Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: )

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)"

Transcrição

1 Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: ) - CNPJ: / NOTAS EXPLICATIVAS NE/QGC/NORDESTE I - 001/10. (Referente ao Processo de Liquidação Extrajudicia do Pano de Benefícios) 1. Informações Iniciais QUADRO GERAL DE CREDORES - QGC (Artigo 50, da Lei Compementar 109/2001) 1.1 O Decreto de iquidação extrajudicia do Pano de Benefícios I NORDESTE se deu por meio da Portaria da Secretaria de Previdência Compementar do Ministério da Previdência Socia SPC/MPS, de número 2.742, datada de 10/02/2009 e pubicada no Diário Oficia da União DOU de e na forma das disposições da Lei Compementar 109/ A motivação do decreto de iquidação extrajudicia está atreada à situação de insovência (déficit) apresentada peo Pano de Benefícios I NORDESTE. Através dos comunicados Nº. 006/09 de 12/02/2009 e Nº. 011/09 de 02/03/2009 (disponíveis no site do Aerus: informamos sobre o decreto de iquidação extrajudicia do referido pano de benefícios. 1.3 A insovência (déficit) do Pano de Benefícios I NORDESTE decorreu especiamente, pea inadimpência da patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A., atuamente Em Recuperação Judicia, para com os compromissos contratuais de custeio assumidos junto ao mesmo, incusive os referentes aos déficits. 1.4 Em 17 de junho de 2005, a patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A., entrou com pedido de Recuperação Judicia em Vara Empresaria da Comarca do Rio de Janeiro e teve deferido seu processamento, na forma da Lei / O Pano de Benefícios I NORDESTE, patrocinado pea empresa NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A., é extensíve apenas aos seus empregados e diretores em observação às disposições da Lei Compementar 109/2001, e é administrado peo Instituto Aerus, Entidade Fechada de Previdência Compementar sem fins ucrativos. 1.6 O Instituto Aerus, administra 29 (vinte e nove) panos de benefícios patrocinados por empresas igadas ao setor aéreo naciona. Neste tota, estão incuídos os 16 (dezesseis) panos de benefícios que, na presente data estão em processo de iquidação extrajudicia, ocasionadas por motivos simiares aos do Pano em questão. Página 1 de 17

2 1.7 - Em razão das disposições egais, o Instituto Aerus não tem patrimônio próprio e todos os patrimônios que administra de forma fiduciária pertencem, na proporcionaidade detida, a cada um dos 29 (vinte e nove) panos de benefícios administrados, que são segregados entre si, na forma exigida pea egisação. Isto, em síntese, impica em dizer que até mesmo uma cadeira existente no AERUS pertence, na proporcionaidade detida por cada, aos panos de benefícios administrados e consequentemente aos seus participantes. 1.8 O processo de iquidação extrajudicia se dará na forma estabeecida peas seguintes eis: Lei Compementar 109, de 29 de maio de 2001, que dispõe sobre o regime de previdência compementar; e Lei Federa Nº , de 13 de março de 1974, que na forma do artigo 62, da Lei Compementar 109/2001 é apicada subsidiariamente ao processo em questão. 1.9 O artigo 50, da Lei Compementar 109/2001, dispõe: O iquidante organizará o quadro gera de credores, reaizará o ativo e iquidará o passivo Assim é do ritua que envove esta determinação ega que estamos tratando nestas Notas Expicativas. 2. O ritua do Quadro Gera de Credores QGC. O Quadro Gera de Credores será reaizado em quatro fases distintas, a saber: 2.1 1ª Fase Aviso aos credores para decaração de créditos ª Fase Quadro Gera de Credores Provisório - QGCP ª Fase - Quadro Gera de Credores Definitivo QGCD ª Fase Rateio Fina de Créditos. 2.1 A Reaização da 1ª Fase Aviso aos credores para decaração de créditos Trata da fase de habiitação de créditos. O início desta fase, bem como o período de sua reaização será pubicado no Diário Oficia da União e em um jorna de grande circuação da sede do Instituto Importante: Os participantes (ativos) e assistidos (aposentados, pensionistas e equiparados aos aposentados, na forma do 3º, do artigo 50, da LC 109/2001), estão dispensados de habiitarem seus respectivos créditos. Demais credores não estão dispensados da habiitação Conforme preceitua o 1º, do artigo 50, da Lei Compementar 109/2001, os participantes (ativos), incusive os assistidos (aposentados e pensionistas e Página 2 de 17

3 equiparados) credores estão dispensados de se habiitarem a seus respectivos créditos estando estes sendo recebidos ou não O motivo desta dispensa está atreado às determinações constantes no artigo 51, da Lei Compementar 109/2001 transcrita a seguir: Serão obrigatoriamente evantados, na data da decretação da iquidação extrajudicia de entidade de previdência compementar, o baanço gera de iquidação e as demonstrações contábeis e atuariais necessárias à determinação do vaor das reservas individuais. (grifamos) Isto quer dizer que, na forma da Legisação, o vaor devido peo Pano de Benefícios I NORDESTE Em iquidação extrajudicia individuamente a cada um dos credores participantes e assistidos é equivaente à sua reserva ou provisão matemática individua a ser cacuada por profissiona atuário, na data do Decreto de Liquidação Extrajudicia. Este profissiona deve estar egamente habiitado e devidamente registrado no Instituto Brasieiro de Atuária IBA. Para mehor entendimento dos credores previdenciários ressatamos a obrigatoriedade ega da contratação do profissiona quaificado atuário e registrado no órgão fiscaizador da profissão e permitimo-nos fazer a seguinte comparação: Se para questões de engenharia é exigido um engenheiro como responsáve técnico e para saúde, um médico, pea egisação, para questões atuariais é exigido um atuário devidamente registrado no IBA Instituto Brasieiro de Atuária Assim, para reaização dos trabahos atuariais determinados no artigo 51, da LC 109/2001 foi contratada a empresa de assessoria atuaria - Atuas Atuários Associados S/C Ltda. tendo como profissionais responsáveis e egamente habiitados, o Sr. Feipe Vieira Machado da Cunha (Atuário MIBA 1.557) e a Sra. Maríia Vieira Machado da Cunha Castro (Atuária MIBA 351) A avaiação atuaria de iquidação extrajudicia permitiu na forma determinada peo artigo 51, da Lei Compementar 109 que fosse conhecido o passivo previdenciário individua do pano para com cada um de seus participantes, bem como o passivo previdenciário tota O passivo previdenciário individua é denominado reservas ou provisões matemáticas individuais O referido vaor individua da reserva matemática de concurso de cada credor participante e assistido, em R$ (reais) a ser inscrito no Quadro gera de Credores, estará à disposição de cada um dos credores Importante: Outros eventuais créditos dos credores participantes e assistidos (aposentados e pensionistas), que não sejam os referentes ao do vaor individua de Página 3 de 17

4 suas reservas matemáticas de concurso, deverão ser decarados mediante apresentação de documentos comprobatórios e contra recibo do iquidante Com reação ainda à 1ª Fase, importante saientar que para o cácuo individua da reserva matemática de concurso de cada participante e assistido credor, observouse: A Lei Compementar 109/2001; As disposições vigentes no Reguamento do referido pano de benefícios; As disposições apicáveis do Conseho de Gestão da Previdência Compementar - CGPC, especiamente as da Resoução CPC Nº. 06, de 07 de abri de 1988 e as da Resoução do CGPC Nº. 18, de 28 de março de 2006; e As Instruções da Secretaria de Previdência Compementar - SPC Nesta 1ª Fase do processo serão cumpridas as determinações constantes dos artigos 22, 23 e 24 da Lei Federa Nº , de 13 de março de 1974, que na forma do artigo 62, da Lei Compementar 109/2001 é apicada subsidiariamente ao processo em questão. Resumidamente ocorrerão os seguintes e principais eventos: Observada a dispensa de habiitação dos créditos referentes aos vaores da reserva matemática individua dos participantes e assistidos credores, o iquidante, na forma do caput do artigo 22, fará pubicar no Diário Oficia da União e em jorna de grande circuação do oca da sede do Instituto Aerus, aviso aos credores para que decarem os respectivos créditos; Na forma 1º, do artigo 22, será fixado peo iquidante o prazo para reaização da 1ª Fase. O iquidante fixará quando da pubicação do Aviso aos Credores, o prazo máximo permitido de 30 (trinta) dias corridos O iquidante observará as demais disposições do artigo 22, e dará andamento às determinações dos artigos 23 e A reaização da 2ª Fase Quadro Gera de Credores Provisório - QGCP Depois de concuída a 1ª Fase do processo, que trata do Aviso aos Credores para Decaração de Créditos será dado continuidade ao mesmo com a reaização da 2ª Fase, que tratará do Quadro Gera de Credores Provisório - QGCP Para tanto, observando as disposições da Lei Compementar 109/2001, daremos andamento às determinações constantes nos artigos 25 e 26, da Lei Federa 6.024/ Dispõem os Artigos 25 e 26, da Lei Federa 6.024, que se apica subsidiariamente à Lei Compementar 109/2001 (artigo 62), verbis: (...) Página 4 de 17

5 Art. 25 Esgotando o prazo para decarações de créditos e jugados estes o iquidante organizará o quadro gera de credores e pubicará na forma prevista no Artigo 22, aviso que dito quadro, juntamente com o baanço gera, se acha afixado na sede e demais dependências da entidade, para conhecimento dos interessados. Parágrafo único. Após a pubicação mencionada neste Artigo, quaquer interessado poderá impugnar a egitimidade, o vaor, ou a cassificação dos créditos constantes do referido quadro. Art. 26 A impugnação será apresentada por escrito, devidamente justificada com os documentos jugados convenientes, dentro de dez dias, contados da data da pubicação de que trata o Artigo anterior. 1 A entrega da impugnação será feita contra recibo, passado peo iquidante, com cópia que será juntada ao processo. 2 O tituar do crédito impugnado será notificado peo iquidante e, a contar da data do recebimento da notificação, terá o prazo de cinco dias para oferecer as aegações e provas que jugar convenientes à defesa de seus direitos. 3 O iquidante encaminhará as impugnações com seu parecer, juntando os eementos probatórios, à decisão do Banco Centra do Brasi. 4 Jugadas todas as impugnações, o iquidante fará pubicar na forma do artigo 22, sobre as eventuais modificações no quadro gera de credores que, a partir desse momento, será considerado definitivo. (...) Para o caso das Entidades Fechadas de Previdência Privada e seus Panos de Benefícios, na forma do Artigo Art. 62, da Lei Compementar 109/2001, o Órgão Pubico Federa a quem compete à decisão estabeecida no 3, do artigo 26, da Lei Federa 6.024/74, é a Secretaria de Previdência Compementar do Ministério da Previdência Socia SPC/MPS Na forma estabeecida peo Art. 26, da Lei Federa 6.024/1974, o prazo máximo para ciência do Quadro Gera de Credores Provisório 2ª FASE, juntamente com o Baanço Gera e demais documentos que compõem o processo, bem como para eventuais impugnações de egitimidade, vaor, ou cassificação dos créditos constantes do referido QUADRO e BALANÇO GERAL será de 10 (dez) dias corridos. Observação: Este prazo para reaização da 2ª Fase será informado na pubicação de novo aviso aos credores no Diário Oficia da União e em jorna de grande circuação na sede do Instituto Aerus, depois de concuída a 1ª Fase. Página 5 de 17

6 Na forma do parágrafo único, do artigo 25, da Lei Federa 6.024/74, a eventua impugnação da egitimidade, vaor, ou cassificação de créditos quando da reaização da 2ª Fase é um direito de todos os credores, entretanto deve-se procurar evitar impugnações infundadas, pois estas atrapaham o bom andamento dos trabahos e consequentemente o rateio de créditos A soicitação acima se justifica em razão dos seguintes motivos: Quanto maior for o tempo para a reaização do ritua do Quadro Gera de Credores, estabeecido no Artigo 50, da Lei Compementar 109/2001, mais empecihos egais existirão para a continuidade dos rateios de créditos entre os credores, observados as casses, priviégios e recursos íquidos disponíveis; A reaização do Quadro Gera de Credores não exime a responsabiidade da administração do AERUS de continuar a uta em defesa dos interesses dos participantes credores Mesmo depois da concusão do ritua do Quadro Gera de Credores em sua forma definitiva, o AERUS, tendo sucesso em aguma ação judicia de interesse dos credores do Pano de Benefícios I NORDESTE Em iquidação extrajudicia, quaquer que seja o vaor recebido, disponibiizará esse vaor a quaquer época, para rateio entre os credores, observado casses e priviégios de concurso. Isto se apica também as obrigações da Patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A Em recuperação judicia para com o pano de benefícios em iquidação extrajudicia A partir da concusão do Quadro Gera de Credores, estarão definidos as casses, priviégios e o Índice Individua de Participação IIP (será expicado mais á frente), que cada credor concorrerá de forma isonômica aos futuros rateios de créditos, dentro de sua casse e níve de priviégio, ou seja, é uma garantia de transparência ao credor; De uma maneira gera o Quadro Gera de Credores será constituído por três casses distintas, a saber: ª casse - Créditos trabahistas dos empregados do Aerus, créditos tributários da União, Estados e Municípios, credores por restituição e demais encargos da massa ª casse - Créditos dos participantes Priviégio Especia. a) 1º priviégio vaor da provisão matemática dos participantes assistidos (aposentados ou equiparados aos aposentados e pensionistas), apurado na data do decreto da iquidação extrajudicia. Página 6 de 17

7 b) 2º priviégio correção monetária do vaor da provisão matemática dos participantes assistidos (aposentados ou equiparados aos aposentados e pensionistas). c) 3º priviégio vaor da provisão matemática dos participantes ativos e ex-participantes quirografários, apurado na data do decreto de iquidação extrajudicia. d) 4º priviégio correção monetária do vaor da provisão matemática dos participantes ativos e ex-participantes quirografários ª casse - Créditos quirografários (créditos de não participantes, ações judiciais de caráter previdenciário, juros etc.), que no momento oportuno terão saientados os níveis de priviégio de concurso Número de Participantes credores: Descrição Participantes aposentados e pensionistas e equiparados Nº. de participantes credores* 18¹ Observações São os Participantes que já recebiam benefícios, ou que já tinham adquirido este direito (equiparado), têm priviégio especia sobre os demais participantes ( 3º do artigo 50, da Lei Compementar 109/2001) 1º priviégio e 2º priviégio entre os participantes. Participantes ativos e exparticipantes 0² 3º e 4º priviégio entre os participantes, ou seja, só depois de satisfeitos o principa das provisões matemáticas individuais e a correção monetária dos aposentados e pensionistas haveria rateio entre os ativos e quirografários. Tota de participantes 18³ O priviégio especia dos participantes aposentados e pensionistas (1º e 2º priviégio) e participantes ativos e quirografários (3º e 4º priviégios) não tem preferência sobre os créditos trabahistas (empregados do Aerus) e tributários (União, Estados e Municípios). Observações: ¹ - são 11 aposentados/equiparados e 7 pensionistas; ³ - Deste número tota foram considerados na avaiação atuaria de iquidação extrajudicia os participantes e assistidos credores constante da base cadastra do Pano de Benefícios. Página 7 de 17

8 Estes números poderão sofrer aterações durante o transcorrer do ritua do Quadro Gera de Credores. 2.3 A reaização da 3ª Fase - Quadro Gera de Credores Definitivo QGCD Depois de concuída a 2ª Fase do processo, que trata do Quadro Gera de Credores Provisório QGCP, será dado continuidade ao mesmo com a reaização da 3ª Fase, que tratará do Quadro Gera de Credores Definitivo - QGCD Para tanto, observando as disposições da Lei Compementar 109/2001, daremos andamento às determinações constantes no 4º, do artigo 26, da Lei Federa 6.024/74, ou seja, será pubicado na forma do artigo 22, da referida Lei, aviso aos credores sobre eventuais modificações no Quadro Gera de Credores Provisório que a partir da referida pubicação será considerado definitivo O aviso aos credores sobre o Quadro Gera de Credores Definitivo, 3ª Fase, ta qua para as fases precedentes, se dará através de pubicação no Diário Oficia da União e em jorna de grande circuação do oca da sede do Instituto Aerus A concusão do Quadro Gera de Credores é fundamenta para que os participantes credores tenham reconhecidos seus direitos no processo de iquidação extrajudicia do Pano de Benefícios I NORDESTE Em iquidação extrajudicia. 2.4 A reaização da 4ª Fase Rateio Fina de Créditos Trata do esgotamento de recursos do patrimônio previdenciário do Pano de Benefícios I NORDESTE Em iquidação Extrajudicia, de maneira isonômica entre os credores, observada as casses e níveis de priviégio de concurso estabeecido na egisação Para que isto venha a ocorrer é necessário que o Quadro Gera de Credores esteja em sua forma definitiva, ou seja, 3ª fase concuída Havendo sobras de recursos provisionados como exigíveis e fundos de casse/priviégio superior ao dos participantes e assistidos, ao fina do processo, as eventuais sobras serão evadas a rateio isonômico entre os credores, observadas as casses e níveis de priviégio de concurso estabeecidos na egisação Conforme já saientado, a quaquer tempo, havendo recebimento de dívidas (déficit) da Patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A, para com o referido pano de benefícios, os vaores recebidos também serão evados ao rateio de créditos entre os credores. Esta informação também se apica para o recebimento de quaquer vaor devido ao pano de benefícios e recebido pea via judicia e/ou administrativa. Página 8 de 17

9 2.4.5 Cabe ressatar que, na forma do artigo 52, da Lei Compementar 109/2001, a iquidação extrajudicia do Pano de Benefícios I NORDESTE poderá, a quaquer tempo, ser evantada desde que constatados fatos supervenientes que viabiizem sua recuperação Cumpre informar que o patrimônio previdenciário do Pano de Benefícios I NORDESTE, ta qua nos demais panos administrados peo Aerus, é formado por ativos financeiros que possuem iquidez imediata (ativos com iquidez) e outros ativos que não possuem iquidez (ativos sem iquidez), estes útimos adquiridos em períodos anteriores à intervenção no instituto. Os ativos sem iquidez abrangem participação em imóveis, ações de empresas sem iquidez na Bosa de Vaores, ações de empresas que não são comerciaizadas na Bosa, etc. Desta maneira a execução tota da 4ª fase, dependerá da reaização dos ativos sem iquidez de difíci ou demorada comerciaização. 3. Informações atuariais e econômicas: 3.1 Neste item apresentaremos a situação Gera do Pano de Benefícios I NORDESTE Em Liquidação Extrajudicia, em 12 de fevereiro de 2009, data de pubicação do decreto de iquidação extrajudicia no Diário Oficia da União, que poderá sofrer modificações no transcurso do ritua do Quadro Gera de Credores. 3.2 Conforme já saientado nestas notas, para iniciarmos o ritua do Quadro Gera de Credores, foi necessária a concusão da avaiação atuaria para dar andamento às determinações constantes no artigo 51, da Lei Compementar transcrito a seguir: Serão obrigatoriamente evantados, na data da decretação da iquidação extrajudicia de entidade de previdência compementar, o baanço gera de iquidação e as demonstrações contábeis e atuariais necessárias à determinação do vaor das reservas individuais. (grifamos). 3.3 Assim apresentamos a V.Sa. um resumo da situação dos compromissos previdenciários do pano, cacuado pea Atuas Atuários Associados S/C Ltda.: Os compromissos previdenciários* na data base de 12/02/09 apurados peo Atuário correspondem ao vaor tota de R$ ,85, formado peas seguintes contas: - Benefícios Concedidos = R$ ,85 - Benefícios a Conceder = R$ 0,00 - Totais Reservas Matemáticas = R$ ,85 Página 9 de 17

10 * Vide nota técnica atuaria no site do Aerus O vaor de R$ referentes aos Benefícios Concedidos equivae ao somatório das reservas matemáticas individuais dos participantes credores assistidos (aposentados, pensionistas e equiparados aos aposentados na forma do 3º, do artigo 50, da LC 109/2001), na data do decreto de iquidação extrajudicia (artigo 51, da LC 109/2001). Ao vaor cacuado deverá ser acrescida a importância de R$ 1.625,85 reativos a acerto de benefícios anteriores a iquidação, conforme incuso no baanço patrimonia de abertura de iquidação, sendo registrado o vaor de R$ ,70. Descrição Passivo Previdenciário NORDESTE I - Benefícios Concedidos (1) R$ ,70 - Benefícios a Conceder R$ 0,00 - Ex-participantes (demais credores) R$ 0,00 Tota Passivo Previdenciário R$ ,70 (1) R$ ,85 + R$ 1.625,85 = R$ , As demais contas do passivo, exceto previdenciárias são: Descrição Vaor em R$ em 12/02/ Exigíveis R$ ,51 2 Fundos (CQM e encargos da massa) R$ ,58 3 Tota - exigíveis e fundos (1+2) R$ , O patrimônio previdenciário existente no Pano de Benefícios I NORDESTE, em 12/02/2009, equivae ao Patrimônio Tota, deduzidos dos exigíveis e fundos, por possuírem cassificação de preferência superior à dos participantes: Descrição Vaor em R$ em 12/02/ Patrimônio tota do pano R$ , Tota - exigíveis e fundos R$ ,09 3 Patrimônio Previdenciário Tota (1 2) R$ , Em razão do resumidamente exposto, apresentamos também, de maneira sucinta, o quadro patrimonia do Pano de Benefícios I NORDESTE, posicionado na data base de 12/02/2009: Página 10 de 17

11 Pano de Benefícios I NORDESTE " Posição em 12 de fevereiro de Patrimônio Previdenciário (2-3) R$ , Ativos Totais R$ , Exigíve/fundos R$ , Compromisso com Participantes Assistidos. R$ , Compromisso com Participantes Ativos. R$ 0, Compromisso com ex-participantes credores. R$ 0, Déficit ( ) (R$ ,55) 8 - Recursos Líquidos Totais. R$ , Recursos Líquidos do Patrimônio Previdenciário = Recursos R$ ,41 íquidos totais - exigíveis (R$ ,00 R$ ,59) A - Níve de cobertura das reservas matemáticas dos aposentados, pensionistas, ativos e créditos ex-participantes, com reação ao patrimônio previdenciário: = (R$ ,15 R$ ,70) x 100 = 41,08%. B - Níve de cobertura das reservas matemáticas dos aposentados, pensionistas, ativos e créditos ex-participantes, com reação ao patrimônio previdenciário tota com iquidez: = (R$ ,41 R$ ,70) x 100 = 21,72% Do contexto resumido no quadro acima, que será a base inicia do Quadro Gera de Credores Provisório do Pano de Benefícios I NORDESTE, podemos depreender que: R$ ,55 (dois mihões, novecentos e sessenta e sete mi, quinhentos e dezesseis reais e cinqüenta e cinco centavos) correspondentes ao déficit do pano de benefícios seriam os compromissos devidos pea Patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A., atuamente Em Recuperação Judicia, na forma do Reguamento do pano de benefícios e demais disposições egais e contratuais Há ainda que ser ressatado que os vaores retro mencionados referentes ao déficit devem ser reajustados peo indexador infacionário do Pano (INPC-IBGE) acrescido da taxa rea de juros utiizada na avaiação atuaria de 6% ao ano, até o efetivo pagamento pea patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A Dos itens 1 e 9 do quadro acima V.Sas. depreendem respectivamente: 1 - Patrimônio Previdenciário (2-3) R$ , Recursos Líquidos do Patrimônio Previdenciário. R$ ,41 Página 11 de 17

12 Isto impica em dizer, que do Patrimônio Previdenciário Tota no vaor de R$ ,15, apenas R$ ,41 são recursos financeiros com iquidez (passiveis de serem reaizados em curto prazo) o restante, R$ ,74 são formados por ativos sem iquidez imediata (participação em imóveis, ações de companhias sem iquidez na Bosa de Vaores, etc.) Podemos depreender também do resumo acima, que não havendo aporte financeiro do déficit devido pea patrocinadora NORDESTE - Linhas Aéreas Regionais S/A Em recuperação Judicia, os seguintes efeitos: O patrimônio previdenciário tota existente em 12/02/2009, no vaor de R$ ,15, só será suficiente para honrar aproximadamente 41,08% do vaor principa dos compromissos com os assistidos e pensionistas credores, que na mesma data de referência era de R$ ,70, ou seja, o restante, para ser honrado (pago) depende de aporte financeiro do déficit pea patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A Em recuperação Judicia O patrimônio previdenciário tota com iquidez existente em 12/02/2009, no vaor de R$ ,41, é suficiente para honrar aproximadamente 21,72% do vaor principa dos compromissos com os assistidos e pensionistas credores que, na mesma data de referência era de R$ , Os rateios de créditos, face à situação patrimonia e respectiva cassificação de preferência estabeecida na Legisação (Casses e Níveis de priviégio de concurso), não chegarão aos demais credores da 2ª Casse e, muito menos, aos credores da 3ª Casse. Os vaores em questão dependem do aporte financeiro do déficit pea patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A Em recuperação Judicia A seguir maior detahamento da posição patrimonia em 12/02/2009: Página 12 de 17

13 Posição patrimonia em 12 de fevereiro de 2009 (Abertura da Liquidação) Nordeste Pano I Página 13 de 17 "" Patrimônio Líquido ,15 ( + ) Disponíve - ( + ) Reaizáve ,71 ( + ) Programa previdencia 437,88 ( + ) Contribuições normais do mês 437,88 ( + ) Contribuições normais em atraso - ( + ) Patrocinadora - ( + ) Participantes - ( + ) Autofinanciados - ( + ) Contribuições extraordinárias do mês - ( + ) Contribuições extraordinárias em atraso - ( + ) Patrocinadora - ( + ) Participantes - ( + ) Autofinanciados - ( + ) Contribuições s/ 13º saário - ( + ) Contribuições contratadas - ( + ) Déficit técnico cont. de benef. concedido - ( + ) Em atraso - ( - ) Prov. créd. iq. duvidosa - ( + ) Outros recursos a receber - ( + ) Antecipação abono anua - ( + ) Custeio s/ parcea de déficit contratado - ( + ) Programa de investimentos ,83 ( + ) Permanente - ( - ) Exigíve Operaciona ,61 ( - ) Pecúio por morte - ( - ) Reserva de poupança - ( - ) Despesas a pagar 3.237,93 ( - ) Prov. reservas não pagas - ( - ) Provisão abono anua - ( - ) Outros vaores a Pagar - ( - ) Custeio s/ parcea de déficit contratado - ( - ) Programa de investimentos ,68 ( - ) Exigíve Contingencia ,37 ( - ) Programa de investimentos ,37 ( - ) Fdo cobertura gastos iquidação ,29 ( - ) Gastos Gerais ,29 ( - ) Fdo Programa de Investimentos 3,29 DéficitTécnico ( ,55) Patrimônio Liquido ,15 ( - ) Fdo de Liquidação (Quadro de Credores) ,70 Aposentados e Pensionistas - Principa ,70 Ativos - Principa - Demais Credores - Principa - RGRT ,15 Disponíve - Renda Fixa Mercado ,92 Renda Fixa Outros ,78 Renda Variáve Mercado ,08 Renda Variáve Outros ,93 Investimentos Imobiiários ,68 Empréstimos a Participantes - ( - ) Tributos (13,24) Liquidez ,41 Recursos Líquidos ,00 ( - ) Ex. Oper. (exc. invest.) + Cont. + Fdo Cob Gastos Liq ,59 Níve de Liquidez Aposentados e pensionistas: 21,72% Tota: 21,72%

14 4. Outras informações reevantes: Em que pese a maioria dos assuntos, informações e considerações aqui abordados possuírem caráter técnico e ega estamos, na medida do possíve, procurando repassá-as aos credores, especiamente aos aposentados/equiparados e pensionistas, da maneira mais transparente, resumida e objetiva possíve Portanto, estas Notas Expicativas têm como objetivo principa propiciar aos participantes credores as informações necessárias à compreensão do processo de iquidação extrajudicia do Pano de Benefícios I NORDESTE. 4.3 Informações sobre antecipações de rateio de créditos e rateio de créditos: Durante a reaização do ritua do Quadro Gera de Credores, de maneira que não haja cessação imediata de quaisquer pagamentos aos credores aposentados e pensionistas, que já vinham recebendo benefícios, até que o quadro gera de credores esteja em sua forma definitiva, o iquidante do pano, autorizará antecipações de rateio de créditos. Isto se justifica em razão do grave contexto socia e econômico que envove o processo de iquidação extrajudicia do pano de benefícios, face ao caráter previdenciário. Assim o iquidante vem iberando vaores mensais para antecipação de rateio de créditos entre os participantes credores assistidos (2ª Casse - 1º Priviégio), enquanto não se concui o Quadro Gera de Credores em sua forma definitiva Para que a reaização de antecipações de rateio de créditos fosse possíve foram provisionados antecipadamente, os créditos devidos à 1ª casse (vide subitem ) Podemos informar que as eventuais distorções que poderão ser causadas face às antecipações de rateio de créditos reaizadas serão corrigidas durante o transcorrer do processo e a partir da concusão do cácuo das reservas matemáticas individuais e da execução da 2ª, 3ª e 4ª fase O esgotamento dos recursos do patrimônio previdenciário, só poderá ocorrer depois de concuída a 3ª Fase do processo que trata do Quadro Gera de Credores Definitivo permitindo assim, a reaização da 4ª fase, que trata do rateio fina de créditos. Os vaores que por ventura vierem sendo recebidos a títuo de antecipação de rateio de créditos peos aposentados e pensionistas credores e equiparados, serão evados a encontro de contas e de ajustes de isonomia de concurso entre os credores da mesma casse e níve de priviégio. 4.4 Informações sobre isonomia de concurso entre credores e Índice Individua de Participação - IIP: Conforme já havíamos mencionado acima, o crédito dos participantes, dos aposentados, pensionistas e equiparados que será inscrito no Quadro Gera de Credores, será o vaor da reserva matemática de concurso de cada participante, observadas a casse e níveis de priviégio de concurso. Página 14 de 17

15 4.4.2 Já informado também, que as reservas matemáticas individuais de cada um dos participantes, dos aposentados, pensionistas e equiparados são cacuadas por profissiona atuário, em respeito as determinação egais Para que os participantes credores possam entender como funciona o rateio de créditos de forma isonômica entre as casses e priviégios, apresentamos o exempo hipotético, para um pano em que houvesse apenas dois participantes: - Por exempo, se o Quadro Gera de Credores Definitivo apresentasse na 2ª Casse, a seguinte configuração, na data do decreto de iquidação, ao níve de 1º priviégio: Créditos Casse 2. 1º níve de priviégio. - Participante A = R$ 8.000,00 de reservas individuais apuradas atuariamente. - Participante B = R$ 7.000,00 de reservas individuais apuradas atuariamente. - tota = R$ ,00 - Para este exempo hipotético, neste níve de priviégio, os participantes A e B, teriam o seguinte Índice Individua de Participação (IIP), no rateio de créditos disponíveis: - O participante A = IIP = 0, = R$ 8.000,00 R$ ,00 e, - O participante B = IIP = 0, = R$ 7.000,00 R$ ,00 - Tota A + B = IIP = 1, = R$ , Portanto, concuído o Quadro Gera de Credores e havendo disponibiidade de recursos para rateio entre os credores, o mesmo se daria da seguinte maneira: - O pano de benefícios, hipoteticamente, dispõe de R$ 4.000,00 para distribuir por rateio entre os credores da Casse 2, ao níve de 1º priviégio, neste caso, os participantes A e B, receberão os seguintes vaores: - Participante A = IIP x R$ 4.000,00 = 0, x R$ 4.000,00 = R$ 2.133,33 e, - Participante B = IIP x R$ 4.000,00 = 0, x R$ 4.000,00 = R$ 1.866,67 - Tota Participante A +B = R$ 4.000, Assim haverá isonomia de concurso, ou seja, o pano de benefícios, para esta casse e níve de priviégio tinha capacidade de honrar hipoteticamente, com 26,67% dos compromissos (R$ 4.000,00/R$ ,00 x 100 = 26,67%) tendo: - O Participante A, recebido R$ 2.133,33 dos R$ 8.000,00 de sua reserva matemática, que equivae a 26.67% (R$ 2.133,33 / R$ 8.000,00 x 100 = 26,67%); e - O Participante B, recebido R$ 1.866,67 dos R$ 7.000,00 de sua reserva matemática que equivae a 26.67% (R$ 1866,67 / R$ 7.000,00 x 100 = 26,67%). - A operação de rateio de crédito hipotética acima exempificada, seria reaizada, se não houvesse antecipações de rateio de crédito depois de concuído o quadro gera de credores e sempre que houvesse recursos disponíveis para ta, independente da época que os mesmos viessem a estar disponíveis. Esta é a sistemática está sendo apicada nas antecipações de rateio de crédito depois de concuídos os cácuos atuariais que possibiitaram a obtenção das reservas matemáticas Página 15 de 17

16 individuais. - Conforme já saientado eventuais distorções face às antecipações de rateio de créditos ocorridas antes dos cácuos atuariais já estão sendo corrigidas Na forma do exempo acima, cada participante, a partir do vaor de sua reserva matemática individua, terá seu Índice Individua de Participação IIP. Este índice é obtido através da divisão, do vaor de sua Provisão (reserva) Matemática Individua PMI, cacuada na data do decreto de iquidação do pano de benefícios, peo somatório das provisões matemáticas individuais de todos os participantes de sua casse e níve de priviégio - SPMIT. IIP = PMI SPMIT A Nota Técnica Atuaria de iquidação, também está disponíve no site do Aerus. 4.6 Conforme já informado, os recursos financeiros do patrimônio previdenciário disponíveis deverão satisfazer apenas uma parte do montante principa das reservas individuais dos participantes assistidos e pensionistas - 1º priviégio, da 2ª casse Para o 2º priviégio, da 2ª casse, que seria a correção monetária das Reservas Individuais dos participantes assistidos, e pensionistas, frente às insuficiências financeiras (patrimônio íquido) o rateio de créditos não deverá chegará até ees. Peo quadro financeiro atua estão comprometidos também, os pagamentos devidos aos participantes ativos e quirografários, reacionados no 3º e 4º priviégios da 2ª casse e os créditos quirografários onde estão incuídos, incusive os juros atuariais. 4.8 Os juros foram considerados como quirografários, em razão do disposto no inciso IV, do artigo 49, da Lei Compementar 109/2001, só serão exigidos, depois de integramente pago o passivo. Entretanto, mesmo frente à insuficiência de recursos para pagamento, os juros devem ser provisionados contabimente, para efeito de controe. 4.9 Assim a fata de recursos (déficit) impede o cumprimento integra dos compromissos atuariais com todos os participantes assistidos (aposentados, pensionistas e equiparados) e com os participantes ativos, e demais credores, exceto os da 1ª casse. Esta situação será revertida caso a patrocinadora NORDESTE Linhas Aéreas Regionais S/A Em Recuperação Judicia venha a honrar os seus compromissos com reação ao déficit técnico de sua responsabiidade O Instituto Aerus, representando os credores do Pano de Benefícios I NORDESTE Em iquidação extrajudicia, vai habiitar de forma integra o déficit do pano de benefícios de responsabiidade da patrocinadora NORDESTE LINHAS Página 16 de 17

17 AÉREAS REGIONAIS S/A, no processo referente ao pano de recuperação judicia da mesma No 1º, do Artigo 16, da Lei Federa 6.024/74, que na forma do Artigo 62, da Lei Compementar 109, de 29 de maio de 2001, é apicada subsidiariamente, está disposto o seguinte: (...) 1º Com prévia e expressa autorização do Banco Centra do Brasi, poderá o iquidante, em benefício da massa, utimar os negócios pendentes e, a quaquer tempo, onerar ou aienar seus bens, neste útimo caso através de icitações. (...) Neste 1º, do Artigo 16, da Lei Federa 6.024/74, conforme artigo 62 da LC 109/2001, onde se ê Banco Centra do Brasi deve ser ido, Secretaria de Previdência Compementar do Ministério da Previdência Socia No caso de venda de ações comerciaizadas na BOVESPA, este, na forma da egisação apicáve, é o oca adequado para negociação de compra e venda, desde que feitas através de Corretora egamente habiitada, uma vez que a BOVESPA é um mercado organizado, transparente, reguamentado, púbico e fiscaizado Para o caso de venda de ações de empresas que não são comerciaizadas na BOVESPA, para os imóveis, e outros bens garantidores dos panos de benefícios para os quais não existe mercado financeiro transparente, organizado, reguamentado e fiscaizado, torna-se necessário o processo icitatório, devidamente autorizado pea Secretaria de Previdência Compementar Procuraremos manter todos os participantes credores do Pano de Benefícios I NORDESTE, sempre informados sobre o processo, a medida de seu desenvovimento. Por isto soicitamos que procurem acompanhar o site do Aerus sistematicamente. Finamente, informamos que estamos soidários aos participantes peas angústias e transtornos causados pea situação de insovência que motivou o processo de iquidação extrajudicia do Pano de Benefícios I NORDESTE e que na forma determinada pea egisação procuraremos trabahar sempre em defesa dos interesses da massa abrangida. Aubiérgio Barros de Souza Fiho. Liquidante do Pano de Benefícios I NORDESTE Portaria de 10/02/ DOU de 12/02/2009. Sérgio Cassano Junior Advogado - OAB/RJ Página 17 de 17

SOB INTERVENÇÃO. Informamos que melhor detalhamento e informações estão disponibilizados no site do Aerus, no endereço eletrônico: www.aerus.com.

SOB INTERVENÇÃO. Informamos que melhor detalhamento e informações estão disponibilizados no site do Aerus, no endereço eletrônico: www.aerus.com. Rio de Janeiro, 01 de junho de 2010. COMUNICADO TRANSLIQ 002/2010 Senhoras e Senhores participantes credores, Cumprimentando-os cordiamente serve este comunicado para apresentar um breve resumo da situação

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL

FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL Avaliação Atuarial Especial de Setembro PLANO DE BENEFÍCIOS 2 - RP2 MINASCAIXA CNPB 1979.0034-83 Relatório 119/13 Outubro/2013 1 ÍNDICE 1.1 OBJETIVO DA AVALIAÇÃO

Leia mais

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências - 2/6 - Condições para o Financiamento - 2/6 - Disposições Gerais - 6/6 - Vigência - 6/6 Objetivo.

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2012. Principais Destaques

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2012. Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS 1 Os débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional podem ser parcelados em até 60 (sessenta) prestações

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

COMUNICADO Nº. 23/15. Assunto: Rateio de créditos para os meses de novembro e dezembro de 2015

COMUNICADO Nº. 23/15. Assunto: Rateio de créditos para os meses de novembro e dezembro de 2015 Rio de janeiro, 03 de novembro de 2015. COMUNICADO Nº. 23/15 Assunto: Rateio de créditos para os meses de novembro e dezembro de 2015 Referência: Esclarecimento dos comunicados 20, 21 e 22 de 2015. Prezados

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

9- VALOR 6- 8- ÚLTIMA 7- INÍCIO DE RESGATE SALÁRIO DA 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL R$ 440.797,11 8.441 R$ 281.990.

9- VALOR 6- 8- ÚLTIMA 7- INÍCIO DE RESGATE SALÁRIO DA 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL R$ 440.797,11 8.441 R$ 281.990. FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 4- NÚMERO DE PLANOS: 4 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL 9- VALOR

Leia mais

CNPJ/MF 92.692.979/0001-24. por conta e ordem do BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL S/A - BANRISUL CNPJ/MF 92.702.067.0001/96

CNPJ/MF 92.692.979/0001-24. por conta e ordem do BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL S/A - BANRISUL CNPJ/MF 92.702.067.0001/96 Edital de Oferta Pública para aquisição de ações ordinárias para cancelamento de registro de Companhia Aberta de BANRISUL S/A ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS CNPJ/MF 92.692.979/0001-24 por conta e ordem do

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON"

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO NOVO LEBLON ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON" I - Denominação e Objetivo ARTIGO 1º - O Clube de Investimento Novo Leblon, doravante designado Clube é constituído por número limitado de membros

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

Documento II da Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 13 de junho de 2008. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

Documento II da Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 13 de junho de 2008. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES Documento II da Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 13 de junho de 2008. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1. Objetivo do Plano 1.1. O objetivo do Plano de Opção de Compra de Ações da ESTÁCIO

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

c Publicada no DOU de 16-12-2004.

c Publicada no DOU de 16-12-2004. LEI N o 10.999, de 15 DE DEZEMBRO DE 2004 Autoriza a revisão dos benefícios previdenciários concedidos com data de início posterior a fevereiro de 1994 e o pagamento dos valores atrasados nas condições

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS CENTRO REGIONAL DE CULTURA, inscrito no CNPJ/MF sob o nº 17.860.164/0001-91, com sede na Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves nº 45, bairro Avenida, CEP

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O CENTRO DE INTEGRAÇÃO EMPRESA-ESCOLA DO RIO GRANDE DO SUL CIEE/RS 091/2007- SEF O MUNICIPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica de

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento SINERGIA é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº. 006/2013

CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº. 006/2013 CONTRATO ADMINISTRATIVO Nº. 006/2013 PROCESSO ADMNISTRATIVO Nº. 117/2013 Dispensa de Licitação Art. 24, II, da Lei 8.666/93 Pelo presente instrumento que entre si celebram CÂMARA MUNICIPAL DE ALFREDO CHAVES,

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 2 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 Brasília - DF Março/2015 3 Sumário GLOSSÁRIO... 5 CAPÍTULO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

CARTILHA DO PLANO C FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO C FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO C Cartilha do Plano C APRESENTAÇÃO O plano de benefícios previdenciários conhecido como Plano C foi implantado em 1997. O regulamento do Plano C foi adaptado à Lei Complementar nº 109,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 114, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 114, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 114, DE 2015 Altera a Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008, para instituir novo piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação

Leia mais

LEI Nº 5.070 DE 7 DE JULHO DE 1966. Cria o Fundo de Fiscalização das Telecomunicações e dá outras providências.

LEI Nº 5.070 DE 7 DE JULHO DE 1966. Cria o Fundo de Fiscalização das Telecomunicações e dá outras providências. LEI Nº 5.070 DE 7 DE JULHO DE 1966. Cria o Fundo de Fiscalização das Telecomunicações e dá outras providências. O Presidente da República, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1. OBJETIVOS DO PLANO BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1.1. Os objetivos do Plano de Opção de Compra de Ações da BR Malls Participações S.A. ( Companhia

Leia mais

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º O CAIXA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRAS IV CAIXA FMP FGTS PETROBRAS IV, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é uma comunhão de recursos, constituído sob

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais

SUMÁRIO. Anexo C - Despesas com cartão de crédito corporativo (conforme item I-1.8 do Anexo X da DN- TCU-85/2007... 9

SUMÁRIO. Anexo C - Despesas com cartão de crédito corporativo (conforme item I-1.8 do Anexo X da DN- TCU-85/2007... 9 SUMÁRIO 1. Identificação... 1 2. Responsabilidades institucionais... 2 2.1 PAPEL DA UNIDADE NA EXECUÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS... 2 3. Estratégia de atuação... 2 4. Gestão de programas e ações... 2 4.1

Leia mais

Caixa de Previdência dos Funcionários do Sistema BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL CNPJ N.º 34.054.320/0001-46

Caixa de Previdência dos Funcionários do Sistema BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL CNPJ N.º 34.054.320/0001-46 Funcionários do Sistema BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL CNPJ N.º 34.054.320/0001-46 RIO DE JANEIRO, 21 DE SETEMBRO DE 2005. AVISO AOS CREDORES DECLARAÇÃO DE CRÉDITOS NOTA EXPLICATIVA PROCESSO

Leia mais

Anexo I ao PRD Programa de Reinvestimento de Dividendos

Anexo I ao PRD Programa de Reinvestimento de Dividendos Anexo I ao PRD Programa de Reinvestimento de Dividendos Restrições aos Signatários das Políticas de Negociação do Itaú Unibanco e/ou da Itaúsa Os signatários das Políticas de Negociação do Itaú Unibanco

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 030, de 04 de junho de 1976

CIRCULAR SUSEP Nº 030, de 04 de junho de 1976 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP Nº 030, de 04 de junho de 1976 Aprova Condições Especiais do Seguro de Garantia para Cobertura das Operações de Empréstimos Hipotecários. O SUPERINTENDENTE

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000685/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026595/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.007774/2010-05 DATA DO

Leia mais

Resolução nº 003, de 02 de Fevereiro de 2.016

Resolução nº 003, de 02 de Fevereiro de 2.016 Resolução nº 003, de 02 de Fevereiro de 2.016 Regulamenta os serviços disponibilizados aos Associados e dependentes do SIRCOM/BENEFÍCIOS e dá outras providências Considerando a existência de uma regulamentação

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DAS NORMAS GERAIS SOBRE ANUIDADES

RESOLVE: CAPÍTULO I DAS NORMAS GERAIS SOBRE ANUIDADES Página 1 de 5 RESOLUÇÃO CFN Nº 408/2007 Dispõe sobre normas gerais aplicáveis às anuidades e fixa valores de taxas, emolumentos e multas devidas aos Conselhos Regionais de Nutricionistas, revoga as Resoluções

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM.

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. ATIVIDADES DATAS Publicação do Edital 29 de agosto de 2015 Período de inscrições de 31 de agosto a 29 de setembro de 2015 Período de realização

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: BUNGEPREV 2- CÓDIGO: 3861 3- RAZÃO SOCIAL: BUNGEPREV - Fundo Múltiplo de Prev idência Priv

Leia mais

A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY

A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY Outubro de 2012 POR QUE O ESTADO DE SÃO S O PAULO ADOTOU A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? 1º MOTIVO: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃ

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada.

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada. Página 1 de 7 CONTRATO DE MÚTUO Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus Participantes. Fundação Vale do Rio

Leia mais

8.2. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2013 e 2012

8.2. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 EletrosSaúde ELETROS 8.2. Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (Em milhares de reais) 8.2.1. Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA A CM Capital Markets Corretora de Títulos e Valores Mobiliários LTDA, em atenção ao disposto no art.

Leia mais

REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614.

REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614. REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614.075/0001-00 NIRE 31.300.025.837 15 de maio de 2015 TEXT_SP 9567220v1 / O presente

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Cumprindo determinações legais

Leia mais

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010 Altera o Decreto nº 28.002, de 30 de maio de 2007 e dá outras providencias. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: Art.

Leia mais

Ourocap Milênio. Processo SUSEP nº 10.004340/00-18 CONDIÇÕES GERAIS

Ourocap Milênio. Processo SUSEP nº 10.004340/00-18 CONDIÇÕES GERAIS Ourocap Milênio Processo SUSEP nº 10.004340/00-18 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES 1. BREVE HISTÓRICO DO CLUBE CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 O Esporte Clube Vitória, fundado na cidade do Salvador, onde tem foro e sede,

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

Celgprev CELPREV. Cartilha do Participante. Introdução

Celgprev CELPREV. Cartilha do Participante. Introdução Celgprev CELPREV Cartilha do Participante Introdução A partir de dezembro de 2000, a CELG distribuição, a Celg geração e transmissão, Celgpar e a ELETRA passam a oferecer aos seus empregados o Celgprev:

Leia mais

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12 VIPMAIS 2 VIP MAIS MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A que protege a sua família, caso algum

Leia mais

CONTRATO DE COMODATO

CONTRATO DE COMODATO Pelo presente instrumento particular de contrato de comodato, as partes, de um lado SKYPROTECTION Tecnologia de Informação Veicular Ltda., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o nº.

Leia mais

1 Aquisição que Gerou a Obrigação de Formular a OPA.

1 Aquisição que Gerou a Obrigação de Formular a OPA. OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA EXCELSIOR ALIMENTOS S.A. SOB PROCEDIMENTO DIFERENCIADO AVISO RESUMIDO AOS ACIONISTAS DA EXCELSIOR ALIMENTOS S.A. SRS. CLOVIS LUIZ BAUMHARDT,

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0 CLÁUSULA 1. OBJETIVO DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1 O objetivo do Plano de Opção

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO UASG 09008 i o n a F e d e r a ibuna Re gi on a Federa E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/1 Proc. nº T-EOF-01/344 O ibuna Regiona Federa da Região, por seu Pregoeiro,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.270 DECRETO Nº 13.270 Regulamenta o parcelamento e pagamento de créditos do município de Vitória e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Vitória, Capital do, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Aposentadoria CitiPrevi

Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Aposentadoria CitiPrevi Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Aposentadoria CitiPrevi Página 1 do quadro comparativo das alterações efetuadas no Regulamento do CitiPrevi Capitulo 1 Do Objeto 1.1

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24. Mês de Referência: Março de 2016

FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24. Mês de Referência: Março de 2016 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24 Mês de Referência: Março de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário contém um resumo das informações complementares

Leia mais

Folha de S. Paulo. Agora. Anatel aprova proposta de edital de leilão para tecnologia 4G. Revisão de 2002 a 2004 dá atrasados de até R$ 17.

Folha de S. Paulo. Agora. Anatel aprova proposta de edital de leilão para tecnologia 4G. Revisão de 2002 a 2004 dá atrasados de até R$ 17. Folha de S. Paulo Anatel aprova proposta de edital de leilão para tecnologia 4G O Conselho Diretor da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) aprovou nesta quinta-feira a minuta de edital do leilão

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº...

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... Minuta Contratual CONTRATO Nº.../... QUE FIRMAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

1.3.1. A adesão ao Programa será opcional, nos termos informados no ato da contratação do cartão.

1.3.1. A adesão ao Programa será opcional, nos termos informados no ato da contratação do cartão. 1) DO PROGRAMA DE CONQUISTAS 1.1. As presentes disposições regulam o AMIGA - PROGRAMA DE CONQUISTAS MARISA ITAUCARD MASTERCARD NACIONAL, MARISA ITAUCARD MASTERCARD INTERNACIONAL E MARISA, (o Programa ),

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP REGULAMENTO ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETO

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 16, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 16, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 16, DE 2010 Acrescenta o art. 23-A à Lei nº 10.150, de 21 de dezembro de 2000, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º A Lei nº 10.150,

Leia mais

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO Fevereiro/2012 Apresentação Prezado participante, Com o objetivo de mostrar como funciona a Fundação Coelce de Seguridade Social Faelce e o Plano de Benefícios Definidos,

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ATÍLIO VIVÁCQUA Estado do Espírito Santo

CÂMARA MUNICIPAL DE ATÍLIO VIVÁCQUA Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE ATÍLIO VIVÁCQUA ES. CONTRATO Nº. 005/2014. PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO Nº. 009/2014. Contrato de Prestação de Serviços que celebram a CÂMARA MUNICIPAL DE ATÍLIO VIVÁCQUA e ESSENCIALNET

Leia mais

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997.

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997. Decreto nº 7.389, de 9 de dezembro de 2010 DOU de 10.12.2010 Regulamenta o incentivo de que trata o art. 11- B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997, que estabelece incentivos fiscais para o desenvolvimento

Leia mais

CONTRATO 004/2013. CLÁUSULA PRIMEIRA Objeto. O presente Contrato tem por objeto o item a baixo:

CONTRATO 004/2013. CLÁUSULA PRIMEIRA Objeto. O presente Contrato tem por objeto o item a baixo: CONTRATO 004/2013. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE PERÍCIA CONTÁBIL E REMUNERAÇÃO DE HONORÁRIOS, QUE, ENTRE SI CELEBRAM O CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA E

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE COLORADO ESTADO DO PARANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE COLORADO ESTADO DO PARANA DISPENSA Nº: DP 077/2013 ÓRGÃO SOLICITANTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO. OBJETO: AQUISIÇÃO DE QUADROS COM IMAGENS AÉREAS DO MUNICÍPIO E CD DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO PARA A SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista, de Presidente Prudente - S.P. Mantida pela Associação Prudentina de Educação e Cultura

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista, de Presidente Prudente - S.P. Mantida pela Associação Prudentina de Educação e Cultura CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A DISTÂNCIA CURSO DE . CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: horas. Pelo

Leia mais

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF n.º 64.571.414/0001-64 NIRE 35.300.338.421 AVISO AOS ACIONISTAS

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF n.º 64.571.414/0001-64 NIRE 35.300.338.421 AVISO AOS ACIONISTAS VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF n.º 64.571.414/0001-64 NIRE 35.300.338.421 AVISO AOS ACIONISTAS Nos termos do artigo 157, parágrafo 4º da Lei n.º 6.404, de 15 de dezembro de 1976, conforme

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE PARINTINS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE PARINTINS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CONTRATO Nº 002/2013-CMP TERMO DE CONTRATO QUE ENTRE FAZEM, DE UM LADO A CÂMARA MUNICIPAL DE PARINTINS-AM, E DE OUTRO LADO A EMPRESA R. N. SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA, INSCRITA NO CNPJ Nº. 08.277.259/0001-96,

Leia mais

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES Banco ABC Brasil S.A. ( Companhia ), vem a público comunicar

Leia mais

BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES REGULAMENTO DO FUNDO O BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES, regido pelas disposições do presente Regulamento, e regulado pelas Instruções CVM nº 302

Leia mais