A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo."

Transcrição

1 ACEPREV Acesita Previdência Privada RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 A melhor maneira de prever o futuro é criálo. PETER DRUCKER

2 MENSAGEM DA DIRETORIA A Diretoria Executiva tem a satisfação de apresentar, neste Relatório Anual, as principais atividades desenvolvidas na Entidade no ano de Continuaremos buscando crescimento continuo da Entidade, consolidando nossos processos e os resultados, ora divulgados. No ano que se passou, obtivemos a homologação pela Previc no nosso programa de Educação Financeira e Previdenciária. Esse programa tem como um dos objetivos, auxiliar os Participantes a programar suas finanças de maneira mais adequada ao seu perfil de renda e consumo, para que possam se aposentar com uma renda que corresponda às suas expectativas. Com essa aprovação, a Entidade, para o ano de 2014, ficou dispensada do envio, por meio impresso, do relatório anual de informações aos Participantes, que estará disponível em nossa homepage, bem como demais informações constantes desse programa. E, buscando melhorias na nossa comunicação e relacionamento, o site da Entidade foi aperfeiçoado, fazendo com que fique mais amigável e interativo, visando maior agilidade na consulta das informações. Fechamos o exercício de 2013 com um total de Participantes, dos quais Ativos e Assistidos por meio de aposentadorias, pensões, auxíliodoença e incapacidade. A instituição recebeu aportes de R$ 20 milhões das Patrocinadoras e Participantes e teve uma folha de pagamento de benefícios na ordem de R$ 32 milhões. Em relação aos investimentos em 2013, vale destacar nosso excelente resultado, que além de superar os benchmarks das reservas, superou também o índice de referência (INPC + 5% aa), na cota consolidada. Esse resultado reflete as estratégias adotadas ao longo dos anos pela Aceprev, que tem como base a diversificação da carteira, alocando em ativos rentáveis para prover, no futuro, os recursos necessários aos seus compromissos sem, contudo, abrir mão da segurança dos seus ativos. O alcance desse resultado diferenciado após um ano de tamanha volatilidade, fez com que ficássemos posicionados entre os melhores em retorno de investimentos do segmento. Porém, como sempre visualizamos o longo prazo, esperamos manter os resultados sempre pujantes para os exercícios vindouros. Há de se salientar que o superávit do nosso plano alcançou o montante de R$ 35 milhões, valor esse superior àquele obtido antes da implementação das novas regras em Podemos destacar, ainda, que a política de investimentos, aprovada pelo Conselho Deliberativo para o exercício, fez com que pudéssemos buscar os resultados ora apresentados. Atuando sempre na vanguarda e com o pensamento no futuro, o Conselho aprovou o início de alocações em investimentos no exterior, que está em fase de análise e aguardando uma oportunidade para que se concretize. Também, podemos citar que aumentamos nossa exposição em FIPs (Fundos de Investimentos em Participações), ativos esses que estão se consolidando em nossa estratégia de longo prazo. No tocante ao monitoramento dos riscos, a ACEPREV atendendo às recomendações expostas nos trabalhos de vários consultores especializados, implementou ao longo de 2013, 51 novas ações de controles internos. Dessa forma, cumprimos o plano de ação, que é constantemente mapeado para que a dinâmica desse processo seja continua na entidade, mitigando os riscos envolvidos nas operações. Vale destacar a presença e a atuação dos conselhos da entidade, bem como da patrocinadora fundadora, que não medem esforços para atender aos nossos pleitos, o que faz com que possamos focar no nosso principal negócio, que é o Participante. 2

3 SUMÁRIO 1. A ENTIDADE ORGANOGRAMA 1. A ENTIDADE ORGANOGRAMA 2. PARTICIPANTES 3. BENEFÍCIOS 4. CONTRIBUIÇÕES PARA A ENTIDADE 5. PATRIMÔNIO 6. INVESTIMENTOS RENTABILIDADE E RESUMO DO DEMONSTRATIVO DE INVESTIMENTOS 7. DESPESAS ADMINISTRATIVAS 8. INFORMAÇÕES SOBRE A AVALIAÇÃO ATUARIAL DO PLANO PARECER ATUARIAL PATROCINADORA APERAM INOX BRASIL AMÉRICA DO SUL S.A. PARECER ATUARIAL PATROCINADORA ACESITA PREVIDÊNCIA PRIVADA ACEPREV 9. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS, POR PLANO DE BENEFÍCIOS, NOTAS EXPLICATIVAS E PARECERES NOTAS EXPLICATIVAS CONSELHO DELIBERATIVO Italo Stefani Presidente Rosa Maria Esquirio Monte Conselheira eleita pelos Participantes Assistidos (Suplente Marcos Antônio Américo de Castro) Eduardo Alves dos Santos Conselheiro eleito pelos Participantes Ativos (Suplente Ronald Ramos) Paulo Roberto Discacciati Conselheiro Gisele Araújo Polati Conselheira José Anísio Dias Cabral Conselheiro DIRETORIA ADMINISTRATIVA E DE SEGURIDADE Mirna Leite Coelho Martins de Oliveira CONSELHO FISCAL Marcos Bruno Assis Oliveira Presidente do Conselho Alfeu Wiermann Conselheiro Frederico Barbosa de Rezende Conselheiro PRESIDÊNCIA Nélia Maria de Campos Pozzi DIRETORIA FINANCEIRA Gualter Guilherme Oliveira Moreira RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DO CONSELHO FISCAL PARECER DO CONSELHO DELIBERATIVO GESTÃO DE BENEFÍCIOS E ATUÁRIA Siuza da Silva Pinto Mota Vanessa Moreira da Silva Lacerda Queila da Conceição Pereira Ribeiro Ronaldo Medeiros dos Santos GESTÃO FINANCEIRA Thiago de Resende Andrade Eduardo Augusto Lacerda Andrade CONTROLADORIA E CONTABILIDADE João Rios Junior Juliana Conrado Paschoal Rodrigo Wilson de Castro Brumer Juleika Cristina Ferreira de Carvalho 3

4 2. PARTICIPANTES 3. BENEFÍCIOS A ACEPREV encerrou o exercício de 2013 com Participantes, dentre os quais Assistidos. A distribuição dos Participantes, comparada ao exercício anterior, pode ser verificada no quadro abaixo: ATIVOS Empregados Vinculados AUTOPATROCINADOS (Exempregados) ASSISTIDOS Aposentadoria Incapacidade (Invalidez) Pensão por Morte Benefício Proporcional Diferido GERAL PARTICIPANTES 31/12/ /12/ Todos os Benefícios listados abaixo são oferecidos aos Participantes admitidos no plano até 04/09/2011. Para os Participantes admitidos no Plano a partir de 05/09/2011, também são oferecidos os benefícios abaixo, exceto as Aposentadorias na modalidade de recebimento vitalícia e os Benefícios de Risco*. Aposentadoria Normal Aposentadoria Antecipada Aposentadoria Especial Benefício Adicional * Benefícios de Risco: AuxílioDoença Incapacidade Pensão por Morte Institutos Legais Obrigatórios: Resgate Benefício Proporcional Diferido (BPD) Portabilidade Autopatrocínio PARTICIPANTES ATIVOS POR FAIXA ETÁRIA Acima de 61 anos 241 participantes 6% 51 a 60 anos participantes 28% Até 30 anos 447 participantes 12% 31 a 40 anos 660 participantes 18% 41 a 50 anos participantes 36% BENEFÍCIOS PAGOS em 2012 Tipo de benefício Aposentadoria Normal Aposentadoria Especial Aposentadoria Antecipada Pensão por Morte Auxílio Doença Incapacidade (Invalidez) Benefício Proporcional Diferido Benefício Adicional * Quantidade de Benefícios Processados R$ mil DE BENEFÍCIOS PAGOS * Não soma com o total pois duplicará o número de participantes. ** Participantes computados como ativos. em 2013 Quantidade R$ mil de Benefícios Processados Pessoas Assistidas ** * Idade média dos Participantes Ativos = 40,6 anos (média aritmétrica das idades dos participantes) Obs: Os Participantes com Benefício Adicional já constam no número da Aposentadoria Normal, ou Antecipada e ou Especial. 4

5 BENEFÍCIOS PAGOS EM 2013 Pensões ,67% Auxílio Doença 299 0,93% Incapacidade ,21% Aposentadorias ,19% 5. PATRIMÔNIO DA ENTIDADE INVESTIDO O Patrimônio da ACEPREV, que representa os investimentos aplicados no mercado financeiro atingiu em dezembro de 2013 o montante de R$ 805,2 milhões. O quadro abaixo mostra a evolução do Patrimônio da Entidade: PATRIMÔNIO DA ENTIDADE INVESTIDO R$ milhões 805, CONTRIBUIÇÕES PARA A ENTIDADE Das contribuições efetuadas em 2013 para a ACEPREV, a Patrocinadora participou com 43,15%, enquanto os Participantes contribuíram com 56,85 % do montante recebido. Os valores das contribuições e seus respectivos percentuais em relação ao total das contribuições encontramse no quadro abaixo. PARTICIPANTES Básica Voluntária / Especial AUTOPATROCINADOS/VINCULADOS PORTABILIDADE PATROCINADORA Normal Despesas Administrativas Auxílio Doença R$ mil % 56,85 52,04 34,49 10,74 2,73 43,15 69,37 29,37 1, ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO PATRIMÔNIO A evolução do Patrimônio Total, representado pelos seus Ativos e pelo seu Exigível Operacional, Contingencial e Patrimônio Social, apresenta a seguinte evolução: (32.269) (4.262) (3.849) (712) (2.682) (4.404) R$ mil As contribuições das Patrocinadoras do Plano (Aperam South America e Aceprev), são repassadas ao Plano mensalmente, dentro dos prazos preestabelecidos. Informamos que não existe inadimplência de contribuições das Patrocinadoras com o Plano e nem contrato de dívida com as mesmas. 31/12/ /12/ Patrimônio em 31/12/2012 Contribuições dos Participantes e Patrocinadoras Benefícios pagos Resgates e Portabilidades Desoneração de Contribuições Constituição de Contingência Transferências administrativas Custeio Administrativo Entradas administrativas Rentabilidade Financeira Outros Patrimônio em 31/12/2013 5

6 6. INVESTIMENTOS RENTABILIDADE E RESUMO DO DEMONSTRATIVO DE INVESTIMENTOS TIPO DE APLICAÇÃO Renda fixa Renda variável Imóveis Investimentos estruturados 31/12/ /12/ COMENTÁRIOS SOBRE A RENTABILIDADE DO PLANO R$ mil Variação CENÁRIO E ECONOMIA O ano de 2013 não foi nada fácil. Para alguns foi um ano às avessas, para outros, o conservadorismo passado ajudou a conseguir proteção contra a volatilidade que atingiu todos os setores de maneira geral. Independentemente de qual lado seja, todos aprenderam que com o mercado não se brinca e que o longo prazo sempre será mais importante do que o curto, principalmente para nós, fundos de pensão. De acordo com o economista Luiz Carlos Mendonça de Barros, em seu artigo 2013 o ano que ainda não terminou, publicado na íntegra em 27/12/13 na Folha de São Paulo, Ninguém vai tirar de 2013 o mérito de ter sido o momento em que a grave crise financeira, gerada no ventre de Wall Street em 2007 e em 2008, terminou e a maior economia do mundo retomou o caminho do crescimento econômico, que é a sua vocação natural......uma reaproximação com o setor privado, não é tão difícil quanto parece, o que as lideranças privadas exigem para ancorar com mais segurança e confiança o futuro, é muito simples de ser acordado pelo governo. Não será preciso arrochar salários e disponibilidade de crédito como muitos temem, mas apenas reconhecer que precisamos de um freio de arrumação nos gastos fiscais e estímulos ao consumo... O artigo comenta vários pontos importantes ocorridos ao longo de 2013 e deixa uma reflexão importante quanto aos possíveis drivers que poderão conduzir o mercado em Temse como principal questão para o ano a política monetária e fiscal que o governo vai seguir, pois dependendo do que for, as expectativas podem virar, ou também continuar piorando, deixando o Brasil numa situação complexa. Em 2014, as atenções devem continuar voltadas para os Estados Unidos. A maior economia do mundo tem se recuperado de forma mais rápida do que o mercado precifica hoje e isso acaba impactando todos os demais países, ainda mais fortemente nos casos dos emergentes. O estímulo fiscal já começou a ser reduzido, mas os juros ainda não foram aumentados. Alguns analistas trabalham com a hipótese de que, em 2014, isso comece a acontecer e teremos de ser muito cautelosos ao analisar os impactos internos que esse movimento pode ocasionar. No Brasil teremos a Copa do Mundo e o seus possíveis impactos para a economia. Será que vamos saber usufruir das benesses que um evento desta magnitude pode trazer a um país, ou ficaremos com o gostinho de que não aproveitamos da melhor forma possível? BOLSA O Ibovespa fechou o ano com queda de 15,50%, sendo um dos piores desempenhos de todas as bolsas no mundo. E apesar de iniciar o ano de 2014 com preços relativamente baixos, as perspectivas são controversas, pois a bolsa vem refletindo o desempenho da economia brasileira, que vem piorando a cada dia e sem sinais de medidas por parte do governo que possam ajudar a retomar uma trajetória de crescimento econômico mais robusto. Se tivéssemos que definir em poucas palavras as expectativas para bolsa como um todo para 2014, seriam: garimpo e bons gestores. Logo, acreditamos que, cada vez mais, temos de focar em bons gestores, para que, com trabalho de garimpeiro, consigam encontrar as empresas que gerem valor em ambientes como o que temos vivido nos últimos tempos. PERFORMANCE E RENTABILIDADE O segmento de fundos de pensão sofreu bastante em 2013, devido, principalmente, à marcação de seus ativos que, uma vez marcados a mercado, sofreram muita volatilidade, principalmente nos momentos de incerteza econômica como a que atravessamos no ano passado. Mesmo diante de várias indefinições, a ACEPREV superou seus benchmarks, fechando o ano de 2013 com rentabilidade positiva. A reserva Cromo alcançou 13,63% e a reserva Níquel 9,81%, superando seus respectivos benchmarks, INPC+5% a.a. que ficou em 10,84% (Cromo) e Benchmark Híbrido, composto pela variação do Ibovespa + INPC+5% a.a., que foi de 8,74% (Níquel). O resultado obtido foi alcançado por meio de uma gestão eficiente nas alocações de ativos, e das estratégias vencedoras que têm sido adotadas ao longo do tempo, com o foco em investimentos que, no longo prazo, irão trazer retornos adequados à nossa necessidade. A ACEPREV entende que os investimentos realizados tendem a continuar trazendo retorno contínuo e consistente, sempre priorizando a perpetuidade dos investimentos. 6

7 A rentabilidade da ACEPREV, comparada a outros índices de referência, pode ser verificada na tabela abaixo. COMPARATIVO DE RENTABILIDADE Rentabilidade da Reserva Níquel Benchmark Híbrido* Rentabilidade da Reserva Cromo Índice de Referência (INPC+5% a.a.) * Média ponderada (Ibovespa e INPC+5% a.a.) Rentabilidade ,81% 8,74% 13,63% 10,84% ,27% 11,46% 12,86% 11,51% INFORMAÇÕES SOBRE FUNDOS DE INVESTIMENTOS NOME DO FUNDO M Square Pipe SulAmérica Expertise Ações SulAmérica Expertise II BTG Pactual Dividendos CLASSIFICAÇÃO Ações Ações Ações GESTOR M Square Sul América Sul América BTG Pactual TAXA DE ADMINISTRAÇÃO 2,00% a.a. 1,50% a.a. 1,50% a.a. 1,50% a.a. TAXA DE PERFORMANCE* 20% 20% 20% BENCHMARK Ibovespa IVBX2 IVBX2 BNY Mellon Arx Ações BNY Mellon 4,00% a.a. Na tabela abaixo verificase a Cota Bruta e Líquida do Plano de Benefícios da ACEPREV assim como do PGA. WA Dividend Yield Rio Bravo Renda Ações FI Imobiliário Western Asset Rio Bravo 2,00% a.a. 0,70% a.a. Corporativa PLANO DE BENEFÍCIOS DA ACEPREV BTG Corporate Office FI Imobiliário BTG Pactual 1,75% a.a. SEGMENTOS Plano de Benefícios ACEPREV Renda Fixa Renda Variável Investimentos Estruturados Imóveis 2013 RENT. BRUTA 11,29% 11,29% 1,42% 1,08% 61,79% RENT. LÍQUIDA 11,14% 11,12% 1,21% 0,74% 62,38% Rio Bravo Energia I Lacan Florestal BVEP Plaza BTG Infraestrutura II FI Participações FI Participações FI Participações FI Participações Rio Bravo Lacan Votorantim BTG Pactual 1,60% a.a. 1,00% a.a. 2,50% a.a. 2,00% a.a. 20% 25% 30% 20% 20% 20% IPCA+8% a.a. IPCA+10% a.a. IPCA+12% a.a. IPCA+10% a.a. IPCA+8% a.a. IPCA+8% a.a. Índice de Referência (INPC+5% a.a.) Ibovespa 10,84% 15,50% FIDC BMG FIDC FICSA FIDC FIDC Integral Integral 0,50% a.a. 0,65% a.a. A Rentabilidade Líquida foi calculada com base nos valores da Contabilidade, sendo feita uma ponderação das alocações para se obter uma rentabilidade por segmento. FIDC SANEAGO FIDC CEDAE FIDC FIDC Integral BTG Pactual 0,37% a.a. 0,20% a.a. BRZ Multi Recebíveis Multimercado BRZ 1,00% a.a. 20% IPCA+8% a.a. Itau Institucional DI Referenciado Itaú 0,18% a.a. PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA BTG Emissões Renda Fixa BTG Pactual 0,25% a.a. SEGMENTOS PGA CDI ,93% 8,06% Primárias Votorantim Institucional RFCP Renda Fixa Votorantim 0,20% a.a. O PGA por não possuir despesas possui a rentabilidade bruta igual à rentabilidade líquida. Modal Gaia CRI Renda Fixa * Sobre o que exceder o benchmark Modal 0,60% a.a. 7

8 RESUMO DO DEMONSTRATIVO DOS INVESTIMENTOS (R$) Distribuição dos Investimentos por segmento dez/13 dez/12 Segmento Renda Fixa Renda Variável Investimentos Imobiliários Investimentos Estruturados Operações com Participantes Investimento no Exterior Total de Investimentos Valor , , , , ,97 Percentual 91,39% 4,91% 2,00% 1,70% 10% Composição por Mercado I. Renda Fixa Valor , , , , ,54 dez/13 Percentual 92,70% 5,26% 0,78% 1,26% 10% dez/12 Fundos de Investimentos Renda Fixa Fundos de Investimentos Referenciados Fundos de Investimentos Multimercados FIDC Notas do Tesouro Nacional Série B Notas do Tesouro Nacional Série F Letras Financeiras do Tesouro DPGE Certificados de Depósitos Bancários Debêntures Letras Financeiras Subtotal II. Renda Variável Fundo de Investimento Renda Variável Ações Proman Subtotal III. Investimentos Imobiliários Terrenos e Edificações () Depreciação Acumulada Aluguel Subtotal IV. Investimentos Estruturados Fundos de Investimentos Participações Fundos de Investimentos Imobiliários Subtotal Total , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,54 Distribuição dos Investimentos Gestão Terceirizada Gestor Valor Votorantim Institucional RFCP ,16 Itaú Institucional DI ,13 BTG Emissões Primárias ,33 BRZ Multi Recebíveis ,65 Modal Gaia CRI ,36 M Square Pipe ,70 SulAmérica Expertise ,50 SulAmérica Expertise II ,78 BTG Pactual Dividendos ,71 WA Dividend Yield ,77 BNY Mellon Arx ,16 FIDC BMG ,91 FIDC FICSA ,77 FIDC SANEAGO ,88 FIDC CEDAE ,45 BTG Infraestrutura II ,97 Lacan Florestal ,14 Rio Bravo Energia I ,20 BVEP Plaza ,71 BTG Corporate Office ,50 Rio Bravo Renda Corporativa Total Gestão Terceirizada ,78 Distribuição dos Investimentos Carteira Própria Valor I. Títulos Públicos Notas de Tesouro Nacional Série B ,06 Notas de Tesouro Nacional Série F ,92 Subtotal ,98 II. Créditos Privados e Depósitos DPGE ,84 Certificados de Depósitos Bancários ,33 Debêntures ,81 Letras Financeiras ,79 Subtotal ,77 III. Ações Ações Proman 15 Total Carteira Própria ,75 Imóveis Imóveis comerciais ,44 Total Geral ,97 Percentual 5,57% 1,24% 0,60% 0,28% 0,12% 0,33% 1,81% 0,45% 0,91% 0,75% 0,68% 0,68% 0,15% 0,46% 0,47% 0,08% 0,19% 0,62% 0,61% 0,10% 0,10% 16,19% Percentual 51,15% 1,07% 52,22% 8,94% 7,73% 9,31% 3,62% 29,59% % 81,80% 2,00% 10% 8

9 INFORMAÇÕES REFERENTES À POLÍTICA DE INVESTIMENTOS (R$) As aplicações dos recursos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar, como a ACEPREV, são regulamentadas pela Resolução nº 3792/2009 e posteriores do Conselho Monetário Nacional. Baseada na resolução citada acima, as entidades definem sua Política de Investimentos para aplicação dos recursos que estão sob sua administração. Na ACEPREV, a Política de Investimentos para o ano de 2013 foi aprovada em 14 de dezembro de 2012, pelo seu Conselho Deliberativo, e está disponível para consulta na página da Entidade na internet. É de responsabilidade do Conselho Fiscal da Entidade através de relatórios semestrais, checar se as diretrizes impostas pela Política de Investimentos estão sendo cumpridas. De acordo com a Política de Investimentos, a alocação de recursos deverá respeitar os limites de macro alocação conforme tabela abaixo, de acordo com a segregação de Reservas estabelecidas na mesma: a) Reserva Cromo c) Os recursos da Entidade poderão ser investidos através de carteiras administradas, carteiras próprias e fundos de investimentos (incluindo fundos exclusivos), conforme definido pela legislação vigente. d) As operações com derivativos somente poderão ser realizadas em Bolsa de Valores ou de Mercadorias e Futuros e para fins de proteção e/ou posicionamento. COMPOSIÇÃO RESERVA NÍQUEL ESPÉCIE Renda Fixa Renda Variável Invest. Estruturados Imóveis Alocação de Recursos VALOR MERCADO , , , , ,38 PERCENTUAL 88,73% 7,64% 2,65% 0,98% 10% Segmento de aplicação Renda Fixa Renda Variável Investimentos Estruturados Investimentos no Exterior Imóveis Operações com Participantes b) Reserva Níquel Segmento de aplicação Renda Fixa Renda Variável Investimentos Estruturados Investimentos no Exterior Imóveis Operações com Participantes Limite Inferior 92% 0% 0% 0% 0% 0% Limite Inferior 50% 0% 0% 0% 0% 0% Limite Superior 100% 0% 0% 0% 8% 0% Limite Superior 100% 25% 15% 5% 8% 0% Limite Legal Máximo 100% 70% 20% 10% 8% 15% Limite Legal Máximo 100% 70% 20% 10% 8% 15% Alocação Objetivo 95% 0% 0% 0% 5% 0% Alocação Objetivo 75% 10% 10% 2% 3% 0% Premissas adicionais são estabelecidas pela Política de Investimentos: a) A alocação em títulos e valores mobiliários de um mesmo emissor não poderá ultrapassar 20% do patrimônio para instituições financeiras autorizada a funcionar pelo Bacen e 10% do patrimônio para os demais emissores; b) A Aceprev estabelecerá controles de risco de mercado e risco de crédito e acompanhará o enquadramento de suas aplicações mediante sua Política de Investimentos e a legislação cabível; FUNDOS Votorantim Institucional RFCP Itaú Institucional DI BTG Emissões Primárias BRZ Multi Recebíveis Modal Gaia CRI M Square Pipe SulAmérica Expertise SulAmérica Expertise II BTG Pactual Dividendos WA Dividend Yield BNY Mellon Arx FIDC BMG FIDC FICSA FIDC SANEAGO FIDC CEDAE BTG Infraestrutura II Lacan Florestal Rio Bravo Energia I BVEP Plaza BTG Corporate Office Rio Bravo Renda Corporativa FUNDOS Gestão Terceirizada VALOR , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,19 PERCENTUAL 5,79% 1,94% 0,67% 0,43% 0,19% 0,51% 2,81% 0,70% 1,41% 1,16% 1,05% 1,06% 0,24% 0,71% 0,73% 0,12% 0,30% 0,97% 0,94% 0,15% 0,16% 22,05% continua >>> 9

10 >>> continuação Reserva Níquel >>> continuação Reserva Cromo Ativos Carteira Própria ATIVO VALOR Notas de Tesouro Nacional Série B ,30 Notas de Tesouro Nacional Série F ,92 DPGE ,14 Certificados de Depósitos Bancários ,46 Debêntures ,49 Letras Financeiras ,65 ATIVOS CARTEIRA PRÓPRIA ,96 PERCENTUAL 36,43% 1,66% 10,12% 10,30% 13,43% 5,03% 76,97% Imóveis IMÓVEIS VALOR Imóvel comercial ,21 DO SEGMENTO DE IMÓVEIS ,21 VALOR RESERVA CROMO ,13 COMPOSIÇÃO RESERVA PGA PERCENTUAL 3,87% 3,87% PERCENTUAL 10% IMÓVEIS Imóvel comercial DO SEGMENTO DE IMÓVEIS Imóveis VALOR , ,23 PERCENTUAL 0,98% 0,98% FUNDOS DE RENDA FIXA Votorantim Institucional RFCP FUNDOS DE RENDA FIXA Renda Fixa VALOR , ,46 PERCENTUAL 10% 10% RESERVA NÍQUEL VALOR ,38 PERCENTUAL 10% COMPOSIÇÃO RESERVA CROMO Alocação de Recursos ESPÉCIE Renda Fixa Imóveis VALOR MERCADO , , ,13 Renda Fixa FUNDOS DE RENDA FIXA VALOR Votorantim Institucional RFCP ,89 BTG Emissões Primárias ,24 FUNDOS DE RENDA FIXA ,13 Ativos Carteira Própria ATIVOS VALOR Notas de Tesouro Nacional Série B ,76 CDB ,87 Debênture ,32 LF ,14 DPGE ,70 ATIVOS CARTEIRA PRÓPRIA ,79 RENDA FIXA ,92 PERCENTUAL 96,13% 3,87% 10% PERCENTUAL 4,13% 0,49% 4,61% PERCENTUAL 78,50% 3,14% 1,92% 1,08% 6,88% 91,52% 96,13% continua >>> 7. DESPESAS ADMINISTRATIVAS (R$) OPERAÇÕES ADMINISTRATIVAS Em conformidade com a Resolução CNPC Nº 8, de 31 de outubro de 2011, que alterou a Resolução CGPC nº 28, de 26 de janeiro de 2009, e Instrução SPC nº 34, de 24 de setembro de 2009, os registros das operações administrativas são efetuados através do Plano de Gestão Administrativa PGA, que possui patrimônio próprio segregado do plano de benefícios previdencial. O patrimônio do PGA é constituído pelas receitas (Previdencial e Investimentos), deduzidas das despesas específicas da Gestão previdencial e dos investimentos, sendo as sobras ou insuficiências administrativas alocadas ou revertidas ao Fundo Administrativo. O saldo do Fundo Administrativo do PGA é formado pela seguinte movimentação: Receitas: Alocadas diretamente ao plano, sendo utilizadas as fontes de custeio previdencial e investimentos; Despesas Específicas: Alocadas diretamente ao plano. As fontes de custeio da Gestão Administrativa obedecem às determinações contidas no Regulamento do PGA, aprovado pelo Conselho Deliberativo da ACEPREV, e estão em conformidade com a Resolução CNPC nº 8, datada de 31 de outubro de O fluxo da Gestão Administrativa pode ser assim demonstrado: 10

11 (+) Receitas administrativas () Despesas administrativas (+) Rentabilidade do fundo administrativo Resultado líquido apurado constituição de Fundo Adm. As despesas Administrativas se subdividem em: DESPESAS ADMINISTRATIVAS Gestão Previdencial Gestão dos investimentos , , , , , , , , , , , ,29 % sobre Receitas previd ,31 12,82 9,01 8,50 Os critérios adotados pela ACEPREV para a segregação das despesas foram os seguintes: 1) Gestão Previdencial Os custos administrativos alocados a essa gestão representam os gastos operacionais da Entidade, apropriados nas contas de resultado em conformidade com critérios de rateio aprovados pelo Conselho Deliberativo da Entidade e a cobertura das mesmas são custeadas por contribuição específica originada das Patrocinadoras Aperam Inox América do Sul S.A. (ex ArcellorMittal Inox Brasil S.A.) e Aceprev, conforme determinação do atuário do plano Mercer, detalhado no DA demonstrativo das avaliações atuariais. 2) Gestão de Investimentos Os custos administrativos alocados a essa gestão representam os gastos operacionais da Entidade, apropriados nas contas de resultado em conformidade com critérios de rateio aprovados pelo Conselho Deliberativo da Entidade e são totalmente custeados pela rentabilidade dos investimentos, conforme o Regulamento da Entidade. DEMONSTRAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DPGA DO PLANO DE BENEFÍCIOS DESPESAS ADMINISTRATIVAS GESTÃO PREVIDENCIAL PESSOAL E ENCARGOS Dirigentes Pessoal Próprio Estagiários TREINAMENTOS/CONGRESSOS E SEMINÁRIOS VIAGENS E ESTADIAS , , , , , , , , , , , , , , , ,73 >>> continuação SERVIÇOS DE TERCEIROS Consultoria atuarial Consultoria Contábil Assessoria Jurídica Recursos Humanos Auditoria Contábil Informática Publicações legais Perícias Médicas Seguros e Processos Administrativos Auditoria de Benefícios DESPESAS GERAIS Tafic Aluguel escritório Contribuições a entidades de classe Postais e telegráficas Eventos / comemorações Programa de Educação Previdenc. e Financ. Publicidade institucional jornal Aceprev Veículos Máquinas xerox / impressos Telefone/canal De Voz/fax/broadcast Tarifas Bancárias Gastos c/ conserv./manutenção escritórios Bens não ativáveis Outros DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES GESTÃO DOS INVESTIMENTOS PESSOAL E ENCARGOS Dirigentes Pessoal Próprio Estagiários TREINAMENTOS/CONGRESSOS E SEMINÁRIOS VIAGENS E ESTADIAS SERVIÇOS DE TERCEIROS Taxa de Controladoria e Custódia Acompanhamento performance e Política de Investimentos Assessoria Jurídica Recursos Humanos Auditoria Contábil Informática Consultoria Contábil Publicações legais Transportes móveis e equipamentos Seguros e Processos Administrativos , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,99 773, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,50 99, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,21 continua >>> continua >>> 11

12 >>> continuação DESPESAS GERAIS Tafic Aluguel escritório Contribuições a entidades de classe Postais e telegráficas Publicidade institucional jornal Aceprev Bens não ativáveis Energia Elétrica consumo Gastos c/ conserv./manutenção escritórios Telefone/canal de voz/fax Outros DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES CONSTITUIÇÃO DE CONTINGÊNCIAS GESTÃO PREVIDENCIAL Pis/Cofins GESTÃO DOS INVESTIMENTOS Pis/Cofins , , , , ,71 746, , , , , , , , , , ,33 COMENTÁRIOS SOBRE OS CRITÉRIOS DE PAGAMENTO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DA ENTIDADE , , ,45 382, , , , , , , , , , , , ,96 A Aceprev acompanha o acordo de participação nos lucros e resultados 2013, celebrado entre a Comissão de Empregados da Aperam e a Patrocinadora Aperam. Aplicase aos empregados da categoria administrativa, operacionais e técnicas nível médio e superior O pagamento da participação nos lucros e resultados esta subordinado ao alcance de metas. Algumas gerais, outras por equipes. Para os diretores, e empregados nível técnico superior especializado, o programa é firmado em metas gerais (empresariais) e em metas individuais, negociadas entre os empregados e o Conselho Deliberativo da Entidade. 8. INFORMAÇÕES SOBRE A AVALIAÇÃO ATUARIAL DO PLANO PRINCIPAIS RISCOS ATUARIAIS Os principais riscos atuariais do Plano estão concentrados na rentabilidade futura e na sobrevivência associada aos Participantes Mantidos e Assistidos, em gozo de renda mensal vitalícia, uma vez que estes têm seus benefícios estruturados na modalidade de benefício definido. Para os Participantes Migrados, Participantes admitidos após 05/09/2011, Assistidos e Beneficiários, em gozo de renda mensal financeira, o Plano não apresenta componentes de riscos atuariais, em função de se tratar de plano estruturado na modalidade de contribuição definida. As hipóteses atuariais utilizadas na presente avaliação atuarial foram fundamentadas por meio de documentação encaminhada pelas Patrocinadoras e por estudos específicos realizados em 31/07/2013, que tomaram como base a população existente no Plano administrado pela Acesita Previdência Privada ACEPREV. O detalhamento dos estudos, conforme previsto no item 1.2 da Resolução CGPC nº 18/2006, encontrase arquivado na Acesita Previdência Privada ACEPREV. INFORMAÇÕES SOBRE A ADERÊNCIA DA TAXA DE JUROS Ressaltase que a adequação da taxa de juros foi objeto de estudo técnico especifico elaborado pela Entidade, de forma a identificar a partir da projeção dos ativos e do fluxo de caixa do passivo atuarial do plano de benefícios (estudo de ALM interno), a taxa de retorno da carteira. As projeções foram feitas com base na carteira atual. Com base nos resultados dos estudos supracitados, a Diretoria Executiva e o Conselho Deliberativo da Aceprev aprovaram a manutenção da taxa real anual de juros de 5,00% a.a. Destacamos que a taxa real anual de juros de 5,00% a.a. atende ao disposto na legislação para a avaliação atuarial de encerramento do exercício de 2013 e corresponde àquela que foi adotada para as projeções atuariais do Plano. 12

13 PRINCIPAIS IMPACTOS SOFRIDOS PELO PLANO Não houve variação significativa na provisão matemática reavaliada, utilizando as mesmas hipóteses da avaliação atuarial de 2012, quando comparada com a provisão matemática evoluída, considerando a movimentação já esperada (juros, inflação e benefícios pagos). Houve uma redução nas provisões em decorrência da não concretização da hipótese de crescimento salarial no período, neste caso, de forma favorável ao Plano. NATUREZA DO RESULTADO DO PLANO Os principais fatores que contribuíram para a manutenção da posição superavitária do Plano de Benefícios da AMIB, bem como para elevação do Superávit Técnico Acumulado em 31/12/2013 foram: 1) Retorno esperado do ativo correspondente à parcela de benefício definido, superior à meta atuarial; 2) Revisão das hipóteses de rotatividade e crescimento salarial; 3) Redução do número de Participantes Ativos Mantidos, acima do esperado. HIPÓTESES ATUARIAIS A seguir, descreveremos o conjunto das principais hipóteses atuariais e econômicas utilizadas na apuração das Provisões Matemáticas desta avaliação atuarial. Taxa real anual de juros (1) (1) (2) Projeção de crescimento real de salário Projeção de crescimento real dos benefícios do plano (1) Fator de capacidade para os salários Fator de capacidade para os benefícios Hipótese sobre rotatividade (3) Tábua de mortalidade geral (4) Tábua de mortalidade de inválidos (5) Tábua de entrada em invalidez (4) Outras hipóteses biométricas utilizadas (6) 5% a.a. 2,2% a.a. 0% a.a. 100% 98% Mercer Service AT2000 Basic AT2000 Basic AT2000 Basic Mercer Retirement (1) O indexador utilizado é o INPC do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2) A hipótese adotada de crescimento salarial foi definida pela Patrocinadora levando em consideração a expectativa média de reajustes salariais futuros. (3) A rotatividade, pela Mercer Service, varia de acordo com o tempo de serviço (TS): Mínimo(0,45 / (TS + 1); 12,5%). A hipótese de rotatividade adotada foi definida com base em estudos elaborados a partir de informações históricas e expectativa futura das Patrocinadoras sobre admissões e desligamentos de Participantes do Plano. (4) Foi utilizada a tábua AT2000 Basic, segregada por sexo. (5) Foi utilizada a tábua AT2000 Basic, agravada em 5 anos e segregada por sexo. (6) A Mercer Retirement é uma tábua de probabilidade de entrada em aposentadoria e foi ajustada à experiência da ACEPREV da seguinte forma: 25% na primeira elegibilidade à Aposentadoria Antecipada, 10% entre a elegibilidade à Aposentadoria Antecipada e a Aposentadoria Normal e 100% na data de elegibilidade à Aposentadoria Normal. As seguintes premissas foram alteradas em relação à Avaliação Atuarial anterior: HIPÓTESE ATUARIAL Crescimento real de salário Rotatividade ,3% a.a. 0,15 / (TS + 1) ,2% a.a. Mínimo(0,45 / (TS + 1); 12,5%) A hipótese de crescimento salarial real foi alterada de 2,3% a.a. para 2,2% a.a. com o objetivo de refletir mais fielmente a expectativa de concessão de aumentos salariais reais pela Patrocinadora. A hipótese de rotatividade foi alterada de 0,15 / (TS +1) para Mínimo(0,45 / (TS + 1); 12,5%), com objetivo de refletir melhor a expectativa de desligamentos pela Patrocinadora. Informamos que, excetuada as alterações nas hipóteses mencionadas acima, não ocorreram outras alterações nas hipóteses atuariais e econômicas utilizadas na presente avaliação, com relação à avaliação atuarial realizada no exercício anterior. MÉTODO ATUARIAL Os benefícios de Aposentadoria Normal, Especial e Antecipada, Incapacidade e Pensão por Morte, de Participante Ativo, foram avaliados, prioritariamente, pelo método de Capitalização Individual, sendo que o Benefício Mínimo e os benefícios garantidos foram avaliados pelo método Agregado, enquanto que para o benefício de Auxílio Doença foi adotado o método de Repartição Simples. Informamos que não ocorreram alterações nos métodos atuariais utilizados na presente avaliação, com relação à avaliação atuarial realizada no exercício anterior. Confira a seguir os pareceres atuariais Patrocinadora Aperam e Patrocinadora Aceprev >>> 13

14 PARECER ATUARIAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS DA AMIB EM 31/12/2013 PATROCINADORA APERAM INOX BRASIL AMÉRICA DO SUL S.A. 1. INTRODUÇÃO Na qualidade de atuários responsáveis pela avaliação atuarial do Plano de Benefícios da AMIB, administrado pela Acesita Previdência Privada ACEPREV, apresentamos nosso parecer sobre a situação atuarial do citado Plano referente à Patrocinadora Aperam Inox América do Sul S.A., posicionado em 31 de dezembro de PERFIL DOS PARTICIPANTES A data base dos dados individuais relativos aos Participantes Ativos, Assistidos e Beneficiários utilizados no presente estudo foi 31/07/2013. QUALIDADE DA BASE CADASTRAL Os dados individuais foram fornecidos pela Acesita Previdência Privada ACEPREV à Mercer que, após a realização de testes apropriados e devidos acertos efetuados em conjunto com a Entidade, considerouos adequados para fins desta avaliação atuarial. A análise efetuada pela Mercer na base cadastral utilizada para a avaliação atuarial objetiva, única e exclusivamente, a identificação e correção de eventuais distorções na base de dados, não se inferindo dessa análise a garantia de que a totalidade das distorções foram detectadas e sanadas, permanecendo, em qualquer hipótese, com a Acesita Previdência Privada ACEPREV a responsabilidade plena por eventuais imprecisões existentes na base cadastral. As principais características do grupo avaliado, na data base dos dados, estão resumidas nas tabelas a seguir: PARTICIPANTES ATIVOS Número Sexo Masculino Sexo Feminino Idade Média (anos) Tempo de Serviço na Patrocinadora Médio (anos) Tempo Médio de Contribuição (anos) Tempo Médio para a Aposentadoria (anos) Salário Mensal Médio (R$) Folha Anual de Salários (R$) ,62 17,62 17,62 11, , ,85 PARTICIPANTES AUTOPATROCINADOS Número Idade Média (anos) Tempo de Serviço na Patrocinadora Médio (anos) Tempo Médio de Contribuição (anos) Tempo Médio para a Aposentadoria (anos) Salário Mensal Médio (R$) Folha Anual de Salários (R$) ,46 24,15 24,15 6, , ,29 PARTICIPANTES EM BENEFÍCIO PROPORCIONAL DIFERIDO Número Idade Média (anos) Benefício Mensal Médio (R$) (1) (1) Valor será calculado na data de início de recebimento do benefício. PARTICIPANTES ASSISTIDOS E BENEFICIÁRIOS Aposentados Número Idade Média (anos) Benefício Mensal Médio em R$ Aposentados Inválidos Número Idade Média (anos) Benefício Mensal Médio em R$ Beneficiários Número Idade Média (anos) Benefício Mensal Médio em R$ Total Número Idade Média (anos) Benefício Mensal Médio em R$ 70 44, , , ,49 516, , , , ,19 Salientamos que para a definição do número de Beneficiários foi considerado o grupo familiar de cada exparticipante, de tal forma que viúva e filhos de um mesmo exparticipante correspondessem a um pensionista. Os valores monetários apresentados correspondem a valores nominais posicionados em 31/07/2013. Na avaliação atuarial esses valores foram projetados para 31/12/2013, refletindo o conceito de capacidade. 14

15 3. HIPÓTESES E MÉTODOS ATUARIAIS UTILIZADOS Uma avaliação atuarial é um estudo que tem por objetivo principal estimar, na data do cálculo, o custo a longo prazo de um determinado plano de benefícios, devendo incluir os valores esperados relativos tanto aos participantes já recebendo benefícios quanto àqueles que ainda completarão as condições exigidas para tal. Para esse fim, são feitas projeções de longo prazo, admitindose um conjunto de hipóteses atuariais que represente de forma realista as expectativas com relação à experiência futura do plano. Essas hipóteses incluem aquelas de caráter econômico (retorno de investimento, taxa de crescimento salarial e taxa de reajuste dos benefícios) e, também, as de caráter biométrico (taxas de mortalidade, invalidez e rotatividade, idade de aposentadoria, estado civil e dependentes). A seguir, descreveremos o conjunto das principais hipóteses atuariais e econômicas utilizadas na apuração das Provisões Matemáticas desta avaliação atuarial. Taxa real anual de juros (1) (1) (2) Projeção de crescimento real de salário Projeção de crescimento real dos benefícios do plano (1) Fator de capacidade para os salários Fator de capacidade para os benefícios Hipótese sobre rotatividade (3) Tábua de mortalidade geral (4) Tábua de mortalidade de inválidos (5) Tábua de entrada em invalidez (4) Outras hipóteses biométricas utilizadas (6) 5% a.a. 2,2% a.a. 0% a.a. 100% 98% Mercer Service AT2000 Basic AT2000 Basic AT2000 Basic Mercer Retirement (1) O indexador utilizado é o INPC do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2) A hipótese adotada de crescimento salarial foi definida pela Patrocinadora levando em consideração a expectativa média de reajustes salariais futuros. (3) A rotatividade, pela Mercer Service, varia de acordo com o tempo de serviço (TS): Mínimo(0,45 / (TS + 1); 12,5%). A hipótese de rotatividade adotada foi definida com base em estudos elaborados a partir de informações históricas e expectativa futura das Patrocinadoras sobre admissões e desligamentos de Participantes do Plano. (4) Foi utilizada a tábua AT2000 Basic, segregada por sexo. (5) Foi utilizada a tábua AT2000 Basic, agravada em 5 anos e segregada por sexo. (6) A Mercer Retirement é uma tábua de probabilidade de entrada em aposentadoria e foi ajustada à experiência da ACEPREV da seguinte forma: 25% na primeira elegibilidade à Aposentadoria Antecipada, 10% entre a elegibilidade à Aposentadoria Antecipada e a Aposentadoria Normal e 100% na data de elegibilidade à Aposentadoria Normal. PRINCIPAIS RISCOS ATUARIAIS Os principais riscos atuariais do Plano estão concentrados na rentabilidade futura e na sobrevivência associada aos Participantes Mantidos e Assistidos, em gozo de renda mensal vitalícia, uma vez que estes têm seus benefícios estruturados na modalidade de benefício definido. Para os Participantes Migrados, Participantes admitidos após 05/09/2011, Assistidos e Beneficiários, em gozo de renda mensal financeira, o Plano não apresenta componentes de riscos atuariais, em função de se tratar de plano estruturado na modalidade de contribuição definida. As hipóteses atuariais utilizadas na presente avaliação atuarial foram fundamentadas por meio de documentação encaminhada pelas Patrocinadoras e por estudos específicos realizados em 31/07/2013, que tomaram como base a população existente no Plano administrado pela Acesita Previdência Privada ACEPREV. O detalhamento dos estudos, conforme previsto no item 1.2 da Resolução CGPC nº 18/2006, encontrase arquivado na Acesita Previdência Privada ACEPREV. Adicionalmente ressaltase que a adequação da taxa de juros foi objeto de estudo técnico especifico elaborado pela Entidade, de forma a identificar a partir da projeção dos ativos e do fluxo de caixa do passivo atuarial do plano de benefícios (estudo de ALM), a taxa de retorno da carteira. As projeções foram feitas com base na carteira atual. Com base nos resultados dos estudos supracitados, a Diretoria Executiva e o Conselho Deliberativo da ACEPREV aprovaram a manutenção da taxa real anual de juros de 5,00% a.a. Destacamos que a taxa real anual de juros de 5,00% a.a. atende ao disposto na legislação para a avaliação atuarial de encerramento do exercício de 2013 e corresponde àquela que foi adotada para as projeções atuariais do Plano. As seguintes premissas foram alteradas em relação à Avaliação Atuarial anterior: HIPÓTESE ATUARIAL Crescimento real de salário Rotatividade ,3% a.a. 0,15 / (TS + 1) ,2% a.a. Mínimo(0,45 / (TS + 1); 12,5%) A hipótese de crescimento salarial real foi alterada de 2,3% a.a. para 2,2% a.a. com o objetivo de refletir mais fielmente a expectativa de concessão de aumentos salariais reais pela Patrocinadora. A hipótese de rotatividade foi alterada de 0,15 / (TS +1) para Mínimo(0,45 / (TS + 1); 12,5%), com objetivo de refletir melhor a expectativa de desligamentos pela Patrocinadora. Informamos que, excetuada as alterações nas hipóteses mencionadas acima, não ocorreram outras alterações nas hipóteses atuariais e econômicas utilizadas na presente avaliação, com relação à avaliação atuarial realizada no exercício anterior. 15

16 ADEQUAÇÃO DOS MÉTODOS DE FINANCIAMENTO Os benefícios de Aposentadoria Normal, Especial e Antecipada, Incapacidade e Pensão por Morte, de Participante Ativo, foram avaliados, prioritariamente, pelo método de Capitalização Individual, sendo que o Benefício Mínimo e os benefícios garantidos foram avaliados pelo método Agregado, enquanto que para o benefício de Auxílio Doença foi adotado o método de Repartição Simples. Informamos que não ocorreram alterações nos métodos atuariais utilizados na presente avaliação, com relação à avaliação atuarial realizada no exercício anterior. Esta avaliação atuarial foi elaborada com base em hipóteses e métodos atuariais geralmente aceitos, respeitandose a legislação vigente, as características da massa de participantes e o Regulamento do Plano de Benefícios. Em nossa opinião, as hipóteses e métodos utilizados nesta avaliação atuarial são apropriados e atendem à Resolução CGPC nº 18/2006, alterada pela Resolução CNPC 09/2012, que estabelece os parâmetros técnicoatuariais para estruturação de plano de benefícios de Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 4. POSIÇÃO DAS PROVISÕES MATEMÁTICAS Certificamos que, de acordo com o Plano de Contas em vigor e com os totais dos Saldos de Contas individuais informados pela Acesita Previdência Privada ACEPREV, a composição das Provisões Matemáticas em 31 de dezembro de 2013 é a apresentada no quadro a seguir. O Equilíbrio Técnico do Plano foi determinado com base nas Provisões Matemáticas certificadas e nos valores do Patrimônio Social e dos Fundos Previdenciais, Administrativos e de Investimentos, fornecidos pela Acesita Previdência Privada ACEPREV, posicionados em 31/12/2013. CONTA NOME PATRIMÔNIO SOCIAL PATRIMÔNIO DE COBERTURA DO PLANO PROVISÕES MATEMÁTICAS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS Contribuição Definida Saldo de Conta dos Assistidos Benefício Definido Estruturado em Regime de Capitalização Valor Atual dos Benefícios Futuros Programados Assistidos Valor Atual dos Benefícios Futuros Não Programados Assistidos R$ , , , , , , , , ,82 CONTA NOME BENEFÍCIOS A CONCEDER Contribuição Definida Saldo de Contas Parcela Patrocinador(es)/ Instituidor(es) Saldo de Contas Parcela Participantes Benefício Definido Estruturado em Regime de Capitalização Programado Valor Atual dos Benefícios Futuros Programados () Valor Atual das Contribuições Futuras dos Patrocinadores () Valor Atual das Contribuições Futuras dos Participantes Benefício Definido Estruturado em Regime de Capitalização Não Programado Valor Atual dos Benefícios Futuros Não Programados () Valor Atual das Contribuições Futuras dos Patrocinadores () Valor Atual das Contribuições Futuras dos Participantes () PROVISÕES MATEMÁTICAS A CONSTITUIR () Serviço Passado () Patrocinador(es) () Participantes () Déficit Equacionado () Patrocinador(es) () Participantes () Assistidos (+/) Por Ajustes das Contribuições Extraordinárias (+/) Patrocinador(es) (+/) Participantes (+/) Assistidos EQUILÍBRIO TÉCNICO RESULTADOS REALIZADOS Superávit Técnico Acumulado Reserva de Contingência Reserva Especial para Revisão de Plano () Déficit Técnico Acumulado RESULTADOS A REALIZAR FUNDOS FUNDOS PREVIDENCIAIS Reversão de Saldo por Exigência Regulamentar Revisão do Plano de Aposentadoria Outros Riscos Atuariais Outros Créditos de Migração (ativos) FUNDOS ADMINISTRATIVOS FUNDOS DOS INVESTIMENTOS R$ , , , , , , , , , , , , , , , , , ,20 16

17 Os valores das provisões matemáticas apresentados acima foram obtidos considerandose o Regulamento do Plano de Benefícios da AMIB vigente em 31 de dezembro de 2013, Plano este que se encontra em manutenção. Não houve qualquer alteração regulamentar no Plano de Benefícios da AMIB. Observamos que a Mercer não efetuou qualquer análise sobre a qualidade dos ativos que compõem o Patrimônio Social do Plano de Benefícios ora avaliado, tendo se baseado na informação fornecida pela Acesita Previdência Privada ACEPREV. Em relação à estruturação das Provisões observamos ainda o que se segue: a) No caso de Aposentadoria concedida, a provisão matemática referente à reversão de Aposentadoria em Pensão por Morte do aposentado válido foi registrada na conta (valor atual dos benefícios futuros programados assistidos) e a provisão matemática referente à reversão de Incapacidade em Pensão por Morte do inválido foi registrada na conta (valor atual dos benefícios futuros não programados assistidos). b) A provisão matemática da Pensão por Morte já concedida foi registrada na conta (valor atual dos benefícios futuros não programados assistidos). c) A provisão matemática referente à futura reversão de Aposentadoria em Pensão por Morte de futuro aposentado válido foi registrada na conta (valor atual dos benefícios futuros programados). d) A provisão matemática referente à futura reversão da Incapacidade em Pensão por Morte do futuro inválido calculada para Participante Ativo foram registradas na conta (valor atual dos benefícios futuros não programados). VARIAÇÃO NAS PROVISÕES MATEMÁTICAS Apresentamos, a seguir, a variação observada nas provisões matemáticas do Plano de Benefícios da AMIB, quando comparadas com os valores apurados ao final do exercício anterior, atualizado pelo método de recorrência, em 31/12/2013. PROVISÕES MATEMÁTICAS Benefícios Concedidos Benefícios a Conceder Total , , , , , ,59 VARIAÇÃO 1,40% 1,96% 1,71% Não houve variação significativa na provisão matemática reavaliada, utilizando as mesmas hipóteses da avaliação atuarial de 2012, quando comparada com a provisão matemática evoluída, considerando a movimentação já esperada (juros, inflação e benefícios pagos). Houve uma redução nas provisões em decorrência da não concretização da hipótese de crescimento salarial no período, neste caso, de forma favorável ao Plano. NATUREZA DO RESULTADO Os principais fatores que contribuíram para a manutenção da posição superavitária do Plano de Benefícios da AMIB, bem como para elevação do Superávit Técnico Acumulado em 31/12/2013 foram: retorno esperado do ativo correspondente à parcela de benefício definido, superior à meta atuarial, revisão das hipóteses de rotatividade e crescimento salarial, e redução do número de Participantes Ativos Mantidos, acima do esperado. A Reserva de Contingência foi constituída conforme o disposto no parágrafo único do Artigo 7º na Resolução CGPC nº 26 de 29/09/2008. CONSTITUIÇÃO E REVERSÃO DE FUNDOS PREVIDENCIAIS Em atendimento ao disposto no Art. 5º da Resolução nº 26/2008, esclarecemos que os recursos alocados ao Fundo Previdencial em 31/12/2013, no montante de R$ ,71, estão segregados da seguinte forma: FUNDO DE REVERSÃO: R$ ,61 O Fundo de Reversão foi constituído com as contribuições da Patrocinadora, às quais os Participantes não tiveram direito por terem se desligado da ACEPREV antes de se tornarem elegíveis aos benefícios do Plano, conforme previsto no Art. 37 do Regulamento do Plano de Benefícios da AMIB e será utilizado conforme determinação do Patrocinador e homologação do Conselho Deliberativo, conforme previsão contida no artigo supracitado. OUTROS CRÉDITOS DE MIGRAÇÃO (ATIVOS): R$ ,42 Fundo constituído para a integralização dos Créditos de Compensação, Extraordinário, Extraordinário Mínimo e Saldamento, em decorrência da opção dos Participantes pelas novas regras do Plano de Benefícios, vigentes desde 05/09/2011. MANUTENÇÃO DO BENEFÍCIO ESPERADO: R$ ,68 Fundo constituído para cobertura do impacto decorrente da utilização do fator atuarial, que contempla a adoção da taxa de juros de 6% a.a. em substituição à taxa de 5% a.a., no cálculo do benefício vitalício dos Participantes Mantidos. Os Fundos Previdenciais de Outros Crédito de Migração (ativos) e Manutenção do Benefício Esperado foram constituídos com base no resultado positivo acumulado pelo Plano de Benefícios, tendo como causa as alterações regulamentares aprovadas pela PREVIC em 05/09/2011, que, dentre outras, modificaram a forma de recebimento dos benefícios do Plano e, consequentemente, alteraram a modalidade do Plano de Benefícios de contribuição variável para contribuição definida. 17

18 Em atendimento ao 3º do Art. 1º da Resolução CGPC nº 04, de 30/01/2002, informamos que o Plano de Benefícios mantém em seu ativo líquido, títulos mantidos até o vencimento e que foram efetuados estudos pela Acesita Previdência Privada ACEPREV relativos à sua manutenção sem o comprometimento da capacidade financeira do Plano. 5. PLANO DE CUSTEIO PARA O EXERCÍCIO DE 2014 Como resultado da avaliação atuarial do Plano de Benefícios da AMIB, realizada em 31/12/2013, determinamos o seguinte Plano de Custeio para a Patrocinadora Aperam Inox América do Sul S.A., bem como para os seus Participantes: PATROCINADORA A Contribuição Normal, resultante da aplicação do Art. 29 do Regulamento do Plano de Benefícios e destinada para a capitalização dos benefícios de Aposentadoria, Incapacidade e Pensão por Morte, foi estimada em 4,13% da folha de salários de participação dos Participantes Ativos, equivalente a R$ ,00 na data da avaliação. O custo do benefício de Auxílio Doença foi avaliado em 0,21% da folha de salários de participação dos Participantes Ativos, correspondendo ao montante equivalente a R$ ,34 na data da avaliação. Não há custo normal para os benefícios mínimos e garantidos pelo Plano para os Participantes Ativos Mantidos, uma vez que suas Provisões Matemáticas foram integralmente constituídas na Conta Coletiva, que é parte integrante das Provisões Matemáticas de Benefícios a Conceder. A contribuição mensal para a cobertura das despesas administrativas foi definida em moeda corrente e corresponde à divisão por 13, com contribuição em dobro no mês de dezembro, do valor orçado para o exercício de 2014, R$ ,95. Para o custeio dos projetos de melhoria referentes ao exercício de 2014, o Conselho Deliberativo da ACEPREV aprovou a utilização parcial do Fundo Administrativo, no equivalente a R$ ,05. As contribuições totais da Patrocinadora equivalem à taxa média estimada em 6,28% da folha de salário de participação. Esclarecemos que, de acordo com o disposto no Artigo 37 do Regulamento do Plano de Benefícios da AMIB, o Fundo Previdencial Reversão de Saldo por Exigência Regulamentar foi constituído com as contribuições da Patrocinadora, às quais os Participantes não tiveram direito por terem se desligado da Patrocinadora antes de se tornarem elegíveis aos benefícios do Plano. Este Fundo será utilizado pela Patrocinadora, para financiar contribuições devidas no exercício de 2014, de acordo com as regras estabelecidas pelo Conselho Deliberativo que corresponde a 60% das contribuições normais devidas pela Patrocinadora. PARTICIPANTES ATIVOS Os Participantes Ativos deverão efetuar as Contribuições Básicas descritas no Art. 19 do Regulamento do Plano de Benefícios, o qual estabelece os seguintes percentuais mínimos variáveis conforme a faixa salarial: FAIXA SALARIAL Até 11,32 UPC De 11,32 UPC a 19,25 UPC De 19,25 UPC a 35,95 UPC De 35,95 UPC a 47,56 UPC Acima de 47,56 UP Ao Participante Ativo Mantido fica assegurada a manutenção da Contribuição Básica resultante da aplicação sobre o seu Salário Aplicável, de um percentual inteiro determinado a seu critério, observandose as taxas mínimas abaixo: FAIXA SALARIAL Até 10 UPC De 10 UPC a 30 UPC Acima de 30 UPC % DE CONTRIBUIÇÃO 1% 5% 6,5% 7,8% 8,8% % DE CONTRIBUIÇÃO 3% 4% 5% O percentual médio apurado com base nos percentuais mínimos acima e na população ativa do Plano, avaliada em 31/12/2013, foi de 4,13% da folha de salários de participação desses Participantes, equivalente a R$ ,00 na data da avaliação. PARTICIPANTES AUTOPATROCINADOS Os Participantes Autopatrocinados deverão realizar, no mínimo, além das Contribuições Básicas, as Contribuições Normais e aquelas destinadas à cobertura das despesas administrativas, anteriormente de responsabilidade do Patrocinador, calculada de acordo com o custo per capita vigente no período. Com base na despesa esperada para o exercício de 2014 e no número de Participantes e de grupos familiares de Beneficiários do Plano, na data base desta Avaliação Atuarial, o valor mensal per capita da taxa administrativa corresponderá a R$ 58,63. Adicionalmente, os Participantes Autopatrocinados Mantidos poderão efetuar contribuições destinadas à cobertura do Benefício Mínimo e da garantia dos benefícios de Aposentadoria, Incapacidade, Auxílio Doença e Pensão por Morte, quando, então, passarão a ter direito a tais benefícios. 18

19 O percentual médio apurado referente à Contribuição Básica com base nos percentuais mínimos e na população de Participantes Autopatrocinados do Plano, em 31/12/2013, foi de 0,59% da folha de salários de participação dos Participantes Ativos, equivalente a R$ ,00 na data da avaliação. PARTICIPANTES EM BENEFÍCIO PROPORCIONAL DIFERIDO Os Participantes Vinculados deverão realizar contribuições mensais destinadas à cobertura das despesas administrativas, equivalente ao custo mensal per capita de R$ 58,63 para o exercício de * * * O plano de custeio apresentado neste parecer passa a vigorar a partir de 01/03/2014, permanecendo nos meses de janeiro e fevereiro de 2014 o custeio do exercício anterior apurado na avaliação atuarial realizada em 31/12/ CONCLUSÃO Certificamos que o Plano de Benefícios da AMIB, administrado pela Acesita Previdência Privada ACEPREV, referente à Patrocinadora Aperam Inox América do Sul S.A., está superavitário em 31/12/2013, dependendo do pagamento das contribuições previstas no Plano de Custeio e da realização das hipóteses atuariais para manter esta situação. O valor do excesso do Patrimônio do Plano sobre o valor das Provisões Matemáticas foi utilizado para constituição da Reserva de Contingência. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de Mercer Human Resource Consulting Ltda. 19

20 PARECER ATUARIAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS DA AMIB EM 31/12/2013 PATROCINADORA ACESITA PREVIDÊNCIA PRIVADA ACEPREV 1. INTRODUÇÃO Na qualidade de atuários responsáveis pela avaliação atuarial do Plano de Benefícios da AMIB, administrado pela Acesita Previdência Privada ACEPREV, apresentamos nosso parecer sobre a situação atuarial do citado Plano referente à Patrocinadora Acesita Previdência Privada ACEPREV, posicionado em 31 de dezembro de PERFIL DOS PARTICIPANTES A data base dos dados individuais relativos aos Participantes Ativos, Assistidos e Beneficiários utilizados no presente estudo foi 31/07/2013. QUALIDADE DA BASE CADASTRAL Os dados individuais foram fornecidos pela Acesita Previdência Privada ACEPREV à Mercer que, após a realização de testes apropriados e devidos acertos efetuados em conjunto com a Entidade, considerouos adequados para fins desta avaliação atuarial. A análise efetuada pela Mercer na base cadastral utilizada para a avaliação atuarial objetiva, única e exclusivamente, a identificação e correção de eventuais distorções na base de dados, não se inferindo dessa análise a garantia de que a totalidade das distorções foram detectadas e sanadas, permanecendo, em qualquer hipótese, com a Acesita Previdência Privada ACEPREV a responsabilidade plena por eventuais imprecisões existentes na base cadastral. As principais características do grupo avaliado, na data base dos dados, estão resumidas nas tabelas a seguir: PARTICIPANTES ATIVOS Número Sexo Masculino Sexo Feminino Idade Média (anos) Tempo de Serviço na Patrocinadora Médio (anos) Tempo Médio de Contribuição (anos) Tempo Médio para a Aposentadoria (anos) Salário Mensal Médio (R$) Folha Anual de Salários (R$) ,44 11,89 11,89 12, , ,87 PARTICIPANTES AUTOPATROCINADOS Número Idade Média (anos) Tempo de Serviço na Patrocinadora Médio (anos) Tempo Médio de Contribuição (anos) Tempo Médio para a Aposentadoria (anos) Salário Mensal Médio (R$) Folha Anual de Salários (R$) 2 33,59 6,68 6,68 18, , ,67 PARTICIPANTES EM BENEFÍCIO PROPORCIONAL DIFERIDO Número Idade Média (anos) Benefício Mensal Médio (R$) (1) (1) Valor será calculado na data de início de recebimento do benefício. 1 38,17 Os valores monetários apresentados correspondem a valores nominais posicionados em 31/07/2013. Na avaliação atuarial esses valores foram projetados para 31/12/2013, refletindo o conceito de capacidade. 3. HIPÓTESES E MÉTODOS ATUARIAIS UTILIZADOS Uma avaliação atuarial é um estudo que tem por objetivo principal estimar, na data do cálculo, o custo a longo prazo de um determinado plano de benefícios, devendo incluir os valores esperados relativos tanto aos participantes já recebendo benefícios quanto àqueles que ainda completarão as condições exigidas para tal. Para esse fim, são feitas projeções de longo prazo, admitindose um conjunto de hipóteses atuariais que represente de forma realista as expectativas com relação à experiência futura do plano. Essas hipóteses incluem aquelas de caráter econômico (retorno de investimento, taxa de crescimento salarial e taxa de reajuste dos benefícios) e, também, as de caráter biométrico (taxas de mortalidade, invalidez e rotatividade, idade de aposentadoria, estado civil e dependentes). A seguir, descreveremos o conjunto das principais hipóteses atuariais e econômicas utilizadas na apuração das Provisões Matemáticas desta avaliação atuarial. 20

ACEPREV Acesita Previdência Privada. Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade.

ACEPREV Acesita Previdência Privada. Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade. ACEPREV Acesita Previdência Privada Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade. RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2008 M ENSAGEM DA DIRETORIA A Diretoria Executiva

Leia mais

ABRIR-SE é... ampliar os horizontes...ser flexível e adaptar-se com tranquilidade às mudanças... ficar mais forte para durar toda a vida.

ABRIR-SE é... ampliar os horizontes...ser flexível e adaptar-se com tranquilidade às mudanças... ficar mais forte para durar toda a vida. ACEPREV Acesita Previdência Privada ABRIR-SE é... ampliar os horizontes...ser flexível e adaptar-se com tranquilidade às mudanças... ficar mais forte para durar toda a vida. RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

presente. futuro, Aceprev Acesita Previdência Privada Relatório Anual de Atividades 2014 Há 20 anos cuidando do seu

presente. futuro, Aceprev Acesita Previdência Privada Relatório Anual de Atividades 2014 Há 20 anos cuidando do seu Aceprev Acesita Previdência Privada Relatório Anual de Atividades 2014 Há 20 anos cuidando do seu futuro, para que você possa viver ao máximo o seu presente. Sumário Mensagem da Diretoria 3 1. A Entidade

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: BUNGEPREV 2- CÓDIGO: 3861 3- RAZÃO SOCIAL: BUNGEPREV - Fundo Múltiplo de Prev idência Priv

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 O presente resumo do Relatório Anual de Informações de 2014 trata das atividades desenvolvidas pela POUPREV, no referido

Leia mais

ESTABILIDADE RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2012. Consolidado o processo de transformação, estamos prontos para voar em segurança e crescer.

ESTABILIDADE RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2012. Consolidado o processo de transformação, estamos prontos para voar em segurança e crescer. ACEPREV Acesita Previdência Privada RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2012 ESTABILIDADE Consolidado o processo de transformação, estamos prontos para voar em segurança e crescer. MENSAGEM DA DIRETORIA Para

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Aceprev. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS. Aperam Inox América do Sul S.A. Acesita Previdência Privada

Aceprev. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS. Aperam Inox América do Sul S.A. Acesita Previdência Privada Aceprev Acesita Previdência Privada Aperam Inox América do Sul S.A. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS Aceprev Acesita Previdência Privada DIRETORIA EXECUTIVA Nélia Maria de Campos Pozzi -

Leia mais

9- VALOR 6- 8- ÚLTIMA 7- INÍCIO DE RESGATE SALÁRIO DA 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL R$ 440.797,11 8.441 R$ 281.990.

9- VALOR 6- 8- ÚLTIMA 7- INÍCIO DE RESGATE SALÁRIO DA 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL R$ 440.797,11 8.441 R$ 281.990. FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 4- NÚMERO DE PLANOS: 4 5- PLANOS 19.980.014-74 - PLANO DE 35% DA MEDIA SALARIAL 9- VALOR

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

VALORES DE MERCADO DOS INVESTIMENTOS R$ (MIL)

VALORES DE MERCADO DOS INVESTIMENTOS R$ (MIL) INVESTIMENTOS Discriminação dos Investimentos VALORES DE MERCADO DOS INVESTIMENTOS R$ (MIL) Plano dez/2013 %Aplicação %Política de Investimentos PGA dez/2013 %Aplicação Entidade dez/2013 %Aplicação Limite

Leia mais

15 Disponível. 1. Adições. 4 Recebível. (+) Contribuições. 398 Investimento. -1 Empréstimos e Financiamentos. 2. Destinações - - - (-) Benefícios

15 Disponível. 1. Adições. 4 Recebível. (+) Contribuições. 398 Investimento. -1 Empréstimos e Financiamentos. 2. Destinações - - - (-) Benefícios Demonstração do Ativo Líquido por Plano Benefícios PBS Telemig Celular Período: 015 e 0 zembro R$ Mil Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano Benefícios PBS Telemig Celular / Período: 015 e

Leia mais

Sumário. Planos de Contribuição Variável

Sumário. Planos de Contribuição Variável Planos de Contribuição Variável Sumário Plano Sanasa Parecer atuarial sobre o balanço...2 Demonstrações patrimonial e de resultados de plano de benefícios de natureza previdencial...7 Demonstrativo de

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL

FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL Avaliação Atuarial Especial de Setembro PLANO DE BENEFÍCIOS 2 - RP2 MINASCAIXA CNPB 1979.0034-83 Relatório 119/13 Outubro/2013 1 ÍNDICE 1.1 OBJETIVO DA AVALIAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

SUMÁRIO 1. A ENTIDADE - ORGANOGRAMA 2. PARTICIPANTES 3. BENEFÍCIOS 4. CONTRIBUIÇÕES PARA A ENTIDADE 5. PATRIMÔNIO

SUMÁRIO 1. A ENTIDADE - ORGANOGRAMA 2. PARTICIPANTES 3. BENEFÍCIOS 4. CONTRIBUIÇÕES PARA A ENTIDADE 5. PATRIMÔNIO SUMÁRIO 1. A ENTIDADE - ORGANOGRAMA 2. PARTICIPANTES 3. BENEFÍCIOS 4. CONTRIBUIÇÕES PARA A ENTIDADE 5. PATRIMÔNIO 6. INVESTIMENTOS - RENTABILIDADE E RESUMO DO DEMONSTRATIVO DE INVESTIMENTOS 7. DESPESAS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II A MUTUOPREV Entidade de Previdência Complementar - CNPJ nº 12.905.021/0001-35 e CNPB 2010.0045-74, aprovado pela portaria nº 763 de 27 de setembro

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL Artigo 19, da Resolução do CGPC nº 13/04. CAPOF Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão. 1º SEMESTRE DE 2011

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

Introdução DEDICATÓRIA

Introdução DEDICATÓRIA 1 Introdução Você está recebendo o resumo impresso do Relatório Anual de Informações aos Participantes (RAIP) referente ao exercício 2013, com informações do(s) Plano(s) de Benefícios Previdenciário(s)

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras do Exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Fundação Sabesp de Seguridade Social Sabesprev CNPJ nº 65.471.914/0001-86 Alameda Santos, 1827 14º andar Cerqueira César -

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

demonstração da Mutação do ativo Líquido

demonstração da Mutação do ativo Líquido Período: dezembro de 2010 R$ mil demonstração da Mutação do ativo Líquido Visão ATelecom Descrição 2010 A) Ativo Líquido - Início do Exercício 2.207 1. Adições 4.979 (+) Contribuições 4.727 (+) Resultado

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

Celgprev CELPREV. Cartilha do Participante. Introdução

Celgprev CELPREV. Cartilha do Participante. Introdução Celgprev CELPREV Cartilha do Participante Introdução A partir de dezembro de 2000, a CELG distribuição, a Celg geração e transmissão, Celgpar e a ELETRA passam a oferecer aos seus empregados o Celgprev:

Leia mais

CARTILHA DO PLANO C FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO C FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO C Cartilha do Plano C APRESENTAÇÃO O plano de benefícios previdenciários conhecido como Plano C foi implantado em 1997. O regulamento do Plano C foi adaptado à Lei Complementar nº 109,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE 1 REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DO GLOSSÁRIO CAPÍTULO III DA FORMA DE GESTÃO DOS RECURSOS CAPÍTULO IV DA CONSTITUIÇÃO DO PGA CAPÍTULO V

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO COM BIBLIOGRAFIA

PROGRAMA DETALHADO COM BIBLIOGRAFIA CERTIFICAÇÃO DE DIRIGENTES DAS EFPC PROGRAMA DETALHADO COM BIBLIOGRAFIA Versão 25/08/2010 1 I. Administração Geral 1) Fundos de Pensão Coletânea de Normas MPS/SPC Junho/2009; 2) LegNormas eletrônico disponibilizado

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com.

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com. MATERIAL EXPLICATIVO DO PLANO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FIEMG Outubro / 2013 A CASFAM A CASFAM é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), sociedade civil patrocinada pelo Sistema FIEMG, com

Leia mais

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO Fevereiro/2012 Apresentação Prezado participante, Com o objetivo de mostrar como funciona a Fundação Coelce de Seguridade Social Faelce e o Plano de Benefícios Definidos,

Leia mais

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI)

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) NUCLEOS Instituto de Seguridade Social Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) Maio, 2009 Índice Capítulo Página I Introdução...1 II Alocação

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO NOVEMBRO DE 2013 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

CADERNO APOS Nº 1. PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15)

CADERNO APOS Nº 1. PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15) CADERNO APOS Nº 1 PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15) 1 1 Introdução... 3 2 Quadro Balancete Sintético (superávit ou déficit do plano) mensal... 3

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

Sistema Integrado de Orçamento. Para EFPC SIOEFPC. (Entidades Fechadas de Previdência Complementar) edson@fgv.br

Sistema Integrado de Orçamento. Para EFPC SIOEFPC. (Entidades Fechadas de Previdência Complementar) edson@fgv.br Sistema Integrado de Orçamento Para EFPC (Entidades Fechadas de Previdência Complementar) SIOEFPC edson@fgv.br Índice Página 1 - Exemplo Numérico... 2 2 - Relatório do 1º Plano... 3 3 - Programa Previdencial...

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015 Política de Investimentos PGA 2011 a 2015 Fundação Saelpa de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de Gestão Administrativa... 3 3. Alocação de recursos e

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO PLANO DE BENEFÍCIOS II. Resumo Relatório Anual 2014 BANORTE II

RELATÓRIO ANUAL RESUMO PLANO DE BENEFÍCIOS II. Resumo Relatório Anual 2014 BANORTE II RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS II Mensagem da Diretoria Maior eficácia nos controles, no atendimento e na Comunicação Administrar um plano de previdência complementar envolve vários aspectos

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

DIRETORIA DE INVESTIMENTOS DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal de Investimentos Fundo Financeiro e Previdenciário Fevereiro Rio de Janeiro 2015 1 Diretoria de Investimentos Gustavo de Oliveira Barbosa Diretor Presidente

Leia mais

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 Secretaria da Administração do Estado da Bahia Superintendência de Previdência Diretoria de Gestão Financeira Previdenciária e Investimentos PROPOSTA DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 REGIME PRÓPRIO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ENTIDADE RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS:

Leia mais

Demonstrativo de Investimentos

Demonstrativo de Investimentos Demonstrativo de Investimentos 1º Trimestre de 2013 Este relatório é de uso exclusivo dos órgãos de administração (Diretoria, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal) da SIAS. Diretoria Administrativa

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1. DOS OBJETIVOS...

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Sumário. Aos Participantes 5. Governança Corporativa 6. Posição Patrimonial Consolidada 7. Planos Previdenciários 9. Política de Investimentos 16

Sumário. Aos Participantes 5. Governança Corporativa 6. Posição Patrimonial Consolidada 7. Planos Previdenciários 9. Política de Investimentos 16 RELATÓRIO ANUAL RELATÓRIO ANUAL Sumário Aos Participantes 5 Governança Corporativa 6 Posição Patrimonial Consolidada 7 Planos Previdenciários 9 Política de Investimentos 16 Desempenho Financeiro 27 Planos

Leia mais

Plano de Benefício Definido Centrus - PBDC

Plano de Benefício Definido Centrus - PBDC Plano de Benefício Definido Centrus - PBDC Política de Investimentos - Período 2014 a 2018 12/11/2013 Ativos 1 - Fundamentação da Política Alocação dos Recursos - 2014 a 2018 Renda Fixa 238,0 69,8% 271,9

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

Relatório 01/2015 Demonstrações Contábeis. Janeiro 2015. Coordenadoria de Contabilidade Diretoria de Administração

Relatório 01/2015 Demonstrações Contábeis. Janeiro 2015. Coordenadoria de Contabilidade Diretoria de Administração Relatório 01/2015 Demonstrações Contábeis Janeiro 2015 Coordenadoria de Contabilidade Diretoria de Administração 1. Introdução Este relatório tem por objetivo apresentar para Diretoria Executiva e Conselho

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

Política de Investimentos 2014 a 2018

Política de Investimentos 2014 a 2018 Política de Investimentos 2014 a 2018 Fundação de Previdência dos Servidores do Instituto de Resseguros do Brasil PREVIRB Plano de Gestão Administrativa 1 Introdução A presente política de investimento

Leia mais

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2012. Principais Destaques

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2012. Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Principais destaques do período

Principais destaques do período Apresentação A Diretoria da Sabesprev apresenta a seus participantes o resultado de mais um exercício, marcado por uma gestão participativa, inserida nos preceitos da Governança Corporativa e com total

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397 BANCO CENTRAL DO BRASIL FUNDO DE GARANTIA DOS DEPÓSITOS E LETRAS IMOBILIÁRIAS - FGDLI BALANÇO PATRIMONIAL DE ENCERRAMENTO - EM 29 DE ABRIL DE 2005 A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Aposentadoria CitiPrevi

Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Aposentadoria CitiPrevi Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Aposentadoria CitiPrevi Página 1 do quadro comparativo das alterações efetuadas no Regulamento do CitiPrevi Capitulo 1 Do Objeto 1.1

Leia mais

Conheça melhor o Plano de Benefícios INDUSPREV SENAI-SP

Conheça melhor o Plano de Benefícios INDUSPREV SENAI-SP Construindo no presente um futuro melhor... Conheça melhor o Plano de Benefícios INDUSPREV SENAI-SP MATERIAL EXPLICATIVO DO PLANO INDUSPREV SENAI-SP Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência

Leia mais

Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos anos. O que existe é um déficit atuarial.

Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos anos. O que existe é um déficit atuarial. PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O SABESPREV MAIS. 1. A Sabesprev está em dificuldades financeiras? Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

Módulo V Fundos de Investimentos. De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%)

Módulo V Fundos de Investimentos. De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%) Módulo V Fundos de Investimentos De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%) 5 - Fundos de Investimentos Definições legais Tipos de Fundo Administração Documentos dos fundos Dinâmica de Aplicação e resgate

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO

RELATÓRIO ANUAL RESUMO RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2014 ÍNDICE Despesas Previdenciais e de Investimentos...3 Rentabilidade dos Perfi s de Investimento...3 Investimentos...3 Número de Participantes...4 Resumo do Resultado Atuarial...4

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Índice Quem Somos Estrutura do plano Importância da Previdência Privada. Quanto antes melhor! As regras do plano Canais Visão Prev 2 Visão Prev Entidade fechada

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

Relatório do PGA. Relatório Maio/2012

Relatório do PGA. Relatório Maio/2012 Relatório Maio/2012 O relatório do PGA Plano de Gestão Administrativa tem o objetivo de prestar contas das atividades de gestão administrativa, dos planos de benefícios, desenvolvidas no mês. Informando

Leia mais

Criada em 1904, antes da Previdência Oficial no Brasil. Maior fundo de pensão da América Latina; e,

Criada em 1904, antes da Previdência Oficial no Brasil. Maior fundo de pensão da América Latina; e, Fundos de Pensão NASCIMENTO Criada em 1904, antes da Previdência Oficial no Brasil STATUS ATUAL Maior fundo de pensão da América Latina; e, 25º do mundo, em patrimônio. (*) () k d l d l l (*) Ranking divulgado

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.)

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.) Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 11.664.201/0001-00 Deloitte

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO 2009

RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO 2009 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO 2009 A Diretoria Executiva da CAFBEP apresenta as Demonstrações Contábeis do exercício de 2009, as quais abrangem, ainda, comparativamente, as informações do exercício de 2008.

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais