Construções lacanianas em torno da fantasia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construções lacanianas em torno da fantasia"

Transcrição

1 Construções lacanianas em torno da fantasia Angela Vorcaro 1 Marcela Rêda Guimarães 2 1 Introdução: O texto freudiano Batem numa criança (Freud, 2010[1919]) estabelece a organização de uma massa de fantasias relatadas por pacientes com muita dificuldade, sob a censura, evidenciando a separação entre o uso imaginário de imagens a formulação falada. Inicialmente, uma tensão intersubjetiva tríplice referencia o sujeito (meu pai bate em meu irmão) para, em seu ponto terminal, o sujeito comparecer como expectador (bate-se numa criança). Entre os dois momentos, um tempo fugaz, em que o sujeito se inclui em posição recíproca ao outro (meu pai me bate), interroga a medida da participação subjetiva na ação do outro. 2 As abordagens de Lacan à fantasia Bate-se numa criança A primeira abordagem de Lacan à fantasia Bate-se numa criança 3, tratada por Freud (1919) é feita no Seminário 4 (1995[1956-7]), quando investiga o fato de o sujeito exprimir sua fantasia no tratamento de modo impreciso, abertas as questões a que só responde com dificuldade. A fantasia Bate-se numa criança é substituta de outras mais arcaicas. Lacan pretende situar o nível da estruturação subjetiva em que essas se passam, na perspectiva de ultrapassar ambiguidades teóricas definindo a posição precisa desses estados da fantasia: Aqui, são três etapas, nos diz Freud, que se escandem na história do sujeito (p.116) Freud situa a primeira fantasia que se pode encontrar: Meu pai bate numa criança que eu odeio. Para Lacan, a complexidade da situação fantasística é manifesta: comporta três personagens: o agente da punição; aquele que se submete a ela (que o sujeito odeia), e o sujeito (que perdeu a preferência parental, mas se sente privilegiado quando é o rival que apanha, despencando dessa preferência). 1 Psicanalista, Professora de psicopatologia da criança no Departamento de Psicologia Fafich/UFMG. 2 Discente do Departamento de Psicologia, Fafich/UFMG 3 Apontamos a diferença entre a tradução dada por Lacan Bate-se numa criança e aquela da nossa referência ao texto de Freud, intitulada Batem numa criança. Na medida em que este trabalho refere-se à abordagem de Lacan ao texto freudiano, mantivemos sempre a tradução que ele utiliza.

2 Uma tensão tríplice está aí implicada. Meu pai bate em meu irmão ou minha irmã por medo que eu não acredite que prefiram a mim. O agente, primeiro personagem, é o pai. O rival é instrumento da comunicação de amor entre os dois (pai e o sujeito): as expensas do irmão, o pai declara, ao sujeito, a expressão de seu desejo de ser preferido. O irmão serve de instrumento e meio para transpor a mensagem de privilégio paterno. Na segunda fantasia, etapa reconstruída em análise, Lacan constata a redução da situação, a dois personagens: Eu sou espancado por meu pai. Excluindo qualquer dimensão além da relação do sujeito com o agente espancador, esta fantasia permanecerá marcada de ambiguidade. Trata-se, para Lacan, da ambiguidade sadomasoquista. O sujeito se encontra numa posição recíproca com o outro, mas ao mesmo tempo exclusiva. A segunda etapa é fugaz e precipita uma terceira em que o sujeito é reduzido a seu ponto mais extremo. Reencontrando-se apenas como observador. Essa fantasia terminal é dessubjetivada: Bate-se numa criança. Para Lacan, nesse se, reencontra-se vagamente a função paterna, pois em geral é um substituto deste. Também, com frequência, não se trata de uma criança, mas de várias. O sujeito fica reduzido a um olho, resto que pode não passar de uma tela sobre a qual o sujeito é instituído. No terceiro tempo todos os elementos permanecem em estado puro, pois a significação da relação intersubjetiva está perdida, esvaziada de seu sujeito. Trata-se, para Lacan, de uma espécie de objetivação dos significantes da situação...[que] é ao mesmo tempo mantido, contido, mas o é sob a forma de um puro signo (p.121). Essa relação imaginária está no caminho do que se passa no sujeito ao Outro, daquilo que, do sujeito, resta a se situar no Outro, na medida em que é recalcado. É uma mensagem que o sujeito deve receber do Outro sob uma forma invertida Lacan retomará a fantasia bate-se numa criança no Seminário 5 (Lacan, 1999[1957-8]), considerando a afirmação freudiana de que a sua significação parece estar absorta numa parte importante das satisfações libidinais do sujeito. Interrogando a significação dessa fantasia, Lacan lembra o assinalamento freudiano de que, no primeiro tempo, a significação está no nível do pai que recusaria seu amor a criança espancada. Para Lacan isso suscita uma reflexão acerca do outro como desejante ligado à posse do falo. Desta forma, assim como o Nome-do-Pai tem a função de significar o conjunto do sistema significante, autorizando-o e fazendo dele a lei, o falo entra em jogo nesse sistema significante a partir do momento em que o sujeito tem de simbolizar a

3 significação do seu desejo, em oposição ao significante. O desejo do sujeito, quando tem de simboliza-lo, é feito com a ajuda do falo. O significante do significado em geral é o falo (p.248-9). Por meio do irmão, chega-se ao sentido da fantasia primitiva: Meu pai não o(a) ama. É por esse meio que a intervenção do pai assume seu valor primordial para o sujeito. Essa fantasia arcaica nasce numa relação triangular anterior ao Édipo e não inclui a mãe, mas articula o sujeito, o irmão e o pai, já presente mesmo antes do Édipo. Na solução da primeira fantasia, trata-se de abolir o irmão simbolicamente. Assim, o chicote com o qual ele apanha, traz um caráter de contenção de sua onipotência. Nesse tempo em que o sujeito figura como criança espancada, a fantasia assume, para Lacan, um valor completamente diferente, imprimindo o enigma da essência do masoquismo. Isolando o significante com que se opera o ato de bater, o instrumento, Lacan, encontra no chicote o caráter fundamental da fantasia. Outro aspecto ressaltado por Lacan é que o meio de anular a realidade rival do irmão torna-se, secundariamente, aquilo mediante o qual o próprio sujeito se vê distinguido, reconhecido. Depois da saída do Édipo, num terceiro tempo, não resta outra coisa da fantasia senão um esquema geral da situação dessubjetivada. Essa é a forma estabilizada da fantasia. Na medida em que uma parte da relação entra em ligação com o eu do sujeito, as fantasias consecutivas se organizam e se estruturam. Assim persiste, no material do significante, esse objeto - o chicote, que permanece como um signo- pivô, quase o modelo da relação com o desejo do Outro. Situando o Bate-se numa criança como uma fantasia banal, Lacan insistirá nessa fantasia no decorrer do seminário 6 (Lacan[1958-9], inédito) a partir dos traços essenciais da transferência do afeto do sujeito em presença de seu desejo, sobre o seu objeto narcísico, para captar como se pode formular a necessidade da fantasia como suporte do desejo. Lacan retoma então a primeira fase da fantasia, que presentificaria a qualidade mais aguda do amor e do ódio visando o ser do outro, submetido ao máximo da degradação, na valorização simbólica pela violência e pelo capricho paterno. Tal injúria narcísica visa, no sujeito odiado, o que é demandado para além de toda demanda. Lacan se atém ao fato de Freud exprimir que entre esta fase e a seguinte devem passar-se algumas grandes transformações. Essa alguma coisa em que ele viu o outro como precipitado da sua dignidade de sujeito ereto, de pequeno rival: alguma coisa se

4 abriu nele que lhe faz perceber que é nesta possibilidade mesma de anulação subjetiva que reside todo o seu ser enquanto ser existente, que é aí roçando de perto essa abolição que ele mede a própria dimensão na qual ele subsiste como ser-sujeito-a-querer. Essa segunda fase interessa a Lacan no mais alto grau por ser a fórmula do masoquismo primordial. Lacan reafirma que trata-se de que o outro, o irmão rival presa da cólera e do castigo infligido pelo objeto amado é substituído, pelo sujeito, por ele mesmo sofrendo o castigo. No momento terceiro, o sujeito é evasivo quanto a quem bate. Sua fantasia serve de suporte ao seu desejo para a realização masturbatória, mas o sujeito está inteiramente neutralizado: Ele é se. E quanto ao que é batido, é múltiplo: muitas crianças. Por um lado, instrumento da alienação porquanto é desvalorização, ele é bate-se [on bat] de um lado. Ele se torna o instrumento fálico enquanto ele é instrumento de sua anulação. Ele é confrontado a uma espécie de extrato de objeto. Aponta-se, nesse momento, o que faz o instante privilegiado do gozo do sujeito. Para encontrar o gozo, o sujeito se deseja desejante de algo que lhe permita sustentar seu desejo, em sua precariedade. O sujeito apresenta-se como um ser para, na posição ambígua do neurótico em que reside seu para ser. A corrente da tensão original do ser é tomada em uma série de alternativas que a máquina simbólica do discurso desprende. O sujeito se identifica com a discordância dessa máquina com relação à corrente vital, fundamentando um corte ao mesmo tempo constitutivo e irremediavelmente externo ao discurso que constitui o sujeito que se identifica com esse corte, como forcluído [verworfen]. Na primeira fantasia o afeto acentuado é sádico. O sujeito atormentado está de tal maneira entre os dois que se faz idêntico àquilo com que se bate, o instrumento que intervém muito frequentemente como personagem essencial, na estrutura imaginária do desejo. Lacan tenta defini-lo: o desejo é algo pelo que o sujeito se situa em relação a uma demanda articulada nos significantes recalcados. Diferente da demanda que pede, o desejo é do seu ser, é o que ele é em função dessa demanda. É o que ele é na medida em que a demanda está recalcada, expressa de maneira fechada na fantasia de seu desejo. A restituição do sentido da fantasia, está entre o enunciado da intenção do sujeito e esse algo do ser que se liga no discurso. Por isso, essa intenção comparece de maneira decomposta, fragmentada e refratada pela língua. Entre o ser e o discurso a fantasia suspende a relação entre o simbólico e o ser.

5 Ao abordar a fantasia na perspectiva de sua lógica e dedicando-lhe um ano de trabalho, no seminário 14, Lacan ([1966-7],inédito) se detém na observação freudiana de que, em Bate-se numa criança, jamais o sujeito, o eu [Ich], é reconhecido ou incluído no enunciado. Somente a reconstrução permite ao eu tomar lugar. Por isso, Lacan passa a definir a fantasia como expressão do suporte da pulsão. Lembrando o que, da pulsão é rastreado, a estrutura da frase Bate-se numa criança seria então uma montagem gramatical essencial ao funcionamento da pulsão, ordenando as inversões, reversões e complexidades. Tal estrutura gramatical seria a essência do Isso da segunda tópica freudiana. Dessa perspectiva o Isso é a essência do não-eu que se anuncia por si mesmo. Trata-se do que, na estrutura lógica do discurso, é tudo o que não sou eu, ou seja, todo o resto da estrutura gramatical. Para dar conta disso só se pode marcar a linha que divide dois complementares: (1) o eu do bate (puro ser que se recusa, que não há) com (2) o que resta de articulação do pensamento como estrutura gramatical da frase. O Isso é um pensamento mordido por um eu penso que não é eu. Não se trata de nenhum ser: o isso fala que caracteriza a função do inconsciente é que não há ninguém, não sou eu que pensa. O inconsciente se mostra nessa parte perdida que é o eu não sou, verdade da sua alienação. A fantasia é uma frase com uma estrutura gramatical que articula sua lógica, despertando o desejo. Sua significação fisga o Eu que é, não sendo. Afinal, a significação escapa, só podendo apresentar sua fórmula. Entretanto a fantasia é tão fechada quanto importante, pois centra o mundo do neurótico, permitindo compreendêlo sob sua moldura. O inconsciente se prende à economia da fantasia, comportando, por isso, uma função de gozo. O fantasma parece estar ali como uma espécie de muleta ou de corpo estranho, algo que tem uma função bem determinada: prover certa carência do desejo posto em jogo na entrada do ato sexual. Como mostra a impossível manifestação do segundo tempo da fantasia Bate-se numa criança, a fantasia resiste a ser inserida no discurso do inconsciente, devendo ser tomada tão literalmente quanto possível para permitir encontrar, em cada estrutura neurótica, leis de transformação que lhe assegurarão o lugar de verdade de um axioma, na dedução dos enunciados do discurso inconsciente, seja na sustentação da economia de gozo no desejo prevenido da fobia, do desejo insatisfeito da histeria ou do desejo impossível da obsessão.

6 No ato psicanalítico, seminário 15 (1967-8, inédito) Lacan continua a marcar o lugar do eu não penso como essa forma de sujeito que aparece arrancado do que seria seu campo. Essa dimensão própria à gramática faz a fantasia ser literalmente dominada por uma frase que se sustenta apenas em sua dimensão gramatical: bate-se numa criança. Desde que haja uma forma gramaticalmente correta, o eu penso faz tanto sentido quanto qualquer não-senso. Assim, nessa lógica regida pela negação incidindo ora sobre o Outro, ora sobre o sujeito, a gramática é um ramo da alternativa em que esse sujeito é tomado quando ele passa ao ato, situação em que o sujeito não é eu, mas apenas um efeito de seu ato. Por isso, Lacan sustenta que a fantasia limita-se a uma montagem gramatical acéfala, na qual se ordena, seguindo diversas inversões, o destino da pulsão. Esse conceito de gramática pura que permite situar as fantasias e o eu imaginário [moi] que é sua matriz, deve constatar a existência do agramatical que, ainda assim, é lógico. As manifestações da verdade do sujeito, nessa mesma língua da fantasia, estão presentes no chiste, no ato falho e no sonho, ou seja, manifestações com relação às quais o sujeito só pode se situar do lado de um eu não sou. No seminário 16, Lacan (2008[1968-9]) toma a frase da fantasia Bate-se uma criança, explicitando a impossibilidade de tornar o sujeito equivalente de uma imagem onivalente no discurso. A hipótese do inconsciente nos confronta a uma regra de pensamento assegurada pelo não-pensamento que o causa. Assim, longe de meu pensamento ser regulado a meu bel-prazer, eu só existo como pensamento na medida do fora-de-sentido dos ditos. O ser do pensamento só estaria efetivamente no que Lacan nomeia de entre-senso. Ali por onde a causa passou, produzem-se efeitos de pensamento. O ser do pensamento é a causa de um pensamento como fora-de-sentido. A fantasia Bate-se numa criança reaparece no seminário 17 (Lacan,1992[ ) depois da elaboração lacaniana sobre a fantasia de flagelação. Aí, a gloria da marca sobre a pele é a raiz da fantasia de flagelação que inspira o sujeito, quando este se identifica ao objeto de gozo do Outro. Nessa fantasia, o gozar do sujeito assume sua ambiguidade fazendo equivaler o gesto do Outro que marca e o corpo do sujeito como objeto de gozo daquele. Esta afinidade entre a marca deixada pelo Outro e o próprio gozo do corpo distingue, por meio do gozo, narcisismo e relação de objeto. Você me espanca é a metade do sujeito ligado ao gozo. Ele recebe sua própria mensagem de uma forma invertida, seu próprio gozo sob a forma do gozo do Outro, pois nessa fantasia a imagem do pai se junta ao que de início é outra criança. Que o pai

7 goze espancando-o, põe aqui o acento do sentido, como também o dessa verdade que está pela metade. Um corpo pode ser, portanto, sem rosto. Trata-se do Outro, que tem um corpo sem existir. Aquela criança da outra metade não era, de início, o sujeito. Só reconstituindo o estádio jamais lembrado, o sujeito constata ser ele mesmo. 3 Para concluir: a fantasia na estrutura do sujeito Normalmente, o ser vivo se estabelece com o recurso à homeostase do prazer. Diferido do ser vivo, o sujeito ganha consistência da imagem especular, sendo, entretanto sustentado pelo objeto perdido da satisfação e do traço da linguagem que, ao ser repetido, marca sua ausência. Assim se introduz, no ser do sujeito, um pequeno desvio apreendido como perda a ser recuperada. É o que motiva nomear de mais-de-gozar, essa alguma coisa necessária para compensar a perda: um não-sei-quê, que bateu, fez gozo. Ressoando no corpo, torna-se gozo a repetir, necessitando para isso o trabalho do saber. Derivado do traço unário, e, em seguida, da articulação significante, o saber é meio de gozo. Em sua origem, ele se reduz à articulação significante. Certos objetos préformados vêm preencher o que há de hiância na articulação significante, servindo de tampão. Tal saber é meio de gozo. Quanto mais ele trabalha, mais produz perda, acessando o que está em jogo no gozo. Instaura-se então a dimensão ambígua do gozo impulsionado pela função do mais-de-gozar. Nisso se traduz, se arremata e se motiva o que pertence à incidência do significante no destino do ser falante. O ser humano, tem que se aparelhar com essa estrutura, apalavrando-se. A instauração e a função da fantasia são localizadas a partir da união do ser com o significante que o representa para identificar-se. O sujeito produz, nessa identidade, uma perda, nomeada objeto a. Afinal, do gozo, o sujeito só tem o traço que o marca, pois algo só se produz aí se um objeto for perdido. Nessa brecha se produz e cai o mais-degozar que o sujeito não consegue nomear. Já não idêntico a si mesmo, daí por diante, o sujeito perde gozo. Resta-lhe lidar com o mais-de-gozar correlato à entrada em jogo do que então passa a determinar tudo o que acontece com o pensamento (Lacan, 1992[ ]). O que confere ao sujeito a unidade pré-consciente que permite sustentar sua pretensa suficiência como sujeito de um discurso é a fantasia em torno do ser desse a, mais-degozar que, até certo ponto, consuma o seu congelamento numa unidade. Na fantasia, um

8 significante qualquer, na cadeia, passa a ser relacionado com um objeto: o pequeno a, que é fabricado na relação com o mais-de-gozar. Pelo início do funcionamento do organismo, o objeto pode assumir a imagem das entidades evanescentes. Essas são algumas das fabricações do discurso impulsionadas pelo fato de poder produzir, em torno delas, o mais-de-gozar. Esse esquema permite conceber como é em torno da fantasia que se articula o que acontece na produção do a. A reiteração do significante que representa o sujeito, $, em relação a ele mesmo, é correlata ao objeto a. Por isso, a relação do sujeito com o objeto, ganha consistência na fantasia que produz algo que não é nem sujeito nem objeto. A partir daí, os outros significantes ao se encadearem, ao se articularem e ao mesmo tempo, ao se cristalizarem no efeito de significação, podem introduzir o efeito de metonímia que consolida o sujeito. (Lacan, 2008 [1967-8]) Enfim, a fantasia Bate-se numa criança comparece algumas vezes nos seminários de Lacan, ganhando, a cada vez, nuances próprias que não esgotam a importância e elaboração do tema em sua obra. Entretanto, como fizemos nesse item, a partir da abordagem específica de Bate-se numa criança, situamos a incidência da fantasia na constituição do sujeito, considerando as elaborações contíguas à abordagem de Bate-se numa criança, presentes nos últimos seminários (Lacan 1992, 2008) em que Lacan a aborda. Bibliografia Freud, S. (1919) Batem numa criança : contribuição ao conhecimento da gênese das perversões sexuais, vol.14, Sigmund Freud Obras Completas, São Paulo, Cia das letras, 2010 Lacan, J.[1956-7] O Seminário, livro 4, A relação de objeto, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., [1957-8] O Seminário, livro 5, As formações do Inconsciente, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed.,1999. [1958-9] Le Séminaire, libre 6, Le désir et son interpretation, Paris, Editions de La Martinière, 2013 [1967-8] Seminário 14, La logique du fantasme, inédito. [1968-9] Seminário 15, L acte analitique, inédito. [ ] O Seminário, livro 17, O avesso da psicanálise, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 1992.

9 [1967-8]) O Seminário, livro 16, De um Outro ao outro, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed.,2008

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Oscar Zack O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas mediatizadas pelas imagens. Guy

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana

Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana Gilberto Gobbato A mulher sem pecado: fantasia rodrigueana Trata-se da mostração da fantasia fundamental, tal qual Freud propõe a partir dos três tempos da gramática da fantasia, na peça teatral A mulher

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO

ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO 1 ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO Ao descobrir a Psicanálise Freud se defrontou com a inesperada necessidade de lançar mão de conceitos que pertencem a outras ciências como a Antropologia e a Lingüística, já

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha Aríete Garcia Lopes Vera Vinheiro Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha o horizonte do discurso psicanalítico. Situada aquém do inconsciente e do recalque, ela escapa

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Lia Novaes Serra Introdução Sabemos que o ensejo por realizar uma operação plástica, que acomete, sobretudo, às mulheres, aparece como uma urgência do feminino

Leia mais

O sujeito e os gozos #08

O sujeito e os gozos #08 nova série @gente Digital nº 8 Ano 2 Abril de 2013 Revista de Psicanálise O sujeito e os gozos Pierre Skriabine Isso goza e não sabe, nota Lacan na página 104 do seu Seminário Encore, no capítulo intitulado

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

O trauma da poesia inconsciente

O trauma da poesia inconsciente O trauma da poesia inconsciente Marlise Eugenie D Icarahy Psicanalista, doutoranda do Programa de pós-graduação em Psicanálise da UERJ e psicóloga da Prefeitura do Rio de Janeiro. O complexo de Édipo,

Leia mais

Escrita poética chinesa. interpretação no último Lacan Cleyton Andrade

Escrita poética chinesa. interpretação no último Lacan Cleyton Andrade Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 18 novembro 2015 ISSN 2177-2673 e a interpretação no último Lacan Cleyton Andrade No início da lição de 20 de dezembro de 1977 do seminário O momento de concluir

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente.

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente. I Minhas senhoras e meus senhores! É para mim uma experiência nova e desconcertante apresentar me como conferencista no Novo Mundo diante de um público interessado. Parto do princípio de que esta honra

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Fernando Del Guerra Prota O presente trabalho surgiu das questões trabalhadas em cartel sobre pulsão e psicossomática. Não se trata de

Leia mais

O sujeito e o tempo das escolhas 1

O sujeito e o tempo das escolhas 1 O sujeito e o tempo das escolhas 1 Rita Bícego Vogelaar Trabalho apresentado na Jornada de Encerramento das FCFCL-SP- 2005 Estou chegando esse ano ao Fórum e fiquei pensando nesse espaço, nessa Jornada

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO

CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO María Rosa Borgatello de Musolino * RESUMO: Toda vez que o ser humano é confrontado com a tarefa da convivência, o amor participa na gênese da consciência

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM NA ADOLESCÊNCIA AULA 03: ABORDAGEM DA PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO TÓPICO 01: AS FASES DO DESENVOLVIMENTO HUMANO Para compreendermos a natureza do comportamento

Leia mais

THE BODY AND THE OTHER

THE BODY AND THE OTHER Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line nº 13 Julho a dezembro de 2013 Título: O corpo e o Outro Autora: Sandra Maria Espinha Oliveira Psicóloga, Analista praticante,

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE Tereza Raquel Tomé Adeodato Laéria Bezerra Fontenele Miguel Fernandes Vieira Filho Orlando Soeiro Cruxên Quando nos deparamos com a interseção entre Psicanálise

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012 Título: A sintonia do eu com o sintoma: a problemática da angústia na neurose obsessiva Autora: Simone Souto Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Manuela Rossiter Infância - tempo de brincar, coisa séria. Sônia Pereira Pinto da Motta O atendimento de crianças

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

A violência na relação mãe-filha

A violência na relação mãe-filha 1 Mesa-redonda: VIOLÊNCIA E PODER: REPERCUSSÕES NO FEMININO Coordenação: Profa. Dra. Rita Maria Manso de Barros A violência na relação mãe-filha Marlise Eugenie D Icarahy 1 Rita Maria Manso de Barros 2

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito,

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito, 1 TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE Marisa De Costa Martinez i Tiago Ravanello ii Nem só a Arte e a Ciência servem; No trabalho há que mostrar paciência 1 São a fome e o amor

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial

GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial 1 GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial Por Maurício Gieseler de Assis *Material de livre distribuição **Proibida a reprodução total ou parcial sem a devida citação da fonte Estudar

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO Lucy_de_Castro_O_Caso _Emma_uma ilustração_do_projeto 1 Emma_Projeto_Primeira_mentira_ O caso Emma ilustra o capítulo II do Projeto para uma Psicologia Científica, desenvolvido por Freud a partir de suas

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

Uma introdução Chafia Américo Farah 1

Uma introdução Chafia Américo Farah 1 PASSAGEM AO ATO, ACTING OUT, ATO PSICANALÍTICO: Uma introdução Chafia Américo Farah 1 Palavras chaves: passagem ao ato, acting,psicose,gozo Manhãs de quartas-feiras. Caso clínico ou apresentação de pacientes?

Leia mais

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de EX-SISTO, LOGO SÔO Eriton Araújo O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de um aforismo. Mas, para que mais um aforismo para o sujeito da psicanálise? Se considerarmos

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC

Hebe Laghi de Souza. DARWIN e KARDEC Hebe Laghi de Souza DARWIN e KARDEC U M D I Á L O G O P O S S Í V E L CAMPINAS SP 2007 Sumário prefácio...xvii Capítulo 1 novos conhecimentos... 1 Dois livros, duas teorias um novo rumo...1 Detonando o

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

A dimensão aditiva do sintoma

A dimensão aditiva do sintoma Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 Glória Maron Introdução Vivemos um tempo posterior à queda dos ideais e das figuras clássicas de autoridade que encarnam a função

Leia mais

A verdadeira mãe é a mãe adotiva

A verdadeira mãe é a mãe adotiva A verdadeira mãe é a mãe adotiva 1 Maria Rita de Oliveira Guimarães Palavras-chave: caso clínico, verdadeira mãe, adoção, romance familiar Primeiramente, gostaria de contextualizar a clínica de onde extraí

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais