PESQUISA QUANTITATIVA REALIZADA COM PRODUTORES DOS ESTADOS DA BAHIA, CEARÁ, PERNAMBUCO E RIO GRANDE DO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA QUANTITATIVA REALIZADA COM PRODUTORES DOS ESTADOS DA BAHIA, CEARÁ, PERNAMBUCO E RIO GRANDE DO SUL"

Transcrição

1 PESQUISA QUANTITATIVA REALIZADA COM PRODUTORES DOS ESTADOS DA BAHIA, CEARÁ, PERNAMBUCO E RIO GRANDE DO SUL (VEÃO COMPACTA) Maio de

2 INTRODUÇÃO

3 ESTE RELATÓRIO CORRESPONDE AO PRODUTO 2, RELATIVO AO CONTRATO UAJ.DIREX.CONT. Nº 40/

4 Introdução A pesquisa de campo O objetivo geral do projeto foi o de obter dados e informações sobre pecuaristas do segmento de ovinocaprinocultura nos estados da Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Sul. Para atingir este fim, várias etapas foram realizadas: - Levantamento estatístico, com base em informações secundárias, de forma a traçar o perfil geral da ovinocaprinocultura no Brasil e, em especial, no Nordeste; - Elaboração de questionário; - Definição de plano amostral; - Pesquisa de campo; - Processamento dos dados obtidos através da pesquisa de campo. - Avaliação dos resultados da pesquisa quantitativa

5 Introdução O Plano Amostral Para realização da pesquisa de campo quantitativa junto aos produtores foi determinado um quantitativo amostral de 500 entrevistas. A abrangência do estudo compreende os estados da Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Sul, por se tratarem dos estados que contam com os maiores rebanhos de ovinos e caprinos. O desenho amostral adotado considera o tamanho do efetivo animal (quantidade de cabeças) para determinação da proporção relativa ao universo e, de posse dela, distribuir o quantitativo de produtores nas áreas selecionadas

6 Efetivo animal das microrregiões, estados considerados no estudo e distribuição da amostra de produtores* Nome da microrregião UF Efetivo animal da microrregião Efetivo animal do Estado* Proporção relativa (%) Produtores da amostra Juazeiro BA Euclides da Cunha BA Feira de Santana BA Sertão de Inhamuns CE Sertão de Cratéus CE Baixo Jaguaribe CE Sertão do Moxotó PE Petrolina PE Itaparica PE , , ,1 111 Campanha Ocidental Campanha Central ,2 141 Serras de Sudeste , Fonte: Pesquisa Pecuária Municipal, IBGE (2008). Nota: * Efetivo animal das três microrregiões que possuem os maiores rebanhos de cada estado

7 Introdução Distribuição da Amostra por Município Estado/ Microrregião Municípios Número de Questionários 1.BAHIA Juazeiro Casa Nova Juazeiro Euclides da Cunha Uauá Euclides da Cunha Feira de Santana Ipirá Feira de Santana CEARÁ Sertão de Inhamuns Tauá Parambu Sertão de Cratéus Independência Crateús Baixo Jaguaribe Morada Nova Russas 8 3. PERNAMBUCO Petrolina Petrolina Santa Maria da Boa Vista Itaparica Floresta Carnaubeira da Penha Sertão do Moxotó Sertânia Ibimirim RIO GRANDE DO SUL Campanha Ocidental Alegrete Quaraí Campanha Central Santana do Livramento Rosário do Sul Serras de Sudeste Pinheiro Machado Caçapava do Sul 15 TOTAL Estados/municípios

8 RESULTADOS DA PESQUISA QUANTITATIVA

9 Gráfico 1 Produtores que criam caprinos e/ou ovinos (% em relação ao total de cada coluna) 17,8 24,8 57,4 99,3 0,7 12,8 45,8 41,4 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Pergunta: O(A) sr(a). cria caprinos e/ou ovinos? Sim, caprinos Sim, ovinos Sim, caprinos e ovinos

10 Gráfico 2 Regime de trabalho no estabelecimento (% em relação ao total de cada coluna) 49,3 50,7 87,9 12,1 60,2 39,8 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Dedicação exclusiva Dedicação parcial Pergunta: O(A) sr(a) trabalha nesta propriedade com dedicação integral ou o(a) sr(a). se dedica a outras atividades além de caprino-ovinocultura?

11 Tabela 1 Ampliação da área para criar ovinos e/ou caprinos (% em relação ao total de cada coluna) Respostas (%) (%) (%) Já utiliza toda a área disponível 70,6 68,1 71,6 É melhor utilizar a área restante para outras criações ou pa 16,4 22,7 13,9 Não tem dinheiro para aumentar o rebanho 10,4 1,4 13,9 Não tem quem tome conta de um rebanho maior 1,0 0,7 1,1 Se criasse mais caprinos e/ou ovinos não teria para quem ven 0,6 1,4 0,3 Não tem dinheiro para comprar mais terra 0,6 1,4 0,3 Falta de cercado em parte da propriedade 0,6 0,0 0,8 Falta de pastagem 0,6 0,0 0,8 Falta de água 0,6 0,0 0,8 Possui outra criação 0,4 0,7 0,3 Dificuldade de mão-de-obra 0,4 0,0 0,6 Infraestrutura 0,4 0,0 0,6 Porque trabalhar no sistema intensivo - wazon 0,4 0,0 0,6 É o bastante para a sua criação 0,4 1,4 0,0 O resto da propriedade é reserva protegida 0,2 0,0 0,3 Está comprando mais terra 0,2 0,7 0,0 Falta de segurança 0,2 0,7 0,0 Não sabem/ não responderam 0,2 0,7 0,0 Obs.: A soma nas colunas pode ultrapassar 100% porque cada entrevistado poderia apresentar mais de uma resposta. Pergunta: Por que o sr(a) não utiliza uma área maior para a criação de caprinos e/ou ovinos?

12 Tabela 2 Benfeitorias, serviços públicos e fonte de água (% em relação ao total de cada coluna) Respostas (%) (%) (%) Cerca Sim 99,0 100,0 98,6 Não 1,0 0,0 1,4 100,0 100,0 100,0 Aprisco Sim 43,8 24,1 51,5 Não 56,2 75,9 48,5 100,0 100,0 100,0 Energia elétrica Sim 78,2 97,2 70,8 Não 21,8 2,8 29,2 100,0 100,0 100,0 Sim 73,2 92,9 65,5 Telefone Não 26,6 7,1 34,3 Não sabem/ não responderam 0,2 0,0 0,3 100,0 100,0 100,0 Sim 85,6 90,1 83,8 Poço, barragem ou reserva de água Não 13,8 9,9 15,3 Não sabem/ não responderam 0,6 0,0 0,8 100,0 100,0 100,0 Pergunta: O Sr.(a.) possui em sua propriedade?

13 Gráfico 3 Distâncias (% em relação ao total de cada coluna) 0,3 17,8 77,7 3,6 0,6 22,6 6,7 13,4 17,3 25,1 14,8 0,3 0,7 0,7 9,9 76,6 7,8 3,5 1,4 31,2 15,6 5,0 11,3 34,0 2,1 0,2 0,2 0,4 15,6 77,4 4,8 0,8 25,0 9,2 11,0 15,6 18,0 20,2 0,6 1,0 RODOVIA PRINCIPAL Menos de 1km De 1km a 30km De 31km a 60km De 61km a 90km Mais de 90km Não sabem Não responderam USINA DE PROCESSAMENTO DE LEITE Menos de 1km De 1km a 30km De 31km a 60km De 61km a 90km Mais de 90km Não se aplica Não sabem Não responderam Pergunta: Qual é, aproximadamente, a distância, em quilômetros, da fazenda até...?

14 Gráfico 3 Distâncias (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 0,6 20,3 71,6 6,1 0,3 31,5 64,9 2,2 0,3 1,7 0,6 1,4 0,7 41,8 47,5 6,4 1,4 58,9 39,0 0,7 1,4 0,7 0,4 0,4 0,4 26,4 64,8 4,8 0,6 39,2 57,6 1,8 0,2 3,0 0,4 TELEFO MAIS PROXIMO Menos de 1km De 1km a 30km De 31km a 60km De 61km a 90km Não sabem Não responderam Pergunta: Qual é, aproximadamente, a distância, em quilômetros, da fazenda até...? PONTO MAIS PROXIMO DE TRANSPORTE PUBLICO Menos de 1km De 1km a 30km De 31km a 60km De 61km a 90km Não se aplica Não sabem Não responderam

15 Gráfico 3 Distâncias (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 1,7 0,8 18,4 6,4 12,8 17,3 26,2 17,3 40,9 26,7 8,9 9,2 9,2 4,2 5,7 38,3 6,4 5,0 38,3 0,7 39,0 24,8 12,8 9,2 13,5 0,7 4,3 1,4 2,8 0,6 24,0 6,4 10,4 13,8 19,2 23,2 0,2 40,4 26,2 10,0 9,2 6,6 6,8 0,2 TANQUE DE RESFRIAMENTO Menos de 1km De 1km a 30km De 31km a 60km De 61km a 90km Mais de 90km Não se aplica Não sabem Não responderam Pergunta: Qual é, aproximadamente, a distância, em quilômetros, da fazenda até...? MATADOUROS Menos de 1km De 1km a 30km De 31km a 60km De 61km a 90km Mais de 90km Não se aplica Não sabem Não responderam

16 Gráfico 3 Distâncias (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 1,4 1,4 2,5 52,1 26,2 8,9 5,3 1,7 59,1 26,5 8,6 1,1 4,5 0,8 1,4 2,8 34,0 25,5 13,5 14,2 12,1 0,7 41,1 21,3 12,8 18,4 1,4 0,7 1,0 3,2 1,4 2,6 47,0 26,0 10,2 7,8 4,6 0,2 54,0 25,0 9,8 6,0 0,4 0,8 FRIGORIFICOS Menos de 1km De 1km a 30km De 31km a 60km De 61km a 90km Mais de 90km Não se aplica Não sabem Não responderam MERCADO PUBLICO Menos de 1km De 1km a 30km De 31km a 60km De 61km a 90km Mais de 90km Não se aplica Não sabem Não responderam Pergunta: Qual é, aproximadamente, a distância, em quilômetros, da fazenda até...?

17 Tabela 3 Cultivos de lavouras no estabelecimento (continua) (% em relação ao total de cada coluna) Respostas (%) (%) (%) Milho 53,2 17,0 67,4 Feijão 46,4 2,8 63,5 Não planta 38,4 69,5 26,2 Mandioca 16,8 13,5 18,1 Melancia 7,0 2,1 8,9 Sorgo 3,6 0,0 5,0 Jerimum/Abobóra 2,8 0,7 3,6 Batata 2,0 3,5 1,4 Arroz 1,8 5,0 0,6 Mamona 1,2 0,0 1,7 Melão 1,0 2,1 0,6 Manga 0,8 0,0 1,1 Goiaba 0,6 0,0 0,8 Banana 0,6 0,0 0,8 Cebola 0,6 1,4 0,3 Coco 0,4 0,0 0,6 Capim 0,4 0,0 0,6 Cana-de-açúcar 0,4 0,7 0,3 Obs.: A soma nas colunas pode ultrapassar 100% porque cada entrevistado poderia apresentar mais de uma resposta. Pergunta: O(A) sr (a) planta alguma lavoura na sua fazenda? Quais são as principais? (ESPONTÂA ATÉ 5 OPÇÕES)

18 Tabela 3 Cultivos de lavouras no estabelecimento (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) Respostas (%) (%) (%) Caju 0,4 0,0 0,6 Andu 0,4 0,0 0,6 Macaxeira 0,4 0,0 0,6 Maracujá 0,4 0,0 0,6 Girassol 0,2 0,0 0,3 Acerola 0,2 0,0 0,3 Hortaliças 0,2 0,0 0,3 Fava 0,2 0,0 0,3 Alface 0,2 0,0 0,3 Coentro 0,2 0,0 0,3 Cebolinha 0,2 0,0 0,3 Hortelã 0,2 0,0 0,3 Tomate 0,2 0,0 0,3 Pinha 0,2 0,0 0,3 Soja 0,2 0,7 0,0 Uva 0,2 0,7 0,0 Obs.: A soma nas colunas pode ultrapassar 100% porque cada entrevistado poderia apresentar mais de uma resposta. Pergunta: O(A) sr (a) planta alguma lavoura na sua fazenda? Quais são as principais? (ESPONTÂA ATÉ 5 OPÇÕES)

19 Gráfico 4: Renda da agricultura em ano normal e de seca (entre os que afirmaram plantar algum tipo de lavoura na fazenda) (% em relação ao total de cada coluna) 2,3 0,4 1,1 15,5 4,5 1,5 69,1 3,8 0,4 30,6 7,5 0,4 54,7 3,4 0,4 1,9 1,1 1,1 0,4 11,6 14,0 7,0 18,6 46,5 4,7 18,6 11,6 4,7 16,3 41,9 2,3 2,3 1,9 1,0 14,9 5,8 4,5 65,9 3,2 0,3 26,9 9,1 0,3 3,2 52,9 2,9 0,3 1,9 1,3 2,6 0,6 Renda anual gerada pela venda da produção das lavouras considerando um ano normal Renda anual gerada pela venda da produção das lavouras considerando um ano de seca De R$ 180,00 a R$ 2500,00 De R$ 2501,00 a R$ 5000,00 De R$ 5001,00 a R$ 7500,00 De R$ 7501,00 a R$ 10000,00 De R$ 10001,00 a R$ 20000,00 Mais de R$ 20000,00 Consumo próprio Não sabem Não responderam Não geram renda De R$ 180,00 a R$ 2500,00 De R$ 2501,00 a R$ 5000,00 De R$ 5001,00 a R$ 7500,00 De R$ 7501,00 a R$ 10000,00 De R$ 10001,00 a R$ 20000,00 Mais de R$ 20000,00 Consumo próprio Não sabem Não responderam Pergunta: Eu gostaria de saber qual é a renda anual gerada pela venda da produção dessas lavouras, sem contar com a renda gerada pela caprinocultura e/ou ovinocultura (carne e leite), considerando UM ANO NORMAL?

20 Gráfico 5.1: Posse de bens (continua) (% em relação ao total de cada coluna) 5,3 94,7 35,7 64,3 22,0 77,3 0,7 27,0 72,3 0,7 10,0 89,8 0,2 33,2 66,6 0,2 CAPITAL FISICO - TRATOR Sim Não Não sabem/ não responderam CAPITAL FISICO - ARADO Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: A sua fazenda/propriedade possui?

21 Gráfico 5.2: Posse de bens (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 9,2 90,8 4,7 95,3 2,1 24,1 75,2 0,7 97,2 0,7 13,4 86,4 0,2 4,0 95,8 0,2 CAPITAL FISICO - GRADE CAPITAL FISICO - CAMINHÃO Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: A sua fazenda/propriedade possui?

22 Gráfico 5.3: Posse de bens (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 22,8 77,2 36,5 63,5 58,9 40,4 0,7 33,3 66,0 0,7 33,0 66,8 0,2 35,6 64,2 0,2 CAPITAL FISICO CARRO PASSEIO CAPITAL FISICO - TRITURADOR Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: A sua fazenda/propriedade possui?

23 Gráfico 5.4: Posse de bens (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 2,8 97,2 22,0 78,0 1,4 97,9 0,7 24,8 74,5 0,7 2,4 97,4 0,2 22,8 77,0 0,2 CAPITAL FISICO RESFRIADOR CAPITAL FISICO - UTILITARIO Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: A sua fazenda/propriedade possui?

24 Gráfico 5.5: Posse de bens (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 63,0 37,0 38,7 61,3 20,6 78,7 0,7 17,7 81,6 0,7 51,0 48,8 0,2 32,8 67,0 0,2 CAPITAL FISICO MOTO CAPITAL FISICO - BICICLETA Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: A sua fazenda/propriedade possui?

25 Gráfico 5.6: Posse de bens (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 63,2 36,8 10,0 90,0 97,2 2,8 14,2 85,1 0,7 72,8 27,2 11,2 88,6 0,2 CAPITAL FISICO GELADEIRA CAPITAL FISICO - COMPUTADOR Sim Não Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: A sua fazenda/propriedade possui?

26 Gráfico 5.7: Posse de bens (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 73,5 26,5 90,5 9,5 94,3 5,0 0,7 97,2 2,1 0,7 79,4 20,4 0,2 92,4 7,4 0,2 CAPITAL FISICO TELEVISÃO 85,0 90,0 95,0 100,0 CAPITAL FISICO CASAS DE MORADA Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: A sua fazenda/propriedade possui?

27 Gráfico 5.8: Posse de bens (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 54,0 46,0 63,8 35,5 0,7 56,8 43,0 0,2 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 CAPITAL FISICO Galpão ou área coberta para abrigos de animais Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: A sua fazenda/propriedade possui?

28 Gráfico 6 Número médio de compradores da produção do estabelecimento(% em relação ao total de cada coluna) 17,0 17,3 15,9 7,0 7,0 1,41,7 4,5 4,2 23,7 0,6 29,1 27,0 17,7 8,5 3,5 4,3 2,1 3,5 3,5 0,7 1,2 20,4 20,0 16,4 7,4 6,0 2,2 4,2 4,0 17,2 1,0 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Um comprador Dois compradores Três compradores Quatro compradores Cinco compradores Seis compradores Sete compradores Oito compradores Dez compradores Onze ou mais compradores Não sabem/ não responderam Pergunta: Para quantos compradores em média o(a) sr(a). vende os animais e produtos da sua propriedade?

29 Gráfico 7 Diversificação de compradores dos produtos do estabelecimento (% em relação ao total de cada coluna) 48,7 51,3 63,8 36,2 53,0 47,0 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Sempre para as mesmas pessoas/empresas Vende para pessoas/empresas diferentes Pergunta: Ao longo dos meses do ano, o(a) sr(a). vende os animais e produtos da sua propriedade sempre para as mesmas pessoas/empresas ou vende para pessoas/empresas diferentes?

30 Gráfico 8: Número médio de animais do estabelecimento (% em relação ao total de cada coluna) 0,8 13,1 22,3 21,2 8,4 4,2 5,8 24,8 0,3 41,5 21,4 13,6 3,1 1,1 17,3 0,6 0,6 0,7 0,7 99,3 35,5 26,2 17,7 13,5 5,7 0,7 0,6 9,4 16,2 15,2 6,0 4,2 45,8 0,2 39,8 22,8 14,8 6,0 2,4 12,4 0,4 3,0 QUANTIDADE DE CAPRINOS CRIADOS De 5 a 25 caprinos De 26 a 50 caprinos De 51 a 100 caprinos De 101 a 150 caprinos De 151 a 200 caprinos Mais de 200 caprinos Não criam caprinos Não responderam QUANTIDADE DE OVINOS CRIADOS De 2 a 50 ovinos De 51 a 100 ovinos De 101 a 200 ovinos De 201 a 300 ovinos De 301 a 400 ovinos De 401 a 500 ovinos Mais de 500 ovinos Não criam ovinos Não responderam 0,8 Perguntas: O(A) sr(a). cria caprinos? Quantos, mais ou menos? O(A) sr(a). cria ovinos? Quantos, mais ou menos?

31 Gráfico 9 Peso médio do animal vendido (% em relação ao total de cada coluna) 1,1 55,4 36,8 2,5 1,7 2,5 0,7 60,3 6,4 31,2 1,4 0,8 40,0 43,4 3,6 10,0 2,2 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 De 8 a 25 quilos De 26 a 50 quilos De 51 a 75 quilos De 76 a 100 quilos Não vendem animal vivo Não sabem/ não responderam Pergunta: Quando o(a) sr(a). vende um animal vivo (caprino ou ovino), qual é, aproximadamente, o peso dele?

32 Gráfico 10 Preço médio do animal vendido vivo (Kg) (entre os que afirmaram vender animais vivos) (% em relação ao total de cada coluna) 2,3 34,0 17,8 41,6 4,2 2,1 10,3 83,5 3,1 1,0 4,0 44,7 14,2 33,1 4,0 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 De R$ 1,50 a R$ 2,50 De R$ 2,51 a R$ 5,00 De R$ 5,01 a R$ 7,50 Mais de R$ 7,50 Não sabem/ não responderam Pergunta: Por quanto, aproximadamente, o(a) sr(a). vende o quilo do animal vivo?

33 Gráfico 11 Número médio de animais vendidos anualmente (% em relação ao total de cada coluna) 39,7 26,1 11,6 5,7 4,8 3,7 8,5 1,0 42,3 19,6 11,3 8,2 17,5 40,2 24,7 11,6 6,2 4,0 2,9 10,4 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 De 1 a 20 animais De 21 a 40 animais De 41 a 60 animais De 61 a 80 animais De 81 a 100 animais De 101 a 120 animais Mais de 120 animais Pergunta: E quantos o(a) sr(a). vende por ANO?

34 Tabela 4 Animais vivos vendidos para matadouros (média anual) (entre os que afirmaram vender animais vivos) Respostas Média de animais Média de animais Matadouros municipais 150,00 43,15 Matadouros privados inspecionados 162,88 - Matadouros clandestinos 4,00 18,00 Pergunta: E quantos animais vivos o(a) sr(a). vende por ANO para... (LER ITENS)?

35 Tabela 5 Venda de animais vivos, exceto para matadouros (média anual) (entre os que afirmaram vender animais vivos) Respostas Média de animais Média de animais Feiras semanais 30,00 37,43 Vendas individuais 18,70 48,98 Exposições agropecuárias 87,50 32,13 Rodadas de negócios 280,00 - Pergunta: E quantos animais vivos o(a) sr(a). vende por ANO EM MÉDIA?

36 Gráfico 12.1 Renda média gerada a partir da venda de animais (caprinos e ovinos) (em R$)(% em relação ao total de cada coluna) 39,8 21,2 5,3 8,4 12,8 12,5 28,8 13,6 6,1 10,6 10,6 30,3 36,9 19,1 5,5 9,0 12,2 17,3 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 De R$ 70,00 a R$ 2500,00 De R$ 2501,00 a R$ 5000,00 De R$ 5001,00 a R$ 7500,00 De R$ 7501,00 a R$ 10000,00 Mais de R$ 10000,00 Não sabem/ não responderam Pergunta: Qual é o valor médio anual da venda de animais (caprinos e ovinos)?

37 Gráfico 12.2 Renda média gerada a partir da venda de caprinos e/ou ovinos (em salários mínimos anuais) (% em relação ao total de cada coluna) 48,5 14,8 13,9 10,3 12,5 33,3 11,4 15,2 9,8 30,3 44,4 13,8 14,3 10,2 17,3 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Até 1/2 SM anual Mais de 1/2 até 1 SM anual Mais de 1 até 2 SM anual Mais de 2 SM anual Não sabem/ não responderam Pergunta: Qual é o valor médio anual da venda de animais (caprinos e ovinos)? Obs: O salário mínimo base utilizado foi de R$ 510,00, sendo um salário mínimo anual igual a R$ 6.120,00 Obs: SM = Salário mínimo

38 Gráfico 13.1 Renda média gerada a partir de outras atividades (em R$) (% em relação ao total de cada coluna) 17,3 7,8 11,1 5,3 20,9 2,5 26,2 8,9 17,0 14,9 12,1 12,8 24,8 8,5 2,1 7,8 17,2 9,8 11,4 7,4 22,0 4,2 19,4 8,6 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 De R$ 200,00 a R$ 2500,00 De R$ 2501,00 a R$ 5000,00 De R$ 5001,00 a R$ 7500,00 De R$ 7501,00 a R$ 10000,00 De R$ 10001,00 a R$ 50000,00 Mais de R$ 50000,00 Não tem outra(s) renda(s) Não sabem/ não responderam Pergunta: Além da venda de animais(caprinos e ovinos), quanto o(a) sr(a). ganha por ano com outras atividades, dentro ou fora de sua propriedade?

39 Gráfico 13.2 Renda média gerada a partir de outras atividades (em salários mínimos anuais) (% em relação ao total de cada coluna) 45,7 12,3 14,8 10,3 8,1 8,9 22,7 17,7 22,7 17,0 12,1 7,8 39,2 13,8 17,0 12,2 9,2 8,6 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Até 1/2 SM anual Mais de 1 até 2 SM anual Mais de 5 SM anual Mais de 1/2 até 1 SM anual Mais de 2 até 5 SM anual Não sabem/ não responderam Pergunta: Além da venda de animais(caprinos e ovinos), quanto o(a) sr(a). ganha por ano com outras atividades, dentro ou fora de sua propriedade? Nota: (1) O salário mínimo base utilizado foi de R$ 510,00, sendo um salário mínimo anual igual a R$ 6.120,00; (2) SM= salário mínimo

40 Tabela 6 Caprinos: índices zootécnicos selecionados Respostas Média Média Parição 0,31 1,34 Natalidade 0,75 1,54 Mortalidade até 1 ano (em %) 2 14 Mortalidade acima de 1 ano (em %) 1 6 Descarte de matrizes (em %) 20 8 Peso vivo aos 100 dias (kg) Idade ao abate (meses) Peso da carcaça na idade de abate (kg) Pergunta: Com relação ao rebanho de CAPRINOS, qual o índice médio de...?

41 Tabela 7 Ovinos: Índices zootécnicos selecioinados Respostas Média Média Parição 1,18 1,66 Natalidade 1,68 2,30 Mortalidade até 1 ano (em %) Mortalidade acima de 1 ano (em %) 4 4 Descarte de matrizes (em %) 11 9 Peso vivo aos 100 dias (kg) Idade ao abate (meses) 9 9 Peso da carcaça na idade de abate (kg) Pergunta: Com relação ao rebanho de Ovinos, qual o índice médio de...?

42 Tabela 8 Principais problemas que prejudicam o criatório (continua) (% em relação ao total de cada coluna) Respostas (%) (%) (%) Doenças 31,8 26,2 34,0 Água 15,2 7,8 18,1 Carência alimentar 8,4 0,0 11,7 Falta de apoio tecnológico 5,8 0,0 8,1 Roubo de animais 5,8 11,3 3,6 Seca 5,8 0,0 8,1 Ataque de predadores 4,8 11,3 2,2 Ataque de cães 4,6 11,3 1,9 Comercialização 2,4 1,4 2,8 Clima 2,4 8,5 0,0 Ataque de gato selvagem/gato do mato 1,0 0,0 1,4 Mão de obra 0,8 0,0 1,1 Estrutura do cercado que dificulta a criação 0,4 0,0 0,6 Ataque de carcarás 0,4 0,0 0,6 Intoxicação por erva daninha 0,4 0,0 0,6 Infraestrutura da fazenda 0,4 0,0 0,6 Ataque de onça 0,4 0,0 0,6 Outros 1,2 0,7 1,5 Não possui problema 5,8 19,9 0,3 Não sabem/ não responderam 2,2 1,4 2,5 100,0 28,2 71,8 Pergunta: O tipo de problema que mais prejudica o seu criatório está ligado a que?

43 Gráfico 14.1 Conhecimento da tecnologia (continua) (% em relação ao total de cada coluna) 94,4 5,3 0,3 77,2 22,6 0,3 73,8 26,2 81,6 17,7 0,7 88,6 11,2 0,2 78,4 21,2 0,4 VERMIFUGAÇÃO CONTROLE DE DOENÇAS Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: Conhece a tecnologia?

44 Gráfico 14.2 Conhecimento da tecnologia (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 51,3 48,5 0,3 58,2 41,5 0,3 75,2 24,8 65,2 34,8 58,0 41,8 0,2 60,2 39,6 0,2 ESTAÇÃO DE MONTA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: Conhece a tecnologia?

45 Gráfico 14.3 Conhecimento da tecnologia (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 49,6 50,1 0,3 70,8 29,0 0,3 48,9 51,1 56,7 43,3 49,4 50,4 0,2 66,8 33,0 0,2 SINCRONIZAÇÃO DE CIO PRODUÇÃO DE FORRAGEM Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: Conhece a tecnologia?

46 Gráfico 14.4 Conhecimento da tecnologia (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 76,0 23,7 0,3 72,7 27,0 0,3 66,7 33,3 48,9 51,1 73,4 26,4 0,2 66,0 33,8 0,2 MAJO DE PASTAGEM Sim Não Não sabem/ não responderam ARMAZENAMENTO DE FORRAGEM (Fenação e Ensilagem) Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: Conhece a tecnologia?

47 Gráfico 14.5 Conhecimento da tecnologia (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 88,0 11,7 0,3 69,6 30,1 0,3 5,7 94,3 68,8 31,2 64,8 35,0 0,2 69,4 30,4 0,2 USO DA PALMA NA ALIMENTAÇÃO MARCAÇÃO E REGISTRO DE DADOS SOBRE OS ANIMAIS Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: Conhece a tecnologia?

48 Gráfico 15.1 Adoção de tecnologia (continua) (% em relação ao total de cada coluna) 97,3 2,4 0,3 88,4 11,6 67,3 30,8 1,9 71,3 27,0 1,7 90,3 9,0 0,7 83,4 16,1 0,5 VERMIFUGAÇÃO CONTROLE DE DOENÇAS Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: Conhece a tecnologia?

49 Gráfico 15.2 Adoção de tecnologia (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 32,1 67,9 10,5 89,5 91,5 7,5 0,9 3,3 93,5 3,3 53,8 45,9 0,3 8,3 90,7 1,0 ESTAÇÃO DE MONTA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Sim Não Não sabem/ não responderam Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: Conhece a tecnologia?

50 Gráfico 15.3 Adoção de tecnologia (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 12,4 87,6 53,1 46,9 5,8 94,2 28,8 71,3 10,5 89,5 47,3 52,7 SINCRONIZAÇÃO DE CIO PRODUÇÃO DE FORRAGEM Sim Não Sim Não Pergunta: Conhece a tecnologia?

51 Gráfico 15.4 Adoção de tecnologia (continua) (% em relação ao total de cada coluna) 70,3 29,3 0,4 42,5 57,5 48,9 51,1 10,1 89,9 64,9 34,9 0,3 35,8 64,2 MAJO DE PASTAGEM Sim Não Não sabem/ não responderam ARMAZENAMENTO DE FORRAGEM (Fenação e Ensilagem) Sim Não Pergunta: Conhece a tecnologia?

52 Gráfico 15.5 Adoção de tecnologia (continuação) (% em relação ao total de cada coluna) 68,7 31,3 36,4 63,6 87,5 12,5 73,2 25,8 1,0 67,0 32,7 0,3 46,7 53,0 0,3 USO DA PALMA NA ALIMENTAÇÃO Sim Não Não sabem/ não responderam MARCAÇÃO E REGISTRO DE DADOS SOBRE OS ANIMAIS Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: Conhece a tecnologia?

53 Gráfico 16 Uso de ração suplementar (% em relação ao total de cada coluna) 40,4 28,7 30,9 11,3 12,1 76,6 32,2 24,0 43,8 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Sempre Às vezes Não Pergunta: O(A) sr(a). fornece ração suplementar (além do pasto) às cabras/ovelhas lactantes?

54 Gráfico 17 Quantidade diária de ração suplementar (% em relação ao total de cada coluna) 7,7 10,9 16,9 12,5 23,4 11,7 2,4 10,5 4,0 3,0 6,1 9,1 24,2 33,3 21,2 3,0 6,8 10,0 15,7 12,1 23,5 14,2 4,6 9,6 3,6 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Até 100 quilos De 101 a 200 quilos De 201 a 300 quilos De 301 a 400 quilos De 401 a 500 quilos De 501 a quilos Mais de quilos Não sabem/ não têm certeza Não responderam Pergunta: Qual é, em média, a quantidade diária de ração suplementar fornecida, por cabras/ovelhas, em kg?

55 Gráfico 18 Existência de cabras leiteiras (% em relação ao total de cada coluna) 16,7 80,5 2,8 100,0 12,0 86,0 2,0 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Sim Não Não Sabem/Não Responderam Pergunta: O(A) sr(a). tem cabras para a produção de leite?

56 Gráfico 19 Tamanho do rebanho de cabras leiteiras (% em relação ao total de cada coluna) 41,7 23,3 21,7 13,3 41,7 23,3 21,7 13,3 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 De 1 a 10 cabras De 11 a 20 cabras De 21 a 30 cabras Mais de 30 cabras Pergunta: Quantas cabras para a produção de leite o(a) sr(a). tem?

57 Gráfico 20 Produtores que praticam a pecuária leiteira (% em relação ao total de cada coluna) 14,2 85,5 0,3 100,0 10,2 89,6 0,2 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 Sim Não Não sabem/ não responderam Pergunta: O(A) sr.(a) produz LEITE?

58 Tabela 9 Canais de comercialização do leite (Litro) (% em relação ao total de cada coluna) Respostas Média Consumidor final 375,63 Intermediários 426,67 Empresas de laticínios 1.587,29 Cooperativas/ associações 523,33 Programa do Leite 1.000,00 Pergunta: Do total de LEITE produzido por mês, quantos litros o(a) sr(a) vende para

O APL da. Ovinocaprinocultura Granito-PE

O APL da. Ovinocaprinocultura Granito-PE O APL da Ovinocaprinocultura Granito-PE Nível de Organização Comissão Estadual de Caprinovinocultura da FAEPE Fórum da Ovinocaprinocultura do Araripe ACOCAG Associação dos Criadores de Ovinos e Caprinos

Leia mais

TRABALHO EXITOSO EM ATER - 2014 ARMAZENAMENTO DE FORRAGEM EM "SILO SACO" UMA TECNOLOGIA ACESSÍVEL AO HOMEM E A MULHER DO CAMPO

TRABALHO EXITOSO EM ATER - 2014 ARMAZENAMENTO DE FORRAGEM EM SILO SACO UMA TECNOLOGIA ACESSÍVEL AO HOMEM E A MULHER DO CAMPO TRABALHO EXITOSO EM ATER - 2014 ARMAZENAMENTO DE FORRAGEM EM "SILO SACO" UMA TECNOLOGIA ACESSÍVEL AO HOMEM E A MULHER DO CAMPO Passira/PE, 2014 ARMAZENAMENTO DE FORRAGEM EM "SILO SACO" UMA TECNOLOGIA ACESSÍVEL

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA OVINOCAPRINOCULTURA NO BRASIL

ESTUDO DO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA OVINOCAPRINOCULTURA NO BRASIL ESTUDO DO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA OVINOCAPRINOCULTURA NO BRASIL Brasília, dezembro de 2013 www.datametrica.com.br faleconosco@datametrica.com.br 81.3316.2600 1 Sumário 1. Cadeia produtiva da ovinocaprinocultura:

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Plano Brasil sem Miséria e Estratégia MI. Sistema Nacional de Desenvolvimento Regional

Plano Brasil sem Miséria e Estratégia MI. Sistema Nacional de Desenvolvimento Regional Contextualização: Diretrizes de Estruturação Produtiva da PNDR - Equidade e competitividade Plano Brasil sem Miséria e Estratégia MI - Desenvolvimento Regional via Inclusão Produtiva Sistema Nacional de

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Desenvolvimento Regional Sustentável. O potencial é todo seu. O compromisso é de todos nós.

Desenvolvimento Regional Sustentável. O potencial é todo seu. O compromisso é de todos nós. Desenvolvimento Regional Sustentável O potencial é todo seu. O compromisso é de todos nós. O que é DRS? DRS - Desenvolvimento Regional Sustentável é uma estratégia negocial do Banco do Brasil, que busca

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

Associações e Cooperativas da Agricultura Familiar, presentes no Seminário da RM de Salvador, ainda não cadastradas na página do MDA

Associações e Cooperativas da Agricultura Familiar, presentes no Seminário da RM de Salvador, ainda não cadastradas na página do MDA As associações e cooperativas abaixo listadas, também presentes no Seminário da RM de Salvador, já estão cadastradas na página do MDA: http://comunidades.mda.gov.br/portal/saf/programas/alimentacaoescolar/2719950

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 VEÍCULO EDITORIA Negógios: Fernando Castilho DATA 11/02/2015 Codevasf estuda ampliar experiência com camarão marinho em viveiros A experiência da Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PROJETOS DE PRODUÇÃO DE FORRAGEM PELA SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DO CEARÁ

PROJETOS DE PRODUÇÃO DE FORRAGEM PELA SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DO CEARÁ PROJETOS DE PRODUÇÃO DE FORRAGEM PELA SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DO CEARÁ Márcio José Alves Peixoto Agrônomo D.Sc. Coordenador de Pecuária / SDA PROJETO HORA DE PLANTAR 2012/2013 No Projeto

Leia mais

Um plano da agricultura familiar para o Brasil

Um plano da agricultura familiar para o Brasil Um plano da agricultura familiar para o Brasil 1 Plano Safra da Agricultura Plano Safra Familiar da Agricultura Familiar 2008/09 2 Mais Alimentos Um plano da agricultura familiar para o Brasil 18 milhoes

Leia mais

Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva

Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva A realidade de milhares de famílias da zona rural está mudando graças ao apoio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Agricultura familiar: ovino-caprinocultura como fonte alternativa de renda Ívis Bento de Lima Alexandre Rodrigues Loures.

Agricultura familiar: ovino-caprinocultura como fonte alternativa de renda Ívis Bento de Lima Alexandre Rodrigues Loures. Agricultura familiar: ovino-caprinocultura como fonte alternativa de renda Ívis Bento de Lima Alexandre Rodrigues Loures Introdução Ao longo dos últimos anos, com o advento da mecanização do setor agrícola

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 06 de outubro de 2014 TECNOLOGIA GENÉTICA ACESSÍVEL PECUÁRIA Laboratório fará transferência de embriões de animais de

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NAS PEQUENAS PROPRIEDADES DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1. José Roberto Alves Silvestre. Introdução

DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NAS PEQUENAS PROPRIEDADES DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1. José Roberto Alves Silvestre. Introdução Capítulo 10 - Pecuária leiteira nas pequenas propriedades DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NAS PEQUENAS PROPRIEDADES DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 José Roberto Alves Silvestre Introdução A participação do

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 2. 250650/2013 Município: UF: Prefeito: Gurjão PB RONALDO RAMOS DE QUEIROZ Orçamento total da Prefeitura: R$ 10.386.175,36 Qtd. Emp. Form.ME, EPP.

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Boletim DATALUTA Artigo do mês II: setembro de 2015. ISSN 2177-4463

Boletim DATALUTA Artigo do mês II: setembro de 2015. ISSN 2177-4463 MERCADOS INSTITUCIONAIS COMO ALTERNATIVA PARA O FORTALECIMENTO DOS MERCADOS LOCAIS DE ALIMENTOS: O CASO DO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS (PAA) NO MUNICÍPIO DE TUPI PAULISTA/SP Valmir José de Oliveira

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 Estabelece valores de referência para outorga de uso de recursos hídricos em corpos de água de domínio do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO APRESENTAÇÃO: A região Semi-árida é caracterizada de um modo geral pela aridez do clima, deficiência hídrica, precipitações

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

Categoria Negócios Sustentáveis. Artesanato - Plano de Negócio DRS. Nome do Projeto: Artesanato da Taboa. Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL

Categoria Negócios Sustentáveis. Artesanato - Plano de Negócio DRS. Nome do Projeto: Artesanato da Taboa. Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL Categoria Negócios Sustentáveis Artesanato - Plano de Negócio DRS Nome do Projeto: Artesanato da Taboa Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL Localização: Feliz Deserto Alagoas Feliz Deserto é um município

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO REGIÃO NORDESTE AS SUB-REGIÕES DO NORDESTE ZONA DA MATA AGRESTE SERTÃO MEIO-NORTE MEIO NORTE SERTÃO ZONA DA MATA

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

PERFIL SETORIAL DA CAPRINOVINOCULTURA

PERFIL SETORIAL DA CAPRINOVINOCULTURA PERFIL SETORIAL DA CAPRINOVINOCULTURA No Mundo, Brasil, Nordeste e Sergipe Elaboração: Fagner Walleinstein Silveira Correia Consultor SEBRAE / Médico Veterinário CRMV/SE-0185 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO 03

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR P N A E 250 mil famílias poderão ser beneficiadas (estimativa) Cerca de R$1 bilhão 47 milhões de alunos da educação básica da rede pública GRANDE DESAFIO: AS

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 O SISTEMA PAIS (PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA E SUSTENTÁVEL) COMO INDUTOR DA DIVERSIFICAÇÃO PRODUTIVA E DO REDESENHO DO AGROECOSSISTEMA DE UMA PROPRIEDADE RURAL DO

Leia mais

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Grandes números do Banco do Brasil Ativos totais: R$ 598 bilhões Clientes: 48,1 milhões Carteira

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA DECRETO N. 5109, DE 05 JULHO DE 2011. Regulamenta as Leis Municipal nrs. 2.067/2007 e 2.425/2011 as quais dispõe sobre o Programa de Atendimento ao Produtor Rural, Pró-Rural, e dá outras providências.

Leia mais

SEBRAE CE. Projetos na Área Rural

SEBRAE CE. Projetos na Área Rural SEBRAE CE Projetos na Área Rural Projetos na Agricultura Fruticultura do Vale do Jaguaribe PRINCIPAIS AÇÕES Consultoria SEBRAETEC Central de Frutas Tabuleiros de Russas. RESULTADOS ALCANÇADOS 15% de toda

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Oficina de trabalho do PEDEAG 3: OVINOCULTURA

Oficina de trabalho do PEDEAG 3: OVINOCULTURA Oficina de trabalho do PEDEAG 3: OVINOCULTURA É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal maneira que num dado momento, a tua fala seja a tua prática. Paulo Freire (1921

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação:

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação: INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. ) Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação a construção de uma Unidade de Ensino Descentralizada do CEFETES na Região Noroeste do Estado do Espírito Santo.

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar

Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar 1- PROJETO: Projeto Hora de Plantar 2- INTRODUÇÃO e JUSTIFICATIVA : A distribuição de sementes e mudas, através do Projeto Hora de Plantar, pela

Leia mais

Desafios tecnológicos para a produção de caprinos e ovinos no Centro-Oeste. Marco A. D. Bomfim Embrapa Caprinos e Ovinos Cuiabá-MT Maio/2010

Desafios tecnológicos para a produção de caprinos e ovinos no Centro-Oeste. Marco A. D. Bomfim Embrapa Caprinos e Ovinos Cuiabá-MT Maio/2010 Desafios tecnológicos para a produção de caprinos e ovinos no Centro-Oeste Marco A. D. Bomfim Embrapa Caprinos e Ovinos Cuiabá-MT Maio/2010 Introdução Quais os principais gargalos ao desenvolvimento da

Leia mais

Avaliação do Programa Agroamigo Banco do Nordeste

Avaliação do Programa Agroamigo Banco do Nordeste Avaliação do Programa Agroamigo Banco do Nordeste 2006-2010 Fortaleza, 20 de Julho de 2012 Pontos avaliados 1. O Programa e a Pesquisa 2. Caracterização socioeconômica 3. Riqueza 4. Produção 5. Crédito

Leia mais

Inovação em roças no toco. Como fazer a roça aumentar a renda da família?

Inovação em roças no toco. Como fazer a roça aumentar a renda da família? Inovação em roças no toco Ou Como fazer a roça aumentar a renda da família? Produção da roça no toco Arroz, Milho Mandioca, Feijão, Fava Abóbora, Maxixe, Melão, Melancia, Pepino, Macaxeira, Batata, Quiabo,

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

MULHERES NA FUMICULTURA. Adriana Gregolin

MULHERES NA FUMICULTURA. Adriana Gregolin MULHERES NA FUMICULTURA Adriana Gregolin Características gerais Em 2007 as mulheres representavam 41% do emprego total na agricultura no mundo. Na África mulheres executam 80% dos trabalhos domésticos

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 1. Apresentação O objetivo deste artigo é apresentar o projeto Educampo, fruto da parceria entre o Sebrae-MG, a agroindústria e os produtores

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS Rosilene Ferreira Souto Luzia Souza Setembro 2014 Parceria Institucional com foco na rastreabilidade Acordo de Cooperação entre

Leia mais

A piscicultura do Clube Agrícola Santa Ana foi uma das pisciculturas comunitárias integrantes do projeto Ver-o-Peixe. No

A piscicultura do Clube Agrícola Santa Ana foi uma das pisciculturas comunitárias integrantes do projeto Ver-o-Peixe. No \ Ver-o-peixe é o nome de um projeto de desenvolvimento da piscicultura familiar realizado em parceria entre agricultores, pesquisadores e técnicos da extensão rural para criação de peixes nos sistemas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF

DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF Entidade/Empresa Nº Contrato 1. DADOS DO BENEFICIÁRIO: Nome: ; Nº da DAP: ; Situação:

Leia mais

Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor

Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor Comunidade Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor Daniel Maia Nogueira e Francisco Nilton de Menezes Cavalcanti A criação de cabras está ligada ao homem desde o início da civilização e teve

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Produção de Leite na Agricultura Familiar

Produção de Leite na Agricultura Familiar Produção de Leite na Agricultura Familiar Rosangela Zoccal 1 Antônio Domingues de Souza 2 Aloisio Teixeira Gomes 1 José Luiz Bellini Leite 1 RESUMO Nesse estudo, foi analisada a situação dos produtores

Leia mais

Comitê Integrado de Enfrentamento à Estiagem OPERAÇÃO SECA

Comitê Integrado de Enfrentamento à Estiagem OPERAÇÃO SECA 01/11/2012 Monitoramento dos Municípios Pernambucanos em Estado de Emergência Legenda: Estado de Emergência decretado pelo município, mas não homologadas pelo SEDEC 4 Municípios Estado de Emergência decretado

Leia mais

Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, PAA - Programa de Aquisição de Alimentos, São Miguel do Anta MG¹.

Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, PAA - Programa de Aquisição de Alimentos, São Miguel do Anta MG¹. Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, PAA - Programa de Aquisição de Alimentos, São Miguel do Anta MG¹. Marina Almeida Souza. Graduanda do Curso de Economia Doméstica da Universidade Federal de

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS 1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS Organização de Produtores para produção e comercialização de laranjas in natura. MAURÍLIO SOARES GOMES - Engenheiro Agrônomo JOSÉ ROBERTO GOLFETE - Técnico

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Coordenadoria de Assistência Técnica Integral Resumo de UPAs do Município

Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Coordenadoria de Assistência Técnica Integral Resumo de UPAs do Município Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Coordenadoria de Assistência Técnica Integral Resumo de UPAs do Município Município: 274 - ITUVERAVA Estrutura Fundiária Extrato No. UPAs

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 29 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 29 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 29 de setembro de 2015. Saindo do papel O deputado Fernando Monteiro, da bancada pernambucana do PP na Câmara federal, regressou ontem de um giro pelos canais da Transposição

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

Anexo I. Diagnóstico da Unidade Produtiva

Anexo I. Diagnóstico da Unidade Produtiva Chamada Pública SEAPROF nº. 01/2012 Anexo I. Diagnóstico da Unidade Produtiva Nome da Instituição/Unidade de ATER: Nome do Técnico:. Assinatura Data de Aplicação: / / QUESTIONÁRIO Nº: IDENTIFICAÇÃO 1.1

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009. Produção ASCOM

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009. Produção ASCOM EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009 Produção ASCOM Valor Econômico 12/05/2009 Agronegócios Gazeta de São João del Rei 12/05/2009 www.gazetadesaojoaodelrei.com.br

Leia mais

Legenda da priorização das propostas: Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017

Legenda da priorização das propostas: Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017 Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida do possível. Legenda da priorização

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

DIAGNÓSTICO NACIONAL DA OVINOCAPRINOCULTURA

DIAGNÓSTICO NACIONAL DA OVINOCAPRINOCULTURA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária FAV Programa de Pós-Graduação em Agronegócios PROPAGA Grupo de Estudos sobre a Competitividade e a Sustentabilidade do Agronegócio

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais