Alimentos Saudáveis para o Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alimentos Saudáveis para o Brasil"

Transcrição

1 Agricultura Familiar: Alimentos Saudáveis para o Brasil Plano Safra 2015/2016

2 Mais proteção para quem produz Novo seguro de renda Cobertura de até 80% da receita bruta esperada Limites de cobertura triplicados: de R$ 7 mil para até R$ 20 mil 3% de valor de adesão ao seguro

3 SEAF NOVO MODELO DE SEGURO DE RENDA Modelo antigo: foco no custo de produção Valor segurado = valor financiamento + 65% RLE limitado a R$ 7 mil Modelo novo: foco na renda Valor segurado = 80% da RBE, limitado ao valor financiado + [ R$ 20 mil ou 1,2 ou 3 vezes o valo financiado ]) Início das operações: 1ºde julho de 2015

4 SEAF NOVO MODELO DE SEGURO DE RENDA Modelo antigo Muitos agricultores com baixa cobertura Casos com excesso de cobertura Modelo novo Corrige distorções do modelo antigo Mais ajustado à realidade do mercado A grande maioria dos agricultores terá cobertura de 80% da RBE Casos de RLE > R$ 20 mil aumento de até R$ 13 mil na cobertura, beneficiando, especialmente, as culturas permanentes.

5 Mais proteção para quem produz MCR Enquadra-se obrigatoriamente no Proagro Mais o valor equivalente a até 80% da Receita Bruta Esperada (RBE) do empreendimento: a) o montante enquadrado será composto pelo Valor do Financiamento (VF) e pelos Recursos Próprios (RP); b) o RP deve corresponder ao valor da diferença positiva entre 80% da RBE e o VF, observados os seguintes limites: I - empreendimentos de olericultura: o RP está limitado a R$20.000,00 ou a 3 (três) vezes o VF, o que for menor; II - empreendimentos de cultura permanente: o RP está limitado a R$20.000,00 ou a 2 (duas) vezes o VF, o que for menor; III - demais empreendimentos: o RP está limitado a R$20.000,00 ou ao VF, o que for menor.

6 Mais proteção para quem produz MCR a - - O Valor de Enquadramento (VE) obrigatório no Proagro Mais pode ser apurado pelas seguintes fórmulas: a) empreendimentos de olericultura: VE = VF + RP 3, onde: VE < 0,8RBE; VF = 100% do valor financiado e enquadrado; RP 3 = resultado positivo da expressão 0,8RBE - VF, limitado a R$ ,00 ou a 3VF, o que for menor;

7 Mais proteção para quem produz MCR b - - O Valor de Enquadramento (VE) obrigatório no Proagro Mais pode ser apurado pelas seguintes fórmulas: b) empreendimentos de cultura permanente: VE = VF + RP 2, onde: VE < 0,8RBE; VF = 100% do valor financiado e enquadrado; RP 2 = resultado positivo da expressão 0,8RBE - VF, limitado a R$ ,00 ou a 2VF, o que for menor;

8 Mais proteção para quem produz MCR c - - O Valor de Enquadramento (VE) obrigatório no Proagro Mais pode ser apurado pelas seguintes fórmulas: c) demais empreendimentos: VE = VF + RP 1, onde: VE < 0,8RBE; VF = 100% do valor financiado e enquadrado; RP 1 = resultado positivo da expressão 0,8RBE - VF, limitado a R$ ,00 ou ao VF, o que for menor.

9 Mais proteção para quem produz MCR Para efeito de enquadramento deve ser computado: a) como recursos próprios do beneficiário o valor dos insumos: I - adquiridos anteriormente e não financiados na operação de custeio principal; II - de produção própria, inclusive grãos reservados pelos beneficiários para uso próprio como sementes, de acordo com a legislação aplicável; b) como itens financiáveis, no caso de operações vinculadas ao Pronaf, os insumos de produção própria desde que constem no projeto ou proposta de crédito do empreendimento financiado, desde que o beneficiário demonstre ao técnico encarregado da comprovação de perdas a estrutura de produção dos insumos utilizados e, nos demais casos, desde que, além da exigência aqui prevista, o orçamento especifique sua utilização no empreendimento enquadrado.

10 Mais proteção para quem produz NOVO SISTEMA DE TAXAS E BONIFICAÇÕES Trata de forma adequada cada agricultor que não faz, ou faz, a comunicação de perda.

11 SEAF NOVO SISTEMA DE TAXAS E BONIFICAÇÕES Ajuste da taxa da alíquota em função do risco do agricultor, verificado pela sinistralidade nas safras anteriores. o o o Agricultor que aderir ao seguro e não comunicar perdas terá redução na taxa no ano agrícola seguinte. Quem comunicar perdas terá ampliação na taxa no ano agrícola seguinte. Adequação técnica a prática do mercado. Promove o controle da sinistralidade. Estimula o uso de boas práticas agrícolas e a busca de tecnologias, culturas e empreendimentos de menor risco. O agricultor sabe em que grau de risco ele se encontra.

12 NOVO SISTEMA DE TAXAS E BONIFICAÇÕES Alíquota base: taxa paga pelo agricultor na primeira adesão de 3%. Decréscimo (bônus): menos 0,25% para cada ano agrícola em que ocorreu a adesão ao seguro e não comunicou perda. Acréscimo ( bônus malus ): acréscimo de 0,5% para cada ano agrícola em que comunicou perda. Redutor para lavouras irrigadas e semiárido: menos 1%. Taxa máxima: 6% Taxa mínima: 2%

13 Exemplo 1 lavoura: uva Valor segurado Modelo antigo valor segurado = financiamento + 65% da RLE limitado a R$ 7 mil Modelo novo valor segurado = 80% da RBE ( limitado a Fin. + [R$ 20 mil ou 2xFin.] ) Número de hectares 3 Receita Bruta Esperada (RBE) R$ ,00 Financiamento (F) R$ ,00 Renda Líq. Esperada (RBE - F) R$ ,00 VALOR SEGURADO MODELO ATUAL NOVO MODELO Financiamento Segurado (F) R$ ,00 R$ ,00 Renda Liquida Segurada (RLS) R$ 7.000,00 R$ ,00 Valor Segurado Total (F+RLS) R$ ,00 R$ ,00

14 Exemplo lavoura: milho Valor segurado Modelo antigo valor segurado = financiamento + 65% da RLE limitado a R$ 7 mil Modelo novo valor segurado = 80% da RBE ( limitado a Fin. + [R$ 20 mil ou 2xFin.] ) Número de hectares 10 Receita Bruta Esperada (RBE) R$ ,00 Financiamento (F) R$ ,00 Renda Líq. Esperada (RBE - F) R$ ,00 VALOR SEGURADO MODELO ATUAL NOVO MODELO Financiamento Segurado (F) R$ ,00 R$ ,00 Renda Liquida Segurada (RLS) R$ 7.000,00 R$ 8.590,00 Valor Segurado Total (F+RLS) R$ ,00 R$ ,00

15 Exemplo 3 café Valor Segurado Modelo antigo valor segurado = financiamento + 65% da RLE limitado a R$ 7 mil Modelo novo valor segurado = 80% da RBE ( limitado a Fin. + [R$ 20 mil ou 2xFin.] ) Número de hectares 3 Receita Bruta Esperada (RBE) R$ ,00 Financiamento (F) R$ ,00 Renda Líq. Esperada (RBE - F) R$ ,00 VALOR SEGURADO MODELO ATUAL NOVO MODELO Financiamento Segurado (F) R$ ,00 R$ ,00 Renda Liquida Segurada (RLS) R$ 7.000,00 R$ ,00 Valor Segurado Total (F+RLS) R$ ,00 R$ ,00

16 Mais proteção para quem produz MATERIAL PARA DIVULGAÇÃO

17

18

19

20

21

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEAF EVOLUÇÃO NO BRASIL E EM PERNAMBUCO SEAF Segurados 2008/2009 Segurados/ km2 585.427 Distribuição Espacial de Agricultores Segurados no SEAF GARANTIA SAFRA Segurados 2008/2009 Segurados/ km2 553.387

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF PRODUZINDO COM SEGURANÇA O Seguro da Agricultura Familiar - SEAF foi criado pelo Governo Federal para que o produtor possa desenvolver sua lavoura com segurança, atendendo

Leia mais

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf.

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. PRONAF Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. A diversidade da Agricultura familiar B: 0.4 C: 0.7 D: 0.4 E: 0.1 Cobertura

Leia mais

Crédito do Pronaf em R$ bilhões

Crédito do Pronaf em R$ bilhões Crédito do Pronaf em R$ bilhões 23,9 (parcial até 30/06) Crédito na safra 2015/2016 - R$ 28,9 bilhões Recursos por fonte - safra 2015/2016 Fonte Projeção (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Crédito Pronaf - R$ 24,1 bilhões Recursos por fonte - safra 2014/2015 Fonte Projeção 14/15 (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco do Brasil 14.710.000.000

Leia mais

Seguro da Agricultura

Seguro da Agricultura Seguro da Agricultura SEAFFamiliar Produzindo com Segurança 2 I Cobertura Padrão do SEAF (a partir de julho de 2015) 4 Enquadramento... 5 Cobertura... 7 Vigência do amparo do SEAF... 9 Comprovação de

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Crédito para Implantação de uma suinocultura de Baixa Emissão decarbono Esta edição do boletim informativo da Suinocultura de Baixa Emissão de Carbono visa sanar

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas

Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas Brasília 2010 Adoniram Sanches Percaci SAF/MDA ÌNDICE I. Responsabilidades da Agricultura;

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR Ministério do Desenvolvimento Agrário Jose Carlos Zukowski Coordenador Geral do SEAF POLÍTICAS DA SAF/MDA COM AÇÕES A EM SEMENTES Agroecologia Desenvolvimento sustentável Diversificação Seguro da da Agricultura

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.640, DE 21 DE MARÇO DE 2014

CARTA CIRCULAR Nº 3.640, DE 21 DE MARÇO DE 2014 CARTA CIRCULAR Nº 3.640, DE 21 DE MARÇO DE 2014 Altera o Documento 20-1 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Chefe Substituto do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015 1. Introdução O Crédito Rural abrange recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização. As suas regras, finalidades e condições estão estabelecidas no Manual de Crédito Rural (MCR), elaborado

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

14/07 - Baixe AQUI o edital de divulgação do resultado do sorteio

14/07 - Baixe AQUI o edital de divulgação do resultado do sorteio 14/07 - Baixe AQUI o edital de divulgação do resultado do sorteio O PMCMV no município de Niterói é coordenado pela Secretaria Municipal de Habitação e Regularização Fundiária, tendo como principal objetivo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Secretaria da Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf Agricultura Familiar 06/07- renegociação dos custeios - Resolução

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Reunião Regional

Leia mais

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb RESSEGURO DO PROAGRO Eng Agr Angelo Gemignani Sb CRÉDITO RURAL Institucionalizado em 1965 através da Lei n 4.829, de 5-11-65 SEGURO RURAL Institucionalizado em 1966 através do Decreto-Lei n 73, de 21-11-66

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 INTRODUÇÃO... 3 CRÉDITO RURAL...

APRESENTAÇÃO... 2 INTRODUÇÃO... 3 CRÉDITO RURAL... 0 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...2 INTRODUÇÃO...3 1 CRÉDITO RURAL...4 1.1 MONTANTE DE RECURSOS E TAXA DE JUROS...4 1.2 LINHAS DE CRÉDITO PARA INVESTIMENTO...5 1.2.1 PROGRAMA DE SUSTENTAÇÃO DO INVESTIMENTO PSI

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria

Sumário. 1 Introdução. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria Sumário 1 Introdução... 1 2 Instrumentos Financeiros e Conceitos Correlatos... 2 3 Classificação e Avaliação de Instrumentos Financeiros... 4 4 Exemplos s Financeiros Disponíveis para Venda... 7 4.1 Exemplo

Leia mais

APLICAÇÃO EM EDUCAÇÃO ALGUMAS INCONSISTÊNCIAS GERADORAS DE PERCENTUAIS ABAIXO DOS 25%.

APLICAÇÃO EM EDUCAÇÃO ALGUMAS INCONSISTÊNCIAS GERADORAS DE PERCENTUAIS ABAIXO DOS 25%. APLICAÇÃO EM EDUCAÇÃO ALGUMAS INCONSISTÊNCIAS GERADORAS DE PERCENTUAIS ABAIXO DOS 25%. Considerando o elevado número de municípios que foram alertados em função da aplicação em Educação em percentual inferior

Leia mais

Leasing produtos financeiros

Leasing produtos financeiros Curso Gestão Financeira Leasing produtos financeiros Daniel Kissimoto - 2009 Leasing - Agenda Leasing 1. Definições 2. Como funciona. 3. Características de um Leasing. O que é VRG? Qual o prazo mínimo?

Leia mais

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto

TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA. comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA comunicação técnica do CETEM Avaliação Econômica de Projetos Prof. Raul Oliveira Neto Introdução As técnicas de avaliação econômica são utilizadas para converter os dados

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC)

Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) Brasília, 15/10/2015 Mitigadores de Risco Visão Geral Agricultura de Subsistência

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a utilização de recursos das exigibilidades de aplicação em crédito rural oriundos da poupança rural e dos depósitos a vista para financiamentos destinados à liquidação de dívidas de produtores

Leia mais

Brasil: Produção, Consumo e Exportações de Carne Bovina Projeção: 2012 a 2022

Brasil: Produção, Consumo e Exportações de Carne Bovina Projeção: 2012 a 2022 34ª Reunião Ordinária ria da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Propostas para o Plano Agrícola e Pecuário 2013/2014 Paulo Mustefaga economista, assessor técnico/cna Brasília, 25 de março

Leia mais

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA Ministério do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário Apresentação Sumário 4 FERNANDA MACHIAVELI Chefia

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Suinocultura Leandro Capuzzo Gerente Regional de Assessoramento Técnico Engenheiro Agrônomo Pré-requisitos para o crédito Cadastro atualizado Documentos

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos ao enquadramento de projetos de produção de biodiesel

Leia mais

COBERTURAS DE SEGURO PARA LA AGRICULTURA FAMILIAR

COBERTURAS DE SEGURO PARA LA AGRICULTURA FAMILIAR COBERTURAS DE SEGURO PARA LA AGRICULTURA FAMILIAR PROGRAMAS DEL GOBIERNO FEDERAL EN BRASIL J.C. Zukowski Coordenador Geral de Gestão de Riscos e Seguro Agropecuário Agricultura Familiar SEGUROS AGRÍCOLAS

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA 03/034 Projeto da Agricultura Familiar 1. Função no Projeto: Consultor em Agronomia. 2. Nosso Número: 3. Antecedentes:

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

36 AGRICULTURA FAMILIAR

36 AGRICULTURA FAMILIAR 36 2 a PARTE 2 a PARTE 2 a PARTE 2 a PARTE 2 a PARTE 2 a PARTE Neste capítulo, as políticas desenvolvidas para qualificar a produção da agricultura familiar. A expansão do crédito, a universalização da

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Introdução...4 O cooperativismo e a agricultura familiar... 5 Crédito Rural...8 Sugestões para aprimoramento das

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC BANCO DO BRASIL Seminário de Sensibilização do Programa ABC LINHAS DE CRÉDITO Crédito Rural; Pronaf; Fundos Constitucionais. CRÉDITO RURAL Suprimento de recursos financeiros, disponibilizados por instituições

Leia mais

JAQUES WAGNER EDUARDO SALLES WILSON JOSÉ VASCONCELOS DIAS ELIONALDO DE FARO TELES

JAQUES WAGNER EDUARDO SALLES WILSON JOSÉ VASCONCELOS DIAS ELIONALDO DE FARO TELES Governador do Estado da Bahia JAQUES WAGNER Secretário da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura (SEAGRI) EDUARDO SALLES Superintendente de Agricultura Familiar (SUAF) WILSON

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos

Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014 MATO GROSSO - Janeiro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 257.129 1.458.698 519.693 170.289 601.101 3.006.910 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.049,89 R$ 1.141,83 R$

Leia mais

Avaliação de projetos de investimento

Avaliação de projetos de investimento Gestão Empresarial e Economia Avaliação de projetos de investimento Critérios de avaliação de investimentos Sumário Critérios de avaliação de investimentos o Valor actual líquido o Taxa interna de rentabilidade

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 INSTRUMENTOS LEGAIS INSTRUMENTOS LEGAIS 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece

Leia mais

Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola. Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com

Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola. Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Organização Sistema aberto sucesso Ambiente 2 Conceitos Básicos Planejar Criar esquemas para

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

PROGRAMA DE GARANTIA DA ATIVIDADE AGROPECUÁRIA - PROAGRO fl. 1 BALANÇO PATRIMONIAL Em milhares de Reais

PROGRAMA DE GARANTIA DA ATIVIDADE AGROPECUÁRIA - PROAGRO fl. 1 BALANÇO PATRIMONIAL Em milhares de Reais PROGRAMA DE GARANTIA DA ATIVIDADE AGROPECUÁRIA - PROAGRO fl. 1 BALANÇO PATRIMONIAL Em milhares de Reais ATIVO Notas 31.12.2013 31.12.2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO (PASSIVO A DESCOBERTO) Notas 31.12.2013

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas de de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2014. O Banco Central

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010 ABCD Gonçalves & Tortola S.A. Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA

OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA OFICINA DE ESTUDOS CANA-DE-AÇÚCAR / GOIÁS FAEG CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTRATOS DE PARCERIA AGRICOLA ENTRE PRODUTORES RURAIS E AGROINDUSTRIA CANAVIEIRA EDISON JOSÉ USTULIN Presidente da Comissão Nacional

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

Programa de Garantia da Atividade Agropecuária PROAGRO

Programa de Garantia da Atividade Agropecuária PROAGRO Programa de Garantia da Atividade Agropecuária PROAGRO Relatório Circunstanciado 2011 a 2014 Página 2 de 71 SUMÁRIO Texto 1. INTRODUÇÃO... 6 2. O PROGRAMA... 8 3. FATOS RELEVANTES... 18 3.1 Auditorias...

Leia mais

SAFRAS & CIFRAS TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA

SAFRAS & CIFRAS TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA * Carla Hosser * Leticia de Oliveira Nunes * Litiele Maltezahn * Priscila Duarte Salvador * Rosana Vieira Manke Diante

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRONAF NA PERMANÊNCIA DO AGRICULTOR FAMILIAR NO CAMPO

A IMPORTÂNCIA DO PRONAF NA PERMANÊNCIA DO AGRICULTOR FAMILIAR NO CAMPO A IMPORTÂNCIA DO PRONAF NA PERMANÊNCIA DO AGRICULTOR FAMILIAR NO CAMPO Paula Angélica Malysz Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão FECILCAM Cláudia Chies Faculdade Estadual de Ciências

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

REAJUSTE DAS CONTRAPRESTAÇÕES PECUNIÁRIAS DE CONTRATOS DE CONTRATAÇÃO COLETIVA OPERADORA: PORTO DIAS SAÚDE CNPJ: 06.145.428/0001-09 REGISTRO ANS: 41.508-1 PERÍODO DE APLICAÇÃO: Maio/2016 a Abril/2017 PERCENTUAL

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO Potenciais interessados na análise Sócios/acionistas: extraem da análise das demonstrações financeiras os dados necessários para

Leia mais

ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Venda à Vista de Unidades Imobiliárias

ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Venda à Vista de Unidades Imobiliárias ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Venda à Vista de Unidades Imobiliárias Sumário 1. Introdução 2. Venda à Vista de Unidade Concluída 3. Venda à Vista de Unidade Não Concluída Sem Utilização do Custo Orçado 4. Venda

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto.

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto. FAQ CHAMADA PÚBLICA 1. Conforme o item 8.1.6 do edital da Chamada Pública REE 002/2015 para as propostas de projetos que contemplarem a inclusão de geração de energia elétrica a partir de Fonte Incentivada

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE UVAS COM USO DE COBERTURA PLÁSTICA NO MEIO OESTE CATARINENSE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE UVAS COM USO DE COBERTURA PLÁSTICA NO MEIO OESTE CATARINENSE CUSTO DE PRODUÇÃO DE UVAS COM USO DE COBERTURA PLÁSTICA NO MEIO OESTE CATARINENSE Valéria Peretti Kopsel 1 Leticia Peretti 2 e Josy Alvarenga Carvalho Gardin 3 INTRODUÇÃO A vitivinicultura é uma atividade

Leia mais

DESLIGAMENTO NA PLANTA

DESLIGAMENTO NA PLANTA DESLIGAMENTO NA PLANTA O QUE É, COMO FUNCIONA E SUAS VANTAGENS. O que é o repasse na planta? É o fi nanciamento de um imóvel adquirido antes do término da obra. Ele só é possível quando a obra é fi nanciada

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Cenário 66 ANOS DE EXTENSÃO RURAL A agricultura como via estratégica

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS A Pessoa Jurídica A.1. Recursos BNDES - Captação de empréstimos para investimentos em capital de fixo e capital de giro associado ou não, diretamente ao BNDES e ou bancos

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS A Pessoa Jurídica A.1. Recursos BNDES Captação de empréstimos para investimentos em capital de fixo e capital de giro associado ou não, diretamente ao BNDES e ou bancos

Leia mais

O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista

O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista 20 de maio de 2011 Inmetro - Principais Atividades Metrologia Científica e Industrial Metrologia

Leia mais

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Evaldo Kazushi Takizawa Engenheiro Agrônomo Ceres Consultoria Agronômica /GBCA 1 Temas Considerações iniciais.

Leia mais