumento para avaliação contínua da qualidade dos cursos Desenvolvimento de materiais pedagógicos As metodologias e formas de aprendizagem veem cada vez mais se modernizando, de tal forma que o aluno tem condições de assistir às aulas e interagir junto ao professor por meio de recursos multimídia, principalmente para aulas de ensino específicas, como por exemplo, o ensino de línguas estrangeiras. Tais mudanças impactam diretamente nos mecanismos atualmente utilizados pelas instituições de ensino, principalmente em aulas de laboratórios. Cada vez mais o uso de sistemas computacionais para esse mecanismo de aprendizagem é utilizado de forma que o professor possa atender a vários alunos simultaneamente, oferecendo cada vez mais ao aluno a possibilidade de interação, liberdade e o desafio da aprendizagem. 8 Esse formato é válido para os ingressantes dos cursos da FTT até o 2º semestre de A partir de 2011, para os cursos noturnos, os estágios deverão ser concluídos em até seis meses após o término da fase acadêmica. 29

31 Para que esses tipos de recursos tenham uma melhoria contínua, é necessário que os sistemas computações multimídias sejam capazes, cada vez mais, de interagir com o aluno de forma rápida, segura, e com um linguajar simples e eficiente. Nesse contexto, encontram-se em andamento na FTT projetos de pesquisa como, por exemplo, o projeto SAGAM 9, que têm por objetivos: investigar as formas como o ensino tradicional pode se beneficiar do uso de tutores inteligentes, através de ferramentas que ofereçam aos alunos uma melhor didática de ensino e velocidade para tal, além de dar apoio ao professor no acompanhamento da a evolução dos alunos em aulas especificamente usando-se laboratórios e recursos multimídia Incorporação de avanços pedagógicos Para a aplicação eficaz de um currículo tecnológico, há a necessidade de existir disponibilidade de ambientes com verdadeiras características profissionais. Tendo em vista permitir a construção de habilidades e competências profissionais pelos alunos da FTT, a faculdade mantém laboratórios e oficinas especializados que permitem a realização de atividades práticas com as características das que são realizadas no mundo do trabalho. Neste sentido a FTT tem estabelecido políticas de atualização dos laboratórios 10 e de investimento em tecnologias educacionais específicas para cada curso. 2.4 POLÍTICAS DE ENSINO O Sistema Nacional de Ensino Superior: Um Breve Panorama I. As informações abaixo constam nas referências de publicação do Sistema Nacional de Ensino Superior SINAES / INEP. 9 SAGAM- Sistema de acompanhamento e gerenciamento de aulas multimídias- projeto financiado pelo Núcleo de Pesquisa e Extensão (NUPE/FTT) 10 A FTT, seguindo às orientações da Mantenedora, apresenta anualmente m orçamento prevendo os investimentos necessários nos diferentes setores da IES. Uma vez comprovada a relevância do investimento, a mantenedora não mede esforços para oferecer os recursos solicitados. 30

32 Após a promulgação da Constituição de 1988, iniciou-se um debate acerca da nova Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional, que culminou com a aprovação, pelo Congresso Nacional em 20 de dezembro de 1996, da Lei nº 9.394/96, conhecida por Lei Darcy Ribeiro. Na realidade, esta lei é o principal pilar legislativo que governa a educação, principalmente a educação superior, no país, sendo ela composta pela Lei nº 9.394/96, por parte da Lei nº 4.024/61, e por um único artigo, o 16, da Lei nº 5.540/68. As competências e as responsabilidades dos diferentes níveis de governo, ou seja, o Federal, o Estadual e o Municipal, estão definidas nos artigos 8º e 9º da nova LDB. Neste sentido, o artigo 8º determina que a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão os seus sistemas de ensino em regime de colaboração. É importante sublinhar que cabe à União a responsabilidade de coordenar a política nacional de educação, o que inclui as tarefas de articulação dos diferentes níveis e sistemas e também do exercício das funções normativa, redistributiva e supletiva em relação às demais instâncias educacionais. Torna-se importante ressaltar que os assuntos educacionais são de inteira responsabilidade do Ministério da Educação (MEC), que deve, portanto, formular e avaliar a política nacional de educação, zelar pela qualidade do ensino e velar pelo cumprimento das leis que o regem. Cabe aqui sublinhar que o MEC, no desempenho de suas funções, conta com a colaboração do Conselho Nacional de Educação (CNE), sendo esta determinação estabelecida pelo artigo 6º, 1º da Lei nº 4024/61 e também pelo artigo 9º, 1º da Lei nº 9394/96. O Conselho Nacional de Educação (CNE) é um órgão criado por lei, composto pelas Câmaras de Educação Básica e de Educação Superior, e que tem atribuições normativas, deliberativas e de assessoramento ao Ministro da Educação, sendo o seu principal objetivo assegurar a participação da sociedade no aperfeiçoamento da educação nacional. Um aspecto que se reveste de particular importância é o da autonomia dos Estados e do Distrito Federal. De fato, eles, desde que mantenham instituições de ensino superior, poderão, conforme o inciso IX do artigo 9º, autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino. Os Estados da federação têm as seguintes atribuições: 31

33 I. Organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de ensino; II. Definir, com os Municípios, formas de colaboração na oferta do ensino fundamental, as quais devem assegurar a distribuição proporcional das responsabilidades, de acordo com a população a ser atendida e os recursos financeiros disponíveis em cada uma dessas esferas do Poder Público; III. Elaborar e executar políticas e planos educacionais, em consonância com as diretrizes e planos nacionais de educação, integrando e coordenando as suas ações e as dos seus Municípios; IV. Autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino; V. Baixar normas complementares para o seu sistema de ensino; VI. Assegurar o ensino fundamental e oferecer, com prioridade, o ensino médio; VII. Assumir o transporte escolar dos alunos da rede estadual. De acordo com o inciso IV acima, os estados da federação podem ter autonomia para conceder autorização, reconhecimento, credenciamento, supervisão e avaliação dos cursos das instituições de educação superior e dos estabelecimentos do seu sistema de ensino. Na realidade, os incisos I, IV e V estão em harmonia com o artigo 18 da Constituição Federal, que assegura autonomia a todos os níveis de organização políticoadministrativa da República Federativa do Brasil. A inovação tecnológica desempenha um papel cada vez mais importante no processo de desenvolvimento regional, uma vez que as regiões tendem a criar estruturas para promover pesquisas e a inovação e, consequentemente, gerar um ambiente propício para alavancar o seu próprio desenvolvimento. Se as regiões estão tomando consciência da importância da questão da inovação, o governo federal, principalmente através do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), tem se destacado ao tentar criar no país uma cultura voltada à inovação tecnológica O cenário atual do ensino superior O cenário atual coloca-nos diante de constantes e intensas transformações com a emergência de novas tecnologias de informação e comunicação que se traduz na plena 32

34 constatação de que estamos diante de uma crise paradigmática que se instala também, e fortemente, nos meios educacionais. A LDB traz à tona a necessidade de processos de mudança referentes à educação superior no sentido de dar respostas a novas demandas gestadas na envergadura desta sociedade dinâmica. Tais mudanças incluem uma densa revisão da concepção educacional pautada no ideário tecnicista de práticas pedagógicas que privilegiam os métodos tradicionais, para um ensino voltado à formação de sujeitos autônomos e que possibilitem ao estudante decidir por uma trajetória curricular mais condizente com seus interesses e necessidades. Infere-se, portanto, que a teleologia educacional de formação plena requer inovações nas políticas educacionais de nível superior, tendo-se em vista que o desafio hoje posto à educação superior reside, pois, em demandas de formação que, entre outras coisas, encontra seu eixo norteador na construção de novas concepções curriculares, comprometidas com o tempo histórico e seus artefatos culturais. Trata-se da organicidade entre formação profissional, formação política e formação estética, a qual supera o modelo de formação educacional restrito ao atendimento de demandas produtivas do ponto de vista do mercado econômico. Essa perspectiva recupera o conceito de estudos, de refinamento da sensibilidade e de produção de bens culturais como trabalho, ou seja, como ação consciente sobre o meio a fim de satisfazer necessidades materiais e espirituais, seja transformando, seja aperfeiçoando, seja criando o patrimônio cultural com vistas para o atendimento de demandas verificadas na prática social. 2.5 POLÍTICAS DE EXTENSÃO As atividades da extensão na FTT buscam alinhar-se à Missão expressa da Fundação Salvador Arena que é Contribuir com a sociedade, em especial com os mais necessitados, ou ainda na medida em que a FTT for solicitada diretamente ou por intermédio da Mantenedora, oferecer cursos de extensão nas áreas de atividade dos diferentes cursos superiores de tecnologia, tendo em vista o suporte acadêmico que a FTT se propõe a dar às empresas da região. Isso ocorre com os cursos de extensão que são desenvolvidos com na Instituição e que são oferecidos não só para a comunidade acadêmica, como também para o público externo. 33

35 A FTT estabeleceu a partir de 2008, o NUPE Núcleo de Pesquisas e Extensão, com o objetivo de desenvolver pesquisa e extensão universitária nas áreas de competência da FTT, em acordo com as diretrizes da FSA e buscando o desenvolvimento sustentado de pessoas, comunidades e organizações. O NUPE busca criar e estimular vínculos e contribuições da Extensão para o desenvolvimento local/regional. Além disso, vale destacar a realização, com periodicidade anual, do evento Semana de Tecnologia, em que são oferecidos à comunidade acadêmica e ao público externo, um grande número de palestras e mini cursos para aperfeiçoamento profissional. A integração entre ensino, pesquisa e extensão faz parte de todas as políticas acadêmicas das FTT, sendo objeto de planejamento em todo início de semestre em cada uma das disciplinas, e de acordo com as Diretrizes Didático-Pedagógicas da FTT. Os temas preferenciais para os projetos de extensão da FTT mostram o forte viés de responsabilidade social. Vários contatos e parcerias são feitos visando a reforçar o aspecto de responsabilidade social na Extensão da FTT com demandas locais e regionais, com o envolvimento de docentes e alunos. No documento Descrição e Regras de Funcionamento da Pesquisa e Extensão na FTT, estão estabelecidos os temas preferenciais para os projetos de extensão da FTT, de onde se depreende a grande vinculação desses com as necessidades da comunidade, havendo um forte viés de responsabilidade social. Além disso, a FTT propõe-se a oferecer cursos e eventos de educação continuada a seus ex-alunos e à comunidade em geral, interessando-os nessas atividades por meio de encontros nas Semanas de Tecnologia da FTT realizadas anualmente. Nesse campo, vale destacar a organização, a partir de 2009, do evento Encontro de ex-alunos da FTT, que ocorreu em novembro de 2009, com a palestra do Economista e Escritor Amyr Klink. Desde o 2º semestre de 2007, vêm sendo realizados diversos projetos com a participação de docentes e alunos nas ações de extensão e intervenção social, ações essas coordenadas pelo Núcleo de Formação Cidadã (NFC), dentro do conjunto de atividades desenvolvidas no âmbito do NUPE FTT. Dentro das diretrizes institucionais anteriormente citadas, a FTT buscará atingir os seus objetivos utilizando algumas estratégias, tais como: 34

36 I. Realizar diagnósticos das reais necessidades e potencialidades da comunidade acadêmica, visando o atendimento de demandas provenientes da sociedade; II. Promover ações de extensão dentro das áreas de abrangências da FTT, por meio de eventos e atividades que contem com o amplo envolvimento da comunidade acadêmica. III. Ampliar ações, em parceria com Instituições Públicas e Privadas, que contribuam para a melhoria da qualidade de vida do cidadão. IV. Planejar e implantar cursos complementares de capacitação e de atualização acadêmica abertos à sociedade; V. Ampliar o número de convênios estabelecidos com Instituições Públicas e Privadas; VI. Implementar a Revista da FTT para a publicação da produção acadêmica e científica da Instituição e de outras IES; 2.6 POLÍTICAS DE PESQUISA Como forma de estimular o desenvolvimento da Pesquisa na Instituição, a FTT criou em 2007 o Núcleo de Pesquisa e Extensão da FTT (NUPE) que tem como objetivo principal fomentar a pesquisa em seus vários níveis entre os docentes e alunos de todos os cursos de nível superior oferecidos pela FTT. Nas descrições e regras de funcionamento do NUPE, fica clara a intenção da FTT de alinhar tecnologia ao desenvolvimento sustentável, dando preferência a ações que priorizem a pesquisa em tecnologias a serviço da melhoria das condições de vida dos mais necessitados, reafirmando o compromisso social da IES. Cabe ao NUPE também dar apoio as atividades relacionadas ao TCC, bem como coordenar a participação de docentes em eventos externos, reforçada com a implantação de Procedimento específico dentro do Sistema de Gestão da Qualidade da Fundação Salvador Arena. A partir do ano de 2008, com o início da operacionalização do NUPE, os projetos desenvolvidos vêm estimulando o desenvolvimento dos docentes à prática da pesquisa científica. 35

37 O documento que rege o NUPE estabelece critérios muito claros para o desenvolvimento de pesquisas na FTT, inclusive pontuando cada projeto em função da observância desses critérios. Na descrição e regras de Funcionamento do NUPE no item 8 (aspectos financeiros) o incentivo à participação de professores, se dá por meio de Bolsa de auxílio à Pesquisa e Extensão e dos alunos por meio das Bolsas de Iniciação Científica ou Bolsas de Extensão. De modo a atingir seus objetivos institucionais na área da Pesquisa, a FTT atingir os seus objetivos utilizando algumas estratégias, tais como: I. Fortalecer as linhas prioritárias de pesquisa, nas áreas do conhecimento da FTT, associando a responsabilidade social com a liberdade de criação e construção do conhecimento. II. Apoiar a formação e consolidação de grupos de pesquisa, integrados às linhas prioritárias de pesquisa. III. Intensificar e diversificar as formas de publicação e divulgação da produção científica da FTT, com a implantação de uma revista científica da instituição. IV. Apoiar a busca por fontes de fomento externo para o desenvolvimento de pesquisa. 2.7 POLÍTICAS DE GESTÃO Sustentabilidade financeira da instituição e políticas de captação e alocação de recursos. A Faculdade de Tecnologia Termomecanica (FTT) é mantida pela Fundação Salvador Arena (FSA) entidade de direito privado, sem fins lucrativos, criada por escritura pública em 21 de dezembro de 1964, que tem como finalidade estatutária prestar assistência social, particularmente em educação, habitação popular e saúde pública, bem como prestar assistência a entidades que atuam nessas atividades e amparar e assistir aos empregados da Termomecanica São Paulo S.A. e da própria entidade através de auxílios e pensões. A Fundação é também, detentora exclusiva do capital acionário da Termomecanica São Paulo S.A., metalúrgica de grande porte em São Bernardo do Campo. Todo o trabalho da FSA é acompanhado pelo Ministério da Justiça, pela Secretaria de Justiça do 36

38 Estado de São Paulo, por meio da Curadoria das Fundações e também pelo Ministério da Previdência Social e pelo Ministério da Educação. Na consecução de seus objetivos sociais, a Entidade aplica recursos em projetos e iniciativas de assistência social e educação. A FSA destina recursos a seus projetos próprios majoritariamente localizados em seu Centro Educacional onde há duas unidades de ensino, a FTT e o Colégio Termomecanica. Especialmente na FTT, essas aplicações totalizaram, nos anos de 2007 e 2008, e em milhares de reais, respectivamente, conforme publicação do Balanço Patrimonial da Fundação Salvador Arena, no Diário Oficial Empresarial de 31 de março de A FTT mantém todos os seus cursos de modo gratuito e sua sustentabilidade financeira decorre inteiramente dos rendimentos do patrimônio da Mantenedora. As demonstrações do superávit, das mutações do patrimônio social e das origens e aplicações de recursos apresentadas no Balanço Social de (referentes ao ano de 2007 e 2008), foram consideradas adequadas em todos os aspectos, o que revela a devida responsabilidade orçamentária da Fundação em atendimento aos objetivos propostos. O patrimônio da FSA é formado pela dotação inicial do instituidor, Engenheiro Salvador Arena, e por todos os demais bens móveis e valores mobiliários posteriormente adquiridos. As atividades são custeadas com recursos provenientes dos rendimentos da apuração de seu patrimônio. Seus recursos são destinados aos programas de desenvolvimento e promoção social, estruturados em torno de quatro eixos temáticos: Educação, Saúde, Habitação e Assistência Social. Os objetivos institucionais, em documentos oficiais da FTT estão sendo cumpridos atendendo, de maneira gradativa, às necessidades das diversas áreas no que se refere à excelência da instituição em âmbito regional, qualidade acadêmica, criação de cursos de pós-graduação, atualização de acervo, de equipamentos e softwares, melhoria do sistema de informatização da gestão acadêmica, estabelecimentos de parcerias e convênios, entre outros. Para isso é previsto um orçamento anual, por curso, aprovado pela Diretoria Geral e homologado pela Diretoria Executiva, para atender essas necessidades, identificadas pelos responsáveis das diversas áreas. Os recursos são provenientes da Entidade Mantenedora, Fundação Salvador Arena, que destina para a área da educação uma porcentagem de sua receita anual. 37

39 Vale ressaltar que no Centro Educacional há duas unidades de ensino, a FTT e o Colégio Termomecanica além do Teatro Engenheiro Salvador Arena e o Campo Olímpico Estádio TM 23 utilizados também para o desenvolvimento de atividades educacionais. A FTT pretende, gradativamente, ampliar sua atuação nas atividades de educação superior, contribuindo assim, com uma importante parcela do esforço para o desenvolvimento nacional e para uma distribuição mais eqüitativa e justa das oportunidades educacionais à população brasileira Políticas direcionadas à aplicação de recursos para programas de ensino, pesquisa e extensão universitária. Ao criar a FTT a Mantenedora seguiu os princípios de seu patrono: oferecer uma educação de excelência para jovens de todas as classes sociais, sem qualquer discriminação de nenhuma natureza. Assim, a Mantenedora aplica os recursos que se fazem necessários em programas de ensino, pesquisa e extensão, apontados pelos docentes, coordenação pedagógica e direção acadêmica, buscando manter a qualidade e a excelência. O corpo docente é incentivado à contínua atualização profissional. A FTT possui um Núcleo de Pesquisas, para o qual os professores apresentam projetos de pesquisa que, após analisados e aprovados pela Direção, são remunerados. A FTT está instalada em cerca de 7.000m² de área construída, nos Blocos 7, 8, 9 e 10 das unidades escolares mantidas pela Fundação Salvador Arena, utilizando-se também de outras áreas comuns às demais unidades, como laboratório de Línguas, Refeitório, Ambulatório e áreas externas dedicadas ao lazer e esportes. Conta também com as facilidades disponíveis no prédio do teatro que faz parte do campus da FTT e tem seu uso ligado aos aspectos sócio-culturais do ensino. A FTT pretende, gradativamente, ampliar sua atuação nas atividades de educação superior 11, disponibilizando cursos de pós-graduação e financiando trabalhos de pesquisa e extensão, contribuindo, assim, com uma importante parcela do esforço para o desenvolvimento nacional e para uma distribuição mais eqüitativa e justa das oportunidades educacionais à população brasileira. 11 Conforme meta definida para a vigência deste documento. 38

40 2.8 RESPONSABILIDADE SOCIAL DA IES A história da Faculdade de Tecnologia Termomecanica está intimamente ligada à história da sua mantenedora, por vezes essa estreita ligação acaba dificultando a percepção das ações que são conduzidas unicamente pela IES, porém é possível observar que, nos últimos anos, essa realidade vem se modificando, consequência natural do processo de amadurecimento da FTT, em especial no que tange à importância social das ações universitárias. Nesse contexto, o Núcleo de Pesquisa e Extensão NUPE/ FTT tem papel de destaque, pois objetiva desenvolver pesquisa e extensão universitária nas áreas de competência da FTT, em acordo com as diretrizes da FSA e buscando o desenvolvimento sustentado de pessoas, comunidades e organizações Em 2007, foi firmado um contrato entre a mantenedora e a Universidade Solidária UNISOL 12 para auxiliar na implantação do Núcleo de Formação Cidadã NFC - na FTT. Em 2008 foi montada a primeira equipe do NFC constituída de um Professor coordenador de projetos, quatro professores voluntários e dez alunos voluntários que visitaram o projeto ASCAS da Universidade Federal de São João Del Rei como forma de capacitação para a implementação desse projeto na FTT e atendendo às necessidades da região onde se localiza a faculdade. Cabe ressaltar também que uma das preocupações da FTT é a de oferecer ambientes adequados ao processo de ensino e aprendizagem, nos quais a transferência de conhecimentos possa acontecer em situações concretas. Por isso as instalações e equipamentos são de alta qualidade, atualizados, em condições de funcionamento e em quantidade que permitam aos estudantes aplicarem os saberes adquiridos em sala de aula. Os mecanismos permanentes de articulação com segmentos produtivos a que estão vinculados os cursos são constituídos pela atuação conjunta da Diretoria da FTT e os Coordenadores de Cursos. A articulação com segmentos produtivos é apoiada nas informações colhidas junto à Mantenedora, que é proprietária de uma das mais 12 UniSol (Programa Universidade Solidária) foi criada em 1995 pelo Conselho da Comunidade Solidária, liderado na época pela então primeira-dama Ruth Cardoso. Desde então, já envolveu dezoito mil estudantes universitários e duzentas instituições de ensino superior, atuando em cerca de mil comunidades. O objetivo do programa é contribuir para a melhoria da qualidade de vida em comunidades carentes do país. Isso se faz por meio de atividades educativas nas áreas social, econômica, ecológica e de saúde promovidas por grupos de alunos das universidades parceiras. 39

41 conhecidas indústria da região, e os agentes externos que atuam em parceria com a Instituição, representada particularmente pelas empresas conveniadas cedentes de estágios profissionais aos alunos da FTT. A política de articulação com as empresas, em linhas gerais, se apóia num processo permanente de aproximação, de comunicação e de intercâmbio com as empresas e outros órgãos governamentais e privados da região. Essa política é implementada por agentes internos e externos à FTT. São considerados agentes internos para promover relações da FTT com instituições externas, a Presidência da Fundação Salvador Arena, o Diretor do FTT, o Diretor Acadêmico do FTT, os Coordenadores do Curso, o Supervisor de Estágio e os Docentes. Cumpre destacar que o setor de estágios da FTT, além de supervisionar essa atividade obrigatória de formação do tecnólogo, organiza informações sobre o mercado de trabalho regional e suas demandas por meio de relatórios elaborados pelos alunos estagiários e as empresas participantes. Esse material é utilizado como subsídio para identificar possibilidades de melhorias na formação prática dos alunos da FTT. Além disso, os coordenadores de cursos da FTT participam de reuniões na CIESP de São Bernardo do Campo atentos às tendências e necessidades das empresas da região. O intercâmbio com as empresas é realizado por meio de parcerias e convênios, com a finalidade de trocar experiências, gerar oportunidades de estágios e empregos, além de favorecer o empreendedorismo. O trabalho de integração se faz por meio do contato individual com as empresas que no passado foram interessadas na contratação de profissionais formados pelos cursos então mantidos pelas unidades escolares da Fundação Salvador Arena, e também com a ligação da Mantenedora com o CIEE Centro de Integração Empresa Escola, com o Núcleo Brasileiro de Estágios (NUBE), com o Núcleo Assistencial para Estágios (NAPE), com a Target - RH, com a Global Estágios e com a Gelre, agentes de integração, que disponibilizam vagas de estágio. Por fim, nos editais de chamada de projetos acadêmicos do NUPE está estabelecido que um dos critérios de pontuação é a articulação que o docente proponente do projeto consegue fazer com outras instituições públicas e privadas. 40

42 A Mantenedora da FTT é reconhecida como de Utilidade Pública Federal, tendo sido idealizada e estruturada pelo Engenheiro Salvador Arena, que, antes de falecer, destinou 100% de seu patrimônio pessoal para a Fundação que leva o seu nome, o que inclui o controle acionário da empresa Termomecanica. Além de realizar seus projetos educacionais, são desenvolvidos programas de desenvolvimento social e comunitário na Região Metropolitana de São Paulo e no Grande ABC paulista. Esses programas são realizados em parceria com organizações do terceiro setor como associações comunitárias, beneficentes e organizações não-governamentais (ONGs), com comprovada atuação em segmentos como educação popular, comunitária e especial, alfabetização de jovens e adultos, segurança alimentar e combate à fome, geração de renda, economia solidária, direitos da terceira idade, das pessoas com deficiência e da criança e do adolescente e assistência social para famílias em situação de risco e vulnerabilidade social. A Mantenedora da FTT também atua na área da Saúde, por meio de parcerias com hospitais beneficentes. Na área de habitação popular, depois de concluído o projeto de reurbanização da favela Itatiba em São Bernardo do Campo, está ocorrendo a pós ocupação dos seus moradores. Em 2009, a Mantenedora apoiou mais de 50 entidades sociais e seus projetos, financiando as iniciativas e fornecendo assessoria técnica, por meio do Programa de Apoio a Projetos Sociais, Programa de Capacitação de Organizações do Terceiro Setor, Programa de Desenvolvimento de Campanhas Temáticas e Programa de Auxílio Alimentação em Entidades Sociais. Esses programas beneficiaram diretamente mais de 17 mil pessoas em situação de vulnerabilidade e risco social, abrangendo as sete Cidades do ABC e São Paulo Capital. Outro segmento de atuação é o Programa de Auxílio Alimentação, que tem como objetivo minimizar o problema de pessoas assistidas por entidades de assistência social. Por outro lado contribui para o fortalecimento dessas organizações, que sistematicamente passam por dificuldades e vêem comprometidos os seus esforços de prestar relevantes serviços à sociedade. Os Estatutos da Mantenedora da Faculdade de Tecnologia Termomecanica são aprovados pela Curadoria das Fundações, órgão do Ministério Público do Estado de São Paulo, que a define com a finalidade de "cooperar e envidar os esforços possíveis para a 41

43 solução dos problemas de educação e assistência e proteção aos necessitados", sem distinção de nacionalidade, raça, sexo, cor, religião ou opiniões políticas em caráter geral, relacionando um conjunto de linhas mestras por meio das quais essa cooperação deve desenvolver-se. A IES não mantém vagas especiais a setores ou grupos sociais discriminados; mas também não incentiva a discriminação mantendo cursos inteiramente gratuitos, dando apoio de alimentação e material escolar e até de apoio familiar quando necessário. A Fundação Salvador Arena mantém programas de Assistência e Promoção Social nas unidades de ensino, entre elas a FTT Faculdade de Tecnologia Termomecanica. Trata-se de um conjunto de ações que visam à promoção social não só do aluno, mas também de sua família, por meio de atendimentos que visam ao resgate da autoestima, assistência social e capacitação para geração de renda. Essa proposta de trabalho está alinhada com o Plano Estratégico, com a Política de Qualidade e as com as diretrizes fundamentais do Centro Educacional da Fundação Salvador Arena, realizando ações sociais que contribuam efetivamente com o desenvolvimento integral do aluno e de sua família. Os serviços sociais são prestados por meio da integração de diversas ações que contribuem para diminuir as tensões sociais no ambiente doméstico e colaboram para a promoção social das famílias dos alunos na medida em que viabilizam oportunidades para inserção no mercado de trabalho por meio de cursos profissionalizantes e de empreendedorismo. Essas ações também visam a garantir o acesso e a permanência das crianças, dos adolescentes e jovens na instituição de ensino, favorecendo a sua formação e educação - alunos do CEFSA e/ou seus irmãos que estudam em escolas públicas possibilitandolhes condições de reverter a situação de exclusão a longo prazo, uma vez que a geração seguinte passa a ter acesso a oportunidades que os seus pais não tiveram. Para garantir este acesso e a permanência dos alunos no Centro Educacional, as famílias dos alunos podem participar de programas de incentivo e de apoio, realizados pelo Departamento de Serviço Social. São nove os programas que foram desenvolvidos em 2009, totalizando 3004 atendimentos. Quanto à acessibilidade dos portadores de necessidades especiais, a instituição cumpre as exigências da Portaria MEC Nº de 07 de novembro de 2003 que dispõe 42

44 sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituições e à Lei federal Nº de 19 de dezembro de 2000 que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Em 2009 a FTT patrocinou o Fórum de Profissões da Região do Grande ABC, no qual 12 alunos dos quatro cursos oferecidos estiveram à frente do Stand da FTT tirando dúvidas de alunos do Ensino Médio de diferentes instituições. A FTT mantém um conjunto de programas de responsabilidade social, buscando organizar programa global de gerenciamento de segurança, saúde e meio ambiente, (BS8800). Para isso já existem os seguintes programas, mantidos pela Segurança do Trabalho: I. PPRA - programa de prevenção de riscos ambientais. II. PCMSO - programa de controle médico e saúde ocupacional III. CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes IV. PMOC - Plano de Operação, Manutenção e Controle de ar condicionado e seus correlatos. V. PST - Política de Segurança do trabalho. 43

45 3 CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DOS CURSOS (PRESENCIAL E A DISTÂNCIA) 3.1 OFERTA DE CURSOS O ingresso em um dos cursos superiores de tecnologia na Faculdade de Tecnologia Termomecanica se dá por meio de processo seletivo semestral (vestibular), realizado em parceria com empresa terceirizada. Neste processo considera-se para seleção, os conhecimentos gerais adquiridos pelo candidato no Ensino Médio. O candidato pode inscrever-se somente em um dos cursos oferecidos. Sendo aprovado no processo seletivo de ingresso, deve realizar sua matrícula nos prazos estabelecidos pela instituição e renová-la a cada semestre, para efeito de continuidade de seus estudos. Como norma geral da FTT, não são efetuadas matrículas de candidatos que, mesmo aprovados em processo seletivo, já tenham sido alunos de cursos tecnológicos da Faculdade de Tecnologia Termomecanica. São oferecidas, semestralmente, 32 vagas por curso e o preenchimento obedece à ordem de classificação dos candidatos aprovados. A Faculdade de Tecnologia Termomecanica FTT mantém, atualmente, quatro cursos superiores de tecnologia, nas áreas da indústria, química, gestão e informática, em sua única sede, sendo dois em período integral e dois no período noturno. Estes cursos são totalmente gratuitos e reconhecidos pelo Ministério da Educação. Abaixo, seguem as informações gerais dos cursos superiores de tecnologia em funcionamento Tecnologia em Mecatrônica Industrial Curso presencial, em período integral, de segunda a sexta-feira, das 7h45 às 15h45 e, aos sábados, das 7h45 às 11h20. Área profissional: Indústria. Carga horária total: 3040 h/aula 44

46 Reconhecido pelo MEC pela Portaria 259, de 26/01/2005. Regime de matrícula: semestral 4 semestres Ingresso: semestral, 32 vagas por semestre Situação: em funcionamento Tecnologia em Alimentos Curso presencial, em período integral, de segunda a sexta-feira, das 7h45 às 15h45 e, aos sábados, das 7h45 às 11h20. Área profissional: Química Carga horária total: 3040 h/aula Reconhecido pelo MEC pela Portaria 260, de 26/01/2005. Regime de matrícula: semestral 4 semestres Ingresso: 32 vagas por semestre Situação: em funcionamento Tecnologia em Processos Gerenciais Curso presencial, realizado no período noturno, de segunda a sexta-feira, das 19h15 às 22h45 e, aos sábados, das 7h45 às 11h20. Área profissional: Gestão Carga horária total: 2400 h/aula Reconhecido pelo MEC pela Portaria nº 274, de 10/04/2007. Regime de matrícula: semestral 4 semestres Ingresso: 32 vagas por semestre Situação: em funcionamento Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Curso presencial, realizado no período noturno, de segunda a sexta-feira, das 19h15 às 22h45 e, aos sábados, das 7h45 às 11h20. Área profissional: Informática Carga horária total: 2480 h/aula 45

47 Reconhecido pelo MEC pela Portaria nº 473, de 08/08/2007. Regime de matrícula: semestral 6 semestres Ingresso: 32 vagas por semestre Situação: em funcionamento Outros cursos Além dos cursos superiores de tecnologia, a FTT desenvolveu, entre os anos de 2007 e 2009, dois cursos de especialização lato sensu: Processos de Conformação Mecânica de Materiais Metálicos, área da indústria oferecido em parceria com a FUSP Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo e, Gestão da Qualidade e Segurança de Alimentos, área de alimentos oferecido em parceria Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas. A implementação destes dois cursos ocorreu de acordo com as normas gerais internas da instituição e atendimento aos requisitos legais. Ambos foram protocolados no Ministério da Educação, por meio de ofício com as informações pertinentes. Em 2010, pretende-se ampliar a oferta de cursos desta modalidade e já no mês de junho teve início, nas instalações da FTT, os cursos de especialização MBA em Gestão de Tecnologia da Informação e MBA em Gestão Empresarial, in company, com a Fundação Getúlio Vargas. Para a criação de um novo curso de graduação ou de pós-graduação da FTT, devem ser consideradas as etapas descritas em procedimento interno vigente. 13 Inicialmente, o pedido deve ser encaminhado ao Diretor Geral da FTT e instruído de um pré-projeto contendo as seguintes informações: Público alvo e necessidades associadas; Objetivo e justificativa para a criação do curso; Estimativa inicial de recursos materiais e humanos necessários; Previsão para implantação; 13 P Projeto de Novos Cursos Sistema de Gestão da Qualidade ISO

48 Outros assuntos que se fizerem necessários. Mediante a aprovação da proposta inicial, será designado, pelo Diretor Acadêmico da FTT, um profissional da própria FTT ou um profissional externo, para a elaboração do projeto do curso, tendo como referência a legislação pertinente, o Projeto Político Institucional PPI, o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI, o Regimento Geral da FTT, a regulamentação pertinente à área profissional do curso a ser implantado e, outras documentações aplicáveis. O projeto do novo curso deve conter descrições detalhadas dos seguintes itens: Público alvo e necessidades associadas; Objetivo e justificativa para a criação do curso; Características gerais dos egressos; Matriz curricular e conteúdos programáticos; Recursos materiais e humanos necessários; Outros aspectos pertinentes. Uma vez aprovado por todas as instâncias da instituição, inclusive pelo Conselho Técnico Administrativo - CTA, órgão máximo da FTT, de natureza normativa, consultiva e deliberativa, e pela Mantenedora, o projeto do novo curso de graduação superior, seja de tecnologia, bacharel ou licenciatura, será submetido à aprovação do Ministério da Educação mediante protocolo do processo neste órgão pelo sistema E_MEC. A criação de curso de especialização lato sensu na FTT, seguem as mesmas regras internas estabelecidas para os cursos de graduação e, após aprovação, o Ministério da Educação será informado sobre a implantação por meio de Ofício, protocolado neste órgão, contendo todas a informações pertinentes: nome do curso, local de oferta, ano de realização, turno, aprovação pelos órgão deliberativos internos da FTT, etc. Uma vez autorizada a oferta do curso de graduação ou de pós-graduação, será verificada sua eficácia referente às expectativas e requisitos dos clientes e demais objetivos gerais, a partir da primeira turma de alunos ingressantes. Ao término da primeira turma do curso e avaliada a pertinência de sua continuidade, ele será considerado em regime normal de funcionamento, inclusive para efeito do Sistema de Gestão da Qualidade da instituição. 47

49 As alterações que se fizerem necessárias nos projetos pedagógicos dos cursos, durante seu desenvolvimento, estarão sujeitas, de acordo com sua especificidade, à aprovação dos órgãos deliberativos internos e da Direção da instituição e como também do Ministério da Educação, sob a forma de aditamento de processo, do projeto pedagógico do curso em questão, junto a esse órgão. Nos próximos anos, pretende-se ampliar a oferta de cursos da Faculdade de Tecnologia Termomecanica Sequênciais Não há previsão de implantação desta modalidade de ensino na FTT no período de vigência do PDI Programas Especiais de Formação Pedagógica Estuda-se desenvolver estes programas na modalidade de pós-graduação Pós-Graduação lato sensu Os cursos abaixo já foram aprovados pelos órgãos competentes da FTT e deverão ser ofertados durante a vigência deste PDI Curso: Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos Alimentícios Objetivo: Aperfeiçoar profissionais para atuar na área de desenvolvimento de produtos na indústria de alimentos. Modalidade: presencial Carga horária: 360 horas Duração: 12 meses Média de alunos: 32 Número de turmas: 01 Turno de funcionamento: um dia no período noturno e sábado, em período integral. 48

50 Local de funcionamento: Campus da Faculdade de Tecnologia Termomecanica Ano previsto para a realização: 2011/2012 Curso: Automação e Robótica Objetivo: Formar profissionais capazes de estruturar soluções para a automação de processos de manufatura industrial, controle computadorizado, monitoramento e robótica. Modalidade: presencial Carga horária: 360 horas Duração: 18 meses Média de alunos: 36 Número de turmas: 01 Turno de funcionamento: período integral, 1 vez por semana (sábado) Local de funcionamento: Campus da Faculdade de Tecnologia Termomecanica Ano previsto para a realização: 2011/2012 Curso: Engenharia de Software Objetivo: Formar profissionais aptos a atuar no desenvolvimento de software, gestão de prazos e custos para um produto de software, gestão de projeto e equipes, dentre outras habilidades na área. Modalidade: presencial Carga horária: 360 horas Duração: 18 meses Média de alunos: 36 Número de turmas: 01 Turno de funcionamento: um dia no período noturno e sábado, em período parcial. Local de funcionamento: Campus da Faculdade de Tecnologia Termomecanica Ano previsto para a realização: 2011/

51 Curso: Gestão da Produção Objetivo: Formar profissionais na área de Gestão da Produção, capacitando-os a atuar com as metodologias e técnicas mais avançadas relacionadas a essa área do conhecimento. Modalidade: presencial Carga horária: 360 horas Duração: 18 meses Média de alunos: 32 Número de turmas: 01 Turno de funcionamento: um dia no período noturno e sábado, em período parcial. Local de funcionamento: Campus da Faculdade de Tecnologia Termomecanica Ano previsto para a realização: 2011/ Pós-Graduação (stricto sensu) Não há previsão de implantação desta modalidade de ensino no período de vigência deste PDI Polos de EAD Não há previsão de implantação desta modalidade de ensino no período de vigência deste PDI Campi e cursos fora da sede. Não há previsão de implantação. 50

52 4 PERFIL DO CORPO DOCENTE 4.1 COMPOSIÇÃO (TITULAÇÃO, REGIME DE TRABALHO, EXPERIÊNCIA ACADÊMICA NO MAGISTÉRIO SUPERIOR E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL NÃO ACADÊMICA); Quanto à composição do corpo docente hoje é evidenciado um total de 42 Professores: 4 são Doutores, 29 são Mestres, 7 Especialistas e 2 Graduados. O regime único de contratação do corpo Docente é CLT. Quanto à experiência acadêmica no magistério superior e experiência não acadêmica temos as seguintes médias: 8anos e 7 meses para experiência acadêmica e 9 anos e 5 meses para experiência em atividades não acadêmicas. A proposta do Plano de Carreira Docente da Faculdade de Tecnologia Termomecânica (ver anexo) aprovado pela Diretoria no primeiro semestre de 2010 está previsto pra ser implementado no segundo semestre de A implementação possui três grandes marcos os quais contem subdivisões controladas por cronogramas de atividades que asseguram a seqüência das etapas subseqüentes com maior garantia de êxito. No mês de agosto de 2010 foi aprovado o cronograma de ações junto a Diretoria Geral da Faculdade e o RH-TM. No subseqüente mês este cronograma foi apresentado aos Coordenadores de Ensino com a finalidade de orientá-los quanto ao processamento das etapas e estes se tornarem agentes facilitadores e intermediadores junto ao corpo Docente. Em paralelo, no mesmo mês foi apresentado o cronograma aos professores da Faculdade, informando-os como e quando se processaria o enquadramento na Categoria e repassar os critérios fixados no Plano de Carreira. O Enquadramento dos professores está previsto ocorrer em outubro 2010 e este se dará conforme proposto pelo plano de Carreira Docente todos os Docentes na primeira Categoria e nível. Em novembro de 2010 será analisada a documentação dos Docentes elegíveis à evolução na trilha de carreira, segundo os critérios do plano e o numero de vagas determinado no quadro ideal da FTT. O enquadre é previsto acontecer no mês Janeiro de

53 A partir de janeiro 2012, segundo calendário fixado pela área de Recursos Humanos e os critérios definidos no Plano de Carreira será feito todo a processo antes mencionado agora como rotina. O RH-CEFSA está desenvolvendo mecanismos para administrar os critérios e requisitos necessários para movimentação na trilha de carreira. Aos professores cabe manter a plataforma lattes atualizada. Para que os critérios sejam publicados o RH utilizará os meios de comunicação interna disponíveis para reforçar as informações anteriormente anunciadas aos professores. 4.2 CRITÉRIOS DE SELEÇÃO, CONTRATAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA SUBSTITUIÇÃO (DEFINITIVA E EVENTUAL) DOS PROFESSORES DO QUADRO As substituições do quadro de professores são conduzidas pelo setor de Recursos Humanos e estas se dão através da evidencia do baixo desempenho e o descumprimento de ordens. Este processo é norteado pela seleção externa cujos critérios de acesso estabelecidos e descritos no plano de carreira artigo 5 são análise da titulação, produção científica, tempo de docência no ensino superior, experiência profissional na área de formação identificados através do curriculum vitae. Ainda sobre os critérios de seleção, os candidatos são submetidos à entrevista para avaliação da qualificação científica, literária e profissional. Poderá ser aplicada prova didática e aula teste com banca examinadora composta pela Coordenação de Ensino e Diretoria Acadêmica para apreciar e avaliar o conteúdo tratado na referida situação. 4.3 CRONOGRAMA E PLANO DE EXPANSÃO DO CORPO DOCENTE, COM TITULAÇÃO E REGIME DE TRABALHO, DETALHANDO PERFIL DO QUADRO EXISTENTE E PRETENDIDO PARA O PERÍODO DE VIGÊNCIA DO PDI. O Corpo docente será expandido de acordo com a ampliação das atividades da FTT. Presentemente contamos com 78% dos docentes com pós-graduação Strictu Sensu, sendo que 69% têm titulação de Mestrado e 9% têm titulação de Doutorado, 17% possuem pós-graduação latu sensu e por fim 5% estão encerrando ainda este ano o latu 52

54 sensu. A meta é ter no final de 2015 pelo menos 74% do corpo docente composto por Mestres, 17% de Doutores e por fim 9% de Especialistas. 53

55 5 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DA IES 5.1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, INSTÂNCIAS DE DECISÕES E ORGANOGRAMA INSTITUCIONAL E ACADÊMICO A FTT é gerida em consonância com o Regimento Geral, aprovado pela Diretoria Executiva da Fundação Salvador Arena (Mantenedora) e homologado pelo Conselho Curador dessa entidade, e pelo MEC Ministério da Educação. Figura 1: Estrutura Organizacional- Fundação Salvador Arena Fonte: FSA (2010) 54

56 Sua administração institucional é feita de modo estruturado, harmônico e coerente, contando com o apoio dos órgãos colegiados deliberativos nos processos decisórios. Figura 2: Organograma Institucional- FTT Fonte: FTT (2002) A administração da FTT tem apresentado bons resultados, o que pode ser comprovado nas avaliações realizadas pelo Ministério da Educação, nos processos de avaliação institucional e avaliação de cursos como também pelas avaliações de certificação da ISO 9001:2000, por meio de auditorias regulares realizadas em todos os segmentos da Fundação Salvador Arena, mantenedora da FTT. Em sua organização administrativa, a FTT conta com colaboradores qualificados que atuam nas diferentes áreas, tais como: Direção, Coordenação, Estágios, Registros Acadêmicos, Biblioteca, Eventos, Comunicação, Disciplina, Segurança, Infraestrutura, Restaurante, Limpeza, Manutenção e Almoxarifado. Conta também com a equipe docente devidamente qualificada para atuação nas áreas dos cursos mantidos. 55

57 Figura 3: Organograma Acadêmico- Fonte: FTT (2002) 56

CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA

CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL SÃO BERNARDO DO CAMPO Outubro de 2010 Sumário 1 PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI...

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA

CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL SÃO BERNARDO DO CAMPO Outubro - 2011 0 Sumário

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA -3308 CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA -3308 CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAÇÃO SALVADOR ARENA FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA -3308 CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO: Gestão 2011/2013 SÃO BERNARDO DO CAMPO 2012 1 DIRETOR GERAL Prof.

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS NOTA TÉCNICA 020/2014 Indicador de adequação da formação do docente

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. Portaria n 760, publicada no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil

Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil Recorte de um estudo dos cursos de formação inicial de professores de Matemática do Estado de São Paulo Brasil Marcelo Dias Pereira Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Faculdades Integradas de

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Tabela 1 - Tabela 2 - Tabela 3 -

Tabela 1 - Tabela 2 - Tabela 3 - Elaborar cursos de capacitação aplicada ao NAPNE; Sistematizar as atividades propostas pela comunidade educativa para atendimento das PNEEs; Elaborar instrumentos de avaliação que sejam abrangentes e criteriosos

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Brasileira de Educação Familiar e Social UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Social da Bahia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFAM (2014-2018)

PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFAM (2014-2018) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento de Educação Continuada Docente. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt**

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** * Assessoria de Avaliação Institucional da Universidade de Santa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

RELATÓRIO 2009 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO 2009 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO 2009 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Jaboticabal, março de 2010 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR Diretora Geral: Profa.Iracê Miriam de Castro Martins Diretora Acadêmica: Profa.Dra. Lucia

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais