Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software"

Transcrição

1 Levantamento de requisitos no desenvolvimento ágil de software Ricardo Augusto Ribeiro de Mendonça Coordenação de Pós-Graduação Lato Sensu Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) Goiânia GO Brasil Abstract. This paper presents a study of techniques for requirements gathering and demonstrates how to use them in agile software development methodologies. First, some techniques will be presented to raise requirements, then the key will be known agile methodologies and how the requirements are raised in each. Resumo. Este artigo apresenta um estudo de técnicas de levantamento de requisitos e demonstra como utilizá-las em metodologias de desenvolvimento ágil de software. Primeiro, será apresentado algumas técnicas para levantar requisitos, em seguida, será conhecido as principais metodologias ágeis e a forma como os requisitos são levantados em cada uma delas. 1. Levantamento de requisitos O levantamento de requisitos desempenha um papel importante na construção de um sistema de informação, pois é o início para toda a atividade de desenvolvimento de software. É onde o analista faz as primeiras reuniões com os clientes e/ou usuários para conhecer as funcionalidades do sistema que será desenvolvido. Algumas das razões para o baixo grau de satisfação dos usuários estão na fase de levantamento de requisitos do projeto, onde não é utilizada uma técnica adequada para extrair os requisitos do sistema, além disso, a falha do analista em não descrever os requisitos de modo claro, sem ambiguidades, conciso e consistente com todos os aspectos significativos do sistema proposto [Pompilho 1995]. As técnicas de levantamento de requisitos possuem um conceito próprio e podem ser utilizadas em conjunto pelo analista. A seguir serão apresentadas de forma resumida algumas dessas técnicas Entrevistas A entrevista é uma das técnicas tradicionais mais simples de utilizar e que produz bons resultados na fase inicial de obtenção de dados. Convém que o entrevistador dê margem ao entrevistado para expor as suas ideias. É necessário ter um plano de entrevista para que não haja dispersão do assunto principal e a entrevista fique longa, deixando o entrevistado cansado e não produzindo bons resultados. Existem dois tipos de entrevistas:

2 Entrevista fechada, onde o engenheiro de requisitos tem um conjunto prédefinido de perguntas e está à procura de respostas. Entrevista aberta, sem perguntas pré-definidas do engenheiro de requisitos, onde há uma discussão de forma aberta com os interessados sobre o que eles esperam do sistema. Na verdade, muitas vezes não há limite claro entre os dois tipos de entrevistas. Você começa com algumas questões que são discutidas e isso leva a novas questões [Sommerville 1997]. A vantagem de entrevistas é que elas ajudam o desenvolvedor a obter uma rica coleção de informações. Sua desvantagem é que esta quantidade de dados qualitativos pode ser difícil de analisar e poderá haver informações conflitantes das diferentes partes interessadas Questionários Os questionários são indicados, por exemplo, quando há diversos grupos de usuários que podem estar em diversos locais diferentes. Neste caso, elaboram-se pesquisas específicas de acompanhamento com usuários selecionados, pois não seria prático entrevistar todas as pessoas em todos os locais. Existem vários tipos de questionários que podem ser utilizados. Entre estes podemos listar: múltipla escolha, lista de verificação e questões com espaços em branco. O questionário deve ser desenvolvido de forma a minimizar o tempo gasto em sua resposta. Na fase de preparação do questionário deve ser indicado o tipo de informação que se deseja obter. Assim que os requisitos forem definidos o analista deve elaborar o questionário com questões de forma simples, clara e concisa, deixar espaço suficiente para as repostas que forem descritivas e agrupar as questões de tópicos específicos em um conjunto com um título especial. O questionário deve ser acompanhado por uma carta explicativa, redigida por um alto executivo, para enfatizar a importância dessa pesquisa para a organização. Deve ser desenvolvido um controle que identifique todas as pessoas que receberão os questionários. A distribuição deve ocorrer junto com instruções detalhadas sobre como preenchê-lo e ser indicado claramente o prazo para devolução do questionário. Ao analisar as respostas dos participantes é feito uma consolidação das informações fornecidas no questionário, documentando as principais descobertas e enviando uma cópia com estas informações para o participante como forma de consideração pelo tempo dedicado a pesquisa Brainstorming Brainstorming é uma técnica para geração de ideias. Ela consiste em uma ou várias reuniões que permitem que as pessoas sugiram e explorem ideias. Brainstorming contém duas fases - a fase de geração, onde as ideias são coletadas, e a fase de avaliação, onde as ideias coletadas são discutidas. Na fase de geração, as ideias não devem ser criticadas nem avaliadas. Cada ideia pode levar a novas ideias. A técnica de brainstorming leva a uma melhor compreensão do problema para todos e um sentimento de que todos cooperaram para atingir o objetivo.

3 1.4. Joint Application Design (JAD) A metodologia JAD foi desenvolvida pela IBM para acelerar o desenvolvimento de sistemas de informação e está embasada em dinâmicas de grupo acompanhadas de planejamento, estruturação e sistematização de reuniões. O JAD facilita a criação de uma visão compartilhada do que o produto de software deve ser. Através da sua utilização os desenvolvedores ajudam os usuários a formular problemas e explorar soluções. Dessa forma, os usuários ganham um sentimento de envolvimento, posse e responsabilidade com o sucesso do produto. A técnica JAD tem quatro princípios básicos: Dinâmica de grupo: são realizadas reuniões com um líder experiente, analista, usuários e gerentes, para despertar a força e criatividade dos participantes. O resultado final será a determinação dos objetivos e requisitos do sistema; Uso de técnicas visuais: para aumentar a comunicação e o entendimento; Manutenção do processo organizado e racional: o JAD emprega a análise top down e atividades bem definidas. Possibilita assim, a garantia de uma análise completa reduzindo as chances de falhas ou lacunas no projeto e cada nível de detalhe recebe a devida atenção; Utilização de documentação padrão: preenchida e assinada por todos os participantes. Este documento garante a qualidade esperada do projeto e promove a confiança dos participantes. A técnica JAD é composta de duas etapas principais: planejamento, que tem por objetivo elicitar e especificar os requisitos; e projeto, em que se lida com o projeto de software. Cada etapa consiste em três fases: adaptação, sessão e finalização. A fase de adaptação consiste na preparação para a sessão, ou seja, organizar a equipe, adaptar o processo JAD ao produto a ser construído e preparar o material. Na fase de sessão é realizado um ou mais encontros estruturados, envolvendo desenvolvedores e usuários onde os requisitos são desenvolvidos e documentados. A fase de finalização tem por objetivo converter a informação da fase de sessão em sua forma final (um documento de especificação de requisitos). Há seis tipos de participantes, embora nem todos participem de todas as fases: Líder da sessão: é responsável pelo sucesso do esforço, sendo o facilitador dos encontros. Deve ser competente, com bom relacionamento pessoal e qualidades gerenciais de liderança; Engenheiro de requisitos: é o participante diretamente responsável pela produção dos documentos de saída das sessões JAD. Deve ser um desenvolvedor experiente para entender as questões técnicas e detalhes que são discutidos durante as sessões e ter habilidade de organizar ideias e expressá-las com clareza; Executor: é o responsável pelo produto sendo construído. Tem que fornecer aos participantes uma visão geral dos pontos estratégicos do produto de software a

4 ser construído e tomar as decisões executivas, tais como alocação de recursos, que podem afetar os requisitos e o projeto do novo produto; Representantes dos usuários: são as pessoas na empresa que irão utilizar o produto de software. Durante a extração de requisitos, os representantes são frequentemente gerentes ou pessoas chave dentro da empresa que tem uma visão melhor do todo e de como ele será usado; Representantes de produtos de software: são pessoas que estão bastante familiarizadas com as capacidades dos produtos de software. Seu papel é ajudar os usuários a entender o que é razoável ou possível que o novo produto faça; Especialista: é a pessoa que pode fornecer informações detalhadas sobre um tópico específico. Figura 1. Sessão JAD O conceito do JAD de abordagem e dinâmica de grupo poderá ser utilizado para diversas finalidades, como: planejamento de atividades técnicas para um grande projeto, discussão do escopo e objetivos de um projeto e estimativa da quantidade de horas necessárias para desenvolver sistemas grandes e complexos. A maioria das técnicas JAD funciona melhor em projetos pequenos ou médios. Para um sistema grande e complexo podem ser usadas múltiplas sessões JAD para acelerar a definição dos requisitos do sistema.

5 1.5. Prototipagem Um protótipo de um sistema é uma versão inicial do sistema que está disponível no início do processo de desenvolvimento. Protótipos de sistemas de software são frequentemente utilizados para ajudar a obter e validar requisitos do sistema. O protótipo é indicado para estudar as alternativas de interface do usuário; problemas de comunicação com outros produtos; e a viabilidade de atendimento dos requisitos de desempenho. As técnicas utilizadas na elaboração do protótipo são várias: interface de usuário, relatórios textuais, relatórios gráficos, entre outras. Alguns dos benefícios do protótipo são as reduções dos riscos na construção do sistema, pois o usuário chave já verificou o que o analista captou nos requisitos do produto. Para ter sucesso na elaboração dos protótipos é necessária a escolha do ambiente de prototipagem, o entendimento dos objetivos do protótipo por parte de todos os interessados no projeto, a focalização em áreas menos compreendidas e a rapidez na construção. 2. Desenvolvimento Ágil O Desenvolvimento Ágil é um conjunto de metodologias de desenvolvimento de software. É uma filosofia onde muitas metodologias se encaixam. As metodologias ágeis aplicam uma coleção de práticas guiadas por princípios e valores que podem ser aplicados por profissionais de software no decorrer do trabalho. Métodos ágeis são adaptativos ao invés de preditivos. Com os métodos tradicionais, o processo de software é planejado em detalhes por um longo período de tempo. Isso funciona bem se não houver grandes mudanças, o domínio da aplicação e as tecnologias de software sejam bem compreendidos pela equipe de desenvolvimento. Os métodos ágeis foram desenvolvidos para se adaptar as mudanças [Fowler 2000]. Métodos ágeis são orientados às pessoas ao invés de processos. Eles confiam na experiência das pessoas, na competência e na colaboração direta, do que em rigor dos processos centrados em documentos, para produzir software de alta qualidade [Fowler 2000]. A seguir, os métodos ágeis mais comuns serão brevemente discutidos Extreme Programming (XP) A metodologia Extreme Programming (XP) enfatiza o desenvolvimento rápido do projeto e visa garantir a satisfação do cliente, além de favorecer o cumprimento das estimativas. As regras, práticas e valores da XP proporcionam um agradável ambiente de desenvolvimento de software para os seus seguidores, que são conduzidos por quatro valores: comunicação, simplicidade, feedback e coragem. A finalidade do princípio de comunicação é manter o melhor relacionamento possível entre clientes e desenvolvedores, preferindo conversas pessoais a outros meios de comunicação. A comunicação entre os desenvolvedores e o gerente do projeto também é encorajada. A forma de comunicação é um fator chave na XP: procura-se o máximo possível comunicar-se pessoalmente, evitando se o uso de telefone e o envio de mensagens por correio eletrônico.

6 A simplicidade visa permitir a criação de código simples que não deve possuir funções desnecessárias. Por código simples entende-se implementar o software com o menor número possível de classes e métodos. Outra ideia importante da simplicidade é procurar implementar apenas requisitos atuais, evitando-se adicionar funcionalidades que podem ser importantes no futuro. A aposta da XP é que é melhor fazer algo simples hoje e pagar um pouco mais amanhã para fazer modificações necessárias do que implementar algo complicado hoje que talvez não venha a ser usado, sempre considerando que requisitos são mutáveis [Soares 2004]. Figura 2. Práticas XP Durante o planejamento, são usadas as técnicas de elicitação de requisitos, como entrevistas, brainstorming e priorização. A principal ferramenta utilizada para elicitação são os cartões de história em que os usuários escrevem suas histórias de usuário, que é uma descrição de um recurso que fornece o valor de negócio para o cliente [Carvalho Costa 2011]. Antes que as histórias possam ser escritas em cartões, os clientes têm que pensar sobre o que eles esperam do sistema e fazer com que a funcionalidade seja necessária. Este processo é uma espécie de brainstorming. Desenvolvedores pedem mais detalhes para determinar o que os clientes realmente querem que o sistema faça e estimam o esforço necessário para desenvolvê-la. Com base nestas estimativas e do tempo disponível na próxima iteração, os clientes estão, por sua vez, capazes para escolher as histórias a serem desenvolvidos.

7 2.1. Scrum O Scrum é um processo de desenvolvimento iterativo e incremental para gerenciamento de projetos e desenvolvimento ágil de software. Scrum não propõe qualquer técnica de desenvolvimento de software específico para a implementação. Ele se concentra em como uma equipe deve trabalhar em conjunto para produzir um trabalho de qualidade em um ambiente em mudança [Abrahamsson 2002]. As fases do Processo de Scrum são: pré-planejamento, desenvolvimento e pósplanejamento. Na fase de pré-planejamento (pre-game phase), os requisitos são descritos em um documento chamado backlog. A seguir os requisitos são classificados por prioridade, onde é estimado o esforço para o seu desenvolvimento. Nesta fase inclui a definição dos integrantes da equipe, identificação da necessidade de treinamento, as ferramentas que serão utilizadas, como também uma lista com os prováveis riscos de projeto. A fase é concluída com uma proposta de arquitetura de software. As alterações futuras devem ser descritas no backlog. Na fase de desenvolvimento (game phase), os riscos previamente identificados devem ser mapeados e acompanhados ao longo do projeto para avaliar o seu impacto. Nesta fase, o software é desenvolvido em ciclos interativos (sprints), onde são adicionadas novas funcionalidades. Cada um desses sprints com duração de 2 a 4 semanas são desenvolvidos de forma tradicional (análise, projeto, implementação e testes). Já na fase de pós-planejamento (post-game phase) é onde acontece a integração do software, os testes finais e a documentação do usuário. A equipe se reúne para analisar o estado do projeto e o software atual é apresentado ao cliente. As principais técnicas são o scrum product backlog, sprints e scrums. No que diz respeito à engenharia de requisitos, o product backlog desempenha um papel especial no scrum. Todos os requisitos considerados necessários ou úteis para o produto estão listados no product backlog. Ele contém uma lista ordenada de todas as funcionalidades, melhorias e bugs. O product backlog pode ser comparado com um documento de requisitos incompleto e em constante mudança, contendo os requisitos necessários para o desenvolvimento. Cada sprint, iteração com 30 dias de desenvolvimento, está prevista com base nas informações incluídas no product backlog. Tarefas selecionadas a partir do product backlog são movidas para o sprint backlog. Nenhuma alteração será feita para o sprint backlog durante o sprint. Ou seja, não há flexibilidade nos requisitos durante um sprint, mas há total flexibilidade para o cliente escolher os requisitos do próximo sprint.

8 Figura 3. Sprint Durante uma sprint a equipe de desenvolvimento passa por várias fases (reunião de planejamento da sprint, sprint, revisão da sprint). O objetivo da reunião de revisão da sprint é de que os participantes (clientes e desenvolvedores) tenham entendimento do sistema, sua arquitetura técnica e design, bem como as funcionalidades entregues. O conhecimento adquirido na reunião de revisão de sprint e o product backlog atual é a base para a próxima reunião de planejamento do sprint. Uma parte da reunião de revisão de sprint, onde os participantes adquirem conhecimentos sobre o sistema, pode ser comparado à revisão de requisitos e a uma apresentação do protótipo evolutivo para o cliente Feature Driven Development (FDD) O Desenvolvimento Orientado a Funcionalidades (FDD) é um processo de curta iteração para desenvolvimento de software com foco no projeto e na fase de desenvolvimento. FDD é composto por cinco processos sequenciais. Os três primeiros são executados no início do projeto e os dois últimos durante cada iteração [Fowler 2000]. Desenvolvimento de um modelo geral; Construção de uma lista de funcionalidades; Planejamento por funcionalidade; Projeto por funcionalidade; Desenvolvimento por funcionalidade. Os dois papéis mais importantes na FDD são o programador-chefe, um desenvolvedor experiente capaz de liderar equipes pequenas de desenvolvimento e de participar da análise de requisitos e da modelagem do projeto, e o proprietário da classe,

9 que trabalhará com a classe que é atribuída a ele. Na primeira fase, um modelo geral é desenvolvido por membros do domínio e pelos desenvolvedores. A lista de funcionalidades é construída na segunda fase com base no modelo global. O modelo global é composto de diagramas de classe com classes, links, métodos e atributos. As classes e links estabelecem a forma do modelo. Os métodos expressam o comportamento e é a base para a construção da lista de funcionalidades. Uma funcionalidade em FDD é uma função que agrega valor para o cliente. As funcionalidades da lista de funcionalidades são priorizadas pela própria equipe. A lista de funcionalidades é revisada pelos membros do domínio [Lefebvre 1999]. Figura 4. Processos da FDD Os requisitos em FDD são listados, definidos e documentados através de casos de uso, produzindo diagramas de classe e sequência. Em seguida, os requisitos são agrupados e priorizados conforme importância e dependência. FDD propõe um encontro semanal de 30 minutos para que a situação das funcionalidades seja discutida e um relatório sobre a reunião seja escrito [Lefebvre 1999]. Esses relatórios podem ser comparados com o monitoramento/gestão dos requisitos Adaptive Software Development (ASD) Os princípios do Desenvolvimento Adaptável de Software (ASD) são provenientes de pesquisas sobre o desenvolvimento iterativo. ASD fornece uma estrutura para o desenvolvimento de sistemas grandes e complexos com orientação suficiente para impedir os projetos de cair no caos. O método estimula o desenvolvimento iterativo e incremental com prototipagem constante. O processo ASD contém três fases que se sobrepõem: especulação, colaboração e aprendizagem.

10 Figura 5. Processo ASD Os nomes das fases enfatizam a diferença do desenvolvimento de software tradicional. Especulação em vez de planejamento, porque o planejamento sempre indica que não há incertezas. A importância do trabalho em equipe é destacada pela colaboração. Em um ambiente imprevisível, pessoas têm a necessidade de se comunicar para serem capazes de lidar com as incertezas [Highsmith 1996]. Aprendizagem salienta que os requisitos mudam durante o desenvolvimento e existe a necessidade de um conhecimento sobre isso. Na ASD os desvios não são uma falha do sistema, mas levarão para uma solução correta. Cada projeto começa com a definição da missão do projeto, uma breve declaração indicando o curso do projeto. Durante a fase de iniciação do projeto, o cronograma geral bem como os prazos e os objetivos para os ciclos de desenvolvimento são definidos. Um ciclo em ASD dura entre quatro e oito semanas. Como ASD é orientada a componentes em vez de orientado a tarefas, ela foca nos resultados e sua qualidade. A próxima fase é o planejamento do ciclo adaptativo que contém a fase de colaboração onde o ASD aborda a visão orientada a componentes. Ciclos do planejamento são repetidos quando ocorrem novas exigências e os componentes têm de ser refinados. Revisões com a presença do cliente demonstram a funcionalidade do software durante o ciclo. A fase de release é a última fase de um projeto ASD. Não há recomendações de como esta fase deve ser realizada, mas a ênfase está na importância de capturar as lições aprendidas. Os requisitos em ASD são definidos através de sessões de JAD com a presença de representantes do cliente. Como em outros processos ágeis, ASD é baseada em ciclos de desenvolvimento iterativo. ASD destaca que um método cascata só funciona em um ambiente bem compreendido e bem definido. Mas as mudanças são frequentes no desenvolvimento de software e é importante ser capaz de reagir às mudanças e utilizar um método de tolerância às mudanças.

11 3. Conclusão As metodologias de desenvolvimento ágil podem ser consideradas novas, porém vêm acompanhando as necessidades de desenvolver softwares com qualidade, no menor tempo possível e que atendam as necessidades dos clientes. Profissionais da tecnologia da informação vêm aprimorando as concepções destas metodologias para atender as necessidades do mercado e principalmente das pessoas. Os métodos ágeis são baseados em um forte envolvimento do cliente durante todo o processo de desenvolvimento. Porém, os métodos pedem vários clientes com diferentes experiências, mas às vezes apenas um cliente está disponível. Isso significa que nem todas as questões levantadas podem ser respondidas com detalhes suficientes. Isso pode resultar em atrasos no desenvolvimento ou em tomada de decisões potencialmente incorretas. Além disso, algumas áreas de negócio não podem ser suficientemente compreendidas pelo cliente, de modo que ele não pode dizer a equipe de desenvolvimento sobre os requisitos relacionados. Mesmo que os requisitos sejam levantados em sessões de grupo não é garantido que os usuários ou clientes com a base necessária estejam presentes. Contudo, o desenvolvimento ágil de software leva a uma melhor compreensão dos requisitos e do processo de desenvolvimento, pois envolve os clientes, que são capazes de tomar as decisões corretas e ter sua própria visão a respeito do sistema a ser desenvolvido. Uma empresa ao utilizar estes métodos, estará agregando valor aos seus negócios e melhorando o ambiente de seus colaboradores e clientes, tratando-os como pessoas e parceiros. Está é chave no mundo dos negócios, o bem estar de seus colaboradores e a parceria entre o fornecedor e seus clientes, criando um laço de confiança.

12 Referências ABRAHAMSSON, Pekka, SALO, Outi, RONKAINEN, Jussi e WARSTA, Juhani. Agile software developlment methods. Review and analysis. Espoo VTT Publications p. CARVALHO COSTA, Gustavo Henrique de. Engenharia de Requisitos no Desenvolvimento de Software Ágil. Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Informática, FOWLER, Martin. The new methodology. articles/newmethodology.html, HIGHSMITH, James A. Adaptive Software Development. Dorset House Publishing, LEFEBVRE, Eric, COAD, Peter e DE LUCA, Jeff. Java Modeling in Color with UML. Prentice Hall PTR, POMPILHO, S. Análise Essencial Guia Prático de Análise de Sistemas. Rio de Janeiro: Ed. Ciência Moderna Ltda, PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. São Paulo: Ed. Markon Books, SOMMERVILLE, Ian e KONTONYA, Gerald. Requirements Engineering. John Wiley & Sons, SOARES, Michel dos Santos. Comparação entre Metodologias Ágeis e Tradicionais para o Desenvolvimento de Software. Unipac - Universidade Presidente Antônio Carlos, Faculdade de Tecnologia e Ciências de Conselheiro Lafaiet, 2004.

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM -

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - André Roberto Ortoncelli ar_ortoncelli@hotmail.com 2010 Organização da Apresentação Introdução as Metodologias Ágeis Scrum Conceitos Básicos Artefatos Papeis Cerimônias Estórias

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Aula 5 Levantamento de Processos. Andréa Magalhães Magdaleno andrea@ic.uff.br

Modelagem de Processos de Negócio Aula 5 Levantamento de Processos. Andréa Magalhães Magdaleno andrea@ic.uff.br Modelagem de Processos de Negócio Aula 5 Levantamento de Processos Andréa Magalhães Magdaleno andrea@ic.uff.br Agenda Técnicas de levantamento de processos Análise de documentação Observação Story boarding

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Práticas de Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Uma Investigação inicial da Atividade de Engenharia de Requisitos em Processos Ágeis

Uma Investigação inicial da Atividade de Engenharia de Requisitos em Processos Ágeis Uma Investigação inicial da Atividade de Engenharia de Requisitos em Processos Ágeis André Abe Vicente 1 1 Instituto de Ciências Matemáticas e Computação Universidade de São Paulo (USP) Caixa Postal 668

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê?

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê? Significado de XP? Extreme Programming (Programação Extrema). Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Pequenas e Médias. Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado

Leia mais

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Metodologias Ágeis Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Introdução Ao longo dos anos a indústria de desenvolvimento

Leia mais

comentários post favorito (20)

comentários post favorito (20) 1 de 16 01/10/2014 21:54 comentários post favorito (20) DevMedia Curtir Anuncie Loja Publique Assine Fale conosco 33.682 pessoas curtiram DevMedia. Plug-in social do Facebook Hospedagem web por Porta 80

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Scrum

Aula 2 Introdução ao Scrum Curso Preparatório para a certificação Scrum Fundamentals Certified (SFC ) da ScrumStudy www.scrumstudy.com Aula 2 Introdução ao Scrum www.sitecampus.com.br - Cadastre-se gratuitamente para acessar ao

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Introdução a Abordagens de Identificação de Requisitos

Introdução a Abordagens de Identificação de Requisitos Introdução a Abordagens de Identificação de Requisitos Janaína Bedani Dixon Moraes jana_dixon2001@yahoo.com.br É especialista em Concepção e Gerência de Sistemas Orientado a Objeto pela UNIRON- DON. Tem

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Ago-2008 1 Gestão de requisitos 2 Bibliografia: PAULA

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática. Pós-graduação em Ciência da Computação

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática. Pós-graduação em Ciência da Computação Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Pós-graduação em Ciência da Computação ENGENHARIA DE REQUISITOS NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ÁGIL Gustavo Henrique de Carvalho Costa MONOGRAFIA

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA Kleber Lopes Petry Éder Moretto Garcia Rodrigo Clemente Thom de Souza Proposta de processo para levantamento de requisitos para desenvolvimento de produtos de

Leia mais

Projetos Ágeis aplicados a TI. Júlio Cesar da Silva Msc.

Projetos Ágeis aplicados a TI. Júlio Cesar da Silva Msc. Projetos Ágeis aplicados a TI Júlio Cesar da Silva Msc. Apresentação Graduação em Matemática e TI MBA em Gestão em TI Mestre em Administração Certificado ITIL, Cobit e ScrumMaster Professor Graduação Professor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CI 221 DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 5 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO Nesta aula serão apresentados e discutidos os conceitos de Gestão de projetos de software, riscos de software,

Leia mais

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Ponto de Vista da Mercer A avaliação 360 é um elemento vital para o desenvolvimento da liderança e planejamento de talentos Identifica pontos fortes e áreas de desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis

Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis Ferramenta para Gerenciamento de Requisitos em Metodologias Ágeis Eduardo dos Santos Gonçalves 1, Heitor Boeira dos Reis Filho 1 1 Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Av. Itacolomi, 3.600 Bairro São

Leia mais

BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS

BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS 973 BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS Jéssica Magally de Jesus Santos 1 ; Gabriela Ribeiro Peixoto Rezende Pinto 2 1. Bolsista

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Metodologia de desenvolvimento de software de baixa complexidade: estudos iniciais Juliana da Rosa Dias juliana.da.rosa.dias@gmail.com Renan Alberto de Souza souza.renan@me.com Resumo: Esse artigo tem

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS: XP, SCRUM, FDD E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL

COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS: XP, SCRUM, FDD E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL COMPARAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS DOS MÉTODOS ÁGEIS:, SCRUM, E ASD EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO ITERATIVO INCREMENTAL COMPARISON BETWEEN THE PROCESSES OF METHODS ÁGEIS:, SCRUM, AND ASD WITH RESPECT TO THE

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Proposta de Utilização de FDD e APF para Melhoria do Processo de Software

Proposta de Utilização de FDD e APF para Melhoria do Processo de Software Proposta de Utilização de FDD e APF para Melhoria do Processo de Software Cristiane Ribeiro da Cunha, Cristina D Ornellas Filipakis Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas

Leia mais

Processo de Software - Revisão

Processo de Software - Revisão Processo de Software - Revisão Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Pressman, R. S. Engenharia de Software, McGraw-Hill, 6ª. Edição,

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1 Peter Rizzon 2 Resumo: Com a crescente demanda no desenvolvimento de softwares baseados na plataforma web, as empresas

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software com Programação extrema (XP) Ricardo Argenton Ramos

Desenvolvimento Ágil de Software com Programação extrema (XP) Ricardo Argenton Ramos Desenvolvimento Ágil de Software com Programação extrema (XP) Ricardo Argenton Ramos Novos ventos no mundo do Desenvolvimento de Software Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

Aplicando Scrum no. Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza

Aplicando Scrum no. Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Aplicando Scrum no Vítor E. Silva Souza (vitor.souza@ufes.br) http://www.inf.ufes.br/~vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Licença para uso e

Leia mais

Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas

Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas Um Modelo para Definição de Metodologia de Desenvolvimento de Software Baseado em Pessoas Rodrigo L. M. Mota, Pablo B. S. Lima, Breno L. Romano Departamento de Computação e Matemática Instituto de Ciências

Leia mais

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software.

Tópicos da Aula. Que é são requisitos? Tipos de Requisitos. Requisitos Funcionais. Classificação de Requisitos. Requisitos de Software. Engenharia de Software Aula 06 Tópicos da Aula Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo dcc603@gmail.com 26 Março 2012 Funcionais e não funcionais De usuário e do Engenharia de Estudo

Leia mais

Qualidade no levantamento de requisitos

Qualidade no levantamento de requisitos Qualidade no levantamento de Trecho do Pequeno Príncipe: Antoine Saint-Exupéry, 1996. E ele repetiu-me então, brandamente, como uma coisa muito séria: - Por favor... desenha-me um carneiro... Quando o

Leia mais

Análise de Sistemas Unidade III A Engenharia de Software Desenvolvimento Ágil

Análise de Sistemas Unidade III A Engenharia de Software Desenvolvimento Ágil Análise de Sistemas Unidade III A Engenharia de Software Desenvolvimento Ágil franciscogerson10@gmail.com Conteúdo Programático Introdução O que é um processo ágil A política de desenvolvimento ágil Fatores

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software (do inglês Agile software development) ou Método ágil é um conjunto de metodologias de desenvolvimento de software. O desenvolvimento ágil,

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª. Série Análise Estruturada de Sistemas Sistemas de Informação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia)

Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia) 1 2 Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia) Em todo desenvolvimento de software, um aspecto fundamental

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Urgência: Um Fator Crítico no Planejamento de Projetos

Urgência: Um Fator Crítico no Planejamento de Projetos Urgência: Um Fator Crítico no Planejamento de Projetos por Ricardo Vargas em Ricardo-Vargas.com Ricardo Diante da natural velocidade e do dinamismo do mundo, a agilidade e o senso de urgência têm se tornado

Leia mais

OBJETIVO DO PROGRAMA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E CARGA HORÁRIA PREMISSAS DOS PROGRAMA INVESTIMENTO E PRÓXIMA TURMA I NSTRUTORES

OBJETIVO DO PROGRAMA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E CARGA HORÁRIA PREMISSAS DOS PROGRAMA INVESTIMENTO E PRÓXIMA TURMA I NSTRUTORES PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS DE OBJETIVO DO PROGRAMA O programa visa capacitar seus participantes em técnicas práticas e conceitos necessários para trabalhar em iniciativas de modelagem,

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Conteúdo Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Profa. Elisa Yumi Nakagawa 2. Semestre 2005 Material inicialmente elaborado por André Figueiredo e mantido por pesquisadores

Leia mais

O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1.

O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1. O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1. André Luiz Zambalde Universidade Federal de Lavras

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson

Leia mais

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos Sumário Modelagem de Processos Módulo 4 1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Modelagem de Sistemas MP

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais