2. Algoritmos Subalgoritmos: Conceito, procedimentos, funções, parâmetros, variáveis globais e locais. Exemplos de uso em pseudocódigo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. Algoritmos Subalgoritmos: Conceito, procedimentos, funções, parâmetros, variáveis globais e locais. Exemplos de uso em pseudocódigo."

Transcrição

1 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA TEMAS PARA PROVA DE DESEMPENHO DIDÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS, REFERENTE AO EDITAL 006/2010 CARGOS DE PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DOCENTE ALGORÍTIMOS/PROGRAMAÇÃO E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 1. Algoritmos e estrutura de dados Métodos de classificação ou ordenação: Bubblesort e Quicksort. Conceito, funcionamento e implementação em pseudocódigo. 2. Algoritmos Subalgoritmos: Conceito, procedimentos, funções, parâmetros, variáveis globais e locais. Exemplos de uso em pseudocódigo. 3. Algoritmos Estruturas de repetição: conceito, repetição contada, repetição condicional com teste no início, repetição contada com teste no final. Exemplos em pseudocódigo. 4. Algoritmos Estrutura condicional: Conceito, estrutura condicional simples, com escolha...caso (ou caso seja). Exemplos em pseudocódigo. 5. Algoritmos - Diagrama de Chapin Resoluções seqüenciais, condicionais e com repetição contada. Exemplos comparativos entre pseudocódigo e diagrama de Chapin. 6. Agentes inteligentes: definição, arquitetura e programas de agentes (definição e tipos). 7. Paradigmas de aprendizagem de máquina: simbólico, estatístico, baseado em exemplos, conexionista e genético. 8. Redes neurais artificiais: definição, estrutura, tipos de redes. 9. Processamento da linguagem natural: definição de PLN, POS (parts of speech), estrutura da frase, semântica e pragmática. ARAÚJO, Everton Coimbra de. Algoritmos: fundamento e prática. 3 ed. Florianópolis: Visual Books, CIMIANO, P. Ontology Learning and Population from Text: Algorithms, Evaluation and Applications. New York: Springer, LAUREANO, Marcos. Estrutura de dados com algoritmos e C. Rio de Janeiro: Brasport Livros e Multimídia Ltda., MANNING, Christopher D.; SCHÜTZE, Hinrich. Foundations of Statistical

2 Natural Language Processing. Cambridge: MIT Press, RESENDE, Solange O. Sistemas Inteligentes: Fundamentos e Aplicações. Barueri: Manole, RUSSEL, Stuart; NORVIG, Peter. Inteligência Artificial. Rio de Janeiro: Elsevier, SLAVETTI, Dirceu Douglas; BARBOSA, Lisbete Madsen. Algoritmos. São Paulo: Pearson Makron Books, ZIVIANI, Nivio. Projeto de algoritmos: com implementações em Java e C++. São Paulo: Thomson Learning Edições Ltda.,

3 3 DOCENTE ECONOMIA 1. Teorias do Valor 2. Teoria Elementar do Funcionamento do Mercado: Estudo da demanda e oferta 3. Teoria dos Custos: análise de curto prazo 4. Estruturas de mercado 5. Contabilidade Social e medidas da atividade econômica 6. Estudo da Inflação 7. Políticas Macroeconômicas: Fiscal e Monetária 8. Balanço de Pagamentos e Taxa de Câmbio 9. Crescimento e desenvolvimento econômico BLANCHARD, Olivier J. Macroeconomia: Teoria e Política Econômica, Tradução da 4ª Ed. Americana. São Paulo: Pearson Prentice Hall, CARVALHO, M. Auxiliadora de, SILVA, César. R. Leite da. Internacional, 1ª Ed. São Paulo: Saraiva, Economia DORNBUSCH, Rudiger; FISCHER, Stanley. Macroeconomia, 5ª Ed.. São Paulo: Pearson Makron Books, 1991 HUNT E. K et all. História do pensamento econômico. Rio de Janeiro: Vozes, 1997 MANKIW, N. Gregory. Introdução à Economia: Princípios de Micro e Macroeconomia, Tradução da 2ª Ed. Americana. Rio de Janeiro: Campus, PINDYCK, Robert e RUBIINFELD, Daniel. Microeconomia. 5ª edição. São Paulo: Prentice Hall, 2002 PINHO, Diva Benavides e VASCONCELOS, Marco Antonio S. Manual de economia (USP). 4ª edição. São Paulo: Saraiva, 2003 ROSSETTI,, José Paschoal. Introdução à economia. 20ª edição. São Paulo: Atlas SINGER, Paul. Curso de Introdução a Economia Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995 SOUZA, Nali de Jesus de. Desenvolvimento Econômico. 5ª edição. São Paulo: Atlas, VARIAN, Hall. Microeconomia: Princípios Básicos. Rio de Janeiro: Campus, VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de. Economia: Micro e Macro. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, WESSELS, Walter J.. Economia. 2ª edição. São Paulo: Saraiva. 2003

4 4 DOCENTE EDIFICAÇÕES/ARQUITETURA E URBANISMO 1. Desenho Técnico: escalas numéricas. 2. Desenho Projetivo: métodos de projeções ortográficas. 3. Conforto Térmico: comportamento dos elementos de fechamento de edificação. 4. Conforto Ambiental: ventilação natural em ambientes internos da edificação. 5. Conforto Acústico: propagação do ruído na edificação. 6. Conforto Térmico: variáveis ambientais. 7. Projeto Arquitetônico: elementos gráficos utilizados na sua representação. 8. Projeto Arquitetônico: condicionantes físicos, legais, ambientais e sociais. 9. Projeto Arquitetônico: descrição e importância das etapas iniciais na proposição do projeto. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR : Níveis de ruído para conforto acústico. RIO DE JANEIRO, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR : Cotagem em desenho técnico. RIO DE JANEIRO, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR : Princípios Gerais de Representação em Desenho Técnico. RIO DE JANEIRO, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8.196: Desenho técnico Emprego de escalas. RIO DE JANEIRO, CHING, Francis. Manual de dibujo arquitetónico. Barcelona: Editora Gustavo Gili, FRENCH, Thomas E. Desenho Técnico. Porto Alegre: Globo, FROTA, Anésia B.; SCHIFER, Sueli R. Manual de Conforto Térmico. São Paulo: Studio Nobel, LAMBERTS, Roberto; DUTRA, Luciano e PEREIRA, Fernando. Eficiência Energética na Arquitetura. São Paulo: PW Gráficos e Editores Associados Ltda, MASCARÓ, Lúcia R. Energia na Edificação. São Paulo: Edgard Blucher, 1984.

5 5 MÉNDEZ, A. STORNINI, A. J., SALAZAR, E. B. et al. Acustica arquitetonica. Buenos Aires: UMSA, MONTENEGRO, Gildo A. Desenho arquitetônico. São Paulo: Edgard Blucher: MONTENEGRO, Gildo A. Ventilação e Cobertas. São Paulo: Edgard Blucher: NEUFERT, E., A arte de projetar em arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, NEVES, Laert P. Adoção de Partido na Arquitetura. Salvador: Universidade Federal da Bahia, GERGES, SAMIR N. Y. Ruído: fundamentos e controle. Florianópolis: UFSC, 1992.

6 6 DOCENTE EDIFICAÇÕES/CONSTRUÇÃO CIVIL OBRAS, ELÉTRICA E HIDRÁULICA, TÉCNICAS E PRÁTICAS CONSTRUTIVAS 1. Instalações hidráulicas para água fria projeto e execução 2. Instalações hidráulicas para água quente - projeto e execução 3. Instalações hidráulicas para esgotos sanitários - projeto e execução 4. Instalações hidráulicas para águas pluviais projeto e execução 5. Instalações hidráulicas para combate a incêndios projeto e execução 6. Sistema de abastecimento de água e de coleta de esgoto 7. Dispositivos de Seccionamento, Proteção e Aterramento 8. Projeto de instalações elétricas 9. Pára-raios prediais CREDER, Hélio. Instalações Hidráulicas e Sanitárias, v.i. Rio de Janeiro: LTC, MACINTYRE, Archibald. Manual de Instalações Hidráulicas e Sanitárias, v.i. Rio de Janeiro : LTC, JUNIOR, Roberto de Carvalho. Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura - 3ª Edição Revista, Ampliada e Atualizada, v.i. Brasil: Blucher, 2010 CREDER, Hélio. Instalações Elétricas, v.i Rio de Janeiro: LTC, CREDER, Hélio. Manual do Instalador Eletricista, v.i. Rio de Janeiro: LTC, JUNIOR, Roberto de Carvalho. Instalações Elétricas e o Projeto de Arquitetura, v.i. Brasil: Edgard Blucher, 2009 AZEREDO, H. A. O edificio e seu acabamento, v.i. Sao Paulo : Edgard Blucher, BOTELHO, M. H. C. & RIBEIRO JR, G. A. Instalações Hidráulicas Feitas para Durar: Usando Tubos de PVC. São Paulo: Pró-editores

7 7 DOCENTE EDIFICAÇÕES/CONSTRUÇÃO CIVIL OBRAS, EXECUÇÃO DE PROJETOS, TÉCNICAS E PRÁTICAS CONSTRUTIVAS 1. Alvenaria 2. Revestimentos Argamassados e Cerâmicos 3. Agregados e Aglomerantes 4. Tensões Normais e Cisalhamento em Estruturas 5. Locação e Canteiro de Obras 6. Concreto: Preparo, Transporte, Lançamento e Cura 7. Formas para Concreto Armado 8. Fundações 9. Impermeabilização AZEREDO, Helio Alves de, O edifício ate sua cobertura / 2. ed. rev. São Paulo : Edgard Blucher, 1997 AZEREDO, Helio Alves de, O edifício e seu acabamento. São Paulo: Edgard Blucher, 1987 BAUER, Falcão, Materiais de construção / 5. ed. v I. Rio de Janeiro : LTC, BAUER, Falcão, Materiais de construção / 5. ed. v II- Rio de Janeiro : LTC, HIBBELER, Russel.C. Resistência dos Materiais. 5 ed. São Paulo: Prentice Hall, HACHICH, W. Fundações Teoria e Prática. São Paulo: PINI. 2 ed LIMMER, Carl Vicent. Planejamento, orçamentação e controle de projetos e obras. Rio de Janeiro: LTC, SH FÔRMAS ANDAIMES E ESCORAMENTOS LTDA, Manual SH de formas para concreto e escoramentos metálicos / São Paulo : PINI YAZIGI, Walid. A Técnica de edificar. 2 Ed. São Paulo: PINI, PETRUCCI, Eladio G. R., Concreto de cimento Portland / Sao Paulo : Globo.1998

8 8 DOCENTE ENGENHARIA DE SOFTWARE 1. Modelos prescritivos de processos de software 2. Engenharia de Requisitos de Software 3. Gestão de Qualidade de Software 4. Técnicas de Testes de Software 5. Estratégias de Teste de Software 6. Manutenção de Software 7. Modelagem de Caso de Uso (CDU) 8. Modelagem de Classes 9. Gerenciamento de configuração de Software: SCM Engenharia de Software, Roger S. Pressman - Editora: Makron Books - 3ª Edição Engenharia de Software, Roger S. Pressman Editora: McGraw Hill - 6ª Edição Engenharia de Software, Sommerville, Ian - Editora: Pearson Education - 8ª Edição Engenharia de Software: Fundamentos, Métodos e Padrões, Wilson De Pádua Paula Filho Editora: LTC 3ª Edição Qualidade de Software André Koscianski e Michel dos Santos Soares - Editora: Novatec 1ª Edição Princípios de Análise e Projetos de Sistemas com UML, Eduardo Bezerra Editora: Campus 2ª Edição 2006.

9 9 DOCENTE ENGENHARIA DE SOFTWARE E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LISTA DE PONTOS PARA A PROVA DISCURSIVA 1. Sistemas de Informação (SI): introdução aos SI. tipologia dos SI. tecnologia da Informação. 2. Engenharia de software (ES): evolução e características, processo de desenvolvimento e ciclo de vida de software. 3. Engenharia de requisitos: levantamento, análise e descrição. 4. Medição e estimativas nos projetos de software. 5. Planejamento e gerência de projeto de Software. 6. A Unified Modeling Language (UML) e seus diagramas. 7. Processo Unificado: Rational Unified Process (RUP). 8. Qualidade de Software: modelos e normas para controle de qualidade de produto e de processo. 9. Testes de Software. BOOCH, Grady; RUMBAUGH, James; JACOBSON, Ivar. UML: guia do usuário. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CARVALHO, Ariadne M. B. Rizzoni. Introdução a engenharia de software. Campinas: Unicamp, FOWLER, Martin. UML Essencial: um breve guia para a linguagem-padrão de modelagem de objetos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, LARMAN, Craig. Utilizando UML e padrões: uma introdução à análise e projeto orientados a objetos e ao desenvolvimento iterativo. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, LAUDON, Kenneth C; LAUDON, Jane P. Sistemas de Informação: com internet. 4 ed. LTC. Rio de Janeiro, JAMES, A. O Brien. Sistemas de Informação, e as decisões gerenciais na era da internet. São Paulo: Saraiva, PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. 6 ed. McGraw-Hill SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de software. 8 ed. São Paulo: Pearson Education, STAIR, RALPH. Princípios de sistemas de informação: uma abordagem gerencial.ltc. Rio de Janeiro WAZLAWICK, Raul Sidnei, Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientado a objetos. Campus 1 ed PRESSMAN, R. S. Engenharia de Software. Makron Books, 3a Edição, 1995.

10 10 DOCENTE GESTÃO AMBIENTAL 1. Usos da água e requisitos de qualidade. 2. Dispersão de poluentes na Atmosfera. 3. Gestão Ambiental. 4. Avaliação e Gerenciamento de Risco (toxicológica e/ou epidemiológica). 5. Substâncias Orgânicas Tóxicas. 6. Processos físicoquímicos, biológicos e processos avançados de oxidação no tratamento de águas contaminadas. 7. Gestão de resíduos sólidos urbanos. 8. Mudanças climáticas e qualidade ambiental. 9. Crise Energética e alternativas ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR Resíduos Sólidos Classificação, ANA Agência Nacional das Águas. Panorama das qualidades das águas no Brasil. Cadernos de Recursos Hídricos nº1, ANA Agência Nacional das Águas. Diagnóstico da outorga de direito de uso de recursos hídricos no Brasil e Fiscalização dos usos de recursos hídricos no Brasil. Cadernos de Recursos Hídricos nº4, ANA Agência Nacional das Águas. Panorama do enquadramento dos corpos d'água do Brasil e Panorama da qualidade das águas subterrâneas no Brasil. Cadernos de Recursos Hídricos nº BAIRD, Colin. Química Ambiental. Ed. Bookman, 2ª ed., Porto Alegre/RS, BRAGA, Benedito; HESPANHOL, Ivanildo; CONEJO, João G. Lotufo; MIERZWA, José Carlos; BARROS, Mario Thadeu L. de; SPENCER, Milton; PORTO, Monica; NUCCI, Nelson; JULIANO, Neusa. Introdução à Engenharia Ambiental. O Desafio do desenvolvimento sustentável. Ed. Pearson Prentice Hall, 2ª ed., São Paulo, BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº 1. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para a avaliação de impacto ambiental de 23/01/1986. BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº237. Dispõe sobre a revisão e complementação dos procedimentos e critérios utilizados para o licenciamento ambiental de 19/12/1997. PNMC Plano Nacional sobre Mudança no Clima Brasil. Comitê Interministerial ROCHA, Julio Cesar. Introdução à Química Ambiental. Ed. Bookman, 1ª ed., Porto Alegre/RS, 2004.

11 11 DOCENTE INFORMÁTICA GERAL 1. Sistemas Operacionais: Gerenciamento de Memória. 2. Hardware, componentes básicos e funcionamento de um PC. 3. Banco de Dados: Introdução e os Modelos Lógico e Conceitual. 4. Redes e o Modelo de Referencia OSI. 5. Rede e o Modelo de Referencia TCP/IP. 6. Gerência do processador: Algoritmos de Escalonamento. 7. Placa-mãe: componentes e barramentos. 8. Estrutura de dados: listas lineares, pilhas, filas e listas encadeadas. 9. Funções básicas da Unidade Central de Processamento. OLIVEIRA, Rômulo Silva de. Sistemas Operacionais. 2ª edição. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2001 MORIMOTO, Carlos Eduardo. Hardware, o guia definitivo. Porto Alegre: Sul Editores, 2009 DATE, C J. Introdução a sistemas de banco de dados. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003 Heuser, Carlos Alberto. Projeto de banco de dados. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. 4ª edição. Rio de Janeiro: Campus, 2003 BUENO, André D. Programação Orientada a Objeto com C++, Ed. Novatec, 2003 PREISS, Bruno. Data Structures and Algorithms with Object-Oriented Design Patterns in Java. John Wiley & Sons, CELES, Waldemar; CERQUERIA, Renato; RANGEL, José Lucas. Introdução a Estruturas de Dados: Com Técnicas de Programação em C. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004 CORMEN, Thomas H. et al. Algoritmos: Teoria e Prática. [S.l]: Campus, TENEMBAUM, Aaron M. Estrutura de Dados Usando C. São Paulo: Makron Books, MONTEIRO, Mario A. Introdução à Organização de Computadores. 4ª edição. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2001.

12 12 DOCENTE INFORMÁTICA/WEB DESIGN 1. Usabilidade Diferenças Internacionais 2. Usabilidade - Mudanças Tecnológicas: Os Impactos na Usabilidade 3. Cascading StyleSheets (CSS) - Fundamentos 4. Usabilidade - Técnicas de Search Usability 5. Usabilidade Técnicas para entender as tarefas 6. Usabilidade Passos para criar um Mockup estático em papel. 7. Usabilidade Prototipação com Storyboards, Wireframes e High-End. 8. Áreas que contribuem para os problemas de usabilidade na Web 9. Usabilidade - Oito problemas típicos MEYER, Eric. Cascading Style Sheets. 2 a ed. Sebastopol: O'Reilly, BRINCK, Tom; GERGLE, Darren; WOOD, Scott. designing web sites that work - Usability for the Web. San Francisco: Morgan Kaufmann, THUROW, Shari; MUSICA, Nick. When Search Meets Web Usability. Berkeley: New Riders, NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa. Prioritizing Web Usability. Berkeley: New Riders, 2006.

13 13 DOCENTE INFORMÁTICA/ANÁLISE DE SISTEMAS E BANCO DE DADOS 1. Banco de Dados para Apoio à Decisão 2. Modelo Entidade-Relacionamento 3. SQL 4. Bancos de Dados Distribuídos 5. Processos de Software 6. Engenharia de Requisitos 7. Análise e Projeto de Sistemas Orientados a Objetos 8. Modelagem de Sistemas com UML 9. Verificação e Validação BEZERRA, Eduardo. Princípio de Análise e Projetos de Sistemas com UML. 2ª ed. Rio de Janeiro: Campus, BLAHA, Michael; RUMBAUGH, James. Modelagem e Projetos Baseados em Objetos com UML 2. 2ª ed. Rio de Janeiro: Campus, BOOCH, Grady; RUMBAUGH, James; JACOBSON, Ivan. UML: Guia do Usuário. 1ª ed. Rio de Janeiro: Campus, DATE, C. J. Introdução a sistemas de banco de dados. Rio de Janeiro: Elsevier, DAVIS, William S. Análise e Projeto de Sistemas: Uma Abordagem Estruturada. Rio de Janeiro: LTC, DELAMARO, Márcio E.; MALDONADO, José C.; JINO, Mário. Introdução ao Teste de Software. 1ª ed. Campus, DENNIS, Alan; WIXOM, Barbara H. Análise e Projeto de Sistemas. 2ª ed. Rio de Janeiro: LTC, ELMASRI, R.; NAVATHE, S.B. Sistemas de Banco de Dados, 4ª ed. Makron Books, HEUSER, Carlos Alberto. Projeto de Banco de Dados, 6ª ed. Porto Alegre: Bookman, LARMAN, Craig. Utilizando UML e Padrões. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, MACHADO, Felipe Nery R. Projeto de Banco de Dados Uma visão prática. 11ª ed. Editora Érica, MEDEIROS, Marcelo. Banco de Dados para Sistemas de Informação. Florianópolis: Visual Books, PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. 6ª ed. São Paulo: McGraw- Hill, SHELDON, Robert; OPPEL, Andy. SQL Um guia para iniciantes. Ciência Moderna, SILBERSCHATZ, Abraham; KORTH, Henry F.; SUDARSHAN, S. Sistemas de Banco de Dados. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

14 SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. 8ª ed. São Paulo: Addison Wesley, TEOREY, Toby; LIGHTSTONE, Sam; NADEAU, Tom. Projeto e Modelagem de Bancos de Dados. 1ª ed., Campus, 2006 WAZLAWICK, Raul S. Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objetos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Campus, YOURDON, Edward. Análise e Projeto Orientados a Objetos: Estudos de Casos. São Paulo: Makron Books,

15 15 DOCENTE INFORMÁTICA/PROGRAMAÇÃO E BANCO DE DADOS 1. Algoritmos e Programação Estruturada: Conceitos, fundamentos e aplicações. 2. Programação orientada a objetos: visão geral. 3. Linguagem Java: Conceitos básicos, estruturas de controle, métodos, arrays, strings e caracteres, tratamentos de exceções e noções de interface gráfica. 4. Estrutura de dados: Pilhas, filas, árvores e listas. 5. Projeto de Bancos de Dados e Modelagem ER. 6. Introdução a Sistemas de Bancos de Dados: Visão geral e arquitetura dos SGBDs. 7. Bancos de Dados: Linguagem de Definição e Manipulação de Dados - SQL 8. Bancos de Dados: Álgebra Relacional 9. Implementação de Bancos de Dados: Segurança, otimização e bancos de dados distribuídos. MEDINA, Marco. Algoritmos e Programação: Teoria e Prática. Ed. Novatec, PREISS, Bruno. Data Structures and Algorithms with Object-Oriented Design Patterns in Java. John Wiley & Sons, SCHILDT, Herbert. C Completo e total. 3ª edição. São Paulo: Makron Books, DEITEL, H. M.; DEITEL, P.J. Java, como programar. 3ª edição. Porto Alegre: Bookman, BUENO, André D. Programação Orientada a Objeto com C++, Ed. Novatec, ZIVIANI, Nivio. Projeto de Algoritmos: Com implementações em C++ e Java. Editora Thomson Pioneira, HEUSER, Carlos Alberto. Projeto de Banco de Dados. 4ª edição. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, DATE, C. J. Introdução a Sistemas de Bancos de Dados. 8ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

16 16 DOCENTE INFORMÁTICA/PROGRAMAÇÃO WEB 1. Segurança em PHP - SQL Injection 2. Cascading StyleSheets (CSS) Fundamentos 3. Usabilidade - Princípios e técnicas de layout Web 4. Usabilidade - Técnicas de search usability 5. Web Servers - Operações básicas 6. Fluxo de processamento associado a uma aplicação Web - Funcionalidades exigidas 7. Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) - Princípios fundamentais 8. Web Servers - Simple Object Access Protocol (SOAP), Universal Description, Discovery and Integration (UDDI) e Web Services Description Language (WSDL) 9. Usabilidade - Oito problemas típicos SHIFLETT, Chris. Essential PHP Security. Sebastopol: O'Reilly, PANDA, Debu; RAHMAN, Reza; LANE, Derek. EJB 3 in Action. Greenwich: Manning, MEYER, Eric. Cascading Style Sheets. 2 a ed. Sebastopol: O'Reilly, BRINCK, Tom; GERGLE, Darren; WOOD, Scott. designing web sites that work - Usability for the Web. San Francisco: Morgan Kaufmann, THUROW, Shari; MUSICA, Nick. When Search Meets Web Usability. Berkeley: New Riders, SHKLAR, Leon; ROSEN, Richard. Web Application Architecture: Principles, Protocols and Practices. Hoboken: John Wiley & Sons Inc, GORTON, Ian. Essential Software Architecture. Berlin: Springer, NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa. Prioritizing Web Usability. Berkeley: New Riders, 2006.

17 17 DOCENTE LÍNGUA INGLESA 1. Os objetivos do ensino de Língua Inglesa e as habilidades de linguagem para a abordagem comunicativa 2. Métodos e procedimentos de avaliação de rendimento no ensino de Língua Inglesa 3. LDB e Parâmetros Curriculares Nacionais: os documentos oficiais e o ensino de Língua Inglesa 4. O ensino de Língua Inglesa em contexto presencial e a distância: desafios a serem enfrentados 5. Propósitos e reais resultados da produção escrita em Língua Inglesa na sala de aula 6. Língua Inglesa: ferramenta para a inserção do sujeito em um contexto sócio-cultural globalizado 7. Forma (gramatical) e uso (comunicativo) no processo de ensino / aprendizagem de Inglês: relações entre as propriedades formais e funcionais da língua. 8. Modelo didático de gênero e a elaboração de material didático para o ensino de Língua Inglesa 9. O processo de ensino / aprendizagem de leitura em Língua Inglesa: estratégias de leitura. ALMEIDA FILHO, José Carlos P. de. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Capinas, SP: Pontes Editores, BARBARA, Leila; RAMOS, Rosinda de Castro Guerra (orgs). Reflexão e ações no ensino-aprendizagem de línguas. Campinas, SP: Mercado de Letras, BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Estrangeira. Brasília: MEC, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, CRISTÓVÃO, Vera Lúcia Lopes; NASCIMENTO, Elvira Lopes. Gêneros textuais e ensino: contribuições do interacionismo sócio-discursivo. In: KARWOSKI, Acir Mário; GAYDECZKA, Beatriz; BRITO, Karin Siebeneicher. Gêneros textuais: reflexões e ensino. Palmas e União da Vitória, PR: Kaygangue, p CRISTÓVÃO, Vera Lúcia Lopes. Aprendendo a planificar o próprio trabalho: gêneros textuais na formação de professores de língua estrangeira. In: CRISTÓVÃO, Vera Lúcia Lopes; NASCIMENTO, Elvira Lopes (orgs). Gêneros textuais: teoria e prática II. Palmas e União da Vitória, PR: Kaygangue, p O gênero quarta capa no ensino de inglês. In: DIONÍSIO, Angela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (orgs). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, p HENDGES, Graciela Rabuske. Citando na Internet: estudo de gênero da Revisão da literatura em artigos acadêmicos eletrônicos. In: MEURER, José Luiz; MOTTA-ROTH, Désirée (orgs). Gêneros textuais e práticas discursivas:

18 subsídios para o ensino da linguagem. Bauru, SP: EDUSC, p PINTO, Abuêndia Padilha. Gêneros discursivos e ensino de língua inglesa. In: DIONÍSIO, Angela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (orgs). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, p MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Oficina de Linguística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas, SP: Mercado de Letras, SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. (Tradução e organização: Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro). Campinas, SP: Mercado de Letras, WIDDOWSON, H. G. O ensino de línguas para a comunicação. (Tradução: José Carlos P. de Almeida Filho). Campinas, SP: Pontes,

19 19 DOCENTE MARKETING E VENDAS 1. Satisfação do consumidor 2. Planejamento de marketing 3. Modelo de forças competitivas de Michael Porter 4. Comportamento do consumidor 5. Mix de marketing 6. Habilidades e competências do profissional de vendas 7. Planejamento de vendas 8. Gerência da força de vendas 9. Avaliação da performance da força de vendas CARVALHO, Marcos R.; ALVAREZ, Francisco Javier S. Mendizabal. Gestão Eficaz da Equipe de Vendas. Editora Saraiva, COBRA, Marcos. Administração de vendas. 4.ed..São Paulo: Atlas, KEEGAN, Warren J. Princípios de marketing global. São Paulo: Saraiva, KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. São Paulo: Prentice Hall, KOTLER, Philip. Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e manter mercados. São Paulo: LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de vendas. São Paulo: Atlas, NEVES, Marcos Fava; CASTRO, Luciano Thome e. Administração de Vendas: planejamento, estratégia e gestão. São Paulo: Atlas, SAMARA, Beatriz Santos. Comportamento do consumidor: conceitos e casos. São Paulo: P earson Prentice Hall, 2005.

20 20 DOCENTE QUÍMICA ANALÍTICA 1. Equilíbrio químico em sistemas homogêneos 2. Equilíbrio químico em sistemas heterogêneos 3. Volumetria de Neutralização 4. Volumetria de Precipitação 5. Volumetria de Complexação 6. Volumetria de Óxi-Redução 7. Soluções químicas 8. Potenciometria 9. Métodos de separação cromatográficos HARRIS, D. C. Análise Química Quantitativa, 6 a edição, Tradução de José A. P. Bonapace: LTC - Livros Técnicos e Científicos, Rio de Janeiro, SKOOG, D. A.; HOLLER, F. J.; NIEMAN, T. A. Princípios de Análise Instrumental, 5 a edição, Editora Bookman, SKOOG, D. A.; WEST, D. M. & HOLLER, F. J. Fundamentals of analytical chemistry, Sixth Edition, Saunders College Publishing, Philadelphya, GARY, C.; Analytical Chemistry, 3ªedição, John Wiley & Sons, Nova Iorque, VOGEL, A. I.; BASSETT, J.; Análise Química Quantitativa; Editora LTC - Livros Técnicos e Científicos, 6 a edição, Rio de Janeiro, ATKINS, P.; JONES, L.; Princípios de Química: Questionando a vida moderna e o meio ambiente, 1ª edição, Editora Bookman, Porto Alegre, BACCAN, N.; ANDRADE, J. C.; GODINHO, O. E. S.; BARONE, J. S.; Química Analítica Quantitativa Elementar, 2 a edição, Editora da UNICAMP, Campinas, 1995.

21 21 DOCENTE QUÍMICA INORGÂNICA 1. Estrutura dos sólidos simples 2. Simetria molecular 3. Ácidos e bases 4. Oxidação e redução 5. Complexos de metais do bloco d 6. Compostos Organometálicos 7. Química Inorgânica em sistemas biológicos 8. Catálise 9. Periodicidade e propriedades dos elementos LEE, J. D. Química inorgânica não tão concisa. 5. ed. S. Paulo: Edgard Blücher, SHRIVER, D. F.; ATKINS, P. W. Química inorgânica. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de Química Questionando a vida moderna e o meio ambiente. 3. ed. Porto Alegre: Ed. Bookman, COTTON, F. A., WILKINSON, G. Química Inorgânica, Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, DUPONT, J., Química Organometálica dos elementos do bloco d, Bookman, MAHAN, B. M.; MYERS, R. J. Química: um curso universitário. 4. ed. S. Paulo: Edgard Blücher, RAYNER-CANHAM, G. Descriptive inorganic chemistry. 2 ed. New York: W. H. Freeman and Company, OLIVEIRA, G. M., Simetria de moléculas e cristais. 1 ed. Bookman, 2009.

22 22 DOCENTE QUÍMICA ORGÂNICA 1. Funções Orgânicas Oxigenadas 2. Funções Orgãnicas Nitrogenadas 3. Ácidos ebases em Química Orgãnica. 4. Isomerismo. 5. Reaçoes de Substituição Nucleofílica. 6. Reaçoes de Adição à Ligação Dupla Olefínica. 7. Reações de Substituição Nos Compostos Aromáticos. 8. Reações de Adição à Carbonila. 9. Identificação de Grupos Funcionais Via Reações Químicas. SOLOMONS, T. W. G.; Fryhle, C. B., Química Orgânica, 9ª Ed., LTC, 2009, Volumes 1 e 2. MORRISON, R. T., Boyd, R. N., Química Orgânica, 13ª. Ed., Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, ALLINGER e Colaboradores, Química Orgânica, Editora Guanabara, Rio de Janeiro, COSTA, P.; Pilli, R.; Pinheiro, S.; Vasconcellos, M.; Substâncias Carboniladas e derivados, Bookman, Rio Grande do Sul, POA, SOARES, B. G.; Souza, N. A; Píeres, D, Química Orgânica- Teoria e Técnicas de Preparação, Purificação e Identificação de Compostos Orgânicos, Editora Guanabara S.A.,1988. PAVIA,D.;Lampman, G.;Engel, R, Organic Laboratory Techniques (3ª ed) Saunders College Publishing, NY(1985).

23 23 DOCENTE SOCIOLOGIA 1. Conceitos Fundamentais da Sociologia Compreensiva. Dissertar sobre a definição do conceito de ação social, sua tipologia e sobre o conceito de relação social descrito na obra Economia e Sociedade de Max Weber. 2. Marx Teoria do fetichismo da mercadoria. Dissertar sobre qual o segredo da mercadoria ao assumir a forma de um fetiche sob o modo de produção capitalista e as conseqüências da ampliação do fetichismo à esfera da reificação das relações humanas no mundo burguês. 3. Teoria Crítica (Escola de Frankfurt) Dissertar sobre as semelhanças e diferenças entre os modos de abordagem da Teoria Tradicional e da Teoria Crítica, em especial no que tange à interação entre indivíduo e sociedade e o papel dos intelectuais na formulação das teorias. 4. Habermas Teoria da ação comunicativa. Dissertar sobre as categorias de sistema e mundo da vida na teoria social de Habermas e sua relação com os conceitos de racionalidade estratégicoinstrumental e racionalidade comunicativa as ações sociais são coordenadas por estas duas formas de uso da razão. Avaliar o esforço de reconstrução de uma teoria comunicativa da sociedade por parte de Habermas refletindo sobre a pertinência de sua aplicação à explicação da realidade social brasileira. 5. Fordismo, pós-fordismo, a emergência do trabalho imaterial. Dissertar sobre as novas qualidades do trabalho no pós-fordismo a partir da leitura e interpretação do conceito de trabalho imaterial. Dissertar sobre alguns dos paradoxos da socialização do trabalho, em especial os impactos que a inserção competitiva na globalização exerce sobre a constituição da identidade subjetiva dos trabalhadores. 6. Durkheim A organização da sociedade, segundo Durkheim, considerando a solidariedade mecânica e a solidariedade orgânica. 7. Cultura Disserte sobre a questão cultural referindo-se aos imbricamentos entre cultura erudita, cultura popular e cultura de massa.

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa Bacharelado em Engenharia Civil bibliografia complementar ALMEIDA, Márcio de Souza S. Aterros sobre solos moles: projeto e desempenho. 1. reimpr.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS ANEXO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS ANEXO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS ANEXO Este Anexo integra o Edital Nº 35/2007, que disciplina o Concurso Público destinado ao provimento

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA. Química Inorgânica e geral. Química Orgânica. Química Ambiental. Gerenciamento de Resíduos OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA. Química Inorgânica e geral. Química Orgânica. Química Ambiental. Gerenciamento de Resíduos OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166

Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166 Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166 1. CÓDIGO E NOME DA DISCIPLINA BC1508 - ENGENHARIA DE SOFTWARE

Leia mais

NO ANEXO III TEMAS PARA A PROVA DE DESEMPENHO DIDÁTICO

NO ANEXO III TEMAS PARA A PROVA DE DESEMPENHO DIDÁTICO 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Fx Nova Camobi Cep: 97110-767 - Santa

Leia mais

2. FOWLER, Martin; SCOTT, Kendall. UML Essencial. São Paulo: Bookman, 2005.

2. FOWLER, Martin; SCOTT, Kendall. UML Essencial. São Paulo: Bookman, 2005. 3º semestre INF302 - Análise e Modelagem de Sistemas I Análise e Modelagem de Sistemas I Identificação: INF302 Semestre: 1º Carga Horária 60 horas Número de Aulas: 72 aulas Aulas 52 aulas Aulas práticas:

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO. Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação. Curso: Técnico em Informática. Forma/Grau: Subsequente.

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO. Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação. Curso: Técnico em Informática. Forma/Grau: Subsequente. PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Curso: Técnico em Informática Forma/Grau: Subsequente Modalidade: EaD Componente Curricular: Análise de Sistemas Ano/semestre: 2014/2

Leia mais

Exame de Seleção para o Programa de Pós-Graduação em Química (Mestrado)

Exame de Seleção para o Programa de Pós-Graduação em Química (Mestrado) PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Universidade Federal de Juiz de Fora Campus Universitário, Martelos, CEP 36036-900 Juiz de Fora, MG Tel/Fax: (32) 2102 3310 http://www.ufjf.edu.br/pgquimica Exame de Seleção para

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM. Ementa. Objetivos. Conteúdo Programático

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM. Ementa. Objetivos. Conteúdo Programático Disciplina: Engenharia de Software e Gerência de Projetos C.H. Teórica: 40 PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Período Letivo: 1 sem/2014 C.H. Prática:

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO 1 FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO Edital numero 005/2014 _ ETEC para o Processo de Seleção de alunos para a Fábrica de Software. FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DA 3ª. ETAPA EMENTAS DA 3ª. ETAPA Núcleo Temático: PROGRAMAÇÃO Disciplina: ESTRUTURA DE DADOS 108 há ( 72 ) Teóricas ( 36 ) Práticas Tipos abstratos de dados. Estudo das estruturas lineares: pilhas, filas e listas

Leia mais

Sistemas de Informação 3º ANO

Sistemas de Informação 3º ANO Sistemas de Informação 3º ANO BANCO DE DADOS Carga horária: 120h Visão geral do gerenciamento de banco de dados. Arquitetura de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados. Modelagem e projeto de banco de

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIOECONÔMICAS - ESAG

CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIOECONÔMICAS - ESAG CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SÓCIOECONÔMICAS - ESAG Área de Conhecimento Administração Pública: Fundamentos/Prope dêutica Ementa/Bibliografia Ementa: Cultura política, classes sociais e questões

Leia mais

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CARGA HORÁRIA: 60 horas I - Ementa Modelagem de Processos

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento Unidade de Sobradinho FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia,

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Análise Estruturada de Sistemas C.H. Teórica: 40 PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Período Letivo: Série: Periodo: 1 sem/2012 2ª Série

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

análise e desenvolvimento de sistemas Arquitetura e Sistema OO

análise e desenvolvimento de sistemas Arquitetura e Sistema OO análise e desenvolvimento de sistemas Arquitetura e Sistema OO :: Análise e Desenvolvimento Arquitetura e Sistema OO de Sistemas :: apresentação :: O novo Projeto Integrado Em 2001, a Faculdade Radial

Leia mais

ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário

ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário EDITAL 035/2013 DE 22 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO/TEMPORÁRIO ANEXO I CARGO: Professor Substituto/Temporário Área Libras Informática (Hardware/Redes

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Área de Conhecimento Banco de Dados Ementa/Bibliografia Conceitos básicos; Modelos de dados; Aspectos de modelagem de dados; Projeto e Aplicações de Banco de Dados.

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa Bacharelado em Engenharia Civil Bibliografia básica ÁLGEBRA linear. 3. ed., Revista e ampliada. São Paulo: HARBRA, 1986. 411 p., il. Inclui bibliografia.

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

:: aula 8. :: Desenvolveremos as seguintes habilidades nesta aula:

:: aula 8. :: Desenvolveremos as seguintes habilidades nesta aula: :: Nome do Curso Análise e Desenvolvimento de Sistemas :: Nome da Unidade Curricular PI Sistema orientado a objeto :: Tema da aula Diagrama Hierárquico de Funções (D.H.F.) :: Fase / Etapa Fase 2 Design

Leia mais

Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados

Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados Apresentar os modelos de dados em rede, hierárquicos, relacionais e orientados a objetos. Demonstrar as etapas de desenvolvimento de um projeto de banco

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I SISTEMAS DE INFORMAÇÃO/CPD005 2 1-3 60 A origem e o conceito da teoria geral de sistemas. O conceito de sistemas. Componentes de um sistema de informação. Relações entre sistemas e ambiente. Hierarquia

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA. Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento.

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA. Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento. FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento. FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia, Professor Luiz

Leia mais

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos. 2. Interpretação e desenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFRA ESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho.

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho. :: Nome do Curso Sistemas da informação :: Nome da Unidade Curricular PI Sistemas orientados a objetos :: Tema da aula Diagrama de Seqüência e Prototipação :: Fase / Etapa Fase 4 Desenho do Projeto e Interligação

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@gmail.com

e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Ambientes de Programação e Banco de Dados Docente: Éberton da Sl Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@gmail.com

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

LISTA DE TEMAS PARA CONCURSO DE PROFESSOR ADJUNTO EDITAL 90/2010 ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA * * * * * *

LISTA DE TEMAS PARA CONCURSO DE PROFESSOR ADJUNTO EDITAL 90/2010 ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA * * * * * * ÁREA DE ANATOMIA VEGETAL GERAL, COM ÊNFASE EM ANATOMIA ECOLÓGICA 1. Sistema de formação. 2. Sistema de revestimento (de proteção). 3. Tecidos fundamentais (parênquima, colênquima e esclerênquima). 4. Sistema

Leia mais

Denominação do curso: AUXILIAR DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL

Denominação do curso: AUXILIAR DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação do curso: AUXILIAR DE FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL Eixo Tecnilógico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Local de oferta: IFBA Campus Ilhéus Modalidade: Presencial Turno de oferta:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. Curso: Informática Modalidade: Bacharelado Turno: Integral.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. Curso: Informática Modalidade: Bacharelado Turno: Integral. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO 2007 ANO DO CURSO 4 o Curso: Informática Modalidade: Bacharelado Turno: Integral Centro: Centro de

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

BOOCH, G. Object Oriented Design with Applications. EUA: The Benjamin Cummings Publishing Company, 1991.

BOOCH, G. Object Oriented Design with Applications. EUA: The Benjamin Cummings Publishing Company, 1991. TECNOLOGIA DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS E FERRAMENTAS UML I (20 horas) Ementa: Conceitos e Terminologia de Orientação a Objetos. Modelagem e processo de desenvolvimento de software. Diagramas de Casos de Uso.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA 1. COMPETÊNCIAS O aluno deverá ser capaz de analisar situações e realizar todo o projeto de banco de dados. 2. HABILIDADES Conhecer o ciclo de vida de um projeto de banco de dados; Conhecer os conceitos

Leia mais

Novos itens disponíveis para empréstimo na biblioteca Mês de referência: Fevereiro 2015

Novos itens disponíveis para empréstimo na biblioteca Mês de referência: Fevereiro 2015 Novos itens disponíveis para empréstimo na biblioteca Mês de referência: Fevereiro 015 Capa do livro Obra Quantidade ROB, Peter Sistemas de banco de dados: projeto, implementação e administração - São

Leia mais

Identificação: INF201 Semestre: 1º Carga Horária: 60 horas Número de Aulas: 72 aulas Aulas Teóricas:

Identificação: INF201 Semestre: 1º Carga Horária: 60 horas Número de Aulas: 72 aulas Aulas Teóricas: 2º SEMESTRE INF201 - Banco de dados I Banco de dados I Identificação: INF201 Semestre: 1º Carga Horária: 60 horas 20 aulas Aulas práticas: 52 aulas Fornecer conhecimentos sobre a concepção, utilização,

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO. COMUNICADO Encontram-se abertas no Serviço de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2012-2 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA Código: DIR-141 Pré-requisito: ---- Período Letivo: 2015.2 Professor: Edilene de

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza Ementa Características dos dados da Web. Modelagem de dados semiestruturados. Linguagens de consulta para

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Prática: 80. PROFESSOR: José Alberto F. Rodrigues Filho. CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 Prática: 4

Prática: 80. PROFESSOR: José Alberto F. Rodrigues Filho. CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 Prática: 4 PLANO DE ENSINO Período Letivo: 1º Semestre de 2014 Faculdade de Tecnologia de Bragança Paulista CURSO: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação TURNO: Tarde / Noite DISCIPLINA: Projeto Interdisciplinar

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS 1. As humanidades e suas repercussões sobre o pluralismo cultural 2. Humanidades e ciências: o debate transcultural em contextos plurais 3. Pedagogias

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

DISCIPLINA: INGLÊS TÉCNICO E INSTRUMENTAL II CARGA HORÁRIA: 33 HORAS PERÍODO: 3º SEMESTRE LETIVO: 2012.2 CRÉDITOS: 02

DISCIPLINA: INGLÊS TÉCNICO E INSTRUMENTAL II CARGA HORÁRIA: 33 HORAS PERÍODO: 3º SEMESTRE LETIVO: 2012.2 CRÉDITOS: 02 DISCIPLINA: INGLÊS TÉCNICO E INSTRUMENTAL II CARGA HORÁRIA: 33 HORAS PERÍODO: 3º SEMESTRE LETIVO: 2012.2 CRÉDITOS: 02 OBJETIVOS Ler e compreender textos de gêneros diversos utilizando as estratégias/técnicas

Leia mais

ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com eberton.marinho@ifrn.edu.br

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA?

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? ADEMILSON ANGELO CABRAL Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas DIEGO BEZERRA DA SILVA Discente da AEMS Faculdades

Leia mais

Gestão de Projectos de Software - 1

Gestão de Projectos de Software - 1 Gestão de Projectos de Software Licenciaturas de EI / IG 2012/2013-4º semestre msantos@ispgaya.pt http://paginas.ispgaya.pt/~msantos Gestão de Projectos de Software - 1 Objectivos da Disciplina de Gestão

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE PARANAENSE - UNIPAR Reconhecida pela Portaria - MEC nº 1580, de 09/11/93 - D.O.U. 10/11/93 Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC UMUARAMA TOLEDO GUAÍRA PARANAVAÍ CIANORTE

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS - GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS - GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS - GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MICHELA APARECIDA SCHUTZ ESTUDO DO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NA TOMADA DE DECISÃO DE COMPRA DO CLIENTE

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Teoria Geral de Sistemas C.H. Teórica: 60 PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Período Letivo: Série: Periodo: Semestre de 1 sem/2012 2ª

Leia mais

Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho

Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho Disciplina: Desenho Técnico e Projeto Carga Horária: 90 horas Dar ao aluno o domínio das técnicas de representação e leitura de projetos de arquitetura,

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde

FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde Epistemologia Carla Martins / Marco Antonio C. Santos / Virgínia Fontes 1º semestre 2015 3ªs feiras

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE PARANAENSE - UNIPAR Reconhecida pela Portaria - MEC nº 1580, de 09/11/93 - D.O.U. 10/11/93 Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC UMUARAMA TOLEDO GUAÍRA PARANAVAÍ CIANORTE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA- SP Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO

Leia mais

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-300 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Engenharia de Software III 2 Bacharel em Ciência da Computação Unoeste Universidade do Oeste Paulista

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR 2ª. ETAPA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR 2ª. ETAPA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática MATRIZ CURRICULAR 2ª. ETAPA Unidade Universitária: FCI - FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NO ANO LETIVO DE 2015

EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NO ANO LETIVO DE 2015 EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO NO ANO LETIVO DE 2015 I - INSCRIÇÃO 1 - Número de vagas: 43 vagas, definidas por Linhas de Pesquisa, conforme tabela abaixo: LINHAS DE PESQUISA MESTRADO

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Área de Conhecimento Ementa/Bibliografia Acionamentos Elétricos Conversão Eletromecânica de Energia: Circuitos magnéticos. Sistemas e dispositivos magnetelétricos.

Leia mais

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos 2. Interpretação e desesenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

9 Referências bibliográficas

9 Referências bibliográficas 136 9 Referências bibliográficas ALVARENGA, A. C. ; NOVAES, A. G. N. Logística aplicada: suprimento e distribuição física. 3. ed. 1. reimp. São Paulo: Edgard Blücher, 2000. 194 p. BAÍDYA, T. K. N. ; AIUBE,

Leia mais

Edital Nº 10 /2013-PROG/UEMA

Edital Nº 10 /2013-PROG/UEMA Edital Nº 10 /2013-PROG/UEMA A Pró-Reitoria de Graduação PROG da Universidade Estadual do Maranhão UEMA torna público, para conhecimento dos interessados, os procedimentos e normas que regulamentam a reabertura

Leia mais

Isac Velozo Aguiar Orientador: Eduardo Manuel de Freitas Jorge 19/06/2007

Isac Velozo Aguiar Orientador: Eduardo Manuel de Freitas Jorge 19/06/2007 MAX-FLOW UM ESTUDO DE INTERFACE E USABILIDADE DE UMA FERRAMENTA DE EDITORAÇÃO DE PROCESSOS Isac Velozo Aguiar Orientador: Eduardo Manuel de Freitas Jorge 19/06/2007 Agenda» Contexto;» Problemas;» Objetivos;»

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 7 Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

Engenharia e Qualidade de Software

Engenharia e Qualidade de Software Engenharia e Qualidade de Software Ciência da Computação Professor Gabriel Baptista (gabriel.baptista@uninove.br) 2009 Para começar! Horário 19:15 às 23:00 Intervalo 20:50 às 21:15 Avaliações: ((A1 ou

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

Proporcionar uma visão geral da metodologia de Sistemas Operacionais.

Proporcionar uma visão geral da metodologia de Sistemas Operacionais. ANO 3 5º Período Sistema Operacional 1.Identificação: Identificação Disciplina Carga Horária Sistema Operacional 72 h/a Créditos 4 2.Ementa: Histórico da Criação e Evolução dos Sistemas Operacionais. Conceitos

Leia mais

Laboratório de Programação Web I e Estimativa, Teste e Inspeção de Software

Laboratório de Programação Web I e Estimativa, Teste e Inspeção de Software Laboratório de Programação Web I e Estimativa, Teste e Inspeção de Software Apresentação da Disciplina Marcos Camada marcos.camada@catu.ifbaiano.edu.br Objetivo Geral Conhecimento no desenvolvimento aplicações

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Projeto de Sistemas Profa. Cynara Carvalho cynaracarvalho@yahoo.com.br http://cynaracarvalho.webnode.pt Ementa: Conceito de Sistemas; Partes ou módulos de um sistema; Visão Geral

Leia mais

TECNOLOCIA JAVA WEB PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE LEILÃO

TECNOLOCIA JAVA WEB PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE LEILÃO TECNOLOCIA JAVA WEB PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE LEILÃO Danilo Alves Verone de Oliveira ¹, Jaime William Dias ¹ ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí - PR - Brasil dan.verone@hotmail.com

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. ANO DA TURMA: 3º ano EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. ANO DA TURMA: 3º ano EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Informática. Professor: Oscar da Costa Meira Junior

Plano de Trabalho Docente 2012. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Informática. Professor: Oscar da Costa Meira Junior Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO CAMPUS:SANTO AUGUSTO DIREÇÃO GERAL: VERLAINE GERLACH DIREÇÃO DE ENSINO:MARINÊS HAMES COORDENAÇÃO

Leia mais

Lista de Livros disponíveis na biblioteca do CAFW Especialização em Gestão de TI

Lista de Livros disponíveis na biblioteca do CAFW Especialização em Gestão de TI Lista de Livros disponíveis na biblioteca do CAFW Especialização em Gestão de TI Observação: - Esta lista abaixo refere-se a solicitação dos professores de cada disciplina. - Livros que não apresentam

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Lógica e Matemática Discreta/MAT002 4 - - 4 60 Lógica sentencial e de Primeira ordem. Sistemas dedutivos naturais e axiomáticos. Completeza, consistência e coerência. Formalização de problemas. Conjuntos.

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções:

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções: PLANO DE ENSINO 1. Identificação Curso: Tecnologia em Desenvolvimento de Software Disciplina: Estrutura de Dados Professor: Msc. Tiago Eugenio de Melo CPF: Regime de Trabalho: 40h CH. Semestral: 100h Siape:

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Código: ADM - 251 Pré-requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 4. Ricardo José Cabeça de Souza

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 4. Ricardo José Cabeça de Souza CURSO DE INFORMÁTICA Algoritmos Ricardo José Cabeça de Souza Parte 4 Sumário UNIDADE I - ALGORITMOS 1.8 AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1.9 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1.10 AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1.11 SÍNTESE DA

Leia mais

ANEXO I ESTRUTURA CURRICULAR E EMENTA DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SUBSEQUENTE CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA - SUBSEQUENTE. Introdução à Informática

ANEXO I ESTRUTURA CURRICULAR E EMENTA DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SUBSEQUENTE CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA - SUBSEQUENTE. Introdução à Informática ANEXO I ESTRUTURA CURRICULAR E EMENTA DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SUBSEQUENTE ESTRUTURA CURRICULAR CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA - SUBSEQUENTE Componentes Curriculares Introdução à Informática Aplicativos

Leia mais

P L A N O D E E N S I N O

P L A N O D E E N S I N O Centro Universitário de João Pessoa Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Núcleo de Apoio Pedagógico - NAPE P L A N O D E E N S I N O Curso: CIENCIA DA COMPUTAÇÃO Componente Curricular: ENGENHARIA DE SOFTWARE

Leia mais

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Autoria: Denis Silveira, Eber Schmitz Resumo: Este artigo apresenta uma Metodologia Rápida de Desenvolvimento

Leia mais