PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas)"

Transcrição

1 PCI 01 - Implementando o PCI DSS 3.0 (24 Horas) DEPOIMENTO Temos o prazer de anunciar nossa primeira parceria internacional de treinamento e estamos muito satisfeitos em associar-nos à Antebellum, uma organização com conhecimento profundo dos padrões da PCI A educação é um elemento imprescindível na segurança de pagamentos Bob Russo, General Manager, PCI SSC OBJETIVOS DO CURSO Capacitar os alunos a implementar os controles necessários para atender aos requisitos do PCI DSS; Facilitar a interação entre os colaboradores da empresa e os QSA s. Este curso prepara o profissional para certificação PCI Professional, do PCI Council. Da experie ncia da Antebellum em ministrar os treinamentos oficiais de certificaça o ISA (Internal Security Assessor) e da constataça o da necessidade de um treinamento menos focado em auditoria e mais focado na implementaça o dos controles necessa rios para reforçar a segurança de dados de carto es de pagamento nasceu o treinamento de implementaça o do PCI DSS 3.0. Este treinamento oferece a oportunidade de aumentar a expertise de seus colaboradores nos padro es de segurança do PCI Council e a eficie ncia de sua empresa na implementaça o dos controles necessa rios para atender aos requisitos e alcançar a conformidade com o PCI DSS 3.0. PRÉ-REQUISITOS Conhecimentos ba sicos de Tecnologia da Informaça o PÚBLICO-ALVO Todo o pessoal te cnico envolvido com o manuseio de dados críticos, mais especificamente os custodiantes das informaço es, normalmente pertencentes a a rea de tecnologia da informaça o. Dentre esses profissionais destacamos: Gestores, Consultores e Pessoal de Suporte, e gerentes de projeto de serviços de TI Desenvolvedores, Integradores e arquitetos de sistemas Engenheiros e especialistas de rede Profissionais de segurança da informaça o 2

2 OBJETIVOS DO CURSO O Treinamento leva o aluno a conhecer os controles de segurança utilizados na Evolveris, uma empresa fictícia cujo nome em Latim significa Que esta evoluindo. A Evolveris líder em educaça o ba sica, me dia e universita ria, ale m de oferecer dezenas de cursos de extensa o e capacitaça o profissional. Em 2010, a Evolveris foi adquirida pela Antebellum Group, um grupo internacional, proprieta rio de diversas universidades e centros de treinamento em todo o mundo. Desde enta o, a empresa tem realizando grandes esforços, em todos os sentidos, para se adaptar ao nível de exige ncia das regulamentaço es americanas e europeias, assim como atender aos anseios da governança corporativa da empresa Dentro deste cena rio, este curso apresenta passo a passo as aço es tomadas para a implantaça o dos controles responsa veis pela conformidade da organizaça o com os requisitos do PCI DSS 3.0, desde a conscientizaça o da alta gesta o ate a implantaça o de cada um dos controles dentro de uma ordem sugerida pelo pro prio PCI Council. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO A narrativa do curso se da em forma de histo ria, que começa com a chegada de uma nova CEO, com a missa o de garantir a segurança de dados de carta o de pagamento na Evolveris. O Curso e dividido em 7 partes com 28 capítulos, durante os quais as personagens apresentam as políticas e as tecnologias utilizadas para a proteça o de dados críticos na organizaça o. 3

3 Parte I Identificando e isolando dados sensíveis Introdução: A Evolveris e o grupo de colaboradores mais envolvido com a segurança da informaça o e apresentado aos alunos. Hilda solicita que o CIO da empresa (Willian) faça um levantamento de todos os tipos de dados que a empresa processa e armazena, e em seguida pede que Olívia (Jurídico) identifique as leis, normas e regulamentaço es relacionadas a s atividades da empresa e a esses tipos de dados. Juntos, Olívia e Wallace (CISO) desenham as políticas de retença o de dados e diretrizes para comunicaça o com portadores de carta o de pagamento para atenderem ao PCI DSS. Capítulo 1 A Evolveris e o PCI Council: Allan, o CSO da Evolveris posiciona a segurança da informaça o no organograma da empresa, explana sobre o enquadramento da Evolveris nos programas de conformidades das bandeiras de carto es de pagamento e apresenta o PCI Council e seus padro es de segurança para os outros gestores da empresa. Wallace, o CISO, apresenta os componentes de SI (processos, pessoas e tecnologia), os conceitos de defesa em profundidade, o processo de criaça o de controles de segurança e os tipos e funço es das medidas de segurança existentes. Capítulo 2 Análise de Riscos: Allan inicia um processo de análise de riscos baseado nas melhores metodologias de mercado, como a ISO e NIST SP revision 1. Para atender ao requisito 12.2 Allan estabelece sistemas de gesta o de riscos com um processo de revisa o anual dos riscos. Capítulo 3 Localização dos dados: Wallace desenha um diagrama de rede que identifica todos as conexo es entre o ambiente de dados de portadores de carta o, ou CDE (Cardholder Data Environment), e demonstra o fluxo de dados de carto es dentro dos sistemas e redes. Adicionalmente, Willian se utiliza de ferramentas para identificar dados de carto es que possam estar em outras localidades ale m das documentadas. Capítulo 4 Retenção de Dados: Wallace apresenta os critérios utilizados para armazenamento de dados de carto es de pagamento na Evolveris. Capítulo 5 Descarte de dados: Wallace apresenta os controles utilizados para a destruição de dados que na o possuem mais uma necessidade legal ou de nego cio para serem armazenados. Parte II Protegendo sistemas e redes e preparando-se para responder a falhas Capítulo 6 Definição de escopo: Wallace apresenta a Hilda as estratégias de segurança relacio- 4

4 nadas a identificaça o do fluxo de dados de portadores de carta o dentro da Evolveris e de todos os componentes por onde estes dados trafegam, sa o armazenados ou processados. Capítulo 7 Configuração dos ativos de rede: Alex apresenta as políticas de configuração dos ativos de rede, incluindo as regras de firewall, NAT, te cnicas anti-spoofing e sincronizaça o dos arquivos de configuraça o. Alex especifica tambe m os protocolos em uso e apresenta os mecanismos de detecça o de intrusos nos diferentes segmentos de rede criados atrave s de perímetros que separam diferentes zonas com diferentes níveis de confiança atrave s de firewalls, switches e roteadores. Capítulo 8 Configuração padrão: Alex apresenta as políticas definidas para a substituição de senhas dos ativos de rede e dos softwares instalados na Evolveris antes da implantaça o dos mesmos na rede corporativa. Capítulo 9 Configuração de Endpoint: Wallace apresenta as políticas e configurações utilizadas pela Evolveris para a configuraça o do(s) software(s) em execuça o nos hosts. Que incluem o antivírus, firewall pessoal e monitor de integridade nos equipamentos dentro do ambiente de dados do portador de carta o. Capítulo 10 Criptografia Assimétrica: Samuel, o coordenador de infraestrutura apresenta os fundamentos da criptografia assime trica, certificados digitais, autoridades certificadoras, Infraestrutura de chaves pu blicas e assinatura digital. Capítulo 11 Criptografia aplicada à transmissão de dados: Samuel continua sua explicação, demonstrando como a Evolveris utiliza a criptografia para atingir os objetivos de conformidade e aumentar a segurança ao transmitir dados de carto es de pagamentos de forma segura, utilizando VPN, SSL/TLS e WPA. Capítulo 12 Acesso remoto: Samuel apresenta as políticas de acesso remoto, que incluem autenticaça o forte, baseada em mais de um fator, as características criptogra ficas para acesso administrativo. Capítulo 13 Controles Físicos: Allan apresenta os controles de segurança física como a proteção do perímetro físico, a reas sensíveis, controles de acesso ao ambiente, CFTV, pontos de rede, estaço es desbloqueadas, informaço es nas estaço es de trabalho, ale m das políticas de controle de dispositivos de pagamento com lista de dispositivos, e inspeça o perio dica dos mesmos. 5

5 Capítulo 14 Testes de vulnerabilidades: Samuel apresenta as políticas e as metodologias utilizadas para realizar os testes trimestrais de vulnerabilidades e os testes anuais de invasa o no ambiente de dados do portador de carta o. Capítulo 15 Provedores de Serviço e Plano de resposta a incidentes: Wallace apresenta as políticas para controle de provedores de serviço, os controles para resposta a incidentes de segurança e apresenta o plano de resposta a incidentes da Evolveris para o caso de vazamento de dados. PARTE III SEGURANÇA EM APLICAÇÕES DE PAGAMENTO Willian apresenta os estudos relacionados a vulnerabilidades de softwares, o processo de criaça o de exploits, zero-days, os procedimentos a serem adotados pelas empresas para mitigar essas ameaças e as melhores pra ticas de atualizaça o, ale m das políticas de atualizaça o, hardening e privile gio mínimo da Evolveris Capítulo 16 Configuração: Samuel descreve os procedimentos para criação e manutenção de padro es de instalaça o e configuraça o segura (hardening) dos componentes do sistema, assim como os procedimentos criados para que estes sistemas permanecem sempre atualizados e com uma configuraça o segura em qualquer tipo de componente, incluindo sistemas operacionais, pa ginas WEB, e firmware de ativos como roteadores e firewalls. Capítulo 17 - Desenvolvimento: Gabriel, o Lenda, explica como os princípios de segurança no design e segurança por default sa o aplicados nos desenvolvimentos internos da Evolveris. Apresenta tambe m a separaça o entre os ambientes de desenvolvimento, teste e produça o, os procedimentos para gesta o de mudanças em software, treinamento de desenvolvedores e os cuidados tomados na validaça o das entradas dos sistemas para evitar falhas de Buffer overflow, SQL Injection. PARTE IV MONITORAÇÃO E CONTROLE DE ACESSO AOS SISTEMAS Capítulo 18 Controle de Acesso: Willian apresenta a política de controle de acesso da Evolveris, as regras para criaça o e manutença o de senhas seguras e os conceitos de gesta o e identidades, identificaça o u nica, Need to Know, privile gio mínimo, segregaça o de funço es. Capítulo 19 Reference Monitor: Wallace apresenta os conceitos de Reference Monitor, Trile A, DACL s, SACL s, Auditoria de eventos (Logs), assim como o processo e a política de auditoria e os cuidados para sincronizaça o de hosts (NTP). 6

6 Capítulo 20 Autenticação: Willian analisa as diferenças entre os processos de autenticação mais utilizados em sistemas operacionais, como o passwd, SAM, domínios e Kerberos. Discute tambe m, as políticas de acesso a banco de dados e autenticaça o com Smatcards. Capítulo 21 Monitoramento: Alex apresenta as políticas e recursos de monitoramento do ambiente utilizados para detectar alteraço es em arquivos críticos, redes wireless na o autorizadas. O Capítulo aborda tecnologias como Scanners de vulnerabilidades, IDS, IPS e NAC. PARTE V PROTEÇÃO DOS DADOS ARMAZENADOS Capítulo 22 Proteção dos dados armazenados: Wallace apresenta as bases da criptografia simétrica, truncagem e hash de dados atrave s da teoria e da demonstraça o da criptografia de arquivos, bancos de dados, discos e backups utilizada na Evolveris para a proteça o dos dados armazenados. Capítulo 23 Gerenciamento de Chaves: Samuel apresenta as políticas para geração, transmissão, custo dia de chaves criptogra ficas, conhecimento compartilhado, duplo controle e destruiça o das chaves. Capítulo 24 Tokenização: Samuel apresenta os conceitos de Tokenização e como essa metodologia vem sendo aplicada dentro da Evolveris para diminuir o impacto de um eventual vazamento de dados. PARTE VI CONTROLES ADICIONAIS Capítulo 25 Gestão de Mudanças: Wallace apresenta os controles utilizados para garantir uma gesta o adequada das alteraço es realizadas nos componentes dos sistemas da Evolveris, dentre eles a documentaça o de impacto, aprovaça o da mudança, teste de funcionalidade e procedimentos de retorno. Capítulo 26 Política de Segurança: Allan apresenta o processo de criação e aprovação da política de segurança da Evolveris, assim como a sua divulgaça o e a capacitaça o da equipe nos assuntos referentes a segurança da informaça o. PARTE VII DOCUMENTAÇÃO DO PCI COUNCIL Capítulo 27 Os documentos de apoio: Allan apresenta os documentos disponibilizados pelo PCI Council para auxiliar as empresas na obtença o da conformidade com os padro es vigentes. Capítulo 28 SAQ s, ROC s, AOC s e planilha de controles compensatórios: Allan explica as diferenças entre os Questiona rios de auto-avaliaça o (SAQ s) e Relato rios de conformidade (ROC s), e Atestados de Conformidade (AoC), ale m de demonstrar os requisitos e passos para preenchimento da planilha de controles compensato rios 7

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados. Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados. Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS Novembro de 2013 Introdução Este documento fornece um resumo de alterações

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Atestado de conformidade para Avaliações in loco Prestadores de serviços Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Atestado de Conformidade para Avaliações in loco Comerciantes Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação Instruções

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência

Projeto de Redes de Computadores. Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência Desenvolvimento de Estratégias de Segurança e Gerência Segurança e Gerência são aspectos importantes do projeto lógico de uma rede São freqüentemente esquecidos por projetistas por serem consideradas questões

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de Conformidade para Questionário de Autoavaliação C Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação Instruções

Leia mais

Políticas de segurança e informações

Políticas de segurança e informações Whitepaper Políticas de segurança e informações VISÃO GERAL Este documento fornece uma visão de alto nível das políticas de segurança da New Relic, além de uma descrição geral dos recursos e das funcionalidades

Leia mais

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança + Conformidade Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança e Conformidade via Software-as-a-Service (SaaS) Hoje em dia, é essencial para as empresas administrarem riscos de segurança

Leia mais

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de conformidade para questionário de autoavaliação P2PE-HW Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de avaliação Instruções

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2 0 1 4 EMPRESA A Connection está presente no mercado desde 1993 atuando nas áreas de Segurança da Informação e Gestão da Tecnologia da Informação com atuação nos três estados

Leia mais

O PCI-DSS contempla 12 requerimentos básicos que tem o objetivo

O PCI-DSS contempla 12 requerimentos básicos que tem o objetivo Curso PCI-DSS Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português, espanhol ou

Leia mais

Questionário de Auto-avaliação

Questionário de Auto-avaliação Payment Card Industry (PCI) Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Questionário de Auto-avaliação Instruções e Diretrizes Versão 1.1 Fevereiro de 2008 Índice Sobre este Documento...

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas

Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas Planejamento, Desenvolvimento e Implementac a o de Sistemas Aulas 08 e 09 Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Sistemas Levantamento de Necessidades Coleta de dados sobre as necessidades e oportunidades

Leia mais

Prestadores de serviço elegíveis a SAQ. Versão 3.0

Prestadores de serviço elegíveis a SAQ. Versão 3.0 Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de autoavaliação de A de conformidade para Prestadores de serviço Prestadores de serviço elegíveis a SAQ Versão 3.0 Fevereiro

Leia mais

Segurança e Proteção da Informação. Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br

Segurança e Proteção da Informação. Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br Segurança e Proteção da Informação Msc. Marcelo Carvalho Tavares marcelo.tavares@unir.br 1 Segurança da Informação A informação é importante para as organizações? Por que surgiu a necessidade de se utilizar

Leia mais

Segurança de Redes & Internet

Segurança de Redes & Internet Boas Práticas Segurança de Redes & Internet 0800-644-0692 Video Institucional Boas Práticas Segurança de Redes & Internet 0800-644-0692 Agenda Cenário atual e demandas Boas práticas: Monitoramento Firewall

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2 0 1 5 EMPRESA A Connection está presente no mercado desde 1993 atuando nas áreas de Segurança da Informação e Gestão da Tecnologia da Informação com atuação nos três estados

Leia mais

O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital

O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital O que é necessário para ter Resultados no Marketing Digital O que é necessário 1. CONHECIMENTO 2. TECNOLOGIA 3. TEMPO INVESTIDO (PESSOAS) 4. PACIÊNCIA CONHECIMENTO Quando falamos de conhecimento, podemos

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Segurança nas comunicações Responsabilidades e procedimentos operacionais Assegurar que as informações

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de Conformidade para Questionário de Autoavaliação A Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de avaliação Instruções

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Shadow IT e o risco das informações dora do firewall. Paulo Henrique Abreu Moreira

Shadow IT e o risco das informações dora do firewall. Paulo Henrique Abreu Moreira Shadow IT e o risco das informações dora do firewall Paulo Henrique Abreu Moreira Desafios negociais Mudanças rápidas no contexto Informações gerenciais Resultados de curto prazo Ciclos rápidos de INOVAÇÃO

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de Conformidade para Questionário de Autoavaliação B Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação Instruções

Leia mais

Diretoria Executiva de Controles Internos e Risco Operacional

Diretoria Executiva de Controles Internos e Risco Operacional Diretoria Executiva de Controles Internos e Risco Operacional Seminário de Segurança da Informação 2014 Painel "A dinâmica do cenário de ameaças à rede interna frente a um contexto GRC e às novas ferramentas

Leia mais

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação C e Atestado de conformidade

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação C e Atestado de conformidade Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação C e Atestado de conformidade Aplicativo de pagamento conectado à Internet, sem armazenamento eletrônico dos

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 16/IN01/DSIC/GSIPR 00 21/NOV/12 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA DESENVOLVIMENTO E OBTENÇÃO DE SOFTWARE

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação A e Atestado de conformidade

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação A e Atestado de conformidade Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação A e Atestado de conformidade Todas as outras funções dos dados do titular do cartão terceirizadas Sem armazenamento

Leia mais

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de autoavaliação C-VT e Atestado de conformidade

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de autoavaliação C-VT e Atestado de conformidade Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de autoavaliação C-VT e Atestado de conformidade Comerciantes com terminais virtuais de pagamento baseados na Web Sem armazenamento

Leia mais

A Problemática da Gestão de Logs

A Problemática da Gestão de Logs SIEM Rogério Reis Agenda A Problemática da Gestão de Logs A Solução: SIEM SIEM: Uma plataforma para operações de segurança SIEM: Uma plataforma para operações de conformidade Uma Visão Geral da Tecnologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SE ADEQUAR AO PCI DSS 3.0 PARA PROCESSAMENTE DE PAGAMENTOS POR CARTÕES

A IMPORTÂNCIA DE SE ADEQUAR AO PCI DSS 3.0 PARA PROCESSAMENTE DE PAGAMENTOS POR CARTÕES A IMPORTÂNCIA DE SE ADEQUAR AO PCI DSS 3.0 PARA PROCESSAMENTE DE PAGAMENTOS POR CARTÕES Weslley Ribeiro da Silva ¹, Jaime William Dias¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil weslley_mid@hotmail.com,

Leia mais

PLANO DIRETOR DE SEGURANÇA

PLANO DIRETOR DE SEGURANÇA PLANO DIRETOR DE SEGURANÇA Dezembro de 2006 REGOV 1.0 6/12-2006 - 2 - Índice Apresentação...3 1. Introdução... 4 2. Análise de... 6 3. Domínios de... 7 MECANISMOS DE PROTEÇÃO DA REDE GOVERNAMENTAL... 8

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Informações de Tecnologia A tecnologia virou ferramenta indispensável para as pessoas trabalharem, se comunicarem e até se divertirem. Computação é a área que mais cresce no mundo inteiro! Esse constante

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários...

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários... Agradecimentos... 7 O autor... 8 Prefácio... 15 Objetivos do livro... 17 Parte I Introdução... 19 Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21 Introdução à ICP... 21 Serviços oferecidos

Leia mais

SEGURANÇA EM PROFUNDIDADE EM AMBIENTES MICROSOFT

SEGURANÇA EM PROFUNDIDADE EM AMBIENTES MICROSOFT SEGURANÇA EM PROFUNDIDADE EM AMBIENTES MICROSOFT LUCIANO LIMA [CISSP]- [CEH]-[COMPTIA SECURITY+]-[MVP ENTERPRISE SECURITY]-[MCSA SECURITY]-[MCSE SECURITY]-[VMSP]-[VMTSP]-[SSE]-[SSE+] @lucianolima_mvp www.lucianolima.org

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Objetivos deste capítulo

Objetivos deste capítulo 1 Objetivos deste capítulo Identificar a finalidade de uma política de segurança. Identificar os componentes de uma política de segurança de rede. Identificar como implementar uma política de segurança

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

Especialização em Gestão de Segurança da Informação

Especialização em Gestão de Segurança da Informação Especialização em Gestão de Segurança da Informação Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 06 --> Com a ampliação da utilização das Tecnologias da Informação em todos os setores produtivos

Leia mais

Se preocupe com o que é importante, que a gente se preocupa com a segurança.

Se preocupe com o que é importante, que a gente se preocupa com a segurança. Se preocupe com o que é importante, que a gente se preocupa com a segurança. Os firewalls convencionais e os IPS (Intrusion Prevention System) não são capazes de detectar e bloquear ataques na camada de

Leia mais

SUAS INFORMAÇÕES ESTÃO SEGURAS?

SUAS INFORMAÇÕES ESTÃO SEGURAS? SUAS INFORMAÇÕES ESTÃO SEGURAS? Treinamento ISO 27002 Foundation Presencial ou EAD A ISO 27002 é uma norma internacional que contém um código de práricas para a segurança da informação. Este tema sempre

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Requisitos e procedimentos da avaliação de segurança Versão 3.0

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Requisitos e procedimentos da avaliação de segurança Versão 3.0 Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Requisitos e procedimentos da avaliação de segurança Versão 3.0 Novembro de 2013 Alterações no documento Data Versão Descrição Páginas

Leia mais

COMO REFORÇAR A SEGURANÇA DE SUA REDE A AMEAÇA ESTÁ EM CONSTANTE MUDANÇA, COMO DEVE SER COM A SEGURANÇA

COMO REFORÇAR A SEGURANÇA DE SUA REDE A AMEAÇA ESTÁ EM CONSTANTE MUDANÇA, COMO DEVE SER COM A SEGURANÇA COMO REFORÇAR A SEGURANÇA DE SUA REDE A AMEAÇA ESTÁ EM CONSTANTE MUDANÇA, COMO DEVE SER COM A SEGURANÇA PRÁTICAS RECOMENDADAS DE SEGURANÇA DE TI: ESTRATÉGIAS ESPECIALIZADAS PARA COLETA DE LOGS, ANÁLISE

Leia mais

Resumo de alterações da versão 2.0 para a 3.0 do PA-DSS

Resumo de alterações da versão 2.0 para a 3.0 do PA-DSS Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados de formulário de pagamento Resumo de alterações da versão 2.0 para a 3.0 do PA-DSS Novembro de 2013 Introdução Este documento fornece

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2 0 1 5 EMPRESA A Connection está presente no mercado desde 1993 atuando nas áreas de Segurança da Informação e Gestão da Tecnologia da Informação com atuação nos três estados

Leia mais

Payment Card Industry (PCI)

Payment Card Industry (PCI) Payment Card Industry (PCI) Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Procedimentos para o Scanning de Segurança Version 1.1 Portuguese Distribuição: Setembro de 2006 Índice

Leia mais

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações.

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações. GRC - Governança, Riscos e Compliance já é uma realidade nas organizações. Sua adoção, no entanto, implica no desenvolvimento e na manutenção de um framework que viabilize a integração e colaboração entre

Leia mais

Tableau Online Segurança na nuvem

Tableau Online Segurança na nuvem Tableau Online Segurança na nuvem Autor(a): Ellie Fields Diretora Sênior de Marketing de Produtos, Tableau Software Junho de 2013 p2 A Tableau Software entende que os dados são um dos ativos mais estratégicos

Leia mais

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação D e Atestado de conformidade

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação D e Atestado de conformidade Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação D e Atestado de conformidade Todos os outros SAQs - Comerciantes e prestadores de serviços qualificados Versão

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA Parecer.DIN 67/07 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCESSO: ECO 07/00374850 UNIDADE GESTORA: RESPONSÁVEL: ASSUNTO: CENTRO DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CIASC HUGO

Leia mais

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de autoavaliação B-IP e Atestado de conformidade

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de autoavaliação B-IP e Atestado de conformidade Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de autoavaliação B-IP e Atestado de conformidade Comerciantes com terminais independentes de ponto de interação (POI) PTS

Leia mais

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação Diretrizes e instruções Versão 2.0 Outubro de 2010 Alterações no documento Data Versão Descrição 1º de outubro

Leia mais

SEMOLA, Marcos. Gestão da segurança da informação: uma visão executiva. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

SEMOLA, Marcos. Gestão da segurança da informação: uma visão executiva. Rio de Janeiro: Campus, 2003. Segurança da Informação - 2 Maio / 2008 SEMOLA, Marcos. Gestão da segurança da informação: uma visão executiva. Rio de Janeiro: Campus, 2003. 1 A segurança da informação é: uma área do conhecimento dedicada

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2015/00104 de 6 de março de 2015

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2015/00104 de 6 de março de 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2015/00104 de 6 de março de 2015 Dispõe sobre a aprovação do documento acessório comum "Política de Segurança para Desenvolvimento,

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

Indústria de Cartão de Pagamento (PCI)

Indústria de Cartão de Pagamento (PCI) Indústria de Cartão de Pagamento (PCI) Procedimentos para Scanning de Segurança Administração de Risco Região América Latina e Caribe Indústria de Cartão de Pagamento Procedimentos para Scanning de Segurança

Leia mais

Conceitos de Segurança Física e Segurança Lógica. Segurança Computacional Redes de Computadores. Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1

Conceitos de Segurança Física e Segurança Lógica. Segurança Computacional Redes de Computadores. Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1 Segurança Computacional Redes de Computadores Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1 1 2 Compreende os mecanismos de proteção baseados em softwares Senhas Listas de controle de acesso - ACL Criptografia

Leia mais

Serviços Geridos Um facilitador da Estratégia de Disaster Recovery e Business Continuity. Ofélia Malheiros Business Solutions Manager

Serviços Geridos Um facilitador da Estratégia de Disaster Recovery e Business Continuity. Ofélia Malheiros Business Solutions Manager Serviços Geridos Um facilitador da Estratégia de Disaster Recovery e Business Continuity Ofélia Malheiros Business Solutions Manager Agenda Prioridades de Negócio e a Informação Desafios dos CIOs Melhorar

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

EMBRATEL- Business Security. Provedor de Serviços Gerenciados de Segurança (MSSP*) *Managed Security Services Provider

EMBRATEL- Business Security. Provedor de Serviços Gerenciados de Segurança (MSSP*) *Managed Security Services Provider EMBRATEL- Business Security Provedor de Serviços Gerenciados de Segurança (MSSP*) *Managed Security Services Provider Daniela Ceschini Especialista em Segurança da Informação 1 AGENDA Panorama e desafios

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Aspectos a Serem Considerados Rodrigo Rubira Branco rodrigo@firewalls.com.br O que é a Firewalls? - Empresa Especializada em Segurança; - Profissionais Certificados; - Atenta a

Leia mais

Hospedagem Virtualizada

Hospedagem Virtualizada Conheça também Desenvolvimento de sistemas Soluções de Segurança Soluções com o DNA da Administração Pública Há 43 anos no mercado, a Prodesp tem um profundo conhecimento da administração pública e também

Leia mais

Fortaleza Digital. Aker FIREWALL UTM. Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital.

Fortaleza Digital. Aker FIREWALL UTM. Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital. Aker FIREWALL UTM Fortaleza Digital Sua empresa mais forte com uma solução completa de segurança digital. Ideal para o ambiente corporativo, com o Aker Firewall UTM você tem o controle total das informações

Leia mais

Ministério da Saúde Departamento de Informática do SUS DATASUS. Segurança da Informação e Comunicação

Ministério da Saúde Departamento de Informática do SUS DATASUS. Segurança da Informação e Comunicação Ministério da Saúde Departamento de Informática do SUS DATASUS Segurança da Informação e Comunicação Conceitos : Disponibilidade Segurança da Informação Significa estar acessível e utilizável quando demandado

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

ANEXO C (Requisitos PCI DSS)

ANEXO C (Requisitos PCI DSS) ANEXO C (Requisitos ) O Cliente obriga-se a respeitar e a fazer respeitar as normas que lhes sejam aplicáveis, emanadas do Payment Card Industry Security Standards Council (organização fundada pelas marcas

Leia mais

Segurança Física e Segurança Lógica. Aécio Costa

Segurança Física e Segurança Lógica. Aécio Costa Segurança Física e Segurança Lógica Aécio Costa Segurança física Ambiente Segurança lógica Programas A segurança começa pelo ambiente físico Não adianta investir dinheiro em esquemas sofisticados e complexos

Leia mais

17º Seminário de Capacitação e Inovação Ementa dos cursos

17º Seminário de Capacitação e Inovação Ementa dos cursos 17º Seminário de Capacitação e Inovação Ementa dos cursos Local: Hotel Everest Rio (Avenida Prudente de Morais nº 1117, Ipanema) Cidade: Rio de Janeiro RJ Período: 24 a 28/10/2011 Carga horária de cada

Leia mais

Governança em T.I. GTI-V Noturno - 2015. Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa

Governança em T.I. GTI-V Noturno - 2015. Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa Governança em T.I GTI-V Noturno - 2015 Alunos: Douglas de Souza Braga Rafael vitor Hugo Bastos Kaysmier Walessa Politica de Segurança Ativos: Computadores: Sistema \ Hardwere \Segurança A infraestrutura

Leia mais

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados?

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Expectativa de 20 minutos Uma abordagem prática e sensata de usar os Serviços em Nuvem de forma segura. Segurança nas Nuvens O que é? Quais as Vantagens das

Leia mais

Curso Especialização em Gerenciamento Operacional de Serviços de TI Baseado no ITIL V3 e Cobit 4.1

Curso Especialização em Gerenciamento Operacional de Serviços de TI Baseado no ITIL V3 e Cobit 4.1 Curso Especialização em Gerenciamento Operacional de Serviços de TI Baseado no ITIL V3 e Cobit 4.1 Todos nossos cursos são preparados por profissionais certificados e com larga experiência em Governança

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

ISO/IEC 17799. Informação

ISO/IEC 17799. Informação ISO/IEC 17799 Norma de Segurança da Norma de Segurança da Informação Segurança da Informação Segundo a norma ISO/IEC 17799, é a proteção contra um grande número de ameaças às informações, de forma a assegurar

Leia mais

Segurança de Redes. em Ambientes Cooperativos. Emilio Tissato Nakamura Paulo Lício de Geus. Novatec

Segurança de Redes. em Ambientes Cooperativos. Emilio Tissato Nakamura Paulo Lício de Geus. Novatec Segurança de Redes em Ambientes Cooperativos Emilio Tissato Nakamura Paulo Lício de Geus Novatec sumário Agradecimentos...11 Palavra dos autores...13 Sobre os autores...14 Sobre este livro...15 Apresentação...16

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1

Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1 Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1 Prof. Me. Humberto Moura humberto@humbertomoura.com.br Evolução da TI Postura TI Níveis de TI Princípios de TI (papel da TI perante o negócio) Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM IBM System Storage Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM As organizações sempre se esforçaram para gerenciar o crescimento exponencial de informações

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Tratamento de Incidentes de Segurança em Redes de Computadores. GRA - Grupo de Resposta a Ataques

Tratamento de Incidentes de Segurança em Redes de Computadores. GRA - Grupo de Resposta a Ataques Tratamento de Incidentes de Segurança em Redes de Computadores GRA - Grupo de Resposta a Ataques Palestrante: Indiana Belianka Kosloski de Medeiros 30/09/2004 ASPECTOS GERENCIAIS ESTRUTURA DE SEGURANÇA

Leia mais

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação D e Atestado de conformidade

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação D e Atestado de conformidade Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação D e Atestado de conformidade Todos os outros SAQs - Comerciantes e prestadores de serviços qualificados Versão

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Projeto Integrador Módulo IV Política de Segurança Disciplinas: - Implantação e Gestão de S.I.: Prof. Diego Américo Guedes - Gerência de Redes de Computadores: Prof. Fernando Pirkel Tsukahara - Segurança

Leia mais

SIG - Sistemas de Informações Gerenciais. Segurança da Informação

SIG - Sistemas de Informações Gerenciais. Segurança da Informação Segurança da Informação Importância da Informação A Informação é considerada atualmente como um dos principais patrimônio de uma organização. Importância da Informação Ela é um ativo que, como qualquer

Leia mais

GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SOLUÇÕES DE SEGURANÇA EM AMBIENTES HETEROGÊNEOS Pós-Graduação Lato Sensu O Perigo nas Mãos Resenha Patrick Tracanelli Prof. Ricardo Leocádio Universidade FUMEC 2009 Pós-Graduação

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Auditoria i e Análise de Segurança da Informação Segurança e Confiabilidade Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Dados e Informação Dado é a unidade básica

Leia mais

André Campos Sistema de Segurança da Informação Controlando os Riscos 2 a Edição Visual Books Sumário Parte I - Sistema de Gestão 13 1 Conceitos Essenciais 15 1 1 Informação 15 1 2 A Informação e sua Importância

Leia mais

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 torna uma necessidade da empresa por: competitividade no mercado interno Competitividade no mercado externo Aumentar a

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Segurança Física e Segurança Lógica Segurança

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação O bem mais importante que as empresas possuem, sem dúvida, são as informações gerenciais, sendo muito importantes para a tomada de decisões. Com o crescimento da internet

Leia mais