Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Ambiental e Sustentabilidade"

Transcrição

1 Gestão Ambiental e Sustentabilidade PEDRO TEIXEIRA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO 23 de Abril de 2015 Valências Ambientais em Engenharia 2º Ano do Mestrado em Engenharia do Ambiente

2 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia ENGºs AMBIENTE EM PORTUGAL A engenharia ambiental é um ramo da engenharia que estuda os problemas ambientais de forma integrada nas suas dimensões ecológica, social, econômica e tecnológica, com vista a promover o desenvolvimento sustentável. O engenheiro do ambiente deverá saber reconhecer, interpretar e diagnosticar impactos ambientais negativos e positivos, avaliar o nível de danos ocorridos no meio e propor soluções integradas de acordo com o direito do ambiente vigente.

3 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia Áreas de atuação Algumas das áreas de atuação do engenheiro ambiental são: Abastecimento de água Análise de riscos ambientais Análise de ciclo de vida Auditorias e diagnósticos ambientais Avaliação de impactos ambientais Construção sustentável Economia ambiental Educação ambiental Energia e alterações globais Gestão ambiental Gestão de recursos hídricos Gestão de recursos naturais, biodiversidade e conservação da natureza

4 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia Áreas de atuação Algumas das áreas de atuação do engenheiro ambiental são: Gestão de resíduos sólidos Hidráulica, Hidrologia e hidrogeologia Licenciamento ambiental Ordenamento do território (uso do solo), planeamento regional e urbano Planeamento energético e energias renováveis Poluição da água, poluição do ar, poluição do solo (avaliação, modelagem, prevenção e controle) Remediação de áreas degradadas Regulamentação e normalização ambiental Saneamento ambiental Saúde ambiental Sistemas de informação ambiental Tecnologia/Produção limpa Tratamento de águas residuais e de abastecimento

5 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia Saídas Profissionais: Instituições públicas e privadas (Administração central, regional e local; indústria; empresas de auditoria, consultoria e projecto; ensino e investigação), integrando ou coordenando equipas técnicas responsáveis por projectos e estudos de Sustentabilidade, assumindo responsabilidades atribuíveis a Engenheiros, nomeadamente nas áreas seguintes: Estabelecimentos de ensino superior, Universidades e Institutos Politécnicos; Empresas, de iniciativa própria ou não; Comissões de Coordenação Regional; Câmaras Municipais; Empresas de consultoria técnica e científica; Jornalismo científico; Institutos e centros de investigação; Laboratórios de Estado e privados; Gabinetes de projectos.

6 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia PEDRO TEIXEIRA Formação em Engenharia do Ambiente em 1997 Desde 1998, desempenho funções ligadas aos Sistemas de Gestão de Qualidade, Ambiente e Segurança, certificados pelas Normas ISO 14001, ISO 9001 e OHSAS entre outras.

7 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia PERCURSO ACADÉMICO Universidade do Algarve Licenciatura em Engenharia do Ambiente Instituto Superior Técnico Projecto final de curso 1997 Departamento de Minas Prof. Fernando Muge Universidade do Algarve Mestrado em Engenharia do Ambiente Energias Renováveis Incompleto

8 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia PERCURSO PROFISSIONAL Instituto Superior Técnico Investigador Maio de 1997 Maio de 1998 Investigador na área da detecção remota, análise de imagem e elaboração de cartas e mapas de utilização de solo. Expo 98 Engenheiro do Ambiente Abril de 1998 Outubro de 1998 Controlo ambiental da Exposição Mundial Expo 98, nomeadamente nas áreas da qualidade e consumo de água, resíduos, ruído, energia, qualidade do ar e controlo da higiene e limpeza.

9 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia PERCURSO PROFISSIONAL Certoma Engenheiro do Ambiente 1998 Estágio profissional como Técnico Comercial Técnico comercial de demonstração, representação e venda de equipamento de limpeza ambiental Ambientar Técnico de medição de ruído Medições de ruído ambiente, para a elaboração das cartas de ruído da área do Parque das Nações ISG - Instituto Superior de Gestão Docente 2009 Responsável pelo Módulo de Gestão Ambiental em Campos de Golfe na Pós- Graduação em Gestão do Golfe.

10 PERCURSO PROFISSIONAL Planbelas, S.A. - Belas Clube de Campo Assessor de Qualidade e Ambiente Responsável pela implementação e certificação do Sistema de Gestão de Qualidade e Ambiente do Belas Clube de Campo pelas Normas NP EN ISO 14001:2004, NP EN ISO 9001:2008, Committed to Green (Golfe), GEO (Golf Environment Organization) e LiderA (Construção Sustentável); Responsável pela gestão ambiental do empreendimento, nomeadamente nas áreas de recursos hídricos, energia, resíduos, fauna e flora, ruído, ar, combustíveis, licenciamentos, legislação, e utilização de produtos químicos, entre outras; Responsável pelas distinções e prémios na área da sustentabilidade (1ª urbanização da Europa com certificação energética das habitações; Prémio de Desenvolvimento Sustentável 2009 e 2011; Belas Clube de Campo eleito pela Sustain Worldwide como a Comunidade Residencial mais sustentável da Europa; 6º lugar no Índice de Sustentabilidade Empresarial do BCSD; campo de golfe eleito pela National Geographic entre os 10 mais sustentáveis do Mundo; Prémio de Mobilidade em Bicicleta; 2º lugar do Belas Clube de Campo Senior Open de Portugal no Índice de Sustentabilidade de torneios de golfe do European Tour e referência pela Royal & Ancient como um ponto de viragem na organização de torneios de golfe sustentáveis; Planbelas S.A neutra em emissões de carbono em 2011.

11 PERCURSO PROFISSIONAL Planbelas, S.A. - Belas Clube de Campo Assessor de Qualidade e Ambiente Responsável pela monitorização ambiental das construções no Belas Clube de Campo e pela implementação do Estudo de Impacte Ambiental da Nova Fase do empreendimento Responsável pelas questões de higiene e segurança (OHSAS 18001) Responsável pela elaboração dos Relatórios de Sustentabilidade da Planbelas Responsável pela sustentabilidade na organização do torneio de golfe internacional Belas Clube de Campo Senior Open de Portugal Responsável pela formação interna e pela comunicação externa da Sustentabilidade da empresa em congressos, seminários, visitas, artigos, estudos e publicações Auditorias internas e externas à Lusotur Golfes e Marina de Vilamoura, no âmbito de sistemas de gestão de qualidade e ambiente

12 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Valências Ambientais em Engenharia PERCURSO PROFISSIONAL Prime Trading - Neya Hotels Responsável de Qualidade, Ambiente e Segurança Desde Setembro de 2013 Responsável pela implementação e certificação do Sistema de Gestão de Qualidade, Ambiente, Segurança e Higiene Alimentar do Hotel Neya pelas Normas NP EN ISO 9001:2008, NP EN ISO 14001:2004, OHSAS 18000, HACCP e Eco-Hotel, entre outras. Responsável pela área de Responsabilidade Social.

13 APTIDÕES E COMPETÊNCIAS TÉCNICAS Formador com o Certificado de Aptidão Profissional (CAP) nº EDF 49107/2005 DL. Curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, com a duração de 96 horas, realizado pela PROFOC Projectos de Formação e Consultoria Curso avançado de Auditor Advanced EMS Auditing Course for Quality and Environmental Professionals, duração de 40 horas, pela SGS-ICS, Lisboa, 1999 Assessor certificado do Sistema LiderA Sistema de avaliação de sustentabilidade na construção. Lisboa, Junho de Assessor nº 43/2008 Domínio na implementação de processos de controlo de ambiente e qualidade Conhecimento das diversas certificações e distinções de Sustentabilidade First Certificate - English

14 Pedro Teixeira Qualidade, Ambiente e Segurança QAS INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO 23 de Abril de 2015

15 No centro de Lisboa, nasceu a primeira unidade hoteleira do Grupo NEYA Hotels: NEYA LISBOA HOTEL

16 71 Quartos e 5 Suites Restaurante VIVA LISBOA Day SPA e Ginásio NEYA Bar Lounge 4 Salas de Reuniões e Eventos Logradouro

17 QUARTOS 76 Quartos: 7 individuais; 20 duplos; 1 duplo adaptado a pessoas com mobilidade reduzida; 43 twins; 5 suites temáticas;

18 SUITES Suites temáticas: 5 experiências únicas em trabalho ou lazer. Sinta a energia de cada espaço: Campo Cidade Floresta Montanha Praia

19 RESTAURANTE VIVA LISBOA VIVA LISBOA Cozinha de fusão de base mediterrânica, privilegiando os produtos nacionais e frescos e os fornecedores locais. Uma dança de aromas, sabores e texturas únicas!

20 DAY SPA E GINÁSIO Neya Day SPA e Ginásio Espaço ideal para relaxar e retemperar energias, dedicado à saúde, ao bem-estar e à beleza.

21 SALAS DE REUNIÕES E EVENTOS Reuniões e Eventos 4 salas polivalentes, totalmente equipadas, que se adequam a qualquer tipo de evento.

22 NEYA BAR LOUNGE NEYA Bar Lounge Espaço interactivo, onde poderá conviver ou trabalhar num ambiente informal, usando WI-FI de alta velocidade gratuito.

23 Sustentabilidade Ambiental, Social e Económica são os seus três princípios essenciais. Na vertente da sustentabilidade ambiental, são preocupações permanentes, a eficiência energética, a redução do consumo de água, a eliminação de desperdícios, reutilização e reciclagem de materiais.

24 AGENDA 21 PARA A INDÚSTRIA DE VIAGENS E TURISMO Na Cimeira da Terra (Rio de Janeiro, 1996) são adoptadas 10 áreas prioritárias para as organizações do sector: Minimizar a quantidade de resíduos reduzindo a quantidade de recursos e de desperdícios; Conservar e gerir a energia de forma a reduzir consumos e emissões; Gerir as fontes de água de forma eficiente e equitativa e protegendo a sua qualidade; Gerir os efluentes procurando minimizar a sua quantidade; Substituir produtos que contêm substâncias perigosas por outros menos prejudiciais para o ambiente; Gerir os meios de transporte de modo a reduzir ou controlar as emissões para a atmosfera e outros impactes que os mesmos têm; Planear e gerir o uso do solo de forma equitativa e assegurando a conservação ambiental e cultural; Envolver os colaboradores, cientes e comunidade nas questões ambientais; Planear a sustentabilidade assegurando que novos produtos e tecnologias poluem menos, são mais eficientes e são adequados socialmente e culturalmente; Estabelecer parcerias para o desenvolvimento de um turismo sustentável.

25 MISSÃO: Pretende ser uma MARCA amiga do ambiente; Preocupa-se com a preservação da Natureza e da biodiversidade (protocolo Floresta Unida); Ter boas práticas entre clientes e colaboradores; Pretende ter papel activo na SOCIEDADE; Contribuindo para de forma positiva na vida das Instituições de Solidariedade Social (Acção Social do Hospital D. Estefânia, Refúgio Aboim Ascenção); Ter um crescimento económico sustentável (visando o investimento/lucro);

26 CONCEITO / SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Na concepção: Escolheu-se um edifício de menor interesse arquitectónico: Reabilitação V. Construção. Utilização energias renováveis aquecimento águas; Sistema Gestão Técnica do Edifício (Domótica); Redutores caudal em todas as torneiras de água; Utilização em 85% da iluminação do hotel da tecnologia LED; Isolamento térmico do edifício; Sistema de Ar condicionado VRV (baixo consumo); Sensores de movimento, em torneiras e para iluminação; Corte do ar condicionado nos quartos em caso abertura de janelas;

27 CONCEITO / SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Na exploração/gestão: Recolha selectiva dos resíduos; Utilização de amenities em doseadores; Utilização de vidro reutilizável; Utilização de produtos de limpeza não nocivos ao ambiente; Todos os produtos /materiais são de origem nacional (fornecedores); Impressão para PDF; Adequação da GTC à operação diária; Na imagem gráfica: A cor verde na letra Y do logotipo. Estacionário FSC

28 CONCEITO / SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Abertura do Hotel em 2011: Ano Internacional das Florestas A associação entre hotelaria/turismo sustentável: factor de diferenciação; Respeito pela Terra, Planeta e Responsabilidade para com as gerações futuras; Acreditação Internacional FIVE LEAF;

29 CONCEITO / SUSTENTABILIDADE SOCIAL Factor de mudança na sociedade: Apoios às instituições de solidariedade social; Parceria com o Hospital D.ª Estefânia/Refúgio Aboim Ascensão; Parceria com a Fundação Ronald Macdonald e Fundação do Gil; Campanhas de recolha de sangue; Angariação de donativos para instituições de solidariedade social; Participação activa em campanhas de recolha de livros, roupas e alimentos; Doação de refeições e de alojamento à famílias carenciadas; Parceria com Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC)

30 CONCEITO / SUSTENTABILIDADE ECONÓMICA Responsabilidade económica: Somos uma empresa privada, 100% nacional, que privilegiou fornecedores e produtos portugueses. Que pretende contribuir de um forma activa para melhorar o desempenho da sociedade e economia portuguesa: envolvimento de fornecedores. Envolvência dos accionistas.

31 NEYA Lisboa Hotel é um refúgio físico e mental em plena harmonia com a Natureza.

32 SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA SGQAS AZAD, Lda NEYA LISBOA HOTEL Certificações de Qualidade, Ambiente, Segurança e Segurança Alimentar Normas ISO 9001, ISO 14001, OHSAS e HACCP Five Leaf, Green Key, Greenleaders

33 VANTAGENS DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA REDUÇÃO DOS RISCOS E IMPACTES AMBIENTAIS VANTAGEM COMPETITIVA CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO FERRAMENTA DE GESTÃO E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO MAIOR RESPONSABILIZAÇÃO DIMINUIÇÃO DAS RECLAMAÇÕES REDUÇÃO DE CUSTOS OPERACIONAIS FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES MELHORIA DA IMAGEM AMBIENTAL (MARKETING) COMUNICAÇÃO COM A COMUNIDADE LOCAL MELHORIA CONTINUA REDUÇÃO DOS ACIDENTES DE TRABALHO

34 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL PROCEDIMENTOS DE IMPLEMENTAÇÃO SGQAS CONSELHO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA Administradores Coordenador QAS ORGÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA Coordenador de Qualidade, Ambiente e Segurança Fernando Amorim Técnico de Qualidade, Ambiente e Segurança Pedro Teixeira Director Hotel Francisco Lorite Director do Departamento Financeiro Joana Martins Responsável de Recursos Humanos Filipa Lopes

35 Documentação Externa ESTRUTURA DOCUMENTAL PROCEDIMENTOS DE IMPLEMENTAÇÃO SGQAS MGQAS* Processos Procedimentos Instruções de Trabalho Registos Outros Documentos *MANUAL DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA

36 DOCUMENTAÇÃO SGQAS PASTA PARTILHADA A TODOS: SGQAS POLÍTICA DE QUALIDADE E AMBIENTE MANUAL DE GESTÃO DE QUALIDADE E AMBIENTE PROCESSOS PROCEDIMENTOS E REGISTOS PROGRAMA DE GESTÃO DE QUALIDADE E AMBIENTE LEGISLAÇÃO APLICÁVEL CERTIFICAÇÕES RELATÓRIOS PLANOS DE EMERGÊNCIA NORMAS ISO 14001, ISO 9001, OHSAS 18000, HACCP,

37 POLÍTICA DE QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA

38 POLÍTICA DE QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA O Neya Lisboa Hotel actua de forma responsável em termos ambientais e de segurança não descurando a sua principal actividade de prestação de serviços em que tentamos sempre fazer melhor e com mais qualidade. O Hotel compromete-se a aplicar as melhores práticas ambientais, assim como os melhores princípios de sustentabilidade na sua estratégia de negócio. Temos como objectivo adaptarmo-nos às exigências dos nossos clientes e, sempre que possível, superar as suas expectativas; Implementamos todas as medidas necessárias de forma a garantir a segurança nas instalações, prevenindo as lesões, ferimentos e danos para a saúde dos nossos colaboradores e clientes; Contribuímos para um planeta mais puro, mas limpo e mais responsável; Controlamos e potenciamos as poupanças energéticas, reduzindo o consumo de energias não renováveis e emissão de CO2; Assumimos o compromisso de prevenção da poluição e da gestão adequada dos resíduos e dos recursos naturais, nomeadamente, água e energia;

39 POLÍTICA DE QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA Assumimos o compromisso de melhoria contínua do desempenho de qualidade, ambiente e segurança da organização, estabelecendo e revendo os objectivos e metas associados. Comprometemo-nos a cumprir os requisitos legais de qualidade, ambiente e segurança, aplicáveis à actividade, assim como outros requisitos que sejam subscritos relativamente aos aspectos ambientais, a perigos para a segurança e saúde no trabalho ou requisitos do cliente. Apostamos na sensibilização e formação contínua dos colaboradores em questões relacionadas com a qualidade, ambiente e segurança, no sentido de um adequado e responsável desempenho da sua actividade, já que os nossos clientes confiam em nós e nas nossas instalações para préstimos de serviços únicos; Implementamos um sistema de autocontrolo e de HACCP, de modo a assegurar e promover a higiene e segurança alimentar.

40 NORMAS ISO O QUE SÃO AS NORMAS ISO? Série de normas internacionais de gestão de Qualidade, Ambiente ou Segurança Instrumento de carácter voluntário Focam diversos aspectos de gestão de Qualidade, Ambiental e Segurança Orientação prática para a criação ou melhoria de um SGQAS ISO 9001 Qualidade ISO Ambiente OHSAS Segurança Cliente Sociedade Colaboradores

41 REQUISITOS DA NORMA ISO 9001: SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais 4.2 Requisitos de documentação 5. RESPONSABILIDADE DA GESTÃO 5.1 Comprometimento da gestão 5.2 Focalização no cliente 5.3 Política de qualidade 5.4 Planeamento 5.5 Responsabilidade, autoridade e comunicação 5.6 Revisão pela gestão 6. GESTÃO DE RECURSOS 6.1 Provisão de recursos 6.2 Recursos humanos 6.3 Infraestrutura 6.4 Ambiente de trabalho

42 REQUISITOS DA NORMA ISO 9001: REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.1 Planeamento da realização do produto 7.2 Processos relacionados com o cliente 7.3 Concepção e desenvolvimento 7.4 Compras 7.5 Produção e fornecimento do serviço 7.6 Controlo do equipamento de monitorização e de medição 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.1 Generalidades 8.2 Monitorização e medição 8.3 Controlo do produto não conforme 8.4 Análise de dados 8.5 Melhoria

43 REQUISITOS DA NORMA ISO 14001: Requisitos gerais do SGA 4.2 Política Ambiental 4.3 Planeamento Aspectos Ambientais Requisitos Legais e outros requisitos Objectivos, metas e programa 4.4 Implementação e operação Recursos, atribuições, responsabilidades e autoridade Competência, formação e sensibilização Comunicação Documentação Controlo de documentos Controlo operacional Preparação e resposta a emergências 4.5 Verificação Monitorização e medição Avaliação da conformidade Não conformidades, acções correctivas e acções preventivas Controlo de registos Auditoria interna 4.6 Revisão pela gestão

44 REQUISITOS DA NORMA OHSAS 18001: Requisitos gerais 4.2 Política de Saúde e Segurança no Trabalho 4.3 Planeamento Identificação de perigos, avaliação de riscos e determinação de medidas de controlo Requisitos Legais e outros requisitos Objectivos e programa (s) 4.4 Implementação e operação Recursos, atribuições, responsabilidades. obrigações e autoridade Competência, formação e sensibilização Comunicação, participação e consulta Documentação Controlo de documentos Controlo operacional Preparação e resposta a emergências 4.5 Verificação Medição e monitorização do desempenho Avaliação de conformidade Investigação de incidentes, não conformidades, acções correctivas e acções preventivas Controlo dos registos Auditoria interna 4.6 Revisão pela gestão

45 REQUISITOS DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL CONTROLO DO CONSUMO E QUALIDADE DA ÁGUA GESTÃO DE RESÍDUOS (PERIGOSOS E RESIDUOS SOLÍDOS URBANOS) CONTROLO DOS CONSUMOS ENERGÉTICOS CONTROLO DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS CUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO VIGENTE FORMAÇÃO DOS COLABORADORES

46 PROCEDIMENTOS LEGISLAÇÃO: Requisição de legislação Identificação da Legislação aplicável Lista de legislação aplicável Alterações na actividade COMUNICAÇÃO: Modelos de Comunicações Internas, faxes, cartas, actas, Registo de Ocorrências Ambientais Sugestões / opiniões Registos de Imprensa (comunicação, artigos, ) TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES: Reclamações (procedimento interno) Livro de reclamações no Hotel

47 PROCEDIMENTOS OBJECTIVOS E METAS DE QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA: Programa de QAS (Qualidade, Ambiente e Segurança) Definição de Objectivos por departamento até final do ano Aprovação em reunião do Conselho de Qualidade, Ambiente e Segurança AUDITORIA INTERNAS: Plano Anual de Auditorias Lista de Controlo Bolsa de auditores habilitados Pedidos de Acção Correctiva (PAC) e Preventiva (PAP) ACÇÕES CORRECTIVAS E PREVENTIVAS: PAC s Listagem CONTROLO DE DOCUMENTOS E REGISTOS: Codificação, Arquivo, Distribuição, Revisão,

48 PROCEDIMENTOS FOCALIZAÇÃO DO CLIENTE: Identificação dos requisitos dos clientes Inquéritos de Satisfação Relatórios de Avaliação FORMAÇÃO: Necessidades de formação Plano de Formação Registo de Presenças Ficha Individual de Qualificação CV s e Diplomas Registo da eficácia Formação de sub-contratados e fornecedores Descrição de funções e requisitos mínimos de competência GESTÃO DE STOCKS: Locais de armazenamento Responsáveis Requisições internas

49 PROCEDIMENTOS AQUISIÇÕES: Especificações de todos os produtos Recepção do produto Lista de fornecedores qualificados Economato: requisições, consultas, etc IDENTIFICAÇÃO E SELECÇÃO DE FORNECEDORES CONSUMOS DE ÁGUA: Registos sectoriais Requisitos legais GESTÃO DOS CONSUMOS: Electricidade Combustíveis Consumíveis

50 PROCEDIMENTOS QUALIDADE DA ÁGUA: SMAS Efluentes domésticos GESTÃO DE RESÍDUOS: Procedimentos Instruções de trabalho Armazenamento de resíduos Registos Recolha por operadores licenciados (lista da Agência Portuguesa do Ambiente) Declaração anual de resíduos UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS: Armazenamento Condições de higiene e segurança Registos Produtos (detergentes, solventes, tintas, )

51 PROCEDIMENTOS MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS, INFRA-ESTRUTURAS E SERVIÇOS BÁSICOS: Planos de manutenção e intervenção: Edifício Infra-estruturas (esgotos, ) Equipamentos (máquinas, ) Calibrações (contadores, ) RECEPÇÃO AO CLIENTE DO HOTEL: Atendimento Esclarecimentos Check in, Check-out, etc PROMOÇÃO DO HOTEL: Viagens Feiras Visitas comerciais ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS: check list para negociação Andares, cozinha, restauração, economato, administrativos

52 GESTÃO DE PESSOAL Registo de presenças Autorizações Justificação de faltas Autorização de férias Mapa de férias Ficha de Inscrição Ficha Individual de admissão Certificado de trabalho PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE Normas de funcionamento de fundo de caixa Conferência de Caixa Nota de Despesas

53 ACÇÕES DESENVOLVIDAS CERTIFICADOS NEYA LISBOA HOTEL Certificação Five-Leaf 5 folhas (apenas 2 em Lisboa)

54 CERTIFICADOS NEYA LISBOA HOTEL

55 CERTIFICADOS NEYA LISBOA HOTEL

56 CERTIFICAÇÃO GREEN KEY CHAVE VERDE Certificação Abril (único em Lisboa) 12 Áreas de Avaliação Gestão Ambiental Envolvimento da Equipa de Colaboradores Informação aos Clientes Água Higiene e Limpeza Resíduos Energia Alimentação e Bebidas Ambiente Interior Ambiente Exterior Actividades ao Ar Livre Gestão de Topo

57 Green Leaders TRIP ADVISOR NÍVEL PLATINA

58 CERTIFICAÇÕES ISO

59 PRÉMIOS TROFÉUS LUSO-FRANCESES PRÉMIO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

60 ACÇÕES DESENVOLVIDAS CONSUMOS DE ÁGUA

61 ACÇÕES DESENVOLVIDAS CONSUMOS DE ÁGUA

62 ACÇÕES DESENVOLVIDAS QUALIDADE DA ÁGUA

63 ACÇÕES DESENVOLVIDAS CONSUMOS DE ENERGIA

64 ACÇÕES DESENVOLVIDAS CONSUMOS DE ÁGUA, ELECTRICIDADE E ÁGUA

65 ACÇÕES DESENVOLVIDAS CONSUMOS DE ÁGUA, ELECTRICIDADE E GÁS Electricidade Total Hotel (kwh) Água Total Hotel (m 3 )

66 ACÇÕES DESENVOLVIDAS CONSUMOS DE ÁGUA, ELECTRICIDADE E GÁS

67 ACÇÕES DESENVOLVIDAS GESTÃO DE RESÍDUOS

68 GESTÃO DE RESÍDUOS ACÇÕES DESENVOLVIDAS 63% de resíduos enviados para reciclagem, contemplando todos os resíduos, ou seja os perigosos, os óleos alimentares, etc

69 GESTÃO DE RESÍDUOS ACÇÕES DESENVOLVIDAS

70 ACÇÕES DESENVOLVIDAS GESTÃO DE RESÍDUOS MEDICAMENTOS FORA DE PRAZO

71 ACÇÕES DESENVOLVIDAS GESTÃO DE RESÍDUOS

72 ACÇÕES DESENVOLVIDAS GESTÃO DE RESÍDUOS

73 ACÇÕES DESENVOLVIDAS GESTÃO DE RESÍDUOS

74 ACÇÕES DESENVOLVIDAS GESTÃO DE RESÍDUOS Papel: kg s Vidro: kg s Embalagens: kg s Orgânicos: kg s Indiferenciados: kg s 11% Resíduos Sólidos Urbanos (RSU's) 10% 38% 9% 32% Indiferenciados Orgânicos Papel Vidro Embalagens

75 ACÇÕES DESENVOLVIDAS MOBILIDADE

76 ACÇÕES DESENVOLVIDAS MOBILIDADE

77 MOBILIDADE ACÇÕES DESENVOLVIDAS

78 ACÇÕES DESENVOLVIDAS PRODUTOS QUÍMICOS REGISTOS, ARMAZENAMENTO E UTILIZAÇÃO

79 ACÇÕES DESENVOLVIDAS HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

80 ACÇÕES DESENVOLVIDAS HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

81 ACÇÕES DESENVOLVIDAS HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

82 ACÇÕES DESENVOLVIDAS Formação

83 ACÇÕES DESENVOLVIDAS Exercício de avacuação

84 ACÇÕES DESENVOLVIDAS HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

85 ACÇÕES DESENVOLVIDAS HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Acidentes no trabalho Estatísticas 2013/2014 Secções Cozinha: 2 Andares: 3 Manutenção: 1 Restaurante: 2 Administrativo: 2 Tipo de acidentes Queda: 3 Corte: 4 Movimento em falso: 1 Sem definição: 2

86 ACÇÕES DESENVOLVIDAS HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Utilização de EPI s Caixas de 1ºs Socorros

87 ACÇÕES DESENVOLVIDAS HIGIENE ALIMENTAR

88 RESPONSABILIDADE SOCIAL ACÇÕES DESENVOLVIDAS GRACE GIRO 2014

89 RESPONSABILIDADE SOCIAL ACÇÕES DESENVOLVIDAS QUARTO SOLIDÁRIO MARKET PLACE LISBOA CASA RONALD McDONALD MERCADO DO BOM SUCESSO

90 ACÇÕES DESENVOLVIDAS COMUNICAÇÃO

91 ACÇÕES DESENVOLVIDAS COMUNICAÇÃO

92 ACÇÕES DESENVOLVIDAS COMUNICAÇÃO

93 FORMAÇÃO PLANO DE FORMAÇAO 2015 Sistemas de Gestão de Qualidade, Ambiente e Segurança Normas ISO Gestão de Resíduos Optimização de consumos Higiene e Segurança no Trabalho Higiene Alimentar Simulacro de Incêndios

94 Programa de Gestão de Qualidade, Ambiente e Segurança Objectivos e Metas para Aumento da taxa de reciclagem dos resíduos - Optimização dos consumos de água - Optimização dos consumos de energia - Gestão de produtos químicos - Melhoria na preparação para combate a incêndios - Certificações - Cálculo da Pegada Carbónica - Horta Urbana no telhado

95 ORIENTAÇÕES E EXPECTATIVAS FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO 1) Conformidade legal como requisito mínimo 2) Envolvimento da Gestão de Topo, Directores, Responsáveis, Chefias e Coordenadores 3) Formação e sensibilização 4) Participação de todos 5) Criação de uma cultura de sustentabilidade, ambiente, qualidade e segurança

96 Uma marca não se cria, constrói-se tal como a reputação de uma pessoa. Uma marca não é o que ela diz dela própria, mas o que os outros dizem dela. Não são as características do produto que contam apenas mas sim a sua mensagem e a capacidade de se identificarem com ela: reputação. O principio basilar para a criação de uma marca de sucesso é ser diferente. São os êxitos da mesma que a tornam num símbolo. Dilen Ratanji Consultor marketeer

97

98 Optimização de Água no Empreendimento Águas Pluviais Rega de espaços verdes do edifício Deposito 50 m 3 Regulamento de Utilização Interdição de Abertura de Furos Grupo de Bombagem Reaproveitamento de Águas Pluviais para Rega de Espaços Verdes de Edíficios

99 Gestão de Resíduos - Residentes Orgânicos Contentor de Cozinha Ventilado Colocação do lixo orgânico em contentores exteriores de 240 lts Maior perda de H2O menos 15%Kg de lixo a recolher (redução de custos) e saco sem condensação Redução dos odores Limpeza e higiene Fácil utilização Melhor integridade do saco

100 Gestão de Resíduos - Residentes Utilização de Óleos Alimentares Usados Projecto pioneiro de recolha porta-a-porta de Óleos Alimentares Usados Projecto com: AMES, HPEM, AMI 700 ECOHOUSES para os residentes 100 ECOHOUSES para os colaboradores Produção de biodiesel, sabão e outros produtos litros de Óleo Alimentar Usado

101 Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Resíduos Verdes e Madeira Papelão Monos Domésticos Sucata

102 Dados meteorológicos Arco Solar

103 GEOTERMIA ACTUALMENTE NO BELAS CLUBE DE CAMPO JÁ EXISTEM VÁRIAS INSTALAÇÕES PARA AQUECIMENTO DO AMBIENTE E DE ÁGUAS SANITÁRIAS O BELAS CLUBE DE CAMPO É PIONEIRO NO LICENCIAMENTO DESTE TIPO DE PROJECTOS JUNTO DAS ENTIDADES COMPETENTES Investimento: Ganhos anuais: 4300 Retorno do investimento: 25 ANOS CO2 poupado em 25 anos: 807 Toneladas

104 AQUECIMENTO DE ÁGUAS NO CLUBE DE LAZER INTRODUÇÃO DE ENERGIA SOLAR TÉRMICA PARA AQUECIMENTO DA ÁGUA DA PISCINA E DAS ÁGUAS SANITÁRIAS Energia necessária Piscina (kwh/ano) : Energia necessária AQS (kwh/ano) : Energia Total final necessária (kwh/ano) : Energia Solar Obtida (kwh/ano) : M 2 DE PAINEIS / 56% DAS NECESSIDADES VALOR DE INVESTIMENTO: POUPANÇA DE CONSUMO DE GÁS: / ANO REDUÇÃO ANUAL DE CO2: 39 TON PRI (PERÍODO RETORNO DE INVESTIMENTO): 6.3 ANOS

105 MICROGERAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE ENERGIA SOLAR E VENDA À REDE CASA DA MANUTENÇÃO POTÊNCIA A INSTALAR: 3,5 kwp ENERGIA MÁXIMA PRODUZIDA: kwh 18 painéis solares fotovoltaicos REDUÇÃO ANUAL DE CO 2 : 6 TON INVESTIMENTO: AQUECIMENTO DE ÁGUAS 4 painéis REDUÇÃO ANUAL DE CO2: 3 TON

106 MOBI.E Carros Eléctricos Fase de Teste O Belas Clube de Campo foi seleccionado para ser a primeira comunidade residencial da área da Grande Lisboa a receber este equipamento

107 ATELIER DE ENERGIAS RENOVÁVEIS BELAS CLUBE DE CAMPO REUNIÃO DE COORDENAÇÃO DIRECÇÃO TÉCNICA 16 NOVEMBRO

108 Belas Clube de Campo - Casa + Sustentável + (no futuro as casas serão assim )

109 Pegada de Carbono Dados das emissões do BCC (Ton CO 2 ) Dentro do BCC Fora do BCC Iluminação Pública Consumo de Água Total Stock de Carbono e potencial de Sumidouro do BCC (Ton CO 2 ): Stock de CO 2 no Belas Clube de Campo: t Potencial de Sumidouro: 811 t/ano Emissões da Planbelas, S.A.: 828 t

110 Pegada de Carbono Compensação das Emissões de 2011 Os créditos que reverterão para o projeto da central mini -hídrica The Yunnan Weixi Gedeng Hydropower, situada na China

111 RESULTADOS MONITORIZADOS QUALIDADE DO AR CARACTERIZAÇÃO DAS EMISSÕES DA CALDEIRA DO CENTRO DESPORTIVO Duas medições efectuadas por laboratório acreditado. Valores, de acordo com a legislação.

112 PROTECÇÃO DA NATUREZA RESULTADOS MONITORIZADOS

113 Gestão Territorial ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO FASE DE OBRA FASE DE EXPLORAÇÃO ÁGUA RESÍDUOS FLORA E FAUNA AR PAISAGEM RUÍDO SOLOS ARQUEOLOGIA

114 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Bacias de Decantação Armazenamento de Óleos Usados Limite de Desmatação Torre de Vigilância de incêndio Gestão Resíduos verdes Acompanhamento Arqueológico Ribeira Desobstruída

115 RESULTADOS MONITORIZADOS OUTRAS ACÇÕES DO SGA AVALIAÇÃO DA INCOMODIDADE DO RUÍDO MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTO MÁQUINA ELÉCTRICA

116 Outras Acções do SGA GSI (Sustainable Golf Índex) SUSTENTABILIDADE NOS TORNEIOS Responsabilidade da empresa Between Us, a qual avalia a sustentabilidade dos torneios organizados pelo European Tour. Classificação: 2º lugar EXEMPLO: SENIOR OPEN DE PORTUGAL

www.neyahotels.com Pedro Teixeira Qualidade, Ambiente e Segurança QAS III SEMINÁRIO NACIONAL GREEN KEY 25 de Novembro de 2015

www.neyahotels.com Pedro Teixeira Qualidade, Ambiente e Segurança QAS III SEMINÁRIO NACIONAL GREEN KEY 25 de Novembro de 2015 Pedro Teixeira Qualidade, Ambiente e Segurança QAS III SEMINÁRIO NACIONAL GREEN KEY 25 de Novembro de 2015 No centro de Lisboa, nasceu a primeira unidade hoteleira do Grupo NEYA Hotels: NEYA LISBOA HOTEL

Leia mais

PLANBELAS, S.A. Missão, Visão e Valores

PLANBELAS, S.A. Missão, Visão e Valores PLANBELAS, S.A. Missão, Visão e Valores Missão (razão de ser): Desenvolver projectos residenciais de referência, com uma visão de longo prazo, baseados em princípios de excelência, sustentáveis e integrados

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Organização dos Serviços de Saúde Região do Algarve Nacional Ministério da Saúde Regional ARS Algarve ARS Alentejo ARS Lisboa e Vale do Tejo ARS

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Município de Torres Vedras 12 de Novembro 2013 Seminário: Sustentabilidade Energética nas Compras Públicas OesteCIM Supported by: Coordination: Partners: Resumo 1 - Território

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente.

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. OBJECTIVOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. A Gestão da Segurança foca o indivíduo, o colaborador; Tem como objectivo a sua protecção

Leia mais

1 - Publituris.pt, 30-09-2010, Publituris: ExpoQuintas em processo de certificação para "Green Event"

1 - Publituris.pt, 30-09-2010, Publituris: ExpoQuintas em processo de certificação para Green Event Revista de Imprensa 01-10-2010 Cascais Energia 1 - Publituris.pt, 30-09-2010, Publituris: ExpoQuintas em processo de certificação para "Green Event" 2 - Planeta Azul.pt, 27-09-2010, Caça Watts e Eco-famílias

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Energia: Sustentabilidade e redução de custos.

Energia: Sustentabilidade e redução de custos. . dossier / Energia Pág: 36 Área: 15,00 x 20,27 cm² Corte: 1 de 6 Energia: Sustentabilidade e redução de custos. 2015 marca o ano Internacional da Luz. No que diz respeito ao consumo de energia, os hotéis

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa Vencemos juntos Apresentação da Empresa @ 2014 Quem Somos Missão Fornecer ferramentas e recursos, que juntos, colmatam as necessidades dos nossos Clientes tornando-os mais competitivos e eficazes. Visão

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

ÍNDICE [Resumido] 2.Implementação do Sistema de Gestão Ambiental Introdução

ÍNDICE [Resumido] 2.Implementação do Sistema de Gestão Ambiental Introdução CONTEÚDOS Este livro escrito em parceria por 9 co-autores, de entre académicos e profissionais de engenharia, fornece uma ajuda preciosa na aquisição de conhecimentos e de competências, tidas como necessárias

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA ASSEMBLEIA AMIGA DO AMBIENTE Ponta Delgada, 13-1 - de Abril de 2005 RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005

Leia mais

BOM DESEMPENHO NA PROCURA DA SUSTENTABILIDADE NUM HOTEL

BOM DESEMPENHO NA PROCURA DA SUSTENTABILIDADE NUM HOTEL BOM DESEMPENHO NA PROCURA DA SUSTENTABILIDADE NUM HOTEL BRUNO ANDRÉ MARTINS (DIRECTOR HOTEL) CONGRESSO CRIAR VALOR COM A SUSTENTABILIDADE PROGRAMA O HOTEL VILA GALÉ ALBACORA TAVIRA A MUDANÇA DE ESTRATÉGIA

Leia mais

O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE 1. INTRODUÇÃO Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o conceito Saúde e Ambiente abarca as consequências para a saúde, das interacções entre

Leia mais

S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço.

S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço. S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço. Qualidade Ambiente Segurança A Quambis é uma empresa do Grupo Sondar, que tem como principal finalidade prestar um serviço integrado

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

de Competitividade e Excelência

de Competitividade e Excelência O Ambiente como Factor Estratégico de Competitividade e Excelência Introdução O Turismo é uma ferramenta de crescimento da economia da Região. A economia é apenas um dos três pilares que o Turismo sustenta.

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004

AEP/APCER FORMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004 Ed. de Serviços da Exponor, 2º Av. Dr. António Macedo 4450 617 Leça da Palmeira t: 22 999 36 00 f: 22 999 36 01 e-mail: info@apcer.pt www.apcer.pt Formação Empresa 4450-617 Leça da Palmeira t: 22 998 1753

Leia mais

Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição

Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição Curso de pós graduação em Auditorias a Sistemas Integrados de Gestão 1ª edição Parceria entre a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTSC) www.estescoimbra.pt e o CTCV www.ctcv.pt Nota Prévia

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Produza a sua própria energia

Produza a sua própria energia Produza a sua própria energia CONTEÚDO ENERGIAFRICA QUEM SOMOS A NOSSA MISSÃO SERVIÇOS AS NOSSAS SOLUÇÕES SOLARES PROJECTO MODULO VIDA PORTEFÓLIO MAIS ENERGIA RENOVÁVEL, MAIS VIDA PARA O PLANETA www.energiafrica.com

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA MANUAL DE GESTÃO

CÓPIA NÃO CONTROLADA MANUAL DE GESTÃO MANUAL DE GESTÃO FERNANDES & PÁGINA 2 / 18 ÍNDICE PÁG. 1. PROMULGAÇÃO 3 2. APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO 4 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 11 4. POLÍTICA DA FERNANDES & 12 5. SISTEMA DE GESTÃO 13 FERNANDES & PÁGINA

Leia mais

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação.

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação. Objectivos Gerais Definir o que é a Qualidade; Determinar a evolução da qualidade. Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens

Leia mais

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 Auditorias Consultadoria A Silliker Portugal desenvolve soluções de consultadoria

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente Corinthia Hotel Lisbon Hotel Energeticamente Eficiente O CORINTHIA HOTEL LISBON O Maior 5 estrelas em Portugal 27 pisos Área total aproximada de 50 000 m 2 518 quartos no total: 360 quartos superiores

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição.

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição. COMMUNICATION ON PROGRESS MARCH 2014 MARCH 2015 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima

Leia mais

Varela & Cª, Lda. Sistemas de Gestão Ambiental. Ambientes Insulares. Sector Ambiente. Ferramentas de Gestão Ambiental para PME s Ponta Delgada - 2012

Varela & Cª, Lda. Sistemas de Gestão Ambiental. Ambientes Insulares. Sector Ambiente. Ferramentas de Gestão Ambiental para PME s Ponta Delgada - 2012 Sistemas de Gestão Ambiental Ambientes Insulares Marco Lopes Varela & Cª, Lda Sector Ambiente 2 1 Varela & Cª, Lda Iniciou a sua actividade como Operador de Gestão de Resíduos em 2004; Certificação de

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

PLANO DE SUSTENTABILIDADE

PLANO DE SUSTENTABILIDADE PLANO DE SUSTENTABILIDADE Rock in Rio 2013 O QUE NOS MOVE Temos que assumir não só as nossas próprias responsabilidades mas um compromisso coletivo, enquanto cidadãos e profissionais, em cada atividade

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 -

AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 - AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 - JUNHO 2007 AVALIAÇÃO GLOBAL DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES - 2006 De modo a automatizar de forma simples a realização da Avaliação da Satisfação de Clientes,

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Comunidades Sustentáveis

Comunidades Sustentáveis Comunidades Sustentáveis Ph.D., Engº do Ambiente Dep. Engª Civil, Arquitectura / Instituto Superior Técnico manuel.pinheiro@civil.ist.utl.pt ou manuel.pinheiro@lidera.info Comunidades? Comunidade communitas,

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos Actualizado em: 81121 P5 - Gestão Estratégica Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos SP3 Planeamento e Revisão do Sistema IT 9 Planeamento e Análise 4 Programa de Objectivos

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

Largo Ramos da Costa, 7520 Sines. Responsável pelos sectores de Eletricidade e de Serralharia da Autarquia.

Largo Ramos da Costa, 7520 Sines. Responsável pelos sectores de Eletricidade e de Serralharia da Autarquia. M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Oliveira, José Manuel Santana De Oliveira Morada Praceta Nau Roxo, Lote n.º 5 Sines 7520-268 SINES Telefone 961740416 Fax 269630239 Correio electrónico

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de ENERGIAS RENOVÁVEIS PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Organização Industrial Escolas Proponentes / Autores Escola Profissional de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DE OBRA Luísa Pinto Maio. 2008, Tektónica Lisboa O que é? Definição, aplicação ou fiscalização da aplicação de medidas de gestão ambiental, incluindo

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ENTIDADES PARCEIRAS GRUPO SGS PORTUGAL (www.pt.sgs.com) O Grupo SGS Société Générale de Surveillance S.A é a maior organização mundial no domínio da inspecção,

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Estudo de Caso nº 7. 2. Práticas de Responsabilidade Empresarial Tópicos Principais Área(s) Global(ais) de Enquadramento das Boas Práticas de RSE:

Estudo de Caso nº 7. 2. Práticas de Responsabilidade Empresarial Tópicos Principais Área(s) Global(ais) de Enquadramento das Boas Práticas de RSE: 1. Identificação da Empresa Nome da Empresa: Estudo de Caso nº 7 Triip Ltd. Sector de Actividade: Gráfica Actividade Principal: Impressão e design Cidade/País: Tartu, Estónia Ano de Fundação: 1993 Implantação

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade

Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade Docente: Discentes: Professor Doutor José Carlos Marques Ana Fernandes nº 2049007 Hugo Freitas nº 2033707 Ruben Sousa nº 2053807 Telma Marques

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

AMBIENTE ANGOLA Feira Internacional de Equipamentos, Serviços e Tecnologias Ambientais

AMBIENTE ANGOLA Feira Internacional de Equipamentos, Serviços e Tecnologias Ambientais AMBIENTE ANGOLA Feira Internacional de Equipamentos, Serviços e Tecnologias Ambientais Organização: Ministério do Ambiente de Angola I Feira Internacional de Luanda I iir Exhibitions Conteúdos Ficha Técnica

Leia mais

RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE NORTE DE MÁLAGA (ASNM).

RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE NORTE DE MÁLAGA (ASNM). XXV Congreso de la Asociación Latina para el Análisis de los Sistemas de Salud 4, 5 y 6 de septiembre 2014 - Granada RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA

Leia mais

Raquel Azevedo Oliveira Almeirante Rua Dr. António Carlos Ferreira Soares, nº25, 2ºesq

Raquel Azevedo Oliveira Almeirante Rua Dr. António Carlos Ferreira Soares, nº25, 2ºesq Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Morada Código Postal Correio(s) Electrónico(s) Raquel Azevedo Oliveira Almeirante Rua Dr. António Carlos Ferreira Soares, nº25, 2ºesq 4520 Santa Maria da Feira

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social 7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social Mudança e inovação para novos estilos de vida Exemplos da aplicação dos 10 princípios pelos membros do GCNP - O caso do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa - Menú

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

Sessão de informação. Janeiro de 2007

Sessão de informação. Janeiro de 2007 Sessão de informação Janeiro de 2007 Agenda Agenda 03 1. Enquadramento do tema Contexto do consumo energético em Portugal Protocolo de Quioto Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável 2. Apresentação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO Elaborado por: Carla Latas nº 3501 Rui Soares nº 3508 Ana Lopes nº 3512 Coimbra, 02 de Junho de 2005.

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais