Professor projeto Descrição. Ivan Soares. A Física das regiões dominadas por "spinning dust": Fractais e Atratores caóticos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professor projeto Descrição. Ivan Soares. A Física das regiões dominadas por "spinning dust": Fractais e Atratores caóticos."

Transcrição

1 Professor projeto Descrição Ivan Soares Adriane Schelin Circuito Elétrico Global e Muito recentemente (primeira quinzena de maio/2014) foram publicadas evidências bastante claras que a atividade solar altera a quantidade de raios aqui na Terra. conexão com o sistema Sol- Para entender como estes fenômenos podem estar acoplados, precisamos entender como funcionam o circuito elétrico global, que liga a ionosfera com a dinâmica de Terra: tempestades e o carregamento do solo; e a magnetosfera terrestre, que reage de forma ainda não tão bem compreendida à ejeção de massa solar. A Física das regiões dominadas por "spinning dust": Fractais e Atratores caóticos Neste projeto aprenderemos a tratar imagens de telescópios espaciais que operam na faixa de microondas e infravermelho, por exemplo o PLANCK, WISE e HERSCHEL, tentando identificar as condições físicas presentes em determinadas regiões da nossa Galáxia onde se formam os chamados "spinning dust", ou seja, aglomerados de carbono, silício, ferro e etc que emitem radiação por estarem carregados e girando A teoria do caos estuda sistemas dinâmicos que são altamente sensíveis a condições iniciais, fenômeno popularmente conhecido como o efeito borboleta. Assim, pequenas incertezas em um determinado sistema levam, num longo prazo, a estados finais completamente imprevisíveis. Tal efeito ocorre mesmo em casos simples e determinísticos como, por exemplo,o pêndulo magnético. Quando um sistema é caótico, seu estado final faz parte de um conjunto dinâmico chamado de atrator caótico. Geometricamente, atratores caóticos são estruturas fractais que apresentam curvas auto-similares e disposição complexa. De fato, para determinar-se o nível de complexidade ou imprevisibilidade de um sistema caótico utiliza-se como diagnóstico, entre outros parâmetros, a dimensão fractal de seu atrator. Neste projeto, estudaremos diferentes problemas físicos caóticos que serão modelados computacionalmente através de mapas estroboscópicos e equações diferenciais ordinárias. Faremos uma detalhada caracterização de tais sistemas utilizando ferramentas típicas de sistemas dinâmicos, tal como expoentes de Lyapunov, dimensão fractal e bacias de atração. Viktor Dodonov Arco-íris em outros planetas A primeira explicação teórica do arco-íris foi feita por Descartes em Usando as leis de óptica geométrica, ele mostrou que o efeito maravilhoso surge graças a refração e reflexão da luz solar dentro de gotas esféricas de água. Um dos resultados quantitativos foi o cálculo de ângulo 42 graus entre as direções que ligam pontos do arco com o sol e o olho do observador. Esse número é ligado com o índice re refração 4/3 de água para luz visível. As cores do arco-íris foram explicados meio século mais tarde por Newton, quem descobriu que o índice de refração é um pouco diferente para diferentes cores. Mais um século mais tarde, Thomas Young entendeu que diferentes cores são ligados com diferentes comprimentos de onda da luz. Por isso, a largura angular do arco é por volta de 2 graus. Mas o que vai acontecer, se nuvens são compostas não de gotas de água, mas gotas de outros líquidos, que têm os índices de refração diferentes de 4/3? Provavelmente, as nuvens em atmosferas de satélites de Júpiter são compostas do metano liquido, enquanto as no atmosfera de Venus consistem de gotas de ácido sulfúrico. O que poderíamos ver lá? Quais serão os ângulos? Serão as cores mais fortes ou mais fracos? E o que poderiam ver criaturas de outros planetas, se seus olhos são mais sensíveis não para luz visível, mas para luz infravermelha ou ultravioleta? Um aluno que tem, além da curiosidade, pequenos conhecimentos de óptica geométrica (lembrados do curso escolar), e gosta de trabalhar (calcular), pode fazer a pesquisa e tentar responder essas perguntas (e muitas outras, que vão surgir no caminho). Roseline Beatriz Strieder A Física e a Energia Nuclear: elementos para a sala de aula Discussões sobre a Energia Nuclear têm sido constantes na sociedade, estando presentes em diferentes momentos históricos. Nesse contexto, há um discurso em prol de uma maior participação da sociedade em assuntos que envolvem a Energia Nuclear. Ao mesmo tempo, no âmbito da educação científica brasileira, vem se intensificando a preocupação com a formação de cidadãos críticos e participativos. Apesar disso, o conteúdo de Energia Nuclear tem estado praticamente ausente das salas de aula de Ensino Médio. Dentre os motivos alegados por professores para não trabalhá-lo está a ausência de materiais didáticos sobre o assunto. Diante desse cenário, este projeto tem por objetivo fornecer elementos que possam subsidiar o trabalho de elaboração e desenvolvimento de propostas de ensino centradas nesse conteúdo. Esses elementos organizam-se em três eixos diferentes, mas complementares: (1) pedagógico; (2) social e (3) epistemológico. Os alunos interessados poderão trabalhar em um ou mais desses eixos. Destaca-se que à medida que ele desenvolverá essas atividades estará sendo iniciado à pesquisa em Ensino de Física, visto que esse processo se caracteriza como uma pesquisa de levantamento preliminar da realidade. A mesma é considerada como a base para a elaboração e implementação de propostas de ensino centradas nos pressupostos da Educação Ciência-Tecnologia-Sociedade, referencial amplamente utilizado no Ensino de Física. Alexandra Mocelin Análise experimental de espectros em amostras de interesse ambiental e biológico A água é uma das moléculas mais importantes para o ser humano; nas formas gasosa, líquida ou sólida ela é um ingrediente natural abundante no nosso meio ambiente. Além disso, de acordo com a teoria mais aceita pela comunidade científica a dissociação da água é tida como de fundamental participação na origem da vida. Segundo esta teoria as moléculas de H2O, N2 e CO ou CO2, presentes na atmosfera primitiva da Terra, eram excitadas pela radiação solar e se dissociavam. Desta dissociação resultavam fragmentos que reagiam e formavam moléculas mais complexas, tais como os aminoácidos. A dissociação da água também pode ser um componente importante nos processos de futuros sistemas de energia, baseados na combustão do H2. Neste projeto os alunos aprenderão a analisar espectros de fotoelétrons e de íons de diferentes amostras de interesse ambiental e biológico. Incursões Relativisticas no Ensino Médio: Estudando Princípios Básicos da Teoria da Relatividade na Educação Básica O objetivo principal deste projeto de trabalho é, além de realizar um mergulho no tema, promover a inserção da Teoria da Relatividade (especial e geral) no ensino de física no nível médio através do que aqui estamos caracterizando como incursões relativísticas. Objetivo Específico: Produzir material didático instrucional (MDI) como subsídio às práticas pedagógicas em torno do tema no Ensino Médio Cássio Laranjeiras

2 Cássio Laranjeiras Dos Condicionantes Histórico-Sociais do Surgimento da Termodinâmica: Uma Leitura de Reflexões Sobre a Potência Motriz do Fogo de Sadi Carnot Em 1824 o físico e engenheiro francês Nicolas Léonard Sadi Carnot ( ) publicou uma monografia com o sugestivo título Réflexions Sur la Puissance Motrice du Feu et sur les Machines Propes a Développer Cette Puissance (Reflexões Sobre a Potencia Motriz do Fogo e Sobre as Máquinas Adequadas para Desenvolver esta Potência). Embora tenha inicialmente despertado pouca atenção de seus contemporâneos, que o consideraram como um tratado de filosofia natural de caráter meramente descritivo, o trabalho viria a se transformar na grande fonte de inspiração da termodinâmica moderna, ocupando lugar central no desenvolvimento teórico da ciência do calor. Os problemas relacionados às técnicas de construção das máquinas térmicas, já amplamente utilizadas no final do século XVIII, eram muito diferentes daqueles que se apresentavam no campo científico. Sadi Carnot tomou como ponto de partida um domínio que aparentemente correspondia aos engenheiros de sua época, para fazer uma incursão no campo da ciência. O que o homem havia construído para outros usos servia pela primeira vez de ferramenta para uma análise dos fenômenos físicos. Decorridos 190 anos do lançamento de Reflexões Sobre a Potência Motriz do Fogo, nenhuma homenagem a Sadi Carnot poderia ser mais quente do que debruçar-se sobre a sua obra. O objetivo principal deste projeto de trabalho é, além de realizar a leitura dessa obra central para o surgimento da termodinâmica, compreender os condicionantes histórico-sociais a que este processo esteve submetido. O objetivo específico é desenvolver Material Didático Instrucional (MDI) com enfoque históricofilosófico voltado para o Ensino Médio, resgatando elementos da obra original de Sadi Carnot ( ). Marco Cézar Por que é possível descobrirmos as leis da Física? Síntese de nanocristais magnéticos de Ferrita de cobalto A resposta está nos princípios de invariância. Embora a maioria dos livros de Física discuta tais princípios, acaba-se perdendo foco, principalmente no caso de leitores principiantes. O objetivo deste projeto é prover de maneira panorâmica e sistemática os pré-requisitos para uma reflexão mais aprofundada dos princípios de invariância na Física, seus sucessos e limitações. Serão discutidos complicações relacionadas com as chamadas condições iniciais, domínios de regularidade e as invariâncias clássicas. Examinaremos, em nível tanto básico quanto possível (cálculos), de que forma as leis da Física, originadas na observação, produzem princípios de invariância e como a modificação de princípios de invariância podem produzir novas leis de movimento (válidas ou não). Esperamos que o estudo proveja as bases para o futuro entendimento de temas avançados como simetrias de calibre, quebra de simetria, grupos e grupoides de simetria, simetrias e leis de conservação (teorema de Noether), covariância geral, simetria de espelho e demais temas correlatos. O objetivo do projeto é a síntese de nanocristais magnéticos de ferrita de cobalto (CoFe2O4), com diâmetro na faixa de 10 nm. Os nanomateriais produzidos serão utilizados para fabricação de sensores em outro projeto. O aluno será introduzido em um ambiente de pesquisa e estudo de nanomateriais e suas aplicações; Participará de seminários do grupo de pesquisa; Adquirirá experiência em processos de síntese de nanomateriais, bem como em técnicas de caracterização, que contribuirão para uma formação multidisciplinar; Maria Aparecida Soler Caracterização de nanomateriais biocompatíveis com aplicações em nanomedicina O objetivo deste projeto é a caracterização de nanomateriais biocompatíveis visando aplicações em nanomedicina. Estudo das potenciais aplicações de partículas magnéticas como plataforma de agentes teranósticos (que fazem o diagnóstico e o tratamento de tumores ao mesmo tempo). O aluno fará um estudo de nanomateriais e suas aplicações biomédicas; Participará de seminários do grupo de pesquisa; Adquirirá experiência em técnicas de caracterização que contribuirão para uma formação multidisciplinar Fabricação de nanocompósitos em multicamadas O objetivo do projeto é a fabricação de nanocompósitos na forma de multicamadas com nanopartículas de óxidos de ferro embebidas em matrizes poliméricas por meio da técnica de automontagem. As estruturas produzidas podem ser utilizadas para transporte de drogas em aplicações biomédicas. O aluno fará um estudo de filmes finos e suas aplicações biomédicas; Participará de seminários do grupo de pesquisa; Adquirirá uma formação multidisciplinar José Francisco Problemas de autovalores e autovetores em física Descrição: Muitos problemas em física consiste em encontrar os autovetores e autovalores de matrizes reais simétricas (no espaço real) ou matrizes hermitianas (no espaço complexo). Por exemplo, seja A uma matriz real n x n. Um número k é chamado autovalor real de A, se existir um vetor não nulo X em Rn, tal que AX = kx. Um vetor não nulo que satisfaça esta relação é chamado autovetor de A. Neste projeto pretende se estudar este tipo de problema com ênfase em aplicações em física. Estudo de Cosmologia: a expansão acelerada do Universo A Cosmologia consolidou-se no final do século XX como um ramo da Física extremamente relevante, com princípios teóricos sendo embasados por evidências experimentais de grau de precisão cada vez mais elevado. Foi neste século que descobriu-se a existência de galáxias e que elas constituem os tijolos das grandesestruturas no Universo e também, ao final do século, que o Universo está em expansão. O ano de 1998 pode tornar-se um marco na história da cosmologia. A descoberta nesse ano de que o Universo está em expansão acelerada, se confirmada, é de importância comparável à descoberta na década de 60, da existência de uma radiação cósmica de fundo. Certamente ela traz um impacto profundo na nossa compreensão do cosmos, abre novas perspectivas para a teoria de campos, para a física de partículas elementares e como toda grande descoberta lança novos desafios. Um grande número de modelos alternativos em diferentes cenários estão sendo propostos para explicar tal aceleração, e se dividem basicamente em dois tipos (i) uns atribuem a origem da aceleração à existência de uma fonte de matéria exótica, conhecida como energia escura, e (ii) outros tentam modificar as próprias leis da gravidade, regidas usualmente pela Relatividade Geral. Neste projeto de Iniciação Científica o estudante será conduzido a entender este problema da Física atual, realizando a leitura de artigos científicos e participando de discussões com a orientadora e outros estudantes do grupo sobre o tema.

3 Entendendo as ondas gravitacionais: conceitos básicos e interpretação das recentes medições A existência das Ondas Gravitacionais é o último e mais esperado teste para a Teoria da Relatividade Geral. Resultados experimentais recentes de grandes laboratórios indicam a comprovação desse fenômeno, porém há ainda algumas controvérsias sobre o significado e interpretação destas medidas. O projeto visa introduzir o estudante de primeiro ano da Física aos conceitos básicos de Relatividade Geral como a estrutura do Espaço-tempo, métrica, Equações de Einstein e soluções linearizadas, e então partir para o entendimento de como é feita a pesquisa experimental na área, tendo o primeiro contato com artigos científicos ligados ao tema. O estudante será conduzido a entender de maneira qualitativa a logística dos experimentos, como é feita a análise de dados, interpretação de gráficos e obtenção de resultados. Vanessa Carvalho Adriana Ibaldo Clóvis Maia Começar do Zero Acompanhamento da evolução da disciplina Física Zero no Instituto de Física da UnB Relatividade nas Escolas Elaboração de tópicos de Eletromagnetismo para o Ensino e Aprendizado de Física do Terceiro ano do Ensino Médio Meninas na Física: o retrato da participação e expectativas das graduandas no curso de Física Sistemas de automação de voo: como funciona um piloto automático? Desde sua criação, o PET-Física UnB tem se mostrado preocupado com a visível taxa de evasão dos estudantes nas diversas habilitações do curso. Após fazer um levantamento das causas de evasão, o grupo começou a pensar e desenvolver táticas que viriam no intuito de reduzir esses números e aproximar o grupo PET dos demais alunos do instituto. O primeiro passo tomado foi a criação do curso de Pré-Cálculo, que consiste em oito horas de aula ministradas em dois horários diferentes, de modo a atender os alunos de ambos os períodos (diurno e noturno), durante as duas primeiras semanas de aula, introduzindo tópicos de vetores, limites e cálculos diferenciais e integrais para os alunos ingressantes. Utilizando uma apostila criada pelo próprio grupo, esse material foi trabalhado e aperfeiçoado no passar dos semestres, até que, em meados de 2012 e início de 2013, surgiu junto à Coordenação de Graduação do Instituto de Física uma proposta de institucionalização desse curso, transformando-o em matéria (optativa de dois créditos práticos) oferecida para os alunos interessados do primeiro semestre durante as três primeiras semanas de aula, que traria, além do conteúdo tradicional, tópicos do Ensino Médio e utilização de ferramentas computacionais contextualizadas em situações práticas da Física. Nesse projeto de Iniciação Científica, o aluno trabalhará nesta evolução da disciplina, e sendo ele também um iniciante na Física, espera-se que contribua significativamente, pois terá melhor sensibilidade no reconhecimento dos problemas dos alunos ingressantes. Assim, o bolsista acompanhará por dois semestres a aplicação da disciplina e (i) participará do processo de melhoriado material didático, colaborando na confecção dos exercícios, por exemplo (ii) ajudará no gerenciamento da Plataforma Moodle (iii) contribuirá para o aprimoramento da dinâmica das atividades em grupo na sala de aula (iv) trabalhará na coleta de dados para aperfeiçoamento da disciplina e possível posterior análise das taxas de reprovação/evasão, que podem resultar na elaboração de um trabalho acadêmico no tema. Pretende-se fazer uma abordagem de maneira simples do tema Relatividade Especial (RE) e trabalhar com o mesmo no contexto de sala de aula no ensino médio. Assim, serão tratados de maneira qualitativa e conceitual os fundamentos da RE tais como a inexistência do tempo absoluto, negação do espaço absoluto, equivalência entre massa e energia, a impossibilidade de ultrapassar a velocidade da luz, entre outros tópicos. A ideia é utilizar material de apoio com linguagem jovem e recursos de mídia, os quais fazem parte do cotidiano dos estudantes, tais como vídeos, filmes, gibis etc. O objetivo do projeto é a divulgação de temas da Física que usualmente ganham pouco espaço nas aulas regulares, aprendizado e motivação dos alunos do ensino médio para o curso de Física. O projeto envolverá o bolsista dentro de uma escola do DF. Porém, se for possível possuir dois bolsistas, será interessante trabalhar paralelamente em duas escolas com perfis diferentes e comparar como o projeto se desenrola em cada ambiente O projeto visa tornar menos abstrato e mais próximo à realidade do estudante do terceiro ano do ensino médio o ensino de Eletromagnetismo, relacionando a teoria diretamente a fenômenos físicos presentes nos aparatos tecnológicos utilizados no dia a dia. Pretendemos envolver o bolsista na rotina de sala de aula de uma escola de ensino médio do DF, para que ele possa trabalhar na elaboração e aplicação de uma Unidade de Ensino Potencialmente Significativa (UEPS), neste caso alguns materiais didáticos complementares para a melhoria do ensino-aprendizagem dos tópicos da teoria eletromagnética. Espera-se como resultado que haja uma aprendizagem mais significativa do Eletromagnetismo devido a uma abordagem com ênfase na parte conceitual e mais contextualizada. Diversos fatores afastam as mulheres das carreiras ligadas às Ciências Exatas, em particular a física. A naturalização da divisão de papéis sociais e profissões por gênero, somada ao fato que atividades prestigiadas poucas mulheres chegarão a exercê-las, acabou por estabelecer a idéia de que física é uma área masculina e que requer atributos relacionados aos homens. A habilidade matemática essencial para o estudo de física - é uma questão frequente ao tentar encontrar uma razão para poucas mulheres na área: a piori elas apresentariam aprendizado mais fraco que seus colegas homens. No entanto, diversos estudos em vários países mostram que tanto homens quanto mulheres apresentam o mesmo nível de habilidades neste quesito. Então o que mantém as mulheres longe da física? Um complexo interplay de fatores, como a ameaça de estereótipo de gênero, a construção da invisibilidade das mulheres na área e ao longo da história da ciência, o baixo número de papéismodelo, a percepção de em ambientes predominantemente masculinos não são apoiadores com relação à carreira de mulheres inseridas nestes ambientes, e a construção de uma imagem negativa de mulheres na física, somados a divisão de profissões por gênero, contribui não apenas para que a sociedade tenha uma visão fortemente distorcida do assunto, mas também acaba por impactar negativamente as meninas e mulheres na hora de optar ou não por uma carreira na área de física. Muitos dados têm sido coletados e discutidos em diversas partes do mundo; entretanto, verifica-se que localmente, no âmbito do Distrito Federal existem poucos dados a respeito. O grupo de Divulgação em Física e Problemas de Gênero, composto pelos professores Adriana P. Ibaldo, Vanessa C. de Andrade, Reva Garg, Cíntia Schwantes e Ademir E. Santana, desenvolve projeto com o apoio do CNPq e em parceria com o C.E.M. Paulo Freire e o PET-Fis, com a participação de bolsistas de graduação e ensino médio nas diversas atividades previstas no projeto. O bolsista de graduação participará nas atividades previstas no projeto, como nas visitas programadas envolvendo alunas do Ensino Médio, coleta de dados sobre o perfil dos alunos, participará dos grupos de discussão sobre o tema junto às alunas do Ensino Médio e Graduação, além de estar prevista sua participação em eventos na área de física Desde Galileu sabemos que, dados dois diferentes observadores: (i) um fechado em um laboratório em terra firme, e (ii) o outro trancado em um navio que siga em movimento retilíneo uniforme pelo mar, temos que ambos irão experimentar os mesmo fenômenos físicos. Ou seja, o marinheiro não saberia dizer se está em alto mar ou em terra firme. Como ocorre então que o sistema de piloto automático de um avião consegue, mesmo sem auxílio de observações externas, identificar e controlar mudanças no movimento do avião? Essa é uma pergunta com uma rica história, que passa pelas duas Guerras Mundiais, uma batalha de patentes mediada por Albert Einstein e evoluções tecnológicas fundamentais para tecnologia aeroespacial e de mísseis de longo alcance. O estudante aplicará conceitos de física básica para entender desde as primeiras tecnologias de automação de voo, baseada em giroscópios mecânicos, atá as mais recentes inovações, que usam circuitos microeletromecânicos integrados ou interferência de lasers em circuitos fotônicos. Conceitos básicos a serem explorados envolvem a dinâmica de rotações, elementos de circuitos eletromecânicos e suas decorrentes equações diferenciais, óptica e história da Física. O trabalho será em boa parte teórico, mas com uma possível interface experimental na construção de circuitos eletromecânicos em Arduino

4 Paulo Eduardo Narcizo de Souza Caracterização de Fluidos magnéticos por ressonância paramagnética eletrônica Recentemente o Grupo de Nanoestruturas Semicondutoras e Magnéticas adquiriu o espectrômetro de ressonância paramagnética eletrônica de última geração. Esta técnica consiste em observar a ressonância de spin eletrônico sob absorção de microondas. Neste projeto serão estudados diferentes fluidos magnéticas e determinaremos o espectro de ressonância de fluidos magnéticos em função do tamanho das suas nanoparticulas, concentração, mecanismos de estabilidade coloidal e meio de suspensão. Os resultados obtidos fornecerão informaçãos sobre transições de fase, constantes de anisotropia, interações magnéticas entre nanopartículas, etc. Caracterização de fluidos biológicos por ressonância paramagnética eletrônica Esta técnica de espectrocopia é sensível a elétrons desemparelhados. De modo, que se apresenta como uma excelente ferramenta para identificar espécies reativas (radicais livres) em sistemas biológicos. Por exemplo: efeito de toxicidade em peixe, dinâmica de membrana plasmática em células, processo de fotosíntese, etc. Neste projeto o estudante terá contato com os experimentos que realizamos em conjunto com o Instituto de biologia da UnB e Biofísica da UFG. Física do espaço-tempo O objetivo principal é investigar os conceitos e modos de pensar da teoria da relatividade, que é uma das duas mudanças de paradigma que ocorreram na física no século XX. A relatividade estabelece uma relação profunda entre geometria e física, mas uso da matemática será o mínimo possível, para enfatizar a intuição física e esclarecer os efeitos inusitados que emergem. Paulo Caldas Todas as partículas de Deus O objetivo principal é investigar os constituintes fundamentais da natureza. suas cargas e suas interações. A estrutura do Modelo Padrão das partículas elementares se baseia na invariância de calibre. Entre os temas abordados está a formulação de Feynman da física quântica. Os primeiros 10^(-32) segundos O objetivo principal é investigar a cosmologia do século XXI. Ela revela uma conexão íntima entre a estrutura do universo na escala de bilhões de ano luz e a estrutura do universo logo após o big bang, na escala de 10-30m. O universo primitivo é o laboratório supremo da física de partículas. Além das partículas do modelo padrão a cosmologia hoje inclui a matéria escura e a energia escura. Júnio Márcio Rosa Cruz Uso de interface de aquisição de dados e plataforma Arduíno em Física Experimenal Em um laboratório didático, os experimentos oferecidos aos alunos são desenhados de forma a evitar a maior parte dos problemas encontrados em laboratórios de pesquisa. Os procedimentos são desenhados para evitar que pequenos detalhes, aparentemente sem importância, prejudiquem que o objetivo principal seja atingido. Mas quem desenha o experimento aprende muita física nesse processo de limpar o experimento. A construção de roteiros é oportunidade única de se fazer um aprendizado diferenciado da física fundamental ensinada, fora o fato de desenvolver habilidades extremamente úteis àqueles com inclinação à fisica experimental. Nesse projeto, propomos a elaboração de um experimento didático que permita aos alunos calcular o período de oscilação de um pêndulo com formato arbitrário e comparar com o período previsto. As medidas hoje são realizadas usando uma interface de aquisição de dados conhecida como DrDAQ, mas vislumbramos a possibilidade de introduzir microcontroladores como o Arduíno para essa função. O plano de trabalho, portanto, consistiria na construção de um roteiro com uma metodologia de medida que possa se transformar num roteiro de experimento para as nossas disciplinas de mecânica. Ainda com esse mesmo aparato seria possível introduzir o amortecimento com correntes de Foucault, produzindo um sistema de oscilação amortecida que poderia também vir a ter um roteiro próprio. Como extensão simples, seria possível ainda tratar do problema de pêndulos acoplados, ilustrando o problema de batimento, ou ainda oscilações forçadas e ressonância. O desenvolvimento de tais experimentos permite ao aluno tomar contato com as reais dificuldades em se construir um protótipo. Na mesma linha de desenvolvimento de experimentos didáticos assistidos por computador, conforme a descrição acima, propomos o desenvolvimento de experimentos que visem à elucidação de processos térmicos relacionados à propagação do calor e uso de técnicas de análise térmica, como DTA (differential thermal analysis), por exemplo. Notamos que em nossos laboratórios didáticos faltam experimentos que abordem o tema da condutividade térmica e transição de fase. O projeto consistiria em um estudo de diferentes técnicas de medida e avaliação de experimentos didáticos que nos possibilitem a construção de experimentos didáticos para uso em nossos laboratórios de ensino. O candidato a esse tipo de projeto deve gostar ou ter vontade de colocar a mão-na-massa. É útil lembrar que a discussão das ideias e leis físicas fundamentais partem de condições físicas ideais que, na maioria das vezes, não são simples de se obter na prática. É no estabelecimento dessas condições que reside uma riqueza de processos invisível aos alunos que fazem os experimentos prontos. A construção de roteiros é oportunidade única de se fazer um aprendizado diferenciado da física fundamental ensinada, fora o fato de desenvolver habilidades extremamente úteis àqueles com inclinação à fisica experimental. Esperamos trabalhar também na substituição do sistema de aquisição de dados por outro com base em microcontroladores da família Arduino.

5 Olavo L. da Silva Filho A Física de Aristóteles Aristóteles pode ser considerado o primeiro pensador a tentar estabelecer os grandes princípios físicos que regeriam o Universo. Mesmo após a revolução científica ocorrida no final da Idade Média, início do Renascimento, em que diversos princípios defendidos por eles foram radicalmente refutados, sua obra permanece um guia que estabeleceu os grandes descritores que ainda hoje são utilizados na análise física. Este projeto destina-se a estudar as grandes contribuições de Aristóteles para a Física e a Astronomia. Os livros que serão lidos serão (todos em inglês): A Física, Meteorologia, Sobre o Céu. Ao final do projeto pretende-se ter uma parte considerável do livro da Física traduzida para o Português e comentada. Eliana dos Reis Nunes Elaboração de tópicos de mecânica para o ensino e aprendizado de física do primeiro ano do ensino médio O projeto estimulará a aprendizagem do graduando por meio das atividades de pesquisa favorecendo o entendimento do processo de uma pesquisa científica por meio e trabalhos práticos em sala de aula, dentro de uma dinâmica que favorece o entendimento de como ocorre o processo de aprendizagem da Mecânica e as dificuldades apresentadas pelos estudantes frente aos tópicos abordados. Durante o período do programa, o estudante conhecerá estabelecimentos de ensino e suas atividades, proporcionando uma visão ampla da estrutura escolar e de seus participantes. Espera-se, como resultado, que haja uma aprendizagem significativa da Mecânica devido a uma abordagem mais contextualizada da parte conceitual. A utilização de games no ensino de Física O projeto estimulará a aprendizagem do graduando por meio das atividades de pesquisa favorecendo o entendimento do processo de uma pesquisa científica por meio e trabalhos práticos em sala de aula, dentro de uma dinâmica que favorece o entendimento de como ocorre o processo de aprendizagem por meio do uso de games comerciais e/ou didáticos. Durante o período do programa, o estudante conhecerá estabelecimentos de ensino e suas atividades, proporcionando uma visão ampla da estrutura escolar e seus participantes. Antônio C. Pedroza Solução Numérica da Equação de Schrodinger sistemas com 1 elétron o aluno aprenderá elementos de Mecânica Quântica, em particular, a Equação de Schrodinger para sistemas com 1 elétron; e sua resolução numérica usando uma planilha eletrônica. Serão feitos também: Orientação sobre a vida acadêmica na UnB, Orientação sobre hábitos de estudos, Orientação sobre conduta ética nos estudos e na pesquisa, Suporte para as disciplinas que o aluno cursará no período, Iniciação à Pesquisa.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC

COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2014 DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC PROFESSOR: CARLOS ALBERTO RAMOS DA SILVA

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO. Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo Mínimo para o Ensino Médio do estado do RIO DE JANEIRO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17

Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17 Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Formando: Igor Daniel Santos Saraiva Covilhã,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Projeto Escola Solar

Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Por Walder Antonio Teixeira Introdução O que vem a ser uma Escola Solar? Demos o nome de Escola Solar para o nosso projeto, pois utilizamos a prática com energia

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO

UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA NÍVEL MESTRADO PROFISSIONAL RAMON MARQUES DE CARVALHO UM BREVE RELATO SOBRE A HISTÓRIA DA RADIAÇÃO CÓSMICA DE FUNDO PICOS

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2013 163. FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2013 163. FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 163 FÍSICA Licenciatura COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br 164 Currículos dos Cursos UFV Licenciatura (Integral) ATUAÇÃO O curso de graduação

Leia mais

Introdução à cosmologia observacional

Introdução à cosmologia observacional X ESCOLA DO CBPF MÓDULO GRADUAÇÃO Introdução à cosmologia observacional Ribamar R. R. Reis IF - UFRJ O que é cosmologia? Cosmologia é o estudo do universo como um todo. Para tornar esse estudo possível

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms.

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. FUNDAÇÃO UNIVERSITARIA FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. Autores: Prof. Paulo Alexandre Oliveira Acad.

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE II Tendências em Educação Matemática Educação Busca desenvolver pesquisas para inovar a prática docente adequada às necessidades da sociedade. Educação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Física Interação e Tecnologia

Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação as Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO

3) IMPORTÂNCIA DESTE PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NESTE MOMENTO DO CURSO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM NOME: SEL0302 Circuitos Elétricos II PROFESSORES: Azauri Albano de Oliveira Junior turma Eletrônica PERÍODO LETIVO: Quarto período NÚMERO DE AULAS: SEMANAIS: 04 aulas TOTAL: 60

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS REGULAMENTO DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS REGULAMENTO DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO O curso de Engenharia de Alimentos da UPF, através do seu Projeto Pedagógico, se propõe a oportunizar ao egresso uma série de habilidades pessoais e profissionais,

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

O caso estacionário em uma dimensão

O caso estacionário em uma dimensão O caso estacionário em uma dimensão A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico no caso de o potencial ser independente do tempo. objetivos verificar que, no caso de o potencial ser independente

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO

FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO FÍSICA BRINCANDO E APRENDENDO (FI.BR.A.): DEMOSTRAÇÕES EXPERIMENTAIS, MOTIVANDO O APRENDIZADO DE FÍSICA NO ENSINO MÉDIO Área Temática: Educação: Educação Básica, Ensino Médio Equipe Executora: Antonio

Leia mais

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29 A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza Victor O. Rivelles Instituto de Física Universidade de São Paulo rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/ rivelles/ Simpósio Nacional de

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA ÍNDICE 5.1- Postulados

Leia mais

ENEM 2014/2015 Física (Prova Amarela) Prof. Douglas Almeida

ENEM 2014/2015 Física (Prova Amarela) Prof. Douglas Almeida Questão 46 Nesta questão, o candidato precisa saber que um filtro de luz realiza a refração seletiva, deixando passar as cores que o compõe e absorvendo substancialmente as outras cores. Assim, para absorver

Leia mais

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno)

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) SEMESTRE 1 - Obrigatórias FAP0151 Fundamentos de Mecânica FAP0152 Introdução às Medidas em Física FEP0151 Fundamentos de Mecanica FEP0152

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O uso de brinquedos no ensino não-formal de Física

O uso de brinquedos no ensino não-formal de Física Congreso Iberoamericano de Ciencia, Tecnología, Innovación y Educación O uso de brinquedos no ensino não-formal de Física SILVA, F R; VERARDI, D 1 ISBN: 978-84-7666-210-6 Artículo 1325 Congreso Iberoamericano

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) FÍSICA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) FÍSICA EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) FÍSICA 01 Comunicação e Expressão CÓDIGO: 990101 Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não-verbal. Linguagem literária.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

2FIS023 FÍSICA GERAL III

2FIS023 FÍSICA GERAL III 1ª Série 2MAT032 CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I A derivada: números reais. Planos cartesianos e gráficos de funções. Limite e continuidade de funções reais. Diferenciação de funções reais e aplicações.

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (PAEBES). Discutir e elaborar estratégias

Leia mais

Eu não tenho fé suficiente para ser um ateu

Eu não tenho fé suficiente para ser um ateu Eu não tenho fé suficiente para ser um ateu Aula 2 Evidências do mundo natural: um universo projetado Wesley R. Silva e José Luiz F. Rodrigues Escola Bíblica de Adultos Agosto Setembro 2014 Einstein e

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Anne Caroline Paim Baldoni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

USO DO APLICATIVO POWERS OF 10 COMO FERRAMENTA DE INTEGRAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS

USO DO APLICATIVO POWERS OF 10 COMO FERRAMENTA DE INTEGRAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS 1 USO DO APLICATIVO POWERS OF 10 COMO FERRAMENTA DE INTEGRAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS Sônia Elisa Marchi Gonzatti (lagonzatti@bewnet.com.br) Eliana Fernandes Borragini (borragini@yahoo.com.br) Ieda

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

É com muita honra e imensa satisfação que estamos inaugurando o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Física.

É com muita honra e imensa satisfação que estamos inaugurando o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Física. 1 SENHOR VICE-GOVERNADOR, SENHOR MINISTRO, SENHOR REITOR, SENHOR PREFEITO AUTORIDADES JÁ MENCIONADAS, SENHORES E SENHORES, CORDIAL BOA NOITE! É com muita honra e imensa satisfação que estamos inaugurando

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM José Cícero Santos (UFAL) [cjnego2007@gmail.com] Aldisío Alencar Gomes (UFAL) [aldisioalencar@gmail.com] Ana Paula Perdigão Praxedes

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio

A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio A modelagem e a simulação computacional, como recurso didático na disciplina de Física em cursos técnicos integrados ao ensino médio Cibeli Marzari Bertagnolli (1), Orildo Luis Battistel (2), Sheila Magali

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ FÍSICA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA 1 MECÂNICA COMPETÊNCIAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ FÍSICA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA 1 MECÂNICA COMPETÊNCIAS 1.1 Conceitos fundamentais: Posição, deslocamento, velocidade e aceleração. 1.2 Leis de Newton e suas Aplicações. 1.3 Trabalho, energia e potência. 1.4 Momento linear e impulso. UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão;

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão; REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS ITAPINA O Estágio Curricular constitui um momento de aquisição e aprimoramento de conhecimentos e de habilidades essenciais ao

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais