Reunião de Instalação do Conselho Consultivo do Ramo Habitacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reunião de Instalação do Conselho Consultivo do Ramo Habitacional"

Transcrição

1 Organização das Cooperativas Brasileiras Reunião de Instalação do Conselho Consultivo do Ramo Habitacional Brasilia, 26 de Agosto de 2009

2 Premissas: - Implementação do Plano Nacional de Habitação; - Aumento do acesso das famílias de baixa renda à casa própria; - Geração de emprego e renda por meio do aumento do investimento na construção civil; - Integra o modelo de desenvolvimento do Governo Federal: - Política de distribuição de renda e inclusão social; - Fortalecimento da família; - Função anticíclica: estimula a demanda e o emprego.

3 Metas: - Construção de 1 milhão de moradias - Subsidiar a aquisição de imóvel novo para os segmentos populacionais de renda até 6 salários mínimos; - Melhorar as condições de aquisição para as famílias entre 6 e 10 salários mínimos através de acesso ao Fundo Garantidor e redução dos custos de seguro.

4 Aporte de recursos: R$ 34 bilhões PROGRAMA UNIÃO FGTS TOTAL Subsídio para moradia 16,0-16,0 Subsídio em financiamentos do FGTS 2,5 7,5 10,0 Fundo Garantidor em financiamentos do FGTS 2,0-2,0 Refinanciamento de prestações 1,0-1,0 Seguro em financiamentos do FGTS 1,0-1,0 Total 20,5 7,5 28,0 PROGRAMA UNIÃO FGTS TOTAL Financiamento à Infraestrutura 5,0-5,0 PROGRAMA UNIÃO BNDES TOTAL Financiamento à Cadeia Produtiva - 1,0 1,0 * Além de R$ 4,5 bilhões previstos no FGTS para linhas já existentes

5 Instrumentos e ações previstas no PlanHab: - Distribuição dos recursos de acordo com o déficit; - Regionalização do custo dos imóveis; - Contrapartida dos entes federativos; - regularização fundiária.

6 Déficit Habitacional no Brasil: - 7,2 milhões de moradias - Déficit por renda: - 0 a 3 s.m. 90,9% - 3 a 6 s.m. 6,7% - 6 a 10 s.m. 2,4% - Déficit por região: - Norte 10,3% - Nordeste 34,3% - Sudeste 36,4% - Sul 12,0% - Centro-Oeste 7,0% Redução de 14% do déficit habitacional do País Fonte: IBGE PNAD 2007

7 Distribuição: SUL 12% C.OESTE 7% SUDESTE 37% Fonte: IBGE PNAD 2007 NORTE 10% NORDESTE 34% UF RO ,8 AC ,4 AM ,2 RR ,3 PA ,1 AP ,5 TO ,0 NORTE ,3 MA ,3 PI ,2 CE ,2 RN ,9 PB ,1 PE ,5 AL ,0 SE ,1 BA ,1 NORDESTE ,3 MG ,8 ES ,7 RJ ,5 SP ,4 SUDESTE ,4 PR ,4 SC ,4 RS ,2 SUL ,0 MS ,2 MT ,3 GO ,8 DF ,7 C.OESTE ,0 TOTAL BRASIL TOTAL GERAL % ,0

8 Composição: - PNHU - Programa Nacional de Habitação Urbana; - PNHR - Programa Nacional de Habitação Rural; - Transferência ao FAR (Fundo de Arrendamento Residencial) modalidade alienação de imóveis; - Transferência ao FDS (Fundo de Desenvolvimento Social) Programa habitacional Popular

9 Atendimento: - Até 3 salários mínimos subsídio integral; - Até 6 salários mínimos subsídio parcial; - De 6 a 10 salários mínimos fundo garantidor e redução de custo do seguro.

10 RENDA FAMILIAR ATÉ 3 SALÁRIOS MÍNIMOS 375 mil unidades habitacionais Aporte da União: R$ 15 Bilhões FAR modalidade alienação

11 Participantes: - Ministério das Cidades; - Caixa Econômica Federal; - Estados, municípios e Distrito Federal; - Empresas do setor de construção civil; - Entidades sem fins lucrativos; - Beneficiários.

12 Fluxo operacional: FAR EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARCERIA Apresentar projetos Exeutar as obras CONTRATO DE OPERAÇÃO DE ALIENAÇÃO ADQUIRE PROJETOS ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS CAIXA BENEFICIÁRIO MUNICÍPIOS, ESTADOS E DISTRITO FEDERAL INDICAÇÃO DE DEMANDA INDICAÇÃO DE DEMANDA TERMO DE ADESÃO

13 Condições para participação: - Empresas do setor da construção civil: - Possuir análise de risco efetuada pela CAIXA a menos de 12 meses, ou solicitar análise concomitantemente à apresentação do projeto - Atender as diretrizes do PBQP-H Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat

14 - Beneficiário - Enquadramento da renda familiar bruta; - Não ser proprietário de imóveis nem possuir financiamento habitacional em qualquer localidade do país; - Não ter recebido recursos de natureza habitacional, oriundos do OGU.

15 Atribuições dos participantes: Ministério das Cidades - estabelecer diretrizes e fixar regras para aquisição e alienação dos imóveis sem prévio arrendamento; - acompanhar e avaliar o desempenho do programa.

16 Caixa Econômica Federal - Fase de contratação do projeto: - definir critérios para aquisição e alienação dos imóveis; - analisar a viabilidade técnica, jurídica e econômico-financeira dos projetos; - contratar e acompanhar a execução das obras.

17 Caixa Econômica Federal - Fase de contratação das alienações: - realizar a análise e o enquadramento de renda dos beneficiários; - incluir no CADMUT Cadastro Nacional de Mutuários, os beneficiários do programa.

18 Estados, municípios e DF: - organizar a demanda conforme critérios prédefinidos; - Firmar termo de adesão; - providenciar autorizações, alvarás, licenças e outras documentações necessárias à aprovação dos projetos arquitetônicos, urbanísticos e complementares das unidades habitacionais, de forma célere.

19 - propor a desoneração fiscal de tributos incidentes sobre os empreendimentos. - promover, a seu critério, parceria com empresas da construção civil fornecendo contrapartida sob a forma de bens, serviços ou aporte financeiro. - responsabilizar-se pela conservação e guarda dos empreendimentos entre sua conclusão e a entrega aos beneficiários finais.

20 Empresas do setor da construção civil: - promover parceria com estados, municípios, cooperativas ou movimentos sociais; - apresentar projetos às Superintendências regionais da CAIXA; - executar os projetos aprovados pela CAIXA

21 Entidades sem fins lucrativos - Organizar demanda de beneficiários

22 Elaboração de Projetos: - Diretrizes: - Os empreendimentos deverão ser inseridos na malha urbana; - Possuir infraestrutura básica (água, energia elétrica, esgoto, vias de acesso e transportes públicos); - Prever a existência ou ampliação de equipamentos e serviços urbanos (educação, saúde e lazer).

23 - Especificações mínimas: - Tipologia 1 casa térrea 35 m² - Compartimentos: sala, cozinha, banheiro, 2 dormitórios, área externa com tanque. - Tipologia 2 apartamento 42 m² - Compartimentos: sala, cozinha, área de serviço, banheiro, 2 dormitórios.

24 - Priorização - Maior contrapartida do poder público local na forma de: - aporte financeiro - terreno (ex: doação) - infraestrutura - desoneração fiscal (ICMS, ITCD, ITBI e ISS) - Menor custo da unidade habitacional;

25 - Existência prévia de infraestrutura; - Atendimento à regiões sujeitas à crescimento demográfico devido ao impacto de grandes empreendimentos de infraestrutura - Regiões atingidas por catástrofes definidas pela defesa civil.

26 Liberação de recursos - Mediante a execução das etapas da obra, conforme cronograma.

27 Unidades habitacionais : Valores máximos - Casas: de R$ ,00 à R$ ,00 - Apartamentos: de R$ ,00 à R$ ,00

28 Valores máximos de aquisição das unidades habitacionais em municípios com população acima de 50mil habitantes UF LOCALIDADE VALOR MÁXIMO DE AQUISIÇÃO DA UNIDADE APARTAMENTO CASA Municípios integrantes das regiões metropolitanas do Estado de São Paulo, SP/DF municípios de Jundiaí/SP, São José dos Campos/SP, Jacareí/SP e DF , ,00 Demais Municípios , ,00 Capital , ,00 Municípios integrantes da RJ região metropolitana do estado do Rio de Janeiro , ,00 Demais Municípios , ,00 Capital e respectiva região MG Metropolitana , ,00 Demais Municípios , ,00 Capital e respectiva região BA Metropolitana , ,00 Demais Municípios , ,00 Capital e respectiva região PE/CE Metropolitana , ,00 Demais Municípios , ,00 RS, PR, SC , ,00 AC, AM, AP, , ,00 PA, RO e RR Capital e respectivas regiões TO , ,00 metropolitanas e demais ES, MT, MS, municípios , ,00 e GO AL, RN, PB, PI, SE e MA , ,00

29 Contratos: - Vigência: 120 meses; - Prestação mensal de 10% da renda familiar sendo a prestação mínima de R$ 50,00 - Haverá a quitação do imóvel nos casos de morte ou invalidez permanente (MIP) ou danos físicos ao imóvel (DFI).

30 RENDA FAMILIAR ATÉ 3 SALÁRIOS MÍNIMOS 12,5 mil unidades habitacionais Aporte da União: R$ 500 milhões Transferência ao FDS (Fundo de Desenvolvimento Social) Programa Habitacional Popular - Entidades

31 Participantes: - Ministério das Cidades; - Caixa Econômica Federal; - Estados, municípios e Distrito Federal; - Empresas do setor de construção civil; - Cooperativas habitacionais ou mistas, associações, entidades privadas sem fins lucrativos; - Beneficiários.

32 Condições para participação: - Beneficiário - Enquadramento da renda familiar bruta; - Não ser proprietário de imóveis nem possuir financiamento habitacional em qualquer localidade do país; - Não ter recebido recursos de natureza habitacional, oriundos do OGU e/ou fundos habitacionais (FAR, FDS, FGTS e FNHIS); - Não ter recebido a qualquer tempo, lote em programas habitacionais, salvo se a modalidade requerida for para edificação no referido lote; - Admite-se restrição cadastral, excetuando-se o CADIN.

33 Atribuições dos participantes: - Ministério das Cidades - gestor dos recursos do FDS ; - acompanhar e avaliar o desempenho do programa.

34 Caixa Econômica Federal - Fase de contratação do projeto: - analisar a viabilidade técnica, jurídica, de engenharia e social dos projetos; - contratar e acompanhar a execução das obras. - Fase de contratação das alienações: - realizar a análise e o enquadramento de renda dos beneficiários; - incluir no CADMUT Cadastro Nacional de Mutuários, os beneficiários do programa.

35 Estados, municípios, DF e COHABs: - Facilitar a implementação dos projetos com relação a: - terreno; - infraestrutura; - licenciamento; - assistência técnica. - Organizar a demanda.

36 Cooperativas habitacionais ou mistas, associações, entidades privadas sem fins lucrativos (Entidades organizadoras) - Congregar, organizar e apoiar as famílias no desenvolvimento de cada etapa do projeto; - Elaborar e executar os projetos de intervenção e produção das unidades habitacionais

37 Empresas do setor da construção civil: - Executar os projetos, obras e serviços, parcial ou totalmente, quando contratada pelas entidades.

38 Projetos: - Devem conter até 50 unidades habitacionais, admitindo-se sua ampliação até 200 unidades; - O MCidades pode autorizar a ampliação dos limites acima em até 10% dos limites estabelecidos; - O valor máximo da operação (financiamento+subsídio) deve ser de até R$ ,00 para os casos de empreitada global, incluindo o terreno.

39 Modalidades Operacionais: - aquisição de terreno e construção; - construção em terreno próprio ou de terceiros; - aquisição de imóveis novos produzidos no âmbito do programa ou para requalificação.

40 Regimes de construção: - De livre escolha pelos beneficiários contratantes, deverão ser supervisionadas por assistência técnica especializada, sob gestão da unidade organizadora em conjunto com os beneficiários, podendo ser: - Autoconstrução; - Sistema de auto-ajuda ou mutirão; - Administração direta e autogestão; - Empreitada global.

41 Contratos: - Vigência: 120 meses; - Prestação mensal de 10% da renda familiar sendo a prestação mínima de R$ 50,00 - Garantia solidária por 72 meses com até 3 mutuários e, em caso de inadimplência, inserção do beneficiário em cadastros restritivos, alienação fiduciária e hipoteca; - Haverá a quitação do imóvel nos casos de morte ou invalidez permanente (MIP) ou danos físicos ao imóvel (DFI).

42 Liberação de recursos: - De acordo com o cronograma físico-financeiro estabelecido contratualmente com base no relatório técnico de acompanhamento de obras, emitido pela CAIXA; - Poderá haver antecipação das liberações, mediante a comprovação da execução da etapa prevista, quando da liberação da parcela seguinte.

43 RENDA FAMILIAR ATÉ 3 SALÁRIOS MÍNIMOS 12,5 mil unidades habitacionais Aporte da União: R$ 500 milhões PNHR - Programa Nacional de Habitação Rural

44 Participantes: - Ministério das Cidades e da Fazenda; - Caixa Econômica Federal; - Instituições ou agentes financeiros do SFH; - Estados, municípios e Distrito Federal; - Entidades sem fins lucrativos; - Beneficiários.

45 Condições para participação: - Beneficiários: - Atender à condição de agricultores rurais; - Estarem organizados sob forma associativa em grupos de até 50 participantes - Enquadramento no limite máximo da renda bruta anual: - Grupo 1 : até R$ ,00 - Grupo 2 : entre R$ ,00 e R$ ,00 - Grupo 3 : entre R$ ,00 e R$ ,00

46 - Não ter recebido subsídios de finalidade habitacional com recursos oriundos do OGU ou do FGTS; - Não ser proprietário, cessionário ou promitente comprador de imóvel residencial urbano ou rural no atual local de domicílio ou onde pretenda fixá-lo; - Não ser detentor de área superior a quatro módulos fiscais, na forma definida pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF; - Não ser assentado pelo Programa Nacional de Reforma Agrária PNRA, gerido pelo INCRA; - Não constar no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal CADIN.

47 - Entidades Organizadoras: - Não possuir fins lucrativos; - Não possuir restrições cadastrais de qualquer natureza; - Não estar em situação irregular com contratos firmados, na qualidade de partícipies ou intervenientes, com a CAIXA ou com instituições ou agentes financeiros do SFH, participantes do programa.

48 Atribuições dos participantes: - Ministério das Cidades e da Fazenda: - estabelecer diretrizes, fixar regras e condições para implementação do programa; - acompanhar e avaliar o desempenho do programa, no âmbito de suas competências.

49 - Caixa Econômica Federal: - Receber e analisar propostas encaminhadas pelas instituições ou agentes financeiros do SFH; - Efetuar o repasse de recursos às instituições ou agentes financeiros do SFH, em até dez dias úteis, após o recebimento do relatório das contratações efetuadas no âmbito do PNHR; - Disponibilizar e verificar a exatidão dos recursos orçamentários a serem repassados pelo programa.

50 - Instituições ou agentes financeiros do SFH: - Receber as propostas de participação no PNHR, formuladas pelos beneficiários do programa; - Análise jurídico-cadastral e técnica dos projetos de execução de obras e serviços; - Contratar as operações de repasse ou de financiamento com os beneficiários; - Liberar os recursos de subsídio e acompanhamento da execução das obras e serviços; - Prestar contas dos recursos repassados pela CAIXA a título de subvenção;

51 - Estados, municípios e Distrito Federal: - Promover ações facilitadoras e redutoras dos custos de produção dos imóveis; - Adotar medidas para celeridade na execução dos empreendimentos e na implantação de infraestrutura básica; - Aportar recursos financeiros, bens ou serviços economicamente mensuráveis necessários à realização das obras e serviços dos empreendimentos.

52 - Entidades sem fins lucrativos: - Encaminhar às instituições ou agentes financeiros do SFH, propostas de projetos para participação no programa; - Gerenciar as obras e serviços necessários a consecução do objeto da operação de repasse de recursos, responsabilizando-se pela sua conclusão e adequada apropriação pelos beneficiários finais; - selecionar os beneficiários finais, observados os critérios definidos em norma; - responsabilizar-se, quando necessário, pelo aporte adicional de recursos necessários à conclusão das obras;

53 Elaboração de Projetos: - As unidades habitacionais deverão ser dotadas de soluções de abastecimento de água, esgotamento sanitário e energia elétrica, adotadas para a região; - os projetos deverão apresentar compatibilidade com as características regionais, locais, climáticas e culturais de cada localidade; - os imóveis deverão prever a possibilidade de ampliação; - custo máximo da unidade habitacional limitado a R$ ,00.

54 Priorização de beneficiários: - mulher chefe de família; - idosos; - portadores de deficiência.

55 Recursos: - distribuídos entre as Unidades da Federação de acordo com o déficit habitacional; - poderão ocorrer remanejamentos de recursos em função da demanda qualificada para contratação.

56 Distribuição de recursos por UF PNHR UF / REGIÕES VALORES (em R$ 1.000,00) RO AC AM RR PA AP TO NORTE MA PI CE RN PB PE AL SE BA NORDESTE MG ES RJ SP SUDESTE PR SC RS SUL MS MT GO DF C.OESTE TOTAL

57 Contratos: - Valor de contrapartida dos beneficiários equivalente a 4% do valor repassado; - Aporte a ser realizado em quatro pagamentos anuais e de igual valor; - Vencimento da primeira parcela 360 dias após a data de assinatura do contrato de repasse.

58 Aporte de recursos para renda familiar de até 3 salários mínimos FAR modalidade alienação FDS Programa Habitacional Popular PNHR Programa Nacional de Habitação Rural TOTAL R$ 15 bilhões 375 mil unidades R$ 500 milhões 12,5 mil unidades R$ 500 milhões 12,5 mil unidades R$ 16 bilhões 400 mil unidades

59 RENDA FAMILIAR ATÉ 6 SALÁRIOS MÍNIMOS 400 mil unidades habitacionais Aporte da União: R$2,5 Bilhões Aporte do FGTS: R$7,5 Bilhões TOTAL: R$ 10 Bilhões PNHU Programa Nacional de Habitação Urbana

60 Diretrizes: - Aquisição de unidades habitacionais integradas a malha urbana e dotadas de infraestrutura (água, energia elétrica, esgoto, acessos por via pública, equipamentos e serviços públicos); - Atendimento prioritário à mulher chefe de família; - Atendimento a idosos e portadores de necessidades especiais.

61 Participantes: - Ministério das Cidades; - Caixa Econômica Federal; - Instituições/agentes financeiros do Sistema financeiro da habitação SFH; - Beneficiários.

62 Condições para participação do Beneficiário: - Enquadramento da renda familiar bruta; - Não possuir financiamento ativo no Sistema Financeiro de Habitação SFH; - Não ter recebido subsídio de natureza habitacional com recursos oriundos do OGU ou do FGTS; - Não ser proprietário ou promitente comprador de outro imóvel; - Não possuir restrições cadastrais a seu nome no Cadastro Informativo de Créditos Não Quitados do Setor Público Federal - CADIN. - Comprometimento de até 20% da renda familiar para pagamento da prestação.

63 Transferência de Recursos: - Serão transferidos à Caixa Econômica Federal, na qualidade de gestor operacional do programa, que repassará às instituições ou agentes financeiros do SFH, os valores aplicados.

64 Distribuição dos recursos do OGU UF / REGIÕES VALORES (em R$ 1.000,00) RO AC AM RR PA AP TO NORTE MA PI CE RN PB PE AL SE BA NORDESTE MG ES RJ SP SUDESTE PR SC RS SUL MS MT GO DF C.OESTE TOTAL

65 Subsídio: Regiões 3 sm 4 sm 5 sm 6 sm Atual Novo Atual Novo Atual Novo Atual Novo RMs de SP, RJ, DF Cidades com mais de 100 mil hab, capitais e RMs Cidades de 50 mil a 100 mil habitantes

66 Taxa de juros: Faixa de Renda Atual Nova 3 a 5 sm 5% a.a. de juros Renda máxima de R$ % a.a. de juros Renda máxima para R$ a 6 sm 8,16% a.a. de juros 6% a.a. de juros

67 Valor máximo de aquisição do imóvel: Município Regiões metropolitanas em SP, RJ e DF Municípios com mais de 500 mil habitantes e demais capitais estaduais e seus Municípios limítrofes Demais Municípios Valor R$ 130 mil R$ 100 mil R$ 80 mil

68 Fundo Garantidor: - Refinanciamento de parte das prestações em caso de perda de renda. - Cobertura durante a vigência do contrato - Aporte de R$ 1 bilhão do OGU - Número de prestações garantidas: - 3 a 5 salários mínimos 36 prestações - 5 a 6 salários mínimos 24 prestações

69 - Condições para acesso ao Fundo Garantidor: - Pagamento de, no mínimo, 6 prestações do contrato; - Durante sua utilização, pagamento mínimo de 5% da prestação, devolvidos como bônus de adimplência quando do pagamento do refinanciamento; - Contribuição para o fundo de 0,5% da prestação.

70 Desoneração do Seguro: - Quitação do financiamento em casos de morte ou invalidez permanente (MIP) e custeio de reparação de danos físicos ao imóvel (DFI); - Aporte de R$ 1 bilhão do OGU.

71 - Contribuição: - Sem cobrança até 5 salários mínimos; - 5 a 6 salários mínimos, cobrança conforme nova tabela.

72 - Tabela de contribuição para o seguro: Idade % da prestação Atual Novo 21 4,13% 1,50% 26 4,25% 1,54% 31 4,52% 1,64% 36 5,00% 1,82% 41 7,13% 2,59% 46 8,32% 3,02% 51 18,28% 6,64% 56 18,28% 6,64% 61 35,09% 6,64%

73 RENDA FAMILIAR DE 6 A 10 SALÁRIOS MÍNIMOS 200 mil unidades habitacionais

74 Condições para participação do Beneficiário: - Enquadramento da renda familiar bruta; - Não possuir financiamento ativo no Sistema Financeiro de Habitação SFH; - Não ter recebido a partir de 1º de maio de 2005, desconto concedido pelo FGTS na concessão de financiamento; - Não ser proprietário ou promitente comprador de outro imóvel; - Não possuir restrições cadastrais a seu nome (SERASA, BACEN, SPC, CADIN). - Comprometimento de até 20% da renda familiar para pagamento da prestação.

75 Fundo Garantidor: - Refinanciamento de parte das prestações em caso de perda de renda. - Cobertura durante a vigência do contrato - Aporte de R$ 1 bilhão do OGU - Número de prestações garantidas: - 6 a 8 salários mínimos 24 prestações - 8 a 10 salários mínimos 12 prestações

76 - Condições para acesso ao Fundo Garantidor: - Pagamento de, no mínimo, 6 prestações do contrato; - Durante sua utilização, pagamento mínimo de 5% da prestação, devolvidos como bônus de adimplência quando do pagamento do refinanciamento; - Contribuição para o fundo de 0,5% da prestação.

77 Desoneração do Seguro: - Quitação do financiamento em casos de morte ou invalidez permanente (MIP) e custeio de reparação de danos físicos ao imóvel (DFI); - Aporte de R$ 1 bilhão do OGU; - Contribuição conforme tabela.

78 - Tabela de contribuição para o seguro: Idade % da prestação Atual Novo 21 4,13% 1,50% 26 4,25% 1,54% 31 4,52% 1,64% 36 5,00% 1,82% 41 7,13% 2,59% 46 8,32% 3,02% 51 18,28% 6,64% 56 18,28% 6,64% 61 35,09% 6,64%

79 Legislação básica: - MP-459 de 25 de março de 2009; - MP-460 de 30 de março de 2009; - Portaria nº. 139 de 13 de abril de 2009; - Decreto nº de 13 de abril de 2009; - Decreto nº de 13 de abril de 2009; - IN nº. 12 e nº. 13 de 6 de abril de 2009.

80 Maiores Informações:

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA)

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Dispõe sobre a aquisição e alienação de imóveis sem prévio arrendamento no âmbito do Programa de Arrendamento Residencial - PAR,

Leia mais

RICARDO BERZOINI Ministro de Estado do Trabalho e Emprego Presidente do Conselho Curador do FGTS

RICARDO BERZOINI Ministro de Estado do Trabalho e Emprego Presidente do Conselho Curador do FGTS CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 460, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2004 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO ATOS DO PODER EXECUTIVO Decreto nº 7.499, de 16 de junho de 2011 Regulamenta dispositivos da Lei no 11.977, de 7 de julho de 2009, que dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida, e dá outras providências.

Leia mais

O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais

O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais O papel da CAIXA na viabilização dos Programas Habitacionais AGENDA I NÚMEROS CAIXA III PROGRAMAS DE HABITAÇÃO SOCIAL III.I PMCMV, Operações Coletivas, Crédito Solidário, PAR Valores Contratados 2003 A

Leia mais

1 milhão de casas. Crédito, emprego, benefícios e esperança para os brasileiros.

1 milhão de casas. Crédito, emprego, benefícios e esperança para os brasileiros. 1 milhão de casas Crédito, emprego, benefícios e esperança para os brasileiros. Implementação do Plano Nacional de Habitação, construindo 1 milhão de moradias Aumento do acesso das famílias de baixa renda

Leia mais

Programas Minha Casa Minha Vida

Programas Minha Casa Minha Vida Programas Minha Casa Minha Vida PNHR OGU Entidades FDS 0 a 3 SM FAR PNHU FGTS 1 2 PNHR - Programa Nacional de Habitação Rural OBJETIVO Financiamento aos agricultores familiares para construção, reforma

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

PROGRAMAS HABITACIONAIS DESENVOLVIMENTO PARA OS MUNICIPIOS. Moradia para as famílias Renda para os trabalhadores Desenvolvimento para Alagoas

PROGRAMAS HABITACIONAIS DESENVOLVIMENTO PARA OS MUNICIPIOS. Moradia para as famílias Renda para os trabalhadores Desenvolvimento para Alagoas Superintendência Regional Alagoas PROGRAMAS HABITACIONAIS DESENVOLVIMENTO PARA OS MUNICIPIOS Moradia para as famílias Renda para os trabalhadores Desenvolvimento para Alagoas ALTERNATIVAS DE SOLUÇÕES PARA

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

MINHA CASA MINHA VIDA 2 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

MINHA CASA MINHA VIDA 2 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA RESUMO Conjunto de medidas do Governo Federal, lançado em 13 ABR 2009, com objetivo de reduzir o déficit habitacional viabilizando o acesso à casa própria, aumentando o investimento

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR PARTICIPANTES MINISTÉRIO DAS CIDADES Gestor da Aplicação; MINISTÉRIO DA FAZENDA Repasse dos Recursos; CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Agente Financeiro; ENTIDADE ORGANIZADORA

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 35, DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 (Publicada no DOU, em 24/10/12 Seção 1, págs. 96/99) Regulamenta o Programa Carta de Crédito Associativo. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional do Ativo do FGTS Circular

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009 PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA SINDUSCON, 24/05/2009 OBJETIVO DO PROGRAMA Subsidiar a aquisição de IMÓVEL NOVO para os segmentos populacionais de menor renda Política Social

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

I data do acolhimento das propostas: 13/04/2005;

I data do acolhimento das propostas: 13/04/2005; MINISTÉRIO DA FAZENDA Portaria Conjunta n o 01, de 28 de março de 2005. Define as condições específicas ao leilão de recursos do Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social PSH, mantido pela Lei

Leia mais

O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE

O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GERÊNCIA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE Crédito Imobiliário 2003 a 2010 75,92 47,05 275.528 MCMV 660.980

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES. PORTARIA Nº 56, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2013 (publicada no DOU de 04/02/2013, Seção 1, pags 69 a 72)

MINISTÉRIO DAS CIDADES. PORTARIA Nº 56, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2013 (publicada no DOU de 04/02/2013, Seção 1, pags 69 a 72) MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº 56, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2013 (publicada no DOU de 04/02/2013, Seção 1, pags 69 a 72) Dispõe sobre as diretrizes gerais para implementação do Programa Minha Casa, Minha

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

I data do acolhimento das propostas: 23/11/2004;

I data do acolhimento das propostas: 23/11/2004; Portaria Conjunta n o 05, de 18 de novembro de 2004. Define as condições específicas ao leilão de recursos do Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social PSH, mantido pela Medida Provisória n

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011 Programa Nacional de Habitação Rural META CONTRATAÇÃO 60 MIL UH RURAL Déficit Habitacional Rural no Brasil Região Déficit

Leia mais

Recursos e Fontes de Financiamento

Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento A disponibilidade de recursos financeiros para a implementação do Plano Local de HIS é fundamental para a concretização dos objetivos

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB. Guarujá, Outubro de 2013.

Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB. Guarujá, Outubro de 2013. Contexto das Cooperativas de Eletrificação no Brasil Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB Guarujá, Outubro de 2013. Conceito de Infraestrutura É o conjunto de atividades

Leia mais

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA Nº PROPOSTA 01 02 Inclusão do segmento dos surdos na isenção dos impostos, assim como as demais pessoas com deficiência, quando da aquisição de veículo de transporte de passeio;

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MC/MP/MDA Nº 78 DE 8 DE FEVEREIRO 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL MC/MP/MDA Nº 78 DE 8 DE FEVEREIRO 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL MC/MP/MDA Nº 78 DE 8 DE FEVEREIRO 2013 Inclui os agricultores familiares beneficiários do Programa Nacional de Reforma Agrária - PNRA entre os possíveis beneficiários do Programa

Leia mais

Serviço Auxiliar CAUC. Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015

Serviço Auxiliar CAUC. Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015 Serviço Auxiliar CAUC Hiromi Cristina Santos Doi Agosto/2015 Apresentação CAUC Serviço Auxiliar - CAUC O Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (CAUC) foi CAUC instituído pela

Leia mais

acompanhar a situação das famílias vulneráveis planejar suas ações no território ofertar benefícios de forma transparente e republicana

acompanhar a situação das famílias vulneráveis planejar suas ações no território ofertar benefícios de forma transparente e republicana Proteção e Promoção Social no Brasil A proteção social básica e a promoção de oportunidades para as famílias em situação de pobreza têm hoje, como instrumento principal de gestão, o Cadastro Único. Mais

Leia mais

O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013

O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013 O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013 DEMANDA HABITACIONAL O crescimento da Demanda Habitacional é influenciado principalmente por fatores como: Distribuição

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

ATENÇÃO. Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

ATENÇÃO. Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA A produção de Habitação de Interesse Social na promoção do desenvolvimento urbano

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA A produção de Habitação de Interesse Social na promoção do desenvolvimento urbano PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA A produção de Habitação de Interesse Social na promoção do desenvolvimento urbano Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH Informações sobre o Programa de Financiamento de Imóveis na Planta e/ou em Construção Recursos FGTS - PSH 1 O Programa O Programa acima foi instituído por intermédio da Medida Provisória 2212 de 30 / 0

Leia mais

Crédito Suplementar. 2049 Moradia Digna 2.000.000.000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 28 845 2049 00AF Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento

Crédito Suplementar. 2049 Moradia Digna 2.000.000.000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 28 845 2049 00AF Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento ÓRGÃO: 56000 - Ministério das Cidades UNIDADE: 56101 - Ministério das Cidades ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTAÇÃO) Crédito Suplementar Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00 FUNCIONAL PROGRAMÁTICA

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil

Política Nacional de Educação Infantil Política Nacional de Educação Infantil (arquivo da Creche Carochinha) Junho/2012 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem

Leia mais

PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL

PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMAS HABITACIONAIS URBANOS IMPLEMENTADOS PELA COHAPAR A REALIDADE PROGRAMAS HABITACIONAIS URBANOS 1. PMCMV com recursos do OGU/OGE 1.1. FAR PMCMV FAR 1.2

Leia mais

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVOS Estimular a provisão de habitação de interesse social em larga escala e em todo o território;

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades II Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Fortaleza 17 de março de 2010 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR. Gerência de Desenvolvimento Urbano Fortaleza

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR. Gerência de Desenvolvimento Urbano Fortaleza PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL PNHR Gerência de Desenvolvimento Urbano Fortaleza PARTICIPANTES MINISTÉRIO DAS CIDADES Gestor da Aplicação; MINISTÉRIO DA FAZENDA Repasse dos Recursos; CAIXA ECONÔMICA

Leia mais

Portaria Conjunta n o 01, de 28 de novembro de 2006.

Portaria Conjunta n o 01, de 28 de novembro de 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA Portaria Conjunta n o 01, de 28 de novembro de 2006. Define as condições específicas ao leilão de recursos do Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social PSH, modalidade

Leia mais

Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades. Recursos FDS

Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades. Recursos FDS Recursos FDS Apresentação O Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades tem como objetivo atender as necessidades de habitação da população de baixa renda nas áreas urbanas, garantindo o acesso à moradia

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI N o 103, DE 2015 Altera dispositivo da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 Estatuto do Idoso. Autor: Deputado ALCEU MOREIRA Relator: Deputado HEULER

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA AÇÕES DA CONAB EM 2003 1. BREVE HISTÓRICO O Programa de Aquisição de Alimentos foi instituído pelo Art. 19 da Lei nº 10.696 e regulamentado pelo Decreto 4.772,

Leia mais

PALESTRA CAIXA PMCMV 2. SR Rio de Janeiro Centro

PALESTRA CAIXA PMCMV 2. SR Rio de Janeiro Centro PALESTRA CAIXA PMCMV 2 SR Rio de Janeiro Centro MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias de baixa renda à casa própria Mais emprego e renda por meio do aumento de investimentos

Leia mais

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação. Novembro de 2015

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação. Novembro de 2015 Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios

MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios Desafios do PMCMV Sustentabilidade, Perenidade e Imagem O sucesso do PMCMV depende da produção de moradias bem localizadas, servidas de infraestrutura,

Leia mais

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Pesquisa A Implementação do PNEDH nas Diretrizes do Ensino Fundamental nos Municípios Brasileiros Instituição Executora: Coordenação Geral: Apoio: Gajop Gajop e Undime Secretaria de Direitos Humanos da

Leia mais

Informações de Mercado. 15 de maio de 2013

Informações de Mercado. 15 de maio de 2013 Informações de Mercado 15 de maio de 2013 Informações de Mercado Relevância do CI no desenvolvimento do país (*) Projeções Banco do Brasil (**) Projeção da ABECIP até 2015 e estimativa Dimob até 2016 (***)

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO 1 PMCMV 0 a 3 SM Poder Público - Construtoras ENTENDA O PROGRAMA O Programa consiste na aquisição de Terreno onde são construídas unidades habitacionais,

Leia mais

PORTARIA Nº 595, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013

PORTARIA Nº 595, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 PORTARIA Nº 595, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os parâmetros de priorização e sobre o processo de seleção dos beneficiários do Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV. O MINISTRO DE ESTADO DAS

Leia mais

MINISTÉRIO DO ESPORTE E TURISMO PORTARIA Nº 57, DE 09 DE MAIO DE 2001

MINISTÉRIO DO ESPORTE E TURISMO PORTARIA Nº 57, DE 09 DE MAIO DE 2001 MINISTÉRIO DO ESPORTE E TURISMO PORTARIA Nº 57, DE 09 DE MAIO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO ESPORTE E TURISMO, no uso de suas atribuições e tendo em vista a necessidade do imediato atendimento aos programas

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA RECURSOS DO FAR DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE UNIDADES HABITACIONAIS

ANEXO I PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA RECURSOS DO FAR DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE UNIDADES HABITACIONAIS PORTARIA N 168, DE 12 DE ABRIL DE 2013, (D.O.U. DE 15.04.2013) Dispõe sobre as diretrizes gerais para aquisição e alienação de imóveis com recursos advindos da integralização de cotas no Fundo de Arrendamento

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

PORTARIA PUBLICADA NO DOU EM 20/12/2013, SEÇÃO 1, PÁGINAS 99 A 101 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº 595, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013

PORTARIA PUBLICADA NO DOU EM 20/12/2013, SEÇÃO 1, PÁGINAS 99 A 101 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº 595, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 PORTARIA PUBLICADA NO DOU EM 20/12/2013, SEÇÃO 1, PÁGINAS 99 A 101 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº 595, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os parâmetros de priorização e sobre o processo de seleção

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS -

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de:

Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 208... O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: VII -... programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

Produtos Bancários CAIXA

Produtos Bancários CAIXA Produtos Bancários CAIXA Item 1- Programa Minha Casa Minha Vida Programa do Governo Federal, lançado em abril de 2009. Gerido pelo Ministério das Cidades e operacionalizado pela CAIXA. Produtos Bancários

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP NORMAS E FLUXOS

Leia mais

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Guilherme Cerqueira Mateus e Souza 1 Daniel Costa Ferreira 2 Jeandro L. Ribeiro 3 1 Economista (UFBA), Consultor do PNUD/MDA/

Leia mais

Acesso a terra e combate à pobreza rural

Acesso a terra e combate à pobreza rural Acesso a terra e combate à pobreza rural 1 FUNDO DE TERRAS E DA REFORMA AGRÁRIA ABRIL / 2011 2 Fundo de Terras e da Reforma Agrária Fundamentos Criado pela Lei Complementar nº 93/1998 Regulamentado pelo

Leia mais

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora.

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA: Os Novos Benefícios da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Leia mais

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Os Recursos Financeiros Destinados à Educação nos Anos de 2009 e 2010 Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Agosto de 2011 Contas de Governo - Capítulo 4 (Análise Setorial) Execução

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI

SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI SOLUÇÕES EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL A CAIXA tem um importante papel de contribuir na redução do déficit habitacional

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

Expediente. Secrtetaria Nacional da Habitação. Ministério das Cidades REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL APOIO CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE SERVIÇOS (CNS)

Expediente. Secrtetaria Nacional da Habitação. Ministério das Cidades REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL APOIO CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE SERVIÇOS (CNS) MINHA CASA.indd 1 25/08/2013 22:40:11 Expediente REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PRESIDENTA DA REPÚBLICA DILMA ROUSSEFF VICE-PRESIDENTE MICHEL TEMER MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTRO DE ESTADO AGUINALDO VELLOSO

Leia mais

Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida

Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida Carlos Faria Café Coordenador técnico Cidades Solares Diretor Studio Equinócio Consultor GTZ PORTARIA Nº 93, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010 Dispõe

Leia mais

2º Balanço. Julho - Setembro 2011

2º Balanço. Julho - Setembro 2011 2º Balanço Julho - Setembro 2011 Amapá Apresentação O programa que mudou o Brasil agora está de cara nova. Mais recursos para continuar construindo a infraestrutura logística e energética e sustentar o

Leia mais

Se você está procurando um imóvel para comprar e precisa de um auxílio financeiro, ou está vendendo seu imóvel, esse ebook é para VOCÊ.

Se você está procurando um imóvel para comprar e precisa de um auxílio financeiro, ou está vendendo seu imóvel, esse ebook é para VOCÊ. INTRODUÇÃO Se você está procurando um imóvel para comprar e precisa de um auxílio financeiro, ou está vendendo seu imóvel, esse ebook é para VOCÊ. Os financiamentos imobiliários surgiram na década de 1950

Leia mais

Atuação do BNDES nos investimentos na gestão do setor público: estudo do caso PMAT Santo André (SP)

Atuação do BNDES nos investimentos na gestão do setor público: estudo do caso PMAT Santo André (SP) Setor Público BNDES Setorial 30, p. 211 236 Atuação do BNDES nos investimentos na gestão do setor público: estudo do caso PMAT Santo André (SP) Letícia Vieira Corrêa* Resumo O Programa de Modernização

Leia mais

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL Apresentação Ao lançar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em janeiro de 2007, o Governo Federal assumiu o compromisso de fazer o Brasil crescer de

Leia mais

Oficina: GESTÃO DA ESTRUTURA E DOCUMENTAÇÃO ESCOLAR

Oficina: GESTÃO DA ESTRUTURA E DOCUMENTAÇÃO ESCOLAR Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Oficina: GESTÃO DA ESTRUTURA E DOCUMENTAÇÃO ESCOLAR ADRIANA PIMENTEL MÜLLER FNDE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Assessora de Relações

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

Cartilha PNHR Entidades Organizadoras

Cartilha PNHR Entidades Organizadoras Entidades Organizadoras Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR O Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante do Programa Minha Casa Minha Vida PMCMV objetiva a produção ou reforma de imóveis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273 DE 21 DE NOVEMBRO DE 2001

RESOLUÇÃO Nº 273 DE 21 DE NOVEMBRO DE 2001 RESOLUÇÃO Nº 273 DE 21 DE NOVEMBRO DE 2001 Institui o Programa de Geração de Emprego e Renda na Indústria da Construção Civil FAT-HABITAÇÃO O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT,

Leia mais