Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS. 4º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico. Período: Outubro a Dezembro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS. 4º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico. Período: Outubro a Dezembro"

Transcrição

1 Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS 4º Relatório Trimestral Monitoramento Sismológico Período: Outubro a Dezembro 2009

2 I. Introdução Seguindo as recomendações especificadas para o monitoramento, a região afetada pelo futuro reservatório da UHE São José deve ser permanentemente monitorada por uma estação sismográfica. Tal fato deve-se à necessidade de localizar, com precisão, os eventos sísmicos que possam ocorrer na região de interesse da futura barragem. Para efetuar a localização dos eventos (incluindo-se aqui explosões em pedreiras na região do lago, sismos naturais ou induzidos naquela região, ou qualquer outra atividade local que possa gerar ondas sísmicas), necessitamos determinar quatro parâmetros para cada evento: a localização exata do epicentro (latitude e longitude), a profundidade do foco e a hora de origem (momento em que ocorreu o evento). Assim, necessitamos de, no mínimo, quatro dados de tempo de chegada das ondas medidos na estação, que seriam nossas fontes de dados. Assim, decidimos instalar um sismógrafo de três componentes, de modo que poderemos analisar tanto ondas P como ondas S, o que nos permite obter até seis leituras de tempos de chegada na estação considerada. Isto explica o fato que, para o arranjo sismográfico mais simples e, portanto, menos oneroso, teremos uma estação sismográfica, o que nos permitirá o registro da chegada das ondas P e das ondas S produzidas por um evento sísmico qualquer. Para esta fase do trabalho de monitoramento, realizamos a manutenção mensal do sismógrafo instalado no canteiro de obras da UHE São José (durante o período referente ao trimestre objeto deste relatório), cumprindo o seguinte progama: a) Testes mensais com os parâmetros de operação da estação sismográfica; b) Recuperação dos dados registrados mensalmente, dos equipamentos de monitoramento instalados no canteiro de obras da UHE São José. II. Localização da Estação A localização da estação sismográfica foi feita durante a viagem da fase de instalação do projeto (no ano de 2008), em área do NW do Estado do Rio Grande do Sul. A seleção do local foi feita obedecendo aos seguintes critérios: a) Proximidade de alguma via de acesso, de forma a facilitar o acesso ao local e a operação e manutenção futura da estação; b) Proximidade a alguma casa habitada da região, de forma que pudéssemos dispôr de apoio para a fase de instalação dos equipamentos, assim como de segurança para os equipamentos ali instalados; c) Disponibilidade de energia elétrica no local, para que pudéssemos operar, com corrente alternada, o carregador de baterias instalado na estação. 2

3 Neste caso, utilizamos uma área do escritório da empresa Alusa S.A., nas proximidades de onde estão instalados os equipamentos de comunicação via internet da empresa, com um sistema no-break, de forma a conferir uma maior autonomia ao sistema, no caso de falta de energia elétrica que alimenta os equipamentos da estação. Desta forma, os equipamentos foram instalados em local seguro, que dispõe de segurança permanente e nas proximidades da futura usina. Apesar do sismômetro da estação estar sujeito a um maior ruído local, certamente associado ao tráfego no local, teremos boa segurança para os equipamentos e maior facilidade de acesso para a manutenção da mesma. A energia elétrica em corrente alternada, necessária para o funcionamento do carregador da bateria da estação, foi obtida de uma ligação à rede elétrica local. Os equipamentos da estação podem ser visualizados em fotos que incluímos no anexo deste relatório. Trata-se de um sismógrafo e sismômetro correspondente, dotado de sistema de aquisição e de registro para a obtenção adequada dos dados necessários ao monitoramento da região. Para a rotina de troca de registros e de manutenção dos equipamentos, que pretendemos conduzir com freqüência mensal, empregamos também uma unidade computacional, que serve para transmitirmos os comandos básicos ao sismógrafo e para aferir como está o funcionamento de cada estação. O micro-computador do tipo desktop empregado para o tipo de sismógrafo que equipa a estação encontra-se mostrado nas fotos do anexo deste relatório. III. Parâmetros de Funcionamento da Estação Para operação da estação sismológica, foram selecionados parâmetros que permitissem a obtenção de dados para caracterização da atividade sismológica regional. Tais parâmetros indicam o modo de registro dos dados sismológicos coletados pelo sismômetro da estação instalada no âmbito do projeto. Como exemplo, listamos na Tabela 1 abaixo os parâmetros selecionados para o sismógrafo da estação instalada em Cerro Largo. Tabela 1 Estação Cerro Largo Modo de Registro SC Canais Ativos 1,2,3 Ganho do Pré-Amplificador 1 Stream 1 continuous Stream 2 event trigger Taxa de Amostragem 50 sps (para Stream 1 e Stream 2) Canais Stream 1 1,2,3 3

4 Os parâmetros da tabela acima foram selecionados de forma a podermos observar tanto a eventual sismicidade presente na região onde ficará localizado o reservatório formado pelo represamento do Rio Ijuí, assim como a observação dos chamados telessismos, que representam os registros de sismos que ocorreram em outras regiões da Terra e que tiveram magnitude grande o suficiente para ter as ondas sismológicas correspondentes registradas pela estação que instalamos. Desta forma, selecionamos para registro o modo contínuo, com três canais ativos: 1, 2 e 3. Foi usado um pacote de dados no registro: designado 1, onde os dados dos três canais são registrados de forma contínua, com taxa de amostragem de 50 sps (50 amostras por segundo, em alguns casos utilizamos, no início dos trabalhos, amostragem de até 500 sps para a fase de testes dos aparelhos). Utilizamos também um segundo pacote de dados ativo (active stream 2), onde são registrados os dados obtidos de um mecanismo de detecção de eventos sísmicos (seismic trigger), onde selecionamos um detector do tipo EVENT (onde o registro é feito toda vez que ocorre um evento sísmico). Neste caso, o evento é detectado no canal 1, onde são obtidos os dados da massa que tem posição vertical no sensor. O ganho do pré-amplificador para cada um dos três canais ativos das três estação foi selecionado com o valor 1 (Tabela 1). IV. Considerações Sobre o Monitoramento Planejado Para o monitoramento da região de interesse da futura UHE São José, planejamos três etapas, cada uma das quais com um objetivo específico, conforme descrevemos a seguir: IV.1. Período Prévio à Existência do Lago A sismicidade natural de uma região onde pretende-se construir uma grande obra de engenharia, como é o caso da UHE São José, é normalmente estudada em um período anterior à construção da barragem. Tal procedimento envolve a estimativa do risco sísmico na região de interesse, no qual é feita uma análise do catálogo sismológico, com considerações sobre os níveis de cobertura do mesmo, determinação da relação freqüência x magnitude e estimativa dos valores de probabilidade de ocorrência de danos materiais significativos, que possam danificar uma estrutura construída no local escolhido para a barragem. Este trabalho foi realizado durante a fase de estudos para viabilidade do projeto. Nesta fase de estudos, temos normalmente o problema, em nosso país, do conhecimento restrito da sismicidade natural, devido normalmente à recente ocupação pelo homem das áreas envolvidas, em níveis demográficos que permitam uma cobertura suficiente para registrar, em meios de comunicação, os sismos que possam ter ocorrido no passado. Temos também a limitação da falta de instrumentos sismográficos instalados na região (no caso da UHE São José, a região de interesse só começou a ser efetivamente monitorada no início da década de 70, com a instalação e operação rotineira da Estação Sismológica de Brasília, além de outras estações sismológicas mais antigas instaladas no Brasil e na Argentina). No entanto, casos de sismos com magnitude mais baixa têm ainda 4

5 seu problema presente, visto que estações regionais na região onde será formado o reservatório de São José ainda são escassas. Assim, é necessário que haja um acompanhamento da sismicidade natural da área desde antes do início da construção da barragem, de forma que possamos conhecer o nível de base, que poderia ser também tratado como nível zero de atividade sísmica naquela área. Com tal conhecimento, estaremos prontos para observar a atividade regional durante as duas etapas seguintes: monitoramento durante o período de enchimento do reservatório e o monitoramento durante a vida útil do mesmo. É ainda importante acompanhar, durante esta fase, o comportamento dos equipamentos instalados na estação. Tendo em vista que são equipamentos de mecânica de precisão e com sistema eletrônico sensíveis a condições ambientais locais, como variação da temperatura ambiente, devemos acompanhar atentamente como os mesmos se comportam durante esta fase de operação. É importante ainda verificar o nível de ruído ambiental (relacionado, principalmente, ao tráfego nas imediações da estação e na operação de outros equipamentos nas proximidades da mesma), para verificar se o local selecionado para cada a estação é apropriado ou não. No caso de não ser apropriado, a estação poderá inclusive ser deslocada para outra localidade. No nosso caso, considerando-se que a rede formada pela estação sismográfica foi instalada em Março de 2008 e que teve seu início de operação em 16 de Março de 2008, cumprimos este estágio do monitoramento sismológico previsto em nossos planos. IV.2. Período de Enchimento do Reservatório Com o início de operação da rede sismográfica, discutida no item acima, tivemos oportunidade de começar o efetivo monitoramento da região em questão. Quando o reservatório tiver seu enchimento total iniciado, passaremos para a segunda etapa de nosso planejado monitoramento sismológico da região, com o início da fase de monitoramento do enchimento do reservatório. Nesta fase, é importante continuarmos o monitoramento da atividade sísmica regional e acompanharmos os eventos ocorridos durante a obra. Neste último caso, referente ao período em que ainda exista construção das estruturas, devemos observar o comportamento e localização das pedreiras instaladas para fornecimento de material para a construção da barragem. A localização das pedreiras da região é uma informação bastante útil, pois o erro na localização dos sismos é normalmente grande o suficiente para podermos distinguir, com segurança, as explosões registradas (mesmo que duas explosões de pedreiras próximas, que ocorreram a apenas alguns segundos de diferença no tempo, tenham ocorrido em um determinado dia). 5

6 No período de enchimento do reservatório, necessitaremos de informações relativas ao nível da água dentro do mesmo. Neste caso, tal informação é importante para que possamos tentar correlacionar um eventual aumento no nível de atividade sísmica com o processo de enchimento do reservatório. Deve-se, no entanto, lembrar que tal correlação não é necessariamente positiva, visto que o aumento na sismicidade pode não estar correlacionado com o enchimento do reservatório. IV.3. Período de Vida Útil da Barragem Tendo sido feito o enchimento do reservatório, o acompanhamento da atividade sísmica regional deve ter continuidade. Neste caso, é importante que tenhamos ainda o controle da variação do nível de água dentro do reservatório e que efetuemos a observação de explosões realizadas nas pedreiras locais. Desta forma, poderemos controlar ainda as possíveis correlações entre a variação do nível da água e o aumento ou diminuição do nível de atividade sísmica regional. É importante que tal acompanhamento seja feito durante toda a vida útil da barragem. Além de ter um custo baixo (normalmente apenas o custo de operação da rede de sismógrafos e da análise dos dados gerados pela mesma), o monitoramento sismológico contínuo permite a verificação da atividade sísmica da região ao longo de todo o tempo, o que permite um acompanhamento da atividade (que pode aumentar ou diminuir a qualquer momento) e evita problemas de desmobilização da rede. Neste último caso, nosso problema seria quando da eventualidade de um aumento na sismicidade, percebido pelos moradores locais, que induziriam uma remobilização da rede, o que normalmente implica em custos mais elevados. Por outro lado, se tivermos um acompanhamento contínuo dos níveis de atividade sísmica, é possível detectar o problema com antecedência, o que minimizaria a surpresa dos proprietários da empresa responsável pelo empreendimento e que permitiria prepararmos a população local para o acompanhamento do fenômeno. Vale a pena lembrarmos aqui que, apesar da atividade sísmica regional brasileira ser em geral baixa, grandes reservatórios associados a usinas hidrelétricas no Brasil estão normalmente associados a eventos de aumento de atividade sísmica no local. Tal fenômeno ocorreu no Brasil até com reservatórios de porte bem menor que o reservatório a ser formado quando da construção da UHE de São José. Existem casos, como o de Carmo do Cajurú, localizado em Minas Gerais, onde temos uma altura do nível de água no reservatório de porte relativamente pequena, que possui atividade sísmica bastante considerável, apesar da idade daquele reservatório ser agora em torno de 30 anos. V. Atividades no Período de Outubro a Dezembro de 2009 Durante o período de Outubro a Dezembro de 2009, tivemos a continuidade da fase de monitoramento do projeto em 2009, seguindo as atividades previstas no 3º Relatório Trimestral de 2009, com as seguintes etapas cumpridas: 6

7 - manutenção do sistema, com ênfase no equipamento de controle e de registro de dados, que provou ser mais robusto que o usado anteriormente no programa; - recuperação dos dados registrados no período, tratamento dos mesmos e interpretação, que mostrou estar a estação sismográfica operando dentro da normalidade e apta a acompanhar eventos sismológicos locais. Além dos trabalhos descritos acima, rotineiros agora em relação às fases mais recentes de monitoramento sismológico, incluímos neste relatório um mapa de acompanhamento da atividade sísmica regional durante o período , para o Sul do Brasil. Neste mapa, incluímos toda a atividade brasileira conhecida e organizada, com o fornecimento de dados das estações nacionais, ao IAG-USP e os dados de epicentros de possíveis eventos regionais conhecidos com os dados da estação sismológica de Brasília (Figura 6). Podemos afirmar que todas as atividades previstas para o trimestre Outubro- Dezembro de 2009, contidas nos objetivos referentes ao especificado no 3º Relatório Trimestral foram concluídas. Podemos concluir, da análise e interpretação dos dados sismológicos coletados no período de Outubro a Dezembro de 2009, que não foi observada atividade sismológica local na região do empreendimento da UHE São José. VI. Atividades Previstas para Janeiro-Março de 2010 Na nova fase do projeto, pretentemos conduzir as seguintes atividades: - continuação dos serviços de manutenção do sistema, com ênfase no equipamento de controle e de registro de dados, que provou ser mais robusto que o usado no início do programa; - recuperação dos dados registrados, tratamento dos mesmos e interpretação, para acompanhamento de eventuais ocorrências de eventos sismológicos locais. - verificar, se ocorreu algum tipo de problema de falta de energia no sistema; - realização de testes, operação com o ganho maior atual do equipamento, com uso da taxa de amostragem original (de 50 sps) no sistema de registro e recuperação dos dados registrados no sistema; - elaboração do relatório de atividades do período. 7

8 VII. Equipe do Trabalho A equipe envolvida em todas as fases do projeto foi: Prof. João Willy Corrêa Rosa (Coordenador) (PhD em Geofísica, MIT-USA, 1986) Prof. José Wilson Corrêa Rosa (PhD em Geofísica, MIT-USA, 1989, Pós-Doutor em Geofísica, Harvard University e MIT-USA) VIII. Conclusões Conseguimos, durante o período de Outubro a Dezembro de 2009, concluir a terceira parte dos trabalhos realizados no âmbito do Programa de Monitoramento Sismológico da UHE São José, do ano de Assim, tivemos a continuidade da fase de operação da estação sismográfica para monitoramento da UHE São José, RS, com a obtenção do conjunto de registros referentes ao período de análise deste relatório. A estação tem como principal objetivo o monitoramento sismológico durante os períodos de construção da barragem, enchimento do reservatório e, finalmente, de vida útil do lago a ser formado pela UHE São José. Durante o quarto trimestre de 2009, não foi mais observado comportamento anômalo no sistema de registro dos dados sismológicos relacionados à interrupção pela falta de energia na rede comercial que abastece a estação, que ocorreu eventualmente em 2008 (primeiro ano do monitoramento no âmbito deste programa). O sistema de registro produziu dados de boa qualidade satisfatória no período Outubro-Dezembro de 2009, com alguns exemplos de registro de detonações em pedreiras locais. Assim, o sistema, que agora opera com um sistema de no-break mais robusto, provou ser ainda mais confiável que nas fases anteriores do projeto. A estação produziu um conjunto de dados significativo em volume quando comparado com as fases anteriores do projeto. Nesta fase de trabalho, tivemos a recuperação total do conjunto de dados registrados para o período, não havendo nenhum registro de atividade sísmica natural ou induzida na região da UHE São José. Assim, podemos afirmar que todas as atividades previstas para o trimestre Outubro- Dezembro de 2009, contidas nos objetivos referentes ao especificado no 3º Relatório Trimestral foram concluídas. Podemos concluir, da análise e interpretação dos dados sismológicos coletados no período de Outubro a Dezembro de 2009, que não foi observada atividade sismológica local na região do empreendimento da UHE São José. Para o período seguinte do projeto (trimestre de Janeiro a Março de 2010), esperamos dar continuidade ao projeto, com a operação da estação, sua manutenção mensal programada efetuada e que seja feita a análise e interpretação dos dados coletados de forma adequada a este programa de monitoramento. 8

9 Os trabalhos tiveram êxito graças ao apoio do pessoal da equipe de Gerenciamento Ambiental e do Gerenciamento da Obra, a quem dedicamos um sincero agradecimento. Brasília, 04 de Janeiro de João Willy Corrêa Rosa WW Consultoria e Tecnologia Ltda SEPS 715/915 Centro Clínico Pacini Bloco D Sala Brasília, DF Fone (+61)

8º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico

8º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS 8º Relatório Trimestral Monitoramento Sismológico Período: Outubro-Novembro-Dezembro 2010 I. Introdução Seguindo as recomendações especificadas para o monitoramento,

Leia mais

Monitoramento Sismológico Bacias do Rio Claro e Rio Verde AHE Foz do Rio Claro. Execução do Programa de Monitoramento Sismológico Relatório Resumo

Monitoramento Sismológico Bacias do Rio Claro e Rio Verde AHE Foz do Rio Claro. Execução do Programa de Monitoramento Sismológico Relatório Resumo Monitoramento Sismológico Bacias do Rio Claro e Rio Verde AHE Foz do Rio Claro Execução do Programa de Monitoramento Sismológico Relatório Resumo Janeiro de 2009 Monitoramento Sismológico das Bacias do

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO

USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO Programa de Monitoramento Sismológico Avaliação Ocorrência Sismos Induzidos EMPRESA: WW Consultoria e Tecnologia Ltda. DATA DO RELATÓRIO: Janeiro de 2013 RESPONSÁVEL DA

Leia mais

4º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-11)

4º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-11) (Contrato Copel SLS/DCSE N o 45858/2009) 4º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-11) PERÍODO OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOGRÁFICO DA USINA HIDROELÉTRICA DE

Leia mais

3º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-10)

3º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-10) (Contrato Copel SLS/DCSE N o 45858/2009) 3º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-10) PERÍODO SETEMBRO DE 2012 PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOGRÁFICO DA USINA HIDROELÉTRICA DE

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.8.2 Quanto à Área de Influência Direta (AID), realizar o seguinte

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.06 - Programa de Monitoramento da Sismicidade Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA Alessandro Farinaccio CREA

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS

DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS TREINAMENTO TÉCNICO: DA TEORIA A PRÁTICA Apostila de Treinamento (IAG-SISMO-042010) Elaborado por: Afonso Emidio de Vasconcelos Lopes Marcelo Assumpção SÃO PAULO

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RÁDIOLÓGICO Projeto 3 Monitoramento Sismológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

Brasília, 27 de abril de 2014.

Brasília, 27 de abril de 2014. Síntese das ações empreendidas pela equipe do Observatório Sismológico (SIS) da Universidade de Brasília (UnB) na visita a Montes Claros MG entre os dias 9 e 13 de abril de 2014 Brasília, 27 de abril de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta.

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta. Questão 1 Um estudante de física, com o intuito de testar algumas teorias sobre circuitos e indução eletromagnética, montou o circuito elétrico indicado na figura ao lado. O circuito é composto de quatro

Leia mais

TOPEX/POSEIDON Jason 1

TOPEX/POSEIDON Jason 1 SISMOLOGIA Um dos primeiros terremotos a ser analisado cientificamente foi o terremoto de Lisboa, em novembro de 1755. Esse terremoto, que foi seguido de um tsunami, praticamente destruiu a cidade de Lisboa.

Leia mais

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless DQuest Localização Localização, controle e gerenciamento de frotas Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

Leia mais

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS Departamento de Geofísica EXPOSIÇÃO ITINERANTE DO MUSEU DE CIÊNCIAS DA USP ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos SERVIÇOS prestados pela CONCESSIONÁRIA, além de

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para:

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para: IBC BRASIL Prof. Dr. Roberto Kochen Diretor Técnico Dezembro/2009 55 11 4195- FUNDAÇÔES DE BARRAGENS 2 problemas principais podem requerer tratamento: Deformabilidade Permeabilidade / Fluxo na Fundação

Leia mais

Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná

Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná Recuperação de Leituras e Mapeamento Geoestatístico do Nível de Água Subterrâneo de uma Barragem de Terra no Estado do Paraná Carina Pirolli COPEL - Companhia Paranaense de Energia, Curitiba, Brasil, carina.pirolli@copel.com

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS ATIVIDADES AMBIENTAIS TRIMESTRE OUTUBRO DEZEMBRO DE 2014 Eletrosul Centrais Elétricas S/A DEZEMBRO de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 MONITORAMENTO

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141-1 Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141.1 Introdução O mundo passa por grandes transformações e os recursos hídricos deverão no séeculo XXI ser analisado

Leia mais

GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk

GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk TERREMOTOS (Cap. 19) Earthquake Effects - Ground Shaking Northridge, CA 1994 Earthquake Effects Ground Shaking

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal CONCEITO DE SINAL Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal RECONSTRUÇÃO DE SINAIS A PARTIR DE SENÓIDES

Leia mais

A PROMOVER A INSTALAÇÃO RELATIVA À ATIVIDADE DE: BARRAGEM PARA GERAÇÃO DE ENERGIA, USINA HIDRELÉTRICA

A PROMOVER A INSTALAÇÃO RELATIVA À ATIVIDADE DE: BARRAGEM PARA GERAÇÃO DE ENERGIA, USINA HIDRELÉTRICA 1249 / 2009-DL LICENÇA DE INSTALAÇÃO LI Nº A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça Posicionamento por Satélite Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça O Sistema GPS - Características Básicas O sistema GPS é composto por três segmentos:

Leia mais

Sismologia. Ondas sísmicas

Sismologia. Ondas sísmicas Sismologia Ondas sísmicas A propagação de um distúrbio sísmico através de um meio heterogêneo é extremamente complexa. Por isso, antes de qualquer cálculo é necessário adotar suposições simplificadas.

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas São Paulo/SP - Brasil Setembro / 2007 ÁREAS

Leia mais

Projeto Básico Ambiental

Projeto Básico Ambiental Projeto Básico Ambiental 3. PLANO AMBIENTAL DE CONSTRUÇÃO 3.4 Programa de Saúde e Segurança 3.4.2 Projeto de Segurança e Alerta SETEMBRO 2011 RL-DS-001-802-020-29Set11=A Plano de sinalização viária e fluvial

Leia mais

SISTEMA DE INJEÇÃO ANTI-ESPUMANTE CTA 500

SISTEMA DE INJEÇÃO ANTI-ESPUMANTE CTA 500 SISTEMA DE INJEÇÃO ANTI-ESPUMANTE CTA 500 Manual do usuário Série: G Sistema de Injeção Anti-Espumante MAN-DE-CTA 500 Rev.: 2.00_08 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CTA 500. Para garantir o

Leia mais

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA SERVIÇOS DE GESTÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA Processo n 50611.000502/2009-67 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência define o escopo dos serviços a serem executados para

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS MÉTODOS POTENCIAIS MÉTODOS GEOELÉTRICOS MÉTODOS GEOTÉRMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA

GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS MÉTODOS POTENCIAIS MÉTODOS GEOELÉTRICOS MÉTODOS GEOTÉRMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA 28 de maio de 2013 GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO MÉTODOS POTENCIAIS GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA MÉTODOS GEOELÉTRICOS POLARIZAÇÃO INDUZIDA ELETRORRESISTIVIDADE POTENCIAL ESPONTÂNEO RADAR DE

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI PLANO DE TRABALHO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PCS Plano de Trabalho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 2.1. Objetivos Específicos... 1 3. PÚBLICO ALVO... 2 4. METAS... 2 5.

Leia mais

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 As imagens deste manual são meramente ilustrativas. A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 P27130 - Rev. 1 1 Índice

Leia mais

4º BOLETIM TRIMESTRAL DE MONITORAMENTO FASE OPERACIONAL (MC-04 EC-15)

4º BOLETIM TRIMESTRAL DE MONITORAMENTO FASE OPERACIONAL (MC-04 EC-15) (Contrato Copel SLS/DCSE N o 45858/2009) 4º BOLETIM TRIMESTRAL DE MONITORAMENTO FASE OPERACIONAL (MC-04 EC-15) PERÍODO ENTRE 21 DE JUNHO DE 2013 e 20 DE SETEMBRO DE 2013 PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOGRÁFICO

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK

SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK SENSOR DE FUMAÇA SEM FIO STK 916 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a oferecer

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Evolução / Necessidade Empresas com Capital Fechado Aumento da concorrência Investimento em

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Pedro Luis Faggion, Luis A. Koenig Veiga, Silvio Rogério Correia de Freitas, Carlos Aurélio Nadal Universidade

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

APRESENTADOR: ENG. ADEMAR SÉRGIO FIORINI CURSO: SEGURANÇA DE BARRAGENS

APRESENTADOR: ENG. ADEMAR SÉRGIO FIORINI CURSO: SEGURANÇA DE BARRAGENS MINI-CURSO: SEGURANÇA DE BARRAGENS APRESENTADOR: ENG. ADEMAR SÉRGIO FIORINI CURSO: SEGURANÇA DE BARRAGENS VI SPMCH ABRIL/2008 OBJETIVO Apresentar uma abordagem sobre as melhores práticas brasileiras de

Leia mais

Dimensões do corte no piso para a instalação do laço indutivo... 3. Conexões elétricas... 4. Alimentação da placa detectora de massa metálica...

Dimensões do corte no piso para a instalação do laço indutivo... 3. Conexões elétricas... 4. Alimentação da placa detectora de massa metálica... P00000 - Rev. 0 1 Índice Dimensões do corte no piso para a instalação do laço indutivo... 3 Conexões elétricas... 4 Alimentação da placa detectora de massa metálica... 5 Ajustes iniciais... 5 Ajuste de

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

METOLOGIA. 1. Histórico

METOLOGIA. 1. Histórico METOLOGIA O Índice de Confiança do Empresário Industrial do Rio Grande do Sul (ICEI/RS) é um indicador antecedente utilizado para identificar mudanças na tendência da produção industrial gaúcha. O ICEI

Leia mais

Gestão de Segurança de Barragens de Mineração

Gestão de Segurança de Barragens de Mineração Gestão de Segurança de Barragens de Mineração FIEMG, Novembro 2014 Paulo Franca Tópicos Sistema de gestão conceitos fundamentais Oportunidades/ pontos a serem considerados Tamanho do problema A cada ±30

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Monitore a saúde dos seus equipamentos de forma inteligente e ativa.

Monitore a saúde dos seus equipamentos de forma inteligente e ativa. Monitore a saúde dos seus equipamentos de forma inteligente e ativa. Decisões inteligentes e eficientes. Gerenciar os dados dos equipamentos para conseguir extrair o melhor rendimento é um desafio para

Leia mais

Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau

Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau Preparado Por Preparado Para ICF Consultoria do Brasil Ltda. Av. das Américas, nº 700, Bloco 6, sala 251 Barra da Tijuca Rio de Janeiro, RJ CEP

Leia mais

Modo Execução. Modo Parametrizacão

Modo Execução. Modo Parametrizacão 1/7 Introdução O HM206 é um indicador para operar com comunicações RS485. O HM206 pode operar como escravo (slave) de rede fornecendo os dados ou operando comandado por outros sistemas ou como mestre (master)

Leia mais

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto.

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Com o intuito de fornecer ao mercado um dispositivo de rastreamento seguro e confiável, com base na mais alta tecnologia de rastreamento de veículos, seguindo rígidos padrões de

Leia mais

MEGA-CA Touch Screen Termo Desinfectora MANUAL DE OPERAÇÃO REV. 1.5 04/05/2011

MEGA-CA Touch Screen Termo Desinfectora MANUAL DE OPERAÇÃO REV. 1.5 04/05/2011 MEGA-CA Touch Screen Termo Desinfectora MANUAL DE OPERAÇÃO REV. 1.5 04/05/2011 Av. José Carlos Massoco 2000, Itu - SP - CEP 13306-740 Fone (11) 4024-2240 - 1 - Introdução : O controlador modelo MEGA-CA

Leia mais

Nobreak. 10 a 50 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 10 a 50 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla conversao ~ 10 a 50 kva PERFIL Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Sinus Triphases 10 a 50 kva A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

A FÍSICA DE UM SONAR Número de Identificação: 2005289

A FÍSICA DE UM SONAR Número de Identificação: 2005289 A FÍSICA DE UM SONAR Número de Identificação: 2005289 Clube de Ciências Quark Rua Teopompo de Vasconcelos, 86, Vila Adyanna, CEP 12243-830 São José dos Campos SP (12) 3923-3858 rafaelsrosa@yahoo.com.br

Leia mais

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 comunicaçõesasseguradas Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 Melhore os seus sentidos. Falcon Watch Vigilância Remota. Todo o dia. Toda a noite. A Harris sabe da necessidade de ter sistemas

Leia mais

Análise Técnica. 1. Introdução

Análise Técnica. 1. Introdução Análise Técnica 1. Introdução Este ensaio vem complementar os estudos realizados pelo Convênio de Cooperação Técnico-Científica para o Desenvolvimento do Projeto de Avaliação da Qualidade das Águas do

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

INDICADOR MULTI-PONTOS TM-2100CS

INDICADOR MULTI-PONTOS TM-2100CS INDICADOR MULTI-PONTOS TM-2100CS Introdução Obrigado por ter escolhido nosso INDICADOR MULTI-PONTOS TM-2100CS. Para garantir o uso correto e eficiente do TM-2100CS, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná

Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná Atlas do Potencial Eólico do Estado do Paraná GOVERNO DO PARANA 5 Atlas do Potencial Eólico do Estado do PARANÁ INFRA-ESTRUTURA SISTEMA ELÉTRICO E MALHA VIÁRIA 750 kv ca 138 kv 600 kv cc 69 kv

Leia mais

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO p. 1 / 19 Sumário Sumário... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ÍNDICE DE CUMPRIMENTO DE MARCOS - ICM... 5 2.1. Procedimento

Leia mais

PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados

PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados AVL s (Automatic Vehicle Location), nos veículos das empresas que realizam

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.440, DE 4 DE MAIO DE 2005. Estabelece definições e procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de

Leia mais

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Melhores práticas de gerenciamento de ativos de software JUNHO DE 2013 Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo John Fulton CA IT Business Management

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Plano de Actividades 2009/2010

Plano de Actividades 2009/2010 A ÁGUA É NOSSA AMIGA Nível de ensino: Pré-escolar Duração: 1 h 30 m Objectivo: sensibilizar para a importância da água, introduzir o ciclo da água e usos da água promovendo uma atitude de cuidar e poupar

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS: Inflamáveis A substância está catalogada como facilmente inflamável. Ponto de inflamação: 10ºC. Tóxicas O metanol está considerado como tóxico por ingestão e inalação Perigosa para

Leia mais

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar.

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. Localização e Inteligência Móvel Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. 1 2 Localização e Inteligência Móvel Todos os dias sua empresa enfrenta grandes desafios para

Leia mais

ANEXO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PÓS PAGO CLARO ONLINE TURBO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA FRANQUIA + ACESSO FACEBOOK, TWITTER E WHATSAPP PÓS

ANEXO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PÓS PAGO CLARO ONLINE TURBO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA FRANQUIA + ACESSO FACEBOOK, TWITTER E WHATSAPP PÓS ANEXO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PÓS PAGO CLARO ONLINE TURBO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DESCONTO NA FRANQUIA + ACESSO FACEBOOK, TWITTER E WHATSAPP PÓS O presente Regulamento tem por objeto regular as relações

Leia mais

ESTUDOS E TRATAMENTO DA VARIÁVEL RENDIMENTO NO CENSO DEMOGRÁFICO 2010

ESTUDOS E TRATAMENTO DA VARIÁVEL RENDIMENTO NO CENSO DEMOGRÁFICO 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Métodos e Qualidade Gerência Técnica do Censo Demográfico ESTUDOS E TRATAMENTO DA VARIÁVEL RENDIMENTO NO CENSO DEMOGRÁFICO 2010 Março de 2012 Introdução No processo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. FONTE NoBreak 360W

MANUAL DO USUÁRIO. FONTE NoBreak 360W MANUAL DO USUÁRIO FONTE NoBreak 360W 2 1 Contém: 1 cabo tripolar; 1 manual do usuário; 1 fonte NoBreak Fonte NoBreak Online 24V/10A 360W: Procedimento de instalação: Ao receber a fonte, verificar a integridade

Leia mais

elipsoide de revolução

elipsoide de revolução 19.(TRT-8/CESPE/2013) Para a obtenção de mapas, é necessário que haja a projeção da superfície real ou física em formas geométricas, sendo que alguns ajustes prévios são necessários para que se possa fazer

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você conhecerá mais sobre a regulamentação que trata da exposição

Leia mais

Sistema Básico de Inspeção Termográfica

Sistema Básico de Inspeção Termográfica Sistema Básico de Inspeção Termográfica Um novo patamar na relação custo / benefício em Termografia *Eng. Attílio Bruno Veratti Conceito geral A Inspeção Termográfica é a técnica de inspeção não destrutiva

Leia mais

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX DITHERM, DIGRIN, DIVIT são módulos eletrônicos microprocessados que permitem expandir as entradas analógicas de vários controladores SICES para grupos geradores. Mais concretamente: O módulo DITHERM permite

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO

DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO ESCOLA FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Estudo dos Tremores de Terra de. Montes Claros, MG, de 2012. Universidade de São Paulo (USP) e Universidade de Brasília (UnB)

Estudo dos Tremores de Terra de. Montes Claros, MG, de 2012. Universidade de São Paulo (USP) e Universidade de Brasília (UnB) Estudo dos Tremores de Terra de Montes Claros, MG, de 2012. Universidade de São Paulo (USP) e Universidade de Brasília (UnB) Centro de Sismologia da USP (IAG-IEE) SIS-UnB: Observatório Sismológico da UnB

Leia mais

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO SÍSMICA 2010 8º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO CARLOS SOUSA OLIVEIRA Prof. Catedrático ICIST/IST Lisboa-Portugal MÓNICA AMARAL

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

Níveis Qualificação Quantidade % N I Não qualificados (ajudantes, serventes e faxineiros) 1.650 30%

Níveis Qualificação Quantidade % N I Não qualificados (ajudantes, serventes e faxineiros) 1.650 30% 3.37. PROGRAMA DE APOIO À POPULAÇÃO MIGRANTE 3.37.1. Introdução A implantação de empreendimentos hidrelétricos freqüentemente provoca mudanças na região de instalação. A UHE Estreito é um empreendimento

Leia mais

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI 68 5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI O software VPI foi originalmente introduzido em 1998 e era conhecido como PDA (Photonic Design Automation). O VPI atualmente agrega os

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE BARRAGEM, UM SISTEMA CADA VEZ MAIS NECESSÁRIO

AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE BARRAGEM, UM SISTEMA CADA VEZ MAIS NECESSÁRIO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GGH - 30 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH AUTOMAÇÃO DOS INSTRUMENTOS

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais