Automação, Integração de dados e Intrumentação de um Simulador de Voo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Automação, Integração de dados e Intrumentação de um Simulador de Voo"

Transcrição

1 Universidade Federal de Minas Gerais Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação Projeto de Fim de Curso Automação, Integração de dados e Intrumentação de um Simulador de Voo Diego Rocha Rebelo Orientador: Guilherme A. S. Pereira Supervisor: Paulo Henriques Iscold Andrade de Oliveira Junho de 2010

2 Monografia Automação, Integração de dados e Instrumentação de um Simulador de Voo Monografia submetida à banca examinadora para avaliação curricular da disciplina PFC II, para obtenção do grau de Engenheiro de Controle e Automação. Belo Horizonte, Junho de 2010

3 Abstract i Flight Simulators have contributed to the aviation development since the first prototypes were built. Nowadays, they are very sophisticated hardware and software systems and their capabilities turned them into essential tools for aviation development. Specially dealing with pilot trainning and control systems, flight simulators may offer substantial contribution, supporting to develop new techniques and models to assist pilots during flights. This work describes the development of a flight Simulator considering its automation, data integration and instrumentation. It is proposed a distributed architecture based on personal computers for simulation processing. In this architecture, graphic modules, data acquisition systems and simulation models developed in Matlab/Simulink communicate each other using a Fast Ethernet network, composing the flight Simulator. During the development of this work, systems have been built to integrate Matlab/Simulink with other softwares and middlewares, such as Microsoft Flight Simulator X, FSUPIC, WideView and WideFS, which enable realistic image rendering. These images are based on airplane dynamic provided by Matlab/Simulink models. It is also described the development of a software responsible for distributed simulation control (control of the simulink models), which enables controling the whole simulation through a single interface. In order to achieve a realistic simulation enviroment, some airplane controls and instruments were integrated to simulation models such as stick, pedals, power lever, EFIS (Electronic Flight Information System). The final result of this work is a flight simulator that may be easily operated, both for a pilot in trainning and for an aeronautical enginner, who may modify simulation models using simple graphic interfaces.

4 Resumo ii Simuladores de Voo têm dado uma grande contribuição para a aviação desde que os primeiros protótipos foram desenvolvidos. Atualmente, eles são sistemas de hardware e software sofisticados que os tornaram uma ferramenta essencial para o desenvolvimento da aviação. Especialmente em se tratando de treinamento de pilotos e estudos de sistemas de controle, simuladores de voo podem oferecer uma contribuição substancial no desenvolvimento de novas técnicas e modelos para assistência à pilotagem durante voos. Este trabalho descreve o desenvolvimento de um simulador de voo sob os aspectos de sua automação, integração de dados e instrumentação. É proposta uma arquitetura distribuída, baseada em computadores pessoais, para processamento da simulação. Nesta arquitetura, módulos gráficos, sistemas de aquisição de dados e modelos de simulação desenvolvidos em Matlab/Simulink se comunicam através de uma rede Fast Ethernet, compondo o simulador de voo. Durante o desenvolvimento do trabalho, foram construídos sistemas que integram o Matlab/Simulink com outros softwares e middlewares, como Microsoft Flight Simulator X, FSUIPC, WideView e WideFS, que possibilitam a geração realística de imagens de simulação. Estas imagens são baseadas na dinâmica da aeronave gerada pelos modelos do Simulink. Foi também desenvolvido um software para o controle distribuído da simulação (controle dos modelos em Simulink) que possibilita controlar toda a simulação por meio de uma única interface gráfica. Para atuação realística com o simulador foram integrados aos modelos de simulação alguns controles e instrumentos do simulador como manche, pedais, manete de potência, EFIS (Electronic Flight Information System). O resultado final do trabalho é um simulador de voo que pode ser operado com facilidade, tanto por um piloto em treinamento, como também por um engenheiro aeronáutico, que pode fazer alterações no modelo de simulação por meio de simples interfaces gráficas.

5 Agradecimentos iii Agradeço primeiramente a Deus por mostrar os melhores caminhos nos momentos de indecisão. Agradeço a meus pais pelo apoio incondicional fornecido durante toda essa jornada. Agradeço à Natália que com muito amor e paciência soube compreender os finais de semana dedicados ao curso. Agradeço também a toda equipe do CEA e do CORO, principalmente aos Professores Paulo Henriques Iscold e Guilherme A. S. Pereira pela oportunidade de desenvolver o projeto.

6 Sumário Abstract Resumo Agradecimentos Tabela de Conteudo Lista de Figuras Lista de Siglas i ii iii v vii viii 1 Introdução Apresentação A Instituição A UFMG O Centro de Estudos Aeronáuticos - CEA Motivação Objetivos Estrutura da Monografia Revisão Bibliográfica O Que São Simuladores de Voo? Histórico Primeiros Simuladores Adicionando Funcionalidades ao Simulador Sistemas de Visualização O Simulador de Voo Moderno Características de Hardware Características de Software e Modelagem Dinâmica iv

7 SUMÁRIO v 3 Desenvolvimento do Simulador de Voo Visão Geral da Estrutura física e da Arquitetura Computacional do Simulador Definição e Configuração de plataformas e Ambientes de desenvolvimento Sistemas Operacionais O ambiente de desenvolvimento MatLab/Simulink xpc Target MatLab Aerospace Blockset Matlab AeroSim BlockSet Instalação e Configuração de Softwares de Comunicação e integração FSUPIC (Flight Simulator Universal Inter Process Communication) WideFS WideView Implementação Módulos de Simulação Controle Distribuído da Simulação Instrumentação Virtual Resultados de Simulação Conclusão 44 Referências Bibliográficas 46

8 Lista de Figuras 1.1 Laboratório do CEA no Campus Pampulha da UFMG Hangar do CEA no Aeroporto de Conselheiro Lafaiete [Fonte Fig.1.1 e 1.2: Projeto de um simulador de uma aeronave Cessna C-172 [Fonte: Exemplo de simulador implementado usando soluções comerciais [Fonte: Dispositivo para treinamento de piloto em terra - Catálogo Antoinette, Retirada de [Page, 2009] Piloto sendo treinado na escola de voo da empresa de E.Link. Retirada de [Page, 2009] Sistema de visualização baseado na filmagem de mapas girantes. Retirada de [Page, 2009] Sistema de visualização baseado em circuito interno de TV e maquetes de superfícies. Retirada de [Page, 2009] Sistema de visualização baseado em junção de televisores [Fonte: Arquitetura Física e Computacional do Simulador Esquema elétrico de conexão dos potenciômetros Inter Process Communication usando FSUPIC Configuração de parâmetros WideClient Modelo WV_Dummy selecionado Diagrama de Instalação do Simulador Criando Visões no MFSX Menu do FSUPIC e WideView no MFSX Visões salvas Módulo de Sistemas e Modelos Dinâmicos Interior do Bloco Inputs Simulador Interior do Bloco Flight Simulator vi

9 LISTA DE FIGURAS vii 3.13 Interior do Bloco EFIS Interior do Bloco EFIS Mapeamento dos Intervalos Módulo de Aquisição, Acionamento e Instrumentação Interior do Bloco Profundor Interface de Controle da Simulação Interface da EFIS Interface da EFIS Resposta Dinâmica do Modelo Sora à Entradas do Sistema Entradas do Sistema Dinâmico Sora As Três visões geradas pelo MFSX correspondentes aos momentos A, B e C

10 Lista de Siglas e Abreviações CEA CORO Centro de Estudos Aeronáuticos da UFMG, viii Laboratório de Sistemas de Computação e Robótica da UFMG, viii DEE Departamento de Engenharia Elétrica da UFMG, viii DELT Departamento de Engenharia Eletrônica da UFMG, viii DEMEC Departamento de Engenharia Mecânica da UFMG, viii FSUIPC MFSX PDVA UFMG UMG Flight Simulator Universal Inter Process Communication, viii Microsoft Flight Simulator X, viii Grupo de Pesquisa e Desenvolvimento de Veículos Autônomos da UFMG, viii Universidade Federal de Minas Gerais, viii Universidade de Minas Gerais, viii viii

11 Capítulo 1 Introdução Este capítulo aborda aspectos introdutórios acerca do trabalho desenvolvido e discutido ao longo dos demais capítulos desta monografia. A Seção 1.1 destaca o tema principal abordado neste trabalho. A Seção 1.2 apresenta a instituição onde foi desenvolvido o projeto, mostrando aspectos históricos e organizacionais da instuição. Já a Seção 1.3 trata de aspectos motivacionais que justificaram o desenvolvimento do projeto. Os objetivos iniciais traçados a serem alcançados durante a execução do projeto são descritos na Seção 1.4. Finalmente, a Seção 1.5 traz a descrição estrutural dos capítulos desta monografia destacando o assunto e a importância de cada um. 1.1 Apresentação O projeto final de curso descrito nesta monografia visou o desenvolvimento de um simulador de voo que tornasse possível o desenvolvimento de novas técnicas e modelos que auxiliassem a pilotagem de aeronaves. Ao longo to texto serão descritas as características técnicas deste simulador tais como aspectos de hardware, software, instrumentação e modelos dinâmicos adotados. Será mostrado também como todos os subsistemas do simulador são integrados de modo a proporcionar um ambiente de simulação único. Serão discutidos os testes realizados no simulador de modo a validar todo o sistema projetado. Na parte final da monografia serão discutidos as contribuições trazidas pelo trabalho. 1.2 A Instituição O projeto final de curso descrito nesta monografia foi realizado nas dependências da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), especificamente 1

12 1.2 A UFMG 2 dentro do seu Centro de Estudos Aeronáuticos, vinculado ao Departamento de Engenharia Mecânica da universidade A UFMG A criação de uma universidade no estado de Minas Gerais já era parte do projeto político dos inconfidentes. Este ideal, porém, só veio a concretizar-se em 1927, com a fundação da Universidade de Minas Gerais (UMG), uma instituição privada, subsidiada pelo estado, que reunia as quatro escolas de nível superior então existentes em Belo Horizonte. A UMG permaneceu na esfera estadual até 1949, quando foi federalizada. O nome atual - UFMG - só foi adotado em Em 1968, a reforma universitária impôs profunda alteração à estrutura orgânica da UFMG, promovendo o desdobramento de antigas faculdades em novas faculdades e institutos. A UFMG é divida em diversos departamentos, sendo que três desses tiveram participação no desenvolvimento deste projeto, sendo estes: Departamento de Engenharia Elétrica (DEE), Departamento de Engenharia Eletrônica (DELT) e o Departamento de Engenharia Mecânica (DEMEC) O Centro de Estudos Aeronáuticos - CEA A UFMG, desde 1975, oferece aos seus alunos do curso de graduação em Engenharia Mecânica a opção pela ênfase em Engenharia Aeronáutica. Seguindo esta opção, os alunos aprovados em todas as disciplinas oferidas na ênfase obterão o título de Engenheiro Mecânico Aeronáutico, podendo exercer todas as funções atribuídas pelo Conselho Federal de Engenharia à este tipo de engenheiro. Desde sua criação, este curso já formou mais de 250 engenheiros, dos quais a maior parte se encontra trabalhando na Embraer e em empresas de transporte aéreo no Brasil. O CEA tem a função de apoiar e reunir todas as atividades de pesquisa e ensino desenvolvidas pelos professores e alunos da ênfase em Engenharia Aeronáutica da UFMG. Dentre as diversas atividades a de maior destaque é a de desenvolvimento e operação de protótipos de aeronaves. Atualmente já são 5 protótipos completamente desenvolvidos no CEA. Esta prática de sucesso adotada pelo CEA acontece em diversas instituições de ensino no mundo e apresenta diversas vantagens como capacidade de concretização de idéias, criatividade e a ligação entre o projeto e a construção. No ano de 2009, a Engenharia Aeroespacial surgiu como curso de graduação na UFMG, tendo como referência a habilitação em Engenharia Aeronáutica, aproximando a universidade de uma indústria com grande potencial

13 1.3 Motivação 3 de expansão no país. Este setor envolve atividades de projeto, construção e manutenção de aviões, helicópteros, foguetes, satélites, sondas espaciais, enfim, de todo tipo de veículo aéreo ou espacial, tripulado ou não-tripulado. O CEA é uma instituição comprometida com o desenvolvimento da engenharia aeronáutica nacional, contribuindo com atividades de ensino, pesquisa, desenvolvimento e inovação. O desenvolvimento de um simulador de vôo foi mais uma iniciativa adota pelo CEA de modo a contribuir com o desenvolvimento da aviação nacional. Todo o projeto do simulador foi desenvolvido dentro do laboratório do CEA localizado na UFMG através de recursos de pesquisa. O projeto teve como colaboladores estudantes de graduação em Engenharia Mecânica e de Controle e Automação, alunos de mestrado e de doutorado do DEMEC e de professores do DEE, DELT e DEMEC. A Figura 1.1 mostra o interior laboratório do CEA localizado no Campus Pampulha da UFMG. Em 2008 foi inaugurado um hangar do CEA, no Aeroporto de Conselheiro Lafaiete, a 96 km de Belo Horizonte, permitindo atualmente um acesso mais facilitado a testes de voo. A Figura 1.2 mostra o hangar externamente. Figura 1.1: Laboratório do CEA no Campus Pampulha da UFMG 1.3 Motivação A aviação mundial tem enfrentado uma demanda cada vez mais freqüente por um transporte aéreo mais seguro e rápido, que demande reduzidos tempos de translado em terra e espera para operações em solo, garantindo um tempo total de voo mínimo.

14 1.3 Motivação 4 Figura 1.2: Hangar do CEA no Aeroporto de Conselheiro Lafaiete [Fonte Fig.1.1 e 1.2: Este aspecto se torna mais crítico quando se trata do transporte aéreo pessoal ou empresarial. Porém, o que se tem verificado mundialmente, é que a efetiva redução desse tempo de viagem não será obtida com o aumento da velocidade das aeronaves, mas sim com o aumento e a otimização da malha aeroviária, da construção de aeroportos secundários em cidades periféricas (principalmente em centros industriais) ou mesmo em aeroportos particulares localizados dentro de grandes empresas. Evidentemente, para que este objetivo possa ser alcançado, será necessário adaptar as aeronaves para que essas possam atender à nova demanda: voos que tipicamente não deverão mais ser feitos em massa, mas sim para atender à necessidade de um pequeno grupo de pessoas. Sendo assim, novos desafios deverão ser vencidos para que se possa, de fato, implementar esta "aviação pessoal". Podemos citar, por exemplo, a modernização dos sistemas de comunicação e auxílio à navegação provavelmente através de sua automatização e a introdução de sistemas assistidos a pilotagem, por meio de comandos fly-by-wire, que venha permitir a redução do tempo de treinamento para operação da aeronave. Acredita-se que as experiências anteriores do CEA juntamente com as do PDVA (Grupo de Pesquisa e Desenvolvimento de Veículos Autônomos) da UFMG possam contribuir para o desenvolvimento de tecnologias no Brasil que possam ser empregadas nesta nova geração de aeronaves. Desta forma, o que se pretende é desenvolver sistemas de auxílio à pilotagem que permitam que a aeronave seja controlada por trajetória, ao invés de ser controlada por atitude, como é feito hoje em dia. Atualmente, para se controlar uma aeronave é preciso aprender a controlar determinados parâmetros de voo para que se tenha controle sobre a trajetória da aeronave.

15 1.4 Objetivos 5 Estes parâmetros (velocidade de voo, velocidade vertical, inclinação das asas e aceleração lateral), determinam a trajetória indiretamente e possuem comandos de controle acoplados, o que torna a prática da pilotagem uma tarefa não trivial para o ser humano, exigindo grande treinamento e contínuo aperfeiçoamento. Com a adoção de sistemas de controle assistidos por computador, em especial os sistemas fly-by-wire, é possível estabelecer previamente leis de controle que podem permitir que o piloto controle diretamente a trajetória da aeronave, ao invés de sua atitude. Considerando a grande relevância do tema e sua importância e impacto na aviação nacional, o CEA acredita que o primeiro passo a ser tomado é a construção de um simulador de voo que sirva de plataforma de testes para o desenvolvimento e a implementação de novas técnicas e modelos que auxiliem à pilotagem e às técnicas de voo baseadas em trajetória. A evolução de softwares comerciais que possibilitam alta fidelidade gráfica em simulações, como o Microsoft Flight Simulator X (MFSX), a evolução de ambientes que proporcionam rápido desenvolvimento de modelos dinâmicos e integração como outros sistemas, como o MatLab/Simulink, bem como a grande disponibilidade de sistemas computacionais de grande capacidade de processamento e de memória, atualmente disponíveis para computadores pessoais, vêm incentivando a pesquisa e o desenvolvimento de simuladores de voo em diversas instituições, soluções que até alguns anos atrás eram essencialmente implementadas em empresas especializadas, devido a questões como custo e disponibilidade tecnológica. Temos como exemplo dessa nova tendência em projetos de simuladores, o projeto de um simulador de uma aeronave Cessna C-172, mostrado na Figura 1.3, desenvolvido utilizando o MFSX 2004 e diversas outras soluções comerciais. A Figura 1.4 mostra outro exemplo de simulador implementado sob essa perspectiva. 1.4 Objetivos Tendo em vista o exposto acima, este projeto tem por objetivos: Desenvolver um ambiente computacional distribuído a partir do software MatLab/Simulink, utilizando algumas de suas ferramentas como o AeroSim Block Set, xpc Target e Data Acquisition Tool Box; O desenvolvimento de um módulo de software que seja a interface do usuário com o sistema e integre todos os demais subsistemas;

16 1.4 Objetivos 6 Figura 1.3: Projeto de um simulador de uma aeronave Cessna C-172 [Fonte: Figura 1.4: Exemplo de simulador implementado usando soluções comerciais [Fonte: A Realização de parte da instrumentação necessária para o simulador (conexão de instrumentos, condicionamento de sinais e aquisição de dados); A Definição de um ou mais padrões de comunicação entre os instrumentos, softwares e subsistemas do simulador; A Realização da integração dos softwares (MatLab, Microsoft Flight

17 1.5 Estrutura da Monografia 7 Simulator X, FSUIPC, WideView e WideFS) que serão usados no simulador de modo a torná-lo um ambiente integrado de simulação; A Realização de testes no sistema integrado, monitorando variáveis dinâmicas do modelo do simulador. 1.5 Estrutura da Monografia O trabalho está dividido em 4 capítulos. Este Capítulo apresentou uma introdução ao projeto a ser descrito nesta monografia, a instituição onde o trabalho foi realizado, bem como os objetivos que nortearam a execução do mesmo. O Capítulo 2 traz uma revisão bibliográfica a respeito do tema desenvolvido no projeto. Traz alguns casos de uso realizados ao redor do mundo, como uma tentativa de embasar e justificar o desenvolvimento deste tipo de simulador. O Capítulo 3 descreve as principais características do simulador como estrutura física, subsistemas, equipamentos utilizados, instrumentos, arquitetura de comunicação entre os subsistemas adotada e uma breve descrição dos softwares utilizados, abrangendo todos os conceitos necessários para um melhor entendimento do projeto e mostrando as etapas de desenvolvimento do mesmo. Traz também resultados obtidos em uma simulação específica. Finalmente no Capítulo 4 tem-se a conclusão da monografia e algumas sugestões e dificuldades encontradas na realização do projeto. É sugerido também possíveis trabalhos futuros a serem desenvolvidos no simulador.

18 Capítulo 2 Revisão Bibliográfica Este Capítulo descreve as origens do simulador de voo e sua evolução até os dias de hoje. Trata das tecnologias mais atuais de hardware e software usadas nos simuladores baseados em PCs e traz algumas referências de trabalhos de desenvolvimento de simuladores usando essa tecnologia. Além disso, discute algumas aplicações atuais dos simuladores e as atuais tendências tecnológicas. 2.1 O Que São Simuladores de Voo? De acordo com [Mac, 2009] um simulador de voo é uma máquina usada para treinamento de pilotos que fornece um ambiente e uma experiência de como voar uma aeronave. De maneira mais técnica [Bab, 2009] faz a seguinte definição para simulador de voo: "Um simulador de voo é um sistema de aparelhos ou um software que pretende recriar o voo de uma aeronave da maneira mais realística possível." De toda maneira, um simulador de voo é um dispositivo de treinamento em terra que produz exatamente as condições experimentadas na cabine de voo de uma aeronave.[col, 2003]. Podemos perceber por estas definiçoes, que um simulador de voo pode ser um software, um sistema de aparelhos ou um dispositivo de treinamento, com o intuito de auxiliar um piloto na experiência de voo. Atualmente, devido principalmente aos avanços nas tecnologias de hardware e de software, os simuladores têm adquirido cada vez mais funcionalidades. Essas por sua vez têm sido implementadas em uma variedade de sistemas diferentes e integradas de modo a fornecer um ambiente de simulação único. Sendo assim, atualmente, talvez, uma das melhores maneiras de se 8

19 2.2 Histórico 9 descrever um simulador é analisando-o sob uma perspectiva de sistemas. Quando tratamos um simulador como sendo um ambiente de integração de diferentes sistemas, conseguimos entender melhor seus propósitos e funcionalidades. Simuladores são tratados sob essa perspectiva em [Lei et al., 2007], [Zheng et al., 2009c], [Shutao et al., 2008] e [Jin et al., 2009]. Existem muitas justificativas que motivam o desenvolvimento de simuladores de voo. Nos primórdios da aviação, a grande preocupação era ensinar os comandos básicos das novas máquinas aos interessados. Estes comandos eram passados através de simuladores mecânicos em terra, de modo a capacitar os pilotos e diminuir os acidentes aéreos. Ao passar dos anos, as aeronaves foram se tornando cada vez mais complexas, integrando novos sistemas de voo. Surgiu daí a necessidade de se aprimorar as técnicas e as tecnologias de simulação de modo a construir simuladores cada vez mais realísticos. Atualmente, desenvolver ambientes de simulação e treinar pilotos nesses sistemas se tornou uma obrigatoriedade em determinados setores da aviação pessoal. Um outro campo que tem usado bastante os simuladores de voo é a engenharia, principalmente aeronáutica e aeroespacial. Essas áreas vem usando simuladores de voo para servirem de plataforma de desenvolvimento e de testes de novas soluções, sistemas, técnicas e equipamentos de voo. O objetivo macro deste trabalho é desenvolver um simulador que possa servir de plataforma para alcançar esses objetivos. Além de possibilitar um ambiente de treinamento, os simuladores também demostram um papel importante na indústria de entreterimento, cujo principal objetivo é entreter o tripulante transmitindo um certo grau de realismo através do simulador. A pesquisa e desenvolvimento de softwares de simulação na áerea de entreterimento tem contribuído muito para a evolução dos simuladores de voo. 2.2 Histórico Primeiros Simuladores A história da simulação de voo é descrita em detalhes em [Page, 2009]. Sendo assim, o desenvolvimento deste tópico será fortemente embasado neste trabalho. Os pilotos das primeiras aeronaves motorizadas aprenderam a voar realizando exercícios sequenciais em aeronaves reais. Primeiramente, aprendiam os comandos básicos em terra com a aeronave em movimento. À medida que iam evoluindo, passavam a executar pequenos voos entre dois pontos até

20 2.2 Primeiros Simuladores 10 Figura 2.1: Dispositivo para treinamento de piloto em terra - Catálogo Antoinette, Retirada de [Page, 2009]. conseguirem voar distâncias maiores. Acidentes eram frequentes nesta estratégia de treinamento. Paralelamente, os construtores começaram a criar réplicas des aeronaves em terra com o objetivo de inicialmente treinar os pilotos sem a necessidade de realizar e de se arriscar em voos reais. Por volta de 1910, começaram a surgir os primeiros dispositivos de voo sintéticos. A Figura 2.1 retirada de [Page, 2009] mostra uma fotografia publicada no Catálogo Antoinette em A necessidade de treinamento de um grande número de aviadores na Primeira Guerra Mundial encorajou o desenvolvimento da nova disciplina de psicologia de voo. Testes também foram introduzidos para a seleção de pilotos. Como a Figura 2.1 mostra, nos primeiros dispositivos o movimento de rotação era realizado manualmente por operadores humanos. O segundo passo no desenvolvimento destes dispositivos foi a substituição do operador humano por atuadores elétricos e mecânicos conectados aos controles do dispositivo do simulador. O objetivo destes atuadores era rotacionar a fuselagem do dispositivo numa atitude correspondente a das aeronaves reais em resposta às entradas de controle. Uma série de dispositivos foram construídos baseando-se nesse princípio. O mais conhecido desses dispositivos foi o desenvolvido por Edwin Link, o "Link trainner", criando um padrão para futuros desenvolvimentos.

21 2.2 Adicionando Funcionalidades ao Simulador 11 Figura 2.2: Piloto sendo treinado na escola de voo da empresa de E.Link. Retirada de [Page, 2009]. A década de 1920 marcou uma nova tendência de treinamento em simuladores: o treinamento baseado em instrumentos. Esta nova técnica foi iniciada pela empresa de Edwin Link na escola de voo da empresa no início da década de 30. A importância desse novo tipo de treinamento foi reconhecido pela US Army Air Corps. A Figura 2.2 mostra um piloto sendo treinado por esta técnica. Na década de 30 Link trainners foram vendidos para vários países no mundo. Em 1937 a empresa American Airlines se tornou a primeira do mundo a comprar um Link trainner para treinamento de seus pilotos Adicionando Funcionalidades ao Simulador A Segunda Guerra Mundial trouxe o desenvolvimento de novos dispositivos a serem integrados aos simuladores. Dentre eles podemos citar: adoção de simuladores com sistemas de áudio, introdução de sistemas de radares na simulação e introdução de exibição visual. Nesta época, a exibição visual era

22 2.2 Sistemas de Visualização 12 baseada em filmes que mostravam terrenos durante a simulação. Os avanços na eletrônica proporcionados pelos anos de guerra e o desenvolvimento do computador analógico tornavam agora possível a resolução de equações de movimento das aeronaves, permitindo simulações de resposta a forças aerodinâmicas. A primeira discussão conhecida de métodos de simulação basedas em computador é feita em Roeder, em sua especificação de patente alemã em 1929 [Roeder, 1929]. O desenvolvimento de novas e complexas aeronaves exigia que o desenvolvimento dos simuladores acompanhassem em mesma proporção. Isso exigiu o desenvolvimento de hardware analógico mais complexo, fornecendo maior poder de processamento e precisão aos simuladores. Mesmo com o melhoramento do hardware e dos projetos, a confiabilidade dos dispendiosos simuladores analógicos já deixava muito a desejar, sem contar com as horas de manutenção gastas por dia. Nesta época, já existiam os computadores pessoais digitais de propósito geral, mas estes ainda não eram capazes de satisfazer uma grande demanda por cálculos de ponto flutuante. A demanda por uma tecnologia que suportasse o processamento de muitas operações envolvendo cálculo numérico veio a ser suporatada por uma nova geração de computadores que suportavam processamento digital e paralelo. Era a era da simulação digital Sistemas de Visualização Sistemas de visualização de voo foram propostos desde os primeiros desenvolvimentos com simuladores. Como exemplo, podemos citar a técnica de captura e projeção de imagens de mapas que giravam continuamente durante a simulação. Um exemplo deste tipo de sistema pode ser visto na Figura 2.3. Como é mostrado na figura, uma câmera filmava imagens de mapas que giravam em uma esteira. O controle de velocidade dessa esteira era realizado por controladores que geravam ações de controle para servomotores atuarem no sistema. As imagens capturadas eram transmitidas através de uma rede e projetadas na tela do simulador. O avanço na tecnologia de circuitos internos de TV na década de 50 proporcionou filmar cenários maiores, fornecendo a sensação de movimento ao longo de uma superfície. Várias câmeras em movimento filmavam grandes maquetes de superfície, fornecendo as imagens para as simulações. A Figura 2.4 retrata essa técnica. A primeira geração de imagem por computador foi realizada pela General Electric Company para o programa espacial americano na década de 70.

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP Guia de instalação do software HP LaserJet Enterprise M4555 MFP Series Guia de instalação do software Direitos autorais e licença 2011 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android (Organização do Ambiente) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW "Esse ambiente pode ser usado para simular e explorar as possibilidades e alcances de uma solução empregando visão de máquina, testar

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Administração pela Web Para MDaemon 6.0

Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos Reservados. Os nomes de

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Guia ineocontrol. iphone e ipod Touch

Guia ineocontrol. iphone e ipod Touch Guia ineocontrol iphone e ipod Touch Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das interfaces criadas

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS. O que era o MS-DOS? Como funcionava o MS-DOS? 26/09/2015

O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS. O que era o MS-DOS? Como funcionava o MS-DOS? 26/09/2015 O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br Também temos ciência de que as primeiras versões do Windows não passavam de uma interface gráfica

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 3 2- CARACTERÍSTICAS GERAIS 4 3- INSTALAÇÃO 5 4 CONFIGURAÇÃO 5 5 OPERAÇÃO 6 CONTATOS GERTEC 7. 4.1 Local 5. 4.

ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 3 2- CARACTERÍSTICAS GERAIS 4 3- INSTALAÇÃO 5 4 CONFIGURAÇÃO 5 5 OPERAÇÃO 6 CONTATOS GERTEC 7. 4.1 Local 5. 4. 1 ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 3 2- CARACTERÍSTICAS GERAIS 4 3- INSTALAÇÃO 5 4 CONFIGURAÇÃO 5 4.1 Local 5 4.2 WebServer 6 4.3 Remotamente 6 5 OPERAÇÃO 6 CONTATOS GERTEC 7 2 1- INTRODUÇÃO O terminal de consulta

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Controle de robôs industriais via Labview

Controle de robôs industriais via Labview Leonel Lopes Lima Neto Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H20B, casa, nº 114, Campus do CTA São José dos Campos São Paulo 12.228-460 Bolsista PIBIC-CNPq leonel@aluno.ita.br Emilia Villani Instituto

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Como fazer benchmark do computador

Como fazer benchmark do computador O que é o Índice de Experiência do Windows? O Índice de Experiência do Windows é uma medição que informa como o seu PC funciona com o Windows e usa uma pontuação básica para classificar a experiência que

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SIMULADOR

Leia mais

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide - SEPesq UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide 1. Introdução Diego Augusto de Jesus Pacheco Giovani Geremia Segundo Vargas (2012) é perceptível que uma

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Barramento Também conhecido como BUS É um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos,

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular Relatório Final João Pedro Cavasin Estagiário André Luis Schwerz Orientador

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados

5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados 5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados 5.1 Introdução Após apresentação feita sobre os processos para implantação de um software de roteirização de veículos da

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Informações de Tecnologia A tecnologia virou ferramenta indispensável para as pessoas trabalharem, se comunicarem e até se divertirem. Computação é a área que mais cresce no mundo inteiro! Esse constante

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Wireshark Lab: Iniciando

Wireshark Lab: Iniciando Wireshark Lab: Iniciando Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Conte-me e esqueço. Mostre-me e eu lembro. Envolva-me

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP)

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP) "Visão geral da configuração da rede" na página 3-2 "Escolhendo um método de conexão" na página 3-3 "Conectando via Ethernet (recomendado)" na página 3-3 "Conectando via USB" na página 3-4 "Configurando

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais