Integrando e Centralizando a Administração de Serviços de uma LAN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integrando e Centralizando a Administração de Serviços de uma LAN"

Transcrição

1 Integrando e Centralizando a Administração de Serviços de uma LAN Diego Luís Kreutz 1 2 ** ++, Tiago Fiorezze 2 ++, Benhur Stein 1 1 Laboratório de Sistemas de Computação Universidade Federal de Santa Maria CT Campus Universitário Santa Maria RS Brasil 2 Núcleo de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria CT Campus Universitário Santa Maria RS Brasil Abstract. The administration of computer networks isn t always an easy and practical task. The Management of services like DNS, DHCP and NFS, for example, is normally realized in a individual and independent way. The goal of this article is to present an architecture and a system that makes possible the integrated, centralized and simplified management of network services commonly present in a local area network (LAN). Resumo. A administração de redes de computadores nem sempre é uma tarefa fácil e prática. O gerenciamento de serviços como o DNS, DHCP e NFS, por exemplo, é normalmente realizado de forma individual e independente. O objetivo desse artigo é apresentar uma arquitetura e um sistema que possibilita um gerenciamento integrado, centralizado e simplificado de serviços de rede comumentemente presentes em uma rede de área local (LAN)t. 1. Introdução As redes de computadores fazem cada vez mais parte da vida das pessoas. Não somente de cientistas, funcionários de grandes corporações e estudantes de cursos de computação, mas também de praticamente todas as pessoas. A simples utilização de caixas eletrônicos é um exemplo de utilização de uma rede de interconexão que torna capaz o atendimento remoto e automático dos usuários de um banco. Com o desenvolvimento, disseminação e redução de custos, as redes de computadores estão cada vez mais sendo utilizadas em empresas de pequeno e médio porte, escolas e praticamente toda e qualquer organização, ou até mesmo residência, que possa tirar algum proveito dos benefícios proporcionados pela interconexão de dispositivos eletrônicos, como os computadores. Devido a esta vasta proliferação das redes de computadores, e também ao potencial crescimento de uma rede privada, surge cada vez mais a necessidade de ferramentas e sistemas que possibilitem um gerenciamento rápido, prático, eficiente e centralizado. Isso por que a medida que uma rede cresce torna-se cada vez mais difícil e trabalhoso manter diferentes serviços, instalados ou não em diferentes servidores, como o NFS ** Bolsista do CNPq. ++ Administrador da Rede do Curso de Ciência da Computação.

2 [Stern, 1991], [Men&Mice, 2000], o DNS [Computerized Horizons, 2002], [Salamon, 2001], [Salamon, 2000] e o DHCP [Droms, 2002], [Mohr, 2000]. Em uma intranet (LAN 1 ) estes três serviços têm um papel crucial. Como são serviços independentes, requerem arquivos de configuração específicos. Além de arquivos diferentes, estes podem estar localizados em máquinas distintas. Dificultando ainda mais a tarefa de atualização e manutenção. O objetivo deste artigo é apresentar uma idéia simples e prática de gerenciamento centralizado, integrado e automatizado de serviços como o DNS, DHCP e NFS. A idéia surgiu da necessidade de gerenciamento destes serviços no Curso de Ciência da Computação da UFSM. A próxima seção apresenta uma breve introdução aos principais serviços de rede. Na seqüência é apresentado um resumo do estado da arte em termos de ferramentas de gerenciamento destes serviços Em seguida é apresentada uma solução simples, eficiente e prática para a atualização e o gerenciamento integrado e centralizado de serviços como o DNS, DHCP e NFS. Finalizando, são enfatizadas as vantagens de uma solução integrada para o gerenciamento de serviços de uma rede. 2. Principais Serviços de Rede As redes de computadores não param de crescer e receber novas funcionalidades e tarefas. Por isso a tarefa de gerenciar de forma prática, eficiente e rápida, os serviços indispensáveis para o bom funcionamento é cada vez mais crucial. Serviços como o DNS (Domain Name Service), o DHCP (Dinamic Host Configuration Protocol) e o NFS (Network File System) são normalmente vitais para o funcionamento tanto de uma rede acadêmica quanto para de rede corporativa. Estes serviços são especiais devido ao fato de praticamente toda a rede depender deles. Isso por que o DNS é responsável pelo serviço de nomes de uma rede, hoje praticamente indispensável, visto que nenhum usuário deseja ficar memorizando números IP. O DHCP por sua vez facilita, agiliza e automatiza o processo de configuração das máquinas que compõe uma rede. Por fim, o serviço de NFS possibilita a unificação e compartilhamento de dados na rede, ou seja, um usuário, por exemplo, contém um único diretório de dados em uma única máquina. O acesso a esses dados é realizado através de sistemas de arquivos de rede, como o NFS. A partir de qualquer máquina da rede o usuário pode ter acesso aos seus dados como se fossem locais. Como estes serviços possuem arquivos de configuração distintos e podem estar em máquinas diferentes, emerge a dificuldade e o trabalho de manter e atualizar diversos arquivos de configuração. Neste caso, seria útil um sistema que permitisse realizar a atualização automática e simultânea do maior número de serviços possível. Este é justamente o ponto onde entra em cena o sistema apresentado neste artigo. 3. Estado da Arte 1 Local Area Network

3 Como todo administrador de rede sabe, o DNS, o DHCP e o NFS são alguns dos serviços que são normalmente gerenciados individual e praticamente manualmente. Mas, existem várias ferramentas e sistemas disponíveis que facilitam essas tarefas. No entanto, a maioria delas apenas gerencia um dos serviços. Não havendo uma integração que facilite e simplifique a tarefa de gerenciamento desses serviços. Entre as ferramentas e pacotes que facilitam e auxiliam a instalação e gerenciamento de servidores DNS pode-se citar o QuickDNS [Men&Mice, 2000], o DNStool [Rowell], o DNS2Go [Dockter, 2001], o DNSBoss [Sun Microsystems Solution Provider], o pacote dhis-tools-dns da Debian e outras mais que acompanham distribuições Linux como a SuSE, a RedHat e a ManDrake. Algumas destas se destacam em pontos como facilidade de instalação e configuração do serviço DNS. Como o DNS2Go, o QuickDNS e o DNSBoss. Estas são ferramentas comerciais. A primeira e a segunda são destinadas a sistemas operacionais Windows enquanto que a terceira tem como alvos o Solaris e o Linux. Já ferramentas como a DNStool podem não ser tão simples e intuitivas de se configurar e utilizar. Isso por que utilizam arquivos de configuração e descrição. Enquanto que as ferramentas citadas no parágrafo anterior apresentam uma interface gráfica simples e relativamente intuitiva. Por outro lado, o DNStool é um ambiente mais completo e que possibilita, por exemplo, clonar domínios e facilmente configurar máquinas com múltiplos domínios. Ainda existem também sitios e corporações especializadas em prestar serviços DNS. A EasyDNS [easydns] e o Delta DNS [ALLDOMAINS] são duas prestadores de serviços DNS que fornecem aos seus clientes segurança, eficiência e qualidade. Estas utilizam ambientes e plataformas próprias para o fornecimento e manutenção on-line e interativa de seus serviços. Já ferramentas de gerenciamento e configuração de DHCP não são encontradas e difundidas tanto quanto as de DNS. Um dos motivos é o fato da menor utilização de serviços DHCP em relação ao DNS. Normalmente, sistemas operacionais como o Solaris, da SUN, distribuições Linux como a SuSE e sistemas como o Mac OS X, da Apple, apresentam algum tipo de ferramenta de gerenciamento de serviços DHCP. Existem também ferramentas como a Console de Gerenciamento DHCP [DHCP Tools] que fornecem recursos e auxiliam a tarefa de configuração e gerenciamento do serviço de DHCP. Em um terceiro plano ficam os utilitários NFS, ou seja, ferramentas para gerenciamento e configuração de servidores NFS são menos comuns que aplicativos para o gerenciamento do DNS e do DHCP. Em algumas distribuições de Linux, por exemplo, há utilitários como o linuxconf que auxiliam a tarefa de configuração e exportação de diretórios NFS. No entanto, utilitários desse gênero não apresentam muitos recursos e ajuda ao usuário durante o processo de configuração. Por fim, praticamente não existem sistemas ou ferramentas largamente utilizadas, portáveis e de fácil utilização para o gerenciamento integrados dos três serviços, DNS, DHCP e NFS.

4 4. O Sistema Implementado A idéia central deste trabalho surgiu da necessidade de gerenciar serviços distintos como o DNS, o DHCP e o NFS, inclusive em máquinas distintas, da rede de computadores do Curso de Ciência da Computação da UFSM. A alteração ou inclusão de um novo nome nas tabelas do DNS implicava na possível inclusão ou alteração no DHCP e no NFS. Quando estes três serviços se encontram em máquinas diferentes esta tarefa se torna ainda mais custosa. Além disso, a simples alteração do DNS, ou do DHCP ou do NFS era por si só uma tarefa pouco prática. Devido a isso optou-se pelo desenvolvimento de um sistema que facilitasse e automatizasse a atualização de um, ou dos três serviços, não importando onde estivessem. A figura 1 apresenta uma visão geral da arquitetura do sistema desenvolvido. Nesta figura pode-se observar a existência de basicamente três níveis. Essa estrutura fornece ao sistema modularidade e escalabilidade. O sistema todo é baseado em shell scripts. Como pode-se perceber, não é necessário nenhuma linguagem complexa para desenvolver sistemas modulares, escaláveis, práticos e eficazes. Quesitos como simplicidade, escalabilidade e facilidade de gerenciamento foram pontos centrais no desenvolvimento deste trabalho. Figura 1. Visão geral da arquitetura do sistema Com este sistema de manutenção e gerenciamento de serviços como o DNS, DHCP e NFS é simples, prática e eficiente a tarefa de atualização de nomes, inclusão de máquinas, determinação do nível de segurança e confiabilidade de um máquina, ou um conjunto de máquinas, inclusão de aliases, criação de novos grupos para o DHCP, entre outras funcionalidades. Tarefas como a atribuição de vários nomes a um mesmo endereço IP, por exemplo, também são facilmente realizáveis. Basta incluir uma nova linha no arquivo de entrada. A configuração e alteração das tabelas de DNS, do arquivo de configuração do DHCP e NFS serão automaticamente realizadas pelo sistema. Outros recursos como informações dos serviços prestados por uma máquina podem ser facilmente utilizados para geração automática de regras para o filtro de pacotes da rede de forma a proteger ao máximo as máquinas servidoras. Isso pode ser realizado pela simples inclusão de mais um módulo de serviço no sistema. Neste caso, tem-se um

5 serviço a mais automaticamente configurado e atualizado, a tabela de regras do filtro de pacotes. Devido essa estrutura e modularidade são facilmente acopláveis módulos auxiliares que gerenciam configurações dos mais diversos serviços que dependam ou necessitem das informações contidas no arquivo de entrada desse sistema. Todas essas características e funcionalidades permitem o gerenciamento integrado e centralizado de diferentes serviços da rede. Tornando a vida dos administradores mais fácil, simples e prática. As próximas seções descrevem um pouco melhor as três camadas básicas do sistema. Iniciando pelo arquivo de entrada, seguindo com a camada responsável pela geração dos arquivos de configuração e finalizando com a camada de atualização de serviços Arquivo de entrada Em um primeiro nível são encontrados os dados de entrada. No caso do sistema desenvolvido esta entrada consiste em um único arquivo de texto. Este arquivo contém a descrição de cada máquina da rede. A tabela 1 apresenta os campos de cada registro do arquivo. Cada máquina pertence a um grupo. Este grupo define prioridades e características que serão utilizadas para a geração dos arquivos de configuração do DHCP e do NFS. Um nome, um endereço IP e um endereço de MAC também devem ser atribuídos a cada máquina. Endereços canônicos, serviços, localização e uma descrição são opcionais. Table 1. Campos de cada registro do arquivo de entrada Campo Descrição GRUPO Identificação do grupo ao qual a máquina pertence Nome Nome do máquina IP Endereço IP da máquina. Exemplo: MAC Endereço de hardware da placa de rede SOs Sistemas operacionais que executam na máquina Serviços Serviços que a máquina disponibiliza Aliases Nomes canônicos ao qual a máquina responde Descrição Descrição e informação extra O campo grupo identifica as permissões da máquina. No caso de ser uma máquina servidora, por exemplo, o sistema gerará entradas para configurar o servidor NFS liberando acesso a determinados níveis de diretórios, por exemplo. Além disso, uma máquina do grupo servidores poderá ter acesso a escrita em diretórios NFS que as demais máquinas integrantes dos demais grupos terão apenas acesso a leitura. O grupo também serve para identificar quais grupos de máquinas serão criados no DHCP e quais as máquinas que estarão em cada grupo. Isso é utilizado para gerar automaticamente a configuração do DHCP para o sistema de boot remoto [Kreutz 2003, Kreutz 2001]. Onde cada conjunto de máquinas pode carregar um arquivo de configuração e opções de boot diferente. Campos como Nome, IP e Aliases, servem para identificar a máquina na rede. Já o MAC é utilizado para a escolha e definição de nomes e IPs, no servidor DHCP, para

6 cada computador do domínio que faz uso de configuração dinâmica. O servidor DHCP permite a definição de um nome e um endereço IP a um endereço de hardware (MAC) de placa de rede. Sistemas operacionais e a descrição são apenas dados extras referentes a máquina. Os serviços também são. No entanto, sabendo-se os serviços, as regras e políticas do filtro de pacotes da rede podem ser geradas e atualizadas automaticamente. Não havendo mais a necessidade de o administrador se preocupar em alterar as regras do filtro de pacotes quando uma máquina troca de nome ou quando um serviço é portado para uma outra máquina. Este processo pode ser potencialmente totalmente automatizado Geração dos arquivos de configuração O segundo nível do sistema contém os sub-sistemas que gerarão os arquivos de configuração para cada serviço. Como pode ser observado na figura 1, cada serviço possuí ser próprio componente de geração. Isso modulariza e torna o sistema facilmente escalável. Cada módulo pode ter seu próprio diretório de configurações padrão. Esta opção serve para arquivos que contenham alguma configuração que dificilmente será modificada no decorrer do tempo. Como exemplo, o cabeçalho do arquivo de configuração do DHCP e do DNS. Esta camada é responsável, entre outras coisas, pela geração automática dos números de série do DNS e pela correta geração dos arquivos de configuração. Caso algum dos serviços seja atualizado para uma nova versão e esta venha com um novo formato de configuração e descrição é facilmente adaptável o módulo responsável pela geração dos arquivos de configuração do respectivo serviço. 4.3 Atualização Por fim, em um terceiro nível fica o sistema de atualização dos serviços. Após o sistema ter gerado os arquivos de configuração dos respectivos serviços é necessário uma cópia local ou remota de forma a atualizar os arquivos que são utilizados pelos demônios dos serviços. Existe também ainda a necessidade de re-inicialização de cada serviço que teve suas configurações atualizadas. O processo de cópia local é simples e direto. Já a tarefa de cópia remota pode necessitar de recursos como autenticação SSH por chave pública ou a entrada de uma senha de acesso para a efetivação da atualização e re-inicialização de serviços. Após efetuas as cópias e re-inicializados os serviços, o sistema da rede como um todo estará atualizado. 5. Conclusão Serviços como o DNS, DHCP e NFS são alguns dos serviços essenciais em uma rede de computadores acadêmica, corporativa ou mesmo numa rede privada qualquer. A manutenção, atualização destes serviços é uma tarefa muitas vezes não prática, simples, eficaz e integrada. Existem várias ferramentas que auxiliam o gerenciamento de serviços

7 desse gênero. Porém, existe uma carência no que diz respeito a sistemas que possibilitem um gerenciamento integrado, fácil e automatizado. O sistema desenvolvido fornece um meio de amenizar esta carência. A idéia é simples. Contudo, garante um gerenciamento centralizado e prático de conjuntos de serviços. Além disso, a modularização e organização do sistema permite facilmente o acoplamento de novos módulos para os mais diversos tipos de serviços. A exemplo, atualmente esse sistema está sendo utilizado para a manutenção e gerenciamento dos serviços de DNS, DHCP e NFS da rede do Curso de Ciência da Computação da UFSM. Através da simples alteração do arquivo de entrada, incluindo ou modificando as propriedades ou funções de uma máquina, é possível atualizar automaticamente esses três serviços, mesmo encontrando-se em servidores distintos. Logo, esse sistema facilita, simplifica, agiliza e centraliza a administração de diferentes serviços. Trabalhos futuros. Entre os trabalhos futuros estão o desenvolvimento de uma interface Web para o sistema de gerenciamento e manutenção apresentado e a inclusão de um módulo para a geração e atualização automática da tabela de regras do filtro de pacotes do firewall. References ALLDOMAINS. DELTA DNS. Computerized Horizons. (2002) DHCP Tools. DHCP management console. Dockter, M. A. (2001) DNS2Go: A Feature-Rich DNS Management Tool. Oneline Server Watch. Droms, R. (2002) Resources for DHCP. easydns. Easy-to-use Domain Management Tools. Kreutz, D. L. (2003) Sistema de Boot Remoto: Instalação, Configuração e Geração de Imagens de Sistemas Operacionais. Relatório Técnico, Núcleo de Ciênica da Computação, Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia, Campus Universitário. Kreutz, D. L, Kolling, M. C. e Stein, B. (2001) Implementação de um sistema de boot remoto em uma rede acadêmica. In XVI Congresso Regional de Iniciação Científica e Tecnologia em Engenharia, Unijuí, Ijuí. Men&Mice. QuickDNS: Enterprise DNS Management System for BIND and Windows 2000 DNS Environments. Mohr, J. (2000) How to make Network Configuration as easy as DHCP. Linux Magazine. Network Working Group (1989). NFS: Network File System Protocol Specification.

8 Rowel, G. Dnstool 2.2 administration guide. Salamon, A. (2000) DNS Resources Directory. Salamon, A. (2001) Tools to manage DNS. Stern, H. (1991) Managing NFS and NIS. O Reilly, 1 edition. Sun Microsystems Solution Provider. DNS Boss.

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Fundamentos de Administração de Sistemas

Fundamentos de Administração de Sistemas Fundamentos de Administração de Sistemas Este curso tem como objetivo ensinar aos alunos conceitos de administração de um sistema Linux. Isto inclui o gerenciamento de contas de usuários, automação de

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02 Prof. André Lucio Competências da aula 2 Instalação e configuração dos sistemas operacionais proprietários Windows (7 e

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Ementa Configuração de Serviços de Redes; Servidor Web; Servidor de Arquivos; Domínios; Servidor de Banco de Dados; SSH; SFTP;

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Perguntas iniciais O que você precisa colocar para funcionar? Entender a necessidade Tens servidor específico

Leia mais

MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES

MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES www.lanuniversity.com.br MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES Preparatório para certificações Mandriva Systems Administrator, Mandriva Network Administrator, e exames do LPI Nível

Leia mais

gladiador INTERNET CONTROLADA

gladiador INTERNET CONTROLADA gladiador INTERNET CONTROLADA funcionalidades do sistema gladiador sistema Gerenciamento de usuários, gerenciamento de discos, data e hora do sistema, backup gladiador. Estações de Trabalho Mapeamento

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Macêdo Firmino Introdução à Disciplina (Ementa) Macêdo Firmino (IFRN) Sistemas Operacionais Novembro de 2012 1 / 9 Objetivos Conhecer os princípios básicos de um sistema operacional;

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar.

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. CSAU 10.0 Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. Data do Documento: Janeiro de 2012 Sumário 1. Sobre o manual do CSAU... 3 2. Interface do CSAU 10.0... 4 2.1. Início... 4 2.2. Update...

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 03 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências Instalação do Active Directory e serviços

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Como é o Funcionamento do LTSP

Como é o Funcionamento do LTSP Instalação e configuração do LTSP 5 no Ubuntu 11.04 Funcionamento do LTSP e Instalação do Servidor Como é o Funcionamento do LTSP O primeiro requisito para que o LSTP funcione bem é ter uma rede de boa

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução Conceitos sobre TCP/IP Endereços IP (Internet Protocol) Introdução O uso de computadores em rede e, claro, a internet, requer que cada máquina tenha um identificador que a diferencie das demais. Para isso,

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual Definindo DHCP: DHCP O DHCP é a abreviatura de Dynamic Host Configuration Protocol é um serviço utilizado para automatizar as configurações do protocolo TCP/IP nos dispositivos de rede (computadores, impressoras,

Leia mais

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza

FIREWALL. Prof. Fabio de Jesus Souza. fabiojsouza@gmail.com. Professor Fabio Souza FIREWALL Prof. Fabio de Jesus Souza fabiojsouza@gmail.com Professor Fabio Souza O que são Firewalls? Os firewalls são sistemas de segurança que podem ser baseados em: um único elemento de hardware; um

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Instruções para Instalação dos Utilitários Intel

Instruções para Instalação dos Utilitários Intel Instruções para Instalação dos Utilitários Intel Estas instruções ensinam como instalar os Utilitários Intel a partir do CD nº 1 do Intel System Management Software (liberação somente para os dois CDs

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO Serviços de impressão Os serviços de impressão permitem compartilhar impressoras em uma rede, bem como centralizar as tarefas de gerenciamento

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

AS CONSULTORIA & TREINAMENTOS. Pacote VIP. Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense

AS CONSULTORIA & TREINAMENTOS. Pacote VIP. Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense Pacote VIP Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on L i n u x 2 Sumário 1 Linux Básico... 3 2 Conteúdo Samba 4 (Servidor de arquivos / Controlador

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal IP e DNS O protocolo IP Definir um endereço de rede e um formato de pacote Transferir dados entre a camada de rede e a camada de enlace Identificar a rota entre hosts remotos Não garante entrega confiável

Leia mais

Endpoint Security Platform

Endpoint Security Platform AKER Endpoint Security Platform Proteção de endpoints dentro e fora da empresa Ataques virtuais a redes corporativas têm se tornado cada vez mais comuns. Sob constante ameaça, as empresas passaram a utilizar

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Conceito, características e classificação das Redes de Computadores; Topologias; Meios físicos de transmissão; Equipamentos de Rede; Segurança;

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Mandriva Pulse - Especificações e recursos

Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Brasil 2 de abril de 2015 Lista de Tabelas 1 Tabela resumo dos diferenciais do Pulse....................... 9 Lista de Figuras 1 Interface web do Mandriva

Leia mais

FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR

FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR Uiliam Nelson Lendzion Tomaz Alves 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: O grande número de

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

Introdução ao Active Directory AD

Introdução ao Active Directory AD Introdução ao Active Directory AD Curso Técnico em Redes de Computadores SENAC - DF Professor Airton Ribeiro O Active Directory, ou simplesmente AD como é usualmente conhecido, é um serviço de diretórios

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Veritas Storage Foundation da Symantec

Veritas Storage Foundation da Symantec Veritas Storage Foundation da Symantec Gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line O Veritas Storage Foundation oferece uma solução completa para o gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line.

Leia mais

BSDDAY - 13 de Agosto SP/Brazil

BSDDAY - 13 de Agosto SP/Brazil BSDDAY - 13 de Agosto SP/Brazil Quem é o Dmux? Rafael Floriano Sousa Sales aka dmux - Paulistano, 22 anos, fundador e integrante do grupo Tompast, consultor UNIX, trabalhando com sistemas operacionais

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva da solução SAP SAP Technology SAP Afaria Objetivos Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede Sistemas Operacionais de Rede Configuração de Rede Conteúdo Programático! Interfaces de rede! Ethernet! Loopback! Outras! Configuração dos parâmetros de rede! Dinâmico (DHCP)! Manual! Configuração de DNS

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19 O autor... 11 Agradecimentos... 12 Apresentação... 13 Introdução... 13 Como funcionam as provas de certificação... 13 Como realizar uma prova de certificação... 13 Microsoft Certified Systems Engineer

Leia mais

Servidores Windows para empresas

Servidores Windows para empresas Servidores Windows para empresas Vinicius F. Teixeira 1, André Moraes 1 1 Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia senac Pelotas - RS - Brasil {vinicius,andré}viniciusfteixeira@gmail.com,

Leia mais

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas (Policy-Based Networking) Ademir José de Carvalho Junior Recife, Fevereiro de 2007 Resumo: A complexidade das redes baseadas em IP atualmente segue crescendo

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision Software de gerenciamento de impressoras MarkVision O MarkVision para Windows 95/98/2000, Windows NT 4.0 e Macintosh é fornecido com a sua impressora no CD Drivers, MarkVision e Utilitários. 1 A interface

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 10 Segurança na Camadas de Rede Redes Privadas Virtuais (VPN) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º Semestre / 2015

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Sistemas Operacionais II. Prof. Gleison Batista de Sousa

Sistemas Operacionais II. Prof. Gleison Batista de Sousa Sistemas Operacionais II Prof. Gleison Batista de Sousa Objetivos de aprendizagem Conhecer o funcionamento dos sistemas operacionais para redes de computadores. Aprender como é feito o gerenciamento do

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Curso Firewall. Sobre o Curso de Firewall. Conteúdo do Curso

Curso Firewall. Sobre o Curso de Firewall. Conteúdo do Curso Curso Firewall Sobre o Curso de Firewall Este treinamento visa prover conhecimento sobre a ferramenta de Firewall nativa em qualquer distribuição Linux, o "iptables", através de filtros de pacotes. Este

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais. Prof. Rodrigo Siqueira

Administração de Sistemas Operacionais. Prof. Rodrigo Siqueira Administração de Sistemas Operacionais Prof. Rodrigo Siqueira Lição 1: Funções de servidor Edições do Windows Server 2008 O que são funções de servidor? O que são as funções de serviços de infra-estrutura

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Construção de um Ambiente Virtualizado para Terminais Thin Client

Construção de um Ambiente Virtualizado para Terminais Thin Client Construção de um Ambiente Virtualizado para Terminais Thin Client M. dos Santos Orientador: João Carlos D. Lima Curso de Ciência da Computação UFSM - Universidade Federal de Santa Maria Roteiro Introdução

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Sumário. Introdução. Capítulo 1 Instalação e configuração de servidores 1. Certificações da Microsoft... xi. Suporte técnico...xii

Sumário. Introdução. Capítulo 1 Instalação e configuração de servidores 1. Certificações da Microsoft... xi. Suporte técnico...xii Introdução Certificações da Microsoft.............................................. xi Suporte técnico.......................................................xii Preparando-se para o exame...........................................xii

Leia mais

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013.

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. ACRESCENTA À ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO DISPOSITIVOS DE ACESSO, O PADRÃO TECNOLÓGICO CONFIGURAÇÃO MÍNIMA

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P03.001 Revisão v. 2014 2. PUBLICAÇÃO Órgão IplanRio Diretoria DOP Diretoria de Operações Setor GSA - Gerência de Suporte e Atendimento 1 de 6 epingrio@iplanrio.rio.rj.gov.br

Leia mais

Novell ZENworks 10 Asset Management SP2

Novell ZENworks 10 Asset Management SP2 Guia de Introdução do Novell ZENworks 10 Asset Management SP2 10.2 27 de maio de 2009 www.novell.com Guia de Introdução do ZENworks 10 Asset Management Informações Legais A Novell, Inc. não faz representações

Leia mais