PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA ADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA ADA"

Transcrição

1 PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA ADA Licença Prévia 0112/2012 Condicionantes Específicas Nº e 2.9 Quanto à Área Diretamente Afetada (ADA), pedem-se os seguintes estudos: Elaborar diagnóstico sobre os efeitos da elevação do lençol freático na ADA. Apresentar complementação nos estudos sobre a hidrogeologia local, caracterizando os tipos de aquíferos existentes, com destaque aos aquíferos das camadas mais superficiais. Condicionantes Específica Nº 2.34 P3 EIA Elaborar um plano de remediação das áreas atingidas pela elevação do nível do lençol freático, devendo ser mapeadas e desinfetadas as fontes de contaminação no futuro reservatório; dentre estas podemos citar as fossas, cemitérios, locais de destinação de resíduos sólidos, etc. Monitoramento Integrado do Meio Físico 1. INTRODUÇÃO O Programa de Monitoramento das Águas Subterrâneas na Área Diretamente Afetada, do Plano Básico Ambiental (PBA) do Aproveitamento Hidrelétrico (AHE) Cachoeira Caldeirão, visa atender às condicionantes 2.6, 2.6.1, 2.9 e 2.34 da Licença Prévia 0112/2012 IMAP/SEMA e corresponde ao detalhamento do Programa 3 do Estudo de Impacto Ambiental. 2. JUSTIFICATIVA O programa de monitoramento dos recursos hídricos subterrâneos tem por objetivo monitorar os efeitos de enchimento do reservatório do AHE Cachoeira Caldeirão na elevação do nível de água subterrânea do aquífero livre e na qualidade da mesma. É um PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 1

2 programa voltado para avaliar os efeitos da variação do nível d água (aquífero livre) com consequente possibilidade de alteração da qualidade da água subterrânea, em função da nova condição hidrogeológica estabelecida na ADA e entorno, por efeito de enchimento de reservatório hidrelétrico. No Amapá, e especificamente, na região onde está instalada há mais de três décadas a Usina Hidrelétrica Coaracy Nunes, não há relatos de problemas relacionados aos impactos desse reservatório nos recursos hídricos subterrâneos. Contudo, dada a proximidade da área de inundação do AHE Cachoeira Caldeirão com a cidade de Porto Grande, o estudo e monitoramento dos recursos hídricos subterrâneos serão importantes para avaliar se os impactos serão significativos e quais procedimentos deverão ser adotados para remediá-los ou mitigá-los. O enchimento de reservatórios para fins hidrelétricos tem como um impacto certo e de relativa significância a interferência no regime hidrogeológico local, sobretudo na esperada variação do nível do lençol freático. Essa nova condição, a priori, poderia ser considerada como um impacto positivo, pois melhora as condições de abastecimento e recarga do aquífero livre, aumentando a disponibilidade hídrica subterrânea nas áreas de entorno. Todavia, dependendo da profundidade do aquífero livre, ou seja, em condições relativamente rasas, o mesmo poderá ser exposto à contaminação por fontes pontuais de poluição que pode comprometer sua qualidade. O novo quadro hidrogeológico resulta de uma inversão do fluxo subterrâneo durante e pósenchimento do reservatório. As cargas hidráulicas antes dirigidas dos aquíferos para os cursos d água (principalmente no período seco), durante a formação do reservatório serão invertidas, ou seja, a tendência deverá ser do rio para o sistema aquífero, tendendo a voltar à normalidade após período de acomodação do lençol freático. O impacto esperado é uma elevação do nível do lençol freático. Com a possível elevação do lençol freático e dependendo da condição topográfica do local, há a possibilidade do contato, ou mesmo do afogamento de fontes potenciais de poluição, como fossas, cemitérios, sítios de disposição de resíduos, etc. Além disso, a assimilação de compostos químicos naturais antes presentes na zona não saturada podem ser dissolvidos na água em decorrência da elevação do nível do freático e da saturação. Estes eventos podem comprometer a qualidade da água subterrânea e inviabilizar o seu uso, decorrendo daí a necessidade do monitoramento da qualidade desse recurso. PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 2

3 Outro possível impacto relacionado à elevação do lençol freático é o aparecimento de novas nascentes e lagos em regiões mais baixas topograficamente, bem como a saturação do solo, transformando-o em solos úmidos, podendo afetar seu potencial agronômico, assim como estruturas e fundações, ou, no caso de solos pouco consolidados e resistentes, sofrer algum tipo de instabilidade e constituir riscos geológicos naturais à ocupação humana. As considerações tecidas sobre os possíveis impactos ganham relevo quando se verifica que a área do reservatório da AHE Cachoeira Caldeirão está muito próxima da sede do município de Porto Grande, ficando, portanto, suscetível a experimentar impactos da elevação do nível do freático, que podem ser positivos - maior disponibilidade de água em aquífero livre ou freático, ou negativos - comprometimento da qualidade da água. Outras áreas cuja elevação do freático pode ocorrer e oferecer algum tipo de prejuízo ambiental ou econômico correspondem aos assentamentos rurais agrícolas. Diante do possível novo quadro hidrogeológico local é justificada a necessidade do monitoramento da elevação e da qualidade d água do aquífero livre ou freático na ADA e zonas lindeiras ao reservatório, com ênfase nos núcleos populacionais (sede de Porto Grande), assentamentos e culturas agrícolas mais próximas da área do reservatório e que podem sofrer influência da elevação do nível do lençol freático. Áreas de obras e instalações do empreendimento também devem receber maior atenção quanto aos estudos e monitoramento do lençol freático e da qualidade da água a fim de garantir a qualidade desse importante recurso natural. 3. OBJETIVOS 3.1. OBJETIVO GERAL Monitorar a elevação do nível do lençol freático e a qualidade da água subterrânea, bem como seus possíveis impactos, antes e após o enchimento do reservatório em áreas mais sensíveis à elevação OBJETIVOS ESPECÍFICOS Caracterizar a hidrogeologia local da ADA e adjacências (parte da AID) com enfoque nas áreas mais sensíveis aos impactos da elevação do lençol freático, ou seja, em núcleos urbanos e assentamentos rurais. PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 3

4 Cadastrar poços de captação de água subterrânea na ADA e/ou adjacências e efetuar a medição do nível do lençol e a caracterização da qualidade da água de alguns dos poços cadastrados. Cadastrar as principais fontes de contaminação existente da ADA e adjacências, tais como: pocilgas, fossas, sítios de deposição de resíduos, cemitérios, entre outros. Diagnosticar os efeitos da elevação do lençol freático na ADA e/ou adjacências e identificar as áreas mais críticas e/ou susceptíveis à elevação. Estabelecer malha de poços de monitoramento de nível e qualidade da água com ênfase nas áreas mais críticas. Monitorar bimestralmente a elevação do nível d água no mínimo um ano antes e em um período não inferior a quatro anos após o enchimento do reservatório na malha estabelecida para o monitoramento do nível d água. Monitorar semestralmente a qualidade da água subterrânea no mínimo um ano antes e num período não inferior a quatro anos após o enchimento do reservatório na malha estabelecida para o monitoramento da qualidade de água. Organizar banco de dados georreferenciado com informações sobre os poços cadastrados, poços de monitoramento, resultados das campanhas de monitoramento, áreas críticas e fontes de poluição. Monitorar, periodicamente, áreas críticas visando o uso adequado das mesmas, ou adoção de medidas preventivas ou mitigadoras caso sejam impactadas. Propor intervenções em casos de constatação de impactos na qualidade da água em função da elevação do nível da água subterrânea, visando garantir a potabilidade da água para o uso humano, conforme prevê a Portaria MS nº 2914/2011 e a Resolução Conama nº 430/ AÇÕES Levantamento bibliográfico e reconhecimento da ADA e entorno para preparação de logística de campo. Levantamento geológico/hidrogeológico local em escala de detalhe nas áreas de interesse: sede municipal, local de obras e instalações e assentamentos rurais. Levantamentos de fontes pontuais de poluição às águas subterrâneas. Cadastramento e georreferenciamento de poços existentes, medição de nível do lençol freático e análise preliminar de alguns parâmetros de qualidade de água. Montagem de um banco de dados georreferenciado com informações sobre o nível e qualidade das águas subterrâneas. Execução de levantamentos geofísicos métodos elétricos. PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 4

5 Elaboração de mapa potenciométrico (nível do lençol freático) do município de Porto Grande e avaliação de áreas no entorno da ADA que podem ser afetadas pela elevação do freático. Seleção de malha de monitoramento do lençol freático. Locação e construção de piezômetros. Medição do nível e de parâmetros físico-químicos e bacteriológicos. Elaboração de relatórios trimestrais de execução do programa de monitoramento. 5. METODOLOGIA Para o reconhecimento da hidrogeologia local serão adotados os procedimentos definidos a seguir. Será realizado um levantamento de dados secundários mais recentes acerca da geologia/geomorfologia da ADA e entorno, bem como checagem e levantamento de campo para reconhecimento local dos litotipos, os quais caracterizam as unidades hidrogeológicas e tipos de aquíferos existentes. Na oportunidade serão cadastrados e georreferenciados todos os poços de captação de água subterrânea (tipo amazonas e artesiano) existentes nas adjacências da ADA. Alguns desses poços cadastrados serão selecionados para determinação dos níveis de água do lençol freático e de alguns parâmetros físico químicos, tanto no período de estiagem quanto no período chuvoso, conforme descrito no Quadro 1. Visando melhorar o reconhecimento geológico/hidrogeológico local, caso o cadastramento dos poços tenha resultado em dados insuficientes, serão selecionadas algumas áreas-alvo para estudos através de uso de geofísica de subsuperfície métodos elétricos. Ambos são estudos indiretos que auxiliarão no reconhecimento em profundidade do comportamento das unidades e estruturas geológicas, da identificação do topo ou nível do lençol freático e, por consequência, da hidrogeologia local. Para o diagnóstico dos efeitos de elevação do lençol freático nas áreas mais críticas (ADA e adjacências) serão utilizadas e interpoladas as informações sobre o nível piezométrico obtido a partir das medidas efetuadas nos poços cadastrados (possível geração de um mapa potenciométrico) e as informações de topografia (mapa com as curvas de nível) e de cota de enchimento do reservatório. Adverte-se que a superfície e/ou mapa potenciométrico a ser gerado deverá contemplar a variação sazonal do nível do freático. PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 5

6 A partir da integração das três categorias de dados será possível indicar as áreas que podem ser mais vulneráveis às elevações do nível do freático, ou seja, as áreas priorizadas para monitoramento, já indicando, portanto, alguns locais que devem ser contemplados com piezômetros para monitoramento ambiental e irão formar a rede de monitoramento do lençol freático. Com a definição de áreas mais críticas e sensíveis à elevação do lençol freático, também serão cadastradas, georreferenciadas e caracterizadas as possíveis fontes de contaminação desses locais: fossas negras, sítios de disposição de resíduos, cemitérios e outros, o que também será relevante na instalação da rede de piezômetros. Importante ressaltar que as sondagens realizadas para construção dos poços de monitoramento (piezômetros) fornecerão dados e amostras para melhorar a caracterização geológica e hidrogeológica local. Os poços de monitoramento serão construídos de acordo com as Normas NBR e (ABNT, 2007 e 2008) que tratam do projeto, construção e desenvolvimento de poços de monitoramento da água subterrânea e serão, preferencialmente, locados nas regiões críticas de áreas urbanizadas e assentamentos rurais. Em função da proximidade da sede de Porto Grande com o reservatório, deverá ser adensada uma malha de poços de monitoramento naquele local, os quais serão distribuídos de forma perpendicular ao reservatório e em diferentes cotas, o que permitirá um melhor acompanhamento da elevação do nível do freático nessa cidade. A profundidade mínima dos poços de monitoramento não poderá ser inferior a 3 metros abaixo do nível d água registrado no período de pico de estiagem, para assegurar que o mesmo não ficará seco durante o verão. Além disso, a construção dos poços de monitoramento deve ser evitada em locais próximos de poços tubulares ou amazonas (tipo cacimba) a fim de se evitar a influência de bombeamento. Após todos os estudos complementares realizados e, uma vez instalada a rede de poços, deverá ser iniciado o programa de monitoramento do lençol freático e da qualidade d água, cuja periodicidade será trimestral. Ambos devem ser iniciados há pelo menos um ano antes do enchimento e serem monitorados por no mínimo quatro anos após. Os valores medidos dos parâmetros monitorados de qualidade d água subterrânea serão comparados com os estabelecidos pela Portaria MS nº 2914/2011, Resolução Conama 430/2011 e Resolução CONAMA 396/2008 (CONAMA, 2008) que dispõe sobre a classificação e enquadramento das águas subterrâneas. Já os resultados do monitoramento PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 6

7 do lençol freático serão analisados a fim de avaliar o comportamento da variação do nível d água, antes, durante e após o enchimento, com ênfase nas áreas mais críticas. Todos os dados coletados alimentarão um banco de dados georreferenciado, o qual permitirá a melhor gestão do programa. Os parâmetros físico-químicos e bacteriológicos, bem como os métodos/equipamentos que tratam deste programa são apresentados no Quadro 1. QUADRO 1 Parâmetros que serão monitorados para acompanhamento da qualidade das águas subterrâneas do AHE Cachoeira Caldeirão. PARÂMETRO Potencial Hidrogeniônico (ph) Temperatura da água Condutividade elétrica Turbidez Cor Verdadeira Amônia Nitrato Nitrito Fosfato Cloreto total Fósforo total Sulfato total Metais Totais - Cádmio (Cd); Cromo (Cr); Cobre (Cu); Manganês (Mn); Níquel (Ni); Chumbo (Pb); Vanádio (V); Zinco (Zn), Mercúrio (Hg); Arsênio (As); Selênio (Se) Metais Dissolvidos - Alumínio Dissolvido (Al); Ferro (Fe); Cobre (Cu) Óleos e graxas Escherichia coli MÉTODO/ENSAIO Sonda Multiparâmetro Sonda Multiparâmetro Sonda Multiparâmetro Turbidímetro Espectrometria de Absorção Atômica Espectrometria de Absorção Atômica Sistema de extração (vidraria) + aquecimento Incubadora digital + tubos PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 7

8 Para medição do nível do lençol freático será utilizado um medidor de nível elétrico que indica com exatidão a profundidade do nível do d água. Vale ressaltar que os parâmetros apresentados no Quadro acima serão analisados conforme estabelecido no Standard Methods for the Analysis of Water and Wastewater, ou métodos EPA, em sua última edição (APHA, 2005). As informações levantadas durante a fase de estudos e monitoramento serão georreferenciadas e alimentarão um banco de dados que permitirão um melhor gerenciamento do programa de monitoramento das águas subterrâneas. Como o programa prevê também um plano de remediação em relação a uma possível contaminação pela elevação do lençol freático (atendimento à condicionante 2.35), há a previsão de ações caso seja detectada no estudo, ou pela manifestação de atingidos pelo problema. A priori, são apresentadas as seguintes medidas de prevenção: - Paralisação e isolamento de captação de água de poços em áreas inundadas ou sujeitas a inundação por efeito da elevação do lençol freático e a realocação e construção de poços em áreas mais elevadas e com nível piezométrico mais profundo. - No caso de adensamento de pessoas atingidas (pequeno núcleo) uma alternativa seria a de estruturação (em parceria com o poder público) de uma rede de distribuição de água potável e isolamento das fontes de captação individual (poços). No caso de contaminação do lençol, as medidas de mitigação e remediação propostas são: - Avaliação da pluma (extensão) da contaminação e desinfecção das fontes de captação (poços). - Esgotamento (se possível) e isolamento das fontes pontuais de poluição fossas (negras ou sépticas); realocação e construção de fossas adequadas em locais mais apropriadas, ou no caso de grupo adensado de atingidos, a proposição de um sistema alternativo de fossas sépticas ou de coleta de esgoto. Caso a possível fonte de contaminação seja resultante de equipamentos públicos, como cemitérios e lixões, ou privados (postos de combustíveis), medidas de monitoramento devem ser efetivadas e, caso necessário, alternativas de realocação devem apresentadas e negociadas pelo empreendedor, contemplando, inclusive, a possibilidade de indenização por perdas. Os resultados analíticos dos parâmetros monitorados serão comparados com os valores permitidos pela legislação ambiental vigente, atualmente, Portaria MS nº 2914/2011, Resolução Conama 430/2011 e resolução CONAMA 396/2008 (CONAMA, 2008). PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 8

9 6. PÚBLICO ALVO População da sede e assentamentos rurais do município de Porto Grande. 7. AGENTE EXECUTOR A execução deste programa é de inteira responsabilidade do empreendedor, que deverá contratar técnicos especializados e/ou empresas especializadas para o cumprimento das atividades propostas, ou ainda, se achar pertinente, efetuará convênios com instituições públicas capazes de executar as ações propostas neste programa. 8. POTENCIAIS PARCEIROS Instituições de pesquisa e ensino do Estado do Amapá, como o IEPA, Unifap e UEAP. A parceria poderá propiciar recursos para a capacitação e o fomento da pesquisa científica e tecnológica na área de recursos hídricos subterrâneos, melhorando a qualidade dos dados e, por conseguinte, do programa de monitoramento. Há uma vasta possibilidade de pesquisas aplicadas relacionadas aos estudos hidrogeológicos do presente programa e que poderiam ser desenvolvidas em nível de pós-graduação. 9. ATENDIMENTO A REQUISITOS LEGAIS Dentre as normas e regulamentações aplicáveis à execução deste programa, merecem destaque: Lei Federal 9.433/ instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos. Lei Estadual 0686/ instituiu a Política Estadual de Recursos Hídricos. Resolução CONAMA 396/ Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas e dá outras providências. Portaria do Ministério da Saúde nº 2914/ Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. NBR /2007 e NBR / que tratam do projeto, construção e desenvolvimento de poços de monitoramento da água subterrânea. PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 9

10 10. INTERFACE COM OUTROS PROGRAMAS PROGRAMA DE CONTROLE AMBIENTAL DAS OBRAS E CONSTRUÇÕES PROGRAMA DE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS PROGRAMA DE MONITORAMENTO HIDROSSEDIMENTOLÓGICO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE VETORES E PLANO DE CONTROLE DA MALÁRIA PROGRAMA DE INDENIZAÇÃO DE TERRAS E BENFEITORIAS 11. CRONOGRAMA ANEXOS 12. RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA Wagner José Pinheiro Costa, Geólogo, Especialista em Geoprocessamento e Mestre em Geologia e Geoquímica. CREA nº REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION - APHA. (2005). Standard methods for the examination of water and wastewater, 21st ed. Washington. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). (2008). Poços de monitoramento de águas subterrâneas em aquíferos granulares - Parte 1: Projeto e construção NBR Rio de Janeiro: ABNT. 25p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). (2008). Poços de monitoramento de águas subterrâneas em aquíferos granulares - Parte 2: Desenvolvimento NBR Rio de Janeiro: ABNT. 24p. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resolução nº 396, de 03 de abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas e dá outras providências. PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 10

11 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS). Portaria Nº 2.914, de 12 de Dezembro de Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 11

12 PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão 12

PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão

PBA Plano Básico Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico Cachoeira Caldeirão IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA AMBIENTAL ECOTUMUCUMAQUE: Protecting Amazonia CNPJ: 06.051.587/0001-44 CREA: 1115EMAP Rua Leopoldo Machado, 2183 Sala 27 Centro Macapá/AP CEP 68900-067 http://www.ecotumucumaque.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO

PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.37 Elaborar estudos sobre os impactos ambientais

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.8.2 Quanto à Área de Influência Direta (AID), realizar o seguinte

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Geóg. Rosângela Pacini Modesto Companhia Ambiental do Estado de Paulo (CETESB/SMA) Jul 2014 USOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

REGULARIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA TODAS AS FINALIDADES DE USO ATRAVÉS DE VEÍCULO TRANSPORTADOR (CARRO-PIPA)

REGULARIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA TODAS AS FINALIDADES DE USO ATRAVÉS DE VEÍCULO TRANSPORTADOR (CARRO-PIPA) 1 OBJETIVO Normatizarprocedimentos pararegularização de Outorgade Direito de Uso de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro relativoa documentação necessária para abertura de processo administrativo

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

NORMA nº 02/2011 - CEGM

NORMA nº 02/2011 - CEGM NORMA nº 02/2011 - CEGM Dispõe sobre a fiscalização e regularização das atividades de planejamento, pesquisa, locação, perfuração, ensaios, limpeza e manutenção de poços tubulares para captação de água

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15%

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15% OS IMPACTOS DAS FOSSAS SÉPTICAS NO AMBIENTE E NO DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL DOS ALUNOS DA ESCOLA MARIA IRANY RODRIGUES DA SILVA NO BAIRRO NOVA CANAÃ, NOVA IPIXUNA-PARÁ. Jordana Neta Vicente (1); Douglas

Leia mais

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06. DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.97 SEÇÃO I DOS PADRÕES DE EMISSÃO EM COLETORES PÚBLICOS OBJETIVO Art.

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

RELATÓRIO 1. Programa de Monitoramento Hidrogeológico AHE JIRAU. Agosto de 2009.

RELATÓRIO 1. Programa de Monitoramento Hidrogeológico AHE JIRAU. Agosto de 2009. RELATÓRIO 1 Programa de Monitoramento Hidrogeológico AHE JIRAU Agosto de 2009. Conteúdo 1 Introdução... 2 2 Atividades Desenvolvidas... 2 2.1 Locação dos piezômetros... 2 2.2 Plano de Contaminação de Propriedades

Leia mais

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA Rainier Pedraça de Azevedo (1) Engenheiro Civil graduado pela Universidade

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul.

Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul. Projeto de Rede de Monitoramento de qualidade na UGRHI 11 Ribeira de Iguape e Litoral Sul. Preparado pela seção de Qualidade de Águas Subterrâneas da CETESB programa total, do qual o nosso projeto é a

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON

RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON RELATÓRIO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CHUVEIROS DAS PRAIAS DE IPANEMA E LEBLON GABRIELA BAKER DE MACEDO FERREIRA ORIENTADOR: JOSE MARCUS DE OLIVEIRA GODOY

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 6.3.3.2.1 - Objetivo Geral...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA Histórico da Área A área alvo de estudo (Lotes 04 e 05) pertenceu

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO 1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO Nos quadros seguintes apresenta-se um resumo global dos resultados s para a água

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Mesa Redonda Monitoramento de Águas Subterrâneas São Paulo 19 de junho de 2013 Serviço Geológico do Brasil CPRM A Rede Integrada de Monitoramento de Águas Subterrâneas RIMAS do Serviço Geológico do Brasil

Leia mais

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 SUMÁRIO VOLUME I I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 1.1.Informações Gerais... I 2 1.1.1.Órgão Empreendedor... I 2 1.1.2.Pessoa de Contato... I 2 1.1.3.Empresa Responsável pelo Licenciamento Ambiental...

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Amostragem de Água Subterrânea de Poço de Monitoramento

Amostragem de Água Subterrânea de Poço de Monitoramento Edição ou Revisão: 00 Título: Número da Folha: 1/11 HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES Edição Página Data Descrição sumária 00 - dd/mm/aa 1 a Emissão CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO Cópia controlada Entregue para: Nome:.....................

Leia mais

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Castellón, 23-24 de julio de 28. MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Resumo Nóbrega, C. C. * ; Ferreira, J. W. O.; Athayde Jr., G. B.; Gadelha, C. L.; Costa,

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012. RESOLUÇÃO 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG.

Leia mais

LANÇAMENTO DE EFLUENTES

LANÇAMENTO DE EFLUENTES NORMA TÉCNICA T. 187/ 5 LANÇAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA COPASA S I N O R T E Sistema de Normalização Técnica Copasa NORMA TÉCNICA LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONEMA RESOLUÇÃO Nº 01/2014

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONEMA RESOLUÇÃO Nº 01/2014 1 CNSELH ESTAUAL MEI AMBIENTE CNEMA RESLUÇÃ Nº 01/2014 Estabelece critérios de aceitabilidade para utilização provisória de fossas sépticas com ou sem filtro anaeróbico + sumidouros ou valas de infiltração.

Leia mais

IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO

IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO Wanda Izabel Monteiro de Lima Marsiglia (1) Engenheira química pela UFPB (1980). Mestre em Engenharia civil- pela UFPB

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI Agnos Lopes do Nascimento (Bolsista PIBIC/CNPQ), Carlos Ernado da Silva

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

MONITORAMENTO DO NÍVEL ESTÁTICO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS - UHE SÃO DOMINGOS 5º RELATÓRIO RELATÓRIO FINAL

MONITORAMENTO DO NÍVEL ESTÁTICO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS - UHE SÃO DOMINGOS 5º RELATÓRIO RELATÓRIO FINAL MONITORAMENTO DO NÍVEL ESTÁTICO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS - UHE SÃO DOMINGOS 5º RELATÓRIO RELATÓRIO FINAL Março/2014 APRESENTAÇÃO Em cumprimento ao contrato nº 91300144, a CONAGUA AMBIENTAL apresenta

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS, BRETANHA E REMÉDIOS Os resultados das análises definidas

Leia mais

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A.

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A. FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A. MINERODUTO VIGA - PRESIDENTE KENNEDY MINAS GERAIS, RIO DE JANEIRO E ESPÍRITO SANTO Licença Prévia nº 409 / 2011 Atendimento à condicionante 2.9 ESTUDO DE ALTERNATIVA DE

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural...

1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural... Dossiê Geoprospectus 2013 2 Índice 1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural... 4.1.1 - Engenharia do Petróleo... 4.1.2 -

Leia mais

ASPECTOS SOBRE O USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA FRONTEIRA BRASIL-COLÔMBIA: O CASO DA CIDADE DE TABATINGA NO ESTADO DO AMAZONAS

ASPECTOS SOBRE O USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA FRONTEIRA BRASIL-COLÔMBIA: O CASO DA CIDADE DE TABATINGA NO ESTADO DO AMAZONAS ASPECTOS SOBRE O USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA FRONTEIRA BRASIL-COLÔMBIA: O CASO DA CIDADE DE TABATINGA NO ESTADO DO AMAZONAS Rainier Pedraça de Azevedo Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Amazonas

Leia mais

Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana

Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana INSTITUTO GEOLÓGICO Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Instituto Geologico Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana Claudia Varnier claudia.varnier@igeologico.sp.gov.br

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 Atualizada em 03 / 08 / 2012 SUMÁRIO: OBJETO, REFERÊNCIAS 1 DEFINIÇÃO DOS USOS SUJEITOS A ESTA INSTRUÇÃO TÉCNICA 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 77 DE 02 DE OUTUBRO DE 2013 APROVA A NORMATIZAÇÃO QUE ESTABELECE OS CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS

QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RURAIS NO VALE DO SÃO FRANCISCO: CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1, José Antunes da Silva Neto 2, Wêydjane de Moura

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU P.32818/99 LEI Nº 4553, DE 08 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre Perfuração de Poços para Captação de Águas Subterrâneas no Município de Bauru e dá outras providências. NILSON COSTA, Prefeito Municipal de Bauru,

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG I Identificação do Utilizador Industrial Designação: Processo nº: N.º de Cliente AdG: Nº Contribuinte: Morada da Unidade Industrial: Código Postal: - Nome do Proprietário: Telefone: ; Fax: ; e-mail: II

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO QUALITEX ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA ÁGUA TRATADA, RESIDUAL, E ÁGUA Determinação

Leia mais

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO)

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) Marcus Vinícios Andrade Silva Engenheiro Geólogo / Hidrogeólogo Professor de Hidrogeologia CEFET MG (Campus Araxá) Supervisor Corporativo de Hidrogeologia

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

Investigação Confirmatória

Investigação Confirmatória MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Procedimentos para postos e sistemas retalhistas Licenciamento Ambiental Recebimento de Denúncia ou Reclamação Medidas Emergenciais Nenhuma intervenção necessária

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais i 20/07/2007 José Luiz Silvério da Silva CCNE Djalma Dias da Silveira - CT Introdução Água é essencial: Sua ausência impossibilita

Leia mais

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS A análise de qualidade da água é baseada na comparação de suas características físicoquímicas com padrões estabelecidos para os diversos tipos de usos previstos, tais como

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 10 / 11 / 2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 10 / 11 / 2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 006 10 / 11 / 2011 SUMÁRIO: OBJETO, REFERÊNCIAS 1 DEFINIÇÃO DOS USOS SUJEITOS A ESTA INSTRUÇÃO TÉCNICA 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE ESTUDOS,

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS - NORTE Os resultados das análises definidas para o

Leia mais

5ª reunião do Colegiado do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 12 de Junho de 2015

5ª reunião do Colegiado do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 12 de Junho de 2015 5ª reunião do Colegiado do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop Sinop, 12 de Junho de 2015 AGENDA 9h30 Boas vindas 9h45 Apresentação dos programas do Meio Socioeconômico 10h20 Detalhamento

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO

A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO Seminário Ganhos Econômicos e Ambientais com Reúso de Água A QUALIDADE DAS ÁGUAS DE REÚSO Engº. Regis Nieto Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Reúso da Água e Ações da CETESB Controle

Leia mais

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Consórcio PCJ: A Certificação de Qualidade no Saneamento como Fator de Sustentabilidade no Setor EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Gilberto Coelho Júnior Americana, 17 de Agosto de 2011 O que

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Vigilância em Saúde Ambiental Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA Michelle Mesquita de Medeiros 1, Orlene Silva da Costa 2, Eduardo Queija

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais