A Importância do Consumo de Produtos da Pesca em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância do Consumo de Produtos da Pesca em Portugal"

Transcrição

1 A Importância do Consumo de Produtos da Pesca em Portugal Carlos Cardoso Maria Leonor Nunes INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA 1/37

2 OBJECTIVOS Mostrar a importância dos produtos da pesca em Portugal e no mundo Retratar os padrões de consumo de produtos da pesca em Portugal Apresentar os perfis nutricionais dos produtos da pesca Avaliar os benefícios associados ao consumo 2/37

3 INTRODUÇÃO Os produtos da pesca desempenharam um papel importante no desenvolvimento humano desde a pré-história: Os primeiros Homo sapiens a abandonar o continente africano expandiram-se ao longo das costas oceânicas e alimentavam-se de peixe, bivalves e crustáceos Paleolítico ( AC) Mesolítico ( AC) Mesolítico ( AC) 3/37

4 INTRODUÇÃO Importantes civilizações surgiram na bacia do mediterrâneo a partir de povos mareantes O mar e os organismos marinhos influenciaram a mitologia minóica, grega e romana Creta, 1500 AC Santorini, 1700 AC 4/37

5 INTRODUÇÃO O império romano foi construído à volta do mar mediterrâneo A procura de recursos marinhos foi uma das causas da sua expansão Nesta época desenvolveram-se as indústrias de conserva e salga, produzindo-se o garum Tróia, Portugal Fábrica de Garum, I-II DC Preparação de Garum Garum, segundo receita romana 5/37

6 INTRODUÇÃO Na idade média, aperfeiçoaram-se os processos de salga e fumagem O comércio de peixe expandiu-se, permitindo que produtos da pesca de origem marinha atingissem o interior do continente Europeu Ilustração Medieval, XII-XIII DC Processo de Fumagem 6/37

7 INTRODUÇÃO No norte da Europa, desenvolveu-se a produção de arenque salgado e/ou fumado A fundação de cidades e o crescimento da Liga Hanseática beneficiaram do comércio do arenque Wismar, XIV DC Barco de Pesca Medieval Stralsund, XIV DC 7/37

8 INTRODUÇÃO Em Portugal, a actividade pesqueira expandiu-se durante a idade média A pescaria do atum teve um grande crescimento, tornando-se as almadravas uma fonte de riqueza O bacalhau salgado ganhou importância na dieta Pesca Tradicional do Atum Gravura Medieval Gravura Medieval 8/37

9 INTRODUÇÃO A procura de novos pesqueiros foi umas das forças motrizes da grande gesta dos descobrimentos A descoberta da Terra Nova por Gaspar Corte-Real impulsionou a pesca e consumo do bacalhau Barco de pesca, XVI DC Mapa, XVI DC Lugre, Barco de Pesca do Bacalhau 9/37

10 INTRODUÇÃO No século XVIII, a importância económica das pescas levou a política pombalina a visar o sector: Criação da Companhia Geral das Reais Pescarias do Reino do Algarve Isenção da pesca do bacalhau de impostos Melhoria dos portos Pintura Setecentista Gravura Setecentista Preparação para a pesca do atum 10/37

11 INTRODUÇÃO No século XIX, surgiram as primeiras conservas: Invenção do processo por Nicolas Appert Utilização decisiva como ração de combate Gravura da condecoração de Appert por Napoleão, XIX DC Um exército marcha sobre o seu estômago Napoleão Bonaparte 11/37

12 INTRODUÇÃO No final do século XIX e início do século XX, a indústria conserveira desenvolveu-se em Portugal: Produção crescente de conservas de atum e sardinha Figuras em gesso representando antigas operárias da indústria conserveira Conservas, XX DC 12/37

13 INTRODUÇÃO Ao longo da história, os produtos da pesca foram também fonte de inspiração para: Simbolizar valores imateriais e religiosos Compor temas musicais (ex: A Truta de Schubert) Integrar esculturas e pinturas Inscrição, III DC IXΘYΣ Relevo Medieval Pintura Japonesa Medieval Gravura Indiana Medieval O Nascimento de Vénus, XV DC 13/37

14 INTRODUÇÃO Actualmente, há novos desafios: Sobre-exploração crescente dos recursos % do total de 'stocks' avaliados Situação dos Recursos Pesqueiros Explorados Sobre-explorados Sub-explorados Sub-explorados + moderadamente explorados Totalmente explorados Sobre-explorados Fonte: FAO The state of world fisheries and aquaculture (2010) 14/37

15 INTRODUÇÃO E novas realidades: Crescimento da aquicultura (dourada, panga, robalo, salmão) Crescimento da Aquicultura face às Capturas de Espécies Selvagens Crescimento da Aquicultura face à Pesca 140 Produção (milhão de ton.) Selvagem Aquicultura Fonte: FAO Fisheries yearbook (2010) 15/37

16 INTRODUÇÃO Mas, também, novos produtos: Emulsificados, gelificados, derivados de surimi, sucedâneos de cárnicos, reestruturados, etc Salsicha de Peixe Fiambre de Peixe Delícia do Mar Pâté de Atum Bolinhos de Peixe Tagliatelli de Peixe Sucedâneo de Filete 16/37

17 E novas tecnologias de processamento: Ultra-congelação, embalagem de atmosfera modificada, altas pressões hidrostáticas, aquecimento óhmico, etc INTRODUÇÃO Ultracongelador Camarões Ultracongelados Embalador Embalagens de Atmosfera modificada Ostras Pressurizadas Pressurizador Gelificados Óhmicos Aquecedor Òhmico 17/37

18 INTRODUÇÃO E em Portugal? Redução das capturas Lento crescimento da aquicultura Oferta de novos produtos no mercado, vindos de países distantes ou confeccionados com inovação Estação de Aquicultura Panga de Aquicultura Hambúrguer de Atum Filetes de Panga 18/37

19 INTRODUÇÃO Neste contexto, importa conhecer melhor os hábitos de consumo de produtos da pesca em Portugal através de diferentes ferramentas: Estimativa do consumo aparente (=Prod+Imp-Exp) Condução de inquéritos ao consumo Inquérito On Line Inquérito em Papel Inquérito Telefónico 19/37

20 METODOLOGIA Inquérito em Papel: Distribuído em refeitórios Visando população + idosa e info-excluída Abarcando cerca de 300 respondentes Projecto GOODFISH 20/37

21 METODOLOGIA Inquérito On Line : Projecto GOODFISH Enviado para inúmeras mailing lists Visando população + jovem Abarcando mais de 1000 respondentes 21/37

22 METODOLOGIA Estrutura do Inquérito (Papel/ On Line ): Projecto GOODFISH Preferências de consumo Frequências de consumo Quantidades ingeridas por refeição Opções de confecção culinária mais frequentes Dados pessoais dos inquiridos 22/37

23 RESULTADOS Resultados Definitivos do Inquérito On Line 64 % dos respondentes do sexo feminino 85 % dos respondentes entre os 25 e os 65 anos Apenas 2 % de idosos (> 65 anos) 60 % dos respondentes com um peso normal Perto de 40 % dos respondentes com excesso de peso ou obesos 23/37

24 RESULTADOS Legenda Distribuição regional dos respondentes Distribuição regional da população Áreas Costeiras 86 % de Respondentes nas Zonas Costeiras 84 % de População nas Zonas Costeiras Norte 14.9 % 34.9 % Centro 15.5 % 22.0 % Açores Madeira 1.8 % 2.3 % 0.6 % 2.5 % Lisboa 59.0 % 26.7 % Algarve 6.3 % 4.3 % P O R T U G A L P O R T U G A L Alentejo 1.9 % 7.2 % 24/37

25 RESULTADOS Consumo Médio Semanal 145 g/(semana.pessoa) 112 g/(semana.pessoa) 101 g/(semana.pessoa) 88 g/(semana.pessoa) 86 g/(semana.pessoa) 75 g/(semana.pessoa) Fotos gentilmente cedidas pela Gelpeixe 25/37

26 RESULTADOS Opções de Confecção Culinária Bacalhau, pescada e maruca cozidos Sardinha e carapau grelhados Salmão e dourada grelhados e assados no forno Bivalves e crustáceos cozidos Salmão único também consumido cru 26/37

27 RESULTADOS Resultados Globais do Inquérito On Line Produtos da Pesca Mais Consumidos: Bacalhau Pescada Conserva de Atum Dourada Salmão Carapau Sardinha Fotos gentilmente cedidas pela Gelpeixe 27/37

28 SIGNIFICADO DOS RESULTADOS Valor nutricional dos produtos mais consumidos: Pescada 0,5 1,0 Bacalhau % Gordura 3,0 Carapau Salmão 16,8 8,7 Dourada 12,9 10,5 Conserva de Atum Sardinha Fonte: Composição e Valor Nutricional dos Produtos da Pesca Mais Consumidos em Portugal (2004) 28/37

29 SIGNIFICADO DOS RESULTADOS Valor nutricional dos produtos mais consumidos: Pescada 0,1 0,4 Bacalhau g ω3/100 g 0,5 Conserva de Atum Sardinha 3,8 0,7 2,7 2,3 Carapau Salmão Dourada Fonte: Composição e Valor Nutricional dos Produtos da Pesca Mais Consumidos em Portugal (2004) 29/37

30 SIGNIFICADO DOS RESULTADOS Valor nutricional dos produtos mais consumidos: Conserva de Atum 0,1 1,4 Salmão R ω3/ω6 4,4 Dourada Carapau 13,8 9,1 12,3 12,1 Pescada Sardinha Bacalhau Fonte: Composição e Valor Nutricional dos Produtos da Pesca Mais Consumidos em Portugal (2004) 30/37

31 SIGNIFICADO DOS RESULTADOS Conserva de Atum 0,5 1,3 Pescada Sardinha µg Vit D/100 g 4,0 Carapau 17,3 4,6 Bacalhau 12,0 11,5 Bacalhau Conserva de Atum Dourada Salmão 45 mg K/100 g Salmão Sardinha Dourada Fonte: Composição e Valor Nutricional dos Produtos da Pesca Mais Consumidos em Portugal (2004) Carapau Pescada 31/37

32 SIGNIFICADO DOS RESULTADOS Há estudos científicos sobre a evolução biológica da humanidade que mostram uma ligação entre o consumo de produtos da pesca e o desenvolvimento de um nível de inteligência mais elevado nos seres humanos Homem de Neanderthal Homem Moderno Consumia essencialmente carnes vermelhas Fonte: Richards et al. (2001) e Bradbury (2011) Consumia % de alimentos de origem aquática 32/37

33 SIGNIFICADO DOS RESULTADOS Mas, porquê? O DHA (ácido gordo Omega-3) existe fundamentalmente nos produtos da pesca Assim, uma dieta rica em produtos da pesca providencia DHA DHA 33/37

34 SIGNIFICADO DOS RESULTADOS O DHA tem propriedades estruturais únicas, óptimas para várias funções das membranas celulares A matéria cinzenta neuronal é um tecido de elevada densidade membranar Donde, o DHA garante um saudável desenvolvimento neuronal, especialmente para o feto e o recém-nascido (através da mãe) DHA 34/37

35 SIGNIFICADO DOS RESULTADOS Estudos recentes (séc. XXI) mostram benefícios dos ácidos gordos ω3 em várias áreas da saúde humana: Nível de Evidência Decrescente Provável doenças cardiovasculares Possível doenças neurológicas Possível desenvolvimento neurológico do feto Possível doenças inflamatórias Insuficiente degeneração macular Em função desta informação, a OMS recomenda um mínimo de 1-2 refeições de peixe por semana, de modo, a garantir mg de EPA+DHA 35/37

36 CONCLUSÕES Os produtos da pesca tiveram grande importância na história da humanidade e de Portugal A dieta Portuguesa contém uma forte componente de produtos da pesca Bacalhau, pescada e conserva de atum são os produtos mais consumidos Carapau e sardinha são os peixes que mais contribuem para a ingestão de nutrientes que não se encontram noutros alimentos (Omega-3) Estimativas recentes (Cardoso et al., 2010) apontam para uma probabilidade de 66 % de se garantir a dose recomendada de EPA e DHA em Portugal 36/37

37 AGRADECIMENTOS & NOTA FINAL Este trabalho foi suportado pelos projectos PRAXIS XXI e GOODFISH (Financiados pela FCT) Agradece-se igualmente à(ao): Dra. Isabel Castanheira, Dra. Narcisa Bandarra e Eng. Irineu Batista E, obviamente, à Fundação Calouste Gulbenkian Quando voltamos ao mar, quer seja para navegar ou para o observar, estamos a regressar ao sítio de onde viemos John F. Kennedy Natureza morta com produtos da pesca, XVII DC Muito Obrigado pela Atenção!!! 37/37

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO Lucia B. Jaloretto Barreiro Qualidade de Vida=Saúde=Equilíbrio Qualidade de Vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 Introdução O cérebro humano representa apenas 2% do nosso peso total, mas usa aproximadamente 20% do oxigênio consumido por todo nosso corpo quando está em repouso. Ele é um órgão complexo que

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

GUIA DO PESCADO VOL. I - CAVALA E POLVO

GUIA DO PESCADO VOL. I - CAVALA E POLVO A PORÇÃO DIÁRIA RECOMENDADA DE PESCADO É DE 100g*, QUE CORRESPONDE A: 1 cavala pequena; 1 carapau grande; 2 carapaus pequenos; 1 choco médio; 3 lulas médias; 2 tentáculos de polvo médio. *Esta quantidade

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de

A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de trabalho nas actividades agrícolas. Por gado entende-se o

Leia mais

PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA)

PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA) PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA) TRABALHO DESENVOLVIDO E PERSPECTIVAS FUTURAS Doutora Silvina Ferro Palma Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Beja Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

Leia mais

OCEAN2012. Dia da Dependência de Pescado - Portugal

OCEAN2012. Dia da Dependência de Pescado - Portugal OCEAN2012 Dia da Dependência de Pescado - Portugal A Europa está tão dependente de produtos da pesca capturados fora das suas águas que, neste momento, cerca de metade do pescado que consomem é proveniente

Leia mais

Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração

Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração Estes ácidos graxos também combatem a depressão, o diabetes e a obesidade Arenque é o peixe mais rico em ômega 3. Esses ácidos graxos são chamados de essenciais,

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

PROVA DO MAR ESCOLHA PESCADO ESCOLHA SAÚDE!

PROVA DO MAR ESCOLHA PESCADO ESCOLHA SAÚDE! PROVA DO MAR ESCOLHA PESCADO ESCOLHA SAÚDE! Índice Pescado 3 Um alimento nutritivo 4 Pescado faz bem à saúde 5 Qual o melhor 7 No tamanho certo 9 Quanto consumir 10 Aquacultura: quando o peixe não vem

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos?

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos? 1. Introdução Educar para uma alimentação saudável é essencial na tentativa de ajudar os jovens a tornar as escolhas saudáveis escolhas mais fáceis. Educar para comer bem e de uma forma saudável, constitui

Leia mais

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA?

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? ÍNDICE LONGLINE ENVIRONMENT 3 PANORAMA DA AQUICULTURA 3 COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? 3 ESPÉCIES ASSEGURADAS 4 RISCOS COBERTOS 5 QUANTO CUSTA O SEGURO AQUÍCOLA? 6 COMO OBTER O SEGURO AQUÍCOLA? 7 3 SEGURO

Leia mais

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego De Creta a Micenas As Origens do Mundo Grego 1 O início da História Entre os séculos XX a.c. e XVI a.c., floresceu em Creta, a maior ilha do Mediterrâneo, uma brilhante civilização, que influenciou a desenvolvida

Leia mais

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão Aquicultura Breves Notas e uma Sugestão Âmbito da Apresentação Aquicultura em Portugal Moluscicultura (Cultivo Ameijoas e Ostras) Piscicultura Marinha (Cultivo Peixes - Robalo, Dourada, Rodovalho) Piscicultura

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-J-1 RECURSOS NATURAIS (PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO)

Leia mais

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS:

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1 GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1) MODIFICAÇÃO NA INGESTÃO DE GORDURA: O consumo de menos gordura é um aspecto importante da orientação nutricional para comer de maneira mais saudável, para a protecção

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

Catálogo. Série de Livros de Sumários da Licenciatura de História - Variante de Arte

Catálogo. Série de Livros de Sumários da Licenciatura de História - Variante de Arte Catálogo Série de Livros de Sumários da Licenciatura de História - Variante de Arte Nível de Descrição Designação Datas de Produção Arte Clássica 1981/3/24-1981/6/2 História da Arte Moderna em Portugal

Leia mais

Autor: Rui Fernando João Charneca

Autor: Rui Fernando João Charneca Nas últimas aulas, tem sido objecto do nosso estudo a importância da utilização dos recursos naturais, nomeadamente dos recursos biológicos, e as implicações para o ambiente. Com esta actividade pretende-se

Leia mais

Colégio Português Creche Semana de 22 a 26 de Junho de 2015 Almoço

Colégio Português Creche Semana de 22 a 26 de Junho de 2015 Almoço Semana de 22 a 26 de Junho de 2015 Sopa Creme de legumes com solha 4 199 47 0,6 0,1 7,4 0,7 2,9 0,2 Esparguete com salmão e legumes cozidos 1,3,4 958 229 12,8 2,4 17,2 1,2 10,6 0,5 Sobremesa Creme de maçã

Leia mais

Diabetes e doença cardiovascular

Diabetes e doença cardiovascular Diabetes e doença cardiovascular A diabetes implica um risco aumentado de doença cardiovascular? Sim! As pessoas com diabetes têm um risco aumentado de doenças cardiovasculares, tais como a doença coronária

Leia mais

Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco

Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco Alimentação Sem Glúten: Tratamento, Abordagem e Principais Dificuldades do Doente Celíaco Unidade de Nutrição. Serviço de Pediatria UAG MC H S João Faculdade Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Funções dos lípidos:

Funções dos lípidos: Gorduras ou Lípidos Os lípidos são componentes essenciais de todos os organismos podendo ser obtidos a partir da alimentação ou ser sintetizados pelo nosso organismo. Constituem um grupo heterogéneo de

Leia mais

Vamos à Pesca! Olá! Eu sou o Peixoto e não é por acaso que este é o meu nome! Lula. Peixoto. E tu, tens algum animal de estimação? Como se chama(m)?

Vamos à Pesca! Olá! Eu sou o Peixoto e não é por acaso que este é o meu nome! Lula. Peixoto. E tu, tens algum animal de estimação? Como se chama(m)? Vamos à Pesca! Olá! Eu sou o Peixoto e não é por acaso que este é o meu nome! Adoro o mar, a água e os peixes. Aproveito os dias de sol para ir pescar e quem me faz companhia é o Lula, o meu cãozinho de

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

Áreas Marinhas Protegidas: Problema ou solução?

Áreas Marinhas Protegidas: Problema ou solução? Áreas Marinhas Protegidas: Problema ou solução? IV Seminário Nacional Bandeira Azul Sesimbra, 29 de novembro de 2013 Emanuel Gonçalves (emanuel@ispa.pt) Professor Associado ISPA Instituto Universitário

Leia mais

A INDUSTRIA CONSERVEIRA EM PORTUGAL : constrangimentos, oportunidades, desafios e inovação. Castro e Melo ANICP

A INDUSTRIA CONSERVEIRA EM PORTUGAL : constrangimentos, oportunidades, desafios e inovação. Castro e Melo ANICP A INDUSTRIA CONSERVEIRA EM PORTUGAL : constrangimentos, oportunidades, desafios e inovação Castro e Melo ANICP AS ORIGENS Nicolas Apert descobre em 1804 o princípio da conservação pelo calor em recipientes

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-J-1 RECURSOS NATURAIS (PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO)

Leia mais

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas Anexo A Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo B (Capitações máximas dos alimentos de refeições

Leia mais

PORFÓLIO PRODUTOS ALIMENTARES

PORFÓLIO PRODUTOS ALIMENTARES PORFÓLIO PRODUTOS ALIMENTARES 2011 Índice 1. Um pouco mais sobre Portugal 2. HiperQual 3. Marcas HiperQual 4. Portfólio de Produtos 4.1 Pastelaria 4.2 Padaria 5. Contactos HIPERQUAL All Rights Reserved

Leia mais

Ano letivo 2015-2016 SEMANA 1. Energia (Kcal) Segunda-feira

Ano letivo 2015-2016 SEMANA 1. Energia (Kcal) Segunda-feira SEMANA 1 Sopa Lombardo e cenoura 1,3,5,6,7,8,9,12 76,65 Prato Jardineira de novilho 1,5,6,7,9,12 345,47 Lanche Leite DI 7, pão de leite com manteiga 1,3,5,6,7 234,83 Sopa Caldo verde 1,3,5,6,7,8,9,12 115,81

Leia mais

No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo?

No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo? No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo? Seja Inverno ou Verão, abrace esta refeição! Sabia que o Pequeno-almoço ajuda a controlar

Leia mais

Mas nem sempre o Homem habitou a terra...

Mas nem sempre o Homem habitou a terra... A Pré-História abarca um período de tempo muito longo, desde há mais de 4 milhões de anos até cerca de 4000 a.c., quando surgiu a escrita nas primeiras civilizações. Mas nem sempre o Homem habitou a terra...

Leia mais

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos Ano: 2010/2011 Disciplina: Educação Física Professora: Rita Marques Trabalho realizado por: Andreia Cipriano Catarina Silva Jéssica Pereira Mónica Algares Patrícia Martinho A roda dos alimentos Para se

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

Geografia e pensamento contra-intuitivo

Geografia e pensamento contra-intuitivo CONFERÊNCIAS CULTURGEST Geografia e pensamento contra-intuitivo 2. Decifrar: a Europa em transfiguração João Ferrão Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa 13 de Março de 2012 A Europa, muitas

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação 1

ÍNDICE. Apresentação 1 ÍNDICE I DECISÃO DA COMISSÃO PROGRAMA OPERACIONAL PESCA II XIX Apresentação 1 I DESCRIÇÃO QUANTIFICADA DA SITUAÇÃO ACTUAL DO SECTOR DAS PESCAS 3 I 1. Evolução do Sector das Pescas pontos fortes e pontos

Leia mais

Notí cias sobre os benefí cios do consumo de peixe

Notí cias sobre os benefí cios do consumo de peixe Notí cias sobre os benefí cios do consumo de peixe 10 Razões para comer peixe azul Saiba quais são Atum, sardinha, cavala, salmão, anchova... Reduzem o chamado colesterol mau e cuidam do seu coração. Ingira-os,

Leia mais

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde.

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. SABOR Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. Conteúdo produzido pela equipe de Comunicação e Marketing do Portal Unimed e aprovado pelo coordenador técnico-científico:

Leia mais

Tendências e oportunidades do mercado de Food Service para pescados e frutos do mar Enzo Donna

Tendências e oportunidades do mercado de Food Service para pescados e frutos do mar Enzo Donna Tendências e oportunidades do mercado de Food Service para pescados e frutos do mar Enzo Donna 1 MERCADO DE FOOD SERVICE 2 FOOD SERVICE Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. ISBN: 978-989-96506-7-1 Novembro de 2010 APN

FICHA TÉCNICA. ISBN: 978-989-96506-7-1 Novembro de 2010 APN FICHA TÉCNICA Título: A criança e a Diabetes: Aqui aprendes a comer! Direcção Editorial: Alexandra Bento Concepção: Delphine Dias Corpo Redactorial: Delphine Dias, Ana Martins Produção Gráfica: Delphine

Leia mais

Ementa Almoço (Creche - 2 anos / J.I. - 3 a 5 anos / A.T.L.)

Ementa Almoço (Creche - 2 anos / J.I. - 3 a 5 anos / A.T.L.) Segunda 01-06-2015 Piquenique 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14 Terça 02-06-2015 Sopa Sopa de nabos 1,3,5,6,7,8,9,12 220 52 1,4 0,2 8,7 0,9 1,1 0,2 Ratatouille de frango com arroz branco 838 200 5,2 0,9

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segunda Conferência Internacional sobre a nutrição Roma, 19-21 de Novembro

Leia mais

5 Alimentos que Queimam Gordura www.mmn-global.com/aumenteseumetabolismo IMPRIMIR PARA UMA MAIS FÁCIL CONSULTA

5 Alimentos que Queimam Gordura www.mmn-global.com/aumenteseumetabolismo IMPRIMIR PARA UMA MAIS FÁCIL CONSULTA IMPRIMIR PARA UMA MAIS FÁCIL CONSULTA ÍNDICE Alimentos que Queimam Gordura TORANJA CHA VERDE E CHA VERMELHO AVEIA BROCOLOS SALMÃO TORANJA A dieta da Toranja já vem sendo discutida por algum tempo, mas

Leia mais

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES Os inquéritos foram realizados junto de alunos do 6º ano da Escola EB 2,3 de Matosinhos, durante o mês de Novembro de 24. Responderam ao inquérito 63

Leia mais

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis CENÁRIOS PROSPECTIVOS Pescas, Aquicultura e Portos 13 de Junho de 2011 Pesca e Aquicultura CONSULTA DE RELATÓRIOS PÚBLICOS, SECTOR

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

Coach Marcelo Ruas Relatório Grátis do Programa 10 Semanas para Barriga Tanquinho

Coach Marcelo Ruas Relatório Grátis do Programa 10 Semanas para Barriga Tanquinho Coach Marcelo Ruas Relatório Grátis do Programa 10 Semanas para Barriga Tanquinho Alimento I Toranja A dieta da Toranja já vem sendo discutida por algum tempo, mas não se sabia ao certo porque a Toranja

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira 2000-2006 MEDIDA 2.2. Pescas e Aquicultura CONTROLO DO DOCUMENTO

Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira 2000-2006 MEDIDA 2.2. Pescas e Aquicultura CONTROLO DO DOCUMENTO MEDIDA 2.2 Pescas e Aquicultura CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1 06.12.04 Elaboração do novo texto completo e consolidado Todas 2 25.11.05 Adequação dos indicadores físicos 2;

Leia mais

Ingredientes: Óleo de chia. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de chia. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0100.001-9 Concentração: 500 mg e 1000 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas

Leia mais

A Dieta Atkins promete não somente redução de peso, mas também uma melhoria no seu sistema cardíaco e funções da memória, dentre outros benefícios.

A Dieta Atkins promete não somente redução de peso, mas também uma melhoria no seu sistema cardíaco e funções da memória, dentre outros benefícios. DIETA DE BA IXO ÍNDICE DE GL IC E M IA (LOW CARB DIET ) A dieta de baixo índice de glicemia ou baixa em hidratos de carbono é indicada para tal por ser mais equilibrada e até é indicada para diabéticos

Leia mais

A Marca que alimenta a sua Saúde

A Marca que alimenta a sua Saúde C o o p e r a t i v a d e P r o d u t o r e s d e P e i x e d o N o r t e, c. r. l. A Marca que alimenta a sua Saúde A Marca que alimenta a sua Saúde A Propeixe O.P. é uma organização de produtores sediada

Leia mais

Gordura. Monoinsaturada

Gordura. Monoinsaturada No contexto de uma alimentação saudável, as gorduras provenientes de diferentes alimentos são essenciais ao bom funcionamento do nosso organismo e, quando consumidas nas proporções recomendadas (não excedendo

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

A alimentação ao longo dos tempos. Paulo Fernandes Unidade de Observação e Vigilância Departamento de Alimentação e Nutrição

A alimentação ao longo dos tempos. Paulo Fernandes Unidade de Observação e Vigilância Departamento de Alimentação e Nutrição A alimentação ao longo dos tempos Paulo Fernandes Unidade de Observação e Vigilância Departamento de Alimentação e Nutrição As primeiras comunidades humanas Desde a Pré-História o homem sempre utilizou

Leia mais

1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação saudável e equilibrada.

1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação saudável e equilibrada. DISCIPLINA: Ciências Naturais ANO: 9º ano de escolaridade UNIDADE DIDÁCTICA: Saúde individual e comunitária. O organismo humano em equilíbrio: alimentação. 1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

10 Alimentos importantes para sua saúde.

10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. Os alimentos funcionais geram inúmeros benefícios para o organismo. Como muitas patologias se desenvolvem por deficiência

Leia mais

AQÜICULTURA. retoma desafios da

AQÜICULTURA. retoma desafios da Na década de 40 teve início uma grande mudança no modo de operar os sistemas de produção de alimentos em todo o mundo. A revolução verde introduziu novas tecnologias na forma de cultivar plantas e animais.

Leia mais

Creche (1 aos 3 anos) Pré-escolar CATL Ementa 1

Creche (1 aos 3 anos) Pré-escolar CATL Ementa 1 PC05 AT MOD02 Ementa 1 Prato: Massa à bolonhesa Dieta: Carne de porco picada ao natural com massa /Sobremesa doce Prato: Peixe vermelho no forno com espirais Dieta: Peixe vermelho cozido com batata assada

Leia mais

12 Como comprar peixes

12 Como comprar peixes 12 Como comprar peixes Alguns de nós tem essa dificuldade porque culturalmente não convivemos muito com a ingestão deste maravilhoso alimento. Carne branca, leve, rica em proteína, cálcio e outros nutrientes.

Leia mais

Livro de receitas para os novos

Livro de receitas para os novos Livro de receitas para os novos Ficha Técnica Título: Direcção Editorial: Concepção: Corpo Redactorial: Produção Gráfica: Propriedade: Redacção: Livro de Receitas para os mais novos Alexandra Bento Helena

Leia mais

Como podemos escolher os alimentos para crescer de forma saudável?

Como podemos escolher os alimentos para crescer de forma saudável? 1. Introdução A vida começa com a alimentação, e esta desempenha uma influência determinante no desenvolvimento emocional, mental, físico e social de cada um. A alimentação consiste em obter do ambiente

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA...

SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA... 2 SUMÁRIO O QUE É...4 PREVENÇÃO...5 DIAGNÓSTICO...6 TRATAMENTO...7 ORIENTAÇÕES...8 ALIMENTAÇÃO CORRETA...9 OUTRAS DICAS...12 ATIVIDADE FÍSICA...14 FIQUE SABENDO...16 3 O QUE É A dislipidemia é o aumento

Leia mais

Ementa 7 a 11 de setembro de 2015. Ano Letivo 2015 2016. Valores Nutricionais Sopa Legumes 147

Ementa 7 a 11 de setembro de 2015. Ano Letivo 2015 2016. Valores Nutricionais Sopa Legumes 147 Ementa 7 a 11 de setembro de 2015 Sopa Legumes 147 Carne Almôndegas de carne com esparguete 966 Peixe Calamares com arroz de cenoura 771 Dieta Vitela estufada com arroz e cenoura ralada 863 Carne Panados

Leia mais

ÓLEO DE CHIA REGISTRO:

ÓLEO DE CHIA REGISTRO: Ficha técnica ÓLEO DE CHIA REGISTRO: Registro no M.S. nº 6.5204.0100.001-9 CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171286926 EMBALAGEM: Plástica, metálica e vidro. APRESENTAÇÃO COMERCIALIZADA: Embalagem de lata metálica

Leia mais

PROACT JARDINS DE INFÂNCIA E ESCOLAS BÁSICAS DO 1º CICLO ANO LECTIVO 2009/2010. SEMANA I De 07 a 11 de Junho de 2010

PROACT JARDINS DE INFÂNCIA E ESCOLAS BÁSICAS DO 1º CICLO ANO LECTIVO 2009/2010. SEMANA I De 07 a 11 de Junho de 2010 SEMANA I De 07 a 11 de Junho de 2010 Creme de cenoura e massinhas Hamburguer de vaca grelhado/estufado com esparguete e salada de alface Hortaliça Atum com salada primavera de legumes (batata, cenoura

Leia mais

SALMÃO DA NORUEGA UM DELICIOSO MUNDO DE RECEITAS INOVADORAS

SALMÃO DA NORUEGA UM DELICIOSO MUNDO DE RECEITAS INOVADORAS SALMÃO DA NORUEGA UM DELICIOSO MUNDO DE RECEITAS INOVADORAS Conheça melhor o Salmão mais fresco, que nos chega das águas frias da Noruega. Grieg Seafood DIREITINHO DA NORUEGA É O SEGREDO DA ORIGEM Reconhecido

Leia mais

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896 Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas desde 1896 Quem Somos? Instituição de Utilidade Pública Restauração Pastelarias e Cafés Mais de um século de existência Empreendimentos Turísticos

Leia mais

DS 01.01 Plano de Ementas - Geral Elaborado pela Nutricionista Alexandra Lima

DS 01.01 Plano de Ementas - Geral Elaborado pela Nutricionista Alexandra Lima Página 1 de 5 Ementa 1 Sopa Creme de cenoura Panado de peru com fusilli tricolor e milho Sopa Feijão vermelho e hortaliça Arroz de peixe (pescada e tamboril) com delícias do mar Cenoura raspada Fruta da

Leia mais

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações)

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos por Deborah Markowicz Bastos, Luisa Oliveira

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final. Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro. Excelência, 1.

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final. Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro. Excelência, 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 06.03.2013 C(2013) 1164 final Assunto: Auxílio estatal SA.32817 (2011/N) Portugal Aquiseguro Excelência, 1. PROCEDIMENTO (1) Por ofício de 4 de abril de 2011, as autoridades

Leia mais

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL GEORG, Raphaela de Castro; MAIA, Polyana Vieira. Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás rcgeorg@gmail.com Palavras

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Exposição "Há pesca em Vila do Conde"

Exposição Há pesca em Vila do Conde 1 Exposição "Há pesca em Vila do Conde" 27 de Agosto 13 de Novembro 2009 CMIA de Vila do Conde I - Temática Localizada na margem Norte da foz do rio Ave, Vila do Conde é um importante centro industrial,

Leia mais

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho Carlos Bastos Índice 1 - Introdução 2- As actividades marítimas como prática destrutiva do ecossistema marinho 2.1 - Como se caracteriza a

Leia mais

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam. Dieta durante o tratamento O que comer e o que evitar de comer Após a cirurgia A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

Leia mais

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES Muitas pessoas já ouviram falar deles. Algumas podem até imagine que colesterol e triglicérides sejam sinônimos de doença. Para desfazer a imagem de vilões que essas duas substâncias

Leia mais

Linhas orientadoras para a alimentação nas escolas do 1º ciclo do ensino básico da Região Autónoma da Madeira

Linhas orientadoras para a alimentação nas escolas do 1º ciclo do ensino básico da Região Autónoma da Madeira Linhas orientadoras para a alimentação nas escolas do 1º ciclo do ensino básico da Região Autónoma da Madeira Direcção Regional de Educação Setembro 2006 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 EMENTAS...6 ALMOÇO...7 CULINÁRIA...9

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II 1 HISTÓRIA 6º ANO ENS. FUNDAMENTAL II PROFESSOR (A): SEBASTIÃO ABICEU NOME: Nº QUESTÃO 01: O que a História estuda? Responda com suas palavras. QUESTÃO 02: O que são fontes históricas? QUESTÃO 03: Dê exemplos

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável Alimentação Saudável O que é a alimentação saudável? A Alimentação Saudável é uma forma racional de comer que assegura variedade, equilíbrio e quantidade justa de alimentos escolhidos pela sua qualidade

Leia mais

O CNPV. e as Estruturas Locais de Voluntariado. 4 de Dezembro de 2009 Cláudia Amanajás

O CNPV. e as Estruturas Locais de Voluntariado. 4 de Dezembro de 2009 Cláudia Amanajás O CNPV e as Estruturas Locais de Voluntariado 4 de Dezembro de 2009 Cláudia Amanajás As Origens do Voluntariado O Voluntariado sempre existiu. Nuns casos, de maneira difusa, noutros de forma organizada.

Leia mais

sinta a beleza... . Ativos na Pele. Concentração Máxima QUEM SOMOS COMPRIMIDOS de colágeno Suplemento de Vitamina C www.sunflower.com.

sinta a beleza... . Ativos na Pele. Concentração Máxima QUEM SOMOS COMPRIMIDOS de colágeno Suplemento de Vitamina C www.sunflower.com. QUEM SOMOS A Sunflower é uma indústria brasileira com mais de 15 anos de experiência no desenvolvimento, produção e comercialização de alimentos funcionais, nutracêuticos e suplementos alimentares. Consolidada

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais