PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO"

Transcrição

1 ENTRE: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO 1 - MAPFRE SEGUROS GERAIS, S.A., com o número único de matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e de pessoa colectiva , com sede na Rua Castilho, 52 1.º, Lisboa, aqui representada pelo Dr. Pedro Ribeiro e Silva, na qualidade de procurador, com poderes para este acto, conforme documento comprovativo que se anexa ao presente Protocolo, como Primeira Outorgante, adiante designada por MAPFRE, 2 - ORDEM DOS ADVOGADOS, associação pública, pessoa colectiva n.º , com sede no Largo de São Domingos, 14 1.º, Lisboa, neste acto representada pelo Senhor Dr. António Marinho Pinto, na qualidade de Bastonário, com os necessários poderes para este acto, como Segunda Outorgante, adiante designada por OA, 3 - AON PORTUGAL CORRETORES DE SEGUROS, S.A., com o número único de matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e de pessoa colectiva , com sede na Av. da Liberdade, º, Lisboa, neste acto representada pelos Senhores Drs. Eduardo Dávila e Gabriel Zaballa, na qualidade de Administrador Delegado e Procurador, respectivamente, com os necessários poderes para este acto, como Terceira Outorgante, adiante designada por AON, Considerando que: a) A MAPFRE é uma empresa de seguros devidamente autorizada a operar em Portugal, desenvolvendo a sua actividade no ramo Não Vida nos termos em que se encontram consentidos pelo Instituto de Seguros de Portugal, na sua qualidade de entidade supervisora da actividade seguradora; 1

2 b) A OA é a associação pública representativa dos Licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos do Estatuto da Ordem dos Advogados (Lei n.º 15/2005, de 26 de Janeiro) e demais disposições legais aplicáveis, exercem profissionalmente a advocacia, a qual congrega actualmente cerca de 27 mil advogados com inscrição em vigor; c) A AON é um agrupamento de empresas multinacional, com representação em Portugal, líder em serviços especializados de Consultoria de Riscos, Corretagem de Seguros e Gestão de Riscos, e com presença em mais de 120 países, através de 600 escritórios e empregados; d) A OA tem, no âmbito das suas atribuições estatutárias, o propósito de dinamizar e fomentar a interligação com os seus associados em áreas diversificadas, proporcionando aos seus associados diversas vantagens e benefícios na aquisição e subscrição de produtos e na prestação de serviços por parte de terceiros; e) Constitui propósito de as outorgantes celebrarem o presente Protocolo de Colaboração para comercialização, preferencialmente por intermediação da AON, de acordo com as regras legais em vigor relativas à mediação de seguros, de soluções de produtos de seguros do ramo Não Vida aos associados e funcionários da Ordem dos Advogados, ao abrigo do qual sejam especialmente concedidos pela MAPFRE benefícios à OA a usufruir pelos seus associados, Advogados Estagiários com inscrição em vigor, Advogados com inscrição em vigor e que não tenham mais de duas quotas em atraso, bem pelos funcionários da Ordem dos Advogados; f) Para a concessão efectiva deste tipo de benefícios especiais aos seus associados, a OA pretende constituir uma relação de parceria, sem carácter de exclusividade, com uma Seguradora. É acordado e reciprocamente aceite o presente Protocolo de Colaboração que se rege pelas cláusulas seguintes, de que os precedentes considerandos fazem parte integrante: 2

3 CLÁUSULA PRIMEIRA (Produtos) 1. Os produtos/apólices do ramo Não Vida a distribuir e comercializar pela MAPFRE ao abrigo do presente Protocolo são os que constam do ANEXO I do mesmo, bem como os que vierem a ser acordados entre as outorgantes mediante adendas ao Protocolo, cujas fichas de produto serão inseridas no ANEXO I e do mesmo passarão a fazer parte integrante do presente Protocolo. 2. Relativamente à ficha de cada produto deverá ser acordado, designadamente: a) A ficha técnica do produto; b) As condições de comercialização; c) As contrapartidas a haver entre as outorgantes. 3. Os produtos a ser comercializados serão complementados por uma lógica de divulgação e captação via Web e Telefone, com inserções no site de internet das outorgantes, mediante o apoio para concretização/formalização via Call Back 4. Nas operações de comercialização de cada um dos produtos a comercializar nos termos e ao abrigo do presente Protocolo deverão ser observados os procedimentos operacionais constantes do ANEXO II que constitui igualmente parte integrante do presente Protocolo. CLÁUSULA SEGUNDA (Compromissos das Partes Outorgantes) 1. Constitui responsabilidade e competência da MAPFRE e da AON todos os aspectos relacionados com o serviço pós-venda, o qual deverá ser prestado de acordo com os parâmetros de qualidade resultantes dos procedimentos constantes do ANEXO II. 3

4 2. A actividade da OA será desenvolvida, através da divulgação junto dos seus associados (Advogados e Advogados Estagiários com inscrição em vigor), e funcionários da O.A., dos produtos de seguros previstos neste Protocolo, não intervindo, nem podendo vincular a MAPFRE, em actuações relativas à aceitação e tramitação de sinistros, resolução de reclamações e assunção de compromissos ou responsabilidades de qualquer natureza. 3. Caso a OA venha a receber notificações/reclamações relacionadas com os produtos comercializados ao abrigo deste protocolo, deverá remetê-las de imediato à MAPFRE, para lhes serem aplicados os procedimentos de resposta e tratamento de reclamações, conforme previsto e imposto pela Entidade de Supervisão da Actividade Seguradora (ISP). 4. A AON compromete-se a envidar todos os esforços no sentido de colaborar com a MAPFRE no cumprimento dos prazos previstos no Decreto-Lei n.º 291/2007, de 21 de Agosto. CLÁUSULA TERCEIRA (Compromissos da AON) 1. Assegurar, com a devida diligência e dentro dos prazos legais, o cumprimento dos procedimentos específicos acordados no ANEXO II; 2. Informar quais as pessoas que irão efectuar a articulação operacional entre as outorgantes, sobre as normas e procedimentos acordados com a MAPFRE e a OA; 3. Desenvolver através dos seus serviços de tecnologias, em articulação com os serviços de tecnologias da MAPFRE e da OA, um micro site personalizado com informação relativa ao Programa de Seguros, suas vantagens, bem como outras informações relevantes, e possibilidades de simulação; 4. Intermediar a contratação dos seguros de acordo com as normas, procedimentos, selecção e prémios estabelecidos pela MAPFRE e referidos no ANEXO I; 5. Assegurar, com a devida diligência, o cumprimento das instruções específicas acordadas com a MAPFRE e a OA; 6. Colaborar com a OA na melhoria do serviço aos seus associados, com todos os meios ao seu alcance, tendo em atenção os fins do presente protocolo. 4

5 CLÁUSULA QUARTA (Compromissos da MAPFRE) 1. Assegurar, com a devida diligência e dentro dos prazos legais, o cumprimento dos procedimentos específicos acordados no ANEXO II; 2. Informar quais as pessoas que irão efectuar a articulação operacional entre as outorgantes, sobre as normas e procedimentos acordados com a AON e a OA; 3. Desenvolver através dos seus serviços de tecnologias, em articulação com os serviços de tecnologias da AON, um micro site personalizado com informação relativa ao Programa de Seguros, suas vantagens, bem como outras informações relevantes, e possibilidades de simulação; 4. Conceder preferência à OA na contratação dos produtos indicados no ANEXO I quando esta se assumir como tomador do seguro; 5. Conceder preferência aos associados da OA (Advogados e Advogados Estagiários com inscrição em vigor) e funcionários da OA na contratação dos produtos indicados no ANEXO I, não podendo a MAPFRE responsabilizar-se por quaisquer contratações avulsas e/ou individuais, concretizadas noutras condições, que possam decorrer das mesmas, quando os seus associados decidam utilizar pontos de comercialização afectos à rede MAPFRE. Para o efeito, os associados da OA deverão em qualquer potencial contratação dos seguros indicados no ANEXO I identificar-se e demonstrar, inequivocamente, essa qualidade; 6. Assegurar, com a devida diligência, o cumprimento das instruções específicas acordadas com a OA e a AON; 7. Colaborar com a OA na melhoria do serviço aos seus associados, com todos os meios ao seu alcance, tendo em atenção os fins do presente protocolo; 8. Garantir o cumprimento das tarifas e respectivas condições tarifárias, bem como dos respectivos procedimentos e obrigações, conforme o estipulado nos ANEXOS I e II. 5

6 9. De molde a assegurar o cumprimento do disposto no n.º 5 da presente cláusula, a MAPFRE deverá solicitar bimestralmente junto da OA dados referentes ao cumprimento da obrigação de pagamento de quotas dos Advogados com inscrição em vigor na OA, designadamente, solicitando indicação dos associados com a inscrição em vigor que tenham duas ou mais quotas em atraso. 10. Permitir que os associados e funcionários da O.A. que anteriormente à celebração do presente Protocolo tenham subscrito com a MAPFRE apólices de seguro no âmbito dos seguros previstos no ANEXO I, possam beneficiar das condições previstas no Protocolo. CLÁUSULA QUINTA (Compromissos da O.A.) 1. Assegurar, com a devida diligência e dentro dos prazos legais, o cumprimento dos procedimentos específicos acordados no ANEXO II; 2. Informar quais as pessoas que irão efectuar a articulação operacional entre as outorgantes, sobre as normas e procedimentos acordados com a MAPFRE, AON e OA. 3. Disponibilizar aos seus associados com inscrição em vigor e seus funcionários a possibilidade de acederem a um micro site personalizado (a desenvolver pelos serviços de tecnologias da MAPFRE e AON) com informação relativa ao Programa de Seguros, suas vantagens, bem como outras informações relevantes, podendo efectuar a simulação e contratação on-line do seguro MAPFRE-AUTO, com condições especiais; 4. Assegurar, com a devida diligência, o cumprimento das instruções específicas acordadas com a MAPFRE e a AON; 6

7 CLÁUSULA SEXTA (Garantias de confidencialidade) 1. Com a celebração do presente Protocolo as Partes Outorgantes obrigam-se a guardar sigilo sobre as informações a que venham a ter acesso em virtude da colaboração estabelecida ou que venha a ser desenvolvida na execução do presente Protocolo. 2. Com a celebração do presente Protocolo as Partes Outorgantes vinculamse, recíproca e conjuntamente, a cumprir com todas as disposições legais e regulamentares em matéria de protecção de dados pessoais. 3. A MAPFRE e a AON, bem como os seus trabalhadores, colaboradores ou mandatários, obriga-se, durante a vigência do presente Protocolo e após a sua cessação, a manter confidencialidade de todos os dossiers, arquivos, documentos, dados e informações obtidos ou de que possa ter conhecimento, relativos à OA (incluindo os seus colaboradores), a outras entidades ou aos seus associados, nomeadamente sobre a sua organização, serviços prestados e qualquer outro dado de natureza financeira e/ou técnica, não podendo, designadamente, extrair cópias, divulgá-los ou comunicá-los a terceiros. 4. As Partes Outorgantes comprometem-se a observar rigoroso sigilo no que concerne a informações técnicas, comerciais e outras que, no âmbito da execução do presente protocolo, venham a tomar conhecimento. CLÁUSULA SÉTIMA (Confidencialidade e bases de dados) 1. Com ressalva dos deveres de comunicação e informação para com as autoridades reguladoras competentes, as outorgantes obrigam-se a manter sob estrita confidencialidade as condições do presente protocolo, bem como quaisquer outras informações que, na execução dele, obtenham acerca da outra ou outras, salvo se esta (s) der (em) o consentimento à divulgação das mesmas ou se tais informações forem ou se tornarem do domínio público e desde que, neste caso, tal publicação não tenha como causa a violação deste dever de confidencialidade. 2. A obrigação de confidencialidade subsiste mesmo depois da cessação, por qualquer causa, do presente Protocolo. 3. Excepto nos casos previstos na lei, a MAPFRE, a OA e a AON ficam sujeitos ao dever de confidencialidade com integral respeito por todos os elementos 7

8 de informação e pelos dados recolhidos, seja de que natureza for, no âmbito da colaboração estabelecida ao abrigo deste Protocolo. 4. Sem prejuízo do número anterior e salvo autorização expressa de qualquer das outorgantes e dos seus clientes, a MAPFRE, a OA e a AON, comprometemse, entre si, a manter estritamente confidencial, não transmitir a terceiros, nem para qualquer outro fim, as informações prestadas pelas outorgantes relativas aos dados dos seus clientes, incluindo a utilização das respectivas bases de dados. 5. Para efeitos do número anterior, entende-se por qualquer outro fim toda e qualquer divulgação de informação que não tenha enquadramento com o âmbito da prestação de serviços consignada no presente protocolo, pelo que se excepciona o uso da base de dados pela MAPFRE Asistencia e empresas do Grupo Aon, bem como as informações divulgadas no âmbito dos sites utilizados para a comercialização dos produtos de seguros objecto do presente protocolo, os quais se encontram abrangidos por compromissos de confidencialidade e por condições estritas de utilização. 6. Existindo a autorização prevista no n.º 1, a AON poderá utilizar a base de dados da OA, na qualidade de proprietária da referida base de dados, para os fins que os respectivos associados expressamente autorizarem e nos estritos termos da legislação aplicável (Lei de Protecção de Dados Pessoais). 7. Os serviços objecto do presente protocolo serão prestados pelas outorgantes na mais estrita confidencialidade, não podendo, em consequência, ser divulgados a terceiros quaisquer informações técnicas ou documentos que recebam da outra outorgante, incluindo carteira de clientes, ou que venham a ter acesso, independentemente da sua fonte, por efeito da sua execução, salvo autorização expressa por escrito da outra outorgante, perdurando esta obrigação para além do termo do presente protocolo. CLÁUSULA OITAVA (Gestão da Carteira e Base de Dados) Verificada a cessação do presente protocolo, as partes comprometem-se a acordar os termos e as condições necessárias à gestão das apólices que se encontrarem em vigor com o objectivo de manter e assegurar aos respectivos tomadores os níveis e necessidades de serviço que lhes assistem. 8

9 CLÁUSULA NONA (Comissão de acompanhamento) 1. As Partes Outorgantes acordam em constituir uma comissão de acompanhamento da gestão das obrigações do presente protocolo, que será constituída por 6 membros, 2 em representação da MAPFRE, 2 em representação da OA e 2 em representação da AON, e reunirá, por solicitação de qualquer das outorgantes, em data e hora a acordar. 2. Das reuniões da comissão de acompanhamento serão lavradas actas assinadas pelos respectivos membros. 3. Os membros da comissão de acompanhamento serão designados por cada uma das outorgantes por qualquer meio escrito. 4. Os membros da comissão de acompanhamento poderão ser substituídos pelas Partes Outorgantes que os designarem, bastando para o efeito uma comunicação escrita à outra outorgante. 5. A O.A. designa desde já os seguintes membros para a Comissão de Acompanhamento: Dra. Fátima Bento Vogal do Conselho Geral da Ordem dos Advogados; Dr. Pedro Benodis Silva Departamento Jurídico do Conselho Geral da Ordem dos Advogados. 6. A AON designa desde já os seguintes membros para a Comissão de Acompanhamento: Dra. Pilar Malheiro Directora Departamento Affinity; Dr. Pedro Costa Santos Departamento Jurídico AON; 7 - A MAPFRE designa desde já os seguintes membros para a Comissão de Acompanhamento: Dr. Pedro Ribeiro e Silva Director dos Serviços Jurídicos da MAPFRE; Sr. Manuel Alcântara Director dos Serviços de Venda Negócios Especiais/Empresas e Corretores da MAPFRE. 9

10 CLÁUSULA DÉCIMA (Vigência) O presente Protocolo tem início em 01 de Maio de 2010 e termo em 30 de Abril de 2011, renovando-se automaticamente por períodos sucessivos de um ano se qualquer uma das outorgantes não notificar, por escrito, através de carta registada com aviso de recepção, as outras com 30 (trinta) dias de antecedência relativamente ao termo do período inicial de vigência do Protocolo ou de qualquer uma das suas renovações. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA (Resolução) 1. Em caso de incumprimento do presente Protocolo por qualquer uma das Partes Outorgantes, procurar-se-á solucionar consensualmente a ocorrência que originou tal incumprimento, podendo, se se constatar a impossibilidade de solução, a outorgante não faltosa resolver este protocolo, mediante notificação escrita enviada para a outorgante faltosa com a explanação do motivo invocado, produzindo tal resolução efeitos 30 (trinta) dias depois. 2. Sem prejuízo do referido no número anterior, constitui justa causa de resolução do presente Protocolo qualquer um dos seguintes eventos: a) Violação de qualquer cláusula do presente Protocolo; b) Dissolução da Primeira ou da Terceira Outorgante; c) Apresentação pelas outorgantes AON e MAPFRE de pedidos de insolvência, concordata, moratória, processo especial de recuperação de empresas ou a declaração judicial de insolvência. 3. O pedido de resolução de uma das partes, por incumprimento de uma outorgante faltosa, produz efeitos para todas as partes outorgantes. CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA (Inaplicabilidade, invalidade, ineficácia e alterações) 1. A inaplicabilidade, invalidade ou ineficácia de qualquer cláusula, ou parte dela, do presente protocolo, não implicará a inaplicabilidade, invalidade ou ineficácia das outras, nem da parte restante, nem da essência, objecto e fins do protocolo. 2. Qualquer alteração ou aditamento ao presente Protocolo apenas será válida e eficaz se efectuada por escrito e assinada por todas as outorgantes. 10

11 CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA (Comunicações, ANEXOS, prazos, erros e omissões) 1. As comunicações a que haja lugar entre as Partes Outorgantes ao abrigo deste Protocolo serão efectuadas por escrito, por meio de correio registado, por fax, ou por , para os seguintes endereços: ORDEM DOS ADVOGADOS MAPFRE AON Correio registado Largo de S. Domingos, 14 1.º LISBOA Rua Castilho, Lisboa Avenida da Liberdade, 249-2º Lisboa FAX Todos os ANEXOS mencionados constituem parte integrante do presente Protocolo. 3. Todos os prazos ou datas aqui mencionados que não correspondam a dias úteis, transitam para o dia útil imediatamente seguinte. 4. Os erros, omissões e lapsos não afectam a validade do protocolo e não prejudicarão os direitos de qualquer das outorgantes, devendo no entanto ser corrigidos logo que detectados, por forma a que a situação alcançada seja aquela que se apresentaria no caso do erro, omissão ou lapso não se ter verificado. CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA (Cessão da posição contratual) 1. A MAPFRE e a AON não poderão ceder a terceiros a sua posição contratual no âmbito deste Protocolo, sem o prévio e expresso consentimento da OA. 2. Não ficará prejudicada a vigência deste protocolo, caso ocorra a fusão de qualquer uma das Partes Outorgantes com terceiras entidades seguradoras ou mediadoras de seguros/resseguros, consoante o caso, sem o prévio e expresso consentimento da OA. 11

12 CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA (Arbitragem e foro competente) 1. Qualquer divergência relativa à interpretação, integração ou aplicação das disposições do presente Protocolo pode ser resolvida por arbitragem nos termos da lei em vigor. 2. O Tribunal Arbitral funcionará em Lisboa e será constituído por três membros. Cada uma das outorgantes nomeará um árbitro e o terceiro será escolhido por acordo entre os árbitros designados pelas outorgantes. 3. Se as outorgantes não acordarem no recurso à arbitragem, será competente para qualquer acção emergente deste protocolo o foro da Comarca de Lisboa, com renúncia expressa a qualquer outro. Celebrado em Lisboa, em 22 de Abril de 2010 em três exemplares, destinandose um exemplar a cada uma das outorgantes. MAPFRE (Procurador) OA (Bastonário) AON (Administrador Delegado e Procurador) 12

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE: MÉDIS COMPANHIA PORTUGUESA DE SEGUROS DE SAÚDE, S.A., com o número único de matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e de pessoa colectiva 501 836 918,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE, ORDEM DOS ADVOGADOS, pessoa colectiva n.º 500 965 099, com sede em Lisboa, no Largo de S. Domingos, n.º 14-1.º, neste acto representada pelo senhor Dr. António Marinho e

Leia mais

PROTOCOLO. 1. A Fidelidade Mundial é uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal;

PROTOCOLO. 1. A Fidelidade Mundial é uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal; PROTOCOLO Entre Sindicato dos Educadores e Professores Licenciados pelas Escolas Superiores de Educação e Universidades, pessoa colectiva número 503 902233, com sede em Lisboa, na Avenida de Paris, nº

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC

CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC Aos.., dias do mês de... do ano de 200.. Entre: PRIMEIRO: CONSELHO DA FILEIRA FLORESTAL PORTUGUESA, designado por CFFP, pessoa colectiva número, com sede na Rua

Leia mais

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas Regulamento de Bolsas do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas CAPITULO I DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo primeiro Âmbito 1. O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

Convenção de Mediação. I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º: II. Nome:, estado civil:, capacidade:,

Convenção de Mediação. I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º: II. Nome:, estado civil:, capacidade:, Convenção de Mediação Entre: I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º:, contribuinte fiscal n.º:, residente em: ; II. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete

Leia mais

Contrato de Mediação Imobiliária

Contrato de Mediação Imobiliária Contrato de Mediação Imobiliária (Nos termos da Lei n.º 15/2013, de 08.02) Entre: ESTAMO PARTICIPAÇÕES IMOBILIÁRIAS, S.A., com sede na Av. Defensores de Chaves, n.º 6 4.º, em Lisboa, matriculada na Conservatória

Leia mais

CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N

CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N (rubricar) CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N.º 153/2003, DE 11 DE JULHO Entre: Por uma parte, Sogilub - Sociedade

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

ENTRE CTOC CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS AVS CORRETORES DE SEGUROS COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE BANCO ESPIRITO SANTO

ENTRE CTOC CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS AVS CORRETORES DE SEGUROS COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE BANCO ESPIRITO SANTO PROTOCOLO D ACORDO NTR CTOC CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS D CONTAS AVS CORRTORS D SGUROS COMPANHIA D SGUROS TRANQUILIDAD BANCO SPIRITO SANTO NTR: CTOC - CÂMARA D TÉCNICOS OFICIAIS D CONTAS, com sede na

Leia mais

AXA PORTUGAL AHETA EG SEGUROS

AXA PORTUGAL AHETA EG SEGUROS PROTOCOLO DE COMERCIALIZAÇÃO AXA PORTUGAL e AHETA e EG SEGUROS Entre AXA PORTUGAL, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A., Pessoa Colectiva N.º 503.454.109, com sede na Rua Gonçalo Sampaio, 39, na cidade do Porto,

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO

CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO Considerando que: O voluntariado está a crescer no nosso país, ganhando cada vez mais expressão e importância, tanto para quem o pratica

Leia mais

Plano Empresas Reforma

Plano Empresas Reforma Plano Empresas Reforma Condições gerais e especiais 1110599-01.20104 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. - Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 6 1069-001 Lisboa Telef. 808 243 000 - Fax

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. E CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. E CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. E CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS Entre: Companhia de Seguros Tranquilidade S.A., com o capital social de 95.000.000 (noventa

Leia mais

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto Caderno de encargos Parte I Do contrato Artigo 1.º Objecto O presente caderno de encargos tem por objecto a aquisição, ao abrigo do Acordo Quadro Nº 10 para serviços de comunicações de voz e dados em local

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre: Município da Nazaré, pessoa colectiva nº 507 012 100, com sede na Avenida Vieira Guimarães, n.º 54, Nazaré, através do seu órgão executivo, Câmara Municipal da Nazaré, representado

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES Considerando que: nos termos legais e regulamentares aplicáveis, o FUNDO DE GARANTIA AUTOMÓVEL, entre outras atribuições,

Leia mais

representada por Henrique Amorim Faria de Araújo, Administrador e Dídia Sónia dos

representada por Henrique Amorim Faria de Araújo, Administrador e Dídia Sónia dos PROTOCOLO Entre COSTA DUARTE - Corretor de Seguros, SA, inscrito no Instituto de Seguros de Portugal sob o n.º 607084984/3, com sede na Av. António Augusto de Aguiar, 130, 4º, 1050-020 Lisboa, matriculada

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO SEGUROS 2014/2015

PROTOCOLO SEGUROS 2014/2015 PROTOCOLO SEGUROS 2014/2015 PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre: GIANT UNDERWRITING, LDA. com morada na Avenida do Parque, Lote 137, Loja B, 2635-298 Rio de Mouro, contribuinte n.º 510084923, adiante designada

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: ESTAMO PARTICIPAÇÕES IMOBILIÁRIAS, S.A., pessoa colectiva número 503152544, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, com sede na Av. Defensores

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO

ACORDO DE COLABORAÇÃO ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE: Primeira outorgante: ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGEM E TURISMO, pessoa colectiva nº 500 910 839 com sede na Rua Duque de Palmela, nº 2 1º Dtº - 1250 098 LISBOA,

Leia mais

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas

Condições Gerais do Serviço BIC Net Empresas Entre o Banco BIC Português, S.A., Sociedade Comercial Anónima, com sede na Av. António Augusto de Aguiar, nº132 1050-020 Lisboa, pessoa colectiva nº 507880510, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

Deliberação 20141108.11 Aprovação do protocolo com a AMA

Deliberação 20141108.11 Aprovação do protocolo com a AMA Deliberação pública Deliberação 20141108.11 Aprovação do protocolo com a AMA Considerando que: a) Constituem, entre outras, atribuições da Câmara dos Solicitadores colaborar na administração da justiça,

Leia mais

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S)

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) ENTRE ALTAVISA GESTÃO DE PATRIMÓNIOS, S.A., pessoa colectiva n.º 507 309 189, com sede em Matosinhos, na Rua Roberto Ivens, n.º 1280, 1.º andar sala 6 4450 251 Matosinhos,

Leia mais

Contrato de Aquisição de Conhecimentos. Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular

Contrato de Aquisição de Conhecimentos. Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular Contrato de Aquisição de Conhecimentos Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular Aveiro, 29 de Abril de 2010 Entre: Brisa Inovação e Tecnologia, S.A., com sede na Quinta

Leia mais

Contrato de Assistência Técnica Informática - ATI

Contrato de Assistência Técnica Informática - ATI Contrato de Assistência Técnica Informática - ATI Ao subscrever o presente contrato o cliente expressamente reconhece e aceita vincular-se ás seguintes condições gerais. Cláusula primeira Definições 1.

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ACÇÕES. 1., adiante designadas simplesmente por VENDEDORAS

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ACÇÕES. 1., adiante designadas simplesmente por VENDEDORAS CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ACÇÕES PARTES: 1., adiante designadas simplesmente por VENDEDORAS E 2., com sede em, com o capital social de, Pessoa Colectiva número, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

CONTRATO PARA PLANEAMENTO

CONTRATO PARA PLANEAMENTO CONTRATO PARA PLANEAMENTO Entre a Primeira Outorgante: Câmara Municipal do Porto, representada, neste acto, pelo seu Presidente, Dr Rui Fernando da Silva Rio, com os poderes resultantes do disposto na

Leia mais

Acordo. A - Nota informativa

Acordo. A - Nota informativa Acordo A - Nota informativa ANTES DE UTILIZAR ESTE SOFTWARE E OS SEUS SERVIÇOS WEB, DEVE LER E ACEITAR OS TERMOS E CONDIÇÕES DESTE ACORDO, CASO CONTRÁRIO NÃO O PODERÁ UTILIZAR. B) Entidade licenciante

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

DE DISSERTAÇÃO/ESTÁGIO Mestrado em Engenharia Informática Ano Letivo 2012/2013

DE DISSERTAÇÃO/ESTÁGIO Mestrado em Engenharia Informática Ano Letivo 2012/2013 DE DISSERTAÇÃO/ESTÁGIO Mestrado em Engenharia Informática Ano Letivo 2012/2013 Entre: Universidade de Coimbra, Pessoa Coletiva n.º 501 617 582, com sede no Paço das Escolas, 3004-531 COIMBRA, representada

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A ASSOCIAÇÃO CIENTÍFICA DOS ENFERMEIROS E TOP ATLÂNTICO VIAGENS E TURISMO, S.A.

PROTOCOLO ENTRE A ASSOCIAÇÃO CIENTÍFICA DOS ENFERMEIROS E TOP ATLÂNTICO VIAGENS E TURISMO, S.A. PROTOCOLO ENTRE A ASSOCIAÇÃO CIENTÍFICA DOS ENFERMEIROS E TOP ATLÂNTICO VIAGENS E TURISMO, S.A. A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos associados da ASSOCIAÇÃO CIENTÍFICA DOS

Leia mais

ACORDO DE REGULAÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL RESULTANTE DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO DO ALUNO NOME

ACORDO DE REGULAÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL RESULTANTE DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO DO ALUNO NOME ACORDO DE REGULAÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL RESULTANTE DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO DO ALUNO NOME Entre: Instituto Superior Técnico, com sede na Avenida Rovisco Pais, 1049-001, em Lisboa, Pessoa Coletiva

Leia mais

CONTRATO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO

CONTRATO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO MINUTA DE PACTO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO Denominação, Sede Social e Duração Um A Sociedade adopta a denominação M., sociedade de advogados & associados, RL, e tem

Leia mais

Acordo de Voluntariado (minuta)

Acordo de Voluntariado (minuta) Acordo de Voluntariado (minuta) Considerando que: a) O IMC é o organismo do Ministério da Cultura responsável pela definição de uma política museológica nacional e pela concretização de um conjunto de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL

CONDIÇÕES GERAIS. Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL CONDIÇÕES GERAIS Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL CONDIÇÕES GERAIS Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL 3 DEFINIÇÕES DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO Caro(a) Utilizador(a) As presentes condições de uso estabelecem as regras e obrigações para o acesso e utilização do sítio da internet www.rolos.pt, bem como de

Leia mais

CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO COM PENHOR

CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO COM PENHOR CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO COM PENHOR Entre: 1. BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL, S.A., com sede em Lisboa, na Av. 24 de Julho nº 74 a 76, com o capital social de EUR 104.000.000 (cento e quatro milhões

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 A SPRAçores Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, S.A., é uma sociedade que tem por

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DO I2ADS CADERNO DE ENCARGOS

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DO I2ADS CADERNO DE ENCARGOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DO I2ADS CADERNO DE ENCARGOS 1/5 Cláusula 1.ª Objecto contratual Cláusula 2.ª Serviços incluídos na prestação de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. entre UNIVERSIDADE DO MINHO ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO BANCO ESPÍRITO SANTO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. entre UNIVERSIDADE DO MINHO ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO BANCO ESPÍRITO SANTO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO entre UNIVERSIDADE DO MINHO e ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO e BANCO ESPÍRITO SANTO O presente Protocolo insere-se no desenvolvimento das relações do Banco Espírito

Leia mais

PROTOCOLO. 1. A Imperio Bonanca e uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal;

PROTOCOLO. 1. A Imperio Bonanca e uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal; ~ ~~ PROTOCOLO Entre, Exercito Portugues, pessoa colectiva numero 600 021 610, devidamente representado neste acto pelo Exmo. Senhor Tenente-General Eduardo Manuel de Lima Pinto, na qualidade de Comandante

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

CONTRATO DO DESMANTELADOR Nº 1.º OUTORGANTE [ NOME ] VALORCAR Sociedade de Gestão de Veículos em Fim de Vida, Lda. [ MORADA ] Av. da Torre de Belém, 29 [ CÓDIGO POSTAL ] 1400-342 LISBOA [ TELEFONE ] 21

Leia mais

ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE

ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE TELEFONICA BRASIL S.A, com sede à Rua Martiniano de Carvalho, nº. 851, na cidade de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 02.558.157/0001-62, neste ato representada

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação MINUTA Entre: Contrato de Mandato de Alienação 1. [Firma da empresa notificante da Operação de Concentração], (doravante denominação abreviada da empresa ou Mandante ), com sede em [morada], com o n.º

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO CAPÍTULO I Serviço de Informação e Mediação SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Composição O Serviço de Informação e Mediação

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 As presentes Condições Especiais Protecção Jurídica articulam-se com o disposto nas Condições

Leia mais

Consulta Prévia ao Mercado 03/2012

Consulta Prévia ao Mercado 03/2012 Consulta Prévia ao Mercado 03/2012 CADERNO DE ENCARGOS Aquisição de Kits de Formação Projecto 074015/2012/23 Formações Modulares Certificadas Página 1 de 13 CADERNO DE ENCARGOS PARTE I CLÁUSULAS JURÍDICAS

Leia mais

BASES DO CONTRATO...3

BASES DO CONTRATO...3 UNIT LINKED DB VIDA Condições Gerais...2 1. DEFINIÇÕES...2 2. BASES DO CONTRATO...3 3. INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO...4 4. ÂMBITO DA COBERTURA...4 5. GESTÃO DAS UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO...4 6. PRÉMIOS...6

Leia mais

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto)

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto) AVISO N.º [XX/2015] CENTRAIS PRIVADAS DE INFORMAÇÃO DE CRÉDITO Em linha com a tendência internacional, a legislação financeira nacional consagrou recentemente o figurino das centrais privadas de informação

Leia mais

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL, instituição de utilidade pública, com o número de identificação de pessoa colectiva 503 323 055, com sede na Avenida da Siderurgia Nacional, S. Mamede do Coronado,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES Definições: Promotores: toda a pessoa singular que, com o Banco ActivoBank, S.A. tenha celebrado um contrato de prestação de serviços, com o objectivo de exercer, a titulo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE ESTUDOS DE MERCADO E DE OPINIÃO RELATIVO AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS CONSIDERANDO QUE: A) A Lei nº 67/98, de 26 de Outubro, estipula um conjunto de normas tendentes

Leia mais

CONTRATO. 2. O Fornecedor indicará ao @rmazem, durante a vigência deste Contrato, os produtos que pretende transaccionar.

CONTRATO. 2. O Fornecedor indicará ao @rmazem, durante a vigência deste Contrato, os produtos que pretende transaccionar. CONTRATO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES 1ª CONTRATANTE FILIPA JUNQUEIRA ARQUITECTA, LDA., sociedade por quotascom sede na Rua do Centro Cultural, nº 10, 1º andar, freguesia de S. João de Brito,

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 20/2013. Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico Diário da República, 2.ª série N.º 227 22 de novembro de 2013 34305 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 20/2013 Parâmetros de Regulação da Qualidade de Serviço do setor elétrico

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

3. Suspensão do Serviço Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico acessível ao público num local fixo 1. Objecto

3. Suspensão do Serviço Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico acessível ao público num local fixo 1. Objecto Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico acessível ao público num local fixo da PT PRIME-Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., com sede na Av. Fontes Pereira de Melo, n.º

Leia mais

Contrato associado a fornecimento decorrente de aquisição de equipamento e/ou da adesão ao Office Box Restaurantes e Cafés e Soluções para Retalho

Contrato associado a fornecimento decorrente de aquisição de equipamento e/ou da adesão ao Office Box Restaurantes e Cafés e Soluções para Retalho Depois de preenchido, digitalizar e enviar por email para: parceriapt@grupopie.com (colocar IDPRT da venda e NIF do cliente no Subject do email) Contrato associado a fornecimento decorrente de aquisição

Leia mais

Termos e Condições EventKey - EvtKey

Termos e Condições EventKey - EvtKey 1 Termos e Condições EventKey - EvtKey O presente instrumento regula o acordo estabelecido entre a EventKey, Lda, com sede social em Rua das Dálias, 36, Fânzeres - Porto, com o capital social de 5.000,00

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CAPÍTULO I FIRMA, OBJECTO SOCIAL E SEDE ARTIGO PRIMEIRO (Firma) Um) A Sociedade é constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET Pelo presente Instrumento Particular o BANCO MÁXIMA S/A, com sede na cidade de Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida Atlântica, 1130, 12º andar

Leia mais

PROTOCOLO. Cooperação para a formação financeira de empreendedores, gestores e empresários das micros, pequenas e médias empresas

PROTOCOLO. Cooperação para a formação financeira de empreendedores, gestores e empresários das micros, pequenas e médias empresas PROTOCOLO Cooperação para a formação financeira de empreendedores, gestores e empresários das micros, pequenas e médias empresas Entre: IAPMEI Agência para a Competitividade e Inovação I.P., ora representado

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES APLICÁVEIS A NOTAS DE ENCOMENDA DA AMO

TERMOS E CONDIÇÕES APLICÁVEIS A NOTAS DE ENCOMENDA DA AMO TERMOS E CONDIÇÕES APLICÁVEIS A NOTAS DE ENCOMENDA DA AMO 1. Definições. AMO significa a ABBOTT MEDICAL OPTICS SPAIN, S.L. SUCURSAL EM PORTUGAL (uma sucursal matriculada em Portugal, sob o número 980262364

Leia mais

Anexo II : Procedimentos

Anexo II : Procedimentos Protocolo MAPFRE SEGUROS Ordem dos Advogados AON Portugal Anexo II : Procedimentos Índice 1. ÂMBITO 2 1.1. Objecto 2 1.2. Características dos contratos de seguro 2 1.3. Mediação 2 1.4. Contratação do seguro

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A FUNDAÇÃO PARA A COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA TERENA CERTIFICATE SERVICE NA FCCN

PROTOCOLO ENTRE A FUNDAÇÃO PARA A COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA TERENA CERTIFICATE SERVICE NA FCCN PROTOCOLO ENTRE A FUNDAÇÃO PARA A COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA NACIONAL E RELATIVO AO TERENA CERTIFICATE SERVICE NA FCCN Considerando que a Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN) celebrou com a

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA

PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA Considerando: A importância do sector do Cinema como vector de dinamização das expressões artísticas e de contribuição para o desenvolvimento

Leia mais

CONTRATO DE UTILIZADOR

CONTRATO DE UTILIZADOR CONTRATO DE UTILIZADOR Entre: a) Ecopilhas Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, n.º 7, 1.º andar sala

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

O REGISTO DO ACORDO OU DA PROVA DE COMPRA É NECESSÁRIO ANTES DE A SONY EFECTUAR QUALQUER SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA.

O REGISTO DO ACORDO OU DA PROVA DE COMPRA É NECESSÁRIO ANTES DE A SONY EFECTUAR QUALQUER SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA. Acordo PrimeSupport PS.UPDR200.123.1 / PS.UPDR200.12X.1 Versão 1.0 10/2008 Este documento fornece informações sobre o Acordo PrimeSupport ao Cliente. Leia-o cuidadosamente. Para activar os serviços de

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA LUSA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DE PORTUGAL,S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO. (Firma, Sede e objecto)

CONTRATO DE SOCIEDADE DA LUSA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DE PORTUGAL,S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO. (Firma, Sede e objecto) CONTRATO DE SOCIEDADE DA LUSA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DE PORTUGAL,S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO (Firma, Sede e objecto) Artigo Primeiro A sociedade adopta a firma LUSA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DE PORTUGAL, S.A.. Artigo

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC ACORDO INSTITUIÇÃO / VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC Acordo de Voluntariado

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06

Condições Gerais.03 .03 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .06 .06 .06 .06 .06 .06 .06 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Âmbito do Seguro.04 Artigo 3º Produção de Efeitos e Duração do Contrato.04 Artigo 4º Prémio do Seguro.05 Artigo 5º Inexactidão da Declaração

Leia mais

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO OBRIGATÓRIO CONDIÇÕES GERAIS - 168 DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 808 29 39 49 fidelidade.pt

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, I.P. CADERNO DE ENCARGOS

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, I.P. CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PÚBLICO Aquisição de Serviços de Consultoria para Apoio à Implementação do Modelo Logístico e redesenho da Cadeia Logística de

Leia mais

1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO

1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO 1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO Este Termo de Utilização (doravante denominado "Termo de Utilização") regulamenta a utilização dos SERVIÇOS de envio de mensagens electrónicas - "e-mail" (doravante denominado "SERVIÇO")

Leia mais

RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE CAPITAL - SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO ARTIGO SEGUNDO

RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE CAPITAL - SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO ARTIGO SEGUNDO RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE CAPITAL - SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO A sociedade adopta a firma de Sonae Capital - SGPS, S. A.. ARTIGO SEGUNDO

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA pág. 1 / 5 TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA 1. INTRODUÇÃO O site de vendas online www.fitnesshut.pt (adiante designado por site ou loja online) é um site de vendas online

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

MODELO DE CONTRATO ASSOCIAÇÃO DE ADVOGADO/ SOCIEDADE

MODELO DE CONTRATO ASSOCIAÇÃO DE ADVOGADO/ SOCIEDADE MODELO DE CONTRATO ASSOCIAÇÃO DE ADVOGADO/ SOCIEDADE Observação: Este modelo abaixo, foi disponibilizado no Manual de orientação para sociedades advocatícias: guia prático para orientação das sociedades

Leia mais

temporário vida individual Associações Profissionais

temporário vida individual Associações Profissionais temporário vida individual Associações Profissionais INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS (nos termos do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) Entidade de Supervisão Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez milhões

Leia mais

ASTELLAS FARMA, LDA. TERMOS E CONDIÇÕES DE AQUISIÇÃO. Astellas Farma, Lda. Termos e condições gerais para a aquisição de bens e serviços

ASTELLAS FARMA, LDA. TERMOS E CONDIÇÕES DE AQUISIÇÃO. Astellas Farma, Lda. Termos e condições gerais para a aquisição de bens e serviços Astellas Farma, Lda. Termos e condições gerais para a aquisição de bens e serviços 1. INTERPRETAÇÃO 1.1 A presente cláusula consagra as definições e regras de interpretação aplicáveis aos presentes termos

Leia mais

temporário vida individual Associações Profissionais

temporário vida individual Associações Profissionais temporário vida individual Associações Profissionais NOTA INFORMATIVA INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS (nos termos do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) Entidade de Supervisão Instituto de Seguros de

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre: CONTRATO DE ARRENDAMENTO, com o NUIT:,, natural de, de nacionalidade, residente na, nº, em, titular do B.I. nº, emitido em _, aos de de e válido até de de, doravante designado por Locador, E, com

Leia mais

FICHA DE ABERTURA DE CLIENTE EMPRESA

FICHA DE ABERTURA DE CLIENTE EMPRESA FICHA DE ABERTURA DE CLIENTE EMPRESA AGÊNCIA Nº DE CLIENTE/CONTA DENOMINAÇÃO SOCIAL CONDIÇÕES DE MOVIMENTAÇÃO Individual: Solidária: Conjunta: Mista: ENTIDADE TIPO DOC IDENTIFICAÇÃO Nº DOC IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Compra

Termos e Condições Gerais de Compra Termos e Condições Gerais de Compra As encomendas e os contratos efectuados por qualquer das empresas do Grupo Linde em Portugal - Linde Sogás e Linde Saude (de ora em diante designadas qualquer delas

Leia mais

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro Regulamento 2ª Edição, Novembro de 2011 Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro 2ª Edição Novembro de 2011 Regulamento Artigo 1º Objectivo

Leia mais