entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR"

Transcrição

1 entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

2 José Maria Almeida Jorge Cruz Costa

3 Esquema unifilar utilização 8 INÍCIO Slides 4 a CD rede CONT: Slide 26 a 33

4 Colector solar acessórios Ao escolher e montar os acessórios nos colectores ter em atenção : sonda de temperatura bem justa à bainha para garantir bom contacto térmico sonda de temperatura dentro da saída do colector em instalações de alta temperatura (> 130ºC) não podem ser utilizados purgadores de ar automáticos atenção à temperatura limite de funcionamento do purgador CD

5 Colector solar ligação entre colectores série paralelo paralelo de canais baixo custo instalação simples qualquer colector qualquer nº colectores menor rendimento maior perda de carga custo mais elevado instalação menos simples qualquer colector qualquer nº colectores maior rendimento menor perda de carga baixo custo instalação simples depende do colector máximo 4 colectores maior rendimento menor perda de carga

6 Colector solar ligação entre colectores A ligação dos colectores deve assegurar o equilíbrio hidráulico do circuito, para optimizar o rendimento: circuito não equilibrado hidraulicamente retorno invertido alimentação invertida

7 Colector solar ligação entre baterias de colectores e rede de tubagem Alimentação invertida para garantir o equilíbrio hidráulico do circuito. É a primeira a devolver o fluido (quente) A última bateria a ser alimentada Importante: Em caso de dúvida contacte o seu fornecedor

8 Colector solar Inclinação nas fileiras de colectores Assegurar um declive em cada fileira de colectores para facilitar a saída de bolhas de ar: Levantar 2 mm por cada metro de comprimento Total = 12 mm

9 Colector solar colocação (inclinação) A inclinação ideal dos colectores depende do período do ano em que a instalação solar vai ser utilizada Verão Ex: Faro (latitude = 37,47º) Todo ano período de utilização inclinação ideal c) a) durante todo o ano 32,5º Inverno a) b) b) durante o Verão c) durante o Inverno 22,5º 52,5º Notas: - os sistemas em termossifão não funcionam com inclinações inferiores a 15º - há sistemas com limitação na inclinação máxima contacte o fornecedor

10 Colector solar desvios do ideal Podem ser necessários desvios do posicionamento ideal (orientação e inclinação) dos colectores, por motivos estéticos ou de segurança estrutural, por exemplo: Importante: desvios superiores a 20º para nascente ou para poente - contacte o seu fornecedor

11 Colector solar sombreamento L Altura do sol às 12:00 h solares no solstício de Inverno Para instalações AQS assegurar que nestas condições uma fileira de colectores não projecta sombra na fileira de trás d Para colectores com um comprimento (L) de 2 m a distância entre fileiras (d) tem que ser superior a 4,5 m L=2 m d > 4.5 m Na escolha do local para colocação dos colectores ter em consideração os obstáculos existentes e previstos para o futuro que possam provocar sombreamento tais como: edifícios próximos chaminés e caixas de ascensores árvores

12 Colector solar estrutura de suporte Relativamente à estrutura de suporte não esquecer: não debilitar de forma alguma a estrutura do telhado (coberturas antigas) garantir a prefeita impermeabilização dos furos feitos em lajes e em telhas a estrutura de suporte não deve impedir o escoamento das águas pluviais utilizar parafusos porcas e anilhas de aço inoxidável proteger a estrutura metálica da corrosãoio garantir a resistência da estrutura à acção do vento e à acção sísmica fixação a sapatas de betão no caso em que a superfície de instalação é terra

13 Bomba de circulação localização e posicionamento Instala-se em linha com a tubagem: na horizontal ou na vertical mas... sempre com o eixo do motor na horizontal sempre com a caixa de ligações eléctricas acessível (para cima ou para o lado) sempre respeitando o sentido fluxo indicado Instala-se na parte mais baixa do circuito hidráulico no tubo de ida para os colectores (circuito primário) no tubo de ida para o permutador (circuito secundário) sempre entre válvulas de seccionamento sem manípulo Atenção à temperatura limite de funcionamento

14 Vaso de expansão localização e correcta colocação O vaso de expansão tem que ser montado na aspiração da bomba no circuito de ida para os colectores e na posição indicada Alternativamente poderá ser colocado na seguinte posição De forma alguma podem existir válvulas fechadas entre o vaso de expansão e o circuito a proteger

15 Vaso de expansão pressão de enchimento A pressão de enchimento do vaso de expansão deverá ser igual a 2/3 da pressão do circuito frio e parado pressão de enchimento desmontado c/ bomba parada c/ fluido quente

16 Comando diferencial O comando diferencial compara a temperatura na saída do colector com a temperatura da zona fria do depósitoo, accionando a bomba circuladora quando valer a pena. T arranque CD T1 T2 > 5 6 ºC T1 T paragem T1 T2 < 2 ºC T2 I/O Existem comandos com mais funções, para interligação com outros componentes (ex: piso radiante)

17 Permutador de calor permutador interno Nas aplicações relacionadas com a energia solar térmica, recomenda-se uma potência de permuta de 750 W/m 2 de colector Utilizado para pequenos volumes Pode apresentar baixa eficácia (0,35) Utilizado para pequenos e médios volumes Apresenta relativamente maior (0,55) Permutador de camisa Permutador de serpentina

18 Permutador de calor permutador externo Permutador de placas apresenta as maiores eficácias cias (0.75) utilizado em médios/grandes volumes (> 3000 l) são moduláveis podendo acrescentar-se placas consoante necessidades futuras na utilização em piscinas deverá escolher-se um permutador de material resistente à corrosão causada pelo tratamento da água. não esquecer que necessitam de isolamento térmico

19 Válvulas válvula de segurança a pressão de regulação deve ser inferior à pressão que possa suportar o elemento mais delicado do circuito Psat. [bar] Tebulição da água [ºC] servem para limitar a pressão dos circuitos têm de ser manuseadas periodicamente para não bloquear são obrigatórias por lei em todos os circuitos submetidos a pressão e a variações de temperatura no caso de haver vários depósitos deverá garantir-se uma válvula de segurança em cada um no circuito primário colocam-se junto ao vaso de expansão assegurar que nenhuma outra válvula impede o funcionamento de uma válvula de segurança atenção à temperatura limite de funcionamento

20 Válvulas válvula de retenção permite a passagem do fluído num sentido, impedindo-a em sentido contrário Válvulas de Retenção válvula de retenção e de fecho utilizam-se por exemplo: na entrada de água fria dos depósitos nos sistemas em termossifão (mas apenas válvulas com perda de carga associada muito baixa) atenção à temperatura limite de funcionamento

21 Válvulas válvulas de passagem e válvulas de regulação permitem interromper total ou parcialmente a passagem do fluído pelas tubagens as de fecho total servem, por exemplo, para isolar uma parte do sistema para manutenção as de fecho parcial servem para produzir uma perda de carga adicional para equilibrar a instalação Válvula de macho esférico Válvula de regulação em certos locais do circuito não devem ter manípulo de modo a impedir o seu fecho acidental atenção à temperatura limite de funcionamento

22 Válvulas válvula de três vias permitem a circulação do fluído por vias alternativas podem ser automáticas sendo o seu funcionamento accionado pelo comando diferencial atenção à temperatura limite de funcionamento

23 Válvulas válvula misturadora termostática permite a mistura de água fria da rede com a água quente do depósito para uma dada temperatura regulada, pretendida para o consumo possibilita extracção de maiores volumes de água promove a utilização racional de energia evita queimaduras atenção à temperatura limite de funcionamento Tem p. u tiliza ç ão Volume de água extraído

24 Depósito de acumulação características gerais Escolha do material do depósito potabilidade da água de consumo tempo de vida útil Minimizar as perdas térmicas colocar de preferência os depósitos no interior menor relação possível superfície / volume isolamento térmico a toda a volta incluindo base protecção mecânica usar material isolante nos pés de apoio Promover ao máximo a estratificação da temperatura da água deflectores para a entrada de água zona de colocação do permutador optar por depósitos verticais sempre que possível

25 Depósito de acumulação acessórios e elementos de segurança CONSUMO A 40ºc válvula de segurança (pressão) na parte inferior válvula de segurança ( pressão e temperatura) na parte superior purgador de ar válvula(s) misturadora(s) na saída para o(s) consumo(s) na ligação entre a rede de tubagem e o depósito acautelar no sentido da utilização de materiais compatíveis para eliminar riscos de corrosão galvânica no caso de apoio eléctrico é necessário uma protecção de 30 ma utilizar um relógio programador rede

26 Ligação com o sistema de apoio um só depósito com dois permutadores Prioridade ao sol - não juntar energia solar e convencional - o apoio convencional deve ser colocado na zona quente do depósito Adopção de estratégias para promoção da estratificação do depósito

27 Ligação com o sistema de apoio depósito solar em série com equipamento de aquecimento instantâneo Fazer este tipo de ligação apenas com equipamento de aquecimento (esquentador) da família S Deixar um bypass para que no Verão o depósito solar possa fornecer directamente o consumo (caso seja possível) Consumo

28 Ligação com o sistema de apoio ligação em série a um depósito com apoio convencional Neste tipo de ligação deve assegurar-se que o apoio convencional só funciona a partir de um valor mínimo de temperatura no depósito mais pequeno

29 Enchimento do circuito primário limpeza Após efectuar todas as ligações entre os diversos componentes da instalação: cobrir os colectores solares de preferência com uma lona reflectora verificar o correcto posicionamento e a correcta localização de todos os componentes verificar se não há válvulas fechadas inadvertidamente abrir os purgadores de ar incluindo o do circulador encher lentamente o circuito da parte inferior para a superior fechar todos os purgadores quando começar a sair fluido deixar circular o fluido por uns minutos para arrastar a sujidade proceder ao esvaziamento

30 Enchimento do circuito primário enchimento final e purga Após a limpeza do circuito: abrir o elemento de purga da bomba de circulação antes de a colocar em funcionamento comprovar que todas as válvulas de fecho estão na sua posição correcta (abertas ou fechadas) proceder ao enchimento do circuito primário com os colectores tapados até que circule fluido nos purgadores (abertos) fechar todos os elementos de purga e afinar a pressão do circuito comprovar mais uma vez a inexistência de fugas proceder ao isolamento da tubagem apenas após o teste de estanquicidade

31 Enchimento do circuito primário acabamentos finais Após o enchimento e purga e depois de assegurada a estanquicidade: limpar e secar a tubagem de resíduos da soldadura e outros proceder ao isolamento da tubagem não esquecendo ligações entre colectores permutadores externos base do depósito utilizar colas adequadas ao material utilizado aplicar sempre as medidas correctas de isolamento por forma a ficar justo ao troço a isolar utilizar protecção mecânica nos troços exteriores e de transposição de paredes e lajes de cobertura bem como no depósito de acumulação garantir que a instalação fica parada pelo menos um dia para assegurar a colagem e endurecimento do adesivo

32 Instrumentação mínima Em instalações com uma certa dimensão deverá deixar-se o circuito com: bypass para contador antes da válvula de 3 vias bypass para instalação de um caudalímetro tês com bainha nos locais onde eventualmente seja necessário medir a temperatura indicador da temperatura do depósito

33 OBRIGADO

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

Solius 61 Manual de Instruções

Solius 61 Manual de Instruções Zona Industrial de Avintes, nº 103 4430 930 Avintes, V. N. de Gaia web: www.cirelius.pt e-mail: info@cirelius.pt tel: 227 843 817 fax: 227 843 819 Controlador Solar Solius 61 O controlador Solius 61 dispõe

Leia mais

2 Depósito de acumulação estratificado SolvisStrato

2 Depósito de acumulação estratificado SolvisStrato 2 Depósito de acumulação estratificado SolvisStrato 2.1 Utilização e estrutura O depósito de acumulação estratificado SolvisStrato (figura à direita) foi concebido especificamente para instalações solares.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Sistema para aquecimento de água sanitária com o aproveitamento de energia solar INSTALACÃO DO TERMOACUMULADOR A Norma respeitante á montagem deste aparelho é a NP 3401. Estes aparelhos

Leia mais

OBSERVATÓRIO para a Energia Solar

OBSERVATÓRIO para a Energia Solar OBSERVATÓRIO para a Energia Solar Fátima 9 de Março Grândola 10 de Março S. T. Spencer ADENE ÍNDICE 1. Descrição e Actividade 2. Viagem às s Instalações de ES em Portugal DEFINIÇÃO Instrumento criado no

Leia mais

Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8896)

Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções Termossifão pressurizado (EA8896) Índice 1. Aviso... 3 2. Caracteristicas técnicas... 4 3. Princípios da Operação... 4 3.1. Tubos de vácuo... 4 3.2. Heat Pipe... 5 4. Instalação...

Leia mais

Guia para Instaladores de Colectores Solares

Guia para Instaladores de Colectores Solares Guia para Instaladores de Colectores Solares Aquecimento de Água com Garantia de Qualidade Iniciativa promovida e financiada por Fundos Estruturais Índice Iniciativa Pública AQSpP Fichas Primeiras Indicações

Leia mais

Inovação e Qualidade. Gama de produtos. Prémios:

Inovação e Qualidade. Gama de produtos. Prémios: Inovação e Qualidade Válvulas, controlos + sistemas Unibox e limitação da temperatura de retorno de sistemas de piso radiante Floorbox Instalação de sistemas de piso radiante sem distribuidor / colector

Leia mais

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS Solar Easy AQS Os sistemas SOLAR EASY AQS integram no mínimo espaço possível grupo hidráulico, vaso de expansão e central de regulação, totalmente ligados e cablados. A gama está composta por 14 sistemas

Leia mais

Domitop MISTA INSTANTÂNEA. Domitop H SÓ AQUECIMENTO MEMBRO DE FEGECA

Domitop MISTA INSTANTÂNEA. Domitop H SÓ AQUECIMENTO MEMBRO DE FEGECA Domitop MISTA INSTANTÂNEA Domitop H SÓ AQUECIMENTO MEMBRO DE FEGECA CALDEIRA MURAL DOMITOP R A Férroli desenvolveu e lança uma nova gama de caldeiras murais a gás DOMITOP. Caldeiras mistas para e produção

Leia mais

Albaenergy Solutions, Lda. Ar Condicionado

Albaenergy Solutions, Lda. Ar Condicionado Ar Condicionado Recorrendo à movimentação do ar estes equipamentos permitem, num curto espaço de tempo, climatizar um determinado espaço. Com estes sistemas podemos aquecer ou arrefecer o ambiente por

Leia mais

PAINEIS SOLARES MEGASUN

PAINEIS SOLARES MEGASUN PAINEIS SOLARES MEGASUN Há mais de uma década a actuar no sector do aquecimento doméstico, a Jaqueciprolar é importador e representante dos Painéis Solares MEGASUN. A MEGASUN é um conceituado fabricante

Leia mais

COLECTORES SOLARES TÉRMICOS

COLECTORES SOLARES TÉRMICOS Uma Rede de Tecnologia e Qualidade \ COLECTORES SOLARES TÉRMICOS inst it ut o de soldadura e qualidade J. Paulo Oliveira 1 ENERGIA SOLAR A maior fonte de energia disponível na Terra provém do sol. A energia

Leia mais

CALDEIRAS Winter 201 5

CALDEIRAS Winter 201 5 CALDEIRAS 201 Winter 5 CALDEIRAS LENHA 43 54 Lenha SZM W 35 kw Lenha SZM W 35 kw VISTA EM CORTE FRONTAL DA CALDEIRA DE LENHA E PRINCIPAIS COMPONENTES ÁGUA AR 1 ENTRADA DE AR PARA COMBUSTÃO 5 2 MATERIAL

Leia mais

CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID. Página 1

CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID. Página 1 CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID Página 1 Índice Caldeiras a Lenha - Todo o conforto com a máxima economia Uma solução de aquecimento eficiente 03 Principais Características 04 Componentes e Benefícios 05 Princípio

Leia mais

ENERGIA SOLAR NÃO É UM CUSTO. É UM BOM INVESTIMENTO.

ENERGIA SOLAR NÃO É UM CUSTO. É UM BOM INVESTIMENTO. AQUECIMENTO 14 ENERGIA SOLAR NÃO É UM CUSTO. É UM BOM INVESTIMENTO. LOJA ONLINE DISPONÍVEL NA PÁGINA WEB WWW.SINUTA4SUN.PT PRODUTOS CHAVE NA MÃO POSSIBILIDADE :VARIEDADE DE DE PRODUTOS: COMPRA COM UMA

Leia mais

VISÃO GERAL DOS ACUMULADORES

VISÃO GERAL DOS ACUMULADORES ACUMULADORES VISÃO GERAL DOS ACUMULADORES Designação do tipo Acumuladores de camadas PC Acumuladores de camadas PC 2WR Acumuladores de água fresca FS 1R página 119 página 120 página 161 Acumulador combinado

Leia mais

Potência útil A.Q.S. Potência útil A.Q.S. Características básicas Gama PLATINUM MAX (Condensação com micro-acumulação eficiente. Potência útil A.Q.S.

Potência útil A.Q.S. Potência útil A.Q.S. Características básicas Gama PLATINUM MAX (Condensação com micro-acumulação eficiente. Potência útil A.Q.S. Características básicas Gama (Condensação) de Caudal instantâneo Modelo kcal/h kw kcal/h kw l/min com (Δt=25 C) e Água Quente instantânea 2/2 F 5.88 / 17.200 6,8 / 20 20.60 2 13,8 CL.5 28/28 F 7.82 / 20.60

Leia mais

Aquecimento Central e A.Q.S. Piso Radiante

Aquecimento Central e A.Q.S. Piso Radiante Aquecimento Central e A.Q.S. Piso Radiante 166 Instalação Sistema de Aquecimento por Piso Radiante O sistema de aquecimento por piso radiante liberta o calor de uma forma natural, de baixo para cima, proporcionando

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

Instruções de instalação, assistência técnica e manutenção para técnicos especializados

Instruções de instalação, assistência técnica e manutenção para técnicos especializados Instruções de instalação, assistência técnica e manutenção para técnicos especializados Sistemas de grandes instalações para 3 - x unidades habitacionais LSS-DA, LSS-DI LSS-DA LSS-DI DHW DHW DHW DHW DCW

Leia mais

Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Projectos de Energia Solar para Aquecimento de Água

Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Projectos de Energia Solar para Aquecimento de Água Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Projectos de Energia Solar para Aquecimento de Água Almada, 8 de Julho de 2005 S T Spencer Temas PROJECTO; CONCEPÇÃO; EXECUÇÃO. CONVERSÃO; TRANSPORTE; ARMAZENAMENTO.

Leia mais

FRÄNKISCHE IBÉRICA Especialistas em conforto térmico

FRÄNKISCHE IBÉRICA Especialistas em conforto térmico TÉCNICA PARA INSTALAÇÕES DOMÉSTICAS FRÄNKISCHE IBÉRICA Especialistas em conforto térmico Piso radiante A FRÄNKISCHE IBÉRICA, especialista em conforto térmico, apresenta o seu sistema de piso radiante,

Leia mais

Água Quente Sanitária. Climatização Passiva. Aquecimento e Arrefecimento. Aquecimento

Água Quente Sanitária. Climatização Passiva. Aquecimento e Arrefecimento. Aquecimento Água Quente Sanitária Climatização Passiva Aquecimento e Arrefecimento Aquecimento A Geotermia Vertical consiste na instalação de sondas geotérmicas para a captação de energia térmica em furos até 200

Leia mais

Instruções de instalação, assistência e de manutenção

Instruções de instalação, assistência e de manutenção Instruções de instalação, assistência e de manutenção Sistema para grandes instalações Logasol SAT-DSP Logasol SAT-DES DHW DHW DHW DHW DCW DCW DCW DCW DHW DCW DHW DCW DHW DCW DHW DCW 6720619738-00.1 SD

Leia mais

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA 1. ÂMBITO DA NOTA TÉCNICA A presente nota técnica diz respeito aos princípios gerais orientadores

Leia mais

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

CATÁLOGO CATÁLOGO. 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação

CATÁLOGO CATÁLOGO. 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação CATALOGUE CATÁLOGO CATÁLOGO 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação ÍNDICE BOMBAS DE CALOR AUDAX bombas de calor ar/água, monofásicas, com inversão de ciclo NOVO p. 6 Integrador de sistemas,

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Acumulador combinado Logalux P750 S Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem e da manutenção 6 720 619 324-03/2001 PT Ficha técnica Para a montagem

Leia mais

Instalação e Funcionamento do. SV30 Híbrido com Cilindro de 100L

Instalação e Funcionamento do. SV30 Híbrido com Cilindro de 100L Instalação e Funcionamento do Jan. 2009 HJC SV30 Híbrido com Cilindro de 100L Sistema de Aquecimento Solar para Ar Renovado e Água Quente Doméstica com Bomba e Ventoinha de Funcionamento Solar de 12V Veja

Leia mais

Manual do Utilizador. Português

Manual do Utilizador. Português Manual do Utilizador Português 1. Introdução No presente manual encontrará informações referentes à utilização, manutenção e funcionamento do sistema solar Kit Ao Sol 190. Leia com atenção o seu conteúdo

Leia mais

ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO. Tipos, função e localização

ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO. Tipos, função e localização ÓRGÃOS DE MANOBRA E CONTROLO Tipos, função e localização Órgãos de manobra e controlo de um sistema adutor Principais tipos de órgãos Válvulas de manobra e segurança (manuais ou de funcionamento autónomo)

Leia mais

ALTERAÇÃO DE VIAS. Distribuidor circular giratório. Tipo: MWW

ALTERAÇÃO DE VIAS. Distribuidor circular giratório. Tipo: MWW ALTERAÇÃO DE VIAS Distribuidor circular giratório Tipo: MWW Aplicação Os distribuidores circulares do tipo MWW-M foram concebidos para o transporte pneumático do produto desde uma única tubagem de entrada

Leia mais

EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO

EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO EDIFÍCIOS DE HOJE OS SISTEMAS SOLARES CONVERTERAM-SE EM MAIS UMA PARTE DAS INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE. O DESAFIO ACTUAL E FUTURO É CONTINUAR A CONCEBER EQUIPAMENTOS E SISTEMAS QUE PROPORCIONEM O MÁXIMO

Leia mais

Sistema de termosifão simples e eficaz Produção de água quente

Sistema de termosifão simples e eficaz Produção de água quente Sistema de termosifão simples e eficaz Produção de água quente Solar Keymark Solar Keymark Sistema de termosifão simples e eficaz Produção de água quente Um sistema solar para água quente que impressiona

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Grupos de Circulação AGS. www.vulcano.pt. (AGS 5, AGS 10, AGS 20 e AGS 50) Agosto 2013

FICHA TÉCNICA. Grupos de Circulação AGS. www.vulcano.pt. (AGS 5, AGS 10, AGS 20 e AGS 50) Agosto 2013 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351. 218 500 300 Agosto 2013 FICHA TÉCNICA (AGS 5, AGS 10, AGS 20 e AGS 50) www.vulcano.pt

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993

TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993 TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993 2 ÍNDICE 1- Introdução... 3 2- Constituição dos motores de combustão interna de quatro tempos... 3 2.1- Cabeça motor... 4 2.2- Bloco motor... 4 2.3- O cárter de

Leia mais

Ofasun 2512 / 2110. Curva de rendimento: η0=78,5% ; K1=3,722 W/(m2K); K2=0,012 W/(m2K); Certificação Solar KEYMARK. 10 anos de garantia.

Ofasun 2512 / 2110. Curva de rendimento: η0=78,5% ; K1=3,722 W/(m2K); K2=0,012 W/(m2K); Certificação Solar KEYMARK. 10 anos de garantia. Ofasun 2512 / 2110 Colector solar plano de alto rendimento série Ofasun, com tratamento altamente seletivo (Almeco-TiNOX), composto por uma estrutura em alumínio pintado electroestático, vidro temperado

Leia mais

DEPÓSITOS SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

DEPÓSITOS SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE DEPÓSITOS SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Depósitos Solução de acumulação para Águas Quentes Sanitárias 03 Gama de Depósitos Vulcano Conforto garantido. Resumo 04 Depósitos de uma serpentina Simplicidade

Leia mais

Rothpool - Painél para Aquecimento Água Piscinas

Rothpool - Painél para Aquecimento Água Piscinas Rothpool - Painél para Aquecimento Água Piscinas e Orientação e inclinação do painel solar A orientação do painel para um rendimento óptimo é a orientação virada a SUL. É aceitável uma variação de mais

Leia mais

AQUECIMENTO POR PISO RADIANTE ambi piso

AQUECIMENTO POR PISO RADIANTE ambi piso Aquecimento Central por piso radiante 1 AQUECIMENTO POR PISO RADIANTE I. Piso radiante O aquecimento por piso radiante consiste em converter toda a superfície de um piso num grande painel emissor de um

Leia mais

SISTEMA DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO POR TUBAGEM CAPILAR

SISTEMA DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO POR TUBAGEM CAPILAR SISTEMA DE AQUECIMENTO E ARREFECIMENTO POR TUBAGEM CAPILAR!!"#$%!!"#&'()&'(*&+++*&'(*& ÍNDICE 1. O Que é o Sistema Clina?... 3 2. Princípio... 3 3. Esquema principal dos sistemas de radiação... 4 4. Vantagens

Leia mais

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-6

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-6 Construção de varandas e terraços Variantes 1-6 IMPERMEABILIZAÇÃO, DESACOPLAMENTO E COMPENSAÇÃO DA PRESSÃO DE VAPOR ESTRUTURA DA CONSTRUÇÃO 1 Construção de varandas com Schlüter -DITRA Conjunto impermeável

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção. Colector plano FKC-2 6720647804-00.1T. Montagem incorporada no telhado 6 720 648 357 (2011/08) PT

Instruções de montagem e de manutenção. Colector plano FKC-2 6720647804-00.1T. Montagem incorporada no telhado 6 720 648 357 (2011/08) PT Instruções de montagem e de manutenção Colector plano FKC- 670647804-00.T Montagem incorporada no telhado 6 70 648 357 (0/08) PT Índice Índice Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança...............................

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

AQUECIMENTO SOLAR ÁGUAS QUENTES INDUSTRIAIS TUBOS DE VÁCUO

AQUECIMENTO SOLAR ÁGUAS QUENTES INDUSTRIAIS TUBOS DE VÁCUO AQUECIMENTO SOLAR ÁGUAS QUENTES INDUSTRIAIS TUBOS DE VÁCUO AQUECIMENTO 4SUN eficiência energética industrial benefícios O Sistema Solar Térmico Industrial 4Sun reduz os Consumos Energéticos associados

Leia mais

SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE PISCINA

SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE PISCINA MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR DE PISCINA INTRODUÇÃO Parabéns por adquirir um Sistema de Aquecimento Solar de Piscina KOMECO, desenvolvido para oferecer maior conforto e bem estar com

Leia mais

COBERTURAS AUTOMÁTICAS PARA PISCINAS

COBERTURAS AUTOMÁTICAS PARA PISCINAS COBERTURAS AUTOMÁTICAS PARA PISCINAS Índice Introdução Segurança Sustentabilidade Coberturas Automáticas Submersas Elevadas Lâminas e acessórios Perguntas e respostas 3 4 5 6 7 8 10 11 Coberturas para

Leia mais

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDIFÍCIOS DE BAIXO CONSUMO COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 20 de Maio de 2010 COMPONENTE PASSIVA DO EDIFÍCIO OPTIMIZADA COMPONENTE DOS SISTEMAS ACTIVOS OPTIMIZADA 1 COMPONENTE PASSIVA

Leia mais

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO

BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO BOMBAS DE CALOR AR/ÁGUA CLIMAECO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor Ar/Água. Uma tecnologia de futuro Sistema de climatização integrado e eficiente 03 Serviços de Apoio ao Cliente 04 Princípio

Leia mais

SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS 67080448.00-.ST SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS Instruções de instalação e de manutenção Colector plano FKC- CTE Montagem incorporada no telhado 6 70 809 86 (04/04) PT Índice Índice Esclarecimento dos símbolos

Leia mais

BK 45 BK 45U. Manual de Instruções 810734-01 Purgador de Condensado BK 45, BK 45U

BK 45 BK 45U. Manual de Instruções 810734-01 Purgador de Condensado BK 45, BK 45U BK 45 BK 45U Manual de Instruções 810734-01 Purgador de Condensado BK 45, BK 45U 1 Indíce Advertências Importantes Página Aplicação...6 Segurança...6 Perigo...6 Classificação de acordo com artigo 9 da

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

MAPA DE PONTOS Diálogos por Protocolos. Analógica SA PRODUÇÃO DE FRIO E CALOR. kwh

MAPA DE PONTOS Diálogos por Protocolos. Analógica SA PRODUÇÃO DE FRIO E CALOR. kwh CHILLER BOMBA DE CALOR Ligação protocolo e interface Contacto seco Ordem de entrada de funcionamento Selecção de regime Contacto seco Alarme reagrupado Contacto seco Manómetro na entrada bar Manómetros

Leia mais

REGULADOR DE AÇÃO DIRETA

REGULADOR DE AÇÃO DIRETA REGULADOR DE AÇÃO DIRETA ÍNDICE GENERALIDADES... 1 CARACTERÍSTICAS... 2 MARCAÇÃO... 2 DESCRIÇÃO... 3 PEÇAS DE SUBSTITUIÇÃO... 3 DIMENSÕES E PESOS... 3 FUNCIONAMENTO... 4 AJUSTE DA VÁLVULA... 4 INSTALAÇÃO...

Leia mais

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt Colectores Solares para Aquecimento de Água S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt POTENCIAL DE APLICAÇÃO DE COLECTORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Hotéis Apartamento Moteis Pousadas Estalagens

Leia mais

6 colectores solares térmicos ÍNDICE

6 colectores solares térmicos ÍNDICE ÍNDICE constituição e tipologias -2 armazenamento de energia -3 termossifão -4 avaliação de desempenho -5 experiência 1 - experiência 2-7 experiência 3-8 para saber mais... -9-1 constituição e tipologias

Leia mais

Manual Descritivo para Construção do ASBC

Manual Descritivo para Construção do ASBC Manual descritivo para construção do ASBC 1 Felipe Marques Santos Manual Descritivo para Construção do ASBC (Aquecedor Solar de Baixo Custo) Coordenador: Prof. Dr. Rogério Gomes de Oliveira 2 Manual descritivo

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE Válido até 11/06/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE Freguesia CARCAVELOS E PAREDE Concelho CASCAIS GPS 38.688617, -9.434011 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Energia Solar Térmica e Aplicações

Energia Solar Térmica e Aplicações Eco-Escolas Formação Escola da Energia, 2 de Abril de Energia Solar Térmica e Aplicações João Paulo Costa LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL

Leia mais

ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento!

ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento! ROTEX Monopex : O aquecimento pelo chão de baixa temperatura. ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento! Conforto todo

Leia mais

Sistema solar. Porquê Vaillant? Para aproveitar toda a energia do sol na sua casa. aurostep plus 150, 250 e 350. Porque o futuro é

Sistema solar. Porquê Vaillant? Para aproveitar toda a energia do sol na sua casa. aurostep plus 150, 250 e 350. Porque o futuro é Sistema solar Porquê Vaillant? Para aproveitar toda a energia do sol na sua casa aurostep plus 50, e 350 Porque o futuro é aurostep plus simples e eficaz sistema solar aurostep plus O sistema aurostep

Leia mais

O SEPARADOR HIDRÁULICO

O SEPARADOR HIDRÁULICO Edição especial ExpoClima Abril 2000 O SEPARADOR HIDRÁULICO A sua importância Funções e características O SEPARADOR DE MICRO-BOLHAS DE AR Funções e características Índice Edição especial ExpoClima Abril

Leia mais

Combustível gás. Caldeiras murais electrónicas. Características básicas Gama VEGA PLUS (Acumulador incorporado) Características básicas Gama NORA

Combustível gás. Caldeiras murais electrónicas. Características básicas Gama VEGA PLUS (Acumulador incorporado) Características básicas Gama NORA Características básicas Gama (Acumulador incorporado) de Produção 30 min. Temp. acumul. 60 C Produção contínua Capacidade do depósito acumulador Modelo kcal/h kw kcal/h kw litros (Δt=30 C) l/min (Δt=25

Leia mais

Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma Antoine Lavoisier. energia solar

Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma Antoine Lavoisier. energia solar Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma Antoine Lavoisier energia solar Setembro 2013 O ser humano modifica a natureza. A humanidade constrói-se pela cultura, ao mesmo tempo que a cultura

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

Manual de manutenção de piscinas

Manual de manutenção de piscinas Manual de manutenção de piscinas Indice Os nosso produtos 1 Capacidade da piscina 2 Desinfecção e fitração da água 3 Arranque da piscina 4 ph da água 5 Prevenção de algas 5 Programa de manutenção 6 Preparação

Leia mais

Sede Rua G-Lote 51 Zona Industrial Tomar 2305-127 Asseiceira-Tomar. Tel: 249310540 Fax: 249310549/8 Correio electrónico: afrizal@afrizal.

Sede Rua G-Lote 51 Zona Industrial Tomar 2305-127 Asseiceira-Tomar. Tel: 249310540 Fax: 249310549/8 Correio electrónico: afrizal@afrizal. Colector Solar Plano FCLS Código DESRIÇÃO 05.01 Colector solar inox 05.02 Colector solar preto (galvanizado) 05.03 Colector solar inox selectivo 12.03 Litro de líquido Anti-Congelante 12.04 Garrafão de

Leia mais

DEPÓSITOS SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

DEPÓSITOS SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE DEPÓSITOS SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Depósitos Solução de acumulação para Águas Quentes Sanitárias 03 Gama de Depósitos Vulcano Conforto garantido 04 Depósitos de uma serpentina Simplicidade e conforto

Leia mais

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Workshop Formar para Reabilitar a Europa PAINEL 3: TECNOLOGIAS E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Vítor Cóias, GECoRPA Susana Fernandes,

Leia mais

Esquentadores a Gás W 125-4 K..B.. W 275-4 K..B.. W 350-4 K..B.. W 400-4 K..B.. Instruções de Instalação e Manuseamento

Esquentadores a Gás W 125-4 K..B.. W 275-4 K..B.. W 350-4 K..B.. W 400-4 K..B.. Instruções de Instalação e Manuseamento Instruções de Instalação e Manuseamento Esquentadores a Gás W 125-4 K..B.. W 275-4 K..B.. W 350-4 K..B.. W 400-4 K..B.. 6 720 605 645 (03.06) AL Para sua segurança: Se cheirar a gás: - Não accione qualquer

Leia mais

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de

Leia mais

AULAS 6 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS. PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 6 - Sumário

AULAS 6 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS. PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 6 - Sumário PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 6 - Sumário AULAS 6 ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS Órgãos de Manobra e Controlo. Tipos, Função e Localização (devices and appurtenances). Válvulas de seccionamento (gate valves). Válvulas

Leia mais

Bombas de Calor Geotérmicas

Bombas de Calor Geotérmicas Bombas de Calor Geotérmicas Futuro A crescente subida dos preços dos combustíveis fósseis (gás e gasóleo) levou a CHAMA a procurar alternativas aos sistemas tradicionais de aquecimento. Alternativas que

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Elevado e inteligente conforto

Elevado e inteligente conforto devimat devimat devimat devimat devimat Membro do Grupo Danfoss Elevado e inteligente conforto DEVI - Sistema de aquecimento por piso radiante DEVI - Desembaciador de espelho DEVI - Secador de toalhas

Leia mais

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Energia Solar Térmica Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Componentes de Sistemas Solares Térmicos Energia Solar Térmica - 2014

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CATÁLOGO DE SOLUÇÕES E PRODUTOS JMC ÍNDICE SISTEMAS TÉRMICOS... 3 SISTEMAS TERMODINÂMICOS... 4 EXEMPLOS DE SISTEMAS TÉRMICOS E TERMODINÂMICOS... 5 SISTEMAS FOTOVOLTAICOS... 6 MICROGERAÇÃO...

Leia mais

[ Ar ] [ Água ] [ Terra ] [ Buderus ] Deixe entrar o sol no seu lar. O calor é o nosso elemento

[ Ar ] [ Água ] [ Terra ] [ Buderus ] Deixe entrar o sol no seu lar. O calor é o nosso elemento [ Ar ] Tecnologia Caldera mural solar de Logasol condensación SKE Logamax.0; plus SKN GB0 3.0; SKS 4.0 [ Água ] [ Terra ] [ Buderus ] Deixe entrar o sol no seu lar SOLA R TECNOLOGIA O calor é o nosso elemento

Leia mais

CASAS MODULARES ESPANHOLAS Qualidade europeia

CASAS MODULARES ESPANHOLAS Qualidade europeia C O N T R U Ç Ã O M O D U L A R C A N T E I R O S D E O B R A CASAS MODULARES ESPANHOLAS Qualidade europeia SUALSA CASAS MODULARES As casas pré-fabricadas baseiam-se numa estrutura resistente que incorpora

Leia mais

TECNOLOGIAS ATLANTIC TECNOLOGIAS PARA AQS VITRIFICAÇÃO POR REVESTIMENTO NA FASE LÍQUIDA ISOLAMENTO DE ALTA DENSIDADE SISTEMA O PRO

TECNOLOGIAS ATLANTIC TECNOLOGIAS PARA AQS VITRIFICAÇÃO POR REVESTIMENTO NA FASE LÍQUIDA ISOLAMENTO DE ALTA DENSIDADE SISTEMA O PRO TECNOLOGIAS ATLANTIC TECNOLOGIAS PARA AQS VITRIFICAÇÃO POR REVESTIMENTO NA FASE LÍQUIDA ISOLAMENTO DE ALTA DENSIDADE SISTEMA O PRO ESTRATIFICAÇÃO TÉRMICA DA ÁGUA A Atlantic desenvolveu, em toda a sua gama,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Freguesia BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO Concelho LAGOS GPS 37.157682, -8.742078

Leia mais

CONFORTO EM ÁGUA QUENTE

CONFORTO EM ÁGUA QUENTE CONFORTO EM ÁGUA QUENTE 2 TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS Rigorosamente testado A fiabilidade dos termoacumuladores da Gorenje é garantida pelo controlo rigoroso de qualidade: % Testado sobre pressão; % Testado

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP.

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP. Ficha de Produto Edição de janeiro de 2015 Nº de identificação: 07.201 Versão nº 3 Lâminas em PVC-p para selagem de juntas Descrição do produto Lâminas flexíveis em PVC-p, produzidas em perfis específicos

Leia mais

2. O Sistema de Controlo Uponor

2. O Sistema de Controlo Uponor 2. O Sistema de Controlo Uponor O Sistema de Controlo Uponor é principalmente uma gestão completa para sistemas de climatização invisível. O conforto, a facilidade de utilização e o controlo de temperatura

Leia mais

Energias renováveis. Guia rápido de produtos. 3Energias renováveis. Tabela geral de preços 2015 - Gama de energias renováveis

Energias renováveis. Guia rápido de produtos. 3Energias renováveis. Tabela geral de preços 2015 - Gama de energias renováveis Energias renováveis Guia rápido de produtos Página 180 184 191 198 204 208 209 210 211 220 222 178 Tabela geral de preços 2015 - Gama de energias renováveis Capítulo 11 Coletores solares e estruturas de

Leia mais

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA Re Re INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA THERMA V, UMA SOLUÇÃO QUE VAI DE ENCONTRO ÀS EXPECTATIVAS DO PÚBLICO Grande parte dos portugueses possuem habitação própria. Em 2006, 85% do consumo

Leia mais

TABELA DE PREÇOS BOMBAS DE CALOR DE AQUECIMENTO, ARREFECIMENTO E AQS ENERGIA SOLAR TÉRMICA TERMOACUMULADORES ELÉTRICOS ACUMULADORES

TABELA DE PREÇOS BOMBAS DE CALOR DE AQUECIMENTO, ARREFECIMENTO E AQS ENERGIA SOLAR TÉRMICA TERMOACUMULADORES ELÉTRICOS ACUMULADORES 2014 TABELA DE PREÇOS.. BOMBAS DE CALOR DE AQUECIMENTO, ARREFECIMENTO E AQS.. ENERGIA SOLAR TÉRMICA.. TERMOACUMULADORES ELÉTRICOS.. ACUMULADORES ATLANTIC PORTUGAL DISTRIBUIDORES DELEGAÇÕES ATLANTIC 2 GROUPE

Leia mais

de limpeza frontal com corrente

de limpeza frontal com corrente GRELHA MECÂNICA DE BARRAS de limpeza frontal com corrente tipo GV ou GSV Aplicações As águas de descarga civis podem conter vários lixos. Tudo o que puder ser deitado no esgoto, e mesmo o que não se puder,

Leia mais

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E Índice Gama Aquastar Green Condensação: Vantagens e características NOVO A nova caldeira mural de condensação Aquastar

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM EDIFÍCIOS

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM EDIFÍCIOS Critérios de aceitação/rejeição: o trabalho é considerado bem executado se cumprir o estabelecido no presente documento, caso contrário não é aceite, devendo proceder-se às correcções necessárias. Nota:

Leia mais

CALEFFI NOVIDADES PRODUTOS 2016

CALEFFI NOVIDADES PRODUTOS 2016 CALEFFI NOVIDADES PRODUTOS 206 0 2 CALEFFI 4 3 N/GGFERXGÃ E ÃN OM/RE 574 Grupo de enchimento e amaciamento (redução Ca 2+ e Mg 2+ ). Campo de regulação do grupo de enchimento: 0,2 4 bar. Temperatura máx.:

Leia mais

PAINEIS SOLARES MEGASUN

PAINEIS SOLARES MEGASUN PAINEIS SOLARES MEGASUN Há mais de uma década a actuar no sector do aquecimento doméstico, a Jaqueciprolar é importador e representante dos Painéis Solares MEGASUN. A MEGASUN é um conceituado fabricante

Leia mais

1.1.1. Gama Platinum COMPACT. Componentes opcionais PLATINUM COMPACT. 1.1.2. Gama Platinum PLUS

1.1.1. Gama Platinum COMPACT. Componentes opcionais PLATINUM COMPACT. 1.1.2. Gama Platinum PLUS 1.1. Caldeiras murais a gás de condensação 1.1.1. Gama Platinum COMPACT Caldeiras murais de condensação PLATINUM COMPACT Mista instantânea. Tecnologia GAS INVERTER. Combustão estanque. Baixo NOx, Classe

Leia mais

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Schlüter -KERDI-DRAIN Escoamento 8.2 Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Aplicação e funcionamento Schlüter -KERDI-DRAIN é um sistema de escoamento de águas no solo destinado

Leia mais

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE 1 - Introdução A construção de vias públicas com o objectivo primordial de maximizar o escoamento de grandes volumes de tráfego e o conforto dos ocupantes dos veículos, aliada aos progressos da industria

Leia mais

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 Áreas de Actividade Fornecedor Equipamentos de Energias Renováveis a Escolas. Fornecedor Equipamento

Leia mais