Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação"

Transcrição

1

2 Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação O movimento tem projeto político e objetiva: Contribuir com a organização, articulação e fortalecimento dos movimentos de moradia no estado de São Paulo; Mobilizar os Movimentos de Sem Teto para pressionar os órgãos Públicos para que implantem programas habitacionais para população de baixa renda; Aprofundar as relações com as diversas esferas de governo, participando das instâncias institucionais de controle social, apresentando as propostas dos movimentos de moradia e negociando alternativas de programas e atendimento as demandas populares; Ter projetos de Habitação que atendem a realidade das famílias;

3 Movimento Popular por Moradia: Autogestão e Habitação HABITAÇÃO + QUALIDADE = MORADIA DIGNA Moradia digna não é apenas um teto e quatro paredes por isso, através da autogestão, é possível construir não apenas o local em que as pessoas vão habitar mas também contribui na formação dessas pessoas para apropriação do conceito de cidadania e que se reconheçam como cidadãos.

4 Politicamente é importante: Fortalecer as organizações populares de base; Aprofundar as relações com entidades do campo popular, a partir da compreensão de que é preciso somar esforços e buscar apoios para as diversas frentes de reivindicação e negociação; Fortalecer as redes / fóruns e articulações da sociedade civil Participar e propor a gestão de políticas públicas A participação na tomada de decisões é fundamental por isso o fortalecimento do movimento garante cada vez mais o aumento do poder popular para intervir no futuro do país, da cidade e de suas vidas.

5 Nos Barracos da cidade ninguém mais tem ilusão no poder de autoridade de tomar a decisão (Gilberto Gil)

6 Organização popular: Romper com regimes autoritários Compartilhar conhecimentos Despertar sentimentos de consciência ética e cidadã; Fortalecer e renovar a luta Ampliar a participação popular

7 PARTICIPAÇÃO POPULAR: Em conselhos, fóruns, seminários etc. Nas propostas de politicas publicas; Na elaboração de programas habitacionais; Nas construções de moradias com autogestão; Na autogestão e mutirão

8 Mutirão com Autogestão A autogestão é importante permite a participação das pessoas em todas as etapas do projeto, antes durante e depois da obra. Também participam nas prestações de contas do projeto e não apenas constroem casas. Na década de 80 os mutirantes trabalhavam todo o tempo na obra atualmente as famílias trabalham de forma parcial. Os recursos para construção de habitação popular na década de 80 eram bem menores do que é hoje mas qual a comparação que devemos fazer? Hoje a qualidade e o tamanho das casas são melhores, também participação na escolha do projeto arquitetônico e executivo, e a gestão compartilhada que eleva o poder de fiscalização na qualidade do material na aplicação destes e na gestão do recurso público.

9 Mutirão Década de 80 Colinas da Oeste-SP Vale das Flores-SP Patrimonial-SP Fotos: Ambiente Arquitetura

10 Mutirão Década de 80 Patrimonial-SP Fotos: Ambiente Arquitetura

11 Mutirão( limpeza do terreno) Colinas da Oeste FF e JMA-Leste 1 Vale das Flores Patrimonial-MOAS Fotos: Ambiente Arquitetura

12 Autogestão Prestação de contas Fotos: Ambiente Arquitetura

13 Autogestão Hora do almoço Administração da obra Fotos: Ambiente Arquitetura

14 Fotos: Ambiente Arquitetura Autogestão

15 otos: Ambiente Arquitetura Apropriação dos espaços

16 Fotos: Ambiente Arquitetura Cidadania

17 Desafio? Especulação imobiliária... Foto: blogdowelder.zip.net

18 O que é importante não esquecer? O povo que está construindo suas moradias com autogestão também está construindo a historia de luta do movimento social, conquista do direito a cidade e construção de um futuro melhor. Esse mesmo povo é o que luta, participa e decide na forma de condução da sociedade. Meu pai sempre me dizia, meu filho tome cuidado, quando penso no futuro não esqueço do passado ( Paulinho da Viola)

19 Apresentação União dos Movimentos por Moradia Assessoria técnica Ambiente Arquitetura

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR Evaniza Rodrigues Jul/2011 Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as)

Leia mais

Autogestão de Recursos Públicos em Habitação Popular na Bahia -Brasil

Autogestão de Recursos Públicos em Habitação Popular na Bahia -Brasil Autogestão de Recursos Públicos em Habitação Popular na Bahia -Brasil IV Encontro Estadual UMP 2011 Atuação da UMP-BA em Salvador-BA PARIPE -Vila Solidaria Mar Azul - Credito Solidário -236 Moradias-

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

Sustentabilidade na habitação de interesse social

Sustentabilidade na habitação de interesse social Sustentabilidade na habitação de interesse social Profa. Dra. Maria Augusta Justi Pisani Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade Presbiteriana Mackenzie FIMAI São Paulo, 2010 DÉFICIT HABITACIONAL

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 Gestão 2014/2017

PLANO DE AÇÃO 2016 Gestão 2014/2017 INTRODUÇÃO O Plano de Ação do Sindicato-Apase adota como referencial de elaboração as Teses aprovadas no XI Fórum Sindical/2015, referendadas na Assembleia Geral Extraordinária Deliberativa de 11/12/2015.

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000 O mundo de constantes transformações em que vivemos tornou obsoleta a idéia de que a educação

Leia mais

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Democracia participativa p e cultura cidadã Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Da Reivindicação à Wikicidadania INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA E DA GESTÃO

Leia mais

Para o primeiro, ética é segurança, pois sem o combate à corrupção e à violência não haverá paz e, portanto, não haverá governo.

Para o primeiro, ética é segurança, pois sem o combate à corrupção e à violência não haverá paz e, portanto, não haverá governo. Resumo Aula-tema 07: Modelo de Gestão da Ética. Certo Monarca, querendo marcar seu governo com grandes realizações, procurou o maior de todos os sábios para que lhe indicasse uma diretriz e ouviu apenas

Leia mais

COLÉGIO OFÉLIA FONSECA

COLÉGIO OFÉLIA FONSECA COLÉGIO OFÉLIA FONSECA MOVIMENTOS DE MORADIA: À LUTA POR UM ESPAÇO NO CENTRO Raquel Nascimento São Paulo 2013 Raquel Nascimento MOVIMENTOS DE MORADIA: À LUTA POR UM ESPAÇO NO CENTRO Trabalho realizado

Leia mais

O papel dos cidadãos e dos meios de comunicação social na prevenção da corrupção

O papel dos cidadãos e dos meios de comunicação social na prevenção da corrupção Controladoria-Geral da União Presidência da República do Brasil Seminário A prevenção dos riscos de corrupção Lisboa março de 2010 O papel dos cidadãos e dos meios de comunicação social na prevenção da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ANUNCIO DE MUDANÇAS NO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República ÍNDICE

Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República ÍNDICE Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República O QUE É O PLANTAR? O Plano Técnico de Articulação de Rede de Promoção dos Direitos da Pessoa Idosa (PLANTAR) é uma proposta metodológica que pretende

Leia mais

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES SECRETARIA DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LATUS CONSULTORIA II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES Ijuí - Julho 2010 O MARCO JURÍDICO-INSTITUCIONAL

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

Autogestão da moradia na superação da periferia urbana: conflitos e avanços.

Autogestão da moradia na superação da periferia urbana: conflitos e avanços. Autogestão da moradia na superação da periferia urbana: conflitos e avanços. Luciana Corrêa do Lago A intenção do presente artigo é alimentar a reflexão crítica, em curso no Brasil, sobre as disputas em

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI

Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI 1 Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI 1. Finalidade O FBEI é uma instância de organização e articulação interinstitucional, suprapartidária, que agrega diversos órgãos, organizações

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO A Universidade de Cruz Alta, possui uma área construída de 35.785,92m² em seu Campus Universitário, abrigando, nesse espaço, 26 cursos de graduação, cursos de especialização e mestrado, 119 laboratórios,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar Policy brief. Inovações participativas nas políticas habitacionais para população de Titulo baixa renda: um estudo de caso sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida Entidades Tatagiba, Luciana - Autor/a;

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL

PLANO DIRETOR MUNICIPAL PLANO DIRETOR MUNICIPAL Todos os municípios têm por atribuição constitucional a responsabilidade de exercer o controle sobre o uso e ocupação do solo, e criar condições para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

FNTSUAS CARTA DE PRINCÍPIOS

FNTSUAS CARTA DE PRINCÍPIOS CARTA DE PRINCÍPIOS (versão rascunho em análise) I DA ORIGEM O Fórum Nacional de Trabalhadores/as do Sistema Único de Assistência Social foi concebido durante a VII Conferência Nacional de Assistência

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR

DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR ARTIGO 1 o - O Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis - MNCR, trabalha pela auto-gestão e organização 1 dos catadores através da constituição

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Encontro Regional Serviço Social e Questão Urbana: Assistentes Sociais na defesa do Direito à Cidade

Encontro Regional Serviço Social e Questão Urbana: Assistentes Sociais na defesa do Direito à Cidade Encontro Regional Serviço Social e Questão Urbana: Assistentes Sociais na defesa do Direito à Cidade Organização do evento: CRESS-PR e Comissão de Direito à Cidade Data: 27/05 (Curitiba) e interior do

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO, NOVOS PERFIS E PAPÉIS PROFISSIONAIS DA CHAMINÉ AO CHIP GRANDES FATORES DE MUDANÇA A (R) EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO AS TECNOLOGIAS DE BASE CIENTÍFICA AS NOVAS TECNOLOGIAS ORGANIZACIONAIS

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

PASSOS A SEGUIR :) BAIXAR PACOTE GRÁFICO

PASSOS A SEGUIR :) BAIXAR PACOTE GRÁFICO PASSOS A SEGUIR :) ORGANIZAR OU ADICIONAR O SEU EVENTO PREENCHER O FORMULÁRIO BAIXAR PACOTE GRÁFICO COMEMORAR DIA DA TERRA ENVIAR-NOS SUAS FOTOS E GRÁFICOS ORGANIZAR UM EVENTO OU ADICIONAR O QUE VOCÊ ESTÁ

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA?

TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA? TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA? SEMINÁRIO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA - RS PORTO ALEGRE 08 DE NOVEMBRO DE 2012 Federação Nacional de Arquitetos e Urbanistas Sindicado dos Arquitetos do Rio Grande

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 Concessão de benefícios eventuais e análises correlatas, na Politica de Assistência Social. Considerando que o Conselho Regional de Serviço Social

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 Dispõe sobre o financiamento e desenvolvimento de programas habitacionais sociais, destinados à população de baixa renda e dá outras

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada I Seminário Estadual da Rede-SANS Desafios e estratégias para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária no Estado de São Paulo Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem. SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil

Conselho Federal de Enfermagem. SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil Conselho Federal de Enfermagem SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil Dos Novos Tempos Cofen à Força da Mudança: a evolução administrativa do Cofen. Manoel Carlos Neri da

Leia mais

O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os

O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os cidadãos brasileiros ao nível da sua realidade local.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o O Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 1994,

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1 A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1 BERNARDON, Andressa Corrêa 2 ; RAMOS, C. Marília 3 ; LEAL, Francine Ziegler 4 ; TRINDADE, Tatiana Siqueira 5 ; PRESTES,

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE FUNDO COMUNITÁRIO DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE FUNDO COMUNITÁRIO DE VOLTA REDONDA Casas Populares SUB-FUNÇÃO: PROGRAMA Nº - 244 482 HABITAÇÃO URBANA Reduzir do déficit habitacional e a melhoria dos padrões locais de moradia, contemplar a transferencia de moradias e de população localizadas

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS Cleci Teresinha Noara Assistente Social Fundação Agência

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Plano Municipal de Educação

Plano Municipal de Educação Plano Municipal de Educação Denise Carreira I Encontro Educação para uma Outra São Paulo 30 de novembro de 2007 O Plano Municipal de Educação e as reivindicações dos movimentos e organizações da cidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Participação Social no Governo Federal

Participação Social no Governo Federal PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL Participação Social no Governo Federal Gerson Luiz de Almeida Silva Secretário Nacional de Articulação Social 1. Visões

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas Objetivos: Traduzem os resultados que se pretende atingir com a execução

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul

OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul Moderação: Graciane Regina Pereira e Katiuscia Wilhelm Kankerski 13h Apresentação dos objetivos e da metodologia de trabalho.

Leia mais

CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS SEMINÁRIO PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL E ÁFRICA BRASÍLIA AGOSTO/2008 MARCO REGULATÓRIO RIO A

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA

COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA Comissão de Articulação Institucional do Sistema CAIS Comissão de Controle e Sustentabilidade do Sistema CCSS Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP Comissão

Leia mais

Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior.

Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior. Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior. 1- Promover o acesso igualitário das mulheres ao programa

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

OGU Ações e Projetos 2011/2012

OGU Ações e Projetos 2011/2012 OGU Ações e Projetos 2011/2012 FUNDAMENTOS NORMATIVOS Constituição Federal Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis O que é? Um mecanismo (ou processo) pelo qual a população

Leia mais

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS INTRODUÇÃO Marcelo Machado Sassi 1 Indiara Sartori Dalmolin 2 Priscila de Oliveira Rodrigues 3 Fabiane

Leia mais

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS AGOSTO, 2009 PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS Meios de Transportes Atrativo Turístico Necessidades do Turista Turista O turista compra direto com a rede de prestadores de serviços turísticos

Leia mais