Aula de Laboratório 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula de Laboratório 1"

Transcrição

1 Aula de Laboratório 1 1.Comando Ipconfig 1.1 Uso: ipconfig [/? /all /renew [adapter] /release [adapter] /flushdns /displaydns /registerdns /showclassid adapter /setclassid adapter [classid] ] em que adapter é Nome da conexão, (caracteres curinga * e? permitidos) Opções: /? Exibir esta mensagem de ajuda /all Exibir informações completas de configuração. /release Liberar o endereço IP para o adaptador especificado. /renew Renovar o endereço IP para o adaptador especificado. /flushdns Depura a cache DNS Resolver. /registerdns Atualiza todas as concessões DHCP e registra novamente nomes DNS /displaydns Exibe o conteúdo da cache DNS Resolver. /showclassid Exibe todas as identificações de classe dhcp permitidas para o adaptador. /setclassid Modifica a identificação de classe dhcp. O padrão é exibir apenas o endereço IP, máscara de sub-rede e gateway padrão para cada adaptador vinculado ao TCP/IP. Para Release e Renew, se não for especificado um nome de adaptador, as concessões de endereço IP para todos os adaptadores vinculados ao TCP/IP são liberadas ou renovadas. Para Setclassid, se não for especificada uma ClassId, a ClassId é removida. 1.2 Exemplos: > ipconfig Mostrar informações. > ipconfig /all... Mostrar informações detalhadas > ipconfig /renew... renovar todos os adaptadores > ipconfig /renew EL* renovar qualquer conexão cujo nome se inicie por EL > ipconfig /release *Con* liberar todas as conexões correspondentes, como, por exemplo, "Conexão de rede local 1" ou " Conexão de rede local 2" 1.3 Exemplo de execução C:\Documents and Settings\FRAIDE> Configuração de IP do Windows Nome do host : fraide Sufixo DNS primário : Tipo de nó : desconhecido Roteamento de IP ativado..... : não Proxy WINS ativado : não

2 Adaptador Ethernet Conexão local: Sufixo DNS específico de conexão. : Descrição : SiS 900-Based PCI Fast Ethernet Adapter Endereço físico : 00-E0-18-D1-56-9F DHCP ativado : Sim Configuração automática ativada.. : Sim Endereço IP : Máscara de sub-rede..... : Gateway padrão : Servidor DHCP : Servidores DNS : Concessão obtida : quinta-feira, 8 de junho de :03:12 Concessão expira : domingo, 18 de junho de :03:12 2.Comando ROUTE 2.1 Uso Manipula as tabelas de roteamento de rede. ROUTE [-f] [-p] [comando [destino] [máscara de rede MASK] [gateway] [métrica METRIC] [interface IF] -f Limpa as tabelas de roteamento de todas as entradas de gateway. Se for usado junto com um dos comandos, as tabelas serão limpas antes da execução do comando. -p Quando usado com o comando ADD, torna a rota persistente nas inicializações do sistema. Por padrão, as rotas não são preservadas quando o sistema é reinicializado. Ignorado por todos os outros comandos, que sempre afetam as rotas persistentes apropriadas. Não há suporte para essa opção no Windows 95. comando pode ser: PRINT Imprime uma rota ADD Adiciona uma rota DELETE Exclui uma rota CHANGE Modifica uma rota existente destino Especifica o host. MASK Especifica que o próximo parâmetro é o valor 'máscara de rede'. máscara de rede Especifica um valor de máscara de sub-rede para essa entrada de rota. Se não estiver especificado, será padronizado como gateway interface METRIC Especifica o gateway. o número da interface da rota especificada. especifica a métrica, isto é, o custo para o destino.

3 Todos os nomes simbólicos usados para o destino são procurados no arquivo NETWORKS do banco de dados da rede. Os nomes simbólicos para o gateway são procurados no arquivo HOSTS do banco de dadosde nomes de host. Se o comando for PRINT ou DELETE. O destino ou o gateway podem ser caracteres curinga, (o caractere curinga é especificado como um asterisco '*'), ou o argumento do gateway pode ser omitido. Se Dest contiver um caractere * ou?, será tratado como o padrão do shell e somente as rotas de destino correspondentes serão impressas. O caractere '*' corresponde a qualquer seqüência de caracteres, enquanto o caractere '?' corresponde a qualquer outro caractere. Exemplos: 157.*.1, 157.*, 127.*, *224*. Observações de diagnóstico: MASK inválido gera um erro quando (DEST & MASK)!= DEST. Exemplo: > route ADD MASK IF 1 Falha na adição da rota: o parâmetro MASK especificado é inválido. (Destination && Mask)!= Destination. 2.2 Exemplos: Exemplo 1 > route PRINT > route ADD MASK METRIC 3 IF 2 destination^ ^mask ^gateway metric^ ^ Interface^ Se IF não for fornecido, ocorre a tentativa de localizar a melhor interface para um gateway fornecido. Exemplo 2 > route PRINT > route PRINT 157*... Exibe apenas 157* correspondentes > route CHANGE MASK METRIC 2 IF 2 CHANGE é usado para modificar somente gateway e/ou métrica. Exemplo 3 > route PRINT > route DELETE > route PRINT O comando route print é equivalente ao netstat r 2.3 Exemplo de execução C:\Documents and Settings\FRAIDE>route print ========================================================================= Lista de interfaces 0x1... MS TCP Loopback interface 0x e0 18 d1 56 9f... SiS 900-Based PCI Fast Ethernet Adapter =========================================================================

4 ========================================================================= Rotas ativas: Endereço de rede Máscara Ender. Gateway Interface Custo Gateway padrão: ========================================================================= Rotas persistentes: Nenhuma 3.Comando PING 3.1 Uso ping [-t] [-a] [-n num] [-l tamanho] [-f] [-i TTL] [-v TOS] [-r num] [-s num] [[-j lista_hosts] [-k lista_hosts]] [-w tempo_limite] nome_destino Opções: -t Dispara contra o host especificado até ser interrompido. Para ver estatísticas e continuar, pressione CTRL-Break; para terminar, pressione CRTL-C. -a Resolve endereços para nomes de host. -n num Número de requisições de eco a enviar. O valor padrão é 4. -l tamanho Envia o tamanho do buffer. -f Ativa o sinalizador de não-fragmentação no pacote. -i TTL Define o tempo de vida. -v TOS Define o tipo de serviço. -r num Rota dos pacotes para <num> saltos. -s num Data e hora para <num> saltos. -j lista_hosts Rota ampliada de origens definida em <lista_hosts>. -k lista_hosts Rota restrita de origens definida em <lista_hosts>. -w tempo_limite Tempo limite em milissegundos a aguardar para cada resposta. 3.2 Exemplos C:\Documents and Settings\FRAIDE>ping google.com.br -n 6 -w 200 -f Disparando contra google.com.br [ ] com 32 bytes de dados: Resposta de : bytes=32 tempo=232ms TTL=237 Resposta de : bytes=32 tempo=234ms TTL=237 Resposta de : bytes=32 tempo=232ms TTL=237 Resposta de : bytes=32 tempo=232ms TTL=237 Resposta de : bytes=32 tempo=229ms TTL=237 Resposta de : bytes=32 tempo=228ms TTL=237

5 Estatísticas do Ping para : Pacotes: Enviados = 6, Recebidos = 6, Perdidos = 0 (0% de perda), Aproximar um número redondo de vezes em milissegundos: Mínimo = 228ms, Máximo = 234ms, Média = 231ms 4.Comando TRACERT (Ou, no linux, TRACEROUTE) 4.1 Uso Uso: tracert [-d] [-h nmax_saltos] [-j lst_hosts] [-w tempo_limite] destino Opções: -d Não resolver endereços para nomes de hosts. -h nmax_saltos Número máximo de saltos para a procura do destino. -j lst_hosts Rota ampliada de origens usada com a lista lst_hosts. -w tempo_limite Tempo de espera em milissegundos para cada resposta. 4.2 Exemplo C:\Documents and Settings\FRAIDE>tracert Rastreando a rota para mc-in-f104.google.com [ ] com no máximo 30 saltos: 1 8 ms 10 ms 7 ms ms 6 ms 7 ms BSBATN1.bsb.virtua.com.br [ ] 3 11 ms 13 ms 10 ms embratel-f6-5-gacc01.bsa.embratel.net.br [ ] 4 23 ms 28 ms 30 ms ebt-g6-0-dist04.bsa.embratel.net.br [ ] 5 26 ms 22 ms 24 ms ebt-p13-0-core01.rjo.embratel.net.br [ ] 6 26 ms 26 ms 25 ms ebt-g5-1-intl03.rjo.embratel.net.br [ ] ms 143 ms 142 ms ebt-so intl02.mianap.embratel.net.br [ ] ms 142 ms 149 ms if-4-2.core1.mln-miami.teleglobe.net [ ] ms 137 ms 140 ms ms 151 ms 149 ms ms 176 ms 171 ms if-0-1.core1.dtx-dallas.teleglobe.net [ ] ms 183 ms 177 ms if-1-0.core2.dtx-dallas.teleglobe.net [ ] ms 204 ms 202 ms if-0-0.mcore4.laa-losangeles.teleglobe.net [ ] ms 227 ms 227 ms if-5-0.mcore4.pdi-paloalto.teleglobe.net [ ] ms 241 ms 229 ms if-5-0.core2.pdi-paloalto.teleglobe.net [ ] ms 229 ms 232 ms Vlan2.msfc2.PDI-PaloAlto.Teleglobe.net [ ] ms 228 ms 229 ms Vlan252.msfc2.PDI-PaloAlto.teleglobe.net [ ] ms 230 ms 238 ms ms 233 ms 229 ms ms 234 ms 233 ms ms 231 ms 234 ms ms 237 ms 227 ms mc-in-f104.google.com [ ] Rastreamento concluído. C:\Documents and Settings\FRAIDE>

6 5.Comando NETSTAT 5.1 Uso Exibe estatísticas de protocolo e conexões de rede TCP/IP atuais. NETSTAT [-a] [-b] [-e] [-n] [-o] [-p proto] [-r] [-s] [-v] [interval] -a Exibe todas as conexões e portas de escuta. -b Exibe o executável envolvido na criação de cada conexão ou porta de escuta. Em alguns casos, executáveis conhecidos hospedam múltiplos componentes independentes, e nesses casos a seqüência de componentes envolvidos na criação da conexão ou porta de escuta é listada. Neste caso, o nome do executável está em [] na parte inferior, na parte superior está o componente por ele chamado, e assim por diante, até chegar ao TCP/IP. Observe que esta opção pode ser vagarosa e falhará a menos que você possua permissões suficientes. -e Exibe estatísticas Ethernet. Isso pode ser combinado à opção -s. -n Exibe endereços e números de porta em formato numérico. -o Exibe a ID do processo proprietário associado a cada conexão. -p proto Exibe conexões para o protocolo especificado por proto; proto pode ser TCP, UDP, TCPv6 ou UDPv6 Se usado com a opção s para exibir estatísticas por protocolo, proto pode ser: IP, IPv6, ICMP, ICMPv6, TCP, TCPv6, UDP ou UDPv6. -r Exibe a tabela de roteamento. -s Exibe as estatísticas por protocolo. Por padrão, as estatísticas são exibidas para IP, IPv6, ICMP, ICMPv6, TCP, TCPv6, UDP e UDPv6; a opção -p pode ser usada para especificar um subconjunto do padrão. -v Quando usado junto com -b, irá exibir a seqüência de componentes envolvidos na criação da conexão ou porta de escuta para todos os executáveis. interval Exibe novamente as estatísticas selecionadas, fazendo uma pausa de segundos entre cada exibição. Pressione CTRL+C para interromper a reexibição de estatísticas. Caso omitido, netstat irá imprimir as informações de configuração uma vez. 5.2 Exemplos de execução C:\Documents and Settings\FRAIDE>netstat -a Conexões ativas Proto Endereço local Endereço externo Estado TCP cap-fraide:epmap cap-fraide:0 LISTENING TCP cap-fraide:microsoft-ds cap-fraide:0 LISTENING TCP cap-fraide:1032 cap-fraide:0 LISTENING TCP cap-fraide:1061 localhost:1062 ESTABLISHED TCP cap-fraide:1062 localhost:1061 ESTABLISHED TCP cap-fraide:netbios-ssn cap-fraide:0 LISTENING TCP cap-fraide: :https ESTABLISHED

7 TCP cap-fraide:ms-sql-s :https ESTABLISHED TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED UDP cap-fraide:microsoft-ds *:* UDP cap-fraide:isakmp *:* UDP cap-fraide:1030 *:* UDP cap-fraide:1072 *:* UDP cap-fraide:4500 *:* UDP cap-fraide:ntp *:* UDP cap-fraide:1026 *:* UDP cap-fraide:1039 *:* UDP cap-fraide:1900 *:* UDP cap-fraide:ntp *:* UDP cap-fraide:netbios-ns *:* UDP cap-fraide:netbios-dgm *:* UDP cap-fraide:1900 *:* C:\Documents and Settings\FRAIDE>netstat -b Conexões ativas Proto Endereço local Endereço externo Estado TCP cap-fraide:1061 localhost:1062 ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide:1062 localhost:1061 ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide: :https ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide:ms-sql-s :https ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] TCP cap-fraide: :http ESTABLISHED 3316 [firefox.exe] C:\Documents and Settings\FRAIDE>

8 6.O comando nslookup As aplicações TCP/IP como o ping ou o ftp costumam fazem queries DNS através de serviços de API disponibilizados pelo sistema operacional ou por bibliotecas do sistema. Assim, um comando como ping altavista.digital.com envolve uma etapa prévia, e que corresponde ao query do endereço IP associado ao nome altavista.digital.com. O comando nslookup por sua vez é um cliente standalone do DNS, que pode ser utilizado para realizar queries manualmente. A familiaridade com o nslookup é importante para as pessoas que necessitam diagnosticar problemas de rede ou fazer registro e manutenção de domínios. Seguem vários exemplos de uso no modo "não-interativo" (o nslookup possui também um modo de operação "interativo" que oferece maiores recursos). No primeiro exemplo incluímos a resposta completa do nslookup, que inicia-se com a identificação do nameserver consultado. Nas demais, omitimos essa identificação para despoluir o texto. Qual é o endereço associado ao nome $ nslookup Server: hal.home.unet Address: Name: Addresses: , , , Qual é o nome associado ao endereço ? $ nslookup Name: Address: Qual é o nameserver do domínio in-addr.arpa? (esse é um domínio artificial utilizado para cadastrar no DNS os reversos dos IPs iniciados com ). $ nslookup -query=ns in-addr.arpa Non-authoritative answer: in-addr.arpa nameserver = NS1.US.PRSERV.NET in-addr.arpa nameserver = NS01.CA.US.IBM.NET Authoritative answers can be found from: NS1.US.PRSERV.NET internet address = NS01.CA.US.IBM.NET internet address = Qual é o servidor MX (responsável pelo recebimento de ) do domínio ibm.com? $ nslookup -query=mx ibm.com ibm.com preference = 0, mail exchanger = ns.watson.ibm.com ibm.com nameserver = ns.watson.ibm.com ibm.com nameserver = ns.almaden.ibm.com ns.watson.ibm.com internet address = ns.almaden.ibm.com internet address =

9 Quais são os servidores de nome do domínio.br? $ nslookup -query=ns br Non-authoritative answer: br nameserver = NS.DNS.br br nameserver = NS-EXT.VIX.COM br nameserver = NS3.NIC.FR br nameserver = NS2.DNS.br br nameserver = NS1.DNS.br Authoritative answers can be found from: NS.DNS.br internet address = NS-EXT.VIX.COM internet address = NS3.NIC.FR internet address = NS2.DNS.br internet address = NS1.DNS.br internet address = Qual é o conteúdo do registro SOA do domínio internic.net? $ nslookup -query=soa internic.net internic.net origin = ops.internic.net mail addr = markk.internic.net serial = refresh = 3600 (1H) retry = 3600 (1H) expire = (5D) minimum ttl = (1D) Qual é o endereço associado ao nome $ nslookup -query=a Name: rs.internic.net Address: Aliases: Qual é o endereço associado ao nome $ nslookup -query=a Name: www2.ietf.org Address: Aliases: 7.IFCONFIG ou no Windows (winipcfg) Cada placa de rede ethernet existente no mundo possui um endereço de hardware único de 48 bits. Esse endereço costuma-se escrevê-lo na forma de 6 octetos separados por ":", como por exemplo E9:17:02:07:45:B4. Note que os octetos são representados na base 16, e não na base 10, como no caso do IP. No Linux, pode-se exibir esse endereço através do comando ifconfig (no Windows 9x utilize o winipcfg).

10 $ ifconfig eth0 eth0 Link encap:ethernet HWaddr 00:80:48:EB:06:CD inet addr: Bcast: Mask: UP BROADCAST RUNNING MULTICAST MTU:1500 Metric:1 RX packets:0 errors:0 dropped:0 overruns:0 frame:0 TX packets:53 errors:0 dropped:0 overruns:0 carrier:0 collisions:0 txqueuelen:100 Interrupt:11 Base address:0xff80 Os participantes de uma LAN ethernet comunicam-se utilizando esses endereços de hardware. Os pacotes que um PC envia a um outro para por exemplo, realizar uma impressão remota, são encabeçados por um header ethernet onde consta o endereço de hardware do destinatário (neste caso, a máquina onde a impressora está fisicamente conectada). Dessa forma, a própria placa de rede ethernet é capaz de filtrar, dentre todos os pacotes que circulam no meio físico (cabo), aqueles a ela destinados. Estes ela repassa ao sistema operacional para serem processados, os demais são descartados. Isso cria um problema inicial na comunicação interna numa LAN, pois a identificação que temos do computador do qual desejamos utilizar algum serviço (e.g. impressão) será seu nome ou o seu número IP. Dessa maneira, da mesma forma que existe um serviço para resolver nomes para IPs (o DNS), é necessário haver, apenas a nível local, um mecanismo que resolva IPs para endereços de hardware. Esse mecanismo é o ARP (address Resolution Protocol). O tcpdump permite-nos monitorar o ARP em operação: # tcpdump arp tcpdump: listening on eth0 13:12: arp who-has tell :12: arp reply is-at 8:0:2b:e2:c4:ed As linhas contendo arp who-has são queries ARP. Por exemplo, a máquina quer saber qual é o endereço de hardware associado ao IP Ela faz, então, um broadcast no ethernet perguntando qual é esse endereço de hardware. Esse broadcast foi capturado e apresentado pelo tcpdump na linha arp who-has. Ele corresponde a um pacote ethernet que no campo de endereço (de hardware) de destino especifica um valor especial que faz com que todas as placas de rede repassem o pacote ao sistema operacional. Bem, aquela única máquina cuja interface possuir o endereço irá, ao processar o query ARP, gerar um pacote de resposta informando o seu endereço de hardware, que no caso é a linha is-at como vemos acima. Obs. (1) A opção -e do tcpdump incluirá em cada descrição de pacote os endereços de hardware envolvidos. Obs. (2) Um computador pode ser programado para responder requests ARP referentes a endereços IP que não estão mapeados nas suas interfaces. Essa técnica chama-se proxy-arp e é utilizada como um artifício simples para criar gateways para máquinas que se conectam numa LAN ethernet (vamos supor: um notebook) através da porta serial de algum dos participantes. Nesse caso, esse notebook receberia um endereço IP com o mesmo network number dos endereços utilizados na LAN. Assim, quando alguém na LAN quiser enviar pacotes para o notebook, fará um broadcast ARP mas o notebook não o poderá responder, visto que o broadcast não o atinge. O gateway no entanto responde o request ARP na qualidade de proxy, recebe o pacote na sua interface ethernet, aplica a tabela de rotas e realiza o forward do pacote para a porta serial, encaminhando-o dessa forma para o notebook.

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede 1. Configuração de rede no Windows: A finalidade deste laboratório é descobrir quais são as configurações da rede da estação de trabalho e como elas são usadas. Serão observados a

Leia mais

Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem.

Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem. Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem. Redes de Computadores Aula Prática. Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina;

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina; Aula prática Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Objetivo Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar problemas na rede. No windows existem

Leia mais

Aula Prática 1. Utilitários de Rede. O utilitário ping

Aula Prática 1. Utilitários de Rede. O utilitário ping Aula Prática 1 Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar problemas na rede ou nos programas que estiver desenvolvendo ao longo do curso. Utilitários

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes. Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva

Sistemas Operacionais de Redes. Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva Sistemas Operacionais de Redes Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva Agenda Conhecer o funcionamento do mecanismo de rede Configurar as configurações básicas de rede Compreender

Leia mais

Configuração de Rede Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Configuração de Rede Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Configuração de Rede Prof. João Paulo de Brito Gonçalves CONFIGURAÇÃO DE REDE A configuração de rede envolve, em

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Configuração de redes no Gnu/Linux

Configuração de redes no Gnu/Linux Configuração de redes no Gnu/Linux Comando ifconfig: É utilizado basicamente para configurar o ip, a mascara de rede e outras opções de placas de rede. Rodado sem opções ele retorna todas as placas de

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

Configuração endereço IP da interface de rede

Configuração endereço IP da interface de rede Configuração endereço IP da interface de rede Download Imprimir Para configurar a interface de sua placa de rede como DHCP para obter um endereço IP automático ou especificar um um endereço IP estático

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Tecnologia de Redes. Protocolo IP

Tecnologia de Redes. Protocolo IP Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes Protocolo IP Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Introdução ao protocolo IP Endereçamento IP Classes

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR I

PROJETO INTERDISCIPLINAR I PROJETO INTERDISCIPLINAR I Linux e LPI www.lpi.org João Bosco Teixeira Junior boscojr@gmail.com Certificação LPIC-1 Prova 102 105 Shell, Scripting, e Gerenciamento de Dados 106 Interface com usuário e

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I UNIDADE 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE REDES... 3 1.1 TCP/IP - O INÍCIO... 3 1.2 ENTENDENDO O IP... 3 1.3 ENTENDENDO O GATEWAY DE REDE... 5 1.4 O SERVIDOR

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli)

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli) LABORATÓRIO 1: Montagem da rede física, definição do endereçamento IP com diferentes sistemas operacionais e roteamento estático. Roteiro: 1) Montar a rede física, que deve ser baseadq na lista de material

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Na aula de hoje iremos conhecermos e relembrarmos duas ferramentas do Windows, chamadas de ipconfig e nslookup. Além disso, iremos discutirmos

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System Converte nome de máquinas para seu endereço IP. Faz o mapeamento de nome para endereço e de endereço para nome. É mais fácil lembramos dos nomes. Internamente, softwares trabalham

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales

Curso Técnico em Informática. Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales Curso Técnico em Informática Informática Aplicada Instrutor Rafael Barros Sales Serviços de Rede Windows Apesar do prompt de comando ser muitas vezes marginalizado e relegado a segundo plano, o Windows

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 23: (laboratório) 13 de julho de 2010 1 2 3 ICMP HTTP DNS TCP 4 nslookup Sumário Permite fazer requisições a um servidor DNS O nslookup envia uma requisição para o servidor,

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Ferramentas de Análise de Rede. Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br

Ferramentas de Análise de Rede. Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br Ferramentas de Análise de Rede Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br Notação O "#" significa que o comando dever ser executado como usuário "root". O "$" significa que o comando deve ser executado como usuário

Leia mais

Aula 1 Sistema Operacional Windows. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 1 Sistema Operacional Windows. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais 2 Aula 1 Sistema Operacional Windows Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Porque é preciso saber gerenciar/administrar o sistema operacional Windows? Quais versões encontrarei no

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers TCP/IP Parte 2 Linux Network Servers Objetivo: Conhecer mais de TCP/IP, mais sobre os arquivos de configuração e configuração de subredes. Aprender ARP e monitoração de tráfego com iptraf e usar o tcpdump.

Leia mais

Procedimento de Clonagem PDV - TOP Internacional

Procedimento de Clonagem PDV - TOP Internacional Procedimento de Clonagem PDV - Versão: 1.01-13/04/2010 Página 2 de 12 Material desenvolvido por: www.managersys.com.br Versão Responsável Descrição 1 Ralf Cristian Versão Inicial 1.01 Rodrigo Souza Revisão

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores Professor Jéfer Benedett Dörr

Disciplina: Redes de Computadores Professor Jéfer Benedett Dörr Disciplina: Redes de Computadores Professor Jéfer Benedett Dörr Prática: Utilitários de Rede prof.jefer@gmail.com Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com protocolos e equipamentos

Leia mais

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados Endereçamento IP V.4 e Roteamento Estático Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados em 5 classes, de acordo

Leia mais

Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP

Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP Objetivo: Lab 4 Análise de Pacotes utilizando o TCPDUMP i) Utilizar aplicativo de análise de pacotes TCPDUMP. TCPDUMP: O tcpdump é um programa cuja utilidade principal é visualizar e analisar o tráfego

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Administração de Sistemas Informáticos I

Administração de Sistemas Informáticos I ISEP 1 TEMA Administração do subsistema de rede; Serviços Internet daemon TEÓRICA-PRÁTICA 1. Serviços Internet Daemon Na pasta /etc/rc.d, existe a configuração dos diversos runlevels da máquina. Aos daemons

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor DNS

Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Passo Nº 1 Conferir o nome da máquina ( já configurado no passo Servidor Configuração DHCP ). # nano /etc/hostname Passo Nº

Leia mais

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: TCP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Neste laboratório, investigaremos o comportamento do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Laboratório. Assunto: endereçamento IP e roteamento.

Laboratório. Assunto: endereçamento IP e roteamento. Assunto: endereçamento IP e roteamento. Laboratório Objetivo: verificar conectivade básica com a rede, atribuir (estaticamente) endereços IP, adicionar rotas (manualmente) e verificar o caminho seguido

Leia mais

L A B O RATÓRIO DE REDES

L A B O RATÓRIO DE REDES L A B O RATÓRIO DE REDES TRÁFEGO, ENQUADRAMEN TO, DEFAU LT G A TEWA Y E ARP. VALE 2,0 P ONT OS. INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO Nosso laboratório é composto de três hosts Linux, representados pelo símbolo de

Leia mais

ARP- Address Resolution Protocol

ARP- Address Resolution Protocol ARP- Address Resolution Protocol Elena Baikova M 4856 Estrutura do TCP/IP 1 ARP - O Problema O computador A quer transmitir dados através de uma rede TCP/IP para o computador B O endereço IP do computador

Leia mais

Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte)

Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte) 1 Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte) Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como testar a conectividade de uma

Leia mais

Unidade 5 Utilitários de Redes

Unidade 5 Utilitários de Redes Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 5 Utilitários de Redes 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Nome do Curso: Técnico em Informática. Nome da Disciplina: Redes de Computadores. Número da Semana: 2. Nome do Professor: Dailson Fernandes

Nome do Curso: Técnico em Informática. Nome da Disciplina: Redes de Computadores. Número da Semana: 2. Nome do Professor: Dailson Fernandes Nome do Curso: Técnico em Informática Nome da Disciplina: Redes de Computadores Número da Semana: 2 Nome do Professor: Dailson Fernandes Elementos da Comunicação Protocolos Regras Padrões Controle Possibilitam

Leia mais

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL Thiago de Almeida Correia São Paulo 2011 1. Visão Geral Em uma rede de computadores local, os hosts se enxergam através de dois endereços, sendo um deles o endereço Internet

Leia mais

Troubleshooting em rede básica

Troubleshooting em rede básica Troubleshooting em rede básica - 2 Sumário Capítulo 1 Troubleshooting em rede básica... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.1. Troubleshooting...

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VIII Serviços de Redes Duração: 20 tempos Conteúdos (1) 2 Caraterizar, instalar

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes 1º Laboratório: Introdução

Guia de Laboratório de Redes 1º Laboratório: Introdução Guia de Laboratório de Redes 1º Laboratório: Introdução Objectivos (1) Estudo dos protocolos: DHCP, ARP e DNS (2) Familiarização com os utilitários: ipconfig, ping, arp, nslookup e wireshark 1 Objectivo

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

Fundamentos dos protocolos internet

Fundamentos dos protocolos internet Fundamentos dos protocolos internet - 2 Sumário Capítulo 1 Fundamentos dos protocolos internet...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 3 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ARP Address Resolution Protocol 2 IP utiliza endereços de 32 bits para localização de

Leia mais

TUTORIAL COLOCANDO IP FIXO LE3

TUTORIAL COLOCANDO IP FIXO LE3 TUTORIAL COLOCANDO IP FIXO LE3 Já li vários posts de pessoas com dificuldades de colocar o IP Fixo no Linus Educacional 3.0 (LE3). Irei demostrar passo-a-passo como se colocar o IP Fixo e de quebra a criação

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

AULA 7: SERVIDOR DHCP EM WINDOWS SERVER

AULA 7: SERVIDOR DHCP EM WINDOWS SERVER AULA 7: SERVIDOR DHCP EM WINDOWS SERVER Objetivo: Instalar e detalhar o funcionamento de um Servidor de DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) no sistema operacional Microsoft Windows 2003 Server.

Leia mais

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI TCP/IP Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI Protocolo TCP/IP Em 1974, Vinton Cerf e Bob Kahn definiram o TCP (Transmission Control Protocol); Largamente usado hoje em dia, nomeadamente na INTERNET. Conjunto

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ELETRÔNICA IV - REDES 4 MÓDULO 2011 SUMÁRIO 1 PROTOCOLOS (CONTINUAÇÃO) ÇÃO)... 1 1.1 O que é DHCP...1 1.1.1 Funcionamento do DHCP...2 1.1.2 Breve histórico do DHCP...3 1.1.3

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Sobre os autores Marjorie Roberta dos Santos Rosa Estudante de graduação do curso de Bacharelado em Informática Biomédica da Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9 Slide 1 Slide 2 Redes de Computadores Introdução DNS Domain Name System Módulo 9 EAGS SIN / CAP PD PROF. FILIPE ESTRELA filipe80@gmail.com Ninguém manda uma e-mail para fulano@190.245.123.50 e sim para

Leia mais

Saida LAB2-DHCP. A captura em dhcp-etherealtrace-1

Saida LAB2-DHCP. A captura em dhcp-etherealtrace-1 Saida LAB2-DHCP Este experimento tem na primeira parte um trace dado, e na segunda parte é necessário você gerar tráfego para as configurações compatíveis (no seu computador ou no trabalho!) com o que

Leia mais

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011 Endereçamento Luciana Balieiro Cosme Permite identificar unicamente um equipamento na rede; O endereço IP não pode ser arbitrariamente atribuído; Cada rede possui uma faixa de endereços que podem ser distribuídos

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

3º Exercício Prático: DNS

3º Exercício Prático: DNS Universidade Estadual da Paraíba Departamento de Matemática, Estatística e Computação Disciplina: Redes de Computadores Professor: Edmar José do Nascimento 3º Exercício Prático: DNS Introdução O Sistema

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Obs: Endereços de Rede. Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante. Obs: Padrões em Intranet. Instalando Interface de Rede.

Obs: Endereços de Rede. Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante. Obs: Padrões em Intranet. Instalando Interface de Rede. Obs: Endereços de Rede Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante Classe A Nº de IP 1 a 126 Indicador da Rede w Máscara 255.0.0.0 Nº de Redes Disponíveis 126 Nº de Hosts 16.777.214 Prof. Alexandre Beletti

Leia mais

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback Resolução de nomes Professor Leonardo Larback Resolução de nomes A comunicação entre os computadores e demais equipamentos em uma rede TCP/IP é feita através dos respectivos endereços IP. Entretanto, não

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS

LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS Conforme descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name System (DNS) traduz nomes de hosts para endereços IP, cumprindo um papel fundamental na infra-estrutura da Internet. Neste

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Serviço DNS DNS significa Domain Name System (sistema de nomes de domínio). O DNS converte os nomes de máquinas para endereços IPs que todas as máquinas da

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian.

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Pré requisitos para pratica desse tutorial. Saber utilizar maquina virtual no virtual Box ou vmware. Saber instalar ubuntu ou debian na maquina virtual.

Leia mais

Gerência de Redes Experimento 1

Gerência de Redes Experimento 1 Gerência de Redes Experimento 1 Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Apresentação Ferramentas Procedimentos Resultados Problemas Soluções Bibliografia 3/4/2007 Gerência

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes SOBRE A AUTORA Estudante de graduação do curso de Bacharelado em Informática Biomédica da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente participa do grupo

Leia mais

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 1.1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES DE COMPUTADORES...16 1.2 O PAPEL DO GERENTE DE REDES...18 1.3 VOCÊ: O MÉDICO DA REDE...20 1.4 REFERÊNCIAS...23 1.4.1 Livros...23

Leia mais

Rede sem Estresse Adicionar máquinas à uma rede significa muito trabalho com a configuração inicial. Uma solução centralizada,

Rede sem Estresse Adicionar máquinas à uma rede significa muito trabalho com a configuração inicial. Uma solução centralizada, para redes locais Rede sem Estresse Adicionar máquinas à uma rede significa muito trabalho com a configuração inicial. Uma solução centralizada, utilizando um servidor DHCP para atribuição automática de

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede Introdução Quando uma interface de rede comum, que utiliza o padrão de rede Ethernet, é reconhecida no sistema (seja na inicialização ou acionando o módulo desta interface), o sistema

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Histórico Objetivos Camadas Física Intra-rede Inter-rede Transporte Aplicação Ricardo Pinheiro 2 Histórico Anos

Leia mais

Software de Telecomunicações. Firewalls

Software de Telecomunicações. Firewalls Software de Telecomunicações Firewalls Prof RG Crespo Software de Telecomunicações Firewalls : 1/34 Introdução Firewall: dispositivo (SW, HW, ou ambos) que limita acessos por rede (Internet), a uma outra

Leia mais

1. Capturando pacotes a partir da execução do traceroute

1. Capturando pacotes a partir da execução do traceroute Neste laboratório, iremos investigar o protocolo IP, focando o datagrama IP. Vamos fazê-lo através da analise de um trace de datagramas IP enviados e recebidos por uma execução do programa traceroute (o

Leia mais

IPv6. A Necessidade de um Novo IP. IPv4. IETF desenvolve nova versão do IP: IPv6. O IPv6 pode vir a ser relevante para as Comunicações FEUP MPR

IPv6. A Necessidade de um Novo IP. IPv4. IETF desenvolve nova versão do IP: IPv6. O IPv6 pode vir a ser relevante para as Comunicações FEUP MPR IPv6 1 IPv6 FEUP MPR IPv6 2 A Necessidade de um Novo IP IPv4 Espaço de endereçamento pequeno Usado de forma descontínua Algumas soluções para resolver estes problemas redes privadas (NAT), agregação de

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 2. TCP/IP i. Fundamentos ii. Camada de Aplicação iii. Camada de Transporte iv. Camada de Internet v. Camada de Interface

Leia mais