Direitos Autorais Pirataria Segurança Bancária Fraudes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direitos Autorais Pirataria Segurança Bancária Fraudes"

Transcrição

1 Direitos Autorais Pirataria Segurança Bancária Fraudes 1

2 Base Legal LEI Nº , DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 LEI Nº , DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE

3 Conceito Formal de Crime Ciências Penais Princípio da Legalidade Não há crime sem previa lei que o defina Princípio da Anterioridade Não pena sem prévia cominação legal

4 Direitos Autorais

5 Direito Autoral Conceito O direito autoral é o reconhecimento de paternidade, naturalmente concedido a uma obra original de caráter intelectual ou artístico, ao seu criador.

6 Direito Autoral Fundamento Jurídico Lei de 19/02/1998 Define e regula as questões ligadas a matéria Direito Autoral de Software Lei do Software de 19/02/1998 Dá as características legais ao software quanto ao reconhecimento de sua autoria.

7 Registro do Software O objetivo do registro de um Software é proteger a criação intelectual de um programa operável em computadores (ou para utilização nestes, sistemas de informatização e controle similares e afins) da reprodução de cópias não autorizadas, da venda e ou uso indevido de todo e qualquer programa de computador ou mesmo, apenas parte destes. Para que se possa garantir a exclusividade na produção, uso e comercialização de um programa de computador, o interessado poderá apresentar seu pedido ao INPI, em formulário próprio.

8 Registro do Software Por estar no âmbito do Direito Autoral, diferentemente dos casos de marcas e patentes, o registro dos programas de computador feitos no Brasil tem reconhecimento internacional. O título do programa é protegido juntamente com o programa "em si", isto quer dizer que há a prerrogativa de um só procedimento ou registro poder proteger-se tanto o produto quanto o nome comercial.

9 Direito Autoral Tipos de direitos autorais Os direitos autorais abrangem as mais variadas áreas da criação intelectual e expressão artística do homem, como: software, literatura, poesia, música, teatro, escultura, pintura, desenho, arquitetura, fotografia, etc. A proteção para qualquer direito autoral está intrinsecamente ligado a obra. A proteção consiste em reconhecer-se a autoria.

10 Direito Autoral Licenciamento e cessão É a possibilidade, legalmente, concedida através de um contrato ou acordo particular, outorgada a um terceiro de publicar ou reproduzir uma obra protegida por Direitos Autorais. Este tipo de contrato é chamado de cessão de direitos ou licenciamento.

11 Direito Autoral Quem é autor? Segundo a lei de direitos autorais, o criador da expressão original de uma obra é seu autor. O autor também é o proprietário dos direitos sobre a obra, a menos que haja um acordo ou contrato escrito pelo qual o autor nomeia ou transfere os direitos autorais a outra pessoa ou entidade, como um editor. Em casos de obras produzidas sob contrato prévio (encomenda), o empregador ou contratante é considerado o proprietário da obra.

12 Direito Autoral Os Direitos Autorais são transferíveis? Sim. Como qualquer outra propriedade, tudo ou parte dos direitos de uma obra podem ser transferidos de um para outro proprietário.

13 Direito Autoral Como obtenho Royalties? A obtenção dos Royalties sobre a comercialização das cópias de uma obra, normalmente é uma questão de acordos privados entre um autor e um editor. Dependem, portanto, de um contrato bem elaborado entre as partes. O contrato apropriado para o caso de comercialização de um Software é o contrato de TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA.

14 Pirataria

15 Pirataria Conceito Tomar como sua a propriedade intelectual de outrem, com o objetivo de obter vantagem patrimonial indevida. Uso de marcas famosas Uso similar de imagem de produto Plágio de obra cultural Cópia indevida de produtos consagrados

16 Pirataria Os produtos piratas consomem 58% do mercado mundial de marcas. Produtos pirateados Software Medicamentos Auto peças e outros...

17 Pirataria Quem perde: Consumidor Produtos de baixa qualidade, baixa durabilidade e/ou resistência, sem efeito pleno Estado Deixa de arrecadar tributos e mesmo não tem controle sobre a qualidade dos produtos que a sociedade está utilizando.

18 Pirataria Quem ganha: Crime organizado Detêm os meios de produção na origem Controla a internacionalização Controla a distribuição nos pontos de venda Mecanismo: Corrupção política Tráfico de escravos Lei da máfia Organizações Criminosas Máfia italiana ( Camorra, Nhandretta, Cosa Nostra ) Yakusa Tríades chinesas

19 Pirataria Em relação ao crime organizado é hoje tida como atividade de Estado. Possuem alta liquidez econômica. Tem por objetivo desmoralizar as marcas que investem em pesquisa e tecnologia, acentuando as dificuldades empresariais de vários setores.

20 Pirataria No Brasil o decreto de 13/03/2001 institui o Comitê Interministerial de Combate à Pirataria, cujo objetivo é centralizar as atividades de acompanhamentos, bem como propor medidas de coibição junto aos diversos organismos estatais nas esferas Federal, Estadual e Municipal As ações não foram eficazes em razão do alto índice de desemprego formal e da política assistencialista estatal da atual gestão administrativa federal.

21 Segurança Bancária

22 Bancos Economia atual: mais de 80% das transações estão relacionadas ao sistema financeiro => Bancos Transações diárias na ordem de grandeza de Elevado número de correntistas Ainda, que boa parte da população esteja à margem do sistema.

23 Bancos É possível o atendimento pessoal para todos os correntistas? Extratos Cheques Pagamentos Saques ( locais e remotos )

24 Bancos Solução: Atendimento descentralizado Serviços em quiosques Acesso discado client-server Acesso WEB Benefícios Realizar o serviço Comodidade para o cliente

25 Bancos O que acontece com o sistema bancário com a perda da credibilidade no Internet Banking e/ou Caixas Eletrônicos? Resposta: COLAPSO

26 Bancos Responsabilidade objetiva Inversão do ônus da prova na relação com o cliente Código de Defesa do Consumidor Investimento de 5% do lucro em Segurança Não deixar gerar expectativa negativa quanto a credibilidade do sistema junto à população

27 Bancos Reuniões e Campanhas periódicas sobre orientação ao usuário quanto ao uso dos processos de automação. Investimentos constantes em melhorias dos processos internos de automação. Criação de Comitê Interno de Fraudes.

28 Bancos Riscos da Atividade Risco de crédito Risco de mercado Risco Operacional A partir de 2005, ficam obrigados a prestar informações sobre as atividades operacionais, buscando medir o risco operacional => Projeto Basiléia 2

29 Bancos Principais Riscos Operacionais Operações de Off-Shore maliciosas Operações de Lavagem de Dinheiro Narcotráfico Contrabando Terrorismo Corrupção Política Caixa 2 de empresas

30 Engenharia Social

31 Engenharia Social O conceito de engenharia social traduz a ação de uma pessoa mal intencionada se passar por uma ou mais pessoas, enganando os colaboradores de uma organização. Por mais extraordinário que possa parecer, o método mais simples, mais usado e, infelizmente, mais eficiente de se descobrir uma senha é perguntando!

32 Engenharia Social É um conjunto de técnicas de comunicação social elaboradas para obtenção de informações privilegiadas sobre: Organização Pessoa Fundamentos: Sociologia Psicologia

33 Engenharia Social É um meio fraudulento de obtenção de dados para consecução de outras fraudes. Fraudes Advance Fee Fraude imediata, obtem-se a vantagem patrimonial ab-initio Capital Vanice Fraude interativa, obtem-se vantagem patrimonial mediante uma série de ações sucessivas.

34 Engenharia Social Como evitar: Não divulgar sob nenhuma hipótese dados que possam vir a compor uma informação útil. Treinamento dos profissionais de atendimento ao público, com limites as informações operadas. Ex. Operador de Telemarketing Adm. de cartões de crédito Help-Desk

35 Engenharia Social as fraudes eletrônicas representaram 300 milhões de reais em 2005, segundo dados da Febraban. Existem três formas de se realizar uma fraude na internet. Atacando o servidor, interceptando dados durante a transmissão e usando técnicas e táticas para roubar informações do usuário final.

36 Engenharia Social Para os bancos, os dois primeiros itens estão fortemente protegidos e o elo mais fraco dessa corrente é o usuário final, que não se previne ou toma atitudes preventivas para evitar a falha.

37 Segurança Bancária As duas formas mais comuns, no Brasil, segundo a Febraban, são o scam e o phishing, ambos técnicas por . O scam é geralmente um com uma mensagem falsa, ou com um cavalo-de-tróia, ou um arquivo, que se instalado na máquina do usuário, passa a coletar informações do usuário.

38 Segurança Bancária O phishing também é um , com um link que leva para um site falso, porém muito parecido com o original. Nele, o usuário digita suas senhas, que são armazenadas em um servidor e depois usadas pelo fraudador para fazer transferências ou compras.

39 Segurança Bancária Proteção: Sistema Operacional atualizado Preferencialmente com NTFS Software Antivírus Firewall Pessoal bem configurado Não usar softwares de mensagem Instantânea (ICQ, MSN, Yahoo ) Não usar software peer-to-peer ( Emule, Kazza )

40 Segurança Bancária Não abrir s desconhecidos ( Não ser curioso em demasia ) Não visitar sites que exijam instalação de plug-ins para acessa-los Caso não vá utilizar o computador em operações de E-Commerce ou Bancárias o uso de tudo isso é livre, com o risco assumido pelo usuário.

41 Segurança Bancária Como o processo ocorre no micro Páginas HTML Estática Dinâmica => DHTML Controles Applet ActiveX Instalação Depende de ato volitivo do usuário Somente controles com certificado de autenticação e de fontes seguras

42 Segurança Fiscal

43 Segurança Fiscal Refere-se a vazamento dos perfis sócio econômico dos contribuintes do fisco federal, estadual e ou municipal. É comum conseguir em bancas de ambulantes, CDs com informações do IRPF, por exemplo.

44 Segurança Bancária Também é comum o contribuinte receber para regularização de pendências fiscais. Em todas o risco é iminente, pois tais informações retratam o caráter patrimonial do contribuinte e estas são de grande valia para o crime organizado na Indústria de Sequestros.

45 Segurança Bancária Dica: Para saber se há vazamento de informações no fisco federal, crie uma conta de para uso apenas na Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física. Depois é só aguardar as ofertas em spams.

46 Fraudes Comuns

47 Fraudes Situação 1 - o usuário recebe um ou ligação telefônica, de um suposto funcionário da instituição que mantém o site de comércio eletrônico ou de um banco. Neste ou ligação telefônica o usuário é persuadido a fornecer informações sensíveis, como senhas de acesso ou número de cartões de crédito.

48 Fraudes Situação 2 - o usuário recebe um , cujo remetente pode ser um suposto funcionário, gerente, ou até mesmo uma pessoa conhecida, sendo que este contém um programa anexado. A mensagem, então, solicita que o usuário execute o programa para, por exemplo, obter acesso mais rápido a um site de comércio eletrônico ou ter acesso a informações mais detalhadas em sua conta bancária. Então:

49 Fraudes Teclas digitadas: um programa pode capturar e armazenar todas as teclas digitadas pelo usuário, em particular, aquelas digitadas logo após a entrada em um site de comércio eletrônico ou de Internet Banking. Deste modo, o programa pode armazenar e enviar informações sensíveis (como senhas de acesso ao banco ou números de cartões de crédito) para um atacante;

50 Fraudes Posição do cursor e tela: alguns sites de Internet Banking têm fornecido um teclado virtual, para evitar que seus usuários utilizem o teclado convencional e, assim, aumentar o nível de segurança na realização de transações bancárias via Web. O fato é que um programa pode armazenar a posição do cursor e a tela apresentada no monitor, nos momentos em que o mouse foi clicado. Estas informações permitem que um atacante, por exemplo, saiba qual foi a senha de acesso ao banco utilizada pelo usuário;

51 Fraudes Webcam: um programa pode controlar a Webcam do usuário, direcionando-a para o teclado, no momento em que o usuário estiver acessando um site de comércio eletrônico ou de Internet Banking. Deste modo, as imagens coletadas (incluindo aquelas que contém a digitação de senhas ou número de cartões de crédito) podem ser enviadas para um atacante.

52 Fraudes Situação 3 - um atacante compromete o servidor de nomes do provedor do usuário, de modo que todos os acessos a um site de comércio eletrônico ou Internet Banking são redirecionados para uma página Web falsificada, semelhante ao site verdadeiro.

53 Fraudes Neste caso, um atacante pode monitorar todas as ações do usuário, incluindo, por exemplo, a digitação de sua senha bancária ou do número de seu cartão de crédito. É importante ressaltar que nesta situação normalmente o usuário deve aceitar um novo certificado (que não corresponde ao site verdadeiro) e o endereço mostrado no browser do usuário poderá ser diferente do endereço correspondente ao site verdadeiro;

54 Fraudes Situação 4 - o usuário pode ser persuadido a acessar um site de comércio eletrônico ou de Internet Banking, através de um link recebido por ou em uma página de terceiros.

55 Fraudes Este link pode direcionar o usuário para uma página Web falsificada, semelhante ao site que o usuário realmente deseja acessar. A partir daí, um atacante pode monitorar todas as ações do usuário, incluindo, por exemplo, a digitação de sua senha bancária ou do número de seu cartão de crédito. Também é importante ressaltar que nesta situação normalmente o usuário deve aceitar um novo certificado (que não corresponde ao site verdadeiro) e o endereço mostrado no browser do usuário será diferente do endereço correspondente ao site verdadeiro;

56 Fraudes Situação 5 - o usuário, ao utilizar computadores de terceiros para acessar sites de comércio eletrônico ou de Internet Banking, pode ter todas as suas ações monitoradas (incluindo a digitação de senhas ou número de cartões de crédito), através de programas especificamente projetados para este fim (como visto na situação 2).

57 Fraudes Apesar de existirem todas estas situações de risco, também existem alguns cuidados, relativamente simples, que podem e devem ser seguidos pelos usuários ao acessarem sites de comércio eletrônico e Internet Banking, de modo a evitar que fraudadores utilizem seus dados (principalmente dados sensíveis).

58 REFERÊNCIAS ANTUNES, Paulo Bessa. Direito Ambiental. 2ed. Amplamente Reformulado. 14ª ed., Rio de Janeiro: Atlas, Amaral, Diogo Freitas, Ciência Política, vol I,Coimbra,1990 AQUINO, Rubim Santos Leão de. et al. História das Sociedades Americanas. 7 ed. Rio de Janeiro: Record, ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna, ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História. 4 ed. São Paulo: Ática, ASCENSÃO, José de Oliveira. Breves Observações ao Projeto de Substitutivo da Lei de Direitos Autorais. Direito da Internet e da Sociedade da Informação. Rio de Janeiro: Ed. Forense, BRANCO JR., Sérgio Vieira. Direitos Autorais na Internet e o Uso de Obras Alheias. Ed. Lúmen Júris, BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. V. 2, Parte Especial. 10. Ed. São Paulo: Saraiva, CERQUEIRA, João da Gama. Tratado da Propriedade Industrial, vol. II, parte II. Revista Forense: Rio de Janeiro, CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998. COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e Geral. 6 ed. São Paulo: Saraiva, CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, DEON SETTE, MARLI T. Direito ambiental. Coordenadores: Marcelo Magalhães Peixoto e Sérgio Augusto Zampol DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: teoria das obrigações contratuais e extracontratuais. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1998, v. 3. DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, v. 1, 2 e 3.

59 REFERÊNCIAS FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. 6.ed. São Paulo: Atlas, FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 13ª ed., rev., atual. E compl. São Paulo :Saraiva, FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de direito penal: especial. 11. ed. atual. por Fernando Fragoso. Rio de Janeiro : Forense, GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, vol I: Parte Geral. São Paulo: Saraiva, 2007 GAGLIANO, Plablo Stolze & PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil, v. 1-5 ed. São Paulo: Saraiva GRINOVER, Ada Pellegrini et al. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 8. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: FU, JESUS, Damásio E. de. Direito Penal V. 2 Parte Especial dos Crimes Contra a Pessoa a dos Crimes Contra o Patrimônio. 30 ed. São Paulo: Saraiva, LAKATOS, Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997 LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 1999 MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais.4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: RT, MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual de direito e processo do trabalho. 18.ed. São Paulo: Saraiva, MARTINS, Sérgio Pinto.Direito do Trabalho. 25.ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1988 MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo: RT, MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. 18. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2006.

60 REFERÊNCIAS MORAES, de Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, PEIXINHO, Manoel Messias. Os princípios da Constituição de Rio de Janeiro: Lúmen Júris, Piçarra, Nuno, A separação dos poderes como doutrina e princípio constitucional: um contributo para o estudo das suas origens e evolução, Coimbra, Coimbra Editora, 1989 NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil, v.1. Rio de Janeiro: Forense POLETTI, Ronaldo. Introdução ao Direito. 4. ed., São Paulo: Saraiva, PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 11. ed. São Paulo : RT, 2007, v. 2. REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 27.ed São Paulo: Saraiva, REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 1 e 2. RUSSOMANO, Mozart Victor. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica. Itajai: EdUnivali, 2002 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil (Parte Geral), v.1 3 ed. São Paulo: Atlas ATENÇÃO Parte deste material foi coletado na internet e não foi possível identificar a autoria. Este material se destina para fins de estudo e não se encontra completamente atualizado.

61 FIM Obrigado pela atenção!! Acimarney C. S. Freitas Advogado OAB-BA Nº Professor de Direito do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA campus de Vitória da Conquista Diretor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA campus de Brumado. Bacharel em Teologia Especialista em Direito Educacional - FTC Especialista em Educação Profissional e de Jovens e Adultos - IFBA Mestrando em Filosofia - UFSC Facebook: Ney Maximus

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13 13.1. Interação do conceito: o legado é uma deixa testamentária dentro do acervo transmitido pelo autor da herança; o legado deve ser instituído por testamento,

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23 23.1. Conceito. Fundamento: conforme a dicção do art. 2.002, os herdeiros que receberam doações do ascendente comum, estão obrigados a conferir seus valores, para

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 3. DIREITO ROMANO Importância histórica fundamental. 3.1. Importância: compreensão como direito universal; base da forma de intuição da metodologia e do

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12 12.1. Pessoa jurídica: atribuição de personalidade a um ente que se torna sujeito de direitos e obrigações. 12.2. Principais pessoas jurídicas: associações

Leia mais

ESCOLAS PENAIS. Escola clássica. Kant: pena imperativo categórico retribuição ética.

ESCOLAS PENAIS. Escola clássica. Kant: pena imperativo categórico retribuição ética. DIREITO PENAL I Conceito: o corpo orgânico de concepções contrapostas sobre a legitimidade do direito de punir, sobre a natureza dos delitos e o fim das ações. Escola clássica Kant: pena imperativo categórico

Leia mais

A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense

A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense OBJETO DE ESTUDO A Universidade Federal Fluminense, tendo como eixo a produção,

Leia mais

A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL

A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL BRASIL COLONIAL: AUSÊNCIA DE DIREITOS E DE PODER PÚBLICO Uma das razões fundamentais das dificuldades da construção

Leia mais

DEFINIÇÃO. Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER

DEFINIÇÃO. Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER ANISTIA FISCAL DEFINIÇÃO Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER A CONCESSÃO É UMA OPÇÃO POLÍTICA DO GOVERNANTE QUEM RENUNCIA? UNIÃO ESTADO MUNICIPIO AMPARO LEGAL É CONCEDIDA ATRAVÉS

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1 1.1. Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões: em sentido amplo, a sucessão para o direito compreende a substituição do titular de um direito; uma

Leia mais

500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO

500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO 500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO Das 500 maiores corporações do mundo em valor, 48% são americanas, 30% são européias e 10% são japonesas. Não há sequer uma latino-americana ou africana na lista, e apenas

Leia mais

Parentesco. É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento).

Parentesco. É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento). Parentesco É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento). Parentesco consanguíneo: é o estabelecido mediante um ancestral

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24 24.1. Partilha. Conceito. Início do procedimento: a partilha ocorre quando já se conhece o montante hereditário, dividindo-se os bens entre os herdeiros e legatários

Leia mais

Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro

Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro 1. O CICLO DO OURO Século XVIII. MG, MT, GO Movimento bandeirante (séc XVII): Bandos armados que percorriam o interior do país em busca de riquezas. Origem: São Vicente

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO)

PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO) PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO) Usuário Anterior de Boa-Fé Art. 45 da Lei 9.279/96. Vislumbramos duas possíveis aplicações para essa exceção. A primeira

Leia mais

A TUTELA DO MEIO AMBIENTE

A TUTELA DO MEIO AMBIENTE A TUTELA DO MEIO AMBIENTE Definição do bem jurídico do meio ambiente De acordo com Ana Maria Moreira Marchesan, Annelise Monteiro Steigleder e Sílvia Cappelli trata-se de um macrobem jurídico, incorpóreo,

Leia mais

Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho

Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho Como no Processo Civil, os atos não dependem de forma específica, salvo quando a lei o exigir, reputando-se válidos os que cumprirem a sua finalidade.

Leia mais

AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS

AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS Cerca de 800 milhões de pessoas passam fome no mundo, a maioria na África e na Ásia. O problema da fome continuará existindo enquanto a tecnologia, o

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7 7.1. Sucessão legítima testamentária: o testamento serve para que o autor da herança possa alterar ordem de vocação hereditária exposta na lei; os herdeiros necessários

Leia mais

Direito Comercial - Introdução

Direito Comercial - Introdução Direito Comercial - Introdução Direito Comercial Noção Clássica: Direito privado especial do comércio (MORGADO) Noção Moderna: O Direito Comercial atual não se restringe a regular a profissão de comerciante

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR

PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMPREENDE: DIREITOS DO AUTOR LEI n. 9.610, de 19/02/1998; PROPRIEDADE INDUSTRIAL LEI n. 9.279, de 14/05/1996;

Leia mais

A CRISE DO ANTIGO REGIME

A CRISE DO ANTIGO REGIME A CRISE DO ANTIGO REGIME Definição: movimento político, militar e religioso que destruiu o absolutismo na Inglaterra instalando naquele país a primeira monarquia parlamentar da história; Quando: século

Leia mais

O sistema da propriedade intelectual em Moçambique

O sistema da propriedade intelectual em Moçambique O sistema da propriedade intelectual em Moçambique Propriedade Intelectual A propriedade intelectual engloba todos os tipos de propriedade que resultam das criações da mente humana o intelecto humano.

Leia mais

As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA

As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA Em 2000 se desencadeou um caos por toda a cidade do subúrbio até o centro da cidade. ORGANOGRAMA AS CONSEQÜÊNCIA DO ALCOOLISMO EM SÃO FÉLIX BA

Leia mais

5.9 Direito Civil Dos Contratos

5.9 Direito Civil Dos Contratos 5.9 Direito Civil Dos Contratos Divisão do Estudo 5.9.1 - Dos contratos 5.9.2 - Princípios fundamentais 5.9.3 - Pressupostos e requisitos 5.9.4 - Contratos ilícitos Conceito - Contrato é a convenção estabelecida

Leia mais

SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA

SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA PRINCIPAIS CAUSAS DO AUMENTO DO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA DADOS REFENTES AO PERÍODO DE 1.968 A 1.985. 1.968 ABERTURA DA ECONOMIA AO RESTO DO MUNDO

Leia mais

Propriedade Intelectual: the basic. - Velhas denominações, novíssimos conteúdos -

Propriedade Intelectual: the basic. - Velhas denominações, novíssimos conteúdos - Propriedade Intelectual: the basic - Velhas denominações, novíssimos conteúdos - Propriedade Intelectual Direito do autor Propriedade industrial direitos conexos patentes/modelo utilidade marcas indicações

Leia mais

GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs

GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs GESTÃO: ações coordenadas e direcionadas para organizar, dirigir e controlar uma organização. Em 1994, o MTE reformulou a Norma Regulamentadora (NR) nº 09, e instituiu

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6 6.1. Inventário e partilha. Judicialidade do inventário. Questões de alta indagação: a descrição pormenorizada dos débitos e créditos do patrimônio do morto a fim

Leia mais

Noções de Software. Definição

Noções de Software. Definição Noções de Software Definição A rigor, tudo o que pode ser armazenado eletronicamente pode ser chamado de software. Consideraremos aqui, como software, apenas os conjuntos de instruções que determinam o

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11 11.1. Introdução: sob o manto da solenidade o legislador protege a manifestação de vontade do testador e sua autonomia; as formalidades para cada tipo de testamento

Leia mais

Nos dias atuais este tipo de trabalho é visto pela sociedade em geral como algo repugnante, por retirar da criança a infância que é repleta de sonhos

Nos dias atuais este tipo de trabalho é visto pela sociedade em geral como algo repugnante, por retirar da criança a infância que é repleta de sonhos TRABALHO INFANTIL INTRODUÇÃO Desde a revolução industrial o trabalho infantil tem se destacado como uma das forças motoras do desenvolvimento do comércio e da agricultura. Essa dura realidade não é apenas

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 6. CODIFICAÇÃO direito vigente reunido em um texto único e conexo. 6.1. Efeitos: o ideal ensinado nas universidades; aplicação do direito de forma racional.

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8 8.1. Homem sujeito de Direito Status libertatis: atributos decorrentes da posição ocupada pelo indivíduo; livre era o homem que não pertencesse a outro. 8.1.1.

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20 20.1. Nulidades em matéria de testamento: o exame da existência, da validade e o da eficácia do testamento; a manifestação de vontade válida, o agente capaz, objeto

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 5. SISTEMAS JURÍDICOS conceito abrangente, suplanta o senso comum de normas vigentes ou agrupamento de ordenamentos com elementos comuns. 5.1. Compreensão

Leia mais

Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais

Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais Conceitos e Ramos da Proteção da Propriedade Intelectual Os conceitos e as classificações a serem apresentados são aplicados ao contexto nacional e

Leia mais

Noções Gerais Sobre Meio Ambiente

Noções Gerais Sobre Meio Ambiente Noções Gerais Sobre Meio Ambiente 1 1 - A escassez e o conflito 2 A Escassez: O Problema Econômico Por que continuamos a lutar pela vida? Podemos dizer que há dois motivos fundamentais: 1- Desejos materiais

Leia mais

Direito - Conceito Clássico. É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana.

Direito - Conceito Clássico. É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana. DIREITO EMPRESARIAL Direito - Conceito Clássico É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana. NORMA JURÍDICA - CONCEITO CLÁSSICO É a regra social garantida pelo poder

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE QUEDA

PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE QUEDA PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE 1 Objetivo e Definição 1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento,

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 9

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 9 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 9 9.1. Introdução: para cada dez sucessões legítimas que se abrem ocorre uma única sucessão testamentária (Washington de Barros Monteiro); fatores sociológicos, o excesso

Leia mais

Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA

Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA 1 AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA/RIMA OU EPIA/RIMA 2 2 EIA/RIMA OU EPIA/RIMA Legislação: A) Federal: Lei 6938/81 (PNMA), art. 9ª e 10. Resolução CONAMA 001/86 (Dispõe

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS

COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS INTRODUÇÃO: Informática aspectos positivos celeridade da informação; Quantidade de informação # qualidade da informação; Direito proteção ao cidadão contra

Leia mais

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA CORES NA SEGURANÇA DO TRABALHO

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA CORES NA SEGURANÇA DO TRABALHO VERMELHO -DISTINGUIR E INDICAR EQUIPAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIO (EX.EXTINTRES, HIDRANTES, TUBULAÇÕES, HASTES, VÁLVULAS DE INCÊNDIO, CAIXAS DE ALARMES, BOMBAS DE INCÊNDIO, SIRENES, LOCALIZAÇÃO DE MANGUEIRAS

Leia mais

O DIREITO DO TRABALHO - histórico

O DIREITO DO TRABALHO - histórico O DIREITO DO TRABALHO - histórico Aparece como a expressão do humanismo jurídico e instrumento de renovação social. Constitui atitude de intervenção jurídica em busca de um melhor relacionamento entre

Leia mais

Delitos Digitais Crimes na Internet Crimes por Computador

Delitos Digitais Crimes na Internet Crimes por Computador Delitos Digitais Crimes na Internet Crimes por Computador 1 Base Legal LEI Nº 12.737, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 LEI Nº 12.735, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940.

Leia mais

Apuração Eleitoral. É a forma de se saber ou definir quem é vitorioso em uma eleição. Revela a vontade dos eleitores.

Apuração Eleitoral. É a forma de se saber ou definir quem é vitorioso em uma eleição. Revela a vontade dos eleitores. É a forma de se saber ou definir quem é vitorioso em uma eleição. Revela a vontade dos eleitores. Um candidato bem votado está eleito? Não se vota no partido ou coligação. Um candidato com poucos votos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS NR 7 e NR 9

NORMAS REGULAMENTADORAS NR 7 e NR 9 NORMAS REGULAMENTADORAS NR 7 e NR 9 NR 9 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) NR 9 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) Esta NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação

Leia mais

POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS

POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA Recurso ou bem econômico -finita -vulnerável -essencial -- Recurso ambiental -alteração adversa -degradação da qualidade ambiental - Controle da poluição -qualidade compatível

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA

A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA: NOME PERÍODO CRÂNIO LOCAL CARACTERÍSTICA Australopithecus 4,2 1,4 milhões Homo habilis 2 1,5 milhões 700 cm 3 África Postura semi-ereta, uso de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO O QUE É FONTE DO DIREITO? ORIGEM ETIMOLÓGICA FONS OU FONTIS = NASCENTE DE ÁGUA FONTE = ORIGEM, BASE FONTE DO DIREITO = ORIGEM DO DIREITO ESPÉCIES DE FONTES DO DIREITO MIGUEL

Leia mais

Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet

Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet Cartilha de Segurança para Internet Parte IV: Fraudes na Internet NIC BR Security Office nbso@nic.br Versão 2.0 11 de março de 2003 Resumo Esta parte da cartilha aborda questões relacionadas à fraudes

Leia mais

Princípios gerais de segurança no trabalho

Princípios gerais de segurança no trabalho Princípios gerais de segurança no trabalho Medidas de controle Medidas de proteção coletiva Eliminação do risco prioridade (substituição de matéria prima tóxica) Neutralização do risco impossibilidade

Leia mais

NR-6: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR-6: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR-6: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) INTRODUÇÃO EPI: Todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança

Leia mais

Assentamento e Acampamento PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA PRODUÇÃO FAMILIAR RURAL.

Assentamento e Acampamento PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA PRODUÇÃO FAMILIAR RURAL. Assentamento e Acampamento PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA PRODUÇÃO FAMILIAR RURAL. OBJETIVO Apoiar a implantação e o desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis compostos de atividades

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO NR - 23 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Noções de Direito Constitucional Direito Constitucional é o ramo do direito que estuda a Constituição. Mas que tipo de Constituição? Definir pelo definido é extremamente limitador,

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (FAP E NTEP) E SEU IMPACTO NO SETOR DE SAÚDE

ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (FAP E NTEP) E SEU IMPACTO NO SETOR DE SAÚDE ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (FAP E NTEP) E SEU IMPACTO NO SETOR DE SAÚDE CARACTERÍSTICA DO SETOR Importância econômica Índices de acidentes e doenças Desvalorização da prevenção Terceirização

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER INTRODUÇÃO Atualmente a violência tem se exacerbado no comportamento humano sejam quanto aos crimes coletivos ou individuais, dos atentados e das guerras, e àqueles praticados

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO ASPECTOS HISTÓRICOS

CONSTITUCIONALISMO ASPECTOS HISTÓRICOS CONSTITUCIONALISMO ASPECTOS HISTÓRICOS Pré-história Constitucional Diversos textos com características constitucionais surgiram na história da humanidade, como exemplo a Magna Carta inglesa (1215) que

Leia mais

PRINCÍPIOS LIMITADORES DO PODER PUNITIVO ESTATAL

PRINCÍPIOS LIMITADORES DO PODER PUNITIVO ESTATAL DIREITO PENAL I PRINCÍPIOS LIMITADORES DO PODER PUNITIVO ESTATAL OBJETIVO garantia do cidadão perante poder punitivo estatal. Ideias igualdade e liberdade caráter menos cruel. Controle penal voltado para

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 8

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 8 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 8 8.1. Restrição à liberdade de testar. Histórico. Fundamento: a liberdade do testador será restrita se ele tiver descendente ou ascendente sucessível (art. 1.846);

Leia mais

Proteção Jurídica do Software. Conceitos de software proprietário, software livre e software open-source

Proteção Jurídica do Software. Conceitos de software proprietário, software livre e software open-source Proteção Jurídica do Software Conceitos de software proprietário, software livre e software open-source Base Legal Lei Nº 9.609/98 Introdução O que é software? Softwares são programas. Programas são roteiros,

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROPRIEDADE INDUSTRIAL Sumário 1. Regime Jurídico 2. Bens Integrantes da Propriedade Industrial 3. Direito Industrial e Direitos Autorais 4. Patentes 5. Segredo Industrial 6. Registro Industrial 7. União

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DE ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO PARA O NORDESTE SETENTRIONAL

TRANSPOSIÇÃO DE ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO PARA O NORDESTE SETENTRIONAL TRANSPOSIÇÃO DE ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO PARA O NORDESTE SETENTRIONAL INTRODUÇÃO TRANSPOSIÇÃO DE AGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO PARA O NORDESTE SETENTRIONAL. QUESTÃO HISTÓRICA QUE SE ENCONTRA EM DISCUSSÃO

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 14

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 14 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 14 14.1. As coisas in patrimonio: suscetíveis de propriedade privada. 14.1.1. Res mancipi e res nec mancipi: respectivamente as coisas mais úteis e as coisas

Leia mais

SERGIO BUARQUE DE HOLANDA Vida e obra O homem

SERGIO BUARQUE DE HOLANDA Vida e obra O homem SERGIO BUARQUE DE HOLANDA Vida e obra O homem TEXTO E CONTEXTO A criação da identidade nacional. In : Outros Caminhos, p.68-78 HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA Paulo Prado - Retrato do Brasil 1928: obra marcada

Leia mais

Segurança na Internet. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais

Segurança na Internet. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais Segurança na Internet Disciplina: Informática Prof. Higor Morais 1 Agenda Segurança de Computadores Senhas Engenharia Social Vulnerabilidade Códigos Maliciosos Negação de Serviço 2 Segurança de Computadores

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Tópicos 1- Introdução à Engenharia de Software 2 - Fundamentos Organizacionais de Sistemas de Informação 3- Gerência de projeto de software 4- Gerenciamento para a qualidade de software

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 5

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 5 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 5 5.1. Herança sem herdeiros. Jacência: a herança é jacente quando se desconhece os seus herdeiros, ou então quando os herdeiros conhecidos repudiaram a herança, renunciaram

Leia mais

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1

Blinde seu caminho contra as ameaças digitais. Manual do Produto. Página 1 ] Blinde seu caminho contra as ameaças digitais Manual do Produto Página 1 O Logon Blindado é um produto desenvolvido em conjunto com especialistas em segurança da informação para proteger os clientes

Leia mais

ORIGENS DO SOCIALISMO

ORIGENS DO SOCIALISMO A SOCIAL-DEMOCRACIA ORIGENS DO SOCIALISMO As origens do socialismo estiveram atadas ao desenvolvimento da sociedade industrial, em algum ponto entre meados e fins do século XVIII. O socialismo começou

Leia mais

PPRA - É o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, conhecido como NR-9, que objetiva levantar as condições do ambiente de trabalho e indicar os

PPRA - É o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, conhecido como NR-9, que objetiva levantar as condições do ambiente de trabalho e indicar os PPRA - É o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, conhecido como NR-9, que objetiva levantar as condições do ambiente de trabalho e indicar os procedimentos preventivos. NR-9 - Este norma estabelece

Leia mais

Brasil Colônia Econômica Canavieira

Brasil Colônia Econômica Canavieira Brasil Colônia Econômica Canavieira 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor.

Leia mais

O Protocolo de Kyoto preocupa-se com o clima do planeta.

O Protocolo de Kyoto preocupa-se com o clima do planeta. TRATADO DE KYOTO O Protocolo de Kyoto preocupa-se com o clima do planeta. Protocolo de Kyoto Quioto ou Kyoto, como é mundialmente conhecido, é um tratado internacional que nasceu em conseqüência de uma

Leia mais

CONFLITOS, INTEGRAÇAO E MUDANÇAS SOCIAIS O PAPEL DAS NORMAS JURÍDICAS

CONFLITOS, INTEGRAÇAO E MUDANÇAS SOCIAIS O PAPEL DAS NORMAS JURÍDICAS CONFLITOS, INTEGRAÇAO E MUDANÇAS SOCIAIS O PAPEL DAS NORMAS JURÍDICAS I INTRODUÇÃO II -TEORIAS FUNCIONALISTAS E DO CONFLITO SOCIAL III -ANOMIA E REGRAS SOCIAIS IV -O DIREITO COMO PROPULSOR E OBSTÁCULO

Leia mais

FALECIDO EM OUTUBRO DE 1973 COM 92 ANOS; SUA PRIMEIRA OBRA PUBLICADA FOI HAUPTPROBLEME DER STAATSRECHTSSLEHRE EM 1911; KELSEN PUBLICOU MAIS DE 1.

FALECIDO EM OUTUBRO DE 1973 COM 92 ANOS; SUA PRIMEIRA OBRA PUBLICADA FOI HAUPTPROBLEME DER STAATSRECHTSSLEHRE EM 1911; KELSEN PUBLICOU MAIS DE 1. A TEORIA DE KELSEN KELSEN... HÁ DOIS TIPOS DE KELSEN: OS QUE TODOS CONHECEM E ADOTAM COMO LIÇÃO PARA A CIÊNCIA JURÍDICA; E O KELSEN DE AFIRMAÇÕES DIFÍCEIS DE SE SUSTENTAR; NASCIDO EM 1881 EM PRAGA (IMPÉRIO

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO 1ª PARTE

DIREITO SOCIETÁRIO 1ª PARTE DIREITO SOCIETÁRIO 1ª PARTE PESSOA JURÍDICA As pessoas jurídicas podem ser de Direito Público (União, Estados, Distrito Federal, etc.) ou de Direito Privado. As pessoas jurídicas de Direito Privado são

Leia mais

versão 1.0 26/02/2010

versão 1.0 26/02/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Espírito Santo POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO versão 1.0 26/02/2010 Pró-Reitoria

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 9 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 9 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 9 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 9.1. Pessoa natural: ser humano, pessoa na acepção jurídica, com capacidade de direito. 9.2. Começo da personalidade natural: a personalidade civil da

Leia mais

Função Social da Propriedade e da Pose

Função Social da Propriedade e da Pose Função Social da Propriedade e da Pose Função Social da Posse Posse e Propriedade de Satélite a Astro. In: A Propriedade e a Posse: um confronto em torno da função Social. 2. ed. Rio de Janeiro: LumenIuris,

Leia mais

...As religiões são fenômenos inerentes à cultura humana tal qual as artes e técnicas. (CARDIM, 2007)

...As religiões são fenômenos inerentes à cultura humana tal qual as artes e técnicas. (CARDIM, 2007) CANDOMBLÉ Quem renuncia à procriação rompe a corrente vital e atraiçoa gravemente os antepassados na continuidade de seu existir. A procriação é prova do dinamismo vital. Muitos são os ritos que protegem

Leia mais

AQUISIÇÕES MARÇO/ABRIL

AQUISIÇÕES MARÇO/ABRIL AQUISIÇÕES MARÇO/ABRIL NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de direito penal: parte geral e parte especial. 7.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011. 1151 p. AZEVEDO, Álvaro Villaça. Estatuto da família

Leia mais

Qual a importância da Segurança da Informação para nós? Quais são as características básicas de uma informação segura?

Qual a importância da Segurança da Informação para nós? Quais são as características básicas de uma informação segura? Qual a importância da Segurança da Informação para nós? No nosso dia-a-dia todos nós estamos vulneráveis a novas ameaças. Em contrapartida, procuramos sempre usar alguns recursos para diminuir essa vulnerabilidade,

Leia mais

REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A.

REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A. 1 O participante indicado abaixo, objetivando atuar na qualidade de Intermediário,

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. Nossa política de privacidade, às vezes, poderá ser modificada para atender eventuais necessidades. Verifique esta

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa: tipos de pesquisa e técnicas de investigação científica

Métodos e técnicas de pesquisa: tipos de pesquisa e técnicas de investigação científica Métodos e técnicas de pesquisa: tipos de pesquisa e técnicas de investigação científica Níveis de Pesquisa Os níveis de pesquisa variam de acordo com os objetivos a que a pesquisa se propõe. Podem ser

Leia mais

Manual de SQUI Uso da Internet

Manual de SQUI Uso da Internet PE Manual de SQUI Uso da Internet Conteúdo Introdução...3 Finalidade... 3 Internet...4 Regras e Normas... 4 Monitoramento.....9 Causas à Desrespeito das Regras...10 Declaração de Acordo...11 Copyright

Leia mais

Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br

Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br Prof. Jefferson Costa www.jeffersoncosta.com.br Preservação da: confidencialidade: Garantia de que o acesso à informação seja obtido somente por pessoas autorizadas. integridade: Salvaguarda da exatidão

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

Contratos de Transferência de Tecnologia

Contratos de Transferência de Tecnologia Contratos de Transferência de Tecnologia Karin Klempp, LL.M. 8 de abril de 2010 O que é Tecnologia? Conjunto de conhecimentos, especialmente princípios científicos, que se aplicam a um determinado ramo

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

Termos de Serviços. 1. Aceitação dos Termos de Serviços

Termos de Serviços. 1. Aceitação dos Termos de Serviços 1. Aceitação dos Termos de Serviços Termos de Serviços 1. A VORTEX fornece a você (CONTRATANTE), sujeito aos Termos descritos a seguir, diversos serviços. Ao autorizar um serviço específico da VORTEX MARKETING

Leia mais

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética;

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética; De: Nelson Parente Junior [mailto:parente@santos.sp.gov.br] Enviada em: segunda-feira, 30 de agosto de 2010 11:56 Para: Consulta Direito Autoral Assunto: Consulta Pública Prezado Senhores, encaninho para

Leia mais

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados Outubro de 2013 Regras

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE CORPERATIVO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE CORPERATIVO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE CORPERATIVO Bruno Santos RODRIGUES 1 Mário Augusto Andreta CARVALHO 2 RESUMO: A Segurança da Informação refere-se à proteção requerida para proteger as informações de

Leia mais

Termos de Uso. 1. Escopo

Termos de Uso. 1. Escopo Termos de Uso 1. Escopo 1.1 A utilização da página de Internet disponibilizada pela Siemens Aktiengesellschaft e / ou suas subsidiárias ("Siemens"), " Web Site da Siemens ", está sujeita a estas Condições

Leia mais

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA REVENDAS FORNECEDOR: WORKSOFT INFORMÁTICA LTDA., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 08.707.221/0001-06, com sede

Leia mais