PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER ANCHIETA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER 2011-2013 ANCHIETA"

Transcrição

1 PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER ANCHIETA PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE AÇÕES - (2011)

2 Equipe Responsável pela elaboração Escritório Local de Desenvolvimento Rural de Anchieta Waldemar da Silva Belém Júnior Antônio Carlos Cavalcanti de Souza Francisco de Assis Flores de Barros Haroldo Mascarenhas da Silva Contribuições na elaboração do diagnóstico e planejamento Prefeitura Municipal de Anchieta Secretarias Municipais da Agricultura, Pesca e Meio Ambiente Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Anchieta e Piúma MEPES, através da Escola Família Agrícola de Olivânia e do Central IDAF, através de seu Posto de Atendimento de Anchieta Agentes Financeiros Banco do Brasil S.A., BANESTES S.A. e SICOOB Associações de Agricultores, Pescadores, Mulheres e Comunitárias do Município Colônia de Pesca Z4 IBAMA (Vitória) GRPU ES (Gerência Regional do Patrimônio da União) Capitania dos Portos do ES SEAP/PR ES (Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da Presidência da República. DRT Delegacia Regional do Trabalho do ES INSS Instituto Nacional de Seguridade Social IEMA Instituto Estadual do Meio Ambiente MDA Ministério do Desenvolvimento Agrário Sindicato Rural de Anchieta Equipe de apoio na elaboração José Mauro de Sousa Balbino (CRDR Centro Serrano) Ricardo Silva Baptista (MDR Metropolitano) Juliana de Barros Valle (Assessoria técnica) Célia Jaqueline Sanz Rodriguez (Área de Operações Ater) Gardênia Marsalha de Araújo (Área de Operações Ater) Ludmila Nascimento Nonato (Área de Operações Ater)

3 APRESENTAÇÃO O Programa de Assistência Técnica e Extensão Rural Proater é um instrumento norteador das ações de Assistência Técnica e Extensão Rural - Ater que serão desenvolvidas junto aos agricultores familiares. A programação está respaldada em diagnósticos e planejamento participativos, com a qual agricultores, lideranças, gestores públicos e técnicos contribuíram ativamente na sua concepção. Mais do que um instrumento de gestão, o Proater tem como grande desafio contribuir com o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar. As ações de assistência técnica e extensão rural ora planejadas são vistas como um processo educativo não formal, emancipatório e contínuo. Assim, a melhoria da qualidade de vida das famílias rurais é o grande mote e direcionamento dos esforços dos agentes de Ater envolvidos no processo. Este documento está dividido em duas partes: a primeira, o diagnóstico, apresenta informações acerca da realidade do município (aspectos demográficos, naturais/ambientais, sociais e econômicos), os principais desafios e as potencialidades. A segunda, o planejamento, encerra a programação de ações para o ano de 2011.

4 1. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 1.1 Localização do município O Município de Anchieta localiza-se a uma latitude de 20º e longitude de 40º e possui uma área de 405 Km² equivalente a 0,92% do território nacional (IBGE 2005). Limita-se ao Norte com os Municípios de Guarapari e Alfredo Chaves, ao Sul com Piúma e Oceano Atlântico, a Leste com o Oceano Atlântico e a Oeste com Iconha e Alfredo Chaves. Fica localizado no Território Sul Litorâneo, juntamente com os municípios de Guarapari, Piúma, Itapemirim, Marataízes, Presidente Kennedy, Rio Novo do Sul e Iconha. 1.2 Aspectos históricos, populacional e fundiários Histórico da colonização, etnia, costumes e tradições Anchieta se originou de uma aldeia de índios catequizada pelos padres jesuítas. O primeiro nome da cidade foi Reritiba, que, em tupy, significa lugar de muitas ostras. No dia 1 de janeiro de 1759, a então aldeia de Reritiba tornou-se vila, passando a se chamar Benevente. Mais tarde, pela lei provincial número 6, de 12 de agosto de 1887, a Vila de Benevente foi elevada à categoria de cidade com a designação de Anchieta, nome que foi ratificado pela lei estadual 1307 de 30 de dezembro de A data exata da fundação da cidade é incerta. Alguns historiadores falam em 1565, outros em 1567 e outros em 1569, mas todos são unânimes ao afirmar que o dia da fundação da cidade foi 15 de agosto. Como este dia é dedicado a Nossa Senhora da Assunção, ela foi escolhida padroeira da cidade. Anchieta é uma das mais antigas localidades do Espírito Santo e do Brasil. O nome Anchieta é uma homenagem a José de Anchieta. Padre jesuíta espanhol, nascido nas Ilhas Canárias em 1534 e que viveu boa parte de sua vida, vindo a falecer, na cidade que leva o seu nome. Anchieta ingressou na Companhia de Jesus ainda jovem, quando foi estudar em Portugal. Sua obra de catequista e evangelizador se desenvolveu principalmente na Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e no Espírito Santo.

5 A formação étnica do município tem como base descendente de italianos, que preservam traços culturais na área agrícola, gastronômica e ainda mantém grupos folclóricos como de danças. Também merecem destaque os descendentes de portugueses e comunidade de afro-descendentes, que também preservam tradições de festas típicas, gastronomia, e danças. Pode-se encontrar ainda, descendentes indígenas, e outras etnias, com suas peculiaridades produtivas, porém em menor escala. As manifestações culturais de Anchieta podem ser distribuídas em 4 grupos diferentes: religioso, folclórico, artístico e ecológico. No grupo religioso destacam-se a Festa do Beato José de Anchieta (9 de junho); São Pedro, com a Procissão Marítima (29 de junho); Nossa Senhora da Assunção (15 de agosto) e Nossa Senhora da Penha (8 de setembro). No aspecto folclórico chamam a atenção os grupos de dança como as bandas de Congo Mestre Pedro Camilo, São Mateus e Sol e Lua; o grupo de dança do Divino Espírito Santo da comunidade de Jabaquara; Os Brandarinos da comunidade de Belo Horizonte e o Grupo Nona Adélia de dança italiana da comunidade de Alto Pongal. No campo artístico destacam-se as fanfarras das escolas municipais, os grupos de teatros e as bandas de música da cidade. Finalmente no grupo ecológico estão os passeios nas águas do Rio Benevente com visitação às Ruínas Jesuíticas, a descida ecológica do Rio Benevente de caiaque e as caminhadas como os passos dos imigrantes que misturam aspectos ecológicos, culturais e religiosos.

6 Distritos e principais comunidades Anchieta possui hoje, além da sede municipal, outros 03 distritos: Jabaquara, Iriri e Alto Pongal, conta ainda com inúmeras comunidades, como se pode observar nos mapas abaixo. Na questão administrativa (planejamento), principalmente nas questões de políticas públicas para o espaço rural (principalmente Assistência Técnica e Extensão Rural ATER), o município conta hoje com 05 grandes setores: Setor Pongal, Setor Corindiba, Setor Jabaguara, Setor São Mateus e Setor Horizonte de acordo com mapa abaixo: Figura 1 Mapa do município/distritos

7 1.2.3 Aspectos populacionais Em pesquisa realizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, divulgada no Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil, Anchieta ocupa, em relação ao Espírito Santo, o 6º lugar (0,79), no ranking do I.D.H. - Índice de Desenvolvimento Humano (PNUD/2000). Os índices avaliados foram: longevidade, mortalidade, educação, renda e sua distribuição. Tabela 1 Aspectos Demográficos SITUAÇÃO DO DOMICÍLIO/SEXO 2010 Urbana Homens 9044 Mulheres 9117 Rural 5741 Homens 3018 Mulheres 2723 Fonte: em 12 de maio de Aspectos fundiários Os aspectos fundiários de um município refletem, a grosso modo, a forma como a terra está sendo distribuída entre as pessoas e os grupos. Existem muitas formas de observar e conceituar a partir desses números. Optamos por utilizar dados do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) onde a quantidade de módulos fiscais define a propriedade em minifúndio, pequena (entre 1 a 4 módulos fiscais), média (acima de 4 até 15 módulos fiscais) e grande propriedade (superior a 15 módulos fiscais). Os módulos fiscais variam de município para município, levando em consideração, principalmente, o tipo de exploração predominante no município, a renda obtida com a exploração predominante e o conceito de propriedade familiar (entre outros aspectos, para ser considerada familiar, a propriedade não pode ter mais que 4 módulos fiscais) 1. Em Anchieta o módulo fiscal equivale a 16 hectares. 1 Legislação: Lei 8.629, de 25 de fevereiro de 1993 e Instrução Normativa Nº 11, de 04 de abril de 2003).

8 A estrutura fundiária de Anchieta retrata o predomínio das pequenas propriedades, de base familiar. No município não existem assentamentos rurais e a estrutura fundiária encontra-se assim distribuída: Tabela 2 Aspectos da Estratificação Fundiária Município Minifúndio Pequena Média Grande Total Anchieta Fonte: Incra, dados de janeiro de janeiro de Observa-se na tabela que o município apresenta um índice significativo de agricultores familiares, haja vista que apresenta 87,63% das propriedades com áreas de até a 4 módulos fiscais. Estes números ajudam a evidenciar a importância da agricultura familiar para o município de Anchieta, tanto na questão da ocupação de mão-de-obra quanto na geração de riquezas econômicas. Também é significativo o número de sistemas de parceria agrícola e/ou comodato. 1.3 Aspectos Edafoclimáticos e ambientais Caracterização edafoclimática Fazendo a análise do Mapa e da tabela podemos concluir que o município de Anchieta se caracteriza como sendo de terras quentes (97,05%) e também com 70% de áreas secas ou de transição chuvosa/seca. Essa condição requer cuidados nos desenvolvimento da atividade agropecuária, sobretudo nas técnicas e manejos de produção, haja vista que em áreas do município temos balanço hídrico negativo o que torna essas áreas mais desprotegidas contra os processos de degradação de solos e do ambiente de uma forma geral. A topografia do município apresenta áreas planas (30% do município), áreas onduladas (40%), montanhosas (20%) e escarpa (10%).

9 Os solos do Município são banhados pela bacia hidrográfica do Rio Benevente que tem como seus principais afluentes os rios Pongal, Corindiba e Salinas e, com destaque para a lagoa de Maembá. Estes solos são classificados como latossolos vermelho amarelo, correspondendo aos solos antigos, de textura predominante argilosa. Podzol hidromórfico, são solos profundos, textura arenosa ao longo do perfil, cuja acidez varia de fortemente a extremamente ácidos, e estão junto à cidade de Anchieta. Existem ainda o Solos halomórficos (de mangue) que são solos recentes formados por material carregado pelos rios sob influência da maré, com acúmulo de matéria orgânica na parte superior e cores de intensa redução e estão junto à faixa litorânea, em margens inundáveis pelo mar. O Clima característico do município é o tropical com precipitação pluviométrica na ordem de 1178 mm anuais. Apresenta um período chuvoso (verão) e no inverno é comum períodos de veranicos. As temperaturas variam em médias máximas de 27,8 º C a 34,0 º C e, em médias mínimas, de 9,4 º C a 18,0 º C (INCAPER/NEPUT Zonas Naturais do ES 1999).

10 Figura 2 Zonas naturais do município Algumas características das zonas naturais 1 do município de Anchieta ZONAS Zona 2 Terras de temperaturas amenas acidentadas e chuvosas Temperatura Relevo Água Média Meses chuvosos/secos e secos Média 1 máx. mês mín. mês Declividade secos Meses mais mais frio ( o quente 1 J F M A M J J A S O N D C) ( o C) 9,4 11,8 27,8 30,7 > 8% 2,5 U P U U U P P P P U U U Zona 4 Terras quentes, acidentadas e chuvosas Zona 5 Terras quentes acidentadas e transição chuvosa/seca Zona 6 Terras quentes, acidentadas e secas Zona 8 Terras quentes, planas e transição chuvosa/seca Zona 9 Terras quentes, plana e secas 11,8 18,0 11,8 18,0 11,8 18,0 11,8 18,0 30,7 34,0 30,7 34,0 30,7 34,0 30,7 34,0 > 8% 2,5 U P U U U P P P P U U U > 8% 4,5 U P P P P P P S P U U U 5,0 P P P P P P P S P U U U > 8% 6 U P P P P P S S S P U U > 8% 11,8 30,7 18,0 34,0 1 Fonte: Mapa de Unidades Naturais(EMCAPA/NEPUT, 1999); 2 Cada 2 meses parcialmente secos são contados como um mês seco; 3 U chuvoso; S seco; P- parcialmente seco. 4,5 U P P P P P P S P U U U 5,0 P P P P P P P S P U U U > 8% 6 U P P P P P S S S P U U

11 Em termos agrícolas, a maior parte solo anchietense está ocupada com pecuária de leite e corte, logo depois vem a atividade do café e da banana; com menor expressão vêem as atividades anuais, a fruticultura e a silvicultura que está passando por processo de crescimento de sua área implantada. O município de Anchieta não possui uma utilização do solo homogênea, alguns setores do município são mais preocupados com a conservação de solos, já outros têm pouca preocupação sobre a questão, utilizando ainda métodos de plantio sem curva de nível; muita capina e pouca roçada; queimada; plantio em áreas de grande inclinação e inaptas ambientalmente. As áreas que apresentam maior degradação são as de pastagens, alguns locais do município apresentam pastagens e solos depauperados, com forte processo de erosão de solos e baixíssimo aproveitamento produtivo, segundo dados do Censo Agropecuário 2006 (IBGE) o municio tem 692 ha de pastagens degradas. Outras atividades também promovem a degradação de solos pela utilização de técnicas inadequadas de cultivo, não respeitando as condições edofloclimáticas locais, uma vez que boa parte das terras do município fica localizada em áreas com déficit hídrico, bastante propenso ao processo de degradação. Apesar da melhora da situação e dos esforços dos órgãos públicos, principalmente o Incaper e a Secretaria Municipal Agricultura, no que se refere à preservação do solo, através de trabalhos de assistência técnica e extensão rural (plantio em curva de nível; plantio direto; orientação sobre legislação ambiental; utilização da roçada em substituição das capinas; pastejo rotacionado; programa de análise e correção de solos, inserção da silvicultura em pastagens degradadas...) verifica-se que as práticas agrícolas conservacionistas de solo ainda necessitam estar na pauta de debate junto aos agricultores e suas lideranças, pois o problema é grave e as consequências são grandes, influenciando negativamente a produtividade média das atividades.

12 1.3.2 Aspectos Ambientais Atualmente o município conta com 03 Unidades de Conservação: a Estação Ecológica Papagaio, o Manguezal e a Área de Proteção Ambiental Tartarugas. Além destas 03 áreas, o Plano Diretor Municipal (PDM) definiu uma série de áreas de Especial Interesse Ambiental: as mais de 15 lagoas naturais existentes; as margens dos rios; além da Serra de Itaperoroma; Serra de Jaquiçabe; Monte Urubu e o Pico Independência, estas últimas 4 estão em processo de estudo para a possibilidade da criação de unidades de conservação. Na questão de remanescentes florestais, o município possui muito pouco das áreas de mata atlântica original, restam apenas cerca de 5% da vegetação original. Boa parte das propriedades agrícolas não possui os 20% de reserva legal e também na questão das áreas de preservação permanente (APP) a situação não é confortável, ambas estão ocupadas hoje por atividades agropecuárias, principalmente pastagens, café e banana. Somando-se a esta situação o fato de que em algumas áreas do município apresentar déficit hídrico negativo, temos um cenário favorável ao processo de perca de fertilidade do solo e de degradação ambiental, especialmente nas áreas de pastagens. 1.4 Organização social Apesar dos estímulos e ações que vem sendo planejadas e desenvolvidas pelo Incaper, STRAP, SEMADER e MEPES no que se refere ao fortalecimento das organizações rurais de Anchieta, ainda é bastante evidente o desinteresse por parte dos agricultores(as) com as associações locais. Isso se deve principalmente ao processo histórico de criação das associações, que está vinculado ao assistencialismo, aos trampolins políticos e também pela falta de discussão do real papel das associações no processo de desenvolvimento local. Ainda é bastante presente a dependência das organizações junto ao poder público e a grande maioria delas não possui um planejamento concreto de ações. A quantidade de associações existentes não reflete qualitativamente em ações concretas. Associações são bem articuladas na organização de festas com o principal foco de arrecadação de dinheiro, porém, deixam a desejar em outras questões inerentes ao associativismo.

13 Se por um lado a situação levantada acima mostra muitos desafios, por outro vale destacar que algumas organizações têm avançado bastante e atuando concretamente á partir do associativismo, como é o caso da Associação de Agricultoras Familiares de Córrego da Prata (mulheres da prata) que são exemplo hoje no estado em organização e comercialização; a APROBANA (Associação de Produtores de Banana de Anchieta) que vem apresentando um crescimento de associados e já realiza comercialização dos produtos de seus sócios de forma direta no mercado do Rio de Janeiro; APROFLORA (Associação de produtores de flores de Anchieta) que já foi contemplada com alguns projetos importantes para o desenvolvimento desta nova atividade da floricultura no município; além de algumas associações de produtores/comunitárias que tem procurado traçar planejamento e desenvolver projetos para além de solicitar ações do poder público: como no caso da Associação de Belo Horizonte, Vale Corindiba e outras. O Sindicato dos trabalhadores Rurais de Anchieta e Piúma é uma fortaleza hoje no município. O STRAP é um sindicato bastante atuante, sendo também uma referência a nível estadual, desenvolvendo projetos com recursos do MDA e próprios no sentido de fortalecer o território sul litorâneo, capacitar lideranças rurais, empoderar o agricultor(a) familiar, discutir com a municipalidade o Plano Plurianual com foco na qualidade de vida no meio rural, discutindo e qualificando as políticas públicas para a agricultura familiar, fortalecendo as parcerias institucionais, especialmente com o INCAPER, MEPES E SEMADER, e sobretudo tendo uma ação que vai muito além do assistencialismo, enfocando também as ações políticas. Com relação ao setor da pesca os desafios que enfrentam as associações e a Colônia de Pesca, composta por pescadores e pescadores de base familiar, são complexos e multidimensionais Porém existe um problema que deve ser afrontado com urgência: o processo cultural de assistencialismo promovido pelas próprias associações para com o seu público e também o assistencialismo praticado pelo poder público para com as organizações, Essa ação assistencialista é como um vírus que se hospeda dentro do corpo das diversas formas de organizações, debilitando o tecido das organizações e escravizando a consciência dos associados.

14 Entretanto, existem algumas associações que vem desempenhando as suas funções com base no sentimento de pertencimento, territorialidade, solidariedade, e sobretudo de resistência ao processo de dominação, participando efetivamente dos interesses da coletividade, tendo como destaque a Associação de pescadores de Ubú e Parati. Tabela 3 Associações de agricultores familiares existentes no município Nº NOME DA ORGANIZAÇÃO LOCAL DA SEDE Nº DE SÓCIOS PRINCIPAIS ATIVIDADES COLETIVAS DESENVOLVIDAS APROBANA Associação de Produtores de Banana APROFLORA Associação de Produtores de Flores Associação de Mulheres de Córrego da Prata Associação Comunitária de Córrego da Prata Associação de Desenvolvimento Local de Goimbê (ADESG) Associação de Moradores de Baixo Pongal Associação de Pais da Escola Familia Agrícola de Olivânia CÓRREGO DA PRATA CORREGO DA PRATA CORREGO DA PRATA GOIMBÊ 25 BAIXO PONGAL 100 OLIVÂNIA Associação de Moradores de Arerá ARERÁ Associação de Agricultores de Dois Irmãos de Pongal Associação de Moradores de Alto Joeba Associação de Moradores de São Mateus Associação de Moradores de Belo Horizonte Associação Comunitária de Alto Pongal Associação de Moradores de Itajobaia Associação de Agricultores e Agricultoras do Vale do Corindiba Associação de Pescadores de Ubu e Parati AMA Associação de Maricultores de Anchieta Fonte: Dados do INCAPER/ELDR de Anchieta e Prefeitura, DOIS IRMÃOS DE PONGAL 15 ALTO JOEBA 30 SÃO MATEUS 35 BELO HORIZONTE 20 ALTO PONGAL 50 ITAJOBAIA 15 DUAS BARRAS 60 UBU 80 ANCHIETA/SEDE 20

15 Tabela 4 Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável - CMDRS Nº ENTIDADE REPRESENTANTE 1 COMDERS 2 SECRETARIA DE AGRICULTURA 3 GO DE AGRICULTURA 4 GO DE PESCA 5 SECRETARIA DE EDUCAÇÃO 6 SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL 7 SECRETARIA DE SAÚDE 8 SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE 9 SECRETARIA DE OBRAS 10 SECRETARIA DE TURISMO 11 CAMARA MUNICIPAL DE ANCHIETA 12 INCAPER 13 SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS DE ANCHIETA E PIÚMA 14 EFA-O 15 MEPES 16 AGRICULTURA FAMILIAR DE SÃO MATEUS EFETIVO: MARIA ISABEL FRADE SUPLENTE: - EFETIVO: - SUPLENTE: ROSANGELA M. CREMONINI EFETIVO: SIMONI BATTESTIM SUPLENTE: - EFETIVO: FERNANDO BOSISIO SUPLENTE: EFETIVO: ANGELA PEREIRA PIMENTEL SUPLENTE: ÉRICA ROSA ALCÂNTARA EFETIVO: CLÁUDIA SIMÕES CARDOSO SUPLENTE: FLÁVIO SANTANA DE OLKIVEIRA EFETIVO: JOÃO CARLOS DE A. MARTINS SUPLENTE: FAYER FONSECA PEREIRA EFETIVO: MARCELO POMPERMAYER SUPLENTE: ELIO DER CASTRO PAULINO EFETIVO: RENATO LORENCINI SUPLENTE: HENRIQUE BOURGUIGNON EFETIVO: LEONARDO ANTÔNIO ABRANTES SUPLENTE: EFETIVO: BRUNELLA MARQUES C. COSTA SUPLENTE: MARILZA DA S. SCHERRER LYRIO EFETIVO: HAROLDO M. DA SILVA SUPLENTE: WALDEMAR DA S. BELEM JUNIOR EFETIVO: LEONARDO RAUTA MARTINS SUPLENTE: MARTA REGINA V. LORENCINI EFETIVO: FÉLIX MERIGUETTI SUPLENTE: JUCELINO MARION EFETIVO: JOSÉ CLAUDINO CAPELINI SUPLENTE: ELIZA APARECIDA GONÇALVES EFETIVO: ANTONIO ROBERTO S. SALVADOR SUPLENTE: NEDSON DE MATTOS MENDES

16 Nº ENTIDADE REPRESENTANTE AGRICULTURA FAMILIAR DE BELO HORIZONTE EFETIVO: CARLOS ATHALYDES NASCIMENTO SUPLENTE: LEOVEGILDO BRANDÃO EFETIVO: WALLACE MIRANDA SUPLENTE: JOSÉ VANDERLEI DA S. SALVADOR EFETIVO: DEOCLÉCIO PIN SUPLENTE: JOSÉ ALBERTO SENNA 20 AGRICULTURA FAMILIAR DE PONGAL 21 ASSOCIAÇÃO DE MARICULTORES EFETIVO: ROSANGELA BISI ZUQUI SUPLENTE: ANTONIO JAMIL DESTÉFANI AGRICULTURA FAMILIAR DE JABAQUARA 22 COLONIA DE PESCADORES AGRICULTURA FAMILIAR DE VALE DO CORINDIBA SUPLENTE: JOSÉ LUIZ D. CARVALHO Fonte: INCAPER/ELDR Anchieta, Aspectos Econômicos A economia de Anchieta apresenta-se bastante diversificada, destacam-se as indústrias, a agropecuária, o turismo, a pesca e o comércio local que vem se fortalecendo. As maiores receitas do município provem das empresas situadas na região, tendo destaque a Samarco Mineração (empresa de produção e exportação de pelotas de ferro). O município vive ainda a expectativa de grande crescimento econômico com a implantação de um grande polo industrial. Ações já aconteceram como a expansão da Samarco, e outras estão em curso os investimentos já anunciados para a cidade: Vinda da Vale; um braço da ferrovia litorânea, que vai ligar Vitória a Cachoeiro de Itapemirim; um novo terminal marítimo; Usina de Tratamento de Gás; ampliação/construção de novo porto, entre outras subsidiárias atraídas para dar suporte às maiores. O comércio local vem passando por um período de incremento, novos investimentos e ampliação de casas já tradicionais tem aquecido um pouco mais o setor, que vem acompanhando o processo de crescimento da cidade em função dos investimentos industriais em curso.

17 O Setor Agropecuário é muito estratégico para o município, um número expressivo de famílias vive deste segmento que se destaca com as atividades do café conilon, pecuária leiteira e de corte, banana e mandioca, silvicultura, entre outras. A pesca também ajuda a movimentar a economia da cidade e a gerar um número significativo de empregos tanto na sede municipal quanto nas localidades de Inhaúma, Ubu, Parati, Maemba, Ponta dos Castelianos e Iriri. Tabela 5 Principais Atividades Econômicas ATIVIDADES % NO PIB MUNICIPAL Agropecuária 1,23 Indústria 76,93 Comércio e Serviços 21,84 Fonte:http://www.ijsn.es.gov.br/index.phpption=com_content&view=category&layout=blog&id=281&Itemid=258 Tabela 6 Principais atividades agrícolas (Área, Produção, Produtividade e valor total das principais atividades agropecuárias do município) Produto Área Total (ha) Área a ser Colhida (ha) Quantidade Produzida (T) Rendimento Médio (Kg/ha) Produção Estimada (t) Arroz Banana Borracha Cacau Café Cana Coco-da-baía Feijão Safra Feijão Safra Inhame Mandioca Maracujá Milho Safra Palmito TOTAL Fonte: IBGE/LSPA do Estado do Espirito Santo (Agosto/2010).

18 Tabela 7 Atividade Pecuária MUNICÍPIO TIPO DE REBANHO Bovino Suíno Caprino Anchieta Ovino Galos, Frangas, Frangos, Pintos Galinha Codorna 80 - Variável: Valor da Produção (Mil reais) MUNICÍPIO TIPO DE PRODUTO Leite Anchieta Ovos de Galinha Ovos de Codorna - - Mel de Abelha 9 11 Fonte: e t=1&z=t&o=23&u1=1&u2=1&u3=1&u4=1&u5=1&u6=1&u7=1, em Tabela 8 Aquicultura e Pesca TILÁPIA (X) Área utilizada em ha 2,0 OUTROS PEIXES ( ) Produção em Tonelada - QUAIS? Produtor Nº - ALEVINOS Fonte: INCAPER/ELDR Anchieta, TILÁPIA (X) Área utilizada em ha 0,5 OUTROS PEIXES ( ) Produção em Tonelada QUAIS? Produtor Nº - -

19 Tabela 9 Principais Atividades rurais não agrícolas Nº ATIVIDADES NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS 1 Agroindústria 10 2 Artesanato 07 3 Agroturismo 10 Fonte: INCAPER/ELDR Anchieta, Os Setores da Agropecuária e da Pesca são responsáveis pela geração de aproximadamente (cinco mil) ocupações no município. Esse número expressivo se explica pela configuração fundiária do município, caracterizada amplamente por agricultores familiares e também pelo fato da pesca predominante ser a artesanal. Atividades Rurais Não Agrícolas: Diretamente ligadas ao setor agropecuário, às atividades rurais não agrícolas se fortalecem a cada dia. O agroturismo já é uma realidade no Setor Pongal e um trabalho vem sendo desenvolvido no Setor Corindiba. Nas comunidades do interior estão surgindo surgem vários empreendimentos para o atendimento a essa demanda crescente. O agroturimo no município é vinculado às agroindústrias, e estas por sua vez também estão num processo de expansão, são inúmeras pequenas agroindústrias familiares ou de grupos associados de mulheres, como é o caso das Mulheres da Prata, que são hoje uma referência estadual. Destacamse as agroindústrias de processamento de mandioca, pães, doces e biscoitos, cachaça, processamento de frutas entre outras. 1.6 Aspectos Turísticos O turismo é um dos propulsores econômicos do município, com uma riquíssima herança histórica, além de privilegiado por 21 belas praias, lagoas, falésias e rios adornados por um riquíssimo manguezal, o município de Anchieta tem todos os atributos necessários para um desenvolvimento ainda maior neste segmento. As praias da cidade são cada vez mais frequentadas. Recentemente a praia dos Castelhanos, uma das mais frequentadas por turistas e moradores, foi certificada para concorrer ao sele Bandeira Azul de excelência em qualidade. No turismo religioso a cidade apresenta o Santuário de Assunção, formado pela Igreja Matriz pela residência dos padres jesuítas e pelo Museu do Beato José de Anchieta. Hoje o movimento é mais expressivo no verão (Veranistas), o desafio é diminuir a sazonalidade e melhorar a qualidade dos turistas.

20 O agroturismo vem a cada ano despontando como uma alternativa de geração de ocupação e renda, através de iniciativas de agricultores familiares que estão aproveitando o potencial produtivo, natural e cultural da região. O Município conta hoje com um circuito turístico denominado: Circuito dos Imigrantes que conta com vários empreendimentos ligados a culinária italiana, artesanato, agroindústrias e às belezas naturais existentes. Além dos empreendimentos receberem visitações ao longo de todo ano no verão existe um projeto executado em parceria da municipalidade e os hotéis da região, onde os hospedes fazem passeios ao circuito, conhecendo e comprando os produtos e serviços oferecidos. Outra região do município o Vale Corindiba vem nos últimos 02 anos tentando criar um circuito turístico, contando para tal com um projeto apoiado pela Petrobras (Ciranda capixaba), e alguns empreendimentos estão em construção (Estância e área de lazer com piscinas naturais), além de um ponto de comercialização de produtos na agricultura familiar que está sendo construído à margens da BR 101. Outro fator que potencializará a criação desta nova rota é a construção de asfaltamento da estrada principal da região, através do programa Caminhos do Campo. Outras comunidades possuem potencial para o agroturismo, mas ainda existem iniciativas isoladas que merecem ser apoiadas para no futuro serem integradas a novos circuitos ou integrados aos já existentes.

21 2. METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO E DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO 2.1 Metodologia de elaboração do Proater A metodologia utilizada para a realização deste programa está baseada nos princípios de uma práxis extensionista dialógica, participativa e emancipadora. Desta forma, agricultores participaram ativamente de todos os processos, discutindo e refletindo sobre sua realidade de vida, os anseios e as possibilidades de mudança. A adoção de metodologias participativas de Ater para a condução dos trabalhos deste programa buscam, além de um diagnóstico que realmente reflita a realidade vivida pelas famílias, aprimorar a construção da cidadania e a democratização da gestão da política pública. A prática utilizada nos diversos encontros com os agricultores familiares estão baseadas em técnicas e métodos de Diagnóstico Rural Participativo DRP, nos quais o diálogo e o respeito são pontos fundamentais para o entendimento coletivo de determinadas percepções. A tabela 10 indica o cronograma de encontros realizados no município. Tabela 10 Cronograma de encontros para elaboração do Proater Nº COMUNIDADE/LOCAL PÚBLICO DATA Nº PARTICIPANTES 1 2 Duas barras, jaqueira, olivânia, são vicente e dois irmãos Córrego da prata, Alto Joeba, Itaperoroma alta e baixa, Baixo Pongal, Dois irmãos e ouitros agricultores familiares que comercializam seus produtos pela Aprobana Agricultores familiares Agricultores familiares 23/09/ /10/ Itajobaia 07/10/10 5 Fonte: INCAPER/ELDR Anchieta, 2010.

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER 2011-2013 ARACRUZ

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER 2011-2013 ARACRUZ PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER 2011-2013 ARACRUZ www.metrophotochallenge.com/br/photo/70046 PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE AÇÕES (2011) 1. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 1.1. Localização

Leia mais

VENDA NOVA DO IMIGRANTE

VENDA NOVA DO IMIGRANTE PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER 2011-2013 VENDA NOVA DO IMIGRANTE http://www.vendanova.es.gov.br/images/morfeoshow/fotos_do_mun-1728/big/vendanova-1.jpg PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER 2011-2013 VILA VALÉRIO

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER 2011-2013 VILA VALÉRIO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL PROATER 2011-2013 VILA VALÉRIO gazetaonline.globo.com/_conteudo/2009/06/5165... PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE AÇÕES - (2011) Equipe Responsável pela elaboração

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Área: 924.620 km² (cerca de 10% do território nacional); População: 85,1 milhões de habitantes (2014); Estados formadores: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo;

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Agroenergia e Agricultura Familiar

Agroenergia e Agricultura Familiar Agroenergia e Agricultura Familiar V Congresso Brasileiro de Mamona (CBM) II Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas (SIOE) I Fórum Capixaba de Pinhão-Manso Guarapari - ES Julho/2012 ÍNDICE Agricultura

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 VEÍCULO EDITORIA Negógios: Fernando Castilho DATA 11/02/2015 Codevasf estuda ampliar experiência com camarão marinho em viveiros A experiência da Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Crédito Rural - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - (Pronaf) Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) Assistência Técnica

Leia mais

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa SEMINÁRIO Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade 25 a 27 de novembro de 2014 Felipe Santos da Rosa APRESENTAÇÃO A agropecuária do Estado do Amazonas é desenvolvida

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Por meio da Lei nº 11.947/2009, a Agricultura Familiar passa a fornecer gêneros alimentícios a serem servidos nas escolas da Rede Pública de Ensino. Conheça a Lei: Lei nº 11.947/2009 Dispõe sobre o atendimento

Leia mais

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil Taller sobre el Acceso a Créditos para la Agricultura Familiar en América Latina - Cadena Productiva de Palma Bogotá Colombia Junio 2015 O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 INSTRUMENTOS LEGAIS INSTRUMENTOS LEGAIS 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO NO SETOR RURAL Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Programa de Financiamento às Atividades Agropecuárias Programa a de Financiamento a

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Política Institucional da SEPROR QUEM SOMOS NÓS? O Amazonas possui 270 mil produtores

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO TERRITÓRIO MONTANHAS E ÁGUAS DO ES

DIAGNÓSTICO DO TERRITÓRIO MONTANHAS E ÁGUAS DO ES MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT DIAGNÓSTICO DO TERRITÓRIO MONTANHAS E ÁGUAS DO ES Municípios deste Território: Afonso Cláudio Alfredo Chaves Brejetuba

Leia mais

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade REGIÃO NORDESTE As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade NORDESTE Características gerais 9 Estados / 18, 25% do território do Brasil; 2ª maior população regional; Área de colonização mais antiga; A maior

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Edital nº 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Contratação de pessoa física ou jurídica para prestar serviços no contexto do Projeto Noroeste: Território Sustentável, conforme descrito abaixo. O Instituto

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES TURÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO SP. Caio Roberto Pretel Ferreira 1, Claudemira Azevedo Ito 2

ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES TURÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO SP. Caio Roberto Pretel Ferreira 1, Claudemira Azevedo Ito 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 486 ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES TURÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO SP Caio Roberto Pretel Ferreira

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593 AGRICULTURA Amendoim área colhida (hectares) 20 Amendoim produção (t/a) 40 Banana área colhida (hectares) 5 Banana produção (t/a) 11 Borracha área colhida (látex.) 36 Borracha produção (látex.) (t/a) 120

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T PÓLO DE UVA DE MESA E VINHO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pólo de Uva de Mesa e Vinho no Estado do Espírito Santo IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL IMPORTÂNCIA ECONÔMICA SOCIAL Transformar o Estado do Espírito

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação:

INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. Deputado Renato Casagrande) Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação: INDICAÇÃO Nº, DE (Do Sr. ) Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação a construção de uma Unidade de Ensino Descentralizada do CEFETES na Região Noroeste do Estado do Espírito Santo.

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROMOVENDO A SUCESSÃO E O COMBATE A POBREZA NO CAMPO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO 3 O QUE É CRÉDITO FUNDIÁRIO O Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF)

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA DO BELÉM ABRIL DE 2008 MARLIÉRIA - MINAS GERAIS

PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA DO BELÉM ABRIL DE 2008 MARLIÉRIA - MINAS GERAIS PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA DO BELÉM ABRIL DE 2008 MARLIÉRIA - MINAS GERAIS PLANO DE GESTÃO E MANEJO APA DO BELÉM PREFEITURA MUNICIPAL DE MARLIÉRIA Vicente Paranhos do Santos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Pepe Vargas Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Fonte: IBGE Censo Agropecuário 2006 Os agricultores

Leia mais

UF: ES. 12101 - Justiça Federal de Primeiro Grau. 14108 - Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo

UF: ES. 12101 - Justiça Federal de Primeiro Grau. 14108 - Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo ORÇAMENTO DA UNIÃO PARA 2010 - INVESTIMENTOS POR UF UF: ES 12101 - Justiça Federal de Primeiro Grau 02.122.0569.1834.0101 - Construção do Edifício-Sede da Seção Judiciária em Vitória - ES No Município

Leia mais

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Março, 2014 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 297 O Papel das Mulheres no Desenvolvimento

Leia mais

Sumário Executivo Rio Longá

Sumário Executivo Rio Longá Sumário Executivo Rio Longá 2 SUMÁRIO EXECUTIVO Bacia Hidrográfica do Rio Longá recorte de atuação nas nascentes do Rio dos Matos e Rio Correntes, afluentes do Rio Longá. Mapa da bacia e do recorte espacial

Leia mais

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Vigência Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO.

PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO. PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO. Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

O papel da agricultura familiar no desenvolvimento rural sustentável nos próximos 10 anos. Carlos Mielitz PGDR-UFRGS

O papel da agricultura familiar no desenvolvimento rural sustentável nos próximos 10 anos. Carlos Mielitz PGDR-UFRGS O papel da agricultura familiar no desenvolvimento rural sustentável nos próximos 10 anos Carlos Mielitz PGDR-UFRGS ANTECEDENTES E TRAJETÓRIA RECENTE DA AGRICULTURA FAMILIAR - PÓS 1964, Projeto Nacional,

Leia mais

RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE

RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE EEEFM PROFESSOR PEDRO SIMÃO ALEGRE-ES RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE CURSO: TECNICO EM MEIO AMBIENTE 3 MODULO ALUNOS João Batista de Souza Graciliano Lordeiro

Leia mais

INSTITUT0 AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS

INSTITUT0 AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS Instituto Agronômico de Pernambuco-IPA POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS Distribuição das áreas da Chapada do Araripe para os estados de Ceará,

Leia mais

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO APRESENTAÇÃO: A região Semi-árida é caracterizada de um modo geral pela aridez do clima, deficiência hídrica, precipitações

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III O III Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica do Paraná III, realizado em Foz do Iguaçu, Brasil, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2006, com a presença de 2.300 participantes,

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

A altitude sobre o nível do mar é de 339,88 metros, ponto geodésico localizado no Calçadão Osni José Gonçalves.

A altitude sobre o nível do mar é de 339,88 metros, ponto geodésico localizado no Calçadão Osni José Gonçalves. 1 ANEXO II.1 Projeto Básico: Informações do Município 1. INFORMAÇÕES DO MUNICÍPIO Apresenta-se a seguir, a caracterização da cidade de Rio do Sul, de forma sucinta, abrangendo aspectos de sua evolução

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola:

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Muito extenso Solos férteis Clima variado Bom regime pluviométrico Extensas planícies Cultivo variado Problemas: Falta de reforma agrária

Leia mais

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Agricultura & Inovação:

Agricultura & Inovação: Agricultura & Inovação: Rota para o Desenvolvimento Sustentável Belém, 03 de setembro de 2012 TRANSFORMAÇÃO Macro-objetivos Macro - objetivos REDUÇÃO DA POBREZA E DAS DESIGUALDADES REGIONAIS PRODUÇÃO CONHECIMENTO

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Nova Friburgo RJ Vencedores do 4º

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO Ozeias de Almeida Santos Graduando em Geografia Universidade

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 AGRICULTURA ORGÂNICA Engenheiro Agrônomo Carlos Alberto Salvador

Leia mais

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro.

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro. Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro Registro/SP 11900-000 Fone (13) 3828.1000 Fax (13) 3821.2565 CNPJ: 45.685.872/0001-79 Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro. Marcos

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

Comentários. A estrutura produtiva da agricultura familiar

Comentários. A estrutura produtiva da agricultura familiar Comentários texto, a seguir, procura destacar os principais aspectos da agricultura familiar em 2006, e realiza algumas comparações com os estabelecimentos que não se enquadraram nos parâmetros da Lei

Leia mais

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 Contexto Retomada dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural no país em 2003;

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA E REGIÃO AMAZÔNICA: GERAÇÃO DE RENDA E AGREGAÇÃO DE VALOR NA PRODUÇÃO ORGÂNICA, AGROECOLÓGICA E EXTRATIVISTA DA AGRICULTURA FAMILIAR Manaus, 28.10.2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

P L O Í L TI T CA C S A S DA D A SE S D E R D A R F A F PA P R A A R A A

P L O Í L TI T CA C S A S DA D A SE S D E R D A R F A F PA P R A A R A A POLÍTICAS DA SEDRAF PARA A POLÍTICAS DA SEDRAF PARA A AGRICULTURA FAMILIAR Implantada conforme o Art. 5º da Lei Complementar nº 413, de 20 de dezembro de 2010. MISSÃO: Gerir as Políticas de Desenvolvimento

Leia mais