SALDO DE RADIAÇÃO DE RENQUE DE LIMA ÁCIDA E SUA RELAÇÃO COM RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL E SALDO DE RADIAÇÃO DE GRAMADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SALDO DE RADIAÇÃO DE RENQUE DE LIMA ÁCIDA E SUA RELAÇÃO COM RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL E SALDO DE RADIAÇÃO DE GRAMADO"

Transcrição

1 SALDO DE RADIAÇÃO DE RENQUE DE LIMA ÁCIDA E SUA RELAÇÃO COM RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL E SALDO DE RADIAÇÃO DE GRAMADO JONES SIMON 1, LUIZ ROBERTO ANGELOCCI 2 1 Eng. Agrônomo, Pós-Graduando, PPG em Física do Ambiente Agrícola, Depto. de Engenharia Rural, ESALQ/USP, Piracicaba SP. Fone (xx19) , ramal 236, 2 Eng. Agrônomo, Prof Associado, Depto. de Engenharia Rural, ESALQ/USP, Piracicaba SP. Fone (xx19) , ramal 226. Apresentado no XVI Congresso Brasileiro de Agrometeorologia 22 a 25 de setembro de 29 Belo Horizonte MG RESUMO: A energia radiante absorvida por uma planta é o principal determinante de sua transpiração e taxa fotossintética. Vários estudos têm sido realizados sobre a interceptação de radiação solar pelas plantas, poucos voltados à dosséis descontínuos. Foi utilizado um sistema móvel com 12 saldo-radiômetros deslocando-se sobre um trilho de 16m lineares de um renque de lima ácida Tahiti em pomar localizado em Piracicaba, SP, integrando-se temporal e espacialmente o saldo de radiação da copa (Rn pomar ), que foi relacionado com o Rn sobre um gramado e com a radiação solar global ao longo do dia. A freqüência de coleta de dados foi de 1 Hz, com médias armazenadas a cada 15min e dividindo-se Rn pomar pela área projetada (AP) da copa sobre o solo, para comparação. A curva de Rn integrado diário, mostra valores de pico de 6MJ.m -2.15min -1, que integralizando chega a 1.475,2MJ.dia -1 para o trecho de renque amostrado. As relações obtidas foram Rn pomar /AP=,6759Rn grama +,517 (R 2 =,67) e entre Rn pomar /AP e Rg igual,5267rg +,22 (R 2 =,68). PALAVRAS-CHAVE: saldo de radiação, pomar, balanço de energia RELATIONS OF NET RADIATION OF LIME ACID HEDGEROW WITH GRASS NET RADIATION AND GLOBAL SOLAR RADIATION ABSTRACT: The radiant energy absorbed by a plant is the main determinant of its transpiration and photosynthetic rates. Although several studies have been carried out on the interception of solar radiation by canopies, few of them are concerned with hedgerows canopies. A movable system using with 12 net radiometers along of 16m of a hedgerow of acid lime Tahiti located in Piracicaba, SP, Brazil allowed the spatial and temporal integration of the all-wave radiation absorbed by the canopy Rn pomar, which was related to the grass net radiation (Rn grama ) and the global solar radiation (Rg) through the day. Data were collected by a datalogger with a frequency of 1 Hz, with mean values registered every 15min periods, by normalizing data by the projected area AP of the canopy on the ground (Rn pomar /AP). Values of Rn integrated for 16 m of hedgerow attained 6MJ.m min -1 and integration over the day arrived to 1475,2 MJ in the day. The relations found were Rn pomar /AP=,6759Rn grama +,517 with R 2 =,67 and Rn pomar /AP =,5267Rg +,22 with R 2 =,68. KEYWORDS: net radiation, canopy, energy balance

2 INTRODUÇÃO: A energia radiante absorvida por uma planta é o principal determinante das taxas de transpiração e fotossintética. Para dosséis com distribuição homogênea ou contínua da vegetação, tem-se usado a geometria planar de medida, com sensores de radiação posicionados acima da cobertura vegetal (FONTANA et al., 1991). Em dosséis heterogêneos, com distribuição descontínua da vegetação de interesse agrícola, como pomares, muitas vezes é de interesse determinar a interceptação da radiação solar ou mesmo o saldo de radiação da copa das árvores, sendo essas isoladas ou em associação formando renques. Estudos desse último tipo são escassos, devido à dificuldade de determinação direta e as complexas interações da radiação com o solo, atmosfera e vegetação vizinha e, também, pelo fato do saldo de radiação (Rn) depender de fatores como a geometria da copa e de plantio (espaçamento, direção das linhas), e da densidade de folhagem. Técnicas de medida de Rn tem sido usadas para árvores isoladas (McNAUGHTON et. al, 1992) ou em renques (ANGELOCCI et. al, 28), com emprego de sistemas móveis com sensores que fazem a varredura da copa. Outra possibilidade é o uso de modelagem da interceptação de radiação (CAMPBELL, 1986; RIOU et. al, 1989; MARIN, 23; GREEN et. al, 23), sendo que em certos casos a validação dos modelos tem sido feita com os dados de medidas por técnica de varredura. Outro tipo de estudo é o estabelecimento de relações de Rn da copa com a irradiância solar global (Rg) ou com o saldo de radiação (Rn grama ) de gramado (ANGELOCCI et. al, 1999, PEREIRA et. al, 21, PILAU et. al, 27), que foi objeto deste trabalho ao analisar as relações de Rn de um trecho de renque de pomar de lima ácida com Rg e Rn grama. MATERIAIS E MÉTODOS: O experimento foi conduzido na Fazenda Areão, área experimental do Campus Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo (USP), Piracicaba, SP, (22 42S; 47 3W; 546m) em um pomar de lima ácida tahiti com 6 anos de implantação, espaçamento de 8,m x 4,m e altura média de plantas 4,5m, com linhas de plantio aproximadamente no sentido SE-NW. O sistema de medidas foi adaptado do equipamento descrito por PILAU (25) e ANGELOCCI et al. (28) usado em cultura de cafeeiro. É composto basicamente de dois módulos: um trilho para o deslocamento sobre a linha de plantio e um arco contendo saldo-radiômetros, com base fixada a um sistema de tração para amostragem da copa das árvores (Figura 1). Figura 1 - Vista lateral do sistema de amostragem de Rn, composto de um arco de medida e um trilho para deslocamento. Em resumo, o sistema funciona com o deslocamento do arco com os sensores sobre trilhos, proporcionado por um sistema de engrenagens duplas com duas correias metálicas,

3 tracionadas por um redutor acoplado a um motor elétrico de 1HP. Os saldo-radiômetros foram instalados em intervalos de 3 o entre si sobre o arco circular e posicionados em torno do renque para que suas placas sensoras tangenciassem uma superficie hipoteticamente curvilinear em torno das copas, para formar uma geometria cilíndrica de amostragem. O trajeto percorrido e utilizado para as medidas foi de 16,m lineares (4 plantas). A inversão do movimento ocorria automaticamente quando o arco atingia uma das extremidades do trilho e foi proporcionada de forma mecânica, seguindo modelo utilizado para no cafezal acima citado, diferenciando-se deste pelo tamanho do arco (raio de 3,m) e por modificações realizadas no ponto de engate, que no presente caso está situado no centro da base do arco de deslocamento, e pelo uso de duas correias de tração. O Rn integrado espacial e temporalmente pelas copas (Rn pomar ) foi obtido a partir das medidas dos 12 saldo-radiômetros, representando a medida do total de radiação que alcança a área lateral do cilindro virtual formado pelo deslocamento do arco. Foi calculado pela seguinte equação (1): 1 12 Rn pomar = Rni d h.2. R.π 12 (1) i= 12 em que: Rni é a medida de saldo de radiação de cada um dos 12 saldo-radiômetros, d h é a distância horizontal percorrida pelo sistema (16,m) e, R é o raio da base do cilindro sensor, igual a 3,m. A escolha do local para a instalação do equipamento levou em consideração a homogeneidade de plantas, a distribuição dos tratamentos de irrigação e uma bordadura suficiente para diminuir a influência da radiação direta incidente sobre os sensores em condições de ângulo solar baixo, próximo aos crepúsculos. Com os saldos radiômetros devidamente nivelados e alinhados e com o sistema funcionando durante o período diurno, realizou-se medidas com freqüência de aquisição de 1 Hz e médias integradas a cada 15 minutos e armazenadas em dois sistemas de aquisição de dados Campbell, modelos CR1 e CR1, que se movem solidários com o sistema de amostragem. Os dados de saldo de radiação do gramado (Rn gram ) e de radiação solar global (Rg) foram obtidos junto ao posto agrometereológico da ESALQ, localizado dentro do Campus Luiz de Queiroz. Foram realizadas análises de regressão entre os valores de Rn pomar, Rn grama e Rg e obtendo-se as suas relações. RESULTADOS E DISCUSSÃO: A variação temporal de Rn para os sensores que compõem o sistema de medidas observada em um dia de céu limpido e com valores de radiação elevados, juntamente com o curso diário, para a mesma data, de Rn grama pode ser observada na Figura 2a. Nota-se que o Rn grama segue a tendência dos sensores 6 e 7, basicamente um valor médio entre eles (Figura 2a). Esses são os dois radiômetros mais elevados do sistema, os quais ficam distanciados igualmente do epicentro superior do arco de medidas. Esse comportamento também foi observado por PILAU (25). Para esta orientação de plantio, observou-se que não houve uma diferenciação acentuada na resposta dos sensores no período de manhã e tarde, a não ser apenas naqueles que ficam na metade superior do arco em favor daqueles da metade inferior, que apresentaram medidas de Rn negativos durante a maior parte do dia. Isso ocorre devido ao posicionamento dos sensores que são opostos aos seus pares superiores e também devido a pouca influência do balanço de ondas longas (BOL) comparado ao balanço de ondas curtas (BOC), o qual devido ao porte, área foliar e espaçamento entre linhas das plantas praticamente se equivale ao primeiro, permanecendo nesses sensores, valores muito baixos e negativos. A curva de variação do Rn integrado para um dia de medidas e para um comprimento de renque de 16m lineares é apresentada na Figura 2b. A curva mostra picos de Rn de aproximadamente 6MJ.15min -1 e valor diário integrado de 1475,2MJ.16m -1.dia -1. Esse valor é equivalente a uma transpiração de 6,38mm, muito próximo do valor de gramado, que foi de 6,55mm para este dia. As relações entre Rn pomar /AP

4 e Rn grama e Rg (Figura 2c e 2d) foram realizadas para períodos de 15min. Na comparação entre Rn pomar /AP e Rn grama existe uma boa relação, com R 2 =,676. A dispersão elevada se deve a grande variabilidade de Rn no decorrer do dia, principalmente quando se trabalha com vários sensores dispostos em torno da copa, contra apenas um sensor utilizado para a medida de Rn grama, e na posição horizontal. A relação encontrada é 32% inferior a 1, diferentemente daquela encontrada por PEREIRA et al. (21) que encontraram valores 3% superiores a 1. O índice de área foliar (IAF) encontrado foi de 2,67, bem menor que aqueles encontrados em estudos anteriores, como os de PEREIRA et al. (21) e ANGELOCCI et al. (24) que foram superiores a 3,9. A mesma situação é observada quando se relaciona o Rn pomar /AP com o Rg, pois os valores encontrados no presente estudo (48% inferior a 1) são bem menores que os encontrados por PEREIRA et al. (21), 13% maior que 1. Muitos fatores influenciam estas relações, como a altura das plantas, o espaçamento, a geometria da copa e a área foliar, os quais, juntamente com a orientação do pomar, podem provocar a alteração no regime radiativo das plantas. Tais valores servem apenas para ordem de grandeza, pois o presente estudo foi realizado num cultivo em renque, diferentemente dos trabalhos acima citados, com plantas isoladas. Rn pormar (W.m -2 ) Rn 1 Rn 2 Rn 3 Rn 4 Rn 5 Rn 6 Rn 7 Rn 8 Rn 9 Rn 1 Rn 11 Rn 12 Rn gram (a) : 1:15 2:3 3:45 5: 6:15 7:3 8:45 1: 11:15 12:3 13:45 15: 16:15 17:3 18:45 2: 21:15 22:3 23:45 Rn pomar (MJ.16m -1 renque.15min -1 ) (b) : 1:3 3: 4:3 6: 7:3 9: 1:3 12: 13:3 15: 16:3 18: 19:3 21: 22:3-3 Hora Local -2 Hora local Rn pomar /AP (MJ.m -2.15min -1 ) 1,8,6,4,2 y =,6759Rn grama +,517 R² =,6756 -,2,2,4,6,8 1 -,2 Rn grama (MJ.m -2.15min -1 ) (c) y =,5267Rg +,22 R² =,6863 Figura 2 Curso diário de medida do Rn para cada sensor nas diferentes posições de montagem (a); variação do Rn acumulado diário para 16,m lineares de renque (b); relação entre os valores de Rn pomar /AP e Rn grama para períodos de 15min (c); e relação entre os valores de Rn pomar /AP e Rg para períodos de 15min (d). Para renques de cafeeiro, PILAU (25) também encontrou valores menores que 1 para as relações entre o Rn cafe e Rn grama e Rg para períodos de 15min. Tais resultados comprovam a Rn pomar /AP (MJ.m-2.15min-1) 1,8,6,4,2 -,2,2,4,6,8 1 Rg (MJ.m -2.15min -1 ) (d)

5 necessidade de um número maior de trabalhos, avaliando as diferentes conformações de pomar, principalmente em coberturas vegetais que formam renques. CONCLUSÕES: Embora a dispersão de dados tenha sido um pouco elevada para dados de 15min, espera-se que para dados diários aconteça uma menor dispersão no estabelecimento da relação. As relações obtidas servem para uso em pomares com porte elevado e com baixo índice de área foliar nas condições aqui estudadas. Um aspecto a ser estudado é a utilização de um número diferenciado de sensores, que pode modificar as relações encontradas pela modificação do esquema de amostragem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ANGELOCCI, L.R.; VILLA NOVA, N.A. Medida de saldo de energia radiante na copa de lima ácida Tahiti e sua relação com a medida sobre gramado. In: XI Congresso Brasileiro de Agrometeorologia/ II Reunião Latino-Americana de Agrometeorologia. Florianópolis. Anais, p (Cd-rom) ANGELOCCI, L. R. ; VILLA NOVA, N. A. ; Maurício A. Coelho Filho ; MARIN, F. R.. Measurements of net radiation absorbed by isolated acid lime trees (Citrus latifolia Tanaka). The Journal of Horticultural Science and Biotechnology, v. 79, n. 5, p , 24. ANGELOCCI, L. R. ; MARIN, F. R. ; PILAU, F. G. ; RIGHI, E. Z. ; FAVARIN, J. L.. Radiation balance of coffee hedgerows. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 12, p , 28. CAMPBELL, G.S. Extinction coefficients for radiation in plant canopies calculated using an ellipsoidal inclination angle distribution. Agricultural and Forest Meteorology, 36, , FONTANA, D.C.; BERLATO, M.A.; BERGAMASCHI, H. Balanço de radiação da soja em região subtropical do Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 26, n. 3, p GREEN, S.; McNAUGHTON, K.; WÜNSCHE, J.N.; CLOTHIER, B. Modeling light interception and transpiration of apple tree canopies. Agronomy Journal, 95: MARIN, F.R. Evapotranspiração e transpiração máxima em cafezal adensado. Piracicaba. 134p. Tese (Doutorado) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo. 23 McNAUGHTON, K.G., GREEN, T.A., BLACK, B.R. et al. Direct measurement of net radiation and photosynthetically active radiation absorved by a single plant. Agricultural and Forest Meteorology, 62, 87-17, PEREIRA, A.R.; ANGELOCCI, L.R.; VILLA NOVA, N.A.; SENTELHAS, P.C. Estimating single tree net radiation using grass net radiation and tree leaf area. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 9, n. 2, p , 21. PILAU, F.G. Saldo de radiação da copa de laranjeira num pomar e de renques de cafeeiros: medidas e estimativas, 25, 92p. Tese (Doutorado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 25. PILAU, F. G. ; ANGELOCCI, L. R. ; SCARPARI, J. A.. Radiation balance of an orange tree in orchard and its relation with global solar radiation and grass net radiation. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 15, p , 27. RIOU, C., VALANCOGNE, PIERI, P. Un modèle simple d interception du rayonnement solaire par la vigne vérification expérimentale. Agronomie, v. 9, p , 1989.

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 PEZZOPANE, J.R.M. 2 ; GALLO, P.B. 3 ; PEDRO JÚNIOR, M.J. 4 1 Trabalho parcialmente financiado

Leia mais

Saldo de radiação em cafeeiros e limeiras: Relações com saldo de radiação de gramado e radiação global

Saldo de radiação em cafeeiros e limeiras: Relações com saldo de radiação de gramado e radiação global DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v18n12p1218-1227 Saldo de radiação em cafeeiros e limeiras: Relações com saldo de radiação de gramado e radiação global Jones Simon 1 & Luiz R. Angelocci

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

Temperatura do solo e do ar

Temperatura do solo e do ar LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 6 Temperatura do solo e do ar ESALQ/USP 2009 Temperatura do ar e do solo Como vimos na aula de balanço de radiação

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA Dagolberto Calazans Araujo Pereira Engenheiro Agrônomo UEMA dagolberto@altavista.net Ronaldo Haroldo N. de Menezes Professor CCA/UEMA/NEMRH.

Leia mais

MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹

MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹ MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹ Verona O. Montone²; Paulo C. Sentelhas³ ¹ Projeto financiado pela Fapesp ² Graduanda USP/ESALQ Eng. Agronômica, veronamontone@hotmail.com

Leia mais

TRANSMISSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO DA VIDEIRA NIAGARA ROSADA 1.

TRANSMISSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO DA VIDEIRA NIAGARA ROSADA 1. TRANSMISSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO DA VIDEIRA NIAGARA ROSADA 1. MÁRIO JOSÉ PEDRO JÚNIOR 2,6, GLAUCO DE SOUZA ROLIM 3, JOSÉ LUIZ HERNANDES 4, ANTONIO ODAIR SANTOS,6.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS VIRGINIA PICCININI SILVEIRA e-mail : virginia@ufpel.tche.br CLAUDIA GUIMARÃES CAMARGO e-mail : camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae

RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae ISABELLE P. C. de LIMA 1 JOSÉ FIDELES FILHO 2, e JOSÉ Q. NÓBREGA 3 1 Aluno do curso de Física da Universidade Estadual da Paraíba, UEPB

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R.

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. ALVES 3 RESUMO: O conhecimento da distribuição horária da irradiância

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]:

O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]: 4 Tornado de Projeto O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]: Tornado do tipo F3-médio; Velocidade máxima de 233km/h = 64,72m/s; Velocidade translacional

Leia mais

TEMPERATURA MÍNIMA DO AR E FOLHAS DURANTE O INVERNO EM CULTIVO DE CAFÉ ARBORIZADO COM GREVÍLEA

TEMPERATURA MÍNIMA DO AR E FOLHAS DURANTE O INVERNO EM CULTIVO DE CAFÉ ARBORIZADO COM GREVÍLEA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR E FOLHAS DURANTE O INVERNO EM CULTIVO DE CAFÉ ARBORIZADO COM GREVÍLEA José Ricardo Macedo PEZZOPANE 1 E mail: rpezzo@iac.sp.gov.br, Paulo Boller GALLO, Mário José PEDRO JÚNIOR

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN.

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN. ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN. GIULLIANA M. MORAIS DE SOUSA 1, JOSÉ E. SOBRINHO 2, MÁRIO M. VILLAS BOAS 3, GERTRUDES M.

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL Adson Bezerra Moreira, Ricardo Silva Thé Pontes, Davi Nunes Oliveira, Vanessa Siqueira de Castro Teixeira, Victor de Paula Brandão Aguiar 3. Curso

Leia mais

FREQUÊNCIA DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR ASSOCIADA A EVENTOS EL NIÑO, LA NIÑA E NEUTROS NO RIO GRANDE DO SUL

FREQUÊNCIA DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR ASSOCIADA A EVENTOS EL NIÑO, LA NIÑA E NEUTROS NO RIO GRANDE DO SUL FREQUÊCIA DA TEMPERATURA MÍIMA DO AR ASSOCIADA A EVETOS EL IÑO, LA IÑA E EUTROS O RIO GRADE DO SUL AA PAULA A. CORDEIRO 1, MOACIR A. BERLATO 1 Eng. Agrônomo, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Fitotecnia,

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO NA INTERCEPTAÇÃO DE RADIAÇÃO DO DOSSEL VEGETATIVO DE ESPÉCIES ARBÓREAS

INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO NA INTERCEPTAÇÃO DE RADIAÇÃO DO DOSSEL VEGETATIVO DE ESPÉCIES ARBÓREAS INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO NA INTERCEPTAÇÃO DE RADIAÇÃO DO DOSSEL VEGETATIVO DE ESPÉCIES ARBÓREAS Elder Eloy 1, Braulio Otomar Caron 2, Alexandre Behling 3, Elvis Felipe Elli 4 e Gean Charles Monteiro 4.

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA M. D. de Lacerda 1, F. B. T. Hernandez 2, R. A. M. Franco 1, D. G. Feitosa 3, G. O. Santos 3, A. H. C. Teixeira 4 RESUMO: A estimativa da radiação

Leia mais

RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL.

RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL. RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL. DOUGLAS RODRIGUES 2, JOÃO F. ESCOBEDO 1, THIAGO N. S. ALMEIDA 3, NATÁLIA P. GAIAD 4, LUDMILA

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

FÍSICA. Prof. Raphael Fracalossi. 1. (Ueg 2010) Observe a figura.

FÍSICA. Prof. Raphael Fracalossi. 1. (Ueg 2010) Observe a figura. FÍSICA Prof. Raphael Fracalossi. (Ueg 00) Observe a figura. Nessa figura, está representada uma máquina hipotética constituída de uma sequência infinita de engrenagens circulares E, E, E... que tangenciam

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS Bruno Guimarães de Oliveira 1 ; Erich Collicchio 2 1 Aluno do Curso de

Leia mais

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos.

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. INTRODUÇÃO À CINEMÁTICA REPOUSO OU MOVIMENTO? DEPENDE DO REFERENCIAL! CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. REFERENCIAL.

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ

INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo B. Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail: guetter@simepar.br (1) Instituto

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1066 Página 1066 CONSUMO HÍDRICO DE PLANTAS DE MAMONA EM DIFERENTES NÍVEIS DE UMIDADE NO SOLO E SUA RELAÇÃO COM A RADIAÇÃO SOLAR Marília Alves Brito Pinto 1 ; Gabriel Franke Brixner 2, Carlos Reisser Júnior

Leia mais

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida.

horizontal, se choca frontalmente contra a extremidade de uma mola ideal, cuja extremidade oposta está presa a uma parede vertical rígida. Exercícios: Energia 01. (UEPI) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas das frases abaixo. O trabalho realizado por uma força conservativa, ao deslocar um corpo entre dois pontos é da

Leia mais

Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento

Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento ISSN 1981-1004 Dezembro, 2006 Estimativa diária da radiação solar incidente com base no número de horas de brilho solar para a região de Bento Gonçalves, RS ISSN

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL RENATA RIBEIRO DO VALLE GONÇALVES 1 e EDUARDO DELGADO ASSAD 2 1 Engenheira Cartógrafa, doutoranda da Faculdade de Engenharia Agrícola Feagri /Unicamp,

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO 1107 AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO Winnie Queiroz Brandão¹; Germano Pinto Guedes²; Mirco Ragni³ 1. Bolsista PIBIC/CNPq, Graduanda em Bacharelado em Física, Universidade

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão 1 A energia que um atleta gasta pode ser determinada pelo volume de oxigênio por ele consumido na respiração. Abaixo está apresentado o gráfico do volume V de oxigênio, em litros por minuto, consumido

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA M.D. de Lacerda 1, F.B.T. Hernandez 2, R.A.M. Franco 3, D.G. Feitosa 4, G.O. Santos 5, A.H.C. Teixeira 6 RESUMO: A estimativa da radiação solar

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE A TEMPERATURA DO AR, A RADIAÇÃO SOLAR E A TEMPERATURA DAS FOLHAS DE CAFEEIROS, EM DIA COM ALTA NEBULOSIDADE.

RELAÇÕES ENTRE A TEMPERATURA DO AR, A RADIAÇÃO SOLAR E A TEMPERATURA DAS FOLHAS DE CAFEEIROS, EM DIA COM ALTA NEBULOSIDADE. RELAÇÕES ENTRE A TEMPERATURA DO AR, A RADIAÇÃO SOLAR E A TEMPERATURA DAS LHAS DE CAFEEIROS, EM DIA COM ALTA NEBULOSIDADE. Gustavo Coral 1, Priscila Pereira Coltri 2, Hilton Silveira Pinto 3, Jurandir Zullo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM

CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM JOSÉ FIDELES FILHO 1, ISABELE P. C. de LIMA 2 e JOSÉ Q. NÓBREGA 3 1 Meteorolgista, Dr. Prof. Departamento de Física

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1

BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1 BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1 Haroldo Carlos Fernandes 2 ; Danilo Roberto Loureiro 3 ; Anderson Candido da Silva 4 1 Trabalho desenvolvido como parte da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO: FITOTECNIA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME ( T - P ) FTT 1016 CULTIVOS PROTEGIDOS (2-2) OBJETIVOS - ao término da disciplina

Leia mais

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO Silvio Romero de Melo Manoel Leonel de Oliveira Neto George Santos Marinho Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica CT

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA D. H. Nogueira 1 ; M. G. Silva 2 ; E. R. F. Ledo 2 ; E. M. Araújo 3 ; E. M. Araújo 3 RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

TROCAS GASOSAS NA CULTURA DO TOMATE SOB FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO

TROCAS GASOSAS NA CULTURA DO TOMATE SOB FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO TROCAS GASOSAS NA CULTURA DO TOMATE SOB FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO M. de O. Rebouças Neto 1 ; G. G. Sousa 2 ; B. M. de Azevedo 3 ; C. F. de Lacerda 3 ; M. L. dos S. Silva 4 ; R. H. de Lima 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO J. R. G. de Paiva 1 ; L. F. de Figueredo 2 ; T. H. da Silva 3 ; R. Andrade 4 ; J. G. R. dos Santos 4 RESUMO: O manejo

Leia mais

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes Radioativas em Tecidos Moles

Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes Radioativas em Tecidos Moles Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2008

Aula de Véspera - Inv-2008 01. Um projétil foi lançado no vácuo formando um ângulo θ com a horizontal, conforme figura abaixo. Com base nesta figura, analise as afirmações abaixo: (001) Para ângulos complementares teremos o mesmo

Leia mais

Radiação Solar Balanço de Energia

Radiação Solar Balanço de Energia LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 5 Radiação Solar Balanço de Energia ESALQ/USP 2009 Radiação Solar Radiação solar maior fonte de energia para

Leia mais

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO Thieres G. F. da SILVA 1,4, José Edson F. de MORAIS 1, Wellington J. da S. DINIZ 1, Jannaylton E.

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

E irr = P irr T. F = m p a, F = ee, = 2 10 19 14 10 19 2 10 27 C N. C kg = 14 1027 m/s 2.

E irr = P irr T. F = m p a, F = ee, = 2 10 19 14 10 19 2 10 27 C N. C kg = 14 1027 m/s 2. FÍSICA 1 É conhecido e experimentalmente comprovado que cargas elétricas aceleradas emitem radiação eletromagnética. Este efeito é utilizado na geração de ondas de rádio, telefonia celular, nas transmissões

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem:

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem: Física QUESTÃO 1 Um contêiner com equipamentos científicos é mantido em uma estação de pesquisa na Antártida. Ele é feito com material de boa isolação térmica e é possível, com um pequeno aquecedor elétrico,

Leia mais

BOM DIA A TODOS INOVAÇÃO E MECANIZAÇÃO NA SILVICULTURA

BOM DIA A TODOS INOVAÇÃO E MECANIZAÇÃO NA SILVICULTURA BOM DIA A TODOS INOVAÇÃO E MECANIZAÇÃO NA SILVICULTURA Francisco José de Queiroz Orlanda Eng Mecânico e Eng de Segurança do trabalho ARADOR MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS LTDA FONE: (0xx16) 3202-1760

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA XI CONGRESSO NACIONAL Y VIII LATINOAMERICANO DE AGRIMENSURA UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA Eng. Cart. Bruno da Cunha Bastos (1) Eng. Cart. MSc. Leonardo

Leia mais

Mapeamento da condutividade elétrica do solo sistema protótipo

Mapeamento da condutividade elétrica do solo sistema protótipo Mapeamento da condutividade elétrica do solo sistema protótipo 2 Ladislau Marcelino Rabello 1 *, Ricardo Y. Inamasu 2 *, Alberto C. de Campos Bernardi 3 *, João de Mendonça Naime 4 *, José Paulo Molin

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

Estudo da influência de superfícies urbanizadas no saldo de radiação local

Estudo da influência de superfícies urbanizadas no saldo de radiação local Estudo da influência de superfícies urbanizadas no saldo de radiação local Taciana L. Araujo 1, Fabiane R. C. Dantas 2, Soetânia O. Santos 2, Herika P. Rodrigues 2, Enio P. Souza 3 1 Departamento de Engenharia

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

PORCENTAGEM DE ÁREA MOLHADA EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO, UTILIZADOS NA CAFEICULTURA IRRIGADA 1

PORCENTAGEM DE ÁREA MOLHADA EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO, UTILIZADOS NA CAFEICULTURA IRRIGADA 1 Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil PORCENTAGEM DE ÁREA MOLHADA EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO, UTILIZADOS NA CAFEICULTURA IRRIGADA 1 Luís Otávio C. de SOUZA 2 ; Everardo C. MANTOVANI 3

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila. Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila

GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila. Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila GERAÇÃO SOLAR PhD. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila Vila Energia Fotovoltaica Energia Fotovoltaica (reportagem 10 min.): https://www.youtube.com/watch?v=gzyit0sjc ou MPX -

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Adeli Buriol, Galileo; Estefanel, Valduino; Heldwein, Arno Bernardo; Damé Prestes, Solismar; Carlexo Horn,

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos

Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos Resumo de Física 2C13 Professor Thiago Alvarenga Ramos ENERGIA Grandeza escalar que existe na natureza em diversas formas: mecânica, térmica, elétrica, nuclear, etc. Não pode ser criada nem destruída;

Leia mais

PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP

PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP Emerson Galvani 1, Nadia G. B. de Lima 2 Resumo: No presente trabalho avaliou-se a taxa de resfriamento noturno e sua relação

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE

COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE Rildo Gonçalves de Moura, rildo@cptec.inpe.br Antônio Ocimar Manzi, manzi@cptec.inpe.br

Leia mais

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÃO DE ACIONAMENTO DE FREIO DE EMERGÊNCIA TIPO "VIGA FLUTUANTE" DE ELEVADOR DE OBRAS EM CASO DE QUEDA DA CABINE SEM RUPTURA DO CABO Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho

Leia mais

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA 2010-2011 Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.A Conceitos Matemáticos Fundamentais Coordenadas Cartesianas e representação gráfica de uma função Função Seno e Co-seno

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

IRRIGAÇÃO. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br

IRRIGAÇÃO. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br IRRIGAÇÃO JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br IRRIGAÇÃO CONCEITO CLÁSSICO Aplicação artificial de água ao solo, em intervalos definidos e em quantidade suficiente para fornecer às espécies vegetais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles:

A grande aceitação do pivô central deve-se a vários fatores, entre eles: Pivô Central Luiz Antonio Lima / Dep. Engenharia / UFLA INTRODUÇÃO O pivô central foi construído pela primeira vez em 1948. Em 1949, seu inventor, Frank L. Zybach, submeteu o invento para ser analisado

Leia mais

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS 3. LOCAL DOS EXPERIMENTOS O trabalho foi realizado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - Campinas, SP), em casa de vegetação do Departamento de Fisiologia Vegetal

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR

CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR M. A. D. Marques 1 ; L. F. S. M. Campeche 2 RESUMO: O propósito deste trabalho foi avaliar hidraulicamente o emissor da marca Agropolo de um sistema de irrigação

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2 Física Unidade Movimentos na Terra e no spaço QUSTÕS PROPOSTS 4. Duas forças F» e F» 2 são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» mais intensa que F» 2. s forças podem atuar na mesma direção

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão - I

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão - I Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão - I 1. A imprensa pernambucana, em reportagem sobre os riscos que correm os adeptos da "direção perigosa", observou

Leia mais

Física. Questão 1. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Física. Questão 1. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Física Questão 1 No setor de testes de velocidade de uma fábrica de automóveis, obteve-se o seguinte gráfico para o desempenho de um modelo novo: Com relação

Leia mais

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM AMBIENTE PROTEGIDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE RESFRIAMENTO EVAPORATIVO

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM AMBIENTE PROTEGIDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE RESFRIAMENTO EVAPORATIVO AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM AMBIENTE PROTEGIDO PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE RESFRIAMENTO EVAPORATIVO ANA KARINA DOS SANTOS OLIVEIRA 1, RAFAEL JOSÉ GOMES 2, MAGDA ALINE DA SILVA 3, CRISTIANE GUISELINI

Leia mais

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA.

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. Eduardo Sanches Stuchi Pesquisador Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Diretor Científico da Estação Experimental

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE

CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE F. N. Cunha 1 ; N. F. da Silva 1 ; A. C. Ferreira 1 ; R. C. de Oliveira 1 ; M. B. Teixeira 2 ; F. A. L. Soares 2 RESUMO: O

Leia mais