Sistemas Distribuídos e Paralelos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Distribuídos e Paralelos"

Transcrição

1 Sistemas Distribuídos e Paralelos Web Services Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa November 29, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

2 Outline 1 Sumário 2 Introdução 3 Web Services Combinação de web services Padrões de comunicação Representação de mensagens Referências de serviço Activação de serviços Transparência SOAP 4 Descritores de serviços e IDL para web services WSDL 5 Aplicações dos Web Services Service-oriented architecture Grid Cloud computing Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

3 Sumário Os web services fornecem serviços que permitem os clientes interagirem com os servidores de um modo mais genérico do que os web browsers permitem. Os clientes acedem às operações disponíveis na interface de um web service através de pedidos-respostas em formato XML e normalmente transmitidos sobre HTTP. Tal como na invocação remota, as interfaces são descritas via IDL, com a diferença que nos web services são adicionadas informações extra, tais como, a codificação, os protocolos de comunicação ou mesmo a localização do serviço Os web services são extremamente importantes nos sistemas distribuídos, suportando interoperabilidade através da Internet, incluindo integração B2B. Os web services suportam ainda os middlewares para grid e cloud computing. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

4 Outline 1 Sumário 2 Introdução 3 Web Services Combinação de web services Padrões de comunicação Representação de mensagens Referências de serviço Activação de serviços Transparência SOAP 4 Descritores de serviços e IDL para web services WSDL 5 Aplicações dos Web Services Service-oriented architecture Grid Cloud computing Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

5 Introdução Com o crescimento da Internet, ficou provada a eficiência em utilizar protocolos tais como o protocolo pergunta-resposta HTTP. No entanto, o protocolo HTTP, utilizado sobre web browsers, apresenta serias limitações no que toca na expansão para serviços mais específicos e/ou complexos. Nesse âmbito surge a necessidade de introduzir um suporte a serviço sobre a Internet, que não dependa dos web browsers como base. Como tal, os web services vieram fornecer uma infraestrutura capaz de manter uma forma de interoperabilidade enriquecida e mais estruturada entre clientes e servidores. Os web services permitem assim que aplicações complexas sejam desenvolvidas de um modo que possam integrar muitos outros serviços, venham eles de qualquer fonte. Os web services não podem ser acedidos directamente no web browsers. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

6 Introdução Os termos web server e web service não devem ser confundidos. web server - é um servidor web que fornece um serviço básico HTTP. web service - é um serviço que fornece determinadas operações definidas numa interface. A representação dos dados e empacotamento das mensagens trocadas entre cliente e servidor é feito utilizando XML. O protocolo SOAP especifica as regras que definem como o XML deve empacotar as mensagens. Um web service é identificado por um URI (Uniform Resource Identifier) e acedido pelos clientes, utilizando as mensagens formatadas em XML. O SOAP é utilizado para encapsular essas mensagens e transmiti-las sobre HTTP ou outro protocolo de mais baixo nível, como TCP ou SMTP. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

7 Introdução Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

8 Introdução Um web service implanta as descrições dos serviços, especificando as interfaces e outros aspectos do serviço que possam interessar aos potenciais clientes. Um web service geralmente fornece uma descrição do serviço, utilizando uma linguagem especifica, conhecida como Web Service Description Language (WSDL). Os web services fornecem acesso a recursos, mas não fornecem mecanismos de coordenação da operações. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

9 Outline 1 Sumário 2 Introdução 3 Web Services Combinação de web services Padrões de comunicação Representação de mensagens Referências de serviço Activação de serviços Transparência SOAP 4 Descritores de serviços e IDL para web services WSDL 5 Aplicações dos Web Services Service-oriented architecture Grid Cloud computing Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

10 Web Services A interface de um web service geralmente consiste num conjunto e operações que podem ser utilizadas por um cliente através da Internet. Um Web Service pode ser gerido por um Web Server, juntamente com uma série de páginas web, ou pode ser um serviço totalmente separado. Uma característica chave da maioria dos web services é que estes processam mensagens SOAP no formato XML. Em alternativa, existem web services REST (Representational State Transfer), que utiliza uma descrição de serviços própria. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

11 Web Services A Amazon, o Yahoo, Google ou o ebay, são exemplos de servidores que utilizam web services para suportar determinadas operações, tais como, toda a manipulação de produtos e compras. Por exemplo, o serviço de associados da Amazon (associates.amazon.com), é disponibilizado tanto em SOAP como em REST e permite o desenvolvimento de aplicações third-party sobre os produtos e serviços da Amazon. Outro exemplo supra-citado é o webservice do ebay que permite fazer sniping, ou seja, licitar nos últimos segundos antes do fecho de um leilão. O uso do webservice permite uma acção muito mais rápida, do que seguindo a via normal, ou seja, através do web site. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

12 Web Services Combinação de web services Uma das características dos web services é capacidade de poderem invocar métodos de outros web services ou de serem combinados nas mais diversas aplicações. Imagine-se num serviço de marcação de viagens, hotel e aluguer de carro. Cada operador fornece os seus serviços via web service, permitindo que agentes e sites de viagens possam integrar o booking de diferentes componentes da viagem numa só operação. Exemplo mais concreto: a marcação de viagens na ryanair, permite que no mesmo processo se agende o hotel, o parque para o carro, ou o próprio carro, sendo cada serviço suportado por uma empresa distinta. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

13 Web Services Padrões de comunicação Os web services têm dois padrões de comunicação distintos. Considerando o exemplo dado anteriormente de booking, são: Num padrão o web service executa o processo de booking assincronamente, notificando o cliente de tempo-a-tempo numa perspectiva de dar feedback do desenrolar da acção. A performance não é um problema. Noutro padrão, como por exemplo, no processamento do pagamento, é necessário existir uma iteração pergunta-resposta com o cliente, sendo este um processo sincronizado. Resumindo, os web services suportam tanto comunicação assíncrona como síncrona, mesmo no caso de existir um protocolo pedido-resposta. Por exemplo, o cliente efectuar um pedido, o servidor processar durante tempo indeterminado, devolvendo o resultado quando este estiver pronto. Existem ainda mecanismos de subscrição de eventos, onde o servidor envia determinado resultado a todos os clientes subscritos. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

14 Web Services Representação de mensagens Tanto o protocolo SOAP como os dados nele transportados, estão codificados em XML. Essa representação textual ocupa mais espaço que os dados binários e requer mais tempo e processamento para ser interpretado. Esse tempo extra não é critico nos processos assíncronos, mas pode sê-lo nos pedidos-resposta síncronos. No entanto, a leiturabilidade de um protocolo de texto torna-o mais apropriado na comunicação a este nível aplicacional. Cada item no XML tem o seu tipo, que está a associado a um tipo definido no esquema referenciado. Não existindo limite para os tipos de items, torna o protocolo completamente flexível e potencialmente complexo no caso do número de elementos ser muito grande. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

15 Web Services Referências de serviço No geral, cada web service tem um URI (Uniform Resource Identifier), que normalmente é um URL, e que os clientes utilizam para acederem ao serviço. Uma vez que o URL é constituído pelo nome de domínio de determinado computador, o serviço ficará sempre associado a esse computador. No entanto, um serviço associado a um URN (Uniform Resource Name) passa a estar associado não à máquina, mas a um nome que é mapeado ao um URL, que pode ser alterado, permitindo maior flexibilidade. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

16 Web Services Activação de serviços Um serviço pode ser acedido directamente no servidor que o suporta, ou estar replicado por uma série de servidores, no caso de ser necessário suportar um grande número de clientes. Um serviço pode correr continuamente ou ser activado por um pedido. O URL é uma referência persistente uma vez que estará sempre a referenciar o serviço, desde que o mesmo se encontre presente na máquina. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

17 Web Services Transparência Um dos principais objectivos dos middleware orientados a objectos e componentes era tornar completamente transparente toda a complexidade relaccionada com a comunicação entre clientes e servidores. O outro objectivo era que as invocações remotas fossem semelhantes às invocações locais. Nos web services, nenhum destes pressuposto se coloca. No nível mais básico, tanto clientes como servidores devem ler e escrever as suas mensagens directamente em SOAP, utilizando XML. Por conveniência, as APIs das diferentes linguagens de programação, escondem muitos detalhes do SOAP e XML. Neste caso, é o descritor de serviços (WSDL no caso do SOAP) que serve de base para gerar automaticamente os processos de empacotamento e desempacotamento das mensagens. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

18 Web Services Transparência Existem duas formas de tornar o processo de invocação de serviços transparente: Proxies: Os proxies escondem as diferenças entre as chamadas locais e remotas, fornecendo modos estáticos de invocação, nos quais tanto a framework de chamada como os processos de empacotamento são gerados antes de qualquer invocação. Invocações Dinâmicas: Ao contrário dos proxies pode-se fornecer aos clientes um método genérico (dooperation), que recebe o nome da operação e os argumentos, convertendo-os para SOAP e XML no momento. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

19 Web Services - SOAP SOAP foi desenhado para permitir comunicação cliente-servidor e interacção assíncrona na Internet. SOAP define um esquema não só para utilizar XML na representação de mensagens pedido-resposta, como também para a comunicação de documentos. A versão original de SOAP foi desenhada só para suportar HTTP, mas actualmente já suporta protocolos de comunicação de mais baixo nível, nomeadamente SMTP, TCP, UDP. A especificação SOAP define: como o XML deve ser utilizado para definir o conteúdo de mensagens individuais. como um par de mensagens simples podem ser combinadas para criar padrões pedido-resposta. as regras de como os receptores das mensagens devem processar os elementos XML nestas contidos. como o HTTP e o SMTP devem ser utilizados para comunicar mensagens SOAP. OS slides seguintes apresentam os detalhes de SOAP, que normalmente já estão implementados nas diversas APIs existentes. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

20 Web Services - SOAP Mensagens SOAP A mensagem SOAP é transportada dentro de um envelope, que contem um cabeçalho opcional e o corpo da mensagem. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

21 Web Services - SOAP Mensagens SOAP Como mencionado anteriormente, uma mensagem SOAP pode servir para transmitir documentos ou para suportar comunicação cliente-servidor. O documento a ser comunicado é colocado directamente no corpo, juntamente com uma referência para um esquema XML contendo o descritor o serviço, que por sua vez define os nomes e tipos usados no documento. Estas mensagens podem ser síncronas ou assíncronas. Para comunicação cliente-servidor o corpo contem ou o pedido ou a resposta. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

22 Web Services - SOAP Mensagens SOAP Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

23 Web Services - SOAP Transporte de mensagens SOAP Um protocolo de transporte é requerido para enviar as mensagens SOAP para o destino. As mensagens SOAP são independentes do tipo de transporte utilizado, uma vez que os envelopes não contêm qualquer referência ao endereço de destino. O protocolo HTTP, ou qualquer outro que seja utilizado, é o responsável por especificar o endereço de destino. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

24 Outline 1 Sumário 2 Introdução 3 Web Services Combinação de web services Padrões de comunicação Representação de mensagens Referências de serviço Activação de serviços Transparência SOAP 4 Descritores de serviços e IDL para web services WSDL 5 Aplicações dos Web Services Service-oriented architecture Grid Cloud computing Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

25 Descritor de serviços e IDL A definição de interfaces é o ponto central que permite a comunicação entre cliente e servidores. Nos web services, a definição de interfaces é fornecida em conjunto com descritores de serviços mais abrangentes, que incluem como a mensagem deve ser comunicada (ex. SOAP sobre HTTP) e o URI do sistema. De modo a ser suportado por qualquer linguagem o descritor é escrito em XML. A descrição de um serviço é a base do acordo entre cliente e servidor, contendo todos os factos acerca do serviço que é relevante para os clientes. Os descritores de serviço são normalmente utilizados para gerar os stubs de clientes que automaticamente implementam o comportamento correcto para o cliente. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

26 Descritor de serviços e IDL WSDL WSDL - Web Service Description Language é a IDL normalmente utilizada nos descritores de serviços. WSDL 2.0 faz parte das recomendações do W3C, definindo um esquema XML para representar componentes de um descritor de serviço, que incluem, por exemplo, a definição dos elementos, tipos, mensagens, vinculações e serviços. O WSDL separa a parte abstracta do serviço da parte concreta. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

27 Descritor de serviços e IDL WSDL A parte abstracta da descrição incluí um conjunto de definições de tipos utilizados pelo serviço, em particular, os tipos dos valores trocados nas mensagens. Se determinada interface utiliza tipos simples como int, float, strings, etc., utiliza-os directamente no XML. No entanto, se os tipos são objectos, esses são marcados como complextype, e representados pelo conjunto de tipos simples que o compõem. Ex: objecto XPTO, composto por um boolean, um int e uma string: element name = "isrunning" type="boolean" element name = "origem" type="int" element name = "nome" type="string" Ao conjunto de nomes definidos na secção types do WSDL chama-se target namespace. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

28 Descritor de serviços e IDL WSDL A secção da mensagem, na parte abstracta, contem a descrição do conjunto de mensagens trocadas. Para o caso de troca de documentos directa, estas mensagens são utilizadas directamente. Para o caso de pedidos-resposta, existem duas mensagens por cada operação, que são utilizadas para descrever as operações na secção interface. A parte concreta especifica como e onde o serviço pode ser contactado. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

29 Descritor de serviços e IDL WSDL - Mensagens ou operações Nos web services, tudo o que é necessário é que o cliente e o servior partilhem a ideia de como as mensagens devem ser trocadas. Para um serviço baseado na troca de um pequeno número de tipos de documentos, o WSDL apenas descreve os tipos das mensagens trocadas. Quando um cliente envie uma dessas mensagens ao web service, este decide que operação executar e que mensagem retornar, com base no tipo da mensagem recebida. Para serviços que suportam diferentes tipos de operações, é mais eficiente especificar as mensagens trocadas como pedidos para operações, passando argumentos e as respectivas respostas, permitindo o serviço despachar cada pedido para a operação apropriada. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

30 Descritor de serviços e IDL WSDL - Interface O conjunto de operação pertencentes a determinado web service, são agrupadas num elemento XML chamado interface. Cada operação deve especificar o padrão de troca de mensagens entre cliente e servidor, seguindo as seguintes opções. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

31 Descritor de serviços e IDL WSDL - Interface In-Out é o típico utilizado em pedido-resposta entre cliente e servidor. Neste caso a resposta pode ser substituída por uma fault message. In-Only é só para pedidos sem resposta, numa semântica talvez. Out-only segue o mesmo pressuposto mas no sentido inverso. Robust In-Only e Robust Out-Only correspondem às mensagens com garantias de entrega. O WSDL 2.0 é ainda extensível na perspectiva em que cada organização pode definir os seus próprios padrões de comunicação. Cada interface WSDL pode estender de uma ou mais interfaces, seguindo um método simples de herança. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

32 Descritor de serviços e IDL WSDL - Parte concreta A parte concreta do WSDL consiste no binding (a escolha do protocolo) e no service (a escolha do endpoint ou do endereço do servidor). Binding: Define que formato de mensagens e representação de dados externos deve ser utilizado. soap:binding especifica o URL do protocolo para transmitir envelopes SOAP. Pode conter várias opções, como o style=rpc que define que é um request-reply. Define ainda cada operação, onde deve ser transportada (soap:body) e como deve ser transmitida (soapaction). Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

33 Descritor de serviços e IDL WSDL - Parte concreta A parte concreta do WSDL consiste no binding (a escolha do protocolo) e no service (a escolha do endpoint ou do endereço do servidor). Service: Cada elemento service presente num documento WSDL especifica o nome do serviço e um ou mais endpoints, nos quais as instâncias do serviço podem ser contactadas. Cada endpoint refere-se ao nome do binding em uso e, no caso de SOAP, utiliza soap:address para especificar o URI do serviço. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

34 Outline 1 Sumário 2 Introdução 3 Web Services Combinação de web services Padrões de comunicação Representação de mensagens Referências de serviço Activação de serviços Transparência SOAP 4 Descritores de serviços e IDL para web services WSDL 5 Aplicações dos Web Services Service-oriented architecture Grid Cloud computing Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

35 Aplicações de web services Os web services são hoje em dia um dos paradigmas dominantes na programação de sistemas distribuídos. Nas seguintes sub-secções vamos abordar três áreas onde os web services são massivamente utilizados, nomeadamente em SOA, grid e cloud computing. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

36 Aplicações de web services SOA SOA é um conjunto de princípios de design sobre os quais os sistemas distribuídos são desenvolvidos utiliza no conjuntos de serviços que podem ser dinamicamente descobertos e que depois comunicam e coordenam com os restantes. SOA é um conceito abstracto que pode ser implementado utilizando uma variedade de tecnologias, incluindo objectos e componentes distribuídos. No entanto, o principal meio de implementar SOA é através de web services, principalmente pela independência e flexibilidade que estes fornecem. Este estilo pode ser introduzido nas organização para oferecer arquitecturas de software flexíveis e para alcançar interoperabilidade entre os vários serviços. Permite que uma empresa que utilize CORBA e outra que utilize.net partilhem/forneçam serviços entre si, numa perspectiva B2B. Para além disso SOA ainda permite que facilmente se faça mashup, ou seja, que aplicações third-party sejam implementadas através da combinação de vários web services, fornecidos por outras empresas. O exemplo da Amazon ou do ebay que mantêm web services públicos que permitem esse tipo de desenvolvimentos por terceiros. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

37 Aplicações de web services Grid O termo Grid é utilizado para referenciar middlewares que são desenhados para permitir a partilha de recursos, tais como, ficheiros, computadores, software, data e sensores em ambientes de larga escala. Esses recursos são partilhados tipicamente por grupos de utilizadores em diferentes organizações que estão a colaborar na solução de um problema requerendo um largo número de computadores, tanto para a partilha de dados como para a partilha de recursos físicos, como capacidade de processamento. Esses recursos devem ser necessariamente suportados por sistemas heterogéneos, com diferente hardware, SO, linguagens de programação e aplicações. É necessário um sistema de gestão e recursos para garantir que os clientes obtêm o que pretendem e que os servidores têm capacidade de resposta. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

38 Aplicações de web services Grid Existem vários exemplos entre nós, tais como o ou o ambos com a partilha de recursos físicos em prol de um objectivo comum que envolve o processamento de Big Data. Este tipo de aplicações requer por um lado que os participantes recebam tranches de dados, analisem e devolvam para a base de dados. Depois, exige uma série de serviços de pesquisa e obtenção de resultados, que serão utilizadas pelos cientistas responsáveis e que normalmente são disponibilizados via web services. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

39 Aplicações de web services Cloud computing Cloud computing é um conjunto de aplicações de Internet, armazenamento e serviços computacionais suficientes para suportar a maioria das necessidades dos utilizadores, evitando a necessidade de possuir recursos próprios e locais. A computação na cloud ainda promove qualquer elemento como um serviço, desde infraestruturas físicas ou virtualizadas até software. Com esta visão de tudo como serviços, os web services oferecem uma implementação natural do conceito de cloud computing. Um bom exemplo é o Amazon Web Services (aws.amazon.com), que não é nada mais, nada menos, do que um conjunto de serviços implementados na cloud, sobre a enorme infraestrutura que a Amazon possuí. Originalmente implementada para suportar os requisitos internos, rapidamente a Amazon passou a disponibilizar os seus recursos físicos para o exterior, maximizando assim o rendimento de recursos, até então, sub-aproveitados. O AWS garante alguns pontos chave dos sistemas distribuídos, tais como, disponibilidade, escalabilidade e performance, permitindo que os utilizadores se foquem somente no uso dos serviços, que são fornecidos via web services. Deste modo, programadores que conheçam a tecnologia, facilmente implementam serviços mashup, sobre os serviços da Amazon. Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

40 Aplicações de web services Cloud computing Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

41 Questões? Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November 29, / 41

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Arquiteturas SOA, WOA, e REST

Arquiteturas SOA, WOA, e REST Arquiteturas SOA, WOA, e REST Aplicação de Software Social Fred Figueiredo Luiz Borges Pedro Pires Arquiteturas SOA, WOA e REST Desenvolvimento de aplicações orientadas ao fornecimento de serviços que

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Grupo I [6v] Considere o seguinte extracto de um programa de definição de uma calculadora apenas com a função soma de dois valores reais

Grupo I [6v] Considere o seguinte extracto de um programa de definição de uma calculadora apenas com a função soma de dois valores reais Número: Nome: Página 1 de 5 LEIC/LERC 2012/13, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos, 25 de Junho de 2013 Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração:

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos exame de recurso, 9 de Fevereiro de 2012 1º Semestre, 2011/2012 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Serviços de Nomes Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org January 7, 2015 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica Desenvolvimento de Web Services com SOAP. 1. Introdução. Com a tecnologia de desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello 1/39 Serviços Web (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 22 de Maio de 2007 2/39 Arquitetura Orientada a Serviços Arquitetura

Leia mais

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Paulo Pires paulopires@nce.ufrj.br http//genesis.nce.ufrj.br/dataware/hp/pires 1 distribuídas baseadas em componentes Comunicação transparente,

Leia mais

Web Services. Tópicos. Motivação. Tecnologias Web Service. Passo a passo Business Web Conclusão. Integração de aplicações SOAP, WSDL, UDDI, WSFL

Web Services. Tópicos. Motivação. Tecnologias Web Service. Passo a passo Business Web Conclusão. Integração de aplicações SOAP, WSDL, UDDI, WSFL Web Services Antonio Dirceu adrvf@cin.ufpe.br Tópicos Motivação Integração de aplicações Tecnologias Web Service SOAP, WSDL, UDDI, WSFL Passo a passo Business Web Conclusão Motivação Integração de Aplicações

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services (continuação) WSDL - Web Service Definition Language WSDL permite descrever o serviço que será oferecido

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

SOAP. Web Services & SOAP. Tecnologias de Middleware 2004/2005. Simple Object Access Protocol. Simple Object Access Protocol SOAP

SOAP. Web Services & SOAP. Tecnologias de Middleware 2004/2005. Simple Object Access Protocol. Simple Object Access Protocol SOAP Web Services & SOAP Tecnologias de Middleware 2004/2005 SOAP Simple Object Access Protocol Os web services necessitam de comunicar entre eles e trocar mensagens. O SOAP define a estrutura e o processamento

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

WSDL e UDDI. Pedro Miguel Martins Nunes WSDL. WSDL Exemplo prático Resumo UDDI. Serviço UDDI Estruturas de dados UDDI e WSDL API Resumo

WSDL e UDDI. Pedro Miguel Martins Nunes WSDL. WSDL Exemplo prático Resumo UDDI. Serviço UDDI Estruturas de dados UDDI e WSDL API Resumo e Serviço e e Tecnologias de Middleware 06/07 Curso de Especialização em Informática Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 27.10.2006 e Serviço e 1 2 Serviço e 3 e...o

Leia mais

Web Services como Tecnologia de Suporte a Processos de Negócio

Web Services como Tecnologia de Suporte a Processos de Negócio Web Services como Tecnologia de Suporte a Processos de Negócio Rodrigo C. Macedo, Vasco Mesquita, Artur Caetano, André Vasconcelos, José Tribolet Centro de Engenharia Organizacional, INESC INOV e Departamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Tolerância a Falhas Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org January 14, 2015 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

INT-9: Implementing ESB Processes with OpenEdge and Sonic David Cleary

INT-9: Implementing ESB Processes with OpenEdge and Sonic David Cleary Implementando Processos ESB com OpenEdge e Sonic Paulo Costa Global Field Services Agenda Desenvolvendo Processos de Negócio Visão geral da tecnologia Desenvolvendo um processo de negócio do início ao

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Web Services e SOAP. Alexandre Zua CaldeiraTecnologias de Middleware 2006/2007 20.10.2006. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Web Services e SOAP. Alexandre Zua CaldeiraTecnologias de Middleware 2006/2007 20.10.2006. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Alexandre Zua Caldeira Tecnologias de Middleware 2006/2007 Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 20.10.2006 1 Introdução Definições Limitações do Middleware Estudado Integração com Web Services

Leia mais

Livro de Receitas. Modelação Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2009-04-17 Versão 1.1. Framework de aplicações com Web Services

Livro de Receitas. Modelação Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2009-04-17 Versão 1.1. Framework de aplicações com Web Services Modelação Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Departamento Engenharia Informática Livro de Receitas Framework de aplicações com Web Services 2009-04-17 Versão 1.1 Índice Índice... 2 Nota prévia...

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

SOA. Service Oriented Architecture. Maxmiliano Franco Braga

SOA. Service Oriented Architecture. Maxmiliano Franco Braga SOA Service Oriented Architecture Maxmiliano Franco Braga Agenda O que é? SOA Glossário de SOA Vantagens e Cuidados Exemplos Viagem Restaurante Processos do MP O que é SOA? [1] Service Oriented Architecture

Leia mais

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML.

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. Web services Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. XML é utilizado para codificar toda a comunicação de/para um web service. Web services

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

API e Integraç ão. Inoxnet WebServices. Versã o 1.10. (c) EBASE Lda. www.inoxnet.com

API e Integraç ão. Inoxnet WebServices. Versã o 1.10. (c) EBASE Lda. www.inoxnet.com API e Integraç ão Inoxnet WebServices Versã o 1.10 (c) EBASE Lda www.inoxnet.com Índice INFORMAÇ ÃO SOBRE ESTE DOCUMENTO...3 Descrição geral... 3 Requisitos... 3 Termos... 4 Convenções... 4 INTRODUÇ ÃO...4

Leia mais

REST. Caio Nakashima caio.nakashima@mds.gov.br caionakashima@gmail.com

REST. Caio Nakashima caio.nakashima@mds.gov.br caionakashima@gmail.com REST Caio Nakashima caio.nakashima@mds.gov.br caionakashima@gmail.com 1 RESTful REpresentation State Transfer Estilo de arquitetura de software para sistemas distribuídos Termo proposto por Roy Fielding

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA SUMÁRIO Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Eventos e Notificações 1.INTRODUÇÃO Middleware oferece: Transparência de localização Independência de protocolos

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet Avançada 4. Web Services Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt São módulos de aplicações de negócios que expõem as regras do negócio como serviços na Internet através

Leia mais

Comunicação. Parte II

Comunicação. Parte II Comunicação Parte II Carlos Ferraz 2002 Tópicos Comunicação Cliente-Servidor RPC Comunicação de objetos distribuídos Comunicação em Grupo Transações Atômicas Comunicação Stream 2 Comunicação cliente-servidor

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras do livro

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares Sistemas Distribuídos Arquiteturas s Arquitetura Arquitetura de um sistema é sua estrutura em termos dos componentes e seus relacionamentos Objetivo: garantir que a estrutura satisfará as demandas presentes

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

SOA na Prática Ricardo Limonta

SOA na Prática Ricardo Limonta SOA na Prática Ricardo Limonta Arquiteto JEE Objetivo Apresentar os conceitos de Arquiteturas Orientadas a Serviços; Entender a relação entre SOA e a tecnologia Web Services; Implementar SOA com Web Services

Leia mais

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos Luiz Affonso Guedes Introdução Conceitos básicos programação distribuída + programação orientada a objetos = Objetos distribuídos Motivação

Leia mais

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker Padrões Arquiteturais Sistemas Distribuídos: Broker Sistemas Distribuídos Tendências: Sistemas Comp. com múltiplas CPUs Redes locais com centenas de hospedeiros Benefícios Economia Desempenho e escalabilidade

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação Remota Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Comunicação entre processos está no coração de todo sistema distribuído. Não tem sentido estudar sistemas distribuídos

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Iteração 2 Design inicial

Iteração 2 Design inicial Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Engenharia de Software Iteração 2 Design inicial Projecto: FX-Center Grupo: BEDS David Pacheco (nº 32665) Cesário Lucas

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

UTFPR - Sistemas Distribuídos Prof. Cesar Augusto Tacla. Anotações. Copyright Cesar Augusto Tacla 2008 - 1 -

UTFPR - Sistemas Distribuídos Prof. Cesar Augusto Tacla. Anotações. Copyright Cesar Augusto Tacla 2008 - 1 - - 1 - - 2 - - 3 - Segundo (Garg, 2004), são sistemas compostos por múltiplos processadores conectados por uma rede de comunicação, sendo a rede de comunicação uma LAN (Ethernet) ou WAN (Internet). - 4

Leia mais

Programação Cliente em Sistemas Web

Programação Cliente em Sistemas Web Programação Cliente em Sistemas Web WEBSERVICES Cap 18. - Sistemas distribuídos e serviços web em Deitel, H.M, Sistemas Operacionais, 3 ª edição, Pearson Prentice Hall, 2005 Fonte: Rodrigo Rebouças de

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Acesso a Informação Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 6 - Sumário ü Introdução ü World

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas peer-to-peer Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org December 3, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos 1ª chamada, 9 de Janeiro de 2009 1º Semestre, 2009/2010 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping;

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping; Guia de Orientação para Implementação de Web Services Este documento apresenta alguns direcionamentos referentes à implementação de web services. É uma versão preliminar da construção do Guia de Orientação

Leia mais

Estudo comparativo das API s JAX-RPC e JAXM na construção de Web Services

Estudo comparativo das API s JAX-RPC e JAXM na construção de Web Services Estudo comparativo das API s JAX-RPC e JAXM na construção de Web Services Danielle Corrêa Ribeiro 1, Elizabeth Mª Martinho da Silva 1, Francisco A. S. Júnior 1, Thatiane de Oliveira Rosa 1, Madianita Bogo

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34 Comunicação em Sistemas Distribuídos Bruno M. Carvalho Sala: 3B2 Horário: 35T34 Comunicação em Sistemas Distribuídos Protocolos regras que os processos que estão se comunicando tem de seguir Protocolos

Leia mais

Introdução à Web Services

Introdução à Web Services Introdução à Web Services Emerson Ribeiro de Mello emerson@das.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina O que falaremos... Pra que isso? O que é Web Services A camada de protocolos O que são: XML-RPC,

Leia mais

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada Número: Nome: Pági 1 de 6 LEIC/LETI 2013/14, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos, 1/7/14 Responda no enunciado, apes no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração: 1h30m Grupo I

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB Deusa Cesconeti e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ {dcescone, jean}@fsjb.edu.br RESUMO

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas

Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas Computação Paralela Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Principais aspectos a gerir pelo Middleware

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos

Comunicação em Sistemas Distribuídos Comunicação em Sistemas Distribuídos Sockets Aplicações Protocolo de Aplicação FTP, SMTP, HTTP, Telnet, SNMP, etc. sockets TCP, UDP IP Data Link Ethernet, Token Ring, FDDI, etc Física Conjunto de APIs

Leia mais

A Estrutura de um Web Service

A Estrutura de um Web Service A Estrutura de um Web Service Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo Atualmente, o Serviço Web é a solução mais utilizada para integração entre sistemas, pois apresenta vantagens

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa. versão draft

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa. versão draft Prof. Marcelo de Sá Barbosa 1 data Comentários 03/08/2011 Início do semestre. Entrega da ementa e comentários sobres os assuntos. Recomendação da bibliografia. Períodos de provas. Limite de faltas para

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006 UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e

Leia mais

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT 3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT Este capítulo irá apresentar as propostas deste trabalho para que aplicações que utilizem CORBA como plataforma de comunicação possam atravessar firewalls/nat.

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO)

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO) SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (1. CICLO) Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Manual de Integração WebService

Manual de Integração WebService Manual de Integração WebService Sumário 1. O que é a Integração WebService? 2. Envio Simples 3. Consultar Status da Mensagem 3.1 Consultar Mensagens Recebidas 4. Tecnologia do WebService Facilita 1. O

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Grupo I [7v] 1. [1,0] Apresente o conteúdo do IDL relativo a este programa. Assuma PROGRAM=62015 e VERSION=1.

Grupo I [7v] 1. [1,0] Apresente o conteúdo do IDL relativo a este programa. Assuma PROGRAM=62015 e VERSION=1. Número: Nome: Página 1 de 6 LEIC/LETI, 2014/15, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos 30 de Junho de 2015 Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração:

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Interface Web services

Interface Web services Declarações Electrónicas Interface Web services DGCI, 2008/06/18 Objectivo Promover a integração de aplicações remotas com os Web services fornecidos pela DGITA para a submissão de declarações fiscais

Leia mais

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos CORBA Common Object Request Broker Architecture Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos Introdução OMG (Object Management Group): uma organização formada por empresas

Leia mais