Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1"

Transcrição

1 Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1 Aline Guimarães Bemfica 2 Em Moral sexual civilizada e doença nervosa moderna (1908), Freud apresenta uma leitura psicanalítica do criminoso: aquele que em consequência de sua constituição indomável não consegue concordar com a supressão 3 das pulsões, torna-se um criminoso diante da sociedade (FREUD, p. 173, 1908). O termo constituição indomável, inicialmente, nos causou muito incômodo, pois poderia remeter a uma leitura fatalística do indivíduo que cometeu um crime ou uma infração. Esse incômodo nos conduziu a duas vertentes de trabalho: buscar o contraponto da ideia de supressão da pulsão na tese freudiana da renúncia pulsional a partir da referência ao processo de hominização do individuo (1939) e, em um segundo momento, percorrer algumas referências do vasto campo conceitual da repetição na clínica freudiana. A compulsão à repetição é considerado por Freud (1920) como um dos maiores obstáculos da clínica psicanalítica e apresenta algo de indomável concernente ao sujeito, merecendo, portanto, um destaque na relação do homem com a civilização. Ao esclarecer que a civilização produz modificações nas disposições pulsionais dos homens e em suas tendências destrutivas e anti-sociais (1930), Freud apresenta a vertente econômica do psiquismo e da vida humana em uma perspectiva dualista: satisfação e renúncia, princípios de prazer e de realidade, considerados, respectivamente, processos primário e secundário do psiquismo (1911), pulsão de vida e pulsão de morte (1920). Esses dualismos não pressupõem o equilíbrio. Essa constatação foi realizada a partir da verificação no comportamento dos homens de ações causadoras de sofrimento e constantemente repetidas, da existência de sonhos que repetem situações dolorosas, das repetições de destino e do fracasso no tratamento 1 Fizemos neste ensaio um percurso eminentemente freudiano. Entendemos que o assunto abordado mereceria uma articulação com outros campos de saber e também com a psicanálise de orientação lacaniana. Entretanto, se trata neste momento de alguns primeiros passos fundamentais, concernentes à complexa articulação expressa no título deste trabalho. Passos estes que, possivelmente, nos conduzirão a outras articulações teóricas que estejam a altura dos adolescente e das subjetividades próprias à nossa época. 2 Doutoranda em Teoria Psicanalítica, UFRJ RJ. Bolsista Capes. 3 No original da língua alemã temos o verbo Triebunterdrückung. Este pode significar reprimir, subjugar. Conforme Tania Coelho, literalmente, este termo significa cair atrás, como quando alguma coisa desliza sob outra que a apaga, faz desaparecer. A impertinência da tradução do verbo suprimir é devido ao fato que uma exigência pulsional vai sempre em direção ao seu objetivo, a saber: a satisfação. A impossibilidade de supressão da pulsão inclui, em contrapartida, a possibilidade de suas variadas vicissitudes. Em relação a tradução aqui empregada agradeço também a Jacqueline Oliveira pela sua contribuição.

2 analítico. Apresentava-se, assim, o mais-além do princípio do prazer (1920), base do mal-estar na cultura, abrindo o campo para a nova teoria do pulsional (segunda tópica freudiana) que encontra na pulsão de morte a sua maior expressão. A condição mais radical do humano é o desamparo infantil ineliminável que encontra no desejo de contar com o pai protetor um de seus destinos. Em 1927, no ensaio O futuro de uma ilusão (1927), Freud esclarece que tanto o conhecimento científico como a religião são ilusões necessárias em face ao desamparo. Também o fundamento da relação entre os homens encontra suporte em uma de suas primeiras teses, na qual enfatiza que o desamparo inicial dos seres humanos é a fonte primordial de todos os motivos morais. (FREUD, 1895, p. 431). O homem desamparado constrói - a partir da relação com o outro - os seus pontos de referência, as suas formas de lidar com a castração, com os limites do possível e do impossível, com a lei e a relação com o que é permitido ou proibido. A ineliminável necessidade de amor e proteção do indivíduo e também a existência dos desejos incestuosos e parricidas inconscientes, e, especialmente, a culpa correspondente a esses desejos, são basilares na construção dos laços entre os homens. Essas duas referências o desamparo e a culpa pressupõe o consentimento com a privação da satisfação dos desejos pulsionais inconscientes fundamentais no projeto civilizatório. A referência ao termo privação apresenta a condição do humano em luta constante com os desejos pulsionais do canibalismo, do incesto e da ânsia de matar (FREUD, p. 20, 1927). No ano de 1939, no ensaio Moisés e o monoteísmo, texto no qual avança em suas investigações sobre a organização social humana (iniciada em 1912 em seu ensaio Totem e Tabu ), Freud apresenta o que denominou como função de hominização do indivíduo. Esta função é relativa à possibilidade de tornar-se humano (menschwerdung) e ocorre concomitantemente ao aparecimento das organizações sociais. Assinalam-se as seguinte tarefas: adiamento da vida sexual e desencadeamento difásico da mesma (Período de amnésia infantil período de latência remanescentes ou cicatrizes); renúncia pulsional; reconhecimento das obrigações mútua; introdução das instituições definidas e invioláveis consideradas como os primórdios da moralidade e da justiça; renúncia ao parricídio e ao incesto cuja consequência é a possibilidade da aliança fraterna e, por fim, o tabu do incesto e injunção à exogamia. Entretanto, a função de hominização da cultura inclui a impossibilidade de livrar-se de uma exigência pulsional, tal como esclarece ao dizer que certamente não é fazer com que a exigência

3 desapareça (...) Isso em geral é impossível e, tampouco, de modo algum, é de se desejar. (FREUD, p. 240, 1939) A impossibilidade de livrar-se da exigência da pulsão parece dialogar, no campo da cultura, com a relação do sujeito e a autoridade interna, tal como lemos no ensaio O mal-estar na cultura (1930): uma satisfação irrestrita de todas as necessidades apresenta-se-nos como o método mais tentador de conduzir as nossas vidas, isso porem significa colocar o gozo antes da cautela, acarretando logo seu próprio castigo (FREUD, p 85, 1930). Assim, a satisfação imediata da pulsão ou o reinado da pulsão de morte, é contraposta ao princípio de realidade e ao princípio de civilidade que incidem sobre o homem considerado - em termos freudianos - virtualmente inimigo da civilização (FREUD, p. 16, 1927) Dessas considerações iniciais destacamos que para Freud a renúncia pulsional ou o antagonismo pulsão (Trieb) /civilização (Kultur) 4 produz como consequência o conflito psíquico. Este ocorre devido à impossibilidade de satisfação (Befriedigung) da pulsão diante das restrições sociais e morais impostas pela civilização e que encontram sua primeira expressão na vida familiar do sujeito e na construção das barreiras éticas e morais. Posteriormente, essas restrições são efetuadas com o auxílio de outras instituições. A impossibilidade do homem se abster da exigência pulsional é apresentado o contexto de 1915, especificamente em As pulsões e suas vicissitudes, texto no qual o conceito de pulsão é apresentado como uma força constante de impacto da qual o organismo não consegue se livrar: A pulsão jamais atua como uma força momentânea de impacto, mas sempre como uma força constante (FREUD, p. 19, 1915). A ideia de uma força de impacto constante apresenta a articulação entre pulsão/traumatismo devido a exigência de trabalho feita ao psiquismo em sua relação com o corpo. Isso porque a exigência de trabalho psíquico é acompanhada da impossibilidade de tradução ou de 4 Esse paradigma é também verificado na obra freudiana em suas discussões sobre a religião e a neurose obsessiva (1927), na apresentação dos tempos de guerra ( ), na colaboração com Einstein sobre a impossibilidade de alcançar a paz mundial visto a presença incisiva da pulsão de morte (1932), no diálogo estabelecido com Aichornn sobre o trabalho educativo de jovens delinquentes (1925), na hipótese mítica da fundação da civilização a partir de um ato criminoso que instaura a vida compartilhada em coletividade (1913), na relação do homem e sua sexualidade e as restrições da civilização (1908). Mas, fundamentalmente os textos O futuro de uma ilusão (1927) e O mal-estar na civilização (1930).

4 representação da exigência pulsional que adquire, portanto, o estatuto de elemento perturbador. Posteriormente, em Análise terminável e interminável (1937), Freud retoma a articulação entre o traumático e a pulsão pelo viés do resíduo intratável. Essa leitura remete às considerações freudianas em Formulação sobre os dois princípios do funcionamento psíquico (1911), texto no qual define os processos inconscientes como processos mais antigos, primários, resíduos de uma fase de desenvolvimento em que eram os únicos tipos de processo mental (FREUD, p. 278, 1911). Esse resíduo pulsional encontra satisfação na repetição, conjugando, assim, a ideia de trauma e compulsão à repetição. Essa ideia parece encontrar ressonância também em 1923, no texto O ego e o ID, a partir da definição da neurose como uma defesa contra a incidência constante da força pulsional que compõe o Isso. Os resquícios da primeira satisfação pulsional do isso produzem efeitos no acesso à realidade psíquica constituída a partir dos mecanismos de defesa e fuga. Essas defesas são responsáveis pela organização da realidade ou a significação do mundo pelo homem e incluem os processos conscientes e os resíduos dos processos inconscientes, remanescentes, tal como testemunham os sonhos e a tendência a afastar as impressões aflitivas. Na construção da realidade psíquica, as pulsões, território do Isso freudiano, deverão ser organizadas pelo eu e pelo supereu, produzindo como consequência uma sujeição parcial destas. Esse alçamento pulsional apresenta a função socializante do complexo edipiano no qual o supereu, seu herdeiro, contribui (devido ao registro da culpa) para a limitação da satisfação pulsional. Mas, em sua vertente mortífera, na medida em que porta a dosagem de agressividade dirigida a outrem e internalizada, contribui para a própria destruição do indivíduo. Essa particularidade do supereu apresenta uma articulação entre o pulsional, o traumatismo e a repetição. Dessa breve articulação entre o isso, o trauma e a compulsão a repetir, extraímos a referência à excitação psíquica, aos elementos intraduzíveis ao psiquismo e, portanto, perturbadores, e à função do supereu. Estas referências parecem apontar um campo clínico importante no trabalho com indivíduos cometeram algum crime. O lugar do crime na economia psíquica corresponde as mais variadas problemáticas subjetivas. Nesse sentido, entendemos que caberá ao analista verificar que oferta será possível fazer - no que diz respeito a escuta analítica - a cada vez e em cada caso - na medida em que a

5 psicanálise não é um dispositivo universal cuja premissa seria a aplicação a todos os indivíduos. O traumatismo do encontro com a puberdade: uma breve e parcial leitura do que esta em jogo no comportamento infracional dos adolescentes Como vimos, a compulsão a repetir é o grande obstáculo da clínica psicanalítica. No campo de trabalho com adolescentes infratores, localizamos uma certa compulsão a agir que muitas vezes se antecipa ao uso da palavra. Entretanto, não trabalharemos aqui com a noção sociológica da adolescência. Seguiremos, mais uma vez, a via freudiana, e utilizaremos o termo puberdade (1905) para explorar o que está em jogo nesse tempo subjetivo que marca o encontro com o corpo púbere e a atualizacão das questões edipianas e relativas à escolha de objeto. Trabalharemos com mais uma referência ao traumatismo 5 que poderá contribuir para nossa parcial leitura do comportamento infracional dos adolescentes no encontro com a puberdade. A relação entre puberdade e trauma é expressa na ideia de retroregressão, na qual a eflorescência sexual infantil (até então represada) que desperta na puberdade de forma excessiva, traumática, coloca desafios à clínica psicanalítica. Em relação as consequências psíquicas desse encontro traumático que é a puberdade, em Os três ensaios sobre a sexualidade (1905) Freud utiliza-se da metáfora do túnel cavado em uma montanha, com abertura em ambos os lados, para dizer dos resquícios da sexualidade infantil atualizados no encontro com a puberdade. Resquícios concernentes ao re-encontro com o objeto perdido, a re-escolha de objeto amoroso e às identificações do primeiro tempo da unificação das pulsões. Na puberdade as pulsões parciais exigem do sujeito um novo trabalho de unificação que caracteriza o processo difásico da sexualidade conjuntamente à presença de novos recalcamentos: Pode ser considerado típico da escolha de um objeto que o processo é difásico, isto é, que ele ocorre em duas ondas. A primeira delas ocorre na idade entre dois e cinco anos, e se interrompe ou regride durante o período de latência; é caracterizada pela natureza infantil dos objetivos sexuais. A segunda onda se instala com a puberdade e determina o resultado final da vida sexual (FREUD, 1905, p. 206). 5 Lembramos aqui que a etiologia do trauma articulou-se inicialmente (1895) à relação entre a sedução e o sexual a partir da existência de um trauma sexual real decorrente da sedução de um adulto. O caso que melhor apresenta essa primeira teoria do trauma é o conhecido caso Emma (1895), no qual o encontro pubertário atualiza e confere valor traumático a uma cena primeira e infantil.

6 Na medida em que a vida sexual infantil teve que ser abandonada (devido à incompatibilidade com a realidade), os resíduos que permaneceram (pois esse abandono não é efetivo) podem gerar respostas sintomáticas ou se manifestar em forma de atos e comportamentos, incluindo-se aqui, o comportamento infracional. Esses resíduos podem também encontrar lugar nos mais variados sentimentos inconscientes contra o ego, especialmente, no sentimento de culpa. Importante lembrar também que abandono dos primeiros objetos de amor podem ser interpretados pelo infans como algo degradante, contribuindo para a violência do supereu contra o sujeito: A tensão entre o severo superego e o ego, que a ele se acha sujeito, é por nós chamada de sentimento de culpa, expressa-se como uma necessidade de punição (FREUD, 1930, p. 127). Em relação à possibilidade de encontrar pontos de ancoragem para o pulsional no encontro com a puberdade, a saída apresentada por Freud fundamenta-se na articulação do sujeito à cultura e na formação do ideal do eu ou supereu. Em uma primeira leitura, a interdição do supereu na infância introduz a diferenciação entre o permitido e do proibido, o possível e o impossível. Trata-se da lei internalizada, assimilada pelo sujeito e que tem no pai como exceção, modelo do pai freudiano, o ideal do eu como medida da satisfação pulsional. Nessa construção do ideal do eu, o eu sofre uma frustração, renunciando e se organizando a partir de elementos recalcados. Todo esse processo psíquico reencontra na puberdade mais um desafio: o declínio da autoridade parental que, em contrapartida, apresenta a necessidade de que se mantenha a diferença transgeracional e os ritos de iniciação tão importantes para o progresso da cultura, entre a nova e a velha geração. (FREUD, 214, 1905). Diante do desafio em lidar com as pulsões no encontro com a puberdade, a orientação freudiana apresenta também a importância da função parental que se estende as demais instituições sociais no tratamento dado ao pulsional. Pois estas contribuem também inserir no princípio de prazer um longo desvio que implica a postergação de uma satisfação imediata, bem como a renúncia à diversas possibilidades de conseguí-la, e a tolerância provisória ao desprazer (FREUD, 1920,p. 137). Mas, em face a fragilidade da ficção paterna, como ficam as referências freudianas do tratamento dado ao pulsional no processo civilizatório e no encontro com a

7 puberdade? Diante da renúncia à renúncia pulsional trata-se na contemporaneidade de qual mal-estar? Parece mesmo não se tratar mais do mal-estar concernente a renúncia da satisfação pulsional, mas, contrariamente, ao mal-estar referente à exigência desmedida de satisfação da pulsão. Essa observação não deixa entretanto de nos reenviar, talvez mais do que nunca, a referência ao ideal do eu ou supereu. O supereu freudiano, em sua primeira versão apresenta-se como interditor ou herdeiro do complexo edipiano (primeira tópica). Mas, em sua segunda versão, apresenta-se o supereu em articulação direta com a pulsão de morte (1923). Essa versão vai de encontro à formulação de Jacques-Allain Miller ao afirmar que a pulsão de morte é pulsão do supereu" (MILLER, 2002, p.30-31) Entendemos que isso explica-se a partir dos resquícios inconsciente das identificações primárias do sujeito - não unificadas no ideal do eu e, portanto, residuais, retornando, legiferante, sobre o sujeito. Essa referência ao supereu e seus efeitos nefastos sobre o sujeito acompanha a discussão realizada por Coelho dos Santos (2005) sobre o diagnóstico diferencial na modernidade e na contemporaneidade, pautado na rarefação dos representantes paternos e seus efeitos na relação do sujeito ao social. Tendo em vista o afrouxamento da organização edípica que modifica o regime das relações entre o gozo e a lei ou, se quisermos, entre o permitido e o proibido (SANTOS; p. 78, 2012) apresenta-se a particularidade dos efeitos do supereu sobre o sujeito na atualidade, retornando ainda mais violentamente sobre o sujeito. Posicionamento este que nos ajuda a formular uma perspectiva de trabalho ou um índice de tratamento do pulsional em face às respostas à puberdade na via dos atos infracionais cometidos pelos adolescentes. Aprendemos a partir da psicanálise freudiana que o encontro pubertário é sempre traumático para o sujeito. Especialmente devido ao quantun de excitação psíquica/corporal que incide sobre o púbere, acionando os resíduos inconscientes presentes na compulsão a repetição. Nesse sentido, nossa aposta, com a qual concluímos parcialmente este trabalho, é que em face a atualidade das respostas juvenis via ato infracional (especialmente os atos infracionais que respondem à compulsão à repetição e às questões edipianas), o tratamento das questões inconscientes superegóicas seria um campo de trabalho possivelmente fecundo. A tarefa psicanalítica ou a possibilidade de uma abordagem psicanalítica no tratamento desses casos apontaria, assim, para a seguinte vertente: o tratamento do

8 superego residual, inconsciente e mortífero, ativado no encontro com a puberdade, com o objetivo de possibilitar novas formas de enlaces ao social. Entendemos que essa vertente de tratamento vai de encontro a problemática da incidência violenta do pulsional no contexto frágil e atual da referência edipiana, cuja consequência é a produção de um excedente pulsional hiperlocalizado ou deslocalizado (SANTOS; p. 80, 2005) que pode produzir, cada vez mais, respostas não subjetivadas que retornam repetitivamente via comportamento infracional. Respostas que, em ultima instância, incidem violentamente sobre o próprio sujeito. Essa vertente do tratamento dos efeitos superegóicos que causam malefícios ao sujeito implica necessariamente a referência à castração como contraponto aos efeitos nocivos do superego. Referência Bibliográfica: COELHO DOS SANTOS, T.. A psicopatologia psicanalítica em Freud e Lacan. COELHO DOS SANTOS, T. A angústia e o sintoma na clínica psicanalítica. Red de revistas científicas da América Latina. Vol 1. Março, P FREUD, S. As pulsões e suas vicissitudes (1915). Rio de Janeiro: Imago, p (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XIV).. Além do princípio de prazer (1920). Rio de Janeiro: Imago, p (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XVIII).. O Ego e o ID (1923). Rio de Janeiro: Imago, p (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XIX).. O futuro de uma ilusão (1927). Rio de Janeiro: Imago, p (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XXI).. O mal-estar na civilização (1930). Rio de Janeiro: Imago, (Edição Standard Brasileira da Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XXI). MILLER, J.-A. (2002) Biología lacaniana y acontecimento del cuerpo. Buenos Aires: Coleción Diva.

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

A sexualidade entre legados e interrogações. Palavras chave: psicanálise, sexualidade, ética, alteridade.

A sexualidade entre legados e interrogações. Palavras chave: psicanálise, sexualidade, ética, alteridade. A sexualidade entre legados e interrogações Bárbara de Souza Conte 1 Resumo O trabalho discute a sexualidade, entendida a partir do legado de Freud, como uma ruptura do modelo moral da cultura, dando origem

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012 Título: A sintonia do eu com o sintoma: a problemática da angústia na neurose obsessiva Autora: Simone Souto Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

2.1. Freud e os pilares do gozo

2.1. Freud e os pilares do gozo 2.1. Freud e os pilares do gozo O prazer de chupar o dedo, o gozo da sucção, é um bom exemplo de tal satisfação auto-erótica partida de uma zona erógena. (Freud, 1910[1909]/1996) Na frase escolhida para

Leia mais

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915)

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Flávia Lana Garcia de Oliveira (Doutoranda em Teoria Psicanalítica pela UFRJ Bolsa CAPES no Brasil e Bolsa doutorado sanduíche FAPERJ Université Paris-Diderot

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Fernando Del Guerra Prota O presente trabalho surgiu das questões trabalhadas em cartel sobre pulsão e psicossomática. Não se trata de

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA.

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. Mariza P. Porto 1 É preciso ler isto, não com os olhos, não com a memória, mas com a imaginação. (M. de Assis) A psicanálise nos ensina que a pulsão de saber transcende

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

Conceitos Fundamentais Freudianos

Conceitos Fundamentais Freudianos Conteúdo Programático 1º Semestre Conceitos Fundamentais Freudianos Inconsciente, Pré-consciente e Consciência Os Mecanismos de Defesa Da Terapia Catártica ao Tratamento Psicanalítico Narcisismo e as Identificações

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS Lorena Munhoz da Costa 1, Gilcinéia Rose da Silva Santos 2 RESUMO: Este trabalho buscou analisar,

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE Tereza Raquel Tomé Adeodato Laéria Bezerra Fontenele Miguel Fernandes Vieira Filho Orlando Soeiro Cruxên Quando nos deparamos com a interseção entre Psicanálise

Leia mais

Estrutura Curricular do Programa de Pós-graduação em Psicologia UFSC (Atual) Cursos de Mestrado e Doutorado

Estrutura Curricular do Programa de Pós-graduação em Psicologia UFSC (Atual) Cursos de Mestrado e Doutorado Estrutura Curricular do Programa de Pós-graduação em Psicologia UFSC (Atual) Cursos de Mestrado e Doutorado Os cursos de Mestrado e Doutorado do PPGP/UFSC compreendem um conjunto de disciplinas obrigatórias

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO Lucy_de_Castro_O_Caso _Emma_uma ilustração_do_projeto 1 Emma_Projeto_Primeira_mentira_ O caso Emma ilustra o capítulo II do Projeto para uma Psicologia Científica, desenvolvido por Freud a partir de suas

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Narcisismo e cultura contemporânea

Narcisismo e cultura contemporânea Narcisismo e cultura contemporânea Flávia Ferro Costa Veppo José Juliano Cedaro A cultura hedonista, marcada pela ilusão na satisfação rápida e sempre possível, evidencia a ausência do elemento de barramento

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Comportamento Agressivo na Infância Palestrante: Sandra Salles Rio de Janeiro 04/08/2000 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab"

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO Danielle de Sousa Macena- UFCG danyellehta-@hotmail.com Januzzi Gonçalves Bezerra UFCG januzzigoncalves@gmail.com Janaina Gonçalves Bezerra - UFCG jgoncalves003@gmail.com Resumo

Leia mais

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP Quadro Geral de s do PPGP Obrigatórias CR CH Metodologia de Pesquisa 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicanálise: teoria e clínica 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicologia e Sociedade 4 60

Leia mais

PSICANÁLISE E SAÚDE DO TRABALHADOR. A respeito das relações entre pathos e saúde, tema deste congresso, a minha

PSICANÁLISE E SAÚDE DO TRABALHADOR. A respeito das relações entre pathos e saúde, tema deste congresso, a minha PSICANÁLISE E SAÚDE DO TRABALHADOR. Lucianne Sant Anna de Menezes Prólogo. A respeito das relações entre pathos e saúde, tema deste congresso, a minha contribuição para este debate vai no sentido de refletir

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS Centro Universitário de Brasília FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - FACS CURSO: PSICOLOGIA REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS CAROLINA MOURA BENTO BRASÍLIA NOVEMBRO/2005 CAROLINA MOURA BENTO REFLEXÕES

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Camila Chudek Ribeiro 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A obesidade tem atingido níveis epidêmicos na atualidade.

Leia mais

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Maria Cristina da Cunha Antunes Flávia Lana Garcia de Oliveira Introdução: O campo freudiano de orientação lacaniana trabalha segundo o axioma de que não há

Leia mais

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira Metodologia da Catequese com Crianças Ligia Aparecida de Oliveira O que é ser Criança? Watson, Piaget ou Freud? Eis a Questão. John B. Watson, psicólogo americano, é o principal responsável pela teoria

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL 1 CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL Ernani Eduardo Trotta Juliana Lima Bezerra RESUMO A incorporação de novos recursos terapêuticos pode contribuir para a ampliação da eficácia

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

Narcisismo, trabalho e sociedade contemporânea

Narcisismo, trabalho e sociedade contemporânea Narcisismo, trabalho e sociedade contemporânea Marco Antônio Rotta Teixeira Atualmente, já é fato amplamente reconhecido o quanto toda a organização do trabalho do paradigma da administração taylorista

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

IX JORNADA CELPCYRO Sobre Saúde Mental JUNHO DE 2012.

IX JORNADA CELPCYRO Sobre Saúde Mental JUNHO DE 2012. IX JORNADA CELPCYRO Sobre Saúde Mental JUNHO DE 2012. *PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA: VISÃO CONTEMPORÂNEA DA TÉCNICA: LUIZ CARLOS MABILDE ** PSIQUIATRA E PROFESSOR/SUPERVISOR CONVIDADO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

A PSICANÁLISE FREUDIANA: UMA INTRODUÇÃO. Andrea Gabriela Ferrari

A PSICANÁLISE FREUDIANA: UMA INTRODUÇÃO. Andrea Gabriela Ferrari FERRARI, Andrea Gabriela. A psicanálise freudiana: uma introdução. In: SARMENTO, Dirléia Fanfa; RAPOPORT, Andrea e FOSSATTI, Paulo (orgs). Psicologia e educação: perspectivas teóricas e implicações educacionais.

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado Introdução Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado O presente trabalho tem como objetivo a discussão em torno da conceituação do afeto em psicanálise, através do diálogo entre

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai A Desautorização da Mãe pelo Pai - Quais as consequências de haver um conflito entre pai e mãe em relação à autoridade perante os filhos ou quando divergirem em relação à determinado tema na frente das

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS 1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS Orientadora: Profa Dra Maria Anita Carneiro Ribeiro Rio de Janeiro Agosto.2014

Leia mais

O trauma da poesia inconsciente

O trauma da poesia inconsciente O trauma da poesia inconsciente Marlise Eugenie D Icarahy Psicanalista, doutoranda do Programa de pós-graduação em Psicanálise da UERJ e psicóloga da Prefeitura do Rio de Janeiro. O complexo de Édipo,

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Oscar Zack O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas mediatizadas pelas imagens. Guy

Leia mais

ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO

ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO 1 ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO Ao descobrir a Psicanálise Freud se defrontou com a inesperada necessidade de lançar mão de conceitos que pertencem a outras ciências como a Antropologia e a Lingüística, já

Leia mais

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica Negativo: espaço, tempo e história [1] Marcela Toledo França de Almeida [2] Universidade de Brasília UnB O sujeito se funda pela ausência do que um dia fez marca em seu corpo, espaço delimitado por um

Leia mais

Educação Sexual no desenvolvimento infantil. Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira

Educação Sexual no desenvolvimento infantil. Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira Educação Sexual no desenvolvimento infantil Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira Início dos questionamentos: Educação Sexual... Quando, onde, por quem e como falar sobre este tema? É preciso que o professor/os

Leia mais

RESENHA. Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo

RESENHA. Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo RESENHA Violência na escola e da escola: desafios contemporâneos à psicologia da educação Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA

A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA 1 A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA Dayane Pricila Rausisse Ruon Sandra Mara Volpi* RESUMO O brincar é um tema bastante discutido e de muita importância no desenvolvimento infantil. Esse

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Caro (a) Chesfiano (a), Você está recebendo uma série de publicações intitulada Para Viver Melhor, com informações atualizadas sobre temas diversos no campo da saúde física

Leia mais