Montagem por Interferência de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Montagem por Interferência de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia Mecânica e Industrial por de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais Professora Doutora Helena V. G. Navas UNIDEMI, DEMI-FCT/UNL Mestre David F. N. Braga SEW-EURODRIVE Portugal Mestre Pedro Correia de Barros ex-aluno da FCT/UNL Transmissões e Acionamentos Mecânicos Seminário 18 de Junho 2014

2 Sumário por da

3 OBJETIVOS por da

4 por da Aprofundar conhecimentos relativos à montagem por interferência em sistemas mecânicos e em redutores industriais em particular. Estudar a influência das características dos veios e das rodas dentadas na escolha dos parâmetros do processo de montagem dos mesmos por interferência. Elaborar procedimentos técnicos para as operações de montagem de veios e rodas dentadas por interferência. Acompanhar o período de ensaios e a integração dos procedimentos de montagem por interferência no processo produtivo.

5 TIPOS DE MONTAGEM por da

6 por da

7 por da Fixação por forma Definição: Acoplamento da roda dentada no veio por semelhança de geometrias Utilização: Processos que requerem montagens/desmontagens frequentes Vantagens: Facilidade de montagem/desmontagem Baixo custo de montagem/desmontagem Desvantagens: Maiores custos de produção Existência de desgaste devido ao micro movimento existente entre componentes Inadequada para grandes solicitações

8 por da

9 por da Fixação por atrito Definição: Utilização do atrito entre componentes como forma de fixação Utilização: Processos que requerem a transmissão de binários elevados/muito elevados /desmontagens não frequentes Vantagens: Menores custos de produção Sem desbalanceamento a altas velocidades Melhor distribuição de tensões Desvantagens: Maiores custos de montagem/desmontagem Limitações ao nível de materiais, projeto e superfícies difícil

10 por da

11 MONTAGEM POR INTERFERÊNCIA da

12 por da Definição de : Cota mínima do veio > Cota máxima do furo δ = u 2 roda dentada + u : Aplicar uma diferença de temperaturas a cada um dos componentes Arrefecimento do veio Contracção veio Aquecimento do cubo da roda Dilatação Princípio base: Dilatação/contração dos materiais quando sujeitos a diferenças de temperatura δ = α Tm rinicial 2

13 por da Vantagens: Maior resistência da montagem Inexistência de deformação do material Possibilidade de transmissão de binários elevados/muito elevados Desvantagens: Maior dificuldade de montagem Limitações ao nível dos materiais, projeto e superfícies Equipamento existente na empresa: Máquina de lavar peças industrial Gelo seco

14 por PARÂMETROS DA MONTAGEM da

15 por Parâmetros da da

16 por Parâmetros da da Projeto Materiais, características técnicas, geométricas e dimensionais: Conhecimento das propriedades mecânicas e térmicas dos materiais utilizados, velocidade de rotação e potência a transmitir, tipo de roda dentada e suas dimensões. Momento de rotação e força axial nos dentes: P M R = ns ω Pressão de aperto: p a A força axial exercida nos dentes da engrenagem irá depender do tipo de roda dentada utilizada M R Fa 2 da L µ π L da = + π µ mínima necessária: δ 2 min p r r + r p r r + r = E r r E r r a a a e a a a i ν 2 2 roda dentada ν 2 2 veio roda dentada e a veio a i Escolha do ajuste (normalizado)

17 por Parâmetros da da Avaliação Pressão de aperto para a interferência média: p a = δmédia R 2 veio Rroda 1 r + r 1 r + r a e a i a + ν 2 2 roda dentada + ν 2 2 veio Eroda dentada re ra Eveio ra ri r Tensões de corte máximas: 2 r p = para r = r 2 e a 1 3 máx 2 2 re ra ( σ σ ) Velocidade crítica de rotação: ( 1 ) ( 1 ) ( 1 ν 2 ) ( 1 ) ( 1 ) 1 ( 1 ν1 ) Binário transmissível sem escorregamento: a ( σ σ ) ν 2 A min 2 + ν 2 B2 W2 ωc ra ra 2 E2 E2 ra E2 g 8 = δ 1 = + p 1 3 a ν + ν ω + E E r E g A1 1 B1 W1 c ra ra 1 1 a 1 8 M = 2 µ p L π r 2 T a a

18 Temperatura de arrefecimento: Temperatura de arrefecimento necessária para que o veio atinja uma determinada contração, δ: por T arrefecimento δ = T 2 α ra inicial Parâmetros da da Temperatura de aquecimento (se necessário): Temperatura de aquecimento necessária para que o cubo da roda atinja uma determinada dilatação, δ: T aquecimento = δ T 2 α r + a inicial

19 Diagrama de fases do aço: por Parâmetros da da

20 por PROCEDIMENTO DA MONTAGEM

21 por da

22 por da

23 por da ANÁLISE DAS MONTAGENS REALIZADAS

24 por da Parâmetros 1 2 mínima (μm) média (μm) Material da roda dentada 42CrMo CrNiMo6 Material do veio 34CrNiMo6 42CrNiMo6 Comprimento da montagem (mm) Diâmetro interno (roda dentada) (mm) 142H7 140H7 Diâmetro externo (veio) 142u6 140v6 Pressão de aperto (MPa) Tensão de corte máx. (roda dentada) (MPa) Tensão admissível (roda dentada) (MPa) Tensão de corte máx. (veio) (MPa) Tensão admissível (veio) (MPa) Binário transmissível (KN.m) Velocidade crítica (rpm)

25 por da 1 Temperatura de arrefecimento aconselhada para situação de: mínima média máxima -55 C -55 C -55 C Temperatura atingida -55 C Temperatura de aquecimento aconselhada para situação de: mínima média máxima 40.2 C 60.8 C 81.4 C Temperatura atingida 70 C Observações: Veio inserido livremente no cubo da roda dentada.

26 por da 2 Temperatura de arrefecimento aconselhada para situação de: mínima média máxima -55 C -55 C -55 C Temperatura atingida -55 C Temperatura de aquecimento aconselhada para situação de: mínima média máxima 40.8 C 61.5 C 82.2 C Temperatura atingida 50 C Observações: Veio inserido livremente na fase inicial da montagem sendo utilizada uma prensa hidráulica na fase final, para conclusão da montagem.

27 por da CONCLUSÕES

28 por da Comprovou-se a possibilidade de utilização deste tipo de montagem para situações em que a velocidade de rotação e/ou o binário transmitido sejam elevados. Aprofundou-se o conhecimento sobre a montagem por interferência, definindo os parâmetros sobre os quais a mesma depende. Elaborou-se um procedimento eficaz para a realização de uma operação de montagem por interferência utilizando os meios existentes na empresa. Desenvolveu-se uma aplicação informática (folha de cálculo) eficaz para ser utilizada pelos engenheiros e operários da SEW-EURODRIVE Portugal. Aconselhou-se o arrefecimento/aquecimento dos componentes a temperaturas compreendidas no intervalo de valores definidos para uma situação de interferência máxima e média dados pela aplicação informática.

29 Desenvolvimentos futuros: Definição da gama de diâmetros aplicável a este tipo de montagem Construção de um histograma real de interferências Estudo da influência do desgaste nas rodas dentadas sobre este tipo de montagem Transmissões e Acionamentos Mecânicos Seminário 18 de Junho 2014

30 OBRIGADA Transmissões e Acionamentos Mecânicos Seminário 18 de Junho 2014

Transmissões de Potência

Transmissões de Potência Transmissões de Potência PMR 2201 Transmissões O emprego de transmissões torna-se necessário para compatibilizar a velocidade angular ou conjugado da máquina motriz com a necessidade da máquina acionada,

Leia mais

Polias, Correias e Transmissão de Potência

Polias, Correias e Transmissão de Potência Polias, Correias e Transmissão de Potência Blog Fatos Matemáticos Prof. Paulo Sérgio Costa Lino Maio de 2013 Introdução Figura 1: Esquema de duas polias acopladas através de uma correia As polias são peças

Leia mais

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes 1 João Pratas SEW-EURODRIVE EURODRIVE PORTUGAL Departamento de Engenharia Apresentação da SEW-EURODRIVE Portugal Introdução 2 Sistemas de

Leia mais

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1 1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1.1 - Introdução As correntes fazem parte das transmissões flexíveis, conjuntamente com as correias. Apresentam menor capacidade de absorção de choques em virtude de sua

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9

Manual de montagem e operação para EAS -dutytorque Tipo 404_. 400 Tamanho 2 9 Ler atentamente e respeitar o manual de operação. A inobservância pode causar avarias de funcionamento ou a falha do limitador de torque, bem como os danos associados. Índice Página 1: - Índice - Símbolos

Leia mais

Engrenagens cilíndricas de dentes retos. Alan Christie da Silva Dantas

Engrenagens cilíndricas de dentes retos. Alan Christie da Silva Dantas Engrenagens cilíndricas de dentes retos Alan Christie da Silva Dantas Motivação Extensamente usadas para transmissão de movimento em maquinas industriais; Rotativo rotativo; Rotativo linear. Caixas de

Leia mais

CORRENTES. A transmissão por corrente de rolo é um meio altamente eficiente e versátil para transmitir potência mecânica em aplicações industriais.

CORRENTES. A transmissão por corrente de rolo é um meio altamente eficiente e versátil para transmitir potência mecânica em aplicações industriais. CORRENTES Definição A transmissão por corrente de rolo é um meio altamente eficiente e versátil para transmitir potência mecânica em aplicações industriais. A corrente de rolo é tão flexível como as correias

Leia mais

Acoplamento Altamente Elástico

Acoplamento Altamente Elástico Acoplamento Altamente Elástico Spxpt 04/02 GENERALIDADES Acoplamentos altamente elásticos Speflex modelos SPA e SPG O acoplamento VULKAN SPEFLEX é constituído de um elemento altamente elástico em borracha

Leia mais

aos elementos de transmissão

aos elementos de transmissão A U A UL LA Introdução aos elementos de transmissão Introdução Um motorista viajava numa estrada e não viu a luz vermelha que, de repente, apareceu no painel. Mais alguns metros, o carro parou. O motorista,

Leia mais

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos para Todas as Necessidades da Sua Usina A Solução Perfeita para Qualquer Aplicação Com suas duas fortes marcas, INA e FAG, a qualidade

Leia mais

A Empresa. A Filosofia Tec Tor

A Empresa. A Filosofia Tec Tor A Empresa A Filosofia Tec Tor Desde sua fundação em Setembro de 1986, a Tec Tor vem ao longo de sua existência, desenvolvendo projetos no ramo de equipamentos voltados à transmissão e controle de força

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA TECNOLOGIA MECÂNICA Aula 04 Carregamento Axial Tensão Normal Prof. Me. Dario de Almeida Jané Mecânica dos Sólidos - Revisão do conceito de Tensão - Carregamento

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra 52 Corte & Conformação de Metais Março 2013 Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra Desenvolver ferramentas de dobra não é uma tarefa fácil, principalmente quando a peça final

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

Visão geral do processamento de cimento. Produtos e soluções de transmissão de potência para o processamento de cimento

Visão geral do processamento de cimento. Produtos e soluções de transmissão de potência para o processamento de cimento Visão geral do processamento de cimento Produtos e soluções de transmissão de potência para o processamento de cimento Escolha a Rexnord para ajudá-lo a produzir hoje o cimento de amanhã. Da especificação

Leia mais

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período Material para Produção Industrial Ensaio de Compressão Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 Embora em alguns textos se trate o comportamento na compressão pelos parâmetros do ensaio de tração (e.g. na aplicação

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS 4º Ano da Licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas ºTESTE DE INTRUMENTAÇÃO (M42) Data -.2.2006 Duração - 2.5 horas ª Parte

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

Curso de Especialização em Engenharia Automotiva. Módulo: Transmissões

Curso de Especialização em Engenharia Automotiva. Módulo: Transmissões Curso de Especialização em Engenharia Automotiva Módulo: Realização: Parceria: CVT (Continuous Variable Transmission) Com a tecnologia CVT o torque do motor é transmitido a uma polia motriz ligada a uma

Leia mais

Introdução Análise de Vibração

Introdução Análise de Vibração 1 Introdução Análise de Vibração 1-1 MANUTENÇÃO CORRETIVA ou REATIVA (Quebra Repara) È o tipo de Manutenção que ocorre após a quebra do equipamento. Atua somente após a ocorrência da Falha. PREVENTIVA

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado

Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Disciplina: ELEMENTOS DE MÁQUINAS Professor Me. Claudemir Claudino Alves PARAFUSOS - Entre os elementos de união desmontáveis,

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

Pedro Rocha 2015-10-15

Pedro Rocha 2015-10-15 Pedro Rocha 2015-10-15 Circulação O veiculo não pode sair do centro para se posicionar nas linhas ou áreas de inspeção Via de fuga Evitar o cruzamento de veículos 2 As linhas devem ser estruturadas para

Leia mais

Processo de Pedido de Patente e de Desenho para Ferramenta de. Soldadura e Processamento por Fricção Linear

Processo de Pedido de Patente e de Desenho para Ferramenta de. Soldadura e Processamento por Fricção Linear Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Mecânica Secção de Tecnologia Mecânica Av. Rovisco Pais 1049-001 Lisboa Portugal Processo de Pedido de Patente e de Desenho para Ferramenta de Soldadura

Leia mais

MOVIMENTO CIRCULAR ATIVIDADE 1 Professores: Claudemir C. Alves / Luiz C. R. Montes

MOVIMENTO CIRCULAR ATIVIDADE 1 Professores: Claudemir C. Alves / Luiz C. R. Montes MOVIMENTO CIRCULAR ATIVIDADE 1 Professores: Claudemir C. Alves / Luiz C. R. Montes 1 1- Velocidade Angular (ω) Um ponto material P, descrevendo uma trajetória circular de raio r, apresenta uma variação

Leia mais

M Questões Corte / Torção Questões de Testes e Provas Corte Puro Torção Pura. 4 cordões de solda a = 4 mm; l =160 mm. 60 k N

M Questões Corte / Torção Questões de Testes e Provas Corte Puro Torção Pura. 4 cordões de solda a = 4 mm; l =160 mm. 60 k N M Questões orte / Torção Questões de Testes e rovas orte uro Torção ura 8 parafusos Φ = 10 mm cordões de solda a = mm; l =160 mm 160 00 60 k N (1) ROV 003-01 O duto esquematizado é fabricado em chapa de

Leia mais

Reabilitação de subestruturas de vias férreas. Eduardo Fortunato

Reabilitação de subestruturas de vias férreas. Eduardo Fortunato Reabilitação de subestruturas de vias férreas. Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) Modernização de Linhas Férreas Análises técnicas e

Leia mais

Montagem por Interferência de Rodas Dentadas nos Veios de Redutores Industriais

Montagem por Interferência de Rodas Dentadas nos Veios de Redutores Industriais Pedro Lacerda Correia de Barros Montagem por Interferência de Rodas Dentadas nos Veios de Redutores Industriais Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Mecânica Orientador: Professora

Leia mais

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS Faculdade de Tecnologia de Sorocaba DEPARTAMENTO DE PROJETOS MECÂNICOS MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS RELATÓRIO FINAL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Aluno: Ricardo Lorenzati Machado Orientador:

Leia mais

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Os termopares são dispositivos elétricos utilizados na medição de temperatura. Foram descobertos por acaso em 1822, quando o físico Thomas Seebeck

Leia mais

Desenho Técnico Moderno

Desenho Técnico Moderno Desenho Técnico Moderno Capítulo 11 Elementos de Máquinas OBJECTIVOS Compreender a representação de elementos normalizados; Representar, cotar e referenciar elementos de máquinas; Distinguir e compreender

Leia mais

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 86 HS Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br 4 tipos de versões e o maior número de vantagens Alavanca de múltipla ação no carregador frontal Plataforma para o operador

Leia mais

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO CAPÍTULO 1 Volume 1 MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO 1 1.1- Introdução Concreto: agregados + cimento + água + aditivos. Sua resistência depende: do consumo de cimento, fator água-cimento, grau de adensamento,

Leia mais

Esteiras Especificações para Esteiras

Esteiras Especificações para Esteiras UNIRONS Esteiras Especificações para Esteiras Eficiência, durabilidade, higiene e fácil manutenção são requisitos básicos em um sistema de transporte interno de produtos. Ciente disso, a UNIRONS oferece

Leia mais

JUNCOR, S.A. Gama de Produtos

JUNCOR, S.A. Gama de Produtos 2 JUNCOR, S.A. Gama de Produtos Correias, Polias e Casquilhos A JUNCOR comercializa uma gama completa de Correias de Transmissão, para as mais variadas aplicações. Representamos em Portugal um conjunto

Leia mais

Série RB-J. Compressores de Parafuso OIL FREE para Transporte Pneumático

Série RB-J. Compressores de Parafuso OIL FREE para Transporte Pneumático Série RB-J Compressores de Parafuso OIL FREE para Transporte Pneumático EXPERIÊNCIA No GRUPO BETICO, líder nacional no fabrico e na comercialização de compressores desde 925, concebemos e fabricamos compressores

Leia mais

TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES

TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES TECONOLOGIAS EMPREGADAS NO ACIONAMENTO DE ROBÔS MANIPULADORES 1) MOTORES Motores de passo e servo-motores (com ou sem escovas) têm cada um suas respectivas vantagens e desvantagens. Em geral não existe

Leia mais

Sistema de Aquecimento Solar Piscina e Componentes

Sistema de Aquecimento Solar Piscina e Componentes Sistema de Aquecimento Solar Piscina e Componentes 1 SAS Piscina e Componentes Coletores Solares QD C Tubulação Piscina Filtro Motobomba(s) 2 SAS Piscina e Componentes TAMPÃO ABRAÇADEIRA SENSOR c DETALHE

Leia mais

Artigo Técnico: Startup de Elevadores

Artigo Técnico: Startup de Elevadores Artigo Técnico: Startup de Elevadores Problemas enfrentados no início de operação de elevadores instalados em edifícios existentes modernização ou substituição dos equipamentos em edificações habitadas.

Leia mais

Falhas e Avarias em Veios de Redutores Industriais: Causas vs. Efeitos

Falhas e Avarias em Veios de Redutores Industriais: Causas vs. Efeitos Tiago Daniel Torrinha dos Santos Ferreira Falhas e Avarias em Veios de Redutores Industriais: Causas vs. Efeitos Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Mecânica Orientadora: Professora

Leia mais

Scientific-Research Institute of Metallurgical Heat Engineering OJSC VNIIMT

Scientific-Research Institute of Metallurgical Heat Engineering OJSC VNIIMT Ventiladores resistentes ao calor para fornos concebidos pelo VNIIMT (Instituto Russo de Investigação Científica da Termotécnica Metalúrgica) Elaboração, projetos e fabricação de fornos térmicos para aquecimento

Leia mais

Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP

Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP Os Balanceadores Computadorizados WATT são inteiramente projetados e fabricados no Brasil, possuindo as seguintes vantagens em relação

Leia mais

CATÁLOGO DE AGRICULTURA

CATÁLOGO DE AGRICULTURA CATÁLOGO DE AGRICULTURA ESPECIAL AGRICULTURA SELEÇÃO DE PRODUTOS VOCACIONADOS PARA REPARAÇÃO, MANUTENÇÃO E PROTEÇÃO DE EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA AGRICULTURA. AO SERVIÇO DA EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA MODERNA

Leia mais

Intelligent Drivesystems, Worldwide Services. Redutores industriais para transportadores de correia e elevadores de canecas DRIVESYSTEMS

Intelligent Drivesystems, Worldwide Services. Redutores industriais para transportadores de correia e elevadores de canecas DRIVESYSTEMS Intelligent Drivesystems, Worldwide Services BR PT Redutores industriais para transportadores de correia e elevadores de canecas NORD Intelligent Drivesystems, Worldwide Services Parceiros em movimento

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

REDUTORES L I L O C A T Á L O G. Tecnologia e eficiência em Redutores de Velocidade. A primeira a comercializar pelo comercio digital

REDUTORES L I L O C A T Á L O G. Tecnologia e eficiência em Redutores de Velocidade. A primeira a comercializar pelo comercio digital www.redutoreslilo.com REDUTORES L I L O C A T Á L O G Tecnologia e eficiência em es de Velocidade O A primeira a comercializar pelo comercio digital Catálogo de produtos es Lilo es de Coroa e Rosca Sem

Leia mais

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias A U L A Calculando RPM O problema O s conjuntos formados por polias e correias e os formados por engrenagens são responsáveis pela transmissão da velocidade do motor para a máquina. Geralmente, os motores

Leia mais

BETONEIRAS. Manual de Instrução MAQTRON IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. www.vencedoramaqtron.com.br

BETONEIRAS. Manual de Instrução MAQTRON IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. www.vencedoramaqtron.com.br Moendas de Cana CANA SHOP Moendas de Cana BETONEIRAS Debulhadores de Milho www.vencedoramaqtron.com.br Batedeiras de Cereais Trilhadeiras Desintegradores Trituradores para milho úmido Ensiladeiras Bombas

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS - Pauluzzi Produtos Cerâmicos LTDA - Porto Alegre - Fevereiro de 2008. RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÀO ELTRÔNICA ANEMÔMETRO A FIO QUENTE Cayo Cid de França Moraes 200321285 Natal/RN ANEMÔMETRO

Leia mais

L04 - L22. Compressores de Parafuso com Injecção de Óleo. Intelligent Air Technology

L04 - L22. Compressores de Parafuso com Injecção de Óleo. Intelligent Air Technology L04 - L22 Compressores de Parafuso com Injecção de Óleo Intelligent Air Technology L04 - L22 Compressores de Parafuso com Injecção de Óleo O principal objectivo do desenvolvimento dos compressores de parafuso

Leia mais

Calibradores de Minerais

Calibradores de Minerais uma Companhia Astec Industries Calibradores de Minerais Calibradores de Minerais/Calibradores de Rolos para Aplicações Primárias/Secundárias e Terciárias A gama Osborn de Calibradores de Rolos de Eixo

Leia mais

Economia de Energia através de Accionamentos Eficientes

Economia de Energia através de Accionamentos Eficientes Engenharia Accionamentos \ Drive Automation \ Integração Sistemas \ Serviços 1 Economia Energia através Accionamentos Eficientes Rui Costa SEW-EURODRIVE EURODRIVE PORTUGAL Departamento Engenharia SEW-EURODRIVE

Leia mais

CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS. No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a:

CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS. No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a: CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a: Organizar um dossier de projeto nas suas diversas partes Compreender e elaborar o conteúdo

Leia mais

rimetal máquina codificadora a laser Modelo: TRCL Manual do Usuário Máquinas para Baterias

rimetal máquina codificadora a laser Modelo: TRCL Manual do Usuário Máquinas para Baterias máquina codificadora a laser Modelo: TRCL Manual do Usuário ÍNDICE INTRODUÇÃO Apresentação Dados Técnicos Cuidados Segurança Limpeza 2 3 4 5 6 MANUTENÇÃO Instruções Manutenção Preventiva REGULAGEM E AJUSTES

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Embreagens são elementos que

Leia mais

Vista Geral de Produto. Motores de cilindro axial Interroll Acionamento, eficiente em termos energéticos, para transporte de mercadoria em volumes

Vista Geral de Produto. Motores de cilindro axial Interroll Acionamento, eficiente em termos energéticos, para transporte de mercadoria em volumes Vista Geral de Produto Motores de cilindro axial Interroll Acionamento, eficiente em termos energéticos, para transporte de mercadoria em volumes Assíncronos: Série S Série i Motores de cilindro axial

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA

MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS OBJETIVOS Avaliação do Estado de Funcionamento. Identificação,

Leia mais

Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque. Limitadores de torque Autogard Guia de seleção

Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque. Limitadores de torque Autogard Guia de seleção Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque Limitadores de torque Guia de seleção Limitadores de torque Há mais de 80 anos, a tem sido líder no setor de proteção contra sobrecargas em equipamentos,

Leia mais

Fundação Universidade Estadual de Maringá

Fundação Universidade Estadual de Maringá Fundação Universidade Estadual de Maringá PAD/DIRETORIA DE MATERIAL E PATRIMÔNIO AVISO DE LICITAÇÃO EDITAL N 131/2008 PREGÃO PRESENCIAL PROC.: N 3932/2008 OBJETO: AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DIVERSOS PARA

Leia mais

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA Rolamento autocompensador de rolos esféricos de alta performance com maior capacidade de carga Rolamento Autocompensador de Rolos Esféricos SÉRIE EA

Leia mais

Correntes. Os problemas de uma empresa da área de. Conceito

Correntes. Os problemas de uma empresa da área de. Conceito A U A UL LA Correntes Introdução Os problemas de uma empresa da área de transporte e cargas fez com que o encarregado do setor tomasse algumas decisões referentes à substituição de equipamentos, como componentes

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA Nas instalações aéreas devem ser considerados os seguintes aspectos: Resistência à raios UV e intempéries; O tipo de suportação da tubulação;

Leia mais

BATEDEIRA PLANETÁRIA BP-18 BP-30. Manual de Instrução e Termo de Garantia. (0-XX-54) 2101 3400 www.gastromaq.com.br - gastromaq@gastromaq.com.

BATEDEIRA PLANETÁRIA BP-18 BP-30. Manual de Instrução e Termo de Garantia. (0-XX-54) 2101 3400 www.gastromaq.com.br - gastromaq@gastromaq.com. Agosto 2011 BATEDEIRA PLANETÁRIA BP-18 BP-0 (0-XX-54) 2101 400 www.gastromaq.com.br - gastromaq@gastromaq.com.br Manual de Instrução e Termo de Garantia Gastromaq Indústria de Equipamentos para Aliementação

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos ACRIFLEX AG são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência

Leia mais

Tecnologias de Moagem Outotec

Tecnologias de Moagem Outotec Tecnologias de Moagem Outotec Com mais de 100 anos de experiência em tecnologia de moagem, a Outotec é um dos maiores fornecedores de moinhos do mundo. A equipe de especialistas em moagem da Outotec fornece

Leia mais

Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip

Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip Voith Turbo Safeset Somos experts em limitação de torque e acoplamentos de conexão na Voith Turbo. A Voith Turbo, especialista em sistemas de transmissão hidrodinâmica,

Leia mais

Seminário Eficiência Energética no Setor Agropecuário e Agroindústrias. Oportunidades de Eficiência Energética em

Seminário Eficiência Energética no Setor Agropecuário e Agroindústrias. Oportunidades de Eficiência Energética em Seminário Eficiência Energética no Setor Agropecuário e Agroindústrias Oportunidades de Eficiência Energética em Sistemas acionados por motores elétricos e frio industrial Humberto Jorge 30/04/2014 Escola

Leia mais

Desenho de Máquinas 2006/02 5 ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO. 5.1 Roda denteada para corrente de rolos

Desenho de Máquinas 2006/02 5 ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO. 5.1 Roda denteada para corrente de rolos Desenho de Máquinas 00/0 ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO. Roda denteada para corrente de rolos.. Roda denteada: 9 a dentes Seqüência : iniciar pela vista frontal, vista que mostra a seção circular da roda dentada.

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO:

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: 1 - EMBREAGEM 2 - CÂMBIO 3 - DIFERENCIAL 4 - REDUÇÃO FINAL Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Elementos de Fixação uma nova visão. Roberto Garcia 11 Agôsto 2011

Elementos de Fixação uma nova visão. Roberto Garcia 11 Agôsto 2011 Roberto Garcia 11 Agôsto 2011 A N A L O G I A S U M Á R I O CLASSIFICAÇÃO DO ELEMENTO DE FIXAÇÃO CAPACIDADE ( Força Tensora ) DO ELEMENTO DE FIXAÇÃO FORÇA DE UNIÃO T O R Q U E PROCESSO DE TORQUE C O N

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO DE METODOLOGIAS DE MONTAGEM DE ROLAMENTOS EM EIXOS CURITIBA 2007 ALBERTO CASTANHEIRA SANTOS JEFFERSON MARQUES LEANDRO EVER DA COSTA TERRA ESTUDO DE METODOLOGIAS DE

Leia mais

PB e PBL. Lubrificação por Graxa Sintética

PB e PBL. Lubrificação por Graxa Sintética PB e PBL Características PB PBL sb sbl se sel sd sdl sf sfl Engrenagens de Dentes Helicoidais Mecanismos de redução de primeira linha empregar engrenagens de dentes helicoidais, que fornecem uma taxa de

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA)

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX CR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

Tecnologia de veios de transmissão

Tecnologia de veios de transmissão Tecnologia de veios de transmissão Competência de um Fabricante de Equipamento Original A GKN Driveline é o fornecedor líder mundial de componentes e sistemas de transmissão. A nossa liderança no mercado

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é:

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é: Questão 1: Dois resistores de 1Ω e 2Ω, conectados em série, são alimentados por uma fonte de tensão contínua de 6V. A tensão sobre o resistor de 2Ω é: a) 15V. b) 2V. c) 4V. d) 5V. e) 55V. Questão 2:A resistência

Leia mais

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos.

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos. . MECA!ISMOS.0 Algumas definições Um mecanismo é um conjunto de elementos de máquinas ligados de forma a produzir um movimento específico. Podem ser subdivididos conforme suas aplicações: mecanismos com

Leia mais

Transair, redes de ar comprimido inteligentes Apresentação

Transair, redes de ar comprimido inteligentes Apresentação Transair, redes de ar comprimido inteligentes Apresentação Transair, uma gama Legris Líder nas tecnologias de conexão, a Legris concebe, fabrica e comercializa sistemas inovadores de ligação instantânea

Leia mais

WEGeuro Indústria Eléctrica S.A. Manual de Instruções. Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão

WEGeuro Indústria Eléctrica S.A. Manual de Instruções. Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão Ref. 110.15 - Rev 00 04/2011 Manual de Instruções Motores Assíncronos Trifásicos à Prova de Explosão Ref. 110.15 Rev. 00 04/2011 2 Manual de Instruções Motores Assíncronos Trifásicos à prova de explosão

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075

OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075 OTIMIZAÇÃO DE PARÂMETROS DE SOLDA POR DEPOSIÇÃO SUPERFICIALPOR FRICÇÃO EM LIGA DE ALUMÍNIO AL 7075 Autores: Gabriel Alvisio Wolfart; Ghisana Fedrigo;.Mario Wolfart Junior Apresentador por trabalho: Gabriel

Leia mais

REINVENTAMOS SOLUÇÕES PARA O SETOR DA ENERGIA

REINVENTAMOS SOLUÇÕES PARA O SETOR DA ENERGIA REINVENTAMOS SOLUÇÕES PARA O SETOR DA ENERGIA Reinventing how cork engages the world. MÚLTIPLAS SOLUÇÕES PARA O SETOR DA ENERGIA. SELAGEM, CONTROLO DE RUÍDO E VIBRAÇÃO Setor da Transmissão e Distribuição

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais