INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FARMÁCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FARMÁCIA"

Transcrição

1 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FARMÁCIA Justificativa da oferta do curso O curso de Farmácia da Universidade do Sagrado Coração está inserido no âmbito do Centro de Ciências da Saúde e foi criado para satisfazer as necessidades de mercado local e regional, contribuindo com a formação de equipes multidisciplinares na área da saúde. Desta forma, o projeto do Curso foi elaborado e submetido à apreciação do Conselho Federal de Educação, sendo o mesmo autorizado para funcionar pelo Decreto Nº de 12/12/1984 e reconhecido pela Portaria 193/1988 de 28/03/1988, decreto este que também criou as Habilitações em Análises Clínicas e Toxicológicas e Tecnologia dos Alimentos. Posteriormente, a Habilitação Fármacos e Medicamentos foi autorizada pelo Parecer do CONSEPE desta Universidade em 1996/1997. O projeto pedagógico é proposto de acordo com as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais (Resolução CNE/CES 2 de 19/02/2002), que regulamenta a formação do Farmacêutico Generalista. O tempo mínimo de integralização do curso é de cinco e o máximo é de oito anos. O Curso é oferecido em período integral com cinco anos de duração, estando de acordo com Resolução CNE Nº 4, de 06 de abril de 2009, em regime seriado e carga horária de 4014 horas com 223 créditos. Essas horas estão distribuídas em 70 disciplinas, sendo 2337 horas de aulas teóricas, 867 horas de aulas práticas e 810 horas de estágio, proporcionando conhecimento e prática em todas as áreas de conhecimento e atuação do Farmacêutico. O curso, conta com 175 alunos matriculados, conferindo um desempenho no Enade de 2007, com conceito três (3), sendo que as médias de formação geral e especifica de nossos alunos ingressantes e concluintes foram superiores a média nacional. Essa situação positiva se manteve no ano de 2010, agregando uma nota maior no conceito, sendo o resultado quatro (4). A formação do Farmacêutico, pela Universidade, tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício da Atenção à saúde, aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde tanto em nível individual quanto coletivo e para isso abrange estágios nas

2 2 áreas de Análises Clínicas, Análises de Alimentos, Farmácia Escola (Drogaria e Manipulação); Laboratório de Controle Físico-Químico de Medicamentos, Laboratório de Tecnologia Farmacêutica e Farmácia Hospitalar. A proposta do curso tem como concepção de ensino articular a dinâmica de organização didático-pedagógico em coerência com o Projeto Desenvolvimento Institucional - PDI, tendo os quatro princípios básicos: flexibilidade, autonomia, integração e atualização. O curso, a partir de 2008, aderiu à metodologia institucional presente na proposta do Modelo Pedagógico denominado Syllabus, cujo objetivo é atender as necessidades para melhor qualificar o ensino e aprendizagem, além de, aprimorar com diálogo pedagógico e o uso da tecnologia o exercício da docência e o aprendizado discente qualificando ainda mais o ensino. A metodologia é estruturada em dois eixos fundamentais: o planejamento prévio dos docentes que deverão propor atividades relacionadas direta ou indiretamente ao conteúdo da aula presencial e o preparo dos estudantes antes da aula presencial, por meio de pesquisa, leitura, resolução de exercícios e problemas, anotação de observações, elaboração de resenhas e mapas conceituais. A orientação da atividade prévia a ser realizada pelos estudantes é publicada, semanalmente, nos Planos de aula, postados na plataforma tecnológica Moodle, que no ambiente acadêmico da Instituição ficou conhecida como Plataforma Syllabus, e pode ser acessada de qualquer computador conectado a Internet. O objetivo da atividade prévia é estimular o hábito de pesquisa e leitura dos universitários e incentivar sua participação durante a aula presencial. Para dinamizar as ações, o método usa como ferramenta uma breve avaliação, chamada Quiz que pode ocorrer em qualquer momento da aula, de modo individual, coletivo, escrito ou oral. O curso é coordenado, desde 2010, pela Profa. Dra. Silvana Torossian Coradi, graduada em Farmácia e Bioquímica pela Universidade do Sagrado Coração (1988), possui Especialização em Análises Clínicas, Cosmetologia e Homeopatia. Mestrado (2005) e Doutorado (2010) em Doenças Tropicais pela Faculdade de Medicina de Botucatu, Unesp (Botucatu). Atua como professor assistente na Universidade do Sagrado Coração, em regime integral, desde 1989, e como docente permanente do Programa de Mestrado em Odontologia, área de concentração em Saúde Coletiva

3 3 (USC). Atua na área de Análises Clínicas, com ênfase em Imunologia e Parasitoses Humanas e Animais. Atividades Complementares O componente curricular formativo do trabalho acadêmico do curso inclui, além do ensino presencial exigido pelas diretrizes curriculares, Atividades Complementares (AACC) caracterizadas como de caráter acadêmico-científico-culturais voltadas para o enriquecimento do processo formativo do profissional como um todo. Tais atividades contam com a orientação docente e estão integradas ao Projeto Pedagógico do Curso e respectiva matriz curricular. Especificamente para a Farmácia, AACC não são obrigatórias e não fazem parte do total de horas do curso. Os alunos são estimulados desde o início do curso a realizá-las em no mínimo 150 horas, pois entendem ser muito importante como complemento de sua formação teórico-prático. AACC são registradas no currículo e no histórico do aluno e constituem vários tipos de atividades de extensão que o aluno pode realizar, como por exemplo: 1. Atividades de extensão universitária, realizadas na USC, nas seguintes categorias e ordem de precedência: participação ativa em projetos de extensão universitária, como bolsista, devidamente registrados nos órgãos competentes; participação em comissão coordenadora ou organizadora de evento de extensão isolado, devidamente registrado nos órgãos competentes; participação como agente passivo em cursos, seminários e demais atividades de extensão, excluídas as atividades de prestação de serviços que envolvam remuneração de servidores e/ou técnicoadministrativos da USC. 2. Atividades de iniciação científica, realizadas no âmbito da USC. 3. Atividades de monitoria em disciplinas da USC. 4. Atividades de representação discente junto aos órgãos da Universidade, mediante comprovação de participação efetiva.

4 4 5. Disciplinas opcionais eletivas, quando excedentes ao número de créditos eletivos exigidos pelo Curso, opcionais facultativas, ou obrigatórias alternativas excedentes às exigidas pelo currículo, cursadas com aproveitamento e frequência regulares. 6. Disciplinas de outros cursos/habilitações ou ênfases da USC, ou de instituições de ensino superior, nacionais ou estrangeiras, cursadas com aproveitamento e frequência regulares. 7. Estágios curriculares não obrigatórios (extracurriculares) desenvolvidos com base em convênios firmados pela USC. 8. Participação efetiva e comprovada em semanas acadêmicas, programas de treinamento, jornadas, simpósios, congressos, encontros, conferências, fóruns, atividades artísticas promovidos pela USC, ou por outras instituições de ensino superior, bem como por conselhos e associações de classe. 9. Atividades de extensão promovidas pela instituição ou por órgão público. 10. Outras atividades propostas pelo aluno, em qualquer campo de conhecimento. Perfil do Egresso Profissional generalista apto a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, em nível individual ou coletivo, desempenhar com competência e ética, as tarefas e funções pertinentes ao farmacêutico, ciente do seu papel formativo e da exigência de uma atuação embasada na multi e interdisciplinaridade e na interação com profissionais de outras áreas da saúde, embasados nos valores explicitados na identidade e missão da Universidade do Sagrado Coração. Capacitados ao exercício das atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas e ao controle, produção e análises de alimentos, dirigindo sua atuação para a transformação da realidade em benefício da sociedade.

5 5 Forma de Acesso ao Curso O acesso ao Curso de Farmácia pode ocorrer através de legislação vigente e Estatuto da Universidade Processo Seletivo: Constitui-se na principal forma de admissão aos cursos de graduação da USC. Unificado para todas as áreas é realizado uma vez por ano, podendo repetir-se, durante o ano, nas situações de existência de vagas remanescentes nos cursos de graduação superior. Transferências: Há dois tipos de transferência: Transferência Interna (consiste na troca de cursos, habilitação, opção ou turno dentro da USC e está condicionada à existência de vaga) e Transferência Externa, realizadas entre instituições congêneres, com áreas afins. Diploma de Curso Superior: alunos graduados em cursos de nível superior que reiniciam estudos em novos cursos. PROUNI: A Universidade aderiu, ao Programa Universidade para Todos em parceria como o Governo Federal, oferecendo vagas para vários cursos. Programa PEC-G: A Universidade oferece vagas para o Programa PEC-G, em parceria com o Ministério das Relações Exteriores. Alunos estrangeiros, oriundos de países africanos, recebem bolsa integral para estudarem na Universidade. Alunos Especiais: É permitida, a pessoas interessadas, a matrícula em disciplinas isoladas dos cursos ministrados pela Universidade, sem exigência de classificação em concurso vestibular, para aquisição ou atualização de conhecimentos, nos termos do seu Regimento Geral. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE UM PERFIL DE FORMAÇÃO Nome Créditos Carga Horária Semestre ANATOMIA HUMANA BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO EMBRIOLOGIA E HISTOLOGIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE OBS EM FARMÁCIA QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA BIOFÍSICA E FISIOLOGIA BOTÂNICA FISICA FARMACÊUTICA IMUNOLOGIA MICROBIOLOGIA

6 6 QUIMICA ANALÍTICA QUALITATIVA QUÍMICA ORGÂNICA BIOLOGIA MOLECULAR ÉTICA E CULTURA RELIGIOSA FARMACOGNOSIA FARMACOLOGIA FISICO QUIMICA PATOLOGIA GERAL URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR BIOESTATÍSTICA BIOQUÍMICA GERAL E METABÓLICA FARMACOTÉCNICA FITOTERAPIA MÉTODOS E TÉCNICAS DA PESQUISA PARASITOLOGIA QUIMICA ANALÍTICA QUANTITATIVA ANÁLISE INSTRUMENTAL EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ENZIMOLOGIA E BIOTECNOLOGIA INDUSTRIAL FARMACOLOGIA SISTEMICA POLÍTICAS E GESTÃO DE SAÚDE QUÍMICA FARMACÊUTICA TOXICOLOGIA GERAL E ANALÍTICA ATENÇÃO E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA BROMATOLOGIA CONTROLE BIOLÓGICO DE ALIMENTOS, MEDICAMENTOS E COSMÉTICOS EPIDEMIOLOGIA FARMACOTERAPIA MICROBIOLOGIA CLÍNICA SOCIOLOGIA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL BIOQUÍMICA CLINÍCA I CONT. FÍSICO-QUÍMICO ALIMENTOS, MED. COSMÉTICOS COSMETOLOGIA FARMÁCIA HOSPITALAR HEMATOLOGIA CLÍNICA I IMUNOLOGIA CLÍNICA MICOLOGIA CLÍNICA TECNOLOGIA FARMACÊUTICA BIOQUÍMICA CLINÍCA II CITOLOGIA CLÍNICA DEONTOLOGIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM FARMÁCIA HOSPITALAR EST.SUP.EM DROGARIAS E CENTROS DE SAÚDE I HEMATOLOGIA CLÍNICA II PARASITOLOGIA CLÍNICA TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ECONOMIA E GESTÃO FARMACÊUTICA ESTÁGIO SUP. EM ANÁLISE DE ALIMENTOS I ESTÁGIO SUP. EM ANÁLISES CLÍNICAS I ESTÁGIO SUP. EM DROGARIAS E CENTROS DE SAÚDE II ESTÁGIO SUP.EM ANÁLISE DE MEDICAMENTOS

7 7 ESTÁGIO SUP.EM FÁRMACIA DE MANIPULAÇÃO I INFORMÁTICA EM SAÚDE ESTÁGIO SEUP. EM ANÁLISE DE ALMENTOS II ESTÁGIO SUP. EM ANÁLISES CLINICAS II ESTÁGIO SUP. EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO II ESTÁGIO SUP. EM TECNOLOGIA FARMACEUTICA GESTÃO DA QUALIDADE EM SAUDE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Total 4014 *A disciplina LIBRAS, nos termos da Lei , de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais, e Decreto n , de 22 de dezembro de 2005, que regulamenta a Lei /2002 e artigo. 18 de Lei /2000, a partir do ano de 2010, será oferecida no último semestre letivo do Curso de Farmácia, como componente curricular optativo para o aluno. A disciplina (código 88270) tem, no âmbito dos cursos da Universidade, uma carga horária mínima de 36 horas. Sistema de Avaliação do processo de ensino e aprendizagem A avaliação do processo ensino e aprendizagem do Curso de Farmácia atende aos princípios pedagógicos que regem o processo de ensino aprendizagem, tais como continuidade, abrangência, diversificação de instrumentos, coerência com os objetivos propostos, conteúdos desenvolvidos e metodologias adotadas. A continuidade garante que os resultados da avaliação reflitam diferentes momentos do processo ensino e aprendizagem, enquanto que a diversificação dos instrumentos busca atender às peculiaridades individuais nas formas de buscar o conhecimento e de expressar o aprendido e a necessidade de abranger, além dos conhecimentos assimilados, as habilidades e atitudes adquiridas. Os procedimentos seguem as orientações do Regimento Geral e nas normativas estabelecidas pelo setor acadêmico da instituição. O aproveitamento é avaliado através de verificações parciais ao longo do período letivo e exame final, expressando-se o resultado de cada avaliação em notas de 0 (zero) a 10,0 (dez). Cabe ao docente a responsabilidade de verificação da aprendizagem e o registro da frequência dos alunos. Considera-se aprovado, independente de exames finais, o aluno que tiver frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) das atividades da disciplina e a média das verificações parciais iguais ou superiores a 7,0 (sete). Submete-se ao exame final o aluno que, tendo satisfeito as exigências anteriores, obtenha o mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) das atividades da disciplina e média das verificações parcial não inferior a 5,0 (cinco). É aprovado o aluno que, submetendo-se a exame final, obtenha média aritmética, entre as

8 8 verificações parciais e a nota obtida no exame final, igual ou superior a 5,0 (cinco). Considera-se reprovado o aluno que não obtiver frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento), não obtiver média das verificações parciais igual ou superior a 5,0 (cinco) e, após a realização do exame final, não lograr média igual ou superior a 5,0 (cinco). Sistema de Avaliação do Projeto de Curso O processo de avaliação do Projeto Pedagógico do Curso implica na verificação sobre a adequação às normas legais regidas pelo Sistema Nacional de Educação do Ensino Superior SINAES, em relação à clareza e coesão com o Plano de Desenvolvimento Educacional (PDI) e Diretrizes Curriculares Nacionais dos elementos que compõem as dimensões da Organização-Didática- Pedagógico, Corpo Docente, Infraestrutura para a proposta de formação do profissional com o perfil estabelecido. O processo de análise e avaliação é feito pelo Núcleo Docente Estruturante (NDE) em ação conjunta com o Conselho de Curso e a Coordenação Pedagógica da instituição. A cada turma que conclui o curso é feita uma avaliação pelos discentes em relação às disciplinas do curso, conteúdos ministrados, objetivos atingidos e seus pontos fortes e fracos através de uma oficina denominada Nossos Olhares, que tem permitido subsídios para revisão e acertos, tanto para a Coordenação do curso quanto para cada um dos docentes, em especial das áreas específicas de formação do profissional farmacêutico. Atividades de Conclusão de Curso O Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Farmácia tem por finalidade possibilitar ao estudante do curso a realização de um exercício completo de pesquisa, contando com orientação pedagógica para sua execução, viabilização e apresentação. O aluno utiliza-se de atividades orientadas, individuais e em grupos, com o professor da disciplina e/ou com o professor orientador, conforme prescreve o Manual de Orientação de TCC do Curso, cujas abordagens se inserem nos eixos dos conteúdos curriculares do Curso de Farmácia e contemplam os fundamentos o Projeto Pedagógico. O TCC é um documento técnico-científico que por escrito, expõe a reconstrução racional e lógica de um tema. Sua qualidade é evidenciada

9 9 pela criatividade mostrada pelo autor quando expõe sua leitura e interpretação do conteúdo. O TCC se insere no eixo dos conteúdos curriculares do Curso de Farmácia e sua adequação deve contemplá-los. Consiste em um momento de síntese e expressão da totalidade da formação profissional, através do qual o acadêmico sistematiza os resultados de um processo formativo-investigativo. O TCC é realizado em padrões científicos e elaborado com a orientação de docente da Universidade, de acordo com a sua área de conhecimento e experiência profissional, prevalecendo sempre à concepção da inter, multi e transdisciplinaridade na sua concepção. A disciplina TCC do Curso de Farmácia tem carga horária de 36 horas, sendo realizada com acompanhamento efetivo do professor da disciplina e do professor orientador do projeto a ser desenvolvido. O objetivo da disciplina de TCC é a formatação do trabalho escrito e a organização das apresentações orais, além do registro em Anais, com ISSN (ISSN ). Estágio Curricular O Estágio Curricular constitui o conjunto das atividades curriculares de ensino-aprendizagem profissional desenvolvidas em situação real de trabalho, que favorece a articulação entre a teoria e prática profissional. A matriz curricular do Curso de Farmácia é composta por 12 estágios, com carga horária total de 810 horas. Estes estágios são desenvolvidos a partir do 1º semestre do Curso, em caráter de Observação; posteriormente, no 8º, 9º e 10º semestres, em caráter de execução. - Estágio Supervisionado de Observação (36h) O programa a ser desenvolvido pelos alunos estagiários refere-se a observações e eventuais atividades práticas onde eles poderão desenvolver os conceitos de Administração e Economia, Legislação e Deontologia, Dispensação e Atendimento ao público. O objetivo é inserir o aluno no mercado de trabalho para que ele possa compreender a dinâmica como as atividades acontecem, facilitando o início de sua vida profissional.

10 10 - Estágio Supervisionado em Farmácia Hospitalar (54h) Desenvolvimento e participação dos fundamentos teórico-práticos das atividades do farmacêutico em âmbito hospitalar como gerenciamento da assistência farmacêutica, fracionamento, manipulação e diluições de medicamentos em diversas formas farmacêuticas, assim como a preparação de soluções quimioterápicas. - Estágio Supervisionado em Drogarias e Centros de Saúde I e II ( = 144h) Verificação, experimentação e anotação da rotina em uma farmácia, drogaria e unidades de saúde com atendimento SUS. O objetivo principal é fornecer ao aluno a complementação do ensino e da aprendizagem em atividades farmacêuticas, a fim de se constituírem em instrumentos de integração, de treinamento prático, de aperfeiçoamento técnico-cultural, científico e de relacionamento humano, além de permitir a inserção do aluno nas políticas públicas de saúde no país. - Estágio Supervisionado em Análises de Alimentos I (72h) Conhecimentos aplicados em análises de controle de qualidade de alimentos processados ou não, e água - na área de Análises Físico-Químicas. - Estágio Supervisionado em Análises Clínicas I e II ( = 144h) Métodos e técnicas de coleta, processamento, análise e interpretação de exames realizados no Laboratório de Pesquisa Clínica com finalidade diagnóstica. Interpretar os exames biológicos e citológicos inerentes ao laboratório de investigação clínica, desenvolver habilidades e atitudes no comportamento ético com os pacientes e com outros profissionais da área da saúde. - Estágio Supervisionado em Análises de Alimentos II (72h) Conhecimentos aplicados em análises de controle de qualidade de alimentos processados ou não na área de Análises Microbiológicas. - Estágio Supervisionado em Farmácia de Manipulação I e II ( = 144h) Orientação e esclarecimento para os diversos problemas e soluções encontrados em Farmácia de Manipulação. Manipulação das diferentes formas farmacêuticas: laboratório de sólidos, semissólidos e líquidos, bem como controle de qualidade.

11 11 Políticas de qualidade da farmácia de manipulação. Os objetivos são proporcionar aos alunos a oportunidade do contato com a atividade da prática do farmacêutico na Manipulação Magistral, reconhecer os vários níveis de atenção à saúde, integrandoo em programas de promoção, manutenção, prevenção, proteção e recuperação da saúde. - Estágio Supervisionado em análise de medicamentos (72h) Desenvolvimento dos fundamentos e práticos das atividades relacionadas ao processo de análise e controle de formas farmacêuticas com o objetivo de preparar o futuro profissional para o exercício de suas funções, na área de controle de qualidade na indústria de insumos, fármacos e medicamentos. - Estágio Supervisionado em tecnologia farmacêutica (72h) Desenvolvimento dos conhecimentos teóricos e práticos relacionados?a produção de formas farmacêuticas com o objetivo de preparar o futuro profissional para o exercício de suas funções na indústria de insumos, fármacos e medicamentos.

12 12 PORTARIA DE RENOVAÇÃO Nº 218, segunda-feira, 10 de novembro de 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PORTARIA No- 775, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2008 (*) A Secretária de Educação Superior, usando da competência que lhe foi conferida pelo Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 12 de dezembro de 2007, e tendo em vista a Portaria Normativa nº 40, de 12 de dezembro de 2007, bem como a Portaria Normativa nº 4, de 05 de agosto de 2008, do Ministério da Educação, resolve: Art. 1o Renovar o reconhecimento dos cursos superiores de graduação, ministrados pelas instituições de ensino superior abaixo discriminadas, nos termos do disposto no artigo 10, 7º, do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 12 de dezembro de Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. MARIA PAULA DALLARI BUCCI ANEXO Nº de ordem Processos Nº SIDOC e Registro E-MEC ou SAPIEnS Mantenedora Mantida Curso, Modalidade, Habilitação Localidade / Instituto das Apóstolas do SAGRADO CORAÇÃO de Jesus Universidade do SAGRADO CORAÇÃO Enfermagem, bacharelado Bauru - SP / / / / Instituto das Apóstolas do SAGRADO CORAÇÃO de Jesus Universidade do SAGRADO CORAÇÃO Farmácia, bacharelado Bauru - SP / Instituto das Apóstolas do SAGRADO CORAÇÃO de Jesus Universidade do SAGRADO CORAÇÃO Nutrição, bacharelado Bauru - SP / Instituto das Apóstolas do SAGRADO CORAÇÃO de Jesus Universidade do SAGRADO CORAÇÃO Odontologia Bauru - SP / Instituto das Apóstolas do SAGRADO CORAÇÃO de Jesus Universidade do SAGRADO CORAÇÃO Terapia Ocupacional, bacharelado Bauru - SP (*) Estão dispostos nesta portaria os cursos que obtiveram Conceito Preliminar "3" e para os quais existiam processos de renovação de reconhecimento tramitando em um dos Sistemas (SAPIEnS/E-MEC) deste Ministério até a presente data.

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2009 Aprova a estrutura curricular do Curso de do Centro de Educação e Saúde

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de, na modalidade bacharelado,

Leia mais

Matriz Curricular do curso de FARMÁCIA da Faculdade Santa Rita - FaSaR

Matriz Curricular do curso de FARMÁCIA da Faculdade Santa Rita - FaSaR 1º Período SEMANAL Introdução às Ciências Farmacêuticas 02-02 40 Anatomia Humana I 02 02 04 80 Citologia e Histologia 02 02 04 80 Química Geral e Inorgânica 02 02 04 80 Física Aplicada à Farmácia 02-02

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA REGÊNCIA (BACHARELADO)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA REGÊNCIA (BACHARELADO) 1 ANO CADASTRO NO E-MEC 04/02/2011 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA REGÊNCIA (BACHARELADO) Justificativa da oferta do curso O Curso de Regência em Bacharelado é noturno, com duração

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE BIOMEDICINA

CATÁLOGO DO CURSO DE BIOMEDICINA CATÁLOGO DO CURSO DE BIOMEDICINA ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Biomedicina Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Rua Yvette Gabriel Atique, 45 Bairro

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: FARMÁCIA - GRADUAÇÃO - BACHAREL GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: FARMÁCIA - GRADUAÇÃO - BACHAREL GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ANATOMIA HUMANA I 72 BIOLOGIA CELULAR 36 BIOSSEGURANÇA 36 CIÊNCIAS SOCIAIS 36 ENADE INGRESSANTE 0 GENÉTICA HUMANA 72 PSICOLOGIA APLICADA A SAÚDE 36 QUÍMICA GERAL E ORGÂNICA 72 Período:

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE RELAÇÕES

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE RELAÇÕES 1 PÚBLICAS INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE RELAÇÕES Justificativa da oferta do curso A proposta de criação do Curso de Comunicação Social, com Habilitação em Relações Públicas, foi oficializada

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FISIOTERAPIA 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FISIOTERAPIA Justificativa da oferta do curso O Curso de Fisioterapia da Universidade do Sagrado Coração inserido no âmbito do Centro de Ciências da Saúde

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Justificativa da oferta do curso: Bauru é uma referência para a Região Centro-oeste do Estado de São Paulo, constituindo-se em uma

Leia mais

Matriz Curricular. 1º Período Nome da disciplina

Matriz Curricular. 1º Período Nome da disciplina Matriz Curricular A grade curricular proposta para o Curso de Farmácia abrange três modalidades de disciplinas: disciplinas básicas, que serão comuns aos cursos de Bioquímica, Enfermagem e Medicina, disciplinas

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste CURSO DE FARMÁCIA 1 Biossegurança FAR1201 2 40 Cálculo Aplicado FAR1202 3 60 Química Geral Teórica FAR1203 3 60 Química Geral Experimental FAR1204 3 60 Anatomia FAR1205 5 100 Biologia Celular FAR1206 3

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL Justificativa da oferta do curso O curso de Terapia Ocupacional da Universidade do Sagrado Coração inserido no âmbito do Centro de Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 07/2009 Aprova a estrutura curricular do Curso de do Centro de Educação e Saúde

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA EDUCAÇÃO MUSICAL (LICENCIATURA)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA EDUCAÇÃO MUSICAL (LICENCIATURA) 1 ANO CADASTRO NO E-MEC 04/02/2011 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA EDUCAÇÃO MUSICAL (LICENCIATURA) Justificativa da oferta do curso O Curso de Educação Musical Licenciatura (currículo:

Leia mais

35434 Trabalho de Conclusão I 6º semestre 3549E Estágio Supervisionado I 6º Semestre

35434 Trabalho de Conclusão I 6º semestre 3549E Estágio Supervisionado I 6º Semestre Currículo Novo - 2009/01 Reconhecido pela Portaria Ministerial 1.409, de 19/05/2004. 35332 Bioética e Regulamentação Biomédica - 11184 Anatomia Humana I - 35322 Biossegurança - 11304 Biofísica - 11404

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA INTA ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM BIOMEDICINA 1º SEMESTRE

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA INTA ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM BIOMEDICINA 1º SEMESTRE 1º SEMESTRE 1.1 Anatomia Humana I 30 15 45 03-1.2 Antropologia Teológica 30-30 02-1.3 Biologia Celular e Molecular 45 15 60 04-1.4 Biossegurança 30-30 02-1.5 Ética, Bioética e Legislação 30-30 02-1.6 Informática

Leia mais

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente.

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente. INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS 1. CURRÍCULO Para cada curso de graduação é organizado um currículo. O currículo abrange uma sequência de disciplinas/módulos hierarquizados(as) por períodos letivos, cuja

Leia mais

Estrutura Curricular - Vigência a partir do 2º semestre de 2006 (Alteração homologada pela Resolução nº 36 CONSEPE, de 12/12/2008).

Estrutura Curricular - Vigência a partir do 2º semestre de 2006 (Alteração homologada pela Resolução nº 36 CONSEPE, de 12/12/2008). MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Estrutura Curricular - Vigência a partir do 2º

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 156/2010

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 156/2010 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 156/2010 Aprova a reestruturação curricular e fixa normas de regulamentação para o Curso de Graduação em Farmácia. O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 70/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Matemática Computacional, Bacharelado

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.989, DE 10 DE JUNHO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

II Encontro Nacional de Formação Profissional. Oficina 4 Relato de experiências com renovação curricular. Dra. Míriam Carmo Rodrigues Barbosa

II Encontro Nacional de Formação Profissional. Oficina 4 Relato de experiências com renovação curricular. Dra. Míriam Carmo Rodrigues Barbosa II Encontro Nacional de Formação Profissional Oficina 4 Relato de experiências com renovação curricular Dra. Míriam Carmo Rodrigues Barbosa Universidade Federal do Espírito Santo UFES CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

7- Atividades Complementares (CH60)

7- Atividades Complementares (CH60) 7- Atividades Complementares (CH60) As atividades complementares no curso de Fisioterapia estão dispostas na nova matriz curricular para os ingressantes a partir do ano de 2008. Visando a garantir a flexibilidade

Leia mais

PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO. Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio

PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO. Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio PESQUISA INSTITUCIONAL IFRJ - CAMPUS RIO DE JANEIRO CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 1 Capa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 Prezado(a) Aluno(a): Estas normas foram elaboradas com o objetivo de fornecer subsídios

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

a Resolução CONSEPE/UFPB nº. 34/2004, que orienta a elaboração e reformulação dos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da UFPB;

a Resolução CONSEPE/UFPB nº. 34/2004, que orienta a elaboração e reformulação dos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da UFPB; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 22 / 2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em, na modalidade

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO 01 PERFIL DO CURSO: O curso de Ciências Econômicas, reconhecido pelo Decreto nº 67.055, de 14 de agosto de 1970, leva em consideração

Leia mais

FFARM Faculdade de Farmácia

FFARM Faculdade de Farmácia FFARM Faculdade de Farmácia Secretaria: Prédio12 - Bloco A Fone: 3320-3512 E-mail: farmácia@pucrs.br www.pucrs.br/farmacia Departamentos: Análises Clínicas e Toxicológicas n.º 351 Desenvolvimento e Produção

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Biomedicina. O Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671 01 PERFIL DOS CURSOS O conhecimento científico/tecnológico e as transformações econômicas, educacionais,

Leia mais

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Semestre 1 01 Introdução às Ciências Farmacêuticas 30 30-2 - 02 Anatomia 75 30 45 5-03 Biologia Celular e Molecular 60 30 30 4-04 Química Geral e Inorgânica 75

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e

Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e Normas Nacionais para a Oferta de Programas e Cursos de Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

I RELATÓRIO: II ANÁLISE:

I RELATÓRIO: II ANÁLISE: INTERESSADO: ASSUNTO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL JOAQUIM NABUCO - RECIFE/PE AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA, EM ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1) PERFIL DO CURSO: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO CORAÇÃO EUCARÍSTICO A missão do Curso de Administração da PUC Minas consiste em atender às necessidades de adaptação às transformações ambientais,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: BIOMEDICINA - GRADUAÇÃO - BACHAREL GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: BIOMEDICINA - GRADUAÇÃO - BACHAREL GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ANATOMIA HUMANA I 72 BIOLOGIA CELULAR 36 BIOSSEGURANÇA 36 CIÊNCIAS SOCIAIS 36 ENADE INGRESSANTE 0 GENÉTICA HUMANA 72 PSICOLOGIA APLICADA A SAÚDE 36 QUÍMICA GERAL E ORGÂNICA 72 Total

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Érika Guimarães Costa E-mail: farmacia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 217 O Curso forma o profissional

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL Regulamento das Atividades Complementares

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL Regulamento das Atividades Complementares CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL Regulamento das Atividades Complementares 1 CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL Regulamento das Atividades Complementares As atividades

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. O Presidente

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Ciência da Computação Modalidade: ( X ) bacharelado ( ) licenciatura Local de funcionamento: Coração Eucarístico 01 PERFIL DO CURSO O curso de Ciência da Computação

Leia mais

Colegiado do Curso de Biomedicina Matriz Curricular 2012.1 2015.2

Colegiado do Curso de Biomedicina Matriz Curricular 2012.1 2015.2 Colegiado do Curso de Biomedicina Matriz Curricular 2012.1 2015.2 1 o SEMESTRE Química Geral e Inorgânica 3 1 4 80 ---- Citologia e Genética 3 1 4 80 ---- Fundamentos de Biomedicina e Ética Profissional

Leia mais

MANUAL DO ALUNO CURSO DE ODONTOLOGIA. Campus III

MANUAL DO ALUNO CURSO DE ODONTOLOGIA. Campus III 1 MANUAL DO ALUNO CURSO DE ODONTOLOGIA Campus III Prezado aluno, A finalidade deste Manual é integrar e irmanar direção, coordenação, professores, alunos e funcionários. Esta tarefa cabe a todos nós e

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO II REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA MANUAL DO ALUNO

CURSO DE ODONTOLOGIA MANUAL DO ALUNO Trata-se de admissão solicitada por pessoas já graduadas para ingresso em novo curso, cujo deferimento depende da existência de vagas no curso pretendido e de processo seletivo. CURSO DE ODONTOLOGIA MANUAL

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 23/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Graduação em Engenharia de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº001/2011 Autoriza a criação do Curso de Especialização em Saúde da Família UnA-SUS/UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o parágrafo

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Aos Sete dias do mês de Agosto de mês de Dois mil e 0ito nas dependências da Faculdade de Ciências Contábeis

Leia mais

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES A formação complementar é fruto da participação do aluno, durante o período de realização do seu curso superior, em atividades que não estão inseridas na grade curricular, mas que reconhecidamente contribuem

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM MATRIZ CURRICULAR

CURSO: ENFERMAGEM MATRIZ CURRICULAR 1º PERÍODO 2012/1 CURSO: ENFERMAGEM MATRIZ CURRICULAR Metodologia Científica Português Anatomia Humana 6 120 100.00 Introdução a Citologia Projeto Integrador Atividades Complementares - 40 33.20 () 20

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos

MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos MATRIZ CURRICULAR ENFERMAGEM 4860 HORAS h/a 50 minutos 4050 HORAS h/a 60 minutos PRIMEIRO PERÍODO - PRIMEIRO ANO Sociologia, Antropologia e Filosofia 40 33,33 Iniciação à Pesquisa em Enfermagem 80 66,67

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior UF: DF ASSUNTO: Reexame do Parecer CNE/CES nº 162/2010,

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso. Missão

Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso. Missão Informações do PPC que constarão na página eletrônica do Curso CURSO: Biomedicina Missão O Curso de Biomedicina tem como missão a formação de um profissional generalista, humanista, crítico e reflexivo

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85. RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85. Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 30 30 60 04-2. Bioestatística Geral 30-30 02-3. Bioética 30-30 02-4. Biofísica 60-60 04-5. Citologia, Histologia e Embriologia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 57/2009/CONEPE Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 1º - O perfil profissiográfico do Curso de Farmácia é o seguinte:

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 1º - O perfil profissiográfico do Curso de Farmácia é o seguinte: Resolução CONSUN - 28/95 DISPÕE SOBRE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO E O QUADRO DEMONSTRATIVO DO DESDOBRAMENTO DAS MATÉRIAS EM DISCIPLINAS DO CURSO DE FARMÁCIA O Presidente do Conselho Universitário - CONSUN,

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS APRESENTAÇÃO DO CURSO Caracterização geral do Curso de Ciências Econômicas da Unemat: Denominação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cod. Disciplina P.R Carga Horária Teórica Prática

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. O Presidente

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018)

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca nortear

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 270/2014

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 270/2014 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 270/2014 Dispõe sobre o Currículo do Curso de Nutrição, regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº AGR- 141/2012, aprovou e eu promulgo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - BACHARELADO VERSÃO 2006 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Leia mais

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Credenciada pela Portaria MEC n. 3.640, de 17/10/2005 DOU de 20/10/2005. CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Autorizado pela Portaria MEC

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 969/2012

DELIBERAÇÃO Nº 969/2012 DELIBERAÇÃO Nº 969/2012 Ementa: Cria o Selo de Qualidade em Educação Farmacêutica do Conselho Regional de Farmácia do Estado do Rio de Janeiro. O ESTADO DO RIO DE JANEIRO CRF-RJ, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 1 SEMESTRE DE 2016 FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 1 SEMESTRE DE 2016 FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 1 SEMESTRE DE 2016 FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA COMISSÃO ORGANIZADORA Eliane Assis Neves Júlio César Alvim Marquione Gomes Raquel Munis Suelen Gomes 2 SUMÁRIO 1 CURSOS OFERECIDOS

Leia mais

LINGUAGEM ACADÊMICA Aluno especial/avulso Aluno regular Avaliação do rendimento escolar Avaliação institucional da educação superior brasileira.

LINGUAGEM ACADÊMICA Aluno especial/avulso Aluno regular Avaliação do rendimento escolar Avaliação institucional da educação superior brasileira. LINGUAGEM ACADÊMICA Após o ingresso na Universidade, o aluno de graduação deve tomar conhecimento de alguns termos que passarão a fazer parte do seu cotidiano. Aluno especial/avulso. Poderá ser concedida

Leia mais

Farmácia. ~ Projeto Pedagógico ~

Farmácia. ~ Projeto Pedagógico ~ Farmácia ~ Projeto Pedagógico ~ Projeto Pedagógico do Curso de Farmácia ~ 2012 ~ 2 Sumário 1) Dados gerais... 4 2) Histórico... 4 3) Organização institucional... 4 4) Justificativa... 7 5) Concepção do

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 02/2010 CONSU/UNIFAP Regulamenta o Estágio Supervisionado, no âmbito da Universidade Federal do Amapá.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 17/4/2013, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 318, publicada no D.O.U. de 17/4/2013, Seção 1, Pág. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2014 São Luis de Montes Belos Goiás Faculdade Montes Belos Curso de Engenharia Agronômica São Luis de Montes Belos - Goiás COORDENADOR

Leia mais

Associação Médica Brasileira - 1999 requisitos Associação Médica Brasileira

Associação Médica Brasileira - 1999 requisitos Associação Médica Brasileira Requisitos Mínimos para criação e funcionamento de escolas, faculdades ou cursos de Medicina, Ciências Médicas ou Ciências da Saúde. Associação Médica Brasileira - 1999 Entre os requisitos a serem preenchidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais