Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal"

Transcrição

1 Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal

2

3 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Pantanal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal Flávio Lima Nascimento 1 Márcia Divina de Oliveira 2 Embrapa Pantanal Corumbá, MS Dr., Embrapa Pantanal 2 Dra., Embrapa Pantanal

4 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à Embrapa Pantanal Embrapa Pantanal Rua 21 de Setembro, Caixa Postal 109, Corumbá, MS Fax: (67) Telefones: (67) e Home page: Comitê de Publicações: Presidente: Aiesca Oliveira Pellegrin Secretário-Executivo: Suzana Maria Salis Membros: Débora F. Calheiros, Marçal Henrique Amici Jorge, José Aníbal Comastri Filho Secretária: Regina Célia Rachel Supervisor editorial: Suzana Maria Salis Normalização bibliográfica: Viviane de Oliveira Solano Foto da capa: Flávio Lima Nascimento Programação e identidade visual: Rosilene Gutierrez 1ª edição 1ª impressão (2010): formato digital Todos os direitos reservados. A reprodução não-autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610). Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Embrapa Pantanal Nascimento, Flávio Lima. Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal [recurso eletrônico] / Flávio Lima Nascimento, Márcia Divina de Oliveira. - Dados eletrônicos. Corumbá : Embrapa Pantanal, p. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de acesso: <http://www.cpap.embrapa.br/publicacoes/online/car03.pdf> Título da página da Web (acesso em 31 dez. 2010) ISBN Disponível também na versão impressa. ISBN Peixes. 2. Sistemas de cultivo. 3. Manejo. 4. Qualidade da água. I. Oliveira, Márcia Divina de. II. Título. III. Embrapa Pantanal. CDD (21. ed.) Embrapa 2010

5 Sumário Introdução Sistemas de cultivo em piscicultura... 6 Sistema extensivo... 6 Sistema semi-intensivo... 8 Sistema intensivo... 9 Sistema superintensivo Cultivo em tanques-rede Composição do tanque-rede Instalação dos tanques-rede Manejo em piscicultura - alimentação Monitoramento da qualidade da água em tanquesrede Principais problemas em piscicultura em tanquesrede Principais agentes patógenos (parasitas e doenças) 26 Bibliografia... 28

6

7 5 Introdução A piscicultura trata do cultivo de peixes.o cultivo envolve instalações naturais ou artificiais, alimentação e manejo com vistas a aumentar a produção de peixes. As primeiras informações sobre criação de peixes ocorreram na China cerca de 2000 ac. No final do século XX aumentaram muito as informações sobre a criação de peixes, particularmente no que se refere à reprodução e alimentação para se obter crescimento eficiente. Nos sistemas de cultivo atuais, em várias partes do mundo, tem-se o domínio em nível genético e controle total do ambiente de confinamento dos peixes. No Brasil ainda estamos iniciando o processo de melhoramento genético para algumas espécies, mas ainda vai demorar um pouco para atingirmos o controle desejado. Para que uma espécie possa ser utilizada em cultivo, deve apresentar algumas características básicas, como: - Adaptação ao clima dos locais de cultivo; - Crescimento rápido; - Hábitos alimentares de preferência onívoros (se alimentam de tudo) - Resistência a elevadas densidades de cultivo; - Aceitação pelo mercado consumidor.

8 6 1. Sistemas de cultivo em piscicultura Existem diferentes sistemas de cultivo de peixes. Sistema extensivo É praticada em reservatórios de pequenas ou grandes dimensões, naturais ou artificiais. Neste sistema, o número de peixes por unidade de área é baixo, a alimentação é restrita ao alimento naturalmente existente e não há controle sobre a reprodução. Em outras palavras, esses reservatórios foram construídos para outra finalidade, por exemplo, para armazenar água para irrigação, para bebedouro de animais, energia elétrica, etc (Figuras 1 e 2). A piscicultura aparece como um aproveitamento a mais desses reservatórios. Nesta modalidade de piscicultura não se alimentam os peixes regularmente e não se fertiliza a água com fertilizantes orgânicos ou inorgânicos.os peixes se alimentam dos organismos presentes no próprio ambiente. A produção é baixa e varia de 100 a 1000Kg/ha/ano. A produção de peixes nesta modalidade depende principalmente de dois fatores: a) capacidade de suporte alimentar do ambiente, ou seja, da produtividade natural da água que depende da quantidade de nutrientes (fosfatos, nitratos e materiais orgânicos) da água e do solo; b) escolha de espécies adequadas, taxa de povoamento e sobrevivência do povoamento efetuado.

9 7 Figura 1. Açude em Minas Gerais. Figura 2. Reservatório de Itaipu, PR.

10 8 Sistema semi-intensivo Os viveiros geralmente medem de a m 2 com troca diária de água de 1% a 10%. Este sistema se caracteriza pela maximização da produção de alimento natural (fito e zooplâncton, bentos e macrófitas), a partir do aporte de minerais que pode ser feito com adubos orgânicos (esterco de bovinos, suínos, eqüinos, etc.) ou químicos (fontes de nitrogênio e fósforo), para servir como principal fonte de alimento dos peixes. Para aumentar diretamente a produção ou o crescimento dos peixes usam-se alimentos artificiais (alimentos artificiais são todos os alimentos que não são produzidos nos viveiros) que o piscicultor coloca no viveiro. No sistema semi-intensivo a piscicultura é praticada em viveiros construídos estritamente para se criar peixes (Figura 3). Estes viveiros são totalmente drenáveis, uma ou mais vezes por ano. Figura 3. Sistema semi-intensivo, construção de tanque em Minas Gerais.

11 Os viveiros são povoados somente com peixes de cultivo. Todo esforço é feito para impedir a penetração de peixes selvagens indesejáveis (esses peixes selvagens competem com os peixes de cultivo por alimentos naturais e consomem valiosos alimentos artificiais). Os peixes selvagens carnívoros colocam em risco o povoamento dos peixes de cultivo, nesse tipo de sistema. 9 Sistema intensivo Tal qual no sistema semi-intensivo os viveiros são planejados, escavados com máquinas e possuem declividade para facilitar o escoamento da água e despesca dos animais. A diferença está na renovação da água, para suportar a biomassa de pescado estocada e carrear as excretas para fora. Dependendo da disponibilidade e da qualidade da água pode-se estocar entre 1 a 10 peixes por metro quadrado. O fluxo de água é controlado para manter, no mínimo, um teor de oxigênio dissolvido (OD) de 8 ppm. Como a densidade de estocagem de peixes é alta, o alimento natural não é capaz de manter sozinho o desenvolvimento completo dos animais. Portanto, se faz necessário o fornecimento de uma ração balanceada. Com adubação podem-se alcançar produtividades de até kg/ha/ano. Se for utilizada ração balanceada e aumentada a renovação da água pode-se alcançar produtividades de até kg/ha/ano.

12 10 É realizado em viveiros especialmente construídos para essa finalidade (Figura 4), geralmente em monocultivo (somente uma espécie). Figura 4. Sistema intensivo em Cachoeirão, MS. Sistema superintensivo Usam-se tanques de pequeno porte, geralmente de alvenaria, com grande fluxo de água de boa qualidade para promover a renovação total da água em um curto período de tempo (Figuras 5 e 6).

13 11 Figura 5. Sistema superintensivo de criação de trutas em Maringá, MG. Figura 6. Sistema superintensivo de criação de trutas em Campos do Jordão, SP.

14 12 Nesse sistema os peixes são estocados em alta densidade em um longo tanque que exige um contínuo fluxo de água (Figura 7), que garante para o pescado um fornecimento de oxigênio dissolvido suficiente, e elimina os dejetos metabólicos. Aqui a densidade de estocagem não é considerada por unidade em m 2 e sim por biomassa em m 3. No sistema superintensivos os peixes são alimentados somente com alimento comprimidos (peletes) ou semelhante, balanceados com tipos e teores de proteínas, minerais, vitaminas e outros ingredientes indispensáveis para o seu crescimento. Este tipo de alimento é bastante caro, por isso cultivamse peixes de alto valor de mercado. Nesta modalidade de piscicultura não se pode contar com os alimentos naturais da água. Figura 7. Piscicultura de trutas em sistema superintensivo em Campos do Jordão, SP.

15 São muitas as possibilidades do cultivo superintensivo, que é um novo ramo da piscicultura e que já apresenta um alto grau de desenvolvimento em várias partes do mundo. É mais uma opção disponível ao piscicultor para o cultivo de espécies brasileiras de alto valor comercial. 13 Cultivo em tanques-rede Este sistema de piscicultura foi inicialmente aplicado quase tão somente para cultivar trutas. Quando os tanques puderam ser fabricados de materiais não perecíveis e a fabricação dos alimentos artificiais comprimidos tornou-se possível, a piscicultura superintensiva foi expandida para cultivos de outras espécies de peixes mais preciosas, como a enguia, bagre de canal (EUA), bagre da Europa, tilápia nilótica, salmão do Atlântico, etc. No caso da piscicultura superintensiva uma única espécie de peixe é cultivada em alta densidade de povoação (em cada metro cúbico de gaiola ou tanques pequenos coloca-se de 20 a 200 peixes). Os tanques-rede podem ser encontrados de diferentes materiais no mercado. O tipo mais indicado possui as características descritas abaixo: Composição do tanque-rede Dimensões: 2,0 m x 2,0 m x 1,7 m, com 4,0 m 3 úteis (Figura 8).

16 14 Quadro: tubos redondos de ferro de 1,1/2, parede 2 mm, galvanizado a fogo. Curvas: em ferro modular para fechamento do quadro tubular, galvanizado a fogo. Suporte: em ferro nodular galvanizado a fogo. Trava central: bocal nodular e tubo 1,1/2, parede de 1,2 mm. Flutuadores: quatro bóias de 37 litros, em polietileno, na cor amarela, com proteção anti-uv. Tampa: basculante em cantoneira de ferro ¾ x 1/8, com porcas soldadas (tipo MIG) para fixar a tela galvanizada a fogo e varetas BWG 6 galvanizadas, para fixar, onde se entrelaçam com a tela em malha 19 mm, arame 1,24 mm (18) ou 1,65 mm (16), em PVC de cor cinza, compondo duas tampas basculantes, abrindo nas duas metades superiores do tanque. Fixadores de telas: varetas galvanizadas BWG 6; Parafusos, porcas e arruelas: galvanizados a fogo centrifugado. Costura para emenda de telas: arame 1,24 mm (18) ou 1,65 mm (16), em PVC cor cinza. Corpo: tela em malha 19 mm no arame de 1,24 mm revestido com PVC de alta aderência. Tela de nylon (40 cm) cobrindo todo perímetro, como retentor de ração.

17 15 A B Figura 8. Detalhes do tanque-rede: A. tampa; B. vista geral.

18 16 Instalação dos tanques-rede O local: O local de instalação dos tanques deve ser previamente avaliado em relação à profundidade (que deve ser de pelo menos uma vez e meia a do tanque); a velocidade do fluxo e a qualidade da água. Posicionamento: O posicionamento dos tanques deve ser perpendicular ao fluxo da corrente, um ao lado do outro para evitar que a mesma água seja utilizada por diferentes tanques. Fixação dos tanques: A fixação dos tanques pode variar de acordo com as características de cada local: Em canal estreito, podem ser amarradas em estacas fixas nas margens; ou onde as dimensões são maiores, ancoradas com poitas posicionadas de maneira a manter os tanques imóveis. As poitas devem ser construídas como bolsas, com tela de arame galvanizado, preenchidas com pedras, a fim de melhor acomodar-se à variada conformação do fundo. Os tanques devem ser posicionados em fileiras, sem deixar uma de frente para o outro, mantendo uma distância de dois tanques, entre si. Na fileira, os tanques devem ser separados por distância de pelo menos um tanque, entre si. O cultivo de peixes em tanques-rede já bastante difundido no Brasil e no mundo. Como exemplo apresentamos algumas imagens de parques de cultivo em alguns locais no Brasil (Figura 9) e no Pantanal (Figura 10).

19 17 A B Figura 9. Cultivo em tanques-rede em diferentes locais: A. Bauru, SP; B. Juiz de Fora, MG.

20 18 Figura 10. Cultivo em tanques-rede no Pantanal.

21 19 2. Manejo em piscicultura - alimentação Os alimentos de baixa qualidade possuem menor estabilidade na água e consequentemente maior carga poluente, levando a uma menor produtividade ao dissolver na água. Já a ração de alta qualidade possui maior estabilidade na água, menor carga poluente e promove uma maior produtividade. Como ponto fundamental a ração deve possuir a quantidade correta de proteína e energia para cada tipo de peixe e de acordo com a fase de crescimento. Também deve possuir componentes de alta digestibilidade, o que vai melhorar o desempenho do peixe, diminuir a necessidade de ração e o volume de fezes excretado por ele, minimizando a eutrofização do ambiente. Além disso, a ração deve possuir propriedades físicas adequadas (estabilidade na água, granulometria e tamanho). Quanto à espécie, há uma diferença básica: peixes carnívoros possuem maiores exigências de proteína e energia na ração do que peixes onívoros. Por isso, na hora da escolha da ração deve-se levar em conta qual a espécie a ser criada. Exemplo de alimentação eficiente para surubins, com 01 (uma) refeição por dia na Tabela 1.

22 20 Tabela 1. Peso e porcentagens utilizadas para calcular a necessidade diária de ração para uma alimentação eficiente de surubins. Peso do peixe (g) Estimativa da necessidade diária de ração (% peso do peixe/dia) 15 a 50 5% 50 a a 5% 150 a a 3% 600 a ,5 a 2% a a l,5% ou mais 0,5% Monitoramento da qualidade da água em tanquesrede Qualquer análise de água para fins de piscicultura em tanques-rede deve ter dois enfoques principais: a qualidade da água para o cultivo e a influência do cultivo na qualidade da água. No caso específico dos rios do Pantanal, deve-se observar principalmente a ocorrência do fenômeno de decoada, o qual pode causar mortalidade maciça nos tanques, sendo o principal fator restritivo ao cultivo de peixes em tanques-rede no Pantanal.

23 A decoada ocorre durante a inundação, todos os anos, em maior ou menor intensidade. O fenômeno é observado principalmente na área de influência do rio Paraguai, através de uma mudança visual nas características da água. Caracteriza-se por queda na concentrarão do oxigênio dissolvido e o aumento dos níveis de gás carbônico dissolvido ou livre (CO 2 L) e diminuição do ph, para valores baixos como 5,0. Além da alteração da concentração dos gases respiratórios, observa-se mudança na cor, sabor e odor da água. Outras variáveis como temperatura, condutividade elétrica (quantidade de sais na água), nutrientes (nitrogênio e fósforo), material em suspensão (orgânico ou inorgânico) também devem ser considerados dependendo de cada ambiente. Rios como o Taquari, que carregam muito sedimento inorgânico, devem ser avaliados quanto à influência desses sedimentos para as espécies de peixes, pois o confinamento pode potencializar o efeito desse sedimento. A freqüência das medidas pode ser mensal, semanal, ou diária quando se esta aproximando do período de ocorrência da decoada. Nas águas do Pantanal a temperatura varia entre 17 C e 34 C, permanecendo em torno dos 27 C a maior par te do ano, portanto, favorável ao cultivo de muitas espécies de peixes tropicais (Tabela 2). 21

24 22 Tabela 2. Faixa de temperatura da água (ºC) e desempenho esperado (alimentação), em regiões tropicais. Temperatura da água (ºC) Desempenho esperado 28 a 30 Consumo ótimo < 24 Consumo de alimento reduzido < 18 Consumo de alimento cessa 10 a 14 Limitante para a maioria dos peixes tropicais As águas do Pantanal são em geral pobres em sais dissolvidos (baixa condutividade) nutrientes e algas, portanto, a eutrofização (excesso de nutrientes e alta produção das algas) que é comum nos tanques de piscicultura dificilmente será observada nos rios do Pantanal. No entanto, algumas baías menores do Pantanal podem apresentar floração de algas durante a época seca. Devido às particularidades de cada ambiente, a escolha do ambiente para cultivo em tanques-rede é fundamental. Ambientes rasos ou com variação de nível muito grande, que são comuns no Pantanal não são recomendados. Durante a época seca, a decomposição da matéria orgânica também podem baixar os níveis de oxigênio para valores muito baixos e causar mortalidade de peixes. A renovação de água no cultivo também é muito importante para a manutenção da qualidade da água.

25 Locais com fluxo são preferidos em relação a águas paradas. A limpeza dos tanques, que podem ficar fechados por algas ou por moluscos como o mexilhão dourado, também é fundamental para se obter boa qualidade da água dentro dos tanques. Para a manutenção da qualidade da água no ambiente de cultivo é preciso cuidar para que o próprio cultivo não deteriore a qualidade da água. Para isso, monitorar algumas variáveis dentro e fora dos tanques é importante para saber a capacidade suporte do ambiente, ou seja, o quanto se pode cultivar em determinado ambiente. As mesmas variáveis utilizadas para avaliar a qualidade da água para o cultivo são usadas para avaliar o efeito do cultivo sobre a qualidade da água (Figura 11). Esse monitoramento normalmente é feito mensalmente, e consta de análise da água e do sedimento. Avaliar a concentração de nutrientes na água em áreas com e sem influencia do cultivo ajuda a entender quanto de nutrientes está sendo adicionado ao ambiente por excretas dos peixes ou resto de ração. Mas é no sedimento do fundo do rio ou lago que os produtos da excreção dos peixes e alguma sobra de ração irão se acumular e provocar mudanças no ambiente ao longo do tempo. Por isso, é preciso monitorar a água e o sedimento. 23

26 24 A B C Figura 11. Instrumentos utilizados para análise da água: A. medidores de ph e oxigênio dissolvido (OD); B. medidor de temperatura; C. disco de Sechii, para medir a transparência da água.

27 3. Principais problemas em piscicultura em tanques-rede Alguns problemas são rotineiros na produção de peixes em tanques-rede, conforme descrevemos a seguir: Deslocamento de plantas aquáticas (baceiros e camalotes) Com as alterações do nível da água e/ou a ocorrência de ventos, ocorre o desprendimento de plantas aquáticas das margens, que são carreadas rio abaixo e podem se prender nas amarrações dos tanques-rede, deslocando a estrutura do cerco de segurança e dos próprios tanques. Colmatação Naturalmente ocorre a fixação de algas nas telas do tanque, que tem que ser removidas constantemente, para não comprometer a renovação da água dos tanques. Peixes invasores A observação diária deve levar em conta a presença de peixes estranhos nos tanques, os quais devem ser retirados. Predadores Na fase inicial do cultivo algumas partes do corpo dos peixes podem transpassar a malha no fundo do tanque, atraindo piranhas. Isso pode ser evitado adaptando-se um fundo falso, até que atinjam um tamanho maior. Roubo A vigilância deve ser constante. 25

28 26 Principais agentes patógenos (parasitas e doenças) Ictiopitiríase Esta doença ocorre em função da baixa temperatura da água. É facilmente diagnosticada, pois o corpo do peixe apresenta-se coberto de pequenos pontos brancos, principalmente o opérculo e as nadadeiras. Os animais ficam inquietos, raspando o corpo nas paredes do viveiro para retirar os parasitas.] Saprolegniose Esta doença parasitária é causada pelo fungo Saprolegnia achyla. Os peixes ficam com manchas brancas ou tufos semelhantes a algodão por todo o corpo. Este fungo normalmente ataca os animais feridos ou debilitados e propaga-se rapidamente quando a temperatura da água fica abaixo de 23º C e existem sobras de alimentos no fundo dos viveiros. Apodrecimento das nadadeiras As causas para esta doença podem ser muitas, mas geralmente ocorre por ação de bactérias. As nadadeiras ficam esbranquiçadas e logo começam a se desfazer. A temperatura baixa e o ph ácido também contribuem para o seu aparecimento. Hidropisia infecciosa O causador desta doença ainda não foi determinado, mas já se conhecem dois tipos de hidropisia com manifestações externas: a intestinal e a ulcerosa. A primeira é caracterizada pôr um acúmulo de líquido na cavidade abdominal (ascite), quando o ventre do peixe fica abaulado e flácido. A segunda é caracterizada por formações de manchas sanguinolentas sobre o corpo do

29 peixe e as nadadeiras atacadas pela doença ficam parcialmente destruídas. Argulose Provocada pelo crustáceo artrópode Argulius folhaceus esta doença também é conhecida como piolho das carpas. O peixe apresenta movimentos nervosos nas nadadeiras e pontos avermelhados na pele. Intoxicação alimentar É causada pelo excesso de comida ou por alimentos deteriorados. O peixe fica próximo à superfície do viveiro, com o ventre estufado e as escamas geralmente eriçadas. 27

30 28 Bibliografia ONO, E. A.; KUBTZA F. Cultivo de peixes em tanquesrede. 3. ed. rev. amp. Jundiaí: Esalq, p. PAVANELLI, G. C.; EIRAS, J. C.; TAKEMOTO R. M. Doenças de peixes: profilaxia, diagnóstico e tratamento. 3. ed. Maringá: EDUEM, p. SCHIMITTOU, H. R. Produção de peixes em alta densidade em tanques de pequeno volume. Campinas: Mogiana Alimentos S.A., p. Tradução de Eduardo Ono.

31 Pantanal

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico I - INTRODUÇÃO II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico III - TANQUES REDE E GAIOLAS 1. Estruturas para tanque redes ou gaiolas 2. Abertura de malhas 3. Comedouros 4. Flutuadores

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões SNatural Ambiente Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões Apostila 3: Aeração em Viveiros de Camarões e Peixes Aeração de Tanques pequenos em Série Apostila 1: Teoria de Aeração Apostila 2:

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com Para aumentar a produtividade e os lucros, no caso dos tanques escavados, não é necessário aumentar

Leia mais

plantas aquáticas Controle de em viveiros de criação de peixe

plantas aquáticas Controle de em viveiros de criação de peixe 1 Controle de plantas aquáticas em viveiros de criação de peixe Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda fernando@acquaimagem.com.br lantas aquáticas e algas filamentosas podem tomar conta

Leia mais

Manual de qualidade da água para aquicultura

Manual de qualidade da água para aquicultura Manual de qualidade da água para aquicultura KT / KP ALFAKIT PRESERVE PRESERVE Alfakit Ltda Rua João Sampaio da Silva, 128 Capoeiras Florianópolis/SC 88090820 Fone (48) 30292300 vendas@alfakit.ind.br www.alfakit.ind.br

Leia mais

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul.

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul. O CULTIVO DOS SURUBINS PINTADO E CACHARA 1. PERSPECTIVAS PARA A CRIAÇÃO DOS SURUBINS Os surubins são peixes nobres, conhecidos e valorizados no mercado nacional, por sua carne branca, de sabor suave e

Leia mais

Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Agricultura, Pecuária e Abastecimento CRIAÇÃO DE PEIXE Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro Filho COMISSÃO EXECUTIVA DO PLANO

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

LIMA, Marcelo - 2016.

LIMA, Marcelo - 2016. PRINCÍPIOS DE BOAS PRÁTICAS DE MANEJO E MEDIDAS DE BIOSSEGURAÇA PARA A PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DO CAMARÃO Litopenaeus vannamei DIANTE DOS DESAFIOS IMPOSTOS PELAS ENFERMIDADES DE IMPORTANCIA ECONÔMICA. LIMA,

Leia mais

Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.

Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com. Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.br E stamos chegando ao final do inverno nas regiões sul e sudeste, que

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

Construção de Charcos*

Construção de Charcos* Construção de Charcos* O que são, e para que servem? Os charcos são massas de água parada ou de corrente muito reduzida, de carácter permanente ou temporário, de tamanho superior a uma poça e inferior

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro BOAS PRÁTICAS DE MANEJO NA ALIMENTAÇÃO DE PEIXES Prof. Dr. Dalton José Carneiro PRINCIPAIS FATORES DETERMINANTES DO DESEMPENHO NUTRICIONAL DAS DIETAS FORMULADAS PARA ORGANISMOS AQUÁTICOS Interdependência

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS.

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. 1 Nome popular: Dourado Ordem: Characiforme Família: Characidae Gênero: Salminus Espécies: maxillosus, brasiliensis

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Antônio Pasqualetto 1, Fernando Alcântara 2, Flávia de Sousa 2, Carlos Vieira 2, Levi Martins

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM FIBRA DE VIDRO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO-CIENTÍFICO VISANDO A DELIMITAÇÃO DE PARQUES AQÜÍCOLAS NOS LAGOS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DE FURNAS E TRÊS MARIAS

ESTUDO TÉCNICO-CIENTÍFICO VISANDO A DELIMITAÇÃO DE PARQUES AQÜÍCOLAS NOS LAGOS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DE FURNAS E TRÊS MARIAS Parque Aqüícola São Francisco-1 (Três Marias) iii PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE AQÜICULTURA E PESCA SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DE AQÜICULTURA E PESCA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Conheça a Cyclo Águas do Brasil

Conheça a Cyclo Águas do Brasil INICIO HIGIENIZAÇÃO COMPARATIVO SEGURANÇA EQUIPAMENTOS Conheça a Cyclo Águas do Brasil Conheça a Cyclo Águas do Brasil estamos no seguimento de: Higienização de reservatórios de água potável, Reuso industrial,

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM POLIETILENO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede

Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE Piscicultura em Tanques Rede Sistema Grande Volume Baixa Densidade - GVBD COOPERÇU Agosto de 2013 1 ---------------------------------------------------------

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Panorama da AQÜICULTURA, Janeiro/fevereiro, 1998

Panorama da AQÜICULTURA, Janeiro/fevereiro, 1998 QUALIDADE DA ÁGUA NA PRODUÇÃO DE PEIXES PARTE I Por Fernando Kubitza, especialista em Nutrição e Produção de Peixes, mestre em Engenharia Agrônoma pela ESALQ USP e Ph.D pela Auburn University Alabama,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa de soluções para armazenamento de água no Brasil. Campeã de vendas no seu segmento, garante a liderança no mercado

Leia mais

Importância de equipamentos de monitoramento sanitário uma ferramenta para PREVENIR e RASTREAR surtos

Importância de equipamentos de monitoramento sanitário uma ferramenta para PREVENIR e RASTREAR surtos Importância de equipamentos de monitoramento sanitário uma ferramenta para PREVENIR e RASTREAR surtos M.V. José Dias Neto Ms. Aquicultura CAUNESP Esp. Homeopatia Veterinária François Lamasson Diretor PREVET

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

Natural Ambiente Ar Difuso e Aquicultura - Aeração. 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4.

Natural Ambiente Ar Difuso e Aquicultura - Aeração. 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4. 1 Ar Difuso e Aquicultura - Aeração 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4. 2) Aeração em Viveiros de Camarões e Piscicultura e Aeração de Tanques pequenos em Série pg 8. 3) Aeração em

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

Sistemas de Recirculação:

Sistemas de Recirculação: Sistemas de Recirculação: Sistemas fechados com tratamento e reuso da água Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.br Experientes ou não em piscicultura, a maioria

Leia mais

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos?

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Cartilha Ambiental Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2 Com atitudes simples você pode contribuir para diminuir sua emissão de CO2,

Leia mais

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 anos Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow Pesquisadora Científica Dra. Daercy Mª M. de Rezende Ayroza Polo Regional Médio Paranapanema Regularização

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 5 - MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA 5.1 - SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO A irrigação por gotejamento compreende os sistemas de irrigação nos quais a água é aplicada

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes

Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes Por: Eduardo Akifumi Ono, M. Sc. onoedu@aol.com João Campos, M. Sc. joaocampos@mareterra.ind.com Fernando Kubitza, Ph.D. fernando@acquaimagem.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE

ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE (1) ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE Oliveira, M.S. (1) ; Leite, J.S. (1) ; Lima, V.A. (2) ; Carvalho, A.C. (2) ; Oliveira, T.G.A. (2) ; Pinheiro, J. P.S. (1) ; Leite, L.V. (1) ; Nunes,

Leia mais

Qualidade da água em corpos d água urbanos das cidades de Corumbá e Ladário e no rio Paraguai, MS

Qualidade da água em corpos d água urbanos das cidades de Corumbá e Ladário e no rio Paraguai, MS ISSN 1517-1965 36 Circular Técnica Corumbá, MS Dezembro, 2002 Autores Márcia Divina de Oliveira Pesquisadora, MSc. Limnologia Débora Fernandes Calheiros Pesquisadora, MSc. Limnologia Marly B.F. Santos

Leia mais

AQÜICULTURA. retoma desafios da

AQÜICULTURA. retoma desafios da Na década de 40 teve início uma grande mudança no modo de operar os sistemas de produção de alimentos em todo o mundo. A revolução verde introduziu novas tecnologias na forma de cultivar plantas e animais.

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Multidisciplinar A Ecologia é complexa, e envolve:

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS

QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS Eduardo Gianini Abimorad Dr., PqC do Polo Regional Noroeste Paulista/APTA abimorad@apta.sp.gov.br

Leia mais

Marcos Tavares Dias Embrapa Amapá

Marcos Tavares Dias Embrapa Amapá poderá ser necessário excluir a imagem e inseri-la novamente. Sanidade de Peixes Nativos Marcos Tavares Dias Embrapa Amapá Produção de peixes nativos oriundos da piscicultura em 2011 (MPA, 2013) 120000

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um:

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um: Quiz 6 a Série Professora: Alexsandra Ribeiro Instruções: Olá queridos alunos e alunas! O quiz é mais uma ferramenta que nos possibilita saber se realmente você está entendendo o conteúdo abordado em sala

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua Imagem Serviços em Aquicultura fernando@acquaimagem.com.br entre os peixes amazônicos, o tambaqui é a espécie de maior destaque na América Latina, em especial no Brasil.

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros Os Ciclos Biogeoquímicos Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros (Odum, 1971). Ciclos Biogeoquímicos Bio Porque os organismos vivos interagem no processo de síntese orgânica e decomposição dos elementos.

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Junho, 2003. Sistema de Gestão de Horas Extras manual do usuário

ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Junho, 2003. Sistema de Gestão de Horas Extras manual do usuário ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Junho, 2003 293 Sistema de Gestão de Horas Extras manual do usuário ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Junho, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa

Leia mais

A piscicultura do Clube Agrícola Santa Ana foi uma das pisciculturas comunitárias integrantes do projeto Ver-o-Peixe. No

A piscicultura do Clube Agrícola Santa Ana foi uma das pisciculturas comunitárias integrantes do projeto Ver-o-Peixe. No \ Ver-o-peixe é o nome de um projeto de desenvolvimento da piscicultura familiar realizado em parceria entre agricultores, pesquisadores e técnicos da extensão rural para criação de peixes nos sistemas

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

AGRICOTEC. Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente

AGRICOTEC. Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente EQUIPAMENTOS PARA PISCICULTURA Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente em equipamentos para piscicultura e carnicicultura que

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

I-007 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA

I-007 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA I-7 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA José Euclides Stipp Paterniani (1) Engenheiro Civil, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela USP, 1986, Doutor

Leia mais

ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais

ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Meio-Norte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ABELHAS SEM FERRÃO

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Por: Fernando Kubtiza, Ph.D. - Consultoria e Treinamento em Aqüicultura Devido a sua extensão, o texto Nutrição e alimentação foi dividido em duas partes.

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Esgoto a Vácuo. versus. Esgoto Pressurizado. Tecnologia AIRVAC

Esgoto a Vácuo. versus. Esgoto Pressurizado. Tecnologia AIRVAC 1 Esgoto a versus Esgoto Tecnologia AIRVAC 2 SISTEMA COLETA DE ESGOTO A VÁCUO VERSUS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTO PRESSURIZADO COMENTÁRIOS GERAIS Há atualmente três (3) sistemas alternativos de coleta de

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO DO PIRARUCU EM CATIVEIRO

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO DO PIRARUCU EM CATIVEIRO EDUARDO ONO e JACOB KEHDI MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO DO PIRARUCU EM CATIVEIRO 1ª edição Brasília Sebrae 2013 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais