Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013"

Transcrição

1 PROJETO DE INTERVENÇÃO: Por uma escola centrada na aprendizagem que se repensa e se reconstrói. CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Aviso de abertura: 4531/2013 de 3 de abril Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013 António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

2 PROJETO DE INTERVENÇÃO NO A. E. D. SANCHO I MANDATO 2013/2017 Uma educação para o séc. XXI tem de centrar-se não só no aluno, não só no professor, mas na prossecução do conhecimento (Ruben Cabral, 1999). EXPLICITAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO A REALIZAR NO MANDATO Missão da Escola: Contribuir para a formação de cidadãos com espírito democrático e pluralista, respeitador dos outros e das suas ideias, Contribuir para o desenvolvimento pleno e harmonioso da personalidade dos indivíduos, incentivando a formação de cidadãos livres, responsáveis autónomos e solidários valorizando a dimensão humana do trabalho. Proporcionar aos alunos: uma sólida formação académica que lhes forneça os conhecimentos e competências necessárias para o prosseguimento de estudos e para a aprendizagem ao longo da vida; uma formação profissional que garanta as condições de acesso ao mundo do trabalho; uma formação a nível de atitudes, comportamentos e valores permita serem agentes ativos e transformadores da nossa região e do país e que contribuam para o seu desenvolvimento. Linhas orientadoras: Um Agrupamento de Escolas inclusivo e não discriminatório, que seja capaz de desenvolver sinergias não apenas no seu interior, mas em toda a comunidade em que se integra valorizando o desenvolvimento do projeto TEIP. Um agrupamento de Escolas cujo paradigma assente na cooperação e na capacidade de aprender e de mudar. Uma gestão assente numa liderança democrática, partilhada e representativa baseada na confiança, no respeito e na autonomia, que favoreça o trabalho em equipa, a transparência, o consenso e a flexibilidade, a justiça, a equidade e a responsabilidade. Uma gestão que defende a liberdade para ensinar e para aprender como condição de sucesso. Uma gestão que promove os valores de exigência, profissionalismo, autonomia, responsabilidade, respeito pelo outros e pelo ambiente e que contribuam para a formação cívica, ética e social dos jovens. António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

3 Metas: 1. Criar uma nova identidade para o agrupamento, valorizando a história, a identidade e a imagem das diferentes escolas que o constituem. 2. Garantir a qualidade educativa de modo a que o Agrupamento se constitua como referência no nosso Concelho. Teremos a força, a vontade e o desejo de ser um exemplo de boas práticas, sem esquecer que este se mede pelo sucesso académico e profissional dos cidadãos que educa e forma. 3. Promover a interdisciplinaridade e a transversalidade dos saberes e a articulação entre ciclos, que torne significativas as aprendizagens e promova a formação integral do aluno. 4. Consolidar a educação para a cidadania, para a formação de cidadãos preparados para a participação política e social, para o reconhecimento e respeito pelas diferenças individuais. 5. Diversificar as ofertas formativas, indo ao encontro dos diversos públicos e das suas necessidades formativas. ÁREAS PRIORITÁRIAS DE INTERVENÇÃO EIXO PRIORITÁRIO 1 - IDENTIDADE E CULTURA DO AGRUPAMENTO Problemas: 1. Organização e gestão do Agrupamento em resultado da fusão do Agrupamento de Escolas de Calendário e a Escola Secundária D. Sancho I. Existência de culturas organizacionais e educativas distintas. 2. Instabilidade na direção e gestão do Agrupamento resultante das alterações nas Unidades Orgânicas e nas alterações ao nível da gestão pedagógica e didática. 3. Projetos de avaliação interna diferentes. Objetivos estratégicos: 1. Elaborar um projeto educativo que possibilite a criação de uma identidade, sentido de pertença e um projeto comum para o Agrupamento, respeitando a identidade e as diferenças de cada uma das suas escolas. 2. Promover a harmonização das culturas organizacionais e educativas existentes nas escolas do Agrupamento. António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

4 3. Promover a integração ao nível da organização através de uma gestão participada, estabelecendo consensos e respeitando as diferenças; 4. Compatibilizar e harmonizar os dois sistemas de avaliação interna atualmente existentes no Agrupamento. Objetivos operacionais: 1. Criar uma equipa multidisciplinar e representativa para elaboração do projeto educativo do Agrupamento. 2. Assumir o princípio da delegação de competências e respeito pelas decisões, prática já implementada enquanto responsável pela CAP. 3. Garantir a autonomia relativa dos Departamentos e demais estruturas de coordenação pedagógica. 4. Desenvolver mecanismos eficazes de comunicação entre as diferentes estruturas do Agrupamento que facilitem o trabalho em equipa. 5. Gerir os recursos materiais de forma que os mesmos estejam facilmente acessíveis a todos os níveis de ensino e a todas as escolas / jardins de infância do Agrupamento. 6. Harmonizar procedimentos de avaliação nas diferentes escolas do Agrupamento compatibilizando a avaliação feita segundo os modelos da Universidade do Minho Projeto PAR e da Universidade Lusíada Observatório de Melhoria e da Eficácia da Escola. 7. Divulgar de forma mais eficaz a nível interno e externo as atividades promovendo a imagem da escola através da criação de um Coordenador de Cultura e Artes. 8. Promover uma imagem positiva do agrupamento de escolas, de forma que este se afirme no contexto da região como uma referência positiva ao nível educativo, cultural, científico e pedagógico. Programação das atividades: Os primeiros 4 objetivos e o 6º serão implementados em 2013/14. Os restantes desenvolver-se-ão ao longo do mandato. Eixo prioritário 2 - Articulação das estruturas de coordenação pedagógica Problemas: Fusão das estruturas de gestão intermédia e consequente falta de articulação entre Departamentos e entre Áreas Disciplinares quer ao nível pedagógico e didático, quer no plano dos projetos comuns ao Agrupamento. António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

5 Deficit de cooperação ao nível interdisciplinar. Esta situação torna difícil a existência de projetos abrangentes e que possam ser assumidos como projetos do Agrupamento, estruturantes da sua cultura e da sua identidade. Objetivo estratégico: 1. Estabelecer uma articulação vertical nas diferentes estruturas intermédias das duas unidades orgânicas que se fundiram na agregação. Objetivos operacionais: 1. Implementar a cooperação entre Departamentos e Áreas Disciplinares através de reuniões periódicas com os Coordenadores para articulação de conteúdos programáticos, definição de estratégias pedagógicas e didáticas. 2. Fomentar a prática da interdisciplinaridade como estratégia para aumento dos níveis de cooperação, de motivação, de sucesso e de construção de um saber global. 3. Definir no início de cada ano letivo e de acordo com o Projeto Educativo temas aglutinadores como suporte para a elaboração do Plano Anual e Plurianual de Atividades. 4. Redefinir os objetivos do Plano Anual de Atividades de modo a torná-lo mais abrangente e evitar a duplicação ou repetição de atividades ou visitas de estudo. 5. Promover o trabalho de equipa entre os diferentes professores e educadores do Agrupamento, através do desenvolvimento de projetos verticais e horizontais. Programação das atividades: Os objetivos 1, 3 e 4 serão implementados no início de cada ano letivo e os restantes ao longo do mandato, pressupondo o desenvolvimento de uma cultura de colaboração e cooperação. Eixo prioritário 3 - Aprendizagem e resultados escolares / sucesso educativo Problemas 1. Elevada percentagem de insucesso escolar num número significativo de alunos. 2. Falta de assiduidade e de interesse de muitos alunos, especialmente dos cursos CEF e profissionais. Objetivos estratégicos: António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

6 1. Desenvolver uma cultura de sucesso. 2. Promover a melhoria do desempenho académico dos alunos com maiores dificuldades de aprendizagem 3. Diversificar a oferta formativa Objetivos operacionais / estratégias: 1. Melhorar o desempenho dos alunos em todos os ciclos a Língua Portuguesa e a Matemática. 2. Promover práticas educativas inclusivas quer a nível da educação especial quer a nível de culturas diferenciadas aproveitando de forma eficiente e eficaz os recursos do projeto TEIP. 3. Apostar nos Departamentos Abertos e na implementação de salas de estudo para reforço dos apoios educativos e resolver casos de insucesso de alunos. 4. Organizar a frequência das aulas de apoio pedagógico para alunos com dificuldades de aprendizagem a partir da análise dos resultados escolares de cada período. 5. Desenvolver e apoiar um eficaz projeto de tutorias. 6. Manter em funcionamento a sala de socialização com o objetivo de sensibilizar a comunidade de cultura cigana para a importância da escola como fator de integração na comunidade. 7. Diversificar a oferta formativa, incluindo a constituição de turmas com percursos curriculares alternativos, com vista à diminuição do abandono escolar e absentismo, melhorando os níveis de qualificação profissional, motivando os alunos para o prosseguimento de estudos. 8. Continuar a desenvolver ações de divulgação e valorização social dos cursos profissionais como qualificação excelente para responder a necessidades do mercado de trabalho. 9. Melhorar os resultados escolares e as percentagens de conclusão dos cursos profissionais, através de maior rigor, eficácia e controlo das aprendizagens, da assiduidade e do comportamento dos alunos. Divulgação e publicitação mais eficaz das épocas de exame e desenvolvimento de um sistema de controlo dos módulos em atraso. 10. Potenciar o desenvolvimento do projeto GEA, implementado no ano transato para acompanhamento dos nossos ex-alunos e conhecimento do seu trajeto profissional. Pretendemos construir uma base de dados útil para o planeamento futuro da oferta formativa ao nível destes cursos e conhecer os graus de empregabilidade. 11. Participar ativamente na rede Famalicão Empreende de que a escola é membro fundador e na Rede Local de Educação e Formação, presidida pelo Município e que integra todos os parceiros educativos e que permite uma gestão muito eficaz da oferta formativa a nível concelhio. 12. Apostar no ensino noturno ao nível do ensino recorrente para proporcionar oportunidades de formação académica a adultos integrados ou não no mercado de trabalho. António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

7 13. Apostar nos cursos EFA no ensino noturno através de protocolos com o IEFP para proporcionar formação académica e profissional aos trabalhadores do Concelho. 14. Integrar o projeto piloto para os cursos vocacionais do ensino secundário com a área de Mecatrónica. 15. Promover a criação de quadros de honra e de excelência no final do período e/ou do ano letivo, para os alunos com melhores resultados escolares e/ou atitudes exemplares, como forma de reconhecimento do mérito escolar ou cívico. Programação das atividades: Todos estes objetivos são para implementação no início de cada ano letivo e a desenvolver ao longo do mandato. Eixo prioritário 4 - Reorganização dos espaços físicos do agrupamento Problemas: 1. Reorganização da rede ao nível das escolas do Agrupamento e reorganização física e pedagógica dos espaços. 2. Segurança e vigilância nas instalações. Objetivos estratégicos: 1. Otimizar os recursos físicos existentes e reduzir custos de funcionamento. 2. Garantir a melhoria das condições de proteção e de segurança da comunidade escolar do Agrupamento. Objetivos operacionais / estratégias: 1. Participar ativamente na redistribuição das turmas nas escolas do agrupamento potenciando o uso das instalações disponíveis e transferindo os alunos das escolas do 1º ciclo da Magida e Fontelo para a Escola Nuno Simões conforme determinado pelo MEC. 2. Aumentar a vigilância no espaço escolar e implementar, logo que possível, um sistema informatizado de controlo de entradas e saídas na escola sede com recurso ao cartão eletrónico. 3. Colocar em funcionamento o Gabinete do aluno na escola sede na dependência dos responsáveis pelo Projeto de Educação para a Saúde para apoio a todos os alunos que dele necessitem independentemente do tipo de problemas. 4. Compatibilizar, logo que financeiramente possível, o cartão eletrónico de identificação e uso nos diferentes serviços prestados pela Escola Nuno Simões com o da Escola Secundária. António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

8 5. Introduzir um sistema centralizado de cópias com controlo informatizado (SIGE), que permita substituir as impressoras e fotocopiadoras e reduzir custos quer com equipamento e consumíveis, quer com funcionários. 6. No âmbito do programa PTE introduzir o livro de ponto eletrónico, precedido de formação adequada para o corpo docente. Este objetivo pressupõe a aquisição de equipamento informático para salas de aula na Escola D. Sancho I não fornecido pela Parque Escolar e para a Escola Nuno Simões, logo que financeiramente possível. 7. Potenciar o uso das TIC no contexto da sala de aula e na Plataforma Moodle como estratégia pedagógica, permitido pelo reequipamento da nova escola, envolvendo mais os professores e facilitando o acesso dos pais à informação. Esta opção permitir-nos-á racionalizar formas de comunicação e fazer a troca e partilha de recursos entre professores e alunos tendo como horizonte a melhoria dos resultados. Programação das atividades: O objetivo 1 será para implementação no início do próximo ano letivo. Os objetivos 2, 3, 5, 6 e 7 constituem tarefa para o mandato. O 3 já está em fase de implementação, ao passo que a montagem do sistema de controlo estará dependente dos equipamentos a colocar e da disponibilidade financeira. Independentemente do equipamento a montar na escola estaremos em condições de o colocar em funcionamento durante o mandato, se entretanto não existir uma redução significativa nos orçamentos. O objetivo 5, atendendo à necessidade de redução de custos, será de implementação prioritária. Eixo prioritário 5 - Clima de segurança / disciplina Problemas: 1. Alguma dificuldade no cumprimento de regras. 2. Alguma Indisciplina ao nível dos primeiros ciclos de ensino. 3. Desconhecimento dos normativos pelos alunos. Objetivo estratégico: 1. Proporcionar condições para uma vivência em segurança e com disciplina na escola. 2. Valorizar as estratégias / recursos de intervenção do projeto TEIP. António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

9 Objetivos operacionais: 1. Divulgar eficaz e adequada do Regulamento Interno fomentando a consciencialização/interiorização de deveres e direitos e a participação responsável de todos os atores da comunidade educativa. 2. Realizar reuniões periódicas com o pessoal não docente, a fim de serem tomadas medidas de prevenção contra a indisciplina. 3. Incrementar o espírito de tolerância e a aceitação da diferença, no respeito pela diversidade e pluralidade. 4. Recuperar rapidamente as pequenas anomalias e danos nas instalações, evitando a sua degradação e minorando causas de possíveis acidentes. 5. Realizar exercícios de segurança nas várias escolas para interiorização das normas e dos planos de segurança. 6. Acompanhar alunos com dificuldades de aprendizagem, relacionamento ou problemas de disciplina de forma a combater a violência e a indisciplina. 7. Controlo da disciplina, através de uma atitude mais proativa e de consciencialização dos alunos evitando, quando possível, a opção punitiva. Programação das atividades: objetivos a implementar no primeiro ano e a desenvolver e aplicar de forma sistemática durante todo o mandato, procedendo à reavaliação dos processos sempre que se justifique. Eixo prioritário 6 - Relação com a comunidade Problemas: 1. Reduzido contacto e colaboração com as empresas que recebem os estagiários dos cursos profissionais e demais tecido empresarial da região. Uma escola centrada na aprendizagem não pode limitar-se ao estrito cumprimento dos conteúdos programáticos de cada disciplina. Uma aprendizagem bem sucedida pressupõe o contacto com a estrutura empresarial local. A participação da escola nos projetos locais é indutora de aprendizagens formais e informais, permite a diversificação de práticas, promove a cooperação e a partilha de experiências. Propomo-nos estabelecer um relacionamento quer institucional, quer informal com o Município que permita a participação nos diferentes projetos culturais e educativos em desenvolvimento sob orientação da Autarquia. António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

10 Objetivo estratégico: 1. Aumentar os índices de participação nas redes e parcerias locais. Objetivos operacionais / estratégias: 1. Intensificar a relação da escola com a comunidade local, em especial com a Autarquia e empresas da região estabelecendo sinergias para concretização de interesses comuns. 2. Desenvolver o projeto A Empresa na Escola, com a Arga Tintas e a CEVE, promovendo iniciativas de interligação entre a escola e a estrutura económica local, o conhecimento da realidade empresarial e o desenvolvimento de competências nesta área. 3. Participar no projeto de Educação Patrimonial vocacionado para o conhecimento e defesa do espólio patrimonial do Concelho. 4. Participar nos diversos projetos educativos dirigidos aos alunos do 1º ciclo implementados pelo Departamento da Educação do Município. 5. Aprofundar e implementar parcerias e protocolos com a Autarquia, Instituições e Empresas da região para desenvolvimento de projetos a nível cultural, desportivo e escolar, designadamente a nível dos cursos profissionais. Aprofundar o relacionamento, a cooperação e a partilha de boas práticas. 6. Promover os espaços disponíveis na escola para uso da comunidade permitindo rentabilizar as instalações. Programação das atividades: Todos estes objetivos operacionais são para implementação no mandato. Identificação de outros problemas sentidos na escola Avaliação interna e formação de professores, reduzido investimento na biblioteca quer a nível bibliográfico, quer ao nível dos novos materiais multimédia, necessidades de formação de funcionários, pouca visibilidade e conhecimento dos projetos internacionais em que a escola está envolvida, pouca participação dos Pais e E. E. na vida da escola. Constatamos que na sua grande maioria, os pais só vêm à escola quando são convocados e da mesma forma, a escola raramente contacta os pais por motivos positivos e para enaltecer o trabalho dos seus educandos. Reduzida participação dos alunos nas estruturas associativas e nos órgãos de gestão da escola. Objetivos operacionais / estratégias 1. Implementar um Plano de Formação para professores e funcionários que responda às necessidades identificadas pela equipa de avaliação interna. Procuraremos, também, intensificar a António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

11 formação dos funcionários, nomeadamente ao nível das competências em TIC para os preparar para as tarefas decorrentes da informatização de serviços. 2. Proceder à informatização dos serviços de utilização da biblioteca e integrá-la no projeto de bibliotecas escolares em rede. Investir na modernização do espólio bibliográfico e multimédia na medida das possibilidades orçamentais. 3. A escola tem vindo a participar em vários projetos europeus consecutivamente desde Deste modo, mantendo a sua ligação com a dinâmica pedagógica e cultural europeia, a escola apresentou novas candidaturas, tendo sido aprovados o projeto para Educação de Adultos Lifestyles Revisited (Educational Experiments in IG Environments) com duração de dois anos e no âmbito do programa Leonardo Da Vinci, o projeto Empowerment qualificar para o trabalho em contexto europeu, que vai permitir o estágio de alunos dos Cursos Profissionais em Madrid, em Este tipo de estágios constitui uma oportunidade de formação em contexto de trabalho privilegiada pelo que continuamos a apostar nestas candidaturas. 4. Promover o desenvolvimento das estruturas associativas ao nível dos pais e encarregados de educação e garantir-lhes as condições para um exercício efetivo das suas competências, especialmente ao nível do espaço de atuação e de intervenção no processo educativo. 5. Sensibilizar as diferentes associações para a necessidade de colaboração e atuação conjunta. 6. Promover uma participação mais ativa dos pais na vida da escola através do diálogo e da informação e consulta dos seus representantes na elaboração dos documentos estruturantes para a vida da escola e sempre que os problemas e circunstâncias o justifiquem. 7. Instalar o laboratório museu das ciências, de caráter multidisciplinar, aberto à comunidade local. 8. Promover a participação dos alunos nas suas estruturas associativas que constitui um meio privilegiado de educação cívica e de preparação para a entrada na vida pública. 9. Proporcionar à Associação de Estudantes os meios necessários a uma intervenção mais ativa e que favoreça a liderança estudantil e o associativismo responsável. Programação das atividades: Objetivos 1, 2, 3, 4, 5 e 6 já em curso e para desenvolver ao longo do mandato, o 7 será implementado ao longo do mandato e dependente das disponibilidades financeiras, os restantes para implementação ao longo do mandato. Vila Nova de Famalicão, 9 de Abril de 2013 António Pereira Pinto António Pereira Pinto Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas D. Sancho I - 9 de Abril de

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

3.ª REUNIÃO 23 de abril de 2014 - ORDEM DE TRABALHOS:

3.ª REUNIÃO 23 de abril de 2014 - ORDEM DE TRABALHOS: 3.ª REUNIÃO 23 de abril de 2014 - ORDEM DE TRABALHOS: 1. Aprovação do Regimento do Conselho Geral. 2. Balanço do decurso do ano letivo: a) Abertura e funcionamento; b) Plano Anual de Atividades; c) Projeto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA ANEXO II DOMÍNIO: GESTÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Estudex PROJETOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS PARCERIAS CALENDARIZAÇÃO Sala de estudo para o

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Projeto Educativo da Escola Profissional de Leiria

Projeto Educativo da Escola Profissional de Leiria Projeto Educativo da Escola Profissional de Leiria A educação é a ferramenta mais poderosa que podemos usar para mudar o mundo Nelson Mandela 1- INTRODUÇÃO A Lei de Bases do sistema Educativo Português

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Julho 2014

PLANO DE MELHORIA Julho 2014 PLANO DE MELHORIA Julho 2014 Índice Nota Introdutória... 2 1. Resultados da avaliação externa... 3 2. Áreas e ações de melhoria... 4 3. Acompanhamento e divulgação... 7 AET Plano de melhoria 2014/2015

Leia mais

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação...

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação... PROJETO EDUCATIVO Triénio 2012/2015 Colaborar, Formar, Construir o Futuro ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Página 1 de 16 Índice Introdução... 3 Diagnóstico... 5 Visão e missão... 7 Finalidades e

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA Projeto de Intervenção 2015/2019 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MANUEL TEIXEIRA GOMES PORTIMÃO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2015-2019 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Carta de Missão. (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto)

Carta de Missão. (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Carta de Missão (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Nome Germano António Alves Lopes Bagão Escalão: 8º Escola Professor do quadro da EBI Frei António das Chagas, do Agrupamento de Escolas de Vidigueira

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

Plano de Melhorias do Agrupamento

Plano de Melhorias do Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRANCISCO SIMÕES Plano Melhorias do Agrupamento 2014/2016 Equipa Autoavaliação Setembro 2014 Conhece-te a ti mesmo Aforismo grego inscrito no pronaus do templo Apolo em Delfos Página

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Famalicão Cidade Educadora Vila Nova de Famalicão, cidade educadora, aderente ao movimento das Cidades Educadoras,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018

PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018 Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Mira, a vigorar no quadriénio de 2014 a 2018. O projeto não é um futuro qualquer mas um futuro a construir, o que exige, à partida,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA TROFA PROJETO DE INTERVENÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA TROFA PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA TROFA PROJETO DE INTERVENÇÃO COM TODOS, PARA CADA UM... Candidatura a Diretor do Agrupamento de Escolas da Trofa [Dec.-lei n.º 75/2008 de 23 de abril e Dec.-lei n.º 137/2012 de

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA ATL,LDA TEL.:(053)215650 PROJETO DE INTERVENÇÃO º 4776/2014, de 8 de abril I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha Concurso prévio à eleição

Leia mais

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 1. Introdução O Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado (AEMC) entende a autoavaliação como um processo ao serviço do seu desenvolvimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI.

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI. 2015/2016 I. NOTA INTRODUTÓRIA A missão, os princípios e os valores de uma instituição são fulcrais para a sua definição estratégica, conforme expresso nos seus estatutos. O Instituto Superior de Ciências

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 PAR Índice Introdução 4 1. Avaliação Final do Sucesso Académico 5 1.1. Ensino

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO Setembro 2013 ...A condição humana devia ser o objecto essencial de todo o ensino. (M.O. Mourin 2000) Índice 1-Introdução... 3 2 Caracterização do Meio...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE Conhecimento e humanismo PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE 2013/2017 Índice Preâmbulo... 3 Quem somos?... 4 Análise Swot... 5 Plano Estratégico... 9 Avaliação... 21 Divulgação do

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas de Vila Pouca de Aguiar Sul Projeto de Intervenção Um agrupamento inclusivo e com distintividade organizacional Candidatura ao lugar de Diretor (Aviso de Abertura do Concurso n.º4209/2014,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação FICHA TÉCNICA EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação TÍTULO Anuário 2014 AUTORIA Observatório do Sistema Educativo da RAM / Gabinete do Secretário EDIÇÃO Observatório do Sistema Educativo da

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância Creche e Jardim de Infância O Jardim dos Palhacinhos Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância 1 Albufeira, Março 2014 Gerência: Índice Índice... 2 Introdução... 3 1. Caracterização da instituição...

Leia mais

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA PLANO TEIP 2014-2015 AÇÕES (a vermelho, ações propostas, mas que, por motivos de vária ordem, não é possível dinamizar, na totalidade ou nos s ou turmas referidos)

Leia mais

Candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós 2013-2017

Candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós 2013-2017 Célia Maria Bernardo Pereira Simões 15 de julho de 2013 No caminho percorrido e nos desafios futuros encontro a motivação para a apresentação da candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós.

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO Ano letivo 2013-2014 Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) REFERENCIAL IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas D. Sancho I

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Ação do PE e Atividade Ação nº1: Diversificação Pedagógica: a) Componente local do currículo (rentabilizar a cultura patrimonial ambiental e histórica da região); b) Assessorias Pedagógicas (colaboração

Leia mais

Projeto de Intervenção. Jorge Manuel da Conceição Nunes

Projeto de Intervenção. Jorge Manuel da Conceição Nunes Projeto de Intervenção Jorge Manuel da Conceição Nunes Concurso para provimento do lugar de Diretor do Agrupamento de Escolas de Odivelas Nº1 Pontinha 2014 " ( ) a escola eficaz é aquela que faz com que

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 O presente documento constitui-se como uma avaliação final que procura refletir, não só a evolução dos aspetos indicados nas avaliações anteriores como também

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice PLANO DE ATIVIDADES 2015 Índice 1. Introdução... 2 1.1. Âmbito e organização... 2 1.2. Enquadramento institucional... 2 2. Objetivos estratégicos e operacionais... 5 3. Metas a alcançar e atividades a

Leia mais

Projetos Educativos Municipais e Promoção do Sucesso Educativo

Projetos Educativos Municipais e Promoção do Sucesso Educativo 4º ciclo de seminários de aprofundamento em administração e organização escolar Painel A escola, o município e a melhoria das aprendizagens Projetos Educativos Municipais e Promoção do Sucesso Educativo

Leia mais

Projeto de Intervenção 2013/2017

Projeto de Intervenção 2013/2017 Projeto de Intervenção 2013/2017 Agrupamento de Escolas de Mogadouro Mudar para Crescermos Juntos 2 Índice 1. Nota introdutória... 4 2. Caracterização do... 5 3. Análise SWOT: Pontos fortes Pontos fracos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Montijo 23, 24 e 27 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS A AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas da Madalena VILA NOVA DE GAIA 6 a 8 maio 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia MAIA 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC Candidatura de António Dourado Pereira Correia a Director da FCTUC Programa de acção do Director da FCTUC No momento em que as regras de gestão da nossa Faculdade se alteram tão profundamente, centrando-a

Leia mais

FREIXO MARCO DE CANAVESES

FREIXO MARCO DE CANAVESES PROJETO EDUCATIVO FREIXO MARCO DE CANAVESES TRIÉNIO 2012-2015 Conteúdo 1. Caracterização da Escola Profissional de Arqueologia... 2 1.1. Origem e meio envolvente... 2 1.2. População escolar... 2 1.3. Oferta

Leia mais

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola 2013/1014 Uma estratégia para O Projeto Educativo Local O que é um PMMEE? O Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola consiste num conjunto de objetivos

Leia mais

Abordagens comuns do empreendedorismo:

Abordagens comuns do empreendedorismo: Abordagens comuns do empreendedorismo: principalmente do ponto de vista económico, administrativo, organizacional, sociológico, observando as partes da realidade, em detrimento do ponto de vista psicológico,

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 1. Identificação agrupamento de escolas Identificação: Agrupamento

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

ESTATUTOS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE FÁTIMA 2014/2015 P01

ESTATUTOS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE FÁTIMA 2014/2015 P01 P01 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Constituição e Denominação 1. A Escola Profissional de Hotelaria de Fátima, adiante designada por EHF ou Escola, foi criada em 1993, então designada como Pólo

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 PARTE C EDUCAÇÃO Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho normativo n.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO MOITA PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO MOITA PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO MOITA PROJETO EDUCATIVO TRIÉNIO 2014-2017 1 ÍNDICE Capítulo 1 Orientação Estratégica do PE... 3 1.1. Missão do Agrupamento... 3 1.2. Finalidades e Objetivos Estratégicos

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Escola Sede: E.B. 2,3 de Pegões 1. FUNCIONAMENTO DO SPO Desenvolve o seu trabalho com base em atribuições e competências legais, adaptadas ao contexto

Leia mais

Plano de Atividades. Ano letivo 2011 / 2012

Plano de Atividades. Ano letivo 2011 / 2012 Plano de Atividades Ano letivo 2011 / 2012 Plano de Atividades de Informática @ 2011-2012 Plano de Atividades Pretende-se com este plano promover o uso efetivo das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino Básico Relatório-Síntese Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ÉVORA CÓDIGO 135537 CONCELHO DE ÉVORA DELEGAÇÃO REGIONAL

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Ano lectivo 2010 / 2011 Introdução De modo a dar cumprimento à legislação em vigor, tendo como base os objectivos do Projecto Educativo: Diminuir o Insucesso e abandono

Leia mais

Literacia, Cidadania, Sucesso

Literacia, Cidadania, Sucesso Literacia, Cidadania, Sucesso A existência humana é uma tarefa permanente de leitura da vida: ler a vida é escrever e reescrever o mundo. Rosa (2008: 107) Projecto Educativo 2010 / 2013 2 INTRODUÇÃO Dando

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais