KANT E A FACULDADE DE JULGAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KANT E A FACULDADE DE JULGAR"

Transcrição

1 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 1 KANT E A FACULDADE DE JULGAR Em reflexäo, a dupla funåäo do JuÇzo e a relaåäo entre entendimento, sentimento e razäo. Por Ulisses da Silva Vasconcelos* A RELAÄÅO ENTRE NATUREZA E LIBERDADE POR MEIO DA FACULDADE DE JULGAR NO ÇMBITO DAS TRÉS OBRAS CRÑTICAS DE KANT IntroduÄÅo Na CrÇtica do JuÇzo (Kritik der Urteilskraft), Kant ao investigar a nossa faculdade de julgar faz a distinäåo entre JuÉzo reflexionante (estötico e teleolügico) e JuÉzo determinante (teürico e prático), situando o primeiro na base de toda preocupaäåo epistemolügica, prática e estötica, isto Ö, dando primazia fundacional ao JuÉzo reflexionante com relaäåo ao conhecimento e a moral. Kant, preocupado em analisar como såo posséveis JuÉzos estöticos universalmente válidos, fala de uma vinculaäåo entre o JuÉzo reflexionante juézo-de-reflexåo estötica que contöm finalidade formal, relacionado ao sentimento de prazer e desprazer e o JuÉzo determinante, relacionado com as faculdades de conhecer e de desejar. O filüsofo afirma que esta conexåo nåo está fundada em nenhum princépio a priori do entendimento e da razäo, e sim que o JuÉzo-de-reflexÅo estötica está na base fundacional de ambas as faculdades. O objetivo deste artigo Ö justamente explicitar a distinäåo entre JuÉzo reflexionante e JuÉzo determinante no ãmbito das trås obras créticas de

2 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 2 Kant, e como o filüsofo estabelece a vinculaäåo do substrato sensével da razåo teürica (conhecimento) ao substrato inteligével da razåo prática (liberdade), mediante um princépio prüprio do JuÉzo. A dupla funäåo do JuÇzo A expressåo faculdade de julgar, çs vezes traduzida simplesmente por JuÉzo ("Urteilskraft"), Ö empregada sobretudo em relaäåo com a filosofia de Kant. Na IntroduÅÄo É CrÇtica do JuÇzo (item IIa, p. 171), o filüsofo faz trås definiäées para a nossa faculdade de pensar: o entendimento, Ö a faculdade do conhecimento do universal (das regras); o JuÄzo, Ö a faculdade da subsunäåo do particular sob o universal e, a razåo, Ö a faculdade da determinaäåo do particular pelo universal (da derivaäåo a partir de princépios). Ainda na IntroduÄÅo (item XIa, p.199), ele coloca as trås faculdades da mente ao lado das trås faculdades-de-conhecimento superiores correspondentes: Faculdade-de-conhecimento (entendimento) Legalidade Produto: Natureza; Sentimento de prazer e desprazer (JuÉzo) Finalidade (formal, legalidade livre, legalidade sem lei) Produto: Arte; Faculdade-de-desejar (razåo) Finalidade (Lei, obrigatoriedade) Produto: Costumes. Assim, Kant situa o JuÉzo como uma faculdade intermediária entre as trås faculdades do espérito humano: ora coloca o JuÉzo como a faculdade intermediária de pensar o particular sob os princépios do entendimento e da razäo, ora coloca o JuÉzo como faculdade-de-conhecimento-superior intermediária (de pensar o princépio para o particular). Isso significa que a faculdade de julgar em geral Ö a capacidade de pensar o particular como contido sob o universal (como dependente dos princépios do entendimento e da razäo), e ao mesmo tempo a faculdade de julgar sob um princépio prüprio, isto Ö, independentemente dos princépios do entendimento e da razäo. No primeiro caso temos o JuÉzo determinante, no segundo o JuÉzo reflexionante. Como Kant afirma que a faculdade de julgar designa a faculdade de pensar o particular como contido no universal, conclui-se que há dois modos básicos de JuÉzo: se o universal está dado, o JuÉzo que subordina nele o particular chama-se determinante (bestimmend); se ao contrário, está dado o particular e Ö preciso subordinar no universal, o JuÉzo que procura o universal no qual subordinar o particular chama-se reflexionante (reflektierend). Em outras palavras, se o universal (a regra, o princépio, a lei) for dado, o JuÉzo que nele subsume (pensa) o particular Ö determinante (bestimmend). Por outro lado, se somente o particular for dado, para o qual ela deve encontrar o universal, entåo o JuÉzo Ö simplesmente reflexionante (reflektierend). Portanto, para Kant, o JuÉzo exerce uma dupla funäåo: 1) O JuÉzo Ö determinante, quando se trata de encontrar uma representaäåo particular para uma representaäåo universal já dada (a lei ou para um objeto particular ou para uma aäåo no caso do conhecimento e da moral); 2) O JuÉzo Ö

3 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 3 reflexionante, quando se trata de procurar uma representação universal para uma outra representação particular já dada, ou seja, é o Juízo que parte em busca de uma representação universal para uma obra dada (no caso da arte, de um quadro, de uma escultura, de uma música etc.). No primeiro caso, a função do Juízo tem validade objetiva (determinação objetiva para um objeto particular ou para uma ação) por meio de um princípio a priori do entendimento ou da razäo. No segundo caso, a função do Juízo é meramente subjetiva, tendo validade somente para o sentimento de prazer e desprazer, e atua sob um princípio a priori do próprio Juízo. Em outras palavras, o Juízo determinante pensa primeiramente o universal (o conceito do entendimento ou a lei moral) e subsume o particular encontrado (o objeto teórico ou a ação), enquanto o Juízo reflexionante pensa primeiramente o particular (a obra de arte) e o subsume ao universal procurado. Para Kant, as faculdades de conhecimentos superiores traduzem o fundamento e a unificação da filosofia em seu sistema transcendental, e ele inclui aí justamente a faculdade de julgar entre o entendimento e a razäo. Ao definir as três faculdades superiores, Kant intenciona unificar todo o seu sistema crítico: a faculdade de julgar, é a faculdade da subsunção do particular sob o universal; a razäo, é a faculdade da determinação do particular pelo universal, legisladora das leis da liberdade na Crítica da razão prática e, o entendimento, é a faculdade legisladora das regras, das leis da natureza que permitem o conhecimento do universal no mundo fenomênico, objeto da Crítica da razão pura teórica. Com isso Kant distingue as duas faculdades superiores legisladoras (entendimento e razäo) de uma faculdade superior sem autonomia (sem regras e sem leis), a faculdade de julgar. Por conseguinte, Kant divide a filosofia em duas partes, em filosofia teórica (conhecimento) e em filosofia prática (moral), situando a faculdade de julgar entre esses dois campos, porque esta faculdade, ao realizar a sua função de subsunção do particular sob o universal, é ao mesmo tempo responsável pela ligação necessária entre o conhecimento e a liberdade, revelando assim a estrutura sistemática da razão: razão teórica Juízo razão prática. As faculdades-de-conhecimento superiores (entendimento, juízo e razão) contém princípios formais próprios a priori que fundam necessidade e universalidade, conforme determinem a faculdade da mente a estas correspondentes, e associam-se a estes fundamentos a priori a possibilidade das formas das representações de seus produtos. Assim, o entendimento contém princípios a priori (legalidade) para a faculdade-de-conhecimento que fundam a representação da Natureza por conceitos; o JuÇzo contém princípios a priori (finalidade formal, legalidade sem lei) para o sentimento de prazer e desprazer que fundam a representação da Arte, mas sem produzir conceitos, regras ou leis, e a razäo contém princípios a priori (finalidade que é ao mesmo tempo lei,

4 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 4 obrigatoriedade) meramente para a faculdade-de-desejar que fundam os costumes sob a ideia da liberdade humana. A natureza, portanto, funda sua legalidade sobre princépios a priori do entendimento como uma faculdade-de-conhecimento; a arte orienta-se em sua finalidade a priori segundo o JuÉzo, em referåncia ao sentimento de prazer e desprazer; por fim, os costumes (como produto da liberdade) ficam sob a idöia de uma tal forma da finalidade, que se qualifica a lei universal, como fundamento de determinaäåo da razåo quanto ç faculdade-de-desejar. Os juézos, que desse modo se originam de princépios a priori que såo prüprios a cada faculdade fundamental da mente, såo juézos teüricos, estöticos e práticos. (KANT, 1980a, p ) Para Kant, a faculdade de julgar, embora seja uma faculdade de conhecimento superior, nåo produz os conceitos, como o entendimento, nem ideias, como a razåo. Nesse sentido, a faculdade de julgar Ö uma faculdade de conhecimento particular e sem autonomia, que opera a subsunäåo desse particular sob conceitos dados, provenientes do entendimento. Mas a faculdade de julgar nåo funda nem um conhecimento teürico da natureza, nem um princépio prático da liberdade; ela pressupée uma unidade formal das leis da natureza de acordo com os conceitos do entendimento. Essa unidade fornece um princépio para se operar a subsunäåo de experiåncias particulares sob as leis universais a priori, o que permite a vinculaäåo sistemática dos dados empéricos. Neste aspecto, o discurso de Kant na IntroduÅÄo É CrÇtica do JuÇzo, ilustra bem seus propüsitos: O conceito originariamente proveniente do JuÉzo e prüprio a ele Ö, pois, o da natureza como arte, em outras palavras, o da töcnica da natureza quanto a suas leis particulares, conceito este que nåo funda nenhuma teoria e, do mesmo modo que a lügica, nåo contöm conhecimento dos objetos e de sua Éndole, mas somente dá um princépio para o prosseguimento segundo leis de experiåncia, pelas quais se torna possével a investigaäåo da natureza. Com isto, poröm, o conhecimento da natureza nåo Ö enriquecido com nenhuma lei objetiva particular, mas Ö apenas fundada para o juézo uma máxima, para observá-la de acordo com ela e, com isso, manter juntas as formas da natureza. (KANT, 1980a, p. 172) Por isso Kant apresenta as faculdades de conhecimento segundo os tipos de relaäées existentes entre o sujeito e o objeto. Assim, quando o sujeito constrüi representaäées que se referem ao objeto, está em aäåo a faculdade do conhecimento em sentido estrito; quando as representaäées såo causa da efetividade do objeto, age no sujeito a faculdade de desejar; e quando, finalmente, essas representaäées referem-se ao sujeito, produzindo efeito positivo ou negativo sobre o mesmo,

5 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 5 está em ato o sentimento de prazer ou desprazer. Estabelecidos os dois sistemas de faculdades, Kant, aplicando seu mötodo transcendental, opera a relaäåo de um com o outro, deduzindo os princépios a priori da faculdade de julgar, ao lado dos princépios a priori do entendimento e da razäo, já deduzidos, respectivamente, nas duas primeiras CrÉticas. Enquanto o entendimento e a razäo referem-se a objetos, o JuÉzo refere-se exclusivamente ao sujeito, nåo produzindo nenhum conceito de objetos. Discorrendo sobre isto, Kant argumentou que: Ora, a faculdade-de-conhecimento segundo conceitos tem seus princépios a priori no entendimento puro (em seu conceito da natureza), a faculdade-de-desejar, na razåo pura (em seu conceito da liberdade), e assim resta ainda entre as propriedades da mente em geral uma faculdade ou receptividade mödia, ou seja, o sentimento de prazer e desprazer, assim como entre as faculdades superiores do conhecimento uma faculdade mödia, o JuÇzo. O que Ö mais natural do que supor: que esta èltima conterá igualmente princépios a priori para a primeira. [...] nåo se pode deixar de reconhecer já aqui uma certa adequaäåo do JuÉzo ao sentimento de prazer, para servir de fundamento-de-determinaäåo a este ou encontrá-lo nele, nesta medida: que, se na divisåo da faculdade-de-conhecimento por conceitos entendimento e razäo referem suas representaäées a objetos, para obter conceitos deles, o JuÇzo se refere exclusivamente ao sujeito e por si sü nåo produz nenhum conceito de objetos. Do mesmo modo, se, na divisåo dos poderes da mente em geral, tanto faculdade-deconhecimento quanto faculdade-de-desejar contåm uma referåncia objetiva das representaäées, assim, em contrapartida, o sentimento de prazer e desprazer Ö somente a receptividade de uma determinaäåo do sujeito, de tal modo que, se o JuÉzo deve, em alguma parte, determinar algo por si sü, isso nåo poderia ser nada outro do que o sentimento de prazer e, inversamente, se este deve ter em alguma parte um princépio a priori, este sü será encontrável no JuÇzo. (KANT, 1980a, p. 174). Portanto, a pressuposiäåo transcendental subjetivamente necessária de que a natureza, longe de ser um amontoado de leis empéricas ou de formas heterogåneas, mas, pelo contrário, que esta, pela afinidade das leis particulares sob as mais universais, se qualifique a uma experiåncia, como sistema empérico, Ö o princépio transcendental da faculdade de julgar, uma vez que a ideia de ordem e coeråncia Ö apenas reguladora, sem a qual o ato de julgar torna-se impossével. AlÖm de simplesmente subsumir o particular sob o universal, cujo conceito já esteja dado, o JuÉzo pode fazer o percurso contrário, isto Ö, encontrar para os dados empéricos singulares uma lei natural pressuposta a priori. Isso, sü o JuÉzo pode fazå-lo. Para Kant, sü no JuÉzo Ö encontrável aquele princépio da afinidade das leis naturais particulares, isto Ö, de fixar para a experiåncia como sistema e, portanto, para sua prüpria necessidade, um princépio.

6 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 6 [...] Nem o entendimento nem a razåo podem fundar a priori tal lei natural. [...] ela Ö livre de todas as restriäées de nossa faculdade-deconhecimento legisladora, e Ö uma mera pressuposiäåo do JuÉzo, em funäåo de seu prüprio uso, para remontar do empérico-particular cada vez mais ao mais universal igualmente empérico, em vista da unificaäåo de leis empéricas, que funda aquele princépio. (KANT, 1980a, p ). Segundo Kant (1980a, p. 176), o JuÉzo em sua natureza prüpria, Ö a mera faculdade de refletir (Ñberlegen), ou seja, analisar e sustentar juntas determinadas representaäées com o intuito de viabilizar conceitos. Este Ö o doménio do JuÇzo reflexionante ou da faculdade de julgar propriamente dita: O JuÇzo reflexionante Ö aquele que tamböm se denomina a faculdade-dejulgamento. O princépio transcendental do JuÇzo reflexionante Ö o que permite considerar, a priori, a natureza como um sistema lügico; Ö o princépio por meio do qual a natureza especifica a si mesma, Ö o princépio prüprio do JuÉzo: "A natureza especifica suas leis universais em empéricas, em conformidade com a forma de um sistema lügico, em funäåo do JuÉzo" (KANT, 1980a, p. 179). Desse modo, segundo Kant, pode-se afirmar uma pressuposta finalidade da natureza, ou seja, de um fim nåo posto no objeto, mas no sujeito, no uso de sua faculdade de refletir. Nesse sentido, o juézo Ö uma töcnica que fornece finalidades a priori ç natureza, rejeitando-a enquanto diversidade sem fundamento unificador. Assim, Ö o JuÉzo que Ö propriamente töcnico; a natureza Ö somente representada como töcnica, na medida em que concorda com aquele seu procedimento e o torna necessário (KANT, 1980a, p.182). Mas em que consiste essa töcnica no ãmbito da faculdade de conhecimento em seu sentido estrito? Segundo Kant (1980a, p.182), ela realiza trås aäées diante de cada conceito empérico: a imaginaçåo Ö responsável pela apreensåo do diverso das representaäées singulares que se apresentam na intuiäåo; o entendimento, pela compreensåo, ou seja, pela unidade sintötica da consciåncia desse diverso no conceito de um objeto; e o JuÄzo, pela exposiäåo do objeto correspondente a esse conceito na intuiäåo. Nesse caso, por se tratar de um conceito empérico, o JuÉzo assume papel determinante. No entanto, se a forma de um objeto dado na intuiäåo for capaz de provocar que a sua apreensåo na imaginaåäo coincida com a exposiäåo de um conceito do entendimento, de modo a nåo ser possével determinar-se qual seja esse conceito, estaremos diante de um acordo mètuo dessas faculdades no ato de uma operaäåo reflexionante em que a finalidade do objeto Ö percebida subjetivamente, nåo sendo requerido nenhum conceito determinado dele. Aqui, o juézo nåo Ö de conhecimento, mas um juézo de reflexåo estötico (KANT, 1980a, p. 182). De outra parte, há um tipo

7 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 7 de juézo reflexionante sobre a finalidade objetiva da natureza que Kant considera como um juézo de conhecimento, embora nåo determinante: Ö o JuÉzo teleolügico (referente ao organismo biolügico), aquele tipo de ato de julgar segundo o qual costuma-se atribuir fins ç natureza. Definidos os dois tipos de juézo reflexionante (estötico e teleolügico), Kant passará a abordálos separadamente. EstÖtica, na primeira CrÉtica, significa a apreensåo dos dados senséveis nas formas a priori do espaäo e do tempo, formas puras de nossa intuiäåo. Na primeira CrÉtica, a estötica apresenta-se como faculdade passiva da sensibilidade, a serviäo do entendimento legislador, na terceira CrÉtica ela ganha estatuto ativo. Assim, na CrÉtica do juézo, Kant diz o seguinte: "Pela denominaäåo de um JuÉzo estötico sobre um objeto, está indicado [...] que uma representaäåo dada Ö referida, por certo, a um objeto, mas, no JuÉzo nåo Ö entendida a determinaäåo do objeto, mas sim a do sujeito e de seu sentimento" (KANT, 1980a, p. 184). Kant subdivide o juézo estötico em juézo estötico universal e juézo de sentidos estötico. O primeiro contöm as condiäées subjetivas para um conhecimento em geral e tem a sensaäåo subjetiva de prazer ou desprazer como o fundamento de sua determinaäåo; o segundo exprime a referåncia de uma representaäåo imediatamente ao sentimento de prazer, e nåo a faculdade de conhecimento, como por exemplo, o vinho Ö agradável. Desses juézos nåo se pode predicar nenhum conceito do objeto, pois nåo pertencem ç faculdade de conhecimento. Kant tamböm subdivide a sensaäåo em dois tipos: a sensaäåo objetiva como representaäåo de uma coisa lügica, utilizada para o conhecimento, e a sensaäåo subjetiva (estötica), ligada a sentimentos de prazer e desprazer. A primeira sensaäåo refere-se ao objeto e a segunda, exclusivamente ao sentimento do sujeito, e nåo serve para nenhum conhecimento, nem sequer para aquele pelo qual o sujeito mesmo se conhece (KANT, 1980a, p. 211). Por exemplo, a cor verde dos prados pertence ç sensaäåo objetiva, como percepäåo de um objeto dos sentidos; o seu agrado, poröm, ç sensaäåo subjetiva, pela qual nenhum objeto Ö representado: isto Ö, ao sentimento, pelo qual o objeto Ö considerado como objeto da satisfaäåo, que nåo Ö nenhum conhecimento do mesmo (KANT, 1980a, p. 211). Um juézo estötico, em universal, pode, pois, ser explicado como aquele juézo cujo predicado jamais pode ser conhecimento (conceito de um objeto) embora possa conter as condiäées subjetivas para um conhecimento em geral. Em um tal juézo o fundamento de determinaäåo Ö sensaäåo. Mas há somente uma ènica assim chamada sensaäåo que jamais pode tornar-se conceito de um objeto, e esta Ö o sentimento de prazer ou desprazer. Esta Ö meramente subjetiva, enquanto toda demais sensaäåo pode ser usada para conhecimento. Portanto, um juézo estötico Ö aquele cujo fundamento de determinaäåo está em uma sensaäåo que esteja imediatamente vinculada com o

8 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 8 sentimento de prazer e desprazer. No juézo de sentidos estötico, Ö aquela sensaäåo que Ö imediatamente produzida pela intuiäåo empérica do objeto, mas, no juézo-de-reflexåo estötico, aquela que o jogo harmonioso das duas faculdades-de-conhecimento do JuÉzo, imaginaåäo e entendimento, efetua no sujeito, na medida em que, na representaäåo dada, a faculdade-de-apreensåo de uma e a faculdadede-exposiäåo do outro såo mutuamente favoráveis uma ç outra, proporäåo esta que, em tal caso, efetua por essa mera forma uma sensaäåo, a qual Ö o fundamento-de-determinaäåo de um juézo, que por isso se chama estötico e, como finalidade subjetiva (sem conceito), está vinculado com o sentimento de prazer. [...] O juézo-de-sentidos estötico contöm finalidade material, o juézo-de-reflexåo estötico, poröm, finalidade formal. Mas, como o primeiro absolutamente nåo se refere ç faculdade-de-conhecimento, mas imediatamente, pelo sentido, ao sentimento de prazer, Ö somente o èltimo que deve ser considerado como fundado sobre princépios prüprios do JuÉzo. (KANT, 1980a, p ) Portanto, o juézo-de-reflexåo estötico, embora nåo seja um juézo legislador como o juézo teürico (do entendimento) e o juézo prático (da razåo), possui autonomia subjetiva. Sua pretensåo ç validade universal legitima-se em seus prüprios princépios a priori. Kant designa essa autonomia de heautonomia e ele frisou o seguinte: "[...] o JuÉzo dá nåo ç natureza, nem ç liberdade, mas exclusivamente a si mesmo a lei, e nåo Ö uma faculdade de produzir conceitos de objetos, mas somente de comparar, com os que lhes såo dados de outra parte [...]" (KANT, 1980a, p. 185). Quanto ao julgamento teleolügico, o segundo tipo de JuÉzo reflexionante, Kant o define como o juézo sobre a finalidade em coisas da natureza ou, se quisermos, um juézo sobre os fins naturais (KANT, 1980a, p. 190). O conceito dos fins naturais Ö exclusivo do juézo teleolügico reflexionante, que o utiliza para ocupar-se da vinculaäåo causal no mundo fenomånico. Esse juézo pressupée um conceito do objeto e julga sobre sua possibilidade segundo uma lei da vinculaäåo das causas e efeitos. Há, entåo, uma töcnica orgãnica' da natureza que fornece a finalidade das coisas, uma finalidade objetiva para um juézo objetivo (KANT, 1980a, p. 191). O julgamento teleolügico estabelece um fio condutor entre a natureza e a razåo, entre o sensével e o inteligével, uma vez que o conceito dos fins naturais assenta-se no acordo da razäo com o entendimento. Enquanto o JuÉzo reflexionante estötico Ö o ènico que tem seu fundamento de determinaäåo em si mesmo, sem unir-se ç outra faculdade de conhecimento, o juézo teleolügico sü pode ser emitido por meio da vinculaäåo da razåo a conceitos empéricos (KANT, 1980a, p. 198). O fim natural deriva das ideias da razåo, ao mesmo tempo que tem um objeto dado.

9 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 9 Assim, o JuÉzo reflexionante estötico Ö o ènico juézo que atua segundo um princépio prüprio, isto Ö, ele Ö heautünomo. Mas essa heautonomia, observa Kant, näo Ö objetiva (como a do entendimento quanto És leis teáricas da natureza, ou da razäo nas leis pràticas da liberdade), isto Ö, determinadas por conceitos de coisas ou aåâes possçveis, mas meramente subjetiva, vàlida para o juçzo por sentimento, o qual, se pode ter pretensäo É validade universal demonstra sua origem fundada em princçpios a priori (KANT, 1980a, p. 185) princépios que o juézo-de-reflexåo estötico tira de si mesmo (heauto) e confere a si mesmo. DaÉ podermos entender por que Kant considera o JuÉzo-de-reflexÅo estötico como uma faculdade-de-conhecimento superior: o princépio que dá validade universal subjetiva ao sentimento, nada tem a ver com a legislaäåo do intelecto ou da razåo, mas tåo-somente com o uso da legislaäåo do prüprio JuÉzo que, por conseguinte, será uma legislaäåo livre, isto Ö, que dá a si mesma a lei. Essa legislaåäo terçamos de denominar heautonomia, pois dà näo É natureza, nem É liberdade, mas exclusivamente a si mesmo a lei, e näo Ö uma faculdade de produzir conceitos de objetos, mas somente de comparar, com os que lhes säo dados de outra parte, casos que aparecem, e de indicar a priori as condiåâes subjetivas da possibilidade dessa vinculaåäo. (KANT, 1980a, p. 185) O JuÉzo reflexionante Ö o tema central da CrÇtica do JuÇzo, que propée adequar ou subordinar algo num fim (Zweck). A queståo fundamental de tal CrÉtica Ö possével julgar que a natureza está adequada a um fim? representa a mais alta séntese da filosofia crética, a aplicaäåo da categoria da razåo prática ç razåo teürica. [...] näo o JuÇzo determinante, mas meramente o reflexionante tem princçpios práprios a priori; que o primeiro procede apenas esquematicamente, sob as leis de uma outra faculdade (do entendimento), mas somente o segundo procede tecnicamente (segundo leis práprias), e que no fundamento deste ältimo procedimento està um princçpio da töcnica da natureza, portanto o conceito de uma finalidade, que se tem de pressupor nela a priori e que, por certo, segundo o princçpio do JuÇzo reflexionante, Ö necessariamente pressuposta por ele apenas como subjetiva, isto Ö, em referãncia a essa prápria faculdade, mas, no entanto, traz tamböm consigo o conceito de uma finalidade objetiva possçvel, isto Ö, da legalidade das coisas da natureza como fins naturais. (KANT, 1980a, p.2001) Para Kant, entre os trås princépios a priori das faculdades-de-conhecimentos superiores (Legalidade: do Entendimento; Finalidade formal: do JuÉzo; Finalidade que É lei - obrigatoriedade: da RazÅo), há o princépio intermediário entre o intelecto e a razåo. Deve-se

10 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 10 presumir por analogia lügica, que contöm em si mesmo, se nåo uma legislaäåo prüpria, pelo menos um princépio que Ö apenas seu. Este princépio Ö a Finalidade formal do JuÉzo, Ö a finalidade subjetiva enquanto reguladora do juézo estötico ou juézo de gosto. Trata-se do princépio formal de unificaäåo das leis empéricas, que Ö ao mesmo tempo o princépio autoconstitutivo do JuÉzo reflexionante : a finalidade (Zweckmåssigkeit) A finalidade da natureza Ö um conceito particular a priori e tem a sua origem no JuÇzo reflexionante (K. der U. Ä 58). Ora, Ö claro que o JuÇzo reflexionante näo pode, segundo sua natureza, empreender a classificaåäo da natureza inteira segundo suas diferenåas empçricas, se näo pressupâe que a natureza mesma especifçca suas leis transcendentais segundo algum princçpio. E esse princçpio näo pode ser nenhum outro que näo o adequaåäo É faculdade do práprio JuÇzo, de, na imensuràvel diversidade das coisas segundo leis empçricas possçveis, encontrar suficiente parentesco destas, para trazã-las sob conceitos empçricos (classes) e estes sob leis mais universais (gãneros superiores), e assim poder chegar a um sistema empçrico da natureza. (...) O princçpio práprio do JuÇzo Ö, pois: A natureza especifçca suas leis universais em empçricas, em conformidade com a forma de um sistema lágico, em funåäo do JuÇzo. E aqui se origina o conceito de uma finalidade da natureza, e aliàs como um conceito práprio do JuÇzo reflexionante, näo da razäo, na medida em que o fim näo Ö posto no objeto, mas exclusivamente no sujeito, e aliàs em sua mera faculdade de refletir (KANT, 1980a, p ). Para Kant, este princépio formal do JuÉzo, a finalidade subjetiva, nåo aumenta o nosso conhecimento dos objetos da natureza, mas ao menos leva-nos a formar dela um conceito mais abrangente: já nåo um simples mecanismo, mas algo possuédo por uma töcnica de representaäåo dos seus objetos ou, por outras palavras, como se, em èltima análise, existisse nåo o caos, mas um fundamento èltimo da sua relaäåo a fins. O JuÇzo reflexionante procede, pois, com fenümenos dados, para trazã-los sob conceitos empçricos de coisas naturais determinadas, näo esquematicamente, mas tecnicamente, näo por assim dizer, apenas mecanicamente, como instrumento, sob a direåäo do entendimento e dos sentidos, mas artisticamente, segundo um princçpio universal, mas ao mesmo tempo indeterminado, de uma ordenaåäo final da natureza, como que em favor de nosso JuÇzo, na adequaåäo de suas leis particulares (sobre as quais o entendimento nada diz) É possibilidade da experiãncia como um sistema, pressuposiåäo sem a qual näo poderçamos esperar orientar-nos em um labirinto da diversidade de leis particulares possçveis. Assim, o JuÇzo mesmo faz a priori da töcnica da natureza o princçpio de sua reflexäo, sem no entanto poder explicà-la ou determinà-la mais, ou ter para isso um fundamento-de-determinaåäo objetivo dos conceitos universais da natureza (a partir de um conhecimento das coisas em si

11 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 11 mesmas), mas somente para, segundo sua prápria lei subjetiva, segundo sua necessidade mas ao mesmo tempo de acordo com as leis da natureza em geral, poder refletir. (KANT, 1980a, p. 178) A VINCULAÑÖO ENTRE NATUREZA E LIBERDADE POR MEIO DO JUÜZO REFLEXIONANTE (...) Vimos anteriormente a distinäåo que Kant faz entre JuÉzo determinante e JuÉzo reflexionante para que, subsidiados por esse ponto, possamos entender como Ö possével dentro do empreendimento analético kantiano, a passagem mediante o JuÉzo, que por um princépio prüprio, a citada finalidade subjetiva, vincula a razåo teürica (conhecimento) e a razåo prática (moral), ou a passagem do conhecimento racional para um conhecimento que tem como particularidade um caráter estötico que nåo se estabelece sobre juézos lügicos (objetivos) do conhecimento, mas sobre juézos estöticos (subjetivos) do sentimento de prazer e desprazer. A filosofia de Kant Ö um conjunto de trås obras créticas principais, que, juntas, perfazem a chamada filosofia transcendental: CrÇtica da RazÄo Pura (1781), CrÇtica da RazÄo Pràtica (1788) e CrÇtica do JuÇzo (1790). A razåo, segundo Kant, divide-se em duas vertentes: a pura, ou especulativa, e a prática, coadunada com a liberdade. Kant desenvolveu, ao lado de uma filosofia teorötica, preocupada com a razåo especulativa, uma filosofia prática, cujo desdobramento tem importante conseqêåncia para o seu pensamento Ötico, e fez a conexåo entre o conhecimento e a moral, isto Ö, entre a filosofia pura e a filosofia prática, por meio do JuÇzo reflexionante, completando seu sistema filosüfico com a CrÇtica do JuÇzo. Com a terceira obra crética, Ö possével entender que o intermediário entre o entendimento, que tem funäåo teorötica limitada ao fenëmeno, e a razäo, que tem apenas a funäåo prática, Ö o sentimento de prazer e desprazer, a terceira faculdade da mente, cuja atividade consiste em emitir JuÇzos estéticos. RazÅo por que buscaremos discorrer como Kant analisa a faculdade de julgar do que Ö funcional e do que Ö belo e, assim, apreender no sistema kantiano a passagem necessária de um pensamento que se inicia com a CrÉtica da RazÅo FilosÜfica Pura, adentra os ditames da RazÅo prática para, por fim, ter seu desenlace na CrÉtica do JuÉzo que, de resto, parece-nos subjacente a toda preocupaäåo especulativa do filüsofo das trås CrÇticas. Na introduäåo da èltima obra CrÇtica, Kant fala aé da distinäåo entre JuÉzo reflexionante e JuÉzo determinante : O JuÇzo pode ser considerado, seja como mera faculdade de refletir, segundo um certo princçpio, sobre uma representaåäo dada, em funåäo de um conceito tornado possçvel atravös disso, ou como uma faculdade de determinar um conceito, que està no fundamento, por

12 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 12 uma representaåäo empçrica dada. No primeiro caso ele Ö o JuÇzo reflexionante, no segundo o determinante. Refletir (Ñberlegen), poröm, Ö: comparar e manter-juntas dadas representaåâes, seja com outras, seja com sua faculdade-de-conhecimento, em referãncia a um conceito tornado possçvel atravös disso. O JuÇzo reflexionante Ö aquele que tamböm se denomina a faculdade-de-julgamento (facultas dijudicanti). O refletir (que ocorre mesmo nos animais, embora apenas instintivamente, ou seja, näo em referãncia a um conceito a ser obtido atravös dele, mas a uma inclinaåäo a ser eventualmente determinada por ele) precisa para nás de um princçpio, tanto quanto o determinar, no qual o conceito de objeto posto no fundamento prescreve ao JuÇzo a regra e, assim, faz as vezes de princçpio. O princçpio da reflexäo sobre objetos dados da natureza Ö: que para todas as coisas naturais se deixam encontrar conceitos empiricamente determinados, o que quer dizer o mesmo que: pode-se sempre pressupor em seus produtos uma forma, que Ö possçvel segundo leis universais, cognoscçveis para nás. (KANT, 1980a, p. 176) Vamos situar o JuÇzo determinante no ãmbito das duas primeiras obras créticas. Na CrÇtica da RazÄo Pura, o que está em foco Ö o entendimento, que Kant entende como faculdade de determinar um conceito para um objeto empérico (fenëmeno) dado ç nossa sensibilidade. A forma Ö o determinante, em contraste com a matöria, que Ö o determinável: Dou o nome de matöria ao que no fenümeno corresponde a sensaåäo; ao que, poröm, possibilita que o diverso do fenümeno possa ser ordenado segundo determinadas relaåâes, dou o nome de forma do fenümeno (CRP, EstÖtica Transcendental (B), Ä, p.62). Todo fenëmeno, tudo que Ö possével conhecer segundo Kant, resulta da relaäåo de dois ingredientes: matöria e forma. Aquilo que depende do prüprio objeto constitui a matöria do conhecimento, e o que depende do sujeito constitui a forma do conhecimento. Assim, para Kant, conhecer Ö dar forma a uma matöria dada. Por outro lado, a forma do conhecimento Ö resultante da ligaäåo de duas faculdades universais e necessárias de como o espérito humano percebe o mundo: uma receptividade (a sensibilidade ou faculdade das intuiäées) e uma espontaneidade (o entendimento ou faculdade dos conceitos). As formas puras da intuiäåo sensével såo o espaäo e o tempo. As formas puras do entendimento såo as categorias (os conceitos). Desse modo, sü há conhecimento onde houver determinaäåo (intuiäåo mais conceito). Portanto, empregar conceitos puros do entendimento sem qualquer referåncia ao modo como algo nos Ö dado na sensibilidade Ö permanecer no ãmbito do pensamento indeterminado. Por isso, qualquer determinaäåo objetiva Ö, em sua origem, o modo como algo nos afeta na sensibilidade e a maneira como o que Ö dado pelos sentidos Ö pensado pelo entendimento.

13 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 13 Por meio da CrÇtica da RazÄo Pura, Kant chega a conclusåo de que o conhecimento Ö produto de uma faculdade complexa, o resultado de uma séntese da sensibilidade e do entendimento. Como observa Kant, existem dois troncos do conhecimento humano: a sensibilidade e o entendimento. AtravÖs da sensibilidade såo nos dados os objetos e, atravös do entendimento, os pensamos (cf. KrV, Transzendentale ísthetik, ì 1, Bd. 3, p. 69; B 33). A sensibilidade Ö a faculdade das intuiäées e, o entendimento, Ö a faculdade dos conceitos. Conceitos fundam-se portanto na espontaneidade do pensar, como intuiäées senséveis na receptividade das impressées (AnalÉtica Transcendental). O objeto, dado ç sensibilidade, Ö pensado pelo entendimento e seus conceitos. DaÉ, temos a seguinte definiäåo: conhecer Ö ligar em conceitos a multiplicidade sensével (cf. KrV, Transzendentale Logik, Einleitung, I, Bd. 3, pp , B 74, 75). Ora, sendo o entendimento o poder de pensar, e pensar Ö unir representaäées numa consciåncia, eu penso significa eu ligo, ou seja, de modo representativo, reèno uma coisa representada com outra, como por exemplo: o dia está quente, o diamante brilha, a salada está azeda. Kant compreende por funäåo a unidade da aäåo de ordenar diversas representaäées sob uma em comum (AnalÉtica Transcendental). O juézo Ö a unificaäåo de representaäées numa consciåncia. O entendimento sü pode julgar, pois um conceito nunca Ö referido imediatamente a um objeto, mas mediatamente ç outra representaäåo, seja ela intuiåäo ou mesmo jà conceito (AnalÉtica Transcendental). O juçzo Ö o conhecimento mediato de um objeto, por conseguinte a representaåäo de uma representaåäo do mesmo (AnalÉtica Transcendental). Pensar, portanto, Ö relacionar o julgar ou o representar com os juçzos em geral (Proleg. Ä 22). Em outras palavras, juézo Ö apenas o modo como o entendimento, enquanto poder de pensar, efetua a representaäåo. Há em cada juézo um conceito que vale para muitas representaäées e entre estas Ö compreendida uma, que Ö referida imediatamente ao objeto (AnalÉtica Transcendental). O juézo Ö, assim, precisamente essa funäåo de unidade; todos os juézos såo funäées de unidade (AnalÉtica Transcendental), de tal maneira que podemos reconduzir todas as aäées do entendimento a juézos, de modo que o entendimento em geral pode ser representado como uma faculdade de julgar (AnalÉtica Transcendental). Quanto aos conceitos universais da natureza, unicamente sob as quais Ö possçvel, em geral, um conceito de experiãncia (sem determinaåäo empçrica particular), a reflexäo tem jà, no conceito de uma natureza em geral, isto Ö, no entendimento, sua instruåäo, e o JuÇzo näo precisa de nenhum princçpio particular da reflexäo, mas esquematiza-a a priori e aplica esses esquemas a toda sçntese empçrica, sem o que nenhum juçzo de experiãncia seria possçvel. O JuÇzo Ö aqui em sua reflexäo ao mesmo tempo determinante e seu esquematismo transcendental lhe serve ao mesmo tempo de regra, sob a qual säo subsumidas intuiåâes empçricas dadas. (KANT, 1980a, p.177)

14 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 14 Todo esforäo de Kant na primeira obra crética, Ö demonstrar que a razåo pura teürica fica limitada ao ãmbito da experiåncia, ou seja, o conhecimento humano Ö incapaz de ultrapassar o mundo sensével, o mundo dos fenëmenos. Fenëmeno, aqui compreendido, como o objeto indeterminado de uma intuiäåo empérica, pois o mesmo sü Ö determinado objetivamente atravös do conceito correspondente fornecido pelo entendimento. Nisso, os dados objetivos nåo såo captados por nossa mente tais quais såo em si mesmos (como coisas em si), mas configurados pelo modo com que a sensibilidade e o entendimento os apreendem. Assim, a coisa em si, o nämeno, o absoluto, Ö incognoscével. SÜ conhecemos o ser das coisas na medida em que se nos aparecem, isto Ö, enquanto fenëmeno. Com isso, Kant conclui que a verdadeira ciåncia sü Ö possével no mundo sensével ou fenomånico. Kant distingue, no ãmbito da CrÇtica da RazÄo Pura e da CrÇtica da RazÄo Pràtica, a filosofia pura (conhecimento) e a filosofia prática (moral). Na filosofia pura, o entendimento fornece a priori leis da natureza, enquanto na filosofia prática, a razäo fornece a priori leis da liberdade. Tanto a faculdade de conhecer, por meio das intuiäées senséveis mais os conceitos fornecidos pelo entendimento conforme as leis da natureza, como a faculdade de agir, por meio das leis da liberdade fornecidas pela razäo, situam-se no campo que Kant chamou de JuÇzo determinante, mas esse JuÉzo se difere quanto aos princépios que seråo aplicáveis em cada caso: JuÇzos teáricos (se originam de princépios a priori que såo prüprios do entendimento) e JuÇzos pràticos (se originam de princépios a priori que såo prüprios da razäo). Assim, tanto no doménio do conhecimento da natureza, quanto no doménio da moral, trata-se de uma aäåo de determinaäåo de um objeto. No caso do conhecimento, o entendimento, determina com seus conceitos um objeto dados aos sentidos, para que, assim, o meramente empérico assuma uma forma universal e necessária, condiäåo de unidade de todo o conhecimento. No caso da moral, a vontade deve ser determinada pelas leis morais nåo leis naturais, mas leis da liberdade válidas para todos os seres racional, de modo que toda aäåo particular de um sujeito seja guiada para um interesse universal. Para Kant, tanto no uso da razåo teürica, quanto no uso da razåo prática, trata-se da aplicaäåo do JuÇzo determinante. No ãmbito da razåo teürica, o homem produz conhecimentos objetivos mediante a aplicaäåo das formas puras do entendimento (categorias) ao mèltiplo da intuiäåo, com bases em leis naturais universalmente válidas. Mas tamböm no ãmbito do uso prático da razåo nåo do saber, mas do querer e agir, o homem se sente sujeito a uma legislaäåo universal, uma legislaäåo diferente da primeira, que nåo Ö cognoscével nem determinável por conceitos, mas que se impée, nåo obstante, com a mesma necessidade em todo ser racional, na medida em que este se entende como autënomo, isto Ö, capaz de determinar as suas aäées segundo princépios prüprios, ou seja, segundo o seu livre-arbétrio, segundo a liberdade, a qual se

15 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 15 manifesta na lei moral: Age de tal modo que a màxima da tua vontade possa valer sempre ao mesmo tempo como princçpio de uma legislaåäo universal (p. 54, da ed. orig.; trad. Picavet, P 30). Kant entende por razåo prática a funäåo da razåo de ditar ç vontade a lei moral. Pelo dever de fazer tudo para cumprir a lei, o homem Ö determinado por esta lei, mas pela sua independåncia de qualquer causa externa, pois se o homem nåo fosse livre, a lei moral nåo teria sentido. Na CrÇtica da RazÄo Pràtica, Kant se esforäa em demonstrar que a liberdade humana, nåo se refere ao mundo sensével (fenomånico), mas ao mundo inteligével, ao mundo numãnico, a um reino de liberdade, onde nåo há determinismo dos fenëmenos fésicos, e nem há conhecimento por meio da sensibilidade e do entendimento. A liberdade Ö objeto de pensamento e nåo de conhecimento. Diz Kant: O conceitos de natureza pode, sem dävida, representar os seus objetos na intuiåäo, näo como coisa em si, mas como fenümeno; o conceito de liberdade pode representar o seu objeto como coisa em si, mas näo na intuiåäo; consequentemente nenhum dos dois pode oferecer um conhecimento teorötico do seu objeto (nem do sujeito pensante) como coisa em si (CrÉtica do JuÉzo, XVIII). Kant mostrou que nossa capacidade racional nåo se reduz ao conhecimento e encontra sua perfeiäåo no pensamento. Apenas os fenëmenos possuem uma essåncia determinada pelas leis da natureza. Já o homem, sendo livre, nåo tem essåncia determinada por essas leis. Tudo que há na natureza se conforma com suas leis, exceto o homem, porque na condiäåo de ser racional, o homem conforma-se (se autodetermina) çs leis universais que ele mesmo formula. Por isso, os seres racionais såo autënomos e tåm uma dignidade particular, se destacam da natureza por serem livres e autodeterminantes. Assim, Kant divide o JuÇzo determinante em JuÉzo teürico (do entendimento) e JuÉzo prático (da razäo), porque cada um deles em sua relaäåo com a Natureza e a Liberdade, refere-se çs duas faculdades da mente tratadas nas duas primeiras obras créticas, a faculdade-deconhecimento e a faculdade-de-desejar, constituindo as duas partes da filosofia, filosofia pura (conhecimento) e a filosofia prática (moral), como um sistema doutrinal. O JuÉzo teürico e o JuÉzo prático, tendo seus prüprios princépios determinantes a priori, såo juézos lügicos, cujos princépios tåm de ser objetivos (quer sejam teüricos ou práticos). Quanto ao JuÇzo reflexionante, esse refere-se a terceira faculdade da mente, o sentimento de prazer e desprazer, cuja a atividade consiste em emitir juézos estöticos, justamente um dos temas que trata a CrÇtica do JuÇzo. Este Ö um JuÉzo subjetivo, nåo lügico, pois nåo pretende alcanäar a objetividade, como no JuÉzo determinante (teürico e prático).

16 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 16 Assim descobre-se um sistema dos poderes-da-mente, em sua relaåäo com a natureza e a liberdade, das quais cada uma tem seus práprios princçpios determinantes a priori e, por isso, constituem as duas partes da filosofia (a teárica e a pràtica) como um sistema doutrinal, e ao mesmo tempo uma passagem mediante o JuÇzo, que por um princçpio práprio vincula ambas as partes, a saber, do substrato sensçvel da primeira filosofia ao inteligçvel da segunda, pela crçtica de uma faculdade (o JuÇzo), que serve apenas para a vinculaåäo e, por isso, näo pode, decerto, proporcionar nenhum conhecimento ou oferecer à doutrina qualquer contribuiåäo, cujos juçzos, poröm, sob o nome de estöticos (cujos princçpios säo meramente subjetivos), na medida em que se distinguem de todos aqueles cujos princçpios tãm de ser objetivos (quer sejam teáricos ou pràticos), sob o nome de lágicos, säo de espöcies täo particular que referem intuiåâes sensçveis a uma Ideia da natureza, cuja legalidade, sem uma relaåäo da mesma a um substrato supra-sensçvel, näo pode ser entendida (...) Denominar, poröm, estötico um juçzo, porque näo refere a representaåäo de um objeto a conceitos e, portanto, näo refere o juçzo ao conhecimento (näo Ö, de modo nenhum, determinante, mas apenas reflexionante), näo deixa temer nenhum mal-entendido; pois, para o juçzo lágico, as intuiåâes, embora sejam sensçveis (estöticas), tãm antes de ser elevadas a conceitos, para servir ao conhecimento do objeto, o que, no juçzo estötico, näo Ö o caso. (KANT, 1980a, p. 200) A funäåo do JuÉzo reflexionante refere-se apenas ao sujeito que julga, reflete, e Ö meramente formal. Assim, dado um objeto empérico na sensibilidade, apenas o sujeito reflete sobre ele em sua mera forma. Relacionado com o fazer artéstico em geral, o JuÉzo reflexionante pode ser entendido como faculdade do prazer e desprazer. Neste caso, nåo há relaäåo de determinaäåo, como ocorre no conhecimento e na moral, sob a direäåo do entendimento (conceitos) e da razäo (leis da liberdade). Pelo contrário, como define Kant, há apenas reflexåo. Reflexionante, pois, Ö um juézo que, dado um objeto empérico qualquer, uma obra de arte por exemplo, apenas reflete sobre ele, de forma livre, tecnicamente, nåo esquematicamente, isto Ö, sem se preocupar em ligar um conceito do entendimento ç sensaäåo que a obra de arte nos provoca. Uma vez que nåo se trata mais de determinar um objeto, ou seja, de fazer um objeto adequar-se a leis universais e necessárias, como no conhecimento e na moral, o JuÉzo reflexionante defini-se, ao contrário, por uma reflexåo que age sem regras e sem leis (do entendimento e da razäo) sobre o objeto. (...)

17 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 17 CONSIDERAÑâES FINAIS Em sua obra mais abrangente, CrÇtica da RazÄo Pura, Kant conclui que a verdadeira ciåncia sü Ö possével no mundo dos sentidos. Em CrÇtica da RazÄo Pràtica revelou-nos, por outro lado, a existåncia de um mundo de liberdade subtraédo ao determinismo dos fenëmenos fésicos. Assim, ele dividiu a realidade em duas: fenümeno (aquilo que aparece) e nämeno (aquilo que a coisa Ö em si, nåo cognoscével, mas pensável). PorÖm nåo há passagem de um lado para outro. Vimos que o intermediário entre a razåo, que tem apenas funäåo prática, e o intelecto, que tem funäåo de elaborar teorias (conceitos), mas Ö limitado aos fenëmenos percebidos pelos sentidos, Ö o sentimento a terceira faculdade do homem cuja atividade consiste em emitir juézos estöticos. O juézo estötico Ö uma intuiäåo da razåo sensével; nåo Ö uma intuiäåo objetiva, mas, sim, subjetiva (juézo-de-reflexåo estötico). Tal juézo nåo proporciona nenhum conhecimento do objeto que analisa; nåo consiste em um juézo sobre a perfeiäåo do objeto, e Ö válido independentemente dos conceitos e das sensaäées produzidas pelo objeto, pois alöm dos limites humanos para entender e sentir o objeto este se apresenta parcialmente. O sujeito sü compreende o que está a seu alcance compreender. O juézo de gosto (reflexivo-estötico) nåo Ö lügico, mas sintötico. Está fundado no sentimento de prazer e desprazer. Este juézo nåo gera nenhum conhecimento, pois Ö estötico e baseado subjetivamente, isto Ö, no sentimento do sujeito. A arte, por exemplo, nåo se propée ao conhecimento, mas ao gosto. Quando estou diante de um objeto belo nåo estou preocupado em conceituá-lo e, sim, em sentir prazer ou desprazer (gostar ou odiar). Assim o que ocorre Ö uma relaäåo com a subjetividade. O juézo estötico Ö sempre um juézo que cria a norma, tendo assim um funcionamento livre, pois Ö o criador da sua prüpria norma. Kant denomina reflexionante o juézo prüprio da faculdade do sentimento. O JuÉzo reflexionante nåo tem valor de conhecimento porque contöm apenas os princépios do sentimento de prazer e desprazer, independentemente dos conceitos e das sensaäées que determinam a faculdade de conhecer; tamböm nada tem em comum com a razåo, a qual impede o homem de qualquer prazer.

18 KANT E A FACULDADE DE JULGAR 18 REFERäNCIAS GUILLERMIT, L. Kant e a filosofia crética. In: CHîTELET, F. (Org.). Histária da filosofia: idéias, doutrinas: a filosofia e a histária. Rio de Janeiro: Zahar, p KANT. IntroduÄÅo ç CrÉtica do JuÉzo ( ). SeleÄÅo de textos: Marilena de Souza ChuauÉ. Trad. de Tania Maria Bernkopf, Paulo Quintela e Rubens Rodrigues Torres Filho. SÅo Paulo: Os Pensadores, 1980.

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP DANILO CITRO SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO OURO PRETO 2011 2 Danilo Citro Sobre a analogia entre natureza e arte na

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA (...)O CONCEITO DE VERDADE «A verdade tem sido sempre postulada como essência, como Deus, como instância suprema... Mas a vontade de verdade tem necessidade de uma crítica. - Defina-se assim a nossa tarefa

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Sobre o princípio e a lei universal do Direito em Kant Guido Antônio de Almeida* RESUMO O artigo distingue duas fórmulas do princípio do Direito em Kant; mostra que na primeira delas

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE Maria Aristé dos Santos 1, Danielli Almeida Moreira 2, Janaina Rufina da Silva 3, Adauto Lopes da Silva Filho 4 ¹ Alunas do Curso de Licenciatura em Filosofia da

Leia mais

UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT. Alexandre TELES 1

UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT. Alexandre TELES 1 133 UM ENSAIO SOBRE A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER À DOUTRINA DAS CATEGORIAS DE KANT Alexandre TELES 1 Resumo Kant, em sua Lógica Transcendental deriva da forma do juízo a sua Tábua das Categorias, as quais

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO

A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO A ÉTICA KANTIANA E O ESPÍRITO DO CRISTIANISMO Nuno Ornelas Martins 2009 Covilhã, 2011 FICHA TÉCNICA Título: A Ética Kantiana e o Espírito do Cristianismo Autor: Nuno Ornelas Martins Colecção: Artigos LUSOSOFIA

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015

7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 36 Os royalties são acrescidos de acordo com os termos do contrato relevante e são usualmente reconhecidos nessa base, a menos que, tendo

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra A PROIBIÇÃO DA DESPEDIDA ARBITRÁRIA NAS LEGISLAÇÕES NACIONAIS: UMA PERSPECTIVA DE DIREITO COMPARADO * Halton Cheadle ** Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra para mim estar

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO HOFFMANN, Mara Lúcia Schuster Bolsista do Capes - PIBID/UNIFRA Acadêmica do Curso de Filosofia UNIFRA Email: maraluciahoffmann@yahoo.com.br

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

material dado com autoridade. Com isso, coloca-se, sobretudo, a questão, como essas valorações podem ser fundamentadas racionalmente.

material dado com autoridade. Com isso, coloca-se, sobretudo, a questão, como essas valorações podem ser fundamentadas racionalmente. Laudatio Robert Alexy nasceu em Oldenburg em 1945. Nesta cidade também realizou os seus estudos até o ensino secundário. No semestre de verão de 1968 ele iniciou o estudo da ciência do direito e da filosofia.

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível?

Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível? Aristóteles e o iluminismo na História das Ciências: relação possível? Adílio Jorge Marques* * Doutor em História e Epistemologia das Ciências (UFRJ/HCTE). Professor Substituto do Departamento de História

Leia mais

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL [SLIDE 1] CAPA [SLIDE 2] UM ASSUNTO ATUAL APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 Os conceitos de liberdade de consciência e de expressão têm recebido

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO

DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO Para conceituar o Direito Administrativo, deve-se partir do significado e da classificação do próprio Direito. Segundo Hely Lopes Meirelles, Direito é o conjunto de regras

Leia mais

Campus José Ribeiro Filho BR 364, Km 9,5 - Porto Velho RO CEP: 78900-000 www.edufro.unir.br edufro.unir@gmail.com

Campus José Ribeiro Filho BR 364, Km 9,5 - Porto Velho RO CEP: 78900-000 www.edufro.unir.br edufro.unir@gmail.com Campus José Ribeiro Filho BR 364, Km 9,5 - Porto Velho RO CEP: 78900-000 www.edufro.unir.br edufro.unir@gmail.com Ediovani Antônio Gaboardi A FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO DE HEGEL: UMA INTRODUÇÃO À SEÇÃO

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

i. Existe alguma relação entre culpa e arrependimento.

i. Existe alguma relação entre culpa e arrependimento. A Culpa Claudio C. Conti www.ccconti.com Objetivo: Analisar o sentimento de culpa, seus efeitos e consequências. Procedimento: O sentimento de culpa foi analisado sob várias abordagens: a. Efeito no aprimoramento

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Juros e multa da dívida ativa tributária e a sua inclusão na base de cálculo do repasse ao legislativo municipal Alberto Jatene I - Relatório Trata-se de questionamento acerca da

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética Sartre: razão e dialética Vinícius dos Santos Doutorado UFSCar Bolsista FAPESP Em 1960, Sartre publica o primeiro tomo de sua Crítica da razão dialética. O objetivo destacado da obra era conciliar o marxismo,

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla escolha. Para

Leia mais

CULPABILIDADE RESUMO

CULPABILIDADE RESUMO CULPABILIDADE Maira Jacqueline de Souza 1 RESUMO Para uma melhor compreensão de sanção penal é necessário a análise levando em consideração o modo sócio-econômico e a forma de Estado em que se presencie

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 20 de setembro de 2012. revisão da aula anterior. 2.1- Deus Todo Poderoso. Dei uma

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO Sandra Maria Zanello de Aguiar, e-mail:szaguiar@gmail.com. Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências Sociais Aplicadas.

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

A doutrina do facto da razão no contexto da filosofia crítica kantiana

A doutrina do facto da razão no contexto da filosofia crítica kantiana A doutrina do facto da razão no contexto da filosofia crítica kantiana Andréa Faggion UEM, Maringá Introdução Kant trabalhou sobre a formulação do princípio supremo subjacente aos mandamentos morais nas

Leia mais

Felicidade e dignidade de ser feliz: o sumo bem como ideal dialético da razão prática pura

Felicidade e dignidade de ser feliz: o sumo bem como ideal dialético da razão prática pura Felicidade e dignidade de ser feliz: o sumo bem como ideal dialético da razão prática pura [Happiness and the dignity of being happy: the highest good as a dialectical ideal of pure practical reason] Solange

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL Naillê de Moraes Garcia * RESUMO: Este artigo pretende fazer uma análise da crítica de Schopenhauer a fundamentação da moral kantiana.

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

A RECONCILIAÇÃO DE TODAS AS COISAS

A RECONCILIAÇÃO DE TODAS AS COISAS Colossenses 1:13-23 A RECONCILIAÇÃO DE TODAS AS COISAS Um dos assuntos que é muito proeminente nas epístolas de Paulo é o de RECONCILIAÇÃO. Ligado com este assunto, estão algumas das verdades mais notáveis

Leia mais

O Planejamento Participativo

O Planejamento Participativo O Planejamento Participativo Textos de um livro em preparação, a ser publicado em breve pela Ed. Vozes e que, provavelmente, se chamará Soluções de Planejamento para uma Visão Estratégica. Autor: Danilo

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia

Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia Danilo Citro 1 Resumo: Com a Crítica da Faculdade do Juízo, Kant tem a intenção de estabelecer de algum modo uma ligação entre as duas

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL

DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL . DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL Comparação entre os âmbitos para suporte à decisão sobre que conhecimentos são necessários

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

Motivação. Robert B. Dilts

Motivação. Robert B. Dilts Motivação Robert B. Dilts A motivação é geralmente definida como a "força, estímulo ou influência" que move uma pessoa ou organismo para agir ou reagir. De acordo com o dicionário Webster, motivação é

Leia mais

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os Teoria cognitivista Piaget utilizou os princípios conhecidos como o conceito da adaptação biológica para desenvolver esta teoria; Ela diz que o desenvolvimento da inteligência dos indivíduos acontece à

Leia mais

AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM

AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM 1 AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM De acordo com uma pesquisa realizada em Brasília, conforme consta em reportagem publicada pelo jornalista Luis Bissigo,

Leia mais

Considerações sobre a ética do discurso

Considerações sobre a ética do discurso Considerações sobre a ética do discurso Jaqueline Stefani 1 Palavras-chave: ética, consenso, filosofia, discurso Key words: ethics, consensus, philosophy, discourse Introdução O modelo proposto por Apel

Leia mais

Mensagem da Direção da AEVA

Mensagem da Direção da AEVA Mensagem da Direção da AEVA Caros colaboradores, consumidores e parceiros da Associação para a Educação e Valorização da Região de Aveiro: Nos dias de hoje, a importância que se dá à ética, ao respeito

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais