Cédula de R$ 100,00. R$ 100,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: azul

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cédula de R$ 100,00. R$ 100,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: azul"

Transcrição

1 Cédula de R$ 100,00 R$ 100,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: azul 1 - Marca d água Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara, do lado esquerdo, a marca d água em tons que variam do claro ao escuro. As cédulas de R$ 100,00 apresentam como marca d água a figura da República.

2 2 - Fibras coloridas Pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, podem ser vistos em ambos os lados, ao longo de toda a cédula. 3 - Impressão em alto-relevo As figuras da República e da garoupa, as legendas "BANCO CENTRAL DO BRASIL" e "CEM REAIS", a tarja contendo a palavra "REAIS" e os números indicativos do valor da cédula (100) possuem alto-relevo e podem ser sentidos com os dedos. 4 - Fundos especiais São formados por linhas retas e sinuosas, extremamente finas, que dão colorido a toda a cédula. 5 - Microimpressões Ao utilizar uma lente, vamos notar a presença de pequeníssimas letras "B" e "C", na faixa clara junto à efígie (frente) e no interior do número 100 (frente e verso). 6 - Registro coincidente Olhando a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais impresso em um lado deve se ajustar exatamente ao desenho semelhante que se encontra no outro lado da cédula.

3 7 - Fio de segurança Fio vertical de cor escura embutido no papel, mais facilmente visível com a nota contra a luz, com propriedades magnéticas, que serve para leitura por equipamento eletrônico de seleção e contagem. 8 - Numeração São as letras e os números que identificam a cédula. Não podem existir duas cédulas de mesma numeração. Entenda a numeração das cédulas do real: Série é um conjunto de cédulas de mesmo valor, com as mesmas características gráficas e é indicada pelos cinco primeiros caracteres da numeração. A numeração das séries é sucessiva, isto é, a série "A 9999" será sucedida pela série "B 0001", esta pela "B 0002", e assim por diante. Ordem é a numeração seqüencial da cédula dentro da série. O número de ordem varia de a Estampa identifica as séries com iguais características físicas e/ou gráficas. É indicada pela última letra da numeração. A cédula de R$ 100,00 possui somente uma estampa: Estampa A - impressa no Brasil (a partir de 1994). 9 - Imagem latente Observando a frente da cédula, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, na posição horizontal e sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras "B" e "C" Marca tátil São marcas impressas em relevo para auxiliar os deficientes visuais a identificar a cédula. Cada cédula tem marcas próprias e as cédulas de R$ 100,00 apresentam como marca tátil três elipses (uma na linha superior e duas na linha inferior).

4 11 - Fibras luminescentes Pequenos fios espalhados no papel que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula Microchancelas São as duas assinaturas - uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil - que conferem à cédula o seu valor legal. Cédula de R$ 50,00 R$ 50,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: marrom

5 1 - Marca d água Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara, do lado esquerdo, a marca d água em tons que variam do claro ao escuro. As cédulas de R$ 50,00 apresentam como marca d água a figura da República. 2 - Fibras coloridas Pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, podem ser vistos em ambos os lados, ao longo de toda a cédula. 3 - Impressão em alto-relevo As figuras da República e da onça pintada, as legendas "BANCO CENTRAL DO BRASIL" e "CINQÜENTA REAIS", a tarja contendo a palavra "REAIS" e os números indicativos do valor da cédula (50) possuem alto-relevo e podem ser sentidos com os dedos. 4 - Fundos especiais São formados por linhas retas e sinuosas, extremamente finas, que dão colorido a toda a cédula. 5 - Microimpressões Ao utilizar uma lente, vamos notar a presença de pequeníssimas letras "B" e "C", na faixa clara junto à efígie (frente) e no interior do número 50 (frente e verso).

6 6 - Registro coincidente Olhando a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais impresso em um lado deve se ajustar exatamente ao desenho semelhante que se encontra no outro lado da cédula. 7 - Fio de segurança Fio vertical de cor escura embutido no papel, mais facilmente visível com a nota contra a luz, com propriedades magnéticas, que serve para leitura por equipamento eletrônico de seleção e contagem. 8 - Numeração São as letras e os números que identificam a cédula. Não podem existir duas cédulas de mesma numeração. Entenda a numeração das cédulas do real: Série é um conjunto de cédulas de mesmo valor, com as mesmas características gráficas e é indicada pelos cinco primeiros caracteres da numeração. A numeração das séries é sucessiva, isto é, a série "A 9999" será sucedida pela série "B 0001", esta pela "B 0002", e assim por diante. Ordem é a numeração seqüencial da cédula dentro da série. O número de ordem varia de a Estampa identifica as séries com iguais características físicas e/ou gráficas. É indicada pela última letra da numeração. A cédula de R$ 50,00 possui as seguintes estampas: Estampa A - impressa no Brasil (a partir de 1994). Estampa B - impressa na França (1994). 9 - Imagem latente Observando a frente da cédula, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, na posição horizontal e sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras "B" e "C".

7 10 - Marca tátil São marcas impressas em relevo para auxiliar os deficientes visuais a identificar a cédula. Cada cédula tem marcas próprias e as cédulas de R$ 50,00 apresentam como marca tátil três elipses (duas na linha superior e uma na linha inferior) Fibras luminescentes Pequenos fios espalhados no papel que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula Microchancelas São as duas assinaturas - uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil - que conferem à cédula o seu valor legal.

8 Cédula de R$ 20,00 R$ 20,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cores predominantes: amarelo e laranja 1 - Marca d água Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara, do lado esquerdo, a marca d água em tons que variam do claro ao escuro. As cédulas de R$ 20,00 apresentam como marca d água a figura do mico-leão-dourado e o número Fibras coloridas Pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, podem ser vistos em ambos os lados, ao longo de toda a cédula.

9 3 - Impressão em alto-relevo As figuras da República e do mico-leão-dourado, as legendas "BANCO CENTRAL DO BRASIL" e "VINTE REAIS", a tarja contendo a palavra "REAIS" e os números indicativos do valor da cédula (20) possuem alto-relevo e podem ser sentidos com os dedos. 4 - Faixa holográfica Ao se movimentar a cédula, aparecem imagens do mico-leão-dourado e do número 20. Com lente de aumento, vê-se também, ao fundo, o texto "20 REAIS". Na lateral direita, é visível o texto "Banco Central do Brasil". 5 - Fundos especiais São formados por linhas retas e sinuosas, extremamente finas, que dão colorido a toda a cédula. 6 - Microimpressões Com a lente de aumento, podem ser vistas pequenas letras "B" e "C" nas faixas junto à efígie da República, no interior do número 20 e nos troncos das árvores ao fundo da figura do mico-leão-dourado, no verso da cédula. 7 - Registro coincidente Olhando-se a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais aparecerá por inteiro, pois suas partes complementares, impressas nos dois lados da nota, ajustam-se perfeitamente.

10 8 - Fio de segurança Fio vertical de cor escura embutido no papel, mais facilmente visível com a nota contra a luz, com propriedades magnéticas, que serve para leitura por equipamento eletrônico de seleção e contagem. 9 - Numeração São as letras e os números que identificam a cédula. Não podem existir duas cédulas de mesma numeração. Entenda a numeração das cédulas do real: Série é um conjunto de cédulas de mesmo valor, com as mesmas características gráficas e é indicada pelos cinco primeiros caracteres da numeração. A numeração das séries é sucessiva, isto é, a série "A 9999" será sucedida pela série "B 0001", esta pela "B 0002", e assim por diante. Ordem é a numeração seqüencial da cédula dentro da série. O número de ordem varia de a Estampa identifica as séries com iguais características físicas e/ou gráficas. É indicada pela última letra da numeração. A cédula de R$ 20,00 possui somente uma estampa: Estampa A - impressa no Brasil (a partir de 2002) Imagem latente Observando a frente da cédula, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, na posição horizontal e sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras "B" e "C" Marca tátil São marcas impressas em relevo para auxiliar os deficientes visuais a identificar a cédula. Cada cédula tem marcas próprias e as cédulas de R$ 20,00 apresentam como marca tátil duas barras inclinadas Fibras luminescentes Pequenos fios espalhados no papel que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula.

11 13 - Microchancelas São as duas assinaturas - uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil - que conferem à cédula o seu valor legal. Cédula de R$ 10,00 R$ 10,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: carmin 1 - Marca d água Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara, do lado esquerdo, a marca d água em tons que variam do claro ao escuro. As cédulas de R$ 10,00 produzidas atualmente (estampa C - ver item 8 - Numeração) apresentam como marca d água a figura da Bandeira Nacional.

12 2 - Fibras coloridas Pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, podem ser vistos em ambos os lados, ao longo de toda a cédula. 3 - Impressão em alto-relevo As figuras da República e da arara, as legendas "BANCO CENTRAL DO BRASIL" e "DEZ REAIS", a tarja contendo a palavra "REAIS" e os números indicativos do valor da cédula (10) possuem alto-relevo e podem ser sentidos com os dedos. 4 - Fundos especiais São formados por linhas retas e sinuosas, extremamente finas, que dão colorido a toda a cédula. 5 - Microimpressões Ao utilizar uma lente, vamos notar a presença de pequeníssimas letras "B" e "C", na faixa clara junto à efígie (frente) e no interior do número 10 (frente e verso). 6 - Registro coincidente Olhando a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais impresso em um lado deve se ajustar exatamente ao desenho semelhante que se encontra no outro lado da cédula.

13 7 - Fio de segurança Fio vertical de cor escura embutido no papel, mais facilmente visível com a nota contra a luz, com propriedades magnéticas, que serve para leitura por equipamento eletrônico de seleção e contagem. 8 - Numeração São as letras e os números que identificam a cédula. Não podem existir duas cédulas de mesma numeração. Entenda a numeração das cédulas do real: Série é um conjunto de cédulas de mesmo valor, com as mesmas características gráficas e é indicada pelos cinco primeiros caracteres da numeração. A numeração das séries é sucessiva, isto é, a série "A 9999" será sucedida pela série "B 0001", esta pela "B 0002", e assim por diante. Ordem é a numeração seqüencial da cédula dentro da série. O número de ordem varia de a Estampa identifica as séries com iguais características físicas e/ou gráficas. É indicada pela última letra da numeração. A cédula de R$ 10,00 possui as seguintes estampas: Estampa A - impressa no Brasil (1994 a 1997), marca d água com figura da República. Estampa B - impressa na Inglaterra (1994), marca d água com figura da República. Estampa C - impressa no Brasil (a partir de 1997), marca d água com figura da Bandeira Nacional (ver alterações de abril de 1997). Estampa D - a estampa D da cédula de R$ 10,00 refere-se à cédula de polímero produzida em 2000 e 2001 (ver cédula de R$ 10,00 de polímero). 9 - Imagem latente Observando a frente da cédula, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, na posição horizontal e sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras "B" e "C" Marca tátil São marcas impressas em relevo para auxiliar os deficientes visuais a identificar a cédula. Cada cédula tem marcas próprias e as cédulas de R$ 10,00 apresentam como marca tátil duas elipses dispostas na horizontal.

14 11 - Fibras luminescentes Pequenos fios espalhados no papel que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula Microchancelas São as duas assinaturas - uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil - que conferem à cédula o seu valor legal. Cédula de R$ 5,00 R$ 5,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: violeta

15 1 - Marca d água Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara, do lado esquerdo, a marca d água em tons que variam do claro ao escuro. As cédulas de R$ 5,00 produzidas atualmente (estampa C - ver item 7 - Numeração) apresentam como marca d água a figura da Bandeira Nacional. 2 - Fibras coloridas Pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, podem ser vistos em ambos os lados, ao longo de toda a cédula. 3 - Impressão em alto-relevo As figuras da República e da garça, as legendas "BANCO CENTRAL DO BRASIL" e "CINCO REAIS", a tarja contendo a palavra "REAIS" e os números indicativos do valor da cédula (5) possuem alto-relevo e podem ser sentidos com os dedos. 4 - Fundos especiais São formados por linhas retas e sinuosas, extremamente finas, que dão colorido a toda a cédula. 5 - Microimpressões Ao utilizar uma lente, vamos notar a presença de pequeníssimas letras "B" e "C", na faixa clara junto à efígie (frente) e no interior do número 5 (frente e verso).

16 6 - Registro coincidente Olhando a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais impresso em um lado deve se ajustar exatamente ao desenho semelhante que se encontra no outro lado da cédula. 7 - Numeração São as letras e os números que identificam a cédula. Não podem existir duas cédulas de mesma numeração. Entenda a numeração das cédulas do real: Série é um conjunto de cédulas de mesmo valor, com as mesmas características gráficas e é indicada pelos cinco primeiros caracteres da numeração. A numeração das séries é sucessiva, isto é, a série "A 9999" será sucedida pela série "B 0001", esta pela "B 0002", e assim por diante. Ordem é a numeração seqüencial da cédula dentro da série. O número de ordem varia de a Estampa identifica as séries com iguais características físicas e/ou gráficas. É indicada pela última letra da numeração. A cédula de R$ 5,00 possui as seguintes estampas: Estampa A - impressa no Brasil (1994 a 1997), fio magnético e marca d água com figura da República. Estampa B - impressa na Alemanha (1994), fio magnético e marca d água com figura da República. Estampa C - impressa no Brasil (a partir de 1997), sem fio magnético e marca d água com figura da Bandeira Nacional (ver alterações de abril de 1997). 8 - Imagem latente Observando a frente da cédula, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, na posição horizontal e sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras "B" e "C". 9 - Marca tátil São marcas impressas em relevo para auxiliar os deficientes visuais a identificar a cédula. Cada cédula tem marcas próprias e as cédulas de R$ 5,00 apresentam como marca tátil duas elipses dispostas na vertical.

17 10 - Fibras luminescentes Pequenos fios espalhados no papel que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula Microchancelas São as duas assinaturas - uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil - que conferem à cédula o seu valor legal. Cédula de R$ 2,00 R$ 2,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cores predominantes: azul e cinza

18 1 - Marca d água Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara, do lado esquerdo, a marca d água em tons que variam do claro ao escuro. As cédulas de R$ 2,00 apresentam como marca d água a figura da tartaruga marinha e o número Fibras coloridas Pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, podem ser vistos em ambos os lados, ao longo de toda a cédula. 3 - Impressão em alto-relevo As figuras da República e da tartaruga marinha, as legendas "BANCO CENTRAL DO BRASIL" e "DOIS REAIS", a tarja contendo a palavra "REAIS" e os números indicativos do valor da cédula (2) possuem alto-relevo e podem ser sentidos com os dedos. 4 - Fundos especiais São formados por linhas retas e sinuosas, extremamente finas, que dão colorido a toda a cédula. 5 - Microimpressões Ao utilizar uma lente, vamos notar a presença de pequeníssimas letras "B" e "C", nas faixas clara e escura junto à efígie (frente) e no interior do número 2 (frente e verso).

19 6 - Registro coincidente Olhando-se a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais aparecerá por inteiro, pois suas partes complementares, impressas nos dois lados da nota, ajustam-se perfeitamente. 7 - Numeração São as letras e os números que identificam a cédula. Não podem existir duas cédulas de mesma numeração. Entenda a numeração das cédulas do real: Série é um conjunto de cédulas de mesmo valor, com as mesmas características gráficas e é indicada pelos cinco primeiros caracteres da numeração. A numeração das séries é sucessiva, isto é, a série "A 9999" será sucedida pela série "B 0001", esta pela "B 0002", e assim por diante. Ordem é a numeração seqüencial da cédula dentro da série. O número de ordem varia de a Estampa identifica as séries com iguais características físicas e/ou gráficas. É indicada pela última letra da numeração. A cédula de R$ 2,00 possui somente uma estampa: Estampa A - impressa no Brasil (a partir de 2001). 8 - Imagem latente Observando a frente da cédula, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, na posição horizontal e sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras "B" e "C". 9 - Marca tátil São marcas impressas em relevo para auxiliar os deficientes visuais a identificar a cédula. Cada cédula tem marcas próprias e as cédulas de R$ 2,00 apresentam como marca tátil uma barra inclinada.

20 10 - Fibras luminescentes Pequenos fios espalhados no papel que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula Microchancelas São as duas assinaturas - uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil - que conferem à cédula o seu valor legal. Cédula de R$ 1,00 Clique nos números e conheça os detalhes da cédula de R$ 1,00: R$ 1,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: verde

21 1 - Marca d água Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara, do lado esquerdo, a marca d água em tons que variam do claro ao escuro. As cédulas de R$ 1,00 produzidas atualmente (estampa C - ver item 7 - Numeração) apresentam como marca d água a figura da Bandeira Nacional. 2 - Fibras coloridas Pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, podem ser vistos em ambos os lados, ao longo de toda a cédula. 3 - Impressão em alto-relevo A figura da República, as legendas "REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL" e "BANCO CENTRAL DO BRASIL", a tarja contendo a palavra "REAL" e os números indicativos do valor da cédula (1) possuem alto-relevo e podem ser sentidas com os dedos. 4 - Fundos especiais São formados por linhas retas e sinuosas, extremamente finas, que dão colorido a toda a cédula. 5 - Microimpressões Letras "B" e "C" impressas em tamanho minúsculo, visíveis com o auxílio de uma lente no interior dos números indicativos de valor da cédula e na faixa clara junto à efígie da República.

22 6 - Registro coincidente Olhando-se a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais aparecerá por inteiro, pois suas partes complementares, impressas nos dois lados da nota, ajustam-se perfeitamente. 7 - Numeração São as letras e os números que identificam a cédula. Não podem existir duas cédulas de mesma numeração. Entenda a numeração das cédulas do real: Série é um conjunto de cédulas de mesmo valor, com as mesmas características gráficas e é indicada pelos cinco primeiros caracteres da numeração. A numeração das séries é sucessiva, isto é, a série "A 9999" será sucedida pela série "B 0001", esta pela "B 0002", e assim por diante. Ordem é a numeração seqüencial da cédula dentro da série. O número de ordem varia de a Estampa identifica as séries com iguais características físicas e/ou gráficas. É indicada pela última letra da numeração. A cédula de R$ 1,00 possui as seguintes estampas: Estampa A - impressa no Brasil (1994 a 1997), fio magnético e marca d água com figura da República. Estampa B - impressa no Brasil (1997 a 2003), sem fio magnético e marca d água com figura da Bandeira Nacional (ver alterações de abril de 1997). Estampa C - impressa no Brasil (a partir de 2003), sem fio magnético e marca d água com figura da Bandeira Nacional. Inclusão da legenda "REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL" e alteração na marca tátil (ver alterações de setembro de 2003). 8 - Imagem latente Observando a frente da cédula, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, na posição horizontal e sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras "B" e "C". 9 - Marca tátil São marcas impressas em relevo para auxiliar os deficientes visuais a identificar a cédula. Cada cédula tem marcas próprias e as cédulas de R$ 1,00 produzidas atualmente (estampa C) apresentam como marca tátil uma barra vertical.

23 10 - Fibras luminescentes Pequenos fios espalhados no papel que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula Microchancelas São as duas assinaturas - uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil - que conferem à cédula o seu valor legal. Além destes elementos, sinta a textura do papel ao manusear uma cédula. O papel usado no dinheiro é diferente do papel comum. FONTE: Banco Central do Brasil -

TREINAMENTO SOBRE COMO RECONHECER CÉDULAS E MOEDAS LEGÍTIMAS DO REAL

TREINAMENTO SOBRE COMO RECONHECER CÉDULAS E MOEDAS LEGÍTIMAS DO REAL TREINAMENTO SOBRE COMO RECONHECER CÉDULAS E MOEDAS LEGÍTIMAS DO REAL A presente apostila é parte integrante do treinamento a distância sobre como reconhecer cédulas e moedas legítimas do Real. Para uma

Leia mais

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403 Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de Execução de caracter para escrita em desenho técnico - NBR 8402 Execução de caracter para escrita

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

MANUAL DA MARCA DME. energética Poços de Caldas

MANUAL DA MARCA DME. energética Poços de Caldas MANUAL DA MARCA 2 3 Índice Introdução A Marca Fonte Utilizada Cores - Participações Sistema Modular Aplicação em Fundos Coloridos Proibições de Uso Cores - Energética Sistema Modular Aplicação em Fundos

Leia mais

Seminário Regional da OACI MRTDs, Biometria e Controle de Fronteiras. Rio de Janeiro, Brasil 17 a 19 de Abril de 2012

Seminário Regional da OACI MRTDs, Biometria e Controle de Fronteiras. Rio de Janeiro, Brasil 17 a 19 de Abril de 2012 Seminário Regional da OACI MRTDs, Biometria e Controle de Fronteiras Rio de Janeiro, Brasil 17 a 19 de Abril de 2012 Passaporte Eletrônico Brasileiro: Produção, Personalização e Aspectos de Segurança Carlos

Leia mais

SEGUNDA FAMÍLIA DO REAL. Cartilha de treinamento

SEGUNDA FAMÍLIA DO REAL. Cartilha de treinamento SEGUNDA FAMÍLIA DO REAL Cartilha de treinamento Índice Introdução 3 1. Real A Segunda Família de Cédulas 4 Características 4 Dimensões, Cores e Temas das Notas 5 2. Elementos de Segurança 6 Veja Marca-d

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL PROJETO ESCOLA BRASIL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL PROJETO ESCOLA BRASIL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL LOGOMARCA - VERSÃO PREFERENCIAL VERTICAL 02 LOGOMARCA - VERSÃO SECUNDÁRIA HORIZONTAL 03 LOGOMARCA - VERSÃO TERCIÁRIA HORIZONTAL 04 CORES - PANTONE E QUADRICROMIA Pantone 7406

Leia mais

LEI DOS SÍMBOLOS NACIONAIS E DISTRITAIS REPÚBLICA DE PORTO CLARO

LEI DOS SÍMBOLOS NACIONAIS E DISTRITAIS REPÚBLICA DE PORTO CLARO LEI DOS SÍMBOLOS NACIONAIS E DISTRITAIS REPÚBLICA DE PORTO CLARO CAPÍTULO I Disposição Preliminar Art. 1 São Símbolos Nacionais: I - a Bandeira Nacional; II - o Hino Nacional; III - o Brasão Republicano;

Leia mais

2 Azul e cinza Tartaruga Tartaruga e número indicativo do valor. 20 Amarelo e laranja Mico-leão Mico-leão e número indicativo do valor

2 Azul e cinza Tartaruga Tartaruga e número indicativo do valor. 20 Amarelo e laranja Mico-leão Mico-leão e número indicativo do valor 618 Documentoscopia Aspectos Científicos, Técnicos e Jurídicos 13. Real O Real passou a ser o padrão monetário brasileiro em 1º de julho de 1994, em substituição ao Cruzeiro Real. Naquela ocasião foram

Leia mais

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Recomendações do Ministério das Relações Exteriores da República da Eslovênia para as fotos biométricas: o o tamanho da foto: 3,5 x 4,5 cm o o

Leia mais

Normas da ABNT. (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho Técnico

Normas da ABNT. (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho Técnico Normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho Técnico TERMINOLOGIA Norma ABNT NBR 10647, Abril 1989 Quanto ao aspecto geométrico: Desenho Projetivo Vistas ortográficas: Perspectivas:

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

Philatécnica. versão em Português, por Ricardo Feliberto. Definitivos

Philatécnica. versão em Português, por Ricardo Feliberto. Definitivos Philatécnica Álbum de Selos do Brasil versão em Português, por Ricardo Feliberto Definitivos www.philatecnica.com.br: Todos os direitos reservados. O titular dos Direitos Autorais licenciou a presente

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual apresentação....................................3 Versões horizontal e vertical........................4 grid de construção................................5 Cores institucionais...............................6

Leia mais

Cartografia Temática Produto de um SIG

Cartografia Temática Produto de um SIG GA020 SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Cartografia Temática Produto de um SIG Alzir Felippe Buffara Antunes Conceitos A função de uma mapa é interagir com o usuário descrevendo os fenômenos ambientais. O

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual sumário Manual de Identidade Visual EBSERH Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares 3 a marca 4 malha construtiva 5 cores institucionais 6 aplicações em fundo colorido 7

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA O conjunto marca/logotipo é o elemento gráfico e visual pelo qual somos reconhecidos nos diversos meios em que atuamos. As suas formas foram concebidas

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de

Leia mais

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula.

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula. Série: 5ª série Carga horária: 2 períodos Conteúdo: Frações Objetivo: O aluno ao final da aula deverá verificar por meio de representações concretas, que o resultado de dividir a por b é o mesmo que dividir

Leia mais

Manual de Identidade Visual Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Manual de Identidade Visual Governo do Estado do Rio Grande do Sul Manual de Identidade Visual Governo do Estado do Rio Grande do Sul todos pelo rio grande É com muita satisfação que apresentamos a nova forma de expressão do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Daqui

Leia mais

Guia de identidade visual. confederação brasileira de remo. confederação brasileira de remo

Guia de identidade visual. confederação brasileira de remo. confederação brasileira de remo Guia de identidade visual Índice Marca Cores 4 Monocromia 5 Reduções 6 Construção e Proporções 7 Margem de Segurança 8 Reproduções da Marca Fundos 9 Usos Incorretos da Marca 10 Alfabeto Institucional 11

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Versões da marca Comportamentos da marca Referências de cores Regras de aplicação

Manual de Identidade Visual. Versões da marca Comportamentos da marca Referências de cores Regras de aplicação Manual de Identidade Visual Versões da marca Comportamentos da marca Referências de cores Regras de aplicação Menu 1. A nova marca Castrolanda 2. Marca Castrolanda - versões oficiais 3. Cores oficiais

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

Tutorial - Vetorizando uma fotografia

Tutorial - Vetorizando uma fotografia Tutorial - Vetorizando uma fotografia Thiago Santos 02-2013 Vetorizando uma fotografia Meu nome é Thiago Santos e vou mostrar a vocês como vetorizar uma fotografia. O processo não é muito complicado, mas

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Introdução A logomarca Rio+20 - Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - e o material de campanha foram desenhados pela Graphic Design Unit, nas Nações

Leia mais

Projeto integrador do 3 semestre MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

Projeto integrador do 3 semestre MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Projeto integrador do 3 semestre MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 Alunos Bruno Silva Bastos 13240044 Daniel Souza 1324240106 Esa Gomes Magalhães 1324240059 Heryc Farias Matos 1324240023 Cordenadores Bruno

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Índice Apresentação Malha Construtiva Área de Proteção Família Tipográ ca Padrões Cromáticos Redução da Marca Fundos Marca D água Marcas Especiais Especi cações Finais 02 Apresentação

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A identidade visual da Virada da Saúde foi desenvolvida para expressar o conceito do evento.

APRESENTAÇÃO. A identidade visual da Virada da Saúde foi desenvolvida para expressar o conceito do evento. APRESENTAÇÃO A identidade visual da Virada da foi desenvolvida para expressar o conceito do evento. urbanidade e saúde qualidade de vida do homem sustentabilidade como promoção de saúde protagonismo pertencimento

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

Película Scotchcal MR Série BR 7300

Película Scotchcal MR Série BR 7300 Película Scotchcal MR Série BR 7300 Dados Técnicos Julho/2005 Substitui: Junho/2004 Revisão 09 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As películas Scotchcal MR Série

Leia mais

RESISTORES ELÉTRICOS

RESISTORES ELÉTRICOS RESISTORES ELÉTRICOS São dispositivos utilizados para limitar a passagem da corrente elétrica nos circuitos São feitos com material condutor de alta resistividade elétrica Transformam a energia elétrica

Leia mais

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA Luz e Visão Capítulo 8 8º ano - CSA 2014 Afinal, o que é luz? Luz é uma forma de transmissão de energia pelo espaço. Como a luz se propaga? Propagação da luz Corpos luminosos: emitem a própria luz. São

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima da região. Olhando para

Leia mais

Manual de Identidade Visual Do Poder Judiciário de Santa Catarina. Normas e Padrões de Utilização Atualizado em 04/01/2015

Manual de Identidade Visual Do Poder Judiciário de Santa Catarina. Normas e Padrões de Utilização Atualizado em 04/01/2015 Manual de Identidade Visual Do Poder Judiciário de Santa Catarina Normas e Padrões de Utilização Atualizado em 04/01/2015 3 Índice 1. Marca...5 Conceito - Design...6 Cores Institucionais...8 Família Tipográfica...9

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 192, DE 30 DE MARÇO DE 2006. CONSIDERANDO o constante do Processo: 8001.001141/2006-72;

RESOLUÇÃO Nº 192, DE 30 DE MARÇO DE 2006. CONSIDERANDO o constante do Processo: 8001.001141/2006-72; RESOLUÇÃO Nº 192, DE 30 DE MARÇO DE 2006. Regulamenta a expedição do documento único da Carteira Nacional de Habilitação, com novo leiaute e requisitos de segurança. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN,

Leia mais

Busque seu produto. Lixeiras... 2 Lixeiras Para Coleta Seletiva... 14

Busque seu produto. Lixeiras... 2 Lixeiras Para Coleta Seletiva... 14 Busque seu produto Lixeiras... 2 Lixeiras Para Coleta Seletiva... 14 Lixeiras Cesto de Lixo Scalfo Código: P00001 Cesto Plástico para escritório. Sem tampa 10 Litros. Cor: Preto Cesto de Pedal 40 Litros

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Osciloscópio didático U8481350 Instruções para o uso 01/08 CW/ALF Entradas: 1 Tensão anódica 2 Tensão catódica 3 Tensão de Wehnelt 4 Tensão de aquecimento (0) 5 Tensão de aquecimento

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1... 3 Apresentação do Photoshop... 3 Barra de Menus... 3 Barra de Opções... 3 Barra de Ferramentas...4

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

TRANSBRASILEIRO CARGAS & MUDANÇAS

TRANSBRASILEIRO CARGAS & MUDANÇAS Manual de Identidade Visual INTRODUÇÃO AO MANUAL Respeitar às orientações deste manual significa respeitar a imagem da empresa, dentro e fora de sua corporação, e mostra como é importante a apresentação

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 11)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 11) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 11) 1 Roteiro Apresentação da bandeira do Brasil Acompanhar o aluno Demonstrar como

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROCESSO N.º: 2015-0.109.508-7 EDITAL N.º: 004/SEME/2016 MODALIDADE: Pregão Eletrônico Sistema BEC TIPO: Menor preço por lote OBJETO: Constituição

Leia mais

Manual do Utilizador. Janeiro de 2012.

Manual do Utilizador. Janeiro de 2012. Janeiro de 2012. Índice 1. Introdução 2 Geral 2 Específico 2 Configurável 2 2. Acesso ao adapro 3 3. Descrição 4 Descrição Geral. 4 Funcionalidades específicas de um processador de textos. 5 Documento

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

AOM-7694 MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO. Características do modelo AOM-7694: www.asaelectronics.

AOM-7694 MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO. Características do modelo AOM-7694: www.asaelectronics. MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO Características do modelo AOM-7694: Painel de LCD colorido padrão automotivo de alto desempenho de 7 polegadas Entrada A/V

Leia mais

Manual de Uso da Marca do Governo Federal

Manual de Uso da Marca do Governo Federal Manual de Uso da Marca do Governo Federal SECOM/PR-2005 Manual de Uso da Marca Apresentação BRASIL, UM PAÍS DE TODOS. De um lado, sincretismo, diversidade, variedade. De outro, união, afinidade, integração.

Leia mais

Observe esta estrada. Seguindo por ela você vai encontrar uma subida ou uma descida? (ilusão de Marcelo Kothe, 2001)

Observe esta estrada. Seguindo por ela você vai encontrar uma subida ou uma descida? (ilusão de Marcelo Kothe, 2001) Ilusão de Óptica Imagens Reversíveis Qual seta está apontando a entrada da figura? A laranja ou a azul? Para ver a entrada reverter fixe seus olhos no lado contrário ao que você viu como a entrada. Talvez

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE VIDEOCONFERÊNCIA RADVISION XT1000

GUIA RÁPIDO DE VIDEOCONFERÊNCIA RADVISION XT1000 GUIA RÁPIDO DE VIDEOCONFERÊNCIA RADVISION XT1000 SEÇÃO DE APRIMORAMENTO EM TI TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO 29/05/2013 COMO PARTICIPAR DE UMA VIDEOCONFEREÊ NCIA Caso o menu de opções apareça durante a

Leia mais

Recado aos Pais e Professores

Recado aos Pais e Professores Recado aos Pais e Professores A criança aprende fazendo. Um trabalho manual confeccionado logo após a história bíblica fixa os ensinos que a criança acabou de ouvir, e também é um lembrete visual do constante

Leia mais

GUIA DE PRODUTOS 2016

GUIA DE PRODUTOS 2016 GUIA DE PRODUTOS 2016 Alltak Premium é indicado para aplicações diversas, como sinalização, propaganda, design, decoração e identificação de frotas, onde são exigidas precisão, durabilidade, estabilidade

Leia mais

FICHAS REFERENCIAIS ENXOVAL - RESTAURANTES

FICHAS REFERENCIAIS ENXOVAL - RESTAURANTES FICHAS REFERENCIAIS ENXOVAL - RESTAURANTES ITEM 01 TOALHA DE MESA RETANGULAR TECIDO: MICROFIBRA LARGURA: 1m50cm a 1m60 COMPOSIÇÃO: 100% POLIÉSTER (valor aproximado) PESO: 273g/m² (valor aproximado) SUGESTÃO

Leia mais

Manual de Uso da Identidade Visual

Manual de Uso da Identidade Visual Manual de Uso da Identidade Visual Identidade Visual é o conjunto de elementos gráficos que formam a personalidade visual de uma empresa, produto ou serviço. Para que a METISA - Metalúrgica Timboense S.

Leia mais

Fraternidade Espírita Irmãos de Cascais

Fraternidade Espírita Irmãos de Cascais Fraternidade Espírita Irmãos de Cascais 1 1.0 Grid da Logomarca 03 2.0 Área de proteção 05 3.0 Definição das Cores 06 3.1 Cores em Policromia 06 3.2 Cores em Pantone 07 3.3 Cores em Escala de Cinza 08

Leia mais

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração.

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração. Sua impressora permite que você se comunique em cores. As cores chamam a atenção, indicam respeito e agregam valor ao material ou às informações impressas. O uso de cor aumenta o público leitor e faz com

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DO GOVERNO FEDERAL

MANUAL DE USO DA MARCA DO GOVERNO FEDERAL MANUAL DE USO DA MARCA DO GOVERNO FEDERAL JUNHO/2016 Manual de uso da marca do Governo Federal I. Marca do Governo Federal....3 II. Área de não interferência...4 III. Redução máxima e versão simplificada...5

Leia mais

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos Página 1 de 5 3 - estética e a técnica na ambientação 3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos iluminação de três pontos é composta por três refletores, cada qual com função

Leia mais

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações Tamanho da arte O site disponibiliza para download os Arquivos padrão, que são arquivos modelo para auxiliar a confecção do seu material. Eles possuem margens predefinidas e tamanho adequado ao tipo de

Leia mais

Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos.

Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos. Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos. Os tutoriais são apenas de diferentes maquiagens para os olhos, com a pele já preparada.

Leia mais

Projeto 49 Semanas - Blocos 01 a 10 Por Eliana Zerbinatti (Tia Lili) www.panoxadrez.com.br

Projeto 49 Semanas - Blocos 01 a 10 Por Eliana Zerbinatti (Tia Lili) www.panoxadrez.com.br Projeto 49 Semanas - Blocos 01 a 10 Por Eliana Zerbinatti (Tia Lili) www.panoxadrez.com.br Visite a nossa loja virtual com quase 2.000 tecidos nacionais e importados e centenas de acessórios para patchwork

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA EXÉRCITO BRASILEIRO

MANUAL DE USO DA MARCA EXÉRCITO BRASILEIRO MANUAL DE USO DA MARCA Aprovado pela Portaria nº 885, de 4 de novembro de 2008, do Comandante do Exército Brasileiro. Identidade Visual Marca A Marca Exército Brasileiro identifica e representa a Força.

Leia mais

Tratamentos térmicos. 1. Introdução

Tratamentos térmicos. 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 3204 Mecânica Aplicada * Tratamentos térmicos 1. Introdução O tratamento

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB

MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB Audatex Web Oficinas HDI Nível Usuário (Versão 2.8) Gerência de Suporte Técnico Departamento de Treinamento Resp.: Equipe de Treinamento Versão 1.0 Revisão 1 Data 13/5/2008

Leia mais

Abra um novo documento com tamanho 468x60 e adicione um fundo na cor branca, vamos montar a primeira moldura do nosso banner.

Abra um novo documento com tamanho 468x60 e adicione um fundo na cor branca, vamos montar a primeira moldura do nosso banner. FIREWORKS 1- BANNER ANIMADO - banner tamanho 468 x 60px (full banner). Abra um novo documento com tamanho 468x60 e adicione um fundo na cor branca, vamos montar a primeira moldura do nosso banner. Agora

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sumário Apresentação 3 Logotipo - Versões Cromáticas 4 Diagrama de Construção, Área de Reserva e Redução 5 Convivência com Outras Marcas 6 Patrocínio 7 Aplicações sobre Fundos 8 Aplicações Incorretas 9

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço nº 7 em 7/7/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 92, DE 18 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre o controle de acesso, a utilização de crachá e a proteção das dependências internas no âmbito

Leia mais

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003 L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia DECISÃO N. o 190 de 18 de Junho de 2003 relativa às características técnicas do cartão europeu de seguro de doença (Texto relevante para efeitos do EEE e do

Leia mais

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 1 - Inicialmente, na Barra de Camadas clique no ícone (Gerenciador de Propriedades da Camada), para configurar o estilo de camada: 2 - Na caixa de

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC MEMORIAL DESCRITIVO IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC Lote 01 MARÇO/2011 1. PROJETO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC SUL INTRODUÇÃO O Projeto de Sinalização

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO. Logomarca do Governo do Estado do Tocantins

MANUAL DE APLICAÇÃO. Logomarca do Governo do Estado do Tocantins MANUAL DE APLICAÇÃO Logomarca do Governo do Estado do Tocantins Introdução Através deste manual, apresentamos a nova logomarca do Governo do Tocantins e todas as variantes para a sua aplicação. Assim,

Leia mais

Curso de Arquivologia

Curso de Arquivologia Manual de Identidade Visual Curso de Arquivologia UFSM Manual de Identidade Visual do Curso de Arquivologia da Ficha Técnica Designer Gráfico Responsável: Carlo Giovani Ribas Rossato Rua Lucídio Gontan,844

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

As letras em cartão são impressas apenas de um lado, com um padrão contínuo que pode criar com base nas indicações que encontrará de seguida.

As letras em cartão são impressas apenas de um lado, com um padrão contínuo que pode criar com base nas indicações que encontrará de seguida. COMO CRIAR CORRETAMENTE UM FICHEIRO PARA IMPRESSÃO - LETRAS EM CARTÃO As seguintes indicações irão ajudá-lo a criar um ficheiro de impressão correto. Para mais informações pode consultar no nosso site

Leia mais

1.1. Resistor fixo de carvão e resistor fixo de fio. 1.2. Resistor de fio com derivação - ajustável

1.1. Resistor fixo de carvão e resistor fixo de fio. 1.2. Resistor de fio com derivação - ajustável Resistores 1. Introdução 2. Codigo de cores 3. Associação 4. Associação série 5. Associação paralela 6. Associação mista 7. Observações 8. Circuito em série 9. Circuito em paralelo 10. Exercícios 11. Referências

Leia mais

MANUAL DE LOGOMARCA UNIVERSIDADE FUMEC

MANUAL DE LOGOMARCA UNIVERSIDADE FUMEC 1 MANUAL DE LOGOMARCA UNIVERSIDADE FUMEC sumário INTRODuÇãO 3 VERsõEs DA AssINATuRA VERTICAL p&b 15 ELEmENTOs E proporções DA AssINATuRA HORIZONTAL 4 VERsõEs DA AssINATuRA HORIZONTAL monocromática 16 VERsõEs

Leia mais

CORDOARIA BRAZILIAN ROPES.COM BRC

CORDOARIA BRAZILIAN ROPES.COM BRC CORDOARIA BRAZILIAN ROPES.COM BRC HISTÓRICO Nós da Brazilian Ropes.com (BRC), nos propomos a fabricar as melhores cordas/cabos para escalada, rapel, trabalhos em alturas e barcos com material de primeira

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO GPT/M012/10/R4 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

Manual de aplicação do selo comemorativo de 60 anos da Ufes

Manual de aplicação do selo comemorativo de 60 anos da Ufes Manual de aplicação do selo comemorativo de 60 anos da Ufes A marca comemorativa de 60 anos da Ufes, através do símbolo que representa o infinito, baseia-se no conceito de continuidade, de olhar para o

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

Diretrizes para gestão da marca

Diretrizes para gestão da marca Diretrizes para gestão da marca O símbolo transmite brasilidade e fluidez, além de representar a evolução constante da Eletrobras, um movimento contínuo e dinâmico. O azul representa a água, que se renova

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Ariel Garaza Díaz Sobre o autor Ariel mora e trabalha em Montevidéu, Uruguai. Tornou-se um designer profissional em 1980 e usa o software Corel desde

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO Às 10:29 horas do dia 12 de junho de 2012, após analisados todos os atos processuais do Pregão Pregão Eletrônico 046/2012, referente ao processo 4831/12, o Sr(a). Francisco Robalo

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas

Ondas Eletromagnéticas Luz e Cor Ondas Eletromagnéticas Uma fonte de radiação emite ondas eletromagnéticas. Possuem diferentes comprimentos de onda. O olho humano é sensível a somente alguns: Distinção das cores Ao falarmos

Leia mais

INSIDE 38 REVISTA DECOR

INSIDE 38 REVISTA DECOR INSIDE 38 REVISTA DECOR DORRINGTON ATCHESON ARCHITECTS Brincando decasinha Blocos coloridos fazem de morada na Nova Zelândia um divertido recanto de fim de semana REVISTA DECOR 39 INSIDE 40 REVISTA DECOR

Leia mais

PROGRAMA PAINT: APRENDE A PINTAR

PROGRAMA PAINT: APRENDE A PINTAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO II Tutoriais para alunos PROGRAMA PAINT: APRENDE A PINTAR Equipa da BE Ano Lectivo 2010/2011 1º Passo: Entrar no Programa Para entrar neste programa faz um clique com o botão

Leia mais

Ata Parcial. Item 0001

Ata Parcial. Item 0001 Ata Parcial Às 09:00 horas do dia 27 de julho de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria 095/2011-GAB/SEFIN

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estabelece normas e procedimentos para recuperação, manutenção e valorização de edifícios, obras e monumentos tombados, sujeitos ao tombamento vizinho ou identificados

Leia mais

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching"

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching" 1 Com suas palavras explique o que é Reconhecimento de Padrões- RP. Quais são os fases clássicas que compõem

Leia mais

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Ariel Garaza Díaz Nascido em Montevidéu, Uruguai, Ariel vive e trabalha em Madri, Espanha. Ele é designer profissional desde 1980 e usuário de softwares

Leia mais

Criar um convite. Michaela Maginot. Sobre o autor

Criar um convite. Michaela Maginot. Sobre o autor Criar um convite Michaela Maginot Sobre o autor Michaela Maginot mora em Unterhaching, na Alemanha, perto de Munique. Ela formou-se em moda e design gráfico na Deutschen Meisterschule für Mode (Escola

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA MANUAL DE USO DA MARCA DA SUDAM EM PROJETOS

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA MANUAL DE USO DA MARCA DA SUDAM EM PROJETOS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA MANUAL DE USO DA MARCA DA SUDAM EM PROJETOS ASCOM 2015 APRESENTAÇÃO Este Manual estabelece as normas, especificações e

Leia mais

A alegria pelas descobertas começa em uma boa escola.

A alegria pelas descobertas começa em uma boa escola. LISTA DE MATERIAIS 2014 NÍVEL II EDUCAÇÃO INFANTIL 01 Babador para alunos até 1 ano e 6 meses 01 Brinquedo pedagógico resistente, plástico ou emborrachado (peças grandes) 02 Cadernos de cartografia: espiral,

Leia mais

LISTA DE MATERIAL USO INDIVIDUAL MATERNAL

LISTA DE MATERIAL USO INDIVIDUAL MATERNAL LISTA DE MATERIAL USO INDIVIDUAL MATERNAL 04 caixas de massa de modelar (soft) 02 caixa de giz de cera grande 01 pote de 250 gr. de tinta guache roxo ou marrom 02 caixa de tinta pintura a dedo 01 caixa

Leia mais