SC-NETWORK. Manual do Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SC-NETWORK. Manual do Software"

Transcrição

1 SC-NETWORK Manual do Software

2 SUMÁRIO 1. INSTALAÇÃO: NOVA INSTALAÇÃO ATUALIZANDO UMA VERSÃO ANTIGA: ACESSANDO O PROGRAMA- MENU PRINCIPAL MENU DE LOGIN STATUS DE COMUNICAÇÃO BOTÕES DA TELA PRINCIPAL LOGOMARCA MENU DE PARÂMETROS ESTAÇÃO LEITOR Nome do leitor Estação Endereço do controlador Tipo do controlador Número de controladores de portas Número do Leitor Critérios de acesso Formato do dispositivo de acesso Código geral do teclado Função de supervisor Anti duplo passe Contagem Fechar a porta se o buffer estiver cheio Tempo de abertura de porta Tempo de alarme de porta e modo de alarme de porta Programação semanal e modo de portas Leitor fechado quando a entrada esta ativa FORMATO DO DISPOSITIVO DE ACESSO PROGRAMAÇÃO DIÁRIA PROGRAMAÇÃO SEMANAL FERIADOS GRUPO DE ACESSO USUÁRIOS Número do Cartão Código do cartão Grupo de acesso Valido Código do cartão Supervisor Crédito Validade ENTRADA DE ALARME RELÉ REFLEXOS LOCAIS ELEVADOR MENU DE COMUNICAÇÃO MENU RELATÓRIO MENU UTILITÁRIO CRIAR UMA NOVA BASE DE DADOS SALVAR BASE DE DADOS RESTAURAR BASE DE DADOS MUDAR SENHA CONTROLE DE PORTAS E RELÉS CRIAR UM GRUPO DE USUÁRIOS DESATIVANDO A COMUNICAÇÃO SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 2/29

3 6.8 GRAVAR O RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO AUTO DETECÇÃO TEMPO E PERMANÊNCIA APÊNDICE A.1: ESTAÇÃO REMOTA - MODEM APÊNDICE A.2: FAZER O BACKUP DOS ARQUIVOS PELA TRANSFERÊNCIA DE TRANSAÇÕES APPENDIX A.3: LEITURA AUTOMÁTICA DE TRANSAÇÕES Autoread= AutoShowJournal= APÊNDICE A.4: ENVIANDO UM SCRIPT COM CADA DOWNLOAD GERAL APÊNDICE A.5: ENTRADAS NO SCNETWORK.INI AutoRead AutoTimer AutoShowJournal DailyPrograms4Zones AllTPLD4D GroupMode SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 3/29

4 O software SC-NETWORK permite programar os controladores NSL3, TPL3 e o NTL3 de um PC. É um aplicativo 32bits e deverá ser rodado no Windows 95, 98, NT etc 1. INSTALAÇÃO: 1.1 Nova Instalação Insira o CD e siga as instruções. 1.2 Atualizando uma versão antiga: 1ª Etapa. Removendo antes a antiga instalação: - Use o menu utilitários e o menu relatório do software para salvar a base de dados e o Relatório em uma pasta diferente fora da pasta de acesso rápido. - Salve o arquivo de inicialização do Modem (indicados no campo Init file da tela de estação) em uma pasta diferente fora da pasta de acesso rápido. - Verifique os Reflexos Locais: A base de dados do reflexos locais é diferente entre as versões 7.xx and versões 8.xx e não serão atualizadas. Conseqüentemente, se a versão 7.xx esta atualizada para a versão 8.xx, e se os Reflexos locais estão sendo utilizados, verifique, antes de atualizar a versão, como eles estão definidos e redefina-os na nova versão. 2ª Etapa. Remova a versão antiga do seu computador usando o Adicionar ou remover programas do Windows. 3ª Etapa. Insira o CD e siga as instruções. 4ª Etapa. Depois que a instalação terminar: - Use o menu utilitários e o menu Relatório no software para restaurar a base de dados e o Relatório do lugar onde eles estavam salvos. - Copie novamente para a pasta de acesso rápido o arquivo de inicialização do modem do lugar onde ele estava salvo. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 4/29

5 2. ACESSANDO O PROGRAMA- MENU PRINCIPAL Para acessar o programa, clique no ícone do software. 2.1 Menu de Login Quando rodar o programa ele pedirá uma senha. A senha de fábrica é 123. E poderá ser alterada em Utilitários/Mudar senha. Se o campo Sem comunicação'estiver selecionado, o programa não irá tentar comunicar com os controladores. A comunicação poderá ser restabelecida através do botão Ativar/Desativar comunicação na tela principal. Linha de comando: Se os parâmetros /pw: 123 (considerando 123 como sendo a senha atual) for acrescentada nas propriedades da linha de comando do atalho, o programa não pedirá uma senha quando for iniciado. (Exemplo: "C:\Arquivos de programas\sc-newtwork\sc-network.exe" /pw:123) Se o parâmetro /nc for acrescentado depois do /pw, o programa não irá tentar comunicar com os controladores. Exemplo: "C:\Arquivos de programas\sc-newtwork\sc-network.exe" /pw:123 /nc" Quando entrar, aparecerá o menu com duas linhas: Uma linha com menu e uma linha com um botão. 2.2 Status de Comunicação A janela de status de comunicação aparecerá no lado direito do menu principal na qual indica o status de cada leitor (um por linha), da seguinte maneira: - Se estiver verde a comunicação com o leitor está OK. A data e a hora do leitor, também será mostrada na linha. - Ou em negrito com um ícone Time check se o tempo de leitura do leitor for de pelos menos 5 minutos diferente do que a hora do PC. (Data e hora deverão ser enviadas para o leitor, usando o botão correspondente) - Ou em vermelho com uma mensagem de Sem resposta, se o programa não estiver comunicando como leitor. A falha deverá ser corrigida e a comunicação deverá ser checada usando o botão correspondente. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 5/29

6 2.3 Botões da Tela Principal Usuários de cartões: Este botão é um atalho para os parâmetros dos cartões, como é descrito no parágrafo 3.7 Controle de porta: Este botão é um atalho para a opção de controle de porta do menu utilitário como é descrito no par 6.5. Isso permite abrir relés ou portas com um clique. Transações de transferências: Este botão é uma atalho para Transações de transferências. Opção do menu de comunicação: ele permite ler e apagar os eventos (usuários de cartões, transações e alarmes) gravados no buffer dos controladores. Exibir Relatório: Este botão permite mostrar todas as transações transferidas previamente e exibe alguns outros dados. Capturar data e hora: Este botão permite a leitura da data e hora dos controladores. Download geral: Este botão é um atalho para o Download geral General Download. Opção do menu de comunicação: ele permite o download de algum ou de todos os parâmetros no banco de dados dos controladores. Se você solicitar um reset da memória antes de fazer o download, o SC-NETWORK irá sugerir a leitura de transações prioritárias, para então executar o reset. Ativar/Desativar Comunicação: Esta opção permite trabalhar no SC-NETWORK sem a comunicação com os controladores. Enquanto trabalhar sem comunicação pressione os botões Salvar e Download buttons, isso irá somente armazenar mudanças base de dados local, sem atualizar os controladores. Depois de reativar a comunicação, e no caso de ter efetuado alguma mudança, o usuário deve usar a opção Download Geral para atualizar o controlador. Tempo e permanência: Este botão permite que você visualize o tempo total de permanência dos usuários de cartões. Sair: Sair do SC-NETWORK 2.4 Logomarca Uma logomarca/imagem poderá ser exibida no fundo do menu principal simplesmente inserindo um arquivo como o nome de Background.bmp, que deverá estar no diretório do SC-NETWORK. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 6/29

7 3. MENU DE PARÂMETROS Este capítulo descreve as opções deste menu, passo a passo, na primeira vez em que o sistema tem que ser programado. Cada opção corresponde aos parâmetros da tela. Uma vez programado, alguma mudança ou atualização poderá ser feita em qualquer momento. Quando, na tela especifica, o botão Salvar for pressionado depois que uma mudança foi efetuada, somente os parâmetros alterados serão baixados dos controladores. Quando o botão Baixar for pressionado, todos os parâmetros da tela correspondente serão baixados. 3.1 Estação Uma estação é um grupo de controladores em uma mesma porta serial do PC. Uma estação é definida pelo: - Número da porta COM na qual o controlador esta conectado. (de 1 a 4) - A velocidade de comunicação com os controladores. A velocidade padrão é de 4800bps. - Há um tempo de espera que o programa faz, para aguardar alguma resposta do controlador. Se nenhuma resposta for recebida depois desta espera, o programa exibirá uma mensagem de alerta. - O tempo de espera do programa irá aguardar por dois comandos para enviar para os controladores. Notas: 1. Se a estação for remota, exemplo: conectada pelo programa através de modems, defina o número do modem remoto no Arquivo de inicialização, na qual uma lista de comandos será enviada pelo programa para chamar o modem, a fim de estabelecer uma comunicação. (Ver apêndice A). 2. Se a estação está conectada através de uma rede TCP/IP, leia a documentação 09te008 Interface RS485 TCP/IP para maiores detalhes. 3.2 Leitor Há 3 tipos de controladores: NSL3, TPL3, TPL3-D4 NSL3: até 2 portas / 2 leitores TPL3: até 2 portas / 4 leitores TPL3-D4: até 4 portas / 4 leitores O número de leitores não tem que estar relacionado ao número de portas. É possível, no TPL3-D4 por exemplo, ter 4 leitores mas apenas 3 portas. Nos caso, dois dos quatros leitores serão distribuídos para as portas que precisam apenas de um leitor (um leitor para cada porta), enquanto os outros dois leitores restantes, irão para uma única porta, fazendo uma função de entrada e saída. O usuário ajusta o <Número de controles de portas> (exemplo: o número total que serão conectados no controlador) e o <Número de leitores> (exemplo: um número especifico de leitores no controlador, de 1 a 4). Então, o SC-NETWORK irá exibir uma mensagem em azul para indicar a função deste controlador. Observe a imagem na página seguinte. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 7/29

8 Esta tela permite o ajuste de vários parâmetros do leitor. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 8/29

9 Guia Geral : Nome do leitor. Este campo é somente informativo Estação Indica a estação na qual o leitor (através do seu controlador) pertence. Esta estação deverá ser previamente definida, como é descrito no Par Endereço do controlador O endereço do controlador, de 01 a 16, é definido pelos DIP-switch s da placa. (Veja o manual de instalação) Tipo do controlador Ajustar o tipo do controlador de acordo com o hardware conectado atualmente. O programa irá capturar automaticamente quando for ajustar o campo <Número de controladores de portas>. NSL3 ou TPL3, por exemplo, não permitirá definir mais do que 2 portas Número de controladores de portas Ajusta o número total de portas (até 4) que serão controladas por este controlador. Esta definição é por controlador. Se o leitor 1 esta ajustado para 2 portas, e depois, o leitor 2 for ajustado para 4 portas, então o campo correspondente ao leitor 1 será automaticamente ajustado para 4 portas também Número do Leitor Define um número de 1 a 4 para o leitor que esta conectado na placa do controlador. O SC-NETWORK irá calcular a função do leitor, baseado nas definições dos campos anteriores (exemplo: <Número de controladores de portas> e <Número do leitor>). O resultado do cálculo será exibido em azul embaixo deste campo. Exemplo: O número de controladores de portas é <2 portas> é o número do leitor é o <leitor 3>, a mensagem em azul irá exibir Porta de saída 1. Isso significa que o relé controlado por este leitor é o relé 1. Os ajustes padrões de entradas/saídas/reflexos locais de cada controlador é automaticamente ajustado de acordo com o número de controladores de portas, desta maneira: Sistema de 1 porta Relé da porta: leitores 1,2,3,4 controla o relé No.1 (porta 1) Controle da porta (para alarme da porta): Entrada No.1 (1) Porta remota: Entrada No.3 (2) (3) Alarme geral: Entradas No.2, 4, 5, 6, 7, 8, em N.A Sistema de 2 portas Relé da porta: leitores 1,3 controlam relé No.1 (porta 1) leitores 2,4 controlam o relé No.2 (porta 2) Controle da porta (para alarme da porta): I1, I2 para as portas 1,2 (1) Porta remota (N.A.): I3, I4 para as portas 1,2 (1) Alarme de porta (entrada padrão em N.A.) é acionado se a porta é forçada ou deixada aberta mais do que um tempo pré definido (padrão: 10 seg.). Este alarme consiste em uma mensagem gravada ou impressa e na ativação do relé No.3 (em um sistema de 1 ou 2 portas) ou do relé No.4 (em um sistema de 3 portas) ou o relé No.5 de uma extensão da placa (em um sistema de 4 portas) até que porta seja fechada novamente. (2) Alarme geral consiste em uma mensagem gravada ou impressa e na ativação do relés No.4 (em um sistema de 1 ou 2 portas) ou o relé No.5 (em um sistema de 3 portas) até a entrada estar desativada. (3) O status de cada entrada de alarme (N.A. ou N.F.) e o tempo de zona poderá ser programado através da tela Entrada de alarme. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 9/29

10 Alarme geral: Entradas No.5, 6, 7, 8, em N.A. (2) (3) Sistema de 3 portas Relé da porta: leitores 1,3 controlam o relé No.1 (porta 1) leitor 2 controla o relé No.2 (porta 2) leitor 4 controla o relé No.3 (porta 3) Controle da porta (para alarme da porta): I1, I2, I5 para as portas 1, 2, 3 (1) Porta remota (N.A.): I3, I4, I7 para as portas 1,2,3 (2) (3) Alarme geral: Entradas No.6, 8 em N.A. Sistema de 4 portas Relé da porta: leitor 1 controla o relé No.1 (door 1) leitor 2 controla o relé No.2 (door 2) leitor 3 controla o relé No.3 (door 3) leitor 4 controla o relé No.4 (door 4) Controle da porta (para alarme da porta): I1, I2, I5, I6 para as portas 1, 2,3, 4 Porta remota (N.A.): I3, I4, I7, I8 para as portas 1, 2, 3, Critérios de acesso Para ter acesso, uma pessoa deve possuir um cartão ou qualquer outro dispositivo que permita um acesso, de acordo com a programação dos critérios de acesso do sistema Formato do dispositivo de acesso No TPL3-D4, é possível ajustar uma diferente tecnologia de leitura para cada leitor. Isso é feito ajustando o DIP-Switch 6=DESLIGADO, 7=DESLIGADO, 8=LIGADO e selecionando a tecnologia correspondente no campo. Uma nova instalação do SC-NETWORK terá somente uma tecnologia padrão mas é possível modificar ou ajustar outros formatos com as tecnologias disponíveis na tela do formato do dispositivo de acesso. Veja o parágrafo 3.3 formato do dispositivo de acesso. (1) (3) Código geral do teclado Quando um usuário tem um código para o teclado do leitor, este código poderá ser: - Qualquer código geral, comum a todos, e definidos neste campo. - Ou código individual ( PIN ) definido em sua base de dados (através da tela Usuário ), se este campo estiver com um 0 ou for deixado em branco Função de supervisor. A função de supervisor permite gerenciar, simplesmente tendo um cartão de supervisor, qualquer alarme geral do controlador (entradas I5 a I8 e no caso da instalação em uma porta, as I2 e a I4 também) ou um alarme externo, pelos relés 3 ou 4 do controlador. Um cartão de supervisor é um cartão normal, que foi definido como cartão de supervisor na base de dados. De acordo com o tipo de controlador e o modo selecionado, esta função de supervisor funciona da seguinte maneira: Controlador NSL3: Modo supervisor controla o relé No.3 da seguinte maneira: Modo 1: No relay. O relé 3 é usado para alarme de porta como programado na guia leitor em Controle de porta. Modo 2: Relé 3 durante o tempo de abertura. O alarme da porta esta sempre desativado e o relé 3 controla uma alarme externo. Passando e passando o cartão de supervisor em um dos leitores ativará o relé 3 durante um tempo pré-definido (o mesmo que o tempo de abertura de porta), um longo beep irá soar e o led vermelho irá acender por 2 segundos. Modo 3: Relé 3 como flip-flop. O alarme da porta esta sempre desativado e o relé 3 controla uma alarme externo no modo flip-flop: SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 10/29

11 Se o relé 3 esta desativado, passando o cartão de supervisor no leitor irá ativá-lo, um longo beep irá soar e o led vermelho irá acender por 2 segundos. Se o relé 3 esta ativado, e passando o cartão de supervisor em um dos leitores irá ativá-lo, um longo beep ira soar e o led verde ira acender por 2 segundos. Controlador TPL3: Modo supervisor controla o relé No.4 da seguinte maneira: Mode 1: No relay. O relé 4 é usado para alarmes gerais (I5 a I8 e no caso de uma instalação de porta I2 e I4 também) e passando o cartão de supervisor em um dos leitores ativará / desativará esta entrada de alarme 4 (ou 6): Se as entradas estão desativadas, o cartão de supervisor irá ativá-los, um longo beep irá soar e o led vermelho por 2 segundos. E conseqüentemente, o relé 4 será ativado assim que uma das entradas de alarme I5 a I8 (I2 e I4 também, no caso de uma instalação de porta) estiver em alarme. Se as entradas estão ativadas, o cartão de supervisor irá ativá-los, um longo beep irá soar e o led verde irá acender por 2 segundos. E conseqüentemente, o relé 4 não será ativado mesmo se uma das entradas de alarme I5 a I8 (I2 e I4 também, no caso de uma instalação de porta) estiverem em alarme. Modo 2: Relé 4 durante o tempo de abertura. As entradas de alarmes I5 a I8 (I2 e I4 também, no caso de uma instalação de porta) estará sempre desativada e o relé 4 controlará um alarme externo. Passando o cartão de supervisor em um dos leitores ativará o relé 4 durante um tempo pré-definido (o mesmo que o tempo de abertura de porta), um longo beep irá soar e o led vermelho irá acender por 2 segundos. Mode 3:Relé 4 como flip-flop. As entradas I5 a I8 (e no caso de uma instalação de porta I2 e I4 também) estão sempre desativadas e o rele 4 controla um alarme externo em modo flip-flop : Se o relé 4 esta desativado, passando o cartão de supervisor em um dos leitores irá ativá-lo, um longo beep irá soar e o led vermelho ira acender por 2 segundos. Se o relé 4 esta ativado, passando o cartão de supervisor em um dos leitores irá desativá-lo, um longo beep irá soar e o led verde ira acender por 2 segundos. Notas: 1. Os modos supervisor 2 e 3 não ativarão os reflexos locais se forem definidos. (Ver Par. 3.10). 2. A função de supervisor é relevante somente em sistemas de 1 ou 2 portas. Se tentar ativar o modo 2 ou 3 em um sistema de três ou quatro portas, resultará em erros de comunicação. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 11/29

12 Anti duplo passe. Quando este recurso é ativado, um mesmo cartão não poderá acessar duas vezes o mesmo leitor: deve ser passado em outro leitor (do mesmo controlador) antes que possa ser passado novamente no leitor especifico. Há diferentes comportamentos deste recurso dependendo do tipo de controlador: TPL3/NSL3: Os ajustes de anti duplo passe e feito por uma opção que é ajusta todos os leitores para o modo anti duplo passe. E pode ser feito somente pela guia de definição do leitor 1. A opção esta desabilitada para todos os outros leitores. TPL3-D4: Os ajustes de anti duplo passe é feito separadamente para cada leitor Contagem. Este recurso pode ser usado somente quando dois leitores do mesmo controlador são usados para a mesma porta, em duas direções (exemplo: Leitor No. 2 é definido como saída ). Quando este recurso é ativado, o controlador conta o número de usuário de cartões definidos como entrada no sistema, exemplo: quem teve acesso pelo leitor No.1 e ainda não saiu pelo leitor No.2. Quando este número chegar à zero (do leitor No. 2), exemplo: ninguém mais entrou, o controlador irá ativar o relé No.2. Este sistema pode acionar um alarme ou um sistema de iluminação, que automaticamente irá desligar assim que todos forem embora. Em cada acesso, o sistema irá mostrar o numero de pessoas restantes (em um display de LCD opcional). A ativação deste recurso deverá somente ser feita pela tela de definição do leitor No.1. Nota: Cada vez que esse comando é usado, (exemplo: quando salvar/baixar no leitor) irá voltar o número de pessoas para Fechar a porta se o buffer estiver cheio Alguns controladores, dependendo do firmware, suporta o recurso Fechar a porta se o buffer estiver cheio. Uma vez selecionado, não irá permitir acesso ou a abertura de porta quando os dados do buffer do controlador estiver cheio. Isto é feito para não se perder nenhum dado. Se não for ajustado, a cada novo dado inserido acima da capacidade da memória, irá sobrescrever um dado antigo em modo FIFO, exemplo: o dado mais antigo será apagado. Guia Controle de porta : Tempo de abertura de porta O tempo de abertura de porta define o quanto o relé, (o que controlará a porta), irá operar depois que o acesso foi concedido. Ajustando em 99 fará o leitor trabalhar em modo flip-flop. Neste modo, quando passar o primeiro cartão válido, a porta ficará aberta constantemente. Passando o próximo cartão válido a porta ficara fechada constantemente, e assim por diante. O modo flip-flop é suportado somente pelo TPL3- D4 e também por alguns outros modelos, dependendo da versão de firmware Tempo de alarme de porta e modo de alarme de porta Alarme imediato ou depois de um tempo: Por padrão, o alarme da porta será ativado em dois dos seguintes casos: - Imediatamente se a porta for forçada a abrir (exemplo: entrada será ativada mas o acesso não será permitido) - A porta é destrancada pelo sistema mas é deixada aberta mais do que o tempo especificado, pré-definido em 2x5 segundos. Este tempo pode ser alterado no campo Tempo de alarme de porta. Sempre acionar o alarme depois de um tempo: O alarme de porta e acionado depois de um tempo prédefinido, mesmo se a porta for forçada. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 12/29

13 O status da porta é detectado por um contato de porta conectado a entrada I1 para a porta 1 e entrada I2 para a porta 2. O alarme de porta consiste em uma mensagem gravada no buffer de eventos e a ativação do relé No.3 até que a porta seja fechada novamente Programação semanal e modo de portas. Quando uma programação semanal de usuário é selecionada, cada dia da semana é dividido em três tipos de tempo de zonas: Zona 1,2 e 3. (Ver par. 3.3 e 3.4). Durante o tempo de zonas 1,2 e 3, a porta poderá ser controlada em diferentes modos da seguinte maneira: Porta controlada : este é o modo normal, onde a porta é aberta quando o acesso é permitido. Porta aberta : a porta estará sempre aberta durante o tempo de zona. Porta fechada : a porta estará sempre fechada durante o tempo de zona, até mesmo se um cartão válido for passado. A programação padrão é Sempre, isso significa que cada dia da semana esta de acordo com o temp de zona verde. Outras programações semanais poderão ser definidas através da tela Programação semanal de usuário (Ver par. 3.4) Leitor fechado quando a entrada esta ativa. É possível definir que a porta (1 ou 2) possa apenas operar se a entrada especifica não estiver ativada. Se ela esta ativada, a porta não será aberta. O número de entradas que controlará as portas deverá ser indicada neste campo. Este recurso pode ser usado em uma entrada de uma banco onde duas portas serão usadas: um acesso por uma portas é autorizado apenas se a segunda porta estiver fechada. O sensor da porta oposta irá controlar cada porta. 3.3 Formato do dispositivo de acesso O formato do dispositivo de acesso do leitor. Aqui é possível modificar o formato padrão e também criar novos formatos. A lista desses formatos estão disponíveis na tela Leitor', no campo formato do dispositivo de acesso. Depois de criar um perfil de um novo formato nesta tela, é necessário selecionar o format correspondente na tela leitor para enviar o novo formato ao controlador/leitor. O formato do dispositivo de acesso inclui os seguintes campos: Tecnologia: No TPL3-D4 é possível ajustar uma tecnologia diferente para cada leitor. Para isso, o DIP- Switch 6, 7, 8 devem estar ajustados para DELIGADO, DESLIGADO, LIGADO e a tecnologia deverá estar ajustada para algum outro valor exceto para <De acordo com o DIP-Switch>. Notas: 1. Quando o tipo de controlador não for o TPL3-D4, o SC-NETWORK não irá enviar a tecnologia por leitor, sendo que o controlador na suporta isso, mas os outros parâmetros do formato do dispositivo de acesso, como um código do cartão, código do cliente, etc. serão enviados para todos os controladores. 2. Quando a tecnologia selecionada for a Wiegand, os campo da tela e as opções serão mudadas para suportar as possibilidades dos cartões Wiegand. Cartão do sistema: Não é relevante em um sistema que cada usuário tem seu próprio código de cartão. Deixe desmarcado. Posição do código de cartão: A posição na faixa na qual começará a leitura do código do cartão. Posição do código do cliente: A posição na faixa na qual começará a leitura do código do cliente. (Código do local) Tamanho do código do cliente: O tamanho (de 0 a 8) do código do cliente. Valor do código do cliente: O valor atual do código do cliente. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 13/29

14 Em uma nova instalação do SC-NETWORK um padrão do formato do dispositivo de acesso é definido da seguinte maneira: Tecnologia: De acordo com os ajustes dos DIP-Switch no. 6, 7, 8. Cartão do sistema: No Posição do código do cartão: 0 Posição do código do cliente: 0 Tamanho do código do cliente: 0 Valor do código do cliente: Nenhum (Vazio) Todos os novos leitores serão definidos de acordo com o formato padrão. É possível modificar o formato padrão. 3.4 Programação diária A programação diária é definida por limites de tempo, na qual divide um dia em dois tempo de zonas verde e três zonas vermelhas. O usuário deve definir somente os limites das zonas verdes como estão nos números em negritos no exemplo abaixo: 00:00 Zona Vermelha- 08:00 Zona Verde- 12:00 Zona Vermelha- 14:00 Zona Verde- 18:00 Zona Vermelha- 24:00 Como você pode ver, todos os períodos fora das 2 zonas verdes, serão vermelhas. Programações diárias serão usadas para criar dois tipo de programações semanais (veja o próximo parágrafo) Programação semanal de usuário formada por 7 programações diárias (para os dias da semana) + um para feriados. Programação semanal de alarme formada por 7 programações diárias (para os dias da semana) + um para feriados. Duas programações diárias são definidas por padrão: Nunca definido por quatro limites de tempo 00:00, 00:00, 00:00, 00:00 : A zona 3 é o dia inteiro. Sempre definido por quatro limites de tempo 00:00, 23:59, 23:59, 23:59 : A zona 1 é o dia inteiro. Programações diárias são utilizadas para os seguintes propósitos: 1. Para definir quando os usuários podem usar: Para cada usuário é atribuído um grupo de acesso, da qual inclui Programação semanal de usuário : o usuário poderá acessar somente durante o tempo de zonas 1 e 2 definidos por estas programações diárias. 2. Para definir o modo do leitor de porta, exemplo: quando a porta for controlada por cartões ou aberta ou fechada continuamente: Para cada leitor é reservado uma Programação semanal de usuário (na tela Controle de Leitor/Porta): o modo de porta durante diferentes tempo de zonas poderá então ser selecionados nos campos correspondentes. 3. Para definir quando as zonas estão em alarme: Para cada entrada de alarme é reservado uma Programação semanal de alarme : as entradas estarão em alarme durante o Tempo de zona 1 e 2 e bloqueado durante Tempo de zona 3 definidos por estas programações diárias. Nota: É possível ajustar o arquivo.ini do SC-NETWORK entrando com DailyPrograms4Zones=1 Isso irá duplicar as zonas verdes para 4 (e 5 zonas vermelhas). SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 14/29

15 3.5 Programação semanal Dois tipos de programações semanais poderão ser definidos como explicado no par.3.3 : Usuários e programação semanal de alarme. A programação semanal de usuários serão reservadas para os cartões através da tela de Grupo de acesso ou para as portas através da tela Controle de leitor/porta. A programação semanal de alarme serão reservadas para as entradas de alarmes através da tela Entrada de alarme. 3.6 Feriados Esta tela permite você definir até 20 feriados. Durantes os feriados, a programação diária em uso, para os usuários de portas ou alarmes, serão definidos no campo Feriados de suas programações semanais. Nota: É possível ajustar o arquivo.ini do SC-NETWORK entrando com AllTPLD4D=1. Isso irá habilitar até 60 feriados. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 15/29

16 3.7 Grupo de acesso Um grupo de acesso é um grupo de leitores com uma especifica programação atribuída para cada um. Um grupo de acesso será atribuído para um usuário: a este usuário será permitido o acesso somente nos leitores pertencentes ao grupo de acesso selecionado e somente durante o tempo de zonas verdes como foi definido na programação semanal do leitor. No NSL3 e TPL3, dois leitores que pertencem ao mesmo controlador não aceitarão programações semanais diferentes. Mas é possível no TPL3-D4. O programa irá habilitar se o TPL3-D4 foi selecionado com um tipo de controlador na tela Leitor. Nota: No caso de 3 ou 4 leitores foram definidos como leitor TPL3, exemplo, não o TPL3-D4, e quando ele esta em um sistema de 2 portas isso significa que os leitores 3 e 4 são escravos dos leitores 1 e 2 conseqüentemente. Na lista de leitores da tela de grupo de acesso, os leitores mestre e o escravo serão exibidos juntos com um sinal de adição [+] entre eles. Exemplo: Tipo do controlador = TPL3 Número de portas= 2 Portas Leitor 1 = ENTRADA da recepção Leitor 2 = SAÍDA da recepção Leitor 3 = ENTRADA do escritório Leitor 4 = SAÍDA do escritório A Lista do grupo de acesso do leitor será formada por apenas 2 linhas: Linha 1: ENTRADA da recepção + SAÍDA da recepção Linha 2: ENTRADA do escritório + SAÍDA do escritório 3.8 Usuários Nota importante: Nesta etapa, Durante a primeira configuração, e antes de programar os usuários, é importante apagar a memória de todos os controladores e baixar a base de dados previamente programada. Para este propósito, do menu Download geral, selecione em Arquivo para baixar todas as opções (exceto usuários) e em Aonde deixe selecionado estações. Selecione também reiniciar memória antes do download e Ajustar data e hora e em seguida pressione o botão de download. Um vez completo, a programação dos usuários devera estar feita como descrito abaixo. Cada vez que um usuário for criado e salvo, o programa irá automaticamente fazer o download de informações para os controladores. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 16/29

17 Guia GERAL : Número do Cartão O número cartão deve estar entre 1 a 10000, de acordo com a capacidade do sistema. Este número é dado automaticamente pelo programa, mas poderá ser modificado pelo usuário Código do cartão O código do cartão é uma string de 8 dígitos codificada no cartão. Se o usuário conhece o código, o mesmo poderá digitar diretamente neste campo. Caso contrário, terá que usar o botão obter do cartão. Quando utilizado, o programa irá ler os eventos do buffer do leitor e obter o código do cartão para gravar o primeiro código de um cartão desconhecido. Conseqüentemente, antes de selecionar esta opção, o usuário terá que selecionar um leitor especifico, apagar todos os eventos do buffer, passar um novo cartão neste leitor para gravar um evento de transação desconhecida (porque o cartão é novo e desconhecido pelo sistema). Abaixo há um passo a passo de como fazer isso: 1- Apague o buffer de evento do leitor na qual o cartão será lido. Isto poderá ser feito de duas maneiras: Se a transação tem que ficar gravada no relatório, use o botão de transação de transferências do menu principal. (Esta função ira ler todas as transações, gravadas no relatório e então apagadas do relatório). Se as transações não precisam ficar retidas, use a opção enviar um comando no menu de comunicação e envie o comando 001. Esta função irá, diretamente, apagar o buffer. A segunda opção é mais rápida que a primeira porque as transações não são transferidas. 2- Passe o novo cartão no leitor selecionado. Esta transação não será permitida (não disponibilizara o acesso) porque o sistema não conhece o cartão ainda. Entretanto, o leitor irá gravar uma transação de Cartão desconhecido no buffer de eventos, com o código lido dentro do cartão. 3- Volte para a tela de definição deste cartão, digite seu número e aperte botão obter do cartão. O programa irá perguntar de qual leitor você quer obter o código do cartão: indique o leitor na qual você passou o cartão. O programa irá ler o buffer de eventos do leitor e pegará a primeira transação recebida de cartão desconhecido, na qual somente o código do cartão será lido. Este código é automaticamente exibido no campo de código de cartão. Nota: É possível programar um grupo e de cartões em uma ação se todos os códigos de cartões de um grupo forem codificados consecutivamente. (Ver utilitário para criar um grupo de usuários de cartão, par. 6.6) Grupo de acesso Escolha aqui um grupo de acesso previamente programado. O cartão terá seu acesso permitido somente nos leitores pertencentes ao grupo de acesso selecionado e durante os tempos de zonas 1 e 2 definidos pela programação semanal do leitor correspondente Valido Selecionado por padrão, este campo, quando desmarcado, irá negar o acesso do cartão em todos os leitores definidos Código do cartão Grava aqui uma chave pessoal para o cartão, exemplo: o código do cartão que o usuário terá que digitar se um teclado for instalado ( par ) Supervisor A função de supervisor permite gerenciar, simplesmente passando um cartão de supervisor, qualquer alarme geral do controlador (entradas I5 a I8) ou um alarme externo, via relé 3 ou 4 do controlador. Selecione este campo para definir o cartão como supervisor. Veja o par para as funções de supervisor. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 17/29

18 Guia CRÉDITO : Crédito Este campo permite disponibilizar ao usuário até 31 acessos ( Créditos ). Quando atingidos, o acesso do usuário será automaticamente inibido. Notas: 1. Este processo não é gerenciado pelo PC mas pelos leitores: quando o crédito é definido, o programa envia as informações para cada leitor definido no sistema. A contagem é feita pelo leitor (somente pelos leitores de entrada, não pelos de saída ) cada vez que o acesso for permitido ao usuário. Conseqüentemente, este crédito será dado para o usuário em cada leitor de entrada. Isso será reinicializado cada vez que os parâmetros do usuário for baixado do PC para os leitores. 2. É possível ajustar no arquivo.ini do SC-NETWORK entrando com AllTPLD4D=1. Isto irá permitir o ajuste de até 60 créditos Validade. Este campo permite entrar com uma data (formato dd/mm/aa) que irá inibir o acesso do usuário automaticamente, de acordo com a data ajustada. Guia INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR : Este é um campo para ser inserido qual informação sobre o usuário. (Endereço, número de identificação, número da licença, etc...) 3.9 Entrada de alarme Cada controlador possui entre 4 (se for o NSL3) e 8 (se for o TPL3) entradas de alarme. (O número de entradas pode ser estendido até 16 em alguns modelos de TPL3). Estas entradas estão atribuídas da seguinte forma: - Controladores para uma porta (sem leitor 2 ou leitor 2 com orientação de saída, como descrito no par ): Alarme de porta na entrada I1, Alarmes gerais nas entradas I2,I4,I5,I6,I7 e I8. - Controladores para duas portas (Orientação do leitor 2 como Segunda porta, como descrito no par ): Alarme da porta 1 na entrada I1, alarme da porta 2 na entrada I2, Alarmes gerais na entradas I5,I6,I7 e I8. Os contatos de portas deverão esta conectados na entradas de alarme de porta e qualquer tipo de detector (intrusão, fogo, etc ) poderá ser conectado nas entradas de alarmes gerais. Assim que um controlador detectar um alarme, exemplo: quando uma entrada de alarme mudar do estado normal para o estado de alarme, dois eventos poderão ocorrer: 1- Ativação do relé No.3 (se for o Alarme de porta ) ou relé No. 4 (se forem os alarmes gerais ). Os relés serão desativados quando as entradas voltarem ao seu estado normal. 2- Mensagem de alarme gravada no buffer de eventos. Os campo a seguir deverão estar preenchidos para definir cada entrada de alarme: Estação: Selecione aqui a estação na qual o controlador irá gerenciar a entrada de alarme correspondente (Cf. para. 3.1). Tipo de controlador: Poderá ser qualquer controlador NSL3 (4 entradas de alarmes, 3 relés) ou o TPL3 (de 8 até 15 entradas de alarmes e de 4 a 16 relés). Endereço do controlador: Use os DIP-switch da placa (veja o Manual de Instalação) para o endereço de um controlador, de 01 a 16. Numero da entrada: O número da entrada, é de 01 a 04 se for o controlador NSL3 ou entre 01 e 08 (até 15 em alguns modelos) se for o TPL3. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 18/29

19 Status: Este campo indica o status da entrada: Qualquer N.A. (Normalmente aberto) : a entrada estará em alarme quando estiver em 0 volts. Ou N.F. (Normalmente fechado) : a entrada estará em alarme quando estiver aberta. Programação semanal: Quando uma programação semanal de alarme for atribuída para uma entrada de alarme, cada dia da semana é dividido em três tipos de zonas: Zona 1,2 e 3. (Ver par. 3.3 e 3.4). Então, a entrada de alarme fica ativa durante o tempo de zona 1,2 e desativado durante o tempo de zona 3. O padrão da programação semanal é SEMPRE. Exemplo. Entrada de alarme estará sempre ativa. Tempo antes do alarme: Quando um tempo de alarme (em segundos) for reservado para uma entrada de alarme, o alarme correspondente só será ativado depois desse tempo, isso se o alarme ainda estiver em execução. Nota: Se a entrada for uma entrada de alarme de porta, (exemplo: entradas 1 e 2 em um sistema de duas portas) o tempo é automaticamente ajustado de acordo como o tempo de alarme de porta definido na tela Controle do leitor de porta, (10 segundos por padrão) e este campo estará indisponível RELÉ Esta tela permite você definir quais os relés, na qual serão utilizados para qualquer um dos reflexos locais (Veja o próximo parágrafo) ou pelo botão Controle de porta da tela principal, da qual eles poderão ser controlados. Como uma entrada de alarme, um relé é primeiramente definido por estação, o tipo e o endereço do controlador da qual este relé depende, e o seu número, entre 01 e 03 se for o controlador NSL3 ou entre 01 e 04 se for o controlador TPL3. Este relé poderá ser ativado por esta tela selecionando Constantemente Ligado e então Download 3.11 REFLEXOS LOCAIS. Um reflexo local é o processo que consiste na ativação de relés através de uma detecção de uma entrada de alarme. Por padrão, como é mostrado no par 3.2.4, os seguintes reflexos locais são definidos como: Alarme de porta : relé No.3 Alarme Geral: relé No.4 Porta remota 1 (Entrada I3): Relé No.1, Porta remota 2 (Entrada I4): Relé No.2 A tela de Reflexos Locais permite a mudança desses valores padrões para uma entrada especifica: Defina primeiro o controlador da qual a entrada pertence. (Exemplo., Sua estação, tipo e endereço). Defina o número da entrada (de 01 a 15 de acordo com o tipo de controlador) na qual deverá aumentar o reflexo. Clique no relé(s) para ativá-lo (s) quando as entradas mudarem para o estado de alarme. Defina a maneira que estes relés deverão ser ativados, das seguintes formas: - Imagem da entrada: o relé é ativado enquanto a entrada estiver em alarme. - Duração: O relé é ativado por um tempo programado. - Constantemente ativado: o relé permanece ativado até que seja desativado manualmente. (Através da tela Portas e controle de relés do menu utilitários.) SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 19/29

20 3.12 ELEVADOR O menu ELEVADOR permite atribuir relés para grupos de acesso: quando um usuário específico passa seu cartão, os relés reservados para o grupo de acesso da qual o usuário pertença, será ativado e conseqüentemente, se estes relés controlarem um painel de um elevador, os andares correspondentes estarão acessíveis para este usuário. Para reservar os relés para um ou alguns grupos de acessos, proceda da seguinte forma: 1. No menu de parâmetros, selecione a opção Elevador e crie (ou selecione) uma programação de elevador. 2. Selecione o endereço do controlador que será utilizado para controlar o elevador e a estação na qual ele pertença 3. Selecione os relés (correspondente aos andares autorizados) e suas durações de tempo de ativação. 4. Pressione o botão SALVAR 5. Selecione um ou diversos grupos de acesso : todos os usuários pertencentes a esse grupo de acesso irão ativar os relés definidos nesta programação de elevador. 6. Pressione o botão SALVAR : os downloads correspondentes serão feitos e a programação estará completa. Notas: 1- Diversos grupos de acesso poderão estar atribuídos para a mesma programação de elevador, mas o grupo de acesso especifico não poderão estar selecionados por diferentes programações de elevador. Conseqüentemente, se ajustes diferentes de andares precisam ser definidos no mesmo elevador (por diferentes usuários), diversos grupos de acessos serão criados, até com os mesmos parâmetros, e serão atribuídos para diferentes programações de elevador. 2- Este processo com elevadores poderá ser feito com os controladores NTL ou TPL. SC-NETWORK: Manual do Software Pág. 20/29

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br Capture Pro Software Introdução A-61640_pt-br Introdução ao Kodak Capture Pro Software e Capture Pro Limited Edition Instalando o software: Kodak Capture Pro Software e Network Edition... 1 Instalando

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

CONFIGURADOR DO PAINEL FP1 v 1.3

CONFIGURADOR DO PAINEL FP1 v 1.3 CONFIGURADOR DO PAINEL FP1 v 1.3 1. INTRODUÇÃO Este software permite a configuração dos dispositivos de detecção manuais e ou automáticos do sistema digital de alarme de incêndio FP1. Pode-se, por intermédio

Leia mais

Atualização De Mapas GPS Apontador. 1º Acessar site: www.naviextras.com 2º Selecione o Idioma para Português no seu canto direito.

Atualização De Mapas GPS Apontador. 1º Acessar site: www.naviextras.com 2º Selecione o Idioma para Português no seu canto direito. Atualização De Mapas GPS Apontador 1º Acessar site: www.naviextras.com 2º Selecione o Idioma para Português no seu canto direito. 3º Clique na Opção Registrar 4º Selecione o Dispositivo Apontador e o Modelo

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT SUMÁRIO Prefácio... 1 A quem se destina... 1 Nomenclatura utilizada neste documento... 1 Tela de login... 2 Tela Inicial... 4 Gestão de Dispositivo Acompanhar

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Capture Pro Software. Guia de referência. A-61640_pt-br

Capture Pro Software. Guia de referência. A-61640_pt-br Capture Pro Software Guia de referência A-61640_pt-br Iniciando o Kodak Capture Pro Software Este guia foi projetado para fornecer instruções simples para início rápido, incluindo a instalação e a inicialização

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:...

Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:... 0 Conteúdo Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:... 4 1.2 Acesso através do teclado (digitando a matrícula):...

Leia mais

MODEM USB LTE. Manual do Usuário

MODEM USB LTE. Manual do Usuário MODEM USB LTE Manual do Usuário 2 Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 4 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações...

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Conteúdo 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações... 19 8 SIM Tool

Leia mais

COMO INSTALAR O CATÁLOGO

COMO INSTALAR O CATÁLOGO Este guia tem por finalidade detalhar as etapas de instalação do catálogo e assume que o arquivo de instalação já foi baixado de nosso site. Caso não tenho sido feita a etapa anterior favor consultar o

Leia mais

Instalando e usando o Document Distributor 1

Instalando e usando o Document Distributor 1 Instalando e usando o 1 O é composto por pacotes de software do servidor e do cliente. O pacote do servidor deve ser instalado em um computador Windows NT, Windows 2000 ou Windows XP. O pacote cliente

Leia mais

Ajuda das opções Fiery 1.3 (cliente)

Ajuda das opções Fiery 1.3 (cliente) 2015 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 29 de janeiro de 2015 Conteúdo 3 Conteúdo...5 Ativar uma opção Fiery...6

Leia mais

Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Versão 3.6

Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Versão 3.6 Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Versão 3.6 O Gerenciador é um Software para ambiente Windows que trabalha em conjunto com o Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro, através de

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.0.2 PDF-SERVER5-A-Rev2_PT Copyright 2013 Avigilon. Todos os direitos reservados. A informação apresentada está sujeita a alteração sem aviso

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

1- Requisitos mínimos. 2- Instalando o Acesso Full. 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez

1- Requisitos mínimos. 2- Instalando o Acesso Full. 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez Manual Conteúdo 1- Requisitos mínimos... 2 2- Instalando o Acesso Full... 2 3- Iniciando o Acesso Full pela primeira vez... 2 4- Conhecendo a barra de navegação padrão do Acesso Full... 3 5- Cadastrando

Leia mais

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário MODEM USB LTE LU11 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Instalação... 4 3 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 8 5 Mensagens SMS... 10 6 Contatos...

Leia mais

A instalação do SIMA pode ser feita com o uso do CD do SIMA, distribuído pela INSIEL ou através de download do programa na homepage www.insiel.com.br.

A instalação do SIMA pode ser feita com o uso do CD do SIMA, distribuído pela INSIEL ou através de download do programa na homepage www.insiel.com.br. SIMA MANUAL DO USUÁRIO INSTALANDO O SIMA A instalação do SIMA pode ser feita com o uso do CD do SIMA, distribuído pela INSIEL ou através de download do programa na homepage www.insiel.com.br. - Instalando

Leia mais

Leia-me do Licenciamento em Rede

Leia-me do Licenciamento em Rede Leia-me do Licenciamento em Rede Trimble Navigation Limited Divisão de Engenharia e da Construção 935 Stewart Drive Sunnyvale, California 94085 EUA Fone: +1-408-481-8000 Ligação gratuita (nos EUA): +1-800-874-6253

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010.

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Manual de Configuração Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

Software Ativo. Operação

Software Ativo. Operação Software Ativo Operação Página deixada intencionalmente em branco PROTEO MANUAL OPERAÇÃO SUMÁRIO 1 - INSTALAÇÃO DO SOFTWARE ATIVO... 5 2 CRIANDO PROJETO UVS/ TMS PROTEO... 10 2.1 - Estrutura do Projeto...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO Criação de Conta de Usuário...03 Edição da Conta de Usuário...10 Download do Backup Online Embratel...10 Descrição dos Conjuntos de Cópia de Segurança...19

Leia mais

Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida

Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida 1 Modelo: H.264 Câmera IP (1.0 Megapixels) guia de instalação rápida 1. Colocado diretamente no desktop Colocou a câmera IP na posição adequada 2 2. Montagem na parede O suporte com o parafuso de bloqueio

Leia mais

CONTATTO MANUAL DE INSTRUÇÕES

CONTATTO MANUAL DE INSTRUÇÕES 0800 550 250 www.ppa.com.br CONTATTO MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOPPAR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE AUTOMATIZADORES LTDA. Av. Dr. Labieno da Costa Machado, 3526 - Distrito Industrial CEP 17400-000 - Garça - SP

Leia mais

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2)

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2) Manual do Usuário (Ver. 2) 1. Introdução O software RedeMB5 é uma ferramenta que permite monitorar em tempo real 247 medidores de energia ou multitransdutores digitais KRON em uma rede padrão RS-485 com

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 8 4.1. Tela Principal... 8 4.2. Tela de Pesquisa... 12

Leia mais

Portaria Express 3.0

Portaria Express 3.0 Portaria Express 3.0 A portaria do seu condomínio mais segura e eficiente. Com a preocupação cada vez mais necessária de segurança nos condomínio e empresas, investe-se muito em segurança. Câmeras, cercas,

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

Instalação do VOL Backup para Desktops

Instalação do VOL Backup para Desktops Este é o guia de instalação e configuração da ferramenta VOL Backup para desktops. Deve ser seguido caso você queira instalar ou reinstalar o VOL Backup em sistemas Windows 2000, XP, Vista ou 7, 32 ou

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 2.1. Atualização... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 6 4.1. Tela Principal... 6 4.2.

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Guia de Instalação de Software

Guia de Instalação de Software Guia de Instalação de Software Este manual explica como instalar o software por meio de uma conexão USB ou de rede. A conexão de rede não está disponível para os modelos SP 200/200S/203S/203SF/204SF. Fluxograma

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 09 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Controle de acesso FINGER

Controle de acesso FINGER Controle de acesso FINGER MANUAL DE INSTRUÇÕES Sobre esse Guia Esse guia fornece somente instruções de instalação. Para obter informações sobre instruções de uso, favor ler o Manual do usuário.. ÍNDICE

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

O RVSToolKit é uma ferramenta que permite a configuração dos parâmetros do Rastrear Light utilizando uma porta serial do computador.

O RVSToolKit é uma ferramenta que permite a configuração dos parâmetros do Rastrear Light utilizando uma porta serial do computador. 1 ÍNDICE Introdução... 2 Instalação RVSToolKit... 3 Acessando o RVSToolKit... 4 Acesso ao modo de alteração de dados... 6 Opções do RVSToolKit... 7 1 INTRODUÇÃO 1.1 FERRAMENTO RVSTOOLKIT O RVSToolKit é

Leia mais

Conteúdo BIOTRONIC PLUS

Conteúdo BIOTRONIC PLUS 0 Conteúdo Manual de Instalação...3 RECURSOS DESTE RELÓGIO...5 1 - REGISTRANDO O ACESSO...7 1.1 Acesso através do sensor biométrico:...7 1.2 Acesso através de cartão de código de barras:...7 1.3 Acesso

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Instalação e utilização do Document Distributor

Instalação e utilização do Document Distributor Para ver ou fazer o download desta ou de outras publicações do Lexmark Document Solutions, clique aqui. Instalação e utilização do Document Distributor O Lexmark Document Distributor é composto por pacotes

Leia mais

SCRIPT DE ERROS Módulo TEF Visanet. Script TEF Discado ISO

SCRIPT DE ERROS Módulo TEF Visanet. Script TEF Discado ISO Script TEF Discado ISO Script TEF Discado Visanet 5.1A pág. 1-25 Versão 1.2 de 08/2003 ÍNDICE DESCRIÇÃO DO ERRO PÁGINA Erro na abertura do arquivo (Falta espaço em disco) 04 Iniciar terminal imediatamente

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

mobile PhoneTools Guia do Usuário

mobile PhoneTools Guia do Usuário mobile PhoneTools Guia do Usuário Conteúdo Requisitos...2 Antes da instalação...3 Instalar mobile PhoneTools...4 Instalação e configuração do telefone celular...5 Registro on-line...7 Desinstalar mobile

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Laboratório - Exploração do FTP

Laboratório - Exploração do FTP Objetivos Parte 1: Usar o FTP em um prompt de comando Parte 2: Baixar um arquivo FTP usando WS_FTP LE Parte 3: Usar o FTP em um navegador Histórico/cenário O File Transfer Protocol (FTP) faz parte do conjunto

Leia mais

Objetivo. Este documento tem como objetivo demonstrar o conceito, o processo de instalação e o funcionamento do SITEF (Tef dedicado).

Objetivo. Este documento tem como objetivo demonstrar o conceito, o processo de instalação e o funcionamento do SITEF (Tef dedicado). Sitef - Instalação Objetivo Este documento tem como objetivo demonstrar o conceito, o processo de instalação e o funcionamento do SITEF (Tef dedicado). O que é Sitef? O SiTef (ou tef dedicado) é um conjunto

Leia mais

Procedimentos para Instalação do Sisloc

Procedimentos para Instalação do Sisloc Procedimentos para Instalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Instalação do Sisloc... 3 Passo a passo... 3 3. Instalação da base de dados Sisloc... 16 Passo a passo... 16 4. Instalação

Leia mais

Manual de Instalação e Operação RECIP

Manual de Instalação e Operação RECIP Manual de Instalação e Operação RECIP AMNNIPC012.00 05/09 Índice 1. RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES...1 2. DESCRIÇÃO DO PRODUTO...1 3. INSTALAÇÃO...1 4. CONFIGURAÇÃO O RECIP...3 4.1 JANELA PRINCIPAL...3 4.2

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. As informações

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Guia do Usuário. Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500

Guia do Usuário. Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500 Guia do Usuário Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500 Introdução Parabéns pela sua compra do Registrador de dados de Temperatura/Umidade Extech SD500. Este aparelho mede, exibe e armazena

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS

NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS Guia rápido de usuário (Versão 3.0.4) Nota: Esse manual pode descrever os detalhes técnicos incorretamente e pode ter erros de impressão. Se você tiver algum

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO BACKUP

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO BACKUP SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO BACKUP Apresentação Após o término da instalação você deverá configurar o Backup para que você tenha sempre uma cópia de segurança dos seus dados

Leia mais

Seu manual do usuário KASPERSKY ANTI-VIRUS MOBILE 6.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3931618

Seu manual do usuário KASPERSKY ANTI-VIRUS MOBILE 6.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3931618 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para KASPERSKY ANTI- VIRUS MOBILE 6.0. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre

Leia mais

IMPORTANTE: O PNM4R2 não entra em estado funcional enquanto o Windows não

IMPORTANTE: O PNM4R2 não entra em estado funcional enquanto o Windows não Manual Instalação Positivo Network Manager Versão 4R2 para Integradores O produto Positivo Network Manager Versão 4R2 (PNM4R2) consiste de uma plataforma do tipo cliente servidor, sendo o cliente, os microcomputadores

Leia mais

PAINEL DE ALARME VERSÃO 01

PAINEL DE ALARME VERSÃO 01 PAINEL DE ALARME VERSÃO 01 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS 8 Zonas duplas programáveis, mais 1 zona por teclado; 4 Teclados endereçáveis com programações independentes; 95 usuários, 3 usuários temporários, além

Leia mais

Por que você precisa alterar o tipo de AppleTalk. Antes de alterar a configuração. Alterar o tipo de AppleTalk

Por que você precisa alterar o tipo de AppleTalk. Antes de alterar a configuração. Alterar o tipo de AppleTalk Por que você precisa alterar o tipo de AppleTalk 1 A impressora J110 requer que você altere o tipo de AppleTalk para poder imprimir trabalhos de em rede AppleTalk. Antes de alterar a configuração Verifique

Leia mais

ITCELL SOFTWARE SOFTCELL

ITCELL SOFTWARE SOFTCELL ITCELL SOFTWARE SOFTCELL 2.0 1.Sumário 2.1 Instalação do SoftCell...2 2.2 Instalação do driver de comunicação...7 5.1 Abrindo o Software SoftCell...11 5.2 Acessando a interface...12 5.3 Configuração da

Leia mais

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução SCIM 1.0 Guia Rápido Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal Introdução Nesta Edição O sistema de Controle Interno administra o questionário que será usado no chek-list

Leia mais

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 MANUAL DO USUÁRIO Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000 via conexão USB. Através do ITC 4000 Manager, o usuário

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA INSTALAR REDE ETHERNET EM CNC s FAGOR.

PROCEDIMENTO PARA INSTALAR REDE ETHERNET EM CNC s FAGOR. PROCEDIMENTO PARA INSTALAR REDE ETHERNET EM CNC s FAGOR. INDICE 1 Verificar a compatibilidade dos sistemas de hardware e software 1.1 Opcionais de Hardware 1.2 Opcionais de Software 2 Parametrização do

Leia mais

Guia para Atualização do Firmware AM-310

Guia para Atualização do Firmware AM-310 Guia para Atualização do Firmware AM-310 Rev. A.1 sales@acuraglobal.com Tel.: +55 11 3028-4600 Matriz: Rua Reginata Ducca, 73 09626-100 São Bernardo do Campo SP Fábrica: Doutor Domiciano Costa Moreira,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital DEZEMBRO / 2010 NEXTCALL GRAVADOR TELEFÔNICO DIGITAL Obrigado por adquirir o NextCall. Este produto foi desenvolvido com o que há de mais atual em

Leia mais

Gerenciador de Conteúdo Magellan 2.0

Gerenciador de Conteúdo Magellan 2.0 Gerenciador de Conteúdo Magellan 2.0 Instalando o Gerenciador de Conteúdo Magellan. 1. Baixe o Gerenciador de Conteúdo Magellan de www.magellangps.com. 2. Dê um duplo clique no arquivo CM_Setup que foi

Leia mais

Metric. Instruções para atualização do software de medição Metric

Metric. Instruções para atualização do software de medição Metric Metric Instruções para atualização do software de medição Metric Informação importante sobre como realizar uma atualização do software de medição Metric ou mudar de Windows XP para Windows 7 Estado em

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE INSTALÇÃO

GUIA RÁPIDO DE INSTALÇÃO 1 GUIA RÁPIDO DE INSTALÇÃO Light BILHETADOR Para Instalar o Software rode o tarifone.exe 2 clique em avançar para continuar com a instalação. Selecione uma nova pasta, ou clique em Avançar Para manter

Leia mais

DSS H.264 DVR. Guia de instalação rápida V1.0.2

DSS H.264 DVR. Guia de instalação rápida V1.0.2 DSS H.264 DVR Guia de instalação rápida V1.0.2 1. Instalação de Disco Rígido Aviso! Recomendamos para instalar com segurança utilizar HDD SATA. Certifique-se de que a energia não esteja desligada antes

Leia mais

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET Ao mesmo tempo em que hoje se tornou mais fácil falar a longa distância, pela multiplicidade de opções e operadoras de telefonia, também surgem as

Leia mais

Guia do usuário ITC MANAGER

Guia do usuário ITC MANAGER Guia do usuário ITC MANAGER ITC MANAGER Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000i/ ITC

Leia mais

Manual do Aplicativo de Configurações

Manual do Aplicativo de Configurações Registrador Eletrônico de Ponto Manual do Aplicativo de Configurações Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis Código Postal 83.322-010 Pinhais - Paraná

Leia mais

TeamViewer 9 Manual Wake-on-LAN

TeamViewer 9 Manual Wake-on-LAN TeamViewer 9 Manual Wake-on-LAN Rev 9.2-12/2013 TeamViewer GmbH Jahnstraße 30 D-73037 Göppingen www.teamviewer.com Sumário 1 Sobre Wake-on-LAN... 3 2 Requisitos... 4 3 Configuração do Windows... 5 3.1

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

Manual de Instalação EDIÇÃO 1.0

Manual de Instalação EDIÇÃO 1.0 Editor Rápido ipldk Manual de Instalação EDIÇÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Edição Data Descrição das Alterações Versão S/W Versão MPB Edição 1 Out/2006 Lançamento Inicial C.7Aa ~ C.7Aa - i - Conteúdo 1.

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

TCI 322. Conversor de Interface USB para RS422/RS485. Manual de Instalação

TCI 322. Conversor de Interface USB para RS422/RS485. Manual de Instalação TCI 322 Conversor de Interface USB para RS422/RS485 Manual de Instalação O conversor de interface TCI 322 é um dispositivo versátil que permite a partir de uma porta USB do computador ter-se uma interface

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

Guia de Solução de Problemas do HASP

Guia de Solução de Problemas do HASP Guia de Solução de Problemas do HASP 1 Escritório corporativo: Trimble Geospatial Division 10368 Westmoor Drive Westminster, CO 80021 EUA www.trimble.com Direitos autorais e marcas registradas: 2005-2013,

Leia mais

Manual de instruções da unidade da impressora

Manual de instruções da unidade da impressora Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7 DS-RX1 Ver.1.01 Em relação aos direitos autorais Os direitos autorais para o Manual de Instruções da Unidade da Impressora DS-RX1, a Unidade

Leia mais