Nas linhas e nas entrelinhas...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nas linhas e nas entrelinhas..."

Transcrição

1 1 Área Professora PDE Professora orientadora IES NRE Escola Conteúdo estruturante Conteúdo específico Título Relações interdisciplinares Língua Portuguesa EJA Susana Andréia dos Passos Noemia Hepp Panke Curitiba CEEBJA Paulo Freire O discurso enquanto prática social: oralidade, leitura, interpretação e escrita. Recepção e interpretação de texto de diferentes linguagens veiculadas socialmente. Nas linhas e nas entrelinhas História e Artes Nas linhas e nas entrelinhas... Desde o início da humanidade os homens têm procurado se comunicar uns com os outros em razão de suas necessidades materiais e afetivas. No princípio através de sons que se transformaram, posteriormente, em palavras (linguagem verbal e sonora); utilizando movimentos corporais (linguagem cinética) ou construindo imagens, conforme os desenhos rupestres, preservados nas paredes de cavernas (linguagem icônica). Essas linguagens básicas, tão importantes agora como no começo da civilização, originaram nas demais linguagens que hoje circulam socialmente. A escrita foi criada em torno de 4000 a.c. e, com ela, na medida em que acontecimentos ultrapassaram o tempo e o espaço, o homem, único ser capaz de evoluir culturalmente, deixou registrada a sua história (VICENTINO, 1997, p. 16). O invento da imprensa, no século XV, deu novo rumo à escrita e o livro tornouse o primeiro meio popular de comunicação, essencial para difundir a cultura.

2 2 Figura 1: Foto de casal desconhecido. Fonte: Com a invenção da fotografia, em 1822, começou a era da imagem. Paralelamente, surgiu a imprensa de massa e com ela, anúncios publicitários. A reprodução tipográfica da fotografia aconteceu em 1884 e além de sua aplicação em jornais, possibilitou a produção de revistas. No fim do século XIX os irmãos Lumière inventaram o cinematógrafo, acrescentando à imagem fixa (fotografia) a imagem móvel. Essa nova linguagem, o cinema, resultou nas modernas técnicas de comunicação (GUTIERREZ, p. 16). Apareceram então o rádio, a televisão, o computador e a internet. A televisão permite que som e imagem levados cotidianamente aos lares forneçam instantaneamente, informações escritas em revistas e jornais, ou obtidas através de outros contatos, pessoais ou não. Assim, a linguagem veiculada socialmente pode ampliar a visão de mundo de seus receptores e influenciar suas atitudes.

3 3 As idéias contidas nas diferentes linguagens referem-se ao contexto da época em que são produzidas e de acordo com o pensamento de quem as produz. Ou seja, há sempre interesses pessoais, políticos e econômicos ligados aos textos pessoais ou da mídia, sejam eles verbais ou não verbais. Conforme se viu, como formas de comunicação, o homem tem usado tanto a linguagem dos gestos e das imagens, como a dos sons há muito tempo das pinturas rupestres da pré-história às renascentistas, das diversas artes de muitas civilizações até a tecnologia dos meios atuais. Figura 2: Pintura de Leonardo da Vinci Retrato de Mona Lisa Fonte: Cabe ao avanço tecnológico a articulação das diferentes linguagens possibilitando extraordinárias formas de expressão.

4 4 Não há como negar que os conteúdos das múltiplas linguagens veiculadas socialmente sejam atrativos e interessantes, mas também alienantes e manipuladores, altamente persuasivos. Ressalte-se ainda que a rapidez dos processos comunicativos não permite que muito da informação que recebemos seja percebido conscientemente, mas em fragmentos ou subliminarmente e esse fato pode gerar confusão ou causar algum mal-entendido. Você já reparou que estamos em contato permanente com uma enorme quantidade de diferentes linguagens, sejam elas verbais ou não verbais, por diferentes meios? E que precisamos entender o que lemos, ouvimos, vemos ou sentimos? Figura 3: Como!!!???... Fonte: Arquivo próprio (Charge. Daniela Passos/2007) Quanto melhor compreendermos o mundo que nos cerca, através das diversas linguagens que nos são constantemente apresentadas, melhor nos posicionaremos diante de nossos relacionamentos, ou da nossa comunidade ou na sociedade em que vivemos.

5 5 Agora vamos exercitar nossa recepção e interpretação de textos, verbais ou não, através de algumas das diferentes linguagens veiculadas socialmente. Tente interpretá-las conforme suas linhas e entrelinhas. Atividades: Oralidade, Leitura, Interpretação e Escrita Observe com atenção as imagens abaixo. Como você as interpreta? Todas elas têm relação com o tema que você vai trabalhar em seguida. Figura 4: Raquete e bolinha de tênis Figura 5: Raquetes e bolinha de frescobol Fonte: Arquivo próprio Fonte: Arquivo próprio Olhando as fotos, você já tem idéia sobre o assunto do trabalho? Então, observe os sinais de trânsito... Figura 6: Pista dividida Figura 7: Sentido duplo Figura 8: Mão dupla Fonte: Está ficando mais claro? Veja as próximas fotos...

6 6 Figura 9: Comemoração Fonte:Arquivo próprio Figura 10: Bolo de casamento Fonte: Arquivo próprio Jogos de tênis e de frescobol, indicativos de direções, imagens de comemorações, o que têm em comum? Na crônica Tênis, frescobol e casamentos, o autor Rubem Alves compara casamentos com jogos de tênis e de frescobol. Para melhor explicar suas razões,

7 7 cita ao longo do texto, entre outros, Nietzsche e Barthes e também a personagem Xerazade. Observe os fragmentos:... uma afirmação de Nietzsche, com a qual concordo inteiramente. Dizia ele: Ao pensar sobre a possibilidade do casamento cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: Você crê que seria capaz de conversar com prazer com esta pessoa até a sua velhice?' Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar. Xerazade sabia disso. E... Barthes advertia: Passada a primeira confissão, eu te amo' não quer dizer mais nada. (<http://www.rubemalves.com.br) Atividade individual 1. Você sabe como são os jogos de tênis e de frescobol? Descreva-os em poucas linhas, identificando a diferença básica entre eles. 2. É possível encontrar semelhanças entre casamentos e jogos de tênis e jogos de frescobol? Escreva, sucintamente, sua opinião. 3. Como você pode vincular todo o conjunto de imagens visto aos casamentos ou relacionamentos em geral? Que sentido há entre fotos de jogos e de comemoração e placas que indicam sentidos distintos? Atividade em grupo 1. Certamente já ouviu falar em Nietzsche, sobre quem há uma referência na crônica mencionada. Pesquise sobre ele e mostre aos colegas o cerne de seu pensamento e sua relação com a citação feita, conforme fragmento acima. (Grupos 1 e 4). 2. Quando se trata de relacionamento conjugal e comunicação, a contadora de histórias Xerazade pode ser sempre citada e há uma importante razão para isso. Pesquise sobre a personagem e a razão de suas histórias e traga a informação para os colegas. (Grupos 2 e 5).

8 8 3. Você leu sobre a advertência de Barthes: "Passada a primeira confissão, 'eu te amo' não quer dizer mais nada." Não usando a forma verbal, de que outros modos pode-se dizer o mesmo através de diferentes linguagens? E outros sentimentos, como podem ser claramente demonstrados, sem o uso de palavras? Pesquise e apresente exemplos e conclusões aos colegas. (Grupos 3 e 6). Atividade coletiva: Oralidade As fotos de raquetes, placas de trânsito indicativas de direções e imagens de comemorações pareciam nada ter em comum. Mas, geraram reflexões sobre o trabalho mesmo antes de seu início: comunicação e relacionamento. As pesquisas elaboradas facilitaram sua compreensão sobre o tema. Você percebeu que quanto mais lemos, pesquisamos e observamos os conteúdos de um tema, melhor o compreendemos? Para interpretarmos convenientemente as linguagens veiculadas socialmente não podemos realizar uma leitura superficial dos textos. Temos que ler além das linhas. 1. Com as informações obtidas até aqui, através de leituras de diferentes linguagens aliadas a sua experiência de vida, o que você conclui quanto aos relacionamentos conjugais que conhece? 2. E o relacionamento entre irmãos, família, amigos, colegas, que você observa, de que tipos são? Lembre-se que também nesses relacionamentos muito pode ser dito através de diversas linguagens. A interpretação de texto das diferentes linguagens veiculadas socialmente se dá a partir de nossas experiências individuais. Dependendo de como é nossa leitura de mundo será construído o sentido do que lemos, ouvimos, vemos e sentimos. Para que um texto, verbal ou não verbal, torne-se significativo e produza sentido para o leitor, atingindo sua finalidade, é preciso que busquemos no processo sócio-comunicativo a intenção do autor assim como a contextualização

9 9 da produção que ele apresenta. A intenção é o interesse do autor em criar um texto verbal ou não, que traduza e comunique seus pensamentos e suas idéias, com finalidades como contar, opinar, convencer, entre muitas outras. Pode ser resumida em o que ele quer com isso?. A contextualização é a relação entre o texto produzido e as circunstâncias que acompanham a situação comunicativa. Além disso, é muito importante que o receptor interaja com o autor do texto, independente do tipo de linguagem veiculada socialmente, através da inferência, que é a possibilidade de dedução de fatos citados no texto a partir de experiências próprias. Também são importantes a aceitabilidade (disposição do recebedor de colocar a serviço da compreensão do texto todo o conhecimento de que dispõe), a informatividade (suficiência de dados necessários ao processamento do texto) e a intertextualidade (utilização de outro texto para compreensão do texto lido) (VAL, 2004, p. 10). Atividade individual: Interpretação Como você já conhece alguns itens envolvidos no processo sóciocomunicativo (intenção, contextualização, inferência, aceitabilidade, informatividade, intertextualidade) analise e interprete sob seu prisma as diferentes linguagens veiculadas socialmente. Reforçando o que vimos sobre as diferentes linguagens que fazem parte de nossas vidas, você pode assistir ao filme O baile, de Ettore Scola, um dos mais importantes diretores italianos de cinema. O baile é uma obra de arte em linguagem não verbal, adaptação de uma peça de teatro, escrita pelo francês Jean-Claude Penchenat. No filme são contadas décadas de História da França e de mundo, dos anos 30 aos 80 do século passado, através de acontecimentos em um salão de baile e, ao mesmo tempo, a história de relacionamentos entre homens e mulheres ao longo do mesmo período (ainda que quanto a estes, a história seja a mesma há muito tempo). O processo comunicativo se dá através das linguagens cinética (dança, gestos, toques, sabores,

10 10 cheiros, expressões faciais e corporais, demonstrações de sentimentos), icônica (imagens e cores) e sonora (músicas, sons diversos e ruídos característicos). Aqui é também necessário que busquemos os itens envolvidos no processo sócio-comunicativo, vistos anteriormente, para compreendermos e interpretarmos adequadamente o filme. Observe atentamente tanto o seu conteúdo como os demais componentes do filme, pois é o conjunto de várias linguagens que compõe e esclarece o texto. Atividade coletiva: Oralidade e Interpretação 1. O que o filme diz a respeito do relacionamento das pessoas? E a respeito da História? Você considera o texto significativo? Por quê? 2. Que situações individuais e sociais, políticas e históricas são apresentadas? Quanto à intenção do autor e a contextualização da obra, o que você tem a dizer? 3. Que tipo de conhecimento prévio é preciso para que se compreenda o filme? O texto trouxe informações suficientes para ser compreendido? De sua parte houve intertextualização? 4. Algo do que foi visto faz parte de sua experiência? Na História? Nos relacionamentos? Nos bailes que freqüentou? 5. As imagens revelam algumas relações de poder, individuais e sociais, políticas e históricas. Quais são? 6. De que forma as linguagens se sobrepõem e indicam as passagens de tempo e de conflitos históricos, sociais e pessoais? 7. Comente a relevância das músicas apresentadas no filme. 8. Você observou que a linguagem verbal (falada) é irrelevante? Qual a intenção do diretor com essa atitude?

11 11 9. Apesar da falta de diálogo entre os personagens do filme, o filme foi compreensível? Por quê? Atividade em grupo: Pesquisa, Interpretação e Exposição Se você assistiu ao filme, viu em O baile alguns anos de História da França e do mundo, contados por diferentes linguagens, exceto a verbal (oral ou escrita). Reparou a importância dos detalhes na identificação das épocas e dos acontecimentos. Seguindo o mesmo propósito, ou seja, o uso de diferentes linguagens veiculadas socialmente, vamos contar a história do Brasil, de 1950 até os dias atuais. Alguns acontecimentos mundiais vão aparecer, em vista da necessidade de contextualização global. É um trabalho de pesquisa abrangente e você terá que buscar material em muitas fontes. Para isso, em equipes e relacionando o trabalho dos grupos, com o material coletado e estudando juntos, vamos fazer painéis lineares e dispostos cronologicamente, sobre os principais acontecimentos políticos, sociais, esportivos e culturais das últimas cinco décadas do século passado até hoje e expor para os colegas da escola. Para montar os painéis traga informações sobre o período citado em todas as linguagens e formas de expressões possíveis. Evite a linguagem verbal usando-a apenas quando extremamente necessária. Você notou que no filme aparecem alguns produtos ainda hoje comercializados e mundialmente conhecidos (bebida, creme dental). Eles atravessaram décadas no comércio, devido em grande parte, à publicidade e propaganda que tiveram nos veículos de comunicação. Publicidade e propaganda também estão inseridas nas linguagens que circulam socialmente, com grande poder de convencimento e que nos afetam diariamente. Portanto, ao lado dos principais acontecimentos políticos, sociais, esportivos e culturais dos últimos tempos, pesquise também a publicidade e colete propagandas de produtos que marcaram épocas, de forma contextualizada (destinatários do produto, meios em que são apresentados, horários e épocas das apresentações e publicações), pois eles igualmente identificam períodos da História.

12 12 O material também será colocado nos painéis conforme a orientação inicial, em fotos de jornais e revistas. Traga ainda material sonoro que acompanhará o respectivo painel. Você ouviu no filme uma música brasileira, Aquarela do Brasil, lançada em 1939 por Ari Barroso. Outras músicas famosas foram ouvidas durante o filme e, como contextualizadas, contaram por si mesmas alguns acontecimentos. Também foram as músicas que deram o tom da passagem de tempo no texto. Ou seja, músicas também marcam épocas e com bastante intensidade. Assim, acompanhando os painéis, traga as músicas brasileiras mais significativas de cada década, que deverão ser ouvidas no decorrer da exposição (de oito a dez músicas para cada época), reforçando os ambientes das épocas contadas. Seja criativo! Que tal alguns números de danças de sucesso que, como linguagens, retratam períodos de Brasil? Nesse caso, com figurinos característicos e harmonicamente estilizados. Grupo 1: de 1950 a Grupo 2: de 1970 a Grupo 3: de 1990 até nossos dias. As equipes deverão interagir umas com as outras para que haja seqüência lógica entre as décadas e troca de material encontrado. Atividade individual Escrita Casamentos e relacionamentos foram vistos em tipos de linguagens diferentes em nossos trabalhos. Pesquise a evolução dos casamentos (relacionamentos) nas últimas décadas e a influência de diferentes linguagens veiculadas socialmente nessa evolução. Não esqueça que homens e mulheres ainda são os mesmos de há muito tempo, com as mesmas paixões, fraquezas e esperanças. Valores e atitudes mudaram? Há diferenças e semelhanças entre os relacionamentos atuais e passados? Meios de comunicação e tecnologias modernas têm responsabilidade pelas mudanças? Insira em seu trabalho fotocópias de reportagens, fotos, depoimentos relativos ao tema.

13 13 Comentário final É importante você saber que toda e qualquer linguagem veiculada socialmente, das quais vimos uma pequena porção apenas, deve ser analisada criteriosamente e com a ajuda dos itens envolvidos no processo sócio-comunicativo (intenção, contextualização, inferência, aceitabilidade, informatividade, intertextualidade), pois pode levar a mudanças de valores e atitudes, tanto individuais como sociais. São meios importantíssimos de comunicação e informação, capazes de tornar os cidadãos cientes de sua capacidade de interagir em seu meio e de sua responsabilidade quanto à construção de sua história. REFERÊNCIAS 1. ALVES, Rubem. Tênis, frescobol e casamentos. Disponível em <http://www.rubemalves.com.br> Acesso em 16/11/ GUTIERREZ, Francisco. Linguagem total: uma pedagogia dos meios de comunicação. São Paulo: Summus, MINIDICIONÁRIO Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, SCOLA, Ettore; MACCARI, Ruggero; PENCHENAT, Jean Claude. O Baile. São Paulo: Platina Filmes Distribuidora Ltda, VAL, Maria da Graça Costa. Redação e textualidade. São Paulo: Martins Fontes, VICENTINO, Cláudio. História Geral. São Paulo: Scipione, 1997.

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Um mercado de oportunidades

Um mercado de oportunidades Um mercado de oportunidades Como grandes, pequenas e médias empresas se comunicam? Quem são os principais interlocutores e como procurá-los? Como desenvolver uma grande campanha e inovar a imagem de uma

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

WEBQUEST NO ENSINO DE HISTÓRIA: Ligações interdisciplinares e aceitação dos alunos diante esta ferramenta.

WEBQUEST NO ENSINO DE HISTÓRIA: Ligações interdisciplinares e aceitação dos alunos diante esta ferramenta. WEBQUEST NO ENSINO DE HISTÓRIA: Ligações interdisciplinares e aceitação dos alunos diante esta ferramenta. Michelle Mattar Pereira de Oliveira * Bianca Luiza Silva ** INTRODUÇÃO Primeiramente é necessário

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

Textos e imagens / Mónica G. Zoppi Fontana. Caro Aluno:

Textos e imagens / Mónica G. Zoppi Fontana. Caro Aluno: 1 Caro Aluno: Essa atividade pós-exibição é a quarta, de um conjunto de 7 propostas, que têm por base o segundo episódio do programa de áudio Hora de Debate. As atividades pós-exibição são compostas por

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I Profa. Ma. Andrea Morás Unidade I COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Comunicação empresarial Definição: Compreende um conjunto complexo de atividades, ações, estratégias, produtos e processos desenvolvidos para reforçar

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

como a arte pode mudar a vida?

como a arte pode mudar a vida? como a arte pode mudar a vida? LONGE DAQUI, AQUI MESMO 1 / 2 Longe daqui, aqui mesmo 1 Em um caderno, crie um diário para você. Pode usar a escrita, desenhos, recortes de revista ou jornais e qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Relatório referente ao encontro realizado no Departamento de educação física (03/06/2015)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Relatório referente ao encontro realizado no Departamento de educação física (03/06/2015) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PAULO CÉSAR DUTRA JUNIOR PIBID SUBPROJETO EDUCAÇÃO FÍSICA 0 física (03/06/2015) O primeiro assunto pautado na reunião foi sobre o V SEMINÁRIO INSTITUCIONAL PIBID/UFPR 2015,

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

História da Mídia Impressa na Educação

História da Mídia Impressa na Educação História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

Daniele Renata da Silva. Maurício Carlos da Silva

Daniele Renata da Silva. Maurício Carlos da Silva SILVEIRA, Rosa Maria Hessel; SANTOS, Cláudia Amaral dos. Revistas pedagógicas e identidades de professor/a: quem é o docente de Profissão Mestre e Nova Escola. In: BASTOS, Liliana Cabral; MOITA LOPES,

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

célia collet mariana paladino kelly russo

célia collet mariana paladino kelly russo Apresentação Este livro é produto de uma inquietação resultante de nossas pesquisas e de práticas docentes e de extensão universitária, ao apreender o modo como as culturas e as histórias indígenas são

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso: Pedagogia - vespertino Disciplina: EDM0323 - Metodologia do ensino de português: a alfabetização. Docente: Prof.ª Nilce da Silva Aluna (nºusp): Flávia

Leia mais

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR MARINA COELHO PEREIRA (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), KAREN CERDEIRA BECK (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), TATIANA

Leia mais

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a A arte da fotografia Ao longo do tempo, novas formas de arte foram surgindo. Os antigos não conheceram o cinema e a fotografia, por exemplo, que hoje são manifestações artísticas importantes. A proposta

Leia mais

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA A A Unidade IV Ciência - O homem na construção do conhecimento. 2 A A Aula 39.2 Conteúdos: Anúncio publicitário: A construção de um anúncio publicitário. 3 A A Habilidades: Relacionar linguagem verbal

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) Carros Usados 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio Carros Usados faz parte da

Leia mais

Aula 02 O ATO DE LER ATO DE LER

Aula 02 O ATO DE LER ATO DE LER Aula 02 O ATO DE LER Nesta aula trataremos sobre um assunto extremamente interessante: a leitura. Você já parou para pensar sobre as diversas formas de leitura que temos a oportunidade de fazer?? E de

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR.

O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR. O PRECOCE PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO COM CRIANÇAS DE 4 e 5 ANOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR. Pamella Evangelista Santana 1 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul-UFMS Eixo Temático: 9- Infância e Alfabetização

Leia mais

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO Ana Karla Pereira de MIRANDA Universidade Federal do Mato Grosso do Sul PPGMEL ak_miranda@hotmail.com Resumo:

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

REGISTROS REUNIÃO DO PROGRAMA ENERGIA SOCIAL NA E.E SALVADOR MORENO MUNHOZ. TEORODO SAMPAIO - SP

REGISTROS REUNIÃO DO PROGRAMA ENERGIA SOCIAL NA E.E SALVADOR MORENO MUNHOZ. TEORODO SAMPAIO - SP 1 REGISTROS REUNIÃO DO PROGRAMA ENERGIA SOCIAL NA E.E SALVADOR MORENO MUNHOZ. TEORODO SAMPAIO - SP Data: 01/09/2012 Horário: 18h às 20h. Munhoz Município: Teodoro Sampaio Carneiro da Silva Gonçalves Número

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

Construindo uma aula significativa passo-a-passo.

Construindo uma aula significativa passo-a-passo. Construindo uma aula significativa passo-a-passo. www.juliofurtado.com.br SINOPSE: O As sete etapas da construção de um conceito. O Os três momentos de uma aula significativa. O A mediação de conflitos

Leia mais

Área - Relações Interpessoais

Área - Relações Interpessoais Área - Relações Interpessoais Eu e os Outros ACTIVIDADE 1 Dar e Receber um Não. Dar e Receber um Sim. Tempo Previsível 60 a 90 m COMO FAZER? 1. Propor ao grupo a realização de situações de role play, em

Leia mais

248 249 250 251 252 253 Anexo B Textos dos alunos sobre a relação mídia sociedade 254 255 A importância da mídia para sociedade Por Aline da Silva Santos Antigamente, não tinha muitos meios de comunicação.

Leia mais

Projeto Minha Identidade

Projeto Minha Identidade Projeto Minha Identidade Esta apostila é a primeira a ser desenvolvida com as crianças do Espaço Voar e tem como objetivo fortalecer o senso de identidade da criança como indivíduo, oferecendo situações

Leia mais

Como tirar proveito de um balanço na administração financeira...

Como tirar proveito de um balanço na administração financeira... Como tirar proveito de um balanço na administração financeira... José Alberto Bonassoli* Muitos contadores ficam frustrados quando entregam um balancete ou um balanço para administração. São poucos empresários

Leia mais

Todas as atividades que seu(sua) filho(a) realiza na escola, em todas as áreas de conhecimento, estão relacionadas aos objetivos de aprendizagem.

Todas as atividades que seu(sua) filho(a) realiza na escola, em todas as áreas de conhecimento, estão relacionadas aos objetivos de aprendizagem. Brasília, 24 de fevereiro de 2014. Senhores Pais e/ou Responsáveis, Neste documento, listamos os conteúdos e objetivos referentes às aprendizagens pretendidas para os alunos do Maternal II, durante o 1º

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

O que é esse produto? Qual é a marca do produto? Que quantidade de produto há na embalagem? Em que país foi feito o produto?

O que é esse produto? Qual é a marca do produto? Que quantidade de produto há na embalagem? Em que país foi feito o produto? RÓTULOS Rótulo é toda e qualquer informação referente a um produto que esteja transcrita em sua embalagem. O Rótulo acaba por ser uma forma de comunicação visual, podendo conter a marca do produto e informações

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA

O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA Larissa Alves de Oliveira 1 Eixos Temáticos 4. Educação Superior e Práticas educacionais Resumo O Programa

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

2º passo: trabalho com a exploração dos Sentidos. Tato Visão Olfato Gustação Audição. 3º passo: trabalho com uma ou mais Linguagens

2º passo: trabalho com a exploração dos Sentidos. Tato Visão Olfato Gustação Audição. 3º passo: trabalho com uma ou mais Linguagens Para que aconteça então a sequência didática os demais passos podem ser encaixados nos horários diários da escola sem nenhuma outra imposição. temos apenas que lembrar que a Sequência aqui apresentada

Leia mais

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD o seu Site e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Conteúdo Introdução Escrever bem é um misto entre arte e ciência Seus conhecimentos geram mais clientes Dicas práticas Faça

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Concurso: Prêmio AMAVI De Educação 2013 Pequenos Artistas Grandes Talentos Qualidade na Prática da Docência 2013 1 Professora: Aline de Fátima Alves

Leia mais

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Mestranda em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. ly_carol@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

Cartilha da FIJ Os Jornalistas e o Direito Autoral

Cartilha da FIJ Os Jornalistas e o Direito Autoral Cartilha da FIJ Os Jornalistas e o Direito Autoral Esta é uma publicação que tem como tema o direito autoral dos jornalistas. Um tema intimamente ligado aos direitos dos cidadãos e da cidadania. Mas este

Leia mais

Não se pode conceber mais nenhuma ideia clara

Não se pode conceber mais nenhuma ideia clara Não se pode conceber mais nenhuma ideia clara SDAH como perturbação cultural, desencadeada pela quantidade cada vez maior de telas. Christoph Türcke sobre seu livro Hyperaktiv! Kritik der Aufmerksamkeitsdefizitkultur

Leia mais

CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4. Prof. Breno Brito. Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS

CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4. Prof. Breno Brito. Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4 DESENVOLVIMENTO DE CAMPANHA Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS OUTUBRO 2008 OS TIPOS DE CAMPANHAS Já vimos que campanha publicitária é um

Leia mais

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa.

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa. MÍDIA, IDENTIDADE CULTURAL E SOCIEDADE Viviane L Martins Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP Resumo Este artigo visa uma breve análise sobre o modo como a mídia interage com a sociedade de cultura.

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas Apresentação e Objetivos Estamos bem adiantados em nosso curso. Já falamos sobre o conceito de arte, conhecendo um pouco de cada linguagem artística. Hoje,

Leia mais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais Dayanne Cristina Moraes de DEUS; Dulcéria TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES; Reila Terezinha da Silva LUZ Departamento de

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula.

O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula. O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula. www.juliofurtado.com.br 1 Só aprende quem sonha e só sonha quem tem esperança. (Paulo Freire) Aprender envolve três processos: Processos

Leia mais

FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC

FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC 1. Contexto A transmissão e o acesso às informações é uma preocupação constante do ser humano. Ser bem informado e informar bem são, portanto,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME. Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME. Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados Unidade 4 O mundo secreto das tocas e dos ninhos Unidade 5 Luz, sombra e ação! Unidade

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

DESENHO EM FOTOGRAFIA

DESENHO EM FOTOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS FLÁVIO CAETANO DE SOUZA KARLA ROGGE JASTROW UILLIAN TRINDADE OLIVEIRA DESENHO EM FOTOGRAFIA VITÓRIA 2008 FLÁVIO CAETANO

Leia mais

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro O meu brinquedo é um livro é um projecto de promoção da leitura proposto pela Associação

Leia mais

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Módulo Intermediário - Mídia Rádio Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil Eliany Salvatierra Doutoranda

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

SOBRE A AUTORA. Alcançou sua independência financeira através da Internet, conseguindo já no primeiro mês de blog R$ 1.215,67.

SOBRE A AUTORA. Alcançou sua independência financeira através da Internet, conseguindo já no primeiro mês de blog R$ 1.215,67. SOBRE A AUTORA Leticia Pietras tem 17 anos, é Empreendedora digital, fundadora do blog www.empreendedora-digital.com. Alcançou sua independência financeira através da Internet, conseguindo já no primeiro

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

09/03/2015 DIFERENTES LINGUAGENS. O que é a linguagem? Profa. Ms. Paula Ciol

09/03/2015 DIFERENTES LINGUAGENS. O que é a linguagem? Profa. Ms. Paula Ciol DIFERENTES LINGUAGENS A linguagem é o instrumento com que o homem pensa e sente, forma estados de alma, aspirações e ações, o instrumento com que influencia e é influenciado. L. Hjelmslev Profa. Ms. Paula

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CÁTEDRA UNESCO DE LEITURA PUC-RIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CÁTEDRA UNESCO DE LEITURA PUC-RIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CÁTEDRA UNESCO DE LEITURA PUC-RIO III CONGRESSO INTERNACIONAL DE LEITURA E LITERATURA INFANTIL E

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 12 18 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!/////////////////////////////////////// 3 CINEMA EM CASA!////////////////////////////////////////////////////////////////////// 4 BRINQUEDOS ÓPTICOS///////////////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo.

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Material referente ao texto do Módulo 3: Ações Básicas de Mobilização. O conhecimento da realidade é a base fundamental ao desenvolvimento social, que visa

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

Cais da Leitura: leitura em ação

Cais da Leitura: leitura em ação Cais da Leitura: leitura em ação Conceição Flores. Universidade Potiguar (UnP). Carla Rosiane C. Andrade. Universidade Potiguar (UnP). Nos últimos tempos, estamos sendo quase que cotidianamente bombardeados

Leia mais