AVC: PRODUTOS DE APOIO CARTA DE CONDUÇÃO PAULO MARGALHO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVC: PRODUTOS DE APOIO CARTA DE CONDUÇÃO PAULO MARGALHO"

Transcrição

1 AVC: PRODUTOS DE APOIO CARTA DE CONDUÇÃO PAULO MARGALHO

2 Produtos de Apoio Define-se ajudas técnicas / produtos de apoio como qualquer produto (incluindo dispositivos, equipamento, instrumentos, tecnologia e software) especialmente produzido e disponível, para prevenir, compensar, monitorizar, aliviar ou neutralizar qualquer impedimento, limitação da actividade e restrição na participação (ISO 9999/2007). Destinam-se a todas as pessoas com deficiências ou incapacidade, permanente ou temporária.

3 Portaria n.º 192/2014, de 26 de setembro - Regula a criação e manutenção da base de dados de registo do Sistema de Atribuição de Produtos de Apoio (BDR-SAPA), bem como o tratamento da informação no que respeita à referenciação, prescrição, atribuição, comparticipação e reutilização de produtos de apoio. Portaria n.º 78/2015, de 17 de março - Aprova o modelo da ficha de prescrição de produtos de apoio, no âmbito do Sistema de Atribuição de Produtos de Apoio (SAPA), constante do anexo à referida Portaria, e da qual faz parte integrante.

4

5

6

7

8 Produtos de apoio para prevenir úlceras de pressão Almofadas para sentar e materiais de proteção para prevenir úlceras de pressão Colchões e coberturas de colchões para prevenir úlceras de pressão.

9 Produtos de apoio para treino de comunicação alternativa e aumentativa Produtos de apoio para treino de alfabeto táctil Produtos de apoio para treino de linguagem de sinais

10 Ortóteses para o ombro Ortóteses para o ombro, cotovelo, punho e mão.

11 Ortóteses para os dedos Ortóteses para a mão Ortóteses para o punho e mão..

12 Ortóteses para pé e tornozelo.

13 Ortóteses para joelho ANTI-RECURVATUM

14 Produtos de apoio para vestir e despir Produtos de Apoio para calçar meias e collants.

15 Calçadeiras para sapatos e botas

16 Produtos de apoio para higiene pessoal Cadeiras sanitárias (com ou sem rodas giratórias) Assentos de sanita elevados (com fixação fácil) Apoios de braços e ou encosto montado na própria sanita Arrastadeiras

17 Produtos de apoio para lavagem, banho e duche Cadeiras de banho/duche (com ou sem rodas), tábuas de banho, bancos, encostos e assentos.

18 Produtos de apoio para lavagem, banho e duche Cadeiras de banho/duche (com ou sem rodas), tábuas de banho, bancos, encostos e assentos.

19 Produtos de apoio para a marcha manejados por um braço Bengala Auxiliares de marcha com três ou mais pernas

20 Produtos de apoio para a marcha manejados pelos dois braços Andarilhos sem rodas Andarilhos com rodas Andarilhos especiais.

21 Cadeiras de rodas manuais Cadeiras de rodas manobradas bimanualmente por rodas Cadeiras de rodas manobradas unilateralmente Cadeiras de rodas com propulsão pelos pés

22 Produtos de apoio para fixação Bases antiderrapantes

23 EM RESUMO: A PRESCRIÇÃO DE PRODUTOS DE APOIO IMPLICA UMA AVALIAÇÃO RIGOROSA PELA EQUIPA MULTIDISCIPLINAR, QUE VERIFICA A POTENCIAL MELHORIA DA FUNCIONALIDADE E PARTICIPAÇÃO, SEMPRE ATENDENDO ÀS DISPONIBILIDADES FINANCEIRAS DA INSTITUIÇÃO

24 AVC / CARTA DE CONDUÇÃO Decreto-Lei n.º 37/2014 de 14 de março procedeu a alterações ao Código da Estrada e aprovou o novo Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir (RHLC).

25 Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir Artigo 8. Inspecção especial A inspecção especial é efectuada pela autoridade de saúde da área da residência constante do bilhete de identidade do examinando. Qualquer médico que suspeite que um doente alterou a sua capacidade de conduzir, é obrigado a requisitar uma inspecção especial

26 Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir Artigo 9. Sujeição a inspecção especial 2 - A inspecção especial deve ainda ser efectuada nas situações seguintes: a) Por proposta do médico que efectuou a inspecção normal; b) A requerimento do examinando não aprovado em inspecção normal; c) A solicitação do condutor que adquira doença, deficiência física ou perturbação mental susceptíveis de limitar a sua capacidade para o exercício da condução;

27 Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir Artigo 9. Sujeição a inspecção especial 2 - A inspecção especial deve ainda ser efectuada nas situações seguintes: h) Por iniciativa da autoridade de saúde da área de residência do condutor, quando tome conhecimento de factos susceptíveis de pôr em dúvida a sua capacidade física ou mental para o exercício da condução com segurança; i) Por determinação da Direcção-Geral de Viação ou dos tribunais, nos termos da legislação aplicável.

28 Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir Artigo 15. Sujeição a junta médica 1 - São submetidos a junta médica, a realizar na região de saúde com jurisdição na área da sua residência, os examinandos que: a) Sejam propostos pela autoridade de saúde que realizou a inspecção especial; b) Tendo sido reprovados em inspecção especial recorram da decisão para a Direcção-Geral da Saúde; c) A Direcção-Geral da Saúde mande examinar por lhe suscitarem fundadas dúvidas sobre a sua aptidão para o exercício da condução.

29 Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir SUBSECÇÃO II Exames psicológicos Artigo 16. Submissão a exames psicológicos 3 - São submetidos, igualmente, a exame psicológico os condutores ou candidatos de qualquer categoria ou subcategoria de veículos cujo exame tenha sido determinado: d) Por autoridades médicas (autoridades de saúde ou juntas médicas).

30 Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir Artigo 19. Causas de reprovação Deve ser reprovado em exame psicológico o examinando que apresente: a) Níveis de acuidade visual inferiores aos limites definidos no artigo 6. e na tabela constante do anexo I ao presente diploma, que dele faz parte integrante, quando não sejam susceptíveis de correcção; b) Lentidão e tremuras manifestas; c) Comportamentos que demonstrem descoordenação motora; d) Perturbação acentuada da atenção; e) Comportamentos que revelem deterioração mental, debilidade mental ou baixa resistência à sobrecarga de processamento;

31 Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir Artigo 19. Causas de reprovação Deve ser reprovado em exame psicológico o examinando que apresente: f) Comportamentos que traduzam atitudes inadaptadas face à segurança rodoviária; g) Dependência de consumo de substâncias de acção psicotrópica; h) Dependência de consumo de bebidas alcoólicas; i) Quadros psicóticos ou parapsicóticos; j) Instabilidade emocional manifesta; k) Síndromas cíclicas; l) Agressividade e impulsividade ou irritabilidade de tipo explosivo; m) Quadros de agitação acentuada; n) Quadros depressivos graves e frequentes; o) Comportamento anti-social.

32 CMRRC Rovisco Pais INOVAÇÃO E QUALIDADE

1,2,3. 04 48 08 Estabilizadores e suportes para a posição de pé PRODUTOS DE APOIO PARA TREINO DE COMPETÊNCIAS

1,2,3. 04 48 08 Estabilizadores e suportes para a posição de pé PRODUTOS DE APOIO PARA TREINO DE COMPETÊNCIAS ANEXO III ISO 9999 : 2007 Lista Homologada CÓDIGOS ISO CATEGORIAS Prescrição AUXILIARES DE TERAPÊUTICA RESPIRATÓRIA 04 0 0 Pré-aquecedores do ar inalado 2 04 0 06 Equipamentos de inalação 2 04 0 12 Respiradores

Leia mais

Ajudas Técnicas/Produtos de Apoio em Reumatologia

Ajudas Técnicas/Produtos de Apoio em Reumatologia Ajudas Técnicas/Produtos de Apoio em Reumatologia AJUDAS TÉCNICAS/PRODUTOS DE APOIO Prevenção de complicações Enfermeira: Andreia Gonçalves Actividades de vida diária Bem estar psicológico Comunidade,

Leia mais

RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012

RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012 RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012 1 Alterações legislativas na área da habilitação de condutores Legislação alterada Algumas disposições do Código da Estrada Decreto-lei 313/2009,

Leia mais

Manual da Carta de Condução

Manual da Carta de Condução Manual da Carta de Condução Ficha Técnica 2014.10.06 Ficha Técnica MANUAL DA CARTA DE CONDUÇÃO Para conduzir um veículo a motor na via pública é necessário estar legalmente habilitado. O documento que

Leia mais

https://intranet.marinha.pt/ordens/oa1/2007/anxh_oa121_07.html

https://intranet.marinha.pt/ordens/oa1/2007/anxh_oa121_07.html Page 1 of 15 OA1 21/17-05-07 PAA 8 (B) - XI PAA 13 (A) - VI ANEXO H CLASSIFICAÇÃO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS AO REGIME DE CONTRATO (RC): - AVALIAÇÃO DA DESTREZA FÍSICA E DA CAPACIDADE PSICOLÓGICA DOS CANDIDATOS:

Leia mais

A Importância da Avaliação. ESEC - 9/4/2013 Alberto Maurício - Laboratório de Psicologia, IMT, I.P. 1

A Importância da Avaliação. ESEC - 9/4/2013 Alberto Maurício - Laboratório de Psicologia, IMT, I.P. 1 A Importância da Avaliação Psicológica de Condutores ESEC - 9/4/2013 Alberto Maurício - Laboratório de Psicologia, IMT, I.P. 1 Porquê ESEC - 9/4/2013 Alberto Maurício - Laboratório de Psicologia IMT, I.P.

Leia mais

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS Ano lectivo 2011/2012 Posicionamento e Mobilidade Posicionamento em cadeira de rodas: Acto terapêutico que implica a utilização de diversos

Leia mais

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais 1. Deficiência visual A deficiência visual é a perda ou redução da capacidade visual, com caráter definitivo. As limitações do campo visual

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL PARECER N.º 27/2011. Cartas de Condução. Avaliação Médica. Carreira Especial Médica. Medicina Geral e Familiar

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL PARECER N.º 27/2011. Cartas de Condução. Avaliação Médica. Carreira Especial Médica. Medicina Geral e Familiar 1 PARECER N.º 27/2011 Referência: SM/53/2011.LS.0808 (CJ) Médico(a): Local de Trabalho: Assunto: Legislação: Cartas de Condução. Avaliação Médica. Carreira Especial Médica. Medicina Geral e Familiar Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Diário da República, 2.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 29643 9 Composição do júri: (nos termos do artigo 21.º, da Portaria n.º 83 -A/2009, de 22 de janeiro, alterada pela Portaria n.º 145 -A/2011,

Leia mais

CONGRESSO DE SAÚDE DO NORDESTE: AVC, PREPARADOS? BRAGANÇA, 24 e 25 de Outubro de 2008. Adaptações físicas de compensação para utentes com AVC

CONGRESSO DE SAÚDE DO NORDESTE: AVC, PREPARADOS? BRAGANÇA, 24 e 25 de Outubro de 2008. Adaptações físicas de compensação para utentes com AVC CONGRESSO DE SAÚDE DO NORDESTE: AVC, PREPARADOS? BRAGANÇA, 24 e 25 de Outubro de 2008 Adaptações físicas de compensação para utentes com AVC LEONEL PRETO Instituto Politécnico de Bragança. Escola Superior

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

AJUDAS TÉCNICAS PARA O BANHO. 2.ª Edição

AJUDAS TÉCNICAS PARA O BANHO. 2.ª Edição AJUDAS TÉCNICAS PARA O BANHO 2.ª Edição SECRETARIADO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2005 Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas

Leia mais

FICHA TÉCNICA CORTAL SELDEX Cadeira Zody_System 89

FICHA TÉCNICA CORTAL SELDEX Cadeira Zody_System 89 FICHA TÉCNICA CORTAL SELDEX Cadeira Zody_System 89 Nº Pág.s: 05 nº 16 25. Setembro. 2006 Zody_Sistema 89 01 a forma segue a ciência O design começa com uma visão, a ciência com uma questão. A visão da

Leia mais

DECRETO Nº 143/IX. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO Nº 143/IX. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO Nº 143/IX AUTORIZA O GOVERNO A APROVAR O REGIME GERAL DE LICENCIAMENTO AERONÁUTICO CIVIL E DA CERTIFICAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DAS RESPECTIVAS ORGANIZAÇÕES DE FORMAÇÃO A Assembleia da República decreta,

Leia mais

Regulamento Provisório de Certificação dos Maquinistas e dos Agentes para o Acompanhamento de Comboios

Regulamento Provisório de Certificação dos Maquinistas e dos Agentes para o Acompanhamento de Comboios Regulamento Provisório de Certificação dos Maquinistas e dos Agentes para o Acompanhamento de Comboios Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e os procedimentos para a Certificação

Leia mais

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO MANUAL DO CUIDADOR PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO 3 GUIA PRÁTICO ILUSTRADO Aumente a sua qualidade de vida e a do idoso dependente também! REDE REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Siga

Leia mais

no sentido da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a

no sentido da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a no sentido da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Comfort. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para proteger a sua

Leia mais

Sinalização de segurança:

Sinalização de segurança: A Sinalização de Segurança tem por objectivo chamar a atenção, de forma rápida e inteligível, para objectos ou situações que comportem riscos ou possam estar na origem de perigos 1 Significados e a aplicação

Leia mais

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes PL ANUAL DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE MERCADORIAS - gerentes CAPACIDADE PROFISSIONAL CPNI C/ PC PORTÁTIL Abordar de uma forma genérica os principais aspectos subjacentes à gestão diária

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 706/7 Págs. Duração da prova: 150 minutos 2007 2.ª FASE PROVA PRÁTICA DE DESENHO A V.S.F.F.

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS SEGURANÇA DE MÁQUINAS SITUAÇÃO PERIGOSA: Toda a situação em que uma pessoa é exposta a um ou mais riscos ou fenómenos perigosos Zona perigosa Toda a zona interior e/ou ao redor de uma máquina, na qual

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS MUNICIPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS Normas de Funcionamento Preâmbulo O presente documento concretiza e sistematiza o projecto de «Banco de Ajudas Técnicas do Concelho

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO Com a emergência de cada vez mais processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes

Leia mais

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS 17 de Fevereiro de 2010 Página 1 de 8 Capítulo I PARTE GERAL Art.1º Objecto O presente regulamento estabelece medidas preventivas e punitivas

Leia mais

Liko Hygiene Sling, Mod. 40, 41 Teddy Hygiene Sling, Mod. 41

Liko Hygiene Sling, Mod. 40, 41 Teddy Hygiene Sling, Mod. 41 Liko Hygiene Sling, Mod. 40, 41 Teddy Hygiene Sling, Mod. 41 Manual de Utilização Português 7PT160186-02 mod. 40 mod. 41 Descrição do Produto O design da funda Liko Hygiene Sling é para facilitar vestir

Leia mais

RECURSOS HUMANOS SELECCÇÃO

RECURSOS HUMANOS SELECCÇÃO RECURSOS HUMANOS SELECCÇÃO Introdução A entrevista de selecção Introdução A entrevista de selecção Selecção? Introdução A entrevista de selecção Selecção: Selecção: A escolha, de entre os candidatos recrutados,

Leia mais

LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS

LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS LEGISLAÇÃO RELATIVA A ELEIÇÕES E REFERENDOS REGIME JURÍDICO DO RECENSEAMENTO ELEITORAL Lei n.º 13/99, de 22 de Março. Artigo 1.º - Regra geral O recenseamento eleitoral é oficioso, obrigatório, permanente

Leia mais

Funcionamento. Artigo 1.º Âmbito O Banco de Ajudas Técnicas funciona no âmbito da área geográfica do Concelho de Vila Viçosa.

Funcionamento. Artigo 1.º Âmbito O Banco de Ajudas Técnicas funciona no âmbito da área geográfica do Concelho de Vila Viçosa. BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS NORMAS DE CEDÊNCIA DE EQUIPAMENTO Funcionamento O presente documento, visa definir as condições de acesso e de atribuição de ajudas técnicas para Pessoas Portadoras de Deficiência,

Leia mais

Audiência Pública sobre desoneração de órteses, próteses e tecnologias assistivas

Audiência Pública sobre desoneração de órteses, próteses e tecnologias assistivas Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República SDH/PR Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência - SNPD Audiência Pública sobre desoneração de órteses, próteses

Leia mais

Av. da Boavista,41- Porto. (Junto ao Hospital Militar/HPP Porto)

Av. da Boavista,41- Porto. (Junto ao Hospital Militar/HPP Porto) Av. da Boavista,41- Porto (Junto ao Hospital Militar/HPP Porto) Oficina Técnica de Fabrico de Próteses Ortopédicas Serviços Técnicos Especializados Técnicos Ortoprotésicos Vantagens Serviços Técnico Especializados

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL. Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas

Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL. Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas Santa Casa da Misericórdia BOMBARRAL Regulamento Interno Centro de Recursos de Ajudas Técnicas CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 º CENTRO DE Recursos DE AJUDAS TÉCNICAS O Centro de Recursos de Ajudas

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir. (Anexo ao Decreto-Lei nº 209/98, 15 de Julho)

Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir. (Anexo ao Decreto-Lei nº 209/98, 15 de Julho) Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir (Anexo ao Decreto-Lei nº 209/98, 15 de Julho) Capítulo I Aptidão física, mental e psicológica Secção I Classificação Artigo 1.º Classificação dos condutores

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

E D I T A L. SECÇÃO II Emissão de licença e cartão de identificação. Artigo 8º. Requerimento. a).. b).. c)..

E D I T A L. SECÇÃO II Emissão de licença e cartão de identificação. Artigo 8º. Requerimento. a).. b).. c).. 1 E D I T A L Manuel Castro Almeida, Presidente da Câmara Municipal de S. João da Madeira: Faz público que a Câmara e a Assembleia Municipais aprovaram, em 12 de Outubro de 2011 e 23 de Fevereiro de 2012,

Leia mais

Regulamento de Identificação dos Empregados Forenses dos Advogados

Regulamento de Identificação dos Empregados Forenses dos Advogados Regulamento de Identificação dos Empregados Forenses dos Advogados Artigo 1º Os advogados e sociedades de advogados que tenham ao seu serviço empregados que exercem funções junto das secretarias judiciais

Leia mais

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+/1 0-18 kg 6m-4a

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+/1 0-18 kg 6m-4a no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 0+/1 0-18 kg 6m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Kid ISOfix. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para

Leia mais

Regulamento da Prevenção e Controlo do trabalho sob efeito do Álcool ou de Substâncias Estupefacientes ou Psicotrópicas

Regulamento da Prevenção e Controlo do trabalho sob efeito do Álcool ou de Substâncias Estupefacientes ou Psicotrópicas Regulamento da Prevenção e Controlo do trabalho sob efeito do Álcool ou de Substâncias Estupefacientes ou Psicotrópicas (enviado à Inspecção-Geral do Trabalho, para registo e depósito, em 24 de Julho de

Leia mais

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a 1 26 27 34 35 16 2 4 3 Manual de utilização 5 6 8 9 7 10 11 12 13 14 15 28 29 36 31 17 30 37 No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1 19 20 21 23 Peso 0-18 kg 18 22 38 39 Idade

Leia mais

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal BEM ESTAR DOS ANIMAIS EM TRANSPORTE REGULAMENTO 1/2005 Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal DGV REGULAMENTO 1/2005 DECRETO-LEI Nº 265/07 REGRAS DO TRANSPORTE DE ANIMAIS VERTEBRADOS TRANSPORTES

Leia mais

ACESSIBILIDADE PÚBLICA. Uma estratégia para Transporte Público

ACESSIBILIDADE PÚBLICA. Uma estratégia para Transporte Público ACESSIBILIDADE PÚBLICA Uma estratégia para Transporte Público Pedro Bisch Neto Diretor Superintendente Vinicio Salvagni Diretor de Trasnporte Metropolitano DEFINIÇÃO AFINAL, O QUE É MOBILIDADE URBANA E

Leia mais

Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 COMPONENTES CRÍTICAS

Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 COMPONENTES CRÍTICAS Plano de Aula Professora estagiária: Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 Data: 19/01/10 Horário: 11h50-13h20 Duração: 90 min. Local: Pavilhão Número de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS ENTIDADE PROMOTORA: SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO ENTIDADES PARCEIRAS: MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO E CENTRO DE SAÚDE DE SOBRAL

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09,

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09, PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO Portaria n.º /09, de O Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho, estabeleceu o regime jurídico aplicável à prestação de serviços

Leia mais

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a 1 23 2 4 3 Manual de utilização 5 6 7 24 26 8 9 10 11 12 13 14 No sentido inverso ao da marcha Altura 61-105 cm 16 17 18 20 25 Peso máximo 18 kg 15 19 Idade 6m-4a UN regulation no. R129 i-size 21 22 27

Leia mais

LAR RESIDENCIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

LAR RESIDENCIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1/22 ASSOCIAÇÃO CRISTÃ PAZ e BEM (Instituição P. de Solidariedade Social) N.I.F.: 502.671.840 Centro Social Pe. José Miguel LAR RESIDENCIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DOSSIER DE INSCRIÇÃO DO CLIENTE

Leia mais

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker As distrofias musculares de Duchenne e de Becker as

Leia mais

Supervisão Efectiva e Desenvolvimento do Mercado de Capitais Praia, Cabo Verde

Supervisão Efectiva e Desenvolvimento do Mercado de Capitais Praia, Cabo Verde 1 A LAVAGEM DE DINHEIRO E O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS Supervisão Efectiva e Desenvolvimento do Mercado de Capitais Praia, Cabo Verde Outubro de 2010 James Reese, CFE Gabinete de Cumprimento de Regras,

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela 1 Preâmbulo O Concelho de Palmela, com aproximadamente 462 Km2, constitui-se como o maior da Península de Setúbal. Caracteriza-se como sendo

Leia mais

PISCINAS MUNICIPAIS DO PESO DA RÉGUA. Regulamento

PISCINAS MUNICIPAIS DO PESO DA RÉGUA. Regulamento Regulamento PREÂMBULO A prática de actividades físicas e desportivas constitui um factor primordial na promoção da saúde e do bem-estar das populações. Neste sentido, o desporto tem vindo a assumir-se

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

EXAME MÉDICO DE CONDUTORES OU CANDIDATOS A CONDUTORES DE VEÍCULOS A MOTOR (artigo 26.º n.º 1 do Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir)

EXAME MÉDICO DE CONDUTORES OU CANDIDATOS A CONDUTORES DE VEÍCULOS A MOTOR (artigo 26.º n.º 1 do Regulamento da Habilitação Legal para Conduzir) REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM EXAME MÉDICO DE CONDUTORES OU CANDIDATOS A CONDUTORES

Leia mais

Cabine de descontaminação. Manual do Proprietário

Cabine de descontaminação. Manual do Proprietário Página 1 de 7 Cabine de descontaminação Manual do Proprietário MARÇO DE 2010 Página 2 de 7 Instruções de segurança Leia atentamente este manual antes de instalar a cabine de descontaminação. Deverá seguir

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

Legislação de Trânsito

Legislação de Trânsito Prova simulada do DETRAN 11 Legislação de Trânsito 1) O julgamento das penalidades de trânsito se dará através de um: a) Identificação do infrator. b) Notificação de autuação. c) Processo administrativo.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Medidas preventivas de comportamentos agressivos/violentos de doentes - contenção física Nº: 08/DSPSM/DSPCS DATA: 25/05/07 Para: Contacto na DGS: ARS, Hospitais do SNS, Serviços Locais e Regionais

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Portaria Nº 37/2003 de 22 de Maio

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Portaria Nº 37/2003 de 22 de Maio S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria Nº 37/2003 de 22 de Maio O Decreto Legislativo Regional n.º 13/2002/A, de 12 de Abril, cria o novo regime jurídico para a educação extra-escolar e ensino recorrente.

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

Direitos e Protecção Social da Pessoa com EM

Direitos e Protecção Social da Pessoa com EM Direitos e Protecção Social da Pessoa com EM Direito Sistema de normas de conduta imposto por um conjunto de instituições para regular as relações sociais 1 Tem implicações/efeitos sobre o quotidiano dos

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Dispensa de medicamentos pela internet e livro de reclamações on-line

NOTA DE IMPRENSA. Dispensa de medicamentos pela internet e livro de reclamações on-line NOTA DE IMPRENSA Dispensa de medicamentos pela internet e livro de reclamações on-line O Infarmed apresenta hoje o portal que permitirá o registo das farmácias e dos locais de venda de medicamentos não

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento abrange todas as pessoas (singulares e colectivas)

Leia mais

RESOLVE expedir a presente resolução, conforme articulados abaixo:

RESOLVE expedir a presente resolução, conforme articulados abaixo: RESOLUÇÃO Nº 001/99 O Conselho Estadual de Trânsito de Goiás - CETRAN-GO, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, em específico pelo artigo 14, inciso II do Código de Trânsito Brasileiro;

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

INSTITUTO DA MOBILIDADE E DOS TRANSPORTES, I.P. DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE. Despacho Conjunto

INSTITUTO DA MOBILIDADE E DOS TRANSPORTES, I.P. DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE. Despacho Conjunto INSTITUTO DA MOBILIDADE E DOS TRANSPORTES, I.P. DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE Despacho Conjunto O Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de maio, alterado pelos Decretos-Lei nºs 44/2005,

Leia mais

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Kid. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para proteger

Leia mais

Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de. transmissão automática

Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de. transmissão automática Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de transmissão automática 1. Prova no parque de manobras (1) Antes de iniciar a marcha Antes de ligar o motor, o candidato deve verificar se

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA Regulamento Contra a Violência, Racismo, Xenofobia e Intolerância (*) Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento visa o combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nas

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. ---------------------

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. --------------------- REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. --------------------- Nota Justificativa ------------------ Mediante a publicação do Decreto-Lei

Leia mais

No sentido da marcha. Manual de instruções. Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos

No sentido da marcha. Manual de instruções. Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos No sentido da marcha Manual de instruções ECE R44 04 Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos 1 ! Obrigado por optar pela BeSafe izi Up FIX A BeSafe desenvolveu esta cadeira com todo o cuidado, para proteger

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

Fitness II PROF. FABIO DUTRA

Fitness II PROF. FABIO DUTRA Fitness II PROF. FABIO DUTRA Revisão Histórica O conceito de totalidade orgânica tem ganho adeptos desde a antiga Grécia. CLARKE (1976) cita que no século V antes de Cristo, os atenienses reconheciam a

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands p. 1 de 10k Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands 1ª EDIÇÃO Janeiro de p. 2 de 10k p. 3 de 10k Índice Introdução... 4 Campo de aplicação...

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a 1 23 2 4 3 Manual de utilização 5 6 7 24 26 8 9 10 11 12 13 14 No sentido inverso ao da marcha Altura 61-105 cm 16 17 18 20 25 Peso máximo 18 kg 15 19 Idade 6m-4a UN regulation no. R129 i-size 21 22 27

Leia mais

Curso de Formação Inicial de Maquinistas

Curso de Formação Inicial de Maquinistas Curso de Formação Inicial de Maquinistas - Informações - Lisboa, 11 de Setembro de 2012 Fernave, 2012 Pág. 1/6 Índice 1. Identificação do Curso... 3 2. Objectivos do Curso... 4 2.1 Objectivos Gerais...

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 旅 遊 局 Direcção dos Serviços de Turismo A V I S O

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 旅 遊 局 Direcção dos Serviços de Turismo A V I S O A V I S O Faz-se público que, por despacho do Ex. mo Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, de 31 de Julho de 2013, e nos termos definidos na Lei n. 14/2009 (Regime das carreiras dos trabalhadores

Leia mais

Regulamento Zelador da Cidade

Regulamento Zelador da Cidade Regulamento Zelador da Cidade Artigo 1º - Âmbito O presente normativo visa estabelecer as linhas orientadoras do grupo de voluntariado denominado Zelador da Cidade, o qual tem como entidade promotora a

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

PREVENIR é vencer. O quê? A imprudência, o fatalismo, a indisciplina, a desatenção, o desleixo, a preguiça, a falta de reflexão, o desrespeito pela

PREVENIR é vencer. O quê? A imprudência, o fatalismo, a indisciplina, a desatenção, o desleixo, a preguiça, a falta de reflexão, o desrespeito pela PREVENIR é vencer. O quê? A imprudência, o fatalismo, a indisciplina, a desatenção, o desleixo, a preguiça, a falta de reflexão, o desrespeito pela integridade física de cada um. Enfim, é vencer quanto

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2010/2011

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2010/2011 CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2010/2011 REQUERIMENTO DE CANDIDATURA PELO CONTINGENTE ESPECIAL PARA ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL Os estudantes que satisfaçam os

Leia mais

Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho

Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho 45 Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho Parte A: Introdução Uma boa postura de trabalho é fundamental para prevenir lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 83/XI

PROJECTO DE LEI N.º 83/XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 83/XI Inclui no Escalão A de comparticipação os medicamentos queratolíticos e antipsoriáticos destinados aos doentes portadores de Psoríase Exposição de Motivos A

Leia mais

AJUDAS TÉCNICAS. Barras de Banho São produtos de apoio para cuidados pessoais e protecção. Elevador de WC. Barra de banho de alumínio.

AJUDAS TÉCNICAS. Barras de Banho São produtos de apoio para cuidados pessoais e protecção. Elevador de WC. Barra de banho de alumínio. Definem-se ajudas técnicas, como produtos de apoio, especialmente, produzidos e disponíveis, para prevenir, compensar, monitorizar, aliviar ou neutralizar qualquer impedimento, limitação da actividade

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

Apólice de Seguro de Caçadores

Apólice de Seguro de Caçadores Apólice de Seguro de Caçadores INDICE PARTE I CONDIÇÕES GERAIS Cláusula Preliminar CAPÍTULO I Cláusula 1.ª Cláusula 2.ª Cláusula 3.ª Cláusula 4.ª Cláusula 5.ª CAPÍTULO II Cláusula 6.ª Cláusula 7.ª Cláusula

Leia mais