Proposta de texto para a nova NR-01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de texto para a nova NR-01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO"

Transcrição

1 Proposta de texto para a nova NR-01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

2 Grupo de Estudo Tripartite - GET PORTARIA 1.473/2010 GET prévio à composição do Grupo Técnico Finalidade: aprofundar os estudos sobre um tema a ser normatizado; Paritário - 3 a 5 membros de cada bancada

3 PORTARIA 280/OUTUBRO DE 2011 Constitui GET Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho. Representantes do Governo: a) DSST / SIT / MTE - Airton Marinho da Silva - Jeferson Seidler b) FUNDACENTRO / MTE - Gerrit Gruenzner - Gilmar da Cunha Trivelato c) MPS - Luiz Eduardo de Alcântara de Melo

4 PORTARIA N.º 280 DE 1º DE OUTUBRO DE 2011 Constitui Grupo de Estudos Tripartite sobre a Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho. II - Representantes dos Empregadores: - Luis Sérgio Soares Mamari - Henrique Wiliam Bego Soares - Clovis Veloso de Queiroz Neto - Nicolino Eugênio da Silva Júnior - Nicole Goulart III - Representantes dos Trabalhadores: - Lívia Ghirello - Rogério de Jesus Santos - Plínio José Pavão de Carvalho - Cláudia Rejane de Lima - Washington Aparecido dos Santos

5 ATUAÇÃO DO GET GSST

6 Memória GET GSST 2011/ reuniões 02/05/ Final da fase tripartite de estudos reuniões reuniões presenciais Discussão ampla e frequente via Texto-base consolidado em abril 2014

7 Principais estudos e debates realizados Aspectos técnicos sobre avaliação e prevenção de riscos ISO OHSAS Textos e normas da comunidade européia, Austrália, Nova Zelândia, Canadá... Micro e Pequenas empresas: tratamento diferenciado; Relações contratantes x contratadas Continua...

8 Principais estudos e debates realizados Continuação 4. Organização do trabalho como fator de risco para adoecimento 5. Participação dos trabalhadores em gestão de SST 6. Abrangência da nova norma em relação a outras obrigações já em vigor.

9 Grupo Governo responsável pelo texto para consulta pública Airton Marinho SRTEMG Gilmar Trivelato Fundacentro SP Mário Parreiras de Faria SRTEMG Gerrit Gruenzner Fundacentro SP Carla Paes SRTERJ Luiz Scienza SRTERS Fernando da Silva SRTESP/GRTE Bauru Colaboração: Luiz Carlos Lumbreras Rocha - SRTE/RJ Thais Barros Fundacentro SP Rosemary Dutra SRTESC Jeferson Seidler DSST MTE Sarah de Mattos DSST MTE

10 Conteúdo básico e novidades Abrangência: quaisquer riscos à saúde e segurança dos trabalhadores Princípios preventivos e metodologia de avaliação de riscos Mesmos princípios adotados pela comunidade européia, pelas normas ISO e pelos principais sistemas de gestão em SST

11 NR-01 Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Resumo do texto em consulta pública 1 OBJETIVO E APLICAÇÃO Todas as organizações empregadores Estende-se ao trabalho executado a distância (com relação de emprego) Medidas de prevenção de NRs setoriais e específicas podem ser aplicadas, por analogia, a situações de risco similares em outros setores de atividade.

12 2 DEFINIÇÕES BÁSICAS Risco Possibilidade de consequências negativas ou danos para a saúde e integridade física ou moral do trabalhador, relacionados ao trabalho. nível de risco - severidade x chance Fonte de risco Aspecto ou elemento do trabalho que tem o potencial intrínseco de dar origem a riscos à saúde e segurança no trabalho. (equivalente ao termo Perigo )

13 2 DEFINIÇÕES BÁSICAS Eventos de risco incidentes, incluindo os acidentes, exposições a agentes nocivos, exigências físicas ou mentais das tarefas e outras circunstâncias que possam afetar negativamente os trabalhadores. Avaliação de Riscos Processo de Identificação - análise do risco - estimativa do nível de risco e julgamento da importância do risco identificado

14 ORGANIZAÇÃO PARA A PREVENÇÃO EM SST Estrutura organizacional para prevenção: a) responsabilidades; b) recursos c) documentação; d) capacitação e) participação dos trabalhadores.

15 PSST desenvolvida pelo próprio empregador ou pessoas por ele designadas, internas ou externas PSST organizado e integrada em programas e sistemas de gestão de riscos voluntários, que poderão ser consideradas pelo MTE como substitutos ou equivalentes aos programas obrigatórios nas NRs, desde que fique demonstrado o atendimento a todas as exigências legais

16 3.9 AVALIAÇÃO DE RISCOS Levar em conta: Exigências legais, informações técnicas, processos análogos Registros sobre ações preventivas Dados de saúde pública Percepção de riscos pelos trabalhadores Histórico fiscal e judicial da organização Fontes de risco externas

17 Comunicar e consultar Monitorar e rever Avaliação de riscos Contexto Identificar riscos Analisar riscos Julgar riscos Reduzir/Eliminar riscos Visão geral do processo de gestão de riscos Adaptado de AS/NZS 4360: 2004 Risk Management

18 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Avaliação de riscos Identificação de fontes de riscos Análise de riscos Definição da gravidade das consequências possíveis Definição da probabilidade (chance) de ocorrência das consequências possíveis estimativa do(s) nível(is) de risco Julgamento da importância dos riscos Planejamento das ações preventivas Ações para eliminação ou redução dos riscos Acompanhamento da efetividade do processo

19 Comunicar e consultar Monitorar e rever Avaliação de riscos Contexto Identificar riscos Analisar riscos Julgar riscos Reduzir/Eliminar riscos Visão geral do processo de gestão de riscos Adaptado de AS/NZS 4360: 2004 Risk Management

20 Identificação de riscos Inclui a) identificação das fontes de riscos; b) descrição dos riscos gerados c) Identificação dos trabalhadores sujeitos Identificar eventos com potencial de danos e as consequências possíveis.

21 Comunicar e consultar Monitorar e rever Avaliação de riscos Contexto Identificar riscos Analisar riscos Julgar riscos Reduzir/Eliminar riscos Visão geral do processo de gestão de riscos Adaptado de AS/NZS 4360: 2004 Risk Management

22 ANÁLISE E JULGAMENTO DE RISCOS Probabilidade e a severidade dos danos Definição de nível de risco Leva em conta a efetividade das medidas de prevenção existentes Abordagens qualitativas, semi-quantitativas, quantitativas

23 ANÁLISE E JULGAMENTO DE RISCOS Probabilidade: considerar a) as medidas preventivas existentes em relação àquelas exigidas legalmente; b) exposição x valores de referência c) acidentes ou doenças ocorridos d) exigências físicas e mentais da atividade Representação do nível de risco: matrizes de risco ou equivalentes

24 PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DO DANO SEVERIDADE DO DANO Muito Alto Alto Moderado Baixo

25 25 Exemplo de Matriz de Risco (4x4) B B B B M M M A M MA B B A A P s Nível de risco: B= Baixo M= Moderado A= Alto MA = Muito alto P R O B A B I L I D A D E S E V E R I D A D E Objetivo: definir o nível de risco M M

26 Níveis de risco Utilizar pelo menos 4 níveis Muito Alto - Alto Moderado Baixo (ou denominações equivalentes) Não atendimento legal: sempre Muito Alto ou Alto Possibilidade de fatalidade: no mínimo, Moderado Alto: exposições entre 50% e 100% do Valor de Referência para cancerígenos, mutagênicos, tóxicos para a reprodução humana ou sensibilizantes respiratórios; Grandes desconfortos ou incômodos: Risco Alto

27 Exemplos práticos Andaimes que não atendam à NR-18: Muito Alto ou Alto (ainda que com medidas preventivas) Trabalho em altura: no mínimo, Moderado Exposição a formaldeído (cancerígeno): Acima de 50% do VR: Alto Desconforto em espaços confinados: Alto

28 Avaliação de riscos pode se limitar à etapa de identificação em: não existência de fontes de riscos ou risco eliminado pela remoção de sua fonte.

29 Comunicar e consultar Monitorar e rever Avaliação de riscos Contexto Identificar riscos Analisar riscos Julgar riscos Reduzir/Eliminar riscos Visão geral do processo de gestão de riscos Adaptado de AS/NZS 4360: 2004 Risk Management

30 3.10. ELIMINAÇÃO E REDUÇÃO DE RISCOS Medidas necessárias e suficientes obrigatórias para eliminar ou reduzir os riscos: exigências legais aplicáveis; níveis de risco que assim o determinem; evidências epidemiológicas em processos análogos Devem ser adotadas medidas necessárias para eliminar ou reduzir os riscos, antes do aprofundamento da avaliação inicial e da obtenção de dados quantitativos.

31 3.10. ELIMINAÇÃO E REDUÇÃO DE RISCOS Muito Alto: não iniciar ou continuar o trabalho Alto: medidas de redução imediatas; complementares em tempo definido Moderado: garantir medidas de prevenção existentes Baixo: garantir medidas de prevenção existentes O MTE com base na inspeção e análise técnica pode determinar a reclassificação dos riscos ou considerar situações como de grave e iminente risco

32 3.10. ELIMINAÇÃO E REDUÇÃO DE RISCOS prioritariamente medidas coletivas dentro de períodos de tempo definidos não permitidas formas de proteção baseadas exclusivamente em uso continuado de EPI Quando inviabilidade técnica for comprovada: medidas de caráter administrativo e de organização do trabalho e, secundariamente, EPI (conforme NR-06)

33 Comunicar e consultar Monitorar e rever Avaliação de riscos Contexto Identificar riscos Analisar riscos Julgar riscos Reduzir/Eliminar riscos Visão geral do processo de gestão de riscos Adaptado de AS/NZS 4360: 2004 Risk Management

34 3.11. ACOMPANHAMENTO, MEDIÇÃO DE DESEMPENHO E REVISÃO DAS AÇÕES PREVENTIVAS previamente planejada verificação da execução e efetividade das ações inspeções sistemáticas e monitoração discussão de inadequações (incidentes relevantes, acidentes de trabalho ou de danos à saúde, fiscalizações) mudanças significativas

35 4. DOCUMENTAÇÃO Documento Síntese (DS) informações sobre o processo produtivo inventário de riscos fontes, medidas preventivas existentes, severidade e probabilidade dos danos e nível de risco estimado. série histórica de avaliações quantitativas dados sobre agravos à saúde (10 anos) resumo das ações preventivas fontes de informação para o D.S assinatura do responsável legal. revisão bienal ou se necessário

36 SISTEMA DE GESTIÓN DE LA PREVENCIÓN DE RIESGOS LABORALES - GUÍA PARA LA PEQUEÑA Y MEDIANA EMPRESA - INSHT, 2010

37 Se não identificadas fontes de risco (desde que haja medidas gerais de ordem, limpeza, segurança e conforto): declaração expressa e justificada pelo empregador. DS não dispensa outros documentos e obrigações das Normas Regulamentadoras Poderão ser aceitos pela fiscalização documentos de gestão de riscos se comprovada equivalência com NRs.

38 5. OBRIGAÇÕES DOS EMPREGADORES cumprir e fazer cumprir NRs levar em conta os riscos na concepção dos métodos e locais de trabalho custear todas as ações de prevenção em SST assegurar capacitação e meios materiais garantir informações sobre riscos a todos possibilitar a participação dos trabalhadores

39 OBRIGAÇÕES DOS EMPREGADORES Inexistindo parâmetros específicos nas NRs utilizar normas técnicas oficiais aplicáveis Garantir que prepostos possam discutir tecnicamente e decidir sobre ações preventivas. Solidariamente responsáveis a organização principal e cada uma das subordinadas sempre que estiverem sob controle de outra, constituindo grupo econômico Informar aos trabalhadores sobre riscos, medidas de prevenção, resultados dos exames médicos, resultados das medições ambientais, meios seguros de atuação frente a emergências e risco grave e iminente.

40 OBRIGAÇÕES DOS EMPREGADORES Permitir que representantes dos trabalhadores acompanhem a fiscalização das NRs Garantir interrupção do trabalho quando de evidências ou suspeição razoável da existência de riscos A utilização de serviços de outros trabalhadores e empresas não isenta o empregador de sua responsabilidade sobre todos os trabalhadores envolvidos.

41 6. PARTICIPAÇÃO DOS TRABALHADORES NA PREVENÇÃO EM SST Direito de ser informado corretamente sobre: riscos, medições ambientais, medidas de prevenção análises e as medidas preventivas em eventos adversos resultados do acompanhamento da saúde, individual e coletiva Direito de apresentar propostas de medidas preventivas Direito de recusa, sem qualquer prejuízo

42 6. PARTICIPAÇÃO DOS TRABALHADORES NA PREVENÇÃO EM SST Obrigações utilizar corretamente equipamentos e substâncias comunicar situações de riscos utilizar e cuidar corretamente de EPI submeter-se aos exames médicos Deve ser garantido aos trabalhadores de organizações contratantes e contratadas nível equivalente de segurança, conforto e condições de trabalho.

43 7. PREPARAÇÃO PARA EMERGÊNCIAS O empregador deve estar preparado para incidentes, acidentes, emergências (primeiros socorros, incêndios) conforme porte da organização Capacitação de pessoal A atuação dos sistemas públicos não dispensa o empregador

44 8. ACOMPANHAMENTO DA SAÚDE DOS TRABALHADORES Integradas às ações de prevenção Mínimo: PCMSO e NRs aplicáveis. Avaliação continuada dos dados individuais e coletivos Utilizado para: rastrear e detectar precocemente agravos à saúde subsidiar medidas preventivas adicionais; avaliar a eficácia das medidas preventivas definir a aptidão com o objetivo primordial de adaptar o trabalho ao trabalhador; subsidiar métodos epidemiológicos e estatísticos coletivos subsidiar afastamentos, CAT e Previdência Social indicar acompanhamento especial

45 8. ACOMPANHAMENTO DA SAÚDE DOS TRABALHADORES Profissionais familiarizados com patologia ocupacional, ambiente e riscos Vigilância passiva e ativa Relatórios com evolução da saúde coletiva na organização Prontuários médicos: condições habituais de trabalho (coerente com registros previdenciários) perfil de exposição descrição de proteção coletiva e individual Garantia de acesso ao prontuário médico e retificação se necessário - Sigilo médico Acompanhamento da saúde não pode ter caráter de seleção de pessoal

46 9. ANÁLISE DE ACIDENTES E AGRAVOS À SAÚDE DOS TRABALHADORES Obrigação de registro, comunicação e análise de acidentes de trabalho e de danos de origem ocupacional, comprovados ou objeto de suspeita Pessoal com competência para análise e intervenção sobre as situações geradoras dos eventos Obrigação de medidas para eliminação ou redução dos riscos identificados nas análises

47 9. ANÁLISE DE ACIDENTES E AGRAVOS À SAÚDE DOS TRABALHADORES Análises devem Utilizar métodos MTE Considerar a realidade das situações Evitar conclusões reducionistas e discussão de comportamentos Aferir a efetividade das medidas de prevenção Propor as medidas necessárias.

48 10. RELAÇÕES CONTRATANTES E CONTRATADAS A contratante é responsável pela segurança e saúde de todos os trabalhadores envolvidos, empregados próprios ou não. Informações recíprocas Avaliação de riscos gerados pela interação Informações sobre fontes de riscos Capacitação de contratados, inspeções periódicas Contratada deve incluir em sua avaliação de riscos os riscos adicionais

49 11. CAPACITAÇÃO DE TRABALHADORES Riscos gerais e específicos Normas Regulamentadoras e outras aplicáveis Preparação para atuação frente a emergências Eficácia e limitações das medidas de prevenção e proteção Atualização em mudanças, novas tecnologias, riscos adicionais, ausências Capacitação após a admissão, custeio pelo empregador

50 12. PREVENÇÃO EM SST PARA TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA, REABILITADOS, READAPTADOS OU EM SITUAÇÃO DE MAIOR VULNERABILIDADE Proteção especial e facilitação de desempenho Eliminar ou reduzir riscos de agravos à saúde e integridade física e moral Adaptar o trabalho às limitações Consultar e permitir a participação dos trabalhadores Avaliar riscos específicos Definir aptidão à função Providenciar ajudas técnicas necessárias Continua...

51 12. PREVENÇÃO EM SST PARA TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA, REABILITADOS, READAPTADOS OU EM SITUAÇÃO DE MAIOR VULNERABILIDADE Estimular capacitação e aproveitamento de capacidades; Proteger contra discriminação e assédio moral Condições sanitárias e de conforto Capacitação específica Levar em conta menores e trabalhadoras grávidas e lactantes

52 GLOSSÁRIO E DEFINIÇÕES 45 itens buscando atualização e padronização de termos e expressões usados em gerenciamento de segurança e saúde no trabalho e nas Normas Regulamentadoras

53 Sugestões, críticas e elogios: DSST SIT MTE, até 25 de setembro de 2014 Contatos: Airton Marinho SRTE MG: Gilmar Trivelato

54

55 4 Níveis de risco Muito alto O trabalho não deve ser iniciado ou continuado até que sejam adotadas medidas que eliminem ou reduzam o risco, Alto Medidas imediatas que eliminem ou reduzam o risco, priorizando-se medidas de caráter coletivo. Medidas complementares em tempo definido.

56 Níveis de risco Moderado manutenção e eficácia das medidas de prevenção existentes Baixo manutenção das condições de trabalho e as medidas de prevenção existentes.

57 LEVE GRAVE SEVERIDADE DOS DANOS POSSÍVEIS

58

59 FATORES DE RISCO

60 Comunicar e consultar Monitorar e rever Contexto Avaliação de riscos Identificar riscos Analisar riscos Julgar riscos Reduzir/Eliminar riscos Visão geral do processo de gestão de riscos Adaptado de AS/NZS 4360: 2004 Risk Management

61 Conteúdo e novidades Documento Síntese Inventário de riscos e medidas preventivas Informações sobre o processo produtivo Registros das avaliações de riscos e ações de prevenção Sem objetivo de utilização como laudos Indicação, para cada risco identificado, das fontes, medidas preventivas existentes e níveis de risco, cronograma, responsáveis, recursos

CONSULTA PÚBLICA Nova NR-01 (Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho)

CONSULTA PÚBLICA Nova NR-01 (Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação da nova Norma Regulamentadora n.º 01 (Prevenção

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

NR-01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Proposta extraída nas discussões com Técnicos de Segurança do Trabalho via SINTESP

NR-01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Proposta extraída nas discussões com Técnicos de Segurança do Trabalho via SINTESP NR-01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Proposta extraída nas discussões com Técnicos de Segurança do Trabalho via SINTESP XX. OBJETIVO E APLICAÇÃO TEXTO COM ALTERAÇÕES xx. Esta norma estabelece

Leia mais

A NOVA NR 01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Posicionamento ANAMT

A NOVA NR 01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Posicionamento ANAMT A NOVA NR 01 - Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho Posicionamento ANAMT VERSÃO PARA CONSULTA I Importância da NR 01 Para iniciar nossa avaliação da Norma Regulamentadora (NR), cumpre-nos destacar

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

Gestão da Implementação das Normas Regulamentadoras. Pontuando a Revisão das. NR-1 e NR-15. AFT Luiz Alfredo Scienza Ministério do Trabalho e Emprego

Gestão da Implementação das Normas Regulamentadoras. Pontuando a Revisão das. NR-1 e NR-15. AFT Luiz Alfredo Scienza Ministério do Trabalho e Emprego Gestão da Implementação das Normas Regulamentadoras Pontuando a Revisão das NR-1 e NR-15 AFT Luiz Alfredo Scienza Ministério do Trabalho e Emprego Processo de Regulação Normativa em SST GOVERNO TRABALHADORES

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO O PCMSOé definido e regulamentado pela Norma Regulamentadora nº 7, contida na Portaria 3214, de 8 de Junho de 1978, do Ministério do Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS

LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS LÓGICA DA GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS III Seminário Estadual de Acidentes com Produtos Perigosos Belo Horizonte, 27 a 29 de maio de 2008. Gilmar da Cunha Trivelato FUNDACENTRO - CRMG Objetivo

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Cesar Penteado Kossa. Outubro/2014

Cesar Penteado Kossa. Outubro/2014 Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho Fundacentro Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho na construção de rodovias: Estudo de caso com foco na atividade de terraplenagem

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

2º ENCONTRO DE CIPAs URBANITÁRIAS RESPONSABILIDADES EM ACIDENTES DE TRABALHO. Santos (SP), 24/04/12

2º ENCONTRO DE CIPAs URBANITÁRIAS RESPONSABILIDADES EM ACIDENTES DE TRABALHO. Santos (SP), 24/04/12 2º ENCONTRO DE CIPAs URBANITÁRIAS RESPONSABILIDADES EM ACIDENTES DE TRABALHO Santos (SP), 24/04/12 LEGISLAÇÃO Artigo 7. Da Constituição Federal: São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação:

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação: MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO MED-SET QUALIDADE DE VIDA 1 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL EMPRESA: BORSARI - ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO 08/12/2011 São Paulo 1 CAUSAS DE ACIDENTES GRAVES E FATAIS Queda é a uma das principais p causas acidentes fatais no Brasil eno mundo. de Início da queda Fases de uma queda

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria MTE n.º 593, de 28 de abril

Leia mais

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA)

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) Ministério da Saúde - MS Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Diretoria de Recursos Humanos - DIREH COORDENAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR - CST PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA Michel Epelbaum ellux consultoria 25/08/2006 Temos poucos acidentes c/ afastamento, então porque precisamos melhorar a gestão de SOS? Enquanto isto, por

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 Esta norma estabelece a relação de obrigatoriedade para os empregadores e instituições que admitam empregados, da Elaboração de um Programa de

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 BOLETIM INFORMATIVO Nº 28/2015 ANO XII (13 de agosto de 2015) 01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 Embora o esocial passe efetivamente a ser obrigatório a partir de setembro de 2016,

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA Obs: 1- A Portaria MTE 593/2014 entra em vigor na data de sua publicação(28.04.2014), com exceção dos itens 2.1, alínea "b", e 3.2 do Anexo I - Acesso

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito LEI Nº0138/2014, DE 20 JANEIRO DE 2014. DISPÕE SOBRE: INSTITUI O SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHOR E DA TRABALHADORA - SESST NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA... 1 3.0 DEFINIÇÕES... 2 4.0 RESPONSABILIDADES... 5

LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA... 1 3.0 DEFINIÇÕES... 2 4.0 RESPONSABILIDADES... 5 Título LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES Código EMAP-PC-20 Versão 0 Data 05/03/2015 Elaborado Por Aprovado por Francisco Lusivaldo M. Bezerra Daniel Aroucha INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA...

Leia mais

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho Segurança o Tempo Todo Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais,

Leia mais

O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário

O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário 1 O PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário Compilação e comentários de Airton Marinho da Silva, Auditor Fiscal do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego As Leis 8212 e 8213/91 regulamentam os

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR II.7.7 PROGRAMA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE SMS DO TRABALHADOR 1. Introdução e justificativa Este programa justifica-se pela importância em se desenvolver e implementar ações que visem garantir

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA.

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenadoria de Qualidade de Vida do Servidor PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PREFEITURA

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 18/ 02 /2008 17 / 02/2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Vitual Machine CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200 Grau

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Rede Completa Orientações Gerais MANUAL DE UTILIZAÇÃO Rede Completa Orientações Gerais Geremed Saúde e Segurança Ocupacional Ltda. 2011 3 de Prezado Cliente: Parabéns! Você é um CLIENTE GEREMED e para nós, isso é um motivo de grande satisfação.

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural

Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural Propostas de Adeqüação das Leis Trabalhistas e de Segurança do Trabalho Rural Área dos estabelecimentos agropecuários O Brasil possui 851 milhões de hectares 27% = Área ocupada com a produção agropecuária

Leia mais

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Natalia Sousa ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Para cada exame médico ocupacional realizado, o médico emitirá o ASO (Atestado de Saúde Ocupacional) em duas vias:

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais MANUAL DO CLIENTE Orientações Gerais 2 Prezado Cliente: O compromisso da ESAME é oferecer a você o melhor serviço na área de Saúde e Segurança no Trabalho, assegurando a qualidade nos procedimentos médicos,

Leia mais