RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05"

Transcrição

1 IN-13-2 SUBSISTEMA ÍNDICE 1 ASSUNTO FOLHA CONCEITUAÇÃO 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/2 CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1/3 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1/5 OPERACIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE CAPACITAÇÃO 5 1/4 AVALIAÇÃO 6 1/3 DISPOSIÇÕES FINAIS 7 1/1 ANEXO 8 TRF-1ª REGIÃO / MOD

2 IN-13-2 SUBSISTEMA CONCEITUAÇÃO 1 1 I FUNDAMENTOS LEGAIS 1 Regulamento geral das atividades de capacitação referentes aos servidores do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, aprovado pela Portaria n. 834, de Lei n , de II FINALIDADE 1 Esta Instrução Normativa IN tem o objetivo de estabelecer os critérios e os requisitos necessários à participação de servidores no Programa de Capacitação do Tribunal Regional Federal e das seções judiciárias da 1ª Região. III CONCEITO 1 O Programa de Capacitação dos Servidores do Tribunal Regional Federal e das seções judiciárias da 1ª Região, vinculado diretamente aos objetivos e interesses desta Casa, é um programa de atendimento às necessidades de capacitação dos servidores, visando ao seu crescimento pessoal e profissional. IV OBJETIVO 1 Desenvolver metodologia direcionada ao planejamento, à elaboração, à coordenação, à operacionalização e à avaliação do programa de capacitação. V ABRANGÊNCIA 1 Esta IN se aplica ao Tribunal Regional Federal e às seções judiciárias da 1ª Região. VI CONVENÇÕES 1 Nesta IN, é adotada a seguinte nomenclatura para simplificação e melhor entendimento: a) Tribunal Regional Federal da 1ª Região Tribunal ou TRF; b) seções judiciárias integrantes da 1ª Região seções judiciárias ou seccionais; TRF-1ª REGIÃO / MOD

3 IN-13-2 SUBSISTEMA CONCEITUAÇÃO 1 2 c) unidade administrativa responsável pelo planejamento, pela elaboração, pela coordenação, pela operacionalização e pela avaliação das etapas do programa de capacitação no Tribunal e nas seções judiciárias área de Desenvolvimento de Recursos Humanos; d) unidades administrativas do Tribunal e das seccionais unidades; e) titulares das unidades dirigentes; f) servidores do Quadro de Pessoal Permanente do TRF e das seções judiciárias e requisitados servidores; g) levantamento de necessidades de capacitação LNC; h) eventos internos, externos, locais, setoriais e regionais eventos; i) publicação da programação de eventos para cada ano catálogo de eventos. TRF-1ª REGIÃO / MOD

4 IN-13-2 SUBSISTEMA NORMAS GERAIS As pessoas físicas e jurídicas interessadas em ministrar eventos no Tribunal e nas Seccionais deverão comprovar suas condições técnicas e operacionais por meio de documentação própria. 1.1 A cada evento a ser ministrado, a entidade deverá apresentar a proposta de realização. 1.2 O material instrucional deverá ser entregue, para apreciação, à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos até 1 dias úteis do início do evento. 2 A programação de eventos de capacitação, aprovada para o ano, deverá ser divulgada por meio da publicação intitulada Catálogo de Eventos até o dia 2 de fevereiro. 3 O incentivo e o apoio prestados ao servidor envolvido com o objeto do evento deverão refletir o seu crescimento e desenvolvimento profissionais. 4 Deverá ser verificada, junto à chefia imediata do servidor, sua disponibilidade para freqüentar o evento. 5 O dirigente deverá autorizar a participação do servidor no evento e propiciar todas as condições que a favoreçam, desde que observados os critérios preestabelecidos, bem como a correlação entre a atividade executada e o conteúdo programático do curso. 5.1 A participação em evento de capacitação é uma necessidade de aperfeiçoamento no trabalho, considerando-se, portanto, que o participante está a serviço do Tribunal ou da seccional durante o horário em que permanecer no treinamento. 5.2 Conforme o período de trabalho do servidor, deverá ser acordada, entre esse e o dirigente da unidade, a compatibilização de horários, de forma a não prejudicar o andamento das atividades nem lhe causar desgaste excessivo. TRF-1ª REGIÃO / MOD

5 IN-13-2 SUBSISTEMA NORMAS GERAIS A realização de evento ou a participação de servidor em treinamentos não constantes da programação deverão ser solicitadas pelo dirigente, com a devida justificação, à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos com antecedência de 3 dias. 7 O número de vagas reservado a cada unidade solicitante do evento será o constante da programação aprovada. 7.1 A participação de servidores em eventos, além do número estipulado, poderá ser solicitada pelo dirigente, desde que esses desenvolvam atividades relacionadas com o conteúdo do curso e ocorram desistências. 8 Dois atrasos ou duas saídas antecipadas que excederem quinze minutos serão considerados como uma falta. 9 O servidor que desistir de participar de evento de capacitação, sem a devida justificativa junto à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos ou sem a apresentação de atestado médico homologado, terá vedada a participação em outro evento, durante o transcorrer de um ano da interrupção. 1 A concessão de bolsa de estudos deverá ser precedida de processo seletivo e devidamente autorizada pela chefia imediata do servidor. 1.1 É vedada a concessão de nova bolsa de estudos aos servidores, dentro do prazo de um ano, a partir da data de conclusão de curso anterior. 11 O servidor que tenha concluído evento, patrocinado pelo Tribunal ou pela Seção Judiciária e cuja carga horária seja igual ou superior a l8 horas, deverá indenizar o custo do treinamento realizado, nos casos de pedido de exoneração Essa obrigação estará prevista em termo de compromisso específico, a ser assinado pelos servidores que participarem de eventos. 12 Atendidas as prioridades, as vagas remanescentes poderão ser pleiteadas por servidores cuja área de atuação não esteja relacionada ao assunto do evento. TRF-1ª REGIÃO / MOD

6 IN-13-2 SUBSISTEMA CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1 I CLASSIFICAÇÃO 1 Os eventos de capacitação classificam-se em: 1.1 Quanto à localidade e à clientela: a) Evento Interno conceito: curso destinado aos servidores do TRF, planejado e implementado pela área de Desenvolvimento de Recursos Humanos e realizado no Centro de Treinamento ou em outras instalações indicadas na conformidade de contratos, convênios ou outros ajustes. indicação: quando a clientela for suficiente para formação de turma, observada a metodologia do curso. b) Evento Externo conceito: curso promovido por instituições externas com a participação de servidores do TRF ou de seccional. indicação: quando não for possível ou recomendada a formação de turma em evento interno. c) Evento Local conceito: curso destinado aos servidores de seccional e por ela planejado e implementado. indicação: quando a clientela a que se destina for suficiente para formação de turma. d) Evento Setorial TRF-1ª REGIÃO / MOD

7 IN-13-2 SUBSISTEMA CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 2 conceito: curso destinado aos servidores de diversas seccionais, planejado pelo TRF e implementado em parceria com uma das seccionais, que funciona como pólo centralizador. indicação: quando diversas seccionais solicitam um mesmo evento e sua e) Evento Regional realização somente seja possível mediante a reunião de seus servidores para formação de turma e, ainda, quando suas características de atuação sejam similares. conceito: curso destinado a servidores do TRF e de seccionais, planejado e implementado pelo Tribunal. indicação: quando se faz necessária a reunião de servidores que atuam 1.2 Quanto ao assunto: em áreas similares do TRF e de seccionais. a) Evento Específico versa sobre matéria diretamente relacionada às tarefas desenvolvidas na unidade; b) Evento Geral versa sobre temas de caráter abrangente e considerados relevantes para o desempenho ou aprimoramento das tarefas de diferentes unidades; c) Evento Gerencial voltado a capacitar e aprimorar os servidores ocupantes de função gerencial. II INSTRUTORES INTERNOS 1 Poderão ser instrutores internos no programa de capacitação tanto magistrados quanto servidores do Tribunal e de Seccionais. 2 Os eventos que mantenham estreita relação com as tarefas executadas no Tribunal e na Seccional devem, preferencialmente, ser ministrados por magistrados e servidores TRF-1ª REGIÃO / MOD

8 IN-13-2 SUBSISTEMA CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 3 cadastrados como instrutores internos na área de Desenvolvimento de Recursos Humanos. 3 Para efeito de cadastramento como instrutor interno, os interessados devem preencher o formulário CADASTRO DE INSTRUTOR INTERNO, MOD , e encaminhálo, juntamente com o "Curriculum Vitae", à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos. 4 O convite aos cadastrados para participar como instrutor interno dar-se-á em função da respectiva qualificação. III PAGAMENTO DO EVENTO 1 Cabe ao órgão promotor suportar os ônus decorrentes de eventos realizados na conformidade do programa de capacitação. 2 Consideram-se órgãos promotores: a) o Tribunal, quando realizar eventos internos, setoriais e regionais; b) as seções judiciárias, quando realizarem eventos locais; c) o Tribunal ou as seccionais, quando realizarem eventos externos. TRF-1ª REGIÃO / MOD

9 IN-13-2 SUBSISTEMA PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1 I LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES DE CAPACITAÇÃO 1 É uma atividade gerencial e participativa destinada a identificar as necessidades de capacitação relacionadas com as atividades desenvolvidas nas unidades. 2 O levantamento de necessidades de capacitação consiste no registro dos eventos por meio do preenchimento do formulário LEVANTAMENTO DE NECESSIDADE DE CAPACITAÇÃO LNC, MOD O LNC estará disponível por meio eletrônico ou será distribuído às unidades do Tribunal, até a primeira semana do mês de setembro, e às unidades das Seccionais até a primeira quinzena do mês de agosto. 2.2 A operacionalização do LNC é feita anualmente pelas áreas de Desenvolvimento de Recursos Humanos no Tribunal e nas Seccionais. 3 As áreas de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal e das seccionais realizarão reuniões com a participação de, no mínimo, dois representantes de cada unidade organizacional, para preenchimento e (ou) esclarecimento do LNC. 4 O LNC deverá ser preenchido pelos dirigentes das unidades, com a máxima participação dos servidores, identificando-se as prioridades para a realização dos eventos, de acordo com o seguinte critério: até o nível de Divisão, no Tribunal, e de Núcleo, nas Seccionais. 4.1 De acordo com orientação da área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, o LNC poderá ser preenchido, até o nível de Seção, no Tribunal ou nas Seccionais. 5 A devolução do LNC à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos deverá ocorrer, impreterivelmente, até o dia 3 de setembro, no Tribunal e, até o dia 15 de setembro, nas Seccionais. TRF-1ª REGIÃO / MOD

10 IN-13-2 SUBSISTEMA PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO A unidade que deixar de enviar o LNC no prazo determinado ficará excluída do processo de elaboração e de participação da programação de eventos. II TABULAÇÃO E ANÁLISE DO LNC 1 A área de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal e das seccionais efetuará a tabulação e a análise dos dados constantes do LNC, avaliando a: a) existência de correlação entre o(s) evento(s) solicitado(s) e as atividades desenvolvidas pela(s) unidade(s); b) priorização dos eventos solicitados por unidade; c) viabilidade de realização de cada evento (disponibilidade de pessoas físicas ou jurídicas, recursos físicos e materiais e clientela a que se destina); d) distribuição orçamentária para implementação de eventos. III DISTRIBUIÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA PROGRAMAÇÃO 1 A distribuição orçamentária consiste na alocação individualizada de recursos a serem destinados a cada evento. 2 O orçamento destinado a eventos de capacitação deverá ser distribuído conforme tabela a seguir: DESTINAÇÃO DO ORÇAMENTO PERCENTUAL DO ORÇAMENTO 1. Eventos internos, locais, setoriais, regionais: a) específicos 4 b) gerais 2 c) gerenciais 1 2. Eventos externos 2 3. Reserva técnica 1 TOTAL 1 TRF-1ª REGIÃO / MOD

11 IN-13-2 SUBSISTEMA PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO O valor financeiro destinado a cada unidade será determinado, em princípio, pelo número de vagas solicitadas no LNC. 4 A distribuição orçamentária deverá ser realizada, proporcionalmente, entre o número de servidores das unidades que participaram do processo de levantamento das necessidades de capacitação. 5 A destinação orçamentária poderá ser alterada nos seguintes casos: a) remanejamento entre as unidades, sem prejuízo da unidade cedente; b) atendimento de necessidades não previstas na programação, desde que devidamente fundamentada pela unidade solicitante, validada pela área de Desenvolvimento de Recursos Humanos e autorizada pelo Diretor-Geral da Secretaria. 6 A reserva técnica tem o objetivo de atender necessidades de capacitação não previstas à época do LNC, mediante justificativa da área de Desenvolvimento de Recursos Humanos e autorização do Diretor-Geral da Secretaria. 7 A parcela orçamentária eventualmente não utilizada será repassada para a reserva técnica. IV ELABORAÇÃO DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROGRAMAÇÃO 1 Com base na tabulação e análise das informações contidas no LNC, as áreas de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal e das seccionais elaborarão a minuta da VERSÃO PRELIMINAR DA PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS DE CAPACITAÇÃO, da qual deverão constar os eventos previstos para implementação no ano de referência, a classificação dos eventos, o período de realização, o objetivo, a metodologia, a clientela, o número de participantes, a carga horária, o turno e o local do treinamento. TRF-1ª REGIÃO / MOD

12 IN-13-2 SUBSISTEMA PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 4 V VALIDAÇÃO 1 As áreas de Desenvolvimento de Recursos Humanos deverão encaminhar a minuta da VERSÃO PRELIMINAR DA PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS DE CAPACITAÇÃO para análise e validação, pelos Diretores de Secretaria e demais dirigentes de mesmo nível hierárquico, até o dia 3 de outubro, no TRF; e até o dia 3 de setembro, nas seccionais. VI CONSOLIDAÇÃO/CONCLUSÃO 1 As unidades deverão devolver a VERSÃO PRELIMINAR DA PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS DE CAPACITAÇÃO à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, até o dia 15 de novembro, no TRF e, até o dia 1 de outubro, nas seccionais. 2 As seccionais deverão encaminhar à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal a VERSÃO PRELIMINAR DA PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS DE CAPACITAÇÃO, devidamente validada, juntamente com as sugestões de implementação de eventos setoriais e regionais, até o dia 2 de outubro. 3 A área de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal procederá à consolidação e conclusão da PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS DE CAPACITAÇÃO do Tribunal e das seccionais até o dia 3 de novembro. VII APRECIAÇÃO/DEFINIÇÃO 1 A apreciação e a definição da programação de eventos de capacitação deverão ser realizadas pelo Diretor-Geral da Secretaria até o dia 15 de dezembro e encaminhadas à Presidência do TRF 1ª Região para aprovação. TRF-1ª REGIÃO / MOD

13 IN-13-2 SUBSISTEMA PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 5 CRONOGRAMA SINÓTICO DO PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO ATIVIDADES ORIGEM DESTINO DATA LIMITE Distribuição do formulário LNC Devolução do LNC Encaminhamento da Versão Preliminar da Programação de Eventos de Capacitação para validação do dirigente Devolução da Versão Preliminar da Programação de Eventos de Capacitação Encaminhamento da Versão Preliminar elaborada na Seccional Consolidação e conclusão da Programação Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos Unidades da Seccional Unidades do Tribunal Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos da Seccional Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal Unidades da Seccional Unidades do Tribunal Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos da Seccional Unidades da Seccional primeira quinzena de agosto Unidades do Tribunal primeira quinzena de setembro Área de Recursos Humanos da Seccional 15.9 Área de Recursos Humanos do Tribunal 3.9 Unidades da Seccional Unidades do Tribunal Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos da 1.1 Seccional Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal 2.1 para consolidação Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos do Tribunal 3.11 Apreciação da Programação Diretoria -Geral Aprovação Presidente do Tribunal (Portaria) - Reprodução da Programação de Capacitação Distribuição do Catálogo de Eventos Centro de Modernização Administrativa 15.2 Área de Desenvolvimento de Recursos Humanos Unidades do Tribunal e da Seccional 2.2 VIII APROVAÇÃO 1 A aprovação da Programação de Eventos de Capacitação será realizada mediante Portaria da Presidência do TRF-1ª Região. TRF-1ª REGIÃO / MOD

14 IN-13-2 SUBSISTEMA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE CAPACITAÇÃO 5 1 I PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE 1 Distribuir o Catálogo de Eventos às diversas unidades do Tribunal e das seccionais até o dia 2 de fevereiro. 2 Emitir agenda trimestral dos eventos a serem ministrados, informando acerca da implementação e do quantitativo de vagas disponíveis por unidade. 3 Divulgar os eventos com 2 dias de antecedência, mediante correspondência oficial e, conforme o caso, por meio de confecção de cartazes e folderes. 4 Definir as pessoas físicas e jurídicas a serem contratadas ou os instrutores internos cadastrados que ministrarão o evento. 5 Providenciar a inscrição de servidor em eventos externos. 6 Indeferir a participação de servidor em treinamento dentro das seguintes situações: a) tenha freqüentado, com aproveitamento, evento semelhante; b) não esteja previsto na programação de sua unidade de lotação; c) não exerça atividades correlacionadas com o conteúdo programático a ser ministrado, salvo na hipótese de existência de vagas remanescentes; d) tenha deixado de participar de evento, por motivo de falta ou desistência não justificada, quando não transcorrido um ano da interrupção; e) tenha apresentado insuficiência de rendimento em dois eventos consecutivos e ainda não haja transcorrido um ano da última ocorrência. 6.1 Serão consideradas como justificativas para faltas ou desistências: a) problemas de saúde atestado médico homologado; b) necessidade da administração declaração da chefia imediata. TRF-1ª REGIÃO / MOD

15 IN-13-2 SUBSISTEMA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE CAPACITAÇÃO Divulgar amplamente as vagas remanescentes e preenchê-las de acordo com as atividades executadas pela unidade. 8 Informar ao participante do treinamento à época da inscrição no evento mediante expediente ou outro meio apropriado, acerca da avaliação de aprendizagem. 9 Analisar a possibilidade de realização de evento, bem como de participação de servidor fora da programação, considerando a pertinência da solicitação e a disponibilidade dos recursos financeiros. 1 Expedir certificado de participação em evento de capacitação para os servidores que tenham atendido aos seguintes critérios: a) freqüência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária; b) aproveitamento na avaliação de aprendizagem, quando houver. 1.1 O servidor que cumprir, no mínimo, 5% (cinqüenta por cento) da carga horária e apresentar justificativa, conforme item 6.1 deste título, poderá receber certificado de participação no evento. II PROCEDIMENTOS DO DIRIGENTE DA UNIDADE 1 Indicar os servidores para participarem de eventos, com antecedência de 2 dias, no caso de eventos externos, e de 1 dias, para os demais eventos. 1.1 Comunicar, oficialmente, à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, com antecedência mínima de três dias, o não-preenchimento das vagas destinadas à unidade. 1.2 Acompanhar a freqüência do servidor e emitir declaração, nos casos de falta ou de desistência ao evento decorrente de necessidade premente da administração. 2 Autorizar a participação de servidores em eventos do programa de capacitação. TRF-1ª REGIÃO / MOD

16 IN-13-2 SUBSISTEMA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE CAPACITAÇÃO 5 3 III PROCEDIMENTOS DO SERVIDOR PARTICIPANTE 1 Inscrever-se junto à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, atendidos os requisitos e os prazos estabelecidos, mediante o preenchimento dos seguintes formulários: a) INSCRIÇÃO EM EVENTO DE CAPACITAÇÃO, MOD evento interno; b) INDICAÇÃO DE PARTICIPANTE EM EVENTO EXTERNO, MOD evento externo. 2 Freqüentar regularmente o evento em que esteja inscrito, evitando atrasos ou saídas antecipadas. 2.1 Submeter-se à avaliação de aprendizagem para recebimento de certificado, nos casos em que, mesmo ultrapassado o limite de faltas permitidas, tenha cumprido, no mínimo, 5% (cinqüenta por cento) da carga horária exigida e apresentado atestado médico ou declaração da chefia que justifique a necessidade premente da Administração do Tribunal ou da Seccional. 3 Submeter-se à avaliação do evento. 4 Encaminhar à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, no caso de não aproveitamento no evento, por motivo de faltas ou desistência, cópia do atestado médico homologado ou declaração da chefia imediata justificando a interrupção de sua participação por necessidade da administração. 5 Apresentar RELATÓRIO e cópia do CERTIFICADO DE PARTICIPAÇÃO, em evento externo, à área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, no prazo de cinco dias úteis, a contar do término do treinamento. 5.1 O relatório será elaborado no formulário RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO EM EVENTO EXTERNO, MOD Repassar o conteúdo teórico-prático do evento aos demais servidores da sua unidade TRF-1ª REGIÃO / MOD de lotação.

17 IN-13-2 SUBSISTEMA AVALIAÇÃO 6 1 I PROCESSO DE AVALIAÇÃO 1 Consiste na determinação do tipo de avaliação a ser aplicada aos participantes de evento e na análise dos resultados obtidos pela área de Desenvolvimento de Recursos Humanos. 2.1 O processo da avaliação compreende duas fases distintas: f) avaliação do participante; a) avaliação global do evento. 3 Os tipos de avaliação do participante são: a) avaliação de aprendizagem verificação do grau de assimilação do assunto ministrado, mediante aplicação de testes, questionários, realização de entrevistas, entre outros métodos; b) avaliação dos resultados verificação do desempenho do participante, após o término do evento, nas atividades profissionais desenvolvidas dentro da sua unidade de lotação. 3.1 Na avaliação de aprendizagem, a área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, juntamente com o(s) instrutor(es), analisará as características de cada atividade de capacitação, a fim de elaborar e aplicar a avaliação aos participantes do evento No caso de eventos externos, a entidade ministrante elaborará e aplicará os testes aos participantes, ficando a área de Desenvolvimento de Recursos Humanos encarregada de acompanhar e avaliar os resultados dos testes aplicados Na avaliação de aprendizagem, o servidor deverá alcançar, no mínimo, 5% (cinqüenta por cento) de aproveitamento. TRF-1ª REGIÃO / MOD

18 IN-13-2 SUBSISTEMA AVALIAÇÃO Em caso de resultado insuficiente na avaliação de aprendizagem, o servidor poderá ser inscrito, em nova oferta, no mesmo curso Na hipótese de novo insucesso, o servidor ficará impossibilitado de inscrever-se no mesmo curso ou em cursos similares pelo período de um ano Cabe ao instrutor do evento a elaboração da avaliação de aprendizagem e a respectiva correção. 3.2 A avaliação de resultados será aplicada aos participantes do treinamento e à chefia imediata, de acordo com as características específicas das atividades de capacitação e as orientações da área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, no prazo mínimo de trinta e no máximo de sessenta dias após o término do evento. 4 A Avaliação Global do Evento é realizada ao término do curso, mediante a aplicação de avaliação de reação pela área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, com o objetivo de avaliar a validade do curso e o alcance dos objetivos propostos. 4.1 A avaliação de reação compreende o levantamento das impressões, opiniões e atitudes dos participantes em relação ao evento e enseja, conforme o caso, a coleta de dados pertinentes: a) à coordenação do evento quanto à divulgação, inscrição, organização do evento, instalações físicas, ao horário de realização, carga horária e ao material didático; b) ao participante do treinamento, ao seu relacionamento com os demais participantes, aos resultados de sua participação e aos benefícios para o serviço; TRF-1ª REGIÃO / MOD

19 IN-13-2 SUBSISTEMA AVALIAÇÃO 6 3 c) ao instrutor quanto à capacidade de comunicação e transmissão de conteúdo; ao domínio de conteúdo, métodos e técnicas de ensino; ao relacionamento com o grupo; à motivação dos participantes; à utilização de recursos instrucionais e à sensibilidade para as dificuldades dos participantes. 4.2 São analisados e tabulados os resultados das avaliações aplicadas aos participantes e elaborado RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO, ao qual os instrutores poderão ter acesso, visando a expor e considerar os fatos relevantes com vistas a alterações e modificações a serem implementadas ou não, nos próximos eventos. II EXPEDIÇÃO DE CERTIFICADO 1 A expedição de certificado aos participantes de evento ficará condicionada às seguintes situações: a) freqüência de, no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento), salvo a exceção prevista no módulo 5; b) alcance do percentual mínimo estipulado para aprovação no evento, mensurado pela avaliação de aprendizagem, quando houver. 2 Os certificados deverão ser expedidos conforme modelos constantes do módulo Anexos. TRF-1ª REGIÃO / MOD

20 IN-13-2 SUBSISTEMA DISPOSIÇÕES FINAIS Competirá ao Diretor-Geral da Secretaria do Tribunal, juntamente com a área de Desenvolvimento de Recursos Humanos, dirimir as dúvidas decorrentes da aplicação desta I 2 Com propósito de orientar os técnicos da área de Desenvolvimento de Recursos Humanos e os usuários do programa, na aplicação da presente IN, será elaborado Manual do Programa de Capacitação. 3 Os anexos constantes do módulo 8 integram esta I 4 Com vistas a evitar defasagens no Programa de Capacitação, inclusive para revisão desta IN, a área de Desenvolvimento de Recursos Humanos deverá solicitar as providências necessárias à atualização. 5 Esta IN, aprovada pelo Conselho de Administração em , conforme Processo n. 1999/9455 e Resolução 13 de 3 de julho de 21, entra em vigor, no âmbito do Tribunal e das Seccionais, na publicação da referida Resolução. Brasília, 4 de julho de 21. FELIPE DOS SANTOS JACINTO Diretor-Geral TRF-1ª REGIÃO / MOD

21 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 1. TRF-1ª REGIÃO / MOD

22 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 2 TRF-1ª REGIÃO / MOD

23 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 3 TRF-1ª REGIÃO / MOD

24 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 4 TRF-1ª REGIÃO / MOD

25 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 5 TRF-1ª REGIÃO / MOD

26 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 6 TRF-1ª REGIÃO / MOD

27 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 7 TRF-1ª REGIÃO / MOD

28 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 8 TRF-1ª REGIÃO / MOD

29 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 9 TRF-1ª REGIÃO / MOD

30 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 1 TRF-1ª REGIÃO / MOD

31 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 11 TRF-1ª REGIÃO / MOD

32 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 12 TRF-1ª REGIÃO / MOD

33 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 13 TRF-1ª REGIÃO / MOD

34 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 14 TRF-1ª REGIÃO / MOD

35 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 15 TRF-1ª REGIÃO / MOD

36 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 16 TRF-1ª REGIÃO / MOD

37 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 17 TRF-1ª REGIÃO / MOD

38 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 18 TRF-1ª REGIÃO / MOD

39 IN-13-2 SUBSISTEMA ANEXO 8 19 TRF-1ª REGIÃO / MOD

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 8 DE JULHO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 8 DE JULHO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 8 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre a participação de servidores do Supremo Tribunal Federal em ações de treinamento. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 301/CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 24 DE JUNHO DE 2016 Dispõe sobre a participação de servidores do Tribunal Superior do Trabalho em ações de educação corporativa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Monitoria, vinculado à Seção de Apoio Estudantil da Coordenadoria de Assuntos Estudantis e Comunitários,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB.

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB. Dispõe sobre o Programa de Bolsa de Monitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, revogando as disposições em contrário, em especial as Resoluções CONSEPE/UESB 18/94 e 48/97. O Conselho

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos 1º Edição 01/2016 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - RECRUTAMENTO E SELEÇÃO CAPÍTULO II - TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO III CARGOS & SALÁRIOS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS CAPÍTULO

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA DO INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE 1. Objetivos e Organização Geral 1.1- Os cursos de pós-graduação lato sensu oferecidos

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais Sociedade de Educação e Cultura de Goiás www.faculdadearaguaia.edu.br Rua 18 n 81 Centro Goiânia Goiás Fone: (62) 3224-8829 NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PORTARIA Nº 1.242, DE 15 DE MAIO DE 2015

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PORTARIA Nº 1.242, DE 15 DE MAIO DE 2015 CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PORTARIA Nº 1.242, DE 15 DE MAIO DE 2015 Regulamenta a experiência-piloto do Programa de Gestão que permite o teletrabalho no âmbito da Controladoria-Geral da União. O MINISTRO

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o Programa de Monitoria da Unitins e dá outras providências. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o presente Edital de abertura de inscrições,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS ANO LETIVO DE 2012. (Em conformidade com a Lei 12.101/2009 e o Decreto 7237/2010)

EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS ANO LETIVO DE 2012. (Em conformidade com a Lei 12.101/2009 e o Decreto 7237/2010) EDITAL DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS ANO LETIVO DE 2012 (Em conformidade com a Lei 12.101/2009 e o Decreto 7237/2010) A Associação Beneficente e Educacional de 1858 é uma instituição que atua na educação

Leia mais

DESCRITIVO PROCESSO SELETIVO Nº 018/13 Local: SESC Três Lagoas/MS

DESCRITIVO PROCESSO SELETIVO Nº 018/13 Local: SESC Três Lagoas/MS DESCRITIVO PROCESSO SELETIVO Nº 018/13 Local: SESC Três Lagoas/MS O SESC/MS torna público que, nos termos da Resolução SESC nº 1163/2008, está aberto processo seletivo para contratação de pessoal, nos

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO

PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 REGULAMENTO I - DOS OBJETIVOS 1. Possibilitar o crescimento acadêmico de alunos do Curso, tanto do Aluno/Monitor quanto dos alunos por ele assistidos; 2. Oferecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 17/CEPE, DE 03 DE MAIO DE 2006 Aprova normas para os cursos de especialização da Universidade Federal do Ceará. O Reitor da UNIVERSIDADE

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO

PRÓ-REITORIA DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE ENSINO Regulamento do Programa de Monitoria de Ensino aprovado pelo Conselho Superior do IFS através da Resolução nº 07/CS/2011. Aracaju/SE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES PARA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL - GESTÃO DE PROJETOS SOCIAIS E CAPTAÇÃO DE RECURSOS - EDITAL EGP Nº 003/2016 A Secretaria Municipal de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 Regulamenta os critérios de concessão, no âmbito da UFBA, da gratificação por encargos de cursos e concursos e dá outras providencias.

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o avanço tecnológico,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 2/2014/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 2/2014/CM PROVIMENTO N. 2/2014/CM Atualiza a política de gratificação por encargo de curso ministrado/desenvolvido pelos magistrados e servidores do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso que atuarem como instrutores

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA FAPEPE FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA FAPEPE FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA FAPEPE FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPITULO I INTRODUÇÃO Artigo 1 - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário.

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogada a Resolução UnC- CONSEPE 099/2004 e as disposições em contrário. RESOLUÇÃOUnC-CONSEPE018/209 Aprova Regulamento do Programa de Monitoria, para a Universidade do Contestado UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25

Leia mais

DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013

DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta os critérios e procedimentos gerais a serem observados para a realização das avaliações de desempenho individual e institucional e o pagamento da

Leia mais

GESTÃO DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO Manual de Procedimentos

GESTÃO DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO Manual de Procedimentos GESTÃO DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO Manual de Procedimentos SUMÁRIO 1 Introdução... 03 2 Objetivos...03 3 Diretrizes...03 4 Processo...03 4.1 Treinamento de Integração...03 4.2 Treinamento Comportamental...04

Leia mais

P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1

P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1 P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1 PROGRAMA DE MONITORIA DA CHRISFAPI P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 2 SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 04 2. O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS EDITAL Nº 01/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO A Universidade Federal do Tocantins UFT, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação PROPESQ, torna pública a abertura de inscrições para selecionar candidatos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO. CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO. CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA COE/CC/Facom Art. 1 A Comissão de Estágio do curso de Ciência da Computação da Faculdade de Computação

Leia mais

NORMAS PARA APROVAÇÃO, OFERTA E ACOMPANHAMENTO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NA UFGD CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

NORMAS PARA APROVAÇÃO, OFERTA E ACOMPANHAMENTO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NA UFGD CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL NORMAS PARA APROVAÇÃO, OFERTA E ACOMPANHAMENTO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NA UFGD CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º Os cursos de Aperfeiçoamento da Universidade Federal da Grande

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CO NSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N o 18, DE 05 DE MARÇO DE 2010 Estabelece os procedimentos relativos à emissão de certificados em eventos de capacitação e desenvolvimento

Leia mais

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO Proposto por: Núcleo de Apoio ao Sistema de Gestão (NUAGES) Analisado por: Chefe da Assessoria de Desenvolvimento Institucional (ADI) Aprovado por: Presidente do TRT/RJ 1

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 006, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2010, DO REITOR DA UFTM.

RESOLUÇÃO N. 006, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2010, DO REITOR DA UFTM. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UBERABA-MG RESOLUÇÃO N. 006, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2010, DO REITOR DA UFTM. Dispõe sobre a solicitação, autorização, concessão e prestação

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007 Regulamenta as atividades de instrutoria interna no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional 1. Antecedentes e Justificativa O Projeto de Assistência à Implementação do Programa de Apoio à Agenda de Crescimento Econômico Equitativo e Sustentável

Leia mais

NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352)

NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352) COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - MI NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352) FOR-101/01 MANUAL DE RECURSOS HUMANOS CÓDIGO: 350

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Quinta-feira, 15 de Março de 2012 Ano XVIII - Edição N.: 4030 Poder Executivo Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação - Secretaria Municipal Adjunta de Recursos Humanos INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

ATO Nº 383/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 383/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 383/2011 Estabelece normas para a realização de cursos de capacitação e desenvolvimento pelos servidores deste Tribunal. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 Dispõe sobre o afastamento para estudo, congressos, seminários ou reuniões similares de servidor e empregado da Administração Pública Distrital

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 2.2 São atribuídas à Coordenadoria de Estágios as seguintes funções:

ADMINISTRAÇÃO. 2.2 São atribuídas à Coordenadoria de Estágios as seguintes funções: ADMINISTRAÇÃO Das Disposições Preliminares 1.1 Esta resolução tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o Estágio em Administração e com o funcionamento da Coordenadoria de Estágios em

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

DESCRITIVO DE VAGA (S) Local: SESC Camillo Boni (C. Grande/MS)

DESCRITIVO DE VAGA (S) Local: SESC Camillo Boni (C. Grande/MS) DESCRITIVO DE VAGA (S) Local: SESC Camillo Boni (C. Grande/MS) O SESC/MS torna público que, nos termos da Resolução SESC nº 1163/2008, está aberto processo seletivo para contratação de pessoal, nos termos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A unidade nacional do Sescoop Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo, personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 45 DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011 ESTABELECE O MANUAL OPERATIVO DE PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFCO E TECNOLÓGICO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL - N.º 084/2015

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL - N.º 084/2015 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL - N.º 084/2015 O Professor Miguel Archanjo de Freitas Júnior, Pró-Reitor de Graduação da Universidade Estadual de Ponta Grossa, no uso de suas atribuições, tendo em vista

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 04/2016 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

MBA EM GESTÃO PÚBLICA

MBA EM GESTÃO PÚBLICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO PÚBLICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Bacharelado em Administração Modalidade a Distância é uma

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), por meio de sua Pró-reitoria de

Leia mais

PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3.

PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3. PORTARIA Nº 4.984 DE 11 DE JULHO DE 2013. (Republicação) (Texto compilado com as alterações promovidas pela Portaria nº 3.029/2014) Regulamenta a Gratificação por Encargo de Curso no âmbito da Justiça

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) (alterada pela Resolução Consepe n.º 24/2011) N.º 09/2010 Dispõe sobre as normas

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001.

RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001. Dispõe sobre o atendimento pelo estabelecimento particular de ensino

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 013/2014 REITORIA

CHAMADA PÚBLICA Nº 013/2014 REITORIA CHAMADA PÚBLICA Nº 013/2014 REITORIA INSCRIÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA (PROMAC) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ. O Presidente da Fundação Universidade Estadual do Ceará FUNECE mantenedora

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DA FITO

REGULAMENTO FINANCEIRO DA FITO REGULAMENTO FINANCEIRO DA FITO DOS CONTRATANTES Art. 1º - Pela matrícula, a Fundação Instituto Tecnológico de Osasco, doravante denominada FITO e o Aluno e/ou Responsável Financeiro estabelecem recíprocos

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos adotados para concessão, indenização, parcelamento e pagamento

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA INTERNA Nº 002, de 22 de abril de 2015, PARA A ESCOLHA DA COORDENAÇÃO DE CURSO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EaD), EM VAGAS REMANESCENTES

CHAMADA PÚBLICA INTERNA Nº 002, de 22 de abril de 2015, PARA A ESCOLHA DA COORDENAÇÃO DE CURSO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EaD), EM VAGAS REMANESCENTES CHAMADA PÚBLICA INTERNA Nº 002, de 22 de abril de 2015, PARA A ESCOLHA DA COORDENAÇÃO DE CURSO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EaD), EM VAGAS REMANESCENTES 1. DA ABERTURA 1.1 O INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 003/2014 PROEPI/IFPR PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná (IFPR),

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU RESOLUÇÃO N.º 507/2007 Publicada no D.O.E. de 08/09-12-2007, pág. 24 Altera a Resolução Nº. 634/04 CONSEPE, que aprova o Regulamento de

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08 MANUAL DE ESTÁGIOS Lei de estágio 11.788/08 O QUE É ESTÁGIO O estágio tem por finalidade proporcionar a complementação da formação acadêmica e permite que o estudante tenha acesso ao campo de sua futura

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE CÂMPUS DO CÂMPUS DO PANTANAL, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, e Considerando

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Regulamenta a Lei Estadual nº 11.170/2008, dispondo sobre a progressão funcional dos servidores no âmbito do Poder Judiciário do Estado da Bahia. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA

Leia mais

Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006

Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006 Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006 Regulamenta o Sistema de Correição do Poder Executivo Federal, de que trata o Decreto nº 5.480, de 30 de junho de 2005. O MINISTRO DE ESTADO DO

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos no Processo nº 39460/2006:

CONSIDERANDO os pronunciamentos contidos no Processo nº 39460/2006: DELIBERAÇÃO CÂMARA DE GRADUAÇÃO Nº 04/2007 Aprova o Regulamento de Estágios Curriculares Obrigatório e não Obrigatório do Curso de Letras Modalidade: Licenciatura Habilitações: Língua Inglesa e Respectivas

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO TRE/SP Nº 182/2007

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO TRE/SP Nº 182/2007 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO TRE/SP Nº 182/2007 * Atualizada com as alterações introduzidas pelas Resoluções TRE/SP n. os 193/2008 e 207/2009 Dispõe sobre a concessão de Auxílio-Bolsa

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais