Ficha de Avaliação do Programa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha de Avaliação do Programa"

Transcrição

1 Período de Avaliação: 2007 a 2009 Etapa: Avaliação Trienal 2010 Área de Avaliação: 48 - BIOTECNOLOGIA IES: UMC - UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES Programa: P0 - BIOTECNOLOGIA Modalidade: Acadêmico Curso Nível Ano Início Ano Início BIOTECNOLOGIA Doutorado 2005 Dados Disponíveis na Coleta de Dados Mestrado 2000 Curso Nível Ano Ano Ano BIOTECNOLOGIA Doutorado Mestrado PROPOSTA DO PROGRAMA Itens de Avaliação 1.2. Planejamento do programa com vistas a seu desenvolvimento futuro, contemplando os desafios internacionais da área na produção do conhecimento, seus propósitos na melhor formação de seus alunos, suas metas quanto à inserção social mais rica dos seus egressos, conforme os parâmetros da área. Peso Avaliação 1.3. Infra-estrutura para ensino, pesquisa e, se for o caso, extensão Coerência, consistência, abrangência e atualização das áreas de concentração, linhas de pesquisa, projetos em andamento e proposta curricular Considerações Gerais da Área de Biotecnologia A Área de Biotecnologia foi criada pela CAPES em 2008 com a finalidade de estimular o desenvolvimento tecnológico e transferir conhecimentos gerados, de forma a contribuir para o aumento da competitividade do país e geração de produtos e processos de inovação apropriados em Biotecnologia, nas áreas Ambiental, Saúde, Agropecuária e Industrial. A Área foi iniciada com 21 programas que migraram das grandes áreas de Ciências Biológicas, Interdisciplinar, Engenharias e Ciências Agrárias. Atualmente, conta com mais cinco novos programas, totalizando 26 programas. Destes programas, 16 são em nível de Mestrado e Doutorado, 5 são cursos de mestrados, 2 são Mestrado Profissional e 1 programa em Rede em nível de Doutorado- Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO). A distribuição nacional dos programas é: 2 na região Norte, 5 no Nordeste, 12 no Sudeste, 2 no Centro-Oeste e 5 no Sul. Destes programas, 8 têm conceito 3, 13 possuem conceito 4 e cinco conceito 5. O comitê responsável por esta avaliação, referente ao triênio , foi composto por 10 consultores, provenientes de Instituições de Ensino Superior de Pesquisa de diferentes regiões do país. Como 4 programas são novos, no triênio , 21 Programas Acadêmicos foram avaliados comparativamente e um mestrado profissional, avaliado separadamente. A mediana do corpo docente do NP da Área foi de 15 docentes (mínimo de 9 e máximo de 112). Conforme estabelecido pela Portaria 068 de 2004, da CAPES, a Área de Biotecnologia definiu que os Programas devem ter no mínimo 10 docentes no NP. Valores inferiores podem ter ocorrido por falhas no preenchimento do aplicativo Coleta, ou pelo fato de os coordenadores não terem atentado para a referida Portaria, e tais valores devem ser corrigidos para não haver prejuízos ao Programa no triênio. O Comitê identificou que, em alguns programas, docentes do NP não orientaram alunos no triênio. Ressaltamos que o docente do NP necessita orientar no triênio, além do envolvimento em disciplinas e projetos de pesquisa, para não ferir à Portaria citada Página 1 de 10

2 acima. O número de colaboradores variou de 16 a 50%, com mediana de 26 docentes. A dimensão do corpo discente dos programas da área de Biotecnologia variou de 11 a 94, com uma mediana de 27 alunos no mestrado, e de 12 a 274, com mediana de 20 alunos no doutorado. A proporção de discentes/orientador do NP variou de 0,5 a 3,2, com mediana de 2,1 alunos/orientador. O Comitê considera 2 um número mínimo ideal. O número mediano de dissertações defendidas por programa foi 26 (variação: 10 a 98) e de teses foi 7 (variação: 0 a 76). A mediana do tempo médio de titulação foi de 26 meses para o mestrado e 41 meses para o doutorado. A porcentagem do corpo discente que publicou artigos em faixa Qualis igual ou superior a B4 variou de 3 a 47%, com mediana de 19%. Também foi constatado o envolvimento de discentes na produção de livros, capítulos de livros e de patentes (e outros itens relacionados). Tal envolvimento é considerado bastante desejável pela área. Desta forma, obteve-se a seguinte distribuição de artigos da área entre os docentes do NP: de 29 a 100% do NP publicou no mínimo três artigos em faixa igual ou superior a B4 (mediana = 77,8%), de 0 a 92,8% do NP publicou no mínimo três artigos em faixa igual ou superior a B3 (mediana = 61%), de 0 a 85,7% do NP publicou no mínimo três artigos em faixa igual ou superior a B2 (mediana = 50%), de 0 a 75% do NP publicou no mínimo três artigos em faixa igual ou superior a B1 (mediana = 33%) Os resultados da avaliação trienal mostraram que, apesar dos programas da Área de Biotecnologia estarem ainda fortemente voltados para um desempenho acadêmico, de 2007 a 2009 houve um número maior de patentes/produtos. Dos 21 programas, 15 (71%) possuem patentes, comparado com 6 (25%) em Estes programas produziram um total de 128 patentes no triênio, tendo uma distribuição que variou de 01 patente/docente do NP a 0,06 patente/docente do NP (mediana = 0,14). Considerando que os programas da área produziram um total de 4280 artigos B4 (B4, B3, B2, B1, A2 e A1), a relação foi 33 artigos/patente; ainda baixo, mas mostrando uma tendência clara para o aumento da geração de produtos biotecnológicos (patentes/produtos/processos). Quanto a livros e capítulos de livros, houve uma produção que variou de 6 a 125 por programa (mediana =28). Considerando-se a produção intelectual total de cada programa da área (artigos B4, patentes, livros e capítulos de livros), a mediana foi de 9,5 produtos por docente do NP (máxima = 12,25). A mediana do número de produtos por docente do NP seguiu a seguinte distribuição em relação às faixas de Qualis: 1,5 produtos B4/NP (máximo = 6), 1,22 B3/NP (máximo = 13,5), 1,78 B2/NP (máximo = 3), 1,49 B1/NP (máximo = 3,38), 0,83 A2/NP (máximo = 2,63), e 0,22 A1/NP (máximo = 2). Para uma estimativa da heterogeneidade da Produção Intelectual dos programas e, visando qualificar e quantificar os produtos foi estabelecida uma ponderação de valores, em que cada produto tem um valor numérico de acordo com o Qualis, conforme abaixo: A1 =100 pontos A2 = 85 pontos B1 = 70 pontos B2 = 55 pontos B3 = 40 pontos B4 = 25 pontos B5 = 10 pontos. O Comitê da Área de Biotecnologia usou os seguintes critérios para avaliação de patentes, produtos e processos, os quais foram incorporados à produção intelectual do programa: Patentes (Nacional, Internacional), Processos/produtos : Patente depositada com registro = 85 pontos =1 x A2 Patente outorgada/concedida = 100 pontos = 1 xa1 Patente licenciada e produzindo = 500 pontos = 5 xa1 Produto registrado no órgão competente (de acordo com o tipo de produto) = 85 pontos = 1 x A2. Obs.: No caso de envolvimento de discente, acrescentou-se um ponto, mantendo-se o mesmo nível de Qualis. Em outras palavras, no caso de uma patente depositada ou um produto registrado atribuiu-se 2 x A2 (170 pontos), uma patente outorgada 2 x A1 (200 pontos), e de uma patente licenciada 6 x A1 (600 pontos). Quanto à avaliação de livros e capítulos de livro, a Área fundamentou-se nos parâmetros apresentados no Qualis Livros da CAPES e critérios estabelecidos pelo Comitê de avaliação da área. Capítulos de Livro: Página 2 de 10

3 Editora Internacional com referees = CL4 = 70 pontos =1 x B1 Editoras Nacionais de boa qualidade = CL3 = 55 pontos = 1 x B2 Editora Universitária e afins = CL2 = 40 pontos = 1 x B3 Outras editoras = CL1 = 25 pontos = 1 x B4 Livros: Editora Internacional com referees = L4 = 70 pontos =1 x B1 Editoras Nacionais de boa qualidade = L3 = 55 pontos = 1 x B2 Editora Universitária e afins = L2 = 40 pontos = 1 x B3 Outras editoras = L1 = 25 pontos = 1 x B4 Obs.: Se for Autor(es) Integral de um mesmo livro: multiplicou-se por 4x Se for Organizador(es)/Edidor de livro: multiplicou-se por 2x Com o somatório dos pontos de todos os produtos B4 de cada programa obteve-se um valor de pontos por docente do programa como um todo. Para a avaliação da qualidade da produção intelectual total utilizou-se o intervalo de pontos para atribuir os conceitos: MB 500 pontos B = 300 a 500 pontos R = 150 a 300 pontos F = 50 a 150 pontos D < 50%. Também foram utilizados os critérios abaixo para a qualificação do quesito produção intelectual total: Para o programas Nota 7, 90% dos docentes do NP devem ter publicado pelo menos 3 produtos nas faixas B1 (B1, A2 e A1) no triênio; 70% do NP pelo menos 1 produto nas faixas A2 (A2 e A1) no triênio e 10% do NP pelo menos 1 produto na faixa A1 no triênio. Para Programas Nota 6, 90% dos docentes do NP devem ter publicado pelo menos 3 produtos nas faixas B2 (B2, B1, A2 e A1) no triênio; 70% do NP pelo menos 3 produtos nas faixas B1 (B1, A2 e A1) no triênio e 50% do NP pelo menos 1 produto nas faixas A2 (A2 e A1) no triênio. Para Programas Nota 5, 80% dos docentes do NP devem ter publicado pelo menos 3 produtos nas faixas B4 (B4, B3, B2, B1, A2 e A1) no triênio; 60% do NP pelo menos 3 produtos nas faixas B2 (B2, B1, A2 e A1) no triênio e 40% do NP pelo menos 3 produtos nas faixas B1 (B1, A2 e A1) no triênio. Para Programas Nota 4, 70% dos docentes do NP devem ter publicado pelo menos 3 produtos nas faixas B4 (B4, B3, B2, B1, A2 e A1) no triênio e 60% do NP pelo menos 3 produtos nas faixas B3 (B3, B2, B1, A2 e A1) no triênio. Para Programas Nota 3, 60% dos docentes do NP devem ter publicado pelo menos 3 produtos nas faixas B4 (B4, B3, B2, B1, A2 e A1) no triênio. Deve-se ressaltar que associados a estes, outros critérios relevantes foram considerados (tais como, produção discente, distribuição de orientações, qualidade das dissertações, inserção social, capacitação de recursos, bolsa de produtividade, participação de patentes/produtos na Produção Intelectual) para atribuição de NOTA final ao programa. Avaliação do Programa da UMC A proposta do programa apresenta coerência em relação as áreas de concentração e linhas de pesquisas, as quais são bastante atuais para um programa na área da biotecnologia. A Comissão considera ser interessante o projeto BIODAT * Biodiversidade do Alto Tietê o qual busca explorar a biodiversidade deste bioma. Ressalta-se que é pertinente em um programa de biotecnologia que o mesmo possa gerar processos e produtos de interesse comercial nos próximos anos. O Programa apresenta pequena inserção e parcerias com instituições internacionais, seria recomendável estimular os docentes a iniciar colaborações internacionais. No que diz respeito à infra-estrutura, o Programa dispõe de laboratórios amplos e bem equipados para o desenvolvimento pesquisas, processos e produtos. A infra-estrutura é de excelente nível e atende a todas as áreas do programa. CORPO DOCENTE Itens de Avaliação Peso Avaliação Página 3 de 10

4 2.1. Perfil do corpo docente, consideradas titulação, diversificação na origem de formação, aprimoramento e experiência, e sua compatibilidade e adequação à Proposta do Programa Adequação e dedicação dos docentes permanentes em relação às atividades de pesquisa e de formação do programa 2.3. Distribuição das atividades de pesquisa e de formação entre os docentes do programa Contribuição dos docentes para atividades de ensino e/ou de pesquisa na graduação, com atenção tanto à repercussão que este item pode ter na formação de futuros ingressantes na PG, quanto na formação de profissionais mais capacitados no plano da graduação O Núcleo docente permanente é constituído por 19 docentes, os quais estão bem distribuídos nas três diferentes áreas de concentração do Programa (Biotecnologia Aplicada a Recursos Naturais e Agronegócios, Biotecnologia Industrial e Biotecnologia Aplicada à Saúde). A formação e experiência do NP está compatível com as áreas de concentrações e linhas de pesquisa do programa. O percentual de colaboradores no triênio ficou em 22%, o que está dentro do recomendado pela CAPES. Os professores do NP em sua totalidade apresentaram atividades de ensino, pesquisa e orientação no período. O NP está adequado às atividades de pesquisa e formação do programa. Quase todos os membros do NP orientaram alunos no triênio, mostrando com isto uma distribuição homogênea das atividades de pesquisa e formação entre os docentes.a grande maioria dos docentes possui integração de pesquisa com a graduação. CORPO DISCENTE, TESES E DISSERTAÇÕES Itens de Avaliação 3.1. Quantidade de teses e dissertações defendidas no período de avaliação, em relação ao corpo docente permanente e à dimensão do corpo discente. Peso Avaliação 3.2. Distribuição das orientações das teses e dissertações defendidas no período de avaliação, em relação aos docentes do programa Qualidade das Teses e Dissertações e da produção de discentes autores da pós-graduação e da graduação (no caso de IES com curso de graduação na área) na produção científica do programa, aferida por publicações e outros indicadores pertinentes à área Eficiência do Programa na formação de mestres e doutores bolsistas: Tempo de formação de mestres e doutores e percentual de bolsistas titulados Foram defendidas 74 dissertações de mestrado no triênio e 9 teses de doutorado. Esse número baixo de doutores está relacionado com o fato de que o Doutorado teve seu inicio em A distribuição de alunos em relação ao núcleo permanente está adequada, variando entre 0 e 6 alunos/docente. A participação de membros discentes na produção científica e tecnológica foi de 35%, ficando acima da mediana da área (19%). O programa possui experiência consolidada na formação de mestres e doutores, com tempo médio de titulação adequado de 24 e 41 meses, respectivamente. O programa contou em média com 41,3 alunos no Mestrado e 12,7 no Doutorado, resultando em uma média de 3,6 alunos por docente do NP, o que está adequado. Página 4 de 10

5 PRODUÇÃO INTELECTUAL Itens de Avaliação Peso Avaliação 4.1. Publicações qualificadas do Programa por docente permanente Distribuição de publicações qualificadas em relação ao corpo docente permanente do Programa Produção técnica, patentes e outras produções consideradas relevantes O programa apresenta um bom número de docentes que estão publicando artigos em revistas de qualidade, entretanto, existem 4 docentes que não publicaram nenhum artigo ou apenas um no triênio. A distribuição de publicações qualificadas entre o NP não está homogênea. Estes 2 indicadores precisam ser revistos pelo Programa. A distribuição da produção de pelo menos 3 produtos no triênio nas faixas de Qualis foi de: 78% B4; 61% B3; 39% B2, 33% B1 e 72% A2/A1 (pelo menos 1 produto no triênio). A mediana de patentes/np do Programa no triênio foi de 0,17, ficando acima da mediana da área (0,14), entretanto, recomendase que este indicador seja ainda aumentado no próximo triênio. Desta forma, o Programa se posicionaria de forma mais efetiva dentro do foco e orientação desta área tecnológica. INSERÇÃO SOCIAL Itens de Avaliação 5.2. Integração e cooperação com outros programas e centros de pesquisa e desenvolvimento profissional relacionados à área de conhecimento do programa, com vistas ao desenvolvimento da pesquisa e da pós-graduação. Peso Avaliação Visibilidade ou transparência dada pelo programa à sua atuação Inserção e impacto regional e (ou) nacional do programa O Programa apresenta inserção e impacto regional e nacional, através da formação de recursos humanos de qualidade. O programa tem também atuado na capacitação de docentes para o ensino publico através de um convênio com a Secretária de Educação do Estado de São Paulo. Apresenta cooperação com outras instituições nacionais (Butantan, USP, UFRJ, Unifesp, UFABC). Apresenta baixa inserção internacional com universidades internacionais. Página 5 de 10

6 Qualidade dos Dados Quesitos PROPOSTA DO PROGRAMA CORPO DOCENTE CORPO DISCENTE, TESES E DISSERTAÇÕES PRODUÇÃO INTELECTUAL INSERÇÃO SOCIAL Qualidade Regular Comentário É necessário um melhor detalhamento da produção intelectual, especialmente no indicador de patentes (registro) e a participação internacional do programa. Página 6 de 10

7 Conceito/Nota CA Quesitos Peso Avaliação Comissão PROPOSTA DO PROGRAMA 0.00 CORPO DOCENTE CORPO DISCENTE, TESES E DISSERTAÇÕES PRODUÇÃO INTELECTUAL INSERÇÃO SOCIAL Data Chancela: 02/09/2010 Conceito Nota Considerando os critérios de avaliação da Capes este Programa se enquadra na nota 4 em comparação com os outros da área. A produção total foi assim distribuida: 78% do NP com >= 3 produtos na faixa B4, 61% >=B3, 39% >=B2. Este ultimo indicador ainda ncontra-se abaixo da mediana da área. 4 Página 7 de 10

8 Complementos Apreciações ou sugestões complementares sobre a situação ou desempenho do programa. Recomendações da Comissão ao Programa. - Buscar de forma mais agressiva o depósito de patentes, produtos e processos assim como de parcerias com o setor produtivo. - Avaliar, caso a caso, a atuação de alguns membros do NP que apresentam baixa produção cientifica e tecnologica. - Aumentar a produção do Programa na faixa do qualis >=B2 A CAPES deve promover visita de consultores ao Programa? Justificativa da recomendação de visita ao programa. Não A Comissão recomenda mudança de área de avaliação? Não Área Indicada: Justificativa da recomendação de mudança de área de avaliação do programa (em caso afirmativo) Página 8 de 10

9 Nota CTC-ES Data Chancela: 09/09/2010 Nota CTC-ES: 4 Comissão Responsável pela Avaliação: Sigla IES MARIA FÁTIMA GROSSI DE SÁ EMBRAPA Coordenador(a) da Área JOÃO ANTONIO PÊGAS HENRIQUES UFRGS Coordenador(a) Adjunto(a) da Área CARLOS RICARDO SOCCOL UFPR Consultor(a) FERNANDO ARARIPE GONÇALVES TORRES UNB Consultor(a) MARCIO ALVES FERREIRA UFRJ Consultor(a) MARIA PAULA CRUZ SCHNEIDER UFPA Consultor(a) MARIA SUELI SOARES FELIPE UNB Consultor(a) MARIO STEINDEL UFSC Consultor(a) ODIR ANTONIO DELLAGOSTIN UFPEL Consultor(a) SPARTACO ASTOLFI FILHO UFAM Consultor(a) Página 9 de 10

10 Reconsideração Nota CA Data Chancela: 12/11/2010 O pedido de reconsideração deste programa fundamentou-se basicamente no quesito Propiedade Intelectual (4.1). Nota: 5 O conceito atribuido pela Comissão de Área foi principalmente baseado na comparação entre a produção docente do Programa com outros da Área, no que se refere ao extrato Qualis B2, que ficou abaixo da mediana da área. Como explicitado neste pedido de reconsideração, os dados fornecidos no coleta não permitiram avaliar corretamente os capítulos de livros nacionais e internacionais, assim como os depósitos de patentes. Entretanto, as revistas com classificação "Não Qualis" foram todas avaliadas caso a caso. Esta Comissão esclarece que as eventuais incorreções na classificação Qualis, bem como nos periódicos não classificados, foram todas corrigidas durante a Avaliação Trienal, caso a caso. Baseando-se nas justificativas apresentadas neste pedido de reconsideração, esta Comissão entende que, processando-se as correções nas publicações apontadas, a solicitação do Programa, pode ser atendida, uma vez que o Programa atende os principais critérios exigidos para um Programa de conceito 5. Salienta-se que este Programa, baseado em todos os critérios da Área, na Avaliação Trienal, ficou no limite para atingir nível 5. Recomenda-se fortemente que ações devam ser implementadas no sentido de melhorar a qualidade da compilação de dados do Programa a serem fornecidos à CAPES. Baseando-se nas justificativas apresentadas neste pedido de reconsideração, esta Comissão entende que, processando-se as correções nos quesitos apontados, a solicitação do Programa, pode ser atendida, uma vez que o Programa atende a todas as exigências para um Programa de conceito 5. Salienta-se que este Programa, baseado em todos os critérios da Área, na Avaliação Trienal o mesmo ficou no limite para atingir nível 5. Recomenda-se fortemente que ações devam ser implementadas no sentido de melhorar a qualidade da compilação do Programa a serem fornecidos à CAPES. Baseando-se nas justificativas apresentadas neste pedido de reconsideração, esta Comissão entende que, processando-se as correções das publicações apontadas, a solicitação do Programa, pode ser atendida, uma vez que o Programa atende a todas as exigências para um Programa de conceito 5. Salienta-se que este Programa, baseado em todos os critérios da Área, na Avaliação Trienal ficou no limite para atingir nível 5. Recomenda-se fortemente que ações devam ser implementadas no sentido de melhorar a qualidade da compilação de dados do Programa a serem fornecidos à CAPES. Nota CTC-ES Data Chancela: 13/12/2010 Nota: 5 Comissão Responsável pela Reconsideração: Sigla IES MARIA FÁTIMA GROSSI DE SÁ EMBRAPA Coordenador(a) da Área JOÃO ANTONIO PÊGAS HENRIQUES UFRGS Coordenador(a) Adjunto(a) da Área ADRIANA SILVA HEMERLY UFRJ Consultor(a) SUZELEI DE CASTRO FRANÇA UNAERP Consultor(a) 12/13/10 9:19 AM Página 10 de 10

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 48 - BIOTECNOLOGIA IES: 28025016 - CPqGM - CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ - FIOCRUZ Programa: 28025016001P4 - BIOTECNOLOGIA EM SAÚDE E MEDICINA

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 4 - QUÍMICA IES: 31033016 - UENF - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO Programa: 31033016013P0 - CIÊNCIAS NATURAIS Modalidade:

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2010 a 2012 Etapa: Trienal 2013 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 42002010 - UFSM - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Programa: 42002010020P0 - ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 2 - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO IES: 24001015 - UFPB/J.P. - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA/JOÃO PESSOA Programa: 24001015047P4

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 21 - EDUCAÇÃO FÍSICA IES: 33003017 - UNICAMP - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Programa: 33003017046P6 - EDUCAÇÃO FÍSICA Modalidade: Acadêmico Curso

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 26 - DIREITO IES: 33057010 - UNIB - UNIVERSIDADE IBIRAPUERA Programa: 33057010003P3 - DIREITO Modalidade: Acadêmico

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 13 - ENGENHARIAS III IES: 33021015 - UNITAU - UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Programa: 33021015006P5 - ENGENHARIA MECÂNICA Modalidade: Profissional

Leia mais

RELATÓRIO DA REUNIÃO DE COORDENADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO DA ÁREA DE BIOTECNOLOGIA

RELATÓRIO DA REUNIÃO DE COORDENADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO DA ÁREA DE BIOTECNOLOGIA Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 48.biot@capes.gov.br RELATÓRIO DA REUNIÃO DE COORDENADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO DA ÁREA

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 8 - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS II IES: 33003017 - UNICAMP - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Programa: 33003017040P8 - BIOLOGIA FUNCIONAL

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 21 - EDUCAÇÃO FÍSICA IES: 33001014 - UFSCAR - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Programa: 33001014016P7 - FISIOTERAPIA Modalidade: Acadêmico Curso

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 32020015 - CEFET/MG - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECN. DE MINAS GERAIS Programa: 32020015004P3 - ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2004 a 2006 Etapa: Trienal 2007 Área de : 15 - MEDICINA I IES: 50001019 - UFMT - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Programa: 50001019009P9 - CIÊNCIAS DA SAÚDE Modalidade: Acadêmico Curso

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 15 - MEDICINA I IES: 33009015 - UNIFESP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Programa: 33009015045P8 - MEDICINA INTERNA E TERAPÊUTICA Modalidade: Acadêmico

Leia mais

ÁREA: ODONTOLOGIA TRIÊNIO 2007-2010. Coordenadora: Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Coordenador-Adjunto: Lourenço o Correr Sobrinho (Unicamp)

ÁREA: ODONTOLOGIA TRIÊNIO 2007-2010. Coordenadora: Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Coordenador-Adjunto: Lourenço o Correr Sobrinho (Unicamp) Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: ODONTOLOGIA TRIÊNIO 007-00 00 Coordenadora: Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Coordenador-Adjunto:

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 18 - ODONTOLOGIA IES: 33003033 - UNICAMP/Pi - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS/PIRACICABA Programa: 33003033005P9 - RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA Modalidade:

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2004 a 2006 Etapa: Trienal 2007 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 24009016 - UFCG - UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Programa: 24009016002P1 - ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL Modalidade:

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 42 - CIÊNCIAS AGRÁRIAS I IES: 50001019 - UFMT - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Programa: 50001019016P5 - CIÊNCIAS FLORESTAIS E AMBIENTAIS Modalidade:

Leia mais

CRITÉTIOS DE AVALIAÇÃO DA CAPES

CRITÉTIOS DE AVALIAÇÃO DA CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL TECNOLOGIA,

Leia mais

GEOCIÊNCIAS ÁREA: TRIÊNIO DE AVALIAÇÃO 2007-2009. Coordenador: Roberto Dall Agnol Coordenador-Adjunto: Ministério da Educação

GEOCIÊNCIAS ÁREA: TRIÊNIO DE AVALIAÇÃO 2007-2009. Coordenador: Roberto Dall Agnol Coordenador-Adjunto: Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: GEOCIÊNCIAS TRIÊNIO DE AVALIAÇÃO 2007-2009 2009 COORDENAÇÃO 2008-2010 2010 Coordenador: Roberto

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 16 - MEDICINA II IES: 33002029 - USP/RP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO/ RIBEIRÃO PRETO Programa: 33002029029P3 - MEDICINA

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 25 - CIÊNCIA DE ALIMENTOS IES: 42003016 - UFPEL - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa: 42003016009P9 - CIÊNCIA E TECNOLOGIA Modalidade: Acadêmico

Leia mais

Inserção social... o que é, como foi avaliada nesse triênio e, o que deverá ser feito para o próximo?

Inserção social... o que é, como foi avaliada nesse triênio e, o que deverá ser feito para o próximo? IX Fórum Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação Stricto Sensu em Fisioterapia Londrina / PR Inserção social... o que é, como foi avaliada nesse triênio e, o que deverá ser feito para o próximo? Rinaldo R

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 17 - MEDICINA III IES: 33009015 - UNIFESP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Programa: 33009015010P0 - MEDICINA (CIRURGIA CARDIOVASCULAR) Modalidade:

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 20 - ENFERMAGEM IES: 25004018 - FESP/UPE - FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Programa: 25004018015P7 - ENFERMAGEM Modalidade: Acadêmico Curso Nível

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 18 - ODONTOLOGIA IES: 33114013 - UNIARARAS - CENTRO UNIVERSITÁRIO HERMINIO OMETTO Programa: 33114013001P8 - ODONTOLOGIA Modalidade: Profissional Curso

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2007 2009 TRIENAL 2010

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2007 2009 TRIENAL 2010 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2007 2009 TRIENAL 2010 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ENGENHARIAS II COORDENADOR DE ÁREA: CARLOS HOFFMANN SAMPAIO COORDENADOR ADJUNTO DE ÁREA: SELENE MARIA DE ARRUDA GUELLI ULSON

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 03 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: GEOGRAFIA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ARTES/MÚSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR DE ÁREA: ANTÔNIA PEREIRA BEZERRA COORDENADOR ADJUNTO: VERA BEATRIZ SIQUEIRA

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de Avaliação: 2007 a 2009 Etapa: Avaliação Trienal 2010 Área de Avaliação: 37 - PSICOLOGIA IES: 32001010 - UFMG - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Programa: 32001010041P9 - PSICOLOGIA Modalidade:

Leia mais

1 / 17. Orientações do CTC Reunião de 07/06/2006 sobre a Nova Ficha de Avaliação

1 / 17. Orientações do CTC Reunião de 07/06/2006 sobre a Nova Ficha de Avaliação Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2007 Área de Avaliação: ADMINISTRAÇÃO/TURIMSO PROGRAMAS/CURSOS ACADÊMICOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016 Identificação Área de Avaliação: Química Coordenador de Área: Adriano Lisboa Monteiro Coordenador-Adjunto de Área: Maysa Furlan Coordenador-Adjunto de Mestrado Profissional: Paulo Anselmo Ziani Suarez

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 41 - LETRAS / LINGUÍSTICA IES: 33002010 - USP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa: 33002010113P9 - LETRAS (LÍNGUA ESPANHOLA E LIT. ESPANHOLA E HISPANO-

Leia mais

RELATÓRIO DAS VISITAS A PROGRAMAS 3X3 DA ÁREA DE QUÍMICA

RELATÓRIO DAS VISITAS A PROGRAMAS 3X3 DA ÁREA DE QUÍMICA RELATÓRIO DAS VISITAS A PROGRAMAS 3X3 DA ÁREA DE QUÍMICA No segundo semestre de 2011 foram realizadas as visitas aos 4 programas 3x3 da área de Química: Universidade Federal de Sergipe UFS Consultores:

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 38 - EDUCAÇÃO IES: 42004012 - FURG - FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Programa: 42004012002P0 - EDUCAÇÃO AMBIENTAL Modalidade: Acadêmico

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2007 2009 TRIENAL 2010

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2007 2009 TRIENAL 2010 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2007 2009 TRIENAL 2010 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: QUÍMICA COORDENADOR DE ÁREA: Jairton Dupont COORDENADOR ADJUNTO DE ÁREA: Luiz Carlos Dias I. APRESENTAÇÃO DA AVALIAÇÃO REALIZADA

Leia mais

PANORAMA PPGCOM-ESPM. Coordenadora: Rose de Melo Rocha Vice-Coordenadora: Tânia Hoff

PANORAMA PPGCOM-ESPM. Coordenadora: Rose de Melo Rocha Vice-Coordenadora: Tânia Hoff PANORAMA PPGCOM-ESPM Coordenadora: Rose de Melo Rocha Vice-Coordenadora: Tânia Hoff Quem somos Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu com Cursos de Doutorado (desde 2013) e Mestrado Acadêmico (desde 2006)

Leia mais

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Arnaldo de França Caldas Jr (UFPE) Outubro 2011 OBJETIVOS Refletir sobre trajetórias, discutir

Leia mais

Avaliação dos Mestrados Profissionais. Page 1

Avaliação dos Mestrados Profissionais. Page 1 Avaliação dos Mestrados Profissionais Page 1 Grupo de Trabalho no VI ENMP Salvador 2010 GT Engenharias Page 2 Objetivos: Analisar o processo de avaliação dos Mestrados Profissionais e propor modificações

Leia mais

RELATÓRIO DO SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA ÁREA DE BIOTECNOLOGIA

RELATÓRIO DO SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA ÁREA DE BIOTECNOLOGIA RELATÓRIO DO SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA ÁREA DE BIOTECNOLOGIA Dias: 05 a 07 de novembro de 2012 Local: Sede da CAPES Brasília/DF Introdução Nos dias 05 a 07 de novembro

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009 Identificação Área de Avaliação: ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA Coordenador de Área: CARLOS ALBERTO STEIL Coordenador-Adjunto de Área: CARLOS FAUSTO Modalidade: Acadêmica I. Considerações gerais sobre o estágio

Leia mais

1ª PARTE: NORMAS GERAIS

1ª PARTE: NORMAS GERAIS REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO TRIENAL 2007 (TRIÊNIO: 2004-2006) PROGRAMAS ACADÊMICOS Deliberação do CTC Reunião de 6 e 7 de março de 2007 As atividades de realização da Avaliação Trienal 2007 (Triênio: 2004-2006)

Leia mais

Relatório de Ficha de Acompanhamento/Avaliação do Programa

Relatório de Ficha de Acompanhamento/Avaliação do Programa Período de Avaliação: 2007 a 2009 Etapa: Acompanhamento 2009 (Ano Base 2008) Área de Avaliação: 45 - INTERDISCIPLINAR IES: 42024013 - UNIJUÍ - UNIV. REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FARMÁCIA PADRÕES

Leia mais

DOCUMENTO DE ÁREA 2009

DOCUMENTO DE ÁREA 2009 Identificação Área de Avaliação: SERVIÇO SOCIAL/ECONOMIA DOMÉSTICA Coordenadora de Área: MARIANGELA BELFIORE WANDERLEY Coordenadora-Adjunta de Área: MARILDA VILLELA IAMAMOTO Modalidade: Acadêmica I. Considerações

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de Avaliação: 2007 a 2009 Etapa: Avaliação Trienal 2010 Área de Avaliação: 31 - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS I IES: 42001013 - UFRGS - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Programa: 42001013062P4

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de Avaliação: 2010 a 2012 Etapa: Avaliação Trienal 2013 Área de Avaliação: 27 - ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO IES: 42001013 - UFRGS - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Programa:

Leia mais

Treinamento da Plataforma Sucupira. Bergmann Morais e Demétrio Filho (DPP Diretoria)

Treinamento da Plataforma Sucupira. Bergmann Morais e Demétrio Filho (DPP Diretoria) Treinamento da Plataforma Sucupira Bergmann Morais e Demétrio Filho (DPP Diretoria) Sumário Apresentação sobre a CAPES, sua missão e os objetivos da avaliação Overview da plataforma Sucupira CAPES A Campanha

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias QUESITOS, INDICADORES E CRITÉRIOS PARA A AVALIAÇÃO TRIENAL DA GRANDE

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009 Identificação Área de Avaliação: FILOSOFIA/TEOLOGIA Coordenador de Área: MARCELO PERINE Coordenador-Adjunto de Área: LUIZ BERNARDO LEITE ARAUJO Modalidade: Acadêmica I. Considerações gerais sobre o estágio

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 41 - LETRAS / LINGUÍSTICA IES: 33002010 - USP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa: 33002010110P0 - LITERATURA BRASILEIRA Modalidade: Acadêmico Curso

Leia mais

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: HISTÓRIA Coordenador: Raquel Glezer TRIÊNIO 2007-2010 2010 Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos

Leia mais

Tabela 1. Evolução do total de Programas de Pós-Graduação da Área da Psicologia nas avaliações da CAPES - 1996-2007

Tabela 1. Evolução do total de Programas de Pós-Graduação da Área da Psicologia nas avaliações da CAPES - 1996-2007 Introdução Acreditamos que a apresentação dos Critérios de Avaliação da Área da Psicologia para a Avaliação Trienal de 2007 deva ser precedida de alguns dados sobre a situação da área e dos próprios objetivos

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2010 a 2012 Etapa: Trienal 2013 Área de : 38 - EDUCAÇÃO IES: 40014010 - UNICENTRO - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE Programa: 40014010009P1 - Educação Modalidade:

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS APRESENTAÇÃO DO CURSO Caracterização geral do Curso de Ciências Econômicas da Unemat: Denominação

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE QUÍMICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE QUÍMICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE QUÍMICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: QUÍMICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

DOCUMENTO DE ÁREA 2013 Identificação Área de Avaliação: MEDICINA III Coordenadora de Área: Lydia Masako Ferreira (UNIFESP) Coordenador-Adjunto de Área: Cleber Dario Pinto Kruel (UFRGS) Coordenador-Adjunto de Mestrado Profissional:

Leia mais

INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO

INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO A avaliação da pós-graduação na área da enfermagem tem como missão contribuir na formação de mestres e doutores críticos, éticos e reflexivos, capazes de, através da investigação científica,

Leia mais

Seminário do Mestrado Profissional Gestão de Trabalho e da Educação na Saúde

Seminário do Mestrado Profissional Gestão de Trabalho e da Educação na Saúde Seminário do Mestrado Profissional Gestão de Trabalho e na Saúde Rio de Janeiro, 15 de setembro de 2009 Prof. LIVIO AMARAL DIRETOR DE AVALIAÇÃO CAPES Titulação doutores x artigos publicados (ISI) 1987-2007

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2010 a 2012 Etapa: Trienal 2013 Área de : 22 - SAÚDE COLETIVA IES: 33002010 - USP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa: 33002010066P0 - MEDICINA (MEDICINA PREVENTIVA)

Leia mais

Mestrado Profissional:

Mestrado Profissional: Mestrado Profissional: reflexões e proposições para sua avaliação e sustentabilidade Documento aprovado na Assembléia Ordinária do FOPROF em Florianópolis, 9 de novembro de 2011 NOVEMBRO 2011 DIRETÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE VISITA. Informações gerais

RELATÓRIO DE VISITA. Informações gerais RELATÓRIO DE VISITA Informações gerais Área de Avaliação: 45 Interdisciplinar Data da Visita: 5 e 6 de Maio de 2015 Consultor(a) 1: Consultor(a) 2: Adelaide Faljoni-Alario Antônio Carlos dos Santos IES:

Leia mais

Dias 04 e 05 de outubro de 2011. Local: CAPES Brasília/DF

Dias 04 e 05 de outubro de 2011. Local: CAPES Brasília/DF Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 24.mvet@capes.gov.br RELATÓRIO DO REUNIÃO DE COORDENADORES DE PROGRAMAS DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Capes Critérios de Implantação Mestrado e Doutorado Acadêmico. Avaliação de Proposta de Cursos Novos APCN Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Dezembro / 2005

Capes Critérios de Implantação Mestrado e Doutorado Acadêmico. Avaliação de Proposta de Cursos Novos APCN Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Dezembro / 2005 CAPES PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS DOUTORADO ÁREA DE EDUCAÇÃO Os projetos de cursos novos de doutorado serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos

Leia mais

A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM PANORAMA NECESSÁRIO

A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM PANORAMA NECESSÁRIO FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP A ÁREA INTERDISCIPLINAR DE SOCIAIS E HUMANIDADES DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA REGIÃO SUDESTE: UM

Leia mais

Edital Pronametro nº 1/2014

Edital Pronametro nº 1/2014 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA NORMALIZAÇÃO, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Edital Pronametro nº 1/2014 Programa

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 16 - MEDICINA II IES: 33009015 - UNIFESP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Programa: 33009015033P0 - PSICOBIOLOGIA Modalidade: Acadêmico Curso Nível

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biotecnociência (PPG-BTC) está basicamente fundamentado nas normas

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 30 - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA IES: 31032010 - UCAM - UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES Programa: 31032010007P8 - PLANEJAMENTO REGIONAL

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009 Identificação Área de Avaliação: PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA Coordenadora de Área: RAINER RANDOLPH Coordenador-Adjunto de Área: ROSANA APARECIDA BAENINGER Modalidade: Acadêmica I. Considerações

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 26 - DIREITO IES: 33005010 - PUC/SP - PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa: 33005010019P5 - DIREITO

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de Avaliação: 2007 a 2009 Etapa: Avaliação Trienal 2010 Área de Avaliação: 20 - ENFERMAGEM IES: 50001019 - UFMT - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Programa: 50001019015P9 - ENFERMAGEM Modalidade:

Leia mais

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação:

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: A comissão se reuniu no período de 6 a 10 de agosto de 2007 na FINATEC, UNB, Brasília

Leia mais

Art. 3ºO mestrado profissional é definido como modalidade de formação pósgraduada stricto sensu que possibilita:

Art. 3ºO mestrado profissional é definido como modalidade de formação pósgraduada stricto sensu que possibilita: PORTARIA NORMATIVA Nº 7, DE 22 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO,

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT

EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT EDITAL PROPeq/UFMT DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES - Maio de 2015 I) OBJETIVOS: O Edital de Apoio à participação de pesquisadores

Leia mais

PROGRAMA CAPES-CONICYT. Cooperação Brasil-Chile

PROGRAMA CAPES-CONICYT. Cooperação Brasil-Chile PROGRAMA Cooperação Brasil-Chile Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Coordenadoria de Cooperação e Intercâmbio Ministério da Educação e do Desporto Anexos I e II 2º andar Caixa

Leia mais

Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária RESUMO

Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária RESUMO Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária SILVA, Valdir Ricardo Honorato da (discente bolsista) SOUTO, Geane de Luna (Técnico orientador) RESUMO

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PLENA NA PÓS-GRADUAÇÃO Desde a criação do primeiro Programa de Pós- Sricto Sensu, em Fitotecnia, em 1975, a UFLA ocupou-se de pautar as suas ações em fundamentos morais sólidos e em valores que

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE RECURSOS HUMANOS:

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE RECURSOS HUMANOS: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FORMULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NELSINO MITSUO NOGAI O PLANEJAMENTO

Leia mais

Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática.

Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática. Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática. Ma. Renata Cristina Gutierres Castanha Dra. Maria Cláudia Cabrini Grácio 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA Padrões de Qualidade para Cursos

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação

Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação Pró-Reitoria de Ensino de Pós-Graduação EDITAL PROPCI-PROPG/UFBA 02/20 PRODOC-UFBA A Pró-Reitoria

Leia mais

RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO TRIENAL 2004/2006 ÁREA DE AVALIAÇÃO: SERVIÇO SOCIAL 1 APRESENTAÇÃO

RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO TRIENAL 2004/2006 ÁREA DE AVALIAÇÃO: SERVIÇO SOCIAL 1 APRESENTAÇÃO RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO TRIENAL 2004/2006 ÁREA DE AVALIAÇÃO: SERVIÇO SOCIAL 1 APRESENTAÇÃO O Serviço Social vem registrando, a partir dos anos 1990 e, mais especificamente nos anos recentes, um desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2010 a 2012 Etapa: Trienal 2013 Área de : 13 - ENGENHARIAS III IES: 40003019 - PUC/PR - PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ Programa: 40003019010P1 - ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS

Leia mais

Modelo - Formulário de Adesão ao PROFBIO

Modelo - Formulário de Adesão ao PROFBIO Modelo - Formulário de Adesão ao PROFBIO Importante: É fundamental que os docentes participantes tenham seu LATTES atualizado e completo, para que seja feita a importação de dados para o APCN pela Plataforma

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Criar cursos de graduação, tanto presenciais quanto à distância, e pós-graduação multidisciplinares.

Criar cursos de graduação, tanto presenciais quanto à distância, e pós-graduação multidisciplinares. 12.1) Otimizar a capacidade instalada da estrutura física e de recursos humanos das instituições públicas de educação superior mediante ações planejadas e coordenadas, de forma a ampliar e interiorizar

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química

Universidade Estadual de Maringá Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química CERTIDÃO Certifico que este documento foi afixado em 13/05/2016 no local de costume. Secretaria ADVERTÊNCIA: O prazo recursal termina em 20/06/2016. (Art. 95-1 o do Regimento Geral da UEM) R E P U B L

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

Programa de Educação Tutorial - PET 2010. Edital CLA-PET 07/2012 Seleção de Tutor

Programa de Educação Tutorial - PET 2010. Edital CLA-PET 07/2012 Seleção de Tutor Programa de Educação Tutorial - PET 2010 Edital CLA-PET 07/2012 Seleção de Tutor A Universidade Federal do Pampa, através do Comitê Local de Acompanhamento do Programa de Educação Tutorial (CLA-PET), torna

Leia mais

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, maio de 2010 Ministério da Educação

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, maio de 2010 Ministério da Educação Brasília, maio de 2010 Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e Pós- Graduação Diretório Regional Nordeste Campina grande, 06 a 07 de maio de 2010 AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO TÓPICOS A avaliação

Leia mais

Plataforma Sucupira. Ficha de Recomendação. Cursos. Nome Nível Situação

Plataforma Sucupira. Ficha de Recomendação. Cursos. Nome Nível Situação Instituição de Ensino: Programa: EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO (UNIVASF) Educação Física Número/Ano: 1217/2014 Modalidade: Área de Avaliação: Período de Avaliação: ACADÊMICO

Leia mais

Nome da Ação 1.2: Descrição da Ação 1.2: Nome da Ação 1.3: Descrição da Ação 1.3: Nome da Ação 1.4: Descrição da Ação 1.4:

Nome da Ação 1.2: Descrição da Ação 1.2: Nome da Ação 1.3: Descrição da Ação 1.3: Nome da Ação 1.4: Descrição da Ação 1.4: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Cassilândia 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para

Leia mais

Evolução da Pós-Graduação e Pesquisa nas IES particulares. Dimensão, dificuldades, sugestões

Evolução da Pós-Graduação e Pesquisa nas IES particulares. Dimensão, dificuldades, sugestões Evolução da Pós-Graduação e Pesquisa nas IES particulares. Dimensão, dificuldades, sugestões Prof. Dr. Emerson Antonio Maccari Maccari@uninove.br emersonmaccari@gmail.com Crescimento da Pós-Graduação no

Leia mais

EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR

EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí - FAPEPI, em conformidade

Leia mais

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Diretoria de Programa de Pesquisa EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas A Universidade Católica de Brasília - UCB, por intermédio do Presidente do Conselho

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais