Políticas. Melhorar a conformidade Conformidade das práticas Melhorar o desempenho económico Desempenho global por resposta social 75.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Políticas. Melhorar a conformidade Conformidade das práticas 75.0. Melhorar o desempenho económico Desempenho global por resposta social 75."

Transcrição

1 Melhorar a conformidade Conformidade das práticas 75.0 Conformidade dos registos 75.0 Melhorar o desempenho económico Desempenho global por resposta social 75.0 Satisfazer as necessidades e espectativas das entidades interessadas Política da qualidade A organização define, implementa e controla o seu compromisso com a satisfação das necessidades e expectativas legítimas dos clientes e de outras entidades interessadas. Para garantir a execução da política da qualidade, a organização deve controlar a conformidade dos processos. A gestão da qualidade deve melhorar a sustentabilidade da organização. Evolução da receita 25.0 Evolução dos custos operacionais 25.0 Evolução global 25.0 Satisfação dos clientes 75.0 Satisfação dos colaboradores 75.0 Satisfação dos parceiros 75.0 Página 1 de 6

2 Política de parcerias A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo à cooperação com outras entidades, publicas ou privadas, para explorar sinergias de modo a melhorar a sustentabilidade organizacional. As parcerias devem, por isso, ser voluntárias, permitirem vantagens recíprocas e envolver as dimensões económica, humana e ambiental. Melhorar a eficácia da organização Grau de realização dos objetivos 75.0 Melhorar a eficiência da organização Grau de realização dos objetivos 75.0 Página 2 de 6

3 A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo ao desenvolvimento da comunidade onde opera. Este compromisso abrange os domínios ambiental, económico, social e cultural e não visa obter benefícios diretos. Melhorar a qualificação da comunidade Adequação dos valores morais 75.0 Participação coletiva 50.0 Melhorar as práticas da comunidade Desempenho da comunidade no domínio ambiental 50.0 Melhorar o contributo solidário da organização para a comunidade Política de responsabilidade social Desempenho da comunidade no domínio cultural 50.0 Esforço de alteração comportamental 50.0 Satisfação dos clientes 75.0 Trabalho voluntário por conta da organização 50.0 Trabalho voluntário por conta do trabalhador 50.0 Página 3 de 6

4 Política dos recursos humanos A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo ao recrutamento, selecção, formação e avaliação dos trabalhadores de modo a promover melhoria da sua qualificação e do seu desempenho e a garantir igualdade de oportunidades de formação, desempenho, promoção e remuneração. Melhorar a igualdade de oportunidades Satisfação dos trabalhadores 75.0 Melhorar a qualificação Nível de formação profissional 50.0 Nível médio de habilitações escolares 50.0 Melhorar o desempenho Assiduidade 90.0 Formação profissional 75.0 Pontualidade 90.0 Taxa de conformidade das tarefas 75.0 Taxa de conformidade dos registos 75.0 Página 4 de 6

5 A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo a valores morais fundamentais, orientados para a prevenção de riscos desnecessários e organização das práticas que respeitem a privacidade, integridade, confidencialidade, rigor e justiça social. Melhorar a qualificação da organização no domínio ético Política da ética Reprodução da missão da organização Reprodução dos objetivos das políticas da organização Melhorar desempenho ético Conformidade das práticas 75.0 Reclamações legítimas 25.0 Satisfação dos clientes 75.0 Página 5 de 6

6 A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo à participação e inclusão dos seu cliente e à participação de outras entidades interessadas na melhoria dos processos da qualidade em todos os níveis da organização. Melhorar a participação das entidades interessadas Política da participação Propostas de medidas de melhoria por clientes 75.0 Propostas de medidas de melhoria por parceiros 75.0 Propostas de medidas de melhoria por trabalhadores 75.0 Página 6 de 6

Políticas. Política da participação

Políticas. Política da participação A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo à participação e inclusão dos seu cliente e à participação de outras entidades interessadas na melhoria dos processos da qualidade

Leia mais

Políticas. Melhorar a participação das entidades interessadas. APPACDM de Soure. Data elaboração 2010-04-21. Objetivo Indicador Meta

Políticas. Melhorar a participação das entidades interessadas. APPACDM de Soure. Data elaboração 2010-04-21. Objetivo Indicador Meta Data elaboração 2010-04-21 Melhorar a participação das entidades interessadas Política da participação A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo à participação e inclusão dos

Leia mais

Percentagem realizada do Taxa de execução. 5.00 Lar Residencial. conformes/ nº de Garantir a certificação da qualidade. 100.00 registos.

Percentagem realizada do Taxa de execução. 5.00 Lar Residencial. conformes/ nº de Garantir a certificação da qualidade. 100.00 registos. Lar Residencial DS.03.319 POLÍTICAS ANO: 2014 Política da qualidade A organização define, implementa e controla o seu compromisso com a satisfação das necessidades e expectativas legítimas dos clientes

Leia mais

Nº de abusos (físicos, psicológicos, financeiros) Nº de acidentes com responsabilidade da organização

Nº de abusos (físicos, psicológicos, financeiros) Nº de acidentes com responsabilidade da organização Cerci Lamas DS.3.79 MONITORIZAÇÃO DAS POLÍTICAS DA ORGANIZAÇÃO ANO: 4 Política da ética A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo a valores morais fundamentais, orientados

Leia mais

numero de colaboradores admitidos

numero de colaboradores admitidos Casa Santa Isabel DS.3.279 MONITORIZAÇÃO DAS POLÍTICAS DA ORGANIZAÇÃO ANO: 2 Política de recrutamento e seleção A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo aos processos de recrutamento

Leia mais

ANO: 2015. Taxa de Reprodução da visão, missão e valores da. 90.00 organização. Taxa de Reprodução das políticas da organização 60.

ANO: 2015. Taxa de Reprodução da visão, missão e valores da. 90.00 organização. Taxa de Reprodução das políticas da organização 60. Casa Santa Isabel POLÍTICAS ANO: 2015 Política da ética A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo a valores morais fundamentais, orientados para a prevenção de riscos desnecessários

Leia mais

Políticas. APPACDM Viana do Castelo

Políticas. APPACDM Viana do Castelo Políticas APPACDM Viana do Castelo Índice Introdução... 3 Política da Qualidade... 4 Liderança... 4 Recursos Humanos... 5 Direitos... 6 Ética... 6 Parcerias... 7 Participação... 7 Abordagem Centrada na

Leia mais

APPACDM. Manual de Gestão da Qualidade

APPACDM. Manual de Gestão da Qualidade APPACDM Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice II - Lista de revisões efetuadas III - Lista de abreviaturas IV - Introdução 1. Confidencialidade 2. Referências 3. Promulgação V - Apresentação

Leia mais

CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão

CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão 20 - CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão Índice Enquadramento... 3 Estratégia Organizacional... 3 Visão... 3 Missão... 3 Valores...

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CÓDIGO DE ÉTICA

01 D/DQ 14/07/10 CÓDIGO DE ÉTICA 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CÓDIGO DE ÉTICA Enquadramento A APCC Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra tem como missão Promover a inclusão social de pessoas em situação de desvantagem, com especial

Leia mais

Avaliação da qualidade dos serviços e da satisfação dos clientes, parceiros e outras partes interessadas

Avaliação da qualidade dos serviços e da satisfação dos clientes, parceiros e outras partes interessadas Avaliação da qualidade dos serviços e da satisfação dos clientes, parceiros e outras partes interessadas 2014 Índice 1. Sumário executivo... 3 2. Avaliação da qualidade dos serviços prestados... 4 3. Avaliação

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANUAL 2012

PLANO DE ATIVIDADES ANUAL 2012 Política de parcerias Objetivos Indicadores Metas Atividades Metas 1. Melhorar a gestão da organização 1.1 Eficácia organizacional ( resultados obtidos / resultados previstos) x 100 1.2 Eficiência organizacional

Leia mais

Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012

Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012 Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012 Nome do professor avaliado Departamento Grupo de Recrutamento NIF Nome do professor relator Departamento Grupo de Recrutamento

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO ANEXO: Capacitação das Organizações Promotoras GRANDES PROJETOS O presente anexo faz parte do relatório final previsto no Artigo 30.º do Regulamento do Programa. Relativamente

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO ANUAL

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO ANUAL ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade PLANO ANUAL (2012) MONITORIZAÇÃO DO PLANO ANUAL 2012 Política da Qualidade A organização define, implementa

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE GALIZES

MANUAL DA QUALIDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE GALIZES MANUAL DA QUALIDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE GALIZES I - Índice I Índice II - Lista de revisões efetuadas III - Lista de abreviaturas IV Introdução 1. Confidencialidade 2. Referência Normativa 3.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CÓDIGO DE ÉTICA... 5 Secção I: PARTE GERAL............................................... 6 Secção II: PRINCÍPIOS... 8 Secção III: DEVERES CORPORATIVOS...

Leia mais

Lista A PLANO ESTRATÉGICO 2014/2016

Lista A PLANO ESTRATÉGICO 2014/2016 Lista A PLANO ESTRATÉGICO 2014/2016 MANDATÁRIA Helena Magalhães Cooperante n.º 129 1/16 Índice Convocatória 3 Lista A - Órgãos Sociais 4 Plano Estratégico 2014/2016 5 Introdução 5 Enquadramento Organizacional

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS Fundação Alentejo no Alentejo e para o Alentejo, um projeto para além da esperança Fernanda Ramos 1992 Aprovado na reunião do Conselho de Administração da FA Novembro

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA OUTUBRO/2007

CÓDIGO DE ÉTICA OUTUBRO/2007 OUTUBRO/2007 ÍNDICE Página 1. APRESENTAÇÃO 1 2. OBJETIVOS 1 3. NORMAS, PRINCÍPIOS E VALORES ÉTICOS 2 4. CONFLITOS DE INTERESSES 5 5. CONFIDENCIALIDADE 6 6. DÚVIDAS COM A APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA 6

Leia mais

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade Certificação e Acreditação Auditorias Sumário da Aula JN2 Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade 1 Normalização Norma Internacional

Leia mais

Plano de Atividades Formação Profissional

Plano de Atividades Formação Profissional Plano de Atividades Profissional Página 1 de 7 2015 Elaborado: Cristina Pereira Data: 19.02.2015 Aprovado: Direção Data: 26-02-2015 Profissional Página 2 de 7 ÍNDICE Introdução... 3 Objetivos Estratégicos...

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Permitam-me que, pela primeira vez que tenho a honra de intervir nesta Assembleia,

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

Associação Desportiva Cultural Social da Aldeia de S. Sebastião

Associação Desportiva Cultural Social da Aldeia de S. Sebastião da Aldeia de S. Sebastião DS.03.226 LISTA DE ATIVIDADES PAG (SIMPLIFICADO AGRUPADO POR ÁREA) ANO - 2015 ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA CULTURAL SOCIAL DA ALDEIA DE S. SEBASTIÃO Ambiental Atividade: Rentabilização

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO INTERNA E EXTERNA [ITS 26.01] ÂMBITO Uma comunicação eficiente, suportada no mix adequado de instrumentos, estratégias e canais, eficaz na gestão de relacionamentos, tendo em

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO

EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO Clima e cultura organizacional 1 PROBLEMÁTICA Quem cuida dos idosos em Portugal? AUXILIARES Fora das instituições Instituições Sociais e Privadas TÉCNICOS

Leia mais

Regulamento do Prémio para as Ciências Sociais e Humanas - Maria Cândida da Cunha

Regulamento do Prémio para as Ciências Sociais e Humanas - Maria Cândida da Cunha Regulamento do Prémio para as Ciências Sociais e Humanas - Maria Cândida da Cunha Artigo 1.º Âmbito do Prémio O Instituto Nacional para a Reabilitação, INR, I.P., no âmbito das suas competências, promove

Leia mais

CRIF [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013]

CRIF [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013] CRIF [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013] ÍNDICE Nota Introdutória.2 Caraterização da Instituição..3 Objetivos Estratégicos 7 Objetivos Operacionais. 8 Atividades. 13 Considerações Finais.14 REV_00 1/13 NOTA

Leia mais

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 1. Introdução O Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado (AEMC) entende a autoavaliação como um processo ao serviço do seu desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9 Página 1 de 9 1. APRESENTAÇÃO da ENTIDADE FORMADORA Fundado em 1996, o começou por ensinar informática a crianças e jovens, como franchisado da FUTUREKIDS em Vila Nova de Gaia, dando aulas no seu Centro

Leia mais

Promotores da Iniciativa. Marca Registada

Promotores da Iniciativa. Marca Registada Promotores da Iniciativa Marca Registada 2 Índice Introdução 4 Metodologia 6 Resultados da Empresa 10 Benchmarking 19 Caracterização do Entrevistado Comentários dos Entrevistados Anexos 23 25 27 3 Introdução

Leia mais

Inteligência estratégica e o papel estratégico da Missão Econômica

Inteligência estratégica e o papel estratégico da Missão Econômica Comissão Inteligência Estratégica da Câmara de Comércio França-Brasil Inteligência estratégica e o papel estratégico da Missão Econômica Dominique MAUPPIN Chefe da Missão Econômica de São Paulo Correspondente

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 2 INFORMAÇÕES GERAIS O QUE É O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA O Código de Ética e de Conduta (Código) é o instrumento no qual se inscrevem os valores que pautam a actuação do

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo. Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo

O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo. Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo Dra. Júlia Amorim Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira

Leia mais

Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016

Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016 Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016 Com a Comunidade fazemos a ponte; porque a ponte é uma passagem para muitas margens. Maio 2014 Missão O CSPSN, enquanto Centro Comunitário,

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

O Papel da Engenharia no Crescimento

O Papel da Engenharia no Crescimento O Papel da Engenharia no Crescimento Visão e Objectivos Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Iniciativa António Manzoni e Vilar Filipe 11 de Abril de 2013 Projecto Engenharia 2020 Plataforma

Leia mais

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projeto Estágio do Mestrado em Marketing e Comunicação. No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Edenred O especialista em benefícios sociais

Edenred O especialista em benefícios sociais Edenred O especialista em benefícios sociais 1. Quem é a Edenred? Conteúdo 2. História 3. A nossa oferta 4. Principais Dados 5. Presença em 42 países 6. Os nossos valores 7. Responsabilidade Social www.edenred.pt

Leia mais

Together We Create Value

Together We Create Value Together We Create Value APRESENTAÇÃO DA MUNDISERVIÇOS LISBOA 2015 A história da MundiServiços carateriza-se por um percurso de inovação e de investimento na excelência dos seus serviços, assim como por

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE Março de 2013 ÍNDICE 1. Apresentação da CERCISIAGO... 3 1.1 Promulgação... 3 1.2 Identificação da Instituição... 4 1.2.1 Designação... 4 1.2.2 Constituição

Leia mais

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 Conteúdo da apresentação Enquadramento da CAF Características gerais da CAF Estrutura da CAF Processo de aplicação da CAF (10 Passos) Enquadramento da CAF

Leia mais

Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial.

Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial. G7 PRO UNIIDADE BRASIIL SSOLLUÇÕEESS EESSTTRRATTÉÉGI IICASS EEM SSEEGURRANÇA CÓDIGO DE ÉTICA Conselho Estratégico de Planejamento e Administração Empresarial. Este documento possui informações INTERNAS

Leia mais

Exercício 2014. Dezembro/2013

Exercício 2014. Dezembro/2013 Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária Exercício 2014 Estatuto Social Art. 17, Inciso V & Art. 22, Inciso VIII. /2013 1. PLANO DE TRABALHO 2014 O QUE QUEM ONDE QUANDO COMO CUSTO (R$) 1. Ampliar as atividades

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projetos Colaborativos O PE2020 trata-se de uma iniciativa bottom

Leia mais

I JORNADAS IBÉRICAS DE METROLOGIA E QUALIDADE

I JORNADAS IBÉRICAS DE METROLOGIA E QUALIDADE I JORNADAS IBÉRICAS DE METROLOGIA E QUALIDADE VIII Fórum da Qualidade ESCE-IPVC Santa Casa da Misericórdia de Vila do Conde desde 1510 ao Serviço da Comunidade. Impacto do referencial Equass Assurance

Leia mais

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes.

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes. Ano: 2015 Instituição: CERCI Braga Caracterização Síntese: MISSÃO Contribuir para a congregação e articulação de esforços no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA 1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA Fórum de Responsabilidade Social Corporativa () das Empresas Petrolíferas em Angola 1 Objectivos da da partes interessadas da final 2 Objectivos

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

Código de Ética LLTECH

Código de Ética LLTECH Código de Ética LLTECH Quem somos A LLTECH é uma empresa que oferece soluções inovadoras para automação e otimização de processos industriais, fornecendo toda a parte de serviços e produtos para automação

Leia mais

A Responsabilidade Social nas Organizações. Maria Luísa Silva

A Responsabilidade Social nas Organizações. Maria Luísa Silva A Responsabilidade Social nas Organizações Maria Luísa Silva Objectivos Identificar a relação entre o que é Responsabilidade Social e Sustentabilidade Reconhecer as motivações e vantagens da adopção de

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva Às sextas na Cidade Águeda - cidade inclusiva Índice Águeda - cidade inclusiva: Como pode a cidade ser mais inclusiva? idosos, crianças, pessoas com necessidades especiais A cidade é de TODOS! Índice INCLUSÃO

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 5. Contextualização. Captação de Pessoas. Captação de pessoas: recrutamento e seleção

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 5. Contextualização. Captação de Pessoas. Captação de pessoas: recrutamento e seleção Gestão de Recursos Humanos Aula 5 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Captação de pessoas: recrutamento e seleção Empregabilidade Estratégias de recrutamento e seleção Processos de orientação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13 CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13 1. Introdução A actuação do Grupo 8, na qualidade de prestador de serviços de segurança privada pauta-se por valores

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

Proposta Nº 138/2013. Aquisição de Extintores, Sinalização. Fotoluminescente e Aquisição de Serviços. de Manutenção de Extintores em diversos

Proposta Nº 138/2013. Aquisição de Extintores, Sinalização. Fotoluminescente e Aquisição de Serviços. de Manutenção de Extintores em diversos Proposta Nº 138/2013 Aquisição de Extintores, Sinalização Fotoluminescente e Aquisição de Serviços de Manutenção de Extintores em diversos Edifícios do Município Viana do Castelo, 09 de Novembro de 2012

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Ano 2013 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Caro Colaborador Estamos entregando o Código de Ética e Conduta da Instituição, o qual fará parte

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

Plano de Atividades AAJUDE - 2016

Plano de Atividades AAJUDE - 2016 Plano de Atividades AAJUDE - 2016 AAJUDE.16.007.1 Página 1 de 13 Índice PLANO DE ATIVIDADES - AAJUDE / 2016 1. Introdução 2. Enquadramento i. Apresentação ii. Princípios e áreas de intervenção iii. Missão

Leia mais

a. Missão... 4 b. Visão... 4 c. Estratégia... 4 a. Governo Societário... 9 b. Transparência e Prevenção da Corrupção... 9

a. Missão... 4 b. Visão... 4 c. Estratégia... 4 a. Governo Societário... 9 b. Transparência e Prevenção da Corrupção... 9 Índice 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 3 2. ENQUADRAMENTO... 4 a. Missão... 4 b. Visão... 4 c. Estratégia... 4 3. VALORES CARRIS... 5 4. PRINCÍPIOS CARRIS... 7 5. GOVERNAÇÃO CORPORATIVA...

Leia mais

Relatório de Autoavaliação 2010/2011

Relatório de Autoavaliação 2010/2011 Relatório de Autoavaliação 2010/2011 DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE ACÇÕES DE MELHORIA PARA O ISLA - GAIA (CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) VERSÂO PRELIMINAR (V.0) Equipa de Autoavaliação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A MINISTRA DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. SEMINÁRIO SOBRE EMPRESAS EUROPEIAS E AS QUESTÕES

Leia mais

Dia 5 de Junho. Dia 6 de Junho

Dia 5 de Junho. Dia 6 de Junho Seminário The Disney Keys to Excellence Dois dias de programa onde os participantes têm oportunidade de ficar a conhecer as melhores práticas da organização Disney nas suas áreas de excelência. Dia 5 de

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

A rede CRC e os Recursos Para o Desenvolvimento Regional e Local

A rede CRC e os Recursos Para o Desenvolvimento Regional e Local 1. CONCEITOS - Comunidade de Aprendizagem (4 reportórios) 2. EVENTOS - Cluster (CRC virtual - P/R Actividades) 3. RESULTADOS Produto e Propostas (EI / IESCAPE; IOD / LEONARDO ) 1. CONCEITOS - Comunidade

Leia mais

COORDENADORIA DE EXTENSÃO

COORDENADORIA DE EXTENSÃO COORDENADORIA DE EXTENSÃO Coordenadora: Profa. Teresa Lenice Nogueira da Gama Mota E-mail: teresa_mota@yahoo.com.br Tel: (85) 9991-4491 4as. Feiras 18:00 às 22:00 h e 5as. Feiras de 14:00 às 18:00 h Coordenadora

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

Os Conceitos Fundamentais da Excelência

Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais são princípios que estão subjacentes ao Modelo de Excelência e esboçam o alicerce da excelência organizacional. Alcançar Resultados Equilibrados

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação Brasileira de Marketing Direto Presidente: Efraim

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 25.249 m² ÁREA CONSTRUIDA: 16.824 m²

ÁREA TOTAL TERRENO: 25.249 m² ÁREA CONSTRUIDA: 16.824 m² 1975 ~ 1988 TUBOZIN 1988 ~ 1994 GOYANA DA AMAZÔNIA 1994 ~ atual SPRINGER PLÁSTICOS DA AMAZÔNIA S/A ÁREA TOTAL TERRENO: 25.249 m² ÁREA CONSTRUIDA: 16.824 m² PRINCIPAIS ATIVIDADES Produção de peças plásticas

Leia mais

ANALÍTICO DA PREVISÃO DA RECEITA - PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA DO EXERCÍCIO 2012 ESPECIFICAÇÃO

ANALÍTICO DA PREVISÃO DA RECEITA - PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA DO EXERCÍCIO 2012 ESPECIFICAÇÃO 1000.00.00 RECEITAS CORRENTES 1100.00.00 Receita Tributária 1120.00.00 Taxas 1122.00.00 Taxas pela Prestação de Serviços 1122.99.00 Outras Taxas pela Prestação de Serviços 1122.99.01 4 110.00 Taxa de Preservação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL E AMBIENTAL

ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL E AMBIENTAL ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL E AMBIENTAL 1 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 Siglas Utilizadas... 3 II. ESTRATÉGIA E OBJETIVOS... 4 1. Visão e Missão... 4 2. Valores... 4 3. Respostas Sociais... 5

Leia mais

2012 Diretoria de Planejamento. Sara Cecin - Padrão Consultoria e Treinamento cecin@terra.com.br 51 9806 7169

2012 Diretoria de Planejamento. Sara Cecin - Padrão Consultoria e Treinamento cecin@terra.com.br 51 9806 7169 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO da SBGC-RS 2012 Diretoria de Planejamento Tema Estratégico x Visão e Missão Reconhecimento nacional como referência na transformação de conhecimento em valor Desenvolvimento de

Leia mais

ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes

ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes PLANO ANUAL ANO - 2014 Confidencialidade Tipo de Atividade: Confidencialidade Atividade: Ação de informação/sensibilização aos colaboradores

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Código de Ética, declaração de princípios reflectida nos comportamentos e em todos os contextos do exercício da actividade profissional. Cercisiago Código de Conduta e Ética Dezembro de 2009 Cercisiago

Leia mais

Planeamento e A ISO 26000 E A SUA RELAÇÃO COM OS REFERENCIAIS CERTIFICÁVEIS. 4 Junho 2013. Ricardo Lopes Ferro. - Copyright Bureau Veritas

Planeamento e A ISO 26000 E A SUA RELAÇÃO COM OS REFERENCIAIS CERTIFICÁVEIS. 4 Junho 2013. Ricardo Lopes Ferro. - Copyright Bureau Veritas Planeamento e A ISO 26000 E A SUA RELAÇÃO COM OS REFERENCIAIS CERTIFICÁVEIS Ricardo Lopes Ferro 4 Junho 2013 - Copyright A ISO 26000 E A SUA RELAÇÃO COM OS REFERENCIAIS CERTIFICÁVEIS Programa Sistemas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE Apresentação geral do Decreto Regulamentar (a publicar em breve) - diferenciação; Princípios orientadores - distinção pelo mérito (diferenciação pela positiva);

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados

O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados Como as empresas podem usar a nuvem para se adaptar e prosperar em um mercado financeiro em rápida mudança Por Sherwin Uretsky, Aron Dutta

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

Gerenciamento de impressões da responsabilidade social e ambiental: um estudo de caso numa multinacional automotiva no Brasil

Gerenciamento de impressões da responsabilidade social e ambiental: um estudo de caso numa multinacional automotiva no Brasil Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Programa de Pós-Graduação em Administração - Propad Paulo Henrique de Oliveira Gerenciamento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

Descrição Geral do Portal Global. Centro de Informação Executiva

Descrição Geral do Portal Global. Centro de Informação Executiva Descrição Geral do Centro de Informação Executiva Canais de Compras Online Clientes Comerciais Premier PremierConnect Processo de encomenda simplificado Confirmações pontuais das encomendas Acesso a informações

Leia mais

Cluster Habitat Sustentável

Cluster Habitat Sustentável Seminário Mercado de Tintas Associação Portuguesa de Tintas Luso - 26.03.2015 Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais