PROPAGAÇÃO DA LUZ NOS MEIOS MATERIAIS: REFLEXÃO, REFRAÇÃO E DISPERSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPAGAÇÃO DA LUZ NOS MEIOS MATERIAIS: REFLEXÃO, REFRAÇÃO E DISPERSÃO"

Transcrição

1 PROPAGAÇÃO DA LUZ NOS MEIOS MATERIAIS: REFLEXÃO, REFRAÇÃO E DISPERSÃO Aula 8 META Discutir sucitamete sobre a atureza da luz (e outras odas eletromagéticas), e aalisar sua propagação os meios materiais. Defi ir o ídice de refração do meio e apreder sua coexão com propriedades eletromagéticas do material. Aalisar comportameto de raios lumiosos a iterfase etre dois meios: refl exão e refração, bem como efeito de dispersão. OBJETIVOS Ao fial desta aula, o aluo deverá: Eteder a descrição geométrica da propagação da luz (através dos raios), e o pricípio de Fermat. Saber através de quais tipos de materiais a luz pode, ou ão pode se propagar. Eteder qual é o sigifi cado físico do ídice de refração do meio. Maipular as fórmulas que descrevem as leis de refl exão e refração da luz. Eteder o efeito de dispersão de luz. Saber explicar feômeos como arco-íris, brilho dos diamates, prismas de Porro e pricípio de fucioameto de fi bras ópticas. PRÉ-REQUISITO Trigoometria básica; mecâica básica; aulas 5-7

2 Itrodução Etre todas as odas eletromagéticas, a luz visível é aquela que tem maior importâcia para humaidade, sem qualquer dúvida. Esse fato justifica a ateção especial que daremos a ela e dedicaremos o resto das aulas para descrição de feômeos exibidos por essa luz, referido-se muito meos a outros tipos de odas eletromagéticas. Embora os feômeos que vamos estudar depedem de certa forma da frequêcia das odas, a maior parte das cosiderações vale para todos os tipos das odas eletromagéticas. 8. Natureza da luz e maeiras de descrever sua propagação Desde os tempos muito atigos a raça humaa questioava sobre a atureza da luz. No fial, o que é a luz? Apredemos as aulas 6 e 7 que a luz é uma oda eletromagética, e, portato exibe atureza odulatória. Mas, isto ão é uma verdade completa, como veremos mais para frete. No Mudo Atigo os filósofos gregos acreditavam que a luz era formada por pequeas partículas, as quais se propagavam em liha reta e com alta velocidade. Essa explicação permaeceu idiscutível por muito tempo até que, por volta do ao de 5, Leoardo da Vici percebeu a semelhaça etre a reflexão da luz e o feômeo do eco e levatou a hipótese de que a luz era um movimeto odulatório. Na busca pela defiição sobre a atureza da luz surgiram, o século XVII, duas corretes de pesameto cietífico: a teoria corpuscular da luz, que era defedida por Isaac Newto; e o modelo odulatório da luz, que era defedido por Christia Huyges. Segudo Newto, a luz era formada por partículas; já Huyges defedia a hipótese de que a luz era uma oda. Essas duas corretes provocaram itesas polêmicas etre os cietistas da época, que marcou a história da física. No etato, o cohecimeto sobre a verdadeira atureza da luz só foi descoberto o século XIX, após a morte dos defesores dessas teorias. No iício deste século, as experiêcias de Thomas Youg e Augusti Fresel sobre iterferêcia e difração da luz demostraram a existêcia de feômeos ópticos para os quais a teoria corpuscular da luz seria iadequada, abrido possibilidade de que a luz correspodesse a um movimeto odulatório. Depois das descobertas de Maxvell, que provou que a velocidade de propagação de uma oda eletromagética o espaço é igual à velocidade de propagação da luz (aproximadamete 3. km/s), a teoria corpuscular foi, aos poucos, sedo rejeitada. Parecia que a teoria odulatória levaria a vitória fial. Não por muito tempo! No iício do século XX, a teoria que afirmava que a luz era puramete uma oda eletromagética, (ou seja, a luz tiha um comportameto apeas odulatório), começou a ser questioada. Várias experiêcias que ivestigavam iteração da luz com a matéria (como absorção, emissão e espalhameto) ão podiam ser explicadas com base essa preposição. Etre elas, a lei da radiação de corpo egro, o efeito fotoelétrico e o espalhameto de raios X por elétros. Os resultados dessas experiêcias foram etedidos cosiderado a luz como um cojuto de iúmeros pacotes de eergia chamados fótos, que exibem propriedades corpusculares (chocam-se com elétros 76

3 como partículas). A explicação destas experiêcias levou ao desevolvimeto de uma ova disciplia de física, que estuda leis que goveram o mudo dos átomos, elétros é ucleos: mecâica quâtica! Etão, o fial, o que é luz e qual é a sua atureza? A posição da física modera é a seguite: a luz (bem como as outras odas eletromagéticas) tem atureza dual: odulatória e corpuscular. Sob algumas circustâcias, a luz demostra atureza odulatória: ela exibe polarização (discutiremos isso a aula 9) e sofre iterferêcia e difração (aula ), que são idiscutivelmete efeitos odulatórios. Por outro lado, quado iterage com a matéria, a luz se comporta como cojuto de fótos, i.e., exibe atureza particular. Se você ão etedeu isso, ão se preocupe muito: iguém realmete etede essas coisas, são peculiaridades e estrahezas da mecâica quâtica! Bom, vamos deixar a atureza particular da luz para o futuro, quado vocês começarem a estudar mecâica quâtica. Neste curso, vamos discutir somete sua atureza odulatória, que explica muitos feômeos comus. Aalisaremos agora como podemos descrever a propagação da luz. Já apredemos as aulas ateriores que temos duas possibilidades: () usado raios, e () utilizado fretes (ou froteiras) de oda. O ramo da óptica que utiliza os raios para descrever a propagação da luz, deomia-se óptica geométrica. Ela se caracteriza pela simplicidade matemática, e é capaz de descrever vários (mas ão todos) os efeitos ópticos. A óptica geométrica é baseada em três pricípios. Propagação Retilíea da Luz: em um meio homogêeo e trasparete a luz se propaga em liha reta. Cada uma dessas "retas de luz" é chamada de raio de luz. Idepedêcia dos Raios de Luz: quado dois raios de luz se cruzam, um ão iterfere a trajetória do outro, cada um se comportado como se o outro ão existisse. Reversibilidade dos Raios de Luz: se o setido de propagação de um raio de luz é revertido, ele cotiua a percorrer a mesma trajetória, em setido cotrário. Todos os três pricípios podem ser derivados a partir do Pricípio de Fermat, de Pierre de Fermat, que diz que quado a luz percorre a distâcia de um poto a outro, ela segue a trajetória que miimiza o tempo do percurso. O domíio de validade da óptica geométrica está as escalas muito maiores do que o comprimeto de oda da luz cosiderada, e os quais as fases das diversas fotes lumiosas ão têm qualquer correlação etre si. A óptica geométrica se aplica ao estudo do feômeo da reflexão e refração lumiosa, sedo frequetemete utilizada a área de aálise dos espelhos e letes. Por outro lado, ela ão pode ser aplicada para explicar iterferêcia e difração, por exemplo, já que esses feômeos a correlação etre as fases das odas têm papel importatíssimo. Nessa aula, usaremos a descrição da óptica geométrica, equato as próximas duas utilizaremos descrição oferecida por óptica odulatória. 77

4 8. Propagação da luz através dos meios materiais; ídice de refração Já sabemos que a luz, bem como qualquer outra oda eletromagética, ão precisa de ehum meio para se propagar. Porém, ela se propaga através dos meios materiais também. Como? Isso depede do tipo de meio. Através dos materiais codutores, por exemplo, a luz ão se propaga. Ela é refletida pela superfície do codutor. Por esta razão os metais são tão bos refletores: os melhores espelhos são feitos deles. O efeito acotece porque os codutores possuem uma espécie de elétros livres, aqueles que ão são fortemete ligados aos úcleos atômicos e podem se locomover através do metal com facilidade. Quado a oda eletromagética teta peetrar o iterior do codutor, os elétros livres se orgaizam de tal maeira a expulsar o seu campo elétrico. Sem campo elétrico, o campo magético também é apagado, e a oda ão se propaga pelo iterior. No caso do codutor ideal r (cuja resistividade é zero), o processo é realizado completamete e E = em todos os potos do iterior, i.e., a luz é totalmete refletida. No caso do codutor real (resistividade ão zero), a luz peetra parcialmete o iterior até certa espessura, e, portato a reflexão ão é total. Os materiais dielétricos (isolates) ão possuem a espécie de elétros livres, i.e., todos os elétros são ligados aos seus respectivos úcleos. Portato, ão existe efeito da blidagem e expulsão do campo elétrico. A luz se propaga através do iterior do material, mas com uma velocidade v reduzida em relação à velocidade o vácuo c ( v< c). A redução da velocidade ocorre porque os campos elétricos e magéticos da oda iduzem oscilações das partículas eletricamete carregadas (íos, elétros), que, por sua vez, produzem odas eletromagéticas secudárias. Superposição das últimas com oda icidete altera as características da luz que se propaga o iterior, reduzido sua velocidade. Como v= λ f, a redução da velocidade implica também a redução de comprimeto de oda de luz (a frequêcia permaece a mesma, pois esta é a característica origiada da fote da luz). O que muda a descrição de propagação de uma oda eletromagética através de um dielétrico? Se o material fosse homogêeo e isotrópico, somete se deve substituir ε e μ as equações de Maxwell por ovas quatidades ε e μ que descrevem propriamete as características eletromagéticas do meio dielétrico. ε é a permissividade elétrica, e μ a permeabilidade magética do material. Eles usualmete são descritos em termos de permissividade e permeabilidade do vácuo, ε e μ, através das seguites relações: ε = ε ε r r μ = μ μ (8.) ode ε r e μ r são úmeros maiores do que um (sem dimesão), que depedem das características do material. ε r é a permissividade elétrica relativa, frequetemete chamada costate dielétrica, equato μ r é permeabilidade magética relativa do 78

5 material. Itroduzido essas duas ovas quatidades físicas, a aálise das equações de Maxwell, apresetada a aula 6, permaece a mesma. Todas as coclusões sobre odas eletromagéticas, tiradas a partir desta aálise, também permaecem as mesmas, com exceção da velocidade de propagação das odas, que agora é: v= c ε μ (8.) A razão etre a velocidade da luz o vácuo e velocidade da luz o material defie uma quatidade física que é muito importate para descrição das propriedades ópticas deste material: o ídice de refração: c = (8.3) v Como v c, o é sempre maior do que um. Substituido (8.) e (8.) em (8.3) segue: = ε μ = ε μ r r ε μ Para a maioria dos materiais que trasmitem odas lumiosas μr. Portato: = ε r (8.4) i.e., o ídice de refração é igual a raiz quadrada da costate dielétrica. A relação (8.4) represeta a coexão etre as propriedades elétricas e as propriedades ópticas dos materiais. A teoria eletromagética mostra que a costate dielétrica, que determia como o material dielétrico respode ao campo eletromagético aplicado, depede da frequêcia do campo. Através da equação (8.4), a mesma propriedade se aplica também para o ídice de refração: ε = ε ( ) = ( f) (8.5) r r f A equação (8.5) leva a coclusão que a velocidade de propagação da oda eletromagética através de um dielétrico depede da frequêcia da oda: v= v( f) (8.6) Veremos mais para frete que esta propriedade explica efeitos ópticos importates, como por exemplo, a dispersão e desvio de feixe luz que atravessa de um meio para outro. 79

6 8.3 Reflexão e refração das odas eletromagéticas Até agora aalisamos propagação de uma oda eletromagética através de somete um meio, seja ele vácuo ou material dielétrico. Vamos aalisar agora o que acotece quado a luz muda o meio de propagação, atigido a superfície que divide um meio (com ídice de refração igual a ) e um meio (com ídice de refração igual a ). Neste caso, sabemos da experiêcia que a feixe de luz é parcialmete refletida (volta para o meio ), e parcialmete refratada (ou trasmitida) para o meio. Figura 8. mostra esse processo utilizado descrição de óptica geométrica, i.e., represetado a propagação da luz através de raios (feixes). Figura 8.: Icidêcia de um raio de luz a superfície etre dois meios: o raio icidete é dividido em raio refletido e raio refratado. Os processos de reflexão e refração são descritos em termos de três leis simples que relacioam o âgulo da icidêcia θ (âgulo que forma o raio icidete com a ormal ' da superfície), o âgulo de reflexão θ (âgulo que forma o raio refletido com a ormal da superfície), e o âgulo de refração θ (o âgulo que forma o raio refratado com a ormal da superfície).. Todos os raios icidete, refletido e refratado estão cotidos o mesmo plao, que é perpedicular ao plao de iterface etre dois meios.. Âgulo da icidêcia é sempre igual ao âgulo de reflexão: θ = θ (8.7) 3. Relação etre âgulo de icidêcia e âgulo da refração depede da relação etre ídices da refração de dois meios, e é expressa pela lei de Sell: 8

7 siθ si θ = (8.8) Essas três leis geeralizam os fatos observados em muitos evetos, mas também podem ser derivadas a partir de pricípio de Fermat, já mecioado a itrodução desta aula. Este pricípio aucia que a luz, que passa de um poto A do espaço para outro poto B, sempre segue aquela trajetória que leva meos tempo a ser percorrida. Expressado matematicamete, o pricípio sigifica dizer que a itegral t t B dt = A ds v assume um valor míimo quado a luz viaja com a velocidade v, etre os potos A e B. Quado a luz está percorredo a distâcia AB diretamete, através de um úico meio, é óbvio que a trajetória será uma liha reta que coecta os potos A e B. Mas, o que acotecerá se a luz atigir o poto B ão diretamete, mas via reflexão pelo espelho, como ilustrado a figura 8. (a)? Qual trajetória a luz seguirá? Figura 8.: Geometria utilizada a dedução da lei de reflexão pelo pricípio de Fermat. Bom, o tempo que a luz precisa para se deslocar do poto A para o poto B é igual a soma dos tempos gastos pelos raios icidetes e refletidos, r r r + r t = tap + tpb = + = v v v respeitado a otação itroduzida a figura 8. (b). Utilizado o teorema de Pitágoras, segue: t = a + x + b + ( d x) v 8

8 Segudo cálculo diferecial, se houver um valor de x que miimize tempo t, etão dt dx será igual a zero. Logo, calcularemos a derivada, obtedo dt x d x = = dx v a + x b + ( d x) x d x = a + x b + ( d x) O lado esquerdo é exatamete o seo do âgulo de icidêcia θ, e o lado direito o seo do âgulo de reflexão θ. Etão, segue que siθ = siθ θ = θ que é exatamete a lei de reflexão. Para deduzir a lei da refração, usado o pricípio de Fermat, usaremos a geometria mostrada a figura 8.3., com o plao cotedo a trajetória da luz perpedicular ao plao que separa as regiões de ídices de refração e. A luz propaga-se do poto A a região com ídice para um poto a uma distâcia descohecida x da base da perpedicular ao plao de separação etre os dos meios materiais. O comprimeto da perpedicular é a. A luz cotiua o seu camiho a região com ídice até um poto B, situado a uma distâcia b do plao de separação. Figura 8.3: Geometria utilizada a dedução da lei de Sell pelo pricípio de Fermat. De forma similar ao caso da reflexão, existem várias trajetórias possíveis para o raio de luz ser refratado ao percorrer dois meios materiais distitos. O tempo para percorrer do poto A até B é igual à soma dos tempos para percorrer de A até a superfície P e de P a B. Como os meios têm ídices de refração distitos, a luz terá cosequetemete velocidades diferetes. Sejam estas velocidades o meio e iguais a v e v, respectivamete. Assim, 8

9 r r t = tap + tpb = + v v Expressado velocidades pelos ídices de refração (através da equação 8.3), segue Observado figura 8.3, cocluímos que r r t = + c c r a x = + e r = b + ( d x) Portato, o tempo ecessário para a luz se propagar ao logo do trajeto A - B é Calculado de ovo dt dx, obtemos t = a + x + b + ( d x) c dt x x = + dx c a + x b + ( d x) De acordo como pricípio de Fermat a trajetória real a ser percorrida pelo raio de luz será aquela que satisfaz a relação dt dx =. Isto sigifica que, x x = a + x b + ( d x) Usado relações geométricas tiradas da figura 8.3, podemos reescrever a equação acima em termos dos âgulos de icidêcia θ e refração θ, como a seguir, siθ = siθ que é a própria lei de Sell. A partir dessa dedução podemos cocluir que o desvio que a luz sofre ao atravessar a divisa etre dois meios é uma cosequêcia do fato de que a sua velocidade de propagação muda. Veja, se as velocidades v e v fossem mesmas, os ídices e seriam os mesmos também, e, portato, segudo a lei de Sell, θ seria igual a θ. Neste caso a luz passaria do poto A para o poto B a figura 8.3 diretamete, seguido a liha reta e sem ehum desvio. Essa situação é represetada o topo da figura

10 Figura 8.4: Possíveis situações que podem ocorrer quado o raio de luz atravessa a divisa etre dois meios. Quado os ídices de refração dos meios são diferetes, a luz ecessariamete desviará da trajetória reta: aproximado se da ormal se <, e afastado se da ormal se > (figura 8.4). A trajetória de um raio de luz é reversível, que sigifica se ós ivertêssemos a direção de propagação da luz a figura 8.4, as trajetórias mostradas permaeceriam as mesmas! A Lei de Sell também implica que a magitude de desvio da luz depede da razão etre ídices de refração dos dois meios. Este fato destaca aida mais a importâcia que o ídice de refração tem a caracterização óptica dos materiais. A Tabela 8. mostra os ídices de refração de algus materiais característicos. Meio Vácuo, Ar,3 Água,33 Quartzo fudido,46 Vidro,5,89 Diamate,4 Tabela 8.: Ídices de refração de algus materiais. Veja que o ídice de refração do vácuo (ou ar) é o meor possível (pois este caso v= c). Isso sigifica que a luz, icidido do ar para qualquer outro material, sempre desviará aproximado-se da ormal. 84

11 Portato, fique cosciete de que as images que você percebe debaixo d água são egaadoras, pois os objetos ão estão o lugar ode você pesa que estão, mas deslocados devido ao efeito de refração da luz. Na figura ao lado é apresetado um exemplo de refração da imagem de um lápis ao ser submerso um copo cheio de água. No fial, o que acotece com os aspectos odulatórios da luz durate sua reflexão ou refração? Primeiro, sabemos que a frequêcia, sedo uma característica da fote odulatória, ão muda. Após o ato de reflexão, a luz cotiua se propagado através do mesmo meio, sua velocidade também ão muda, e portato o comprimeto de oda permaece o mesmo. Após o ato de refração, porém, a luz muda o meio de propagação, sua velocidade é diferete, e portato o comprimeto de oda também. Vamos aalisar o caso quado o meio de icidêcia é o vácuo (ou ar). Neste caso, se a frequêcia é desigada por f, e os comprimetos de oda da luz icidete e refratada λ e λ, respectivamete, temos: vacuo : c= f λ c λ = = meio: v f v λ dividido : = λ λ λ = (8.9) A equação 8.9 descreve como o comprimeto de oda da luz que se propaga através de um meio material muda em relação ao comprimeto de oda o vácuo. A questão sobre o comportameto da itesidade, amplitude, fase e do estado de polarização de raios refletidos e refratados é bem mais complicada. Mostra-se que estas quatidades depedem do âgulo da icidêcia, ídices de refração dos meios e do estado de polarização da luz icidete. Porém, para obter uma resposta detalhada, precisa-se de uma aálise mais profuda das equações de Maxwell, tarefa que sai do foco e dos objetivos deste curso. 8.4 Reflexão itera total 85

12 A lei de Sell permite uma possibilidade bem iteressate: sob algumas codições específicas a luz poderia sofrer somete reflexão, sem qualquer parte sedo refratada. O efeito existe de verdade, e chama-se reflexão itera total. A primeira codição do efeito ocorrer é que a luz tem que passar de um meio com ídice de refração maior (diz-se, o meio mais refrigete) para o meio com ídice de refração meor (meio meos refrigete). Neste caso, o raio desvia-se, afastado-se da ormal da superfície. Figura 8.5: Ilustração da reflexão itera total. Essa situação é ilustrada a figura 8.5, ode o âgulo de icidêcia é deotado por θ e o âgulo de refração por θ. Quado o θ é pequeo, ocorre o caso, vamos dizer ormal : ambas as reflexão e refração estão presetes. Porém, se começarmos aumetar âgulo θ, o âgulo θ também aumetará. Cotiuado esse processo, chegará um mometo quado o θ atigirá 9 graus e âgulo θ será meor do que isso (pois θ > θ). Fisicamete isso sigifica que o raio refratado será paralelo a iterface etre os meios. O âgulo icidete que produz esta situação chama-se âgulo crítico, deotado a figura 8.5 por θ C. Quado o âgulo de icidêcia ultrapassa o valor do âgulo θ C, ehum raio pode atravessar para outro lado da superfície, e a luz está presa detro do material mais refrigete. Ocorre a reflexão itera total! Como calcular o valor do âgulo crítico? Utilizado a lei de Sell: siθ = siθ, π ode >, segue: siθ = siθ. Quado θ = θ = θc. Portato, π siθ C = si, i.e., 86

13 si C θ = (8.) A magitude do âgulo crítico depede da razão etre os ídices de refração dos dois meios: quato meor for o ídice em relação ao ídice, meor fica o âgulo crítico e o efeito de reflexão total é mais facilmete produzido. Exemplo: iterface vidro-ar =, 5 (vidro) =, (ar), θ = = = si C,658, 5 θ C = 4,. Etão, se a luz tetado sair do vidro para o ar, cair a iterface sob o âgulo de icidêcia maior que 4,, ela ficará totalmete refletida. Esse fato é utilizado a prática através de um dispositivo simples, chamado prisma de Porro. O prisma de Porro básico é uma peça de vidro de base triagular com todos os âgulos de 9º (figura 8.6). Figura 8.6: Prismas de Porro, refletores ideais da luz. Quado a luz etra perpedicularmete o prisma, a sua saída forma um âgulo de icidêcia igual a 45. Como este âgulo é maior do que âgulo crítico, a luz é totalmete refletida para o vidro. O prisma de Porro é um refletor ideal (ão há perda ehuma de luz por refração) e é usado em muitos dispositivos ópticos. Outra grade utilização prática do efeito de reflexão total está as fibras ópticas. Estas fibras são usadas como meio de trasmissão de odas eletromagéticas (como a luz). Feitas de plástico ou de vidro (materiais trasparetes), podem ter diâmetros variáveis (mais fios que um fio de cabelo até vários milímetros). Em uma fibra óptica, a luz viaja através do úcleo (material de alto ídice de refração, usualmete sílica SiO ), refletido-se costatemete a iterface (material de meor ídice de refração). Esta reflexão é total, porque o âgulo da icidêcia da luz é sempre maior do que o âgulo crítico (figura 8.7). 87

14 Figura 8.7: Ilustração de uma fibra óptica e do pricípio de propagação da luz através dela. Refletido-se a iterface, a luz permaece presa o iterior do úcleo, ão importado o âgulo em que a fibra seja curvada, mesmo que seja um círculo completo. Além disso, usado frequêcias ligeiramete diferetes, é possível trasmitir milhares de siais ópticos por uma úica fibra, sem perigo de aparecer liha cruzada (figura 8.8). Figura 8.8: Trasporte de mais de um sial óptico através de uma fibra óptica. As fibras ópticas são muito usadas, hoje em dia, a medicia e as telecomuicações, para trasporte de voz e dados. Uma fibra é icomparavelmete mais eficiete para trasporte de siais de comuicação que um fio de cobre. Diferetemete de um fio de cobre, a fibra ão sofre iterferêcias de campos elétricos e magéticos. Mais uma maifestação do efeito de reflexão total chama bastate ateção: o brilho dos diamates! Veja, apredemos que quato maior o ídice de refração de um material trasparete, meor é o âgulo crítico. Depois que um feixe de luz etra em um material de grade ídice de refração, só sai se icidir, iteramete, com um âgulo meor que o âgulo crítico. O diamate tem um ídice de refração =,4. Com esse valor, o âgulo crítico do diamate (em relação ao ar) é pouco maior que 4. Uma vez detro do diamate, a luz só sai se icidir a superfície itera com um âgulo meor que esse. De 4 até 9 a luz se reflete de volta. 88

15 Figura 8.9: O diamate brilha devido ao efeito de iúmeras reflexões totais de luz o seu iterior. Assim, o diamate cosegue aprisioar a luz em seu iterior fazedo-a sofrer iúmeras reflexões totais e muito pouca refração para o meio exterior. Além disso, ele é lapidado de maeira que a luz fique mais tempo detro dele de modo que a luz icidete uma das faces seja totalmete refletida as outras. 8.5 Dispersão Nesta aula, a seção 7., cocluímos que a velocidade da oda eletromagética e o ídice de refração do meio depedem da frequêcia da oda (equações 8.5 e 8.6). Este fato causa um feômeo cohecido como dispersão, que se maifesta como separação de uma oda real, que cotém muitas frequêcias, em suas compoetes espectrais com diferetes frequêcias. A dispersão sempre ocorre em um meio material (dielétrico), já que o vácuo a velocidade das odas de quaisquer frequêcias é mesma: c! O exemplo mais cohecido da dispersão é separação da luz braca em todas as cores através de um prisma de vidro (figura 8.). 89

16 Figura 8.: Separação da luz braca em cores que a compõem: um efeito de dispersão. Como isso ocorre? A luz braca é uma oda eletromagética que cotém muitas frequêcias, em toda faixa visível. Como cada frequêcia correspode a determiada cor (aula 7), podemos dizer que a luz braca é mistura de todas as cores. Quado o raio da luz braca icide a iterface etre ar e vidro, ela é refratada e desvia-se, aproximado-se da ormal da superfície. Porém, os compoetes com frequêcias diferetes serão desviados diferetemete. Na maioria dos materiais trasparetes ( f de vermelho) < ( f de amarelo) < ( f de azul)..., que sigifica que o ídice de refração aumeta coforme se aumeta a frequêcia da oda f. Etão, segudo a lei de Sell, compoetes com meores frequêcias (como luz vermelha) desviam meos do que compoetes com maiores frequêcias (como luz azul, por exemplo). O resultado é uma gama das cores a saída da prisma! Outra maifestação impressioate do efeito de dispersão é a formação do arco- íris. O arco-íris é um feômeo óptico e meteorológico que ocorre em razão da preseça de gotículas de água a atmosfera. O feômeo é explicado a partir dos coceitos da reflexão e refração da luz. A luz braca, quado irradiada pelo sol, peetra as gotas de água suspesas a atmosfera. Ao mudar de meio de propagação, esse caso do ar para a água, a luz sofre refração que é acompahado pelo desvio de luz. Esse desvio de luz faz separar vários raios de luz que possuem uma frequêcia para cada tipo de cor, sedo a maior frequêcia para a luz violeta e o meor para a luz vermelha. Após a refração, os raios que surgiram da decomposição da luz braca sofrem agora a reflexão. Eles são refletidos iteramete pelas paredes das gotas de água, retorado, assim, para atmosfera e formado o arco-íris (figura 8.). Figura 8.: A luz braca se separa em diferetes cores (frequêcias, ou comprimetos de oda) ao etrar uma gota de chuva, como a luz vermelha sedo refratada por um 9

17 âgulo meor que a luz azul. Ao sair da gota de chuva, os raios vermelhos são retorados por um âgulo maior que os raios azuis, produzido o arco-íris. A formação do feômeo de arco-íris é possível mediate a existêcia de gotículas de água a superfície e luz ao mesmo tempo (etão, com sol e chuva ao mesmo tempo). -- Somado e subtraido cores. As cores da televisão Não é ecessário usar todas as cores visíveis para obter o braco. Basta usar três cores, ditas primárias: o vermelho, o azul e o verde. Projetado, sobre uma tela braca, feixes de luz com essas três cores primárias, observamos que a soma delas, o cetro, é braca. A SOMA do vermelho com o verde é o amarelo e, assim por diate. Qualquer cor visível pode ser obtida somado essas três cores, variado adequadamete a itesidade de cada uma delas. Na verdade, com essas três cores coseguimos cores que em estão o espectro solar, como o marrom. Isso é usado a tela da televisão. Se você olhar bem de perto verá que a tela é coberta de potos com apeas essas três cores. Vistos de loge, os potos se mesclam e vemos toda a gama multi-colorida. Aliás, todas as cores que você vê a TV ou em moitores de computador são a SOMA dessas três: vermelho, verde e azul ( Red, Gree e Blue, RGB). SUBTRAIR cores cosiste em elimiar uma ou mais das compoetes da luz. Por exemplo, misturar titas equivale a subtrair cores. Desde criaças, sabemos que a tita azul misturada com tita amarela dá a tita verde. O que acotece é que os pigmetos da tita azul absorvem as compoetes do lado vermelho e os pigmetos da tita amarela absorvem as compoetes do lado azul. Sobram as compoetes itermediárias, isto é, o verde. Bibliografia cosultada 9

18 Aloso, M. S. e Fi, E. J., Física, Ed. Edgard Blucher Editora, São Paulo, 999. Youg, H. D. e Freedma, R. A. Física IV Ótica e Física Modera, Pearso Educatio do Brasil (qualquer edição). Serway, R. A. e Jewett, J. W. Pricípios de Física, vol. 4, editora Thomso (qualquer edição). Questões. Equato a luz se propaga do vácuo ( = ) para um meio como o vidro ( > ), o comprimeto de oda da luz se altera? A frequêcia se altera? A velocidade se altera? Explique.. Explique por que um remo a água parece dobrado. 3. Explique por que um diamate perde a maior parte de seu brilho quado é submerso em bissulfeto de carboo e por que uma imitação de diamate de zircôia cúbica perde todo o seu brilho o xarope de milho. Resposta O brilho do diamate origia-se do efeito de reflexão itera total, i.e., do fato que o âgulo crítico para iterface diamate-ar é bem pequeo. Como o bissulfeto de carboo tem ídice de refração maior que o ar, dimiui a razão etre os ídices de refração do bissulfeto e o diamate, aumetado ao mesmo tempo o valor do âgulo crítico (veja equação 8.). Assim, a luz tem meos chace de ficar presa detro do diamate, e o seu brilho dimiui. 4. Um feixe de laser atravessado uma solução ão homogêea de açúcar segue uma trajetória curva. Explique. Resposta Ídice de refração depede da desidade do material. Como desidade muda ao logo da trajetória da luz (material ão homogêeo), a luz sofrerá desvios diferetes, que resultará em uma trajetória curva. Exercícios -- Reflexão e refração 9

19 . Um estreito feixe de luz amarela de sódio, com comprimeto de oda de 589 m o vácuo, icide do ar sobre uma superfície plaa de água a um âgulo θ = 35,. Determie o âgulo de refração θ e o comprimeto de oda da luz a água. Resposta Meio da icidêcia é o ar: =,. Âgulo de icidêcia é: θ = 9 35 = 65 (pois o âgulo θ é dado em relação à superfície, equato o âgulo da icidêcia se defie em relação à ormal da superfície). Meio refrativo é água: =, 33, com âgulo de refração θ. Aplicado a lei de Sell: siθ = siθ siθ =, 68 θ = 43. Para achar o comprimeto de oda λ da luz a água, usaremos o fato que a frequêcia da luz o ar ( c λ, ode λ = 589m ) é igual a frequêcia de luz a água ( v λ, ode v é velocidade de propagação da luz a água): c v 589m = 44,8m λ λ λ v = c λ = λ = =., 33 Utilizamos o fato que a razão c v defie o ídice de refração da água.. O comprimeto de oda da luz vermelha de um laser de hélio-eôio o ar é 63,8 m. (a) Qual é sua frequêcia? (b) Qual é seu comprimeto de oda o vidro, cujo ídice de refração é,5? (c) Qual é sua velocidade o vidro? 3. Um mergulhador vê o Sol a um âgulo aparete de direção real do Sol? Resposta 45, com a vertical. Qual é a A situação é ilustrada a figura abaixo. O mergulhador vê o Sol sob o âgulo de θ = 45 em relação à ormal, equato a posição real do Sol é determiada com âgulo θ. 93

20 Como a refração é um processo irreversível, o camiho da luz que vêm do Sol até o mergulhador pode ser ivertido, e a lei de Sell aplicada: siθ = siθ ode =, ; =, 33 e θ = 45. O resultado é: θ = 7,. 4. Um feixe de laser icide a um âgulo de 3, com a vertical sobre uma solução de xarope de milho em água. Se o feixe é refratado a 9,4 com a vertical, (a) qual é o ídice de refração da solução de xarope? Supoha que a luz seja vermelha, com comprimeto de oda o vácuo de 63,8 m. Descubra (b) seu comprimeto de oda, (c) sua frequêcia e (d) sua velocidade a solução. 5. Um raio de luz que estava iicialmete a água peetra em uma substâcia trasparete a um âgulo de icidêcia de 37, e o raio trasmitido é refratado a um âgulo de 5,. Calcule a velocidade da luz a substâcia trasparete. Dica Utilize a lei de Sell (cosiderado =, 33 para água) para achar o ídice de 8 refração da substâcia, e depois calcule a velocidade ( v =,58 m s). 6. Um raio da luz icide sobre um bloco de vidro plao ( =, 5 ) cuja espessura é de, cm a um âgulo de 3, com a ormal. Trace o feixe lumioso através do vidro e ecotre os âgulos de icidêcia e de refração em cada superfície. Resposta Raio de luz icide de ar ( =, ) com âgulo θ = 3 em relação à ormal, e etra o vidro ( =, 5 ) fazedo âgulo θ em relação à ormal (figura abaixo). 94

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA º ANO - ª MENSAL - º TRIMESTRE TIPO A 0) Aalise a(s) afirmação(ões) abaio e assiale V para a(s) verdadeira(s) e F para a(s) falsa(s). Um raio lumioso propaga-se do meio A, cujo ídice de

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6

Eletrodinâmica III. Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos. Aula 6 Aula 6 Eletrodiâmica III Geradores, Receptores Ideais e Medidores Elétricos setido arbitrário. A ddp obtida deve ser IGUAL a ZERO, pois os potos de partida e chegada são os mesmos!!! Gerador Ideal Todo

Leia mais

1- REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudança do meio de propagação. refração do meio em que o raio se encontra.

1- REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudança do meio de propagação. refração do meio em que o raio se encontra. REFRAÇÃO - LENTES - REFRAÇÃO LUMINOSA é a variação de velocidade da luz devido à mudaça do meio de propagação. - Ídice de refração absoluto: é uma relação etre a velocidade da luz em um determiado meio

Leia mais

Componente de Física

Componente de Física Compoete de Física. Comuicação a loga distâcia A luz tem um comportameto dual. Comporta-se como um fluxo de partículas, os fotões, pacotes de eergia quatizada, i.e., quata, em que a eergia trasportada

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Prova 3 Física. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Física. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REAIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, coforme o que costa a etiqueta

Leia mais

Curso de Férias 2015

Curso de Férias 2015 1. Termometria (FÍSICA) PROF. AUGUSTO MELO C K F 5 5 9 Temperatura é a gradeza que, associada a um sistema, represeta seu estado térmico, sedo caracterizada pela medida do grau de agitação molecular do

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger

Tópicos de Mecânica Quântica I. Equações de Newton e de Hamilton versus Equações de Schrödinger Tópicos de Mecâica Quâtica I Equações de Newto e de Hamilto versus Equações de Schrödiger Ferado Ferades Cetro de Ciêcias Moleculares e Materiais, DQBFCUL Notas para as aulas de Química-Física II, 010/11

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ =

A = Amplitude (altura máxima da onda) c = velocidade da luz = 2,998 x 10 8 m.s -1 3,00 x 10 8 m.s -1. 10 14 Hz. Verde: λ = = Amarela: λ = RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ QUÍMICA BÁSICAB ESTRUTURA ATÔMICA II PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DAQBI Prof. Luiz Alberto RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ RADIAÇÃO ELETROMAGNÉ λ comprimeto de oda Uidade: metro

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1)

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1) a Supoha que um ioiô parte do repouso e desce até uma altura (deslocameto vertical) h, medida desde o poto de ode o ioiô foi solto. Ecotrar a sua velocidade fial de traslação e rotação, e sua aceleração

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem.

O modelo atômico de J. J. Thomson, proposto em 1904, é constituído pelas hipóteses que se seguem. Modelo Atômico de Bohr No fial do século XIX, o elétro já estava estabelecido como partícula fudametal, pricipalmete depois que, em 897, J. J. Thomso determiou a sua razão carga/massa. Sabia-se, etão,

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 008 Istruções para a prova: a) Cada questão respodida corretamete vale um poto. b) Questões deixadas em braco valem zero potos (este caso marque

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2)

(1) E que a força contra-eletromotriz é dada por: (2) Resolução da questão 3 Para respoder essa questão é ecessário veriicar que o motor já está operado e que em determiado mometo algum gradeza do motor irá variar. Frete a essa variação, deve-se determiar

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC) A AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA DA UNIDADE I-0 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um professor de matemática, após corrigir

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado

O período do pêndulo: Porque Galileu estava ao mesmo tempo certo e errado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA ICEx MONOGRAFIA PARA OBTENÇÃO DE TÍTULO DE ESPECIALISTA EM MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM CÁLCULO O período do pêdulo: Porque Galileu estava

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

a) Calcule o módulo da velocidade na direção vertical no instante em que a bola foi chutada.

a) Calcule o módulo da velocidade na direção vertical no instante em que a bola foi chutada. Proa de Física Professores: Amilcar, Maragato e Elto Jr. 0 - Na cobraça de uma falta durate uma partida de futebol, a bola, ates do chute, está a uma distâcia horizotal de m da liha do gol. Após o chute,

Leia mais

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço

Matemática Alexander dos Santos Dutra Ingrid Regina Pellini Valenço 4 Matemática Alexader dos Satos Dutra Igrid Regia Pellii Valeço Professor SUMÁRIO Reprodução proibida. Art. 84 do Código Peal e Lei 9.60 de 9 de fevereiro de 998. Módulo 0 Progressão aritmérica.................................

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA º ANO - ª MENSAL - º TRIMESTRE TIPO A 0) Aalise as afirativas abaixo. I. A lete atural do osso olho (cristalio) é covergete, ois gera ua iage virtual, eor e direita a retia. II. Istruetos

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I

MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I 00 MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO I TEXTO DE APOIO MARIA ALICE FILIPE ÍNDICE NOTAS PRÉVIAS ALGUNS CONCEITOS SOBRE SÉRIES6 NOTAS PRÉVIAS As otas seguites referem-se ao maual adoptado: Cálculo, Vol I James

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

VII ELEMENTOS DE ÓPTICA. 18. Elementos de óptica geométrica

VII ELEMENTOS DE ÓPTICA. 18. Elementos de óptica geométrica VII ELEMENTOS DE ÓPTICA 8. Elemetos de óptica geométrica As características dos compoetes ópticos habitualmete utilizados, tais como espelhos e letes, podem ser completamete obtidas a partir das propriedades

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística i Sumário 1 Estatística Descritiva 1 1.1 Coceitos Básicos.................................... 1 1.1.1 Defiições importates............................. 1 1.2 Tabelas Estatísticas...................................

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1

MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos EP no. 1 MAC122 Pricípios de Desevolvimeto de Algoritmos EP o. 1 Prof. Dr. Paulo Mirada 1 Istituto de Matemática e Estatística (IME) Uiversidade de São Paulo (USP) 1. Estrutura dos arquivos de images o formato

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA

O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA O TESTE DOS POSTOS ORDENADOS DE GALTON: UMA ABORDAGEM GEOMÉTRICA Paulo César de Resede ANDRADE Lucas Moteiro CHAVES 2 Devail Jaques de SOUZA 2 RESUMO: Este trabalho apreseta a teoria do teste de Galto

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

Uma abordagem histórico-matemática do número pi (π )

Uma abordagem histórico-matemática do número pi (π ) Uma abordagem histórico-matemática do úmero pi (π ) Brua Gabriela Wedpap, Ferada De Bastiai, Sadro Marcos Guzzo Cetro de Ciêcias Exatas e Tecológicas UNIOESTE Cascavel - Pr. E-mail: bruagwedpap@hotmail.com

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Uiversidade Federal de Mias Gerais Istituto de Ciêcias Exatas Departameto de Estatística Associação etre Variáveis Qualitativas - Teste Qui-Quadrado, Risco Relativo e Razão das Chaces (Notas de Aula e

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Processamento Digital de Sinais Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia Elétrica Processameto Digital de Siais Notas de Aula Prof. Marcio Eisecraft Segudo semestre de 7 Uiversidade Presbiteriaa Mackezie Curso de Egeharia

Leia mais

Prova 3 Física ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Física ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REAIIZAÇÃO DA PROVA. Coira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta ixada

Leia mais